Desktop versionMobile Version

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

III – Portugal mediterrâneo

Volltext

1O Portugal Mediterrâneo situa-se a Sul, e compreende as províncias do Alentejo e Algarve, parte do Ribatejo, e o sector meridional da Beira Baixa (a Sul da cordilheira central). Os distritos estremenhos e o sul da Beira Litoral são zonas híbridas, que apresentam feições mediterrâneas combinadas com outras, de tipo atlântico.

2Embora o Algarve seja a província portuguesa com mais forte personalidade mediterrânea, daremos neste estudo preferência ao Alentejo em geral (e à referida zona beiroa), que, no conjunto das suas características paisagísticas fundamentais, apresenta um maior e mais expressivo contraste com o Norte Atlântico do que o Algarve, litorâneo, densamente povoado, e de pequena propriedade muito dividida, e onde o milho é, como ali, um elemento importante na economia agrária.

3Do rio Tejo para o Sul – com o prolongamento da Charneca e Cova beiroas a norte desse rio –, os quadros natural e humano mudam mais uma vez completamente. Sob o ponto de vista fito-climático, trata-se de uma região de natureza primordialmente mediterrânea, mostrando influências continentais, com aspectos por vezes norte-africanos, mas que, por outro lado, o Oceano tempera: clima quente e seco, fraca pluviosidade média anual (chovendo apenas praticamente no inverno), um verão longo, e ardente em que a terra ressequida, sujeita à acção dos anticiclones subtropicais, escalda sob um céu sem nuvens; no interior as temperaturas sobem facilmente acima dos 40° C, e apenas ao cair da tarde o vento do mar –a maré– refresca um pouco a atmosfera sufocante. « A terra queimada e seca, goza, durante esses dois meses, do repouso anual que na Europa Central ela encontra no inverno, sob a neve». Quando no centro da Península se geram altas pressões, sopra então um vento quente de leste – o levante – que queima tudo, comprometendo as searas.

4O inverno, pelo seu lado, é suave e curto; os anticiclones subtropicais deslocam-se para o sul, e as influências atlânticas tornam-se mais sensíveis: mas o frio é moderado, e dias chuvosos alternam com tempo solheiro, que o vento frio do leste – o xarôco – dissipa e arrefece. No seu conjunto, pois, a grande Província goza de um «clima mediterrâneo, temperado pela vizinhança do Atlântico». Mas cabe distinguir o Alto Alentejo, de clima menos excessivo e mais húmido, e o Baixo Alentejo, de características mais meridionais.

  • 1 Mariano Feio, ’Le Bas Alentejo et l’Algarve’, pp. 23-30 e 64-65; e do mesmo Autor, ’A Evolução da A (...)

5O relevo e o maior ou menor afastamento do oceano criam também diferenciações : «à região ocidental, vizinha do mar e com um relevo acidentado, que apresenta maiores precipitações, uma humidade atmosférica mais elevada no verão, uma menor amplitude térmica, e uma vegetação mais rica e mais verdejante, contrapõe-se o Alentejo interior, continental, com o seu clima extremo, muito mais seco e sujeito a fortes geadas». No que se refere aos solos, há também que fazer uma distinção essencial: por um lado, os barros, contendo uma proporção elevada de argila, profundos, derivados em regra de rochas eruptivas básicas, e por isso ricos em fósforo, podendo voltar a produzir passados uns 4 anos (pois o azoto regenera-se em pousio com relativa rapidez), e que, bem tratados e adubados, são mesmo muito produtivos ; por outro, as terras galegas, derivadas dos xistos, às quais falta o fósforo, constituindo solos magros, pedregosos, feitos de detritos da rocha mãe, geralmente muito pouco profundos (5 a 10 cm) e que só com longos pousios estão de novo em condições de produzir; a rocha aflora com frequência1.

6Os horizontes são aqui de uma grande sobriedade de linhas: exceptuando alguns maciços de pequeno vulto e altitude – as serras de S. Mamede, Ossa, Mendro, Ficalho, Grândola e Cercal, e, ao Sul, o complexo da serra algarvia (que prolongam, já em Portugal, os sistemas toledano e bético espanhóis) – o Alentejo é uma vastíssima peneplanície, formada por superfícies aplanadas do maciço antigo. Esta planície anula praticamente o litoral – uma orla linear, fechada e hostil, de arribas –, que é a zona mais despovoada do País. Os rios que a sulcam ficam, à excepção dos mais vultosos, pouco menos do que secos no verão, e são sujeitos a cheias repentinas, provocadas por súbitas chuvadas torrenciais.

  • 2 Luís da Cunha Gonçalves, ”A Vida Rural do Alentejo”, Coimbra, 1922, p. 33 : «Tanto as sobreiras com (...)

7Relacionada com estes aspectos, a flora espontânea da Província compõe-se de espécies mediterrâneas arbóreas e arbustivas – o sobreiro, o azinho2, o zambujeiro, o medronheiro, a esteva, o rosmaninho, o alecrim, o loendro, etc. – requerendo calor e solos secos; e, de facto, certas plantas mauritâneas encontram aqui mesmo o seu limite norte de difusão.

8Outrora, a paisagem mais característica do Alentejo era a charneca – a terra bravia, contínua e inculta, seca e erma, coberta de matagais daquelas espécies arbustivas, habitados por animais selváticos, lobos e javalis, e, mais antigamente, além desses, por ursos e veados, e infestados de salteadores que neles se acoitavam –, e que até meados do século passado representava mais de metade da sua superfície total ; apenas em torno dos aglomerados urbanos e em clareiras, nos solos melhores, se alargavam as terras aráveis, searas, campos semeados e pousios, onde crescia o trigo, a cevada, a aveia e o centeio; e, nos montados, também invadidos pelo matagal, o sobro e o azinho.

9Já na Crónica de Cinco Réis de Portugal (citada por Oliveira Marques), quando se referem as algaras de D. Afonso Henriques fala-se nas «charnecas mui grandes e despovoadas» que existiam além Tejo (reflectindo também o estado da região no século XV) ; e o mesmo quadro se depreende da Lei das Sesmarias, de D. Fernando, de 1375, que deixa entrever uma Província recoberta de herdades que não são lavradas nem semeadas (prescrevendo nesse caso a sua expropriação) ; e também do escrito de Manuel Severim de Faria, sobre os «Remédios para a falta de gente», de 1655, que mostra o Alentejo dividido em grandes herdades exploradas por rendeiros, e que «quanto maiores são menos se cultivam».

  • 3 Ezequiel de Campos”O Enquadramento Geo-Económico da População Portuguesa através dos Séculos”, Lisb (...)

10Como veremos, a charneca e os incultos extinguiram-se, e hoje praticamente toda a terra é produtiva: a paisagem desdobra-se a perder de vista em grandes campos abertos e desarborizados, de cereal e pousios, e em montados limpos, de sobro e azinho – e, aqui e além, restos dispersos dos maninhos antigos–; isolado na amplidão, branqueja o casario das cidades, vilas e aldeias, rigorosamente concentradas e muito distantes umas das outras, e dos montes e pequenos casais esparsos (constituindo uma forma concomitante de povoamento disseminado), centros de explorações agrícolas, maiores, ou menores, uns e outros rodeados ou ladeados por cercàdos de culturas mimosas, olivais e, em certas partes, vinhedos3.

  • 4 Mariano Feio, ’Le Bas Alentejo et l’Algarve’, p. 59. Ver também Ezequiel de Campos, op. cit., pp. 4 (...)

11É aqui que se verifica a densidade demográfica mais baixa do País com uma população aliás muito desigualmente distribuída4, e estes factos explicam-se pelas condições naturais do terreno, combinadas com as circunstâncias históricas e sociais da sua ocupação, que, por seu turno, estão na base das características fundamentais da agricultura regional.

  • 5 Oliveira Marques, op. cit., p. 91 : «Além dos detritos orgânicos, a agricultura romana e muçulmana (...)
  • 6 Albert Silbert, ”Le Portugal Méditerranéen à la fin de l’ancien régime – XVIII et début du XIX.e si (...)

12Desde os alvores da História, os povoados, nesta região, instalaram-se exclusivamente nos pontos elevados e melhor protegidos, cultivando em torno as terras necessárias ao seu sustento, mas permanecendo isolados uns dos outros pela vastidão desértica da charneca bravia. A colonização romana e árabe teve aqui grande impacto e deixou numerosos vestígios, bem patentes nas cidades e vilas principais alentejanas, e até em terras de cultura, aonde a cada passo se encontram vestígios de explorações rurais dessas épocas; a agricultura desenvolveu-se, introduziram-se novas plantas e técnicas agrárias, os gados abundavam, a população aumentou e civilizou-se ; mas a feição primitiva do povoamento manteve-se e a planície continuou despovoada5. Nos princípios da monarquia, a corôa, para consolidar a Reconquista numa área vastíssima, desértica, plana e aberta, adoptou o regime das doações de enormes domínios a magnatas laicos e eclesiásticos (reservando aliás para si própria a parte maior)6. Como se diz no preâmbulo do Decreto-Lei N.° 44720, de 23.11.1962, «a vasta e ondulada planície alentejana foi durante séculos terra de ninguém, em que cristãos e mouros se degladiavam pela posse de territórios, em constantes correrias e incursões, com a consequente destruição de bens e fuga de população. O senhorio dessas disputadas terras foi por isso atribuído a quem tinha poderio para as defender; o colono fraco e isolado não podia sentir-se tentado a ocupar uma terra que não era capaz de manter. Ultimada a reconquista com a definitiva expulsão do Sarraceno, procuraram os nossos réis da «Dinastia Agrária» resolver os graves problemas do despovoamento das terras transtaganas e da correspondente concentração de propriedade. Mas nem as leis da desamortização expedidas por D. Dinis, nem as leis das sesmarias de D. Fernando, nem os ulteriores esforços de D. João I, D. Duarte e D. João II contra o fortalecimento do feudalismo agrário evitaram a manutenção e ampliação da propriedade latifundiária em várias regiões do País, especialmente ao sul do Tejo». A terra alentejana ficou portanto, desde esses primórdios, fixada e imobilizada nas mãos de poderosos terratenentes; e são esses latifúndios, insulados no meio da charneca imensa e totalmente despovoada, que se situam na origem das grandes herdades alentejanas actuais.

  • 7 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo et l’ Algarve,” p. 63, é de opinião que "Grandes aldeias fortemente (...)

13As cidades e vilas alentejanas principais, vêm, pois, de tempos muito remotos, sobretudo do período romano, e são, como dissemos, rigorosamente concentradas7 e geralmente vultosas; as aldeias, habitadas pelos trabalhadores que servem nas herdades próximas, surgiram muitas vezes mais tarde, envolvidas pelos latifúndios; algumas situam-se mesmo no meio desses latifúndios, e nasceram do desenvolvimento de um monte, por concessão do seu proprietário, a quem os moradores pagavam uma renda ou fôro. Elas – e semelhantemente os demais centros urbanos e os montes – eram, como dissemos, geralmente circundadas por pequenos cercados para culturas hortícolas, pomícolas, e outras.

14As aldeias alentejanas são de casas térreas alinhadas e seguidas, de taipa, imaculadamente caiadas de branco no exterior e no interior, embelezadas com poiais, canteiros e vasos de flores na fachada frontal, acima da qual se erguem as grandes chaminés ; habitadas por assalariados rurais integrados num regime económico estritamente quantitativo, elas são em si mesmo apenas de habitação e não de lavoura, e por isso esmeradamente limpas, não mostrando nenhuma particularidade funcional que as relacione com aquela actividade ; certas arrumações, para guarda de alfaias, produtos, ou animais, situam-se geralmente em anexos exteriores, nas traseiras da casa.

15Em pequenos casais ou montarecos esparsos pelas terras, as lojas do cereal e a corte do burro estão geralmente incluídas na própria casa, a seguir ao sector da habitação ; e, com muita frequência, possuem anexos exteriores, não raro inteiramente em materiais vegetais, para outras arrumações.

  • 8 Silva Martins, op. cit., pp. 497-580, e II, pp. 375-378.

16A paisagem e a economia rurais alentejanas caracterizavam-se fundamentalmente – e ainda hoje se caracterizam em múltiplos aspectos – pela preponderância do Cultivo de cereais de sequeiro – o trigo, associado à cevada e à aveia; e, mormente outrora, o centeio –, portanto uma lavoura sem rega, em campos abertos e em grande parte desarborizados, em regime extensivo, com afolhamentos e, até épocas recentes, pousios intercalares, e silvicultura em montados de sobro (e azinho), nomeadamente para a produção da cortiça, complementados com pastorícia, sobretudo de gado miúdo, também em regime extensivo, em prados naturais – porcos nos montados, ovelhas nos pousios, outrora cabras (e bovinos) nos bravios ; e pela grande propriedade latifundiária8 e exploração de carácter industrial. Na sua evolução distinguem-se claramente três períodos bem definidos: 1) o período antigo ou da charneca, que dominava a fisionomia da Província, e que dura até aproximadamente ao penúltimo quartel do século passado; 2) o período das grandes arroteias, que significaram o desbravamento dos incultos e a extinção da charneca, e que se consumam pela década de 30; este movimento relaciona-se em grande medida com a generalização do uso dos adubos químicos (que se inicia em 1884), permitindo o cultivo dos terrenos até então inaproveitáveis, e o desenvolvimento das explorações ; e 3) o período da plena mecanização da agricultura alentejana, que se inicia a seguir à segunda guerra mundial, e sobretudo a partir da década de 50.

17A unidade agrária característica do Alentejo é a herdade – a grande propriedade–. As herdades, maiores (por vezes enormes) ou menores, soldam-se umas às outras sem deixarem entre si, praticamente, qualquer pedaço de terreno disponível, recobrindo toda a província, e envolvendo por todos os lados os aglomerados urbanos e a sua cintura hortícola, como ilhas isoladas no meio das terras que as compõem.

  • 9 pierre George, ’Sociologia Geográfica’, in "Tratado de Sociologia”, I, Lisboa, 1964, p. 359: «...a (...)

18A grande exploração (que pela sua própria natureza permite e acabou por exigir a mecanização dos meios de trabalhar a terra), necessita de capitais avultados, de uma planificação anual cuidadosa, uma contabilização perfeitamente organizada, e unidade e centralização de direcção. Ela assenta em conceitos quantitativos e inteiramente racionalizados, em que não intervêm factores de natureza afectiva ; e por todas essas razões, mostra, como dissemos, afinidades com as explorações industriais9.

19Monte, no Alentejo, é geralmente o nome dado a uma exploração agrícola grande, ou, mais concretamente, à casa de habitação do seu proprietário (ou da pessoa que a dirige), e que se situa no meio dessa exploração. Na realidade, os montes podem ser desde grandes casas com dois e às vezes três andares, tendo à sua volta as dependências e anexos requeridos por uma lavoura de vulto, até esses pequenos montarecos isolados, térreos e com as divisões restrictas às necessidades de uma pequena lavoura.

  • 10 Para a descrição e estudo do monte e da vida que nele decorre, ver José da Silva Picão, "Através do (...)

20No seu sentido mais corrente, o monte é um tipo de «casa complexa», núcleo central de uma herdade, compreendendo a casa senhorial do proprietário ou a do rendeiro, outras para o feitor e manajeiro, e ao lado as instalações para os trabalhadores da terra, permanentes ou eventuais – as casas da malta –, e para os artífices dos vários mestéres necessários ao funcionamento da exploração, carpinteiros, ferreiros, etc., por vezes mais de uma centena de pessoas com funções específicas e muito diferenciadas; e também lojas e cómodos para resguardo de gados – malhadas dos porcos, bardos das cabras, chiqueiros, etc. –, alfaias e produtos das colheitas, celeiros, ucharias, amassarias e forno do pão, queijarias e rouparias, etc., formando o terreiro interior para o qual abrem as portas e janelas. Ao lado do monte – que em regra se implanta nas terras melhores da herdade –, situam-se também a horta, de regadio, com sebes de piteiras em vez de muros, para os gastos do monte ; o quinchoso, geralmente de sequeiro, com sebes também de lenha, para protecção contra os gados, e que por vezes fazia parte do contrato de certos criados do monte; os monturos ou farrejais, fertilizados com os estrumes do monte ; e ainda a eira (de terra batida), para a debulha e limpa do cereal; poços ou fontes, etc.10.

21Uma herdade compreende: a) o monte (em sentido restrito), os campos, ou terra campa, afolhados ou em pousio; os montados, de sobro e azinho, onde se explora a cortiça; olivais, em manchas por vezes extensas, e mormente nas zonas cálcareas ; em certas regiões –Vidigueira, Borba, Reguengos, etc.–, vinhas; por vezes bravios; etc. Os montados, os pousios e os bravios, servem também, como dissemos, de pascigo a varas de porcos e a rebanhos de ovelhas e, sobretudo outrora, de cabras, e manadas de bois e de vacas.

  • 11 Ezequiel de Campos, op. cit., pp. 47-48.

22É evidente que desde sempre existiu também a pequena propriedade. « À medida que se ia assegurando a paz pela derrota do mouro e pela definição das fronteiras do Leste, à volta das povoações acasteladas (...).dividiram-se as terras das presúrias em muitas hortas e hortejos, onde o poço e a nora mourisca garantiram as culturas variadas, para a gente urbanizada (...) Eram jardins hortícolas na posse e arroteio de mouros e mossárabes foreiros, em número muito grande (...) Intercaladas nas hortas (...) algumas quintas de fidalgos e cidadãos, também com os seus trechos de regadio e pomar»11.

  • 12 Ver Silva Picão, op. cit., pp. 23-24. Gerardo Augusto Pery, ”Estatística Agrícola do Distrito de Be (...)
  • 13 Silbert, op. cit., p. 104: «Deve-se contudo notar que uma grande parte, a maior, das terras conside (...)

23Em tempos menos recuados, a pequena propriedade independente, no Alentejo, era representada fundamentalmente por esses tractos de terrenos cercados à volta dos centros urbanos, onde se praticavam culturas em regime intensivo, permitido por uma estrumação abundante, que as suas dimensões e a sua localização tomavam possível: hortas, para horticultura, de regadio; ferragiais ou farre-Jais, para, além disso, cultura do trigo, ou outros cereais sem pousios, e ferrejos (pastos) ; e ainda, por vezes, quintas, de maiores dimensões, muradas, de tipo senhorial, com casa de habitação para o proprietário ou o arrendatário (o quintaneiro), e onde, além da horticultura, se praticava também a pomicultura, sobretudo de laranjas, para abastecimento de mercados urbanos próximos. Aquelas pequenas propriedades, na sua quase totalidade, nomeadamente as hortas e ferragiais, eram de natureza enfiteutica ; seguidamente, porém, transformaram-se em propriedades perfeitas pela remissão dos foros12. Uma outra forma de pequena propriedade, são casais que se vêm dispersos no meio de grandes herdades, onde residiam os trabalhadores, também aforados, em consequência do parcelamento dessas herdades em courelas para fixação de colonos que assegurassem a mão de obra necessária ao seu cultivo, e que, por esse motivo, são mesmo designados pelo nome de foros. Mais modernamente, a pequena propriedade toma maior incremento, devido sobretudo ao desbarato das grandes herdades. Além da grande e da pequena propriedade, há ainda que mencionar a propriedade colectiva, que «ocupava um lugar de vulto no conjunto do Portugal Mediterrâneo», ocorrendo em vários casos e sob determinadas formas13.

  • 14 Na verdade, a pequena exploração frumentária está fundamentalmente fora da tradição e da técnica ag (...)

24É porém fora de dúvida que, àparte esses aspectos da pequena propriedade, importantes sem dúvida mas menos significativos, a regra geral e característica da apropriação do solo no Alentejo, que se verificou até aos nossos dias, foi a grande propriedade ou exploração, derivada do anterior latifúndio, que as condições ecológicas e históricas da região promoveram14; e o contraste e oposição entre os dois estratos em que se estrutura basicamente a população agrícola alentejana – os grandes lavradores, proprietários ou rendeiros, e os trabalhadores sem terra – são ali uma realidade crucial, que dá o tom e define as linhas mestras da atmosfera económico-social da Província. Falamos já das primeiras tentativas de combate ao latifúndio, sobretudo quando nele se enxertava o absentismo dos grandes proprietários, que no Alentejo sempre se considerou causa da existência de grandes extensões de incultos, delineadas na Lei das Sesmarias, de D. Fernando, e das medidas preconizadas por Manuel Severim de Faria, em 1655, em vista à resolução do problema magno do despovoamento do Alentejo. Mas é no século XIX que a oposição entre esses dois estratos sócio-económicos se define de modo mais concreto, sob a forma de ataque ao latifúndio: Alexandre Herculano, Oliveira Martins, Alberto Sampaio (que acentua expressamente a necessidade de «arrotear, cultivar e dividir os latifúndios, sentenciados hoje em todos os Países»), propondo, como paliativo, o revigoramento da enfiteuse (que para Herculano seria também um processo de fixação de mão de obra); e Basílio Teles, («Problema Agrário»), preconizando directamente a expropriação do latifúndio («com a sua inevitável charneca »). Enfim, o Decreto-Lei N.° 44720, de 23.11.1962 após historiar a questão da grande propriedade na Província, toma posição em relação ao assunto, admitindo a expropriação de uma parte das terras que beneficiaram de obras de fomento hidro-agrícola.

*
* *

  • 15 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo et l’Algarve”, p. 75: Em 1949, o proletariado rural alentejano repre (...)

25Em relação com o tipo fundamental da apropriação do solo nesta Província, a sua população, segundo um esquema simplista, divide-se em dois extractos violentamente contrastados, em relação com os aspectos essenciais que ali mostra a exploração rústica : por um lado os grandes lavradores – os grandes proprietários ou lavradores senhoriais, outrora a realeza e os potentados da nobreza e da Igreja, conventos e ordens religiosas e militares, e, hoje, do capital (que em muitos casos se substituiram a esses)–; e, por outro lado, a massa dos trabalhadores, verdadeiro proletariado rural, que não possui nem detém um palmo de terra, trabalhando a terra dos outros15 (admitindo-se unicamente, como formas de pequena propriedade e exploração, os casos que atrás enumeramos).

  • 16 Orlando Ribeiro "Evolução...”, p. 133: «Grandes e poderosos senhores possuem ou arrendam herdades c (...)

26A realidade porém, mesmo nas populações agrícolas, mostra mais cambiantes. Sem dúvida, em muitos casos eram os próprios proprietários quem explorava as suas herdades directamente, com o concurso de vários auxiliares assalariados – um feitor ou encarregado (servindo também de contabilista), manajeiros para os diversos serviços, e outro pessoal; e então, não raro, com os conhecimentos que tinham do assunto e os avultados recursos financeiros de que em regra dispunham e lhes permitiam fazer investimentos convenientes (sobretudo quando, em tempos recentes, se operou a mecanização da agricultura), os progressos e a valorização das terras eram muito sensíveis. Mas, mais correntemente, os grandes proprietários entregavam a exploração a rendeiros, mediante o pagamento de uma renda. Em certos casos, esse arrendamento respeitava apenas às terras aráveis, guardando o proprietário para si o produto dos gados e dos montados – a lã, os porcos, a cortiça –; havia mesmo herdades apenas para gado – as herdades de montado – que muitas vezes também eram arrendadas, a rendeiros especializados na criação de gado. Em todos estes casos, o proprietário podia viver na cidade, sem o trabalho da administração, e até sem conhecer as suas terras16.

  • 17 O que obrigava mesmo à importação de trigo do Norte da Europa (que beneficiava de um regime alfande (...)
  • 18 Em 1624, Manuel Severim de Faria atribuía o atraso da agricultura alentejana e o despovoamento dest (...)

27Este absentismo, associado ao latifúndio (e que se exprimia pela preferência dada à pastorícia sobre a agricultura) tem fundas raízes na Província, e foi, desde muito velhos tempos, considerado responsável pela escassez do seu povoamento e pela pobreza e atraso da sua agricultura – e, consequentemente, pela mediocridade da sua produção cerealífera17–; ele adivinha-se já, como dissemos, na Lei das Sesmarias, ameaçando de expropriação os possuidores de herdades que não as lavrem nem semeiem, e nos «Remédios» de Manuel Severim de Faria, que considera o regime dos rendeiros, no Alentejo, a causa da falta de gente e consequente carência de trigo; e do mesmo modo em Alberto Sampaio e Basílio Teles, que claramente associam latifúndio e terras incultas e despovoadas ou charnecas18.

  • 19 Orlando Ribeiro, ”A Evolução Agrária”, p. 143; e Pierre George, op. loc. cit., I, p. 355.
  • 20 Silbert, op. cit., pp. 1038-1039, e 812.

28De facto, o lavrador alentejano típico era o lavrador-rendeiro; como nota Orlando Ribeiro, «dentro do sistema tradicional, importava mais semear (como se diz ainda no Alentejo) do que possuir terra» ; e nessa mesma ordem de ideias, Pierre George entende que « nas regiões de grande propriedade, os rendeiros são os verdadeiros senhores do solo»19. Mas dentro desta categoria geral dos lavradores-rendeiros, podem-se estabelecer várias gradações : além dos grandes – por vezes mesmo muito grandes– lavradores-rendeiros (distinguindo-se ainda, entre estes, os criadores de gado especializados), e também dos muito pequenos lavradores-proprietários, em relação com essas formas de pequena exploração intensiva, há que considerar ainda os pequenos lavradores-rendeiros e os seareiros, que são igualmente pequenos rendeiros com um estatuto especial, que se relaciona com certas características marcantes da Província. « A hierarquia dos lavradores pode finalmente ser definida de uma maneira simples pelo número de arados empregados. Varia de 1 a 40. Convertidos em hectares, esses números correspondem aproximadamente a 20 e 1000 hectares». Silbert entende por isso que «os lavradores não formam uma verdadeira classe social. Tudo depende, na realidade, da frequência relativa dos diversos cambiantes que a categoria apresenta. Ora, parece que havia muitos lavradores que dispunham de uma dezena de arados, ou seja cultivavam 200 a 300 hectares. Tendo em conta o gado associado (porcos e ovelhas), uma tal exploração pode ser considerada como grande, mesmo no quadro da agricultura antiga»20.

29Os seareiros são pequenos cultivadores, trabalhando por conta própria mas em terras alheias ou comunais, que tomavam de arrendamento com condições mais precárias do que os rendeiros, e mediante o pagamento de uma quota parte da colheita.

30Os seareiros aparecem ligados fundamentalmente com os sistemas de cultura temporária outrora existentes –as queimadas e as roças – ; e a sua importância explica-se pela própria importância de tais culturas nesses tempos. Por isso, existe uma relação entre eles e, por um lado, o colectivismo agrário, e, por outro, a grande exploração : o trabalhador pobre e sem terras, graças ao processo das roças, encontrava recursos em cereais, cultivando parcelas de terrenos maninhos nos baldios e nas herdades de mato ou nos montados das grandes explorações, interessadas sobretudo no pastoreio, e que lhas entregavam para que eles as limpassem e desbravassem.

  • 21 Silbert, op. cit., pp. 1036, 763 e 817.

31Mas os seareiros aparecem também ligados à cultura regular (extensiva), no sistema de afolhamentos, não só nas terras comunais (onde a diferença entre essas duas formas de exploração é difícil de estabelecer com precisão), mas também nas grandes propriedades, que dividiam as folhas em courelas para melhor serem valorizadas, entregando-as igualmente aos seareiros para cultivo21.

32Na época antiga, para aqueles trabalhos, bastava possuir um arado (e uma grade e outras alfaias menores) e a correspondente junta de bois.

  • 22 Silbert, op. cit., p. 819.

33O seareiro era precisamente definido pela posse de uma dessas unidades arado-junta de bois, que lhe permitia oferecer-se para trabalhar essas parcelas de terra, comunais ou de alguma herdade, sem necessitar de qualquer outro capital, que não possuía. Com os bois, além disso, o seareiro fazia carretos, que constituíam um acréscimo de proventos22.

34Os contratos com os seareiros não lhes davam direito ao arrendamento completo das terras pelo período mínimo do ciclo cultural : as suas actividades essenciais relacionavam-se unicamente com o cultivo da seara, e por isso os seus direitos iam apenas do alqueive (lavra preparatória) à ceifa, não lhe pertencendo restolhos ou ervagens, e não podendo consequentemente ter ovelhas nem porcos.

  • 23 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 75, fala em 1/4; Cunha Gonçalves, op. cit., p. 25, fala em 1 (...)

35Quando se tratava de terras bravias, o seareiro pagava uma renda que ia de 1/3 a 1/7 da colheita, mais comumente 1/4: era o que se chamava a lavoura ao quarto 23.

  • 24 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 75; Silbert, op. cit., pp. 763-765. Este último Autor, op. c (...)

36O processo das roças e queimadas era por vezes nocivo, porque muito exaustivo : a terra produzia bem no primeiro ano, mas só voltava a produzir após um longo pousio, e era causa de destruição de arvoredos por incêndios ; mas, como diz Mariano Feio, «estas pequenas explorações independentes valorizavam as terras mais pobres e, embora rotineiras, foram um sólido elemento de equilíbrio social »24. E, como veremos, foram os seareiros quem, nos finais do século XIX, acabou com a charneca e os incultos da Província.

  • 25 Orlando Ribeiro, ”A Evolução Agrária”, pp. 142-143.
  • 26 Silbert, op. cit., p. 820.

37Os seareiros eram pois pequenos exploradores-rendeiros especiais que tradicionalmente contrastavam com os grandes lavradores, numa distinção consagrada nas próprias Ordenações do Reino25, e que é paralela à distinção entre herdade e courela. A diferença entre seareiros e pequenos lavradores-rendeiros é menos nítida; mas, como vimos, aqueles, ao contrário destes, tinham direito apenas ao cultivo dos cereais – à seara – e não aos pastos. Na realidade, porém, dentro do complexo corpo social dos trabalhadores rurais alentejanos, os seareiros eram aqueles a favor dos quais se verificava mais frequentemente o fenómeno da « capilaridade social», e que mais capacidade tinham para ascender economicamente e socialmente; e de facto, muitas vezes, eles acabaram por se tornar lavradores-rendeiros26.

38O esgotamento das terras, e vários anos maus, que a sua debilidade economica não conseguiu superar, e sobretudo a generalização do uso dos adubos químicos (para a aquisição dos quais eles não possuíam capitais) permitindo aos lavradores uma cultura intensiva sem a participação dos seareiros – necessária no ritmo lento das roças –, conjugadas com o desenvolvimento das alfaias, e ainda a «revolução dos transportes», acabaram praticamente com esta categoria de trabalhadores. Mas actualmente foi ela que veio fornecer a mão-de-obra fundamental na cultura do tomate, que pelo decénio de 60 se desenvolveu extraordinariamente no Alentejo, sobretudo para o fabrico de concentrado, de que Portugal chegou a ser o maior exportador mundial, em relação com a criação de fábricas dessa especialidade.

*
* *

39A vida do trabalhador rural alentejano, sob o ponto de vista salarial, conhecia grandes oscilações : a um breve período de fartura, correspondendo às ceifas (as quais, não consentindo demoras, tinham de se ultimar num prazo limitado), em que a demanda de braços era sempre excessiva e os salários subiam por vezes 100%, sucedia-se um outro, longo e penoso, de desemprego e carência, após aqueles trabalhos e durante o inverno.

40Nesse período em que os trabalhos apertavam, requerendo muitos braços, os trabalhadores permanentes não bastavam, e tinha de vir gente de fora: as aldeias vizinhas esvaziavam-se, e toda a gente válida ia para os campos.

41Em muitos casos tinham lugar feiras ou praças de ceifeiros no largo das aldeias onde se apresentavam as gentes da terra e os capatazes das herdades, para aí arranjarem a mão de obra necessária – em Canhestros, semanalmente (às 2.as feiras), fosse pelo salário que se acordasse, fosse «a de comer» ; na Cuba, todos os dias, e só pelo dia; em Évora ; etc. –; e, em Mértola, essa feira era de grande vulto, e a ela compareciam ganhões e capatazes de toda a região (figs. 201-202).

42Mesmo assim, para a época das ceifas, o pessoal escasseava, e aos trabalhadores locais vinham juntar-se outros de mais longe, em migrações já consagradas pelo costume: maltas de ceifeiros ou camaradas de trabalhadores, importantes contingentes de gente da serra algarvia, e principalmente os ratinhos beirões, das montanhas pobres, que, anos seguidos, vinham das mesmas terras em ranchos sob a direcção dum manageiro – e que viajavam a pé ou de burro, passando nas povoações em fila, de mochila e pau às costas, tocando e cantando, e batendo o ritmo com os sapatos ferrados na calçada, parando para comer e para descansar.

43Estes contingentes de fora, contratados «pela época», iam de patrão em patrão, a roupa encharcada em suor, dormindo ao ar livre – aliás no Alentejo, os homens, no verão, com grande frequência dormiam nas eiras – e trazendo consigo apenas a foice, o canivete para cortar o pão, a colher de pau, metida na fita do chapéu, e o pífaro para os lazeres.

44Nos períodos mortos do trabalho, as aldeias viam-se cheias de homens que conversavam aos grupos, encostados às paredes – homens de expressão séria e pouco expansivos, em cuja face se lia a gravidade da sua luta pela vida, numa paisagem social ingrata e injusta.

45No Alentejo, o sentimento de coesão social não se manifesta verdadeiramente ao nível do agregado familiar ou vicinal, mas antes a nível da Província, e, dentro de uma exploração em grande escala e executada por assalariados, a gratuitidade e reciprocidade nos trabalhos colectivos não tinham razão de ser. Contudo, no final de algumas das grandes fainas em que tomavam parte muitos trabalhadores, homens ou mulheres, ao mesmo tempo, tinha lugar a adiafa – uma refeição conjunta feita no campo, e para a qual cada pessoa levava o seu talher.

46No Alentejo, homens e mulheres participam nos trabalhos do campo. Há porém tarefas em que, por sua natureza ou por razões de tradição, se verifica uma diferenciação sexual mais ou menos exclusiva. Assim, por exemplo, as mondas eram feitas sobretudo pelas mulheres, as debulhas eram-no pelos homens. As ceifas, pelo contrário, eram feitas simultaneamente pelos homens e pelas mulheres, e até por rapazes e moças muito novos.

  • 1 Ver notas 113 e 114, e texto correspondente. José de Campos Pereira, ”A Propriedade Rústica em Port (...)

47Quase todos os autores do fim do século XVIII e começo do XIX consideram a criação do gado como a actividade rural fundamental do Alentejo, que com a regularidade maior do seu rendimento constitui um verdadeiro factor compensador da economia das terras galegas e dos anos maus. Alberto Carlos de Menezes, na sua « Estatística », assinala que mais de um terço das herdades da comarca de Évora estavam arrendadas para criação de gado e não para cultivo de cereais. Por outro lado, a preferência que lhe davam os grandes proprietários (mormente quando se tratava de propriedades arrendadas), combinada com o regime extensivo em que ele era pastoreado, encorajando longos pousios e a conservação de montados bravios e de charnecas, foram sempre considerados como a causa principal da estagnação e descuido da agricultura, e das crises económicas da Província. Já na Idade Média a Lei das Sesmarias, de 1375, procurando como vimos promover o arroteamento das terras, tomava posição contra o desenvolvimento da pastorícia, que vivia das grandes extensões incultas; e o mesmo se pode dizer das medidas preconizadas por Manuel Severim de Faria no século XVII, e por todos os que pugnavam pela agriculturação da Província1.

48Cabras, ovelhas, porcos e mesmo vacas e bois, pastam sempre em pastos naturais –fundamentalmente as cabradas na charneca, as ovelhas nos pousios, os porcos nos montados, os bois e as vacas em todos estes locais. Em épocas mais antigas, as cabradas eram extremamente vultosas; elas tinham a conveniência de produzirem leite, queijo, carne, estrume (quando dormiam nas cercas). Com o desbravamento e extinção final da charneca, o número das cabradas diminuiu muito, enquanto que, por toda a parte, aumentava o dos rebanhos de ovelhas. As ovelhas produziam também leite com que faziam queijo, carne, e sobretudo lã, que nesses velhos tempos, era «a fonte de benefício mais notável e mais regular» do Alentejo, sobretudo como produto primordial do comércio local, que ultrapasava a economia regional e mesmo nacional.

49A exportação da lã ali produzida era proibida, e existia uma tradição de trabalho artesanal da lã, e inúmeros pisões – mantas e cobertores, panos grosseiros de Brinches–: esse trabalho carecia de autorização camarária, o artesão prestava juramento, havia uma regulamentação muito estricta dos produtos fabricados, e a sua fiscalização ; os fregueses traziam a lã, que era pesada, e recebiam o tecido, que era igualmente pesado. Foi nessa tradição artesanal que se apoiou o surto industrial que se verificou no século XVIII (Portalegre, Castelo de Vide, Redondo), o qual porém nunca nesta Província atingiu um nível considerável. Mas o trânsito da lã espanhola era permitido, e, com um pouco dessa lã, a lã do Alentejo, comprada pelos «comissários» nas grandes feiras de Évora e Vila Viçosa, seguia para a Inglaterra, ao longo da via da transumancia que levava à Serra da Estrela e à Covilhã, ou por Lisboa.

50À noite, as ovelhas recolhem à herdade, ficando no aprisco ; mas as mais das vezes dormem todo o ano ao ar livre, em redis de rede, que se deslocam todas as noites para que o frago, que serve de adubo, se espalhe pela maior superfície possível do campo; e é aí que, de manhã, se faz a ordenha, para o fabrico do queijo.

51O queijo – de cabra ou ovelha – era fabricado por processos rústicos, e foi noutros tempos também um dos produtos importantes na região, tendo mesmo, no século XVII, sido usado para o municiamento das naus da Índia; hoje ele é-o para consumo de casa (e em certa medida para venda), constituindo um elemento básico na alimentação do trabalhador rural, e mormente do pastor.

52As ovelhas na primavera têm erva em abundância, e no verão ainda encontram alimento conveniente na erva seca e nas folhas; o outono e começos do inverno são períodos de penúria, e, se a seca é grande, morre muito gado.

53Os pastos do Campo de Ourique, e zonas de Beja e Mértola, eram o centro do montadigo – um movimento especial de transumância de rebanhos que vinham da Serra da Estrela invernar no Baixo-Algarve, mencionado já nos forais do Baixo Alentejo e da Covilhã (do século XII), e que vigorava ainda plenamente no século XVIII –. Um corregedor da região diz mesmo que a maior parte dos pastos de que a comarca abunda são vendidos para pastagens dos gados que vêem de fora. De Espanha vinham rebanhos pastar ao Alentejo, no regime das cañadas, num movimento que se documenta desde o século XV, e a que só a Restauração pôs termo; mas ainda no século XVIII, apesar disso, eles apareciam no vale do Guadiana. Actualmente, tem lugar, em certas partes, uma forma definida de transumância : a gente das terras pobres do Sul aluga, no verão, após as ceifas, os restolhos do trigo – o agostadoiro – para pastos nas regiões dos barros mais ao norte (onde em regra não há gados), e por aí ficam com os seus rebanhos até ao tempo das charruadas ou alqueives de verão.

54Os porcos vivem também em regime pastoril, e dormem em grandes ou longas pocilgas construídas em falsa cúpula.

55No inverno, comem raízes e bicharada da terra, na primavera, erva, e no verão, espigas e grãos que ficam nos campos; e, nos pousios, cápsulas de esteva, cardos secos, etc.; de Novembro a Janeiro, para a engorda, são levados aos montados, onde encontram a bolota ou as landes do sobro e do azinho, completando-se esta ração com cevada, aveia, e borras de azeitona. Os bácoros vão depois também para os montados, e comem o que os outros deixaram. A charneca e os matagais velhos não lhes fornecem qualquer alimento. Mas o comércio dos porcos, durante muito tempo, fazia-se sobretudo no interior de uma área restrita, a pequena distância do seu ponto de origem. Contudo, em 1880, chegou-se a exportar fumeiro alentejano para o Brasil.

56Além desta criação extensiva, própria das grandes explorações, há que mencionar o cevão ou porco caseiro, que todo o pequeno lavrador possuía, e que era um elemento importante da sua economia numerária. E havia também a adua, ou vara comum, com os porcos dos pobres, que parece ter sido de uso geral, e que existia ainda em Monforte e Arronches no princípio deste século. Particularmente relevantes eram a existência, em certas partes, de montados nos coutos, baldios e defesas dos concelhos, de que se vendia a bolota.

57Como sucedia com os ovinos e caprinos, a criação de porcos opunha-se muitas vezes ao bom granjeio das terras, e era considerada como uma das causas principais da decadência ou estagnação da agricultura; havia mesmo as herdades de montado, por vezes arrendadas, onde se fazia a engorda e que praticamente não eram cultivadas.

58Com a valorização da cortiça e do trigo, e as grandes arroteias, o montado aumentou, e, consequentemente, com ele, a criação de suinos, persistindo a raça e o regime pastoril tradicionais. Recentemente, a peste suina africana veio dar um golpe profundo neste aspecto, que fora tão característico da economia alentejana.

  • 27 Para esta breve descrição da pastorícia na economia rural alentejana, utilizamos fundamentalmente o (...)

59Os bovinos desempenharam do mesmo modo um papel mais importante no passado do que presentemente, como animais de tiro, para a lavoura, e para os transportes. Muitas quadrilhas de bois seriam mesmo apenas usadas no carrego, e para elas se reservavam pastos que eram cultiváveis. Eles eram apascentados do mesmo modo em regime extensivo, nos matos e charnecas, comendo além disso folhas de árvores dos montados, ramagem de zambujeiros e oliveiras, e cereais cortados em verde nos ferragiais, e especialmente milho. A generalização do emprego de muares para as lavouras, e do carro de eixo fixo, que teve lugar nos fins do século XIX, acarretaram a decadência deste tipo de ganadaria. Como diz Braudel, « o boi é lento demais para responder a uma cultura conquistadora do trigo, exigida as mais das vezes por uma pressão demográfica»27.

60Nas grandes herdades, a cada uma destas espécies de pastorícia correspondia uma categoria definida de pastor, com atribuições próprias: o cabreiro, o pastor propriamente dito (para as ovelhas), o porqueiro, o boieiro e o vaqueiro, o eguariceiro (para os equídeos), etc.

61A criação de gados, embora tenha cedido a primazia à agricultura cerealífera, continua a ser, como dissemos, e mormente foi no passado, um elemento de importância fundamental na economia rural da Província. Nas grandes folhas de restolho, nos pousios abertos, e nos montados, vêem-se enormes rebanhos de ovelhas pastando, e varas de porcos que aproveitam a bolota das azinheiras, seguidos pelo pastor que os vigia, ainda hoje vestido com o pelico e os safões de pele de ovelha, com o seu cajado, e o tarro de cortiça onde leva o comer; de dia ele conduz os gados aos locais de melhor pastagem ; à noite, arma o redil onde eles ficam, e dorme ao lado, sob uma esteira ou choço móvel. E é fora de dúvida que a região mostra ainda aspectos característicos onde aflora um cunho pastoril especial: os pastores, embora assalariados, são-no por profissão, que se transmite muitas vezes de pais a filhos; e a tradição pastoril perdura em certas actividades locais características, indústrias caseiras e artesanais que se relacionam com esse modo de viver, e em certa medida o servem. Além da importância do queijo, são correntes e característicos os trabalhos feitos pelos pastores, em madeira, chifre, cortiça, gravados e às vezes policromados, geralmente para seu uso próprio ou para oferta – colheres bordadas, tarros, cornas, fechos de coleira, chavões, cabritas, dedeiras, costureiras, tropeços, cochos, etc. E também as mantas de lã, tecidas nas aldeias nas cores branca e castanha naturais, às riscas, que constituem todo o abrigo dos pastores contra o frio e a chuva.

62Aliás, a própria alimentação típica do Alentejo traduz essa forma de vida: o seu alimento fundamental é o pão – o pão branco, que se come com chouriço, azeitonas e queijo, e com o qual se faz a sopa, adubada com azeite aromatizado com ervas e alho. Em casa come-se também grão-de-bico, toucinho, saladas; mas as hortaliças não são apreciadas.

63Apesar da importância deste elemento não se pode porém dizer que, mesmo nesses remotos tempos, houvesse ali populações pastoris propriamente ditas, vivendo apenas dos produtos directos dos animais, porque, como hoje, os gados pertenciam aos proprietários ou rendeiros, constituindo um elemento compreendido num complexo misto, de agricultura e pastorícia de tipo empresarial.

1 – PERÍODO ANTIGO, OU DA CHARNECA

64Como dissemos, nos tempos mais antigos até depois de meados do século XIX, mais de metade da superfície da Província alentejana era constituída pela charneca e pelos montados matagosos.

  • 28 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 78 : «Numa herdade de Castro Verde, de 900 ha, 20 a 30 ha es (...)
  • 29 Desmoita é o corte superficial dessa vegetação arbustiva que se encontra em moitas dispersas. « À m (...)

65A agricultura tinha lugar em áreas reduzidas, que formavam clareiras no meio dos bravios. Nas zonas de terras galegas, nas grandes herdades, só se aproveitavam as melhores parcelas, nomeadamente os vales, e a maior parte do terreno nunca era lavrado28. Nessas terras, onde se cultivava o trigo e aveia e a cevada, e, em certas partes (mormente nas regiões montanhosas e graníticas, e mais húmidas, do norte da província), o centeio, faziam-se apenas culturas episódicas, pelo sistema, muito primitivo e extensivo, das queimadas e roças (ou desmoitas), que constituíam ali uma categoria agrícola normal e regular, com as quais se tinha em vista o desbravamento dos matagais e maninhos e a limpeza do terreno, preparatório das sementeiras, ao mesmo tempo que se fornecia à terra um mínimo de fertilizante – a cinza –29. Sem dúvida, o sistema tinha grandes inconvenientes: além dos incêndios que causava, que desvastaram massas enormes de arvoredo, e que constituíram um flagelo responsável também pela pobreza da vida agrícola regional, implicava longuíssimos pousios –por vezes 10, 12 e 14 anos e mais, conforme a natureza dos solos –, em que a terra não produzia ; mas, com os meios de que então se dispunha, esse descanso era a única maneira de se conseguir a regeneração do seu teor em fósforo.

  • 30 Em Santa Margarida da Serra (Grândola) ouvimos chamar a esta operação « terrar as moreias».

66Essas operações iniciavam-se entre os meses de Outubro a Janeiro; o mato que revestia o tracto de terreno escolhido era roçado com foice roçadoira, ou desmoitado com o alferce, e, depois de ficar algum tempo a secar, era posto em montes alongados; pelo mês de Fevereiro, cavava-se a terra ao longo dessas caminheiros, limpando-a e arrancando o raizame – a arranca – também com o alferce de terrar ou o alvião, atirando para cima delas, de modo a cobri-las, a terra com esse raizame30 ; a esses montes assim cobertos de terra, dava-se o nome de moreias. Passado o dia de Santa Maria (15 de Agosto), após as ceifas e até fins de Setembro, pegava-se fogo às moreias, e, depois de consumida toda a lenha, em Outubro, esbandalhavam-se e espalhavam-se as cinzas pelo terreno. Em Novembro a semente era deitada à terra a lanço, e enterrava-se à enxada ou com uma lavra – o ferro da sementeira –. Um homem, apenas com o alferce, chegava a trabalhar terra de 20 alqueires de semeadura, ou seja cerca de 1 ha.

  • 31 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, pp. 77-78. José de Campos Pereira: «A Propriedade Rústica em Po (...)

67Nas terras mais fracas, ou quando faltavam recursos ou tempo, o mato era simplesmente roçado, ficando no chão conforme caía; passado o dia 15 de Agosto era queimado ali mesmo como se encontrava, e seguidamente lançava-se a semente à terra, e fazia-se a lavra da semeadura. As colheitas, neste caso, eram extremamente pobres, porque a presença do raizame na terra prejudicava o desenvolvimento das plantas31.

68As terras galegas de boa qualidade davam duas colheitas compensadoras seguidas – em Beja, de trigo; no Campo Branco, de Aljustrel, uma de trigo e outra de aveia, e um pouco de centeio; etc.; – mas depois o solo, esgotado e sem qualquer adubo que compensasse o seu desgaste, tornava-se totalmente improdutivo, e tinha de se abandonar até se criarem de novo as condições necessárias à cultura. E, em todos estes casos, logo que desmobilizado, o terreno era invadido pelo matagal.

  • 32 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 78.

69O ciclo completo – charneca, desbravamento, sementeira, charneca– era pois muito pouco compensador, quando não causava mesmo prejuízo. Por isso semeava-se apenas para os gastos da casa ou locais, e dava-se preferência à criação dos gados e à produção da cortiça, cuidando-se em especial dos montados. «Do Campo Branco (hoje grande produtor), ia-se comprar cereal a Beja: havia um comércio organizado de vendedores ambulantes que iam no seu burrico buscar farinha de trigo ou de milho, para a vender pelos montes » 32.

  • 33 Idem, p. 79.

70Nas zonas dos barros, praticamente toda a terra estava já desbravada, e, em muitas partes, desde longa data. Nas herdades, praticavam-se rotações de três ou quatro afolhamentos: alqueive (lavra preparatória), trigo, pousio; ou alqueive, trigo, trigo ou aveia (seara de restolho), pousio. Os únicos estrumes de que se dispunha eram a cinza e o frago dos rebanhos que dormiam nos pousios, em redis; mas ele nunca chegava para mais de um terço da superfície a semear, e nas terras não estrumadas a produção era muito fraca33.

  • 34 Pery, op. cit., ”Beja”, p. 11, e ”Cuba”, p. 14.

71Nos ferragiais, à volta das aldeias ou junto dos montes das herdades, beneficiando por isso – e pelas dimensões do terreno a cultivar – de uma estrumação mais rica (palha curtida na cama dos bovinos e equideos), os pousios eram desnecessários, e os afolhamentos, em regra, benais: l) alqueive –legumes, e 2) trigo34. E o mesmo sucedia nas hortas, onde se praticavam culturas intensivas e de regadio.

72Paulo de Morais assim descreve a lavoura nas regiões do Sado, Alcácer do Sal, S. Tiago do Cacém e Grândola, por volta de 1888, onde «as causas políticas, económicas e sociais, que, até certo ponto em concordância com as condições físicas e topológicas do solo, deram em resultado a divisão de uma parte do território (...) em grandes domínios, a existência de habitações ou povoados separados por extensos ermos, o afolhamento bienal e trienal de duas ou três folhas em campos vastíssimos de exígua população, e as extensas solidões intermédias entregues à vegetação espontânea perpetuamente ou a arroteamentos periódicos muito espaçados » : –

73« A lavoura nessas grandes superfícies é a que naturalmente aconselha a falta de povoação, a falta de meios correspondentes e a extensão das herdades. Lavram com bois e com equídeos. Aplicam os primeiros aos terrenos fortes, às lavras menos superficiais de alqueive, os segundos às lavras menos fundas, às sementeiras, às gradagens e às debulhas.

74Na sub-região do Sado é no concelho de Alcácer do Sal que mais propriamente se exerce a grande cultura. Nos concelhos de Grândola e S. Tiago do Cacém, apesar de haver herdades muito extensas, os proprietários destas só excepcionalmente as cultivam directamente ; sendo a classe de rendeiros a única que, para bem dizer, se entrega à cultura cerealífera, reservando os proprietários para si a exploração dos montados. Nessas condições os afolheamentos seguidos, ou, para melhor dizer, a rotação das culturas, é a seguinte:

75Na 1.a classe de terras, que é constituída pelos pauis, o agricultor semeia cons-, tantemente arroz ; apenas os mais ajuizados dão um ano de folga com alqueive de quatro em quatro anos, o que constitui um verdadeiro modo de fertilização suficiente e completo para as terras consagradas à orizicultura.

76Nas várzeas não pantanosas semeia-se dois anos seguidos arroz, no terceiro ano feijão ou milho, ficando de pousio o quarto ano.

77As culturas hortícolas também têem cabimento nesta 1.a classe de terras.

78Na 2.a classe, em terras feitas, semeia-se no primeiro ano milho ou fava ; no segundo ano, trigo; no terceiro ano, cevada ou aveia, ou ficam as terras de pousio. Nas várzeas as culturas obedecem à mesma rotação.

79Na 3.a classe, em terras livres de montado, no primeiro ano, fazem-se as morêas com o corte do mato; no segundo ano semeia-se trigo; no terceiro ano semeiam-se algumas de cevada ou aveia, ou ficam de pousio, voltando à mesma cultura doze ou quatorze anos depois.

80Em terras de mato debaixo do montado, no primeiro ano fazem-se as morêas ; no segundo ano semeiam-se de trigo, depois folgam doze a quatorze anos, para voltarem à mesma cultura aquelas cujos proprietários não lhes ficam fazendo a limpeza do mato.

81Nestas circunstâncias não existe o pousio propriamente dito; a terra é com longos intervalos aproveitada por um ou dois anos, sendo tal o vigor da vegetação matagosa espontânea, que na ceifa do primeiro cereal, a foice, de envolta com o colmo, cega mato já nascido nesse mesmo ano. No seguinte, o solo quase nem vestígios conserva da recente lavoura, tão densa e crescida se apresenta a cobertura matagosa.

82Dando esta cultura debaixo dos montados, quando praticada directamente pelos proprietários, resultados negativos importantes em relação à produção cerealífera, aqueles, tendo em mira beneficiar o arvoredo a fim de atrairem os seareiros, interessam estes pela concessão gratuita da terra e da semente, e ajudam-nos além disso em metade das despesas das morêas.

83Na 4.a classe de solo há as jardias, que constam de terras arenosas de mato (arenatas terciárias lacustres), onde fazem roças, queimando o mato e lavrando depois, para cultivarem centeio um ano apenas, ficando em seguida a terra de folga por muitos anos.

84Vê-se, pois, que subordinados à cultura principal do trigo, dão-se nestes dois concelhos três sistemas diversos de cultura arvense : cultura em terras limpas, cultura em morêas livres ou debaixo de montado, e culturas em várzeas.

85As roças nas jardias para sementeira de centeio, dando uma produção média de 4,8 sementes ou 355 litros, levando de semente por hectare 74 litros, têem por vantagem principal dar serviço aos gados e pessoal na estação invernosa por não poderem trabalhar em terras de outra natureza.

86Com este regime agrícola, a quantidade de estrumes produzidos é relativamente insignificante. Nas proximidades das povoações aproveitam o adubo de curral nas sementeiras de milho, fava e nas culturas hortícolas.

87Nada oferece aqui de singular a cultura dos cereais panificáveis a não ser nas terras de morêas.

88Enquanto às terras limpas, basta referir que, no primeiro ano, se a terra é destinada a milho, alqueiva-se, e o cereal é semeado nesse mesmo ano com outro ferro a que chamam atalho. Se é destinada a trigo, é semeada no segundo ano depois do alqueive com outro ferro na ocasião da sementeira. Quando se semeia de trigo no terceiro ano, ou de cevada ou aveia, dá-se-lhe um ferro chamado revolta, e é depois semeada com outro ferro ou atalho. A profundidade da lavoura não vai além de 14 a 18 centímetros.

89As terras de morêas só levam um ferro no segundo ano depois do serviço daquelas, que se faz no primeiro ano, e com esse ferro se enterra a semente.

90O serviço das morêas consiste em cortar o mato, embelgá-lo, aterrá-lo, e depois queimá-lo, de meados de agosto em diante, segundo uma postura municipal ; e, nas primeiras águas, esbandalhá-lo ; depois do que se faz a sementeira a lanço e se cobre com um só ferro de arado.

91Nas jardias fazem-se roças de mato, que depois se queima sobre a terra durante o verão por ocasião da queima das morêas ; sendo mais tarde o centeio semeado a lanço, e enterrado com um só ferro de arado.

92Nas várzeas, onde se semeia arroz de afolhamento com o feijão, dá-se para o primeiro um só ferro de charrua à profundidade de 18 a 22 centímetros, sendo depois nivelado o terreno com a enxada. Para o feijão a terra recebe um só ferro de charrua e um outro de arado, atalhando para fazer a sementeira ao rego.

93A superfície lavrada em um dia de trabalho por uma junta de bois é de 2 000 m2; por duas ou três juntas é de 3 333 m2; por uma parelha muar é de 2 500 m2.

94No segundo ferro lavram, sendo terrenos de meia consistência, mais um terço.

  • 35 Paulo de Moraes, ”Inquérito Agrícola – Estudo Geral da Economia Rural da 7.a Região Agronómica”, Li (...)

95O tipo do trigo semeado é o chamado cascal e amarelo ou ruivo de barba preta, em cultura de morêas e em algumas terras feitas; nas várzeas usa-se o tremez, algarvio, barbeta e ribeiro. Só este é molar, e entra pela vigésima parte do trigo semeado»35.

96Nos montados, que podiam ser limpos ou invadidos pelo matagal, tinha lugar, além do pastoreio de suínos e bovinos, e das culturas de cereais debaixo do arvoredo, pelo sistema das moreias e queimada a que acima nos referimos uma importantíssima actividade silvícola – a exploração da cortiça, de que Portugal era o primeiro exportador mundial. A cortiça já no século XV constituía uma matéria prima para exportação de grande vulto; no foral antigo da portagem de Lisboa, de 1377, que é uma espécie de pauta alfandegária, ela vem mencionada; os mercadores portugueses residentes em Bruges afirmavam ao duque de Borgonha em 1438 que a sua exportação de Portugal para Flandres era coisa muito antiga; e este movimento prosseguiu, como se depreende da concessão de exclusivos e lançamento de dízimos sobre a sua exportação, nos reinados de D. Afonso V, D. João II e D. Manuel.

*
* *

  • 36 Vê-se assim que a charneca não pode ser considerada propriamente como terra inaproveitável. Aliás, (...)

97Neste período, o elemento económico fundamental da vida agrária era a criação do gado, e sobretudo de gado miúdo, que, como dissemos, representava uma tradição de grande antiguidade; esse gado era pastoreado em regime extensivo, em pastagens naturais : a charneca, que servia de local de pascigo às cabradas (raras), e a numerosos enxames de abelhas36; os montados, onde, alimentando-se com a bolota ou as landes dos sobreiros e azinheiros, que ali crescem espontaneamente, pasciam varas de porcos, que por vezes se levavam aos pousios (e mesmo aos campos, depois das ceifas); e os pousios, onde deambulavam grandes rebanhos de ovelhas, que, no Norte da Província, quando se aproximavam os calores estivais, se transferiam para a serra beiroa, donde regressavam no Outono, num tipo especial de transumância. E havia ainda grandes manadas de bovinos – a boiada e a vacada –, que pastavam também nos pousios e em certas partes da charneca.

  • 37 Ezequiel de Campos, op. cit., pp. 55-57: «As queimadas impuseram que as vastidões alentejanas ficas (...)

98Os pastores, pelo seu lado, faziam queimadas na charneca, deitando fogo ao mato sem o roçar, para obterem rebentação nova e melhorar as pastagens, da cabrada e das ovelhas. E, como as outras, estas queimadas, em que os matagais eram incendiados sem quaisquer precauções, foram igualmente responsáveis pela destruição de imensas manchas de chaparrais, e até de arvoredo já formado37.

2 – PERÍODO DAS GRANDES ARROTEIAS E DA GENERALIZAÇÃO DO EMPREGO DOS ADUBOS QUÍMICOS

  • 38 Mariano Feio, "Evolução da Agricultura”, pp. 75-76 : «A maior parte dos solos do nosso País tem fal (...)

99A partir dos fins do século XIX, a par com uma política de protecção à cultura do trigo nacional, que impôs restrições à importação desse cereal do estrangeiro – a lei dos cereais, ou, como ficou designada na voz do povo, da fome –, é, com a generalização do emprego dos adubos químicos, iniciado em 1884 (de entrada fosfatos, que deram excelentes resultados nas terras galegas, em que, como vimos, após uma ou duas colheitas seguidas, essa substância só se regenerava com longuíssimos descansos improdutivos; e cerca de uma dezena de anos depois, azoto-fosfatos, que por sua vez, e por razões paralelas, deram excelentes resultados nos barros)38 e ainda com o desenvolvimento e alargamento dos transportes, caminhos de ferro e estradas (que permitiram um mais fácil escoamento dos produtos locais), abre-se um novo período na história da agricultura alentejana.

  • 39 Orlando Ribeiro, *A planície em Portugal*, in "Ensaios de Geografia Humana e Regional”, Lisboa, pp. (...)

100Foi então que se iniciaram as grandes arroteias que progressivamente e sistematicamente foram extinguindo a charneca – uma espécie de época heróica de pioneiros da colonização dessas terras até então bravias e incultas, em que como dissemos atrás, os seareiros desempenharam o papel mais notável. «Um entusiasmo sem limites sacudiu a rotina da vida rural. Rompeu-se terra, deixaram-se desenvolver os pés de azinheira e de sobreiro que viviam afogados no mato e confundidos com ele, substituindo-se seara e montado à charneca que até aí só dava pasto, lenha e carvão. O movimento foi especialmente intenso no Ocidente e no Sul do Alentejo, e dele participaram não apenas as populações locais, mas alentejanos de outros lugares, algarvios e, aqui e ali, mas provavelmente em menor escala do que geralmente se tem dito, populações do Norte. Muitos criaram-se nesta febre de romper charnecas e fizeram da vida de coureleiro uma espécie de profissão. Trabalhadores sem terra acudiam na miragem de alcançarem um foro em mais uma mancha de mato que se rompia. Os últimos desbravadores vieram a acabar na península da Arrábida, nos foros de Palmeia, Pinhal Novo ou Azeitão, e aí (o Autor encontrou) ainda alguns velhos oriundos dos confins da serra algarvia que, sempre rompendo maninhos, se deslocaram por todo o oeste do Alentejo. A planície vestiu-se assim com um tecido mais espesso de ocupação humana. A pouco e pouco, reduzem-se as manchas de charneca, alargando-se as arroteias, no meio das quais persistem apenas ilhas de matagal, que não tardarão a desaparecer. À espessura de matos, onde se criavam lobos, tão altos, dizem, que um homem a cavalo se sumia no meio deles, entresachada aqui e ali de uma clareira agrária à roda de uma povoação, sucedeu uma paisagem nova e inteiramente organizada pelo homem. É certo que quem vê o esparzimento ocasional das árvores do « montado », e largos tractos cobertos de erva e mato rasteiro, tem a impressão errónea de estar em presença de uma paisagem natural. O montado saiu da limpeza da terra, e o sistema agrário que combina a sucessão de culturas por dois ou três anos por períodos mais ou menos longos de pousio, dá aos incultos – que o são apenas temporariamente– um aspecto de terras vagas e inaproveitadas »39.

  • 40 "Materiais para a História da Questão Agrária em Portugal – Sécs. XIX e XX”, Selecção, prefácio e n (...)

101Esses colonos vinham com a sua junta de bois ou de jumentos e as suas alfaias, limpavam a terra e os montados com roças e queimadas, sozinhos, numa luta áspera e sem tréguas contra o brejo, o lobo, a secura, e, durante anos, semeavam e colhiam ; por vezes a terra era-lhes entregue gratuitamente por um certo número de anos pelos proprietários; outras vezes pagavam ao proprietário um quinhão da produção –mais geralmente 1/6 ou, nos barros já arroteados, 1/3–, guardando o restante para si ; e depois de assim valorizada a terra, devolviam-na novamente ao proprietário40.

  • 41 Pery, op. cit., ”Beja”, p. 10e”Vidigueira,”p. 16, MarianoFeio,”LeBas Alentejo...”,p. 85 entende que (...)

102Em 1883, Pery notava, a respeito do concelho de Beja, que, nessa data, « o desenvolvimento crescente da agricultura vai sucessivamente fazendo desaparecer a charneca», e que se « têem creado muitos montados de azinho e sobro » ; « em alguns pontos o mato tem sido substituído pela vinha e pela oliveira», e « semeia-se (...) cevada e trigo onde ainda há pouco se caçava o javardo». Mas, mesmo então, ali, a área cultivada era de cerca de 37,5% da área total do concelho, a charneca de 37,1%, e os montados e pastagens de 23,7%41.

  • 42 Estas operações tinham também em vista, em certos casos, o plantio de olivais e vinhas (Miguel Fema (...)
  • 43 Silva Picão, op. cit., pp. 34-36.

103O processo das queimadas continua a praticar-se, mas agora sobretudo em vista à constituição, renovação e limpeza dos montados, para aumentar a produção da cortiça e a criação dos gados42. Desde o princípio de Janeiro a fins de Maio, precedendo a lavoura de alqueive, ou depois, de Agosto a S. Miguel, faziam-se roças ou desmoitas desses matos e arrancas ou arroteamentos do raízame, deixando as carrasqueiras libertadas43. As cepas aproveitavam-se para carvão e com esses matos e raízame faziam-se montículos descobertos ou moreias cobertas (quando sob arvoredo), que se queimavam depois de 15 de Agosto.

  • 44 Silva Picão, op. cit., p. 33.

104Esses montados, como vimos, eram também lavrados. Quando os solos eram muito ordinários, tais lavras faziam-se apenas para beneficiar o próprio arvoredo; em regra, porém, aproveitavam-se os alqueives para seguidamente se semear cereal no terreno arborizado. Silva Picão entende que «se não fora o inconveniente de estragar pastagens e ocasionar despezas de vulto, conviria praticar-se (a lavoura) anualmente nos montados, pois quanto mais a miúdo se lavram, mais se desenvolvem e melhor fruto dão. Como porém há que atender a razões económicas, lavram-se apenas de 3 em 3, de 4 em 4, ou de 5 em 5 anos, conforme o maior ou menor afolhamento em que a herdade se divide»44.

105A economia da Província muda de feição ; embora a criação de gados conserve grande importância, a agricultura detém agora a primazia. As últimas arroteias, marcando a extinção da charneca e a sua transformação em terras de cultura, tiveram lugar por volta de 1930. O cultivo dos cereais nomeadamente do trigo (e de cevada e aveia, e, em certas áreas, de centeio) continua a fazer-se em regime extensivo, mas progrediu consideravelmente, devido ao aumento da superfície arroteada e da sua produtividade, pela generalização progressiva do uso da adubação artificial (já muito divulgada no princípio deste século) que permitiu o encurtamento – e até, em muitos casos (por exemplo nos barros), a supressão – dos pousios e a normalização dos afolhamentos ; nas terras melhores, nos vales e nos barros, estes eram de três ou quatro anos, e por vezes mais : no 1.° ano, alqueive profundo no verão, outrora com três juntas de bois ou parelha de mulas ao mesmo arado, hoje com tractores; na primavera, semeava-se grão de bico; no 2.° ano, trigo (em terra adubada com azoto-fosfatos) ; no 3.° ano, trigo da primavera, ou tremez, ou fava ; se a terra já houvesse dado duas searas de cereal, refazia-se um alqueive profundo; se houvesse dado fava, bastava uma lavra superficial. As terras galegas dividiam-se em quatro ou seis folhas; a rotação-tipo era: 1) alqueive no inverno, e outro menos profundo e em direcção diferente –o atalho– na primavera;. trigo (com adubo fosfatado); aveia (sem adubo); e seguidamente um a três anos de pousio, fechando a rotação.

  • 45 MarianoFeio, ”LeBas Alentejo...”,pp.66-67;ePery,”Beja,”p. 11 e”Cuba”,p. 14.Osistema rotativo dos af (...)

106Hoje, as terras são todas cultivadas, numa rotação bienal sem pousios : trigo até Junho, e em seguida os restolhos – o agostadoiro – são vendidos como pasto para os rebanhos da gente do sul que procura pastagens em partes menos secas; em Agosto ou Setembro, lavras – alqueives de verão – para preparar a sementeira das oleaginosas (girassol e cártamo), que se fazem em Fevereiro ou Março ; em Novembro, trigo. Nos ferragiais, seguia-se o afolhamento trienal: 1) alqueive; 2) trigo; 3) trigo – a seara de relva –, ou cevada ou aveia; o alqueive do primeiro ano podia ser de nada ou de fruto 45.

  • 46 Pery, op. cit., "Beja”, p. 11.

107Nos afolhamentos de quatro anos, o alqueive do primeiro ano podia ser alqueive de nada, em que a terra ficava em descanso depois de limpa de ervas ruins, e recebia a estrumação dos rebanhos de ovinos que dormiam nos alqueives em redis, depois de pastarem durante o dia nos restolhos; ou alqueive de fruto, em que o alqueive era semeado de legumes, fava, grão ou chícharo ; nas terras fracas, não se fazia seara de restolho, isto é, não se semeava trigo no terceiro ano, e o pousio era prolongado por dois (ou mais) anos46.

  • 47 Mariano Feio, "Evolução da Agricultura”, pp. 76; e o Autor prossegue: « O consumo dos adubos contin (...)

108Hoje, nos barros, «desapareceram os pousios, e as terras são cultivadas todos os anos com trigo, cevada, aveia, grão, fava, cártamo, etc. Nas (...) terras galegas, onde havia pousios de 6, 7, e até 10 e 11 anos – melhor se diria : que só acidentalmente eram cultivadas – os pousios são hoje de 1, máximo 2 anos, muitas vezes trabalhados, isto é, alqueivados como preparação para a cultura do ano seguinte; e se não se extinguem completamente é por estas terras não darem bom trigo em anos seguidos e não haver, no nosso condicionalismo económico, outras culturas que dêem lucro»47.

109Damos a seguir o relato das fainas agrícolas, neste período, referentes ao Alentejo e à Beira Baixa, de acordo com as descrições que delas fizeram Silva Picão e Jaime Lopes Dias, respectivamente.

Alentejo

110« A seara de cada lavoura, de uma ou mais herdades, semeia-se na folha ou folhas, preparadas de alqueive, nos ferregiais dos montes e nas terras de rastolhice, que, por terem sido estrumadas no ano anterior, ou que pela sua notória fertilidade, se julgam aptas para segunda seara. Estas terras de rastolhice, «encorporadas» às de alqueive, para efeito de nova sementeira, são queimadas em agosto, precedendo a desmoita dos rebentos de piomo, se os há. A queima do rastolho fertiliza o solo e facilita a lavoura. Cada folha, tanto pode receber uma única espécie de semente como duas ou três. Depende isso da natureza do terreno, da força das circunstâncias, ou do critério do lavrador (...)

Lavouras

111Animais e instrumentos que se empregam – As lavouras executam-se com charrua ligeira, de aiveca móvel, ou com o arado romano. Com charrua nos «ferros» do alqueive. Somente com o arado, por ocasião da sementeira. Charruas ou arados, cada qual é puxado por uma junta de bois ou por uma parelha de muares. As juntas dirigem-nas os ganhões, o boieiro e o abegão, com o auxílio da aguilhada. Das parelhas cuidam os almocreves, guiando-as com as arreatas e um pequeno chicote – a bengaleta – no cabo da arrilhada.

112Em geral, as juntas de bois figuram em número superior ao das parelhas de muares, se bem que estas já foram menos, e é de supor que ainda aumentem. Em todo o caso, e por enquanto, se uma lavoura deita 20 arados, 14 ou 15 são movidos a bois, e os restantes a muares. Este é o costume corrente, embora haja quem só lavre com muares, e outros, mais excepcionalmente, com bois apenas.

113Também se encontra quem agriculte com bois e muares em número aproximadamente igual, ou igual, mas isto também se não vê muito.

114Singelos e revezos – Chamam-se lavouras de singelo aquelas em que se lavra com os mesmos bois aos dias inteiros, desde a «agarra» da manhã, até à solta, ao sol posto, excepto nos intervalos da merenda e das aguadas.

115Denominam-se lavouras de revezo as que empregam uns determinados bois, de manhã desde a madrugada até às onze ou onze e meia, e outros de tarde, do meio dia em diante até ao por do sol. Os que lavram de manhã, escolhidos entre os melhores, são revezados (substituídos) pelos da tarde – em regra bois fracos e velhos, emparceirados com novilhos de amansia. Há também o sistema misto de, na mesma lavoura, figurarem juntas de revezo e juntas de singelo, prática excepcional, só justificada por circunstâncias imperiosas (...)

116Noutros tempos só se usava singelo nas lavouras das herdades de terras impróprias para invernadouros e coutadas. O uso do revezo vogava em toda a parte em que se podia sustentar o regime manadio das boiadas, que era bastante económico, atento o insignificante preço que, então, custavam as pastagens. Hoje, pela carestia dos pastos e redução dos pousios, vão-se limitando os revezos e generalizando os singelos (...)

117As muares, lavram todo o dia, como se fossem bois de singelo. Mas a sua lavoura não se lhe chama de singelo nem de revezo. É a lavoura das parelhas, e nada mais.

118Distribuição das juntas (Quem as distribui) – O abegão escolhe para si a melhor junta de bois, ou as duas melhores juntas, conforme o caso de a lavoura ser de singelo ou de revezo. Imediatamente escolhem os boieiros: primeiro o maioral e depois o ajuda e, após estes, o sota, escolhendo a seu capricho ou sujeitando-se à indicação dos boieiros, segundo o costume estatuído na «casa» ou na freguesia.

119A escolha das juntas dos governos costumam fixar-se no princípio da época e uma vez escolhidas, persistem compostas com os mesmos bois por tempo ilimitado. As juntas dos ganhões são organizadas a capricho do boieiro do respectivo revezo. Ele é que indica aos ganhões os bois que hão-de agarrar, distribuindo-os e emparceirando-os segundo o seu critério, mas tendo em vista a índole das rezes e as aptidões dos homens. Para os velhos e rapazes principiantes, bois pacatos. Para os adultos no vigor da vida, quaisquer, desde os matreiros e manhosos, até aos azedos e ariscos. Para estes, ganhões com unhas e tacto, que os adomem e entendam.

120A distribuição do revezo de manhã cabe ao ajuda, por ser o boieiro que de madrugada apresenta os bois nos arados e também por ele lavrar durante esse meio-dia. A do da tarde, compete ao maioral, por razões análogas. (...)

121Horas de « agarra » (Dias amenos e dias de chuva) – Desde que se começa o alqueive em dezembro ou janeiro, «agarra-se» e principia-se a lavrar ao nascer do sol ou antes um pouco. Do princípio de março em diante enrega-se com o sol nascido, e tanto mais alto quanto maiores vão sendo os dias.

122Pela sementeira outonal, como o gado possa e o tempo convide, começa-se ao raiar da aurora, ou, pelo menos, ao aclarar do dia. Se, porém, a sementeira está de resto, se «vai de cabeça abaixo», como se costuma dizer, agarra-se cedo, mas não se começa logo. A ganharia entretém-se a fumar uma cigarrada, aguardando dia claro para ir lavrar.

123Na hipótese contrária, isto é, quando o serviço está atrasado e a época vai decorrida, o abegão agarra e começa muito cedo, sobretudo havendo luar e bom tempo. Ordinariamente, a família conforma-se com a antecipação, atentas as causas que a motivam (...)

124De manhã, ou pelo dia adiante, a chuva só interrompe a lavoura quando cai a cântaros, alagando o solo, inundando os regos (...)

125Nas merendas ao meia-dia – Lavrando-se de singelo, solta-se às onze ou onze e meia da manhã, merendando os homens, os bois e as muares no próprio local da lavoura, durante hora e meia a duas horas (...)

126Nas lavouras de revezo para-se de merenda quase à mesma hora que nas de singelo, para o pessoal e as parelhas comerem, e se revezarem os bois. Mas não se pára sem que chegue o revezo da tarde, que vem substituir o da manhã. Em aquele chegando, solta-se e agarra-se em menos de dez minutos, salvo se surgem enredos e embaraços com os novilhos de amansia. Se os novilhos enredam, dificultando a agarra e a prisão, a demora é bem maior. (...)

127Alqueives. Lavradas de alqueive e lavradas de sementeira – Em geral, a folha ou folhas de pousio que se pretendem agricultar para sementeira de cereais, são lavradas a charrua ou arado, com a necessária e possível antecedência, tantas vezes quantas o costume preceitua, a terra precisa e a semente exige. Cada lavrada ou «ferro», tem nome próprio, segundo a ordem cronológica e propósito que a motiva.

128Dão-se «ferros» de alqueive e «ferros» de sementeira. Os de alqueive, representam a cultura preparatória, e tanto podem ser dois como três, ou um apenas, se causas extraordinárias impedirem outros. Como quer que seja, alqueiva-se nos meses de janeiro a junho, adiantando-se ou retardando-se o serviço conforme o decorrer do tempo e a falta ou abundância de ervas. Não escasseando os pastos, pode-se lavrar cedo sem receio de cercear os pousios. Faltando as pastagens, tem de se aguardar a aproximação de primavera, para se lavrar sem preocupação de que as ervas faltem para os rebanhos.

129Ao primeiro «ferro», ou lavrado, chama-se-lhe relva, ainda que muita gente lhe dá o nome de alqueive. Mas, este termo, como creio que já disse, emprega-se geralmente num sentido mais genérico, Em rigor, a palavra alqueive, significa o conjunto das lavradas preparatórias, o que se procede no inverno e na primavera.

130O segundo «ferro», subsequente ao da relva, conhece-se por atalho, e se porventura ainda outro se lhe segue, durante a quadra primaveril (...) denomina-se terceiro. Por tanto, a relva e o atalho, são os serviços de arado ou de charrua que exige o amanho de um alqueive bem acabado. A sua boa ou má execução, influi poderosamente no preparo das lavradas seguintes – as da sementeira – e muitas vezes até no bom êxito da seara. Convém sem dúvida lavrar sempre com perfeição, mas no «ferro» de relvas e no da sementeira, mais que nos intermediários. O primeiro é a base e o último o fecho de toda a labuta aratória.

131Na maioria dos casos, o alqueive, depois de pronto na primavera, fica em branco, até à próxima sementeira outonal, principal senão único objectivo do seu preparo. Se, porém, o terreno se presta à cultura dos legumes, aproveita-se logo, semeando-se-lhe grão de bico e chícharos. Mas quer fique em branco, ou se lhe semeiem legumes, a terra alqueivada lavra-se de novo mais tarde, desde as « águas novas » de setembro ou outubro até novembro, para se lhe semear a seara por excelência : – trigo, centeio, cevada ou aveia. Neste segundo período de lavoura, a terra cultiva-se com dois «ferros» mais, ou um apenas. Recebendo dois, o primeiro chama-se-lhe revolta. O seguinte, ou para melhor dizer, o definitivo, quer seja o segundo da época ou o único, por se ter prescindido do da revolta, chama-se-lhe apenas o da sementeira. Este último «ferro» serve para cobrir a semente. De forma que as terras para searas de trigo e cevada, nas herdades, preparam-se em regra com duas lavradas de alqueive e duas de sementeira. Em regra, repito. Excepcionalmente, podem receber mais ou menos, por efeitos de causas múltiplas e acidentais, que se toma prolixo escrever.

132Para o centeio, as lavradas reduzem-se em geral a duas ou três, posto que nas terras óptimas para este cereal, também se use lavrá-las tantas vezes, e com tanto apuro, como se procede para com os trigos. Para a aveia, são mais que suficiente os dois «ferros» do alqueive e um de sementeira. Que até se semeia de um único «ferro», lavrando-se «à face», de pousio, para cobrir a sementeira. É preparo reles, mas nem por isso deixa de ser vulgar.

133O que fica exarado sobre «ferros» ou lavradas, refere-se às searas de sementeira outonal, que são as que predominam por toda a parte, numa extensão e importância incomparavelmente superior às outras de primavera. As de primavera – searas de trigo ribeiro, de grão e de chícharos – lavram-se de relva e de atalho, de dezembro a março, para após o atalho receberem a semente, e logo em seguida, a lavoura final que as vai cobrir. Três « ferros » ao todo, quando muito intercalados e beneficiados com uma ou duas gradagens de grades de rojão ou de outras melhores. Muitas terras preparadas e semeadas de trigo ribeiro na primavera, são simultaneamente consideradas alqueives para searas de sementeiras outonais, e como tais se semeiam de novo no outono, com trigo, centeio, cevada ou aveia, beneficiando-se antes com a lavrada de revolta e a definitiva da sementeira.

134Tornas, cantos, boquilhões e lobas – Toda e qualquer folha, subdivide-se em tornas – porções de terreno limitadas por regatos, estradas, arrifes, vales, vertentes, etc. Chamam-se-lhes tornas, por cada qual constituir um campo distinto, que se lavra em separado, de harmonia com a sua configuração geométrica. Por outras palavras : as píscolas dos arados tornam de uma a outra ponta, lavrando em voltas ou caminhadas, de vái-véns sucessivos, crescendo ou recolhendo a lavoura, segundo as «caídas do terreno», e sem ultrapassarem os limites convencionados.

135As tornas prestam-se a ser lavradas com um importante número de juntas e ordinariamente assim acontece, sobretudo nos terrenos planos e desembaraçados de pedras, como são os barros de Elvas e os de Campo Maior. Em planícies e encostas como estas, é vulgar ver em movimento uma ucharia de 20, 30 e mais arados, todos pertencentes ao mesmo lavrador.

136Em muitas folhas, principalmente nas zonas acidentadas e pedregosas, a cada torna, estão adestritas pedaços de terrenos conhecidos por cantos, uns e por boquilhões, outros.

137Por cantos designam-se os prolongamentos da torna, estreitos e muito pronunciados, que dificultam a «direitura» da lavoura, executada com bastantes juntas. Para remediar o inconveniente, esses prolongamentos lavram-se à parte com uma ou duas juntas, sendo «cortados» (demarcados) pelo rego do arado que manobra o abegão, ou pelo do outro dirigente, a quem calhou « endireitar » a terra em fabrico.

138Os boquilhões reduzem-se a campos mínimos, separados da torna por meio de vales, regatos, etc. Lavram-se também à parte com uma ou duas juntas.

139Chamam-se lobas, aos espaços que escapam à píscola na sua passagem, junto dos penedos e das árvores. As juntas e as parelhas não podem aí lavrar, em virtude do desvio que forçosamente têm de descrever para não esbarrarem nesses obstáculos. « Passam-lhe à roda», segundo a frase do estilo.

140À semelhança dos cantos e dos boquilhões, as lobas lavram-se com um ou dois arados de ganhões ou carreiros sabedores, que as «cortam» transversalmente, em sentido oposto à lavoura da torna. Para o caso, preferem-se parelhas de muares, por se dirigirem e voltarem melhor que os bois, despachando mais.

141Armação das tornas – Diz-se «armar» ou «agarrar» a terra, dos primeiros regos que se abrem numa torna. De começo, «arma-se» com poucos arados, e, sendo preciso, « endireita-se » a armação, cortando os cantos e as curvas que fazem estorvo ao prosseguimento regular da lavoura. Depois o governo vai guiando a lavoura, para dar ingresso às juntas da sua píscola e ainda para cortar terra às outras píscolas.

142Desta maneira a lavoura cresce, «enche» e avança, segundo a direcção que lhe imprime o abegão. Em regra, avança na ponta guiada ou dianteira, e morre ou recua na outra aposta – na ponta morta. Mas em certas ocasiões vão guiadas as duas pontas e então, a lavrada cresce em ambas.

143Píscolas – Denominam-se píscolas, os turnos de juntas ou de parelhas em que se dividem, o conjunto de arados que lavram numa determinada folha ou torna.

144Às lavouras pequenas costumam «deitar uma píscola de 6 a 10 arados de bois e outra de duas a três parelhas de muares, o máximo.

145Nas lavouras grandes figuram duas a três píscolas de bois, de 8 a 10 juntas cada, e bem assim a das muares, com todas as parelhas disponíveis, como não excedam a 8 ou 10. Indo além desta quantidade, chegam a compor duas píscolas.

146A ordem das juntas e das parelhas na composição das píscolas, obedece a praxes estatuídas e acatadas.

147Cada píscola, formada em coluna, tem à frente a junta do governo respectivo, e na rectaguarda a do imediato subalterno, ou a de quem o represente. Os dois ficam nos extremos: o primeiro, na ponta dianteira, ou guiada ; o segundo, na da traseira ou morta. E entre os arados extremos das duas pontas, manuseados pelos dirigentes, enfileiram os dos dirigidos –os dos ganhões rasos– tendo lugares certos ou não, conforme o uso local, que neste assunto diverge de zona para zona. Assim dispostos, são tantos os arados quantos os regos que se abrem no decurso de cada volta.

148Quando as juntas de bois formam duas ou três píscolas, vai lavrando na avançada a do comando exclusivo do abegão, para este dirigir daí toda a faina e, simultaneamente, ir cortando as pegas necessárias ao andamento das outras píscolas. As quais lavram paralelamente, a certa distância nas terras cortadas pelo abegão. Por seu turno, o governo da píscola mais próxima da do abegão, recorta terreno à outra que lhe fica da parte de baixo. E assim sucessivamente, ficando em último lugar a píscola ou píscolas das parelhas. Estas obedecem também a preceitos análogos, sendo respectivamente governadas e dirigidas pelo maioral das mulas e ajuda.

149Como já disse, sempre que se toma necessário, saem das píscolas as juntas ou parelhas precisas para lavrarem à parte os cantos, ou boquilhões e as lobas.

150De águas fora e de águas tomadas – A lavoura do arado antigo fica de «águas fora» ou de «águas tomadas», segundo a direcção que toma em relação à « caída » do terreno. De « águas fora », quer dizer regos a favor da corrente para que as águas das chuvas escoem à vontade para os regatos e vales próximos. De «águas tomadas» significa lavoura ao inverso da outra, que sustenha ou demore as águas.

151Em certos sítios, para evitar diferentes armações, lavram-se de «águas tomadas», terrenos baixos que reclamam lavoura de «águas foras». Mas neste caso remedeia-se o inconveniente por meio de margens – regos fundos e largos, abertos em sentido oposto à lavrada da torna.

152Lavoura miúda, larga e enfiada – A miúda, consiste em deixar a terra com os regos bastante unidos e de pequeno cume. É a melhor lavoura, sobretudo no primeiro «ferro» do alqueive. Usado no da sementeira, carece de margens abertas nas covas ou baixios pouco ou nada escoantes.

153A lavoura larga ou aberta –regos de gumes espaçosos e distanciados – usa-se de preferência no atalho e na revolta. Lá diz o ditado: Atalho, em que seja com um ramalho... Revolta, até com uma arreigota... A lavoura larga e profunda no atalho, tem a vantagem de pôr a terra em melhores condições de ser calada com os raios do sol, no verão, que muito e muito a beneficiam.

154Nas sementeiras de terrenos arenosos, já preparados com um bom alqueive também se adopta a lavoura aberta. Adianta o serviço e não prejudica, antes convém, excepto nas encostas íngremes, com terrenos de fácil desagregamento.

155Por lavoura enfiada, classifica-se a de transição ou meio termo entre as duas já aludidas, ou seja a que não fica muito fechada, nem muito aberta.

156De qualquer modo, e em todas as épocas, os regos devem ficar fundos, se a camada arável o permite. Mas nas terras de pouco chão, com menos de cinco centímetros de espessura, não se pode obter essa vantagem. Aí, as lavradas têm de ser superficialíssimas, de fundura inferior à que se pode obter com o velho arado romano, único que as pode lavrar. Sem embargo, chegam a produzir regularmente nos anos de boas colheitas.

157Preceitos diversos – As juntas devem caminhar perto umas das outras, em coluna cerrada, para na píscola não haver intervalos espaçosos, o que parece mal e atrasa o despacho. Sempre que o abegão nota essa irregularidade, censura-a gritando: – «Oh ! rapazes: cheguem-se uns para os outros. Isto para serem juntas, devem ir juntas...»

158Mas nas terras de penedios vastos, nunca as píscolas andam completas, nem as juntas unidas. Os pedregulhos e arrifes que as embaraçam e pejam, obriga ao desvio e dispersão. Cada um fura por onde pode, com tanto que revolva terra. (...)

159Na lavoura com o arado antigo o ganhão caminha e guia de dentro da terra recém-lavrada, segurando o rabanejo com a mão que lhe fica de fora e a aguilhada com a outra. Na da charrueca segue-se sistema oposto : o homem agarra e governa a rabiça, caminhando da parte de fora. (...)

160Mudança de ferros – Sempre que se põem incapazes de servir, por rombos ou muitos gastos, os ferros dos arados são substituídos por outros consertados de aguços, amanhos ou remontes, senão novos, o que é raro. E é raro, porque os ferros forjados duram anos e anos, à custa de consertos frequentes.

161Uma ferragem faz boa lavoura durante quadro a seis dias, se a terra está branda ou fagulheira. Estando rezia ou encruada, chega-se a enferrar duas vezes por dia, ou uma pelo menos, como sucede nos períodos de estiagem, em terrenos endurecidos. Os ferros gastam-se, segundo o estado e a quantidade do solo que rompem. As terras arenosas arrombam e inutilizam muito mais que as outras.

162O lavrador que capricha em trazer os seus arados bem enferrados, possui três ferragens: uma a lavrar, outra de prevenção, pronta a substituir a que está funcionando, e a terceira na loja do ferreiro, para de lá regressar consertada quando entrar a receber amanho qualquer das outras duas.

163As peças e acessórios de madeira que compõem os arados e charruas, gastam-se e partem-se com o uso e o embate de contingências mais ou menos inevitáveis. Causas frequentes, a escabrosidade dos terrenos, os descuidos do pessoal e, por vezes, a impaciência do gado, quando na primavera está gordo e a mosca o apoquenta.

164O arado (dente), além de se quebrar por gasto, desdenta-se e parte-se com os impulsos que sofre, sobretudo quando o ferro anda largo na parte traseira dos polegares.

165O timão, ou, melhor explicando, a garganta, quebra-se nos topes das moitas e das pedras, quase sempre pelo buraco da «teiró», se o tope for direito. Sendo de torcilhão, o pau estala e fragmenta-se na ligação com a ponta, quando não sucede partir-se a própria ponta também, junto da viela que ampara e empalma com a garganta.

166A ponta quebra-se pela causa já aludida, ou em resultado de um dos bois lhe cair em cima, empurrado pelo companheiro, ao passarem por um estreito acanhado e dificultoso.

167Quanto ao rabanejo, é o que está menos sujeito a azares, sendo também o que menos se gasta. Só se parte ao impulso de pancada forte ou tope brusco, se a mãozeira se escapa ao ganhão, ou se este é forçado a abandoná-la na passagem por algum entalão de difícil acesso.

168Restam as aivecas, que se deterioram e inutilizam em quantidade muito maior que tudo o mais. Daqui que dali, o abegão é chamado a pôr aivecas, no que não se repara muito por serem apêndices de pouco valor, que se gastam e partem com facilidade. (...)

169Lavra-se com o possível despacho e semeia-se na proporção que a lavrada cresce. O semeador, de sementeiro ao ombro, vê-se a distância, semeando a lanço, pelas belgas que o norteiam. Adiante, o embelgador manobra a jangada, traçando as belgas que norteiam o semeador. Todos enfim laboram na cultura e sementeira da seara. (...)

170Serviços preliminares e complementares da lavouraGradagens – Efectuam-se sobre as lavradas que precedem as sementeiras de trigos de primavera e de grãos de bico, e ainda depois, na definitiva que tapa a semente. Para as searas outonais, as gradagens usam-se nas terras muito enterroadas, antes da sementeira, sobre o ferro «de revolta», ou seja o penúltimo. O último «ferro», logo subsequente à sementeira, nunca se grada. Fica sempre de sulcos abertos, para escoarem melhor as águas das chuvas.

171A maioria dos lavradores persiste em usar a grade antiga, rústica, de madeira, provida de «facas». Que também já se empregam as grades modernas articuladas. Ultimamente vai-se adoptando a do sistema Osborne, que dá bons resultados. Nas «terras soltas», bem enserviçadas de alqueive, uma gradagem com a Osborne, aplicada pelas «águas novas», depois da terra abrolhar, dispensa a lavrada de revolta.

172Limpeza das terrasDesmoitas – Antes ou depois de se prepararem os alqueives, as terras respectivas, com excepção das que se destinam a grãos de bico ou chícharos, são desmoitadas, a enxadão ou alvião, do mato que as suja e « embaraça ».

173Igual benefício se dispensa às rastolhices a queimar, para segunda seara e aos pousios que se tencionam semear «à face», e que só se lavram uma vez, por ocasião da sementeira.

174Do manto em questão, predomina o piorno, na maioria das zonas; noutras poucas, o sargaço; e ainda em outras, o piorno, a giesta e diversos, numa miscelânea avassaladora de pastos e chaparros.

175Há desmoita superficial e desmoita radical. A primeira, posto que destrua pela raiz os arbustos pequenos, como giesta, sargaço e rosmaninho, corta de leve outros maiores – piomo, carrasco, carapeteiro, etc., derrubando-lhes as hastes e descabeçando-lhes a cepa, quando muito. O raizame maior, arreigado e profundo, continua intacto na terra, apto a renovar, como de facto renova em poucas semanas, apresentando rebentões vicejantes. De modo que a moita ostenta a mesma altura e. vigor quando, passados anos, volta a ser cortada, para preparo de outra seara.

176A desmoita radical, chamada arranque, consiste em extrair a cepa totalmente, a não rebentar mais, ou só tarde e sem viço. (...)

177Quando se semeia. Tempo seco e tempo chuvoso – Da primeira à segunda quinzena de outubro, depois de um empurrão valente à lavrada de revolta, entra-se com a sementeira, tomando à conta as terras frias e rastolhices. Da sementeira das rastolhices e baixas de «menos corpo», passa-se a conclusão da revolta, e, finda a revolta, reata-se a sementeira, de que já se não larga mão até se acabar de vez, como o tempo consinta. Estas são as praxes. Entretanto, há que distinguir. Assim, começa-se em princípio de outubro, se as terras têm rebentado por efeito das «águas novas», próprias do «S. Mateus» e do « S. Miguel ». Se adrega a não chover neste período, aguarda-se que chova, mas não se espera indefinidamente. Aí por 20 de Outubro, chova ou não, dê por onde der, vai a semente à terra, que o futuro não se adivinha e o tempo voa. Antes semear a tempo e em seco, a arranharem os arados, do que tarde e a más horas, a atascarem-se os bois nas terras empapadas pelas chuvas de dezembro. Lá diz o rifão : Não tenhas dó de semear pão em pó... Talvez o rifão se não deva acatar em absoluto. (...)

178O que se semeia primeiro. O que se semeia último – Começa-se pelas aveias, cevadas e favas. Depois, passa-se aos trigos e ao centeio. Estas são as normas correntes, que nem sempre se observam à risca (...)

179Semeadores – As lavouras de 8 a 15 arados empregam um, que semeia e embelga. As de maior movimento ocupam um semeador e um embelgador, senão dois em cada serviço.

180Como se semeia. A formiga, os pássaros e o vento comprometem os semeadores. – A passo cadenciado e de sementeiro ao ombro, caminhando pelas belgas que o guiam, o semeador espalha a semente a lanço, despedindo-a com força, para se repartir melhor. A mão esvazia-se-lhe, ele enche-a de novo no sementeiro e de novo espalha, caindo a semente na terra como se fosse chuva de granizo. E assim vai andando e semeando, pelas belgas fora, «carregando» ou « levantando » a mão, segundo o caso e as circunstâncias.

181O sementeiro despeja-se; o semeador interrompe a tarefa, põe o chapéu no chão para sinal, e a seguir sai da belga, a encher nova taleigada ali próximo, a um dos sacos. Volta depressa de sementeiro cheio às costas, e imediatamente, reata a faina, com ou sem chapéu, para que os arados lhe não cheguem aos calcanhares, a adverti-lo de que lhes estão em cima, com a semente apurada, e que mais precisam na terra, para darem saída à lavoura. Manobra, pois, com persistência, pelo seguro, a salvo de apertões que o entalem. Prefere descançar menos, fugindo a «fumadas» e cavaqueiras ociosas, do que andar de lufa-lufa, a tressuar, e ainda por cima escarneado pelos da ganharia. Sem embargo, durante outubro e parte de novembro, quando os dias vão calmos, o semeador precisa interromper a lida para se não adiantar em excesso. Tem de semear às pequenas porções, quase «à boca dos arados», de maneira que a semente se enterre logo, antes que os pássaros a dizimem e a formiga a leve. A formiga, sobretudo, é o pesadelo do semeador. Nos dias serenos ela sai dos formigueiros, em legiões de milhares, trata de acarretar e juntar os grãos que encontra pela terra. Tal actividade desenvolve que, se os arados tardarem em revolver a terra, a sementeira foi-se em grande parte, e a que vinga sai às malhas, defeituosíssima. Nuns sítios, exibir-se-á em montões de craveiros ; noutros, pé aqui, pé acolá, por entre clareiras desertas, sem um bago sequer. A formiga abalou com eles, acarretando sempre, tenazmente, dando razão à fábula que lhe grangeou celebridade. (...)

182Rastilhagens – As searas em terrenos entorroados e enchutios, costumam ser passadas ao rastilho, do primeiro ao segundo mês de nascidas, antes de aguçarem, como prática vantajosa para o seu desenvolvimento. A rastilhagem, esbarrunda os torrões, rompe a crosta da terra, e, a par, destrói muita erva, posto deteriore alguns pés de trigo, o que de resto não tem importância. Se a seara peca por basta, mais lhe aproveita o rastilho, principalmente se lhe chove a seguir. Neste caso, recebe um servição, melhorando « às braçadas » como se levasse uma sacha.

183As rastilhagens, não convêm, nem se usam, nas terras alagadiças (...)

184Como se monda e quando – A «folha» a mondar « corre-se » às parcelas de faixas, que se denominam eitos e que seguem em direcção «talhada» ao capricho da manageira ou do mandante. Em um eito se despachando, passa-se a outro e outros, com a manageira à direita do rancho e o encarregado na retaguarda, ou onde julga melhor, para fiscalizar e dirigir.

185De chapéu de homem na cabeça, em trajes de coloridos alegres, a matizarem o fundo verde das searas, de saias à vontade ou ligadas às pernas, as mulheres põem-se em linha e de cabeça baixa, algo curvadas, mondam à mão ou com sacho, o trigo ou o quer que seja. À mão simplesmente, nas folhas sujas por ervas grossas de arranque fácil. Ao sacho, sempre que se queira destruir ervas rasteiras e outras muito radiculadas. Também se adopta o sistema misto, em que ora trabalha a sacho, ora à mão, somente. Vai como se pode e calha, pelo que a experiência e as circunstâncias aconselham.

186De ordinário, a erva fica no sítio em que se corta ou arranca. Sendo grossa ou comprida, depõe-se no fundo dos regos, para não estorvar o desenvolvimento da seara. (...)

187Quando se mondam os centeios da «sarna» de soages que os inçam, por terem escapado à lavoura da sementeira, essas ervas e outras igualmente grossas, que se arrancam então, juntam-se em alcofas, e, a seguir, despejam-se nas estradas, penedos e arrifes próximos, onde murcham e apodrecem. Não se deixam na semeada, porque vingariam de novo se lá continuassem. É facto averiguado, desde que o tempo vá húmido e as soages sejam muitas.

188Monda-se em diferentes épocas, conforme a espécie e adiantamento da seara. As de centeio vão a efeito em primeiro lugar, desde dezembro até fevereiro. Em geral, não passam de mondas ligeiras, limitadas ao arranque de soages, saramagos, tremoços bravos e cisirão.

189Às searas de cevada, dá-se-lhes «uma passagem», como às de centeio, aí por fevereiro a março. Das de aveia, quase nada se quer saber. Quando muito, tiram-se-lhe por alto algumas ervas maiores. O seu fraco rendimento não convida a despesas de por aí além.

190Temos agora os trigos, de primacial importância em qualidade e quantidade, que, por isso mesmo, recebem mondas escrupulosas e caras. Alguns precisam mondar-se duas vezes, tal é a quantidade de ervas que os sujam, tanto renovam elas e tantas nascem e medram, até a seara se pôr em borracha, a querer espigar. A primeira monda – que tem por objectivo principal destruir as ervas temporãs – realiza-se quando o trigo principia a tapar a terra. A segunda e definitiva, tem lugar de março em diante e é feita com maior atenção, para extinçar quanto possível toda a vegetação prejudicial (...).

191Colheitas – A faina das colheitas compreende três serviços distintos: ceifas, acarretos e debulhas. Em começo, só se trata das ceifas. Pouco depois, entra-se com os acarretos e as debulhas, prosseguindo tudo simultâneamente, mas cada serviço com pessoal próprio e praxes diferentes. E, a par, durante o primeiro mês da época, cuida-se também da gadanha dos fenos, com gente estranha aos outros serviços (...).

192Ceifas – As ceifas executam-se, geralmente, com a foice braçal, manejada por homens, rapazes e mulheres, e, pouco ou nada, por meio de ceifeiras mecânicas. De ordinário, começa-se de 18 a 24 de Maio e acaba-se de 10 a 18 de Julho, ou pouco mais tarde. Dois meses, aproximadamente.

193Primeiro, ceifam-se as cevadas, os centeios e as aveias, que, para o efeito, se englobam, e conhecem pela denominação genérica de segundas ou sementes brancas. Tombam-se em primeiro lugar porque secam muito antes dos trigos e porque «esperam menos», não se aguentando de pé sem prejuízo sensível. O centeio e a aveia desbagoam em grande escala e a cevada descabeça a valer.

194Derribadas as segundas, passa-se aos trigos. Começa-se em regra, pelos moles e conclui-se nos rijos. As praxes assim o estatuem. Mas, às vezes, ocorrem circunstâncias imperiosas e excepcionais que obrigam a abandonar as praxes. Por exemplo, adiar-se para o fim da faina restos de searas ordinárias de centeio e cevada, para se acudir de preferência a outras óptimas de trigo, dignas de aproveitamento oportuno.

195Ceifas por «ratinhos» – Todas ou quase todas das searas em herdades são desempenhadas por esta gente (...) Cada lavoura ocupa entre 15 a 50 ratinhos, governados por um deles – o manageiro do corte que, por sua vez, recebe ordens do chefe e patrício, o manageiro principal.

196Tanto no concelho de Elvas, como em muitos outros do Alentejo, e até em Espanha, as ceifas dos cereais nas herdades são geralmente executadas por milhares de homens e rapazes que, de propósito, vêm das Beiras e que o público conhece pelo nome de ratinhos ou ratos. É uma alcunha pouco lisongeira, mas os alcunhados não a repelem nem se amofinam por isso. Ratinhos foram seus avós e pais, ratos se consideram eles, e outro tanto sucederá a seus filhos e netos. O hábito de virem ceifar as terras alentejanas é tão antigo e inalterável, está tão arreigado e persistente, que deverá subsistir por largos anos, como vantajoso que é para lavradores e serviçais. Ai das colheitas do Alentejo, se lhes faltassem os ceifeiros beirões !...

197Essas centenas e centenas de braços, cuja totalidade comporia uma grande legião, dividem-se em muitos agrupamentos ou camaradas de 50 a cento e tantos indivíduos, de antemão recrutados pelo respectivo manageiro.

198Cada agrupamento tem o seu manageiro em chefe, que delega parte dos poderes nos encarregados dos cortes, em que a mesma camarada se desdobra ao chegar ao Alentejo, e se divide para as diferentes ceifas que ajustam. Este encarregado toma o nome manageiro do corte, e como tal governa sobre a gente que lhe distribuem.

199Castanheira de Pera, Águeda, Anadia, Oliveira do Bairro, Arganil, Góis, Lousã, Figueiró dos Vinhos, Pedrogão Grande, Sertã, Proença-a-Nova e outros, são as zonas que fornecem maior contingente de ratinhos.

200E – nota curiosa – entre esses homens, não se encontram apenas os que se entregam aos labores do campo, mas também muitos de profissões e hábitos diversos – sapateiros, alfaiates, barbeiros, etc. É que para todos eles, as ceifas do Alentejo proporcionam-lhes melhores lucros do que os ofícios que exercem nos seus rústicos lugarejos.

201Manageiro – É um fulano que adquire essa importância por a ter herdado dos seus antecessores, ou por a empolgar a outro de menos mérito e astúcia, ou, enfim, por excepcionais aptidões, que lhe ganharam a simpatia dos amos e a confiança dos companheiros. De qualquer maneira, antes de possuir o penacho, fez largo tirocínio como simples ceifeiro, tornando-se tipo de nomeada entre os seus conterrâneos. Pequeno proprietário, ou modesto industrial, dispõe de meios suficientes para preponderar sobre os que alicia e dirige. Não quer isto dizer que os domine em absoluto, mas respeitam-no e obedecem-lhe até certo ponto.

202O manageiro vem ao Alentejo no começo da Primavera, para conhecer o estado das searas, e ao mesmo tempo apalavrar as ceifas dos lavradores, seus antigos fregueses, e porventura as de outros que possa contratar (...)

203Concluída a excursão pelos campos do Alentejo, o manageiro regressa à terra suficientemente enfronhado do que viu e ouviu. Com semelhantes dados, logo que chega, continua a alistar os homens de que precisa. Das impressões que sente só diz o que lhe convém. Cada alistado paga-lhe duzentos e quarenta reis de matrícula, que satisfaz meses depois, quando terminam as ceifas. Entretanto e desde logo, têm direito a que o engajador lhes abone quaisquer pequenas quantias de que precisem.

204O alistamento não constitui contrato indissolúvel, como se podia depreender. Antes de partirem para as ceifas, e ainda depois, à chegada, alguns dos alistados quebram o compromisso por simples frivolidades. Como encontrem quem os desafie, facilmente desertam para outras camaradas que lhes oferecem maior vantagem. Quanto a abonos recebidos, reembolsam-nos ou não, segundo a consciência. A maioria ferra calote. (...)

205Os lucros do manageiro consistem numa quota-parte da soma total obtida nas ceifas de que se incumbiu, sendo, para o efeito do rateio, considerado como simples ceifeiro. E aufere mais os tais doze vinténs, que lhe paga cada ratinho, e as luvas ou propinas que, por uso antigo, recebe dos lavradores.

206As luvas representam o melhor do seu lucro. Cada lavrador de grande movimento dá-lhes dezoito a vinte mil réis; os medianos, dez a quinze; e os pequenos três a seis. Portanto, o que serve muitos lavradores, arrecada no fim da refrega 120 a 150$000 reis. Para um trabalho de três meses, quando muito, é bem bom. Vale a pena vir da Beira (...)

207A viagem – Os ratinhos saem das terras beirãs para as ceifas alentejanas aí pelos meados de Maio ou depois, se vem tardia a maturação das searas. Acompanha-os o respectivo manageiro principal, se o mesmo não se lhes antecipou, para os esperar no sítio a que se destinam, e entretanto reconhecer circunstanciadamente a afluência ou falta de braços, o aspecto definitivo das searas, os ânimos dos lavradores, as intenções «forças» e de outros manageiros seus colegas, etc.

208A viagem é feita a pé, excepto os que jornadeiam em burros. Ao entrarem nas localidades que encontram no trajecto, formam colunas, e assim, de mochila e pau à costas, atravessam as povoações, entoando cantigas beirãs. Uns cantam, outros tocam em pífaros de que vêm munidos, e todos fazem ruído com as brochas dos sapatos sobre as pedras das calçadas. Orquestra original, pouco harmoniosa, mas bastante notória. Entretanto chegam a um dado local, seu conhecido, e aí, à sombra, estacionam para comer e descansar. Forma-se pois o bivaque, em que são consumidas as últimas broas de milho, regadas por goles de vinho detestável, que desde a Beira vem vasculejando nuns pequenos e sujos cabaços guarnecidos de latão. Se a pinga dos .cabaços já se escorripichou, bebem outra semelhante ou pior nas tabernas do sítio.

209Acolhidos com agrado pelas populações locais, onde quer que chegam trocam cumprimentos amistosos e trocistas. Afoitamente se pode dizer que nunca se levantam rivalidades entre beirões e alentejanos. A vinda dos primeiros é estimada pelos segundos.

210Caminhando o melhor de uma semana, chegam alfim ao termo da viagem, onde descansam a valer dois a três dias, tratando então do ajuste definitivo. (...)

211Ajustes – Segue-se o sistema de empreitadas que, ou se baseia no presumível número de homens necessários para o fim em vista, ou pelos moios de semente que levou a seara. Com a adoptação da empreitada – a homens – se, por exemplo, o lavrador contrata a ceifa por vinte homens, ao preço de 22$000 reis (média usual), já sabe que vinte indivíduos lhe ceifarão tudo, num período mais ou menos demorado, pela quantia de 440$000 reis e comida. Quando o contrato se regula por moios de semeadura, o lavrador que ajusta por vinte moios, a 18$000 reis cada moio de semente (média aproximada), importa-lhe a ceifa em 360$000 reis e comida. Não se fixa o número de ratinhos, mas subentende-se que, em começo, excederá quanto possível ao de moios ajustados, para, no meado da época, ficar a par e depois se reduzir tanto, quanto possa compensar a camarada do reforço que forneceu ao princípio.

212O ajuste a moios é quase exclusivo das lavouras em que preponderam as culturas de centeio, cevada e aveia – «as segundas». Nas que predomina o trigo, prevalece a empreitada – «a homens».

213O uso a moios sai mais caro. Mas convém, pela natureza das segundas, principalmente centeio e aveia, que requerem ceifa temporã, para não desbagoarem nos rastolhos, como acontece, se a foice lhes chega tarde. Logo o lavrador faz os seus cálculos e, por conveniência própria, procura pagar em relação a determinado número de moios, a que corresponda a gente precisa para despachar em 30 a 50 dias.

214Ao manageiro também lhe serve o sistema, se pode distrair das ceifas de trigo – a homens –, todos os braços aí desnecessários em começo, e com eles ir reforçar, e coadjuvar os dos cortes do centeio. Os quais, por sua vez, como já se disse, retribuirão depois a ajuda, indo auxiliar os do trigo, na mesma proporção.

215Isto se usava até há poucos anos. Hoje, porém, vão estando abandonados os contratos a moios, por não oferecerem a reciprocidade de vantagens que tinham antes. Muito mais generalizada a cultura do trigo, e assaz restringida a do centeio, nem a ceifa deste cereal carece de tanto homem, nem a do trigo lhos pode emprestar, retardando-se. (...)

216Em todo o caso, homens de maior cotação nunca saem por menos de 400 a 500 reis diários. E digo de maior cotação, porque nem todos recebem com igualdade. Pelo contrário, cada sujeito ganha conforme os seus supostos ou verdadeiros merecimentos, apreciados e julgados pela colectividade em que se incorporou, como demonstrarei mais adiante.

217A maioria dos rapazes, apesar do seu pouco valimento como trabalhadores, são tidos como homens para os contratos das empreitadas. Assim, a ceifa justa por verba correspondente a 20 homens ou 20 moios, é executada por 14, 15 ou 16 adultos, e os restantes que faltam para o cômputo dos 20 suprem-nos por crianças, que nunca excedem em número ao dos homens que representam.

218O lavrador desgosta-se quando a percentagem dos rapazes se torna reparável. Mas, como é usança antiga, tem de conformar-se, a não ser que o abuso seja extraordinariamente gravoso. (...)

219É demorado o ajuste definitivo. Entre ratinhos e lavradores chicaneia-se e repisa-se o assunto com demoras fastidiosas, intercaladas por incidentes irritantes, que põem em risco o êxito das negociações. Antigamente eram os manageiros que contratavam com os lavradores, sendo as suas resoluções aceites religiosamente por todos da camarada. Hoje, esse negócio é discutido e julgado por mais entidades. Além do manageiro em chefe, intervêm, pelo menos, três ou quatro ratinhos, dos considerados e preponderantes –espécie de comissão executiva, que deixa na penumbra a autoridade do manageiro, durante o ajuste. Então o «cabeça», quase que é um chefe de caninha verde. A chefia passa nessas horas, para os comissionados da malta, que são os que verdadeiramente discutem e resolvem o caso com o lavrador. Este e aqueles, ou tratam apenas de se entender quanto ao número de homens ou de moios que servem de base para a empreitada, deixando a questão de preço para o que for corrente na freguesia, ou pago em tal ou qual lavoura vizinha, – ou, simultâneamente também, discutem e assentam no preço. « Preço feito », segundo a expressão consagrada. (...)

220Por fim, o contrato fecha-se e tudo se acorda à boa paz. O manageiro exulta e respira. Loquaz e prazenteiro, protesta que a família há-de cumprir o que tratou, nem que a ele lhe custe os olhos da cara. Que não custará, porque a sua gente é a escolha lá dos sítios. São «foices» valentes, de levar tudo raso, das de não haver pão que as sustenha, das que ategam firmes até ao cabo, sem acuarem uma hora. Gente de primeira, que nem ele arranjava outra, para crédito e fama das suas barbas honradas. (...)

221Com os ajustes das pequenas ceifas não costuma haver demoras. Os que as tomam e os que as oferecem resolvem o negócio sem preâmbulos de importância, nem referências a preços. Tacitamente conformam-se com os estipulados e aceites nas lavouras maiores. (...)

222Nas ceifas – Ceifeiros e enrilheiradores começam a mourejar ao romper do dia ou antes, havendo lugar. Aqueles, arrimam-se à labuta quase em roupas menores, sobrepondo um avental de peles que termina em safões. Os menos destemidos, vestem calças de saragoça, muito remendadas. Na cabeça, um chapeusinho safado, e ao pescoço lenço à ligeira, como preservativo contra os raios do Sol. Para se defenderem dos golpes da foice, adoptam canudos de cana aos dedos indicador, médio e anelar da mão esquerda. Também se acautelam do roço das gavelas, envolvendo o braço esquerdo em manga de peles, a que chamam braçadeira. Lembra a manga de alpaca, que usam os amanuenses.

223A camarada estende-se em linha e procede à ceifa, com a gente adulta. Os rapazes ficam atrás, entretidos na atada. Muitos são crianças, que mal podem com os molhos que preparam. No entanto, mostram-se diligentes e lestos, talvez por temerem a censura e o castigo. Outros, ainda mais pequeninos, ocupam-se a guardar a copa (fato e outras roupas de abrigo), no sítio onde o pessoal pernoita, e, simultaneamente, ceifam ou fingem ceifar, nas proximidades do acampamento. Aí, sozinhos, desviados dos superiores 100 ou 200 metros, não se ralam com a incumbência. Como os deixam à vontade, dormem a sua soneca.

224Ao nascer do sol, a cabeceira interrompe a ceifa, descobre-se e exclama em voz alta : –«Bendito e louvado seja o Santíssimo Sacramento !... »

225Imediatamente, os outros ratinhos tiram o chapéu, pousam as fouces no ombro, juntam as mãos, e cada qual reza, em voz baixa, um padre-nosso e uma salve-rainha. Os da atada rezam também, mas não interrompem o trabalho para não se atrasarem.

226Rezadas as orações, voltam à lida com maior azáfama, até que às sete ou oito horas há segunda interrupção, por causa do almoço. Em almoçando, a faina continua com o mesmo despacho, mas aí pelas onze horas, a fadiga e o calor alquebra-os de tal maneira, que o desembaraço é menor. Alguns fraquejam tanto, que usam da manha para tomarem fôlego : – a pretexto de qualquer coisa interrompem o trabalho, erguem a cabeça e saem-se com ditos chistosos, que provocam o riso dos companheiros e lhes proporciona parola. (...)

227Cerca do meio-dia, aparece o tardão, montado na besta cm que transporta a comida. O quadrúpede vem ajoujado de utensílios, de onde se destacam as asadas de cobre, de um brilho extrarodinário, contendo o jantar dos ratinhos. Luzem tanto, porque, segundo o costume, foram esfregadas pelo cozinheiro, ao arredá-las do lume. (...)

228Janta-se à sombra da mais frondosa azinheira, ou a campo descoberto, se falta esse conforto. Os enrilhadores, guarda e tardão, formam rancho à parte, próximo dos ratinhos.

229O manageiro agarra na asada e vaza a olha nos alguidares, distribuindo-a por todos em partes iguais. Entretanto, a camarada divide-se em grupos, e cada um rodeia o alguidar que lhe pertence. De joelho em terra, ou assentados no rastolho, cada ratinho acomoda-se como pode, e, em acto consecutivo, todos passam a migar as sopas para dentro dos barranhões que receberam a olha. O manageiro profere a frase habitual: – « Com Jesus » – e, imediatamente, homens e rapazes, tiram as colheres dos chapéus e principiam a comer. (...)

230Depois do jantar dormem a sesta – repouso de uma hora ou hora e meia, que lhes parece um segundo... Acordados pelo manageiro, espreguiçam-se e voltam a ceifar. A essa hora o trabalho é custosíssimo, mas desempenham-no heroicamente. Por mais que lhes doa, esquecem os sofrimentos e entregam-se à empreitada, para a vencerem com vantagem. A mira nos ganhos, incute-lhes o alento que lhes faltaria sem esse incentivo. Mas o estímulo do dinheiro, avigora-lhes a coragem. (...)

231A faina continua pela tarde fora, sob a acção asfixiante do sol, à temperatura de 40 graus, calor horroroso, agravado pela violência do serviço. Mas não importa. Os ceifeiros aguentam-se no posto e prosseguem avante, sem olharem a consequências. Alguns pagam caro a ousadia, adquirindo moléstias graves, que os arrastam à «Santa Casa», onde nem todos se curam.

232Com efeito, de verão, é importante a percentagem de doentes ratinhos nos hospitais alentejanos. Ninguém mais digno de dó, que essas desgraçadas criaturas. Estão ali padecendo o trabalho insano a que voluntariamente se entregaram, para melhorarem o passadio dos filhos e das mulheres. Dos filhos e das mulheres, ausentes muito longe... E, afinal, a quantos se lhes malogram os projectos, e quantos não morrem no enxergão da Misericórdia, aos empurrões do cínico enfermeiro, sem o carinho da família, rodeados de estranhos, outros padecentes humildes, de quem só ouvem queixumes !...

233Quase ao por do sol tem lugar a merenda. Vão gaspachar, como diz a gente do campo. Nesse acto, repetem-se as cavaqueiras e lêem-se as cartas trazidas do correio. Que alvoroço e curiosidade a dessas ocasiões, em que recebem notícias da parentela !... As boas novas celebram-se com sorrisos... as más, anuveiam os semblantes, marejam os olhos. (...)

234É noite cerrada quando os ratinhos largam as foices para irem descansar. É a desapega, como eles designam a solta do trabalho.

235Ao largarem a foice, rezam as orações da tarde (um padre-nosso e uma ave-maria), e em contínuo estendem a copa no rastolho, preparando, por este meio, as camas em que tencionam dormir. Alguns metem alhos nos bolsos, para que o cheiro os preserve dos insectos.

236Dormem no rastolho, na hipótese do tempo ir quente e seco, como é próprio da estação calmosa. Às vezes, porém, não acontece assim : trovoadas medonhas, acompanhadas de chuvas torrenciais, rugem ameaçadoras, pressagiando desastres iminentes, que apavoram o pessoal. (...)

237Afinal, concluiram-se as ceifas – as assêfas, como vulgarmente se diz. Os manageiros dos diferentes cortes receberam dos lavradores as importâncias das empreitadas respectivas, na presença do manageiro chefe da camarada.

238Um e outros igualmente embolsam as costumadas gorgetas que, em regra, reputam exígua recompensa aos seus importantes serviços. Isto é o que eles dizem, em frases lamurientes e sentimentais. Os amos pensam exactamente o contrário : – persuadem-se que foram demasiadamente generosos, por entenderem que podiam ter sido mais bem servidos.

239De resto, todos se conformam, e melhor ainda os gratificados, se o lavrador lhes adoça a boca com um presentito de queijos, ou com a venda barata de um burranco reles.

240No dia aprasado pelo manageiro em chefe, a camarada reune-se de novo nas cercanias da povoação mais a jeito, e é aí que se fazem as contas gerais. Eis o processo :

241Estende-se uma manta no chão, e, imediatamente os manageiros dos cortes vão aí depondo as quantias ganhas pelas suas respectivas maltas, reunindo assim a soma vencida por todo o pessoal.

242Seguidamente, os interessados que sabem escrever constituem-se em comissão fiscal para verificar a importância amontoada, e rever a exatidão das operações aritméticas que hajam de fazer-se, por efeito de rateios e descontos – operações incumbidas a um rapaz, forte em numeros, mas que se não aceitam como boas e certas, sem primeiro serem conferidas pelos outros da comissão.

243Com semelhantes minudências e cautelas, a importância total reunida em montão é repartida em tantas parcelas quantos os indivíduos da camarada. Depois, procede-se à joeiração, que consiste em tirar de cada montículo, destinado a cada rapaz, a metade, dois terços, três quartos ou mais, da importância do quinhão. Se, além dos rapazes, há homens de notória inferioridade como trabalhadores, os quinhões destes são também dizimados.

244Com estas deduções, forma-se uma verba especial, para se repartir em separado e em igualdade, por todos os adultos que «saíram por inteiro». Os joeiramentos fazem-se, ou devem fazer-se, segundo a inaptidão dos joeirados, depois de ouvidos os pais ou outros parentes que os tutelam. (...)

245Os ratinhos que por doença ou oútra causa justificada perderam dias, meios-dias ou quartéis, é-lhes descontado esse tempo, das verbas que lhe couberam em rateio.

246E das deduções realizadas por esse motivo reune-se uma nova soma, que é repartida com igualdade por todos os ceifeiros adultos, incluindo os próprios que sofreram o desconto.

247Para evitar lapsos e dúvidas, as perdas referidas foram oportunamente anotadas, pelo manageiro do corte, num caderno especial, que aparece no acto das contas, com a designação pitoresca de rol das perdizes.

248Resolvidas as joeirações e descontos de dias perdidos, cada ratinho toma posse do dividendo que lhe compete, pagando imediatamente os doze vinténs ao manageiro principal. Se ao mesmo devem algum biquinho, igualmente lho satisfazem então, ou seja por vontade própria, ou por advertência do credor, que, como escaramentado em calotes, é avesso a moratórias.

249Ao terminarem as contas, celebra-se o fausto acontecimento com libações de uma pinga razoável, previamente comprada na taberna recomendada pelo manageiro. Não tarda muito que se conheçam os efeitos do vinho. Meia-hora depois tudo aquilo anda numa alegria doida, manifestada por mil maneiras, qual delas mais simtomática : cantam, gritam, tocam, bailam, choram, etc., uma algazarra enorme, que ensurdece quem a ouve. E tudo isso é lógico. Os vapores alcoólicos, e a ideia de estarem de marcha para a terra natal, com as notas no bolso, produzem sensações demasiado fortes para as gozarem à calada.

250No dia imediato ao das contas, efectua-se a partida para a Beira, a pé e em burros, por uns, e no caminho de ferro por outros. Estes, querendo economizar, caminham algumas léguas a pé, já embarcando na estação imediata à mais próxima do ponto de partida, já apeando-se a considerável distância do termo da viagem.

251Lá nas suas localidades, todos são esperados ansiosamente pelas mães, pelas esposas e pelos filhos. Todos lhes celebram o regresso indo esperá-los ao caminho, numa eminência vizinha da estrada, de onde os possam lobrigar ao largo. E ao avistarem-nos no cume do outeiro mais distante, os gritos de júbilo ecoam por aqueles serros fora, de mistura com as girândolas de foguetes, que, em estalos sucessivos, anunciam aos casais vizinhos, a chegada feliz dos laboriosos emigrantes.

252Ceifas por mulheres – Ao passo que os ratinhos despacham e ajustam por empreitadas as ceifas das grandes e medianas lavouras –as searas de relativa insignificância, pertencentes a seareiros e ainda algumas parcelas das grandes, em herdades vizinhas das povoações, costumam ser ceifadas a jornal, por mulheres das aldeias próximas, mediante a jorna de 160 a 180 reis «secos», por meio dia e mulher. As aprendizas nada ganham no dia da estreia. No segundo e no terceiro, ganham 80 a 100 reis; no quarto 120 e daí para o futuro o mesmo que as sabedoras (...)

253A atada – O preparo dos molhos de «pão» estendido sob o rastolho, chama-se atada. Este serviço segue atrás do corte e dele se incumbem os rapazes da camarada, quando a ceifa é feita por ratinhos. Desempenhada por mulheres, a atada pertence a homens ou rapazes, que as acompanham de propósito.

254Em qualquer dos casos, cada atador reune e sobraça um indeterminado número de paveias e com elas faz o molho que aperta e ata, de joelho em terra, em nó simples, por meio de um negalho, previamente preparado. O negalho faz-se de gavelas do próprio « pão », ou de outra coisa a jeito – junça, hastes de piorno verde, correias de trovisco e até cordéis ou tamiças. Seja com que for, os molhos atados continuam sob o rastolho aguardando que os enrilheiradores os retirem, para fazerem os rilheiros. (...)

255Rilheiros– Na região elvense e limítrofes, o vocábulo rilheiro aplica-se aos montes de molhos que, após a ceifa, povoam os rastolhos, e também às grandes medas que, depois, se levantam nas eiras, com o recolhimento e acumulação desses mesmos molhos. No concelho de Aviz só se designam por rilheiros aqueles que se erguem nos rastolhos. Os outros, os das eiras, chamam-lhes frascais ou medas, como chamam moreias aos primeiros em diversas localidades.

256Enrilheiração e enrilheiradores – Dos molhos estendidos e atados por ocasião da ceifa, compõem-se imediatamente pequenos rilheiros, compassados, dentro da própria rastolhice, onde continuam a permanecer até ao acarreto para a eira.

257O serviço de enrilheiração compete a homens que não se ocupam da ceifa, mas que a acompanham, enrilheirando. Por isso, denominam-se enrilheiradores.

258Aos enrilheiradores cumpre fazer boa enrilheiração, de harmonia com o estado do «pão» e do tempo que predomina. Se o cereal está saraço (verdurengo) os molhos deixam-se empinados, de pé, durante alguns dias, para secarem a valer e não abolorecerem. Da mesma forma se procede quando o «pão» está molhado ou húmido. Nesta hipótese, dá-se-lhes volta todos os dias, abrindo e alargando a cabeça dos molhos para ourearem as espigas e não grelar o grão. Depois, em os molhos secando e enxugando, estendem-se e enrilheiram-se com as espigas para um só lado, e os talos para o outro. O pão enxuto e seco enrilheira-se logo definitivamente em rilheiros grandes e aprumados, que se não repassem com as chuvas e que se prestem a carreguio fácil.

259Por cautelosos que sejam os enrilheiradores, é raro angariarem os molhos todos. Em geral escapam-lhes muitos, e mais nos rastolhos altos, de bamborrais espessos. Nestes, sempre escapam molhos encobertos que não vão à eira e que se perderiam em absoluto se os não aproveitassem os porcos, quando entram ao agostadouro. Os porcos aproveitam-nos, sem dúvida, mas é aproveitamento desluzido, cheirando a desperdício. (...)

260Acarretos – Dias depois de começarem as ceifas, dá-se princípio aos acarretos – à remoção da seara para a eira, afim de se debulhar e recolher.

261Os acarretos fazem-se por meio de carros puxados a bois ou a muares, senão por uns e outros, simultaneamente e em separado. Ou se acarreta a pouco e pouco, para o despacho da debulha diária, aproveitando-se de preferência as madrugadas e manhãs, ou vai de fio a pavio, durante semanas, até finalizar de vez.

262O cereal acarretado, que não tem cabida para debulha imediata, reune-se e acomoda-se nas extremas da eira, compondo rilheiros gigantescos de várias configurações. Estes rilheiros erguem-se dos lados norte e sul, deixando libertos o do poente e o do nascente para a eira ficar bem lavada da travessia, a dar direito o vento oeste – o mais predominante e o melhor para a limpeza do grão por meio de forquilha e pá (...)

263Eira – É o terrado em que se debulha e limpa toda a casta de cereais e legumes. Fica geralmente a curta distância do monte, numa das colinas próximas mais varridas do vento oeste, ou seja «bem lavada de travessia», como se diz em frase plebeia. As eiras apropriadas a debulhas de pouca monta, medem a superfície de 100 metros quadrados, aproximadamente. As das herdades de grandes colheitas, em que se acumulam muitos e vastos calcadoiros, abrangem capacidade bastante maior – mil a dois mil metros quadrados. E há-as de grandeza tão excepcional que ocupam a importante área de cinco mil metros quadrados. Destas dimensões é a herdade do Falcato (concelho de Elvas), propriedade dos Srs. Bagulhos.

264O solo ou casco da maioria das eiras, consiste num simples terrado batido a maço, ou somente gadanhado e varrido da erva, se de há muito se aplica a esse fim. Vêem-se, porém, muitas eiras calçadas modernamente e algumas com o centro lajeado de ardósias ou pedras de granito.

265Nas herdades em que predomina a cultura do centeio, a eira muda de local quase todos os anos, por medida económica na arrecadação e aproveitamento da palha, que, sendo como é, exclusivamente aplicada a forragens do gado bovino, e comida nas próprias almenaras, convém ficar desde logo na folha onde os bois e vacas pastam durante o Outono e Inverno, ou pelo menos noutra contígua. Portanto, em cada ano, numa das folhas de «rastolho» ou de «pousio» – a do invernadouro as mais das vezes – escolhe-se um vale inculto bem ventilado, e é aí que se prepara a eira do centeio. Preparo simples e de ocasião, visto o seu carácter ser transitório. (...)

266O local onde se debulha e limpa a seara ou searas de todo e qualquer género, chama-se eira. A superfície ocupada por uma eira varia de área, dimensões e preparo, conforme o pormenorizei em outro lugar. Eiras circundadas por terrenos de rastoIhice ou pastorrais, costumam ser defendidas por um aceiro largo e bem feito, que evite ou dificulte invasões de incêndios.

267Para facilitar acarretos, é frequente haver mais de uma eira em cada lavoura grande, funcionando todas simultâneamente ou cada qual por sua vez. Em regra, a eira fica a uns centos de metros do monte para onde se recolhe o grão, ou donde vai a comida destinada ao pessoal (...)

268Debulhas – Como não surja motivo imperioso que apresse ou retarde a faina, as debulhas começam a valer e sem interrupção de maior, na primeira semana de junho tendo a primazia as favas e a seguir a cevada e o centeio. O trigo entra em cena no mês de julho e a aveia reserva-se para o fim da época, já em Agosto, no propósito de, entretanto, comerem dela, nos rilheiros, as éguas da debulha, as muares dos acarretos, a besta da água e alguma rez fraca (...)

269Sistemas de debulha – Usam-se quatro : primeiro, a patas de éguas manadias, em cobra; segundo, por meio de trilhos ; terceiro, a mangual, por malha braçal, com homens vigorosos; quarto, à máquina, debulhadora, movida a vapor (...).

270Calcadouros – Dá-se este nome às unidades de cereal em rama que se depõem no lastro da eira para imediata debulha por éguas ou a trilho. No acto de se estenderem, apresentam a configuração de montões volumosos, que depois baixam e alargam, à maneira que a palha assenta com a debulha.

271Os calcadouros preparam-se a toda a hora que seja preciso, mas estendem-se com mais frequência de manhã cedo. E, ou se fazem de molhos recém-vindos do rastolho, nos sítios em que se tenciona debulhar, ou se compõem com o «pão» que se reserva nos rilheiros e que a braço se conduz ou arremessa para o lastro. De qualquer maneira aquilo que se vai debulhar é previamente desatado à foice para não embaraçar a debulha.

272Quando por acaso se trata de centeio, os molhos, embora desatados, colocam-se empinados e unidos, contornando-se uns aos outros, em vez de se estenderem a esmo e a baldão, como se usa no trigo, na cevada, na aveia e nos legumes.

273Com o centeio principia-se por se colocar um molho direito no centro do lastro, e, em volta, vão-se-lhe encostando outros, em posição semelhante, até o calcadouro se arredondar na circunferência que se quer.

274O calcadouro grande, de vinte a trinta carradas, convém ser debulhado por duas cobras de éguas, a trabalharem nele simultaneamente, mas em separado e desencontradas uma da outra. Para os pequenos, de seis e vinte carradas, basta apenas uma cobra, maior ou menor, conforme a quantidade da palha.

275Debulha por éguas – As éguas introduzem-se no calcadouro jungidas em cobra e sobre ele giram aceleradas, em voltas sucessivas, durante horas e horas, até que à força de correrem e pisar conseguem «fazer» a palha, desprender as espigas e debulhar o grão. (...)

276Para o trabalho em questão, as éguas são previamente jungidas em linha, depois de se prepararem com ferraduras nos cascos e calças de couro nas quartelas. Sendo muitas, repartem-se em grupos de 6 a 8 ou 10 éguas, e cada grupo desses toma o nome de cobra.

277A cobra, grande ou pequena, apresta-se com uma corda de linho ou de cabelo, e tantos colares de análoga procedência, quantas sejam as éguas a encobrar. À corda (cobralha) prendem os colares, atando-se cada um ao pescoço de sua égua, de modo a ficarem todas presas e encobradas ; – presas em condições de se poderem soltar facilmente. A seguir, senão antes, é encabrestada a égua de uma das extremidades – égua mansa, sabedora e escolhida a preceito para trabalhar à mão do eguariço. Na extremidade oposta à «da mão», figura a «da ponta » recrutada entre as melhores e mais ligeiras.

278Dentro do calcadouro ou à beira dele, nos momentos de intervalo destinados às voltas do calcadouro por meio de forcados e forquilhas, as éguas mudam-se e alternam-se nos lugares que vinham ocupando. Assim é necessário para haver equidade na execução do trabalho, pois que a debulha fatiga-as muito em determinados lugares e pouco ou nada noutros. Ao passo que a égua «da mão» mal se mexe, por andar vagarosamente num giro reduzidissimo, a «da ponta», estafa-se na marcha, por contornar a galope a circunferência do calcadouro. As intermediárias, trabalham e fatigam-se menos que a «da ponta» e tanto menos quanto mais se acercam da outra, que fica à mão do eguariço.

279Consequentemente, de vez em quando, mudam-se as dos lugares forçados e violentos para os outros menos custosos e as destes para aqueles. Isto na hipótese de todas estarem em iguais condições de resistência, ou aproximadas, pelo menos. Não estando, as possantes e treinadas ocupam alternadamente a ponta, o centro e imediações e as fracas e velhas substituem-se nos lugares de menos custo – na mão e imediações. As poldras primeiriças ou de amansia (de dois e três anos de idade), nunca trabalham « na ponta », nem «na mão». Geralmente, ficam num lugar de exercício moderado, onde se fatiguem pouco.

280A debulha por éguas era a preferível antes de se vulgarizarem as debulhadoras a vapor. Só a não usavam os pequenos lavradores e os seareiros que, não possuindo éguas, nem as obtendo de empréstimo ou alugadas, debulhavam, à falta de melhor, com umas bestitas quaisquer, senão recorrendo aos trilhos, como ainda hoje praticam alguns. (...)

281A debulha – As éguas entram para o calcadouro das seis às sete da manhã, botam fora ao meio-dia para beberem e comer, voltam a debulhar de tarde e soltam-se definitivamente aí às cinco horas. No exercício de debulha, são conduzidas por um homem prático – o eguariço, ordinariamente – que as governa e manobra com um flexível e formidável açoite. O qual açoite zune de vez em quando, ora em estalos estridentes e inofensivos, ora assentando de firme nos quadris das executantes. Elas compreendem o estímulo, doi-lhes, alvoroçam-se e animam-se. De princípio resvalam e afocinham a cada passo por falta de apoio no piso e por que a palha as afunda até à barriga. Mas a pouco e pouco vão-se equilibrando e em breve acertam, quarteando e tomando o calcadouro sem o mínimo atrito, em circunvoluções donairosas, de um rodopio estonteante.

282Com esse revoltear febril, em que o açoite estaleja, pronto se esmaga a palha à superfície e pronto ela se tritura e esmaga, mostrando-se «feita». A seguir, os ganhões dão-lhe volta cautelosa com os forcados, de maneira que a triturada, depois de remexida e sacudida vai para baixo e a de baixo, inteira, vem para cima. Isto, tratando-se de trigo ou de legumes. Se se trata de centeio, cevada ou aveia, a palha à superfície em vez de voltada é extraída ao de leve com as forquilhas e com as forquilhas se põe fora. A que por fim resta, quando a debulha termina, representa uma fracção insignificante que sai ao vento.

283Enquanto os homens dão volta à palha, a cobra continua debulhando, mas num campo restrito, que o pessoal faculta, se pode. Havendo impossibilidade de ambos os serviços prosseguirem a par, as éguas suspendem e aproveita-se-lhes a paragem, mudando-as de lugares. Ou vão entretanto debulhar noutro calcadouro disponível. Depois tornam ao sítio que deixaram e à tarefa que interromperam. E aí, de novo em cena, não esmorecem. Pelo contrário, continuam a correr garbosas e ágeis, a arregaçarem os braços e a mostrarem as ferraduras poídas, brilhando ao sol como se fossem de prata. De longe em longe a velocidade bota-as fora em desmandos de confusão, que remedeiam num instante, por instinto próprio ou por que a isso as obriga o açoite do eguariço.

284Nesses desmandos arrastam palhas e espigas, que os homens recolhem à procedência para evitar desperdícios de efeito desagradável. (...)

285Limpeza ao vento – Na maioria dos casos, o calcadouro debulhado passa a imediata limpeza. Só permanece por limpar, à falta de vento ou quando se impõe o despacho de outros atrasados. Também acontece limparem-se dois ao mesmo tempo, mas em separado e com o pessoal diverso, é claro. Um ou quantos sejam, antes de se passarem à forquilha, são previamente ancinhados e varridos da circunferência para o interior, afim de ocuparem menos campo. Perdem então a forma circular que tinham e adquirem a quadrangular, melhor ou pior delineada.

286Quando um calcadouro ocupa área grande, o abegão traça-o previamente, de norte a sul, dividindo-o em duas metades, para a do lado do poente ser limpa em primeiro lugar.

287Em regra, as horas da tarde são as preferidas para os serviços de limpeza. Prefere-se a tarde porque a essas horas há geralmente calcadouros debulhados e porque das três em diante costuma soprar «boa travessia» (vento oeste), circunstância valiosa de singular apreço. O vento travessio, batendo rijo e certeiro, como de ordinário bate nas tardes e noites de verão, despacha mais e melhor que outro, principalmente que o do suão, o pior de todos, pela sua notória e aborrecível inconstância. Com efeito, o suão ou leste, tanto se faz sentir em rajadas e redemoinhos violentos, que baralham e transtornam os serviços, como se cala de todo, durante horas e dias. Tempo desluzido, horas de calmaria asfixiante, em que as limpezas chegam a interromper-se pela impossibilidade absoluta de prosseguirem. Empates de eiras, para desespero do lavrador e arrelia do abegão. Aos ganhões, agrada-lhes.

288De lenços ao pescoço, a livrarem-se das praganas, homens e rapazes, após os preliminares descritos, entram no lastro, colocam-se em linha e dispõem-se a limpar. A limpar deveras, por meio de forquilhas e com a acção do vento, factor imprescindível.

289O abegão ocupa a extrema de onde corre o vento; os ganhões ficam entre ele e o palheireiro – um ganhão qualquer, colocado na outra extrema, de onde desvia a palha que o vento arrasta. Desvia-a de vez, a ficar fora.

290Abegão e ganhões, em posição de atiradores, enchem as forquilhas, atiram-nas ao ar e despedem-lhe o conteúdo, seguindo de norte a sul e vice-versa. E o vento lá abala com a palha, arrastando-a pelos ares, em torvelinhos caprichosos e poeirentos, ao passo que o grão cai no solo, de mistura com os troços de palhas e outras impuridades. Por seu turno, o encarregado aventeja com maior desembaraço e preceito. A sua forquilha, de dentadura mais cerrada que a dos outros, enche-se no grão já «aventado» pelos ganhões. Faz as pelas, que assim se diz em fraseologia de eiras.

291Em suma, o grão «aventejado» vai tombando para o lado do vento e a palha segue ao inverso, em rumo oposto. Se por ventura ainda cai dentro do calcadouro, de novo a atirarão ao ar, para sair de vez, ou para cair próximo do palheireiro e este a desviar. Assim ás avançadas, de norte para sul e de sul para norte, desempalha-se um calcadouro em duas horas ou menos, desde que o vento ajude. Porque sem vento de feição e certeiro, nada de jeito se faz. Em mudando de repente, que bata de caras ou às avessas, com redemoinhos impertinentes, o trabalho transtorna-se, a eira suja-se e os limpadouros enfadam-se. Enfadam-se por não poderem suportar as palhas e a moinha, que lhe flagelam o rosto e lhe martirizam os olhos.

292Desempalhagado o calcadouro, varre-se-lhe para dentro os bagos arredios e o mais que se encontra. Tudo varrido em volta, amontoa-se suficientemente para, em montão ou à pela, se limpar a preceito com a ajuda das pás. A palha saiu à forquilha como ficou dito. Resta separar os cachos, os bonicos das éguas, etc.

293O abegão ou outro homem entendido, senão dois, de pá em punho, entram a contas com a tarefa apedejando o grão e a murraça que o envolve. Em frente dos homens das pás trabalham os dos ancinhos e baleios, três ou quatro pelo menos. Quantos sejam, à medida que os bagos caem no chão, largando nuvens de pó, vão-nos baleando e ancinhando a capricho, extraindo-lhe as impuridades. Tanto trabalham os das pás e os dos ancinhos e baleios que em menos de uma hora o montão está passado e limpo. –«Pronto!»– diz o abegão, cravando a pá no montão. E os camaradas imitam-no largando as ferramentas. Depois, vai de cigarrada e de paleio, sobre a funda do género e da qualidade que aparenta.

294O trigo limpo e amontoado vai depois ao crivo ou arneiro para se joeirar das sementes, torrões e pedrinhas, que porventura lhe restam. E quase o mesmo se faz ao centeio com muita areia, o que é inevitável nas eiras térreas, não calçadas. Para esse caso empregam-se crivos de ciranda, que separam rapidamente o centeio da areia que o suja. Na cevada e na aveia, prescinde-se de arneiros. Conforme ficam da limpeza à pá, assim se mede e ensaca. Dos legumes, arneira-se apenas o grão de bico.

295Malhas – A malha é uma debulha braçal que se aplica ao centeio. Desempenham-na homens robustos e sabedores com o auxílio de manguais. Esteve muito em voga noutros tempos, ainda hoje se vê nas lavouras pequenas, mas virá a acabar depressa, tão pouco se vai usando. Além de razões económicas, mais ou menos discutíveis, determina esse abandono, não só a rapidez e perfeição dos modernos sistemas de debulha, como a falta de braços e a expansão da cultura cerealífera. As colheitas de hoje, pela importância que têm atingido, impõem o abandono de processos morosos, que, a manterem-se, dariam em resultado não se concluirem os serviços na quadra estival única apropriada. (...)

296De ordinário, o seiviço da malha, executa-se numa eira de ocasião, melhor ou pior preparada em qualquer vale inculto, «bem lavado de travessia». O pessoal compõe-se de uma «camarada» de oito homens e excepcionalmente de 10 ou 12. O essencial é computarem número par. Se for ímpar, o que só acontece por caso de força maior, os malhadores trabalham irregularmente, de má vontade – malham à cadela, fora das regras que a experiência aconselha. Também está averiguado que oito homens despacham relativamente mais e melhor que 10 ou 12. Nas eiras de searas muito grandes, costumam funcionar duas ou mais «camaradas» de oito homens cada uma, trabalhando em separado ou mesmo juntos, se o total dos homens não excede a 16. E tanto podem pertencer à categoria de «criados anuais», como à de ganhões assoldados ou à de jornaleiros a dias. De qualquer classe de que procedam, todos tomam a classificação transitória de malhadores, e todos sabem do ofício, à parte os novatos –aprendizes– um a dois por «camarada».

297Cada grupo ou «camarada» é dirigido por um mandante – o abegão ou o sota, e, no impedimento de ambos, por outro criado anual, de confiança e desembaraço. Se, contra o costume, o pessoal consta de jornaleiros apenas, o que de entre eles «faz cabeça», intitula-se manageiro e ganha 40 reis diários a mais que os companheiros. (...)

298Aí às 7 horas ou antes, conforme «a cara do dia», o mandante suspende a arrumação da palha e trata de estender a camada, – o centeio que se propõe malhar até à hora do meio-dia. Nesse propósito começa por fazer a cubela – um cordão de palha deposto sobre o lastro da eira, na extrema do nascente, direcção sul a norte, indicando a extensão a ocupar. Delimitada a cubela, o abegão manda vir molhos dos rilheiros que ladeiam a eira e os ganhões vão-lhos trazendo. O abegão e o auxiliar desatam-nos, desdobram-nos e estendem-nos. Estendem-nos «às fiadas», com as espigas para o lado do nascente em condições de se não emaranharem. Por último, o lastro enche-se e a camada vê-se estendida a capricho, assemelhando-se a uma esteira descomunal, que ali se desenrolasse (...)

299Almoçam umas sopas abundantes, tendo por conduto azeitonas ou queijo. Após o almoço e as fumadas subsequentes, cada homem pega no seu mangual e todos se dirigem para o sítio da camada. Entram nela, tomam posições e começam a malhar o primeiro cavalo na direcção de poente a nascente. Começam por uns prelúdios de ensaio, a experimentarem os «paus» e a mostrarem as aptidões. Daí a nada as experiências acabam, o compasso acerta-se e a tareia desenvolve-se, à voz e gesto do mandante. Enquanto os manguais dos de uma das frentes se erguem e revolteiam, os dos da outra frente caem de chofre na palha e nas espigas, surzindo-a deveras, com acerto e prontidão. A refrega é rija e as pancadas retumbam, num vai-vem cadencioso, que faz saltar o grão e tressudar os homens. O sol afogueia-lhes a pele e alaga-lhes o corpo, mas eles, por enquanto, desdenham do calor e do sol como encascados no «ofício» e avezados a ressolanas. Ora malham a pé firme, energicamente, ora avançam a passo, dando exemplo os das pontas. Ao cabo de alguns minutos chegam à extrema do nascente, abatem os manguais, tomam fôlego e estacam por segundos. São momentos de alívio, em que se enxugam de suor, a respirarem ofegantes. É que esta primeira zurza de mangual é das mais forçadas e custosas. É aquela que assenta na palha a descoroar – a batê-la em cheio e com força, quando ela resiste muito, por estar unida e inteira.

300Da descoroação passa-se a nova tareia, indo a efeito do nascente ao poente. E a seguir, chegam-lhe a terceira, em rumo oposto ao da segunda. Três sovas tezas no cavalo atingido, rematando a última por um estímulo do abegão, que brada alto: – «Forte!... Forte!» repetem aos companheiros, obedecendo à voz do chefe. E os manguais de todos, vibram e revolteiam-se nos ares, descarregando pancadas de arromba, sobre o colmo do centeio.

301Pronto um cavalo, tratam de outro e outro, até mais não haver. A malha do último traduz um arranco de energia forçada, que seria insustentável se a refrega prosseguisse. De rosto rubro, sangue a escaldar e suor a escorrer-lhes pela camisa à vela, os malhadores não dissimulam o extenuamento que os oprime. Mal acabam saem da camada, atiram ao largo com os manguais e caminham a cambalear para o sombracho. (...)

302Vinte minutos decorridos, a ferra termina e o labor reata-se.

303Saindo do sombracho arrastados pelo dever, os malhadores destrinçam a palha malhada e desviam-na para fora com os forcados e ancinhos. Depois dividem-na e amontoam-na em borregos, para a removerem a braços. De cada borrego tomam conta dois homens, que na base lhes introduzem dois manguais, de lado a lado, a servirem de padiola. E com os manguais os levantam e removem para o sítio das almenaras. Os borregos representam montões bojudos, de peso escasso, em relação ao volume. Por isso mesmo, transportam-nos sem custo, quase a correr, dando ensejo a episódios engraçados, se entre os da camarada há tipos estúrdios, amadores de partidas.

304Acarretados os borregos, reune-se a palha que ainda resta malhar – porção diminuta, que, por ter ficado debaixo da outra, não foi batida suficientemente. É portanto batida de novo e com força, numa tareia retumbante – a remalha – que se despacha depressa. Acto contínuo, salta fora o colmo remalhado e a seguir estende-se uma nova camada, semelhante em tudo à que se acabou de despachar. Esta de agora, destina-se à tarefa da tarde, ficando em condições aí ao meio-dia. No entanto, só se malha ao levantar da sesta, das duas horas em diante. Neste meio tempo, o sol aquece-a de firme, para depois se fazer melhor como esvaída que se põe.

305Ao meio-dia os homens jantam no sombracho a clássica olha com ou sem badana. E no sombracho dormem a sesta – hora e meia ou duas horas.

306Erguem-se da sesta por entre bocejos e suspiros. E lá vão a malhar, como quem vai para a forca. A malha da tarde é idêntica em tudo à outra da manhã, com a correspondente ferra ou intervalo de descanso. Depois da ferra e dos serviços subsequentes já relatados, baleia-se a espigada e a moinha que ficou sobre o grão. Essa murraça toda, bota-se fora imediatamente com os ancinhos e vasculhos, passando-se logo à última limpeza, a qual compreende o produto da camada da manhã e o do da tarde, ou seja a funda total do dia. O centeio malhado e sujissimo, coalha o lastro por completo, mas as pás dos malhadores, desenvolvendo uma poeirada medonha, vão-no atirando ao ar e concentrando-o no solo, a ponto de em poucos minutos o juntarem no meio da eira para o limparem desde logo ao sopro do vento. Basta para isso uma ligeira viração.

  • 48 Silva Picão, op. cit. passim.

307Com efeito, neste propósito de limpeza geral, o abegão, ou alguém por ele, passa à pá o centeio em montão, enquanto que pela frente outros, o baleiam e ancinham das impuridades, à maneira que vai caindo. Ao cabo de meia hora ou menos, a pá descobre o objecto que servia de sinal, prova clara de que o montão está passado e o centeio em condições de sair. De sair sem demora, que o lastro tem de ficar varrido e vacantio, para se encher de novo, na manhã imediata. Mede-se pois logo, medida arrapazada, que chegue à «conta da tabela» e até a dar crescenças. (...)”48.

Beira Baixa

308“Na exploração directa, ou se trata de proprietário modesto, senhor da terra, que ele próprio lavra, seguindo, leiva a leiva, a junta, ou de casa grande em que toda a actividade é dirigida e executada por feitores e ganhões de ano, de primavera, de verão, e de sementeira.

309O número de ganhões varia em cada ano com a extensão da folha.

310Aos feitores incumbe a direcção efectiva da casa, aos ganhões de ano a orientação do cultivo, da lavoura e da sementeira, e a superintendência de toda a ganharia.

311Além dos feitores e ganhões há, desde que a Câmara Municipal deixou de nomear os messegeiros (especialmente encarregados de guardarem as cearas e de encoimarem os gados abandonados), guardas que, desde o começo da primavera, percorrem o campo a fim de evitar danos e roubos.

312No arrendamento, o cultivador não possue terras ou, se as possue, não bastam para entreter a sua actividade, e por isso lavra e semeia as de outrem mediante o pagamento de certa renda que geralmente corresponde à semeadura e é paga em cereal.

313Da exploração da terra o arrendatário tira as novidades, o cereal e o feno do restolho.

314Em anos maus, a renda é, geralmente, reduzida pela quita que o senhorio faz, maior ou menor, segundo a produção verificada.

315Ao arrendamento associa-se, por vezes, a parceria entre agricultores e pastores.

316Em tais casos a terra arrendada é estrumada pelo pastor com o seu gado, e alqueivada e semeada pelo agricultor, fornecendo, ambos, em partes iguais, a semente, e pagando ou fazendo ambos, também a meias, a ceifa, a debulha e a renda.

317Esta é apartada e medida na eira antes da divisão do cereal entre os meeiros arrendatários.

318Na parceria, o proprietário dá a terra e metade da semente, e o agricultor o cultivo, a apanha e metade da semente. O cereal e as palhas são a meias.

319A cultura da terra compreende: a) Amanho ou preparação; b) Queimas; c) Sementeira ; d) Enrrascalhe e e) Sacha e Monda.

320a) Amanho – O amanho da terra começa pela alqueivação que consta de decrua e estravessa.

321A decrua, primeira lavra, executada ainda há poucos anos, com o velho arado de pau de relha de ferro, hoje substituído pela charrua, começa em princípio de Janeiro e destina-se a revolver a terra endurecida e a submetê-la à acção fertilizadora dos agentes atmosféricos.

322A estravessa, destravessa ou atalhação, consiste em lavrar a terra em sentido cruzado com a decrua, e destina-se a cortar melhor o terreno e a pulverizar os torrões resultantes da primeira lavra, preparando o campo para o cultivo das novidades: milho, grão de bico, trigo tremez e feijão pequeno.

323A estravessa tem lugar em fim de Fevereiro ou começo de Março.

324O grão de bico e o trigo tremez semeia-se em seguida, o milho por todo o mês de Março e Abril, e o feijão mais tarde, conforme o tempo, a qualidade e a localização do terreno.

325Depois da recolha das novidades e de vindimados os feijoais, milharais, etc., abrem-se ainda as terras, lavrando-as em lavoura larga.

326b) Queimas – Como nos terrenos mais montanhiços brotam espontâneamente giestas, piornos, tojos, etc., que prejudicam a sementeira e o regular crescimento do cereal, a sua destruição figura como segunda operação de cultura.

327Para isso, homens com cavadeiras e enxadões, passada a faina das eiras, pelos fins de Agosto ou começo de Setembro, procedem ao corte e arranque das moutas, isto é, de toda a vegetação, que queimam depois de exposta por alguns dias, em moreias, ao tórrido sol da época.

328c) Sementeira – O S. Miguel (29 de Setembro), data por mais de um motivo bem conhecida dos que vivem da labuta da terra, marca o início da sementeira dos cereais de pragana.

329A turgia (utensilagem necessária): carros, arados, relhas, grades, cangas, jugos, sacos, etc., está preparada e serviu já para a sementeira do alcacêr, primeira a realizar-se para que o sol outoniço o faça crescer antes dos primeiros frios, e lhe permita, assim, dar, cedo, comida para o gado. No último dia de Setembro, ou no primeiro de Outubro, os ganhões abandonam a vila transportando, nos carros, os apetrechos da lavoura, a semente, a comida para o gado e o próprio fatinho (pão, toucinho, azeitonas, sal, etc., os elementos indispensáveis à alimentação).

330No campo onde não há casas, levantam uma choça para se abrigarem, quando se não acoitam debaixo dos próprios carros que levantam ao pino por forma que os cabeçalhos sofram o embate das chuvas e do vento. Nas choças ou debaixo dos carros recolhem as sementes, o fatinho e a comida, e fazem a própria cama.

331Próximos, presos às rodas, ficam os animais.

332Manhã cedo de todos os dias, o tratador do gado, levanta-se a pensá-lo, para, mal o sol rompe, começar a faina pela demarcação das velgas (nesgas de terreno que permitem ao ganhão atirar com a semente de um bordo ao outro) que hão-de facilitar a regular distribuição da semente.

333O ganhão de ano ou maioral, despejados num saco um ou dois alqueires de cereal (porção com que possa deslocar-se), atado o baraço, que o saco tem preso à boca, a um dos pernis para formar uma espécie de bolsa ou alforge, pendurado este do ombro esquerdo e feito o sinal da cruz : em nome do Padre † do Filho + e do Espírito Santo + Amén, apunhada a mão, começa, seguindo sempre em marcha certa e cadenciada, a espalhar a semente a lanço.

334Semeada uma velga passa a outra, regulando sempre a saída do cereal pela qualidade da terra para que a seara não nasça basta nem rala.

335Lançada a semente, começa a lavoura, rego a rego, para cá e para lá, na marcha pachorrenta das juntas que os ganhões vão animando: Eh! Bourisco! Eh! Torrado! Eh! Galante! Eh! Chamusco!, etc., nome por que os animais são conhecidos. E, mão firme na rabiça, para que a semente não fique fora da terra ou demasiado coberta, a ganharia não cessa de regular a distância que deve separar cada um dos regos.

336Pelo meio dia, hora do jantar, gado e ganhões fazem a sua refeição : os primeiros junguidos aos jugos ou cangas, e os segundos sentados nos próprios arados ou nas leivas do terreno. Pelo meio da tarde, porque o trabalho é violento, soltam para que o gado se carde (cardar é o acto de os animais se coçarem com a língua) e lambisque ou rape alguma verdura nos vais.

337Os ganhões merendam e passam o resto do dia a consertarem a utensilagem que se tenha danificado, e a prepararem a ceia e a cama.

338Do atrito resultante do vai e vem dos arados, as relhas gastam-se e por vezes precisam ser calçadas de aço.

339Para o efeito, em lavouras grandes, desloca-se diariamente à vila o próprio ganhão do ano, ou um criado, montado em égua possante, que as leva ao ferreiro. Costume mais recente, no local da sementeira funciona uma forja volante em que ganhão mais experimentado faz de ferreiro.

340As noites do mês de Outubro, em Idanha-a-Nova, constituem verdadeiro tormento para os vizinhos das fráguas ou forjas onde o malhar do ferro, pela necessidade de, ao nascer do sol, não haver arado quieto, quase não cessa.

341Semana a semana vem, geralmente, à vila o carro da semente para transportar o cereal, a comida para o gado e o fatinho para os homens.

342A sementeira dura, normalmente, o mês de Outubro, e o seu termo é festejado com lauta ceia oferecida pelos patrões, e obrigada a papas.

343Na Serra da Estrela (Nave de Santo António e outros pontos de igual altitude), a 1 800 m, cultiva-se o centeio.

344A terra é amanhada logo que a neve desaparece, geralmente no fim de Junho, e a sementeira faz-se em começo de Agosto, para que o cereal esteja nascido aos primeiros nevões.

345Sempre problemática, esta cultura (porque nevões temporãos e o degêlo inutilizam bastas vezes todo o trabalho) só é possível em razão de ser feita em terrenos baldios de que não é devida renda.

346A sementeira faz-se, ano sim ano não, no mesmo terreno.

347d) Enrascalhe – Costume relativamente recente, e praticado apenas por alguns, o enrascalhe ou arrascalhe consiste em fazer passar por sobre o trigo já nascido uma grade tecida com ramos de árvores, que, sem danificar o cereal, muitas vezes o desponta, aterra ou arrendra, e destroi o ervacedo mau que espontâneamente brota da terra.

348e) Sacha e monda – O crescimento dos dias solares e o consequente aumento de temperatura, trazem consigo o desenvolvimento das ervas ruins prontas a sobrepujar o cereal. E como, no dizer do povo, «erva ruim não a queima a geada», torna-se necessário destruí-las. Para isso pratica-se, em fim de Janeiro, e em Fevereiro e Março, a sacha e a monda como necessidade inadiável para a defesa e protecção dos trigais. (...)

349A apanha dos cereais compreende: a) Ceifa; b) Carreja; c) Malha ou debulha.

350a) Ceifa – Trabalho árduo pelo calor que queima, a ceifa começa em fim de Maio ou princípio de Junho: primeiro a cevada, depois, o centeio e, finalmente, o trigo.

351Em cada casa agrícola e em cada dia, o trabalho é graduado ou condicionado pelo estado de maturação do cereal: em primeiro lugar, e no princípio do dia o mais ressequido, e pelo pino do sol, o mais serôdio ou mais verdelengo.

352A ata dos molhos, pelas voltas e apertões a que têm que ser sujeitas as gavelas e as paveias, é igualmente condicionada ao sazonamento da seara: pela manhã as mais maduras, e pela ardência do sol as mais verdes.

353Trabalho violento, como se disse, do mais exaustivo do campo, e tanto que os namorados cantam :

Grande calma cai hoje
Nas costas do ceifador
Quem fôra ramo de palma
Que encobria o meu amor

354é, talvez por isso – triste sina do jornaleiro – o mais abundante e o melhor remunerado !

355Todos nesta quadra, homens, mulheres e crianças, têm ocupação e, por vezes, todos são poucos !

356A ceifa faz-se ao quinhão, a jornal, e também de empreitada.

357Em Idanha-a-Nova e povoações raianas constituem-se, para o quinhão, grupos de oito, dez, doze e mais jornaleiros que ajustam as searas (ceifa e debulha) ao quinto, ao sexto, ou ao sétimo (variável segundo a produção provável), e à semente sabida (semente semeada).

358Com igual fim organizam-se e vêm de Almaceda, Vale Bom, Rochas, S. Vicente da Beira, Sarzedas, etc., grupos de charnecos ou sertainhos. (...)

359Os menageiros que os dirigem, conhecidos e relacionados, por dezenas de anos de migração, com os proprietários raianos, vêm, propositadamente, nos meses de Janeiro e Abril, percorrer as terras semeadas para conhecerem a extensão da sementeira, calcular o número de homens a reunir, avaliar a produção provável e ajustar o quinhão.

360Em fim de Maio ou principio de Junho, logo que o cereal se aproxima da maturação, o senhorio previne o menageiro da data em que deverá começar a ceifa e, oito dias antes desta, manda cozer o pão centeio (uma fanega para cada oito homens) com que eles se hão-de alimentar.

361No dia da chegada, vai para o forno nova cozedura para que endureça enquanto comem a primeira.

362Se, não obstante o intervalo estabelecido entre as duas cozeduras, o pão ainda está mole, expõem-no ao sol para enrijar.

363A alimentação dos charnecos é constituída por sopas sobre as quais expargem caldo temperado com gordura.

364Para a confecção do caldo há uma panela comum onde cada um mete o seu naco de toucinho só por certo tempo para que de todo se não derreta e lhe possa ainda servir para comer como conduto com o pão seco.

365Para que os diversos nacos se não confundam, cada charneco espeta, no seu, um pau com certo número de mossas ou outra marca individual. Alimentados, como se disse, quase exclusivamente de pão centeio, só comem trigo em caso grave de falta de saúde.

366Dizer que um charneco está a trigo, equivale a afirmar que está a morrer !

367Além dos grupos ou ranchos organizados para a apanha ao quinhão, outros se formam, no princípio de Junho, nas terras situadas na zona norte da Beira Baixa, e onde a maturação dos cereais se faz mais tarde, para a ceifa, a jornal, no Campo; e no fim de Junho, no Campo, quando as ceifas aqui vão no fim, para a apanha, igualmente a jornal, na zona norte da Beira Baixa onde o sazoamento é mais tardio.

368A razão destas deslocações está na alta dos salários e, como já se disse, na abundância de trabalho que dá para todos, naturais e estranhos.

369Se a vida dos charnecos é, como vimos, cheia de privações, a dos jornaleiros ceifeiros que, em bando, ajoujados sob o peso da manta, das fouces e da merenda, andam de terra em terra, em marchas forçadas, por vezes descalços, de sapatos às costas, quais vagabundos emagrecidos e enegrecidos pelo suor amassado com a poeira dos caminhos, não é muito melhor !

370Se o seu aspecto inspira comiseração, e a vida que levam é bem, como a dos charnecos, expoente claro do amargor do pão que os alimenta, a verdade é que bastas vezes cantam, e quem os veja e oiça ficará com a ilusória impressão de uma felicidade que não existe.

371Os ranchos dos ceifeiros jornaleiros têm também o seu menageiro, que trata com os senhorios, combina o preço dos salários, e assume a responsabilidade pelos actos de todos os do grupo.

372Chegados a uma povoação, estacionam na praça, onde ajustam com os proprietários o salário, quase sempre a de comer.

373A deslocação de terra para terra faz-se geralmente aos domingos, dia em que se fixa a jorna para toda a semana.

374b) Carreja – Terminada a ceifa, começa a carreja ou o transporte, em carros de bois (raros de muares) dos relheiros ou cabeceiros de trigo, de centeio, de cevada ou de aveia para a eira, geralmente instalada num cabeço ou outeiro onde o vento possa circular livremente.

375Armados, os carros, de altos afogueiros (fueiros), colocada sobre o cabeçalho larga manta para que os grãos que se desprendem das espigas se não percam, o ganhão sobrepõe os molhos em curiosa arquitectura, por forma que todos se debrucem para dentro do carro.

376Tempo de calor sufocante agravado pela poeira que se levanta, pendurado no chavelhão ou no tiro segue quase sempre pequeno barril com água.

377Por muitos dias seguidos dura a carreja, mas rara é a eira que, no começo de Julho, não dá a nítida impressão de pequeno bairro de casas de colmo, de cume inclinado para que, se chover, a água se não detenha e molhe as espigas.

378De pavimento impermeável ou impermeabilizado para que os cereais saiam isentos de detritos e de terra, os manguais possam cair puxados pela força e entusiasmo dos malhadores, os trilhos possam rolar, e os pés dos animais pisar as espigas, as eiras são : a) de carácter permanente, feitas de calçada à portuguesa ou de blocos de granito; b) renovadas todos os anos ou c) improvisadas no próprio local de colheita com terra batida e previamente regada com água.

379c) Malha e debulha – Por dois processos se desalojam os grãos das espigas : malhando e debulhando.

380Malham-se pequenas quantidades de centeio, de trigo, de milho, de cevada ou de aveia; debulham-se grandes searas com animais no calcadouro, com o trilho e com modernas máquinas debulhadoras.

381Mais comum, a malha, no norte da província da Beira Baixa, descrevemo-la tal como se executa em Vale de Lobo.

382Mal o sol desponta, os malhadores, feito o sinal da cruz, distribuem-se por dois grupos : o dos que se encarrapitam na meda a desprenderem os molhos e a atirarem-nos sobre a eira, e o dos que, tomando-os nos braços e desatando-os, estendem a eirada.

383Breve, em camadas sobrepostas, a seara, que até à ceifa ondulara ao sabor do vento, está reunida e comprimida no curto espaço de poucos metros.

384O sol vai caminhando, vai subindo, mas como, em dia de malha nunca é demais o calor, os malhadores almoçam enquanto as espigas aquecem para melhor se desfazerem castigadas pelo pau do mongal.

385E, fora da eira, para que o lume dos cigarros não ponha em perigo o trabalho de todo um ano, geralmente protegidos pela sombra de árvores que próximo vegetam, sentados uns, deitados outros em torno de toalha alvadia, a refeição começa, como em dia de festa, entre a mais esfusiante alegria.

386Grandes sopeiras ou almofias com sopas de grão ou de feijão, dominam a mesa.

387Próximos o garrafão de vinho e o cântaro de barro vermelho, a ressumar água fresquinha.

388O calor é cada vez maior e é tempo de começar a malha !

389Divididos em dois grupos, quatro, seis, e às vezes oito de cada lado, os malhadores alinham, frente a frente, a um dos cantos da eirada.

390O grupo de um dos lados levanta os mongais e descarrega-os sobre as espigas, para logo os levantar e permitir que o outro grupo descarregue os seus.

391E a baterem alternadamente, a malharem, a malharem em rufar rijo e constante, deslocam-se vagarosamente do cimo ao fundo da eira.

392O cereal, desfeitas as espigas, salta, misturado com detritos de palha, entre a moinha de praganas incómodas.

393Está decruado o primeiro cavalo (...)

394As mulheres levantam e voltam a palha já batida e estendem-na no carreiro.

395Os mongais voltam a rufar, eira abaixo eira acima, com ligeireza.

396Novo carreiro, ainda outro, e mais outro até que o cavalo esteja todo malhado; e nova decrua em novo cavalo enquanto as mulheres dão a última volta à palha, que logo sai para fora da eira para ser atada e, pelos dias que se seguem, recolhida nas palheiras !

397Se na eira se anuncia a presença do dono do cereal, encobertamente, sem que ele o pressinta, os malhadores escondem na eirada um dos mais pequenos molhos da meda : a preguiça. A malha prossegue mais apressada por forma que o encontro com a preguiça se faça na presença do patrão. Atingida a preguiça os malhadores abandonam os mongais ao mesmo tempo que, entre grande vozearia, se estendem na eira, de onde se não levantam sem que o patrão lhes mande dar, como é uso, vinho em abundância.

398A malha prossegue até ao cravelo (pão, queijo, fruta e vinho), a que se segue o jantar, a merenda (sopas de leite com botelha, e pão e queijo) e a ceia.

399Malhada a eirada e retirada a palha, o cereal é reunido, com rodos e incinhos, a um dos cantos da eira. Concluída a malha de toda a meda ou reunido o cereal que, pela quantidade, comece a prejudicar os trabalhos, procede-se à alimpação, atirando os homens, com pás de madeira, o cereal contra o vento, e afastando, as mulheres, os detritos da palha com as coanhas, feitas de giestas verdes.

400Para que a moinha, levada pelo vento se lhes não introduza por debaixo do fato, homens e mulheres que andam em volta do monte, penduram na cabeça sacos dobrados sobre um dos pernis a formarem bioco ou envolvem-se em largos lençóis atados em forma de hábito ou dominó.

401Usam este último processo especialmente os que fazem o rabo, isto é, os que se empregam a retirar as rabeiras e todos os restos de palhas, pedras e más sementes que andam de mistura com o cereal. Decruado em cavalos e malhado em carreiros, durante os tórridos dias de Julho e Agosto, o cereal, levantado ao vento e limpo de impurezas, vai da eira para grandes arcas ou para a tulha, e destas para a moenda (...)

402Em Penha Garcia, é de obrigação dar aos malhadores, entre o almoço e o jantai a codea : ovos fritos com farinha, molhados em mel.

403Em Amieira (Oleiros), os malhadores formam com seus manguais, dois partidos, quanto possível iguais.

404Alternadamente, batem o centeio estendido na eira, procurando cada um, para que a burra (troça ou surriada que sofrem os vencidos) não fique do seu lado, fazer que as suas pancadas sejam mais sonoras e mais uniformes.

405Debulhado o pão que está na eira, os malhadores, encostados aos monguais gritam a plenos pulmões: Á eira! á eira! Mulheres, á eira! eira! aú, aú!

406E as mulheres vêm à eira dar água aos malhadores e seguidamente separar a palha de colmo, um e outro retirados pela garotada e atados em feixes pelos malhadores. O rapazio procede com diligência e entusiasmo a este trabalho pela certeza, que tem, de que, no fim do serviço, recebe um bocado de pão e outro de carne oferecido pelo dono do cereal.

407Dia de malha é considerado dia de festa para os malhadores, que comem do bom e do melhor, e para os rapazes que assim apanham carne que muito raras vezes comem (...).

408Em Idanha a Nova e seu concelho, o trigo debulha-se a pés-de-gado no calcadouro, e com o trilho. No primeiro caso juntam cinco, sete ou mais rezes ou muares e cavalos, que pisam o trigo espalhado na eira; no segundo caso fazem girar o trilho, também movido por rezes ou por muares, depois de previamente o gado ter pisado a eirada.

409Bem trilhada a eirada, é retirada a palha com incinhos ou inxinhos e o cereal reunido no centro da eira e levantado ao vento. Atrás do gado anda sempre uma pá para retirar os excrementos (...)

410Outra espécie de debulha, a do milho, manual e com o viro, espeto de ferro com cabo de madeira, há ainda em algumas localidades da Beira Baixa.

411Em Amieira (Oleiros), faz-se à noite, por favor da gente da povoação, que para esse efeito se junta na casa do proprietário. Todos, à compita, riscam as espigas com o viro por uma linha de grãos, o que facilita a desagregação dos demais. Há descantes e é motivo de grandes galhofas. Se algum rapaz apanha um grão de milho preto, mete-o, juntamente com outros brancos ou amarelos, em um barrete que apresenta às pessoas que assim o desejem para tirar um grão, e se ver a quem cabe o grão preto. O que o tirar, poderá dar um abraço a todos e a todas as do rancho. Os rapazes suspiram porque lhes caiba o grão preto, sobretudo se entre as pessoas da debulha está a sua namorada (...)

  • 49 Jaime Lopes Dias, ’Do Pão que se semeia ao Pão que se come’, in "Etnografia da Beira”, V, Lisboa, 1 (...)

412No fim da debulha, quase sempre, o proprietário oferece aos que o ajudaram fruta e pão”49. (figs. 164 a 241).

3 – PERÍODO DA PLENA MECANIZAÇÃO DA AGRICULTURA ALENTEJANA50.

  • 50 Esta fase não é específica da agricultura alentejana, e corresponde a um movimento geral que ocorre (...)

413«O factor determinante da evolução verificada é a mecanização. Começaram no princípio deste século as tentativas de mecanização : grandes tractores a vapor da marca Ransomes, parecidos com as « caminheiras » que mais tarde tocaram as debulhadoras fixas; eram máquinas pesadíssimas, de rodas de ferro; quando se atascavam era dificílimo, com os recursos do tempo, pô-las novamente a caminhar.

414A seguir à primeira guerra mundial, surgiram os primeiros tractores de rasto e grandes auto-charruas com motor a petróleo, provenientes das reparações de guerra alemãs ; estas máquinas prestaram excelentes serviços, só no parque de material agrícola dos serviços oficiais em Beja chegou a haver 12. No período entre as duas guerras conheceram-se, além dos tractores, ceifeiras-atadeiras, semeadores, e até ceifeiras-debulhadoras. Mas nenhuma destas máquinas se difundiu, a não ser os tractores de rasto, com os quais se começaram a fazer as lavouras de verão nas terras pesadas de barro.

  • 51 Em todo o caso, ainda em 1949, na Herdade dos Machados, no Baixo Alentejo, que Mariano Feio conside (...)
  • 52 Silva Martins, op. cit., p. 51, nota 3 : « Segundo o Inquérito de 1952-54, somente 1 906 das 853 56 (...)

415O desenvolvimento da mecanização só começou, porém, a seguir à guerra de 1939-1945. Logo em 1948 apareceram os tractores com rodas de pneu e sistema hidráulico para levantar as alfaias51. As primeiras lavouras inteiramente mecanizadas, isto é, sem gado de tracção, montaram-se na área de Beja, nos anos de 1953 e 1954. De então para cá, a progressão tem sido constante, e acelerou-se na década de 6052.

416Actualmente existem cerca de 27.000 tractores no Pais, número ainda baixo em comparação com os de outros países, mas suficiente para transformar completamente a fisionomia dos trabalhos agrícolas de grande parte do nosso País. Nas regiões próprias para a agricultura das províncias do sul, os trabalhos são feitos, pode-se dizer, totalmente à máquina (exceptuam-se, no Baixo Alentejo, as serras do sul e da região de Odemira). Cruzam-se as estradas sem encontrar um carro de bois e as mulas são raras; desapareceu o gado de tracção das herdades, as grandes boiadas que puxavam pachorrentamente os arados, imponentes pelo volume e pela lentidão, mas na realidade com potência de trabalho diminuta. Daqui resulta modificação radical da posição do gado bovino nas lavouras: o gado deixou de ser indispensável, como era pela função, de modo que só o tem, na medida que entende, quem pensa que ele dá lucro. Desta liberdade de decisão, conjugada com o aumento do consumo, resultou que os preços triplicassem.

417Concomitantemente com a introdução do tractor houve substituição das antigas alfaias tanto manuais como de tracção animal: todas as variantes de enxadas, picaretas, forquilhas, foices, etc., bem como o arado, charrueco americano, grade de bicos, trilho e debulhadora fixa. Não só substituição, mas um incomparável enriquecimento, pois hoje dispõe-se de uma gama muito mais variada de alfaias que pretendem, nem mais nem menos, substituir a facilidade de adaptação do corpo humano a todas as tarefas. São máquinas para trabalhar a terra, que voltam, como as charruas de muitos modelos mas fundamentalmente semelhantes às antigas, e as charruas de discos; máquinas que afofam a terra sem a voltar, como subsoladoras e escarificadores de todos os tamanhos, alguns capazes de deslocar rochas como o xisto quando estão um tanto meteorizadas.

418As grades de discos fazem trabalho de remeximento superficial numa faixa de terra muito larga. As enxadas rotativas (rotavator) rodam a grande velocidade, fazendo uma cava superficial por percussão.

419A foice, o trilho e a debulhadora fixa, foram substituídas pela ceifeira-debulhadora.

420Em vez de se semear a lanço e enterrar a semente com arado, usam-se semeadores de discos, em regra com 12 a 24 linhas de sementeira, que semeiam em cada passagem uma faixa com 2 a 4 m de largura, e distribuem não só a semente mas também o adubo.

421Para a colheita das forragens há toda uma série de máquinas especiais, umas que cortam apenas, como as gadanheiras, outras que cortam e carregam (chopers), outras que dão volta à forragem (volta fenos), deixando-a espalhada ou encordoada, etc.

422As pás frontais carregam seja estrume – tarefa tão pesada e desagradável – seja terra mobilizada, areia, cascalho, etc., para dentro das galeras que, se forem basculantes, descarregam por si, pois o estrado toma posição inclinada por acção da força hidráulica do tractor, de modo a fazer escorregar as carradas.

423Os cereais em grão são carregados por vários sistemas: nora, parafuso sem fim, pneumático ; se estão ensacados, movem-nos transportadores de correia.

424As pulverizações de produtos químicos fazem-se com aparelhos com pequeno motor de levar às costas, com máquinas transportadas e accionadas por tractores, ou por meio de avião ou helicóptero. O sistema mais prático para grandes áreas é sem dúvida o avião ; por este meio se efectua a maior parte das mondas químicas dos trigos do Alentejo.

425Esta extensa enumeração de possibilidades é ainda muito incompleta; lembrem-se por exemplo as máquinas para movimentar terras, necessárias nas adaptações ao regadio, as máquinas para cortar mato, etc., etc.; refere-se apenas às máquinas e operações mais correntes, de que dispõem lavouras importantes e bem equipadas, deixando de parte todas as máquinas pouco conhecidas no Alentejo.

426As causas que provocam a mecanização são irresistíveis: umas vezes as operações são mais baratas, outras vezes são mais bem feitas, a produtividade do trabalho humano é sempre muito superior. Vejamos alguns exemplos tirados da cultura dos cereais.

427A lavoura de abrição ou alqueive feita com junta de bois necessita de cerca de 35 horas de trabalho por ha. O mesmo serviço feito com tractor de rasto de potência média (cerca de 60c) precisa de 5 horas por ha. O custo por ha é aproximadamente o mesmo, mas a lavoura mecânica tem o dobro da profundidade (30-35cm contra 15-18cm) e necessita, como se viu, de sete vezes menos trabalho humano.

428A sementeira do trigo feita com arado e junta de bois leva cerca de 25 horas por ha. A mesma operação feita com semeador de 12 linhas puxado por tractor necessita de uma a duas horas por ha. A operação mecânica é mais perfeita, pois o trigo fica em linhas, sempre com a mesma densidade, com adubação localizada, e a semente fica a pequena profundidade, ao contrário do que acontece quando a operação se faz com a charrua que cobre demais a semente quando a não entaipa com uma leveda de lama. A operação mecânica é também mais barata, utiliza 6 a 12 vezes menos trabalho humano, e, sobretudo, faz-se com grande rapidez, permitindo aproveitar os melhores ensejos de sementeira e trabalhar grandes áreas em pouco tempo: as sementeiras que nas herdades alentejanas se faziam antigamente em três meses de trabalho sempre continuado, mesmo que a terra estivesse em lama, podem fazer-se hoje, nas lavouras bem equipadas, em 3 semanas.

429A monda química de avião cobre um ha em cerca de 0,2 horas. A monda manual, para uma infestação média de ervas, necessita de cerca de 20 jornais por ha. O trabalho do avião é pior nuns aspectos, melhor noutros, mas o serviço fica por menos de metade do preço, é muito rápido, e necessita apenas – contando com a equipa de sinalização de terra –, de 1/12 do número de horas de trabalho humano exigido pelo processo manual.

430As operações de colheita, que compreendem ceifar à mão, atar os molhos, enreleirar, carregar os carros, transportar para a eira, fazer medas e debulhar com máquina fixa, consomem cerca de 125 horas de trabalho humano por ha de seara. O trabalho à máquina, feito com uma ceifeira-debulhadora grande (foice de 3,5 a 4m) leva apenas cerca de 1 hora por ha. A última maneira de trabalhar não só é muito mais barata, como necessita apenas de 1/125 de quantidade de trabalho humano exigida pelo método misto, pois não se esqueça que a debulhadora fixa também é uma máquina e que representou no seu tempo notável progresso. Estes métodos de trabalho só se aplicam, e só se obtem estes resultados, onde terras relativamente planas e sem obstáculos permitem o trabalho desembaraçado das máquinas grandes. Nestas condições, porém, a vantagem, sobretudo quanto à produtividade do trabalho humano, é enorme, e explica o carácter inevitável da evolução. Note-se que o desenvolvimento da mecanização nas regiões favoráveis se iniciou numa época – a década de 1950 – em que havia abundância de mão de obra, mais do que isso, até excesso, e em que os salários eram baixos (...).

431O regadio está sofrendo grandes transformações, principalmente nos métodos de obter água. Desaparecem os antigos processos de elevação, as cegonhas, as noras, etc., de tanto carácter etnográfico, substituídas pela pequena moto-bomba tocada a motor de explosão ou movida a electricidade. Graças às possibilidades destas máquinas, aumentou extraordinariamente a bombagem dos cursos de água, tanto no sul do País, em áreas onde até então não se regava, como no norte em áreas onde tradicionalmente só se regava com água de pé.

432Construiram-se inúmeras pequenas barragens no sul do país – novo método de rega, pouco menos que desconhecido entre nós. Por seu lado, o Estado construiu grandes barragens, que regam aos milhares de hectares : nestas obras, a água circula em canais, basta abrir uma boca para correr nos campos, sem auxílio de sistemas de elevação.

  • 53 Mariano Feio, "Evolução da Agricultura”, pp. 71-79.

433Quanto aos métodos propriamente de regar, isto é, de fornecer a água à terra, deve notar-se o sistema de rega de chuva, ou de aspersão, por enquanto pouco difundido ma sem expansão constante, porque poupa mão-de-obra e se adapta melhor a terras que não sejam planas”53.

Anmerkungen

1 Mariano Feio, ’Le Bas Alentejo et l’Algarve’, pp. 23-30 e 64-65; e do mesmo Autor, ’A Evolução da Agricultura em Portugal nos últimos decénios’, in ”Herança Social Peninsular perante o Desenvolvimento Industrial – XXIX Congresso Luso-Espanhol”, III, Lisboa, 1970, p. 75. Para lá dos trabalhos escritos sobre o Alentejo, que constituiram uma base segura do nosso estudo, temos ainda a agradecer a Mariano Feio todos os ensinamentos que nos ministrou sobre os assuntos aqui versados, que tão bem conhece. Note-se que, além destas duas especies de solos, no Alentejo existem também terrenos graníticos (Portalegre, Évora, etc), calcáreos (Estremoz, Vila Viçosa, etc), e outros.

2 Luís da Cunha Gonçalves, ”A Vida Rural do Alentejo”, Coimbra, 1922, p. 33 : «Tanto as sobreiras como as azinheiras nascem quase espontâneas. São raríssimas as florestas deste género provenientes de sementeira».

3 Ezequiel de Campos”O Enquadramento Geo-Económico da População Portuguesa através dos Séculos”, Lisboa, 1943, p. 48, referindo-se à cintura de pequenas propriedades que se vê nos aglomerados alentejanos, comenta: «Era o limite do oásis. Logo por fora deste aro mimosamente cultivado estendiam-se em toda a volta as herdades e defezas em grande e grandíssima propriedade, com os pousios de muitos anos, as queimadas e os montados rarefeitos (...) pelo incendio e pelo gado manadio e grandes rebanhos. Brejos e charnecas (...)».

4 Mariano Feio, ’Le Bas Alentejo et l’Algarve’, p. 59. Ver também Ezequiel de Campos, op. cit., pp. 46 e 50. «Na Beira Baixa e no Alentejo a conquista do solo pátrio fez-se por lutas muito demoradas ; por isso enormes extensões maninhas e ermas : os terrenos afastados de algum lugar forte, onde o agricultor pudesse rapidamente salvar-se a si e aos produtos da sua indústria tinham-se tomado forçosamente maninhos: a cultura cingia-se apenas às povoações acasteladas; o mais era um deserto». «A estrutura do solo e o clima opunham-se também a uma colonização rápida e fácil». «As grandes superfícies dos pliocenos (...) e a quase igual extensão dos miocenos (...) sujeitos ao clima de verão ardente (...) constituiram um enorme território adverso ao povoamento: porque se prestava muito mal à cultura do trigo nas práticas tradicionais do pousio, arenosas e pobres como eram de natureza.»
Oliveira Marques, "Introdução à História da Agricultura”, p. 78, nota porém que «seria (...) errado pensar que o Alentejo se encontrava deserto (...). Muito pelo contrário. Situavam-se Entre-Tejo-e-Odiana alguns dos grandes aglomerados do reino –como Évora, Estremoz, e Elvas– (ver, do mesmo Autor, «A População Portuguesa nos Fins do Século XIII») ...Contrastavam assim o panorama desértico da maioria da área da comarca e a abundância ridente dos seus poucos povoados».

5 Oliveira Marques, op. cit., p. 91 : «Além dos detritos orgânicos, a agricultura romana e muçulmana conheceu outros processos de adubação, que quase todos passaram para a Idade Média. Assim se deu, por exemplo, com o emprego das cinzas, frequentíssimo em Portugal aquando das arroteias que se seguiram à Reconquista cristã. Não obstante, as desvantagens de tal sistema – destruição da camada vegetativa e intensificação da erosão – revelaram-se muito superiores às suas vantagens como fertilizantes do solo. Se bem que os agrónomos romanos conhecessem e houvessem teorizado o emprego de leguminosas – tremoço, fava, ervilhaca – para azotar o solo e assim o fertilizar e restaurar com relativa rapidez, nunca o processo parece ter sido utilizado pelos lavradores. Na Idade Média desconhecem-se quaisquer traços dessa técnica, que só veio a triunfar como conquista dos tempos modernos». Ver também Ezequiel de Campos, op. cit., p. 20 : «A passagem por mais de quatro séculos do domínio romano na Lusitânia ao Sul do Tejo, que há-de integrar-se no território do futuro Portugal, alastrou a derrubada da floresta para o trigo e para o gado manadio, complicou e alargou deveras o âmbito geográfico do trabalho, sorveu boa parte do fruto deste; e assim civilizou a gente e fê-la crescer em número; mas não alterou o seu feitio primevo de povoamento, nem o modo de utilização do seu quadro geográfico » ; e também p. 19: «...nem a exploração mineira nem o desbaste extenso do arvoredo em torno dos cerros e dos montes do Alentejo e da orla do Tejo, para a cultura cerealífera e para o gado manadio, levaram para a planície muita população e por ela a dispersaram em núcleos de povoamento, pois toda esta continuou a permanecer adensada nos cimos das elevações. E apesar de todo o crescimento da gente da Lusitânia ao Sul do Tejo nos séculos do domínio romano, não deixou de continuar, até às invasões que o esmagaram, e ao depois, a distância grande de povoado a povoado, imposta pela orografia do território: ...não se povoou a planície por casais dispersos ou conjuntos. Ficou sempre a gente apenas pelos cimos dos montes».

6 Albert Silbert, ”Le Portugal Méditerranéen à la fin de l’ancien régime – XVIII et début du XIX.e siècle”, I , Paris, 1966, p. 153: «...uma época em que o problema do povoamento e da defesa contra os mouros estava em primeiro plano. A gente preocupava-se muito pouco com tirar proventos da terra. Era preciso de entrada que ela fosse habitada» (trad. dos autores).

7 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo et l’ Algarve,” p. 63, é de opinião que "Grandes aldeias fortemente aglomeradas, testemunham um longo passado de insegurança, populações pouco densas, e propriedade concentrada”. Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 49, nota também, em termos gerais, que «a exploração extensiva, o uso do afolhamento, não serão estranhos à aglomeração. Todavia, ela traduz sobretudo esse longo passado de insegurança » – a imensa charneca de outrora, infestada de salteadores e assolada de guerras.

8 Silva Martins, op. cit., pp. 497-580, e II, pp. 375-378.

9 pierre George, ’Sociologia Geográfica’, in "Tratado de Sociologia”, I, Lisboa, 1964, p. 359: «...a exploração de tipo tradicional e a exploração moderna, motorizada e mecanizada, não tem as mesmas formas de gestão financeira. A aparição de volumosos investimentos na aquisição de material, compras de carburante, de sementes seleccionadas, de reprodutores, de adubos químicos, o recurso aos serviços remunerados de técnicos e, ao mesmo tempo, a redução da parte do trabalho no conteúdo das actividades e dos investimentos substituem uma combinação na qual o principal factor de produção era o trabalho familiar, de que se não fazia contabilidade, por uma nova combinação em que o factor principal de produção é o investimento, investimento de apetrechamento e investimento de exploração anual. Nesta segunda combinação, a contabilidade, o cálculo da maior rentabilidade dos investimentos, tomam-se a regra e o motor da exploração. Se a natureza do trabalho permanece muito diferente da do trabalho industrial, se a certeza da previsão económica do exercício anual é muito menor que na gestão de uma fábrica, as formas de direcção aproximam-se das da empresa industrial. Compreende-se assim tudo o que separa o aldeão tradicional, que aparece essencialmente como um patriarca, ordenando o trabalho familiar, sempre ligado a certas formas de economia de subsistência, quanto mais não fosse para a manutenção dos animais de trabalho, do chefe da empresa agrícola para quem a noção fundamental passa a ser a de rentabilidade dos capitais comprometidos».

10 Para a descrição e estudo do monte e da vida que nele decorre, ver José da Silva Picão, "Através dos Campos”, Lisboa, 1947, pp. 11-29. Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 60 : « Mais do que um facto de povoamento, o monte é um fenómeno económico: ele exprime a necessidade de se ter, em cada exploração, o pessoal, muito numeroso e diferenciado, de que ela necessita para o seu funcionamento normal».

11 Ezequiel de Campos, op. cit., pp. 47-48.

12 Ver Silva Picão, op. cit., pp. 23-24. Gerardo Augusto Pery, ”Estatística Agrícola do Distrito de Beja –Parte I– Concelho de Beja”, Lisboa (Imp. Nac.), 1883, p. 11, nota no concelho de Beja que «Na proximidade das povoações, domina a pequena cultura » ; e a seguir, p. 12, que « são raras as pequenas propriedades que não pagam foro, porque quase todas resultaram da divisão de herdades em parcelas para aforar». E acrescenta: «a esta divisão da propriedade deve a agricultura o seu desenvolvimento e a população o seu bem-estar. É justamente onde existe a pequena propriedade que se encontram os vinhedos e olivais, se veem as melhores searas, e se nota maior densidade de população ; onde dominam as grandes herdades é também onde se topam as charnecas mais dilatadas e os grandes ermos». O mesmo Autor, id, II, "Concelho de Cuba”, p. 21, diz também : «Pelo próprio facto que lhe deu origem, a maior parte da pequena propriedade deste concelho era enfiteutica. Hoje, porém, é em grande parte livre de foro ou pensão, quer por efeito da remissão quer em resultado da lei de 13 de Agosto de 1832, que revogou todos os foraes e tributos ou pensões foraleiras». Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo et l’Algarve”, pp. 58-59, diz igualmente que «a pequena propriedade encontra-se na periferia das aldeias e nos terrenos recentemente lotados por enfiteuse. No primeiro caso estão os olivais e os ferragiais : estes estão submetidos às mesmas culturas que as grandes propriedades, mas de uma maneira intensiva, com supressão de pousios, graças à estrumação. A superfície de uns e de outros é em geral inferior a 5 ha. Antigamente quase todas as pequenas propriedades estavam no regime da enfiteuse. Em nossos dias, um grande número dessas terras foram remidas». Manuel Vilaverde Cabral, "Materiais para a história da questão agrária em Portugal – Sécs. XIX e XX” (Selecção, prefácio e notas de), Porto (Inova) 1974, p. 65, na esteira de Silbert, é de opinião que « o regime da enfiteuse pouco ou nada contribuiu para o fomento rural». Orlando Ribeiro, comentando Silbert na sua obra ”A evolução agrária no Portugal Mediterrâneo”, Lisboa, 1970, p. 106, escreve: «Sob a designação de culturas ricas, agrupa Silbert as que, em chão revolvido e estrumado, são feitas em tomo dos centros povoados (culturas mimosas, dir-se-ia em português, o que evoca ao mesmo tempo as noções de cuidado e de rendimento): ferregiais, inicialmente parcelas semeadas de cereais para cortar em verde, depois sucessão de cereais sem pousio, que se pratica à volta das aldeias e dos montes (estes também Chamados monturos): chões ou chãos, tão correntes na Beira Baixa e apenas conservados no sentido de tapada com horta ou pomar na área de Nisa, afim daquela região, referidos em documentos, mas desaparecidos do vocabulário corrente no fim do século XVIII ; bacelo, igualmente em Nisa, onde designa inicialmente pequena vinha e, por extensão, chão de tamanho diminuto; quinta, com o significado corrente de propriedade nos subúrbios duma aglomeração importante, com culturas intensivas, ricas e variadas (junto de Beja, em 1854 : casa, horta, laranjal, um hectare de trigo, olival); todos opostos, sob a designação genérica de coutos, às herdades».

13 Silbert, op. cit., p. 104: «Deve-se contudo notar que uma grande parte, a maior, das terras consideradas, não pertenciam realmente à comunidade dos habitantes, mas à entidade administrativa que é o concelho. A distinção jurídica entre os bens do concelho e os bens do povo é muito nítida. Praticamente, a diferença diz respeito sobretudo ao fisco: o Tesouro Régio cobrava 1/3 do rendimento das propriedades do concelho. O uso dos «comunais» é idêntico por toda a parte: pastos (particularmente para o alimento dos animais de trabalho), – cultura temporária – repartição periódica quando existe uma divisão em folhas – aluguer frequente, tanto dos pastos como do direito do cultivo». Para se estudar o problema da propriedade colectiva no Portugal Mediterrâneo, é indispensável consultar esta obra fundamental.

14 Na verdade, a pequena exploração frumentária está fundamentalmente fora da tradição e da técnica agrária local, moldada pelas condições da grande exploração extensiva. A partilha dos comunais de Monsaraz, descrita por José Cutileiro (”A Portuguese Rural Society”, Oxford, 1971, pp. 19-20 – trad. M. V. C., ap. Manuel Vilaverde Cabral, op. cit., p. 67) ilustra muito expressivamente a força desta tendência local para a grande exploração : após essa partilha, em 1874, todos os trabalhadores da freguesia passaram a ter terra. A situação porém durou pouco: muitos dos contemplados não se interessaram pela exploração das suas parcelas, não pagaram a respectiva contribuição, e elas foram vendidas. «Em 1907, o maior latifundiário da região possuía 166 das courelas de uma das terras comunais. Em 1914, restavam apenas 69 das 820 courelas primitivas. Mais tarde ainda, em 1930, algumas das courelas restantes foram compradas e concentradas por um proprietário local. Os trabalhadores rurais tinham de novo deixado de possuir qualquer terra, perdendo no decurso da operação as vantagens anteriormente oferecidas pelas terras comunais».

15 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo et l’Algarve”, p. 75: Em 1949, o proletariado rural alentejano representava 73% da população activa na agricultura. Silbert op. cit., p. 1035: «A sociedade estudada caracteriza-se numa primeira aproximação por uma hierarquia no topo da qual se situam os grandes proprietários laicos e eclesiásticos: conventos, Ordens religiosas, famílias nobres, a Coroa, a casa de Bragança, da Rainha, do Infantado. No degrau abaixo, encontram-se os rendeiros. Em baixo de tudo, os operários agrícolas. A pequena exploração fora dos arrabaldes das povoações, aparece como excepção. A hierarquia assim definida é simples demais para corresponder à realidade». Acerca das categorias sociais no Alentejo rural, ver Orlando Ribeiro, ”A Evolução Agrária”, pp. 181-183 ; José Cutileiro, ”A Portuguese Rural Society” e ’As Classes Sociais no Alentejo’, in "Análise Social”, 2.a Serie, 34, Vol. IX, 1972-2.°

16 Orlando Ribeiro "Evolução...”, p. 133: «Grandes e poderosos senhores possuem ou arrendam herdades com mira apenas no lucro com o mínimo de trabalho – o gado de lã e os porcos –, nem as cultivam (às vezes um simulacro, mandando semear um décimo da folha !), nem deixam aos pobres terra para cultivar». Ver também Silbert, op. cit., p. 783.

17 O que obrigava mesmo à importação de trigo do Norte da Europa (que beneficiava de um regime alfandegário de favor). Aliás, já no século XVI certas povoações alentejanas se haviam pronunciado contra o envio do seu trigo para Lisboa, por este ser insuficiente para o consumo local, pedindo mesmo que a Capital lhes mandasse algum do que importava de fora.

18 Em 1624, Manuel Severim de Faria atribuía o atraso da agricultura alentejana e o despovoamento desta vasta Província à existência das grandes herdades, divididas em muitas folhas, das quais se cultivava apenas uma, porque as outras destinavam-se a pastagens, e que sendo exploradas não pelos proprietários mas por rendeiros, constituíam um obstáculo a quelquer tentativa de colonização rural. Ver nota 123, e texto correspondente.

19 Orlando Ribeiro, ”A Evolução Agrária”, p. 143; e Pierre George, op. loc. cit., I, p. 355.

20 Silbert, op. cit., pp. 1038-1039, e 812.

21 Silbert, op. cit., pp. 1036, 763 e 817.

22 Silbert, op. cit., p. 819.

23 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 75, fala em 1/4; Cunha Gonçalves, op. cit., p. 25, fala em 1/2, 1/3, 1/7, mas em regra 1/4 da colheita. E acrescenta: «Esta forma de contrato, quando permanente, chama-se cingelaria ou lavoura ao quarto, sendo o cultivador ou rendeiro designado por singeleiro ou cingeleiro, talvez por ser singela, parcial, a sua exploração da terra, ou, o que é mais certo, porque esses pequenos cultivadores em regra só possuem uma parelha de muares ou uma só junta de bois e lavram a terra com cingel, não podendo, por falta de meios, armar uma quatranha (duas juntas de bois) ou tralhoada (três juntas de bois), que exigem também charruas e arados mais resistentes, e, por isso, caros». Silbert, op. cit., pp. 819-820 e 1036, equipara cingeleiro a seareiro; e também a caseiro, embora este resida no monte e trabalhe terra de um rendeiro.

24 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 75; Silbert, op. cit., pp. 763-765. Este último Autor, op. cit., pp. 445-457, cita exemplos deste sistema em bibliografia descritiva e textos legais que mostram a sua antiguidade e carácter de prática corrente. Ver também nota 134.

25 Orlando Ribeiro, ”A Evolução Agrária”, pp. 142-143.

26 Silbert, op. cit., p. 820.

27 Para esta breve descrição da pastorícia na economia rural alentejana, utilizamos fundamentalmente os trabalhos citados de Mariano Feio, G. A. Pery, A. Silbert, Orlando Ribeiro, Silva Picão, Cunha Gonçalves, Ezequiel de Campos, e outros. Acerca do gado bovino na pastorícia tradicional alentejana, ver Silbert, op. cit., p. 624-637.

28 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 78 : «Numa herdade de Castro Verde, de 900 ha, 20 a 30 ha estavam semeados a trigo, e 94% ficavam em pousios ou charneca. Noutra, no Sado, de 1250 ha, de terras galegas boas, 20 ha à volta do monte eram para cultura permanente de trigo e aveia; do resto, desbravava-se todos os anos 2 a 3 ha de charneca, para rouças para centeio.» Segundo o Autor, op. cit., pp. 84-85, a charneca ocupava, no Baixo Alentejo, em 1864, 60% da superfície total, compreendendo os barros ; nas terras galegas do concelho de Beja, 63%; nas do concelho de Alvito, 70 % ; no sul, a percentagem era ainda maior; «não parece exagerado avaliar em 70-80% a proporção das terras galegas ocupadas pela charneca». Segundo Pery, III «Vidigueira», p. 16, em 1887, a terra encontrava-se assim distribuída, em relação à superfície total dos vários concelhos: Charneca – Vidigueira – 19,4%; Cuba – 20,1 %; Beja – 37,1 %; Alvito – 50,4%. Incultos – Vidigueira – 38,1 %; Cuba – 36,3% ; Beja – 37,9 % ; Alvito – 60,5%. Cultivada – Vidigueira–36,7%; Cuba – 36,8%; Beja – 37,8%; Alvito –15%. Montados – Vidigueira – 23,7%; Cuba –24,9%; Beja – 16,7%, Alvito – 23,2%.

29 Desmoita é o corte superficial dessa vegetação arbustiva que se encontra em moitas dispersas. « À medida que o mato se vai cortando, junta-se com forcados em montículos ou caminheiras » (Silva Picão, op. cit., p. 35).

30 Em Santa Margarida da Serra (Grândola) ouvimos chamar a esta operação « terrar as moreias».

31 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, pp. 77-78. José de Campos Pereira: «A Propriedade Rústica em Portugal”, Lisboa (Imp. Nac.), 1915, p. 28: No distrito de Évora, «na parte montanhosa e de relevos, predominam os montados e as charnecas, sobrelevando a exploração pecuária ao ramo de cultura propriamente dita. O revestimento dos terrenos é espontâneo, tanto em árvores como em arbustos, e a cultura cerealífera, bem que muito importante, ainda hoje é feita, em grande parte, como exploração secundária, precedida de roços e moreias. Em terrenos mais fundos e férteis, e debaixo do arvoredo, empregam-se as moreias cobertas. Em charnecas de pouco revestimento e terreno pedregoso, fazem-se roças para a cultura do centeio, e, quando nem esta cultura vinga, deitam simplesmente fogo ao mato, sem o roçar, com o fim de obter rebentação mais vigorosa e pastagens mais tenras para cabras e ovelhas ».

32 Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 78.

33 Idem, p. 79.

34 Pery, op. cit., ”Beja”, p. 11, e ”Cuba”, p. 14.

35 Paulo de Moraes, ”Inquérito Agrícola – Estudo Geral da Economia Rural da 7.a Região Agronómica”, Lisboa (Imp. Nac.), 1889, pp. 58-60.

36 Vê-se assim que a charneca não pode ser considerada propriamente como terra inaproveitável. Aliás, como dissemos, um sistema normal de trabalhar a terra – as roças e queimadas, como meio de produção do cereal, tinha lugar especificamente na charneca e nos montados bravios. Era também na charneca que as populações das aldeias ou dos montes próximos se abasteciam de lenhas. A este respeito, cfr. Silbert, op. cit., pp. 444-446.

37 Ezequiel de Campos, op. cit., pp. 55-57: «As queimadas impuseram que as vastidões alentejanas ficassem muito mal arborizadas, e as terras cerealíferas permanecessem sujeitas à exaustão apressada da produtividade, renovada por pousios longos faziam-se queimadas lançando fogo aos brejos, para melhor renovar o pascigo, para «alimpar do mato as terras que se querem romper, ficando logo adubadas com as cinzas», para fazer carvão. Então acontecia frequentemente que o fogo passava desvastador dos matos e selvas para os olivais e as vinhas, e os soverais e azinhais, com grandes prejuízos. E a renovação das queimadas por gerações sucessivas, desde antes dos romanos, desarborizou enormes extensões do Alentejo, e deu origem a grande erosão do terreno. Vem a legislação (...) a dar penas aos incendiários e aos que fazem mal ao arvoredo» – de D. Afonso Henriques, D. Sancho I (que manda que os enforquem), de D. Diniz, etc. Ver nota 120.

38 Mariano Feio, "Evolução da Agricultura”, pp. 75-76 : «A maior parte dos solos do nosso País tem falta de fósforo e de azoto que os adubos químicos podem suprir nas quantidades convenientes. Antes de se usarem adubos, tinha de se procurar a fertilidade em longos pousios, queimadas e estrumações. Mas os pousios só regeneram o fósforo necessário para as plantas com longos períodos de espera –o que portanto conduz a um sistema agrícola muito extensivo; as queimadas são apenas ricas de potássio, elemento de que a maior parte das nossas terras não carece, ou pelo menos a que não reage, e os estrumes são sobretudo ricos em azoto e as quantidades existentes só chegam para pequenas áreas. Por estas razões, pouco então se semeava e praticamente só para o consumo próprio. Uma terra coberta de mato dava muito trabalho a arrotear com os meios de então; produzia 1 ou 2 boas searas, e tinha de ser abandonada porque os rendimentos se tomavam insuficientes; tratando-se de uma terra de barro, derivadas em regra de rochas eruptivas básicas e por isso ricas de fósforo, podia-se tomar a cultivar passados uns 4 anos, pois o azoto regenera-se no pousio com relativa rapidez; mas nas terras galegas, falta fósforo, que só depois de muitos anos de pousio está de novo disponível para as plantas. O estrume encarece muito as culturas, só tem efeitos importantes em grandes doses e, ontem como hoje, as quantidades disponíveis são sempre pequenas; pode-se dizer que só as explorações de gado leiteiro estabulado produzem estrume suficiente para a respectiva área. Os estrumes, nesses tempos, provinham sobretudo das estrumações a rede de ovelha e das camas dos bois de trabalho e das muares. Como eram poucos, e só tem efeito em grandes doses, aplicavam-se nos chamados ferragiais à volta dos montes – uma ou duas dezenas de hectares nas grandes herdades. Estas áreas andavam em cultura intensiva, semeadas de trigo, aveia ou de ferrejo, para ser comido em verde pelo gado. Além destas ilhas de cultura intensiva, faziam-se alguns hectares de rouças na charneca, poucos, porque a operação era trabalhosa e de escasso rendimento.
As primeiras experiências de utilização de adubos químicos no Alentejo foram feitas pelo lavrador Miguel Femandes em 1884 ; tratava-se de adubos fosfatados que deram excelentes resultados nas terras galegas. Uma dezena de anos depois, técnicos ingleses aconselharam uma fórmula mista azoto-fosfatado que deu excelentes resultados nos barros e se vulgarizou com o nome daquele lavrador. No princípio deste século os adubos químicos já eram muito conhecidos no Alentejo».

39 Orlando Ribeiro, *A planície em Portugal*, in "Ensaios de Geografia Humana e Regional”, Lisboa, pp. 332-333.

40 "Materiais para a História da Questão Agrária em Portugal – Sécs. XIX e XX”, Selecção, prefácio e notas de Manuel Villaverde Cabral, Porto (Inova), 1974, p. 55. O Autor foca um aspecto especial do assunto; a propósito do problema da «colonização interna», escreve: «Trata-se, em substância, de desviar pelo menos parte da emigração que se ia para o Brasil, para o Sul do país. Çom o pretexto de arroteara grande área inculta alentejana, trata-se antes de mais, de fixar em roda das grandes propriedades uma massa de pequenos camponeses pobres, disponíveis para as grandes fainas agrícolas sazonais (seareiros). A colonização interna tem ainda a vantagem de obter do colono o arroteamento gratuito de terras de que, depois, é fácil expulsá-lo, integrando a terra pronta para cultura na grande propriedade, à qual, economicamente falando, nunca deixara de pertencer (...)».

41 Pery, op. cit., ”Beja”, p. 10e”Vidigueira,”p. 16, MarianoFeio,”LeBas Alentejo...”,p. 85 entende que o golpe de misericórdia que acabou com a charneca foi a Campanha do Trigo, em 1930.

42 Estas operações tinham também em vista, em certos casos, o plantio de olivais e vinhas (Miguel Femandes, ”A cultura do trigo pelos adubos químicos no Baixo Alentejo”, Lisboa, 1899, ap. Mariano Feio, ”Le Bas Alentejo...”, p. 79).

43 Silva Picão, op. cit., pp. 34-36.

44 Silva Picão, op. cit., p. 33.

45 MarianoFeio, ”LeBas Alentejo...”,pp.66-67;ePery,”Beja,”p. 11 e”Cuba”,p. 14.Osistema rotativo dos afolhamentos (e pousios), como técnica de regeneração dos solos, foi conhecido dos romanos; e, no regime bienal, e seguidamente trienal, praticou-se no Alentejo durante a Idade-Média: o solo era dividido em três folhas –cereal, relva (pousio) alqueive; ou cereal do Inverno, cereal da Primavera, pousio. (Oliveira Marques, "Introdução à História da Agricultura”, pp. 91-95).

46 Pery, op. cit., "Beja”, p. 11.

47 Mariano Feio, "Evolução da Agricultura”, pp. 76; e o Autor prossegue: « O consumo dos adubos continua a aumentar. Era praticamente nulo na época a que nos temos referido; nos meados da década de 50 totalizava 11 800 tons, (conjunto dos adubos azotados, fosfatados e potássicos, expresso em elementos nobres), em 1962-63 de 129 000 T. e em 1968 de 179 000 T. ».

48 Silva Picão, op. cit. passim.

49 Jaime Lopes Dias, ’Do Pão que se semeia ao Pão que se come’, in "Etnografia da Beira”, V, Lisboa, 1939, pp. 36-62.

50 Esta fase não é específica da agricultura alentejana, e corresponde a um movimento geral que ocorre em todo o País. É porém fora de dúvida que no Alentejo ele não só assume uma feição mais vultosa, quantitativa e qualitativamente, mas relaciona-se mesmo com as condições económicas e sociais estruturais básicas da vida rural da Província.

51 Em todo o caso, ainda em 1949, na Herdade dos Machados, no Baixo Alentejo, que Mariano Feio considerava «uma grande exploração muito progressiva», a mecanização dos trabalhos agrícolas ainda não fora tentada, porque a mão de obra era abundante e barata. Os alqueives e sementeiras eram feitos com 44 mulas, 170 bois, 70/80 vacas, e dispunha-se «somente de dois tractores ; e, além disso, de 6 máquinas ceifeiras, e duas debulhadoras» (”Le Bas Alentejo”, pp. 54 e 57).

52 Silva Martins, op. cit., p. 51, nota 3 : « Segundo o Inquérito de 1952-54, somente 1 906 das 853 568 explorações agrícolas do Continente (0,2%) tinham tractores; 256 (0,03%) motocultivadores; 1 074 (0,1%) locomoveis; 0,7% motores fixos a gasóleo, 2,1% a gasolina ou petróleo, 1,6% eléctricos, 0,2% outros (mesmo considerando que não houvesse sobreposições, seriam apenas 4,6% a possuírem motores fixos); e 0,5% dispunham de moto-bombas. Era no distrito de Évora (1952) onde mais abundavam os tractores e todavia só 2,5% das explorações dos inquiridos os tinham, seguindo-se Beja (1952) com 1,9%, Setúbal (1952-53) com 1,1% e assim sucessivamente. No de Viana do Castelo (1954): 5 explorações em 45 970 tinham tractores; 3, motocultivadores; 11, locomoveis; 71, moto-bombas; 1,5% delas, no máximo, motores fixos. Se se considera o Baixo Alentejo (1952), uma das províncias em que a mecanização dos trabalhos agrícolas era um pouco menos reduzida, ainda assim : das 24 983 explorações agrícolas ali recenseadas pelo Inquérito, 65,5% dispunham de meios de trabalho só animal; 1,7% (439 explorações) de meios de trabalho animal e mecânico; 0,9% (213 explorações), só mecânico ; e 31,9 % eram explorações sem meios de trabalho animal e mecânico. No Alto Alentejo (1952) não era mais favorável o aspecto, ao contrário : para 24 322 explorações, 60,2% achavam-se com meios de trabalho só animal; 1,5%, animal e mecânico ; 0,08 % (apenas 20 explorações) só mecânico ; e 38,2 % sem meios de trabalho animal ou mecânico. Observando, nesta província, as explorações segundo os escalões da área arvense, vê-se que: 59% das explorações com menos de 3 ha arvenses estavam sem meios de trabalho animal e mecânico e nas restantes dessas era praticamente só animal; mesmo nas explorações de mais de 100 ha arv., 72,1% efectuavam-se com meios de trabalho só animal, e do mesmo modo 64,7% das de mais de 200 ha arv., 52% das de mais de 500 ha arvenses. De assinalar que as duas maiores explorações (de entre 10 000 e 20 000 ha arv.) desta província (e do País) e a outra, de idêntico escalão, do Baixo Alentejo eram totalmente cultivadas com meios de trabalho só animal.»
Por outro lado, Henrique de Barros, ”Estrutura Agrária Portuguesa”, Lisboa, 1972, pp. 42-44, analisando os dados fornecidos pelo «Inquérito às Explorações Agrícolas do Continente», de 1968, assim resume a situação : «No que propriamente se refere à tecnologia, afiguram-se-nos expressivos os seguintes elementos de informação : a) em nada menos do que 200 700 explorações (24,5%), nem sequer à energia animal se recorre, mas unicamente à energia humana ou, por outras e mais cruas palavras, ao trabalho braçal servido apenas pela ferramenta : b) as explorações que utilizam somente energia mecânica não chegam a atingir 9% do total; c) o mínimo daquelas que aplicam conjuntamente as energias animal e mecânica não vai além de 36%; d) as que dispõem de electricidade (exclusivamente ou quase para iluminação e elevação de água para rega) ( ) 12 % ». « O equipamento em máquinas destinadas à execução de operações agrícolas revela-se, por sua vez, muito deficiente, já que correspondem somente a 2% do total as explorações que possuem tractores de 2 eixos, e não vão além de 30% aqueles que tem charruas e grades. À posse de motores (.. ) encontra-se relativamente disseminada, existindo 118 000 explorações dotadas com motores de combustão interna, e 45 000 com motores eléctricos, uns e outros destinados principalmente senão quase exclusivamente a elevação de água».

53 Mariano Feio, "Evolução da Agricultura”, pp. 71-79.

Endnoten

1 Ver notas 113 e 114, e texto correspondente. José de Campos Pereira, ”A Propriedade Rústica em Portugal”, Lisboa (Imp. Nacional), 1915, p. 28: «Em 1897 mais de 94% da área do concelho de Évora pertencia à grande propriedade (140 638 ha), cuja exploração obedece quase exclusivamente à criação e engorda de gado ». Villaverde Cabral, op. cit., p. 62, entende que o abandono das culturas cerealíferas – grande consumidora de força-de-trabalho assalariada –, nos meados do século XIX, foi a resposta maciça dos grandes lavradores alentejanos à alta dos salários ligada à emigração.

© Etnográfica Press, 1995

Nutzungsbedingungen http://www.openedition.org/6540

Diese digitale Publikation wurde durch automatische optische Zeichenerkennung erstellt.
Suche in OpenEdition Search

Sie werden weitergeleitet zur OpenEdition Search