Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Cestaria

Texte intégral

1Apesar do sensível encarecimento da cestaria nestes últimos anos, o cesto usado na agricultura não encontrou ainda, para a maioria das suas formas, substituto capaz ; apenas nas cestas de asa usadas nas sementeiras e nas colheitas de frutos e produtos hortícolas, se vai notando a sua substituição por baldes de plástico. Na realidade, a mecanização progressiva de certos serviços, pelo menos em algumas áreas do País, afectou pouco a sua procura; o cesto continua assim a ser um auxiliar indispensável em qualquer casa agrícola, e os produtos da indústria cesteira aparecem ainda à venda em todas as feiras de Norte a Sul do País, mantendo na generalidade a sua forma tradicional.

2A classificação que estabelecemos para dar ao leitor um rápido panorama da cestaria tradicional portuguesa, em modelos ligados à agricultura, assenta nos materiais empregados:

A. Cestos de madeira rachada.

B. Cestos de vergas.

C. Cestos de cairo ou bracejo, e esparto.

D. Cestos de cana.

E. Cestos de rolos de palha cosidos em espiral.

3Deixar-se-á para o fim a apresentação de cestos, cangalhas e ceirões, apropriados para o transporte sobre burros, os quais, pela sua forma particular, merecem referência à parte.

4O cesto é em regra produto duma pequena indústria caseira e familiar, ou, quando muito, exercida com a ajuda de um ou dois auxiliares estranhos. Estas pequenas oficinas encontram-se espalhadas por todo o País, mas adensam-se em certos locais, formando por vezes verdadeiros núcleos cesteiros. Assim acontece em algumas freguesias do concelho de Famalicão, em Alcongosta (Fundão), etc.; em Odeleite (Castro Marim), rara é a casa que não trabalha em cestaria de cana.

5Dos tipos de cestaria atrás mencionados, os dois primeiros, de madeira rachada e de vergas, são de longe os mais empregados. Esses tipos distribuem-se ora isolados por áreas bem definidas, ora em conjunto um com o outro, embora com predominío nítido de um deles. Assim, por todo o Entre-Douro-e-Minho, são os de madeira rachada absolutamente exclusivos. Mas já pelo Leste transmontano, onde o cesto vulgar é o de vergas, aparecem com relativa frequência cestos de madeira rachada, fabricados na sua maior parte em áreas limítrofes (Douro, Chaves, etc.). Também a cestaria de madeira rachada fabricada na Beira Baixa é vendida para a região interior (e até litoral) da Estremadura, em que a de vergas é a tradicional.

6Pela parte central do país, desde o mar à serra da Estrela, a cestaria de madeira rachada é de técnica de fabrico diferente da que temos mencionado. Enquanto que esta última é feita a partir dum fundo de talas entrecruzadas, aquela parte dum aro forte que faz de bordo – modelo a que por comodidade chamaremos canastra –. Esta canastra, que no Noroeste é empregada em funções diversas da agricultura, é nessa área beiroa o cesto mais vulgar da lavoura.

7Apresentamos em seguida uma descrição rápida da cestaria que aqui nos interessa, tratando em separado, por áreas geográficas, cada categoria da classificação estabelecida.

a) CESTARIA DE MADEIRA RACHADA

Alto-Minho

8A cestaria tradicional por quase toda a área do distrito de Viana do Castelo e norte do de Braga, é de fundo quadrado, com a boca perfeitamente redonda guarnecida com um bordo rígido bem revestido por uma fita delgada. Tanto as talas do fundo como o teçume são fitas bem alisadas, no geral largas (des. 244) (há, porém, cestos em que elas são estreitas na sua parte inferior). Os cestos apresentam-se ora altos ora baixos; nas áreas interiores desses distritos são geralmente desprovidos de asa (des. 244 c), enquanto que mais para o litoral eles possuem duas asas baixas (des. 244 b). As cestas para apanha de frutos, vindimas, sementeiras, etc., reproduzem a forma e a técnica dos cestos citados, com asa em arco feita de uma tala nua (des. 244 a). As madeiras geralmente usadas são o castanho e a australia, e também a mimosa para obra mais barata.

9Pela parte nascente do concelho da Ponte da Barca, a cestaria é de preferência de varedo de carvalho, com a forma dos cestos do Baixo-Minho que apontaremos adiante. Há, porém, em aldeias sobranceiras ao Lima, cestos de forma e factura particular (des. 245). Neles, do pequeno fundo quadrado, a parede ergue-se quase verticalmente até meio da sua altura, abrindo-se daí para cima para uma larga boca redonda, fortalecida por um sólido bordo. O teçume desta parte superior é muito estreito, enquanto que o da parte inferior é sensivelmente mais largo; contudo, muitas vezes a madeira rachada do teçume estreito era substituída por varedo de sazo, espécie de salix que cresce nas margens do Lima. Esta forma de cesto, hoje quase totalmente abandonada, deve ter tido uma área de difusão muito maior, encontrando-se também em áreas galegas; e é oportuno lembrar a semelhança que certos cestos das ilhas da Madeira e dos Açores apresentam com ela.

244 – a) Ponte de Lima – a) cesta; b) idem, cesto; c) Ponte da Barca, cesto

244 – a) Ponte de Lima – a) cesta; b) idem, cesto; c) Ponte da Barca, cesto

245 – Ponte da Barca, S. Miguel. Cesto (forma caída em desuso)

245 – Ponte da Barca, S. Miguel. Cesto (forma caída em desuso)

Baixo-Minho e Douro Litoral

10Pelos distritos de Braga e Porto, o cesto é de fundo quadrado ou rectangular, com as paredes erguendo-se inclinadas e sensivelmente planas para uma boca arredondada bastante maior que o fundo, e sem bordo rígido. As talas da urdidura são largas mas imperfeitas, e o teçume é de varedo delgado rachado a meio; todos têm duas asas baixas.

11Dentro deste tipo de cesto, a forma mais geral é a de fundo quadrado e boca arredondada – o cesto tem grosseiramente o formato de um tronco de pirâmide a tender para um tronco de cone (des. 246 a) –. A madeira mais estimada é o carvalho, aparecendo contudo à venda imensa obra de mimosa.

12Para norte de Braga, pelos concelhos de Vila Verde, Amares e Bouro, e para os lados de Guimarães e Penafiel, a abertura para a boca diminui. Nas vizinhanças do Porto preferem a forma alongada, de fundo rectangular (des. 246 b). Por Baião, além de um cesto semelhante ao de Penafiel, a que chamam meio-cesto, usam outro bastante mais alto, que se aproxima já dos cestos vindimeiros do Douro.

13As cestas para vindima, frutos, sementeiras, etc., são feitas em técnica idêntica à destes cestos. Têm sempre asa em arco, e as formas seguem os modelos do desenho 247.

14Nas vindimas de uveiras de enforcado e de ramadas altas, e colheita de frutos de árvores, a estas cestas de asa em arco está associada uma peça – o cambito –, gancho feito de um galho de árvore, que serve para dele se suspender a cesta, pendurado dessas uveiras ou ramadas (des. 247 a).

246 – a) Famalicão, cesto ; b) Maia, cesto

246 – a) Famalicão, cesto ; b) Maia, cesto

247 – Cestas de vindima e colheita de frutos – a) Felgueiras; b) Famalicão; c) Guimarães; d) Paredes, cesta de semear

247 – Cestas de vindima e colheita de frutos – a) Felgueiras; b) Famalicão; c) Guimarães; d) Paredes, cesta de semear

15Para Sul do rio Douro, pelo concelho de Gaia, e pelo de Vila da Feira (este já da Beira Litoral), as gigas seguem a técnica dos cestos do Baixo-Minho, mas são de factura muito descuidada. O teçume é mal afeiçoado, deixando entre si grandes vazios irregulares. A forma é mais baixa (des. 248 a). As madeiras usuais são o carvalho e a austrália, e também algum vime para tecer.

Douro e Trás-os-Montes

16Nas áreas próximas do curso inferior do rio Douro, especialmente entre este rio e o Paiva, o cesto é alongado, de fundo rectangular, e paredes ligeiramente abaúladas (des. 248 b). O material quase exclusivo é o castanho. Esta forma de cesto encontra-se também na região dos vinhos do Porto, aqui com as duas asas frequentemente reforçadas por fitas que as envolvem e mergulham no teçume.

248 – a) Vila da Feira, Oleiros, giga; b) Cinfães, cesto

248 – a) Vila da Feira, Oleiros, giga; b) Cinfães, cesto

17O cesto do Douro mais característico, contudo, é o grande cesto vindimeiro, alto e de fundo quadrado, munido de duas asas reforçadas pelo processo do cesto anterior, e com terceira asa a meia altura da parede (des. 249 a). Este cesto é transportado sobre a trouxa – rolo apoiado na parte superior do dorso e suspenso da testa – (des. 249 c), e é amparado segurando-o por essa asa, ou por meio dum gancho feito dum galho de árvore ou de ferro (des. 249 b, d).

18Cestos de fundo quadrado e boca arredondada munida de forte bordo encorreado (des. 250) são correntes no distrito de Vila Real, desde o rio Douro até à fronteira Norte, e fabricados em grande parte perto do Douro e nas vizinhanças de Chaves e Mirandela ; quase sempre de teçume estreito, há zonas, como no Barroso, em que o preferem mais largo (mais entabuado). Cestas com esta forma, também vendidas para o Leste transmontano, são iguais às que veremos pela Beira-Baixa e no distrito de Portalegre. São os mesmos cesteiros que fazem a cesta de asa em arco, arco aqui feito de duas talas encorreadas no alto (des. 250 b).

249 – Régua, cesto vindimeiro – a) cesto; b) processo de transporte com a trouxa; c) trouxa; d) gancho

249 – Régua, cesto vindimeiro – a) cesto; b) processo de transporte com a trouxa; c) trouxa; d) gancho

250 a) Chaves, cesto; b) idem, cesta; c) Mirandela, canastra; d) Chaves, cesto para carro

250 a) Chaves, cesto; b) idem, cesta; c) Mirandela, canastra; d) Chaves, cesto para carro

19Finalmente, aparece por todo Trás-os-Montes um cesto alongado – a canastro –, baixo, de teçume largo e bordo encorreado (em cruz ou corrido) (des. 250 a), empregado tanto na agricultura como noutras funções, e que é feito pelos mesmos fabricantes dos cestos anteriores.

20Antes de deixarmos Trás-os-Montes mencionaremos ainda o cesto observado na região de Chaves, empregado no transporte, sobre carros, de batatas ou uvas – grande, quase cilíndrico, em vergame largo de castanho –, que carrega cerca de 100 kg., e cuja forma permite pôr 10 cestos num carro de bois (des. 250 a). Caiu hoje em desuso pelo emprego de sacos para a batata, e de dornas ou chedeiros especiais para as uvas.

Beira Interior, e área do País a Sul do Tejo

21Pela maior parte dos distritos da Guarda e de Castelo Branco, a cestaria reproduz as formas rectangulares que vimos no distrito de Vila Real e na região do Douro – cestos de boca rectangular de bordo reforçado, com duas asas baixas, ou com asa em arco, nas cestas pequenas–; o vergame é geralmente delgado. Feita em grandes quantidades em zonas da Guarda e. principalmente nas vizinhanças do Fundão, nomeadamente em Alcongosta, esta cestaria é vendida para toda a Beira-Baixa, e as cestas de asa, geitosas para a apanha da azeitona, aparecem hoje à venda em terras estremenhas próximas do litoral. Toda esta cestaria é de castanho, com bom acabamento.

22Cestos de formas idênticas a estas são também feitos em Alcobaça (embora aqui o modelo mais fabricado tenha sido o do cabaz estandardizado para o transporte da fruta). Parece contudo que a utilização do castanheiro local, que deu origem à indústria, só começou há uns 70 anos, e deve-se a cesteiros beirões e do Alto Alentejo.

23Para Sul do Tejo, este tipo de cestaria fabrica-se apenas no distrito de Portalegre e em Monchique (no Algarve). Com carácter tradicional na primeira área, semelhante à do Fundão, foi, na segunda, começada, como em Alcobaça, há poucas dezenas de anos, por cesteiros estranhos à terra, que tiraram proveito do varedo dos castanheiros locais existentes.

Litoral e Centro da Beira

24Falta-nos referir um tipo de cesto de facção absolutamente diferente da dos cestos que têm sido mencionados, e a que chamaremos, embora impropriamente, canastros. Estes cestos são feitos a partir dum arco que serve de bordo, e de talas largas e fortes, encurvadas, que fazem o fundo.

25Este tipo de cesto é usado em trabalhos agrícolas em grandes zonas do Centro do país – parte dos distritos de Aveiro e Coimbra, e zonas limítrofes dos de Viseu e Castelo Branco –. Oblonga por Aveiro (des. 251 b), em calote esférica na região coimbrã, em ambas essas áreas a canastra é vulgarmente destituída de pentes – pontas salientes das talas do fundo, para fora do bordo –. Os pentes aparecem geralmente em áreas mais interiores (des. 251 c). A madeira mais usada é o castanho e a austrália.

26Deste tipo são, como dissemos, a maioria dos cestos de lavoura da área indicada; mesmo as cestas para sementeiras, plantações de batata, etc., são muita vez da mesma técnica de fabrico (des. 251 a).

27Contudo, é preciso notar que em toda a área desta canastra existem cestos de forma e técnica diferentes– de madeira rachada nas zonas chegadas à Beira Baixa, donde são trazidos, e tronco-cónicos de vergas nas zonas mais próximas do litoral –. Com efeito, a canastra, própria para carreto à cabeça, é indicada para mulheres, enquanto que os outros, de levar ao ombro, são para os homens.

251 – a) Murtosa, chouseira; b) Estarreja, cesto ou gigo ; c) Miranda do Corvo, cesto

251 – a) Murtosa, chouseira; b) Estarreja, cesto ou gigo ; c) Miranda do Corvo, cesto

b) CESTARIA DE VERGAS

Trás-os-Montes

28Para Norte do Douro, a cestaria de vergas é corrente apenas no Leste transmontano, excluindo mesmo dessa área a faixa meridional virada ao rio; a rara cestaria de madeira rachada que aparece naquela área vem precisamente dessa faixa.

29As vergas empregadas são sempre finas, muitas vezes sem casca, e a técnica é a usual em cestaria redonda feita com este material. O vergame é de salgueiro ou vime, e também de freixo, mas apenas para tecer.

30O cesto corrente é de formato tronco-cónico, mais ou menos afunilado, com forte bordo encordoado (des. 252 a). Os desenhos 252 b, c, d, mostram formas vulgares na Lomba de Vinhais. No concelho de Bragança distinguem cesto e coleiro, aquele grande e com duas asas baixas, este mais pequeno e sem asas.

Litoral Central

31Ao longo do Litoral Central, desde o Norte da Ria de Aveiro até ao Tejo, a cestaria tradicional é semelhante à do Leste Transmontano, mas mais perfeita e feita com vergame mais grosso.

32Na região de Aveiro, o cesto de asa (des. 253 a) é baixo, de grande diâmetro, com o bordo em encordoado muito apertado, e munido de duas asas baixas, em arco, de madeira, espetado na espessura do entretecido. Na Murtosa, este mesmo cesto, com o nome de giga, mostra quase sempre um cordão decorativo a meia altura. Quando estes cestos têm asa em arco (de vergas encordoadas) dão-lhes o nome de cestos de aro.

252 – a) Alfândega da Fé, cesto ; b) Lomba de Vinhais, cesto carreiro; c) idem, cesto do esterco; d) idem, feixeiro; e) Leste transmontano, cesta; f) Mogadouro, cesta

252 – a) Alfândega da Fé, cesto ; b) Lomba de Vinhais, cesto carreiro; c) idem, cesto do esterco; d) idem, feixeiro; e) Leste transmontano, cesta; f) Mogadouro, cesta

33O cesto baixo é usado desde Aveiro a Leiria. Nesta última zona, para o transporte de couves ou qualquer carga leve, não lhes aparam os montantes junto do bordo, mas uns 10 a 15 cm mais acima (des. 253 b).

253 – a) Aveiro, cesta de asa; b) Leiria, giga para couves; c) Mafra, cesto; d) Caldas da Rainha, cabaz

253 – a) Aveiro, cesta de asa; b) Leiria, giga para couves; c) Mafra, cesto; d) Caldas da Rainha, cabaz

34De Leiria para Sul, o cesto é mais alto; é o caso dos cestos (com asa) (des. 253 c), os poceiros (sem asa) e os cabazes (com asa em arco) (des. 253 d), que aparecem à venda na Batalha, Caldas da Rainha, Mafra, etc. A vária grossura do varedo, e o emprego no mesmo cesto de varas com ou sem casca, são aqui elementos decorativos muito bem aproveitados.

Sul do País

35Exceptuando a zona do Alto-Alentejo onde, como vimos atrás, os cestos são de madeira rachada, por todo o Portugal a Sul do Tejo a cestaria tradicional mais frequente é de vergas, bastante semelhante à do Litoral Central, mas de factura menos cuidada. Na Serra algarvia é corrente ela ser feita pelos próprios lavradores. A madeira é muitas vezes de zambujeiro.

36Já dissemos que em Monchique, aproveitando o castanheiro ali vulgar, se estabeleceu há poucas dezenas de anos uma pequena indústria de cestaria de madeira rachada; mas esta cestaria de cavacas não desbancou a antiga cestaria de verga.

Madeira e Açores

37Tanto na Madeira como em ilhas do arquipélago açoreano é corrente um cesto de vergas cuja forma se aproxima mais ou menos daquele cesto que mencionamos, usado em aldeias próximas do rio Lima, a montante da Ponte de Barca. Embora nas ilhas o fundo seja redondo – como é o caso usual do cesto de vergas – nele se nota, a partir de meia altura, o alargamento mais ou menos brusco para a boca. O desenho 254 mostra esquematicamente a forma do cesto madeirense e a de um da Ilha do Pico.

38Na Madeira são também vulgares cestos de verga tronco-cónicos, de forte bordo.

c) CESTOS DE JUNCO, BRACEJO OU ESPARTO

39Cestaria feita com junco, bracejo, ou esparto, encontra-se difundida apenas pelos distritos de Évora, Beja e Faro, e, em menor escala, pelas áreas de Leiria e Castelo Branco.

40No Alentejo, as alcofas (des. 255 a), são feitas de tranças de esparto (vindo de Espanha ou de Marrocos) ligadas pelo processo usado nas esteiras de palma, com a baraça passando pelas voltas das orlas. A sua forma é muito remota, pois cestos iguais foram encontrados em galerias romanas das minas de Aljustrel.

254 – a) Ilha da Madeira, cesto; b) Ilha do Pico, cesto de costas

254 – a) Ilha da Madeira, cesto; b) Ilha do Pico, cesto de costas

255 – a) Alentejo, alcofa; b) Leiria. Bajouca, côfo

255 – a) Alentejo, alcofa; b) Leiria. Bajouca, côfo

41Nas áreas de Leiria e Castelo Branco, o côfo tem forma semelhante à alcofa do Sul. É feito de tranças de bracejo ou cairo, interligadas. Há côfos com asa em arco (des. 255 b) ou com duas asas baixas.

d) CESTOS DE CANA

42A cestaria de cana aparece quase exclusivamente a Sul do Tejo, mormente na corda litoral. Os seus produtos são especificamente destinados a funções de pesca, indústria e comércio. Relacionados em maior ou menor grau com serviços agrícolas, surgem aqui e ali cestos de fundo quadrado e boca redonda, altos e com duas asas, e cestos de asa em arco. Em particular no Algarve, o cesto mais divulgado e com utilização mais variada é cilíndrico, com asa em arco, e com tampa nela articulada (des. 256 a).

e) CESTOS DE ROLOS DE PALHA COSIDOS EM ESPIRAL

  • 1 Jorge Dias, ’Um brêz de Montemuro e um cesto egípcio da XII dinastia’, "Revista de Guimarães”, LXII (...)

43A técnica que consiste em enrolar em espiral, partindo do fundo do cesto, um elemento espesso e flexível – feixinho de palha, de capim, ou mesmo uma haste maleável – ao passo que o vão cosendo à volta precedente com um elemento mais fino, é conhecida, desde remota antiguidade, e praticada por quase todos os povos do globo1.

256 – a) Castro Marim, Odeleite, cesto; b) Serra do Montemuro, brêz

256 – a) Castro Marim, Odeleite, cesto; b) Serra do Montemuro, brêz

44Para a cestaria deste género utilizam geralmente em Portugal a palha centeia para o rolo, e a casca de silva para coser. Além dos cestos de utilidade caseira, e de recipientes para guarda de grãos, o modelo relacionado com práticas agrícolas é a cesta para sementeiras, frutos e produtos hortícolas, munida ou não de asa em arco (des. 256 b).

45Este tipo de cestaria foi relativamente frequente no Norte e Centro do país até há umas dezenas de anos; está hoje praticamente extinto. Encontra-se igualmente nos Açores.

CEIRÕES, CANGALHAS E CANIÇOS

Ceirões ou cangalhas

46Para carregar, sobre burros, estrumes ou produtos agrícolas, empregam-se, em certas regiões, ceirões ou cangalhas especiais, obra de cestaria com essa função muito específica.

47Por todo o Litoral Central, e por grande parte da região interior que lhe corresponde, assim como pelo Leste transmontano, são muito vulgares as cangalhas de verga – fundamentalmente dois cestos ligados por uma ponte mais ou menos alta, desse mesmo material (des. 257) –. Cangalhas semelhantes encontram-se igualmente nos Açores.

48Também na corda litoral entre Aveiro e a Figueira da Foz, são usados ceirões feitos de tranças de bunho. O seu fabrico é muito simples: a trança é passada por duas estacas cravadas no chão em direcções convergentes (mais afastadas em baixo), e depois enlaçadas com baraças ; outras tranças reforçam a boca deste saco trapezoidal. O ceirão é colocado transversalmente sobre o dorso do burro, formando um saco a cada lado (des. 258). Nas vizinhanças da Figueira da Foz vimos ceirões como o descrito, usados apenas para o estrume, nos quais as tranças nem sequer são enlaçadas, ficando somente ligadas pelas tranças das extremidades.

49Na maior parte do País, as cangalhas são substituídas por dois cestos vulgares amarrados com cordas, ou cestos que têm formas apropriadas a esse fim (des. 259).

  • 2 É de notar a semelhança existente entre os ceirões e as cangalhas e os alforges de pano forte – doi (...)

50Hoje em dia vêem-se estes ceirões e cangalhas, usados para fins diversos, adaptados a bicicletas e motorizadas2.

257 – Litoral Central. Cangalhas

257 – Litoral Central. Cangalhas

258 – Cantanhede. Ceirão

258 – Cantanhede. Ceirão

259 – Cestos de forma apropriada para transporte sobre burros – a) Mogadouro, cesto vindimo; b) Vimioso, cesto asnal ; c) Caldas da Rainha; d) Ericeira; e) Monchique

259 – Cestos de forma apropriada para transporte sobre burros – a) Mogadouro, cesto vindimo; b) Vimioso, cesto asnal ; c) Caldas da Rainha; d) Ericeira; e) Monchique

Caniços

  • 3 Fernando Galhano, ”0 carro de bois em Portugal”, Lisboa, 1973, pp. 72-73. Àcerca da cestaria portug (...)

51Como acessório dos carros de bois do tipo de chedas ligadas ao cabeçalho, ou seja o que corresponde ao Noroeste do País, «até algumas dezenas de anos, para carregar carga miúda, foi divulgadíssimo o uso da sebe, caniço ou caniçada. A sebe é um entretecido de vergas que forma sobre o carro uma caixa aberta pelo seu lado posterior. Cortada na frente a direito ou em redondo, parte dos paus nos quais se tece o varedo enfiam a sua ponta inferior no buraco dos fueiros ; mas existem também sebes que se encostam por dentro dos fueiros. Há sebes enormes, para cargas volumosas mas leves (carvão de madeira, por exemplo), e sebes pequenas com cerca de 1 m de altura. A porta da rectaguarda é no geral de madeira. A sebe de vergas está desaparecendo rapidamente por falta de varas e também porque o trabalho que a sua factura demanda não é economicamente compensador. Em grande parte foi substituída pela caixa de tábuas (taipais, empanas, ou mesmo caniço e sebe) ; o nome de caniço continua em muitos locais a ser dado à porta da rectaguarda, apesar de ser feita de madeira»3.

Notes

1 Jorge Dias, ’Um brêz de Montemuro e um cesto egípcio da XII dinastia’, "Revista de Guimarães”, LXIII, Guimarães, 1953, pp. 133-139.

2 É de notar a semelhança existente entre os ceirões e as cangalhas e os alforges de pano forte – dois sacos ligados por uma faixa que se coloca sobre o dorso da cavalgadura –, onde se transporta aquilo que convém levar para o trabalho, à feira, etc. Usam-se em todo o País, de géneros diversos : pano, trapo, etc, por vezes muito ornamentados. Em Terras de Miranda com frequência os homens levam-nos ao ombro.

3 Fernando Galhano, ”0 carro de bois em Portugal”, Lisboa, 1973, pp. 72-73. Àcerca da cestaria portuguesa, vejam-se ainda, deste mesmo autor, "Cestaria de Entre-Douro-e-Minho–Contribuição para o estudo da cestaria portuguesa”, ’Trabalhos de Antropologia e Etnologia’, XVIII, 3-4, Porto, 1961, pp. 257-335; e "Cestos Vindimos – Nota sobre cestaria transmontana”, ’Revista de Etnografia,’ 11, Porto, 1966, pp. 147-153.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search