Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Instrumentos para desterroar e alisar a terra

Texte intégral

1O desterroamento dos campos depois das lavras – a que os romanos chamavam a occatio – e o alisamento das terras antes ou depois das sementeiras, fazem-se por vários sistemas fundamentais:

A. por meio da grade (com ou sem dentes);

B. por meio do rastro;

C. por meio da picadeira.

2Estes instrumentos são puxados a gado. Para o simples desterroamento, sem estas alfaias – aliás raro e que se faz a braço, sem auxílio do gado –, usa-se além deles a enxada direita ou virada ao contrário, batendo-se neste caso o torrão com o olho de ferro onde entra o cabo. No Minho, por vezes, as mulheres vão atrás do arado, com a enxada, cavando ou «picando» a leiva que aquele levanta e vira; na região de Lisboa, em Loures e Cascais, usa-se para este efeito o sacho do torrão, de lâmina estreita e comprida, com o qual se desfazem os torrões. Em certas regiões, contudo, usa-se, para esta operação, uma alfaia específica, rudimentar e de tipo arcaico – o maço de desterroar –, de que adiante nos ocuparemos.

3Por vezes as grades não têm dentes, servindo então apenas para alisar a terra. No Alentejo, à grade sem dentes, que desempenha só essa função, dá-se, em muitas partes, o nome de rojão. Noutras partes, o rojão, para esta função, é um simples tronco ou trave grossa e pesada, com uma ou duas argolas a meio, por onde é puxado pelo gado. Em certas áreas, para o mesmo efeito, usa-se a grade vulgar com dentes, mas com estes voltados para cima.

Desterroamento a gado

4a) Grade – A grade, que é o sistema mais usual, consta fundamentalmente de dois, três ou quatro barrotes de madeira – os banzos – ligados por testeiras ou travessas, e onde se cravam os dentes, que são ora em forma de prego ou em forma de faca, hoje mais correntemente de ferro, outrora e ainda em muitos casos de pau. Num dos banzos laterais vê-se uma pega, por onde a grade é ligada ao cambão que se atrela ao gado. A grade leva muitas vezes em cima um pedregulho ou o próprio homem que com ela trabalha, para aumentar o seu peso. É uma alfaia bastante singela, directamente associada ao arado, e que se usa logo a seguir às lavras, mas mais recente que aquele, embora fosse já conhecida dos romanos – a crates –.

77 – Grades do tipo I – a) Braga; b) Mortágua; c) Matosinhos; d) Castelo Branco; e) Sertã; f) Santarém, Alcanhões

77 – Grades do tipo I – a) Braga; b) Mortágua; c) Matosinhos; d) Castelo Branco; e) Sertã; f) Santarém, Alcanhões

5Relativamente a Portugal, a grade mostra, dentro daquela estrutura fundamental, várias categorias que estabelecemos em função essencialmente do número de banzos, do modo de inserção dos banzos e testeiras, do formato geral e carácter do instrumento. Esta diversidade de elementos a que atendemos tornou em certos casos difícil decidir se determinados tipos se deviam considerar categorias independentes ou variantes ou derivados de outros mais gerais. Não é por isso de estranhar que a classificação adoptada contenha deficiências, e mereça reparos. Por essa mesma razão, dada a extrema variedade de formas que esta alfaia apresenta, foi também por vezes difícil decidir em qual das categorias se deviam incluir determinados exemplares, que apresentavam características de umas ou de outras, conforme os elementos considerados.

6Tipo 1 – Grade de quatro banzos estreitos e equidistantes, com as testeiras espigadas nos dois banzos laterais (que ficam com as pontas salientes), e os dois interiores naquelas (des. 77). Os dentes são de pau ou de ferro, às vezes de secção quadrada. De um modo geral, usa-se onde é necessário mobilizar mais os terrenos e prepará-los melhor para as sementeiras, e tanto nos campos pequenos e nos socalcos do Norte do País, como nas terras planas do litoral e nas chãs ou encostas da Estremadura. Nos campos do Mondego, em geral, usam duas grades deste tipo sobrepostas, a de baixo sem dentes, a de cima com os dentes passados entre os banzos da primeira; entre ambas põem uns calços, que graduam a profundidade da gradagem (des. 78).

7É este o tipo mais geral do País a Norte do Tejo. Ocorre sobretudo em todo o Portugal Atlântico, mormente na área do milho, mas, a Nascente, atinge os concelhos de Vila Pouca de Aguiar, Valpaços, Mirandela, Macedo de Cavaleiros, Vila Flor e Alfândega da Fé (aqui, geralmente, a par com outros tipos, e acusando influências destes), seguindo, ao Sul do Douro, pelos concelhos de Lamego, Tarouca, Vila Nova de Paiva, Sernancelhe, Mangualde, Gouveia, Belmonte, atingindo o Sabugal, Penamacor, Fundão, Idanha, Castelo Branco e Vila Velha de Ródão. Ao Sul do Tejo, ela ocorre ainda nos concelhos de Abrantes (em parte) e Coruche.

78 – Montemor-o-Velho. No campo gradam com duas grades sobrepostas

78 – Montemor-o-Velho. No campo gradam com duas grades sobrepostas

8Dentro desta área geral, as dimensões das grades variam bastante; na região de Entre-Douro-e-Minho, essas dimensões são mais constantes: 1,85 m x 75 cm (o que se explica pela semelhança das terras e das práticas agrícolas, e pelo facto de serem sempre puxadas por gado vacum); em Paramos, Espinho, elas são de formato mais alargado: 1,60 x 90 cm; em Albergaria das Cabras, Arouca, elas não ultrapassam por vezes 1,43 m x 87 cm; pela Estremadura, elas são geralmente grandes, com comprimento superiores a 2 m: em Mafra por exemplo, elas medem 2,07 m x 96 cm.

9Os banzos são armados geralmente ao baixo, e as suas secções vão de 4 a 6,5 cm de largura por 6,5 a 8 cm de altura.

10As testeiras raramente têm as faces paralelas; mais correntemente alargam a meio para o exterior da grade, chegando a atingir nesse ponto 20 cm de largura.

11Os dentes, que em tempos passados deveriam ter sido sempre de madeira, geralmente oliveira, vêm sendo em muitas partes substituídos por dentes de ferro. Os dentes de madeira têm a forma de facas de 15 a 20 cm de comprimento e 4 a 5 cm de largura, de dois gumes, voltados na direcção da marcha da grade, cravados e fixados por meio de uma cunha (des. 79 b); quando de ferro, são geralmente laminados (des. 79 a); em certas regiões, designadamente em Condeixa e Pombal, encontram-se também grades com dentes de secção quadrada, inclinados para a frente, ao contrário da vulgar posição perpendicular, parecendo reflectir influências dos dentes das grades do tipo 6. Os dentes de ferro laminados são metidos de cima para baixo, apertados, e têm geralmente uma pequena aba dobrada em ângulo que entra num entalhe dos banzos e fica a facejar; em certos casos, esses dentes rebitam sobre uma anilha ou apertam por meio de porca. O número de dentes varia, naturalmente, com a dimensão da grade, sendo a distância média entre eles de cerca de 25 a 30 cm. Eles são dispostos em posições inteiramente desencontradas de modo a rasgarem a terra uniformemente, geralmente 7 em cada um dos banzos laterias, 6 em cada um dos centrais, e 1 em cada testeira.

79 – Dentes de grade do tipo I – a) dente de ferro; b) dente de pau

79 – Dentes de grade do tipo I – a) dente de ferro; b) dente de pau

12Em certas regiões de transição para outros tipos, nomeadamente Valpaços, Alijó, Idanha, etc., as grades têm um menor número de dentes, parecendo corresponder à sua adaptação a um género de lavoura diferente.

13Raramente este tipo de grade se apresenta sem dentes. Vemo-las, a par das comuns com dentes, apenas numa zona restrita que se estende ao norte do Porto pelos concelhos da Maia e Vila do Conde, frequentemente munidas de 4 tornos na parte central, virados para cima para melhor segurança da pedra com que a carregam; e nos campos do Mondego, a jusante de Coimbra e nas encostas sobranceiras ao rio, onde, como dissemos, empregam na gradagem das terras duas grades sobrepostas, a grade inferior, sem dentes, tem uns tornos, os tabelhões, que ajudam a separá-la da de cima, e servem de prisão à cadeia de ferro que as puxa.

14Na região do Entre-Douro-e-Minho, e litoral da Beira, é quase geral o uso da travessa a ligar os banzos a meio da grade (des. 80) – geralmente uma simples barra de ferro terminada nas pontas por ganchos onde prendem, num dos lados, o cambão, e, no outro, o tornadoiro ou alçadoiro, de pau, ou a rabeira, de corda (des. 81), com que se levanta a grade para a fazer largar a felga e para facilitar as voltas –. Esta travessa é pregada aos banzos pelo lado dos dentes para não se desgastar quando a grade trabalha de costas, alisando a terra. Por razões económicas ela é, por vezes, substituída por um simples arame.

80 – Várias formas de travessas, ganchos e argolas de ferro – a) Braga; b) Celorico de Basto; Tecla; c) Vila Pouca de Aguiar, Bragado; d) Aveiro; e) Matosinhos, Pampelido; f) Nelas, Folhadal; g) Espinho, Paramos; h) Coimbra, S. João do Campo; i) Vila do Conde

80 – Várias formas de travessas, ganchos e argolas de ferro – a) Braga; b) Celorico de Basto; Tecla; c) Vila Pouca de Aguiar, Bragado; d) Aveiro; e) Matosinhos, Pampelido; f) Nelas, Folhadal; g) Espinho, Paramos; h) Coimbra, S. João do Campo; i) Vila do Conde

81 – Tornadoiros de grades de tipo I – a) Braga, tornadoiro: b) Celorico de Basto, raviadoira; c) Aveiro; d) Monção, solinho

81 – Tornadoiros de grades de tipo I – a) Braga, tornadoiro: b) Celorico de Basto, raviadoira; c) Aveiro; d) Monção, solinho

15No concelho de Santarém encontram-se grades com duas travessas a meio dispostas convergentemente, de modo a formar com os banzos laterais um trapézio (des. 77 f). Aqui, as grades são geralmente mais largas no meio que nas extremidades.

82 – Grades do tipo 2 – a b) Tomar; c) Abrantes, Vale de Zeiro

82 – Grades do tipo 2 – a b) Tomar; c) Abrantes, Vale de Zeiro

16Quando se procede à gradagem com a grade de dentes, quer voltada para baixo, a desterroar a terra lavrada, quer de costas, a alisar a terra, a grade leva sempre em cima um ou dois pedregulhos, de maior ou menor peso, conforme a natureza dos terrenos. Na área a que corresponde este tipo, raramente o homem toma o lugar daqueles pedregulhos. Em certas partes do interior do concelho de Aveiro, contudo, o homem, por vezes, instala-se sobre ela, de pé; em Albergaria-a-Velha a travessa é pregada no lado oposto ao dos dentes, ao contrário da regra, para dar ao gradador melhor apoio; ele equilibra-se também com a ajuda do rabeiro. O mais vulgar, contudo, é o gradador seguir atrás da grade, agarrando com a mão esquerda o tornadoiro e com a direita a aguilhada do gado.

17A grade deste tipo corresponde, fundamentalmente, à área do milho. Ela usa-se como dissemos tanto nos campos pequenos ou nos socalcos do Norte, e nos terrenos planos do litoral, como nas encostas e terras baixas da Estremadura (onde a cultura do trigo toma relevo sobre a do milho). Se não é a qualidade dos cultivos nem a configuração dos terrenos cultivados que caracterizam fundamentalmente a área da sua difusão, há uma particularidade que é comum a toda ela, e a que já aludimos: a falta de pousios, a necessidade duma terra mais mobilizada para formas de cultivo intensivo, e uma preparação mais cuidada das sementeiras.

18Tipo 2 – Grade de quatro banços, ou vanzos, pregados a meia madeira ou espigados em dois testinhos ou testeiras. A meio da grade, duas travessas convergentes tornam o conjunto mais resistente e oferecem melhor apoio ao homem que geralmente vai de pé sobre ela. O que caracteriza esta grade e a distingue da do tipo 1 é, além das travessas convergentes, o facto dos banzos não serem direitos, mas formarem ângulo mais ou menos aberto, com o vértice voltado na direcção da marcha da grade (des. 82 e 83). Por vezes, os banzos da frente são mais curtos que os de trás, dando origem a que as testeiras fiquem convergentes e não paralelas. Em muitos casos os banzos não saem fora das testeiras (Tomar, Ourém) (des. 82 a, b, 83); em outros, são salientes os banzos dianteiros (Abrantes) (des. 82 c).

83 – Torres Novas. Grade do tipo 2

83 – Torres Novas. Grade do tipo 2

19As travessas são pregadas sobre os banzos e mostram convergências mais ou menos acentuadas.

20Os dentes – tornos – são geralmente paus redondos de madeira, preferentemente de oliveira, cravados apenas nos banzos, de cima para baixo, ficando salientes também na parte superior, sendo baixados gradualmente, à medida que a parte inferior se desgasta.

21As dimensões são muito variáveis, mesmo dentro da mesma região, conforme o gado que o lavrador possui. Ao sul do Tejo, pelo concelho de Abrantes, as grades deste formato são tiradas por bois, enquanto que para machos as preferem com três banzos apenas. Estas grades têm cerca de 2,50 m de comprimento, e são feitas de tábua de pinheiro, de cerca de 2 a 3 cm de espessura. Em Tomar, juntamente com grades deste formato, e até com outras mais robustas, vêm-se algumas mais pequenas, cujo banzo dianteiro não ultrapassa 1,30 m.

22Este tipo de grade encontra-se pelos concelhos de Ourém, Tomar, Torres Novas, Abrantes, Chamusca e Almeirim.

23Esta grade trabalha em geral terras cuja mobilização é semelhante à daquelas em que trabalham as grades do tipo 1.

24A sua forma peculiar é explicada pela gente da região como sendo a mais própria para se safar das árvores, que ali abundam no meio dos campos; mas supomos que ela se funda antes em razões de ordem meramente cultural.

25Tipo 3 – Grade de três banzos, com as testeiras espigadas nos banzos laterais, mais compridos, e o banzo central mais ou menos curto; ela é geralmente de medianas dimensões, aproximadamente 1,50 m de comprimento por 60 cm de largura, em certos casos sem dentes, ou com dentes raros, muitas vezes de pau (des. 84, 85). Encontra-se nas terras transmontanas ocidentais, do distrito de Vila Real, desde Chaves e Rebordelo, a Norte, até Mirandela e Murça (onde leva sempre o homem sobre ela para lhe aumentar o peso); esta área prolonga-se, a sal do Douro, por Vila Nova de Fozcoa, Penedono, Moimenta da Beira, Trancoso, Celorico da Beira, Guarda, atingindo o Sabugal, até à Sortelha e Proença-a-Nova, Castelo Branco, Figueiró dos Vinhos, Pampilhosa da Serra e Pedrógão, por vezes a par com outros tipos ou variantes; e ainda numa faixa litoral do Sotavento algarvio, de Faro e Olhão a Tavira, subindo depois ao longo do Guadiana, de Castro Marim a Odeleite, também por vezes a par com outros tipos, aqui sempre com dentes de ferro, mais juntos.

84 – Grades do tipo 3 – a) Mirandela, Passos; bc) Chaves, Vilarelho

84 – Grades do tipo 3 – a) Mirandela, Passos; bc) Chaves, Vilarelho

85 – Grades do tipo 3 – a) Chaves; b) Vila Real de Sto. António, Vila Nova de Cacela

85 – Grades do tipo 3 – a) Chaves; b) Vila Real de Sto. António, Vila Nova de Cacela

Sobre o banzo central pousa-se geralmente a pedra que a grade carrega.

26Tipo 4– Grade de quatro banzos espigados nas testeiras, que ficam com as pontas salientes; é mais curta do que as do tipo 1, de um formato geral mais sobre o quadrado, de testeiras e travessas bastante espessas, com cerca de 15 x 8 cm de secção, dispostas de cutelo.

27Ela encontra-se em 2 áreas distintas, mostrando em cada uma delas uma feição peculiar:

28a) No Leste transmontano, no distrito de Bragança, desde Vinhais até ao Douro. Nesta área, a grade raramente tem dentes, e usa-se apenas em terrenos planos e fortes (nas encostas o grão é coberto com o arado sem gradagem prévia), e leva geralmente o homem sobre ela (des. 86). Por vezes cravam um pau a meio da travessa da frente, ao qual o homem se apoia – solta, Moimenta de Vinhais (des. 87 a); pau da cadeia, (Vilarinho da Cova da Lua, Vinhais (des. 87 b); tenedeiro, Rio de Onor, Bragança, ele pode ainda equilibrar-se amarrando-se a uma corda ou a uma verga presa a essa travessa (des. 87 c). As ligações da grade ao cambão e deste ao jugo apresentam certas peculariedades : geralmente não existe argola ou gancho, e uma aselha de corrente atravessa o banzo de frente fixando-se ro tenedeiro (des. 87 a, b); outras vezes, é uma aselha de couro que faz a ligação entre o cambão e um perno de madeira de cabeça larga (des. 87 c); por seu turno, o cambão, em vez de se ligar ao tamoeiro do jugo, liga-se a uma argola de madeira, – a trasga – (des. 87a).

86 – Grade do tipo 4 – Vinhais, Vilarinho da Cova da Lua

86 – Grade do tipo 4 – Vinhais, Vilarinho da Cova da Lua

87 – Ligações do cambão nas grades do tipo 4 – a) Vinhais, Moimenta; b) Vinhais, Cova da Lua;

87 – Ligações do cambão nas grades do tipo 4 – a) Vinhais, Moimenta; b) Vinhais, Cova da Lua;

88 – Bragança, Castro de Avelãs. Zorra para o transporte da grade

88 – Bragança, Castro de Avelãs. Zorra para o transporte da grade

29Em alguns sítios, trilham com ela a palha centeia para alimento do gado.

30Por vezes, para a levar de casa para os campos, usam uma zorra feita dum tronco natural bifurcado, dispensando o seu transporte em carro de bois (des. 88).

31b) No Barlavento algarvio, desde Odesseixe até Faro, com dentes de ferro de secção quadrada, salientes também na parte superior, em substituição dos velhos dentes de azinho ou zambujo, praticamente caídos em desuso. Quando destinada a ser puxada por bois, ela é mais forte e leva cerca de 32 dentes; quando puxada por muares, tem menos dentes (des. 89).

32Tipo 5 – Grade de três banzos, por vezes arqueados, espigados nas testeiras de modo que as pontas destas ficam salientes. Num formato pequeno, ela encontra-se em vários pontos dispersos do Algarve, nomeadamente em Tavira, Albufeira, Portimão, Silves e S. Marcos da Serra (des. 90).

33Tipo 6 – Na região de Coimbra, além do tipo 1, existe, mormente para os arrozais dos alagadiços do Mondego, uma outra grade – agrade de cantos – de forma trapezoidal, formada por quatro cabeiros convergentes, ligados por duas travessas delgadas, com dentes de ferro de secção quadrada, obliquando para a frente (des. 91.) É puxada por um dos cantos da base do trapézio, e leva sempre o homem sobre ela a carregar, segurando-se a um pau espetado na travessa dianteira – o fugueiro –. Por vezes, para maior comodidade do gradador, as grades têm duas pontas de barrote ou simples paus redondos colocados entre os cabeiros centrais.

89 – Grade do tipo 4 – Aljezur

89 – Grade do tipo 4 – Aljezur

90 – Grade do tipo 5 – Tavira

90 – Grade do tipo 5 – Tavira

91 –Grades de cantos do tipo 6 – a) Montemor-o-Velho, Meãs; b) Figueira da Foz, Outeiro do Louriçal

91 –Grades de cantos do tipo 6 – a) Montemor-o-Velho, Meãs; b) Figueira da Foz, Outeiro do Louriçal

92– Grades do tipo 7 – a) S. João da Pesqueira, Hortas do Douro; b) Guarda, Pero do Moço

92– Grades do tipo 7 – a) S. João da Pesqueira, Hortas do Douro; b) Guarda, Pero do Moço

93–Grades do tipo 8 – a) Castro Verde; b) Beja, Herdade da Almocreva

93–Grades do tipo 8 – a) Castro Verde; b) Beja, Herdade da Almocreva

34A cadeia que liga a grade à sola (cambão) prende numa travessa mais estreita, de madeira, ou nos olhais de uma travessa de ferro. Por vezes, numa segunda passagem, a posição normal da grade é invertida, ficando çom os dentes voltados para trás.

35Emprega-se especialmente nos arrozais e, mais raramente, nos campos de milho. Mais que para a própria operação de gradagem da terra, ela serve para a limpar de ervas daninhas.

36Ultimamente, nos arrozais, assiste-se à substituição desta grade por outra – a grade espanhola – com um estrado móvel sob o qual estão cravados os dentes; a sua inclinação – e consequentemente a dos dentes – pode ser graduada, conforme fr convenien te, pelo próprio peso do homem que vai sobre ela.

37Tipo 7 – Grade de dois banzos, fortes e toscos, ligados por duas travessas neles espigadas, ficando aqueles com as pontas muito compridas (des. 92). Nesse rectângulo, formado pelas travessas e a parte dos banzos que elas limitam, dispõe-se frequentemente um pau ou barrote delgado, a meio, paralelamente aos banzos, com as pontas espigadas nas travessas, que serve apenas para melhor apoio da pedra que geralmente se coloca sobre a grade (des. 92 b). Os dentes, normalmente de madeira, são apenas cravados nos banzos. Este tipo encontra-se ao Sul do Rio Douro, nos concelhos de Figueira de Castelo Rodrigo, S. João da Pesqueira, Meda, Pinhel, Almeida e Sabugal; ele distingue-se do tipo 3 não só pela rudeza da facção e grossura dos banzos, mas sobretudo porque a peça central, quando existe, é aqui um simples pau de reforço e apoio da pedra, enquanto que naquele tipo ela é um verdadeiro banzo como os laterais.

38Tipo 8 – Grade de dois banzos muito espessos – as pernas – normalmente encurvados, com dentes de ferro de secção quadrada, sem testeiras, ligados por duas travessas, antigamente de madeira, e agora não raro de ferro. Essas travessas são em muitos casos fixadas apenas a uma das pernas, e atravessam a outra por meio de fura, folgadamente, de modo a permitir a junção das pernas quando a grade não é utilizada, facilitando a sua arrumação e transporte (des. 93).

94 – Extremoz. Rojão

94 – Extremoz. Rojão

95 – Grades do tipo 9 – a) Palmeia, Marateca; b) Montemor-o-Novo, Vendas Novas

95 – Grades do tipo 9 – a) Palmeia, Marateca; b) Montemor-o-Novo, Vendas Novas

39Apresenta dimensões muito variáveis, desde pouco mais de 1 m de comprimento até por vezes 5 m, conforme o fim da gradagem, a terra e o gado que a puxa.

40É o tipo mais corrente no Alentejo onde se encontram os formatos maiores; existe também na serra algarvia, nos formatos mais pequenos.

41Os dentes ficam salientes na face superior, e, à medida que as pontas se desgastam, vão sendo cravados de modo a conservar o conveniente comprimento.

42Em certas terras soltas do Alentejo aparecem por vezes grades sem dentes. Como dissemos, nesta área utiliza-se também o rojão, que consiste num mero tronco, pesado e forte, de azinho, com uma ou duas argolas para atrelar ao gado ou, mais modernamente, aos tractores (des. 94).

43Tipo 9 – Grade de três banzos espessos e toscos, sem testeiras, ligados por duas travessas, e com dentes de ferro (des. 95). Geralmente estes banzos são encurvados.

44Encontra-se no Ribatejo e Estremadura a sul do Tejo, nos concelhos da Moita, Palmela, Setúbal, Alcácer do Sal e Grândola, prolongando-se pelo Alentejo nos concelhos de Montemor-o-Novo, Mora, Ponte de Sor (a par com o tipo 8), Arraiolos, Aviz, Estremoz, Fronteira, Alter do Chão, Gavião, Marvão, etc., e também no Sardoal, Mação e Proença-a-Nova, aqui geralmente a par de outros tipos.

45Tipo 10 – Grade de dois banzos – as pernas ou massas – semelhante à do tipo 8, de pequeno formato, com dentes de ferro de secção quadrada, – e garganta – barrote com as pontas dianteiras em ângulo – fixa aos banzos por parafusos, e à qual se ligam, atrás, o rabo ou rabanejo e, à frente, a vara, cabeça ou lança. A ligação desta última peça faz-se ainda através dum argolão, prolongado por uma curta barra perfurada, que permite graduar a sua altura (des. 96). Em Campo Maior, além deste modelo, existe outro, o rastilho, que se diferencia por ter dois varais em vez de vara ou lança, destinado a ser puxado por uma só besta (des. 97).

96 – Grade com rabo do tipo 10 – Barrancos

96 – Grade com rabo do tipo 10 – Barrancos

97 – Campo Maior. Rastilho ou grade para gradar sementeiras

97 – Campo Maior. Rastilho ou grade para gradar sementeiras

46De uso geral em Barrancos e Campo Maior, junto à raia (prolongando-se pela Estremadura espanhola), ela utiliza-se em Mourão especificamente nos trabalhos das vinhas e, dentro da área apontada, para revolver a camada superior da terra quando o trigo já está nascido, ou para mexer a terra para a fava e o grão, levando o nome de rastilho ou de grade para gradar semente.

47Tipo 11 – Grade de quatro banzos curtos e formato geral sobre o quadrado, e também com dentes de ferro direitos ou inclinados; os banzos exteriores terminam, de um dos lados, numa garganta e com as pontas dianteiras em ângulo para fora (des. 98). Este tipo, com o nome de grade de cantos, aparece no Ribatejo, e Estremadura a Sul do Tejo, a par com o tipo 9, e também para gado muar. A grade é atrelada ao gado por uma das partes da garganta, servindo a outra para a erguer ou sacudir. Este tipo, pequeno e facilmente manejável, usa-se sobretudo para gradar as terras em volta das árvores.

98 – Coruche. Grade do tipo 11, para éguas

98 – Coruche. Grade do tipo 11, para éguas

48Além destes tipos característicos, que correspondem a áreas mais ou menos vastas, contínuas e definidas, aparecem, mormente nas zonas de contacto dessas diferentes áreas, tipos irregulares ou híbridos, e casos únicos ou de invenção pessoal. Assim, por exemplo, em Castanheira de Pera, vimos uma grade de quatro banzos, com o carácter e proporções das do tipo 1, correntes na região, mas com os banzos espigados nas testeiras, como nas do tipo 6; em Alter do Chão e Aviz (aqui a par da grade corrente do Alentejo, do tipo 8), e também em S. Brás de Alportel e Castro Marim, uma grade de três banzos, formando, com as testeiras, um caixilho sem pontas salientes; em Monforte do Alentejo, outra semelhante, mas com ambos os banzos exteriores arqueados para fora; em Escalos de Baixo (Castelo Branco) e em Castro Marim (aqui a par da acima descrita), outra, do mesmo formato da de Alter do Chão, mas com quatro banzos; em Setúbal, uma grade sem testeiras, como as do tipo corrente estremenho ao sul do Tejo, mas com quatro banzos, como a do tipo 8, porém com carácter diverso; em Podence (Macedo de Cavaleiros), uma grade para as vinhas (aliás inventada por um habilidoso local), de pequenas dimensões, de dois banzos grossos, espigados nas testeiras, com dentes em faca, e com duas travessas pregadas sobre os banzos, nas quais se fixavam os varais que a ligavam à besta; em Agrochão (Vinhais), uma outra grade para vinhas lembrava um pequeno e forte rasto, com quatro dentes, no qual se fixava um cabo grosso, a meio, com dois laterais oblíquos; etc.

49b) 12 – Rastro. O rastro é uma alfaia semelhante a um enorme ancinho, formado por uma forte peça de madeira, direita e de secção quadrada, de diverso comprimento, com uma carreira de dentes curtos de ferro, ligada a um temão ou cambo para atrelagem ao gado (des: 99).

99 – Miranda do Douro. Rastão

99 – Miranda do Douro. Rastão

50O homem que grada vai sobre ele, segurando-se a um pau – o tenedeiro – espetado no cambo (des. 100). O rastro encontra-se numa área limitada da ponta nordeste de Trás-os-Montes, na zona raiana de Bragança, e sobretudo em Terras de Miranda, a par com outros rastros mais pequenos, com dentes de pau ou ferro em número variável, e manejados a braço, próprios para outras operações. Os romanos tinham também os dois géneros de raster : um pequeno com quatro dentes e manejável a braço; outro, pesado, puxado a gado. Aliás, em várias regiões portuguesas, existem palavras derivadas deste étimo latino, para designar certos instrumentos de gradagem – não só o rastro ou rastrão mirandês (que em Rio de Onor leva o nome de grade de gantchas), mas também o rastilho alentejano, que, como vimos, é uma grade com rabiça e dois varais.

51É empregado para gradar hortas e linhares, plantações de batatas quando estas começam a nascer, etc.

100 – Bragança, Rio de Onor. Grade de gantchas

100 – Bragança, Rio de Onor. Grade de gantchas

52c ) 13 – Picadeira. A picadeira é uma espécie de trilho de rolos munidos de lâminas de ferro, em número de um a três, montados sobre uma armação rectangular, puxada por animais e, mais recentemente, por tractores, usado como desterroador, e que supomos derivado do trilho comum desse tipo – o plostellum dos romanos– utilizado para a debulha nas áreas onde ocorre a picadeira (des. 101, 102, 103). Esta encontra-se no Ribatejo, em Mafra, Tomar, e em inúmeras partes do Alentejo. Em Nisa, este instrumento –o rascalho–, de introdução recente, é composto por um rodado singelo de 40 cm de diâmetro, com eixo fixo de ferro, e 10 a 12 talas ou teclas de madeira; estas são atravessadas pelo eixo na parte dianteira e a outra extremidade assenta no chão, em linha irregular; e estão munidas de duas facas de ferro, salientes na face inferior cerca de 7 cm (des. 104). Em frente do rodado vê-se um barrote ligeiramente mais comprido que o eixo, ligado a este por dois tirantes de ferro.

101 – Cuba. Rôlo para desfazer a crosta da terra quando o trigo começa a romper.

101 – Cuba. Rôlo para desfazer a crosta da terra quando o trigo começa a romper.

102 – Almodovar. Picadeira

102 – Almodovar. Picadeira

103 – Santarém. Estorrador

103 – Santarém. Estorrador

104 – Nisa. Rascalho para rascalhar o trigo

104 – Nisa. Rascalho para rascalhar o trigo

105 – Maços de desterroar – a) Alcobaça; b) Aljezur

105 – Maços de desterroar – a) Alcobaça; b) Aljezur

53Além do seu emprego como desterroador, este instrumento é ainda muito empregado para arranhar a terra quando o trigo está a nascer.

DESTERROAMENTO A BRAÇO

5414 – Maço. O desterroamento a maço, espécie de grande martelo de pau, de cabo muito comprido, manejado a braço, é um sistema arcaico e hoje muito raro (des. 105). Nessa função, ele é sem dúvida um velhíssimo instrumento, contemporâneo do mais antigo uso do arado, e tem uma área mundial extremamente vasta. O maço aparece já em desenhos rupestres do Bronze, na Suiça, e ocorre na Ásia Oriental, da Índia Anterior ao Tibete, Japão e Indonésia, e, na Europa, da Baviera – figurando numa iluminura das Geórgicas de Nurembergue, de 1502 – a Hamburgo, e da Eslováquia e Hungria à Finlândia. Entre nós, hoje, ele subsiste apenas na.região de Alcobaça, indo até perto do Cadaval e Alenquer, e no Algarve, em Aljezur. Na Benedita, Alcobaça, ele usa-se de Março a Abril, para desfazer os torrões que ficam depois da gradagem, nas terras presas e barrentas.

55« É em geral utilizado para as sementeiras do milho, mas a operação repete-se várias vezes. A primeira é na altura da gradagem. Voltam a desterroar após cairem ar primeiras águas pesadas, antes do milho ter nascido. Depois do milho nascer, nas cavas, também voltam a desterroar.

56Além da cultura do milho usa-se o maço na cultura da batata, do grão-de-bico e do chícharo, sobretudo durante a sacha.

57No Vimeiro só usam o maço na altura da sacha do milho e da batata. Dizem eles que é para fazer pó, isto é, pulverizar os torrões. Em Turquel usam-no nas terras baixas, onde as águas não correm, dando, lugar ao endurecimento da terra e formação de torrões.

58Nesta área é costume haver ’juntadas’ para cavar o milho e também para desterroar, a fim de tomar o trabalho mais divertido e mais rápido, como acontece com várias outras actividades agrícolas entre nós.

  • 1 Jorge Dias, "Occatio”, ’Revista de Etnografia’, 24, Porto, 1969, pp. 275-293.

59Nas Caldas da Rainha também costumam desterroar o chão forte das vinhas. Mas como é um chão muito ’enqueijado’, só se pode desterroar com a enxada de pontas »1.

60O maço, agora, a despeito da sua antiguidade e feição primitiva, não constitui um puro arcaísmo, mas sim um processo especifico, que existe além da gradagem, e para terras onde esta não é inteiramente eficaz. A região onde ele ainda ocorre –Alcobaça–, é mais evoluída do que a serra de Santo António, que lhe fica vizinha, e que é extremamente arcaizante, e onde, a despeito, disso, ele já não existe.

61Embora no conjunto da sua área global o maço apresente certas pequenas diferenças, a simplicidade da sua estrutura torna desnecessário o estabelecimento de qualquer classificação tipológica.

AÇORES

62A grade açoriana corresponde aos tipos continentais 1 e 5: O primeiro, encontra-se nas ilhas de S. Miguel, Santa Maria e Terceira, geralmente com dentes de pau. Em S. Miguel vêm-se alguns exemplares extremamente compridos, por vezes com mais de três metros, mas de largura mediana, à volta de 80 cm (des. 106). Nas ilhas Graciosa, S. Jorge, Pico e Faial, ela apresenta quase sempre os testeiros arqueados – as cabeças ou cabeceiras –, e o seu formato geral é ligeiramente mais alongado do que as suas congéneres do Continente (des. 107). Os dentes são igualmente de madeira, à excepção do que sucede na ilha do Pico, onde, dada a natureza dos terrenos, são de ferro.

106 – Ilha de S. Miguel, Arrifes. Grade

106 – Ilha de S. Miguel, Arrifes. Grade

107 – Ilha de S. Jorge. Grade

107 – Ilha de S. Jorge. Grade

Notes

1 Jorge Dias, "Occatio”, ’Revista de Etnografia’, 24, Porto, 1969, pp. 275-293.

Table des illustrations

Titre 77 – Grades do tipo I – a) Braga; b) Mortágua; c) Matosinhos; d) Castelo Branco; e) Sertã; f) Santarém, Alcanhões
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 78 – Montemor-o-Velho. No campo gradam com duas grades sobrepostas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 79 – Dentes de grade do tipo I – a) dente de ferro; b) dente de pau
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre 80 – Várias formas de travessas, ganchos e argolas de ferro – a) Braga; b) Celorico de Basto; Tecla; c) Vila Pouca de Aguiar, Bragado; d) Aveiro; e) Matosinhos, Pampelido; f) Nelas, Folhadal; g) Espinho, Paramos; h) Coimbra, S. João do Campo; i) Vila do Conde
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 81 – Tornadoiros de grades de tipo I – a) Braga, tornadoiro: b) Celorico de Basto, raviadoira; c) Aveiro; d) Monção, solinho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 82 – Grades do tipo 2 – a b) Tomar; c) Abrantes, Vale de Zeiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 83 – Torres Novas. Grade do tipo 2
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 84 – Grades do tipo 3 – a) Mirandela, Passos; bc) Chaves, Vilarelho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 85 – Grades do tipo 3 – a) Chaves; b) Vila Real de Sto. António, Vila Nova de Cacela
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 86 – Grade do tipo 4 – Vinhais, Vilarinho da Cova da Lua
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 87 – Ligações do cambão nas grades do tipo 4 – a) Vinhais, Moimenta; b) Vinhais, Cova da Lua;
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 88 – Bragança, Castro de Avelãs. Zorra para o transporte da grade
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 89 – Grade do tipo 4 – Aljezur
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 90 – Grade do tipo 5 – Tavira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 91 –Grades de cantos do tipo 6 – a) Montemor-o-Velho, Meãs; b) Figueira da Foz, Outeiro do Louriçal
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 92– Grades do tipo 7 – a) S. João da Pesqueira, Hortas do Douro; b) Guarda, Pero do Moço
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 93–Grades do tipo 8 – a) Castro Verde; b) Beja, Herdade da Almocreva
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre 94 – Extremoz. Rojão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-18.png
Fichier image/png, 112k
Titre 95 – Grades do tipo 9 – a) Palmeia, Marateca; b) Montemor-o-Novo, Vendas Novas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-19.png
Fichier image/png, 201k
Titre 96 – Grade com rabo do tipo 10 – Barrancos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 97 – Campo Maior. Rastilho ou grade para gradar sementeiras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 98 – Coruche. Grade do tipo 11, para éguas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 99 – Miranda do Douro. Rastão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 100 – Bragança, Rio de Onor. Grade de gantchas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 101 – Cuba. Rôlo para desfazer a crosta da terra quando o trigo começa a romper.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 102 – Almodovar. Picadeira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 103 – Santarém. Estorrador
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre 104 – Nisa. Rascalho para rascalhar o trigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 105 – Maços de desterroar – a) Alcobaça; b) Aljezur
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 106 – Ilha de S. Miguel, Arrifes. Grade
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 107 – Ilha de S. Jorge. Grade
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6767/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 20k

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search