Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Enquadramentos

Os anos “brasileiros” de Jorge Dias1

João Leal

Texte intégral

  • 1 Este artigo nasceu de um convite da Ana Teles da Silva para prefaciar o presente livro. Agradeço mu (...)

1A correspondência brasileira para Jorge Dias (1907-1973) agora editada compreende – como é referido na nota prévia à presente publicação – um total de 149 cartas, 138 das quais datadas. As primeiras cartas datam de 1949 e as últimas de 1972. Mas é entre 1952 e 1956 que essa correspondência atinge o seu auge: 75 das 138 cartas datadas são desses anos.

  • 2 É verdade que há algumas ausências estranhas. A principal é a de Gilberto Freyre, tanto mais que fo (...)
  • 3 Encontramos marcas dessa incompatibilidade – que se torna mais clara nos anos 1960 – numa carta de (...)

2Estendendo-se ao longo de 23 anos, as cartas envolvem um total de 26 correspondentes. Os correspondentes mais assíduos são Manuel Diégues Júnior, Renato de Almeida, Loureiro Fernandes, Emilio Willems, Herbert Baldus e Mariza Lira. Mas as cartas são assinadas por muitos outros correspondentes, alguns deles mais desconhecidos, outros correspondendo a nomes fortes da antropologia e do folclore brasileiros como Thales de Azevedo, Florestan Fernandes, Câmara Cascudo, René Ribeiro, Egon Schaden, Eduardo Galvão, Darcy Ribeiro ou Gioconda Mussolini. Pode mesmo afirmar-se que poucos são os antropólogos e os folcloristas brasileiros mais ativos no período coberto pelas cartas – em particular nos anos 1950 – que não estão representados na correspondência brasileira para Jorge Dias.2 Esse facto deve ser sublinhado. Como deve ser enfatizado o facto de as cartas serem assinadas tanto por folcloristas – mais orientados para o estudo da cultura popular brasileira – como por antropólogos – focados na pesquisa sobre culturas ameríndias e negras do Brasil. Este facto – visto a partir de Portugal e da história da antropologia portuguesa – ilustra o modo como em Jorge Dias estes dois campos não são antagónicos, mas complementares (Leal 2016). Mas – visto a partir do Brasil – ilustra também o modo como, em particular nos anos 1950, estes dois campos – que mais tarde se vieram a incompatibilizar – estavam então muito menos diferenciados (Silva 2015, 2016).3

3Dada a amplitude e representatividade dos correspondentes brasileiros de Jorge Dias, as cartas que escreveram são um bom ponto de partida para caracterizar alguns aspetos da antropologia brasileira dos anos 1950. É essa a perspetiva adotada por Ana Teles da Silva no artigo que acompanha esta edição da correspondência brasileira de Jorge Dias (ver também Silva 2015, 2016). Simultaneamente, elas fornecem uma boa porta de entrada para caracterizar alguns aspetos da antropologia portuguesa dos anos 1950 e em particular da biografia intelectual de Jorge Dias – sem dúvida o mais importante antropólogo português do século XX. É esta última a perspetiva adotada neste artigo.

As ambições de Jorge Dias

4Tendo-se iniciado em 1949 e atingido o seu apogeu entre 1952 e 1956, a correspondência brasileira para Jorge Dias insere-se num período da sua biografia intelectual marcado pela efervescência científica e académica e pela sua afirmação nacional e internacional.

  • 4 Segundo Arnold Niederer – no obituário de Jorge Dias escrito para um número especial da Ethnologia (...)

5É nesse período que são editadas duas das mais importantes contribuições que Jorge Dias alguma vez escreveu: a monografia consagrada a Rio de Onor (1953) e o ensaio “Os elementos fundamentais da cultura portuguesa” (1950). Vindo na sequência de Vilarinho da Furna. Uma aldeia comunitária (1948a) – aldeia sobre a qual havia já escrito a sua tese de doutoramento na Universidade de Munique (Dias 1944) –, Rio de Onor rapidamente se tornará numa das mais célebres monografias escritas por um antropólogo português. Teve no seu tempo acolhimento nacional e internacional muito favorável e após 1974 deu origem a duas sequelas.4 Quanto a “Os elementos fundamentais…” – ensaio que, depois da sua publicação original em 1950, conheceu sucessivas reedições –, propõe uma caracterização antropológica da cultura nacional portuguesa que faz dele um “clássico” do ensaísmo português do século XX. É sem dúvida o ensaio mais lido e citado que algum antropólogo português jamais escreveu e mantém ainda hoje a capacidade de influenciar discussões e debates sobre a cultura nacional portuguesa (cf. Leal 2000 para alguns exemplos). São também desse período outros ensaios de síntese escritos por Jorge Dias como “Bosquejo histórico da etnografia portuguesa” (1952a) ou “Algumas considerações acerca da estrutura social do povo português” (1955a). Enquanto o “Bosquejo…” é a primeira tentativa de sistematização da história da antropologia portuguesa, o segundo ensaio debruça-se de forma pioneira sobre alguns dos grandes fatores de diversidade do país, nomeadamente no tocante à estrutura familiar e à organização social. Finalmente, é também então que Jorge Dias escreverá um conjunto de ensaios, com circulação internacional relevante – como “Volkskunde und Völkerkunde” (1952b) ou “Nomenclature and Subjectmatter of Folklore (Ethnology, Volkskunde und Folklore)” (1955b) –, que se notabilizaram pela defesa da convergência científica entre estudos folclóricos e estudos etnológicos e antropológicos (ver Leal 2016). Esta era uma discussão central na etnologia europeia do pós-II Guerra Mundial, marcada pela tentativa de reunificação disciplinar de dois campos que se haviam separado a partir das primeiras décadas do século XX – o estudo das culturas populares europeias (Volkskunde) e o estudo das culturas tradicionais não-europeias (Völkerkunde) – e Jorge Dias será um dos mais ardentes defensores dessa reunificação. As suas posições serão adotadas em 1955 no famoso Congresso da CIAP (Commission Internationale des Arts et Traditions Populaires) de Arnhem (Holanda) (Rogan 2015).

6Paralelamente, os anos que vão de 1949 a 1956 são também anos de afirmação de Jorge Dias na cena universitária portuguesa. Ao mesmo tempo que mantém as funções de direção da Secção de Etnografia do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, que havia assumido em 1947, Jorge Dias assegurará sucessivamente a regência de cadeiras de antropologia na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra – entre 1952 e 1956 – e – a partir de 1956 – na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e no Instituto Superior de Estudos Ultramarinos (ISEU) – mais tarde Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (ISCSPU) – onde se manterá, neste último, até às vésperas da sua morte.

  • 5 É a essa luz que podem ser interpretadas as recensões que fez para a Current Anthropology, revista (...)

7Finalmente, estes anos são anos de afirmação internacional de Jorge Dias. Circulando até aí entre Portugal, a Alemanha – onde fez o seu doutoramento na Universidade de Munique (Dias 1944) – e Espanha, Jorge Dias irá ampliar decisivamente a sua rede de contactos além-fronteiras e, com eles, a sua visibilidade internacional. Em 1950 participa no International Colloquium of Luso-Brazilian Studies, em Washington, e toma contacto com a antropologia norte-americana. Na sequência dessa sua viagem norte-americana foi convidado a proferir várias conferências – nomeadamente na Vanderbilt University e na Universidade de Columbia (NI) – e participou, em 1952, na conferência da Fundação Wenner-Gren que daria origem ao volume coletivo An Appraisal of Anthropology Today (no qual colaborou), editado, entre outros, pelo conhecido antropólogo norte-americano Sol Tax (1953), com quem parece ter mantido depois um relacionamento regular.5 Nesta conferência Jorge Dias “teve várias intervenções importantes e foi convidado para presidir uma das secções, juntamente com a grande antropóloga norte-americana Margaret Mead” (Relatório de 1953 da Seção de Etnografia do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular: 6; os itálicos são meus).

8A sua participação em várias conferências internacionais é também relevante. Pela mão de Orlando Ribeiro – que posteriormente abriu a Jorge Dias as portas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – teve um papel relevante no XXVI Congresso Internacional de Geografia, que se realizou em Portugal em 1949 (Dias 1949a, 1951a, 1951b). Reforçando a sua rede espanhola de contactos, apresentou três comunicações ao XIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, a mais importante das quais – escrita em conjunto com sua esposa, Margot Dias – incidia sobre a Encomendação das Almas (Dias e Dias 1950) – tema ao qual irão posteriormente regressar (Dias e Dias 1956, 1957). Em 1952 participou no XXX Congresso Internacional de Americanistas, que teve lugar em Cambridge e no mesmo ano foi também a Viena para participar no IV Congresso Internacional de Antropologia e Etnologia. Como vimos anteriormente, foi um dos mais notórios participantes do Congresso da CIAP de Arnhem. Foi ainda convidado a colaborar em homenagens a folcloristas e etnólogos europeus de renome como Don Luis de Hoyos Sáinz (1869-1951) (Dias 1949b) e Fritz Krüger (1889-1974) (Dias 1954) – com o qual se correspondeu entre 1949 e 1958.

  • 6 Para uma história breve das duas organizações – CIAP e SIEF –, ver Rogan (2008).
  • 7 Sobre Erixon, ver, por exemplo, Arnstberg (2008) e Rogan (2013).
  • 8 Rogan comenta nos seguintes termos os resultados do Congresso de Arnhem, animado em larga medida pe (...)

9Mas foi sobretudo no âmbito da rede de etnologia europeia que tomou forma nos anos do pós-II Guerra Mundial que a projeção internacional de Jorge Dias se afirmou de forma decisiva. Essa rede estava organizada em torno da Commission Internationale des Arts et Traditions Populaires (CIAP), criada em 1928 no âmbito da Sociedade das Nações, com o objetivo de promover a cooperação de estudiosos europeus no âmbito dos estudos folclorísticos e etnológicos. Depois de uma crise que se iniciou nos anos 1930 – associada ao triunfo dos regimes nazi e fascista na Alemanha e na Itália – e se prolongou até ao termo da II Guerra Mundial, a organização foi reativada no pós-guerra sob a égide da UNESCO. Foi extinta em 1964 para dar lugar à SIEF (Société Internationale de Anthropologie et Folklore), que se tornará, a partir dos anos 2000, uma das principais organizações – a par da EASA – dos antropólogos europeus.6 A ligação de Jorge Dias à CIAP data dos anos da sua reativação no pós-II Guerra Mundial. A equipa do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular envolve-se desde o início no projeto de constituição de um Atlas Etnográfico da Europa, patrocinado pela CIAP, e Dias participa com duas colaborações na revista Laos – a revista da CIAP, dirigida por Sigurd Erixon (1888-1968), uma das principais figuras da etnologia europeia nos anos 1940 e 1950 (Dias 1951b, 1955a).7 Mas foi a partir de 1954 que o papel de Jorge Dias na CIAP se revelou decisivo. Eleito secretário-geral da organização – cargo que assumiu até 1957 –, Dias teve então um papel central não apenas na dinamização da organização, mas – como vimos antes – no seu realinhamento científico em torno de um projeto que congregasse folclore e antropologia (Rogan 2013: 573-574). É verdade que, como sublinha Bjarne Rogan, esse projeto acabou por não dar os frutos pretendidos (Rogan 2015: 573).8 Mas não foi isso que impediu que Jorge Dias tivesse sido, nesses anos, uma das figuras centrais da etnologia europeia. Por isso, mais tarde, quando a prestigiada revista Ethnologia Europaea é criada em 1967, Jorge Dias é um dos antropólogos que integra o seu comité editorial (no qual permanecerá até á sua morte). Em resumo: nas diferentes componentes que caracterizam a sua carreira científica e académica – a pesquisa, o ensino e a participação em redes internacionais de gestão e produção científicas –, os anos 1950 não poderiam ter começado melhor para Jorge Dias.

Jorge Dias no Brasil

10É no interior deste quadro que acabámos de esboçar que podem ser entendidas as cartas brasileiras para Jorge Dias. Estas inserem-se num conjunto de outros intercâmbios com o Brasil (de resto recorrentemente evocados em muitas das cartas agora publicadas) que marcaram em plano de relevo o percurso científico e académico de Jorge Dias na primeira metade dos anos 1950.

  • 9 Sobre a biblioteca brasileira de Jorge Dias, ver também Silva (2015: 176).

11Entre esses intercâmbios começam por avultar ofertas recíprocas de livros e separatas de artigos. No espólio bibliográfico de Jorge e Margot Dias depositado no Museu Nacional de Etnologia (MNE), as publicações originárias do Brasil – cujo número total ronda as 240 – ocupam por isso um lugar de relevo.9 Nas cartas endereçadas a Jorge Dias são também inúmeros os agradecimentos pelo envio de publicações suas ou pedidos para que algumas delas sejam enviadas. O tom encomiástico em que são feitos os agradecimentos ou solicitados os envios deve também ser sublinhado. Mesmo que – de um ponto de vista português – possamos dar algum desconto ao tom em que são formulados alguns desses elogios, não parece haver dúvidas de que a obra de Jorge Dias era muito apreciada entre os seus correspondentes brasileiros.

  • 10 Participaram ainda no colóquio nomes grandes da cultura brasileira como Lúcio Costa, António Cândid (...)

12A participação de Jorge Dias na vida académica e científica do Brasil ao longo desse período – assente em frequentes deslocações e estadas nesse país – foi também relevante. O seu contacto inicial teve início com um pedido do Instituto para a Alta Cultura para que Jorge Dias representasse Portugal no I Congresso Brasileiro de Folclore, que teve lugar em 1951, no Rio de Janeiro. É provável que Jorge Dias já tivesse entrado em contacto com a antropologia brasileira em 1950, aquando da realização do International Colloquium of Luso-Brazilian Studies. Nele participaram, de facto, alguns dos seus futuros correspondentes brasileiros, como Emilio Willems – que Jorge Dias já conhecia – e Manuel Diégues Júnior.10

  • 11 Para além do Rio de Janeiro, Jorge Dias visitou os estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mi (...)

13Aproveitando a sua viagem ao congresso, Jorge Dias passou então dois meses (setembro e outubro) no Brasil e deslocou-se a vários estados brasileiros.11 Em 1953 e 1954, Jorge Dias viaja de novo para o Brasil e, em ambos os casos, passa lá um largo período de tempo. As suas “tournées” brasileiras parecem ter sido um êxito, pelo menos a julgar pelo dossiê de recortes de imprensa do arquivo Jorge e Margot Dias (MNE), no qual constam várias notícias e algumas colunas de opinião – nomeadamente de Jaime Cortesão e Manuel Diégues Júnior – publicadas sobre o antropólogo português em jornais brasileiros.

  • 12 É na sequência do envolvimento de Jorge Dias com a Universidade do Paraná que será criado, ainda em (...)

14No decurso destas sucessivas viagens, Jorge Dias desenvolveu diversos contactos e participou em vários eventos científicos. Para além do I Congresso Internacional de Folclore, participou ainda no II Congresso Brasileiro de Folclore (1953) e no II Congresso Internacional de Estudos Luso-Brasileiros (1954). Proferiu várias conferências, particularmente na Universidade do Paraná e na USP (Universidade de São Paulo). Na USP, de acordo com o relatório de 1953 da Secção de Etnografia do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, terá mesmo sido convidado para integrar o quadro docente da Escola de Sociologia da USP. O convite não foi aceite, mas, desafiado por Loureiro Fernandes – um dos seus correspondentes favoritos –, deu um curso de “Etnografia Portuguesa”, em 1954, na Universidade do Paraná.12

  • 13 No mesmo número é também publicado o artigo “Trabalhos gratuitos e recíprocos”, de Ernesto Veiga de (...)
  • 14 Ver Leal (2000) sobre a importância deste ensaio na produção de Jorge Dias.

15São também de relevar as suas colaborações em revistas brasileiras. Em 1955, publicou “Algumas consideração acerca da estrutura social do povo português” na Revista de Antropologia (Dias 1955d).13 Em 1956 publicou “Paralelismo no processo de formação das nações” na Revista do Círculo de Estudos Bandeirantes, de Curitiba (que reproduz uma conferência realizada na Universidade do Paraná, provavelmente a convite do mesmo Loureiro Fernandes). Foi também neste período que Jorge Dias se empenhou – em conjunto com Rossini Tavares da Silva – na organização do volume de homenagem a Renato de Almeida intitulado Estudos e ensaios folclóricos em homenagem a Renato Almeida que, entretanto, só verá a luz do dia em 1960 (AAVV 1960), e no qual ele próprio publicou o seu importante ensaio “Tentâmen de fixação das grandes áreas culturais portuguesas” (Dias 1960).14 Finalmente, em 1962, Dias publicou na Revista Brasileira de Folclore um curto artigo sobre “A lenda das amazonas” (Dias 1962).

16Na ligação de Jorge Dias ao Brasil ao longo da primeira metade dos anos 1950 avulta também a pesquisa. Esta apresenta uma primeira faceta, constituída por ensaios que exploram aspetos gerais da cultura brasileira vis- tos à luz de uma perspetiva que sublinha as continuidades entre Portugal e o Brasil. O mais conhecido desses ensaios foi publicado na Revista de Guimarães sob o título “Algumas considerações sobre áreas culturais (a área cultural luso-brasileira)” (1955a). Socorrendo-se do conceito de área cultural – presente tanto na tradição antropológica alemã como na antropologia norte-americana de influência difusionista –, Jorge Dias procede aí ao levantamento de alguns aspetos que identificariam essa grande área cultural “luso-brasileira”. Entre eles contar-se-iam “os sentimentos e atitudes em relação à família, à religião, ao próximo” (1955a: 147) e elementos comuns referentes tanto à cultura material como ao folclore e à cultura espiritual. Um ano mais tarde regressa ao tema – em colaboração com Margot Dias – mas agora com um foco privilegiado na encomendação das almas (Dias e Dias 1956). Faz ainda parte deste grupo de ensaios brasileiros o texto “Paralelismo no processo de formação das nações” – já anteriormente referido –, em que Jorge Dias reflete sobre o processo de formação da nacionalidade no Brasil à luz da experiência histórica portuguesa. Tenta aí mostrar como a diversidade cultural e étnica de ambos os países não foi – no caso do Portugal pré-moderno – e não é – no caso do Brasil contemporâneo – contraditória com a formação de uma cultura nacional. Uma segunda faceta – menos conhecida – da importância que o Brasil ocupou na pesquisa de Jorge Dias ao longo da primeira metade dos anos 1950 tem que ver com o projeto – não concretizado – de realização de um estudo monográfico sobre a comunidade suábia de Entre-os-Rios (no estado do Paraná). Diferentemente de outras comunidades de origem alemã do sul do Brasil – designadamente em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul –, esta comunidade era de origem recente. Havia-se formado, no rescaldo da II Guerra Mundial, a partir de alemães de origem suábia cujos antepassados se tinham fixado, a partir de finais do século XVIII, em países como a Hungria, a Roménia e a Croácia. Na sequência da derrota alemã, essas comunidades suábias foram perseguidas e expulsas desses países, tendo encontrado refúgio na Áustria. Cerca de 2.500 desses suábios partiram então para o Brasil, tendo-se fixado em Entre-os-Rios.

  • 15 Trata-se de um artigo algo curioso, escrito mais num tom de “relatório” do que de artigo etnográfic (...)

17Era essa comunidade que Jorge Dias pretendia estudar. Tinha por um lado condições privilegiadas para o fazer, decorrentes da sua familiaridade com a língua alemã. De facto, Dias não era apenas licenciado em Filologia Germânica, mas tinha feito o seu doutoramento na Alemanha, onde viveu durante os anos da II Guerra Mundial e onde conheceu e se enamorou de Margot Dias, com quem viria a casar. Por outro lado, a sua pesquisa etnográfica em Portugal tinha dado grande relevo – nomeadamente em Os arados portugueses e as suas prováveis origens (1948b) – às origens suevas da cultura material do noroeste de Portugal, tema ao qual regressou em Os espigueiros portugueses, livro escrito em parceria com Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano (Dias, Oliveira e Galhano 1963). O facto de os suábios serem descendentes dos suevos pode eventualmente explicar o interesse de Jorge Dias pela comunidade de Entre-os-Rios: familiarizado com aspetos da cultura portuguesa de alegada origem sueva, tinha agora a possibilidade de estudar os descendentes “alemães” dos antigos suevos. O projeto de realizar mais este “estudo de comunidade” parece tê-lo entusiasmado, uma vez que há várias referências a ele na correspondência que recebe de Loureiro Fernandes, particularmente em 1954 e 1955. Embora Jorge Dias tenha chegado a visitar a colónia alemã de Entre-os-Rios durante a sua estada no Paraná, a pesquisa – aparentemente por razões financeiras – acabou por não se realizar e apenas mais tarde – em 1966 – Dias escreverá um artigo sobre a comunidade suábia de Entre-os-Rios (Dias 1966).15

18Marcados por este conjunto intenso e diversificado de intercâmbios, realizações e projetos, os anos que vão de 1949 a 1956 podem ser vistos como os “anos brasileiros” de Jorge Dias. Essa sua experiência brasileira marcou-o, antes do mais, de um ponto de vista científico. Numa carta endereçada a António Rita-Ferreira – funcionário colonial e antropólogo “autodidata” em Moçambique, com posições críticas sobre o colonialismo português –, Jorge Dias não esconde a sua admiração pela antropologia brasileira, que considera ser uma fonte de inspiração para a antropologia portuguesa:

“podemos aproveitar com a experiência brasileira, muito mais rica do que a nossa [...] as obras dos colegas brasileiros são de uma grande ajuda para nós, pois além de terem uma tradição já razoável, são o produto de uma contribuição de alemães, franceses e anglo-saxões, sobretudo americanos, nós lá iremos atrás deles, sem tradição nenhuma, pois infelizmente o que temos feito é muito pouco. Vamos indo que começa a haver agora meia dúzia de pessoas com decidida vocação por estes estudos, e com melhor preparação. Com o tempo havemos de vencer…” (in Macagno 2015: 114).

19Simultaneamente os seus “anos brasileiros” foram também muito marcantes do ponto de vista pessoal. Como ele escreveu no ensaio “Paralelismo de processo na formação das nações”: “Sinto-me aqui [no Brasil] feliz como em parte nenhuma” (1956: 133). Muitas das cartas agora publicadas – com destaque talvez para as de Florestan Fernandes e de Gioconda Mussolini – testemunham dessa dimensão afetiva dos seus “anos brasileiros”.

*

20Por detrás deste envolvimento com o Brasil é possível detetar algumas das grandes tendências – anteriormente assinaladas – que caracterizam o percurso de Jorge Dias na primeira metade dos anos 1950.

21Vimos que uma delas tinha que ver com a expansão da pesquisa de Jorge Dias para novas e mais exigentes direções. Uma das “frentes” dessa expansão estava relacionada com a tematização antropológica de aspetos genéricos da cultura nacional portuguesa. É aí que cabem – como vimos – “Os elementos fundamentais da cultura portuguesa” (1950) ou “Algumas considerações acerca da estrutura social do povo português” (1955d). E é também aí que cabem os “ensaios brasileiros” de Jorge Dias. De facto, tanto em “Algumas considerações sobre áreas culturais (a área cultural luso-brasileira)” (1955d) como em “Paralelismo de processo na formação das nações” (1956), aquilo que Jorge Dias procura é expandir o seu projeto de caracterização de grandes conjuntos culturais – que começou por ensaiar em relação à cultura nacional portuguesa – para o espaço mais vasto luso-brasileiro. Subjacente a essa operação encontra-se – como sublinhámos antes – a valorização das continuidades culturais entre Portugal e o Brasil. Isso permite a Dias, por um lado, continuar a praticar – num tempo e numa escala diferentes – o difusionismo que já havia abraçado a propósito da cultura portuguesa (cf. Leal 2000, 2014). Mas possibilita-lhe sobretudo – como mostram as cartas agora publicadas – corresponder às expetativas de muitos dos seus interlocutores brasileiros, interessados – como ele – na matriz “lusitana” da cultura brasileira. Para eles, Jorge Dias é tanto o antropólogo que escreve sobre aspetos precisos da cultura popular portuguesa a partir dos quais seria possível estabelecer paralelos com o Brasil como o antropólogo que nos seus “ensaios brasileiros” propõe tematizações de conjunto sobre as continuidades culturais entre Portugal e o Brasil.

22Escrevendo sobre aspetos genéricos da cultura portuguesa e da cultura luso-brasileira, Jorge Dias não está apenas a revelar as suas ambições intelectuais, está também a abrir a sua pesquisa para novas direções. Não é que não continue a publicar sobre temas que vinham de pesquisas anteriores, mas sente-se que está agora disponível para novos temas de investigação, envolvendo nomeadamente trabalho de campo. É a essa luz que pode ser vista a sua pesquisa sobre a encomendação das almas. E é também a essa luz que pode ser visto o seu projeto de estudo da comunidade suábia de Entre-os-Rios. Embora não concretizado, ele testemunha da disponibilidade para Jorge Dias em explorar novos terrenos empíricos. Será essa disponibilidade que o levará, em 1956, até aos macondes do norte de Moçambique.

23Simultaneamente, os “anos brasileiros” de Jorge Dias podem ser vis- tos no quadro do processo de afirmação internacional que caracteriza o seu percurso intelectual na primeira metade dos anos 1950. A par dos EUA – um dos grandes centros da antropologia internacional do período – e da Europa – onde o seu envolvimento com a CIAP lhe garante visibilidade na cena etnológica do pós-II Guerra Mundial –, o Brasil era, em certo sentido, uma opção “natural” para a internacionalização de Jorge Dias. Lá, não só a língua é a mesma, como – em confronto com a pequenez do meio antropológico em Portugal – existia um conjunto alar- gado de potenciais interlocutores, constituído por folcloristas e antropólogos, interessados – como Dias – nas continuidades culturais entre Portugal e o Brasil, ou disponíveis – quando os temas de pesquisa não iam nessa direção – para outras modalidades de cooperação científica. O acolhimento caloroso reservado a Jorge Dias pela grande maioria desses folcloristas e antropólogos – que as cartas agora publicadas ilustram – confirma o acerto dessa opção de internacionalização “brasileira” de Jorge Dias, institucionalmente coroada, em 1958, com a sua nomeação para sócio correspondente da recém-formada (em 1955) Associação Brasileira de Antropologia.

24No passado tinham existido outros intercâmbios luso-brasileiros nas áreas do folclore e da antropologia (cf. Leal 2016; Silva 2015: 163), mas nunca, como em Jorge Dias, eles haviam sido tão alargados, intensos e promissores. O facto de Jorge Dias combinar um já prestigiado currículo científico com qualidades pessoais que todos os que com ele privaram lhe reconhecem é certamente um dos fatores que explica o sucesso das suas “tournées” brasileiras. Muitos dos seus interlocutores transatlânticos fariam certamente suas as palavras com que Arnold Niederer – no número da Ethnologia Europaea de homenagem póstuma a Jorge Dias – termina o seu obituário do antropólogo português: “Para além de toda a seriedade científica que distingue este estudioso, foi a sua vitalidade, combinada com a sua simpatia humana, que conferiu ao seu trabalho um fascínio que é improvável que seja repetido” (1973/74: 132). Entre outras – como já foi assinalado – as cartas de Florestan Fernandes e de Gioconda Mussolini para Jorge Dias testemunham isso mesmo.

O “ocaso” do Brasil

  • 16 Sobre este ponto, ver Silva (2015: 172-173).

25Embora cartas do Brasil continuem a chegar a Jorge Dias até às vésperas da sua morte, a partir de 1956 elas tornam-se menos frequentes e há até alguns anos em que Dias não recebe qualquer carta do Brasil. Nalgumas das cartas que lhe chegam alguns dos seus interlocutores queixam-se também do seu silêncio. É certo que esse silêncio é relativo. A partir de final dos anos 1960, a correspondência brasileira para Jorge Dias conhecerá mesmo um ligeiro recrudescimento com as expedições brasileiras de Vítor Bandeira e Françoise Bandeira, que recolherão para o Museu Nacional de Etnologia (então Museu de Etnologia do Ultramar) as suas coleções ameríndias, e com a publicação de Os macondes de Moçambique, que Dias envia a vários dos seus correspondentes. É também certo que Jorge Dias voltará ainda a escrever sobre o Brasil, tanto no seu ensaio sobre o cavaquinho (1965) – no qual volta a pairar a sombra da “área cultural luso-brasileira” – como no seu ensaio sobre a comunidade suábia de Entre-os-Rios (1966). Mas, a partir de 1956, o Brasil, que antes tinha sido um investimento central no percurso científico e académico de Jorge Dias, parece já não fazer parte das suas prioridades.16 As razões para isso parecem ser claras. 1956 representa, de facto, um ano de viragem – uma “viragem radical”, nos termos de Ernesto Veiga de Oliveira (1968: 4) – na carreira de Dias. É nesse ano que – como vimos antes – começa a dar aulas em Lisboa: na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e no Instituto Superior de Estudos Ultramarinos – onde entra a convite de Adriano Moreira (mais tarde ministro do Ultramar de Salazar). Mas é sobretudo esse o ano em que, ainda a convite de Adriano Moreira, Jorge Dias passa a dirigir a Missão de Estudos das Minorias Étnicas do Ultramar Português, criada no âmbito do Centro de Estudos Políticos e Sociais da Junta de Investigações do Ultramar, de cujo Conselho Orientador também foi membro (cf. Alexandre 2017: 535-536).

26A história dessa conversão “ultramarina” de Jorge Dias foi contada de forma exemplar por Rui Pereira (1998). Mais recentemente, Valentim Alexandre – no livro que consagrou à história do Império colonial português entre 1945 e 1960 (2017) – restituiu o quadro mais global em que ela pode ser inserida, marcado pela afirmação, no interior do regime de Salazar, de uma corrente reformista que, sem colocar em causa o Império – cuja legitimidade passou a ser argumentada com base na ideologia luso-tropicalista –, defendia tanto a necessidade de algumas reformas na política colonial portuguesa como a importância de promover pesquisas que habilitassem “as autoridades portuguesas a dirigir a sua ação na defesa da ‘nação una’” (Alexandre 2017: 397).

  • 17 Esses relatórios – por vezes em contradição com alguns ensaios de Jorge Dias em que é clara a sua s (...)
  • 18 Será também a sua pesquisa entre os macondes a impulsionar de forma decisiva aquela que será uma da (...)

27No quadro dessa sua conversão ao Ultramar – científica, mas também política – Jorge Dias realizou, ainda em 1956, “uma viagem de prospeção às colónias portuguesas em África” (Pereira 1998: XXVII), da qual resultou o primeiro dos relatórios confidenciais que escreveu sobre Moçambique.17 E, no ano seguinte, iniciou – em conjunto com Margot Dias – o seu trabalho de campo entre os macondes do norte de Moçambique, do qual resultariam os três primeiros volumes da monografia Os macondes de Moçambique. Se no início da sua investigação havia – como sublinhou Rui Pereira – uma certa “convergência de interesses entre os intentos científicos do etnólogo e os intuitos políticos da administração colonial portuguesa” (Pereira 1998: XXXIII), “com o decorrer das campanhas, Jorge Dias parece ter invertido a hierarquia de interesses previamente determinada por aqueles que patrocinavam a sua investigação no norte de Moçambique, ou seja, fez ascender ao primeiro plano os objetivos eminentemente etnológicos” da sua pesquisa (Pereira 1998: XXXIII). Nasciam assim as monografias sobre os macondes – escritas parcialmente em colaboração com Margot Dias – que, em conjunto com Rio de Onor. Comunitarismo agro-pastoril (1953) e “Os elementos fundamentais da cultura portuguesa” (1950), completam o pódio das mais importantes contribuições de Jorge Dias para a antropologia portuguesa e internacional.18

  • 19 É certo que Jorge Dias continuará, depois de 1956, a escrever sobre Portugal. Mas, por um lado, com (...)
  • 20 O reconhecimento internacional da pesquisa de Jorge Dias entre os macondes é evidente na lista de c (...)

28Fascinado pelo que viu e estudou em África, crente também – contra todas as evidências, nacionais e internacionais – na possibilidade de imprimir uma orientação regeneradora ao III Império português, Jorge Dias – a um ano de celebrar cinquenta anos – dá à sua vida um novo e ainda mais ambicioso rumo – que será também o derradeiro. Para trás ficavam os arados e os moinhos, para trás ficavam Vilarinho da Furna – que seria mais tarde submergida por uma barragem – e Rio de Onor.19 Agora a antropologia de Jorge Dias é africanista – e, por aí, ainda mais internacional.20 E em vez de continuar a habitar um pequeno país rural à beira da extinção passa a situar-se no espaço mais amplo de um teimoso Império que não tardará também ele a desaparecer (um ano depois da morte de Jorge Dias, a ditadura chegava ao fim e com ele terminava também o mais resistente império colonial europeu em África).

29Para trás ficavam também as promessas dos “anos brasileiros” de Jorge Dias. Não é que algum tipo de envolvimento com o Brasil – como sublinhei atrás – não persista. Mas, como se queixam alguns dos seus correspondentes, a viragem africana de Jorge Dias parece tê-lo afastado do Brasil.

Conclusão

30Os “anos brasileiros” de Jorge Dias estão, portanto, associados tanto a realizações efetivas como a virtualidades que não se chegaram a concretizar. Foram um namoro, não um casamento. Mas enquanto durou, o namoro, embora breve, foi intenso. Talvez por isso, nas vésperas da sua morte, Jorge Dias sonhe mesmo com um regresso ao Brasil. Numa das poucas cartas escritas por ele que consta do espólio “brasileiro” depositado no Museu Nacional de Etnologia, escreve a Manuel Diégues Júnior (um dos seus mais constantes correspondentes): “Confesso que a ideia de passar uma temporada no Rio me seduz muito, porque adoro o Brasil e tenho lá alguns bons amigos. Além disso, uma recusa agora, será [–] dada a minha idade e saúde – fechar definitivamente uma porta que tantas vezes se abriu acolhedoramente.” Previsto para 1972, este regresso ao Brasil – onde daria aulas no mestrado em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – não se chegará, entretanto, a concretizar.

31Não tendo ele próprio regressado em vida ao Brasil, será o Brasil que, depois da sua morte, virá até ele. Por isso, a essa espécie de velório académico que são os livros póstumos que homenageiam “sábios” desaparecidos, não deixaram de comparecer, no seu caso (AAVV 1974), alguns dos seus mais queridos correspondentes brasileiros (entre aqueles que ainda estavam vivos): Thales de Azevedo e Emilio Willems, Florestan Fernandes e Donald Pierson, Pedro Agostinho da Silva e Renato de Almeida, Manuel Diégues Júnior e Gladys Novaes – esta última uma jovem antropóloga brasileira que não se correspondeu com Jorge Dias, mas cuja tese de licenciatura se centrava nos impactos da submersão da aldeia de Vilarinho da Furna na vida dos seus antigos habitantes (Novaes 1973, 1974).

Bibliographie

AAVV, 1960, Estudos e ensaios folclóricos em homenagem a Renato de Almeida. Rio de Janeiro, Ministério das Relações Exteriores.

AAVV, 1974, In memoriam António Jorge Dias, 3 vols. Lisboa, Instituto de Alta Cultura – Junta de Investigações do Ultramar.

ALEXANDRE, Valentim, 2017, Contra o vento. Portugal, o império e a maré anti-colonial (1945-1960). Lisboa, Temas e Debates – Círculo de Leitores.

ARNSTBERTG, Karl-Olof, “Le Moment Sigurd Erixon”, Ethnologie Française, 38 (2): 313-319.

BRITO, Joaquim Pais de, 1996, Retrato de aldeia com espelho. Ensaio sobre Rio de Onor. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

DIAS, A. Jorge, 1944, Vilarinho da Furna: um povo autárquico da serra Amarela, Inaugural-Dissertation zur Erlangung der Doktorwíirde der philosophischen Fakultàt der Ludwig-Maximilians-Universitàt zu München vorgelegt von Dr. António Jorge Dias aus Oporto/Portugal. Munique, Universidade de Munique.

DIAS, A. Jorge, 1948a, Vilarinho da Furna. Uma aldeia comunitária. Porto, Instituto para a Alta Cultura e Centro de Estudos de Etnologia Peninsular.

DIAS, A. Jorge, 1948b, Os arados portugueses e as suas prováveis origens. Porto, Instituto para a Alta Cultura.

DIAS, A. Jorge, 1949a, Minho, Trás-os-Montes, Haut-Douro. Lisboa, Congrès International de Géographie.

DIAS, A. Jorge, 1949b, “Arado radial sem aivecas (caso de arcaísmo galego-português), em Homenaje a Don Luis de Hoyos Sáinz, vol. I. Madrid, Gráf. Valera, 131-139.

DIAS, A. Jorge, 1950, “Os elementos fundamentais da cultura portuguesa”, em Proceedings of the International Colloquium on Luso-Brazilian Studies 1950. Nashville, Vanderbilt University Press, 51-65.

DIAS, A. Jorge, 1951a, “Les Troupeaux Transhumans et leurs Chemins”, em Comptes Rendus du XXVI Congrés International de Géographie 1949. Lisboa, Union Géographique Internationale, 22-31.

DIAS, A. Jorge, 1951b, “Contribution to the Study of Primitive Habitation”, em Comptes Rendus du XXVI Congrés International de Géographie 1949. Lisboa, Union Géographique Internationale, 107-111.

DIAS, A. Jorge, 1951c, “Die Portugiessischen und Spanishen Pflüge”, Laos, 1: 121-138.

DIAS, A. Jorge, 1952a, “Bosquejo histórico da etnografia portuguesa”, Revista Portuguesa de Filologia, II: 1-64.

DIAS, A. Jorge, 1952b, “Volkskunde und Völkerkunde”, em Proceedings of the IV International Congress of Anthropology and Ethnology, vol II. Viena, 14-20.

DIAS, A. Jorge, 1953, Rio de Onor. Comunitarismo agro-pastoril. Porto, Instituto de Alta Cultura.

DIAS, A. Jorge, 1954, “Tretanken und Wasserangen in Portugal”, em Homenaje a Fritz Krüger, vol. II. Mendoza, Facultad de Filosofía y Letras – Universidad Nacional de Cuyo, 437-456.

DIAS, A. Jorge, 1955a, “Algumas considerações sobre áreas culturais (a área cultural luso-brasileira)”, Revista de Guimarães, LVX (1-11): 145-153.

DIAS, A. Jorge, 1955b, “Nomenclature and Subjectmatter of Folklore (Ethnology, Volkskunde und Folklore)”, em Actes du Congrés International d’Ethnologie Régionale. Arhem, 1-14.

DIAS, A. Jorge, 1955c, “International Folklore Congress II. São Paulo, Brasil”, Laos, 3: 163-165.

DIAS, A. Jorge, 1955d, “Algumas considerações acerca da estrutura social do povo português”, Separata da Revista de Antropologia, 3 (1): 1-20.

DIAS, A. Jorge, 1956, “Paralelismo de processo na formação das nações”, Separata da Revista do Círculo de Estudos Bandeirantes, 3 (1): 1-16.

DIAS, A. Jorge, 1960, “Tentâmen de fixação das grandes áreas culturais portuguesas”, em Estudos e ensaios folclóricos em homenagem a Renato de Almeida. Rio de Janeiro, Ministério das Relações Exteriores, 431-454.

DIAS, A. Jorge, 1962, “A lenda das amazonas”, Revista Brasileira de Folclore, II (2): 17-23.

DIAS, A. Jorge, 1964a, “Comments to: ‘Intensification of International Cooperation in the Field of European Agrarian Ethnography (by Wolfgang Jacobeit)”, Current Anthropology, V (3): 182-183.

DIAS, A. Jorge, 1964b, Os macondes de Moçambique. Aspectos históricos e económicos, vol. I. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar.

DIAS, A. Jorge, 1965, “O cavaquinho. Estudo de difusão de um instrumento musical popular”, em Actas do Congresso Internacional de Etnografia. Lisboa, Junta de Investigações de Ultramar, 93-116.

DIAS, A. Jorge, 1966, “Um Caso de colonização modelo”, Urbanização, I (2): 119-125.

DIAS, A. Jorge, 1968, “Comments to: ‘The Rise of Anthropological Theory (by Marvin Harris)’”, Current Anthropology, 9 (5): 523.

DIAS, Jorge, 1955c, “Algumas considerações acerca da estrutura social do povo português”, Revista de Antropologia, 3 (1): 1-20.

DIAS, A. Jorge, Ernesto Veiga de OLIVEIRA, e Fernando GALHANO, 1959a, Sistemas primitivos de moagem em Portugal. Moinhos, azenhas e atafonas. I. Moinhos de água e azenhas. Porto, Instituto de Alta Cultura.

DIAS, A. Jorge, Ernesto Veiga de OLIVEIRA, e Fernando GALHANO, 1959b, Sistemas primitivos de moagem em Portugal. Moinhos, azenhas e atafonas. II. Moinhos de vento. Porto, Instituto de Alta Cultura.

DIAS, A. Jorge, Ernesto Veiga de OLIVEIRA, e Fernando GALHANO, 1963, Sistemas primitivos de secagem e armazenagem de produtos agrícolas. Os espigueiros portugueses. Porto, Instituto de Alta Cultura.

DIAS, A. Jorge, e Margot DIAS, 1950, “A encomendação das almas”, em Actas do XII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências. 7.a Secção, Ciências Históricas e Filológicas, T. VIII. Lisboa, 593-664.

DIAS, A. Jorge, e Margot DIAS, 1956, “A ‘recomenda das almas’ como elemento cultural da área luso-brasileira”, Douro Litoral (7a série), III-IV: 265-272.

DIAS, A. Jorge, e Margot DIAS, 1957, “Contribuição ao estudo do culto dos mortos”, separata das Actas do XXII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências. Coimbra, Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências, 1-23.

DIAS, A. Jorge, e Margot DIAS, 1964, Os macondes de Moçambique. Cultura material, vol. II. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar.

DIAS, A. Jorge, e Margot DIAS, 1970, Os macondes de Moçambique. Vida social e ritual, vol. III. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar.

FREEMAN, Susan Tax, 1968, “Corporate Village Organization in the Sierra Ministra: an Iberian Structural Type”, Man, 3 (3): 477-484.

FREEMAN, Susan Tax, 1970, Neighbors. The Social Contract in a Castillian Hamlet. Chicago, Chicago University Press.

LEAL, João, 2000, Etnografias portuguesas (1870-1970). Cultura popular e identidade nacional. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

LEAL, João, 2014, “Usos da História em Jorge Dias”, em Jean-Yves Durand, Clara Saraiva e João Alpuim Botelho (orgs.), Caminhos e Diálogos da Antropologia Portuguesa. Homenagem a Benjamim Pereira. Viana do Castelo, Câmara Municipal de Viana do Castelo: 135-145.

LEAL, João, 2016, “A antropologia em Portugal e o englobamento da cultura popular”, Sociologia e Antropologia, 6 (2): 293-319.

LUPI, João, 1984, A concepção da etnologia em António Jorge Dias. Teoria e método no estudo científico da cultura. Braga, Publicações da Faculdade de Filosofia.

MACAGNO, Lorenzo, 2015, “Antropólogos na ‘África Portuguesa’: história de uma missão secreta”, África, 35: 87-118.

NIEDERER, Arnold, 1973/74, “Jorge Dias 1907-1973”, Ethnologia Europaea, VII (2): 129-132.

NOVAES, Gladys, 1973, Vilarinho da Furna. De aldeia a albufeira. Lisboa, ISCS-PU (tese de licenciatura).

NOVAES, Gladys, 1974, “O estudo das pequenas comunidades na obra de Jorge Dias”, em AAVV, In memoriam Jorge Dias, III vol. Lisboa, Instituto de Alta Cultura – Junta de Investigações do Ultramar, 279-284.

O’NEILL, Brian, 1984, Proprietários, lavradores e jornaleiras. Desigualdade social numa aldeia transmontana, 1870-1978. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de, 1955, “Trabalhos gratuitos e recíprocos”, Revista de Antropologia, 3 (1): 21-43.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de, 1968, Vinte anos de investigação etnológica no Centro de Estudos de Etnologia Peninsular. Lisboa, Instituto de Alta Cultura.

PEREIRA, Rui, 1998, “Introdução”, em A. Jorge Dias, Os macondes de Moçambique. Aspectos históricos e económicos, vol. I. Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses – Instituto de Investigação Científica Tropical, V-LII.

ROGAN, Bjarne, 2008, “History of SIEF”, em www.siefhome.org/about/history. shtml (acesso a 24/08/2020).

ROGAN, Bjarne, 2013, “Sigurd Erixon on the Post-War International Scene International Activities, European Ethnology and CIAP from 1945 to the mid 1950s”, Arv Nordic Yearbook of Folklore, 69: 89-152.

ROGAN, Bjarne, 2015, “A Remarkable Congress and a Beloved General Secretary: CIAP/SIEF, Arnhem 1955 and Jorge Dias”, Etnográfica, 19 (3): 567-576.

SILVA, Ana Teles da, 2015, Na trincheira do folclore. Intelectuais, cultura popular e formação da brasilidade, 1961-1982. Rio de Janeiro, IFCS – UFRJ (tese de doutorado).

SILVA, Ana Teles da, 2016, “Correspondências de cientistas sociais brasileiros para Jorge Dias: duas margens de uma interlocução transatlântica”, Etnográfica, 20 (3): 607-630.

TAX, Sol, Loren C. EISELEY, Irving ROUSE, e Carl F. VOEGELIN (orgs.), 1953, An Appraisal of Anthropology Today. International Symposium on Anthropology of the Wenner-Gren Foundation. Chicago, University of Chicago Press.

Notes

1 Este artigo nasceu de um convite da Ana Teles da Silva para prefaciar o presente livro. Agradeço muito o convite e peço desculpa à Ana por, em vez de um prefácio de quatro ou cinco páginas o que era a intenção inicial – ter escrito um artigo bastante mais longo. Estou muito grato à Dra. Alexandra Oliveira – responsável pela Biblioteca e pelos Arquivos do Museu Nacional de Etnologia (MNE) – pela inestimável e entusiasmada ajuda que me deu na localização de vários documentos do espólio de Jorge e Margot Dias, sem os quais este artigo seria certamente mais incompleto. Agradeço à Isabel Pinto – também da Biblioteca do MNE – a ajuda na digitalização de alguns desses documentos.

2 É verdade que há algumas ausências estranhas. A principal é a de Gilberto Freyre, tanto mais que foi Jorge Dias quem o recebeu aquando de uma visita de Freyre às instalações da Secção de Etnografia do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular (CEEP) que teve lugar em 1952. No relatório do CEEP referente a esse ano escreve-se, a este propósito, que Freyre “demorou-se a ver com cuidado e atenção o ficheiro, tendo palavras de muito apreço pela maneira como encontrou a organização dos serviços”. Também causa estranheza a inexistência de correspondência com Edison Carneiro, tanto mais que este, em 1954, havia oferecido a Jorge Dias uma cópia de O candomblé da Bahia, que consta do espólio bibliográfico de Jorge e Margot Dias depositado no Museu Nacional de Etnologia (MNE). Neste espólio – para além de livros oferecidos a Dias por muitos dos seus correspondentes brasileiros – encontram-se outros que lhe foram oferecidos por antropólogos e folcloristas brasileiros – como Nunes Pereira, Oswaldo Cabral e Gastão de Bettencourt – que aparentemente não se corresponderam com ele.

3 Encontramos marcas dessa incompatibilidade – que se torna mais clara nos anos 1960 – numa carta de Pedro Agostinho da Silva para Jorge Dias escrita em1959: como nela é referido, “por cá folcloristas e etnólogos olham uns para os outros não muito amistosamente”.

4 Segundo Arnold Niederer – no obituário de Jorge Dias escrito para um número especial da Ethnologia Europaea de homenagem ao antropólogo português –, os antropólogos norte-americanos Robert Lowie e George Foster caracterizaram Rio de Onor como “uma das mais completas e exaustivas descrições de qualquer comunidade conhecida dos antropólogos” (1973/74: 130). Mais tarde, Dias e o conceito de comunitarismo agro-pastoril serão citados nos escritos de Suzan Tax Freeman sobre a aldeia castelhana de Valdemora (Freeman 1968, 1970). A mais conhecida sequela de Rio de Onor. Comunitarismo agro-pastoril é uma revisita de Rio de Onor realizada por Joaquim Pais de Brito (1998). Embora não seja sobre Rio de Onor, a monografia de Brian O’Neill Proprietários, Lavradores e Jornaleiras (1984) pode ser também vista – dado o seu foco na discussão das teses de Jorge Dias sobre o comunitarismo agro-pastoril – como uma sequela de Rio de Onor. Rio de Onor originou ainda um conhecido filme do documentarista português António Campos (Falamos de Rio de Onor, 1974) e tornou-se – posteriormente à publicação da monografia de Jorge Dias – um lugar de peregrinação para os intelectuais portugueses – maioritariamente de esquerda – seduzidos pelo universo rural.

5 É a essa luz que podem ser interpretadas as recensões que fez para a Current Anthropology, revista fundada e dirigida durante muitos anos por Sol Tax (Dias 1964a, 1968). É provavelmente devido à familiaridade de Sol Tax com Jorge Dias, que a sua filha – Susan Tax Freeman – entrará em contacto com a sua reflexão sobre o comunitarismo agro-pastoril.

6 Para uma história breve das duas organizações – CIAP e SIEF –, ver Rogan (2008).

7 Sobre Erixon, ver, por exemplo, Arnstberg (2008) e Rogan (2013).

8 Rogan comenta nos seguintes termos os resultados do Congresso de Arnhem, animado em larga medida pelas propostas unificadoras de Dias sobre folclore e antropologia: “O Congresso Arnhem-Amsterdam tem sido referenciado como o momento mais feliz da etnologia europeia. Mas os seus resultados a longo prazo foram modestos. Não foi conseguida a unidade das disciplinas nem nenhum consenso sobre o seu nome. Estas questões continuaram a assombrar a CIAP nos anos seguintes e a dividir os seus membros, como se viu em1964, quando a CIAP se transformou em SIEF” (Rogan 2015: 573).

9 Sobre a biblioteca brasileira de Jorge Dias, ver também Silva (2015: 176).

10 Participaram ainda no colóquio nomes grandes da cultura brasileira como Lúcio Costa, António Cândido, Cecília Meireles, Roger Bastide e Sérgio Buarque de Holanda. Dado o elenco de participantes, é revelador que um dos artigos de abertura do volume das Atas do Colóquio seja “Os elementos fundamentais da cultura portuguesa”, de Jorge Dias.

11 Para além do Rio de Janeiro, Jorge Dias visitou os estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia, Pará e Amazonas. No decurso dessas visitas, Jorge Dias “tirou” um total de 270 fotografias, depositadas no arquivo Jorge e Margot Dias (MNE). Particularmente interessante é o fascínio fotográfico de Jorge Dias pela Amazónia (60 fotografias) e pela “vida fluvial” (51 fotografias), incluindo muitas fotografias “tiradas” nesse estado brasileiro. Segundo Ana Teles da Silva (2015: 172), a viagem de Dias à Amazónia foi financiada pelo Museu Nacional (RJ). No decurso dessas viagens, Jorge Dias realizou também – para além de duas conferências no Rio de Janeiro – várias palestras em Belém, Recife e Curitiba.

12 É na sequência do envolvimento de Jorge Dias com a Universidade do Paraná que será criado, ainda em 1954, um Centro de Estudos Portugueses nessa universidade, dirigido por Loureiro Fernandes.

13 No mesmo número é também publicado o artigo “Trabalhos gratuitos e recíprocos”, de Ernesto Veiga de Oliveira (1955).

14 Ver Leal (2000) sobre a importância deste ensaio na produção de Jorge Dias.

15 Trata-se de um artigo algo curioso, escrito mais num tom de “relatório” do que de artigo etnográfico. Nele, encontra-se uma das poucas referências que é possível localizar na obra escrita de Jorge Dias em relação ao regime nazi, que conheceu de perto durante a sua estada na Alemanha. Referindo-se às dificuldades das populações de origem suábia no pós-II Guerra Mundial, Dias escreve a esse respeito o seguinte: “a política imponderada dos responsáveis do Terceiro Reich deu lugar a enormes deslocações de populações rurais suavas, há muito fixadas em países balcânicos” (Dias 1966: 319; os itálicos são meus).

16 Sobre este ponto, ver Silva (2015: 172-173).

17 Esses relatórios – por vezes em contradição com alguns ensaios de Jorge Dias em que é clara a sua subscrição da ideologia luso-tropicalista a que o regime colonial português havia recorrido desde o final dos anos 1950 – são marcados por um tom mais crítico em relação ao colonialismo português, “adiantando críticas à administração colonial, veladas umas, objetivas outras, mas também acreditando no papel de missão da presença colonial portuguesa em África” (Pereira 1998: XXXIII).

18 Será também a sua pesquisa entre os macondes a impulsionar de forma decisiva aquela que será uma das grandes realizações de Jorge Dias: a criação do Museu de Etnologia do Ultramar (hoje Museu Nacional de Etnologia), inaugurado, nas suas atuais instalações, em 1976. Como escreveu Ernesto Veiga de Oliveira, “o expressivo conjunto de objetos etnográficos representativos” dos macondes recolhidos por Jorge e Margot Dias tinha sido reunido “já com a ideia de se vir a fazer um museu que faltava no complexo museológico do país” (1989: 57).

19 É certo que Jorge Dias continuará, depois de 1956, a escrever sobre Portugal. Mas, por um lado, como escreveu João Lupi, os livros que publica depois dessa data baseiam-se “em apontamentos e notas de campo coligidas [até 1952]” (Lupi 1984: 37). E, por outro lado, os mais importantes desses livros são maioritariamente escritos em conjunto com Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano (e.g. Dias, Oliveira e Galhano 1959a, 1959b, 1963), sendo que – pelo menos num caso (Dias, Oliveira e Galhano 1963) – o trabalho de redação do essencial do livro parece ter estado a cargo de Veiga de Oliveira.

20 O reconhecimento internacional da pesquisa de Jorge Dias entre os macondes é evidente na lista de contribuidores para os volumes de homenagem a Jorge Dias publicados após a sua morte (AAVV 1974). A par de muitos nomes ligadas à etnologia europeia, avultam contribuições de figuras destacadas da antropologia inglesa africanista, como Max Gluckman, Meyer Fortes, M. G. Marwick, John Beattie ou Lyndon Harries.

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search