Versión clásicaVersión móvil

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Apêndice II

Texto completo

1Como dissemos atrás, contrariamente à opinião de Haudricourt, concordamos com Jorge Dias em que:

2I) – a) embora na área mediterrânea portuguesa, no Alentejo e no Algarve, o arado mais primitivo tenha sido do tipo rabiça-dente (radial), conforme é legítimo inferir da existência do cotovelo, que parece representar o que resta de uma primitiva rabiça desse género; e embora se possa dizer que não existem entre nós dentais puros, de acordo com a definição de Haudricourt, idênticos aos das demais áreas mediterrâneas – é fora de dúvida que os arados da região mostram a garganta perfeitamente característica do arado dental, a qual tem ali seguramente uma origem pré-romana.

3b) – embora em Portugal, no Noroeste Atlântico e áreas contíguas e afins, o arado mais primitivo tenha presumivelmente sido igualmente do tipo radial, ligado de um modo geral à agricultura das terras secas e nomeadamente do centeio (e milho miúdo), como sucede ainda hoje em muitos casos, existem aí incontestavelmente arados do tipo quadrangular, e sobretudo traços característicos desse tipo incluídos nos arados radiais (que ali os terão precedido); e tais arados ou elementos de arados atestam e representam certamente uma difusão do arado germânico da Europa do Norte ou Central, a partir das invasões dos bárbaros, e particularmente dos Suevos, que se fixaram nessa região da Península.

4II) – Por outro lado, de acordo com o Autor francês, entendemos que o arado chambige, ou castelhano, que ocorre entre nós na região de Vilar Formoso, e que Jorge Dias considerou um sub-tipo do arado de garganta, deve antes constituir um tipo independente.

5Este esquema, para sua devida compreensão, deve porém articular-se na classificação dos arados em simétricos e assimétricos; e nomeadamente no que respeita à agricultura aratória do Noroeste e ao tipo quadrangular, ele requer precisões, que a seguir procuraremos expor.

6No Sul mediterrâneo e no Nordeste serrano e planáltico os arados, respectivamente dos tipos de garganta e radial, são sempre morfológica e funcionalmente simétricos, e apresentam-se com carácter exclusivo e uniforme, servindo o mesmo género de arado para todas as culturas de cada uma daquelas regiões, que são sempre de terras secas.

  • 1 Orlando Ribeiro, Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra, 1945.

7No Noroeste, o quadro agro-rural e instrumental era mais diferenciado: antes do século XVI, ele apresentava, segundo Orlando Ribeiro, na sua generalidade, dois painéis fundamentais: os cereais eram todos de sequeiro, e exigiam terras enxutas (agras), onde se cultivavam alternadamente espécies de inverno – trigo, centeio, cevada – e de verão – milho alvo e painço –; as terras fundas e húmidas constituíam apenas, além de linhares, pastagens permanentes, onde se criava gado grosso, elemento de importância primordial na economia rural de então1.

  • 2 Ainda em tempos muito recentes, o milho miúdo, na generalidade dos casos, era semeado nas terras do (...)

8Para as lavras dessas terras secas e duras, nomeadamente dos cereais de sequeiro e sobretudo do centeio2, que têm em vista apenas rasgar superficialmente a terra que levará a semente (que será em seguida coberta pela passagem da grade), usava-se certamente, como hoje ainda sucede, um pequeno arado, leve e singelo.

  • 3 A. H. de Oliveira Marques, Introdução à História da Agricultura em Portugal, Lisboa, 1968, pp. 63-6 (...)

9Em certas zonas de solos humosos e frescos – no litoral de Caminha a Vila do Conde, em terras de Guimarães e de Basto, na Maia, etc., e nos vales férteis e baixas marginais de certos rios dessa região, nomeadamente o Lima, – onde se cultivava o linho e o trigo (que na Idade Média assumia, aí, importância considerável3 , os quais, pelo contrário, nos períodos de pousio criariam ervanço cerrado – ficariam muito encampados –, há que admitir que já então se usasse um arado diferente, grande, pesado e forte, com uma estrutura que permitisse revolver bem a terra para anular esse ervanço – um arado assimétrico, com uma ou duas aivecas móveis, e, depois do século V, verosimilmente munido de sega, rabiças duplas ou triplas, e carreta –.

10Os prados, que serviam de locais permanentes de pastagem, eram estrumados periodicamente, e regados com muita frequência ; mas não eram lavrados.

  • 4 Oliveira Marques, op. cit., fala da charrua; mas dada a indecisão das definições, não podemos saber (...)

11Ambas estas espécies de arados, pequenos ou grandes, seriam, conforme as regiões, dos tipos radial ou quadrangular, ou híbridos ; e ambos, cada qual por seu lado, desempenhavam de igual modo a função aratória que se relacionava com os diferentes géneros de terrenos e tipos de lavoura que competiam à sua respectiva espécie4.

  • 5 Orlando Ribeiro, Milho, « Dicionário de História de Portugal», III, Lisboa, 1968, pp. 58-64.

12No século XVI é introduzido entre nós o milho maís, ou de maçaroca, trazido da América. O novo cereal, pobre mas de grande rendimento, e requerendo regas muito abundantes, rapidamente se difunde a partir de Coimbra pelas terras baixas do Noroeste (onde abunda a água e se conhecia a técnica da rega), numa marcha progressiva que continua a processar-se em nossos dias5. E ganhou tal vulto e importância, que o panorama rural da região se modificou radicalmente, e passou a ser dominado pelo seu ciclo agrário.

13O milho, cereal de verão, foi aí semeado nesses terrenos fundos e frescos, que eram anteriormente locais permanentes de pastagens – os pauis – e que passaram a ser campos de verão e prados no inverno, uns e outros igualmente regados; ainda hoje, acusando esta sobreposição de cultivos, em todo o Noroeste, ao terminar a vessada do milho, fazem-se, nos campos lavrados, para as subsequentes regas, regueiras que os cortam por linhas em vários sentidos, levando a água a toda a sua superfície, tal como se fazia quando eles eram prados permanentes, transferindo o velho sistema de rega, com a própria terra em que era praticado, para o novo cultivo aí implantado (que aliás, de cada vez, no inverno, é substituído, no campo vazio, de novo pelo prado de pastagem) (Fig. 40).

14Para as lavouras do milho nesses pauis, terrenos com ervanço e raizame densos, que era indispensável anular, o pequeno arado antigo, próprio dos terrenos secos, para lavras pouco profundas, não servia; e, tal como vimos que sucedia já antes nas lavras das várzeas ribeirinhas e dos linhares, tornou-se necessário um arado muito robusto e devidamente apetrechado para virar a leiva e enterrar aquele revestimento de ervas; e surge assim certamente (pôr alargamento a esse caso da ideia que está na base dos arados usados até então nas lavouras pesadas das terras frescas dos linhares e do trigo, aplicada no modelo corrente do arado conhecido localmente) o grande vessadouro, que podia ser quadrangular ou radial, ou híbrido, com aivecas móveis ou funcionando como tais, e munido de sega, carreta e rabiças laterais, duplas ou triplas (assimétrico).

15Nessas mesmas áreas, contudo, as lavras do centeio (que aí continuou a cultivar-se nos terrenos secos e mais pobres – o pão regional é uma broa de milho que leva sempre uma parte de centeio –) continuaram a fazer-se com um arado pequeno e singelo, de aivecas fixas (simétrico), que substituiu o arcaico radial, de uma só rabiça, ou um quadrangular com uma ou às vezes duas rabiças – o assuco ou margeador (que fazem os regos ou « margens » do centeio) – conforme as regiões.

  • 6 De facto existe nessa aldeia um espigueiroo mais antigo da regiãodatado de 1806.

16Em Bucos (Terras de Basto), nas fraldas da serra da Cabreira, por exemplo, conserva-se a memória da chegada do milho à região, por volta de 18006, e da entrada concomitante do grande vessadouro (com sega e carreta, e rabiça tripla) ; a rotação das culturas faz-se ali, nos pauis, por quadriénios – um ano a milho, e três a pauis –, o que obriga, para a vessada do milho, a lavras muito fundas, a fim de virar devidamente a seita (leiva) ; e, de facto, para elas, usa-se esse grande vessadouro (de tipo radial), entendendo-se que seria impraticável tentar essas lavras com o pequeno arado antigo das culturas do sequeiro –o temão –, único ali conhecido antes daquela data ; mas, nas terras secas e pobres, para o centeio ou o milho miúdo, as lavras continuaram a fazer-se com esse antigo arado. E o mesmo se deu em Lodeiro d’Arque, na Seara, etc., nas faldas ocidentais do Barroso.

17O que sucede portanto é que, no Noroeste, essas terras fundas e frescas, são eminentemente próprias para o cultivo do milho, tendo mesmo sido elas que possibilitaram a instauração e depois a generalização desse cultivo entre nós. Deste modo, precisando o enunciado de Jorge Dias, diremos não que o arado quadrangular está associado ao milho (visto que no Noroeste há assucos e margeadcuros quadrangulares, pequenos, singelos e simétricos – com duas aivecas fixas – associados ao centeio, e arados radiais associados ao milho), mas que, ao milho – isto é : às lavouras pesadas de terras fundas e frescas que requerem o virar da leiva –, estão associados arados, radiais ou quadrangulares, mas grandes, fortes e assimétricos (por estrutura – com uma só ou duas aivecas móveis – ou por função), e munidos daqueles elementos complementares (que na realidade se viam certamente, de entrada, associados aos arados germânicos, ou sejam os quadrangulares) – ou, por outras palavras : que sega, carreta e rabiças duplas ou triplas, têm de ser consideradas em si mesmas, independentemente do arado quadrangular.

18Haudricourt, baseado na sua teoria acerca das origens do arado a partir de dois paus, entende que a rabiça única é uma forma secundária, derivada, por simplificação mais elaborada, da rabiça dupla, que era uma forma primária, e portanto mais antiga do que aquela ; e conclui que o arado com duas ou três rabiças é um arado pré-rabiça-dente.

19Contra esta hipótese, Jorge Dias faz notar que, em Portugal, os arados com uma só rabiça ocorrem nas áreas arcaizantes do País, enquanto que os de duas (ou três) rabiças ocorrem nessas terras ocidentais baixas e progressivas, e mormente no Noroeste ; e refere o exemplo de certas regiões – v. g. Santarém –, onde, em princípios do século XX os arados de pau (que aí se usavam) eram de duas rabiças, mas onde se vêem, em estelas funerárias dos séculos XV e XVI que ali se encontraram, arados – portanto anteriores àqueles – que eram de uma só rabiça.

  • 7 Haudricourt, op. cit., pp. 247, nota 37.

20Haudricourt, comentando este reparo, entende, sem modificar a sua hipótese, e interpretando a realidade de acordo com ela, não ser de admirar «que as duas rabiças tenham persistido, que se lhes tenha dado maior amplitude, que todo o instrumento se tenha desenvolvido apoiando-se ou não numa carreta e tornando-se por isso mais robusto e mais eficaz e de um aspecto mais progressista, que em certas regiões ele tenha substituído os arados de uma só rabiça (que não deixam de ser tecnologicamente mais antigos)»; «no Noroeste de Portugal, era importante para o lavrador, dado o trabalho a efectuar, poder segurar bem o arado, poder, graças às aivecas altas e largas, fazer regos afastados, virando a terra de um só lado do instrumento se fosse necessário ». Por isso, segundo o Autor, essa forma, mesmo sendo anterior, subsiste e é funcionalmente ajustada : e lembra que alguns desses arados, embora instrumentos simétricos – os grandes radiais (Bucos) – são chamados em Portugal vessadouros, de versare, virar, voltar7. «Este tipo de arado antigo corresponde assim sem dúvida», segundo o Autor francês, « a um instrumento com o qual se podia lavrar eficazmente de um só lado » ; compreende-se por isso que ele se tenha mantido e expandido. Conservou-se em Portugal (e na Galiza) porque o género de lavoura que ele permite era útil na zona litoral húmida, onde a charrua, isto é, o instrumento assimétrico – que por isso também viraria a leiva – «só tardiamente penetrou».

21Embora reconhecendo o acerto de algumas destas considerações, – de facto as .rabiças laterais desempenham de certo modo o papel das aivecas móveis ou das charruas assimétricas, como viu bem Haudricourt – parece-nos que a interpretação que esse Autor faz do aparecimento da rabiça dupla não é concludente, e não se ajusta ao caso português, no que se refere nomeadamente aos grandes vessadouros do Noroeste.

22Para Haudricourt, portanto, os arados portugueses com duas (ou três) rabiças constituem uma forma primordial e mais antiga, que subsiste no Noroeste pelo seu ajustamento funcional ao tipo de lavras «de um só lado » que a natureza dos terrenos dessa região requer (e porque aí a charrua – assimétrica –, que também lavraria «de um só lado » , só muito tarde chegou).

  • 8 Se no conjunto da história universal, nos seus mais longínquos primórdios, em vários ideogramas, ci (...)

23De facto, as razões aduzidas por Jorge Dias a favor da hipótese da anterioridade dos arados de uma só rabiça, baseadas na cronologia da documentação apresentada, parecem-nos de grande peso (e não compreendemos mesmo porque é que Haudricourt não admite que as representações rupestres de Fontanalba (Alpes Marítimos) e Bohuslän (Suécia), de cerca de 3 500 a.C.assinalem um modelo aí já existente nesses remotíssimos tempos8; e entendemos que as rabiças duplas ou triplas não constituem de modo nenhum apenas uma reminiscência que perdurou e até se desenvolveu, porque é ajustada às condições naturais da região e às exigências da agricultura desses terrenos fundos e frescos, mas uma forma aperfeiçoada ou um enriquecimento que se veio sobrepor aos arados de uma só rabiça (que sem dúvida alguma subsiste residualmente no cabrito), que terão sido os mais antigos. E de facto. é isso que sucede ainda hoje nas zonas arcaizantes do próprio Noroeste, onde, como vimos, eles são usados nas lavras do centeio – que é também o cereal mais antigo –, que não exigem o virar da leiva, enquanto que os de rabiças duplas ou triplas, nessas mesmas zonas, são imprescindíveis para as lavras dos pauis – isto é, do milho, cereal muito mais recente –. Na Estremadura, onde as culturas não requerem o virar da leiva, os arados são grandes, fortes e pesados, como os vessadouros nortenhos ; mas têm – ou mantêm – uma só rabiça.

  • 9 Haudricourt, op. cit., p. 135).

24Prosseguindo, Haudricourt escreve ainda: «Nos instrumentos de Portugal e de Espanha chamados vessadouros, as duas rabiças estão colocadas de um lado e do outro de uma peça central, que forma uma terceira rabiça ou serve simplesmente de apoio ao temão» (o cabrito ou seu equivalente). E mais ainda: «só as duas peças laterais são verdadeiras rabiças » ; « a peça central, colocada entre as duas rabiças, tem como função muito mais fixar o temão do que servir de rabiça ; de tal modo que, noutros arados de duas rabiças das mesmas regiões, ou de regiões mais longínquas, a peça central subsiste sempre (o « cabrito »), mas não pode ser agarrada com a mão, como sucederia com um arado que fosse «de três rabiças» para facilitar certas manobras ». « As duas rabiças, hoje por vezes muito desenvolvidas na sua parte inferior, parecem sem dúvida derivar, sob o ponto de vista estrutural e funcional, das «rabiças» antigas, e não : serem aivecas que se tornaram rabiças». Neste último caso, teria sido preciso que a peça central, «terceira rabiça», tivesse sido de entrada uma rabiça-dente única, que depois perdesse o seu papel de aparelho de governar o trabalho, em benefĭcio de duas peças laterais; esta evolução parece tecnologicamente improvável : por que razões se teria ela produzido? por necessidade de segurar o aparelho, quando se trabalha em profundidade, com as duas mãos? nesses casos, porém, observa-se geralmente a adição de mãozeiras fixadas perpendicularmente à rabiça única, mas não a de peças laterais muito atravancadoras»9.

25Esta argumentação não nos parece de modo algum concludente. Contrariamente à opinião de Haudricourt, supomos precisamente, como dissemos, que a peça central foi primitivamente uma rabiça única (rabiça-dente, ou rabiça independente do dente, conforme as zonas em que ela ocorre), que subsistiu como tal, ao mesmo tempo que as aivecas se tornaram rabiças, nos grandes vessadouros de três rabiças ; ou que se tornou dispensável quando se lhe aplicaram duas rabiças laterais – e que por isso foi amputada a meia altura, e reduzida a um cabrito onde se fixaram essas rabiças laterais e se prende o temão, nos arados mais pequenos dessa região, em que a distância entre aquelas duas novas rabiças é diminuta. E é de notar que, entre nós, as mãozeiras perpendiculares às rabiças são raras.

26No litoral a norte de Viana do Castelo, o primitivo arado era visivelmente do tipo radial, pequeno, de uma só rabiça e aivecas curtas e finas (como ainda hoje continuam a ser os « margeadouros » do centeio da serra minhota). Esse arado, para se ajustar às lavras do milho, sofreu uma evolução : duas tábuas largas sobrepuseram-se às pequenas aivecas anteriores (que subsistem por baixo delas) ; e em vez de uma rabiça única central, vêem-se duas rabiças laterais, presas, na parte inferior, a um curto cabrito; e dotou-se o arado de uma sega, aplicada ao temão (des. 30).

27Por outro lado, por toda a Província minhota, nos casos mais representativos – isto é : nos grandes vessadouros de três rabiças – as rabiças laterais não se cravam no dente, mas prolongam as aivecas, resultando precisamente, segundo toda a aparência, do desenvolvimento das aivecas, para mais convenientemente responderem às exigências do trabalho, ou seja : ajudarem a inclinar o arado, para levantar e virar a leiva; e a rabiça central não tem como função única ou principal fixar o temão, como sustenta Haudricourt, mas é um elemento indispensável e fundamental no governo do arado, permitindo que a pessoa que o conduz, empunhando-a a ela sempre, e ora uma ora outra das laterais conforme o lado para o qual o arado vai virar a leiva, o faça com segurança e sem excessivo esforço. Sem ela, o manejo do arado seria muito difícil e penoso, obrigando essa pessoa a uma posição extremamente forçada e incómoda, com os braços alongados e o corpo inclinado. E notamos que em Bucos, de facto, deram os nomes de rabiça do governo à rabiça central, e de rabiça de virar a seita (leiva), às rabiças laterais, que prolongam as aivecas.

28Parece-nos pois que, no caso das rabiças duplas – que ocorre nos vessadouros pequenos – o cabrito será o que resta de uma rabiça central única primitiva, que tinha como função principal não meramente fixar o temão, como quer Haudricourt, mas acima de tudo a condução ou governo do arado, e que foi dispensada ulteriormente porque se aplicaram ao lado duas rabiças ; no caso de rabiça tripla – os vessadouros grandes – a rabiça central é mesmo a rabiça do governo do arado.

29A carreta, rabiça dupla ou tripla, e, acima de tudo, a sega, portanto, embora de origem germânica como os arados quadrangulares, entre nós caracterizam os arados em que figuram, não como sendo do tipo quadrangular (puro ou híbrido) (como parece ter entendido Jorge Dias), visto que podem aplicar-se a arados de estrutura tanto quadrangular como radial, mas sim como sendo assimétricos, isto é : como sendo os arados próprios para virar a leiva – os vessadouros – que ocorrem no Noroeste para as lavouras de terras fundas e frescas do milho – as vessadas – (a par de outros, simétricos e mais pequenos, para as lavras das terras secas do centeio ou do trigo – os assucos ou margeadouros –), podendo-se mesmo dizer que são aqueles elementos que definem fundamentalmente a categoria de assimétricos, morfológica ou funcionalmente, sejam eles de um ou de outro daqueles tipos; e, em Portugal, surgem no Noroeste com as invasões germânicas (decerto originariamente associados a arados quadrangulares) e aí ficaram, ligados à agriculturação de terras baixas ribeirinhas, frescas e humosas, onde se praticava esse tipo de lavras (possivelmente no cultivo do trigo), e que assim se conservaram, embora com uma expansão muito reduzida, generalizando-se o seu uso mais tarde quando, a partir do século XVI, se começaram a agricultar os pauis de pastagens, ou seja, praticamente, quando se iniciou e seguidamente se desenvolveu o cultivo do milho maís, cereal de regadio, que obriga às lavras fundas das vessadas.

30É pois um fenómeno que ultrapassa qualquer movimento puramente histórico de difusão : aqueles elementos encontram-se basilar e inicialmente no Noroeste, país suévico, porque foram para aí trazidos pelos Suevos com o arado quadrangular (e seguidamente aplicados a arados de outro tipo ali usados), mas persistiram e expandiram-se nessas terras porque são funcionalmente necessários a um género definido das lavouras locais. E de facto, à medida que se foi alargando o cultivo dessas terras fundas e frescas – isto é : à medida que se foi expandindo a cultura do milho de regadio, no Noroeste e nas terras baixas do litoral –, foi-se paralelamente alargando à área do arado grande, quadrangular ou radial, com a rabiça dupla ou tripla e sega e carreta.

31A ligação dos três elementos complementares – a sega, a carreta e as rabiças duplas ou triplas – com os arados assimétricos, que como dissemos, elas ajudam a caracterizar –, requer porém também precisões. Como vimos, não é de facto aos arados quadrangulares que eles estão associados, mas sim aos assimétricos; mas além disso na realidade, desses três elementos, apenas a sega está inseparavelmente ligada a essa forma de arados, porque ela apoia necessariamente a acção da aiveca assimétrica, cortando a leiva que esta a seguir revolve e vira. A carreta, embora apareça também normalmente associada aos grandes arados asssimétricos, de revolver a terra, liga-se porém fundamentalmente com as lavras pesadas, quer estas requeiram quer não o virar da leiva; de facto, ela aparece nos arados labregos da Estremadura, simétricos, das lavras do trigo da região, que são pesadas mas não requerem o virar da leiva. As rabiças laterais, duplas ou triplas, embora relacionadas com a sega, como vimos, – ou seja, então, com os arados assimétricos –, aparecem também em arados simétricos – por exemplo em certos margeadouros do centeio do Noroeste (que são, além disso, em regra do tipo quadrangular).

32Concluindo, os arados portugueses apresentam-se pois como :

33a) Arados simétricos – para as lavras das terras secas do centeio e do trigo : 1) radiais, no Leste transmontano e beirão, e no Noroeste atlântico ; 2) de garganta, no Sul mediterrâneo; 3) de camba, ou castelhanos, na região de Vilar Formoso ; 4) quadrangulares, no Noroeste atlântico (assucos e margeadouros).

34b) Arados assimétricos morfológica ou funcionalmente (com sega, carreta, rabiças duplas ou triplas, e aivecas, uma ou duas, móveis) – para as lavras fundas das terras frescas : 1) radiais e 2) quadrangulares, no Noroeste (vessadouros).

35No Leste transmontano, – arados radiais simples (simétricos)

36No Sul mediterrâneo – arados de garganta (simples) (simétricos)

37Na região de Vilar Formoso – arados de camba, ou castelhanos (simples) (simétricos).

38No Noroeste atlântico – a) arados simétricos, radiais e quadrangulares pequenos e simples, para as terras secas do centeio.

39b) arados assimétricos, morfológica ou funcionalmente, radiais e quadrangulares, fortes, com sega, carreta e rabiças duplas (ou triplas), aivecas (uma ou duas) móveis, para as terras frescas e fundas, hoje do milho.

Notas finales

1 Orlando Ribeiro, Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra, 1945.

2 Ainda em tempos muito recentes, o milho miúdo, na generalidade dos casos, era semeado nas terras do centeio, após a ceifa deste ; e a sua lavra fazia-se também com o arado pequeno do centeio.

3 A. H. de Oliveira Marques, Introdução à História da Agricultura em Portugal, Lisboa, 1968, pp. 63-66.

4 Oliveira Marques, op. cit., fala da charrua; mas dada a indecisão das definições, não podemos saber ao certo de que instrumento se trata. É de notar que entre nós os vessadouros de tipo quadrangular mais puro, e com aquelas características e complementos, encontram-se, nos nossos dias, na orla litorânea ocidental a norte do rio Douro e ao longo dos rios Minho e Limaprecisamente essas áreas antigas de trigo –, significando talvez que os arados usados anteriormente para esse cereal eram desse formato, tendo passado em seguida sem alterações para o milho, que ali, em grande medida, tomou o lugar do trigo nos mesmos locais onde este fora cultivado ; e por outro lado, parece confirmar que aqueles elementos complementaressega, carreta e rabiças duplas ou triplasestavam de facto originariamente associadas ao arado quadrangular.

5 Orlando Ribeiro, Milho, « Dicionário de História de Portugal», III, Lisboa, 1968, pp. 58-64.

6 De facto existe nessa aldeia um espigueiroo mais antigo da regiãodatado de 1806.

7 Haudricourt, op. cit., pp. 247, nota 37.

8 Se no conjunto da história universal, nos seus mais longínquos primórdios, em vários ideogramas, cilindros e gravuras sumérios e egípcios dos IV e III milénios a.C., o instrumento de duas rabiças precedeu o de uma só, em todo o caso esta última forma encontra-se em várias pinturas rupestresem Fontanalba (Alpes Marítimos) e Bohuslän (Suécia)datadas de 3 500 a.C. (reproduzidas por Haudricourt, op. cit., figs. II e 12), onde se vêem arados que possuem uma só rabiça ; e este Autor comenta : « que significa o desaparecimento da segunda rabiça ? Porque ligar tanta importância à presença de uma rabiça única? Umas e outras dessas figurações exprimem um conjunto de condições técnicas, geográficas, sociais, que reagiram umas sobre as outras, e tornaram inútil a segunda rabiça porque ela deixou de ter qualquer função a exercer» (op. cit., p. 76). «Desse modo, a substituição de duas rabiças por uma rabiça significa condições de trabalho, para os homens e para o instrumento, muito diferentes daquelas dos velhos países de irrigação e de civilização que foram a Mesopotâmia e o Egipto» (id. p. 77). Como dizemos no texto, estas razões não nos parecem de modo nenhum decisivas e não vemos a necessidade de explicar estas gravuras europeias como representando a substituição de duas rabiças por uma só, devido a um conjunto de condições técnicas, geográficas, sociais, etc.: parece-nos poder-se entender que em regiões tão afastadas e em condicionalismos diferentes, o mesmo instrumento tenha assumido logo inicialmente formas diferentes. Seja porém como for, cremos que. em Portugal, os mais antigos arados eram já só de uma rabiça, e que as duas rabiças constituíram um enriquecimento dessa forma mais simples.

9 Haudricourt, op. cit., p. 135).

© Etnográfica Press, 1995

Condiciones de uso: http://www.openedition.org/6540

Esta publicación digital es el resultado de un proceso automático de reconocimiento óptico de caracteres.
Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search