Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Darcy Ribeiro

Texte intégral

1Ministério da Agricultura
Serviço de Proteção aos Índios
Rio de Janeiro, 28 de novembro de 1956
Ao Senhor Professor
Jorge Dias
Manso Preto, 8
Coimbra, Portugal

2Meu prezado amigo

3A apresentação da candidatura do Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon no Prêmio Nobel da Paz por uma comissão organizada pelo Explorers Club de Nova York e por diversas instituições brasileiras, representa para todos nós, etnólogos e indigenistas uma oportunidade de prestar à nobre iniciativa nossa colaboração no sentido de proporcionar ao Comitê do Parlamento Norueguês incumbido de julgar os candidatos, elementos informativos, que o capacitem a ajuizar os méritos de toda a longa e árdua vida de Rondon, devotada à causa da paz, do congresso e da felicidade dos povos tribais.

4Dirijo-me ao prezado amigo para solicitar este apoio, permitindo-me sugerir que encaminhe aquele Comitê, tanto pessoalmente, como através das instituições e personalidades a que esteja ligado, apreciações da obra humanitária de Rondon.

5São qualificados para apresentar candidaturas ao Prêmio Nobel da Paz e por isto devem ser especialmente solicitados a manifestar-se sobre Rondon, os 1) conselheiros do Instituto Nobel da Noruega; 2) membros das Assembleias Legislativas e dos governos dos Estados pertencentes à União Interparlamentar; 3) membros das Côrtes de Arbitragem e da Corte Internacional de Justiça de Haia; 4) membros das comissões do Bureau Internacional Permanente da Paz; 5) membros e membros associados do Instituto Internacional do Direito Internacional; 6) professores catedráticos de Ciências Políticas e Direito, História, Filosofia e Letras; 7) recipientários do Prêmio Nobel da Paz.

6Todavia, pessoas e instituições que por sua obra, e responsabilidades estejam em condições de julgar os méritos de um candidato, podem dirigir-se ao Norwegian Nobel Comitte; Dammensveigen, 19 – Oslo, Norway. A correspondência deve ser redigida em inglês e encontrar-se em Oslo a 1º de Fevereiro, quando encerra o prazo de inscrição.

7Estou certo de que mesmo, o melhor esforço que dediquemos a esta iniciativa, será apenas o que devemos àquele que dignificou nossa própria civilização, revelando-a por uma face nova e generosa a povos inteiros que até a sua chegada só a tinham conhecido por uma onda de ferocidade e cupidez. Penetrando os sertões mais ermos e inóspitos do Brasil para ir ao encontro às tribos mais aguerridas e chamá-las ao nosso convívio, Rondon sempre se manteve fiel à diretiva que se impôs: Morrer se preciso for, matar, nunca. Abriu, assim, novas perspectivas nas relações das sociedades nacionais com povos tribais, provando, que era possível chamar a paz a tribo mais hostil por métodos persuasórios. Depois soube consolidar a orientação que instituirá para o tratamento com os índios, criando o Serviço de Proteção aos Índios e mantendo-se à sua frente até os 91 anos de idade, através de 64 anos de atividades e vigilância ininterruptos. O povo e o governo brasileiro têm demonstrado a alta apreciação que devotam a Rondon através de uma série de homenagens, dentre as quais desejo ressaltar as duas últimas: 1) o título honorário de Marechal que lhe foi conferido pelo Parlamento Nacional por sua obra indigenista, de diplomata e pacificador do conflito de Leticia que enlutava o Peru e a Colômbia, de organização das expedições científicas que mais contribuíram para o conhecimento da natureza brasileira, neste século, e de construtor das linhas telegráficas que ligaram pontos extremos do país, através de imensas regiões nunca antes percorridas; 2) por outro ato do Parlamento, seu nome foi dado a uma das unidades da Federação, O Território de Rondônia que ele tornara conhecido e integrara na vida nacional através de suas expedições e cuja área equivale à da França.

8O Prêmio Nobel da Paz instituído para homenagear aqueles que mais fizeram pela fraternidade dos povos, não seria apenas uma nova honraria a acrescentar a tantas, Conferido a Rondon representaria uma nova e ponderável contribuição à causa indígena, como a mais eloquente expressão internacional da importância desta.

9Poderia contribuir decisivamente para mobilizar a opinião pública mundial em torno dos graves problemas dos milhões de indígenas da América, da África e da Ásia, ameaçados em sua sobrevivência, tanto pelas condições de penúria a que foram levadas, como pelas dizimações de que continuam sendo vítimas.

10Daí a responsabilidade que, a meu ver, sua candidatura representa para nós, etnólogos, interessados no destino dos povos que são objeto de nossos estudos.

11Queira aceitar o abraço cordial de testemunho da admiração que lhe devota o amigo.

12Darcy Ribeiro
Serviço de Proteção aos Índios
Museu do Índio
Av. Graça Aranha, 81-4º and.
Rio de Janeiro

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search