Versione classicaVersione mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Apêndice I

Testo integrale

  • 1 "Revista de Dialectologia y Tradiciones Populares”, XXXII, 1-4, Madrid, 1976, pp. 479-490.

1Já depois de impresso o capítulo deste livro respeitante às fainas agrárias tradicionais em Trás-os-Montes, o Professor Joaquim Rodrigues dos Santos Júnior publicou um trabalho intitulado "Contribuição ao estudo da cultura dos cereais em Trás-os-Montes”1 onde faz uma excelente descrição das segadas do centeio naquela Província, e em especial em terras de Mogadouro e de Miranda, de que transcrevemos as passagens mais expressivas:

2«A Cultura dos cereais nos dois distritos transmontanos de Vila Real e de Bragança é bem diferente. No de Vila Real cultiva-se milho e centeio e pouco trigo. No de Bragança, cultiva-se muito trigo e centeio e muito pouco milho. Num e noutro destes distritos cuhiva-se também bastante cevada e alguma aveia. Durante séculos, em quase todo o leste transmontano o cereal predominantemente cultivado foi o centeio. Actualmente são muitas as searas de trigo que, nos últimos 30 ou 40 anos, têm aumentado progressivamente em detrimento do centeio... ainda hoje o transmontano ao referir-se (ao centeio) o designa o pão.

A segada

3A segada dos cereais faz-se no mês de Junho, à roda do S. João. Se é certo que actualmente nas chãs e nos terrenos mais ou menos planos a ceifa dos cereais é feita com máquinas ceifeiras, nas encostas ou ladeiras, onde as máquinas não podem trabalhar, as segadas continuam a fazer-se à ceitoira.

4Há dois tipos de ceitoiras : as ceitoiras de pica, com o bordo picado ou serrilhado, e as ceitoiras de corte, com o bordo liso e afiado... As ceitoiras de corte são preferidas.

5Antes de aparecerem as ceifeiras, todas as segadas eram feitas pelas ranchadas de segadores. Faziam-se camaradas com um número maior ou menor de homens que se juntavam para fazer a segada, quer à geira, quer de empreita. Os da camarada escolhem o companheiro que os vai orientar e comandar – é o mandaraxe –, que além de outras atribuições, é quem contrata com o patrão, para quem vão segar, as condições em que o serviço será feito.

6Quando a segada é feita por empreita o trabalho é justo por um tanto em dinheiro e mais um certo número de encargos para o dono do cereal. Em alguns casos, entravam no contrato uns tantos litros de vinho, bacalhau, massa, arroz, feijão, azeite e pão . que eram cozinhados a gosto e de conta dos segadores. Quando a segada é feita à geira, os segadores recebem a sua jorna ou salário, e comem à conta do patrão.

A faina da segada

7O serviço da segada ou corte do cereal é orientado pelo mandaraxe, que dispõe os homens da camarada em linha. Ele forma à direita, e é o rei. Põe na ponta esquerda um dos mais fracos segadores, que é a rainha. As condições em que se vai fazer a segada apresenta duas modalidades: ao eito ou à sucada. À sucada, como o próprio nome indica, é quando na terra há sucos ou regos, por via de regra separados uns dos outros de 30 a 40 cm. Neste casos cada segador ceifa o cereal de dois ou três sucos. Ao eito, quando não há sucos ou são muito espaçados, os segadores trabalham lado a lado em linha direita. Se algum se atrasa, logo um dos companheiros, em ar de chacota, comenta: – Aquele já trás a lagareza às costas. Se a segada é feita à sucata, o segador da ponta direita, o rei, é o que começa o corte. O segundo segue-se-lhe na traseira, à esquerda, a cerca de 2 m atrás, e assim sucessivamente. O último a começar a segar é o da ponta esquerda, a rainha, quase sempre fraco segador. Se a rainha vai ficando para trás, os segadores da direita, de vez em quando, vâo-lhe dando umas ceitoiradas de ajuda, para manter a linha do corte em direitura perfeita. Deste modo o rei é quem regula o andamento do corte. Como nenhum quer ficar para trás, todos se desembaraçam. Em certas terras, como por exemplo no Souto da Velha, concelho de Moncorvo, se o número de segadores é pernão, o do meio... é o zanga lho.

8Por volta das 4,30 da madrugada, ou mesmo um pouco antes, estão no campo e vai começar a ceifa.

9Com os seus companheiros postos em fila, o rei, na ponta direita, tira o seu chapéu e grita, acompanhado em coro pelos companheiros:

– Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

– Deus nos ajude a começar a segada.

10E o serviço começa. Os segadores vão lançando a ceitoira em golpes sucessivos. Uma ceitoirada sega meia manada se o pão ou o trigo é forte. Quando a mão esquerda apanhou a porção do centeio ou do trigo a fazer meia manada, o segador faz-lhe a chave, que consiste em dobrar duas ou três palhas, e enrolá-la aos toros. Fica a meia manada enchavada. A regra é fazer só uma chave em cada manada. Se cada manada não for enchavada, faz-se mal o molho. Continua-se a segar para a mão esquerda, até acabar de fazer a manada. Quando a mão esquerda já não pode abarcar mais palha, está feita a manada. Com a ceitoira deitam-na ao chão. Continuam a segar, e deitam outra manada por cima da primeira. Duas ou três manadas fazem uma gabela. As gabelas, quando o pão é forte e basto, levam quatro e cinco manadas. Se o segador, com a pressa, para não se atrasar dos companheiros ou por simples distracção, se esquece de juntar à primeira manada as que com ela formariam a gabela, fica aquela manada isolada, a que chamam zorro. Os companheiros, ao darem conta da manada singela, fazem pouco do segador...

11Por volta das 11 horas, ao mando do rei, a segada pára, e todos os segadores vão fazer a atada do cereal ceifado naquela manhã...

12Em dada altura... o dono do cereal traz a cabaça ou o pipo, que vai passando de boca em boca... É norma que os segadores bebam o vinho que quiserem. Ao findar a ceifa de cada terra de cereal, quando restam poucos metros quadrados, os segadores juntam-se à roda do pouco que falta segar, e todos gritam: – Eh rapazes! Vamos agarrar a lebre. Com grande desembaraço, apressadamente, é num pronto que segam o resto daquela seara.

13O que segou a última manada grita: – Eu é que agarrei a lebre. Será ele o primeiro a beber do pipo ou da cabaça, que depois passa aos companheiros. No Souto da Velha as coisas passam-se de igual modo às que vão referidas, só com a diferença que no Souto da Velha a simbólica caçada final não é de uma lebre mas da raposa.

14À segada segue-se o atar, o juntar, a carreja, a malhada, o ensacar e entulhar.

15Fazer a atada – ...é aos segadores que compete atar em molhos o cereal segado em cada dia, e juntá-lo em balsadas ou mornais. Pelas 11 horas, o rei suspende o corte, e todos os segadores vão atar o trigo ou o pão segado naquela manhã. Outro tanto sucede ao fim da tarde, com cerca de uma hora de sol, em que se ata e se junta o que foi segado de tarde. Como pelo S. João são frequentes as grandes trovoadas, se o cereal ficar espalhado, com a chuva fica molhado, e pode «levar caminho», porque pode criar bolor. Nas ladeiras, com as trovoadas fortes, as enxurradas podem arrastar os molhos para os ribeiros das «canadas» o que já tem acontecido. O juntar... é pôr os molhos de modo conveniente em montões. Nas balsadas, com as espigas para fora, bem expostas ao sol, o cereal, ainda lento, fica a cumprir ...isto é, a amadurar. Nos mornais, os molhos são postos sobre um cordão ou primeira carreira, com as espigas voltadas para dentro, e ali ficam, um maior ou menor número de dias, até se fazer a sua carreira para a eira.

16As refeições eram, e ainda são, as seguintes: desinjum, almoço, jantar e merenda, ceia. O desinjum, de madrugada por volta das 4 horas, servido em casa, consta de pão com um bocado de queijo de cabra ou de ovelha, ou um traço de chouriço ou umas rodelas de salsichão, ou uma fatia de presunto e um golo de aguardente. Às vezes também uma mão-cheia de figos secos. O almoço, pelas 8 horas, servido no campo, por via de regra, consta de uma sopas, bacalhau cozido com batatas, pão e vinho. O jantar, ao meio-dia, também servido no campo, consta de carne guizada com massa ou arroz, salada de alface ou de tomate, pão e vinho. À merenda pelas 5 horas da tarde, cabrito ou borrego assado, salada, pão e vinho. Algumas vezes, na vez da carne assada, bacalhau frito ou bolinhos de bacalhau. À ceia, servida na casa do patrão, um caldo de couves, um guizado de carne, que pode ser de galinha, pão e vinho.

17No planalto do Mogadouro e Terra de Miranda, lavradores colheiteiros de muitas centenas ou alguns milhares de alqueires de cereal, para darem de comer aos segadores matavam ovelhas, carneiros, cabras ou bodes, e por vezes uma vitela; isto além da carne de porco, especialmente presunto e salsichões, que era sacramental servir, sobretudo ao desinjum e à merenda.

Note di fine

1 "Revista de Dialectologia y Tradiciones Populares”, XXXII, 1-4, Madrid, 1976, pp. 479-490.

© Etnográfica Press, 1995

Condizioni di utilizzo http://www.openedition.org/6540

Questa pubblicazione digitale è stata realizzata tramite il riconoscimento ottico dei caratteri automatico (OCR).
Cerca su OpenEdition Search

Sarai reindirizzato su OpenEdition Search