Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Debulha de cereais

Texte intégral

1Em Portugal, os processos tradicionais mais importantes de debulha dos cereais e de certas leguminosas são: 1) a pé de gado; 2) a malho; e 3) a trilho – a pé de gado, ou a sangue, como processo primordial para o trigo (e também aveia e cevada); a malho ou mangual, para o centeio e milho ; a trilho, para o trigo. Para as leguminosas, usa-se qualquer dos três processos, conforme as regiões e as circunstâncias.

MALHO OU MANGUAL

2O malho ou mangual é uma alfaia de debulha do centeio e do milho (e também de certas leguminosas), composta de dois paus – o cabo ou mangueira, e o pírtigo –, ligados e articulados numa das extremidades por tiras de couro ou cordas amarradas de várias formas – a meã –. A meã prende à extremidade de cada uma dessas peças por dispositivos, de couro, ferro, ou outros, de diferentes formas. Esses dispositivos levam nomes de casula (do cabo), e encedouro (do pirtigo). O malhador empunha o cabo com as duas mãos e bate com o pírtigo o cereal espalhado na eira.

  • 1 Jorge Dias, ’Alfaia Agrícola’, "Dicionário de História de Portugal”, I, Lisboa, 1963.

3O mangual parece ter surgido na Europa entre os séculos III a V da nossa era, numa região do mundo germânico compreendida entre o Reno e o Mosela. Difundido seguidamente por todo o continente, é natural que tenha sido trazido pelos invasores germânicos para a Península Ibérica, onde de facto prepondera e encontra a densidade maior na área germânica – o Noroeste, Galiza e Norte de Portugal – que é também, originariamente, a do centeio. Daí, possivelmente, acompanhando a Reconquista, irradiaria para o sul, onde porém não tem a mesma importância, porque nessa área predomina o trigo e o trilho mediterrâneo1.

4Entre nós, o mangual veio certamente substituir os primitivos processos elementares de debulhar existentes (que aliás perduram em muitos casos)–: a percussão directa do cereal, que se bate aos molhos contra qualquer prancha fixa; e a debulha com vara, com que é batido o cereal (e que está talvez na origem do mangual). Contudo, embora o mangual esteja culturalmente associado a um centro de difusão determinado – a Europa média germânica –, e o trilho a outra – o mundo, mediterrâneo –, existe também sem dúvida uma associação funcional do primeiro com o centeio e do segundo com o-trigo. Certamente por isso, em certas regiões transmontanas e alentejanas de contacto, encontramos as duas alfaias – o mangual para o centeio, e o trilho para o trigo.

5De acordo com Herculano de Carvalho, distinguimos, em Portugal, vários tipos de mangual, conforme o processo de ligação do pírtigo ao cabo, e dos quais, aliás, alguns coexistem muitas vezes na mesma região:

6Tipo 1) Com casula e encedouro (de várias formas).

7Tipo 2) Sem casula e com encedouro (furo na extremidade do cabo em vez dê casula).

8Tipo 3) Com casula e sem encedouro (furo na extremidade do pírtigo em vez de encedouro).

9Tipo 4) Sem casula e sem encedouro (furo numa das extremidades do cabo e do pírtigo).

10Tipo 5) Idem (com rebaixos cavados na extremidade do cabo e do pírtigo).

11Tipo 1) – Com casula e encedouro – Neste tipo, as ligações entre o pírtigo e o cabo são feitas pela casula, encedouro e meã. Mas, dentro desse tipo geral, observam-se certas diferenças essenciais quanto à forma e modo de fixação destas peças ao cabo e ao pírtigo:

12a) Com casula e encedouro formados, cada um, por uma tira de couro cru, de cerca de 5 cm de largura e 30 cm de comprimento, dobrada a meio e cosida de ambos os lados por fio de couro, a todo o comprimento, à excepção do ponto de curvatura que fica saliente além do cabo e do pírtigo, ao jeito de uma aselha. A sua fixação é reforçada por um torno de madeira que vasa de lado a lado esse envoltório de couro e as pontas do cabo e do pírtigo (des. 194).

194 – Santarém. Mangual

194 – Santarém. Mangual

195 – Manguais – a) Alto-Alentejo; b) Marvão, Beirã; c) Pampilhosa da Serra; d) Grândola

195 – Manguais – a) Alto-Alentejo; b) Marvão, Beirã; c) Pampilhosa da Serra; d) Grândola

196 – Manguais – a) Póvoa de Varzim, Rio Mau; b) Bragança, Castro de Avelãs; c) Montalegre, Vila da Ponte

196 – Manguais – a) Póvoa de Varzim, Rio Mau; b) Bragança, Castro de Avelãs; c) Montalegre, Vila da Ponte

13b) 1) Com casula de couro cosida, semelhante à anterior (des. 195) ; 2) com casula de tira de couro dobrada em U e pregada na ponta do cabo (des. 196 a, c, 197); 3) com casula de ferro, de alvado cónico, no qual se insere o cabo, e que remata por uma argola, em que joga a meã (des. 198 a, b, c, d); 4) com casula feita da ponta de um chifre, com um furo transversal, aplicada ao cabo, como no caso anterior (des. 198 e) ; 5) com casula de ferro, de chapa dobrada em U, pregada à ponta do cabo (des. 196 b).

197 – Póvoa de Varzim. Mangueiras decoradas de malhos de rebimba

197 – Póvoa de Varzim. Mangueiras decoradas de malhos de rebimba

14O encedouro é constituído por uma tira larga de couro, singela ou dupla, dobrada em U, que por seu turno pode ser: 1) presa ao pírtigo por duas correias – as cintas ou ensacas – ; e, para este efeito, a extremidade superior do pírtigo, facejada e adelgaçada, mostra quatro entalhes, dois de cada lado, e as cintas perfuram o encedouro na parte que corresponde ao ponto máximo da reentrância desses entalhes, envolvendo-o e apertando-o em elo (des. 195, 196 a, b, 197, 198 a, b, c, e); para retesar essas cintas, por vezes, introduzem entre estas e o encedouro uma cunha de madeira – a travinca – (des. 199 a); 2) cosida ao pírtigo por uma fita de couro, passada em vários furos – dois ou quatro – que vasam o encedouro e o pírtigo (des. 196 c) ; 3) pregada nas duas faces opostas da extremidade do pírtigo (des. 198 d, 199 c).

198 – Manguais – a, b) Celorico de Basto; c) Vila Nova de Paiva, Fráguas; d) Esposende, Gemezes ; e) Boticas

198 – Manguais – a, b) Celorico de Basto; c) Vila Nova de Paiva, Fráguas; d) Esposende, Gemezes ; e) Boticas

199 –Manguais –a) Chaves, Vitela do Tâmega; b) Nelas, Folhadal; c) Murtosa, Bunheiro

199 –Manguais –a) Chaves, Vitela do Tâmega; b) Nelas, Folhadal; c) Murtosa, Bunheiro

200 – Penafiel. Mangual, segundo Herculano de Carvalho

200 – Penafiel. Mangual, segundo Herculano de Carvalho

201 – Manguais – a) Rio Maior, Chãos; b) Arouca, Albergaria das Cabras

201 – Manguais – a) Rio Maior, Chãos; b) Arouca, Albergaria das Cabras

15De um modo geral, e nas suas diversas variantes, é este o tipo de mangual que se encontra no Entre-Douro-e-Minho, nas Beiras serranas, no Ribatejo, e em certas partes do Alto-Alentejo.

16Tipo 2) – Sem casula e com encedouro – Neste tipo, a mangueira tem um furo transversal na ponta em vez de casula; o encedouro é ora preso como no n.° 1 do tipo 1 (des. 199 a, b), ora, nos casos mais pobres, como no n.° 3 do tipo 1 (des. 199 c). É o mangual francamente predominante em Trás-os-Montes, terras durienses e distritos de Viseu e Aveiro.

17Tipo 3) – Com casula e sem encedouro – A casula é de ferro, formando argola na ponta ; o pírtigo tem na ponta, em vez de encedouro, um furo (des. 200). Encontra-se em lugares dispersos do Entre-Douro-e-Minho.

18Tipo 4) – Sem casula e sem encedouro (com furo numa das extremidades do cabo e do pírtigo) – Em vez da casula e do encedouro, o cabo e o pírtigo têm numa das extremidades um furo (des. 201). Encontra-se predominantemente em toda a região ocidental entre o Douro e o Tejo, limitada a leste pela Cordilheira Central.

202 – Manguais – a) Aljezur; b) Tavira, Borracheira

202 – Manguais – a) Aljezur; b) Tavira, Borracheira

19A meã em todos estes casos é geralmente uma tira de couro que passa pelas aselhas ou furos da mangueira e do pírtigo, dobrada em elo, cuja ligação se obtém enfiando uma das pontas numa fenda rasgada na outra ponta, enlaçando-a de várias maneiras, ou travando a ponta que enfia na fenda com um pauzinho, de madeira rija, geralmente de giesta.

20Tipo 5) – Sem casula e sem encedouro (com entalhe cavado na extremidade do cabo e do pirtigo). As extremidades superiores da mangueira e do pírtigo levam um entalhe circular, onde prende uma corda que faz a ligação entre essas peças, com um comprimento variável de 20 a 80 cm (des. 202, 203). Encontra-se no Baixo Alentejo, Algarve e Açores. As características deste elemento de ligação determinam um modo especial de manejar os manguais do tipo 5, diferente daquela que se usa com os demais tipos, em que o contrôle do movimento do pírtigo é muito mais fácil.

21As dimensões da mangueira e do pírtigo, muito variáveis, são geralmente determinadas por duas razões fundamentais: 1) estatura do malhador ; 2) técnicas específicas da malha.

203 – Manguais – a) Ilha de S. Jorge; b) Ilha de S. Miguel ; c) Ilha do Faial.

203 – Manguais – a) Ilha de S. Jorge; b) Ilha de S. Miguel ; c) Ilha do Faial.

204 – Ilha de S. Miguel, Faial da Terra

204 – Ilha de S. Miguel, Faial da Terra
  • 2 José Gonçalo C. Herculano de Carvalho, "Coisas e Palavras – Alguns problemas etnográficos e linguís (...)

22Forjadas em experiências seculares, elaboraram-se e fixaram-se regras que convencionavam e definiam essas medidas. Assim, por exemplo, a mangueira deveria ter a altura do homem mais uma mão travessa (Quirás, Vinhais); «a altura que vai da base do pé ao sovaco» (Monteirinho, Tondela); dos pés à testa (Aldeia da Mata, Crato) ; dos pés ao queixo (S. João da Pesqueira e Vale de Lobo, Penamacor) ; do chão à testa do malhador (Arez, Nisa); etc. O pírtigo deveria ter duas vezes a distância que vai do cotovelo à ponta do dedo médio mais a distância correspondente aos dedos indicador e polegar afastados (S. João da Pesqueira); etc.2. Em certas regiões minhotas, e sobretudo em Terras de Basto, onde a debulha assume, como vimos, formas extremamente complexas, usam-se dois modelos de manguais diferentes: cada banda é composta de duas filas de malhadores e aos da frente compete um mangual de cabo curto e de pírtigo extremamente espesso e pesado (des. 198 a), enquanto que aos de trás, que malham por entre os da fila da frente, um mangual de cabo muito comprido e de pírtigo delgado e leve (des. 198 b).

23A mangueira é geralmente um pau mais ou menos direito, de secção circular, de cerca de 3 cm de espessura, e 1,50 m a 2 m de comprimento. O pírtigo, na região Centro e Sul do País, é igualmente um pau de secção circular, de cerca de 40 a 60 cm de comprimento; no Norte, designadamente em terras transmontanas de Bragança, Vinhais e Montalegre, ele é muitas vezes feito dum pau desmeado, plano dum lado e arredondado do outro, sensivelmente mais espesso na extremidade inferior; em certas zonas do Entre-Douro-e-Minho, Beira Litoral e parte ocidental da Beira Alta, vêem-se pírtigos de secção quadrangular, geralmente de cantos arredondados Na área de Vila do Conde e Póvoa de Varzim, os pírtigos dos malhos de rebimba mostram mesmo uma forma peculiar, de secção oitavada, encurvada na extremidade inferior. No processo de malhar à rabimba, o pírtigo bate na mangueira depois de bater no cereal, provocando uma segunda pancada mais seca, no som ritmado da malha (des. 196 a, 197).

AÇORES

  • 3 Carlos Alberto Medeiros, ”A Ilha do Corvo”, Lisboa, 1967, p. 146.

24Nos Açores, designadamente nas ilhas de S. Miguel, S. Jorge, Faial e Terceira, o mangual é exclusivamente do tipo 5 continental (des. 203). Mão, cabeça e peia (mangueira, pírtigo e meã, respectivamente) são de dimensões muito variadas e não é possível apontar-se uma medida constante para qualquer das diferentes ilhas, coexistindo na mesma região exemplares de tamanhos diferentes. Nas restantes ilhas o seu uso é praticamente desconhecido, e, como no Continente, empregam, especialmente para a debulha de certas leguminosas, nomeadamente o tremoço, um simples pau, não raro mesmo um fueiro do carro3.

25Em S. Miguel encontramos ainda em uso a debulha feita com uma vara delgada e comprida, preferentemente de buxo (des. 204).

TRILHO

26O trilho é um aparelho de debulha de cereal, nomeadamente de trigo (e leguminosas), composto seja de um estrado com pedaços de pedra ou ferro cortantes na face inferior, seja de rolos de madeira munidos de puas de madeira ou lâminas de ferro em forma de faca. Sempre puxado pelo gado, sobre a eira onde se encontra o cereal espalhado, e com a pessoa que conduz o gado em cima, os pedaços de pedra ou ferro ou as lâminas desgranam o cereal e cortam a palha.

27Os povos da bacia do Mediterrâneo, em vez do mangual, usavam o sistema de debulha a sangue, fazendo caminhar sobre o cereal bois ou cavalos. Como aperfeiçoamento deste sistema (que aliás continua ainda em vigor em inúmeras partes, entre as quais Portugal), surge o trilho do tipo de estrado – o tribulum – cuja área actual abrange os países mediterrâneos (excepto França e Itália) e Próximo Oriente. Neste trilho, a pessoa que conduz o gado vai em pé em cima do estrado, ou sentada num pequeno banco móvel.

28O trilho de rolos – o plostellum dos romanos –, mostra, sobre um caixilho onde aqueles giram, um assento fixo de pau ou um estrado alto, onde se senta a pessoa que conduz o gado.

29Em certas partes usa-se ainda um trilho de rolos com 4 rodas, para a debulha de leguminosas.

30Como dissemos a propósito do mangual, embora o trilho esteja culturalmente associado a um centro de difusão determinado – o mundo mediterrâneo – e o mangual a outro – a Europa média germânica –, existe também uma associação funcional do primeiro com o trigo, e do segundo com o centeio. Certamente por isso, em certas regiões transmontanas e alentejanas de contacto, encontramos as duas alfaias – o trilho para o trigo, e o mangual para o centeio.

TRILHO (TIPO TRIBULUM)

  • 4 Herculano de Carvalho, op. cit., pp. 93-97.

31O tribulum, em Portugal, parece ser anterior à colonização romana (visto que, segundo Varrão, os romanos já aqui o encontraram)4. Ele existe hoje nas regiões raianas de Trás-os-Montes e Beira Interior, mormente em Terras de Miranda (para a debulha do trigo), e além de aí, nas ilhas da Madeira, Porto Santo e Açores.

32Este instrumento é formado por um estrado largo, em trapézio quase rectangular, encurvado para cima no sector frontal, ao jeito de trenó (des. 205). O trilho transmontano é geralmente constituído por três tábuas largas ligadas por dois travessões espessos pregados na face superior, com o topo frontal protegido por duas travessas delgadas. A face inferior, para trás do travessão dianteiro, está totalmente cravejada de lascas de silex espaçadas cerca de 18 mm e dispostas em carreiras. Nas juntas das tábuas tem, por vezes, uma folha de serra com os dentes emergentes e discos de chapas de ferro.

33A meio do travessão dianteiro está cravado um pau, verticalmente, – o baldão (Mogadouro) ou tenedeiro (Rio de Onor) –, ao qual se prende o temão – o cambiço (Miranda do Douro e Mogadouro) – que o liga ao gado, e serve ainda de apoio à pessoa que, de pé sobre o trilho, conduz os animais (des. 206) ; nos trilhos mais recentes, em vez desse pau há uma argola ou um ferro em T (des. 205). O cambiço mostra geralmente uma curvatura que lhe permite vencer a elevação frontal do estrado (des. 206 b).

205 – Miranda do Douro. Trilho

205 – Miranda do Douro. Trilho

206 – Trilhos – a) Bragança, Rio de Onor; b) Mogadouro – 1) baldão, 2) cambiço, 3) tomo para a trasga

206 – Trilhos – a) Bragança, Rio de Onor; b) Mogadouro – 1) baldão, 2) cambiço, 3) tomo para a trasga

34Muitos dos trilhos usados na região do Nordeste transmontano eram feitos em Espanha. Na área de Miranda, em Palaçoulo e Caçarelhos, havia construtores que fabricavam esse instrumento. Mas mesmo neste caso as pedras de silex vinham geralmente do lado de lá da fronteira. E era também de Espanha que vinha o homem que fazia os consertos.

35Em Sendim informaram-nos que um trilho desgranava por dia 5 a 6 carros de pão.

207 – Grândola, Melides. Trilho

207 – Grândola, Melides. Trilho

TRILHO (TIPO PLOSTELLUM)

36Este tipo, sensivelmente mais evoluído e complexo do que o anterior, encontra-se entre nós, por seu turno, no Sul e Centro do País, mormente no Alentejo e Estremadura (parecendo contudo, nesta última Província, ser de difusão recente). No Alentejo, o trilho tem sempre o assento fixo sobre o caixilho; na região de Lisboa esse assento falta, e em seu lugar vê-se uma espécie de estrado alto, onde se senta a pessoa que conduz o gado. E, como dissemos acima, em certas partes da área estremenha saloia usa-se ainda um trilho de rolos com pequenas rodas, para a debulha de leguminosas.

37Este instrumento, na sua forma mais acabada, e designadamente no Alentejo, é composto de duas longarinas, flectidas em ângulo obtuso no topo dianteiro, ligadas atrás por uma travessa e, à frente, por uma tábua espessa à qual está fixo o gancho de ferro onde prende o cambão. Entre as longarinas estão montados os cilindros de madeira, geralmente em número de três, de eixo móvel e chumaceiras de ferro, com lâminas de ferro cravadas em posições desencontradas. Sobre estes, elevado por quatro barras de ferro, dispõe-se um estrado de madeira, ao jeito de uma cadeira, com pequeno encosto em forma de ferradura (des. 207).

38Na Estremadura, o trilho apresenta-se geralmente de facção mais rude e tosca. Ele é aí formado por dois pranchões laterais, nos quais giram os cilindros, com eixo e chumaceiras de madeira; os dentes são de madeira, dispostos em quatro linhas, distanciados cerca de 6 a 8 cm em cada linha; e é forrado por um estrado de tábuas, plano, com ou sem banco transversal, ou ainda, por vezes, com um corpo em tronco de pirâmide a meio, que serve igualmente de assento ao condutor (des. 208, 209, 210).

208 - Alcobaça, Évora. Trilho

208 - Alcobaça, Évora. Trilho

209 – Nazaré, Serra da Pescaria. Trilho

209 – Nazaré, Serra da Pescaria. Trilho

210 – Trilhos – a) Golegã; b) Golegã, Formigai

210 – Trilhos – a) Golegã; b) Golegã, Formigai

211 – Loures. Trilho para leguminosas

211 – Loures. Trilho para leguminosas

39Na região de Loures, para a debulha da fava e do grão de bico, usam um tipo especial de trilho, composto de quatro rolos montados numa grade quadrangular, munida de 4 rodas. Esta grade é formada por duas pranchas laterais, ligadas nas extremidades por dois travessões nelas espigados. Junto a estes dispõem-se dois tirantes de ferro e dois vergalhões de secção quadrada, em cujas pontas, cilíndricas, giram as quatro rodas, cheias e com aro de ferro. Nas pranchas laterais abre-se um rasgo comprido no qual entra, à justa, uma peça de madeira em que estão aplicados sectores de cano de ferro que funcionam como chumaceiras dos eixos dos rolos. Essas peças de madeira são firmadas no seu lugar por meio de três cavilhas de ferro, podendo ser retiradas facilmente para remoção dos rolos, em caso de necessidade de compostura ou substituição. Os dentes são de ferro, encurvados, ao jeito de lâminas de 7 cm de comprimento, dispostos em 6 filas com 7 e 8 em cada linha (des. 211). De início, aquelas leguminosas são calcadas por mulas – as cobras – e só depois entra o trilho em funcionamento.

212 – Ilha de S. Miguel, Faial da Terra. Trilho

212 – Ilha de S. Miguel, Faial da Terra. Trilho

40Nas grandes eiras alentejanas a debulha era feita fundamentalmente por meio das cobras, isto é, a pé de gado, cavalar ou bovino, e o trilho, de introdução mais recente, servia de instrumento auxiliar àquele sistema. No caso dos pequenos seareiros, contudo, ele desempenhava por vezes papel primordial.

41Em diversas partes onde o trilho é puxado a gado bovino, e nomeadamente, hoje, no Nordeste transmontano, usa-se um aparelho ou recipiente especial, de forma cónica – o cagadeiro das vacas (Terras de Miranda) –, geralmente feito de um galho de giesta aberto em mumerosos ramos que se entrançam uns nos outros, e cuja função é obviar a que o frago dos animais caia sobre o cereal: a pessoa que conduz o trilho mantém-se atenta, e ao menor sinal de que um boi se prepara para fraguear, apressa-se a colocar o recipiente em posição conveniente. Um aparelho semelhante usou-se também na debulha a sangue quando se empregava do mesmo modo o gado bovino – por exemplo no Porto há alguns decénios, para o início da debulha do milho por esse processo –.

ILHAS ADJACENTES

42Os trilhos açoreanos do tipo tribulum são sensivelmente mais pequenos e menos encurvados à frente do que os modelos continentais. Num exemplo de S. Miguel (des. 212), ele é constituído por três tabuões, de topo frontal arredondado, ligados por três travessas largas, com duas furas a meio da travessa dianteira para a passagem da corda que prende a sólia, através da qual se faz a ligação aos animais. À face inferior é cravejada de fragmentos de lava, dispostos em linhas oblíquas. Num outro exemplo, da Ilha do Pico (des. 213), ele é formado por 4 tábuas mais espessas na parte central do que nos lados, pronunciadamente abauladas; essas tábuas são ligadas por três travessas, a da frente arredondada e colocada em posição inclinada, com dois furos para a passagem da brocha que faz a ligação à sólia ; a travessa de trás tem três orifícios (que não vazam a tábua de baixo), onde se fixam os pés do banco em que por vezes se senta o condutor do trilho. Os elementos cortantes são fragmentos de velhos potes de ferro fundido, dispostos irregularmente em linhas oblíquas.

213 – Ilha do Pico, S. Roque. Trilho

213 – Ilha do Pico, S. Roque. Trilho

43Do trilho madeirense apenas possuímos informações do seu uso, até há poucas décadas ; mas não pudemos obter elementos seguros quanto à sua forma. Em Porto Santo, pelo contrário, o trilho manteve-se até hoje, acusando, em relação aos modelos que acabamos de referir, uma forma muito peculiar. De menores dimensões, ele é formado por um pranchão espesso de madeira de til, de lados convergentes no topo frontal, desbastado na face superior de modo a deixar em ressalto, na superfície plana, um corpo de contorno quadrangular, atrás, e outro alongado, à frente, no qual se abre uma fura transversal, destinada à prisão da sola. Estes ressaltos parece terem em vista oferecer à pessoa que segue sobre ele uma melhor base de apoio. A cada lado desse pranchão estão pregados dois pedaços de barrotes, para lhe aumentarem a largura. A face inferior é cravejada de pequenas pedras, dispostas em linhas oblíquas. A sola mostra um pronunciado cotovelo, quase em ângulo recto, próprio para a tracção em eiras redondas e pequenas (des. 214).

214 – Ilha de Porto Santo. Trilho

214 – Ilha de Porto Santo. Trilho

OUTROS INSTRUMENTOS OU PROCESSOS DE DEBULHA

44Além das alfaias tradicionais fundamentais utilizadas na debulha de cereais – o mangual e o trilho – conhecem-se, nomeadamente para o milho – e além da debulha à mão – ainda outros instrumentos, de uso secundário, utilizados ora como complemento dos vários processos de debulha, ora como forma autónoma.

451) Pau ou maço – A debulha do milho foi realizada na maior parte do País, especialmente na área da sua maior cultura, a mangual. Na debulha de pequenas quantidades, contudo, as espigas eram batidas, em certos casos, com paus mais ou menos compridos, na eira ou dentro de casa; na serra minhota essa operação realizava-se mesmo, por vezes, dentro do próprio espigueiro, até obterem a quantidade de grão necessário para o consumo semanal ou quinzenal. Em outros lugares do Minho, as espigas para a fornada eram batidas dentro dum cesto, com o maço do linho ou com outro objecto percutor. Noutros lugares ainda, essa forma precária era substituída por outra específica, o masseirão ou malhador, robusto caixote ou simples tronco escavado, elevado sobre quatro pernas e com o fundo perfurado ao jeito de crivo ; as espigas eram lançadas nesse masseirão e batidas a maço (ou calcadas por um homem calçado com socos ferrados de brochas); o grão, à medida que se desprendia do carolo, escapava-se pelos buracos do fundo (des. 215). O emprego de um pau para malhar – vara curta, fueiro do carro, etc. que se empunha com uma só mão –, ocorre muitas vezes como preliminar ou complemento de outro processo de debulha: em Tondela, por exemplo, os molhos de centeio, que se conservam atados, são, antes de ser malhados, batidos levemente com um pau; em certas partes do Alentejo, usa-se igualmente um pau para bater as espigas que ficaram após a debulha feita a gado; no Minho, do mesmo modo, usa-se um pau, como complemento do sistema de debulha do centeio por percussão directa, constituindo a fase final dessa operação: os molhos, depois de batidos directamente contra um estrado, banco, carro, etc., são ainda malhados com um pau, empunhado por uma mão, enquanto a outra segura o molho, expondo as espigas que ficaram por debulhar àquelas pancadas.

215 – Masseirões – a) Ponte da Barca, S. Pedro; b) Terras de Bouro, Vilarinho da Furna; e) Terras de Bouro, Covas (segundo Herculano de Carvalho).

215 – Masseirões – a) Ponte da Barca, S. Pedro; b) Terras de Bouro, Vilarinho da Furna; e) Terras de Bouro, Covas (segundo Herculano de Carvalho).

462) Desbulhador – Este instrumento, encontrado por Herculano de Carvalho apenas em Vila Pouca de Aguiar, é formado por uma barra de ferro, dobrada em arco e fixa pelas extremidades a uma tábua ; em ambas as pontas esse arco é serrilhado, e é contra esse sector que as espigas são debulhadas: senta-se um homem de cada lado, sobre os topos da tábua e, segurando as espigas com a mão, encostam-nas à serrilha e imprimem-lhe um movimento em espiral, da extremidade mais fina para a mais grossa

473) No Algarve, em muitos casos, debulha-se o milho pondo a espiga ao alto, sobre um banco ou qualquer base firme, e bate-se com um ferro em posição de cutelo, em pancadas secas. Este trabalho é por vezes feito à noite, com a colaboração dos vizinhos, e assume carácter festivo.

484) Relacionado com o processo elementar de debulha do milho feita à mão, encontra-se por toda a área desse cereal um instrumento muito simples – o sovelão, esfolhadeira, etc. – que consiste numa cavilha, de madeira ou de ferro (neste caso cravada num pequeno cabo feito por vezes de carolo de milho), com a qual se desprendem as primeiras carreiras do grão das maçarocas, facilitando a debulha feita seguidamente à mão (des. 216).

216 – Esfolhadores – a) Viana do Castelo, sovino ; b) Porto de Mós, rascunho para esgravelhar milho

216 – Esfolhadores – a) Viana do Castelo, sovino ; b) Porto de Mós, rascunho para esgravelhar milho

PEDRA E TÁBUA DE DEBULHAR

  • 5 Carreiro da Costa, "Etnografia Agrícola – Alfaias agrícolas tnicaelenses", ’Boletim da Comissão Reg (...)

49Na ilha de S. Miguel, para a debulha do milho, utilizam dois instrumentos específicos e originais – a pedra e a tábua de debulhar. O primeiro é uma pedra de basalto, de contorno geral rectangular, espalmada, de faces paralelas, com a superior afeiçoada de modo a apresentar saliências sensivelmente semi-esféricas dispostas em linhas. As espigas são esfregadas contra essas saliências, até o grão se desprender do carolo (des. 217). O segundo é uma tábua de formato rectangular com cerca de 30 x 20 cm e 5 cm de espessura, com um dos topos elevado sobre dois pés, ficando inclinada ao jeito de lavadouro, e mostrando na face superior uma série de 12 pequenas barras de ferro, cravadas transversalmente e espaçadas 15 mm umas das outras e salientes cerca de 3 a 4 mm ; as espigas são, como no caso anterior, esfregadas contra as arestas salientes dessas barras, até se desgranarem completamente5.

217 – Ilha de S. Miguel. Pedra de debulhar milho

217 – Ilha de S. Miguel. Pedra de debulhar milho

JOEIRAS E CRIVOS

50Antes da difusão das tararas e dos crivos mecânicos, os cereais, após a debulha, eram – e são ainda em muitos casos – separados das palhas e ciscos por processos tradicionais específicos: num, mais elementar, que vemos ainda em uso em alguns lugares, palha e grão são lançados ao ar com forquilhas e pás, preferentemente em dias de vento, para que este arraste os elementos mais leves da palha, separando-os do grão, mais pesado; quando não há vento, inverte-se a situação, e é o grão, mais pesado, que, ao ser lançado ao ar, vai cair mais longe, ficando a palha mais perto das pessoas que executam esse trabalho. Esta operação de limpeza é geralmente completada por outra, igualmente manual, mais minuciosa, na qual intervêm os crivos, joeiras, arneiros ou cirandas. Estes, ora se apresentam como um disco de madeira levemente côncavo e com pequena borda, ora são formados por um bordo circular de 10 a 15 cm de altura, com o fundo em grade ou crivado de pequenos buracos. Os primeiros eram usados sobretudo no Alentejo, feitos não raro de uma só peça torneada em madeira de castanho (des. 218 a), ou, quando maiores, de várias peças unidas entre si e com pequeno bordo circular pregado (des. 218 b). Os segundos, numa forma mais antiga, aproveitavam os materiais locais e constavam de uma parede circular formada por uma vara dobrada em espiral, com as respectivas voltas fixas por pregos de madeira e por anéis de arame espaçados; o fundo era feito de varinhas direitas, dispostas paralelamente e com um pequeno intervalo regular entre si, presas na periferia por um enlaçado de tamissa, e pregadas a duas estreitas travessas de madeira colocadas transversalmente a elas no lado exterior do fundo (des. 219 a). Numa outra forma, fabricada já por peneireiros especializados, que delas fazem uma venda ambulante, ou aparecem nas feiras da região (onde, além da venda, fazem consertos em velhas peneiras ou joeiras), elas constam de um aro circular de tala de madeira delgado e leve, reforçado nos bordos por dois arilhos, com um fundo de arame disposto em espiral, firmado e enlaçado a arames radiais que se fixam na base do aro, atravessando-o e dobrando as pontas no lado exterior (des. 220). Sobretudo para a limpeza do trigo (e em casos mais raros para a da linhaça e do milho miúdo), foi muito corrente o crivo (erguedeira, Bucos, Cabeceiras de Basto) de aro de madeira circular com fundo de pele, geralmente de cabra, crivado de pequenos buracos Em certos casos, mais recentes, por vezes substituiram a pele por uma chapa zincada (des. 221).

218 – Joeiras – a) Évora; b) Estremoz

218 – Joeiras – a) Évora; b) Estremoz

219 – Évora. Joeiras

219 – Évora. Joeiras

51Os grãos dos cereais ou das leguminosas são deitados, em pequenas quantidades, dentro do crivo, e este é empunhado por uma pessoa com as duas mãos, frente ao corpo e na altura da cintura, e agitado em movimentos laterais bruscos, ou circulares, continuadamente, até que os resíduos finos e pesados se escapem pelas fendas ou buracos do fundo, e os maiores e mais leves aflorem à superfície, donde são retirados à mão. Em certos casos o crivo é apoiado num pequeno pau bifurcado na ponta, o que alivia muito sensivelmente o trabalho, pois a pessoa é dispensada de suportar o peso do crivo nos braços, e apenas lhe imprime movimentos laterais ou rotativos. Para este efeito, o crivo leva uma vara de madeira que se dispõe no fundo, diametralmente, com uma pequena cavidade a meio para encaixe naquela forca. Levando mais longe este sistema, o crivo pode ser suspenso, por cordas, dum tripé improvisado com paus.

220 – Estremoz. Joeira

220 – Estremoz. Joeira

221 – Alentejo-Joeira grande

221 – Alentejo-Joeira grande

52Em certas regiões usam ainda um caixotão especial, rectangular, em que as tábuas laterais ultrapassam as dos topos, formando pegadeiras, e com o fundo de chapa crivado de furos; em Alcoutim, este arneiro tinha o fundo reforçado por tres verguinhas de ferro dispostas transversalmente, e os furos mediam cerca de 5 mm de diâmetro (des. 222).

222 – Alcoutim. Arneiro

222 – Alcoutim. Arneiro

223 – Joeiras – a, b) Ilha Terceira, Cinco Ribeiras; c) Ilha de Santa Maria, Santo Espírito; d) Ilha de S. Jorge, Beira

223 – Joeiras – a, b) Ilha Terceira, Cinco Ribeiras; c) Ilha de Santa Maria, Santo Espírito; d) Ilha de S. Jorge, Beira
  • 6 Em Portugal existem duas categorias de eiras: a) só de debulha; e b) de secagem e debulha. As prime (...)

53Por vezes, joeiras e crivos são também utilizados para limpar o cereal ao vento, quer atirando-o ao ar e apanhando-o em seguida, quer elevando-o até à altura da cabeça e deixando cair lentamente o grão para o chão6.

AÇORES

54As formas mais arcaicas de joeiras que conhecemos entre nós encontram-se nos Açores. Na ilha de S. Jorge, por exemplo, as joeiras são constituídas por um aro rígido, feito duma vara aberta a meio, ao qual está preso um fundo de vimes rachados, entrecruzados pela técnica de diagonal aparente, côncavo, ao jeito de calote esférica; a ligação do fundo ao aro é feita pelos elementos do próprio fundo e por outros independentes. Este modelo tem paralelos muito sugestivos em certas formas africanas (des. 223 d).

55Nas ilhas de Santa Maria e Terceira, algumas joeiras são constituídas por um aro de rolos de palha cosidos em espiral por fitas que aproveitam a parte exterior dos vimes, e por um fundo de juncos dispostos paralelamente com pequenos intervalos entre si, ligados e enlaçados por rafia, semelhando uma esteira ; o aro é reforçado no bordo superior por um arco de verga. A fixação do fundo ao aro é obtida cosendo as extremidades dos juncos por cima do primeiro rolo de palha (des. 223 b, c). Em certos casos, os rolos de palha do aro são cosidos por fio (des. 223 c) ; noutros ainda, os aros de palha são substituídos por aros de talas de madeira delgada, um mais alto, interno, outro mais baixo, externo, fixando-se o fundo entre os dois (des. 223 a).

Notes

1 Jorge Dias, ’Alfaia Agrícola’, "Dicionário de História de Portugal”, I, Lisboa, 1963.

2 José Gonçalo C. Herculano de Carvalho, "Coisas e Palavras – Alguns problemas etnográficos e linguísticos relacionados com os primitivos sistemas de debulha na Península Ibérica”, Coimbra, 1953.

3 Carlos Alberto Medeiros, ”A Ilha do Corvo”, Lisboa, 1967, p. 146.

4 Herculano de Carvalho, op. cit., pp. 93-97.

5 Carreiro da Costa, "Etnografia Agrícola – Alfaias agrícolas tnicaelenses", ’Boletim da Comissão Reguladora dos Cereais do Arquipélago dos Açores,’ 7, Ponta Delgada. 1948, pp. 95-100.

6 Em Portugal existem duas categorias de eiras: a) só de debulha; e b) de secagem e debulha. As primeiras encontram-se na metade Sul do País e em Trás-os-Montes, são em terra batida em geral amassada com frago de ovinos, e vagas ou redondas; as segundas encontram-se no Noroeste e Beiras Alta e Litoral, são hoje geralmente em pedra e de formato quadrangular, e vêem-se sempre ladeadas por um ou mais anexos relacionados com o clima da região: alpendres onde o cereal é recolhido à noite ou quando sobrevêm chuveiros, e sequeiras, e espigueiros ou canastros, onde acaba de secar aquele que é colhido tardiamente. Na região da Ponte da Barca, o ladrilho é uma espécie de eira coberta onde o cereal seea e é debulhado ao abrigo do tempo, participando assim da natureza da eira e do alpendre. No Algarve, a eira – o almeichar – é de terra batida ou barro, para a secagem do figo e do milho; e usam-se também, em certas partes, para o figo, a alfarroba e o peixe, as coteias ou terraços no alto das casas. Cfr. Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, ”Sistemas Primitivos de Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas – Os Espigueiros Portugueses”, Porto (IAC), 1963, pp. 21-35.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search