Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Emilio Willems

Texte intégral

1Universidade de São Paulo
Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
Caixa Postal, 105-B
São Paulo
São Paulo, 28 de Julho de 1949

2Prezado Senhor:

3Venho agradecer-lhe sua carta de 26-VI, assim como a oferta de seu livro sobre Vilarinho da Furna. Seguirá por estes dias um exemplar de “Cunha” acompanhado de alguns trabalhos menores. O senhor verá então que temos realmente interesses comuns. A tua monografia interessa-me extraordinariamente, pois meu atual plano de pesquisa visa o estudo de elementos culturais portugueses que se conservaram, puros ou modificados, na “folk cultura” do Brasil. Naturalmente, será necessário passar alguns meses em Portugal para colher os dados indispensáveis à realização de tal estudo comparativo. Infelizmente, não consegui, até agora, levantar os fundos necessários que a execução desse projeto exige. Esta é uma das razões por que aceitei um convite da Vanderbilt University para dar cursos relacionados com o Brasil. Espero então que nos Estados Unidos seja mais fácil conseguir ajuda financeira para o meu projeto.

4Já que o Senhor gentilmente oferece sua ajuda, quero pedir-lhe uma bibliografia sobre a organização, formal e informal, das comunidades e particularmente da família portuguesa. Meu endereço será, a partir do próximo mês: Department of Sociology and Anthropology, Vanderbilt University, Nashville, Tenessee, U.S.A.

5Reiterando meus agradecimentos, cumprimentando-o mui cordialmente,

6Emilio Willems

*

7Universidade de São Paulo
Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
Caixa Postal, 105-B
São Paulo 2-8-1949

8Prezado Senhor Jorge Dias:

9Espero que tenha recebido minha primeira carta em que lhe agradeci a oferta de sua monografia Vilarinho da Furna. Li grande parte de seu livro que me parece extremamente importante e bem estruturado. Interessa-me sobremodo o sistema de sanções comunitárias, como a expulsão, etc. Vilarinho constitui exceção ou regra nesse ponto? Conhece outras modalidades de punição aplicadas por comunidades desse tipo?

10Aqui junto vão “Cunha” e dois outros estudos recentes. Infelizmente muitos erros escaparam na revisão do livro. Contei 50, mas não tenho tempo para corrigi-los em todos os exemplares que são remetidos. Peço-lhe que os desconte…

11Um começo de cooperação poderíamos estabelecer se o Sr. fizesse uma espécie de inventário de todos os elementos culturais, registrados em Cunha, que ainda existem em comunidades rurais de Portugal (ou que existiram no passado). Farei o mesmo com a sua monografia. Que tal a ideia?

12Como já lhe escrevi, meu endereço é, a partir de setembro, Department of Sociology and Anthropology, Vanderbilt University, Nashville, Tenessee, U.S.A.

13Mui cordialmente

14Emilio Willems

*

15Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Institute for Brazilian Studies
Nashville, 29/3/1950

16Prezado amigo Dr Dias:

17Acabo de receber sua carta de 25/03 com a bibliografia inclusa. Muitíssimo obrigado. Com a anterior, essa bibliografia é preciosa, pois o Amigo dificilmente imagina como se precisa fazer força para conseguir indicações precisas sobre a história social, a etnografia e sociologia relacionadas com Portugal. Quanto à minha viagem a Portugal nada foi decidido até agora, mas espero a decisão ainda neste mês ou no começo de abril.

18Wagley faz parte da comissão organizadora do Colloquium Luso-Brasileiro, e portanto, a voz dele pesa mais do que a minha no que diz respeito a escolha dos participantes. Parece-me (se entendi bem) que as despesas de viagem são custeadas pela Library of Congress, pois de outra maneira seria difícil obter alguma participação dos dois países. Cabe a mim produzir um “paper” sobre a cultura portuguesa no Brasil. Justamente o assunto que me propus investigar! Creio que a minha contribuição não vai ser muito mais do que um plano de pesquisa.

19No mês passado o Wagley esteve no Instituto, e tivemos algumas sessões muito interessantes. Num seminário discutimos a cultura de Cunha e de uma comunidade amazônica que Wagley estudou alguns anos atrás. A comparação produziu resultados surpreendentes. Diria que o denominador comum é sempre o “background” português.

20Reiterando os meus agradecimentos, cumprimento-o

21Mui cordialmente Emilio Willems

*

22Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Box 7
INSTITUTE FOR BRAZILIAN STUDIES
Nashville, 11/03/1951

23Caro amigo Jorge Dias:

24Logo depois de receber sua carta, o Dr. Carlson respondeu-lhe nos termos sugeridos. Creio que a assinatura dele, como diretor do Instituto, fará melhor efeito do que a minha. Inclusa vai uma página do Hustler, órgão da Vanderbilt, com uma notícia sobre a sua visita. É verdade que no Nashville Tennessean nada saiu, sem que haja uma razão qualquer ligada à sua pessoa, está claro. Deve ser um desses mistérios de redação que leigos não compreendem. A carta de Carlson reflete o que atualmente se deu: raramente uma conferência, dada no Instituto, foi elogiada com tanta sinceridade e unanimidade como a sua.

25Sua referência foi a primeira notícia que tive sobre o trabalho de Wagley no Brasil. Sou um pouco pessimista quanto aos resultados, pois o Wagley está mais ou menos preso entre dois monstros formidáveis: o meio absorvente da Columbia com seus mil e um graduate students e a inércia dos brasileiros que necessitam de constantes injeções tonificantes para não sucumbir às tentações de “vida dispersiva” e ao costumeiro derrotismo. É uma posição heroica e ingrata.

26O nosso Departamento de Sociologia e Antropologia está desaparecendo pela [?] vez. Leonard vai para o Brasil e depois para Michigan State College, um colega vai para Costa Rica e um terceiro para um serviço de pesquisa do exército. O velho Hayes e eu somos os únicos sobreviventes. Mas o Instituto está numa fase promissor, e é isso que me prende aqui…

27Desde que partiu tive ocasião de consultar elevado número de obras sobre Portugal. Infelizmente algumas das monografias regionais que mais me interessam, não se encontram em nenhuma das bibliotecas públicas dos U.S São as seguintes:

28Santos Garcia, O poveiro

29Rodriguez dos Santos, Monografia de Meirinhos

30Vieira de Sá, O Alentejo

31Tude de Souza, O Gerez

32Vergilio Taborda, Alto Trás-os-Montes

33Acha possível encontrar esses livros num sebo de Lisboa ou Porto? Gostaria muito de comprá-los. Não se esqueceu dos livros expostos em Washington?

34Continuo firme no propósito de ir à Portugal no próximo ano, se bem que, no momento, nada possa dizer de definitivo. Espero que a situação política se estabilize, coisa essa que provavelmente vai suceder…

35Com um grande abraço do Emilio Willems

*

36Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Department of Sociology and Anthropology
Box 7
12/6/1951

37Caro amigo Jorge Dias:

38Devo pedir desculpa por não ter acusado recebimento dos três volumes que recebi por intermédio de sua livraria. Fiquei imensamente satisfeito porque são precisamente aqueles livros que nunca consegui encontrar em biblioteca nenhuma, nem aqui, nem no Brasil. Não sei como agradecer-lhe esse favor.

39Quando chegaram os volumes, estávamos em véspera de partir para o México. Creio que lhe contei que havia necessidade de obtermos vistos permanentes fora do país. Finalmente veio a notícia do cônsul em Reynosa de que a “investigação” havia sido favorável a meu pedido. Assim pus a família em marcha. Dentro de uma semana viajamos 2500 milhas de carro. Atravessamos Arcansas, Texas, Louisiana e Mississippi conhecendo a tradicional “plantation área”, certamente uma das regiões mais interessantes dos U.S. Depois da nossa volta entramos em exames finais que significam trabalho dobrado por algumas semanas. Mas agora estou mais folgado.

40Dentro de duas ou três semanas seguirei para o Brasil onde terei que estudar novamente os alemães.

41E como vai o amigo? Espero ter notícias suas de vez em quando. Com um cordial abraço do amigo de sempre

42Emilio Willems

43NB. O volume com os livros não continha conta nenhuma, provavelmente por um lapso do livreiro.

*

4412/01/1952
Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Department of Sociology and Anthropology
Box 7

45Caro amigo Jorge Dias:

46Muito agradecido pela carta sua de 1 de Dezembro. Ouvi da sua viagem ao Brasil, mas só depois de ter regressado. Passei dois meses agitados no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, pois tive de estar de volta em setembro para o casamento de minha filha.

47Com muito pesar meu não posso candidatar-me à bolsa sobre que conversamos por ocasião de sua visita a Nashville. Tenho que “restaurar” as minhas finanças e lecionar no Michigan State College no próximo verão. Você sabe o que quer dizer um casamento para um pai atribulado que sou… Assim todos os planos “portugueses” têm que ser adiados.

48Não deixe de enviar-me qualquer publicação sua que está por sair. Com um grande abraço do amigo de sempre

49Emilio Willems

*

50University of Michigan
ANN ARBOR, MICHIGAN
COLLEGE OF LIT., SCIENCE AND THE ARTS
DEPT.
OF ANTHROPOLOGY
7/1/1953

51Caro amigo Jorge Dias:

52Ao receber seu cartão de Nova York, meses atrás, tomei a resolução de escrever-lhe, mas o tempo conspirou contra os meus propósitos. O segundo cartão, com seus votos de um feliz Natal, lembrou-me do meu dever para com o amigo. A única coisa que posso alegar em defesa própria é que os últimos seis meses foram bastante agitados, pois de professor visitante passei a professor ambulante. Durante o verão lecionei no Michigan State College, depois veio o convite da Universidade de Michigan, mas entre os dois passei um mês na estrada em visita ao oeste e à filha que mora em Idaho. Agora espero ficar aqui, pelo menos até Agosto.

53Como vai seu trabalho? Tem publicado alguma coisa? Não se esqueça de enviar-me sua próxima monografia, aquela de que me falou dois anos atrás. Meu estudo sobre a Ilha de Búzios, vai sair como volume da American Ethnological Society, dentro de poucas semanas. Enviar-lhe-ei um exemplar. Meu pequeno Dicionário de Sociologia achou um eco inesperado em França. Armand Cuvillier vai traduzi-lo ainda este ano. Deve sair para o próximo ano letivo, lá pelo mês de novembro.

54Na expectativa de ter notícias suas, cumprimenta-o

55Mui cordialmente

56Emilio Willems

57Enviei-lhe uma separata de meu estudo sobre crânios de Sambaquí

*

58University of Michigan
ANN ARBOR, MICHIGAN
COLLEGE OF LIT., SCIENCE AND THE ARTS
DEPT.
OF ANTHROPOLOGY
24 de junho de 1953

59Caro amigo Dias:

60Fiquei muito satisfeito em receber sua carta de 12 de maio. Já estava preocupado com o longo silêncio a que decidiu recolher-se, mas felizmente as razões foram de ordem positiva. Interpreto o seu contrato com a Universidade de Coimbra como sendo uma promoção e dou-lhe os meus parabéns mais sinceros.

61Acho muitíssimo interessante o que me escreve sobre a estrutura de família em algumas comunidades rurais de Portugal. Ainda estou desesperadamente atrás de material comparativo que é tão difícil de conseguir. Parece que se referiu a alguma coisa publicada, e naturalmente gostaria de ter indicações mais precisas, mesmo no caso de se tratar de observações não publicadas. Dentro de poucos dias receberei as separatas de um artigo sobre a estrutura de família brasileira. Enviar-lhe-ei um exemplar, e gostaria muito de ter sua opinião. A pergunta principal que gostaria de fazer-lhe é naturalmente esta: a que ponto os fatos observados no Brasil se aplicam à família portuguesa? Seria mesmo interessante confrontar os fatos em todos os pormenores.

62O meu “nomadismo acadêmico”, como muito bem diz, é menos fatigante do que parece. De fato, é uma maneira de descansar e de quebrar a monotonia. Por um ano fiquei livre das responsabilidades de um membro “normal” do corpo docente da Vanderbilt para gozar (“enjoiar” dizem os brasileiros americanizados) dos privilégios de um professor visitante. Resultado: neste ano consegui preparar um volume sobre Direito Primitivo (que já existe em forma de apostila), redigi um estudo sobre “Positive Influences of Immigration on the Cultural Process in Brazil” para a UNESCO, e um programa de ensino de prehistória e etnologia do Brasil, para o Instituto Panamericano de Geografia e História. Enviar-lhe-ei esses trabalhos à medida que forem publicados.

63Meus convites de ir ao Brasil tem a mesma sorte que os seus: Estou adiando os projetos de pesquisa simplesmente por falta de tempo.

64Atualmente, estou estudando as possibilidades de visitar a Europa, especialmente Portugal, no verão de 1954. O aspecto financeiro é naturalmente o mais difícil de todos, e devo confessar que sua carta me animou um pouquinho. Naturalmente estou disposto a dar uma ou várias conferências em troca de uma “ajuda de custo”. Veja lá o que se pode arranjar!

65Com um grande abraço do amigo de sempre,

66Emilio Willems

*

67Vanderbilt University
Nashville,Tennessee
Box 7
21-XII-1953

68Caro amigo Jorge Dias:

69Estou trabalhando ativamente para ir a Portugal no próximo verão. Não sei, naturalmente, se conseguirei os fundos que pedi. Isso é jogo de azar, e nada mais. Veremos.

70Com os votos de um Fröhliche Weihnacht und Feliz Ano Novo, para o amigo e sua família,

71Mui cordialmente

72Emilio Willems

*

73Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Institute for Brazilian Studies
12 de abril de 1954

74Meu caro amigo Jorge Dias:

75Há muito tempo que não tenho notícias suas, mas espero que tudo lhe esteja correndo bem.

76Estarei em Portugal no mês de junho e pretendo passar uns dois meses em diversas partes do país. Naturalmente, gostaria muito de ter seus conselhos e sugestões quanto a itinerário, meios de transporte, etc. Meu interesse reside, grosso modo, nos mesmos assuntos que abordei no Colloquium Luso-Brasileiro.

77Na expectativa de uma notícia sua, cumprimenta-o mui cordialmente

78Emilio Willems

79*

80Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Institute for Brazilian Studies
29 de abril de 1954

81Meu caro Jorge Dias:

82Fiquei muito satisfeito em receber sua carta, pois estava apreensivo com o seu silêncio. Espero com o maior interesse as suas publicações recentes, principalmente a sua monografia sobre Rio de Onor. Eu tinha um convite de S. Paulo para tomar parte nos diversos congressos que ali se realizam entre junho e agosto, mas tive que declinar porque minha viagem a Portugal já estava arranjada. Penso passar aí de dois a três meses, dependendo dos meus recursos e do custo de vida. Já que Você não estará aí durante o verão, Você me poderia fazer o grande favor de me indicar alguns de seus colegas com que poderia entrar em contato, e que me poderiam dar sugestões sobre bibliotecas, viagens etc? Isso ajudaria enormemente. Estarei em Lisboa por uma ou duas semanas, depois em Coimbra e Porto. Meu vapor irá a 4 de junho e chegarei a Lisboa lá pelo dia 15 ou 16.

83Que Você vai fazer no Brasil? Pesquisas? Desejo-lhe uma boa viagem, e só sinto de não poder estar com Você.

84Com um grande abraço do amigo de sempre

85Emilio Willems

*

86Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Department of Sociology and Anthropology
May 13, 1954

87Meu caro Jorge Dias:

88Não poderia ter sido melhor a notícia sua de que ainda estará aí na segunda quinzena de junho. Viajarei em companhia de minha senhora, e chegaremos a Lisboa provavelmente no dia 16 de junho, vindo de Paris. O nosso endereço provisório é a/c Dr William Roberts, Avenida D. Nuno Al. Pereira 30, Estoril (mas não moraremos lá).

89Quer me enviar uma nota dizendo onde poderei encontrá-lo em Coimbra? Irei aí logo que puder.

90Com um grande abraço do amigo

91Emilio Willems

*

92Vanderbilt University
Nashville 4, Tennessee
Department of Sociology and Anthropology
7 de maio de 1970

93Caro amigo Jorge Dias:

94Sua cartinha foi uma surpresa agradabilíssima. Obrigado, especialmente pelas palavras bondosas que teve com relação a meu artigo sobre diferenciação social no Brasil colonial.

95Muito me entristeceu o falecimento de Gioconda Mussolini que tive na mais alta estima como amiga e colega. Não sabia da morte dela, pois quase todos os meus amigos e antigos colegas na Faculdade de Filosofia de São Paulo ou faleceram ou foram aposentados compulsoriamente por um governo ultrarreacionário. Permaneceram as mediocridades.

96Penso que Você se refere a um trabalho meu que foi publicado pela revista Sociologia (Vol. XVII, No.1, 1955) sob o título “A Família Portuguesa Contemporânea”. Naturalmente, eu já estava aqui em 1955, mas enviei à revista uma lista de endereços, pedindo que se mandassem separatas a todos eles. Seu nome, como os de muita gente aí, que me ajudaram na coleta de dados, foram incluídos na lista. A redação da revista afirmou ter enviado as separatas, mas pouco a pouco soube que ninguém as recebeu. Até hoje não consegui saber realmente o que aconteceu, mas fato é que quase todas as separatas se perderam de maneira misteriosa. Não tenho mais nenhuma. Em 1962 the International Journal of Comparative Sociology (Vol. III-1-1962) publicou uma forma mais condensada do meu trabalho anterior sob o título “On Portuguese Family Structure”. Também desse artigo não tenho mais separatas. Mas enviei-lhe, em envelope separado, algumas separatas de trabalhos recentes.

97Em setembro deste ano irei à América do Sul para colher mais dados sobre um livro que estou escrevendo. É uma tentativa de interpretar a cultura latino-americana em termos antropológicos. Irei ao Brasil, depois ao Uruguai e à Argentina, de lá ao Chile e Peru e, finalmente, à Venezuela. Aliás, há publicações portuguesas recentes que poderiam ser classificadas como estudos comparativos com relação à América Latina, ou qualquer parte dela?

98Receba um cordial abraço do amigo de sempre

99Emilio Willems

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search