Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Enxadas

Texte intégral

1Os instrumentos usados em Portugal para trabalhar a terra à mão podem ser agrupados, segundo um critério que atende à sua forma e função essenciais, em três espécies fundamentais:

1) Enxadas;

2) Enxadões, alviões e alferces;

3) Sachos.

  • 1 Oliveira Marques, op. cit., p. 98, fala de documentos medievais que mencionam enxadas e enxadões, e (...)

21) Enxadas – A enxada é o instrumento primordial para o trabalho manual da terra, difundida e conhecida largamente em todos os continentes pelos agricultores dos mais diversos niveis, e utilizada nas múltiplas e diversificadas operações que a preparação da terra implica, conforme a sua natureza e tipo de culturas1.

3A enxada consta de uma lâmina de ferro e aço, cheia ou fendida – a pá, aba (Cinfães), ou pata (Barcelos) –, ligada ao olho em que entra o cabo, e disposta obliquamente em relação a este, fazendo com ele um ângulo mais ou menos fechado. O aperto do cabo ao olho é dado por uma cunha, de madeira ou de ferro, ou ainda, além desta, por uma cavilha de ferro – o pescaz ou cavalete (Vagos) –. A pá pode apresentar-se directamente ligada ao olho, ou afastada deste por uma gargantaveio (Cinfães), patilha (Castelo Branco), ou espigão (Santarém) – mais ou menos comprida. À aresta cortante da pá – o gume ou fio (Barcelos) – opõem-se as costas, ombreiras ou orelhas (Cinfães) –. O olho raras vezes é formado por uma parede de igual espessura; frequentemente ele tem uma excrescência –a crista – no lado oposto à pá, utilizada para bater os torrões, e que, quando prolongada, forma mesmo pêtas, que são pequenas lâminas também cortantes.

  • 2 A posição que um cabo curto impõe leva as populações que o usam a entender que só com ele se trabal (...)

4O comprimento do cabo varia mais conforme a natureza da terra e do serviço do que em função da dimensão da lâmina; mas ele é sobretudo ditado por razões culturais relativas à maneira de trabalhar2.

5As enxadas portuguesas podem ser agrupadas em duas categorias, conforme a posição do olho se apresenta em relação à pá ; A) enxadas sem garganta; e B) enxadas com garganta. A linha de distinção, entre estas categorias é difícil de estabelecer; incluimos no primeiro grupo todas as enxadas cujo olho se liga à pá directamente ou por meio de um espigão com menos de 2 cm de comprimento; e no segundo todas aquelas que têm garganta, isto é, um espigão de ligação, que excede mais ou menos essa medida. Dentro de cada uma destas duas grandes divisões, a pá toma formas muito diversas; e é com base na configuração desse elemento que estabelecemos a seguinte classificação geral:

6A) Enxadas sem garganta

1) Enxada de lâmina rectangular, plana ou enconcada, com o gume muitas vezes em curva ligeiramente reentrante;

2) Enxada de lâmina trapezoidal a alargar para o gume;

3) Enxada de lâmina trapezoidal a estreitar para o gume;

4) Enxada de lâmina em forma de segmento circular, com o gume rectilíneo;

5) Enxada de lâmina triangular;

6) Enxada de lâmina em duas facas, formando um U invertido;

7) Enxada de lâmina em forma de ferradura;

8) Enxada de lâmina semelhante aos tipos 1, 2 e 3, mas com pêto aguçado;

9) Enxada de lâmina formada por dois bicos espessos e muito alongados;

B) Enxadas com garganta

10) Enxada de lâmina rectangular;

11) Enxada de lâmina rectangular, com o gume em curva muito reentrante;

12) Enxada de lâmina trapezoidal, a estreitar para o gume;

13) Enxada de lâmina em duas facas;

14) Enxada com a metade frontal da lâmina cortada em dois bicos triangulares.

A – Enxadas sem garganta

1) Enxada de lâmina rectangular.

  • 3 Informam-nos nesta região que esta enxada é ali de origem espanhola, mas introduzida há já muito te (...)

7As enxadas deste tipo, com lados paralelos, encontram-se; em Trás-os-Montes, na zona raiana de Montalegre até ao Mogadouro3 ; na barreira serrana do Alvão e Marão (aqui a par com os tipos 2, das terras ocidentais, e 3, das terras orientais ; ao sul do Douro, na área central do País que se estende entre S. João da Pesqueira e Cinfães, até à Serra da Lousã, a ocidente da Cordilheira Central; no Alentejo e Beira Baixa; e ainda em pontos isolados, por todo o País.

  • 4 O mesmo sucede aliás com todas as enxadas de lâmina larga dos tipos n.os 3, 10, etc. quando coexist (...)

8Em muitas áreas em que esta enxada coexiste com a enxada de ganchos (tipo n.° 9), nomeadamente na região do Alto Douro, dão-lhe o nome de enxada rasa4.

9Em algumas áreas nortenhas, especialmente nos concelhos ribeirinhos do Douro, de Cinfães a Lamego e Régua, a pá é muito alongada, por vezes enconcada, e a curvatura do gume um tanto acentuada, dando lugar a dois bicos –pontas ou gaviões – (des. 108a). Em Cinfães dão o nome de sacholas às enxadas maiores (cerca de 30 x 20 cm), e sachadeiras às mais pequenas, quase sempre menos enconcadas.

108 – Enxadas do tipo 1 – a) Cinfães, Pias; b) Tarouca, Valdevez; c) Vila Real, Granja

108 – Enxadas do tipo 1 – a) Cinfães, Pias; b) Tarouca, Valdevez; c) Vila Real, Granja

10Em vários desses concelhos durienses, de Lamego, Armamar, Tarouca, Tabuaço e S. João da Pesqueira, a lâmina é francamente rectangular e sensivelmente cerrada (isto é, formando um ângulo agudo com o cabo) (des. 108b) ; no concelho de Vila Real, as enxadas deste tipo, utilizadas nas vessadas, têm geralmente uma lâmina de grandes dimensões, enconcada e extremamente cerrada (des. 108c) ; na Beira Baixa, este modelo apresenta-se com o olho desprovido de crista (des. 109 b); no Alentejo ele é muito espesso, lembrando certos tipos de alferces outrora correntes nessa província (des. 109 a).

109 – Enxadas – a) Estremoz; b) Idanha, Proença-a-Velha

109 – Enxadas – a) Estremoz; b) Idanha, Proença-a-Velha

110 – Enxada do tipo 1 – Murtosa, Torreira

110 – Enxada do tipo 1 – Murtosa, Torreira

11Estas enxadas são utilizadas geralmente para cavar terras já mobilizadas por trabalhos anteriores; mas são-no também, onde e quando preciso, na cava de terras mais duras. Na serra de Montemuro, por exemplo, as cavadas feitas nas terras bravas do monte para a sementeira do centeio, eram executadas com elas. Em alguns casos, para determinados trabalhos, preferem-se enxadas com lâminas maiores; assim, em certas regiões arenosas do litoral central –por exemplo a área da Ria de Aveiro até Mira – usam-se, para as surribas (cavas profundas que se fazem periodicamente nesses terrenos arenosos, revolvendo-os até profundidades que atingem cerca de 1 m), enxadas de lâmina de grandes dimensões, e que, além disso, por vezes – sobretudo na zona da Ria – têm o olho cravado já nas costas da lâmina, sem qualquer espigão de ligação (des. 110), que as terras soltas dispensam; aliás, mais para o sul, ao longo do litoral, na área portanto das enxadas com garganta, as enxadas destinadas a terrenos arenosos são desprovidas de garganta; assim sucede, por exemplo, em Mira, na Figueira da Fóz, na Nazaré, em Sintra, etc.

  • 5 De um modo geral, no Mogadouro, Miranda do Douro e Bragança, chamam patarra a uma enxada rasa grand (...)

12No Nordeste transmontano, a enxada rasa – patarra (Bragança) ou sadantcha (Rio de Onor)5 –, destina-se a serviços mais diversificados: abrir galgueiras para plantação de vinhas, regos nas lameiras, cortar estrumes, sachas, etc. (utilizando-se a enxada de ganchos, que com ela coexiste, fundamentalmente para as cavas); e por vezes ela leva mesmo designações específicas: na região de Vinhais, por exemplo, dão o nome de enxada de escaldeirar às enxadas usadas para fazer agueiras (regos) nos lameiros (prados permanentes), ali numerosos; de enxadas preseiras, àquelas que se utilizam na construção, conservação e limpeza das presas; e de enxadas tapadeiras, mais pequenas, àquelas com que tapam ou abrem a água, desviando-lhe o seu curso. Os cabos das primeiras são mais curtos, medindo cerca de 1 m; os das últimas, mais compridos, cerca de 1,30 m.

13Por todo o Alentejo a enxada não tem a importância que conhece no resto do País, cedendo a primazia ao enxadão ou alferce; e o seu emprego restringe-se a certos trabalhos e a terrenos mais arenosos ou de fabrico mais fácil.

14Os cabos destas enxadas, com exclusão de uma zona a sul do Douro próxima daquele rio, a jusante de Lamego, são geralmente curtos, não excedendo 1 m. Apenas nas enxadas destinadas a trabalhos de sachas ou regas esta medida é normalmente ultrapassada. Para tais trabalhos, as lâminas são em regra pequenas.

2) Enxada de lâmina trapezoidal a alargar para o gume.

15A área de difusão da enxada deste tipo estende-se praticamente por todo o Entre-Douro-e-Minho, da beira-mar ao Tâmega, e à região litoral a sul do Douro, pelos concelhos de Vila Nova de Gaia e Vila da Feira até Castelo de Paiva, e mesmo mais para o sul até Estarreja, coexistindo na orla desta área com as de lâmina rectangular.

16Na quase totalidade dos casos, a lâmina é plana ou quase plana, e o gume é direito ou ligeiramente encurvado. O alargamento para o gume é mais ou menos sensível. O olho é sempre guarnecido com uma crista longitudinal (des. 111a), com excepção da região de Basto, em que aparecem enxadas com cristas transversais (des. 111b). As dimensões médias vão de 22 a 25 cm de comprimento, por 18 a 23 cm de gume, nas enxadas para cavar, roçar matos, sachar milho, plantar batatas, etc.; para trabalhos mais leves, como por exemplo sachas de batatas, regas, etc. usam-se sacholas, mais pequenas, mas de forma idêntica.

111 – Enxadas do tipo 2 – Forma das enxadas de Entre-Douro-e-Minho: a) Monção e Braga; b) Celorico de Basto

111 – Enxadas do tipo 2 – Forma das enxadas de Entre-Douro-e-Minho: a) Monção e Braga; b) Celorico de Basto

112 – Enxadas do tipo 3 – a) Boticas; b) Aljezur ; c) Algoz

112 – Enxadas do tipo 3 – a) Boticas; b) Aljezur ; c) Algoz

17Os cabos têm cerca de 1,50 m de comprimento, e são geralmente de eucalipto ou carvalho. Embora sejam por vezes simples varas descascadas, o mais vulgar é serem feitos de sarrafos, arredondados à plaina; na região de Basto, contudo, os cabos são oitavados até uns 35 cm do olho, e redondos daí para cima.

3) Enxada de lâmina trapezoidal a estreitar para o gume.

18A enxada deste tipo ocorre em duas áreas distintas : em toda a província transmontana, exceptuando o Barroso e o Marão e o canto Sudoeste da Província (des. 112 a) ; em todo o Algarve (des. 112 b, c), e no Baixo Alentejo.

19Em ambas as áreas, a sua lâmina é plana ou, sobretudo nos exemplares mais compridos, ligeiramente enconcada, com a linha do gume em curva reentrante; as costas apresentam-se ora em linha recta ora em ângulo obtuso. O olho tem sempre uma crista longitudinal.

20Em Trás-os-Montes, os cabos, de carrasco, lódão, freixo, azinho ou amendoeira brava, são curtos (cerca de 1 m), e formam por vezes um ângulo bastante fechado com a pá.

4) Enxada de lâmina em forma de segmento circular, com o gume rectilíneo.

21Apenas pelas vizinhanças de Aveiro registamos o emprego, na agricultura, da enxada deste tipo.

22A pá tem cerca de 35 cm de comprimento, e liga-se ao olho por um curto espigão. O olho é desprovido de crista (des. 113).

113 – Enxada de apanhar mato do tipo 4 – Aveiro

113 – Enxada de apanhar mato do tipo 4 – Aveiro

23Usa-se exclusivamente para roçar mato, e é mesmo designada por enxada de apanhar mato.

24Um modelo idêntico é empregado em certos casos pelos cantoneiros no arranjo das bermas das estradas.

5) Enxada de lâmina triangular.

25A enxada deste tipo usa-se apenas no canto Sudeste de Trás-os-Montes, nos concelhos de Mogadouro, Moncorvo e Freixo-de-Espada-à-Cinta, atingindo, a Sul do Douro, a vertente voltada a este rio do concelho de Vila Nova de Fozcoa, em coexistência com outras formas.

26A enxada de bico ou sacho de bico, tem uma pá perfeitamente triangular (des. 114). Os vértices posteriores são designados por orelhas (Moncorvo) e loetas (Mogadouro), e o anterior, por bico. Os cabos medem de 80 cm a 1 m, e são frequentemente bastante arqueados.

6) Enxada de lâmina em duas facas, formando um U invertido (des. 115).

27A enxada deste tipo encontra-se na parte oriental do Algarve.

7) Enxada de lâmina em forma de ferradura.

28A enxada deste tipo encontra-se apenas nos concelhos de Penamacor e Sabugal (des. 116). É de fàcção tosca, com os bicos chatos e espessos, e olho sem crista.

29Ela leva ali o nome de gancho e é usada principalmente na cava de vinhas e de terras pedregosas; mas é também utilizada nos trabalhos de arranque de batata, e outros.

114 – Enxada do tipo 5 – Moncorvo

114 – Enxada do tipo 5 – Moncorvo

115 – Enxada do tipo 6 – Faro. Gancho

115 – Enxada do tipo 6 – Faro. Gancho

116 – Enxada do tipo 7 – Sabugal. Gadanho

116 – Enxada do tipo 7 – Sabugal. Gadanho

117 – Enxadas do tipo 8 – a) Celorico de Basto, sachola de cristã; b) Goes, enxada

117 – Enxadas do tipo 8 – a) Celorico de Basto, sachola de cristã; b) Goes, enxada

8) Enxada de lâmina semelhante aos tipos 1, 2 e 3, mas com pêto aguçado.

30As enxadas deste tipo, guarnecidas de pêto comprido, encontram-se com frequência em duas áreas limitadas do País: na região transmontana entre Mirandela e Valpaços, e em Terras de Basto (des. 117 a); e numa zona central, nos concelhos da Lousã, Arganil, Goes, a Norte da serra da Lousã, de Mortágua, Albergaria Velha, etc. (des. 117 b). Elas correspondem a dois tipos de alfaias : no primeiro caso, são sobretudo utilizadas nos trabalhos de rega e sachas, e funcionam como enxada e como sacho; no segundo caso, são utilizadas em cavas de terras moles ou duras, e funcionam como enxada e como alferce ou enxadão.

118 – Enxada do tipo 9 – Guinchas – a) Tarouca ; b) Chaves

118 – Enxada do tipo 9 – Guinchas – a) Tarouca ; b) Chaves

119 – Guinchas – a) Vinhais, Cova da Lua; b) Bragança, Quintanilha ; c) Figueira de Castelo Rodrigo

119 – Guinchas – a) Vinhais, Cova da Lua; b) Bragança, Quintanilha ; c) Figueira de Castelo Rodrigo

31Na primeira zona, as enxadas de pêto não são contudo apenas utensílios para sachas e trabalhos de horta e regas, mas, principalmente pelas Terras de Basto, serviram também de arma, em vez do varapau ou da sachola, que os homens, por quase todo o norte do País, traziam sempre consigo. Para isso, os cabos são geralmente de lodão, e muito compridos.

32Neste tipo de enxada, a lâmina tem, nas várias regiões, o formato da lâmina da enxada rasa aí existente – de lados paralelos, ou a estreitar ou a alargar para o gume, conforme os casos–.

9) Enxada de lâmina formada por dois bicos espessos e muito alongados.

33A enxada deste tipo, cuja forma se assemelha à do bidens romano, caracteriza-se por uma lâmina composta de duas pontas compridas, espessas e aguçadas, saindo dum peito curto e forte (des. 118). O ângulo do cabo com a lâmina é geralmente muito cerrado, e o olho é provido de uma crista curta, frequentemente transversal, em especial na região do Alto Douro. As dimensões vulgares vão de 12 a 16 cm de largura e 30 a 40 cm de comprimento. Os cabos são geralmente de carrasco, amendoeira brava ou lodão, e medem de 80 cm a 1,10 m de comprimento. Em certas regiões do Alto Trás-os-Montes algumas destas guinchas apresentam-se munidas dum pêto laminado des. 119 b ; na parte norte do concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, este tipo de enxada tem uma forma um tanto particular (des. 119c). É ali usada para cavas em terras de gogos (espécie de cascalho duríssimo).

34É conhecida por enxada de ganchos (Mirandela, Moncorvo, Mogadouro, Freixo-de-Espada-à-Cinta, Armamar, etc.), guincha (concelhos do Norte da Província Transmontana), enxadão (Régua, Vila Real).

35É com enxadas deste tipo que são cavadas as vinhas do Alto-Douro, e que, nas restantes áreas, se revolvem as terras mais ásperas; mas também com elas se arrancam batatas em terrenos mais presos, e mesmo se mexem terrenos de horta.

36Usada tradicionalmente no Alto-Douro e Trás-os-Montes, ela aparece porém, em casos raros, e muitas vezes de introdução recente, no Baixo-Douro.

B) Enxadas com garganta.

10) Enxada de lâmina rectangular.

37A enxada deste tipo encontra-se na parte ocidental do País, entre o Tejo e o Vouga (com exclusão da área ocupada pelo tipo 1), onde coexiste com os tipos 11, 13 e 14 ; e ainda numa faixa litorânea a sul do Tejo, até Sines; e, tal como vimos que sucede em certos casos com o tipo n.° 1, designa-se normalmente por enxada rasa (por oposição à de facas, de meia lua ou de bicos, com as quais coexiste em quase toda a sua área), e também enxada de campo (Almeirim), de cavar ou sachadeira, quando é mais pequena (Condeixa).

38Ela distingue-se do tipo 1 pela garganta que, por vezes, é muito comprida. Também neste caso o olho é munido de crista longitudinal, e o cabo, geralmente de zambujo, oliveira, etc., é quase sempre encurvado (des. 120a).

39Esta enxada é usada para toda a espécie de trabalhos, mormente para roçadas, e cavas e sachas em terras mais fáceis; como veremos, para terras secas e duras, utilizam geralmente outros tipos de enxada que com ela coexistem, e sobretudo a de facas (tipo n.° 13).

40No Ribatejo a sul do Tejo, a lâmina é de maiores dimensões e, quando usada nos trabalhos do arroz, muito cerrada (des. 120b) ; na Covilhã ela é deste mesmo formato, mas mais aberta (des. 120c).

41Tal como sucede com a enxada congénere desta, sem garganta (tipo n.° 1), nos terrenos arenosos da beira mar ela é com frequência de grande dimensões ; assim sucede em Verdemilho, Aveiro (des. 121b), em Sines (des. 121a), onde leva o nome de sapaleira, em Cova da Serpe, Figueira da Fóz, onde leva o nome de enxada de estono (de: estonar, rapar a vegetação para o fundo do rego), etc.

11) Enxada de lâmina rectangular, com o gume em curva muito reentrante.

42A enxada deste tipo, vulgarmente conhecido pelo nome de enxada de meia lua, encontra-se no litoral estremenho, entre o Tejo e o Mondego. O seu formato colo ca-a entre uma enxada rasa (tipo 10) e uma enxada de pontas (tipo 13), e usa-se com vantagem em relação à rasa, como vimos, para cavas de terras mais duras, e em especial nas vinhas (Óbidos, Rio Maior, Bombarral, etc.) (des. 122).

120 – Enxadas do tipo 10 – a) Bombarral; b) Montijo; c) Covilhã, Teixoso

120 – Enxadas do tipo 10 – a) Bombarral; b) Montijo; c) Covilhã, Teixoso

121 – Enxadas do tipo 10 – a) Sines; b) Aveiro, Verdemilho

121 – Enxadas do tipo 10 – a) Sines; b) Aveiro, Verdemilho

122 – Enxada do tipo 11 – Caldas da Rainha, Serra

122 – Enxada do tipo 11 – Caldas da Rainha, Serra

12) Enxada de lâmina trapezoidal, a estreitar para o gume.

43A enxada deste tipo ocorre na Beira Alta, a Nascente da barreira serrana.

44A lâmina é ora quase plana ora enconcada, conforme a preferência de quem a utiliza. O olho, também neste caso, é desprovido de crista (des. 123).

13) Enxada de lâmina em duas facas.

45A enxada deste tipo ocorre por toda a Estremadura a Norte do Tejo, até quase ao Vouga, e no Ribatejo, sobretudo também ao Norte do Tejo.

123 – Enxada do tipo 12 – Guarda, Germelo

123 – Enxada do tipo 12 – Guarda, Germelo

124 – Enxadas do tipo 13 – a) Cadaval ; b) Porto de Mós, Mendiga

124 – Enxadas do tipo 13 – a) Cadaval ; b) Porto de Mós, Mendiga

125 – Enxadas de pontas do tipo 14 – a) Coimbra, Souzelas; b) Cantanhede

125 – Enxadas de pontas do tipo 14 – a) Coimbra, Souzelas; b) Cantanhede

46É uma enxada de lâmina de contorno rectangular, com um rasgo central que se estende do gume até cerca de metade do seu comprimento, de garganta forte e alongada, olho com crista longitudinal, e cabo curto, de freixo (Mafra), de cerca de 1 m, geralmente selado (encurvado) (des. 124).

47A largura das pontas varia conforme a natureza dos terrenos : se são presos e com pedras, elas são mais estreitas (Mafra). Na região pedregosa da serra de Aire, o rasgo central alarga progressivamente a partir do gume, de modo a impedir que nas cavas as pedras fiquem encravadas entre as duas lâminas (des. 124b).

14) Enxada com a metade frontal da lâmina cortada em dois bicos triangulares.

48A enxada deste tipo coexiste com os tipos 10, 12 e 13. A lâmina é geralmente maior e mais pesada do que nestes, e, por vezes, tem uma crista piramidal mais ou menos alongada (des. 125).

ILHAS ADJACENTES

49Madeira e Porto Santo – Nas ilhas da Madeira e Porto Santo são usadas formas de enxada correspondentes aos tipos continentais sem garganta n.os 2, 3 e 5. De todas, a mais corrente é a enxada triangular, com lâmina de 25 a 30 cm de comprimento, munida de um cabo curto de cerca de 80 cm a 1 m (des. 126b) ; a enxada, de lâmina rectangular a alargar para o gume, é conhecida em certos lugares da Madeira, nomeadamente em Santana (des. 126a) ; a enxada trapezoidal a estreitar para o gume, por seu turno, é usada em Porto Santo (des. 126c).

126 – Enxadas – a) Ilha da Madeira, Santana; b) Ilha do Porto Santo, enxada de bico; c) idem, enxada larga

126 – Enxadas – a) Ilha da Madeira, Santana; b) Ilha do Porto Santo, enxada de bico; c) idem, enxada larga
  • 6 Jorge Dias, "Nótulas de etnografia madeirense. Contribuição para o estudo das origens étnico-cultur (...)

50Jorge Dias, notando a semelhança existente entre a enxada triangular destas ilhas e o sacho do mesmo formato usado, como vimos, numa área transmontana limitada, designadamente em Moncorvo, aventa a hipótese de uma origem transmontana para esse exemplar insular; mas, ao mesmo tempo, observando a similitude da natureza dos respectivos solos, basáltico da Madeira, e cheio de blocos de ferro nos campos de Moncorvo, sublinha que o formato dessa lâmina parece ser o que melhor se adapta a essas condições do solo6.

51Açores – Na ilha de S. Miguel, a enxada, ali designada pelo nome de sacho, é uma forma regional, de lâmina rectangular, que apresenta a originalidade de um encabadoiro constituído por uma língua de ferro em forma de caleira, de 10 cm de comprimento, que prolonga o alto da pá, e onde entra o cabo, que mede cerca de 75 cm de comprimento; o cabo firma-se aí por um perno de ferro (des. 127 b). Esse encabadoiro forma com a pá um ângulo mais ou menos acentuado – o fechamento do sacho –, conforme o terreno é mais declivoso ou mais plano.

52Nas ilhas Terceira e S. Jorge, a enxada – na segunda designada também por sachoé igualmente uma forma regional, sem paralelo com as enxadas continentais. A lâmina é mais larga que alta, de gume rectilíneo, ombreiras arredondadas e encabadoiro de alvado cónico, de 15 cm de comprimento, formando ângulo com a pá; o cabo mede cerca de 1,20 m de comprimento (des. 127 a).

53Na ilha de Santa Maria, a enxada é igual ao tipo continental n.° 2, de lâmina trapezoidal a alargar para o gume, com olho forte munido de crista longitudinal, e cabo curto, de cerca de 80 cm de comprimento. Na metade inferior do cabo e seu lado superior, tem cravada uma abraçadeira de ferro onde se fixa uma pequena faca, com que se limpa a lâmina da enxada quando se trabalham terras barrentas e pegajosas (des. 128 b).

127 – a) Ilha de S. Jorge, sacho; b) Ilha de S. Miguel, Relva, sacho

127 – a) Ilha de S. Jorge, sacho; b) Ilha de S. Miguel, Relva, sacho

128 – Enxadas – a) Ilha do Faial; b) Ilha de Santa Maria.

128 – Enxadas – a) Ilha do Faial; b) Ilha de Santa Maria.

129 – Ilha Graciosa. Enxada

129 – Ilha Graciosa. Enxada

54Na ilha do Faial, a enxada assemelha-se a uma forma de alferce ou enxadão continentais, de lâmina rectangular, comprida e estreita, com ombreiras arredondadas, de olho munido de crista longitudinal, e cabo de cerca de 1 m de comprimento (des. 128 a).

55Na ilha Graciosa, a enxada, de lâmina rectangular, sem garganta, é munida de um espigão de forma piramidal, muito alongado, formando com a pá um ângulo muito aberto, e cabo de 1,20 de comprimento (des. 129), muito semelhante ao alvião usado nos concelhos a norte da serra da Lousã, referidos no n.° 8.

130 – Ilha do Pico – a) alvião das vinhas; b) alvião

130 – Ilha do Pico – a) alvião das vinhas; b) alvião

131 – Decoração de enxadas, feita a punção – a) Celorico de Basto, Tecla ; b) Cinfães

131 – Decoração de enxadas, feita a punção – a) Celorico de Basto, Tecla ; b) Cinfães

56Na ilha do Pico, estas alfaias, exprimindo de uma maneira muito clara a natureza dos terrenos que são chamadas a laborar, constituem uma forma muito peculiar: designadas por alvião e alvião das vinhas, apresentam-se ambas com uma lâmina triangular, enconcada e sensivelmente encurvada, com cabo de 55 cm de comprimento, formando com a lâmina um ângulo de cerca de 40°. A primeira mostra um olho munido de crista longitudinal (des. 130 b), a segunda um espigão achatado na ponta e igualmente encurvado, de 20 cm de comprimento (des. 130 a) ; lâmina e espigão desenham um arco com cerca de 13 cm de flecha; e, especialmente esta última, como o próprio nome indica, é usada nos trabalhos das vinhas, que se cultivam por entre as fracturas de zonas de lava ou em pequenos tractos de terreno.

* *

57Certas lâminas de enxadas continentais, fabricadas por ferreiros locais, são marcadas com sinetes muito singelos, atestando a marca do seu fabricante ; em várias regiões do norte do Pais, contudo, aparecem exemplares com a face interior profusamente coberta de motivos geométricos ou fitográficos, inscritos a punção (des. 131).

ENXADÕES, ALVIÕES, ALFERCES, PICARETAS

58Estes instrumentos caracterizam-se e distinguem-se das enxadas pela sua forma peculiar, e grande robustez. São utilizados geralmente em surribas ou rompimento de terrenos extremamente duros ou pedregosos, na abertura de covas ou valas, no arranque de raízes ou cepas e, de um modo geral, em todos os trabalhos mais violentos de cavas. Eles utilizam sempre cabos curtos e fortes, oscilando entre 80 cm e 1,20 m.

59Em Portugal continental e insular estas alfaias apresentam uma grande variedade de formas, por vezes bem individualizadas regionaimente, ditadas certamente pela natureza dos trabalhos a que se destinam. Contudo, um mesmo destes nomes designa instrumentos diferentes, e, pelo contrário, um mesmo destes instrumentos é designado por nomes diferentes, conforme as regiões, tornando impossível a sua clara ordenação. Agruparemos por isso estas alfaias, atendendo à sua forma essencial, nas seguintes categorias:

1. Utensílio de lâmina longa e espessa, direita ou encurvada, espalmada a todo
o comprimento ou apenas na ponta, com unha ao jeito de machado;

2. Utensílio de lâmina rectangular muito estreita e alongada, direita ou encurvada, sem unha;

3. Utensílio de lâmina rectangular, geralmente com ombreiras arredondadas, sem unha;

4. Utensílio de lâmina semelhante à anterior, com unha de várias formas;

5. Instrumento de lâmina com a metade frontal cortada em dois bicos triangulares, com unha em forma de cunha ou espigão piramidal;

6. Utensílio de lâmina larga e muito espessa.

601) Esta alfaia, conhecida mais ou menos por todo o País pelo nome de alvião, é fundamentalmente usada em trabalhos agrícolas e sobretudo para abrir covas ou valas em terras pedregosas ou cheias de raízes, para arrancar cepas, etc., para o que se revela extremamente ajustada, desmontando a terra com o bico laminado, muito robusto, e cortando as raízes com a unha, ao jeito de machado. Mais modernamente tem-se difundido uma forma semelhante, de fabrico industrial, que em muitos casos suplanta os modelos tradicionais de fabrico local ou regional (des. 132).

612) Esta alfaia é designada, a norte de Viana do Castelo, por picão, e utilizada na cava de beiradas junto a muros, terrenos duros e difíceis, etc.; em Arouca, por enxadôto, empregada do mesmo modo para «escouçar» terras duras e cortar carqueja entre pedras; em Vila Viçosa, por picarol, com a lâmina encurvada junto ao olho, semelhante a certas formas do tipo 1, e igualmente usada para cavar terras pedregosas; no Algarve, a poente da serra da Foia, por alferce, usada do mesmo modo para cavar terras pedregosas, arrancar cepas, etc. (des. 133).

623) Esta alfaia distingue-se da anterior pelo facto de apresentar ombreiras arredondadas, garganta mais ou menos comprida, e lâmina mais larga. Ela aparece em casos raros numa zona a ocidente da barreira serrana entre o Douro e o Mondego, sobretudo na região vinhateira da Bairrada, onde leva o nome de enxadão, sendo ali usada sobretudo na cava das vinhas – ultimamente substituida pelo farpão–, num modelo mais recente de fabrico espanhol, e para mantear (cavar à manta) ; e usa-se também no Alentejo, onde é conhecida igualmente pelo nome de enxadão (Arraiolos) e pelo de alferce. Na região dos vinhos da Vidigueira, este tipo de alferce – que é extremamente pesado – é igualmente usado na cava das vinhas, tendo substituído a enxada nesse serviço (des. 134).

132 – Alviões do tipo 1 : a) Bragança, Rio de Onor, xadão de pá; b) idern, xadão das cepas; c) idem, xadão (forma antiga); d) Miranda, Malhadas, enxadão ; e) Vinhais, Espinhosela, enxadão; f) idem, patarra; g) Beja, alferce; h) Nisa, cavadeira

132 – Alviões do tipo 1 : a) Bragança, Rio de Onor, xadão de pá; b) idern, xadão das cepas; c) idem, xadão (forma antiga); d) Miranda, Malhadas, enxadão ; e) Vinhais, Espinhosela, enxadão; f) idem, patarra; g) Beja, alferce; h) Nisa, cavadeira

133 – Alviões do tipo 2 : – a) Aljezur, Carrapateira, alvião; b) Arouca, Albergaria das Cabras, enxadoto ou muchel; c) Vila Viçosa, Bencatel, picarol

133 – Alviões do tipo 2 : – a) Aljezur, Carrapateira, alvião; b) Arouca, Albergaria das Cabras, enxadoto ou muchel; c) Vila Viçosa, Bencatel, picarol

134 – Alferces ou enxadões do tipo 3 – a) Montemor-o-Novo, Arraiolos, enxadão; b) Vidigueira, Vila de Frades, alferce; c) Anadia, Moita, enxadão ; d) Almeirim, Raposa, enxadão

134 – Alferces ou enxadões do tipo 3 – a) Montemor-o-Novo, Arraiolos, enxadão; b) Vidigueira, Vila de Frades, alferce; c) Anadia, Moita, enxadão ; d) Almeirim, Raposa, enxadão

634) Esta alfaia é empregada sobretudo nas Beiras e no Alentejo, sendo geralmente designada pelos nomes de enxadão ou alferce de peto. A associação destes dois tipos de lâmina – uma de forma rectangular alongada, robusta e pesada, outra em forma de machado – tornou este utensílio altamente operacional em certos géneros de trabalhos, designadamente no amanho de terras deixadas em pousio durante vários anos, e que por isso se encheram de vegetação arbustiva (des. 135 e 136).

135 – Enxadões do tipo 4 – a) Anadia, Junqueiro, enxadão de pêto; b) Castelo Branco, enxadão de pá e bico; c) idem, S. Vicente da Beira, enxadão ; d) idem, Cabeço do Infante, enxadão

135 – Enxadões do tipo 4 – a) Anadia, Junqueiro, enxadão de pêto; b) Castelo Branco, enxadão de pá e bico; c) idem, S. Vicente da Beira, enxadão ; d) idem, Cabeço do Infante, enxadão

136 – Enxadões do tipo 4 – a) Guarda, Pero do Moço, enxadão de pêta; b) Coimbra, Souzelas, alvião: c) Moura, enxadão : d) Sabugal, enxadão

136 – Enxadões do tipo 4 – a) Guarda, Pero do Moço, enxadão de pêta; b) Coimbra, Souzelas, alvião: c) Moura, enxadão : d) Sabugal, enxadão

137 – Enxadões do tipo 5 – a) Coimbra, Souzelas, enxadão: b) Mealhada, Padrulha, alvião

137 – Enxadões do tipo 5 – a) Coimbra, Souzelas, enxadão: b) Mealhada, Padrulha, alvião

138 – Alferce do tipo 6 – Grandola, Santa Margarida da Serra

138 – Alferce do tipo 6 – Grandola, Santa Margarida da Serra

645) Esta alfaia, do tipo do enxadão, que se encontra pela região da Bairrada até Coimbra, foi, até há pouco, muito usada nas cavas que precediam a plantação dos bacelos, e na própria cava das vinhas. Como já foi notado acerca de outros tipos, ela tem vindo a ser substituída pelos farpões de três dentes, que parecem revelar boas condições nesses trabalhos de cava e granjeio de vinhas (des. 137).

656) No Alentejo, quando a charneca se desmontava à força braçal, utilizava-se o alferce, com a forma geral de uma enxada de lâmina grande e muito espessa, funcionalmente muito ajustado para terrar e desterrar as moreias (des. 138).

66Nos Açores, o alvião é um instrumento muito usado, sobretudo nas ilhas de S. Jorge, Terceira e Graciosa. Ele mostra uma pá rectangular, de ombreiras arredondadas e a estreitar ligeiramente para o gume; e é sempre provido de um bico muito alongado e aguçado, de secção quadrada. O comprimento do cabo regula etnre 70 e 95 cm (des. 139).

67Em Santa Maria conhece-se também uma forma semelhante ao tipo 2 contimental, de lâmina rectangular, comprida e estreita (des. 140).

139 – a) Ilha de S. Jorge, alvião; b) Ilha Terceira, alvião

139 – a) Ilha de S. Jorge, alvião; b) Ilha Terceira, alvião

140 – Ilha de Santa Maria, Almagreira. Enxada

140 – Ilha de Santa Maria, Almagreira. Enxada

SACHOS

68Designamos por sachos os utensílios com que se executam certas operações de afofamento da terra de variadas culturas, especialmente hortícolas, se arranha a sua crosta, se arrancam ervas que crescem entre elas, se aproxima a terra para junto de plantas, ou se afasta, se regularizam regueiras e combros de talhões ; etc.

69Muitos desses utensílios são como enxadas de pá pequena, que segue geralmente o modelo básico da enxada local. Para trabalhos mais cuidadosos e minuciosos, empregam-se sachos com pás de formatos diversos e em regra muito diminutas, e geralmente combinadas com pêtos ou guinchas também de formatos diversos.

141 – a) Vinhais, Cisterna, guinchinhas para o cebolo; b) Celorico de Basto, sacho; c) Miranda do Douro, Genizio, sachico da horta

141 – a) Vinhais, Cisterna, guinchinhas para o cebolo; b) Celorico de Basto, sacho; c) Miranda do Douro, Genizio, sachico da horta

70A forma mais generalizada, e que se encontra praticamente por todo o País (e que é ultimamente, as mais das vezes, de fabrico industrial), é de pá quadrangular, às vezes com ombreiras arredondadas, e tem pêto lanceolado (des. 144 c). Outra forma bastante corrente tem a pá lanceolada, ou – mormente em terras transmontanas – triangular. A sacha de Vila Pouca de Aguiar, Boticas, Chaves e Valpaços, assemelha-se a uma pequena enxada de pá a estreitar para o gume (tal como o tipo de enxada dessa área), e é quase sempre munida de pêto, que pode ser em unha, em bico, ou em unha fendida como a dos martelos (des. 142). De Valpaços para Leste, em Vinhais, Bragança e Miranda do Douro, a pá – que é de formas diversas – combina-se com uma guincha em lugar do pêto. Estes sachos – sachico da horta (Miranda do Douro) (des. 141), gancha (Miranda do Douro), guinchinha (Vinhais), sacho de duas cristas (Chaves) – eram da tradição da região ; mas estão a ser suplantados por sachos idênticos de fabrico espanhol.

142 – Valpaços. Sacho de crista, de crista rachada e de crista de bico

142 – Valpaços. Sacho de crista, de crista rachada e de crista de bico

143 – Sachos do torrão – a) Loures; b) Sintra, Fontanela

143 – Sachos do torrão – a) Loures; b) Sintra, Fontanela

71Além destes instrumentos, que são usados praticamente em trabalhos hortícolas de ordem geral, existem outros sachos para funções mais determinadas:

72Sacho do torrão – É um utensílio de pá estreita e comprida, de lados paralelos ou alargando ligeiramente para o gume, munido de um cabo de 1,10 m de comprimento, utilizado nos concelhos de Leiria e Lisboa para desfazer os torrões e espalhar a terra sobre as margens no momento da sementeira do trigo (des. 143). Não obstante a especificidade do seu uso, lançam mão dele ocasionalmente em trabalhos de horta.

73Sacho das mondas – É um utensílio de pá pequena, geralmente a alargar para o gume (des. 144 a, b); mas existem também exemplares de lados paralelos ou mesmo encurvados, a alargar para o meio; o olho é quase sempre munido de crista, mas que porém por vezes se reduz a um simples anel de igual grossura em toda a volta (des. 144 b). Em casos mais raros, este sacho é ainda munido de pêto lanceolado (des. 144 c). Os cabos são curtos, medindo cerca de 40 a 50 cm e, o utensílio é manejado apenas com uma mão. É o sacho mais generalizado a Sul do Tejo. Como no caso anterior, ele pode ser acidentalmente utilizado também nas hortas; nos raros casos em que tal se verifica, o cabo é de maiores dimensões, atingindo por vezes 1 m.

144 – Sachos da monda do trigo – a) Monchique; b) Beja; c) Mourão

144 – Sachos da monda do trigo – a) Monchique; b) Beja; c) Mourão

145 – a) Maia, cavadeira ou sachadeira ; b) Espinho, sacho; c) Lousã, sacho; d) Cinfães, sachadeira de meter milho

145 – a) Maia, cavadeira ou sachadeira ; b) Espinho, sacho; c) Lousã, sacho; d) Cinfães, sachadeira de meter milho

146 – Sachos – a) Moncorvo ; b) Vinhais; c) Figueira de Castelo Rodrigo ; d) Cinfães ; e) Alfândega da Fé

146 – Sachos – a) Moncorvo ; b) Vinhais; c) Figueira de Castelo Rodrigo ; d) Cinfães ; e) Alfândega da Fé

74Em diversas áreas do País emprega-se, nesses serviços hortícolas, ou sementeiras, um sacho de cabo curto, que se maneja apenas com uma mão. Na corda litoral desde Vila do Conde a Ovar (onde parece ser de introdução recente), ele leva o nome de cavadeira ou sachadeira, e mostra uma pá estreita, de lados paralelos, munida por vezes de um longo pêto lanceolado (des. 145 b). É empunhado com a mão direita, enquanto a esquerda vai enfiando na fenda aberta na terra as plantas previamente estendidas a compasso no terreno. Em outros casos, como por exemplo na Lousã e certas áreas planas do Ribatejo próximas do rio, a lâmina é triangular, sem pêto, e o cabo muito curto (des. 145 c). Pelos concelhos de Cinfães, Castelo de Paiva e Resende, utilizavam para semear o milho uma sachola muito pequena – a sachadeira de meter milho –, com pá de formato quadrangular e cabo curto (des. 145 d).

Notes

1 Oliveira Marques, op. cit., p. 98, fala de documentos medievais que mencionam enxadas e enxadões, e bem assim os cavões – proprietários pobres ou donos de casais e courelas exíguas, que preparavam as suas terras à enxada (ou com um arado de mão). Ver nota 185.

2 A posição que um cabo curto impõe leva as populações que o usam a entender que só com ele se trabalha devidamente: ouvimos gente do Algarve –onde os cabos são curtos e portanto as pessoas trabalham curvadas – comentar depreciativamente uns cavadores do Minho que viram na televisão cavando de corpo direito (porque nesta última Província os cabos são compridos).

3 Informam-nos nesta região que esta enxada é ali de origem espanhola, mas introduzida há já muito tempo, e feita agora pelos ferreiros locais.

4 O mesmo sucede aliás com todas as enxadas de lâmina larga dos tipos n.os 3, 10, etc. quando coexistem com a de ganchos, a de meia-lua, a de facas, etc.

5 De um modo geral, no Mogadouro, Miranda do Douro e Bragança, chamam patarra a uma enxada rasa grande; se ela é de menores dimensões, dizem patarra pequena (Mogadouro), ou enxada (Miranda do Douro). Em Quintanilha, porém, patarra designa uma enxada deste tipo, pequena.

6 Jorge Dias, "Nótulas de etnografia madeirense. Contribuição para o estudo das origens étnico-culturais da população da ilha da Madeira”, Separata da Revista ’Biblos’, vol. XXVIII, pp. 8-9.

Table des illustrations

Titre 108 – Enxadas do tipo 1 – a) Cinfães, Pias; b) Tarouca, Valdevez; c) Vila Real, Granja
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 109 – Enxadas – a) Estremoz; b) Idanha, Proença-a-Velha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 110 – Enxada do tipo 1 – Murtosa, Torreira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 111 – Enxadas do tipo 2 – Forma das enxadas de Entre-Douro-e-Minho: a) Monção e Braga; b) Celorico de Basto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 112 – Enxadas do tipo 3 – a) Boticas; b) Aljezur ; c) Algoz
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 113 – Enxada de apanhar mato do tipo 4 – Aveiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 114 – Enxada do tipo 5 – Moncorvo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 115 – Enxada do tipo 6 – Faro. Gancho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 116 – Enxada do tipo 7 – Sabugal. Gadanho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 117 – Enxadas do tipo 8 – a) Celorico de Basto, sachola de cristã; b) Goes, enxada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 118 – Enxada do tipo 9 – Guinchas – a) Tarouca ; b) Chaves
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 119 – Guinchas – a) Vinhais, Cova da Lua; b) Bragança, Quintanilha ; c) Figueira de Castelo Rodrigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 120 – Enxadas do tipo 10 – a) Bombarral; b) Montijo; c) Covilhã, Teixoso
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 121 – Enxadas do tipo 10 – a) Sines; b) Aveiro, Verdemilho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 122 – Enxada do tipo 11 – Caldas da Rainha, Serra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 123 – Enxada do tipo 12 – Guarda, Germelo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 124 – Enxadas do tipo 13 – a) Cadaval ; b) Porto de Mós, Mendiga
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 125 – Enxadas de pontas do tipo 14 – a) Coimbra, Souzelas; b) Cantanhede
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 126 – Enxadas – a) Ilha da Madeira, Santana; b) Ilha do Porto Santo, enxada de bico; c) idem, enxada larga
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 127 – a) Ilha de S. Jorge, sacho; b) Ilha de S. Miguel, Relva, sacho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 128 – Enxadas – a) Ilha do Faial; b) Ilha de Santa Maria.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 129 – Ilha Graciosa. Enxada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 130 – Ilha do Pico – a) alvião das vinhas; b) alvião
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 131 – Decoração de enxadas, feita a punção – a) Celorico de Basto, Tecla ; b) Cinfães
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 132 – Alviões do tipo 1 : a) Bragança, Rio de Onor, xadão de pá; b) idern, xadão das cepas; c) idem, xadão (forma antiga); d) Miranda, Malhadas, enxadão ; e) Vinhais, Espinhosela, enxadão; f) idem, patarra; g) Beja, alferce; h) Nisa, cavadeira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 133 – Alviões do tipo 2 : – a) Aljezur, Carrapateira, alvião; b) Arouca, Albergaria das Cabras, enxadoto ou muchel; c) Vila Viçosa, Bencatel, picarol
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 134 – Alferces ou enxadões do tipo 3 – a) Montemor-o-Novo, Arraiolos, enxadão; b) Vidigueira, Vila de Frades, alferce; c) Anadia, Moita, enxadão ; d) Almeirim, Raposa, enxadão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 135 – Enxadões do tipo 4 – a) Anadia, Junqueiro, enxadão de pêto; b) Castelo Branco, enxadão de pá e bico; c) idem, S. Vicente da Beira, enxadão ; d) idem, Cabeço do Infante, enxadão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 136 – Enxadões do tipo 4 – a) Guarda, Pero do Moço, enxadão de pêta; b) Coimbra, Souzelas, alvião: c) Moura, enxadão : d) Sabugal, enxadão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 137 – Enxadões do tipo 5 – a) Coimbra, Souzelas, enxadão: b) Mealhada, Padrulha, alvião
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 138 – Alferce do tipo 6 – Grandola, Santa Margarida da Serra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 139 – a) Ilha de S. Jorge, alvião; b) Ilha Terceira, alvião
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 140 – Ilha de Santa Maria, Almagreira. Enxada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 141 – a) Vinhais, Cisterna, guinchinhas para o cebolo; b) Celorico de Basto, sacho; c) Miranda do Douro, Genizio, sachico da horta
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 142 – Valpaços. Sacho de crista, de crista rachada e de crista de bico
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 143 – Sachos do torrão – a) Loures; b) Sintra, Fontanela
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 144 – Sachos da monda do trigo – a) Monchique; b) Beja; c) Mourão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 145 – a) Maia, cavadeira ou sachadeira ; b) Espinho, sacho; c) Lousã, sacho; d) Cinfães, sachadeira de meter milho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 146 – Sachos – a) Moncorvo ; b) Vinhais; c) Figueira de Castelo Rodrigo ; d) Cinfães ; e) Alfândega da Fé
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6772/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 11k

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search