Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Foicinhas e foices1

Texte intégral

1) FOICINHA

  • 1 A nomenclatura destas alfaias é extremamente confusa. A foicinha propriamente dita com serrilha é d (...)

1A foicinha é um instrumento extremamente antigo, que precedeu o aparecimento da agricultura, usado nesses primórdios certamente para o corte de espécies espontâneas, e apresentando-se então em madeira com dentes de silex, e, seguidamente, em metal (des. 147). E vemos a sua forma–e utilização – no período medieval, entre nós, numa iluminura. do Calendário do Missal Antigo de Lorvão (séc. XV) (fig. 263).

147 – a) foice neolítica dos arredores de Lisboa (segundo Jean Olivier); b) foice romana (do Museu Nacional de Arqueologia e Etnologia); c) foicinha romano-visigótica, encontrada na necrópole de Terrugem, Eivas

147 – a) foice neolítica dos arredores de Lisboa (segundo Jean Olivier); b) foice romana (do Museu Nacional de Arqueologia e Etnologia); c) foicinha romano-visigótica, encontrada na necrópole de Terrugem, Eivas

148 – Foicinhas de gume serrilhando – a) Alto Alentejo; b) Pampilhosa da Serra; c) Belmonte, Caria; d) Guarda, Rapoula; e) Fafe; f) Bragança, Rio de Onor.

148 – Foicinhas de gume serrilhando – a) Alto Alentejo; b) Pampilhosa da Serra; c) Belmonte, Caria; d) Guarda, Rapoula; e) Fafe; f) Bragança, Rio de Onor.

149 – Foicinhas de gume serrilhado – a) Vila Velha do Rodão (forma antiga); b) Figueira da Foz, Casal Novo; c) Faro, S. Lourenço

149 – Foicinhas de gume serrilhado – a) Vila Velha do Rodão (forma antiga); b) Figueira da Foz, Casal Novo; c) Faro, S. Lourenço

2Hoje, a foicinha apresenta-se fixada em dois tipos fundamentais, cujo elemento diferenciador essencial é a forma do gume, que pode ser : a) serrilhado; b) liso e afiado; em ambos os casos ela compõe-se de um pequeno cabo de madeira, e lâmina curva de ferro.

3Essa característica diferenciada do gume determina, consequentemente, duas formas de actuação funcional. No primeiro caso, o manejo da foicinha é mais lento, porque o corte das gramíneas ou ervas opera-se por serração em gestos compassados : a pessoa empunha a foicinha com a mão direita, agarra com a mão esquerda os materiais, e corta-os num movimento de encontro a si. No segundo caso, esses movimentos são muito rápidos, e os materiais, agarrados igualmente com a mão esquerda, são cortados por golpes disferidos em sentido oposto, isto é, do ceifeiro para o material a cortar.

4A foicinha serrilhada é usada por todo o Portugal continental e insular. A foicinha de gume liso, que geralmente leva um nome diferente – por exemplo, foicinho, em Montedor, Viana do Castelo; gadanha, em Perafita, Montalegre; foice de corte, em Rio de Onor, Bragança – encontra-se sobretudo no litoral minhoto a norte de Viana do Castelo, e por toda a região fronteiriça nortenha. E hoje, na grande maioria dos casos, essa alfaia é mesmo de fabrico espanhol.

150 – Montalegre, Salto – a) gadanho, feito de uma velha lâmina de gadanha, com cabo decorado; b) foicinha de gume serrilhado

150 – Montalegre, Salto – a) gadanho, feito de uma velha lâmina de gadanha, com cabo decorado; b) foicinha de gume serrilhado

5a) A foicinha serrilhada, dentro dessa área geral, mostra algumas diferenças de formato e dimensões (des. 148, 149). O cabo, em madeira, onde a lâmina se insere por um espigão cuja ponta dobra sobre o topo exterior daquele, tem quase sempre um ressalto para melhor firmeza da mão. Em certas partes, e nomeadamente no Barroso, esse ressalto constitui mesmo uma espécie de guarda, que não só ampara a mão, impedindo-a de escorregar ao longo do cabo, mas serve também de protecção aos dedos (des. 150). Por vezes, como por exemplo em Guimarães, Cabeceiras de Basto, Paredes de Coura, e, acima de tudo, no Barroso, não raro, estes cabos são decorados; no Barroso aparecem mesmo exemplares excepcionalmente elaborados, em madeira de buxo, com elementos simbólicos, coroas, escudos, corações, flores, volutas, iniciais, datas, etc. (des. 150, 151). Na Beira Baixa e Alentejo, onde é utilizada sobretudo no corte dos cereais fundamentais da região, o trigo, o centeio e a cevada, ela é geralmente grande e de curva aberta (des. 148 a, b); e encontram-se também foicinhas com esta última forma e dimensões em outros lugares, nomeadamente na região bragançana, associada igualmente ao corte de cereais de pragana (des. 148 f). Nas restantes províncias, a foicinha deste tipo é de menores dimensões, mesmo quando usada na ceifa daqueles cereais. Por vezes, e especialmente para o corte de ervas, ela forma um cotovelo junto ao ponto de encabamento – o joelho – (des. 148 e, 149 c). Em certos casos dispersos – Perais, Vila Velha de Ródão, Ovar, etc. – encontramos este tipo de foicinha com a lâmina curva apenas na ponta (des. 149 a); e esta forma é ali considerada como o modelo mais antigo. Noutros casos ainda – por exemplo S. Lourenço, Faro (des. 149 c) –, a curvatura da lâmina é muito pouco sensível.

151 – Montalegre, Tabuadela. Foicinha de gume liso, com cabo decorado munido de guarda

151 – Montalegre, Tabuadela. Foicinha de gume liso, com cabo decorado munido de guarda

6Quando a serrilha se desgasta, a foicinha é levada ao ferreiro a «picar» de novo. Sujeita ao fogo da forja, a lâmina é seguidamente batida de maneira a adelgaçar o gume, e «picada» a cinzel sobre uma safra, por vezes feita dum femur de bovídeo, ou praça de ferro –Cachopo, Tavira– (des. 152), montada sobre um pequeno banco, firmando-se a foicinha sobre aquela safra por intermédio de correias que se esticam com os pés.

7b) A foicinha de gume liso e afiado, denominada, como dissemos, foicinho, gadanho, etc., apresenta-se sob duas formas essenciais: 1) de pequenas dimensões e cabo curto, com lâmina larga, ponteaguda e muito encurvada, utilizada sobretudo no corte de ervas em prados ou lameiras, em certas regiões do Alto Minho – Viana do Castelo, Caminha, Paredes de Coura– (des. 152 b, c); 2) de formato e dimensões semelhantes à foicinha serrilhada, utilizada no corte do centeio, trigo e mesmo milho (des. 151, 153 a), ocorrendo na região nortenha fronteiriça, e que, na grande maioria dos casos, é de fabrico espanhol. Em certas aldeias do Barroso, contudo, encontramos foicinhas deste tipo feitas por ferreiros locais, que aproveitam para esse efeito velhas lâminas de gadanhas que, depois de afeiçoadas e encurvadas, são cravadas numa delgada barra de ferro espigada no cabo de madeira (des. 150 a)

152 – Tavira, Cachopo. Operação de picagem de foicinhas, e ferramentário empregado

152 – Tavira, Cachopo. Operação de picagem de foicinhas, e ferramentário empregado

153 – Foicinhas de gume liso – a) Montalegre, Tabuadela; b) Viana do Castelo, Carreço; c) Paredes de Coura

153 – Foicinhas de gume liso – a) Montalegre, Tabuadela; b) Viana do Castelo, Carreço; c) Paredes de Coura

2) FOICES

  • 2 A. Haudricourt, ’Faucille-Faux’, "Dictionnaire Archéologique des Techniques”, I, Paris, 1963, p. 43 (...)

8Segundo Haudricourt, a foicinha de gume liso está na origem das foices e da gadanha – esta última de aoarição mais tardia, documentada com segurança apenas a partir da Idade Média, e limitada à Europa2.

9Dentro da categoria geral destas foices, podem distinguir-se 4 tipos fundamentais: 1) foices de cabo curto; 2) foices de cabo comprido; 3) foicinhos de cabo curto; 4) foicinhos ou foições, e gadanhas, de cabo comprido.

154 – Foices de cabo curto – a, b) Régua, Ermida; c) Alcobaça, Moita; d) Celorico de Basto, Tecla; e) Braga, Priscos; f) Vila Nova de Gaia, trinchete; g) Montalegre, Perafita, foucinho

154 – Foices de cabo curto – a, b) Régua, Ermida; c) Alcobaça, Moita; d) Celorico de Basto, Tecla; e) Braga, Priscos; f) Vila Nova de Gaia, trinchete; g) Montalegre, Perafita, foucinho

155 – Roçadouras para limpeza de oliveiras – a) Arraiolos; b) Vila Viçosa

155 – Roçadouras para limpeza de oliveiras – a) Arraiolos; b) Vila Viçosa
  • 3 Podão ou podoa; cutelo ou quitelo, Terras de Basto; trinchete, Gaia; etc.

101) As foices de cabo curto apresentam uma extraordinária riqueza de formas e são denominadas de diversos modos3. No caso mais vulgar, a lâmina é encurvada, com uma parte mais ou menos larga – o peito – seguida de uma volta que pode ser muito ou pouco fechada, munida ora de alvado – o encabadoiro – onde se aplica o pequeno cabo de madeira, ora de um espigão que se crava neste (des. 154). Elas são sempre manejadas com uma só mão. Em certos casos, apresentam um apêndice nas costas, semelhante a uma pequena lâmina de machado (des. 154 c). No Alentejo, as roçadoiras utilizadas para podar (limpar) oliveiras, tomam a forma dum alfange, com alvado em ferro, munido de uma volta de couro para prisão ao pulso (des. 155); ultimamente, elas têm vindo a ser substituidas pela tesoura.

11De uso geral por todo o País, esta foice é especialmente frequente no Noroeste, e muito particularmente na região da vinha de enforcado, onde faz parte da ferramenta diária do trabalhador rural, que a traz pendente do gancho preso ao cinto, sobre a anca. E, antes da difusão da tesoura de podar, a poda das videiras de enforcado fazia-se com este instrumento. Além disso, ela é usada especialmente nas podas de ramos grossos, para cortar e rachar lenha miúda, e, mais raramente, no corte de matos; ela faz igualmente parte da utensilagem corrente na cozinha, para cortar e rachar lenha na lareira.

12Nas podas das vinhas, em certas áreas, como por exemplo na região central e no Alentejo, utilizam um tipo de foice de dupla lâmina, em forma de machada, dum lado, e encurvada e em bico, de gume quase direito, do outro (des. 156).

156 – Foices para poda de vides – a) Estremoz; b) Borba

156 – Foices para poda de vides – a) Estremoz; b) Borba

132) As foices de cabo comprido mostram frequentemente lâminas de formatos semelhantes às anteriores (des. 157, 158, 159 e 160); a diferença mais marcante é a substituição da lâmina das costas por um espigão aguçado, direito ou curvo (des. 157 a, b, 159 b, c), raramente embolado (des. 157 c), que funciona ao jeito de forquilha na remoção das ramagens cortadas, no ensilvar árvores de fruto (proteger os troncos com silvas para impedir que as pessoas trepem para roubar os frutos), etc. O comprimento do cabo varia conforme a natureza do trabalho a que se destina, medindo, em média, entre 1,50 m e 1,80 m; no Alentejo, porém, os cabos das roçadoiras, usadas no corte da vegetação arbustiva, quando se arroteiam terrenos durante largos anos deixados em pousio, são mais curtos, medindo cerca de 70 cm.

157 – Foices de cabo comprido – a) Alcobaça, Moita; b) Coimbra, S. João do Campo; c) Cinfães; d) Vinhais, Cova da Lua; e) Goes, Cimo do Alvem; f) Figueiró dos Vinhos; g) Aljezur, Carrapateira; h) Aveiro, Verdemilho.

157 – Foices de cabo comprido – a) Alcobaça, Moita; b) Coimbra, S. João do Campo; c) Cinfães; d) Vinhais, Cova da Lua; e) Goes, Cimo do Alvem; f) Figueiró dos Vinhos; g) Aljezur, Carrapateira; h) Aveiro, Verdemilho.

158 – Foices de cabo comprido – a) Vila Nova de Gaia, foucisca ou fouce de galho; b) S. João da Pesqueira, fouce; c) Nisa, podão; d) Vila do Bispo, foice roçadoura; e) Grândola, Santa Margarida da Serra, foice roçadoura

158 – Foices de cabo comprido – a) Vila Nova de Gaia, foucisca ou fouce de galho; b) S. João da Pesqueira, fouce; c) Nisa, podão; d) Vila do Bispo, foice roçadoura; e) Grândola, Santa Margarida da Serra, foice roçadoura

159 – Foices de cabo comprido – a) Cantanhede, foição; b) Esposende, foicinho; c) Ponte da Barca, foicinho

159 – Foices de cabo comprido – a) Cantanhede, foição; b) Esposende, foicinho; c) Ponte da Barca, foicinho

160 – Miranda do Douro, Genízio. Roçadeira, com estaca no couce do cabo

160 – Miranda do Douro, Genízio. Roçadeira, com estaca no couce do cabo

161 – Foices para o corte das algas – a) Viana do Castelo, Castelo de Neiva, foicinhão; b) Vila do Conde, Vila Chã, segador

161 – Foices para o corte das algas – a) Viana do Castelo, Castelo de Neiva, foicinhão; b) Vila do Conde, Vila Chã, segador

14De um modo geral, elas são usadas no corte da vegetação de bordas, socalcos, valados, etc., e designadas por foices roçadoiras ou roçadeiras, foicisca (Gaia), calabouço (Quintanilha, Bragança), calhabouço (Leste transmontano, de Bragança a Moncorvo), etc. Nessa área transmontana, elas são, em certos casos, encabadas em varas cujo couce é bifurcado, o que permite cortar essa vegetação com a lâmina e deslocá-la depois com essa forca ou estaca (des. 160). Em certas partes do Minho, nomeadamente em Barcelos e Ponte da Barca, para eliminar os «ladrões» das uveiras, nas ramadas altas, utilizam um instrumento deste tipo – o foicinho –, de pequena lâmina curva e com espigão nas costas (des. 159 c). Em Cantanhede, na limpesa das valas, usam o foição de lâmina direita e comprida (des. 159 a). Na zona ocidental do Alentejo e Algarve, o alvado, contrariamente ao que é vulgar, é facejado (des. 157 g, 158 e) e, em muitos casos, o bico da lâmina é reforçado por forte engrossamento (des. 158 d, e); etc.

  • 4 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, ”Actividades Agro-Marítimas em Port (...)

15Nos locais onde se apanha o sargaço e há penedia, do Rio Lima para o sul até ao Mindelo, usa-se também um instrumento deste tipo para o corte das algas que estão presas às rochas – o foicinhão (Mindelo), fouce (Castelo de Neiva), segador (Vila Chã) – composto de uma lâmina curva e serrilhada, encabada numa vara comprida de cerca de 3 m (des. 161). É utilizado de dentro de barcos ou jangadas no corte das algas submersas, mais ou menos distantes da praia4.

163) O foicinho de cabo curto, conhecido apenas numa área restrita da zona litoral a norte de Viana do Castelo e margens dos rios Âncora, Coura e curso inferior do Minho, onde é designado por foicinho do mato (para o distinguir do pequeno foicinho usado para cortar ervas a que já nos referimos), é um instrumento de lâmina grande, larga e curva, dobrada em cotovelo junto ao ponto de inserção no cabo, que é normalmente torneado e proporcionado à largura da mão (des. 162). Ao contrário do que acontece no resto do País, onde o mato é geralmente cortado com a enxada, naquela zona essa operação faz-se em grande medida com este utensílio. Levado frequentemente ao ferreiro para cabrunhar, ele vai-se tornando mais delgado e leve, e portanto impróprio para o corte do mato; passa então a ser utilizado no corte da erva serradela que é deixada para aproveitamento da semente.

162 – Viana do Castelo, Carreço. Foicinho do mato

162 – Viana do Castelo, Carreço. Foicinho do mato

174) O foicinho de cabo comprido apresenta uma lâmina de formato semelhante ao anterior, e um cabo que permite o seu manejo com as duas mãos. Ele encontra-se fundamentalmente associado ao corte do junco nas zonas confinantes da foz dos rios Minho, Coura e Lima, e litoral correspondente aos concelhos de Aveiro à Figueira da Foz, onde é designado por junqueiro e foição, respectivamente. Feito por ferreiros locais, ele mostra, dentro destas duas zonas, certas diferenças não só na configuração da lâmina, como também na disposição do cabo em relação àquela. Na zona nortenha, a lâmina, quase semi-circular, prolonga-se por uma haste direita, de ferro formando um ângulo obtuso em relação ao plano da lâmina, rematando na metade superior por um cabo de madeira (des. 163). Na zona litoral central ele apresenta três variantes: a) lâmina muito alongada e de curva aberta, alargando na parte central, terminada em bico com gume apenas no terço que corresponde à ponta; é munido de um cabo curto e direito, de secção circular (des. 164 a); b) lâmina alongada, com curvatura que se acentua apenas na base e na ponta, terminando em bico; cabo semelhante ao anterior, um pouco mais comprido (des. 164 b); c) lâmina alongada, de curva regular, terminada em bico; na base forma um joelho, donde parte o espigão que se insere no cabo, que é semelhante ao anterior (des. 164 c).

163 – Viana do Castelo, Mazarefes. Foicinho para cortar junco

163 – Viana do Castelo, Mazarefes. Foicinho para cortar junco

164 – Foices para cortar junco – a) Ovar; b) Aveiro, Canelas, junqueira; c) Figueira da Foz, Gala, foição

164 – Foices para cortar junco – a) Ovar; b) Aveiro, Canelas, junqueira; c) Figueira da Foz, Gala, foição

18Na área a que corresponde o foicinho do mato, de que falamos, aparecem alguns destes espécimes que têm um alvado de ferro em vez do cabo de madeira, ao qual aplicam um cabo de cerca de 60 cm, de modo a poder ser manejado com ambas as mãos. Ele leva então ali o nome de remangão, e é utilizado no corte do mato arnal muito crescido e com caules grossos.

  • 5 João de Andrade Corvo, "Instrumentos e máquinas para a colheita", ap. Manuel Villaverde Cabral, op. (...)

19A gadanha, em Portugal, nunca conseguiu implantar-se como um instrumento essencial nos serviços das ceifas. O interesse por ela manifestado pela Academia Real das Ciências de Lisboa, que, através da «Memória» apresentada em 1810 por Fragoso de Sequeira, recomendava vivamente a substituição das foices tradicionais por este instrumento, não teve o menor sucesso. Andrade Corvo, nos meados do século XIX, observava que as gadanhas se utilizavam apenas nas colheitas do feno, e somente em alguns distritos5. Essa situação pouco se modificou nos nossos dias: no Norte do Pais, e especialmente em Trás-os-Montes, ela continua a ser fundamentalmente usada no corte dos fenos; em certas regiões, e nomeadamente no Noroeste, ela substituiu, mas apenas em certos casos, a foicinha, no corte de ervas nos prados.

20A gadanha é constituida por dois elementos: uma lâmina muito fina, comprida, larga e pouco curva, e um cabo de madeira, direito e comprido, ligados por uma abraçadeira de ferro, ficando a lâmina em ângulo quase recto com o cabo. É manejada de pé, segura por ambas as mãos, a esquerda na extremidade do cabo e a direita numa pega espigada a meio deste (des. 165).

21O processo de afiamento da lâmina – gume batido a martelo sobre uma safra, que geralmente se espeta no chão –, transformando-o numa linha sinuosa e fracturada, coloca este instrumento entre os de gume liso e os de gume serrilhado.

166 – Dedeiras de ceifeiro – a, b) Alentejo; c) Pampilhosa da Serra; d) Sabugal, Aldeia da Ponte

166 – Dedeiras de ceifeiro – a, b) Alentejo; c) Pampilhosa da Serra; d) Sabugal, Aldeia da Ponte

Dedeiras e cabritas

22Ligados à foicinha, usam-se, em diversas partes, dois pequenos instrumentos especiais: dedeiras e cabritas – o primeiro para protecção dos dedos da mão esquerda contra os golpes daquela, o segundo para o seu transporte, suspensa do cinto, atrás –.

23As dedeiras podem ser de várias formas e materiais: a) De cana, geralmente em número de três, correspondentes aos dedos mínimo, anelar e médio, de tamanhos decrescentes, a maior com cerca de 14 cm, a menor com 10 cm de comprimento. As dedeiras deste material fazem-se de um sector de cana do qual um dos extremos é cortado em bisel; a metade do lado oposto é cortada em meia-cana, arredondada na extremidade e com um rasgo disposto no sentido longitudinal, com a forma de dois braços de cruz pateia, para nele enfiar a lâmina da foicinha, quando levada em caminho. Elas são não raro decoradas com motivos figurativos e geométricos (des. 166 a), e constituem muitas vezes objecto de ofertas, mormente dos rapazes às suas namoradas, b) De couro, frequentemente em número de duas, de formato geral cónico – uma maior, para os dedos mínimo, anelar e médio, outra menor para o dedo indicador, presas por atilhos a uma pulseira, igualmente em couro (des. 166 b, c, d, 167 b). c) De chifre, do qual aproveitam a ponta encurvada, presa de igual modo a uma pulseira de couro (des. 167 a).

167 – Dedeiras de ceifeiro – a) Ilha de S. Miguel, Rabo de Peixe; b) Idanha, Monsanto

167 – Dedeiras de ceifeiro – a) Ilha de S. Miguel, Rabo de Peixe; b) Idanha, Monsanto

24As primeiras são extremamente correntes no Alentejo; as segundas aparecem também nesta Província e por toda a metade leste do País; as terceiras encontramo-las sobretudo na ilha de S. Miguel, nos Açores.

25A cabrita é sempre de madeira, não raro paralelipipédica e decorada, com dois rasgos em posição desencontrada, um onde passa o cinto, e outro onde enfia a foicinha (des. 168).

168 – Alentejo. Foicinheiras ou cabritas para suspensão da foicinha

168 – Alentejo. Foicinheiras ou cabritas para suspensão da foicinha

ILHAS ADJACENTES

26Foicinhas – Nos arquipélagos da Madeira e Açores, as foicinhas são geralmente de pequeno formato, de gume serrilhado, lâmina quase direita encurvando apenas no terço final junto à ponta, e com pequeno joelho (des. 169 a, b). Elas correspondem a um modelo continental outrora muito corrente e hoje praticamente extinto.

169 – Ilha da Madeira, Santana – a) foicinha; b) Ilha de Porto Santo, foicinha; c) Ilha do Pico, foice de gume liso

169 – Ilha da Madeira, Santana – a) foicinha; b) Ilha de Porto Santo, foicinha; c) Ilha do Pico, foice de gume liso

170 – Ilha da Madeira, pedôa para lenhas; b) Ilha do Pico, podão

170 – Ilha da Madeira, pedôa para lenhas; b) Ilha do Pico, podão

171 – Foices de cabo comprido – a) Ilha de S. Jorge; b) Ilha de Santa Maria

171 – Foices de cabo comprido – a) Ilha de S. Jorge; b) Ilha de Santa Maria

27Na ilha do Pico usam um tipo especial de foice, de lâmina curva, gume liso, e cabo direito de secção oitavada, de cerca de 25 cm de comprimento (des. 169 c).

28Foices de cabo curto – São usados vários modelos de foices ou podões, – podões, podoas, ou podengas–, que reproduzem formas congéneres continentais (des. 170).

29Foices de cabo comprido – As foices roçadoiras são também semelhantes às continentais (des. 171). Em S. Miguel, a foice, acentuadamente curva, com gancho no lado posterior, e cabo de 1,40 m de comprimento, é utilizada no desbaste de silvas e mato tenro; uma outra foice, do mesmo tamanho, mas menos curva, é empregada na limpeza dos cômoros e corte do mato duro e grosso; outras ainda, de lâmina linear e de maior comprimento, semelhante a um facalhão com cabo de 2 m, são utilizadas no desbaste de abrigos – sebes de faias, incenseiros, etc, com que se protegem os campos contra os ventos dominantes –. Por vezes, o couce do cabo leva um espigão com alvado, em ferro.

  • 6 Carreiro da Costa, "Etnografia Agrícola – Alfaias agrícolas micaelenses”, ’Boletim da Comissão Regu (...)

30As roçadoiras foram também utilizadas como arma de defesa. Uma correição de 1705 mandava reduzir o cabo para 5 palmos, sob pena de prisão e 5 tostões de multa6.

31Dissemos já que em S. Miguel as dedeiras para protecção dos dedos são de chifre.

Notes

1 A nomenclatura destas alfaias é extremamente confusa. A foicinha propriamente dita com serrilha é designada também por foice, seitoura, etc.; nas zonas onde aparece a foicinha de gume liso e afiado, ela leva o nome masculinizado de foicinha, para a distinguir da primeira; mas por foicinho são também designados certos tipos de foice cuja lâmina é, nuns casos, semi-circular, em outros, alongada e de curva mais aberta, utilizados no corte de matos ou de juncos; etc. Por uma questão de método, designamos por foicinha os instrumentos de lâmina estreita e mais ou menos encurvada, de gume serrilhado ou liso, com pequeno cabo de madeira, que se maneja sempre com uma mão, utilizada no corte de cereais e ervas; e por foice, os instrumentos de lâmina mais larga, de gume liso e afiado, que podem ter um cabo curto ou comprido e são manejadas por uma ou as duas mãos.

2 A. Haudricourt, ’Faucille-Faux’, "Dictionnaire Archéologique des Techniques”, I, Paris, 1963, p. 435.

3 Podão ou podoa; cutelo ou quitelo, Terras de Basto; trinchete, Gaia; etc.

4 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, ”Actividades Agro-Marítimas em Portugal”, Lisboa, 1975, pp. 61-62.

5 João de Andrade Corvo, "Instrumentos e máquinas para a colheita", ap. Manuel Villaverde Cabral, op. cit., pp. 216-217.

6 Carreiro da Costa, "Etnografia Agrícola – Alfaias agrícolas micaelenses”, ’Boletim da Comissão Reguladora dos Cereais do Arquipélago dos Açores’, 5, Ponta Delgada, 1947, p. 85.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search