Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Índice das gravuras

Texte intégral

1 Póvoa de Lanhoso. Carreada de mato para estrume, no regime de trabalhos colectivos gratuitos e recíprocos.

2 Paredes de Coura, Insalde. Montes de estrume distribuídos pelos campos antes das lavras para a sementeira do milho.

3-4 Paredes de Coura, Resende. Vessada para o milho. O arado labrego de pau, em funcionamento.

5-6 Idem. Aspectos da vessada. Notar como com este arado arcaico se consegue voltar perfeitamente a leiva.

7 Paredes de Coura, Resende. A merenda a meio da vessada.

8 Paredes de Coura, Resende. A volta do gado no cabadulho.

9 Paredes de Coura, Castanheira. Vessada com charrua de aiveca de ferro. Ao longo do rego as mulheres picam a leiva.

10-11 Fafe, Borba da Montanha. Uma vessada com charrua de aiveca de ferro.

12 Caldelas. Lavra com charrua de aiveca de ferro.

13 Fafe, Borba da Montanha. Lavra para a sementeira do milho. Ao longo do rego, atrás do arado, as mulheres picam a leiva.

14 Cabeceiras de Basto, Bucos. Lavra para sementeira do milho com arado de pau e seitouro.

15 Douro Litoral. Lavra com charrua de aiveca de ferro (fotog. Alvão).

16 Ponte da Barca, Parada. Lavra com charrua de aiveca de ferro. À medida que a lavra decorre, as pessoas vão picando a leiva.

17 Paredes de Coura, Castanheira, Vessada com tractor.

18 Paredes de Coura, Vascões. Vessada com tractor.

19 Douro Litoral. Gradagem do campo após a lavra, (fotog. Alvão).

20 Fafe, Silvares. Gradagem do campo após a lavra.

21 Arcos de Valdevez, Extremo. «Vezeira». Cavando o campo para a sementeira do milho.

22 Idem. Notar o virar simultâneo da terra, como uma leiva.

23 Idem. O picar dessa terra.

24 Paredes de Coura, Mozelos. “Vezeira” a virar a leiva.

25-26 Paredes de Coura, Mozelos. «Vezeiras».

27 Vila Real, Granja. « Vessada » à enxada nos campos em socalcos.

28 Idem. Notar a maneira de cavar, em que a enxada funciona como uma pá, deslocando a terra pelo ar.

29 Idem. Notar os gestos do cavador que imprime à enxada um movimento rasante.

30 Idem. Atrás dos cavadores, uma mulher semeia o milho grão a grão, e outras enterram-no e picam a leiva.

31 Viseu, S. João da Lourosa. Cava do terreno para a sementeira do milho.

32 Santa Comba Dão, S. João de Areias. Cava do terreno para a sementeira da batata.

33 Resende, S. Martinho de Mouros. Cava do terreno para a sementeira do milho.

34 Castelo de Paiva, Agra. Cavando com a enxada de bicos, pouco frequente na região.

35 Lousã, Vilarinho. Uma rodada de vinho durante o trabalho.

36 Miranda do Corvo. Cava com a enxada rasa, o ancinho e a enxada de pontas.

37 Lousã, Candal. Cava com o engaço.

38 Cabeceiras de Basto, Bucos. Abertura dos regos para a rega do milho após a sementeira.

39 Melgaço, Fiães. Sementeira do milho grão a grão,.com a espicha.

40 Ponte de Lima, Calvelo. Uma sacha do milho, no regime dos trabalhos colectivos, gratuitos e recíprocos.

41 Viana do Castelo, Carrêço. Sacha do milho (fotog. Beleza).

42 Minho. Sacha do milho.

43 Minho. Carregando o milho nos carros (fotog. Alvão).

44 Minho. Esfolhada do milho (fotog. Alvão).

45 Minho. Espigas de milho no varandão (fotog. Alvão).

46 Minho. Eira e varandão com espigas de milho (fotog. Alvão).

47 Celorico de Basto, Tecla. As espigas espalhadas na eira a secar, durante o dia.

48 Idem. A recolha das espigas no alpendre, ao fim do dia.

49 Ponte de Lima, Bertiandos. Eira, espigueiro e medas de palha milha.

50 Minho. Milho e feijão a secar espalhados na eira (fotog. Alvão).

51 Minho. Eira com espigas e feixes de linho seco (fotog. Alvão).

52 Nine. Milho a secar na eira.

53 Coimbra, S. Martinho de Árvore. Medas de palha milha.

54 Cantanhede, Tocha. Idem.

55 Viana do Castelo, Castelo de Neiva. Plantação de batata. Charrua com aiveca de ferro.

56 Santo Tirso, Codiceira. Arrinca do linho.

57 Ponte da Barca, S. Pedro. Debulha do milho a maço no masseirão.

58 Oliveira de Azemeis, Couto de Cocujães. Debulha do milho a mangual.

59 Vieira do Minho, Rossas. Uma eirada de milho miúdo.

60 Arcos de Valdevez, Cachamondinho. Debulha do centeio batendo-o contra um estrado montado na eira.

61 Ponte da Barca, Parada. Debulha do centeio, batendo-o com um pau sobre a eira.

62 Esposende, Gemeses. Debulha do centeio « maçando-o » sobre bancos.

63-64-65 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. As duas bandas juntas, em duas filas, a cabiar.

66 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. As duas bandas a «bombear», na primeira corrida.

67 Idem. A posição dos manguais na queda.

68 Idem. As duas bandas a «bombear».

69 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. As duas bandas a «bombear».

70 Idem. Uma rodada de vinho.

71 Idem. O virar do centeio após a primeira corrida.

72 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. Notar a ligeira diacronia no cair dos manguais, propositada, em vista à maior ressonância da pancada, que é o objectivo da competição.

73 Idem. As duas bandas a malhar na «bira».

74 A refeição dos malhadores ao ar livre, em casa do dono da eirada.

75 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. O sacudir da palha, no final da eirada.

76-77 Idem. A descoberta da «anha».

78-79 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. O canto do «meio da eira».

80 Idem. A «morte do patrão».

81-82 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. O «enterro do patrão».

83-84 Idem. Chegada do « préstito » à porta da adega, e as três pancadas com os pés do «morto» para esta se abrir.

85 Celorico de Basto, Tecla. Malha do centeio, a mangual. A « ressurreição » do «morto» com a rodada do vinho.

86 Idem. O final do dia. A malha já só com aspectos competitivos. O grupo de malhadores que se vê é composto de gente de fora e defronta um dos grupos locais. A assistência, atenta, segue o desenrolar da competição.

87 Idem. A «queima da anha» no final, à noite.

88 Vila Real, Campeã. Malha do centeio.

89 Viana do Castelo, Montedor. Debulha do trigo, no regime dos trabalhos colectivos gratuitos e recíprocos, mas utilizando já uma debulhadora mecânica.

90 Melgaço, Cubalhão. Erguendo uma meda de palha centeia.

91 Felgueiras. Medas de palha centeia com remate decorativo.

92 Ponte da Barça, Lindoso. A «limpa» do centeio, ao vento, após a debulha.

93 Minho. A broa e o vinho (fotog. Alvão)

94 Bragança, Rio de Onor. O Senhor Pedro transporta o arado ao ombro.

95 Idem. O arado é transportado sobre o jugo, com a ponta-do temão a arrastar pelo chão.

96 Chaves, Sapiões. A caminho do campo. O arado é transportado como na fotog. anterior.

97 Freixo-de-Espada-à-Cinta, Lagoaça. Arado e canga transportados sobre o burro, de regresso de uma lavrada.

98 Bragança, Izeda. Plantação de batata. Recobrindo os tubérculos com o arado de pau.

99 Bragança, Rio de Onor. Lavra para a sementeira do centeio.

100 Boticas, Vilar do Porro. Uma lavra com arado de pau.

101 Bragança, Izeda. Plantação da batata. Recobrindo os tubérculos com o arado de pau puxado a gado muar.

102 Freixo-de-Espada-à-Cinta, Fomos. Lavra com arado de pau.

103 Bragança, Izeda. Plantação de batatas.

104 Pinhel, Quinta Nova. Lavra com arado de pau para a sementeira do centeio.

105 Sabugal, Seixo do Coa. Arado de pau com um feixe de ramagens na teiró, utilizado como margeeiro na sementeira do centeio.

106 Sabugal, S. Bartolomeu. Lavra com arado de pau, para a sementeira do centeio.

107 Sabugal, Alfaiates. Idem.

108 Alijó, Chã. Lavra com arado de pau para a sementeira da batata.

109 Tarouca, Valdevez. Lavra com charrua de aiveca móvel de ferro.

110 Celorico da Beira, Quinta da Gateira. Lavra com charrueco de ferro.

111 Vila Nova de Fozcoa, Sebadelhe. Lavra com charrueco, puxado por um boi e um muar.

112 Figueira de Castelo Rodrigo, Bizarril. Lavra com arado de pau.

113 Pedrógão Grande. Sementeira do milho.

114 Tábua, Fonte Arcada. Idem, puxada por um muar.

115 Seia, Sabugueiro. Lavra com charrueco, puxado por um muar (fotog. de Dr. Alberto Martinho).

116 Mogadouro, Saldonha. Gradagem da terra.

117 Tarouca, Paçô. Gradagem da terra com grade de dentes de pau.

118 Pinhel. Gradagem da terra com rastro.

119 Chaves, Vilarinho das Paranheiras. Alisando a terra com a grade voltada de costas.

120 Vila Nova de Paiva, Queiriga. Cava de um campo para a sementeira do milho.

121 Tarouca, Valdevez. Cava das beiradas dos campos que o arado não lavrou.

122 Bragança, Rio de Onor. A ceifa dos fenos no Couto Grande, colectivo.

123 Idem. Pausa para a merenda.

124 Bragança, Rio de Onor. Um aspecto da competição no trabalho.

125 Freixo-de-Espada-à-Cinta. Ceifeiro com a mão protegida por dedeiras de couro.

126 Freixo-de-Espada-à-Cinta. Ceifa do centeio.

127 Bragança, Pinelo. Ceifa do centeio.

128 Murça, Palheiros. Ceifa do centeio (fotog. de Eng.° Henrique de Oliveira).

129-130 Penamacor, Vale da Senhora da Póvoa. Ceifa do centeio.

131 Meda, Marialva. Ceifa do centeio.

132 Seia, Sabugueiro. Ceifa do centeio (fotog. de Dr. Alberto Martinho).

133 Murça, Palheiros. Disposição dos molhos no campo após a ceifa (fotog. de Eng.° Henrique de Oliveira).

134 Vila Real, Sanguinhedo. Idem.

135 Chaves. Idem.

136 Valpaços, Argeriz. Idem.

137-138 Bragança, Rio de Onor. Medas de cereal na eira.

139 Vinhais, Quiraz. Malha do centeio.

140-141 Vinhais, Quiraz. Malha do centeio.

142 Montalegre, Sendim. Malha do centeio.

143 Idem. O sacudir da palha após a malha.

144-145 Boticas, Vilarinho da Mó. Dois aspectos da malha do centeio.

146 Idem. A refeição em comum a meio da malha.

147-148 Miranda do Douro, Paradela. Dois aspectos da debulha do trigo com o trilho.

149 Miranda do Douro, Constantim. Idem.

150 Terras de Miranda. Eira da aldeia na época das debulhas (fotog. Alvão).

151 Miranda do Douro, Paradela. Debulha do trigo. Montes de cereal já debulhado –as parvas –, enquanto a trilha prossegue nos espaços livres por entre as medas do cereal ainda por debulhar.

152 Miranda do Douro, Constantim. Amontoando em parvas, com os bendos, o cereal já debulhado.

153-154 Idem. Mulheres, com vassouras, varrem o grão para a parva.

155 Miranda do Douro, Constantim. A limpeza do trigo ao vento.

156 Idem.

157 Terras de Miranda. Limpeza do cereal ao vento (fotog. Alvão).

158 Terras de Miranda. Recolha do grão (fotog. Alvão).

159 Rionor de Arriba (Espanha). Transporte da palha para a meda, depois da debulha.

160 Vinhais, Passos. Feitura da meda, depois da debulha

161 Idem. Acamando a meda.

162 Pinhel, Gouveias. Medas de palha já debulhada.

163 Vinhais, Alvaredos. Idem.

164 Loures. Arado labrego com carreta.

165 Pombal, Abiul. Lavra com arado de pau.

166 Idanha-a-Nova. Lavra com arado de pau.

167 Sines, Monte da Bêbada. Lavra com charrua.

168 Marvão, Monte do Pereiro. Lavra com charruas.

169 Moura. Lavra com charrua.

170 Alentejo. Lavra com charruas (fotog. Serviço de Informação Agrícola).

171 Alentejo. Lavra com charrua.

172 Castro Marim. Sementeira do milho.

173 Alentejo. Lavra com arados de pau.

174 Alentejo, Herdade de Vale de Moura. Tralhoada. Lavra para a sementira do trigo (fotog. Freitas – Évora).

175 Alentejo (rep. de Alentejo – Antologia de Música Regional Portuguesa – Arquivos Sonoros Portugueses).

176 Tavira, Casa Queimada (rep. de Arquitectura Popular em Portugal, 2).

177 Mafra, S. Pedro da Cadeira. Gradagem da terra.

178 Castelo Branco, Pereiro. Idem.

179-180 Tomar, Castanheira de Figueiredo. Gradagem da terra.

181 Aljezur. Gradagem da terra.

182 Vila Viçosa, Aldeia do Pereiro. Idem.

183 Alcobaça, Benedita. Partir dos torrões a maço, num campo semeado de milho e feijão.

184 Rio Maior. Sacha do milho.

185 Figueira da Foz, Quiaios. Cava à enxada.

186 Cantanhede, Tocha. Tirando o escalracho e a grama com gadanhes.

187 Rio Maior, Fráguas. Cava para estrumação de vinhas.

188 Cadaval. Cava da vinha.

189 Coruche, Couço. Sacha do tomate (fotog. Carlos Ladeira).

190 Lagos, Porches. Abertura de covas para plantação de melão.

191 Faro, S. Pedro de Faro. Desterroando com a enxada a terra lavrada.

192 Vila Viçosa. Olival (fotog. Freitas – Évora)

193 Alentejo. Seara que desponta (fotog. Freitas – Évora).

194 Alentejo. Grupo de mondadeiras a caminho do trabalho (fotog. Serviço de Informação Agrícola).

195 Alentejo. Monda do trigo (fotog. Serviço de Informação Agrícola).

196 Alentejo, Herdade de Vale de Moura. Seara no montado (fotog. Freitas – Évora)

197 Alentejo, Herdade de Vale de Moura. Mulheres transportando à cabeça o produto para a monda química (fotog. Freitas – Évora).

198 Idem. Monda química (fotog. Freitas – Évora).

199-200 Ribatejo. Ceifeiros no cais de embarque para as lesírias (reprod. de Ilustração Portuguesa, 2.a Série, vol. 18 – 1914).

201-202 Mértola. Feira dos ceifeiros.

203 Elvas. Ceifa do trigo.

204 Penamacor. Ceifa do trigo.

205 Évora, S. Miguel de Machede. Ceifa do trigo.

206-207 Évora, S. Migual de Machede. Ceifa do trigo.

208 Alentejo, Herdade do Vale da Moura. «Cocaria» de ceifeiros (fotog. Freitas – Évora).

209 Alentejo, Herdade de Barba Rala. Almoço dos ceifeiros (fotog. Freitas – Évora).

210 Évora. Trigo para o «francal» (fotog. Freitas – Évora).

211 Évora. Carro carregado de trigo (ed. Gama Freixo).

212 Moura. Carretas carregadas de molhos de trigo.

213 Alentejo. Carro carregando trigo (fotog. Serviço de Informação Agrícola).

214 Alentejo. Emedando trigo (fotog. Serviço de Informação Agrícola).

215 Ribatejo. Debulha a sangue (fotog. Serviço de Informação Agrícola).

216 Figueira da Foz, Cova da Serpe. Debulha a sangue.

217 Silves. Debulha a sangue (fotog. Helder Azevedo – Faro).

218 Cadaval, Palhoça. Debulha com trilho de rolos.

219 Alentejo. Debulha do trigo com trilho de rolos (fotog. Freitas – Évora).

220 Vidigueira. Debulha com trilho de rolos.

221 Mértola, S. João dos Caldeireiros. Limpeza do trigo ao vento.

222 Fronteira. Debulha de leguminosas a trilho puxado por tractor.

223 Aljezur. Esfolhada do milho.

224 Vila do Bispo, Pedralva. Debulha do milho a mangual

225 Vila Velha de Ródão, Sarrasqueira. Debulha do milho a mangual.

226 Odemira, Casas Novas. Limpeza do milho ao vento.

227 Montemor-o-Velho. Limpando o milho ao vento.

228 Alcácer do Sal. Campos de arroz.

229 Coruche, Couço. Lavoura do arroz (fotog. Carlos Ladeira).

230-231 Alcácer do Sal, Palma. Plantação de arroz.

232 Montemor-o-Velho. Monda de arroz.

233 Alcácer do Sal. Monda de arroz.

234 Montemor-o-Velho. Monda de arroz.

235 Lagos. Ceifa oo arroz (fotog. Helder Azevedo).

236 Montemor-o-Velho. Ceifa do arroz.

237 Alentejo. Tiragem da cortiça (fotog. Dr. Rui Sequeira Mendes)

238 Alentejo. Tiragem da cortiça (fotog. Freitas – Évora).

239 Alentejo, Herdade do Melão. Arrecadação das « comedorias » do pessoal que trabalha no tirar da cortiça (fotog. Freitas – Évora).

240 Idem. Cama, dos homens que tiram a cortiça, ao ar livre (fotog. Freitas – Évora).

241 Alentejo, Herdade do Vale de Rico Homem. «Cocaria» da tiragem da cortiça (fotog. Freitas – Évora).

242 Ilha Terceira, Doze Ribeiras. Homens a cavar.

243 Ilha do Faial, Praia do Norte. Lavra com arado de pau.

244 Ilha de S. Miguel. Debulha com o trilho (fotog. de José Pacheco Toste).

245 Ilha Terceira. Limpeza do feijão ao vento.

246 Lamego. Tenda de venda de enxadas na feira.

247 Barcelos. Venda de alfaias na feira.

248 Paredes de Coura. Venda de alfaias na feira.

249 Barcelos. Venda de cestos na feira.

250 Barcelos. Venda de joeiras e peneiras na feira.

251 Barcelos. Venda de vassouras na feira, usadas para varrer os cereais nas eiras.

252 Lavra com arado de carreta. Iluminura (mês de Outubro) do Livro de Horas de D. Manuel (Museu Nacional de Arte Antiga).

253 Lavra com arado de pau. Pormenor do Livro de Ordenações de D. Manuel I.

254-255 Estelas funerárias do séc. XV (Museu de Santarém).

256 Lavra com arado de pau (Reportório dos Tempos – 1563).

257 Estela funerária do séc. XV (Museu de Santarém).

258 Estela funerária medieval (Museu de Elvas).

259 Lápide sepulcral do Museu de Tomar (séc. XVI).

260 Iluminura (mês de Novembro) Livro de Horas de D. Manuel I (Museu Nacional de Arte Antiga).

261 Ceifeiros e vindimadores do séc. XII, segundo o Apocalipse de Lorvão.

262 Ceifeiros (Reportório dos Tempos – 1563).

263 Ceifa. Iluminura do Calendário do Missal Antigo de Lorvão.

264 Ceifa. Iluminura (mês de Junho) do Livro de horas de D. Manuel I (Museu Nacional de Arte Antiga).

265 Debulha do trigo a sangue. Iluminura (mês de Julho) do Livro de horas de D. Manuel I (Museu Nacional de Arte Antiga).

266 Espalha do trigo na eira (Reportório dos Tempos – 1563).

267 Debulha do trigo a sangue (Reportório dos Tempos – 1563).

268 Trabalhos da eira após a debulha. Iluminura (mês de Agosto) do Livro de horas de D. Manuel I. (Museu Nacional de Arte Antiga)

269 Debulha a mangual. Iluminura do Calendário do Missal Antigo de Lorvão.

270 Pavia. Frontão de um jazigo com os símbolos do lavrador.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search