Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Alfaia agrícola portuguesa arados

Texte intégral

  • 1 Jorge Dias, “Os arados portugueses e as suas prováveis origens”, Coimbra, (IAC), 1948. Toda a teori (...)
  • 2 Paul Leser, “Entstehung und Verbreitung des Pfluges”, “Anthropos”, Múnster, 1931.

1Jorge Dias no seu trabalho “Os arados portugueses e as suas prováveis origens”1 revendo perante o caso português a classificação bi-partida dos arados segundo um critério morfológico, proposta por Paul Leser – o tipo quadrangular e o tipo krumel (ou de garganta)2 –, estabelece, segundo outro critério morfológico (que se articula com perfeito ajustamento e de modo muito sugestivo, num critério convergente histórico, geográfico-ecológico e funcional) os três seguintes tipos básicos de arados:

  • 3 Mr. Robert Aitken y Lady Barbara Aitken, ‘EI Arado Castellano”, “Anales del Museo del Pueblo Espano (...)

1. o tipo radial (não considerado por Leser, que, baseando-se na hipótese de ele ter possuído originalmente uma garganta, que se transformou num temão3, o inclui no tipo de garganta);

2. o tipo de garganta;

  • 4 Jorge Dias, no seu esquema, estuda o tipo de garganta em primeiro lugar, o quadrangular em segundo, (...)

3. o tipo quadrangular4;

  • 5 Dos arados radiais indianos não possuímos indicações; «mas basta o lugar em que se encontram, sem q (...)

21) Tipo radial. O tipo radial caracteriza-se pelo facto de as três peças estruturais do arado – dente, temão e rabiça – irradiarem do mesmo ponto: a parte traseira do dente; e por possuir um temão simples, em geral rectilíneo, ou, não raro, ligeiramente encurvado, mas nunca composto, que se insere na curva-ângulo da rabiça-dente. É um instrumento extremamente arcaico, nas regiões e casos mais representativos muito pequeno, singelo e leve. A área mundial deste tipo compreende dois grupos fundamentais: o grupo ocidental, abrangendo parte da Península Ibérica (e ilhas dos Açores, Madeira, Canárias, Baleares, e certas zonas sul-americanas), Pirineus e Norte de África, em que, além da sua estrutura radial – e devido a ela – e do temão simples, rabiça e dente são uma peça única (de tal modo que, entre nós, o povo muitas vezes designa tudo por rabiça, não estabelecendo distinção entre esta e o dente) – a rabiça-dente –, que em certos casos, é mesmo em curva aberta, quase sem formar ângulo, e noutros, pelo contrário, em ângulo quase recto, e mostra duas aivecas curtas, estreitas e pouco abertas; e o grupo oriental, localizado no Egipto e na Índia, com rabiças duplas que se unem na relha e formam elas próprias as aivecas, que não são, pois, peças independentes5.

  • 6 Se confrontarmos a área do radial com um mapa do relevo de Portugal que dê as regiões compreendidas (...)
  • 7 « Nalguns pontos do vale do Douro ou vales de afluentes compreendidos na região dos vinhos do Porto (...)
  • 8 Como se depreende das imagens de arados que figuram em sepulturas do século XV, provenientes de Ola (...)

3Em Portugal, o arado radial encontra-se ainda hoje nas terras serranas e planálticas nortenhas (prolongando-se pela Galiza, Sanábria e Leão) : na província transmontana, da Lombada ao Larouco e Barroso; na serra minhota, da Amarela, Soajo e Peneda; nas serras da Lapa e Montemuro, até à Estrela6; etc. –, correspondendo no esquena de Orlando Ribeiro, ao Portugal Transmontano, arcaizante, de terras altas, pobres e secas, que constitui acima de tudo, a zona tradicional do centeio7. Veremos que a sua área originária foi certamente muito mais vasta do que aquela em que ele actualmente ocorre, recobrindo mesmo, possivelmente, o território correspondente a todo o nosso País: encontrava-se, ainda em tempos recentes, no Portugal Atlântico (a que corresponde, em princípio, o tipo quadrangular), e nas terras baixas do litoral até ao Tejo8, seja na sua forma pura seja em modelos híbridos acusando nítidos contactos entre os dois tipos; e mesmo presumivelmente também no Portugal mediterrâneo (a que corresponde o tipo de garganta, que entre nós, como veremos, apresenta um pormenor estrutural que supomos pode entender-se como um resíduo do radial).

  • 9 «O arado radial é um dos arados mais primitivos conhecidos no mundo, e pouco difere do arado gravad (...)

4Jorge Dias fala numa possível origem indo-europeia do tipo radial; mas, por outro lado, considerando que a sua grande simplicidade9 autoriza a hipótese de uma criação múltipla (tanto mais que nos vários sectores da sua área total ocorrem formas diferentes), admite que o arado português que subsiste nessas remotas regiões da montanha e do planalto do Norte e Centro do País, seja um instrumento autóctone (a partir da montanha central, que conheceu grande prosperidade agrícola no período que antecedeu as guerras viriatinas, fundada verosimilmente no conhecimento e uso do arado), explicada por um fenómeno de convergência, ou pelo menos que essas regiões se tenham tomado numa zona de refúgio de um tipo outrora certamente mais difundido.

5Tipo de garganta. Este tipo caracteriza-se fundamentalmente pela existência de uma garganta, peça encurvada e posterior de um temão composto (que se completa pela cabeça), que se insere no dente. A rabiça é uma peça independente, que se insere igualmente no dente, formando com este, nos casos mais típicos, um ângulo recto. O dente é assim a peça básica deste arado, que por isso certos autores denominam arado dental.

6Este arado teria sido inventado pelo habitantes da Mesopotâmia na Idade do Bronze, espalhando-se seguidamente pelo mundo mediterrâneo. Era o arado dos Etruscos, e o que vem representado na iconografia clássica – o arado a que cabe realmente a designação de romano –. A sua área actual compreende o mundo mediterrâneo, a Ásia Menor e várias regiões do Próximo Oriente; e, com menos frequência e em casos esporádicos, certas zonas do Norte e Centro da Europa. Do seu centro originário irradiaria para o Oriente, aparecendo representado nos monumentos de Gandhara, e ocorrendo na Índia, Tailândia, Kan-su, etc.

7Em Portugal ele ocorre, com carácter exclusivo, no sul do País, que no esquema de Orlando Ribeiro corresponde ao Portugal Mediterrâneo – o Algarve e o Alentejo e zonas afins –, de terras secas, pedregosas e quentes, onde se cultivava, e cultiva, fundamentalmente o trigo, e outrora também o centeio, cereais próprios das regiões com essas características.

8O arado de garganta, que é assim o arado mediterrâneo, encontra-se pois, de facto, em Portugal (e Espanha), na área mediterrânea. Mas aqui ele mostra, em muitos casos, um traço que o distingue do seu puro arquétipo mediterrâneo, e que, como dissemos, acusa presumivelmente influências do tipo radial – nomeadamente um curto cotovelo soerguido que prolonga, atrás, o dente, e onde vem prender a rabiça (a qual, embora seja independente do dente, como nos arados mediterrâneos em geral, está assin cravada nesse cotovelo e não propriamente no dente), parecendo talvez constituir o que resta de uma primitiva peça única rabiça-dente, que tipifica o arado radial.

  • 10 Carta de Jorge Dias a André Haudricourt, que este transcreve: André G. Haudricourt e Mariel Jean-Bn (...)

9Jorge Dias, notando que, segundo Schulten, o Algarve foi povoado pelos Tírsenos, aparentados ou pelo menos mostrando afinidades com os Tartéssicos, de além-Guadiana – Tartessos era colónia dos Tírsenos –, e sofreu a influência da civilização desses, que assentava numa agricultura aratória, admite que o arado em causa fosse conhecido no Algarve já antes da dominação romana – e não trazido para cá propriamente pelos Romanos –, embora estes, encontrando aqui o mesmo instrumento que usavam na sua pátria de origem, tenham contribuído decisivamente para a sua difusão. Para lá desta razão puramente histórica, pode-se pensar também num ajustamento funcional deste tipo às lavouras daqueles cereais no Sul; e o nosso Autor nota mais que “para se fazer o temão composto dos arados de garganta, dispõe-se, no Sul, de certas madeiras (sobreiro, azinho, alfarrobeira), que se encontram raramente no Norte, ou que aí nem mesmo existem10.

10Segundo Jorge Dias, em Espanha este tipo mostra dois sub-tipos: o arado dental, que é semelhante ao nosso alentejano e algarvio, e que ocorre sobretudo no Sul e Ocidente do País vizinho, acompanhando a fronteira com Portugal desde alturas de Castelo Branco até Vila Real de Santo António; e o arado de camba, ou castelhano (na terminologia do nosso Autor), que na verdade também possui garganta mas em que não é esta que se insere no dente, mas sim este – e também a rabiça – que fura e se insere na garganta, a qual é assim não só o elemento dominante mas mesmo a parte central do arado, onde se articulam todas as suas demais partes essenciais. O arado castelhano é, em Espanha, o mais importante, ocupando uma grande superfície do País; e encontra-se além disso, segundo Leser, em França e na Itália, na região alpina (e também na Síria e na Abissínia); em Portugal, ele ocorre numa área extremamente reduzida na região fronteiriça de Vilar Formoso, parecendo naturalmente tratar-se de uma incursão, no nosso território, de um instrumento usado na zona confinante do outro lado da raia, que para aqui teria sido trazido possivelmente durante a Idade Média.

  • 11 K. D. White. Agricultural Implements of the Roman World, Cambridge, 1967, p. 127-128.

11K. D. White, na sua obra sobre os arados romanos11, articula estas categorias de instrumentos na classificação essencial que faz dos arados em simétricos (ard) e assimétricos, a que adiante nos referiremos; para este Autor, de facto, os primeiros compreendem : a) arados de camba (beam-ard), em que uma garganta curva (plough-beam, bura-buris) é atravessada por um dente (body) em forma de espada (dentale), no qual está incorporada a rabiça (stilt), e b) arados radiais (body-ard), em que o dente (body) encurta para cima e termina na rabiça (stilt), e é ele próprio atravessado pela garganta (plough-ard). «Estreitamente relacionado com o radial (body-ard) há o arado de garganta (sole-ard), uma alfaia leve característica de zonas secas. Tem um dente estreito horizontal, que em alguns exemplares alarga na parte traseira, ganhando uma forma triangular. A garganta (plough-beam) e a rabiça (stilt) inserem-se separadamente no dente (sole), cujo « calcanhar » usualmente se projecta para fora atrás da rabiça, para permitir que o lavrador faça pressão sobre ele com o pé».

12Para o Autor, as áreas respectivas destas categorias são : arado radial – Portugal, Espanha Ocidental, ilhas Baleares e Canárias, Marrocos, Argélia Oriental, a região alpina meridional, Itália, Jugoslávia, Albânia, Bulgária, Roménia e Anatólia; arado de camba – Centro e Levante espanhol, Sudoeste da França, Norte da Tunísia, Norte da Grécia, Turquia Ocidental, Síria, Líbano, Israel, Transjordânia, Irão; e arado de garganta – Sul da Espanha, Marrocos, Sul da Argélia, Sul da Tunísia, Líbia, Egipto, Sul da Itália, Grécia, Creta, Chipre, e Norte da Turquia. O Autor, verosimilmente, não conhece o caso alentejano e algarvio, ou aceita a opinião de Haudricourt que adiante discutimos.

13Tipo quadrangular – este tipo caracteriza-se por uma estrutura ou esqueleto básico quadrangular : dente e temão (ou apo) horizontais (ou quase), rabiça e teiró verticais (ou quase). Este quadrângulo resulta por sua vez no facto de o temão se inserir não no dente, mas na rabiça, ficando assim paralelo (ou quase) ao dente; e também de a rabiça ser, como nos arados de garganta, uma peça independente do dente, que nele vem espigar, do mesmo modo que naqueles, em ângulo recto nos casos mais típicos; além disso, enfim, as aivecas em regra são largas e abertas.

  • 12 Onde como dissemos – ver Nota 158 –, temos indícios da sua existência aí já no século XVI; o labreg (...)
  • 13 António José Saraiva, “A Cultura em Portugal – Teoria e História – Livro 1 – Introdução Geral”, Lis (...)
  • 14 Jorge Dias explica o florescimento notável deste arado no Portugal Atlântico em geral pela acção da (...)

14O tipo quadrangular encontra-se em duas grandes áreas distintas: a) uma, europeia, localizada no Noroeste deste continente; b) outra, asiática, localizada no Extremo-Oriente, China, Manchúria, Coreia, Japão, Filipinas e Java. Na sua área europeia, ele ocorre primordialmente na Alemanha, Escandinávia, Sul de Inglaterra, Bélgica e Norte de França, e, com carácter menos exclusivo, na Polónia, Roménia, Sul da Rússia, Ucrânia, Cáucaso, atingindo, mais para leste, a Ásia Menor, o Azerbaijan e a Pérsia. E também, formando um núcleo isolado dessa área principal, no norte da Itália e no norte da Espanha, e sobretudo a Galiza, e o Noroeste de Portugal. Na sua área europeia fundamental, o arado quadrangular é pois caracteristicamente o arado do mundo germânico e eslavo, tendo a Bélgica e o Norte da França como limite Sul. No nosso País, ele ocorre essencialmente (embora em certos casos ou zonas ao mesmo tempo que o radial) na faixa ocidental do Entre Douro e Minho, até aos relevos da montanha interior (e, sob formas híbridas, para o Sul do Douro, nas terras planas do litoral da Estremadura12, ou seja, no esquema de Orlando Ribeiro, no Portugal Atlântico, de clima fresco e húmido e terras fundas e humosas, que é a região das culturas intensivas, de regadio, que requerem lavouras fundas, e hoje, basicamente, do milho : de facto, pois, nas terras onde se fixaram os grupos germânicos que invadiram a Península Ibérica no século V d.C.; e Jorge Dias explica-o por uma difusão a partir dessas invasões, nomeadamente dos Suevos, que eram um povo de agricultores e ganadeiros13 (enquanto que os Visigodos – o outro grupo germânico que ali se fixou – formaram sobretudo uma aristocracia senhorial, política e militar) que se estabeleceram na região porque nela encontraram condições ecológicas gerais afins daquelas que conheciam nas terras donde provinham, e onde por isso puderam implantar as suas tradições, costumes e técnicas de trabalho14.

  • 15 K. D. White, op. cit., pp. 132-134, citando esta passagem de Plínio, esclarece (p. 133) que essa fa (...)
  • 16 No tesouro de Szillàgy-Somlyo, que deixaram (os visigodos) na Transilvânia., existem vestígios da s (...)

15Além deste arado assim definido pelas suas características essenciais, Jorge Dias indica outros elementos também de origem germânica da maior importância : a sega, a carreta dianteira, e as rabiças laterais, duplas ou triplas. A sega é uma espécie de espada que vai à frente da relha, a riscar e cortar a leiva, que essa, depois, revolverá. Plínio, ao descrever as várias espécies de relhas que conhece, menciona em primeiro lugar a culter (faca), “nome dado a uma lâmina curva usada para riscar solos muito densos antes de estes serem desfeitos (broken), com cortes que a relha irá morder no decurso da lavra, e para desse modo marcar o caminho para os regos que se seguem. White, embora notando que culter com este significado específico não se atesta em nenhum outro escrito, e que os arados apetrechados com segas eram comuns nas províncias do Norte, onde solos mais pesados as tomavam necessárias, mas não se encontravam na área mediterrânea, julga que com efeito Plínio alude não a uma relha mas a um utensílio que abre a terra – i.e. : uma sega, usada nas primeiras lavras de solos pesados densos ou apertados, para cortar a camada mais alta do solo, e facilitar a subsequente passagem da relha15. E de facto, os Visigodos já a conheciam no século V d.C., na época da grandes invasões16. A sega, que ora é cravada num rasgo do temão (ou apo), acima do bico da relha, firmada por cunhas que, colocadas ora de um lado ora de outro da sua base, a inclinam para o lado que se pretende, ora, em certas zonas, constitui uma alfaia específica e independente do arado – o seitouro ou seitoira –, que o precede imediatamente na lavrada, é que define o rego e corta a leiva, e assegura a largura desta, de modo que, a seguir, o arado a possa virar devidamente. De facto, e efectivamente, é o dente, a relha e as aivecas quem levanta e vira a leiva; mas fazem-no porque a sega a preparou, e seguindo rigorosamente a linha que ela talhou. Ela é portanto indispensável para este género de lavras, e aparece associada a todos os arados que as fazem, completando a sua definição funcional; e nessas zonas em que se usa o seitouro independente, é mesmo este quem dirige a lavrada, e a cuja rabiça – e não à do arado – vai o dono da lavrada a comandar os bois e o trabalho.

  • 17 “Non pridem inventum in Raetia Galliae nd duas adderent tali rotulas, quod genus vocant plaumorati” (...)

16Plínio, na referida descrição de várias espécies de relha, alude também à carreta – o plaumoratum – “uma carriola com duas rodas pequenas” – que se apresenta como um melhoramento a adicionar ao tipo 4 de relha (em forma de espada larga e terminando em bico, para rasgar o solo e cortar o raizame), que fora inventado – “recentemente” em relação ao seu tempo – na área da Récia (i.e., a região que corresponde ao cantão de Grisons, no leste da Suiça): “o dente é agora montado sobre um par de rodas, que ajudam materialmente a vencer a resistência do solo a uma relha mais larga”. “É esta a referência literária mais antiga ao arado pesado, que deveria em breve dominar as lavouras no Noroeste da Europa e que, segundo parece, apareceu em partes desta região antes dos tempos de Plínio”17.

  • 18 Jorge Dias. “Adolfo Coelho e o Arado Virgiliano”, “Miscelânea de Filologia, Literatura e História C (...)

17Vergilio pelo seu lado refere-se a um currus "qual a tergo torqueat imos currus” – uma rabiça para voltar o carro (currus) pelas traseiras –. Segundo Servius, no século IV d.C., o Autor tem em vista um arado com carreta; Jorge Dias, diferentemente, julga que Vergilio chama currus ao arado, numa imagem genérica, livre e poética: primeiro, porque o arado que o Poeta descreve, de temão composto, nunca tem carreta; o arado com carreta (quadrangular), tem rabiça dupla ou tripla, e sega, coisas que Vergilio não descreve; e enfim, não é a rabiça que conduz a carreta, que vai à frente e não atrás18. White é também desta opinião, e, das palavras de Servius, depreende mesmo que os arados romanos comuns no século IV d.C. não tinham rodas: “é possível que o arado com rodas entrasse em uso no norte da Itália no tempo de Sérvio”.

18A carreta, ou carreia, que em Portugal ocorre sempre nos grandes vessadouros, atrelada à frente do arado, além de permitir o emprego de mais que uma junta de bois para o puxar (indispensável nessas – e noutras – lavras pesadas), dá maior firmeza à condução do arado, e neutraliza, com a mobilidade do seu temão decomposto em várias peças curtas que se seguem umas às outras – apo e cambões – os desvios inevitáveis do gado, possibilitando manter-se o rego numa linha direita e certa; e, de um modo geral, toma muito mais fácil o manejo do arado, quando ele dá a volta nos extremos do campo – os cabedulhos – (que são, a final, cavados a enxada). As rabiças laterais, enfim, aparecem também sempre nos arados das vessadas do milho, como elemento necessário para a mais correcta condução de tais arados, e que, ao mesmo tempo, ajudam a melhor virar a leiva (em relação com a assimetria das aivecas, estrutural ou funcional, que a seguir estudaremos). Nos arados quadrangulares portugueses, muitas vezes, a rabiça única originária parece ter sido amputada a meia altura, dela restando apenas um toco – o cabrito –, que ora é uma peça independente cravada no dente como essa rabiça, ora o prolonga atrás num curto cotovelo (que se assemelha àquele a que aludimos, existente na traseira do dente de muitos dos nossos arados de garganta).

19Nos casos de rabiças duplas (que teriam vindo substituir a primitiva rabiça única) estas prendem ora ao cabrito, uma para cada lado, no qual se insere também o temão (des. 35, 49, 58), ora, quando não existe cabrito, no referido cotovelo que prolonga o topo posterior do dente (des. 54-57); neste mesmo caso, por vezes as rabiças são o prolongamento das aivecas. E, num caso e no outro, vê-se não raro um – e por vezes dois – paus passados entre elas e esse cotovelo, para lhes dar maior firmeza (des. 38).

  • 19 Para Haudricourt (André G. Haudricourt et Mariel Jean-Brunhes Delaamarre, “L’Homme et la charrue à (...)

20Nos casos de rabiças triplas, a rabiça central ora forma um bloco único com o dente, que ela prolonga (des. 40/41), ora é uma peça definida independente que está cravada no dente (des. 39,43); As rabiças laterais ora se aplicam às aivecas (ou às alabaças que recobrem estas), de cada lado do dente (des. 32 37), ora são constituídas pelo prolongamento destas (des. 34-36). Por vezes, dente, aivecas e rabiças são talhadas numa peça única – um tronco que, a partir de um certo ponto, é encurvado e fendido longitudinalmente de modo a formar os três elementos: ao meio, o dente-rabiça (central), e aos lados as aivecas-rabiças (laterais) (des. 36)19.

21Nos arados assimétricos de aiveca fixa, com duas rabiças, aquela aonde se fixa o temão, espiga no dente (des. 50), enquanto que a segunda prolonga a aiveca (des. 50). Só quando o temão se insere no alto da rabiça central independente, ou do cabrito, é que estamos perante uma verdadeira estrutura quadrangular.

  • 20 vr Notas 158 e 163, e textos correspondentes.

22De facto, em Portugal, o tipo quadrangular puro é raro, mesmo no Noroeste; as mais das vezes ele manifesta-se apenas nas influências resultantes, como dissemos, da sůa coexistência com o radial que o antecedeu localmente, produzindo hibridismos muito significativos; assim, em regra o esqueleto dente – temão – rabiça (ou cabrito) – teiró, não tem o aspecto de um rectângulo regular (como acontece na Europa germânica); a rabiça (ou rabiças) forma com o dente um ângulo aberto (embora essas duas peças sejam independentes uma da outra), e o temão insere-se pouco acima daquele ângulo, obliquando para o alto. Jorge Dias, apesar disso, incluiu os arados desse género na categoria de híbridos de quadrangulares. E de modo semelhante, tendo em mente que, como vimos, o arado rectangular é de origem germânica, e que aqueles elementos complementares – sega, carreta, e rabiças laterais, duplas ou triplas – igualmente o são, e originariamente estavam decerto ligados aos arados quadrangulares, considerou também, sobrepondo os critérios morfológico e histórico, como híbridos de quadrangulares os árados em que tais elementos ocorrem. Estes elementos porém não são estruturais; e de facto aparecem em todos os arados destinados às lavouras de solos fundos e frescos, que requerem o revolver a terra e o virar da leiva – fundamentalmente os grandes vessadouros do milho, no Noroeste –, que em muitos casos são puramente radiais (embora grandes e possantes, diferentemente do que sucede com os puros desse tipo do Nordeste transmontano e beirão, que são sempre pequenos e leves). E, desse modo, definiu como quadrangulares (híbridos) não só todos os arados do Noroeste com sega, carreta e rabiças duplas ou triplas – esses vessadouros do milho –, mas alargou mesmo a área desse tipo às terras baixas e ocidentais ao sul do rio Douro até à Estremadura, onde existem também arados do tipo radial munidos de carreta – o arado labrego, das grandes lavouras do trigo – (que porém continuam a ter uma rabiça única)20.

23Segundo Jorge Dias, portanto, em Portugal ocorrem – ou ocorriam até épocas muito próximas – os seguintes tipos de arados:

1. Radial – no leste transmontano e beirão;

2. De garganta – no sul mediterrâneo; Castelhano – na região fronteiriça de Vilar Formoso;

3. Quadrangular – no noroeste atlântico e área ocidental afim, do Douro ao Tejo.

24No passado, o quadro era diferente. Antes do século V d.C., – isto é, das invasões germânicas –, existiam apenas dois tipos fundamentais de arados: a) em todo o País, excepto o Sul, o tipo radial, extremamente arcaico, possivelmente de invenção autóctone; b) no Sul, o tipo de garganta, de origem mediterrânea, presumivelmente tartéssica (o qual, porém, também ali, terá sido precedido, em tempos muito remotos, pelo tipo radial). Depois do século V, com as invasões germânicas, difundiu-se no Noroeste, onde os Suevos se fixaram, o arado quadrangular (que era 0 arado desses povos no seu país de origem), numa forma típica, ou que sofreu a influência do radial preexistente; e, a par dele, a carreta, a sega, e as rabiças duplas ou triplas, também de origem germânica, que se aplicaram a esses ou outros arados nas lavras em que esse apetrechamento é necessário ou conveniente.

  • 21 White. op. cit.. pp. 126-128

25K. D. White, na sua obra citada21, usando um critério baseado no seu funcionamento, agrupa os arados em duas categorias fundamentais:

261) arados de rasgar ou romper a terra, ou sejam os arados simétricos no seu desenho, apresentando o mesmo aspecto vistos por uma ou por outra das suas faces. Estes arados atiram a terra para ambos os lados do dente, e são próprios das zonas semi-áridas, onde os cereais germinam em solos regados pelas chuvas do inverno e se desenvolvem na estação seca e quente, e que requerem uma mobilização superficial e lavras pouco profundas (que não arrancam as raízes das plantas perenes, evitando desse modo o deslise dos solos e a erosão eólica excessiva). Esta categoria compreende, de um modo geral, os arados de duas aivecas fixas, e, em relação à classificação de Jorge Dias, abrange não só os arados radiais e de garganta (e “castelhanos”), mas também certos quadrangulares – nomeadamente os pequenos assucos e margeadouros usados no Noroeste para as lavras das terras secas do centeio e do trigo –;

272) arados de revolver a terra, ou sejam os arados assimétricos, que, segundo o Autor, mostram uma aiveca de tábua, larga (e encurvada), assim configurada para voltar e inverter o torrão, ou leiva, removida pela acção combinada da relha e da sega. Estes arados são próprios das regiões mais temperadas, com solos pesados que requerem lavras fundas e o virar da leiva. E podem ser assimétricos pela sua estrutura morfológica – os arados de uma só aiveca fixa (que lavram unicamente para o lado dessa aiveca), ou móvel (que se muda, de cada vez para o lado donde se rasga o rego) – ou pelo seu funcionamento – os arados morfologicamente simétricos, de duas aivecas fixas, mas com sega (e carreta) e rabiças duplas ou tripas, que lavram inclinados, abrindo o rego só para um lado; e, em relação à classificação de Jorge Dias, correspondem aos arados munidos de sega e de rabiças duplas ou triplas (que facilitam a sua actuação só de um lado – e também de carreta, que permite o emprego de várias juntas de bois ao longo de um temão compósito, articulado e alongado) – isto é : os grandes e possantes vessadouros das lavouras do milho, de duas aivecas fixas ou móveis; os arados do litoral central, de uma só aiveca móvel; as aravessas (que são arados de uma só aiveca fixa, lavrando apenas para o lado dessa aiveca); e, acima de tudo, as charruas metálicas também de uma só aiveca móvel (metálica).

28Segundo Leser, no Norte de África, Ásia interior, Índia interior, e bem assim no Sudoeste europeu, os arados são sempre de duas aivecas, de tábuas largas ou paus redondos, ou então sem aivecas, não existindo exemplares assimétricos de uma só aiveca. Esta afirmação porém não é exacta relativamente ao caso português – que aliás Leser conheceu mal –, pois, como referimos, existem entre nós arados de uma só aiveca, que pode ser fixa – a aravessa de Paredes de Coura – ou móvel – na região litoral central –, ou ainda de duas aivecas das quais só uma se fixa (do lado para onde se queira virar a leiva – Paredes de Coura). No grupo extremo-oriental dos arados quadrangulares, estes são sempre de uma só aiveca, e nunca de aivecas duplas.

29A relha assimétrica é rara, mas aparece tanto no Oriente como no Ocidente, principalmente na área dos arados quadrangulares. Em Portugal só a encontramos, até hoje, em Paredes de Coura.

  • 22 André G. Haudricourt e Mariel Jean-Brunhes Delamare, op. cit.

30André Haudricourt22, pelo seu lado, estabelece três categorias fundamentais de arados, que parece ligar numa sucessão genética, e que, tendo em atenção a natureza e características da peça que em cada uma delas desempenha o papel principal, designa :

  • 23 Chambige é a parte curva de um temão composto, a que chamamos garganta. A tradução de arado chambig (...)

311) grupo chambige23, em que o temão é encurvado, e o dente (e a relha) e a rabiça encaixam na garganta, na base desta; e em que a extremidade inferior da rabiça se fixa no dente;

322) grupo rabiça-dente (manche-sep), em que a rabiça e o dente são uma só peça; o temão pode ser direito ou encurvado na extremidade posterior, e atravessa aquela peça em alturas e formando ângulos diferentes;

332) grupo dental, em que a rabiça e o temão (direito ou encurvado) encastram no dente, mas cada um separadamente do outro.

34Além destes três grupos, que, todos eles, compreendem arados singelos, de uma só rabiça e de estrutura triangular, e simétricos (próprios para lavra de terras secas, há ainda o:

354) grupo quadrangular (que resulta dos triangulares, como última fase da sua evolução), em que a estrutura básica se compõe de um temão direito e horizontal, um dente também horizontal, uma rabiça vertical encaixada no dente na sua extremidade posterior – portanto, como já notámos, independente deste –, e uma teiró vertical. Este grupo compreende arados simétricos (com aivecas fixas), e assimétricos, morfologicamente (com uma só aiveca fixa, ou com uma ou duas aivecas móveis – estes equiparados às charruas –), ou funcionalmente, munidos de sega, carreta, e rabiças laterais, duplas ou triplas (próprias de lavras fundas, que requerem o virar da leiva), que os completam.

  • 24 «... e a diversidade provém sobretudo de: circunstâncias locais – material utilizável para o arado (...)

36Este autor, analizando o caso português com base num critério diferente, discorda de Jorge Dias, e entende que em Portugal, na categoria dos instrumentos simétricos – que como vimos, compreende os arados radial e de garganta, e alguns quadrangulares – existem diversas variantes mas não diversos tipos de arados: excepção feita do arado chambige, observado na região de Vilar Formoso – e que, como dissemos, Jorge Dias denomina castelhano –, todos os arados portugueses simétricos devem considerar-se do tipo rabiça-dente (manche-sep)24 que mostra muitas vezes, no Noroeste, rabiça dupla ou tripla, e carreta (e sega); e de facto, no seu livro, os mapas de repartição dos nossos arados dentro das três categorias estabelecidas, consagram esta opinião : em Portugal, vêem-se apenas arados rabiça-dente. Desse modo, na visão de Haudricourt, em Portugal a categoria rabiça-dente compreende, do esquema de Jorge Dias, não só os arados do tipo radial, mas também os arados do Sul mediterrâneo, do tipo de garganta, e os do Noroeste, do tipo quadrangular, simétricos ou assimétricos.

37No que respeita aos arados de garganta, de Jorge Dias, supomos que a opinião de Haudricourt se funda na existência do cotovelo traseiro que prolonga o dente, conforme dissemos, e ao qual a rabiça se prende em vez de se cravar propriamente no dente, e que com efeito parece representar o resíduo de uma rabiça-dente anterior; além disso, nos arados de garganta mediterrâneos mais típicos, ou dentais, a rabiça é não apenas uma peça independente do dente, mas, como dissemos, crava-se mesmo nesta verticalmente em ângulo recto (com uma mãozeira horizontal nela atravessada), enquanto que na maioria dos nossos arados de garganta, esse cotovelo – e a rabiça que o prolonga – forma com o dente um ângulo muito aberto. Na verdade, porém, nos arados da área mediterrânea portuguesa, a garganta existe indubitavelmente, em termos perfeitamente idênticos aos que caracterizam e que ocorrem nos arados que Haudricourt denomina do tipo dental atrás definido: com um temão composto de garganta curva cravada a meio do dente, e a cabeça direita a ela ligada; aliás, o cotovelo que prolonga o dente ocorre muito correntemente, mas não sempre. Portanto, sem recusar a argumentação de Haudricourt quando este Autor sustenta que, como regra, não existe o tipo dental puro em Portugal (de rabiça independente cravada verticalmente no dente) e que os arados que Jorge Dias considera de garganta são ainda, em muitos casos, do tipo básico rabiça-dente (manche-sep), damos apesar disso razão ao nosso Autor no que se refere à sua afirmação da existência efectiva, no sul do País, de arados de garganta, admitindo todavia que antes da sua implantação na região, tivesse aí existido o arado radial, que naqueles deixou vestígios da sua estrutura. E, para lá das diferenças de que Haudricourt fala entre os arados de garganta portugueses e os que vêm representados em moedas romanas, não vemos razões para recusar a hipótese histórica de Jorge Dias, que considera de origem mediterrânea pré-romana o arado que foi usado na área mediterrânea portuguesa, e que morfologicamente se assemelha, nas suas linhas essenciais, ao arado conhecido em Tartessos, a quem o Algarve se ligava por importantes laços culturais.

  • 25 Note-se que é precisamente por atender à estrutura dos arados desta categoria que Haudricourt lhes (...)

38Quanto ao arado chambige, ou castelhano, que Jorge Dias classifica como uma variante do tipo de garganta, atendendo primordialmente ao facto de ser um arado de temão composto que mostra também garganta (a qual porém, como vimos, não se insere no dente, como sucede tipicamente com os arados de garganta propriamente ditos, mas na qual, pelo contrário, é que se insere o dente – e do mesmo modo a rabiça e a relha –), concordamos com Haudricourt, que, diferentemente, atende primordialmente à estrutura dinâmica funcional do instrumento, e não a esse elemento formal isolado – a garganta –; e entendemos que ele não deve ser incluído na categoria dos arados de garganta, mas constitui uma categoria à parte, correspondendo ao tipo chambige do Autor francês25.

39Nos arados do Noroeste, toma-se porém necessário fazer certas distinções, e a opinião de Haudricourt requer precisões essenciais. Além dos arados puramente radiais das zonas serranas, para as terras secas do centeio (que se vêem a par de outros, para o milho), que são naturalmente do tipo rabiça-dente, existem na verdade em muitas partes, como Haudricourt pensa, arados para o milho, que são também, fundamentalmente, do tipo radial de rabiça-dente mas que, por estarem associados à sega e à carreta, Jorge Dias considerou híbridos de quadrangulares : tal é o caso da maioria dos instrumentos com três rabiças em que a rabiça central constitui com o dente uma peça única; e também, com toda a verosimilhança, o dos instrumentos com duas rabiças fixas ao cotovelo que prolonga, atrás, o dente, e que é certamente o que resta de uma primitiva rabiça (dente) única.

40Além destes, contudo, existem, noutras partes dessas terras baixas de Entre Douro e Minho, arados que contrariam a opinião de Haudricourt, e que este Autor não parece ter tomado em consideração : arados simétricos ou assimétricos, de uma, duas, ou três rabiças, ou de duas rabiças e com cabrito, em que, no primeiro caso, a rabiça única ou a central, e no segundo o cabrito, são uma peça independente cravada no dente – que não pertencem à categoria da rabiça-dente, e são indubitavelmente quadrangulares, com as características essenciais que o Autor francês (e igualmente Jorge Dias) enuncia para a definição desse tipo, nomeadamente, além da sua forma específica, uma rabiça – ou o cabrito que, segundo nos parece, a representa – independente. Neste último caso, supomos mesmo que o cabrito – aonde se vêm fixar não só as rabiças, mas também o temão –, patenteia claramente a intenção de conferir aos arados em causa uma estrutura básica quadrangular.

41Entendemos portanto que no quadro geral dos arados portugueses, há que incluir a categoria dos arados quadrangulares, admitida por Jorge Dias – embora, como atrás ficou dito, estes arados, em Portugal, difiram consideravelmente, no seu aspecto aparente, dos seus congéneres da Europa do Norte e do Centro, mormente no que se refere à sua típica estrutura rectangular, acusanddo, na maioria dos casos, influências resultantes da sua coexistência, em época anterior, com os arados radiais, únicos existentes, em todo o Norte do País, antes da difusão, ali, dos arados germânicos. E tal como dissemos a propósito do tipo de garganta, não vemos razão para recusar a hipótese histórica de Jorge Dias, que considera de origem germânica, e concretamente suévica, um arado que foi usado fundamentalmente na área portuguesa que corresponde ao que constituiu o reino dos Suevos, e que, morfologicamente, se assemelha ao arado conhecido nos países puramente germânicos da Europa actual.

  • 26 Haudricourt. op. cit. p. 246.

42Haudricourt comentando a hipótese suévica proposta por Jorge Dias26 pergunta se caberá invocar o argumento histórico para explicar os arados no Noroeste português, e faz reparo de que mal se compreende que esses invasores guerreiros transportassem consigo, na sua emigração, os arados que possuíam no seu país de origem; e de que, mesmo que assim tivesse sucedido, não subsistisse, na língua portuguesa, nenhum termo de origem germânica para designar o novo instrumento introduzido, ou pelo menos qualquer das suas peças.

43Certamente que os Suevos não terão trazido consigo os seus próprios arados, mas sim a ideia de como eles eram basicamente, que aplicaram, em certos casos, aos arados que aqui encontraram na região onde se instalaram, que eram do tipo radial (rabiça-dente); e isso explicaria a grande abundância de formas híbridas em que coxistem elementos radiais e outros de origem germânica, e as diferenças que notamos entre os arados quadrangulares da Europa Norte e Central e os que são indiscutivelmente desse mesmo tipo que aqui ocorrem.

44Mais ponderável seria a objecção do Autor francês fundada em razões linguísticas. Poderá pensar-se que o facto de os invasores germânicos aqui terem encontrado uma nomenclatura completa respeitante ao arado travasse a introdução de novos vocábulos, por esse motivo desnecessários ? Para lá dessa razão, porém, notamos que a palavra alemã para precisamente um dos únicos elementos específicos que vieram com o arado germânico e que aqui era então desconhecido – a sega – , é Sach; e supomos de admitir a relação entre os dois fonemas que designam a mesma peça, ou, por outras palavras, a origem germânica do termo português sega.

Arados simétricos

45Analisaremos agora as diferentes formas e variedades sob que se apresentam os arados em Portugal, agrupados de acordo com a classificação fundamental estabelecida por Jorge Dias e revista em alguns dos seus aspectos; identificá-los-emos pelos números por que foram referenciados na Carta dos Arados Portugueses, do Atlas Etnológico de Portugal Continental, onde se adoptou um critério diferente, o que explica que, aqui, a sua numeração não seja seguida.

I – TIPO DE GARGANTA (DENTAL) Arados alentejanos e algarvios

461 – O arado de garganta de tipo dental tem no geral um dente muito forte, com a extremidade posterior inflectida para cima em ângulo obtuso, formando um cotovelo a que se prende a rabiça; a ligação destas duas peças é feita por meio de uma argola de ferro – a biela – e um ou dois tornos de madeira – tornejos (Elvas)–, ou parafusos; o aperto final, quando necessário, é dado por cunhas de madeira – os pescais –. A garganta, mais ou menos encurvada, insere-se no dente num ponto francamente avançado em relação ao vértice do ângulo dente-cotovelo, e é prolongada por uma vara – a cabeça –, até à extremidade onde se apõe o gado; a ligação destas peças é feita de maneira idêntica à que descrevemos em relação ao dente-rabiça. A teiró, dantes de madeira, ultimamente de ferro, é fixada no dente, e apertada na fura da garganta – encarna (Elvas) – por pescais de madeira, permitindo uma maior ou menor abertura do ângulo formado pelo conjunto temão-dente e, consequentemente, uma lavra mais ou menos profunda. As aivecas, direitas ou curvas e pouco ou muito espalmadas, são pregadas ao dente à frente, abrindo em V deitado para trás, em regra mantidas nessa posição por um travessão de ferro – o mexilho A relha de ferro é no caso mais geral munida de um alvado onde entra a ponta do dente (des. 3, 4 e 5).

3 – Beja. Arado de garganta

3 – Beja. Arado de garganta

4 – Castro Verde. Arado de garganta

4 – Castro Verde. Arado de garganta

5 – Vila do Bispo. Arado de garganta

5 – Vila do Bispo. Arado de garganta

47A área de difusão deste tipo de arado abrangia todo o Alentejo e Algarve, aparecendo ainda numa nesga raiana dos concelhos de Figueira de Castelo Rodrigo e Sabugal, zona muito marcada de hibridismos. Ele mantém nesse extenso espaço um aspecto geral bastante uniforme, notando-se nos arados algarvios, como diferenças mais sensíveis, a sua menor dimensão, a relha que se apresenta de forma triangular, de chapa plana (a barlavento), e ainda a forma das aivecas, que são geralmente feitas dum pequeno tronco desmeado, dobrado em ângulo obtuso, distinguindo-se de maneira muito sensível das aivecas dos arados da região de Castro Verde e Beja, onde clas são por vezes muito largas e rectas.

482 – Quebrando a uniformidade geral do arado de garganta do Sul do Tejo, apontamos a existência a leste do Guadiana, nos concelhos de Serpa e Moura, de uma forma particular, em que a cabeça se situa por baixo da garganta, ligada a esta por meio de uma argola e de um gancho, e sem teiró (des. 6) – única forma de arado português em que esta peça não existe. Neste caso, a cabeça é substituida por uma vara que, passando por um argolão preso à extremidade inferior de uma barra de ferro que atravessa verticalmente a ponta anterior da garganta, vai prender a um gancho cravado na parte posterior desta, perto da sua inserção no dente. Aquela barra tem uma série de buracos de modo a permitir alterar a sua posição, elevando ou baixando a vara, regulando-se desse modo a profundidade da lavoura. Pode talvez pensar-se em razões de ordem funcional para explicar o emprego desta vara. De facto, trata-se sempre de especimes extremamente robustos, usados nas terras ásperas da serra de Serpa, e é fora de dúvida que a tracção junto ao ponto de inserção da garganta confere-lhe uma maior resistência. Há cerca de 30 anos, contudo, este tipo de arado era usado apenas para enregar, embelgar e para arrelvar favas.

6 – Serpa. Notar a posição da cabeça em relação à garganta

6 – Serpa. Notar a posição da cabeça em relação à garganta

49Curiosamente, os charruecos que o substituiram têm, do mesmo modo, a vara por baixo da garganta. Esta mesma forma encontra-se em uso em Barrancos.

Análise das diferentes peças consideradas isoladamente

50Dente – O dente é, neste tipo de arado, geralmente de secção rectangular, muito alto, colocado de cutelo, tendo certamente em vista não só uma maior solidez do arado, mas ainda o desgaste rápido que um trabalho violento e demorado provoca; quando esse desgaste atinge um certo nível, aplicam-lhe, na face inferior, um reforço da mesma madeira. O cotovelo a que se prende a rabiça – coice do dente (Elvas) – ora se eleva ligeiramente, com o comprimento indispensável à fixação da rabiça, ora sobe de modo muito sensível, sendo aquela apenas presa à sua extremidade; esse cotovelo pode porém não existir, ligando-se então a rabiça ao topo do dente (des. 3).

51Rabiça – A rabiça é um pau mais ou menos encurvado e dobrado em ângulo ao jeito dum joelho, estreitando para a extremidade que serve de mãoseira.

52Garganta – A garganta é geralmente de secção grosseiramente quadrada, e apresenta curvaturas muito variadas, em muitos casos mesmo com dupla curvatura pronunciada.

53Cabeça – A cabeça, igualmente de secção quadrada com as quinas cortadas, raramente se apresenta direita, não só por falta de madeira com essa feição na região, mas sobretudo como forma ajustada a complementar a linha da garganta. Garganta e cabeça, como dissemos, constituem o temão. A ligação das duas peças é feita por cintas de ferro e parafusos. Em casos muito raros colocam-se cunhas entre a garganta e a cabeça, de modo a elevar a ponta desta última peça, em vista a sujeitar o arado a lavras mais fundas. É o que acontece por exemplo em Figueira de Castelo Rodrigo onde essa cunha – palmeta ou palmadeira – leva o nome expressivo de arrebenta-boi.

54Teiró – A teiró é uma barra rectilínea, outrora de madeira e ulteriormente em regra de ferro, que se insere no dente, elevada na vertical e a ele perpendicular. Na extremidade inferior tem um engrossamento em ressalto – a cabeça da teiró – que a impede de subir na encarna aberta no dente; a garganta é por ela atravessada e mantida na posição desejada, apertada por cunhas, os pescais, não se tendo aqui divulgado emprego de chavetas ou roscas, vulgares em áreas nortenhas.

  • 27 Haudricourt entende que isso significa que primitivamente eram aivecas-rabiças, isto é, que a forma (...)

55Aivecas – As aivecas são no geral feitas de paus desmeados, encurvados mais ou menos para cima na parte posterior, em certos casos muito pronunciadamente27 como por exemplo no Alandroal, Monforte e Barrancos; noutros casos esse nível elevado das pontas das aivecas era também obtido com aivecas direitas, dispostas obliquamente, seguras por um mexilho, muito encurvado para o efeito, uma vez que as aivecas deixam de se situar no plano do dente. Para trás, em regra, as aivecas afastam-se sensivelmente do dente; vimos porém, em Reguengos de Monsaraz, casos em que elas mal se destacam dele; e, na área de Castro Verde e Odemira, outros em que as aivecas, muito largas e espessas, eram apenas presas à frente com pregos e um torno de pau, sem mexilho (des. 4). As aivecas mais largas aparecem com frequência apenas por essa parte do Baixo Alentejo, nomeadamente em Alvito, Beja, Aljustrel e Castro Verde. Em certos casos existem arados de aivecas estreitas, às quais, quando sujeitos a trabalhos em terras que aconselham aivecas mais largas, aplicam outras de tábua, a que vulgarmente chamam orelhas. Este último caso é especialmente frequente na área de Évora. Com o aparecimento e a adopção das araveças, surgem aqui e além aivecas feitas de uma barra estreita de ferro – cuspinheiros (Campo Maior) –.

56Relha – Por todo o Alentejo interior e sotavento algarvio, a relha, de ferro, é munida de alvado onde entra a ponta do dente (des. 7 a, e, f, g). Esse alvado mostra uma grande janela triangular, vazada, reduzindo-o a uma espécie de grade. A forma de alvado em grade aparece apenas nas relhas dos arados a Sul do Tejo. Informações recolhidas por volta de 1950 de abegões idosos levam porém a pensar que as relhas, também nesta área, eram fechadas, sem janela, assemelhando-se às relhas do interior das Beiras e de Trás-os-Montes. O bico tem no geral uma forma lanceolada; as suas dimensões são muito variáveis, indo de 35 a 60 cm (Serra de Serpa). Nos terrenos calcários do concelho de Loulé, muito pedregosos, a relha, sem janela, é invulgarmente robusta e comprida, de longo alvado para melhor fixação ao dente. No barlavento algarvio e litoral alentejano confinante, a relha é uma simples chapa de aço, triangular ou em bico de lança, pregada fortemente no dente (des. 7 b, c, d). As suas medidas médias são de 30 a 40 cm de comprimento por 20 a 25 cm de largura; nas relhas dos arados de Silves e Vila do Bispo, contudo, estas medidas são francamente ultrapassadas.

7 – Várias formas de relha dos arados de garganta – a) Mértola; b) Aljezur; c) Lagôa; d) Albufeira; e) Aljustrel; f) Castro Marim; g) Faro.

7 – Várias formas de relha dos arados de garganta – a) Mértola; b) Aljezur; c) Lagôa; d) Albufeira; e) Aljustrel; f) Castro Marim; g) Faro.

57Por volta de 1950, dos arados então existentes já poucos eram empregados na lavra das terras, para alqueivar. Em muitos casos a forma tradicional tinha sido modificada e substituida pela araveça, que mais não era do que o resultado da substituição da cabeça pela pequena rodinha de madeira ou ferro, montada em alça regulável de ferro, aplicada na ponta da garganta. E o pequeno charrueco – a charrua com aiveca movel de ferro aplicada à velha estrutura de madeira –, divulgava-se rapidamente. Esta charrua era mesmo, por vezes, empregada na primeira lavra, fazendo-se com a araveça ou com o velho arado as segundas lavras.

58Perdendo a favor de meios aratórios muito mais evoluídos e mecanizados, que no Alentejo se generalizaram amplamente nas décadas de 50-60, o arado de pau continuou, contudo, a ser ainda muito empregado nas sementeiras do trigo e da cevada, na abertura de regos de escoamento de águas, na arrenda de favas, etc. Grandes herdades continuavam a mantê-los em boa forma, em vista à sementeira a lanço tradicional. Na herdade da Almocreva, perto de Beja, sem duvida uma das mais progressivas do Alentejo, vimos, em 1949, uma longa fila de mais de 20 arados, prontos a começar os trabalhos das sementeiras.

59No Algarve, a pequena charrua de ferro implantou-se decisivamente na Serra, onde os terrenos são mais bravios; nas terras baixas e barrentas, contudo, vemos ainda hoje em uso o arado de pau. A preferência por esta última forma parece fundar-se no seu melhor funcionamento: aos charruecos, cola-se-lhes a terra e não dão resultado. Apesar disso, em Silves gostam mais da charrua, por virar melhor a leiva e desse modo eliminar mais facilmente as ervas ruins.

60As dimensões do arado variam : para mulas ou bois corpulentos, a garganta alonga-se francamente; as rabiças podem ser mais altas ou mais baixas conforme a estatura do homem que as empunham : « Em cada monte há arados de diferentes tamanhos, e cada um pega naquele com que mais se ajeita». A medida das aivecas, contudo, mantem-se sensivelmente constante.

Madeiras

61As madeiras empregadas na feitura dum arado dependem naturalmente das espécies locais que melhores condições de dureza e resistência possuam, de modo a corresponder satisfatoriamente ao esforço do trabalho a que vão ser sujeitas. Nos arados de garganta alentejanos e algarvios não são precisas peças direitas, visto que este tipo de arado é constituido na generalidade por peças com curvaturas mais ou menos acentuadas. O azinho é de longe a madeira mais empregada; no Algarve, porém, a alfarrobeira é muito utilizada. Nesta mesma Província são vulgares dentes, gargantas e rabiças feitas de zambujeiro ou oliveira. O sobro é também usado por todo o Alentejo, enquanto que o freixo é frequente apenas no distrito de Évora. Arados de carvalho aparecem somente em certas áreas do distrito de Portalegre, onde essa espécie é vulgar. O pinho e o eucalipto são raramente empregados, e, quando o são, apenas para a cabeça.

II – TIPO DE CAMBA 28OU CASTELHANO Arados da região fronteiriça de Riba Côa

  • 28 Este tipo «castelhano», foi, com a designação de camba, considerado por Jorge Dias como um sub-tipo (...)

623 – O arado castelhano, em que dente e rabiça se inserem na garganta (des. 8 e 9) (ao contrário do que sucede em todos os demais arados portugueses), apresenta-se entre nós como uma forma à parte.

8 – Almeida. Arado de tipo castelhano

8 – Almeida. Arado de tipo castelhano

63A garganta – camba – é uma peça semelhante à do arado do Sul que leva o mesmo nome, encurvada na metade posterior, que se prolonga pelo chavilhal ou cavilhal e que constitui com ela o temão. Este é sempre colocado por baixo daquela, sobrepondo-se cerca de 30 a 40 cm, e a sua ligação é feita por meio de argolas e cunhas. Fugindo à regra geral, em que a maior ou menor profundidade do sulco é regulada por intermédio da teiró, neste caso é-o por meio duma cunha ou palmeta que se introduz, da frente para trás, entre essas pontas sobrepostas da camba e chavilhal, mais ou menos, conforme a profundidade a que se deseja fazer a lavra. A camba tem na sua parte posterior um rasgo em que entra, em baixo, a espiga do dente e, em cima, a rabiça ou mãoseira; entre estas duas peças, acompanhando a face superior do dente, dispõe-se a longa haste da relha. O aperto destas peças é dado por meio duma cunha de madeira. O dental é direito e, quando começa a ficar boleado pelo desgaste do uso, é não raro revestido por chapas de ferro (chapas de ferrar, Almeida; chapas de liaça, Vilar Torpim).

64Neste arado, a teiró é um vergalhão de ferro, atravessado por uma chaveta sobre a camba; as aivecas – os tornos – são dois pequenos paus redondos e direitos, cravados obliquamente a meio do dental; os tornos são maiores ou menores conforme se trata de lavras ou sementeiras; a rabiça, de dupla curvatura pouco sensível, remata por uma pegadeira afeiçoada à mão. A relha, de chapa de ferro, tem um bico triangular com ligeira aba para abraçar a ponta do dental, e prolonga-se por uma barra linear; mais recentemente, esta forma de relha tem vindo a ser substituída por relhas de alvado vulgar, que prendem apenas à ponta do dente (des. 9).

9 – Figueira de Castelo Rodrigo. Arado de tipo castelhano, com relha de alvado.

9 – Figueira de Castelo Rodrigo. Arado de tipo castelhano, com relha de alvado.

65Este tipo de arado aparece em Portugal numa área muito reduzida nos concelhos fronteiriços de Figueira de Castelo Rodrigo, Almeida e Sabugal, em terras de Além-Côa; e, segundo Jorge Dias, é natural que ele represente uma leve incursão, no nosso território, do arado que o povo castelhano possivelmente trouxe consigo na época da expansão medieval. Por outro lado, não pode ser ignorada a circunstância dele ocorrer em terras que, como se sabe, foram só tardiamente incorporadas em Portugal.

10 – Arados radiais – a) Cinfães, Gralheira; b) Vila Pouca de Aguiar, Bragado.

10 – Arados radiais – a) Cinfães, Gralheira; b) Vila Pouca de Aguiar, Bragado.

11 – Vinhais. Arado com a rabiça-dente desenhando um arco.

11 – Vinhais. Arado com a rabiça-dente desenhando um arco.

12 – Miranda do Douro, Constantim. Arado.

12 – Miranda do Douro, Constantim. Arado.

66Ele é usado correntemente para lavrar e semear. Quando se trata de lavrar terras estrumadas, empregam preferentemente a charrua, que vira a leiva e deixa o estrume mais bem enterrado.

III – TIPO RADIAL Arados transmontanos e das zonas serranas a Norte do Tejo

  • 29 Para Jorge Dias, certos arados radiais (Chaves, Curalha; Andam, Juncai, Porto de Mós) e mesmo algun (...)

676 a 9 – O arado radial, nos casos mais significativos, caracteriza-se por possuir uma peça inteiriça que constitui o dente e a rabiça, um temão quase sempre direito inserido no ângulo formado pelo dente-rabiça29, e ainda pelo seu carácter geral de simplicidade e leveza (des. 10 a 15). O ângulo rabiça-dente apresenta-se com aberturas muito diversas: em muitos arados do Minho serrano – zona de contacto com o arado quadrangular – ele forma um ângulo quase recto (des. 14); no distrito, de Vila Real, e parte das Beiras Alta e Baixa, aquele ângulo é muitíssimo aberto, chegando no Barroso a atingir cerca de 135°. Nas Beiras, a rabiça, em muitos casos, é um pau quase direito, mas em que se sente o vértice (des. 13).

13 – Guarda, Rapoula. Arado com o ângulo rabiça-dente extremamente aberto.

13 – Guarda, Rapoula. Arado com o ângulo rabiça-dente extremamente aberto.

14 – Ponte da Barca, Parada. Arado radial; o punho da rabiça é a ponta dum chifre.

14 – Ponte da Barca, Parada. Arado radial; o punho da rabiça é a ponta dum chifre.

15 – Sever do Vouga, Pecegueiro Arado.

15 – Sever do Vouga, Pecegueiro Arado.

16 – Arados radiais com rabiças emendadas – a) Valpaços, S. João de Curveira; b) Mogadouro; c) Tarouca; d) Idanha, Salvaterra do Extremo.

16 – Arados radiais com rabiças emendadas – a) Valpaços, S. João de Curveira; b) Mogadouro; c) Tarouca; d) Idanha, Salvaterra do Extremo.

68No leste transmontano – e aliás também na Veiga de Chaves –, pelo contrário, o vértice mal se define, pois o dente-rabiça toma a forma do sector dum arco, mais ou menos aberto, apenas com a parte dianteira direita, a que corresponde propriamente o dente (des. 11). Nesses casos de rabiça em arco, o ponto de inserção do temão ora se apresenta mais avançado ora mais recuado, sem que isso lhe atenue as características fundamentais do tipo radial. As aivecas são geralmente muito estreitas e pouco encurvadas. A teiró é de madeira ou de ferro. As relhas, de ferro, são de alvado no caso mais geral, ou de pregar, em certas zonas. Para lavouras de terras planas e fundas, alguns destes arados eram munidos de sega.

69Dentro desta área geral do radial, aparecem ainda arados em que as rabiças, em ângulo ou em arco, não são inteiriças com o dente, mas constituem uma peça independente, ligada àquele. Em certos casos, como acontece designadamente com as rabiças encurvadas transmontanas, essa emenda é disfarçada, notando-se apenas pelas cintas de ferro que apertam uma parte contra a outra (des. 16 a,b); noutros casos, que ocorrem numa área entre Tabuaço, Armamar, Figueira de Castelo Rodrigo e Moimenta da Beira, e na Idanha e recanto nordeste do Alentejo, a emenda é quase tão visivel como nos arados de garganta (des. 16 c,d).

17 – Marvão. Arado.

17 – Marvão. Arado.

Análise das peças consideradas isoladamente:

  • 30 O conjunto dente-rabiça é geralmente designado por rabiça. Rabiça é o termo frequente pelo interior (...)

70Dente-rabiça 30– O dente-rabiça do arado radial é, na maioria dos casos, uma peça sumariamente afeiçoada que aproveita troncos ou ramos grossos de árvores com esse formato geral natural. Em certos casos, como dissemos, dente e rabiça são elementos independentes, ligados por emenda, disfarçada ou não. A explicação deste facto é geralmente dada pela dificuldade de se dispôr de madeiras com aquelas curvaturas. E com efeito, em muitos lugares, aparecem arados de dente-rabiça inteiriça a par de outros, emendados. Contudo, fosse ou não fosse a falta de paus com curvatura adequada que esteve na origem dos emendados, o certo é que estes passaram a constituir uma forma bem definida; e por essa razão os individualizamos. A rabiça adelgaça para a extremidade e, especialmente em Trás-os-Montes, é bem trabalhada, por vezes ao jeito de punho de espada. Em Mira, a rabiça tem um punho espetado transversalmente, o tabelhão, que facilita o manejo do arado; e em Nelas, em alguns casos, é atravessada por um torno de pau, permitindo agarrá-la com as duas mãos.

  • 31 A designação geral é temão, timão.

71Temão 31– O temão deste tipo de arado é, no geral, um pau tosco, em certos casos apenas facejado lateralmente na parte mais grossa, em regra feito de uma vara de pinheiro direita; mas, principalmente nas áreas em que essa espécie não é vulgar, não raro aparecem temões com ligeira curvatura na extremidade posterior. A escolha de temões com curvatura parece não ser estranha a razões funcionais ou mesmo culturais; de facto, ela podia ser facilmente anulada, eliminando da vara esse curto sector curvo.

  • 32 Teiró, ateiró, tiró, atiró.
  • 33 Temperar o arado é cerrá-lo ou abri-lo (Moncorvo).
  • 34 Tesa ou teso é o nome mais vulgar; em Vinhais é designado por chave e em Freixo de Espada à Cinta p (...)

72Teiró 32– A teiró, quando de madeira, é formada por uma régua cravada na espessura do dente, a qual, depois de atravessar a fura do temão, aí firmada por cunhas ou tomos (des. 18 a, b); hoje, contudo, no leste de Trás-os-Montes e Beiras, ela foi substituída em grande parte por outra, de ferro, que, geralmente, consiste num vergalhão de secção circular, roscado na extremidade superior, e a regulação ou tempero 33do arado é dada por uma tarracha (des. 18 e, g); ou ainda por uma barra com orifícios nos quais se enfia uma chaveta de ferro – a tesa – (des. 18, c,d,f)34. Nestes dois últimos casos, em regra quase geral, o aperto não se faz directamente sobre o temão, mas sobre uma sapata ou sobreposta.

18 – Vários modos de ligação da teiró ao temão – a) Vila Flor, Sta. Comba da Vilariça; b) Bragança; c) Mogadouro; d) Valpaços, S. João de Curveira; e) Freixo de Espada à Cinta; f) Miranda do Douro, Malhadas; g) Vinhais.

18 – Vários modos de ligação da teiró ao temão – a) Vila Flor, Sta. Comba da Vilariça; b) Bragança; c) Mogadouro; d) Valpaços, S. João de Curveira; e) Freixo de Espada à Cinta; f) Miranda do Douro, Malhadas; g) Vinhais.
  • 35 Corruptelas de aivecas: aibecas, abecas, avecas, eivecas, invecas, ivecas, ibecas.
    O termo abiacas a (...)

73Aivecas 35– As aivecas dos arados radiais são, na sua grande maioria, formadas de paus delgados desmeados, direitos ou pouco encurvados, pregados à frente no dente, junto à relha, e fixos, atrás, pelo mexilho. Em Freixo de Espada à Cinta e Moncorvo, porém, elas mergulham nos lagrimais da relha (que são reentrâncias da parte interior do alvado); em Figueira de Castelo Rodrigo, as aivecas, pequenos pauzinhos curtos e delgados, são também fixadas nos lagrimais (que são, aqui, ganchos de ferro cravados no dente (des. 19).

19 – Figueira de Castelo Rodrigo. Neste arado as aivecas são tomos fixados ao dente por lagrimais de ferro; o dente está protegido por chapas de ferro

19 – Figueira de Castelo Rodrigo. Neste arado as aivecas são tomos fixados ao dente por lagrimais de ferro; o dente está protegido por chapas de ferro
  • 36 Mexilho ou meixilho, mixilho. ameixilho, mexil, são as designações mais correntes; meixelo, Serra d (...)

74Mexilho36– Na parte leste de Trás-os-Montes e Beiras, os mexilhos de ferro têm vindo a substituir, nestes últimos tempos, os mexilhos de pau. Fugindo à regra geral, vimos em Oliveira de Frades um mexilho entalhado na aresta superior das aivecas.

  • 37 Pescal ou pescalço é a designação mais frequente; pescunho, em vários lugares da Beira e Trás-os-Mo (...)

75Pescais 37– Os pescais são geralmente uma espécie de cunhas de madeira rija, que fazem o aperto da teiró ao temão, e deste à rabiça, levando, para os distinguir, o nome destas duas peças. Em certos casos, mais raros, os nomes diferenciam-se conforme se trata da cunha de uma ou outra situação. Em Celorico da Beira, por exemplo, pescalço é o da cunha temão-rabiça e cunho o da teiró-temão.

  • 38 Em alguns lugares da área confinante dão também às relhas de alvado o nome de ferro.

76Relhas – As relhas dos arados radiais ora são munidas de alvado onde entra o dente, com uma ponta plana triangular ou em forma de espigão comprido (des. 20), ora são simples placas triangulares ou lanceoladas, que se fixam ao dente por meio de pregos (des. 21). A caixa do alvado é formada pelas orelhas; por Freixo de Espada à Cinta e Moncorvo, ela mostra um pequeno escavado no interior das orelhas – os lagrimais – que, como dissemos, recebem a ponta das aivecas (des. 20 g). O alvado ou cabaço é prolongado pela ponta ou bico, por vezes munido de um reforço saliente (des. 20 a). O comprimento destas relhas atinge cerca de 45 cm em Castelo Branco. É a este tipo que corresponde o nome de relha. Ele encontra-se por todo o leste transmontano e nas Beiras a leste de Viseu e da Serra da Estrela38.

20 – Relhas com alvado de arados radiais – a) Vila Pouca de Aguiar, Bragado; b) Valpaços S. João de Curveira; c) Aguiar da Beira; d) Chaves, Águas Frias; e) Tabuaço, Sendim; f) Macedo de Cavaleiros (relha depois de calçada); g) Freixo de Espada à Cinta

20 – Relhas com alvado de arados radiais – a) Vila Pouca de Aguiar, Bragado; b) Valpaços S. João de Curveira; c) Aguiar da Beira; d) Chaves, Águas Frias; e) Tabuaço, Sendim; f) Macedo de Cavaleiros (relha depois de calçada); g) Freixo de Espada à Cinta

21 – Relhas sem alvado de arados radiais – a) Melgaço, Castro Laboreiro;b)Penacova, Rebordosa; c) Anadia, Arcos; d) Pampilhosa da Serra; e) Arcos de Valdevez, Tibo; f) Alcobaça, Moita

21 – Relhas sem alvado de arados radiais – a) Melgaço, Castro Laboreiro;b)Penacova, Rebordosa; c) Anadia, Arcos; d) Pampilhosa da Serra; e) Arcos de Valdevez, Tibo; f) Alcobaça, Moita
  • 39 Bico, em Santa Comba Dão; folha, Cantanhede.

77Algumas relhas planas, raras, além das furas para os pregos que a fixam ao dente, têm outras para fixação das aivecas (des. 21 d); outras ainda, têm o bico reforçado (des. 22 e). Este tipo de relha, geralmente designado por ferro39, é usado a ocidente da área atrás apontada.

  • 40 António Jorge Dias, ”Arado radial sem aivecas, caso de arcaísmo galego português”, Homenaje a Don L (...)

7810Arado radial sem aivecas. «Na Serra da Peneda, em dois vales profundamente encaixados, formados pelos ribeiros da Gavieira e da Peneda, e na margem direita do ribeiro de Castro Laboreiro, a que aqueles se juntam antes de se precipitar no rio Lima, encontra-se um curioso caso de arado arcaico: o arado radial sem aivecas» (des. 22)... « O dente e a rabiça são feitos de uma só peça de freixo, a que chamam rabiça (dente 0,78, rabiça 0,81). O temão é um pau de carvalho, direito (3 metros), inserido no ângulo formado pelo dente com a rabiça, e seguro com um pescaz, a que chamam cunha. O ângulo de abertura do temão e do dente, regula-se fixando, com duas cunhas, o temão numa tábua de carvalho, fortemente encravada no dente, que atravessa o temão quase verticalmente, chamada teiró (0,47). Na ponta do dente apresenta uma relha, chapa triangular de ferro, presa com uns cravos, a que chamam o ferro (comp. 0,24, larg. 0,16). Encravado na parte de trás do dente, paralelo ao chão, tem uma espécie de mexilho, meixelo, de secção quadrada (comp. 0,30) que serve para mexer um pouco a terra, que a relha rasga ao lavrar. Distingue-se de todos os arados deste tipo, até hoje estudados em Portugal, pela ausência... (das) aivecas»40.

22 – Arcos de Valdevez, Tibo. Arado radial sem aivecas

22 – Arcos de Valdevez, Tibo. Arado radial sem aivecas

Arados radiais menos característicos

7912 e 13 – Pelo Entre-Douro-e-Minho, Beira Litoral e áreas confinantes da Beira Alta, o arado, de tipo radial, é contudo mais robusto e de maiores dimensões do que o modelo mais comum. Estes arados, sob o ponto de vista do formato geral das suas peças constitutivas, são evidentemente semelhantes ao radial (tipos 7 e 8) : como naqueles, dente e rabiça são uma só peça dobrada em ângulo obtuso, e o temão uma vara direita; mas distinguem-se deles, além desse seu carácter mais pesado e forte, pela localização do ponto em que o temão se insere no dente que, em certos casos, é francamente na rabiça (des. 23) (ao lado de outros em que essa inserção se faz junto ao vértice, coexistindo as duas formas não raro na mesma aldeia e até na mesma casa de lavoura, e utilizadas em idênticas funções); e ainda pelo tipo de relha, que é sempre uma chapa triangular pregada no chanfro da ponta do dente por pregos forjados, de cabeça larga (des. 24). Estes dois elementos – inserção do temão na rabiça, e a relha de chapa triangular – característicos dos arados quadrangulares, aproximam-nos desse tipo geral.

23 - Porto. Arado quadrangular

23 - Porto. Arado quadrangular
  • 41 Em Matosinhos chamam a este arado abicador, e empregam-no para abrir sucos para o assucadoiro.

80Com a divulgação, nesta área, da charrua Brabant, este tipo de arado foi sendo paulatinamente posto de parte nos trabalhos fundamentais das lavras, utilizando-se apenas para margear sementeiras de cereais de pragana, revolver a terra para a sementeira de ervas após a colheita dos milhos, e, num ou noutro ponto, para plantar ou colher a batata. Por volta de 1950, pelos concelhos do Porto, Maia e Vila do Conde, era com este tipo de arado que se iniciavam as lavouras junto de muros, bordas ou árvores, onde a nova charrua não manobrava bem. E na faixa litoral entre Ovar e Vila do Conde, ele é ainda hoje empregado para abrir os regos de rega após a sementeira do milho, e, por vezes, para dar segunda volta às terras lavradas que precisem de ser bem desterroadas41.

24 – Vieira do Minho, Rossas. Arado

24 – Vieira do Minho, Rossas. Arado

Híbridos do radial e do de garganta

814 e 5 – Em certas partes das terras de Riba Côa, região de Chaves, Lomba de Vinhais, etc., e esporadicamente nos concelhos alentejanos próximos do Tejo, aparecem várias formas de arados que se apresentam como um compromisso entre o arado de garganta e o arado radial.

25 - Marvão. Arado de garganta com influência do radial.

25 - Marvão. Arado de garganta com influência do radial.

26 – Arados radiais com alguns elementos do de garganta–a) Chaves; b) Freixo de Espada à Cinta

26 – Arados radiais com alguns elementos do de garganta–a) Chaves; b) Freixo de Espada à Cinta

82Em Marvão, por exemplo, onde chega já o arado radial nortenho, encontram-se alguns exemplos em que toda a estrutura é semelhante ao de garganta, com a diferença porém de que o ponto de inserção desta peça é o vértice do ângulo dente-rabiça (como no radial), e não a meio do dente (como no de garganta) (des. 25).

27 – Sabugal, Rendo. Arados com dente e rabiça de uma só peça, e temão inteiriço, inserido no dente

27 – Sabugal, Rendo. Arados com dente e rabiça de uma só peça, e temão inteiriço, inserido no dente

28 – Sabugal, Nave. Arado idêntico aos do des. 27, mas de temão emendado e muito encurvado

28 – Sabugal, Nave. Arado idêntico aos do des. 27, mas de temão emendado e muito encurvado

83Na região de Chaves, em Freixo de Espada à Cinta, etc., aparecem arados radiais em que o ponto de inserção do temão no dente é bastante avançado (como nos arados de garganta) e o temão é francamente encurvado na ponta posterior, sugerindo possivelmente uma garganta (des. 26 a,b).

84No concelho de Sabugal, existem arados em que o temão, inteiriço ou mesmo emendado, é muito encurvado na ponta posterior e se insere num ponto avançado do dente, como no caso anterior; dente e rabiça são contudo uma peça única, e formam um ângulo bem definido (des. 27 e 28).

85Além destas, aparecem outras formas, como por exemplo certos arados do tipo estremenho (n.° 15), que, a par de traços dos tipos radial e quadrangular, mostram alguns pormenores do tipo de garganta, nomeadamente o temão emendado e o modo de ligação da rabiça ao dente.

IV – TIPO QUADRANGULAR

Arados das terras baixas de Entre-Douro-e-Minho

8614 – No Minho, nomeadamente nos concelhos de Barcelos, Esposende, Cerveira, Valença e Arcos de Valdevez, e também em Vila Nova de Gaia, encontrava-se um arado em que dente e rabiça eram duas peças distintas, a primeira linear e de secção rectangular com relha de chapa triangular pregada, a segunda encurvada e espigada na parte posterior do dente, com temão direito, aivecas largas de tábua, e alabaças ou contra-aivecas pregadas sobre as aivecas, obliquamente, fechando o espaço frontal entre estas (des. 29). A aplicação das alabaças às aivecas representa uma melhoria substancial do processo aratório, permitindo uma lavoura em que a leiva é já virada. Contudo, a falta da sega tornava-o pouco próprio para lavras, e por isso a sua função limitava-se a margear as sementeiras de centeio e ervas, plantação da batata, etc, coexistindo com outros tipos, quiçá mais evoluídos ainda.

29 – Esposende, Apúlia. Arado com alabaças

29 – Esposende, Apúlia. Arado com alabaças

8717 – No Minho existiu, e existe ainda em casos já muito raros, um tipo de arado semelhante ao n.° 14 mas diferindo dele em alguns elementos constitutivos (des. 30) : como naquele, o dente é uma peça linear, geralmente de madeira de sobreiro, a meio do qual espiga a teiró e, atrás, uma ponta de barrote encurvada, o braço do dente ou cabrito, ao qual se fixam as duas rabiças presas a ele por tornos de pau. As aivecas são formadas por duas tábuas estreitas, com a ponta posterior dobrada para cima em ângulo obtuso, pregadas à frente directamente ao dente e firmadas atrás pelo mexilho; estas aivecas são complementadas por duas tábuas de cerca de 1 m de comprimento por 20 cm de largura, postas de cutelo, com o vértice à frente da teiró, e que, atrás, se sobrepõem à pontas das peças anteriores. O temão, direito, insere-se sempre no cabrito, e é munido duma sega, colocada à frente da teiró, na altura do bico da relha. A sega entra numa fura larga, aberta em cunha, permitindo um deslocamento de inclinação lateral, ora para um lado ora para o outro, conforme o lado para onde se vira a leiva. A profundidade a que ela trabalha é regulada por meio de uma série de furos que ela possui na parte superior, e a sua posição fixada por um arame e uma cunha de madeira.

30 – Viana do Castelo, Montedor. Arado de duas rabiças e dois pares de aivecas, com sega.

30 – Viana do Castelo, Montedor. Arado de duas rabiças e dois pares de aivecas, com sega.

8819 – No Entre-Douro-e-Minho encontramos um tipo de arado em que o dente e braço do dente são semelhantes ao n.° 17; o dente é de secção rectangular a engrossar para a ponta, onde prega a relha de chapa; o braço do dente é espigado na extremidade posterior daquele, e neles e insere a ponta do temão, que é, também neste caso, direito e comprido. Mas distingue-se e individualiza-se em relação ao n.° 17 pela configuração das aivecas-rabiças, que são feitas de tábuas de pinho, recortadas

  • 42 Neste mesmo n.° 19, na Carta, incluiram-se exemplares – de Arouca (des. 38) – que não são quadrangu (...)

89175 em linha ondulada, de cerca de 1,50 m de comprimento e uma largura irregular de 20 a 30 cm, afastadas uma da outra cerca de 60 cm. A parte frontal das aivecas é coberta pelas alabaças (des. 31)42.

31 – Viana do Castelo, Outeiro. Arado de duas rabilas, com alabaças

31 – Viana do Castelo, Outeiro. Arado de duas rabilas, com alabaças

32 – Esposende, Gemezes. Arado de três rabilas e alabaças, com sega

32 – Esposende, Gemezes. Arado de três rabilas e alabaças, com sega

9020 – Ainda no Entre-Douro-e-Minho, existiu até há poucos anos um arado semelhante ao n.° 19, mas com três rabiças. A rabiça central espigava no dente e, além da fura para a inserção da ponta do temão, tinha dois paus atravessados, um mais acima e outro mais abaixo, para fixação das rabiças laterais, que ficavam assim paralelas à central. As aivecas eram duas tábuas com a forma de um trapézio muito alongado, pregadas à frente ao dente, e atrás às rabiças laterais; e eram por vezes fechadas na parte dianteira por alabaças. O temão era comprido e direito, munido de sega (des. 32).

  • 43 Neste mesmo n.° 22, na Carta, incluiram-se exemplares que não são quadrangulares puros. Ver nota 17 (...)

9122 43– Em Ponte de Lima encontramos ainda um velho vessadoiro, de tipo geral quadrangular, com carreta, sega, e três rabiças – a central espigada no dente, as laterais prolongando as aivecas, que são muito largas, com a parte frontal fechada por alabaças. Era o arado mais importante da região, característico das grandes vessadas do milho, atrelado a várias juntas de bois (des. 33).

33 – Ponte do Lima, Levassido. Vessadoiro

33 – Ponte do Lima, Levassido. Vessadoiro

Tipos híbridos Variedades de Entre-Douro-e-Minho. Híbridos de radial e quadrangular

9221 – Ainda no Noroeste, sobretudo para as grandes lavouras, usou-se um tipo de arado com carreta – o vessadouro (des. 34, 35) –. Nele, o dente-rabiça é uma peça única, dobrada em ângulo obtuso, com um dos lados de 1,50 a 1,80 m de comprimento – o dente propriamente dito – e a outra de cerca de 1 metro – a rabiça –. O apo, encurvado, insere-se junto do vértice, na parte que corresponde à rabiça, e é ladeado pelas aivecas que se prolongam para cima, formando rabiças. Estas aivecas, na região serrana, de terras mais soltas, são feitas dum pau curvo desmeado; nas terras mais baixas, elas são de tábuas, geralmente de castanho, por vezes revestidas de chapa de arco, para as proteger contra o desgaste (des. 35). A ponta do apo apoia sobre a carreta (Lodeiro de Arque), que é um rodado de eixo móvel com rodas de miulo e cambas, de 60 a 80 cm de diâmetro, e eixo de cerca de 1 m de comprimento, entre as rodas; sobre esse eixo está montada uma grande alça de madeira – a croca – disposta no mesmo plano do eixo. Dessa peça parte um tirante de tábua, articulado na outra extremidade à treitoira ou cambão; essa articulação fixa-se por intermédio do peão, que é uma espécie de chavelhão. Em certos casos esse cambão é munido de uma ou duas argolas, nas quais engatam mais uma ou duas juntas de bois (des. 35).

34 – Montalegre, Lodeiro de Arque. Vessadouro com três rabiças e carreta

34 – Montalegre, Lodeiro de Arque. Vessadouro com três rabiças e carreta

93As mais das vezes estes arados não tinham sega; e era em grande medida a eles que estava associado o seitoiro referido no n.° 11.

94No concelho de Paredes de Coura, este vessadouro foi, por volta de 1900, substituído pelo arado labrego.

  • 44 Neste mesmo n.° 22, na Carta, incluiram-se exemplares que são quadrangulares puros. Ver nota. 178.

9522 44– Na faixa atlântica a norte do Douro foi muito corrente um tipo de arado vessadoiro com carreta, semelhante ao n.° 21, mas diferindo dele em certos pormenores. Como aquele, trata-se de um arado de três rabiças; mas enquanto que, naquele, o dente-rabiça e as aivecas-rabiças são três peças independentes, neste, esse conjunto é constituído por uma só peça; e é munido de alabaças (des. 36). Para a sua construção aproveitam preferentemente um tronco de pinheiro manso, encurvado, fendendo-o com dois cortes longitudinais em dois terços do seu comprimento. Estes cortes permitem destacar da peça a rabiça (central) e as aivecas-rabiças (laterais), e a curvatura é aproveitada para configurar essas peças; o espaço frontal entre essas peças é fechado por alabaças. O apo, encurvado, insere-se na rabiça central, junto ao vértice do ângulo. Sobre a relha – de chapa triangular, pregada, e com aba –, trabalha a sega que o lavrador maneja, inclinando-a ora para um lado ora para o outro, por meio duma haste de madeira que corre ao longo do temão, presa a ele na parte dianteira, e vindo até trás de modo a ficar encaixada junto ás rabiças laterais – junto à direita se o arado vai a lavrar para o lado esquerdo, junto à esquerda se vai a lavrar para o lado direito –. Aqui, a croca do jogo de rodas dianteiro é geralmente uma peça com uma fura longitudinal, onde entra o eixo móvel; as rodas, pequenas, de miúlo e camba, não têm em geral qualquer aro de ferro para sua protecção.

35 – Fafe, Borba. Vessadouro com três rabiças e carreta

35 – Fafe, Borba. Vessadouro com três rabiças e carreta

36 – Póvoa de Varzim, Criaz. Vessadouro. Rabiça-dente e aivecas são duma só peça. Notar o processo de deslocamento da sega

36 – Póvoa de Varzim, Criaz. Vessadouro. Rabiça-dente e aivecas são duma só peça. Notar o processo de deslocamento da sega

37 – Amares, Sta. Marta de Bouro. Reconstituição de um arado antigo

37 – Amares, Sta. Marta de Bouro. Reconstituição de um arado antigo

38 – Arouca, Albergaria das Cabras. Arado de duas rabiças, com sega

38 – Arouca, Albergaria das Cabras. Arado de duas rabiças, com sega

9618 – Na região de Amares, no Noroeste do País, encontramos um arado abandonado e já incompleto, com dente e cabrito duma só peça, aivecas largas de tábua, com alabaças, duas rabiças fixas à face interior das aivecas, e munido de carreta (des. 37).

  • 45 Neste mesmo n.° 19, na Carta, incluíram-se exemplares que são quadrangulares puros. Ver nota 177.

9719 45– Em Arouca, encontrou-se um tipo de estrutura aparentemente quadrangular, mas em que o dente forma cotovelo em vez do cabrito. Possui aivecas-rabiças de tábuas largas, relha de chapa triangular, sega, e temão direito inserido no cotovelo (des. 38).

Arado estremenho, dos rios Mondego ao Sado Híbridos de radial, quadrangular e de garganta

9815 – Do rio Mondego ao Sado, pela Estremadura e Ribatejo, o arado é de um tipo híbrido, que mostra traços do radial, do quadrangular e do de garganta.

99De dimensões medianas mas não raro também de proporções muito avantajadas, conforme a natureza dos terrenos, pesado e robusto como o quadrangular, neste arado dente e rabiça são sempre duas peças distintas, unidas por argola de ferro ou parafusos; a rabiça não raro forma um duplo ângulo; o temão ou timão é por vezes em duas peças, e mais ou menos encurvado como no de garganta; tem o ponto de inserção no vértice do dente como no radial; a teiró, ou ateiró, é em madeira, e mais raramente em ferro (des. 39); as aivecas, geralmente feitas dum pau desmeado, são, para certos trabalhos, aumentadas por duas tábuas que as sobrepõem.

10016 – Nesta mesma área, ao lado do modelo anterior, de temão comprido, existia também o arado com carreta, conhecido por arado labrego.

39 – Loures. Ponte de Frielas. Arado estremenho

39 – Loures. Ponte de Frielas. Arado estremenho

40 – Loures. Arado labrego, com carreta de ferro

40 – Loures. Arado labrego, com carreta de ferro

101Este era, com efeito, um enorme arado invulgarmente robusto (des. 40), destinado a lavouras nas baixas húmidas de terra presa, puxado por 3 e 4 juntas de bois. O temão, ou apo, em lugar de apoiar no tamoeiro do jugo que junge a junta que o puxa, apoia sobre um rodeiro constituído por duas rodas, geralmente de miulo e cambas, ligadas por um eixo que gira dentro do cavado aberto na face inferior dum forte cepo de madeira – a croca – à qual está fixa a lança da croca, que faz a ligação ao jugo do gado e, no sentido oposto, o gancho com um argolão no qual entra a ponta do apo, que aí prende por intermédio de um torno (des. 41). Este tipo de rodado, na sua fase final, foi substituído por rodados inteiramente em ferro, de eixo fixo (des. 40).

102Em certos casos, a lança da croca não ligava directamente ao gado, articulando-se numa segunda peça que fazia essa ligação.

103Em 1950 ainda se viam, na região de Loures, rodados de madeira; e, em várias herdades ribatejanas, charruas de ferro utilizavam ainda os velhos rodeiros de madeira para assentarem o apo.

104Nos últimos tempos, com a difusão de processos aratórios mais evoluídos e mecanizados, os arados estremenhos destes dois tipos foram sendo gradualmente postos de parte, sobretudo nas lavouras das terras fundas. Os de temão comprido, contudo, continuaram esporadicamente em uso nas terras mais leves e pedregosas; mas por volta de 1950 já a sua principal função se confinava aos trabalhos de sementeira dos cereais de pragana, ervilhas, ervas e até milho, como sucedia por exemplo em Abrantes; e é ainda com ele que se abrem os regos para rega ou escoamento de águas. Para esse efeito, aplicam-lhe, por vezes, segundas aivecas, largas e divergentes, semelhantes às dos assucos do Noroeste. Em Vila Franca de Xira vimos um arado que tinha atravessado à frente da rabiça e da curva das aivecas uma tábua larga que afastava a terra para os lados; noutros casos ainda, colocam um molho de vergas ou vides em torno do temão, sobre as aivecas (des. 39).

41 – Loures. Carreta de madeira de um arado labrego

41 – Loures. Carreta de madeira de um arado labrego

42 – Relhas de arados estremenhos – a) Vila Franca de Xira; b) Torres Vedras; c) Abrantes (folha de um pequeno arado usado apenas em sementeiras); d) Almada; e) Pombal

42 – Relhas de arados estremenhos – a) Vila Franca de Xira; b) Torres Vedras; c) Abrantes (folha de um pequeno arado usado apenas em sementeiras); d) Almada; e) Pombal

105A alguns destes arados haviam cortado a parte dianteira do temão, e aplicado nessa extremidade uma rodinha de madeira.

106A relha de ferro, de forma lanceolada (des. 42), ora se fixa ao dente por meio de cavilhas ou parafusos, ora encaixa e prende por meio de abas, ao jeito de alvado.

10711Seitouro – O seitouro é um instrumento aratório auxiliar, muito simples, formado por um temão direito, de madeira, munido na extremidade posterior de uma rabiça igualmente em madeira e de uma sega de ferro (des. 43).

108Ele encontra-se em Portugal apenas no recanto Noroeste a Norte do Douro, associado ao grande arado vessadoiro com carreta, e tem por função rasgar um sulco vertical, talhando desse modo a leiva, que o arado que imediatamente o seguirá, irá virar. Ele constitui uma sega individualizada que, como dissemos, existe em vários tipos de arado, sobretudo na parte ocidental do País a Norte do Tejo. O seu emprego sobrecarregava ainda mais os trabalhos da lavoura, em gente e animais, mobilizando uma junta de gado e duas pessoas, uma para conduzir essa junta, e outra para guiar o seitouro.

43 - Celorico de Basto. Seitoiro

43 - Celorico de Basto. Seitoiro
  • 46 De arrebanhar = margear, Bairrada; trolhas, Albergaria-a-Velha e Oliveira de Azeméis; restolho, S. (...)

109Margeeiros – Pelo Entre-Douro-e-Minho, Beira Litoral, parte ocidental da Beira Alta e Estremadura, para margear ou derregar o trigo, centeio e aveia, aplicam no arado corrente nessas diferentes zonas, paus ou ramagens metidos entre a teiró e o temão, a que dão o nome de rebanhos ou arrebanhos 46(des. 44), tendo em vista a abertura dum rego mais largo e a remoção de maior quantidade de terra, que per mita a cobertura da semente nas margens entre os sucessivos regos. De Aveiro para o Norte, porém, os instrumentos utilizados nessa função aperfeiçoaram-se e individualizaram-se em relação ao arado, e, nomeadamente, as aivecas tomaram uma forma e implantação próprias e definidas, em vista a uma melhor resposta aqueles fins : assim, na área referida, a Norte de Aveiro, pudemos definir três tipos de margeeiro, correspondente aos n.os 23, 24 e 25.

44 – Processos de afastamento da terra para as margens – a) Covilhã; b) Mangualde; c) Nelas

44 – Processos de afastamento da terra para as margens – a) Covilhã; b) Mangualde; c) Nelas

45 - Braga, Priscos. Margeeiro

45 - Braga, Priscos. Margeeiro

46 – Paredes, Sobreira. Margidouro

46 – Paredes, Sobreira. Margidouro

47 – Ovar, Válega. Margidouro

47 – Ovar, Válega. Margidouro

48 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Margidouro

48 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Margidouro

11023 – Estruturalmente, trata-se dum arado semelhante aos tipos 12 ou 14 (des. 45), com uma rabiça única espigada na parte posterior do dente, temão direito inserido na rabiça, relha de chapa triangular pregada, e aivecas de tábua, rectangulares, colocadas de cutelo, a nível superior ao do dente, pregadas à frente, adiante da teiró, e mantidas abertas em triângulo por meio dum pau que atravessa a rabiça e as fixa (des. 45).

111Em certos casos, para margear, utilizam, em vez deste, o arado normal do tipo 12, ao qual aplicam um triângulo feito de tábuas postas de cutelo, apoiado sobre o dente, com um dos vértices à frente da teiró (des. 46).

11224 – Este tipo mostra apenas, como elemento diferenciador em relação ao anterior, a forma das aivecas que, nele, são substituídas ora por duas tábuas paralelas, amovíveis, que se colocam transversalmente uma por cima e outra por baixo do temão, entre a rabiça e a teiró, amarradas uma à outra nas extremidades (des. 47), ora igualmente por duas tábuas paralelas, mas das quais a superior atravessa o temão, enquanto a inferior passa sob este, unidas nas pontas e tapadas no lado frontal por outra tábua (des. 48).

11325 – Finalmente, este tipo aproxima-se fundamentalmente do arado n.° 17, apenas com aivecas diferentes. Ele consta dum dente, com relha de ferro espalmada e triangular, e temão direito (des. 49). No dente espigam a teiró, a meio, e, atrás, o cabrito, que serve de base às duas rabiças. Este cabrito, sob as rabiças tem uma fura transversal para enfiamento do pau que mantém as aivecas abertas. Estas, ao jeito de asa, formam um ângulo à frente da teiró, e fixam-se aí, por meio de ganchos de ferro, a uma peça facetada, em cunha, posta de cutelo. Temão, aivecas e pau que as mantém abertas, são desmontáveis, e a sua fixação é feita com o auxílio de cunhas de madeira.

49 – Viana do Castelo, Montedor. Margidouro

49 – Viana do Castelo, Montedor. Margidouro

Arados assimétricos47

  • 47 Haudricourt, de um modo geral, dá o nome de charrua aos arados assimétricos.

114Ao contrário dos arados atrás descritos, nos quais a posição simétrica das aivecas permite abrir apenas um sulco em que a terra é atirada igualmente para cada lado, ou, quando munidos de sega, virar a leiva de modo muito deficiente, os arados que em seguida analisaremos apresentam como característica fundamental a sua assimetria, trabalhando apenas com uma aiveca e sempre em combinação com a sega que eles próprios possuem, adaptada ao temão ou apo.

115Estes aparelhos apresentam-se sob duas formas distintas: a) aravessas de aiveca fixa, virando a leiva sempre para o mesmo lado; b) charruas de aiveca móvel, com capacidade para virar a leiva para os dois lados. Umas e outras são sempre munidas de sega, e, na maior parte dos casos, também de carreta.

11626 – No Alto Minho, nos concelhos de Valença, Paredes de Coura e Arcos de Valdevez, usou-se até há poucos anos um arado especial, do tipo quadrangular, assimétrico, com carreta, e sega fixa, disposta em posição quase perpendicular à posição normal do arado (des. 50). No dente, geralmente de madeira de carvalho, e de secção rectangular, com cerca de 1,30 m de comprimento, espigam, a meio, a teiró e, atrás, uma rabiça de base quadrada a adelgaçar para a ponta; a aiveca é uma tábua recortada em linha ondulada, formando uma segunda rabiça, pregada à frente ao dente e ligada atrás à outra rabiça por um pau redondo; o espaço entre a teiró e a relha é fechado por duas tábuas, uma no plano do dente, sobre ele, e pregada à teiró; outra lançada desta à aiveca, pregada nos bordos superiores; a relha é uma chapa triangular pregada, ficando descentrada do dente, com uma aba mais saliente para o lado da aiveca; o apo, de cerca de 2 m de comprimento, de secção quadrada, é ligeiramente encurvado. Este arado é munido dum jogo dianteiro composto dum rodeiro com rodas de miulo e cambas, ou cheias, e eixo móvel; sobre este está montada a croca, prolongada para a frente por uma ponta de barrote de cerca de 1 m de comprimento, com uma argola de ferro na extremidade, onde engata o solim que vai atrelar ao gado.

50 – Paredes de Coura. Arado assimétrico de aiveca e sega fixas

50 – Paredes de Coura. Arado assimétrico de aiveca e sega fixas

117Funcionalmente, este arado rasga primeiro com a sega o corte da leiva, com a aiveca voltada para cima em posição deitada; chegado à extremidade do campo, ele volta para trás, agora na posição normal, a virar a leiva anteriormente talhada, e com a sega, por seu turno, em posição deitada.

118Existem aravessas direitas ou esquerdas, que se empregam conforme determinadas condições. Se é certo que num campo plano se podiam usar indistintamente uma ou outra, em campos declivosos preferia-se aquela que permitia virar a leiva ao descer, e segar ao subir, pois que a primeira dessas operações demanda mais esforço.

119A sua utilização é justificada – a despeito da desvantagem de fazer um «rego manco» – porque, como remove a terra apenas para o lado da leiva (como a charrua), exige menos força de tracção que o vessadoiro, isto é, menos juntas de gado para a puxar, trabalhando mesmo, muitas vezes, só com uma junta.

120A aravessa constitui um caso único entre nós, em que a aiveca e a sega são fixas e inamovíveis. Sob o ponto de vista funcional, ela apresenta-se pois como uma fusão de um seitoiro (tipo n.° 11) e de um vessadoiro (tipo n.° 22) que, este, tivesse apenas uma aiveca.

Charruas com carreta Arado labrego (Paredes de Coura)

12132 – Até cerca de 1960 funcionava ainda em algumas aldeias do concelho de Paredes de Coura, (e funciona ainda no lugar de Amieira, freguesia de Resende), um tipo de charrua com sega e carreta, ali designado por arado labrego, aparentemente simétrico mas na realidade assimétrico (des. 51). O dente, cabaço ou rasto, é um barrote de madeira de carvalho, de cerca de 1,40 de comprimento, com relha de ferro, espalmada e triangular; e tem, a meio, espigada, a teiró, e, atrás, uma ponta de barrote – o toco – ao qual se fixam duas rabiças. As aivecas, levemente encurvadas, são feitas de uma tábua de pinho de cerca de 1,20 m de comprimento por 20 cm de largura; nas pontas, têm um gancho de ferro que engata numa aselha cravada na parte superior do dente, um pouco atrás da relha; na parte de trás e face interior, elas têm um buraco no qual encaixa a ponta do pau, ou mexilho, que, disposto perpendicularmente ao temão e fixo ao toco e base das rabiças, as mantém em posição. Esse pau fica saliente 30 cm para cada lado das rabiças. Quando o arado vai a lavrar, virando a leiva para o lado direito, a aiveca esquerda vai levantada, fixa entre o apo e a rabiça; chegado à extremidade do campo, inverte-se essa posição. As aivecas estão ligadas uma à outra por uma corda, de modo a impedir que aquela que vai em funcionamento se desprenda do mexilho, mantendo-a apertada contra ele.

51 –Paredes de Coura, Lisoures. Arado de duas aivecas móveis com sega e carreta

51 –Paredes de Coura, Lisoures. Arado de duas aivecas móveis com sega e carreta

122O apo, de carvalho, um pouco encurvado, mede cerca de 2 metros de comprimento, e é munido de sega de ferro. A ponta do apo apoia sobre a croca, montada sobre o eixo dum rodado de eixo móvel e rodas de miulo e cambas; e prende-se a esse rodado por uma cadeia de ferro de três elos; da croca parte um barrote de 1,20 m de comprimento, com uma argola na ponta, onde engata o solinho que o liga ao gado (des. 51).

123Este arado acusa uma evolução muito sensível em relação ao seu antecessor, o grande vessadouro, n.° 22. Este, como vimos, era simétrico, mais pesado, demandando para o puxar um grande número de juntas de gado; e, desprovido de sega, obrigava à participação do seitoiro. Com a modificação no sistema das aivecas, tornadas amovíveis, ele ganha as características da charrua; e, apetrechado com a sega, funciona efectivamente como uma charrua.

124A cultura do milho, que nesta região de Paredes de Coura conheceu uma importância extremamente grande, pode, presumivelmente, estar na base da elaboração e transformação progressiva dos sistemas aratórios tradicionais, que, aqui, atingiram, a esses níveis, um dos seus pontos mais altos.

52 – Chamusca. Arado assimétrico com carreta

52 – Chamusca. Arado assimétrico com carreta

12529 – Em algumas regiões da Estremadura e do Ribatejo, nomeadamente na Marinha Grande, Chamusca e Coruche, usou-se, até há cerca de três decénios, um tipo de charrua de madeira, de aiveca móvel, semelhante ao arado n.° 16 (des. 52). O dente possue um cotovelo, e é neste que se liga a rabiça, ou rabanejo, dobrada em ângulo na ponta; o apo, muito encurvado, insere-se no vértice do dente, e tem, à frente da teiró, a sega de ferro; a ponta do apo apoia sobre um rodado que suporta, sobre o eixo, o croque, a que está ligado o tirante, ao qual por seu turno se liga o mata-bois.

53 – Figueira da Foz. Arado de aiveca móvel com carreta

53 – Figueira da Foz. Arado de aiveca móvel com carreta

54 – Ovar. Arado de aiveca móvel com carreta

54 – Ovar. Arado de aiveca móvel com carreta

55 – Montemor-o-Velho, Meãs de Baixo. Arado de aiveca móvel com carreta

55 – Montemor-o-Velho, Meãs de Baixo. Arado de aiveca móvel com carreta

12631 – No litoral central, até ao rio Douro, foi muito usada e encontra-se mesmo, em raros casos, ainda em uso, um tipo de charrua de madeira de aiveca móvel e com carreta e sega (des. 53 a 55). O dente forma em regra um ângulo muito aberto com um cotovelo de cerca de 30 cm de comprimento, não raro extremamente grosso. A este último estão ligadas duas rabiças curvas; a meio do dente espiga a teiró; o apo encurvado, de cerca de 2 m de comprimento, insere-se um pouco acima do vértice do ângulo do dente; a aiveca é uma tábua rectangular, de 95 cm de comprimento e 15 cm de largura, munida dum gancho de ferro na ponta, que prende a uma aselha ou a um prego cravado no dente, à frente; na outra extremidade, ela tem um pau fixado pelo lado de dentro, formando ângulo com ela, que a liga e firma contra o dente; a sega entra num rasgo aberto no apo, à frente da teiró, sobre a relha, suspensa por uma corda. O apo apoia numa cangalha, ou croca, montada sobre um rodado de eixo móvel e rodas de miulo e cambas, de cerca de 50 cm de diâmetro, e dela parte o tirante, que faz a ligação ao gado.

Charruas sem carreta

12727 – Em duas pequenas áreas localizadas, ao Norte, nos concelhos de Oliveira de Frades e Vouzela, e ao Sul, nos concelhos de Leiria e Porto de Mós, utilizou-se um pequeno arado assimétrico, em que dente-rabiça eram uma só peça, de temão direito inserido na rabiça, com sega e aiveca móvel (des. 56). Esta consiste numa simples tábua rectangular, com um gancho de ferro na ponta, para engatar numa argola fixa na face superior do dente, à frente, junto à relha, e com um pau cravado lateralmente junto à outra extremidade, o qual, quando em funcionamento, se enfia e fixa num buraco transversal aberto próximo da base da rabiça, ora dum lado, ora do outro, conforme a direcção da leiva.

56 – Oliveira de Frades. Reconstituição da aravessa de aiveca móvel

56 – Oliveira de Frades. Reconstituição da aravessa de aiveca móvel

12828 – Este arado, localizado apenas numa pequena área do concelho da Batalha, difere do anterior apenas em dois elementos: o temão, sensivelmente encurvado, insere-se no dente, junto ao vértice; a rabiça é uma peça independente do dente, ligada a ele por pernos ou cintas de ferro (des. 57).

12930 – Na Beira Litoral e parte ocidental da Beira Alta, usa-se em casos raros e esporádicos, designadamente nos concelhos de Montemor-o-Velho e Tondela, um tipo de charrua de temão encurvado e comprido, de duas rabiças, de aiveca móvel, e sega (des. 58).

57 – Batalha, S. Mamede. Reconstituição do arado assimétrico de aiveca móvel

57 – Batalha, S. Mamede. Reconstituição do arado assimétrico de aiveca móvel

58 – Montemor-o-Velho, Meãs de Baixo. Arado de duas rabiças, e aiveca móvel

58 – Montemor-o-Velho, Meãs de Baixo. Arado de duas rabiças, e aiveca móvel

ARADOS DE UM SÓ ANIMAL

130Seareiros ou pequenos lavradores que não possuem parelhas ou juntas de gado, muar ou bovino, usam pequenos arados puxados por um só animal. resolvendo desse modo o problema da exploração de pequenos tractos de terra. Estes arados seguem o modelo típico do arado corrente na região, apenas com a diferença de terem, em lugar da parte dianteira do temão – ou cabeça, no caso do arado de garganta –, dois varais ligados à parte traseira do temão (des. 59) ou garganta (des. 60 a) por travessas ou por duas peças curvas que, depois de fixas, formam um arco cujas pontas se prolongam pelos varais (des. 60 b).

59 - Seia, Santa Comba. Arado para um só animal.

59 - Seia, Santa Comba. Arado para um só animal.

60 – Arados para uma só besta – a) Arronches; b) Almodovar

60 – Arados para uma só besta – a) Arronches; b) Almodovar

61 –Trás-os-Montes. Arado para um só animal

61 –Trás-os-Montes. Arado para um só animal
  • 48 Em Moncorvo estes arados são designados pelo termo escachados.

131Em Trás-os-Montes48 os varais são geralmente duas hastes encurvadas de negrilho, unidas atrás para a inserção na rabiça. Em alguns casos, essas pontas das varas inserem-se lado a lado (des. 61a); noutros, é apenas uma delas que se insere na rabiça, enquanto a outra encosta a ela adiante da teiró (des. 61b). No ângulo da união, um espesso cepo de madeira, cingido por arco de ferro pregado, dá ao conjunto a firmeza necessária. Por vezes os varais são de tubo de ferro, ligados à garganta por parafusos (des. 62).

Casos especiais

132O arado de pau tradicional, na maioria dos casos trabalhando há séculos fixado numa forma que pouco ou nada mudara, foi em muitas regiões do País pratiçamente abandonado. E, como dissemos, nos casos em que subsiste, essa persistência deve-se à sua utilização na sementeira de cereais e outras funções menores. Sem falar nas grandes regiões de latifundio do Centro e do Sul do País, onde a agricultura, a partir sobretudo de meados do século, passou a apoiar-se num equipamento aratório mecanizado, nas próprias regiões de minifundio ele tem vindo a ser progressivamente substituído pela pequena charrua ou charrueco de ferro industrial, designado em muitos lugares por arado, e ainda por certos modelos com apo e rabiças de madeira.

62 - Faro, Pegões. Arado para uma só besta

62 - Faro, Pegões. Arado para uma só besta

63 – Porto. Arado de pau, com apo, e roda de madeira.

63 – Porto. Arado de pau, com apo, e roda de madeira.

64 – Barcelos, Convento da Franqueira. Arado de pau com apo e rodinha

64 – Barcelos, Convento da Franqueira. Arado de pau com apo e rodinha

133Marcando um degrau intermédio entre os velhos tipos tradicionais e esta última forma, e acusando francas influências de ambos, apareceram alguns arados em que o temão comprido foi substituido por um apo curto com pequena roda na ponta, por vezes de madeira, montada sobre alças reguláveis feitas de barras de ferro, ou em madeira, fixas (des. 63, 64, 65 e 66); noutros casos, aplicou-se ao velho arado uma aiveca de virar, em ferro; noutros ainda, alguns ferreiros locais improvisaram certos elementos de estrutura em ferro, pouco definidos, a que aplicaram uma aiveca móvel de fabrico industrial; etc. (des. 67). A pequena charrua que apareceu pelo Algarve, por exemplo, é um instrumento desse tipo, idêntico à antiga aravessa local (que nada tem que ver com o n.° 26), diferindo desta apenas pela existência duma aiveca de ferro, de virar. E mesmo algumas charruas todas de ferro conservam francamente a forma do antigo arado de pau. Pela serra algarvia divulgou-se também uma charrua com estrutura de madeira e ferro.

65 – Braga, Priscos. Arado de pau com apo e rodinha

65 – Braga, Priscos. Arado de pau com apo e rodinha

66 – Vila Nova de Cerveira, Roboredo. Arado de pau com roda de ferro

66 – Vila Nova de Cerveira, Roboredo. Arado de pau com roda de ferro

67 – Formas pouco características de arados e charruecos.

67 – Formas pouco características de arados e charruecos.

134Ao próprio charrueco, nomeadamente em certos lugares da Murtosa, quando é utilizado para margear, tiram-lhe a aiveca e põem-lhe uns paus de somar.

135De entre todas essas formas, merece uma menção especial essa aravessa, usada sobretudo no País a sul do Tejo.

68 – Aljustrel. Aravessa

68 – Aljustrel. Aravessa

136O antigo arado de garganta foi, em numerosos casos, como primeira modificação e primeiro passo para o seu desaparecimento, substituído pela aravessa (ou aradessa, e também gafanhoto, em Alvito) (des. 68).

137Esta aravessa não passa de um arado de garganta igual ao que atrás referimos (n.° 1), geralmente pequeno, no qual porém a cabeça foi suprimida; e, na ponta da garganta, foi montada uma pequena roda de ferro, que gira entre duas barras dobradas em V (armas ou tenazes). Estas barras têm a extremidade do braço posterior fixa e presa à garganta, enquanto que a outra extremidade é regulável e se firma à ponta da garganta a altura variadas por meio de uma chaveta. É graduando o afastamento entre a roda e a garganta que se tempera o arado – regula a profundidade da lavoura–; por isso a teiró perde a função de regulador do arado, encontrando-se, por vezes, presa firmemente e aparafusada à garganta. Este sistema de roda (rodete, Ponte de Sor) é, pois, idêntico ao usado nos diversos modelos de charruecos que vemos em uso por várias zonas do País.

138Nesta aravessa, a ligação ao gado é feita por intermédio de um cambão de pau (puxo, Alvito), ligado a um cadeado, cujo gancho terminal engata na argola aplicada na ponta da garganta, a que chamam em muitos locais boca de lobo.

139Em certas áreas do Alto Alentejo, em lugares em que usam aravessas, referem-se aos antigos arados de garganta como arados espalmados ou de temão espalmado.

ILHAS DA MADEIRA E PORTO SANTO

140Como observou Jorge Dias, os velhos arados da Ilha da Madeira pertencem ao tipo radial, mostrando um estreito parentesco com os arados radiais do Minho serrano e da Beira Alta.

141O arado da Madeira é formado por uma peça inteiriça dobrada em ângulo, com um dos braços direito – o dente– e outro ençurvado – a rabiça–; o temão, direito, insere-se na rabiça mais ou menos próximo do vértice do ângulo, e é mantido em posição pela teiró de madeira; as aivecas, estreitas, feitas dum pau desmeado, estão dispostas no mesmo plano do dente, pregadas à frente a este e ligeiramente afastadas dele atrás, fixas aí por um torno de madeira ou pelo mexilho; a relha de ferro é de casulo de encaixar (des. 69). No arado de Porto Santo, o conjunto dente-rabiça é constituído por três elementos: arado (dente), e rabiça. O arado é um pau de secção rectangular, geralmente de urze, formando um ângulo obtuso, de braços desiguais, o maior com cerca de 65 cm, o menor com cerca de 30 cm; o é uma haste direita, a aguçar para um lado, que liga a rabiça ao arado; a rabiça é uma pequena peça dobrada em ângulo. A ligação destes três elementos faz-se por meio de cintas de chapa. O temão, direito, apenas tem uma pequena curvatura na extremidade, junto ao ponto de inserção; essa inserção faz-se já no dente, adiante do vértice; as aivecas, pequenas e levemente encurvadas, dispostas no plano do dente, fixam-se à frente, junto à teiró, por pregos, e, atrás, por meio do mexilho, que as separa uma da outra cerca de 20 cm; o ferro, de ponta aguçada e espalmada, tem um punho de encabamento em casulo (des. 70).

69 – Ilha da Madeira. Dois arados

69 – Ilha da Madeira. Dois arados

70 – Ilha de Porto Santo. Arado

70 – Ilha de Porto Santo. Arado
  • 49 E fala ainda na existência, na Ilha da Madeira, de arados radiais sem aivecas, o que seria mais um (...)

142Jorge Dias chama a atenção para a identidade que existe entre as relhas dos arados da Madeira e a dos radiais do Minho serrano49.

AÇORES

143Os arados açoreanos podem ser considerados, segundo a sua estrutura fundamental, como pertencentes ao tipo radial, marcados porém por influências do de garganta.

144Eles podem ser agrupados em duas categorias, tomando em consideração o modo como o temão e o dente-rabiça se apresentam :

145a) Nas Ilhas de S. Miguel e do Faial, é formado pelas seguintes peças: rabiça, cunha da rabiça, sapata da rabiça, aivecas, travessa das aivecas, frade, temão e ferro (des. 71). A rabiça é um pau levemente curvo a aguçar para a ponta; a cunha da rabiça é uma peça dobrada em ângulo obtuso, com os braços de cerca de 40 cm a 60 cm; esta peça liga-se à rabiça pela haste mais comprida por meio de dois parafusos, e à sapata da rabiça, pela haste mais curta; a sapata da rabiça é uma peça direita, de secção rectangular, de cerca de 80 cm de comprimento, chanfrada na ponta para assentamento do ferro; as aivecas fixam-se, à frente, junto à base do ferro, dispostas num plano ligeiramente superior à sapata da rabiça, e abrem para trás em V, mantidas nessa posição por meio da travessa das aivecas; o frade é uma régua de madeira rija, espigada na sapata da rabiça; o temão, direito, insere-se na cunha da rabiça, acima do vértice.

71 – Ilha de S. Miguel. Arado

71 – Ilha de S. Miguel. Arado

146b) Nas Ilhas de Santa Maria (des. 72), Graciosa, Terceira (des. 73), S. Jorge e Pico (des. 74) o arado mostra em relação ao anterior algumas diferenças: o dente-rabiça é feito de duas peças, assim como o temão, enquanto que naquele, como vimos, o dente-rabiça compõe-se de três elementos e o temão é inteiriço.

147O dente (que nas Ilhas é sempre designado por rabiça) é uma peça dobrada em ângulo obtuso, de braços desiguais, prolongando-se o menor pelo rabo; a ligação entre estas duas peças é feita por parafusos ou cintas de chapa; as aivecas, delga das, ligeiramente encurvadas, são colocadas no plano da face superior do dente, pregadas à frente a este, e mantidas afastadas atrás pelo mexilho; o temão é feito de duas peças, a de trás encurvada (que, nos casos mais expressivos, faz pensar na garganta dos arados portugueses a sul do Tejo), inserida na base da rabiça, junto ao vértice; a da frente, também com pequeno joelho na extremidade, inserida junto ao ponto em que se faz a ligação ao jugo.

72 – Ilha de Santa Maria. Arado

72 – Ilha de Santa Maria. Arado

73 – Ilha Terceira. Arado

73 – Ilha Terceira. Arado

74 – Ilha de S. Jorge. Arado

74 – Ilha de S. Jorge. Arado

ARADOS DE TRACÇÃO HUMANA

  • 50 Oliveira Marques, "Introdução à História da Agricultura em Portugal”, (ed. Cosmos) Lisboa, 1968, p. (...)

148Os «arados de mão» usados na época medieval, como processo aratório, por certas classes rurais pobres que não possuíam animais de tracção e cultivavam as suas courelas cavando-as à enxada ou lavrando-as com esse arado50, são ainda conhecidos em nossos dias, em casos raros e esporádicos, mas já só apenas como um instrumento auxiliar de certos trabalhos de sementeira, actuando portanto em terras laboradas previamente por outros processos.

75 – S. Pedro do Sul, Negrelos. Arado de tracção humana

75 – S. Pedro do Sul, Negrelos. Arado de tracção humana

76 – Pampilhosa da Serra. Arado de tracção humana

76 – Pampilhosa da Serra. Arado de tracção humana

149Os exemplos observados em S. Pedro do Sul (des. 75) e Pampilhosa da Serra (des. 76), além de outros, correspondem, sob o ponto de vista morfológico essencial, aos arados correntes nas respectivas regiões, apenas de menor formato e feição geral mais leve, com o temão encurtado e atravessado, junto à ponta, por um pau, pelo qual são puxados.

Notes

1 Jorge Dias, “Os arados portugueses e as suas prováveis origens”, Coimbra, (IAC), 1948. Toda a teorização do assunto que não venha referida especialmente, é extraída dessa obra fundamental.

2 Paul Leser, “Entstehung und Verbreitung des Pfluges”, “Anthropos”, Múnster, 1931.

3 Mr. Robert Aitken y Lady Barbara Aitken, ‘EI Arado Castellano”, “Anales del Museo del Pueblo Espanol”, no seu Atlas, coloca-o num tipo intermédio, entre o quadrangular e o de garganta (Jorge Dias, op. cit., p. 50).

4 Jorge Dias, no seu esquema, estuda o tipo de garganta em primeiro lugar, o quadrangular em segundo, e o radial no final. Modificamos aqui essa ordem, uma vez que cronologicamente e na sua lógica funcional o radial antecede os outros dois tipos, e o quadrangular, entre nós, é porterior ao de garganta.

5 Dos arados radiais indianos não possuímos indicações; «mas basta o lugar em que se encontram, sem que aparentemente haja nada que os ligue no espaço, para ser admissível considerá-los independentemente do grupo ocidental. Podia-se supor a hipótese duma influência portuguesa na Índia, o que, se bem que não seja impossível, não é nada provável, pois os portugueses não foram lá agricultores» (J. Dias, op. cit., p. 67).

6 Se confrontarmos a área do radial com um mapa do relevo de Portugal que dê as regiões compreendidas entre os 400 e os 700 m. de altitude, e as que estão acima dos 700 m. notamos logo que todos os radiais registados estão dentro da área que fica acima ou muito perto dos 700 m.

7 « Nalguns pontos do vale do Douro ou vales de afluentes compreendidos na região dos vinhos do Porto, não encontaramos arados, porque (...) as vinhas tomam difícil o seu uso. Por isso, as terras semeadas a pão, são cultivadas à enxada. Mas, subindo mais alto, encontra-se logo o radial, nas terras de centeio e de batata» (J. Dias. pp. 78-79).

8 Como se depreende das imagens de arados que figuram em sepulturas do século XV, provenientes de Olaias (Torres Novas) e numa gravura quinhentista existente no Livro das Ordenações Manuelinas (embora havia já muitos séculos ocorressem manchas diferentes encravadas nesta zona, em que dominavam arados doutro tipo, como o quadrangular no Minho). Ver Notas 163 e 171.

9 «O arado radial é um dos arados mais primitivos conhecidos no mundo, e pouco difere do arado gravado no rochedo de Tegneby, em Bohuslaen, na Suécia (Idade do Bronze). Um arado destes parece ter sido inspirado num galho de árvore arrastado pelo chão. »

10 Carta de Jorge Dias a André Haudricourt, que este transcreve: André G. Haudricourt e Mariel Jean-Bninhes Delamare, «L’Homme et la Charrue à travers le Monde», Paris, 1955, p. 245.

11 K. D. White. Agricultural Implements of the Roman World, Cambridge, 1967, p. 127-128.

12 Onde como dissemos – ver Nota 158 –, temos indícios da sua existência aí já no século XVI; o labrego reproduzido por Adolfo Coelho como sendo o arado que no seu tempo se usava nessa Província, e que é um caso de hibridismo, parece mostrar que a influência do quadrangular com carreta se estendeu pelo litoral, pelo menos até ao Tejo. Ver também Nota 171.

13 António José Saraiva, “A Cultura em Portugal – Teoria e História – Livro 1 – Introdução Geral”, Lisboa, 1981, pp. 16-18. O Autor, apoiando-se em Idácio, objecta à opinião de Jorge Dias quanto à origem suévica do arado quadrangular em Portugal: “Esta suposição não condiz com o que geralmente se sabe dos germanos invasores, que constituiram uma casta militar, vivendo das armas e da rapina das populações locais, nem em especial dos Suevos, povo de guerreiros, caçadores e pastores, cujo breve domínio foi assinalado por constantes guerras entre a população galega e os seus subjugadores.

14 Jorge Dias explica o florescimento notável deste arado no Portugal Atlântico em geral pela acção daquilo a que deu o nome de lei da afinidade, princípio fundamental da ecologia cultural, segundo a qual um povo, quando emigra de uma região para outra, comporta-se conforme as condições de afinidade do meio de onde provém e daquele aonde chega : “Se encontra, nas terras a que chega, condições semelhantes às da pátria de origem, onde pode desenvolver o tipo de economia que lhe era peculiar, e se o ambiente natural é semelhante àquele a que estava habituado, o homem triunfa mais facilmente. Se lhe é muito adverso, é difícil a vitória, aumentando ou diminuindo o grau de influência no novo meio segundo o grau de favorailidade é maior ou menor, podendo ir desde o domínio completo, acompanhado de manifestações de civilização superior, até à total assimilação ou desaparecimento”.

15 K. D. White, op. cit., pp. 132-134, citando esta passagem de Plínio, esclarece (p. 133) que essa faca (“knife”) é não uma relha, mas uma sega (culter), isto é, uma lâmina curva disposta à frente da relha para cortar a leiva verticalmente antes de esta ser escavada (broken) e voltada para cima pela relha. Mas culter com este significado específico não é atestado em mais parte nenhuma, e arados equipados com segas eram naturalmente muito comuns nas províncias nortenhas, onde solos mais pesados as tomam necessárias, mas não se encontram na área mediterrânea.

16 No tesouro de Szillàgy-Somlyo, que deixaram (os visigodos) na Transilvânia., existem vestígios da sega (Alexandre Baschmakoff, citado por Jorge Dias, op. cit.).

17 “Non pridem inventum in Raetia Galliae nd duas adderent tali rotulas, quod genus vocant plaumorati”. “Recentemente, inventou-se um melhoramento na área Récia da Gália, o qual consiste em adicionar a este tipo de arado duas rodas pequenas; o nome local para este tipo é plaumoratum ”. Cfr. White, op. ci., pp. 141-142.

18 Jorge Dias. “Adolfo Coelho e o Arado Virgiliano”, “Miscelânea de Filologia, Literatura e História Cultural, à memória de Francisco Adolfo Coelho”, Lisboa, 1949, p. 41.

19 Para Haudricourt (André G. Haudricourt et Mariel Jean-Brunhes Delaamarre, “L’Homme et la charrue à travers le monde”. Paris, Galimard, 1955, p. 35) a forma originária do arado foi precisamente não uma peça única mas um tronco bifurcado de modo a formar o dente (parte inteira) à frente e as duas aivecas-rabiças (os dois ramos) atrás; por um pau atravessado entre as duas aivecas-rabiças é que se puxava este instrumento.

20 vr Notas 158 e 163, e textos correspondentes.

21 White. op. cit.. pp. 126-128

22 André G. Haudricourt e Mariel Jean-Brunhes Delamare, op. cit.

23 Chambige é a parte curva de um temão composto, a que chamamos garganta. A tradução de arado chambige seria por isso de arado de garganta; mas não utilizamos essa expressão para este caso, porque para nós ela corresponde ao tipo a que Haudricourt, diversamente, dá o nome de tipo dental (cujo temão, aliás, comporta idêntica peça curva – a garganta – justificando a nomenclatura usada por Jorge Dias).

24 «... e a diversidade provém sobretudo de: circunstâncias locais – material utilizável para o arado radial ou para o arado de garganta. J. Dias notara que « para fabricar o temão em cotovelo dos gargantas dispõe-se, no Sul, de certas madeiras – sobreiro, azinho, alfarrobeira, que se encontram raramente no Norte, ou faltam mesmo totalmente –; grau de evolução das técnicas (o quadrilátero é uma fase no desenvolvimento dos instrumentos, e não originariamente um tipo distinto...); de uma maneira geral, trabalho em superfície ou em profundidade. De tal modo que, para justificar a presença de variantes, não é necessário apelar para acontecimentos históricos sucessivos e diferentes» (Haudricourt. op. cit., p. 246).

25 Note-se que é precisamente por atender à estrutura dos arados desta categoria que Haudricourt lhes dá o nome de tipo chambige (garganta), porque neles a garganta é a peça central e basilar, a partir da qual se estrutura o instrumento. Ao nosso tipo de garganta ele dá. diferentemente, o nome de dental. porque nos arados desse tipo é o dente essa peça central e basilar a partir da qual se estrutura o instrumento.

26 Haudricourt. op. cit. p. 246.

27 Haudricourt entende que isso significa que primitivamente eram aivecas-rabiças, isto é, que a forma mais antiga de arado tinha 2 (ou 3 ?) aivecas.

28 Este tipo «castelhano», foi, com a designação de camba, considerado por Jorge Dias como um sub-tipo do arado de garganta. Ver adiante, discussão do problema.

29 Para Jorge Dias, certos arados radiais (Chaves, Curalha; Andam, Juncai, Porto de Mós) e mesmo alguns quadrangulares (Santo Tírso), em que o temão em vez de ser direito apresenta uma curvatura na extremidade que se fixa ao dente, parece traduzirem influências do de garganta.

30 O conjunto dente-rabiça é geralmente designado por rabiça. Rabiça é o termo frequente pelo interior das Beiras. Rabela é usado em Trás-os-Montes. Só em casos relativamente raros dão designação diferente a cada um destes elementos: cabaço e rabiça (ou rabela), no Minho serrano; cepo e rabiça, Anadia; dente e rabiça, Moncorvo; dentil e rabiça, Quintanilha, Bragança; etc. A ponta da rabiça, que o lavrador empunha, é designada em várias regiões, por mãoseira e, em Vagos, por pregamão.
Dente (ou dentil, Miranda) é o nome dado em vários lugares à extremidade do dente que entra na relha; ou à emenda que nele aplicam quando o uso a rompeu (Murça).

31 A designação geral é temão, timão.

32 Teiró, ateiró, tiró, atiró.

33 Temperar o arado é cerrá-lo ou abri-lo (Moncorvo).

34 Tesa ou teso é o nome mais vulgar; em Vinhais é designado por chave e em Freixo de Espada à Cinta por travessendo.

35 Corruptelas de aivecas: aibecas, abecas, avecas, eivecas, invecas, ivecas, ibecas.
O termo abiacas aparece desde Chaves e Vinhais a Miranda do Douro e Macedo de Cavaleiros; grelheiras, em Freixo de Espada à Cinta, Mogadouro, e Moncorvo; abelhacas, Quintanilha, Bragança; mãosinhas, Anadia.

36 Mexilho ou meixilho, mixilho. ameixilho, mexil, são as designações mais correntes; meixelo, Serra do Soajo; meixide, Montalegre; pespinheiro, norte do leste transmontano; pespeneiro, Mogadouro e Freixo de Espada à Cinta; travessa, Celorico de Basto.

37 Pescal ou pescalço é a designação mais frequente; pescunho, em vários lugares da Beira e Trás-os-Montes e especialmente frequente desde Tabuaço e S. João da Pesqueira até Sernancelhe; cunha ou cunho, geral; cascunho, Valpaços e Terras de Bouro; bascainho, Moimenta da Beira; pinas, Bragança e Miranda do Douro; piscaços, Celorico de Basto; calços, Penamacor.

38 Em alguns lugares da área confinante dão também às relhas de alvado o nome de ferro.

39 Bico, em Santa Comba Dão; folha, Cantanhede.

40 António Jorge Dias, ”Arado radial sem aivecas, caso de arcaísmo galego português”, Homenaje a Don Luis de Hoyos Sainz, I, Madrid, 1949, pp. 131-139.

41 Em Matosinhos chamam a este arado abicador, e empregam-no para abrir sucos para o assucadoiro.

42 Neste mesmo n.° 19, na Carta, incluiram-se exemplares – de Arouca (des. 38) – que não são quadrangulares puros. Ver nota 180.

43 Neste mesmo n.° 22, na Carta, incluiram-se exemplares que não são quadrangulares puros. Ver nota 179.

44 Neste mesmo n.° 22, na Carta, incluiram-se exemplares que são quadrangulares puros. Ver nota. 178.

45 Neste mesmo n.° 19, na Carta, incluíram-se exemplares que são quadrangulares puros. Ver nota 177.

46 De arrebanhar = margear, Bairrada; trolhas, Albergaria-a-Velha e Oliveira de Azeméis; restolho, S. Pedro do Sul; vasculho, Estremadura.

47 Haudricourt, de um modo geral, dá o nome de charrua aos arados assimétricos.

48 Em Moncorvo estes arados são designados pelo termo escachados.

49 E fala ainda na existência, na Ilha da Madeira, de arados radiais sem aivecas, o que seria mais um traço a marcar influências minhotas, dado que este tipo de arado, em Portugal, apenas se encontra naquela região serrana do Minho.

50 Oliveira Marques, "Introdução à História da Agricultura em Portugal”, (ed. Cosmos) Lisboa, 1968, p. 98 alude aos cavões, e a um documento de 1435, do Mosteiro de Alcobaça, falando nestes arados. Carreiro da Costa, "Etnografia agrícola – Alfaias agrícolas micaelenses”, Comissão Reguladora dos Cereais do Arquipélago dos Açores, 6, Ponta Delgada, 1947, pp. 85-90, refere também o uso, especialmente na cultura da beterraba, de um aradinho de tracção humana.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search