Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Alfaia do sistema de dentes

Texte intégral

I – ANCINHOS E GANCHOS

  • 1 Ancinho ou encinho são as designações mais gerais; engaço, é vulgar no Minho; rastro, em aldeias fr (...)
  • 2 Esta travessa é designada por costa na Póvoa de Varzim e Cinfães; cêpo, em Caminha; pata, em Celori (...)

1Ancinhos – O ancinho1 é composto de duas peças fundamentais : o pente e o cabo (des. 172). A configuração e dimensões do pente são muito variáveis (des. 173); ele é constituido por uma travessa de madeira2 de secção rectangular, com os quatro lados paralelos ou, mais frequentemente, com o lado inferior cortado de modo a formar um ângulo saliente a meio, na qual se abrem os buracos para a fixação dos dentes, de madeira ou de ferro, em maior ou menor número, e, quase perpendicularmente a estes, o buraco – o olho ou encabadoiro –, de contorno redondo ou rectangular, para a inserção do cabo comprido de madeira.

172 – a) Bragança, engaço da eira; b) Celorico de Basto, engaço; c) Chamusca, ancinho para a primeira separação da palha do grão, nas eiras; d) idem, conhadeira, para a segunda separação

172 – a) Bragança, engaço da eira; b) Celorico de Basto, engaço; c) Chamusca, ancinho para a primeira separação da palha do grão, nas eiras; d) idem, conhadeira, para a segunda separação

173 – Várias configurações do pente – a) Braga; b) Terras de Bouro; c) Vila Pouca de Aguiar; d) Celorico de Basto.

173 – Várias configurações do pente – a) Braga; b) Terras de Bouro; c) Vila Pouca de Aguiar; d) Celorico de Basto.

2A diversidade de formato da travessa do pente do ancinho, de um modo geral, não se relaciona especificamente com determinadas áreas geográficas ou funções. Constatamos, contudo, uma maior frequência de ancinhos com a travessa de lados paralelos no Sul e Centro do País; em Trás-os-Montes, por vezes, essa travessa é disposta deitada e não de cutelo, como é o caso corrente.

174 – a) Aveiro, ancinho para a caruma; b) Cinfães, ancinho de ferro; c) Barcelos, ancinho do estrume;_d) Póvoa do Varzim, Aguçadoura, ancinho de arame para rastilhar alhos; e) Sines, encinho

174 – a) Aveiro, ancinho para a caruma; b) Cinfães, ancinho de ferro; c) Barcelos, ancinho do estrume;_d) Póvoa do Varzim, Aguçadoura, ancinho de arame para rastilhar alhos; e) Sines, encinho

175 – Bragança, Rio de Onor. Rastro. Notar a forma piramidal dos dentes.

175 – Bragança, Rio de Onor. Rastro. Notar a forma piramidal dos dentes.
  • 3 Na feira de Barcelos aparecem à venda ancinhos do estrume, assim designados por serem utilizados na (...)

3O ancinho é utilizado em variados trabalhos. É com ele que se acaba de desterroar, alisar e limpar a terra nas hortas; se revolve a terra para cobrir a semente de ervas, ferrãs, linho, etc; se arranha a terra de certas culturas, nomeadamente de batatas (rascanhar, Armamar) e dos alhos (rastilhar, Aguçadoura); nas áreas em que a sementeira do centeio se faz com o margeadouro, é também com o ancinho que se espalha a terra levantada por aquele, para cobrir a semente; serve para juntar folhada, agulhas de pinheiro, mato roçado, lenha miuda das podas; espalhar estrume nos campos3; etc. Quando destinado a estes trabalhos, ele tem em regra dentes de ferro, geralmente cavilhas de 15 a 20 cm de comprimento (des. 174).

4Os ancinhos de dentes de pau (designados por ancinhos de pau para os distinguir daqueles que têm os dentes de ferro – ancinhos de ferro ou de arame) são utilizados sobretudo nos trabalhos das eiras, para juntar ou espalhar as espigas de milho, para remexer as eiradas do grão quando este está a secar, ou mesmo para juntar o próprio grão, neste caso funcionando à maneira de rodo, com os dentes voltados para cima; para remover a palha dos cereais de pragana nas eiras, separando-a do grão, após a debulha, ou para a transportar para os palheiros ou medas; na seca e debulha de leguminosas; etc.

176 – a) Vinhais, engaço do feno; b) Miranda do Douro, rastro do feno; c) Bragança, engaço do feno

176 – a) Vinhais, engaço do feno; b) Miranda do Douro, rastro do feno; c) Bragança, engaço do feno
  • 4 Jorge Dias, «Rio de Onor », p. 246.

5Os dentes de pau são feitos geralmente de madeira de oliveira, de secção circular e pontas aguçadas; mais raramente eles são de forma piramidal (des. 175)4. Os dentes de ferro são forjados pelos ferreiros locais; mas hoje, como dissemos, utilizam apenas, praticamente, cavilhas de fabrico industrial. Os ancinhos são feitos ora pelos próprios camponeses que os utilizam, ora por fabricantes locais ou regionais, que geralmente os levam a vender às feiras da área.

6Em pequenas zonas pobres ou isoladas, o ancinho de pau é o único que existe.

7No Nordeste transmontano encontra-se um tipo especial de ancinho – o rastro ou engaço dos fenos (des. 176) –, de pente muito comprido, chegando a atingir, na região de Miranda do Douro, 1,70 m, e com dentes de pau. Ele tem geralmente um cabo bifurcado, que pode aproveitar a forma natural dum ramo de árvore, ou um simples cabo direito, fendido longitudinalmente na ponta, de modo que a inserção no pente se faça em dois pontos e não apenas num, como ocorre normalmente no resto do País (des. 176).

  • 5 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, "Sistemas de atrelagem dos bois em (...)

8No Minho, naturalmente como consequência do sentimento de orgulho na casa agrícola, e, com ele relacionado, o brio de exibir alfaias agrícolas que se salientassem pelo esmero do seu acabamento, e a que já noutro lugar nos referimos5, encontramos ancinhos com a travessa muito decorada, mostrando motivos geométricos ou simbólicos entalhados, utilizados nos grandes dias de malhas de centeio, que, feitas pelo sistema de trabalhos gratuitos e recíprocos, reuniam gente de diversas casas (des. 177).

9Em certos casos, raros, encontra-se ainda um ancinho com o pente inteiramente em ferro (des. 174 e).

177 – Ponte de Lima, Vitorino das Donas. Gadanha das malhadas

177 – Ponte de Lima, Vitorino das Donas. Gadanha das malhadas

10Nas actividades da apanha do sargaço e recolha do moliço utilizam-se certos instrumentos específicos que cabem dentro desta categoria e se relacionam estreitamente com os seus similares usados nos trabalhos da terra. Ligados com a apanha do sargaço temos :

111) A graveta ou gaiteira, espécie de ancinho grande de madeira, cujo pente – costa ou –, de cerca de 80 cm a 1 m de comprimento, mostra, além da fila de dentes usual, outra de dentes mais curtos e espaçados – os gaiteiros – cravados perpendicularmente na face da costa, voltados para trás, de modo a ficarem também em posição perpendicular à dos dentes. O encabamento é reforçado com uma trava – o cabresto– de vime ou de arame (des. 178). A graveta usa-se para a recolha das algas feita a pé, junto à praia. O cabo mede cerca de 1,20 a 2 m.

122) A ganchorra e rastilha, aparentadas com a graveta mas com cabo muito comprido, com todos ou alguns dentes e gaiteiros de ferro. A ganchorra tem o cabo – com 7 a 10 m – formado por várias peças –encabadoiro, troço ou emenda, junto à costa do pente; os fechos, a seguir, em número variável; e o chicote ou rabicho, vara flexível, a rematá-lo –. A rastilha tem um cabo forte e rígido, inteiriço – com cerca de 5 m –.A ganchorra é utilizada na apanha do sargaço de bordo de barcos ou jangadas; a rastilha, diversamente, destina-se à apanha feita a pé, da beirada ou de cima das pedras, das algas que vogam ou estão pousadas na areia perto da praia, mas já fora do alcance da graveta (des. 179). Hoje, para a apanha das algas que estão pousadas ou presas a rochedos, no fundo, usa-se um sucedâneo destes dois utensílios – a gadanha, com o pente inteiramente de ferro e um cabo de 4,5 a 5 braças de comprimento.

178 - a) Póvoa de Varzim, Averomar – graveta: b) Peniche – encinho ou gravanço; c) Esposende, Fão – gaiteira; d) Fão – engaço.

178 - a) Póvoa de Varzim, Averomar – graveta: b) Peniche – encinho ou gravanço; c) Esposende, Fão – gaiteira; d) Fão – engaço.

179 – a) Vila do Conde, Vila chã – ganchola; b) Póvoa de Varzim, Averomar – rastilha grande; c) Vila do Conde, Mindelo–ganchorra; d) Matosinhos, Pampelido – ganchola.

179 – a) Vila do Conde, Vila chã – ganchola; b) Póvoa de Varzim, Averomar – rastilha grande; c) Vila do Conde, Mindelo–ganchorra; d) Matosinhos, Pampelido – ganchola.
  • 6 Para um conhecimento mais pormenorizado destas alfaias ligadas à faina sargaceira veja-se: Ernesto (...)

133) O croque, em ferro, é formado por 5 ou 6 dentes, fortes e recurvados, que partem duma patilha – o encabadoiro – ligada ao alvado em que entra o cabo de madeira, muito comprido – 7 a 10 m – (des. 180). Ele é usado na recolha das algas que estão presas aos rochedos submersos, longe da praia, feita de bordo de barcos ou jangadas6.

14Ligados com a recolha do moliço de bordo de embarcações, consideraremos duas formas fundamentais de ancinho, quase sempre inteiramente de madeira, uma para quando aquelas se deslocam, e outra para quando estão paradas: Na Ria de Aveiro, o moliço colhe-se com : 1) o ancinho de arrasto de bordo dos barcos moliceiros, em número de dois ou quatro, fixados obliquamente em ambos os bordos nas amuras e nas alhetas, de modo a arrastarem pelos fundos à medida que o barco se desloca, à vela ou, quando não há vento, à vara. Compõe-se de um pente, geralmente de madeira de carvalho, antigamente (e segundo o disposto no Regulamento de 1914) com 1,50 m de comprimento e 64 dentes de 10 a 12 cm de comprimento, intervalados de 2 cm, hoje com cerca de 70 cm de comprimento e 24 dentes, e um cabo de 4 a 6 m de comprimento; o pente é reforçado no ponto do encabadoiro por duas alças de ferro (des. 181 a); 2) o ancinho de apanhar, utilizado também de bordo dos barcos moliceiros mas quando o barco está parado, para a apanha das plantas do fundo. Este ancinho é semelhante aos ancinhos da lavoura, com um pente de cerca de 50 cm de comprimento e 12 a 14 dentes; o cabo mede cerca de 2 m(des. 181 b).

180 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – croque.

180 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – croque.

181 – Ferramenta da apanha do moliço – a) Murtosa, Torrão do Lameiro; cde) três soluções para o reforço da costa do pente.

181 – Ferramenta da apanha do moliço – a) Murtosa, Torrão do Lameiro; cde) três soluções para o reforço da costa do pente.

182 – Ferramenta da apanha de limos, Caldas da Rainha, Lagoa de Óbidos– a) gadanho ou ancinho; b) gancho

182 – Ferramenta da apanha de limos, Caldas da Rainha, Lagoa de Óbidos– a) gadanho ou ancinho; b) gancho

15Na Pateira de Fermentelos, o moliço colhe-se de igual modo com um ancinho especial, de travessa larga de madeira, de cerca de 90 cm, munida de pequenos dentes de ferro, dispostos muito juntos, encabada num cabo de cerca de 4 m (des. 183).

16Na Lagoa de Óbidos, os limos, quando estão a baixa profundidade, colhem-se semelhantemente com um ancinho, usado preferentemente da beirada da lagoa ou de bordo de embarcações; esse ancinho tem uma travessa forte de madeira, de cerca de 70 cm de largura, munida de 30 dentes de madeira ou ferro, e um cabo de 5 m de comprimento (des. 182 a).

183 – Aveiro, Pateira de Fermentelos. Ancinho para a apanha do moliço

183 – Aveiro, Pateira de Fermentelos. Ancinho para a apanha do moliço

17Quando os limos estão mais fundos e presos, usa-se porém aqui outro tipo de instrumento, o gancho, que antigamente era um mero pau com um galho curvo na ponta, e hoje é um verdadeiro gancho de ferro, curvo e ponteagudo, pregado na na extremidade de um cabo de madeira de também 5 m de comprimento (des. 182 b). Para a recolha, a pessoa que o maneja faz rodar o cabo no sentido da ponta do gancho, até que este, em voltas sucessivas, enrola – sobre si e na base do cabo – os limos, que a final são puxados para cima e despejados dentro do barco.

  • 7 O nome mais vulgar é gancho; gadancho, no Minho; engaço, na Beira Litoral e Estremadura; caimbo, em (...)

18Gancho ou gadanho 7– É um utensílio com pente de ferro, de 2, 3, 4 ou 5 dentes ponteagudos, e encabadoiro com olho, e às vezes com alvado, onde entra o cabo de madeira, de 1 a 1,5 m de comprimento (des. 184). O número de dentes mais usual é o de 3.

19A sua função principal é a de remover o estrume, e carregá-lo e descarregá-lo dos carros. Mas é também utilizado para fazer as paveias do mato depois do roçado; para arrancar ervas ruins, especialmente o escalracho e a grama; para arranhar a terra da ferrã, do tremoço, ou de outras sementes que não gostem de ficar muito fundas; e ainda para cavar qualquer pequena superfície de terra mais dura. Em certas regiões – por exemplo na Serra da Lousâ –, ele é mesmo praticamente o único instrumento para o trabalho da terra. Nos últimos tempos, a utilização desta alfaia, para cavar (a qual sofreu um ajustamento a essas funções, mostrando três dentes espalmados (des. 185)) tem-se generalizado em largas zonas do Centro do País. Em especial por toda a região vinhateira da Bairrada, Colares, etc., é com o farpão (Anadia) ou gadantcha (Mafra), que se fazem as cavas das vinhas.

184 – a) Monsão, gancho; b) Castelo Branco, garrancho; c) Arouca, Serra da Freita, gancho; d) Celorico de Basto, Tecla, gadanho ou gancho; e) idem, gadanho para a sacha das batatas; f) Mira, Palheiros de Mira, engaceta; g) Alcobaça, Moita, ancinho de ferro; h) Esposende, sacho para batatas; i) Boticas, gancho; j) Vila do Bispo, caimbo; 1, m) Algarve ocidental, ganchorras

184 – a) Monsão, gancho; b) Castelo Branco, garrancho; c) Arouca, Serra da Freita, gancho; d) Celorico de Basto, Tecla, gadanho ou gancho; e) idem, gadanho para a sacha das batatas; f) Mira, Palheiros de Mira, engaceta; g) Alcobaça, Moita, ancinho de ferro; h) Esposende, sacho para batatas; i) Boticas, gancho; j) Vila do Bispo, caimbo; 1, m) Algarve ocidental, ganchorras

185 – Farpões – a) Albergaria-a-Nova, Angeiras, farpão ou engaço de cavar; b) Mafra, Sobral, gadanha; c) Cantanhede, farpão

185 – Farpões – a) Albergaria-a-Nova, Angeiras, farpão ou engaço de cavar; b) Mafra, Sobral, gadanha; c) Cantanhede, farpão

II – FORCADOS E FORQUILHAS

  • 8 Silva Picão, op. cit., p. 337.

20Os forcados e forquilhas existentes entre nós apresentam-se- sob duas formas principais, podendo ser ainda, dentro dessas duas categorias, inteiramente em madeira, ou em ferro com cabo de madeira. O forcado, que representa a forma mais simples, consiste numa haste de madeira terminada em 2, 3 ou 4 pontas aguçadas, que servem de dentes (des. 186). Por vezes, para a feitura dos forcados que têm mais do que dois dentes, escolhem o ramo da árvore que apresente uma ramificação propícia e, muito antes do seu corte, esses raminhos são afastados e guiados de modo a tomarem o afastamento e direcção desejadas. Em certos casos encozem-se ao fogo, quando ainda verdes, entalando-se e comprimindo-se entre os degraus duma escada, onde se conservam alguns dias, atados pelas pontas, para adquirirem queda apropriada; e depois são acabados pelo carpinteiro8. Estes dentes, de dimensões muito variadas, ora se dispõem sensivelmente em leque, no mesmo plano, ora um deles, mais curto, por vezes recuado – a espera – eleva-se obliquamente sobre aqueles (des. 186 e, f). Estes utensílios relacionam-se fundamentalmente com os trabalhos das eiras, das palhas e dos fenos. Assim, por exemplo, a gancha de Gemêses, Esposende (des. 186 a) e a forcada de Cinfães (des. 186 b), são especialmente utilizadas para levar as palhas da eira para a meda, que se ergue junto dela; o engaço de Vinhais, com 3 dentes grandes, é usado para fenos e palhas (des. 186 d); a espalhadeira de Izeda ou a guincha ou tornadeira do Leste transmontano, geralmente com esperas (des. 186 e, f), são de uso corrente para voltar o centeio nas eiras e transportar a palha para as medas; etc.

186 – a) Esposende, gancha; b) Cinfães, forcado; c) Alvito, forcado; d) Vinhais, engaço e) Miranda do Douro, guincha; f) Idem, tornadeira

186 – a) Esposende, gancha; b) Cinfães, forcado; c) Alvito, forcado; d) Vinhais, engaço e) Miranda do Douro, guincha; f) Idem, tornadeira

21A forquilha, que representa a forma mais elaborada destes instrumentos neste estádio, é constituída por : uma peça de madeira mais ou menos espessa, linear ou com um engrossamento no ponto de inserção do cabo, na qual são cravados os dentes (de zambujeiro ou oliveira), 4 ou 6, mais raramente 5, alinhados, paralelos ou convergentes a abrir em leque; e o cabo, disposto de modo que os planos deste e dos dentes formem um ângulo sensível (des. 187). As maiores, geralmente de 6 dentes, são destinadas mais ao movimento de palhas e seu carregamento nos carros – desta última função advem-lhe o nome de carregadeira que lhe dão por Abrantes e Torres Novas –. Nesta região, vêem-se com frequência exemplares com dois tornos cravados no alto do pente da forquilha, dispostos em plano perpendicular ao dos dentes (des. 187 d). Por todo o Nordeste transmontano, onde este utensílio leva o nome de bendo, ele mostra um dispositivo especial que aumenta a capacidade de apoio dos materiais a deslocar. Em certos casos, esse dispositivo consiste em dois arcos de verga sobrepostos, cravados na face do pente oposta à dos dentes, e apoiados, a meio, no cabo (des. 188); noutros casos, esse dispositivo é constituído por três réguas que formam com a base do pente um caixilho (des. 189 a). São, como dissemos, usados para movimentar a palha trilhada nas eiras, e carregá-la no carro – bendeá-la –; e ainda para carregar a folhada para as cortes de animais, donde deriva, naturalmente, a designação, que também levam, de bendo das folhas.

187 – a) Serpa; b) Vila do Bispo, forquilha de pau; c) Ferreira do Alentejo, forquilhão; d) Torres Novas, carregadeira; e) Vila Viçosa, balde, para baldear a palha; f) Salvaterra de Magos, esmoinhadeira; g) Fronteira, Herdade da Samarruda, forquilha de pela

187 – a) Serpa; b) Vila do Bispo, forquilha de pau; c) Ferreira do Alentejo, forquilhão; d) Torres Novas, carregadeira; e) Vila Viçosa, balde, para baldear a palha; f) Salvaterra de Magos, esmoinhadeira; g) Fronteira, Herdade da Samarruda, forquilha de pela

188 – Bendo das folhas – a) Vinhais, Cova da Lua; b) Bragança, Castro de Avelãs

188 – Bendo das folhas – a) Vinhais, Cova da Lua; b) Bragança, Castro de Avelãs

22As forquilhas mais pequenas, de 4 a 6 dentes, utilizam-se sobretudo para atirar a palha ao vento, para a separar do grão. No Alentejo, por exemplo, na limpeza do grão, usam mesmo duas espécies de forquilhas: a forquilha de esgramear (des. 187), empunhada por homens dispostos em linha, que atiram para o ar a palha ainda misturada com o grão, que o vento leva; e a forquilha de pela (des. 187 g) com dentes mais cerrados, utilizada por outro homem que volta a atirar o grão já aventajado por aqueles. No Ribatejo, por exemplo na Chamusca, dão-lhe primeiro uma passagem com a alvaia (forcado de 3 galhos naturais do tipo do desenho 186), seguida de uma segunda passagem com a esmoinhadeira (forquilha de 4 dentes semelhante à do desenho 187 a), e por último de uma terceira, feita com a forquilha de bater palha, do mesmo formato da anterior, mas mais pequena.

189 – a) Miranda do Douro, Constantim, bendo; b) Figueira de Castelo Rodrigo, berenda

189 – a) Miranda do Douro, Constantim, bendo; b) Figueira de Castelo Rodrigo, berenda

190 – a) Ferreira do Alentejo, forcado; b) Vila do Bispo, forcado; c) Montalegre, forcado; d) Celorico de Basto, forcada; e) Terras de Bouro, forcanha; f) Boticas, forcada; g) S. Pedro do Sul, forcado; h) Monsão, forcada

190 – a) Ferreira do Alentejo, forcado; b) Vila do Bispo, forcado; c) Montalegre, forcado; d) Celorico de Basto, forcada; e) Terras de Bouro, forcanha; f) Boticas, forcada; g) S. Pedro do Sul, forcado; h) Monsão, forcada
  • 9 Em Bragança designaram-na espalhadeira de arame; em Miranda do Douro, bendo; em Ovar, gadanho.

23Na sequência destes dois modelos simples difundiram-se outros, com dentes de ferro. Assim, correspondendo ao forcado de madeira, via-se por todo o País – e vê-se ainda sobretudo no Norte– um utensílio semelhante, de dois dentes encurvados e aguçados, com alvado cónico onde entra o cabo de madeira; em certas regiões, ele leva um terceiro dente – a espera – mais pequeno e curvo, oposto aos outros dentes; e existem ainda forcados com três dentes e espera (des. 190). São utilizados principalmente para mover matos e fenos e, sobretudo os de três dentes, também para estrumes (des. 191a); e geralmente são fabricados por ferreiros locais. Mais moderhamente, vulgarizou-se por todo o país a forquilha9 de 4 ou 5 dentes finos e encurvados, de produção industrial (des. 191 b). Além do emprego já referido, ela é também muito usada para espalhar estrume nos campos.

191 – a) Vila Nova de Ourém, forcado; b) forquilha de fabrico industrial

191 – a) Vila Nova de Ourém, forcado; b) forquilha de fabrico industrial

ILHAS ADJACENTES

24Nas ilhas adjacentes, estas alfaias apresentam-se de modo idêntico às suas congéneres continentais. Na ilha de Porto Santo, por exemplo, o forcado é constituido por um cabo quase direito, com 2 dentes compridos divergentes, encurvados e aguçados, fixos por pregos e cintas de chapa (des. 192 c); ao lado deste, vêem-se também forquilhas com dentes espalmados de madeira, espigados numa travessa e dispostos paralelamente, formando um ângulo muito aberto com o cabo (des. 193). Na ilha do Faial, ele é feito dum pau ligeiramente encurvado numa das pontas, a qual é fendida longitudinalmente por dois cortes de cerca de 40 cm de comprimento; as hastes ou dentes daí resultantes são afastados por pequenas pedras de lava que se introduzem na base desses cortes, forçando os dentes laterais a abrir em leque (des. 192 a); na ilha de S. Miguel, a forquilha mostra uma forma idêntica, apenas com a diferença de que os dentes são afastados não por pedras mas por cunhas de madeira (des. 192 b); na ilha Terceira, o forcado tem um pente de 4 dentes em leque, igualmente afastados por cunhas, fixo ao cabo por cintas de chapa (des. 192 d).

192 – Forcados insulares – a) Faial, forcado; b) S. Miguel, forquilha; c) Porto Santo, forcado; d) Terceira, forcado

192 – Forcados insulares – a) Faial, forcado; b) S. Miguel, forquilha; c) Porto Santo, forcado; d) Terceira, forcado

193 – Ilha de Porto Santo–grabanço

193 – Ilha de Porto Santo–grabanço

25Estes instrumentos são também fundamentalmente usados nas eiras, sobretudo durante as debulhas dos cereais de pragana, feitas a trilho, para voltar a palha.

*
* *

26Nestas categorias de alfaias que descrevemos sob as designações genéricas de ancinhos e forcados ou forquilhas, aparecem pois duas séries dentro de cada uma dessas categorias :

271. Instrumentos com dentes de ferro;

282 Instrumentos com dentes de pau – a gancha, de Gemezes; a forcada, de Cinfães; o engaço, de Vinhais; a espalhadeira, de Izeda; o guincho e a tornadeira, do Leste transmontano; a carregadeira, de Abrantes e Torres Novas; o bendo, de Terras de Miranda; etc. –. E, como vimos, pode-se dizer, de um modo muito geral, que os primeiros se usam sempre para os trabalhos da lavoura, enquanto que os segundos, se sem dúvida se usam também para certos trabalhos desse género, mormente para carregar matos, fenos ou estrumes – por exemplo o rastro ou engaço dos fenos, do Nordeste transmontano, e outros –, são porém fundamentalmente os únicos que se usam para os trabalhos das eiras e para carregar palhas.

Notes

1 Ancinho ou encinho são as designações mais gerais; engaço, é vulgar no Minho; rastro, em aldeias fronteiriças do Nordeste transmontano; rastêio, em certas zonas do Algarve; contadeira, em Abrantes; encino, em Aljezur; etc.

2 Esta travessa é designada por costa na Póvoa de Varzim e Cinfães; cêpo, em Caminha; pata, em Celorico de Basto; , em Ovar; travesseiro, no Barroso; marra, em Braga e Vila Nova de Famalicão; mango, em Rio de Onor, Bragança; etc.

3 Na feira de Barcelos aparecem à venda ancinhos do estrume, assim designados por serem utilizados na remoção de estrumes dos currais do gado para os campos. Fles têm geralmente uma travessa muito espessa, 4 dentes de ferro e um reforço de chapa metálica no ponto de inserção do cabo (des. 174 c).

4 Jorge Dias, «Rio de Onor », p. 246.

5 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, "Sistemas de atrelagem dos bois em Portugal”, Lisboa, 1973, pp. 77-78.

6 Para um conhecimento mais pormenorizado destas alfaias ligadas à faina sargaceira veja-se: Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, ”Actividades Agro-Marítimas em Portugal”, pp. 46-67.

7 O nome mais vulgar é gancho; gadancho, no Minho; engaço, na Beira Litoral e Estremadura; caimbo, em Vila do Bispo; picanha, em Vilarinho da Furna; garrancho, em Castelo Branco; etc.

8 Silva Picão, op. cit., p. 337.

9 Em Bragança designaram-na espalhadeira de arame; em Miranda do Douro, bendo; em Ovar, gadanho.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search