Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Câmara Cascudo

Texte intégral

1Natal, 28.04.1952
377, Junqueira Aires

2Meu caro confrade dr. Jorge Dias

3Muito grato pelo envio do SACRIFICIOS SIMBÒLICOS ASSOCIADOS ÀS MALHAS que realmente é o que melhor conheço na bibliografia de Portugal e Brasil estudando essa reminiscência dos cultos agrários. Como informação, direta, clara e local, e interpretação, fazendo justiça devida a Mannhardt, agradou-me sobremodo. Fui amigo pessoal do saudoso Professor da Universidade de Lund, Carl Wilhelm Von Sydow mas não me foi possível aceitar suas restrições totais aos conceitos de Mannhardt de cuja veracidade testemunhava eu em regiões não sonhadas por ele. Certamente não aceito quanto ensinou, especialmente no domínio da interpretação, mas louvo sua honesta e alta notícia direta da sobrevivência desses ritmos religiosos e boa parte da explicação que encontrou para eles. Seu estudo fixa excelentemente o assunto e a elegante prudência na nota final denúncia o fino observador, cioso de sua independência científica. Melhor é essa ressalva que a modificação anual de pontos de vista que outra análise imprevista atenua e corrige. É um ensaio digno de todos os aplausos mais uma vez credenciando o estudioso das aldeias comunitárias na plenitude da boa técnica e do vocabulário precioso e nítido.

4Certamente nós no Brasil herdamos de Portugal parte desses costumes. Creio ser exclusivamente de origem portuguesa porque os indígenas não possuíam essa tradição no registro de qualquer cronista colonial. E também dos escravos negros importados d’África não posso entregar a origem. Resta, insofismavelmente, o colonizador português como fonte natural do costume ainda vivo.

5Nas limpas no plantio ou roçados de milho, feijão ou mandioca, os trabalhadores que avançam o serviço ameaçam aos retardatários: Olha a cobra verde! A cobra verde te pega! E quem termina por último “pegou a cobra verde”.

6Nas festas de S. João e Natal reaparece o gato no pote. Preso o animal dentro de uma vasilha de barro alguém deve partir o vaso com uma paulada certa estando de olhos vendados. Muito riso pelas pauladas a esmo, e, por fim, a corrida furiosa do gato quando se liberta de sua alta e balouçante prisão. Tal qual mente em Portugal o “gato no pote” continua atual e popular.

7Nos engenhos de açúcar havia, até poucos anos e ainda existe embora raramente, a cerimônia da última carrada ou último carro. O carro de bois conduzindo a verdadeira carga de cana de açúcar vinha todo ornamentado de palmas de coqueiro, tiras de papel, atirando-se foguetes, os trabalhadores cantando, gritando, vivando os amos. Eram aguardados na entrada principal da casa grande onde entregavam uma cana de açúcar, enfeitada com flores de papel ou simples flores rústicas, trepadeiras ou fitas de papel, recebendo dos donos do engenho os agrados, dinheiro, mimos de roupas e objetos de uso para as mulheres, alimentos, etc. Assim é pelo Rio Grande do Norte e Paraíba. No Estado de Alagoas essa cerimônia denomina-se PÊJA e foi registrada por Manuel Diégues Júnior (O BANGUÊ DAS ALAGOAS, Rio de Janeiro, 1949).

8Nas farinhadas (casa-de-farinha, onde se desfaz a mandioca e faz-se a farinha) outrora a primeira fornada era totalmente transformada em presentes para os que tinham participado do serviço de arrancar” (as raízes) assim como o mestre-de-farinha e seus principais auxiliares. A farinha era feita em beijus e oferecidos estes. Em caso contrário a farinhada rendia pouco.

9No velho cerimonial na botada do engenho (do açúcar), depois da benção litúrgica, entregava-se ao proprietário a primeira cana de açúcar ornamentada e ele era quem a faria triturar nas moendas. Henry Koster, que foi proprietário de engenho, participou dessa liturgia nos primeiros anos da segunda década do séc. XIX (TRAVELS IN BRAZIL, cap. XII) muito registrada no Brasil (Melo Moraes Filho, FESTAS E TRADIÇÔES POPULARES NO BRASIL, 299, da ed. Briguiet, de 1946 que anotei assim como traduzi e anotei o Koster, Brasiliana, vol. 211, São Paulo, 1942).

10Um pequenino inquérito rural denunciaria a existência de todas essas tradições em maior extensão. Comprovaria, vertical e horizontalmente, sua tese. Para não falar mais, e agradecendo a gentileza do envio, receba os votos de felicidade pessoal e disponha, muito cordialmente,

11Do seu certo e grato admirador e amo

12Luís da Câmara Cascudo

*

134.6.1954

14Meu caro Prof. Dr. Jorge Dias

15Hoje pela manhã recebi o “Rio DE ONOR”. Mandei-o abrir e comecei a leitura, arredando o mais. Estou à pág. 381, no Cancioneiro Musical. Não é possível, evidentemente, melhor depoimento de interesse que esta obra sedutora determinou. No “RIO DE ONOR” reafirmam-se, desdobrados e firmes, os valores do grande pesquisador etnográfico de Portugal, a clareza da exposição, a segurança científica, a lógica das deduções fixadas. Trabalho realmente magistral.

16Sou um admirador fervoroso destes estudos mas, vez por outra, os norte-americanos transformam o elemento humano, vivo, colorido, sugestivo, sonoro, numa massa amorfa, incolor, inodor e insípida, no enfartamento da técnica formalística que transmuda o motivo plástico e palpitante em peça de museu, hirta, muda e obediente ao reviramento para a verificação.

17Nos seus trabalhos há sempre o interesse humano, a participação incontida do homem português pelo ambiente estudado, acompanhando, envolvendo-se, apaixonando-se pelo assunto olhado com os olhos limpos e fieis. O processo de comunicação é, para mim, muito mais intenso, natural, poderoso porque vem trazendo as graças pessoais da simpatia do observador. Não se sente a distância de um técnico, superior, empoleirado numa torre, olhando o mecanismo da população examinada mas um depoimento palpitante de interesse e de compreensão sem que abandone os limites do lealismo científico. Enfim, mais uma vez, meus parabéns. Quando der nova edição do “Encomendação das almas” vejo no velho Santa Rosa de Viterbo, ELUCIDARIO, 1º, 318, segunda coluna (Ed. MCCCLXV) a citação do “Grande Afonso Fernandes Barbuz… Ele foi o autor de se encomendarem as almas à noite com a campainha, etc, etc”.

18Vale a pena ver a velha curiosidade.

19Meus parabéns pela inevitável eleição para a CIAP. Outrora fui até vice presidente desta associação que estaria votada a direção legítima na espécie. Infelizmente tal não se deu. Deus o guie, pois.

20Um cordial abraço de seu grato admirador e certo amigo Luís da Câmara Cascudo

*

218.3.1955

22Meu caro amigo

23Muito grato pela sua carta de 24 do mês passado. Extremamente simpáticas para mim foram as suas impressões sobre o Dicionário. Nele trabalhei doze anos e conheço quase todas as publicações na espécie, nos idiomas que posso ler. Pude, naturalmente, estabelecer a média geral e evitar maiores enganos e omissões, tratando-se de país como o Brasil, vasto e complexo. É a velocidade inicial e as outras publicações o terão como auxiliar, o primeiro que abriu caminho na floresta tropical, no plano da sistemática e com o atrevimento das definições em verbetes. Naturalmente aqui como em Portugal e qualquer parte do mundo existe a fauna dos críticos de obras-feitas. Incapaz do esforço dedicado, honesto e longo no trabalho desinteressado e amplo, toma-se de inveja e sofre a dor de ver que alguém realiza o que tanto desejava fazer, proibido pela inércia e falta de hábito da energia fecunda. Se um trabalhador intelectual espera receber o prêmio da compreensão ambiente como estímulo para continuar trabalhando, não é digno deste nome. Trabalho na província, longe de bibliotecas, comissões, viagens e facilidades. Creio que dou motivo a muita mágoa, dando livros maciços, dedicados a um assunto quando na cidade grande existe silêncio e conversa bonita nos planos. Isto é o mesmo na França, Estados Unidos, Alemanha, Suécia, Itália, Espanha e Sirius. O homem é, pelo lado de dentro, o mesmo. Há, vez por outra, uma palavra generosa e cheia de ternura animadora, com autoridade e alegria de compreensão. Valem moedinha de ouro. Com elogio patrício ou sem ele, continuo trabalhando. Existe uma minoria que entende e aplaude. Basta esta distante ressonância para encher de luminosidade o escurão que outros espalham de su’almas melancólicas. Muito obrigado pela sua carta e disponha sempre do seu velho e certo admirador e amigo,

24Luís da Câmara Cascudo

*

2528.03.1956
Prof. Dr. Jorge Dias
Meu ilustre amigo

26O registro que fez do meu DICIONARIO na “Biblos” muito me emocionou e desvaneceu. Creia que neste distante e simbólico abraço mando o melhor desta gratidão pelo sentido gentil e claro dado ao seu registro. Pudessem muitos dos técnicos brasileiros compreender a diferença entre folklore e etnografia e mais elementos que os atordoa como cubatura da esfera ou quadrado do círculo.

27Fio que já se encontra em sua mão o “Trinta estórias Brasileiras” editado no Porto por uma intervenção generosa do Fernando de Castro Pires de Lima. Bem gostaria eu que o estudo, de trinta contos ouvidos no nordeste do Brasil, tivesse o destino de ajudar a valorização da pesquisa e fixação da literatura oral portuguesa. Nos campos ergológicos já o Jorge Dias levantou caldeira e pendão senhoriais e derramou nome e fama pelo mundo. Mas a literatura oral em Portugal, no plano da sistemática, está bem merecendo ceifa e mangual.

28Muito grato ainda pelo vivo e lindo estudo sobre os elementos funda- mentais da cultura portuguesa, mural fiel e radiante da fisionomia coletiva do povo português em sua visão radicular e de fronde. É o encanto seguir lhe o passo ágil na lição sonora que sempre nos dá.

29Recebi convite para um Congresso de Etnografia e Folklore. Hélas! Um bom abraço e todos os votos de felicidade.

30Disponha cordialmente do certo e grato amigo

31Luís da Câmara Cascudo

*

3211.2.1960
Natal, RN, Brasil

33Meu caro Jorge.

34Uma saudação afetuosa.

35Tenho lido no DOURO-LITORAL o seu “ETNOLOGIA, ETNOGRAFIA, VOLKSKUNDE E FOLCLORE” tão gentilmente enviada pelo seu grande autor. Do assunto, lera as conclusões de um congresso reunido na Holanda, com sua participação. O assunto é sedutor, especialmente para eruditos, envolvendo e também salientando os problemas de classificação no domínio da sistemática. Os franceses, ingleses, italianos, não parecem interessados por uma divisão do campo. Mesmo os norte-americanos estão com bandeiras de todos os lados. O grupo fiel às técnicas finlandesas de Kaarte Krohn, Antti Aarne, os do “The Folklore Fellows” de Helsinki, é o elemento ortodoxo. Aqueles formados na velha American Folklore Society, com Boas, seguem indiferentes mas uma boa parte está estudando literatura oral sob o método Aarne-Thompson (Stith) e outros fiéis à Bolte und Polivka, nas pesquisas aos contos dos irmãos Grimm. No Brasil o problema não chegou ainda, apesar da nota da Comissão Nacional de Folclore, contrária a seleção e característica, folclore-etnografia-etnologia (ou Antropologia Cultural). Um tanto etnógrafo-de-campo, tenho para esse debate uma atitude simplista e natural. A convergência motivadora do estudo é o homem e a convenção indispensável tende, lentamente, a desaparecer ante títulos futuros que reuniram todas as atividades. No meu tempo de estudante de Medicina só existia Antropologia “física”, osteológica. Se os meus professores de 1919, 1920 lessem a amplidão derramada da Antropologia contemporânea, teriam um ataque de apoplexia fulminante. Creio que, de futuro, a metodologia da Ciência do Homem terá a mesma função didática do Direito Civil, imenso e complexo como um oceano. A técnica separou-o pelas funções naturais de pessoas, cousas, obrigações (naturais ou contratuais). Não sou professor de Folclore mas de Etnografia Geral. Ponho um objeto na classe folclórica quando ele passa as dimensões de sua imediata objetivação utilitária e possui superstição, etiologia mítica, projeção lúdica. Num livro recente, CANTO DE MURO (José Olympio Ed. Rio de Janeiro, 1959) estudo exclusivamente animais, livres, na espontaneidade das reações normais. Não há o registo do mais distante elemento folclórico. Alguns críticos admiram que um veterano do folclore conseguisse atravessar o fascínio do sapo, da coruja, da aranha, sem ceder aos amavios folclóricos. É que CANTO DE MURO não é estudo evocador, pesquisa folclórica. É história natural e dedução crítica social, embora por suas páginas não passe, nem ao de leve, o vulto do “Homo Sapiens”.

36Creio ainda, meu caro Jorge Dias, que a especialização espantosa nos domínios técnicos desaparece ante a monogênese temática do homem. Até aqui, o meu folclore é o halo sobrenatural sobre a materialidade do ato humano. Da tíbia, o osso simples, para a tíbia perfurada, instrumento musical, marcação de ritmos, rondas do madaleniano, ponta de flecha e de lança, bico de arpão, hay el mundo, senor! A batalha sábia pelo limite tem o adversário tremendo que é a unidade irresistível. Certo é que o melhor é fazer uma “especialização”. Literatura oral. Lúdica. Canto. Magia. JANGADA e RÊDE DE DORMIR, dois livros meus, publicados pelo Ministério da Educação (1957 e 1959) trazem, prudentemente, o subtítulo: “Uma pesquisa etnográfica”. É que trato mais em extensão e profundeza o ergológico que o folclórico e, democraticamente, faço reverência à lei antibiológica do número, da maioria, da proporção temática.

37Tenho a impressão, Mestre Jorge Dias, que o Ethnos cederá ante o Anthropus. Antropologia será a Ciência do Homem e o problema, cerebralmente didático, constará de seus departamentos. Está nos faltando nomes. Os nomes suficientes para evitar dissenções. Nomem. Numem. “O Nome tem poder!” dizia-me um feiticeiro local, meu colaborador no “MELEAGRO”, que não sei se conhece. Há cinco anos que, devagar, escrevo um “CIVILIZAÇÂO E CULTURA”, ampliação e redução, briga e solução pessoal do meu curso na Universidade. Naturalmente o problema apareceu. E continua aparecendo. Provocando estudos claros e vivos como o seu. Um orgulhinho sereno para nós, que falamos e pensamos em português. No cartapácio que estou “batendo” transcrevi uma página inteira sua, decisiva para uma dificuldade. But is another story, sir! Vamos parar. Muitas saudades suas. Escreva-me.

38Muito cordialmente, seu admirador e amigo grato.

39Luís da Câmara Cascudo.
377. Av. Junqueira Aires.
NATAL.RN.BRASIL

*

4028.3.1960

41Meu admirado amigo Jorge Dias

42abraço cordial.

43Viola para nós é instrumento de cinco ou de seis cordas metálicas, duplas repetindo o mi ou o si. Toca-se dedilhando. Não há nome específico mas, regionalmente, o gaúcho fala em “viola campeira” (de campo) e o paulista em “viola paulista”, mas são iguais. Violão sempre de seis cordas. Nenhum existe com menos ou mais cordas. Não falamos em viola de Braga ou qualquer outro nome. Viola, tão somente.

44Como eu compreendo ao meu dom Jorge, sua mentalidade, sua ânsia generosa de esforço aproximador, humano e fraternal. Tenho a impressão que o Mundo, pela segunda vez, decidiu-se por Barrabás. Tenho mais nove anos que V. Ainda vivi num clima diverso, que diziam doloroso e cruel, mas seria idílico e sereno. O trabalho, escolhido por nós, ergue a mura- lha isoladora e silenciosa, afastando-nos do rumor e da confusão, pagando-nos com a própria tarefa realizada e jamais na moeda da compreensão e do estímulo contemporâneos. Não lhe adianto palavra sobre o Folclore no Brasil porque de perto V. o conhece e aos seus infra-e-super-cultores. Eu tenho a alegria do Centurião, a Fé solitária e tranquila, longe da feira e do pregão de oferta e procura. A minha missão é daqueles anônimos escultores que abriam uma flor na pedra do alto campanário gótico, fora dos olhos humanos. Só Deus via sua dedicação, na humildade da obra votiva. Se nós, Jorge amigo, esperássemos o carinho animador dos outros, jamais trabalharíamos. Eu sou como aquele Casella que Dante encontrou no Purgatório, uma sombra, com memória e cantando. O totem do meu clã, o peixe Cascudo, resiste às estiagens, teimoso, firme, impassível, metido na lura, acreditando no inverno. Meu Deus, que benção, poder trabalhar no que amo fazer… Que importa que somente eu ame minha pedra lavorada? Nem por isso deixo de batê-la e orná-la… Não me deixe muito tempo sem suas notícias. Um abraço cordial e os afetuosos agradecimentos deste seu velho admirador e amigo

45Luís da Câmara Cascudo

46Mendes Correa nasceu no Porto? Em que ano?

*

4723 – 7 – 1960
Natal

48Meu caro Jorge Dias

49Um abraço potiguar (indígenas no meu Estado).

50Por favor: mande-me a data do nascimento e da morte do Mendes Correa e o nome todo. Não me foi possível conseguir aqui em Natal.

51Escrevo-lhe às pressas. Daqui a minutos terei de presidir uma reunião com os “manos” portugueses no rumo de dom Henrique. Ignorado pelo Governo Português, cá estou eu fazendo viver o que pertence ao Brasil vindo de Portugal e quanto a Portugal devemos na história do mundo. Fundei mesmo uma sociedadezinha: OS AMIGOS DE PORTUGAL, fora de política mas sem permitir-lhe o ingresso afastador.

52Depois de mais de 5 anos de batalha terminei o meu CIVILIZAÇÂO E CULTURA”, pesquisas e notas de Etnografia Geral. Estou na fase do estaleiro, reajustando, cortando, aparando, nivelando. Não posso prever a reação de uma Etnografia Geral escrita por um latino e católico, não deslumbrado pela máquina e mais “homem” que sumula de oxidação biológica.

53Muitas saudades suas. Mande o que lhe pedi. Quando não tiver todo o tempo tomado, escreva-me. Será uma das formas de respirar neste seu distante companheiro da Universidade provinciana.

54Meu respeito a sua Exma. Senhora. “Sua Dona” como dizem os sertanejos daqui.

55Seu velho admirador
Câmara Cascudo
377 Junqueira Aires
Natal. RN. Brasil

Paraná. Setembro-Outubro, 1954

Paraná. Setembro-Outubro, 1954

Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia Museu Nacional de Etnologia

Table des illustrations

Titre Paraná. Setembro-Outubro, 1954
Crédits Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia Museu Nacional de Etnologia
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7142/img-1.png
Fichier image/png, 137k

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search