Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Diversos

Texte intégral

1 – Em Portugal, a pá com lâmina de madeira e ferro, ou inteiramente em ferro, praticamente nunca foi utilizada como instrumento agrícola para trabalhar a terra, com excepção do caso especial da pá de valador.

2Esta é com efeito uma pequena pá em madeira revestida de chapa de ferro na parte anterior, comprida e estreita, de costas encurvadas, cavada em caleira, com o cabo no plano da pá (des. 224). Mais recentemente, ela mostra mesmo a lâmina inteiramente em ferro.

3É usada em terrenos encharcados, na abertura de valas, e outros trabalhos nos campos, especialmente de arroz, etc., conhecida por pá de valador ou pá de vaiar, e também por baixil (Murtosa) ou valdeta (Torres Vedras). Nesta última região usam, além dela, uma pá mais pequena e delgada, com o cabo terminado em argola ou travessa, para aperfeiçoar a vala depois de aberta com a valdeta.

4Por seu turno, a pá inteiramente em madeira é muito corrente nos trabalhos da eira, nomeadamente na alimpa do grão feita ao vento, para amontoar e ensacar cereais, etc. Neste caso, ela é muitas vezes feita de duas peças – a pá, espalmada, de contorno rectangular ou trapezoidal, a adelgaçar para o gume; e o cabo, direito ou ligeiramente encurvado (des. 225 a, b, c) –. Mais raramente, e sobretudo quando utilizada para limpar a azeitona ao vento, ela é inteiriça e tem, por vezes, um rebordo (des. 225 f, g).

224 - Pás de vaiar – a) Montemor-o-Velho; b) Benavente, Samora Correia

224 - Pás de vaiar – a) Montemor-o-Velho; b) Benavente, Samora Correia

225 – Pás de limpar cereais ao vento – a) Ferreira do Alentejo; b) Alto-Alentejo; c) Grândola, Santa Margarida da Serra; d) Vila Nova de Fozcoa; e) Arouca, Albergaria das Cabras; f) Vila do Conde; g) Vila Nova de Ourém, Caxarias, pá para a limpeza da azeitona

225 – Pás de limpar cereais ao vento – a) Ferreira do Alentejo; b) Alto-Alentejo; c) Grândola, Santa Margarida da Serra; d) Vila Nova de Fozcoa; e) Arouca, Albergaria das Cabras; f) Vila do Conde; g) Vila Nova de Ourém, Caxarias, pá para a limpeza da azeitona

226 – Melgaço. Espicha para a sementeira do milho

226 – Melgaço. Espicha para a sementeira do milho

5Espicha – A espicha é um pequeno pau aguçado numa das pontas e encurvado na outra, usado na região serrana minhota para semear o milho grão a grão, à mão (des. 226). Referimo-nos ao seu uso quando tratamos dos processos de sementeira do milho.

6Instrumentos para colheita de frutos – Em Portugal, a colheita de bagas e frutos silvestres ou bravos não constitui uma actividade específica, e consequentemente não se conhecem, para ela, instrumentos definidos, como acontece noutros países. Por excepção, na ilha de Porto Santo, para a apanha do fruto da figueira da Índia, usa-se uma espécie de tenaz em madeira, formada por duas hastes compridas articuladas a meio e com cada ponta ao jeito de uma colher, que evita o contacto das mãos com esses frutos, que são recobertos de finos espinhos (des. 227).

227 – Ilha de Porto Santo. Tenaz de tabaibo (figueira da India)

227 – Ilha de Porto Santo. Tenaz de tabaibo (figueira da India)

228 – Utensílios para colheita de frutos – a) Vila do Bispo, gancho ou caimbo para a colheita de figos; b) Vila Viçosa, Bencatel, roca para o mesmo fim ; c) Tondela, Besteiros, roca

228 – Utensílios para colheita de frutos – a) Vila do Bispo, gancho ou caimbo para a colheita de figos; b) Vila Viçosa, Bencatel, roca para o mesmo fim ; c) Tondela, Besteiros, roca

7Para a própria apanha de frutos de pomar, também são raros entre nós instrumentos específicos. Contudo, para esse fim, aparecem, aqui e além, rocas – pequenos cestos afunilados, feitos ora de talas entretecidas por vergame delgado (des. 228 c), ora de tiras de folheta (des. 228 b), adaptadas à ponta de uma vara comprida –, para dentro das quais, com um pequeno impulso ou torção, o fruto cai ao ser colhido. E no Algarve, para a apanha do figo, usa-se também um gancho de ferro, fixo na ponta de um cabo comprido, de madeira – o gancho ou caimbo (des. 228 a) –.

8A apanha da azeitona, entre nós, faz-se fundamentalmente, por todo o País em geral, pelo processo do varejo : bate-se com uma vara comprida e um pouco flexível as ramificações da árvore donde pendem os frutos, que caem ao chão sobre esteiras ou mantas estendidas em redor do tronco. Ultimamente, para evitar os estragos consideráveis que este processo causa nas oliveiras, pela destruição dos seus rebentos mais viçosos, pratica-se em muitos sítios a apanha à mão. Para este serviço, em algumas regiões, nomeadamente na ribeira do Lima, emprega-se uma espécie de pente em madeira, de costa larga, de bordo superior arredondado e grossos dentes ligeiramente encurvados, e com pequeno cabo redondo cravado a meio da costa – o ripo –; por vezes, a superfície da costa é embelezada com motivos decorativos diversos, geométricos ou fitográficos, nomes, etc. (des. 229). Noutras partes, usam-se do mesmo modo ripos para a apanha da azeitona, mas todos de ferro.

9Aguadouro – Para a rega de pequenos canteiros de hortas é usado, por todo o País, um recipiente feito de vários materiais, encabado num pau comprido. A pessoa enche-o de água no rego ou poça próxima do canteiro, e espalha-a de longe sobre a horta, evitando desse modo calcá-la, ou, em certos casos, despejando-o para um rego, vencendo desse modo pequenos desníveis. Este utensílio era também utilizado para encher o pipo ou caixotão da água choca, e espalhar esta sobre o campo. Os aguadouros são geralmente de cabaça – daí o seu nome de cabaço – (des. 230 a), de cortiça (des. 230 c) e, mais recentemente, de chapa zincada (des. 230 b).

229 – Ribeira do Lima. Ripo da azeitona

229 – Ribeira do Lima. Ripo da azeitona

10Relho – Em muitas zonas do País, a corda com que se atam os molhos de erva ou de lenha, é munida de uma peça em madeira – o relho –, que tem em vista evitar o atrito directo entre as duas pontas da corda e facilitar o seu aperto.

230 – Cabaços ou aguadouros feitos de cabaça (a), de cortiça (b) e de chapa (c)

230 – Cabaços ou aguadouros feitos de cabaça (a), de cortiça (b) e de chapa (c)
  • 1 Em algumas aldeias a norte de Viana do Castelo, as raparigas solteiras reservavam para o fim da tar (...)

11Numa forma muito singela, o relho aproveita o sector dum galho curvo, dobrado em elo e atado nas pontas (des. 231 c); noutros casos, é uma tabuinha recortada de diversas formas, com dois buracos –um, onde prende a ponta fixa da corda; e outro, onde enfia a ponta livre e corre a corda ao apertar o molho, fixando-se depois aí por uma laçada (des. 231 a, b)–. Os exemplares mais representativos foram encontrados em algumas aldeias do concelho de Viana do Castelo, nomeadamente em Perre e Outeiro, onde faziam obrigatoriamente parte do enxoval da mulher, e constituiam não raro prenda do namorado. Por isso, na maioria dos casos, elementos do simbolismo amoroso definiam a sua forma –dois corações unidos, decorados com legendas, nomes, datas, ramagens, rosetas, etc. (des. 232)1. Quando usados por homens, o seu formato era mais simples, geralmente em forma de duplo losango ou de 8.

231 – Travincas – a) Arouca, Albergaria das Cabras, b) modo da sua utilização ; c) Serra da Estrela.

231 – Travincas – a) Arouca, Albergaria das Cabras, b) modo da sua utilização ; c) Serra da Estrela.

232 – Viana do Castelo, Perre e Outeiro. Relhos decorados

232 – Viana do Castelo, Perre e Outeiro. Relhos decorados

233 – Terras de Bouro, Vilarinho da Furna. Banco de carregar a erva.

233 – Terras de Bouro, Vilarinho da Furna. Banco de carregar a erva.

234 – a) Ponte do Sor, arrilhada ; b) Ilha de Santa Maria, aguilhada ; c) Fronteira, Herdade da Samarruda, arrilhada

234 – a) Ponte do Sor, arrilhada ; b) Ilha de Santa Maria, aguilhada ; c) Fronteira, Herdade da Samarruda, arrilhada
  • 2 Jorge Dias, "Vilarinho da Furna – uma aldeia comunitária”, Porto, 1948, pp. 115-116.

12Banco de carregar a erva – O banco de carregar a erva é constituído por um pequeno cepo de madeira elevado sobre três pés de cerca de 1 m de altura (des. 233). Era usado em Vilarinho da Furna pelas mulheres que iam buscar erva à cabeça aos lameiros, para as ajudar a erguer os cestos sem precisarem de segunda pessoa. O cesto era colocado em cima do banco quando estava meio cheio, acabando depois de se encher; a altura a que ele ficava, sobre o banco, permitia à mulher ajoelhar-se junto dele, e meter a cabeça por baixo, soerguendo-o e carregando-o sozinha. O banco ficava no lameiro onde se estava a segar a erva, até final do trabalho2.

13Arrilhada – Em algumas regiões da Estremadura, Ribatejo e Alentejo, e também nos Açores, nomeadamente na ilha de Santa Maria, o condutor dos bois que puxam o arado nos trabalhos das lavras usa uma arrilhada ou aguilhada, que é uma vara de madeira comprida, munida de um aguilhão na ponta superior, não raro revestida de chapa metálica, e de uma pá de ferro com alvado, encabada na outra extremidade. Ela serve não só para estimular o passo dos animais, picando-os de quando em quando, mas também para despegar do arado a terra que a ele se cola. A forma da pá é geralmente quadrangular ou em crescente (des. 234). Para o gado muar, a pá é inserida na ponta do cabo de um verdadeiro chicote, o qual é mais curto do que a vara da aguilhada dos bois, e em que a tira de couro, comprida, substitui o aguilhão (des. 234 c).

14No Norte do País usa-se também uma aguilhada, ou vara, mais curta e leve, e desprovida de pá, servindo essencialmente para tanger o gado; nas lavras, contudo, com o couce desta vara limpa-se igualmente o arado da felga, estrumes, etc., que a ele se agarram.

15Padiolas e carrelas – Para o transporte a braço, em pequenas distâncias, das mais variadas coisas, especialmente estrumes, palha, terra, pedras, etc., usa-se por todo o País um utensílio de madeira feito a partir de um pau encurvado, desmeado, de modo que as duas metades fiquem paralelas, afastadas cerca de 60 cm, ligadas no sector mediano por travessas juntas formando um estrado, ou por travessas ou paus afastados; as extremidades são deixadas salientes, num jeito de mãoseiras, de modo a serem empunhadas pelas duas pessoas que a manobram (des. 235 a).

235 – a) Terras de Bouro, padiola; b) Braga, carrela

235 – a) Terras de Bouro, padiola; b) Braga, carrela

16Para o mesmo fim é empregado também o carro de mão ou carreia, de estrutura afim à da padiola, mas munido de uma roda dianteira e manobrado portanto por uma só pessoa (des. 235 b). O carro de mão é sobretudo corrente na casa rural do Minho.

17No litoral a norte do Porto, carrela designa muita vez a padiola. Em algumas freguesias do concelho de Vila do Conde, carrela é a padiola com o estrado formado por paus redondos espaçados; e padiola, a que apresenta um estrado com travessas intervaladas; à carrela propriamente dita chamam carrela de rodas. Estas alfaias desempenham um papel muito importante nas actividades sargaceiras, para o transporte das algas, em verde ou em seco, para o alto dos areais, para o carro, etc.

18Rodo – O rodo é uma tábua de formato geral rectangular, com o lado inferior sempre direito e os outros mais ou menos recortados, munida de um cabo comprido (des. 236). É usado para juntar ou espalhar o cereal nas eiras.

19Cambo – O cambo é um gancho de ferro dobrado em ângulo, de ponta aguçada e com encabadoiro em casulo, onde entra um cabo comprido de madeira (des. 237).

20É usado na serra da Freita para amparar e equilibrar os carros de bois carregados de mato ou palha, quando estes circulam em maus caminhos, impedindo-os de se voltarem. O cambo espeta-se na carga e a pessoa que o maneja, caminhando ao lado do carro, firma-o contra si ou puxa-o para si, conforme os buracos do caminho e consequente inclinação do carro.

236 – Rodos – a) Seia, Sabugueiro; b) Vila do Conde; c) Castelo Branco

236 – Rodos – a) Seia, Sabugueiro; b) Vila do Conde; c) Castelo Branco

237 – Arouca, Albergaria das Cabras. Cambo para amparar o carro de bois

237 – Arouca, Albergaria das Cabras. Cambo para amparar o carro de bois

21Esfolhador – Para facilitar o trabalho das esfolhadas do milho, conhece-se, por toda a área geral do milho, um pequeno utensílio, em ferro, em osso, e sobretudo em madeira – o esfolhador ou sovino –, com que se rasga o folhelho que envolve a maçaroca, quando esta é separada da palha.

22É geralmente uma peça aguçada na ponta, por vezes de forma muito simples, mero pausinho ou ferro munido de cabo (des. 238), outras vezes muito decorado, recortado e vazado (des. 239), neste caso sobretudo produto da arte dos pastores alentejanos. Na região barrosã de Terras de Basto, por exemplo em Bucos, encontramos também alguns exemplares extremamente elaborados, nos quais o espeto de ferro é inserido num punho de madeira munido de guarda (des. 240).

238 – Ilha de S. Miguel, Candelária. Furadores, para debulhar milho

238 – Ilha de S. Miguel, Candelária. Furadores, para debulhar milho

239 – Alentejo. Esfolhadores ou sovinos

239 – Alentejo. Esfolhadores ou sovinos

240 – Cabeceiras de Basto, Bucos. Esfolhador

240 – Cabeceiras de Basto, Bucos. Esfolhador

241 – Ferramenta da extracção da cortiça – a) Estremoz, machado; b) Évora, Machede, enxó

241 – Ferramenta da extracção da cortiça – a) Estremoz, machado; b) Évora, Machede, enxó

242 – Ilha do Pico. Foicinho grosso, para a limpeza de ervas nas vinhas

242 – Ilha do Pico. Foicinho grosso, para a limpeza de ervas nas vinhas

243 – Ilha de S. Miguel, Arrifes. Forcado para arranque da beterraba

243 – Ilha de S. Miguel, Arrifes. Forcado para arranque da beterraba

23Machado e enxó da cortiça – A extracção da cortiça em placas faz-se com um tipo especial de machado, de lâmina em leque, leve, munido de cabo curto com a ponta terminada em cunha (des. 241 a). Para descortiçar troncos ou ramos delgados usa-se também a enxó, de lâmina em forma de cunha a alargar para o gume, com olho redondo onde entra um cabo curto de madeira, formando com a lâmina um ângulo muito agudo (des. 241 b).

24No primeiro caso, o machado, quando se transporta, leva geralmente o gume protegido por uma bainha feita de cortiça; no segundo caso, a enxó leva-o por uma peça de couro (des. 241).

25Foicinho grosso – Na ilha do Pico usam, para a limpeza das ervas daninhas das vinhas, um instrumento especial formado por uma barra de ferro de 18 x 18 mm, de secção encurvada e de ponta ligeiramente aguçada, fixada à extremidade dum pequeno cabo de madeira, direito e redondo, de cerca de 40 cm de comprimento (des. 242).

26Forcado – Na ilha de S. Miguel, para arrancar a beterraba, usam também um instrumento específico, em ferro e com cabo curto de madeira. É constituído por duas hastes ponteagudas que partem dum alvado cónico, dispostas simetricamente, encurvadas na base formando como que um anel aberto, e direitas a partir daí, deixando entre si um espaço de 15 mm (des. 243) ; crava-se o forcado de modo que a beterraba fique sobre o anel, e puxa-se para cima, como uma alavanca.

Notes

1 Em algumas aldeias a norte de Viana do Castelo, as raparigas solteiras reservavam para o fim da tarde o trabalho de irem segar e trazer à cabeça um feixe ou cesto de erva; se tinham namorado, este aparecia no campo, por combinação prévia, ajudava-a a pôr a carga à cabeça e acompanhava-a até ao feirão e depois a casa. O feirão era o local onde se reuniam, de regresso a casa, ao fim do dia, as raparigas e rapazes solteiros do lugar. E este facto pode ajudar a explicar a oferta desses relhos muito decorados, como presente amoroso.

2 Jorge Dias, "Vilarinho da Furna – uma aldeia comunitária”, Porto, 1948, pp. 115-116.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search