Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Índice analítico

Texte intégral

INTRODUÇÃO : Págs. 9-16

Caracterização geográfica: Portugal país situado na confluência dos climas atlântico –a NW – e mediterrâneo –a S–, e mostrando ainda características continentais – a NE – pp. 9-11; sub-áreas climáticas 11-12. Importância da agricultura em Portugal, e principalmente dos cereais básicos : milho, trigo, centeio ; relação destes cereais com as três áreas fundamentais : milho – Portugal Atlântico; trigo – Portugal Mediterrâneo; centeio – Portugal Transmontano 13-16.

I – PORTUGAL ATLÂNTICO: Págs. 17-52

Delimitação e caracterização geográfica e paisagística 17-19. A economia rural antiga, desde a época castreja 19-20. Introdução do milho: a revolução do milho (Orlando Ribeiro) e paisagem agrária e social actual : policultura intensiva e de regadio, pequena exploração ; predomínio do gado bovino 20-25. As fainas agrícolas no Portugal Atlântico: o milho e o centeio. O ciclo agrário : roçadas de mato, 25-27 ; estrumação dos campos 27-28; mobilização das terras: lavras (exemplo de uma vessada com o velho arado de pau) e desterroamento 28-30; processos de semeadura 30-31. Mobilização das terras feitas inteiramente à enxada, em zonas ensocalcadas e de pequena propriedade ; processos peculiares: vezeiras de Paredes de Coura e Arcos de Valdevez, vessadas do Marão, etc. 32-33. Sachas e mondas 33. Regas 34. Colheita do milho; esfolhadas, debulha e processos de conservação do grão e das palhas 35-37. Cultura paralela do centeio: processos de cultivo 37-38. Segadas 39. Debulhas 39-40. Uma malha em Tecla (Celorico de Basto), como exemplo expressivo, em que os aspectos tecnológicos, sociológicos e rituais se apresentam com excepcional riqueza – a malha 41-48 ; o enterro do patrão 48-49 ; a queima da anha 49-50 ; a competição 51-52–.

II – PORTUGAL TRANSMONTANO : Págs. 53-69

Delimitação e caracterização geográfica e paisagística 53-54. Povoamento 55. A economia rural antiga – pastoreio e criação de gado, e cultura cerealífera, sobretudo o centeio 55-56. Comunitarismo: propriedade comunitária e vezeiras 56-58. Propriedade individual 58-59. As fainas agrícolas no Portugal transmontano 59-60. A lavoura do centeio: a lavra e sementeira 60-61. A estrumação em Rio de Onor (Jorge Dias) 61-62. A ralba, a bima e a lavra final 62. As queimadas 62. O corte dos fenos e a segada do centeio 63. Molhos nas terras 63. As eiras 63. Medas 63-64. Malhas em Rio de Onor (Jorge Dias) 64-66. Malha em Lavradas (Boticas) (Santos Júnior) 66-67. Malha em Quintanilha (Bragança) 67. Aspectos rituais e lúdicos destas malhas 67-68. A debulha a trilho (tribulum) em Terras de Miranda 68-69.

III – PORTUGAL MEDITERRÂNEO: Págs. 71-138

Delimitação e caracterização geográfica e paisagística; a charneca 71-73. Densidade demográfica 73-74. Povoamento – origens 74-75. Paisagem e economia rural antiga – preponderância do cultivo de cereais de sequeiro, mormente o trigo, campos abertos e desarborizados, afolhamentos e pousios intercalares, silvicultura (cortiça), pastorícia de gado miúdo também em regime extensivo, grande propriedade 76. Os três períodos da evolução da economia agrária alentejana ; charneca, grandes arroteias (adubos químicos); mecanização 76. A herdade 76. O monte 77-78. A pequena propriedade: hortas, ferragiais, quintas, e casais dispersos 78-79. Contrastes económicos e sociais 79-80. Níveis sociais: grandes proprietários – lavradores, e lavradores-rendeiros, pequenos proprietários ou rendeiros, e seareiros 80-81. O absentismo dos proprietários 81. Os rendeiros 81-82. Os seareiros 82-84. A vida do trabalhador alentejano sob o ponto de vista salarial 84. Ratinhos 84. Feiras ou praças de ceifeiros 84-85. Aspectos do trabalho rural 85. A pastorícia e a criação de gado 85. Ovinos : a lã e o queijo; transumância 86-87. Suinos 87. Bovinos 87-88. Vida pastoril 88-89. I) Período antigo ou da charneca (até depois de meados do século XIX) – Preponderância da pastorícia. Queimadas e roças 89-91. Afolhamentos 91. Culturas intensivas e de regadio 91. Lavouras na região do Sado (Paulo de Morais) 91-93. A cortiça 93-94. O pastoreio 94. II) Período das grandes arroteias e da generalização do emprego dos adubos químicos (desde finais do século XIX até cerca de 1930). As grandes arroteias 95-97. Mudança de feição da economia da Província – preponderância da agricultura 97. Afolhamentos e encurtamento (ou supressão) de pousios 97-98. Fainas agrícolas no Alentejo neste período (Silva Picão) 99-126. Fainas agrícolas na Beira-Baixa neste período (Lopes Dias) 126-134. III) Período da plena mecanização da agricultura alentejana (Mariano Feio) (depois da Segunda Guerra Mundial) 134-138.

ALFAIA AGRÍCOLA PORTUGUESA – ARADOS : Págs. 139-208

A classificação tripartida de Jorge Dias: tipo de garganta, tipo quadrangular, tipo radial 139. Tipo de garganta – caracterização, área de dispersão mundial e portuguesa 139-140. O arado dental e o arado camba 140. Hipótese tartéssica 140-141. Tipo quadrangular – caracterização, área de dispersão mundial e portuguesa 141-142. Hipótese suévica 142-143. Tipo rarftal – caracterização, área de dispersão mundial e portuguesa 143-144. Hipótese lusitânica 144-145. A sega, a carreta, a rabiça dupla (e tripla), a relha assimétrica 145-146. Arados simétricos 153-188

I – Tipo de garganta (dental) – N.os 1 e 2 da Carta dos Arados Portugueses; sua descrição 153-154. Análise das diferentes peças consideradas isoladamente. Dente, rabiça, garganta, cabeça, teiró, aivecas, relha 155-157. Evolução destes arados 157-159. Madeiras 158. II – Tipo de camba – ou castelhano (da região fronteiriça de Riba-Côa) : N.° 3 da Carta. Descrição e área 159-163. III– Tipo radial (arados transmontanos e das zonas serranas a Norte do Tejo) : N.os 6 a 9 da Carta. Descrição 163-165. Análise das peças consideradas isoladamente. Dente-rabiça, temão, teiró, aivecas, mexilho, pescais, relhas 166-169. Arado radial sem aivecas: N.° 10 da Carta 169-170. Arados radiais menos característicos: N.os 12 e 13 da Carta 170-171. Híbridos do radial e do de garganta: N.os 4 e 5 da Carta 171-173. IV – Tipo Quadrangular: arados das terras baixas de Entre-Douro-e-Minho: N.os 14, 17, 18, 20 e 22 da Carta 174-177. Tipos híbridos : variedades de Entre-Douro-e-Minho. Híbridos de radial e quadrangular: N.os 21, 22, 18 e 19 da Carta 178-181. Arado estremenho, dos rios Mondego ao Sado. Híbridos do radial, quadrangular e de garganta: N.os 15 e 16 da Carta, 182-185. Seitouro: N.° 11 da Carta 179. Margeeiros: N.os 23, 24 e 25 da Carta 185-188. Arados assimétricos 189-196

Aravessa do Alto Minho: N.° 26 da Carta 189-191. Charruas com carreta: Arado labrego, Paredes de Coura : N.° 32 da Carta 191-192. Charrua de madeira: N.° 29 (Estremadura e Ribatejo) e N.° 31 (litoral central) da Carta 193-195. Charruas sem carreta: N.os 27, 28 e 30 da Carta 195-196. Arados de um só animal 197-198. Casos especiais 198-202. Ilhas da Madeira e Porto Santo 203-204. Açores 204-207. Arados de tracção humana 207-208.

INSTRUMENTOS PARA DESTERROAR E ALISAR A TERRA : Págs. 209-230

Sistemas que utilizam o gado: grade, rastro, picadeira. Desterroamento a braço: enxada (ou sacho) e maço 209. Desterroamento a gado : A – Grade – caracterização 209-210. Tipologia – Tipo 1. Caracterização e área 210-214. Tipo 2 – idem 214-215. Tipo 3 – idem 215-217. Tipo 4 – idem 217-219. Tipo 5 – idem 219. Tipo 6 – idem 219-221. Tipo 7 – idem 221. Tipo 8 – idem 221-222. Tipo 9 – idem 222-223. Tipo 10 – idem 223-224. Tipo 11 –idem 224. Tipos irregulares ou híbridos 224-225. B – Rastro – descrição, área e funcionamento 225- 226. C – Picadeira (trilho de rolos) – descrição, área e funcionamento 226-228. Desterroamento a braço: – Maço – descrição, história, área e funcionamento 228-229. Açores 230.

INSTRUMENTOS PARA TRABALHAR A TERRA À MÃO : Págs. 231-257

Enxadas, enxadões, alviões e alferces; sachos. Enxadas – descrição 231. Categorias: sem garganta, e com garganta; tipos (segundo a configuração da pá): A – Sem garganta: 1) lâmina rectangular – descrição, área, e uso geral, 232-235 ; 2) lâmina trapezoidal a alargar para o gume – idem 235-237; 3) lâmina em forma de segmento circular, com o gume rectilíneo – idem 237-238 ; 5) Enxada de lâmina rectangular – idem 238; 6) Enxada de lâmina em forma de ferradura – idem 238; 8) Enxada de lâmina semelhante aos tipos 1, 2, 3, mas com pêto aguçado –idem 239-240 ; 9) Enxada de lâmina formada por dois bicos espessos e muito alongados – idem 240-241. B) Com garganta–10) Enxada de lâmina rectangular – idem 241; 11) Enxada de lâmina rectangular, com o gume em curva muito reentrante – idem 241-243; 12) Enxada de lâmina trapezoidal, a estreitar para o gume – idem 243 ; 13) Enxada de lâmina em duas facas – idem 243-244; 14) Enxada com a metade frontal da lâmina cortada em dois bicos triângulares – idem 244. Enxadas das ilhas adjacentes: Madeira e Porto Santo – tipos, descrição e áreas 245 ; origens continentais das enxadas madeirenses 245-246; Açores – tipos e formas regionais das ilhas de S. Miguel, Terceira e S. Jorge, Santa Maria, 246, Faial, Graciosa e Pico 246-248. Enxadões, Alviões, Alferces, Picaretas – 1) De lâmina longa e espessa, direita ou encurvada, espalmada a todo o comprimento ou apenas na ponta, cóm unha ao jeito de machado 249-250 ; 2) de lâmina rectangular muito estreita e alongada, direita ou encurvada, sem unha 250; 3) De lâmina rectangular, geralmente com ombreiras arredondadas, sem unha 250-251 ; 4) De lâmina semelhante à anterior, com unha de várias formas 251 ; 5) De lâmina com a metade frontal cortada em dois bicos triangulares, com unha em forma de cunha espessa ou espigão piramidal 251 ; 6) De lâmina larga e muito espessa 252. Instrumentos destes tipos das ilhas de S. Jorge, Terceira, Graciosa e Santa Maria 253. Sachos – definição, utilização e formas principais 254-255. O sacho do torrão, das mondas, e as sachadeiras 255-257.

FOICINHAS E FOICES: Págs. 259-276

Antiguidade da foice 258. Foicinhas de gume serrilhado e de gume liso 260. Foicinha de gume serrilhado 261 (cabos decorados 261-263) ; e de gume liso (foicinho) 263-264; Foices de cabo curto 265-266 ; de cabo comprido 266-268 ; foicinhos de cabo curto 269 ; de cabo comprido 269-271 ; a gadanha 271-272. Dedeiras, de cana, de couro e de chifre 273-274; cabritas 274. Foicinhas e foices, de cabo curto e de cabo comprido, dos Açores 275-276.

ALFAIA DO SISTEMA DE DENTES : Págs. 277-294

I – Ancinhos e ganchos. Ancinhos 277-278. Trabalhos em que se usa o ancinho 279. Dentes de pau e dentes de ferro 279-280. Os grandes engaços do feno transmontanos 280. Ancinhos ornamentados do Minho 281. Utensilagem de dentes para a apanha do sargaço –graveta ou gaiteira 281; ganchorra e rastilho e gadanha 281-283 ; o croque 284. Utensilagem de dentes para a apanha do moliço – ancinho de arrasto e de apanhar, da Ria de Aveiro 284 ; da Pateira de Fermentelos, e da Lagoa de Óbidos 285. Gancho ou gadanho para remoção de estrumes 286-287. II – Forcados e forquilhas – de madeira com : a) dentes de ramos, e b) dentes cravados 288-292; dentes de ferro 292. Forcados e forquilhas insulares 292-294. Ligação desta utensilagem de madeira com trabalhos da eira 294.

DEBULHA DE CEREAIS : Págs. 295-320

A pé de gado; a malho; a trilho 295. Malho ou mangual – descrição e origem 295-296. Tipos 296. Tipo 1 – com casula e encedouro – variedades 296-301 ; Tipo 2 – sem casula e com encedouro 301 ; Tipo 3 – com casula e sem encedouro 301 ; sem casula e sem encedouro 301. A meã 302. Tipo 5 – sem casula e sem encedouro; corda a ligar o pírtigo ao cabo 302. Dimensões da mangueira e do pírtigo 303-304. Malhos insulares 304. Trilho – Descrição, origem, tipos 304-305. Tipo tribulum – Descrição, área, fabrico 306-307. Tipo plostellum – Descrição, área, variantes 308-311. Trilhos insulares – Açores 311-312 ; Madeira e Porto Santo 313.

Outros instrumentos ou processos de debulha – Pau ou maço 314-315 ; debulhador 315 ; ferro de bater (Algarve) 315 ; sovelão ou esfolhador 315. Pedra e tábua de debulhar 316.

Joeiras e crivos. Tipos e modo de utilização 316-320 (Eiras 320).

ALFAIA DIVERSA E AVULSA: Págs. 321-332

Pá; a pá de valador 321 ; espicha para semear o milho 322 ; instrumentos para colheita de frutos : tenaz de tabaíbo (ilha de Porto Santo), rocas para frutos de pomar, gancho ou caímbo para o figo (Algarve) 322-324 ; ripo para a apanha da azeitona 324; aguadouròs para rega de pequenos canteiros 324-325 ; relhos para atar molhos de erva ou lenha 325-326 ; banco de carregar a erva (Vilarinho da Fuma) 327 ; arrilhada, para picar o gado e limpar o arado da terra que a ele se cola; padiolas e carrelas para transporte a braço; seu uso na apanha do sargaço 328 ; rodo para juntar o grão nas eiras 329; cambo para amparar o carro de bois nas rampas; esfolhadores ou sovinos, para rasgar o folhelho das espigas de milho 329-331. Ferramenta para a extracção da cortiça : machado e enxó da cortiça 331-332. Foicinho grosso para a limpeza das ervas (ilha do Pico) 332 ; forcado para a arranca da beterraba (ilha de S. Miguel) 332.

CESTARIA: Págs. 333-347

Classificação. Seu carácter de indústria caseira e familiar 333-334. a) Cestaria de madeira rachada – Alto Minho 334; Baixo-Minho e Douro Litoral 335-337 ; Douro e Trás-os-Montes ; o cesto vindimeiro 337-339 ; Beira Interior e área do Pais a Sul do Tejo 339 ; Litoral e Centro da Beira 339-340 ; b) cestaria de verga – Trás-os-Montes 340-341; Litoral Central 314-342 ; Sul do Pais 342 ; Madeira e Açores 343 ; c) cestos de junco, bracejo ou esparto 343-344 ; d) cestos de cana 344 ; e) cestos de rolos de palha cosidos em espiral 244-345; ceirões e cangalhos 345 (alforges 345); caniços 345-347).

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search