Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

II – Portugal transmontano

Texte intégral

1O Portugal Transmontano situa-se a Nordeste, região sub-atlântica, e compreende as províncias interiores nortenhas, até à Cordilheira Central: Trás-os-Montes e Beira Transmontana.

2A barreira montanhosa que vai da serra do Gerez à do Marão, pela da Cabreira e Alvão, e, ao Sul do rio Douro, do Montemuro e Lapa à da Estrela e Gardunha, vedando o acesso para Leste às influências oceânicas, marca o limite interior da região climática atlântica, e do panorama geográfico-cultural que atrás descrevemos, e introduz-nos no Portugal Transmontano. Desta nova região, e por razões paralelas às que nos levaram a tipificar a região atlântica pelo Entre Douro e Minho, consideraremos em especial as terras conhecidas pela designação de Alto Trás-os-Montes, que na sua maior extensão coincide com a Terra Fria, tão vigorosamente caracterizada nos traços mais originais da Província.

  • 1 Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, in "Dicionário de História de Portugal”, I, p. 62 : «A introdução d (...)
  • 2 V. Taborda, 125/6: – Os documentos medievais relativos a Trás-os-Montes não contêm, a respeito da o (...)
  • 3 «E é difícil conceber-se algo comparável à rudeza primitiva dessas povoações remotas, e segregadas (...)
  • 4 Com frequência, nas aldeias transmontanas há mais do que uma eira; mas mesmo então, são sempre eira (...)

3Galgada aquela barreira, e depois de uma área de transição, onde se encontra ainda o milho e os principais elementos a ele associados – o distrito de Vila Real – entra-se numa região planáltica e montanhosa, prolongamento da Meseta castelhana, de clima rude e excessivo de tipo continental, com chuvas muito abundantes, frio rigoroso e neve no Inverno, e calor sufocante e uma secura demorada e extremamente severa no Verão. A paisagem despovoada e severa desdobra-se na vastidão do horizonte em amplas ondulações monotónicas de terrenos arcaicos de cor amarelada, argilosos e secos, cortadas de vales profundos e rios muito encaixados, e onde predominam os xistos: faceiras abertas e contínuas, searas de cereal em que apenas a direcção dos sulcos acusa por vezes diferenças de lavouras (e onde, fora das épocas dos trabalhos agrícolas, não se vê ninguém), alternando com as folhas dos pousios, cobertas de restolho seco1, e imensos montados bravios e desertos, cobertos de vegetação arbustiva expontânea – esteva, giesta, carqueja, etc. –, onde deambulam rebanhos; o arvoredo é escasso: manchas isoladas de castanheiros nas encostas, negrilhos e carvalhos negrões, e, nas terras mais quentes, a oliveira (ali introduzida apenas no século XVI2). Nas aldeias, isoladas na vastidão das terras, muito distantes umas das outras, rigorosamente concentradas formando um bloco compacto ao lado da pequena igreja local, e de feição rude e arcaica, as casas são arruadas e contíguas, as mais das vezes de pedra à vista, granito ou xisto, conforme as regiões (estas últimas mostrando grande fantasia de soluções arquitectónicas, consentidas por esse material), com dois pisos, o sobrado para habitação e o térreo para recolha e guarda do gado, alfaias e produtos da terra, a curralada no meio ou ao lado da casa, telhado ainda muitas vezes de colmo, de placas de xisto ou de velha telha caleira – que, de longe, parece ser único para toda a fileira das casas, com apenas, aqui e além, quadrados abertos que correspondem às curraladas, escada exterior, e varanda de pau corrida ao longo da fachada3. Num extremo, situa-se a eira, enorme e de terra batida, que é comum4, e onde ficam, durante o ano, as medas de palha de todas os vizinhos, para alimento dos respectivos gados; à volta, nos solos frescos e com água, alinham-se, muitas vezes muradas, as hortas (e outrora, junto aos ribeiros, os linhares), e, nos lugares abrigados e expostos ao sol, as vinhas, de plantio de cepa.

4Ao lado do boi (do qual algumas das raças mais correntes no País – a barrosã e a mirandesa – são oriundas desta província) vê-se, como animais de tiro e de montada, o burro e a mula, e, mais raramente, o cavalo.

  • 5 V. Taborda, op. cit., pp. 101/103: «Os terrenos, xistos cristalinos ou granitos, são impróprios par (...)

5O gado grosso tem lugar permanente de pastagens – os lameiros –, que são geralmente os melhores terrenos, nos vales, depressões e encostas onde o solo for mais húmido, e onde haja água para os regar5; e vedam-se apenas no período do crescimento dos fenos; o gado é então estabulado, e alimenta-se com a palha do cereal, que, como dissemos, se conserva em medas nas eiras.

*
* *

  • 6 Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, loc. cit. A razão clássica da concentração – o povoamento aglomerad (...)
  • 7 Henrique da Gama Barros, "História da Administração Pública em Portugal nos séculos XII a XV, IV”, (...)

6Região de fraca ou mediana densidade demográfica, a população rarefaz-se confinada nas aldeias, que, como dissemos, são rigorosamente concentradas e isoladas no meio da vastidão das terras cultivadas e dos bravios6. Este fenómeno tem raízes antigas : como nota Gama Barros, a abundância de forais, especialmente no século XIII, prova, não um povoamento real e intensivo, mas os esforços com que os reis e os mosteiros procuravam atrair colonos para um território despovoado7

  • 8 Cit. por A. Sérgio, op. cit., p. 83.
  • 9 V. Taborda, op. cit., p. 157; e também Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, loc. cit.

7Nessas idades, apenas uma pequena parte dos terrenos se conquistou para a produção agrícola; em 1465, o barão de Rosminthal descreve a província como sendo uma área coberta de chavascais, inçada de feras, de raras culturas largamente espaçadas, com arvoredo de castanheiros, figueiras e amendoeiras8; ainda em meados do século XIX, 74 % da sua superfície era constituída por baldios incultos, e as aldeias, com o seu casario e terras de semeadura, constituíam verdadeiras clareiras no meio dos matagais onde pasciam grandes rebanhos, onde se colhiam lenhas e matos, e onde se faziam culturas episódicas9.

*
* *

  • 10 V. Taborda, op. cit., p. 119: «É o centeio que imprime carácter à cultura frumentária transmontana. (...)
  • 11 Os forais mencionam fóros em trigo e em pão meado (V. Taborda, op. cit., p. 118).

8A economia rural antiga desta área, que ainda hoje se mantém em grande medida, mormente em certas partes mais arcaizantes, assentava em dois elementos fundamentais : acima de tudo o pastoreio e a criação de gados, que a extensão dos baldios e maninhos e dos prados naturais tornava possível, e que se apoiava em razões de carácter geográfico, histórico e social; em segundo lugar a cultura cerealífera – principalmente o centeio10, agora sobretudo nas zonas montanhosas e nas terras mais ásperas, mas também o trigo, nas terras melhores, em maior ou menor escala, e desde épocas muito antigas11, e hoje em progressão sensível, especialmente em certas áreas; e ainda a cevada–, praticamente para abastecimento familiar e local.

9Mais do que em qualquer outra área portuguesa, em Trás-os-Montes são muito frequentes e expressivas as manifestações em que transparece um forte sentido de vida colectiva, de solidariedade vicinal e de coesão social, aliás de fundas raízes históricas, como vestígios de organizações comunitárias de tipo pastoril (ou agro-pastoril) de origem presumivelmente pré-romana, e que se apoiava nas condições naturais da região.

  • 12 L A. Rebello da Silva, op. cit., pp. 110/112.
  • 13 Idem. O Autor assim descreve este sistema: (O rei) «concedia os terrenos rematados ou lotados em fó (...)

10Aqui, a propriedade comunitária, representada pelos montados e baldios – terrenos maninhos indivisos, situados em geral nos altos e nas encostas, e impróprios para a agricultura, que são fruídos por todos os vizinhos como locais de pastagem dos rebanhos–é, e sobretudo foi no passado, de grande vulto e importância: certamente esses bravios, que constituíam a maior parte da superfície da Província, seriam muitas vezes comunitários. Esta forma – que historicamente se funda no sistema de colonização seguido na região por D. Diniz, «acomodando-se aos costumes que já encontrou arreigados, e provavelmente desde antigas eras»12: os aforamentos colectivos13 –, revitalizou-se sem dúvida com a importância que ali tem a pastorícia, que a torna preferível ao domínio individual, o qual implica um parcelamento fechado que dificultaria e poderia mesmo impossibilitar a circulação de rebanhos.

  • 14 António Sérgio, op. cit., p. 81: «O ambiente inclina para o pastoreio, pelas condições agro-climáti (...)
  • 15 Ver Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, "Construções Primitivas em Port (...)

11De facto, a pastorícia ajustava-se à paisagem regional serrana, de clima excessivo, superfície arável reduzida, solos magros e pobres, em grande parte impróprios para uma agricultura compensadora14. A cada passo se encontram instituições de feição marcadamente comunitária, sem dúvida vestígios vivos dessa remota tradição que se mantiveram intactas, até há cerca de um século, pelo isolamento da região. Por quase toda a área, os rebanhos – de carneiros, cabras, mais raramente vacas e bois, e até, num caso ou noutro, porcos –, que constituem o elemento económico fundamental, são pastoreados colectivamente – as vezeiras (porque guardadas à vez por gente da casa) –. Os bois e vacas têm lameiros comunais –em Rio de Onor, por exemplo, os Coutos–; o gado miúdo pasta nos montes ou na vastidão dos baldios incultos, de fruição comum, e também nas folhas de pousio, dormindo, então, no verão, no meio desses terrenos em redis (recintos fechados por grades ou cancelas móveis, que se vão mudando de modo a correrem toda a folha, para melhor se aproveitar o frago dos animais como estrume, e como meio de defesa contra o lobo); o pastor dorme ao lado, abrigado sob uma esteira, que pode ser de vários tipos. Quando o rebanho vai para mais longe, o redil é transportado com ele; e em muitos casos – nas regiões de Chaves, Vinhais, etc. –, usam-se carros com verdadeiras cabanas de colmo ou madeira montadas sobre o seu estrado, onde dorme o pastor, e que são puxados a bois quando o rebanho se desloca15.

  • 16 No Barroso, o forno do povo, era, por costume, local autorizado de pernoita dos mendigos.

12Esse ambiente comunitário, de que o pastoreio, na Província, é uma manifestação viva, afirma-se ainda noutras instituições características: em várias aldeias, encontram-se restos mais ou menos fragmentários das antigas assembleias dos vizinhos, juntas, acordos ou conselhos, em que os representantes de todas as casas da povoação (às vezes mesmo mulheres, quando a casa não tem homens) se reunem periodicamente ou ocasionalmente, ao toque do sino ou da buzina, para deliberar sobre assuntos importantes ou de interesse colectivo: – construção ou preparação de caminhos, de minas ou regos da água, da igreja, de pontes, muros, ou edifícios do povo, distribuição de trabalhos agrícolas ou outros, em que se impõe ou é conveniente uma acção conjunta: segadas, vindimas, roçadas, batidas aos lobos, etc,, – e também para aplicação de castigos e multas aos infractores das normas consuetudinárias e das deliberações do «ajunto», nomeadamente aos que não comparecem às reuniões e aos que, em prejuízo dos demais, não respeitam a «coutagem» das terras comunais na época própria, ou metem na vezeira mais gado do que aquele que lhes cabe. Em toda essa zona abundam os edifícios comuns – moinhos, fomos, lagares e até forjas, do povo –, por vezes touros de cobrição (que pastam em lameiros próprios também do povo), máquinas agrícolas, etc., pertença de todos e que todos podem utilizar segundo regimes diversos estabelecidos pelas «juntas» de acordo com a tradição local e com certos princípios elementares de equidade16, e cuja conservação está a cargo da colectivídade. Hoje, por vezes, essas instalações são já propriedade particular, mas é frequente apesar disso manter-se o regime comunitário na sua utilização : em Moimenta de Vinhais, por exemplo, os moinhos e fornos são de herdeiros, mas todos os vizinhos os utilizam sem terem de pagar qualquer maquia ou poia, e as decisões que lhes dizem respeito são tomadas no ajunto do conselho, a quem compete também velar pela sua conservação.

  • 17 Cfr. Jorge Dias, "Vilarinho da Fuma, uma aldeia comunitária”, Porto, 1948 ; e "Rio de Onor, comunit (...)

13Estes costumes, que representam uma tradição multisecular que o povo acata e a própria lei por vezes sanciona e ratifica expressamente, encontravam as suas formas mais perfeitas e completas nas organizações comunitárias e pastoris – ou agro-pastoris – das aldeias de Vilarinho da Furna, na serra da Amarela, desaparecida em 1971 sob as águas da barragem do rio Homem, e principalmente de Rio de Onor, – aldeia dupla, metade portuguesa e metade espanhola, nos confins da fronteira com a Espanha, a norte de Bragança –; aqui, não se trata de uma relíquia inerte ou simples vestígios esparsos, mas da sobrevivência de um sistema total, uma antiquíssima célula político-social muito forte, com realidade funcional que se adapta a circunstâncias novas e emergências imprevistas, e que até há poucos anos dispunha mesmo de poderes judiciais e policiais elementares adequados, que permitiam e impunham a sua acção, e que assentava numa importante propriedade comum e numa organização social e familiar especiais, indispensáveis ao equilíbrio do grupo (e que hoje se encontra em desagregação)17.

*
* *

  • 18 V. Taborda, op. cit., pp. 161-163, insiste na predominância, no Alto Trás-os-Montes, da pequena cul (...)

14A par dos baldios e maninhos comuns, existem também, desde os tempos mais recuados, localizada nos vales e terrenos fundos, a propriedade privada individual – que na sua maior parte é extremamente parcelada18–; e é aí que têm lugar primordialmente as actividades agrícolas, culturas cerealíferas, batata, horticultura, olivais e vinhas, e lameiros; e, como dissemos, as hortas – estas geralmente dispostas todas juntas na periferia das aldeias – e as vinhas, e em regra também os lameiros, são mesmo murados, e livres de servidões colectivas.

  • 19 V. Taborda, op. cit., p. 163, a este movimento acrescenta ainda a venda dos bens das congregações e (...)

15A partir dos fins do século passado, muito da atmosfera comunitária que referimos foi-se perdendo. O individualismo agrário que caracteriza a época moderna prevaleceu, e assistiu-se ao declínio do sistema colectivista e à progressiva partilha dos baldios, que a adubação química torna aproveitáveis para o cultivo de cereais, e que assim se foram transformando em propriedade individualizada (e, alguns, em perímetros florestais)19 Apesar disso, nessas próprias formas individuais transparecem ainda, em muitos casos, ressaibos da disciplina de exploração colectiva originária.

16Em Trás-os-Montes, as fainas rurais tradicionais e mais importantes referem-se ao trigo e sobretudo ao centeio – o pão transmontano é (e sobretudo era) fundamentalmente deste último cereal, e a broa de milho desconhece-se ou despreza-se como «comida de pássaros» (sugerindo expressivamente os primitivos cultivos minhotos do milho alvo ou painço) –. O cultivo desses cereais faz-se em regime extensivo, em campos abertos, de terrenos contínuos, pelo sistema de afolhamentos, em regra bienais, que deixam os solos aráveis em descanso durante um ano: a terra consagrada à lavoura divide-se todos os anos em duas folhas abertas, uma em cultura – a folha do pão – e outra em pousio – a contrafolha –, alternadamente. Nas terras de economia mais individualista, cada lavrador organiza o afolhamento como entende; mas nos sítios onde existe ainda uma forte coesão social, o afolhamento faz-se num, ou, mais correntemente, vários, grupos de duas folhas para toda a povoação ; os proprietários possuem terras em ambas essas folhas, e, cada ano, semeiam todos numa mesma folha, deixando a do pousio obrigatoriamente devoluta, sem divisórias nem sebes, para que os rebanhos de todos os vizinhos nela possam pastar. Ao mesmo tempo, deste modo é possível reparar devidamente os caminhos e fazer outras obras de interesse colectivo na folha que se vai agricultar. Quando se possuem muitas terras, ou, de um modo geral, nos terrenos magros dos altos, fazem-se pousios de dois e mais – por vezes cinco – anos.

  • 20 Segundo V. Taborda, op. cit., p. 120, nota 1, a batata, já mencionada por Link e Hoffmansegg no seu (...)

17A generalização do cultivo da batata, introduzida na região nos finais do século XVIII20, que é dos raros produtos destinados à venda para Fora, ao qual o lavrador consagra as melhores terras e estrumações mais ricas, e que passou, em muitos casos, a ser semeada nas folhas de pousio, as mais das vezes em alternância com o trigo – que, por seu turno, beneficiou dessa mais rica estrumação dos batatais –, modificou essencialmente aquele sistema. A plantação deste tubérculo continua porém a fazer-se com o velho arado de pau (figs. 98, 101, 103) ou com charrua.

  • 21 V. Taborda, op. cit., pp. 117-118.
  • 22 Ver nota 66.

18Em terras barrosãs, onde o trigo escasseia, a rotação faz-se meramente entre a batata e o centeio; na Veiga de Chaves, de aluviões férteis e muito produtivos, pelo contrário, a rotação é : no primeiro ano, cereais de inverno (trigo ou centeio), a que se segue o milho serôdio –o milho da restolha – ; no segundo ano, nabal ou trevo, batata, e milho temporão21 ; no Vimioso, a batata alterna com a ferrã e renovos (chícharo, nabiças, etc.); etc. Como o centeio – e o trigo– são cereais de sequeiro, em Trás-os-Montes a rega do cereal é desnecessária e ignorada, e aliás os seus cursos de água, rios ou ribeiras, escassos e as mais das vezes muito encaixados, não se prestariam à rega dos campos. Pelo contrário, como dissemos, os lameiros são em regra regados22, e bem assim as hortas e, outrora, os linhares.

*
* *

19A lavoura transmontana do cereal inicia-se com uma primeira lavra – a ralba ou relba (Vimioso, decrua )– que tem lugar ao entrar da Primavera, e às vezes já em fins de Fevereiro ou princípios de Março –, mais cedo nos terrenos secos, mais tarde nos húmidos. Passado algum tempo, tem lugar uma segunda lavra – a bima (por bina) –, precedida da gradagem do terreno anteriormente ralbado. A ralba deixa os regos muito juntos; a bima é feita no sentido perpendicular ao da ralba, e os regos ficam mais espaçados. Por vezes tem lugar ainda uma terceira lavra, a que em certos casos dão o nome de terça, a qual é igualmente precedida de uma gradagem. Em Julho já não é possível bimar, porque as terras estão muito secas; mas por vezes – por exemplo em Rio de Onor – nas manhãs de Agosto volta a sê-lo, porque as noites são maiores, e as terras ganham frescura.

  • 23 Virgilio Taborda, op. cit., p. 11, nota porém que o regime de manadio ou semi-manadio faz com que s (...)
  • 24 Em Rio-de-Onor, «desde que usam adubos químicos, procuram alternar o adubo com o estrume. As terras (...)

20Os estrumes da curralada – o esterco – são obtidos pela curtidura dos vários materiais usados para a cama do gado – palha centeia, folhas de árvores, mato, carqueja ou fetos, etc. –; outrora, as ruas, em frente das casas, eram utilizadas como verdadeiras esterqueiras, onde aqueles materiais se curtiam; hoje, o esterco é levado das cortes e empilhado nas curraladas. Em fins de Agosto, os pesados e possantes carros de bois transportam para a faceira esses estrumes, que se distribuem em montículos pelo terreno. Este fertilizante é porém insuficiente para os terrenos de cereal; aí, a estrumação consta sobretudo do frago dos rebanhos, que durante os períodos de pousio pasceram por essas terras23. Hoje, utilizam-se em grande medida os adubos químicos24.

21No dia da sementeira espalha-se nas terras uma camada rala de estrume (quando este existe), sobre ela deita-se a semente, e, finalmente, o arado rasga a terra mais uma vez, recobrindo a semente e fazendo sulcos, que dão a impressão de regos. A terra não é gradada, ficando aos sulcos regulares.

  • 25 Jorge Dias, ”Rio de Onor”, pp. 298-291.

22Eis como em Rio de Onor se passavam estas operações: «Quando chega a época de estrumar as terras, os vizinhos juntam-se dous a dous, chamados os companheiros, para poderem quartiar os carros. Este costume nasceu da necessidade de aporem duas juntas a cada carro de bois. As faceiras estão em encostas muito íngremes, e uma junta só não podia puxar o carro carregado de estrume. Só nas casas maiores, que têm animais e gente suficiente, podem dispensar o companheiro. Os companheiros partem juntos, de madrugada, com os seus carros carregados, tanto quanto os animais puderem. Quando as ladeiras forem muito inclinadas e o esforço se tornar excessivo para os animais, os companheiros desatrelam uma junta e prendem-na, por meio de um cambo (cambão), à frente da outra. Desta maneira, as duas juntas e os dois companheiros vencem as costeiras mais íngremes. Quando chegam à terra (campo) do dono do carro, desatrelam e voltam com as duas juntas buscar o estrume do outro vizinho. Quando o estrume está espalhado, descem à povoação e deitam a cria (gado vacum) para a boiada, enquanto eles vão carregar os carros de novo. Nesta época a boiada regressa à povoação no meio do dia, depois do jantar, e partem todos novamente para a faceira, a quartiar mais estrume. Esta operação é feita por todos os vizinhos ao mesmo tempo, e as encostas enchem-se do gemido estranho que fazem os eixos dos carros a chiar nas treitoiras, e dos berros de incitamento dados aos animais que, apesar de possantes, só com dificuldades arrastam a pesada carga pelas encostas acima. As sementeiras começam a 20 de Setembro mas a melhor semana é, segundo os entendidos, aquela em que calha o dia 29, dia de S. Miguel. Nesta época fazem a terceira e última lavra. Os lavradores almoçam em casa e partem para a faceira com o carro de estrume e a semente (...) Para semear não necessitam de muito estrume, de maneira que os carros vão leves e não é preciso quartiar nem voltar à povoação. Ficam todo o dia lá pelos altos, entregues à sua faina. À hora da refeição, todos os vizinhos costumam merendar (...) Por cada junta de bois costumam ir duas pessoas, para poderem estercar, onde for preciso semear e arar. Um dos homens, o arador, vai à rabiça do arado, enquanto o outro rama al istierco e siembra al gran. Em anos ruins a sementeira pode ir até Dezembro, mas normalmente termina bastante mais cedo»25.

23A ralba, de há cerca de trinta anos para cá, faz-se geral mente com o charrueco de ferro (figs. 109, 110, 111, 113, 115), e hoje, em muitos casos, já mesmo com um tractor. Antes daquela data, ela fazia-se com o velho arado de pau, de tipo radial – o mais simples dos arados conhecidos –, próprio para terrenos ásperos e secos, pouco fundos e pedregosos (figs.99 a 102, 104,106, 108, 112); além disso, este arado. leve e geralmente pequeno, tem a vantagem de ser fácil de transportar, seja às costas (fig. 94), a arrastar, se se vai para perto, seja simplesmente pousado sobre o jugo dos bois e a arrastar a ponta do temão pelo chão (figs. 95, 96), ou sobre a albarda dos burros (fig. 97), se se vai para a faceira, que geralmente fica longe das povoações.

24A bima e a lavra final que recobre a semente são, ainda hoje, feitas, as mais das vezes, com este arado.

25Como dissemos, antes da bima e da lavra final, a terra é gradada, para desterroar ou simplesmente para alisar (figs. 116,117, 119), com grades (dos tipos 3 e 4, conforme as regiões) ou, em Terras de Miranda e outras pequenas áreas da Província, com o rastão ou rastro (fig. 118), ou a grade de gantcha (Rio de Onor),

  • 26 P.e Firmino Martins, «Folklore do Concelho de Vinhais», II, Coimbra, 1939, p. 446.

26Em terras de Vinhais, acabadas as sementeiras, os caminhos que servem a folha do pão são fechados, e os transgressores sofrem sanções : nos baldios junto à faceira, é proibido pastorear os gados; depois do S. Clemente (23 de Novembro), não é permitido passar com o carro nas terras semeadas; e quando é preciso lavrar qualquer courela encravada no meio da folha, só se pode virar com uma vaca sobre a terra vizinha. Quando, na contrafolha, é semeada uma parcela, esta só é guardada dos gados marcando-a com um «chino» de palha ou com um sulco do arado em volta26.

  • 27 V. Taborda, op. cit., p. 116; e também A. Sérgio, op. cit., pp. 81-82.

27Para aumentar a superfície cultivada, mormente nas serras, recorre-se com frequência, episodicamente mas com regularidade (quando as giestas se apresentam muito crescidas), ao monte, do qual se prepara um tracto de terreno bravio, pelo processo das queimadas : no princípio do ano, arranca-se, à enxada, a vegetação maninha que reveste esse terreno; aproveita-se a lenha de giesta, que se leva para casa, e deixa-se a madeira miúda, rama e raízes, apodrecer sobre a terra bem revolvida. Pela altura das sementeiras, num dia quente e seco, reune-se essa lenha miúda em pequenos montículos, lança-se-lhe fogo, e espalham-se depois as cinzas27.

28Como o centeio – e igualmente o trigo – é um cereal que germina no Inverno e se colhe no verão, o Inverno, nas regiões mais altas, onde só há cereal e gado, é pois ali uma época de pausa; onde porém se cultiva a vinha e a oliveira, trabalha-se intensamente na apanha da azeitona, chegando a ser necessário, para tal, importar mão-de-obra de zonas limítrofes. Pelo contrário, o Verão é a quadra das grandes lidas – cortes de fenos, ceifas ou segadas, malhas, etc. –, que se seguem ininterruptamente, e que obrigam sempre a migrações temporárias de trabalhadores vindos de outras regiões. Os comboios e os caminhos enchem-se então de grupos ruidosos de homens que vão de terra em terra, numa marcha progressiva do Sul para o Norte, até por vezes se meterem por Espanha; todos os da mesma aldeia vão juntos, a sua pobre bagagem numa saca, contentes e excitados, tocando e cantando as modas da sua terra.

29O corte dos fenos, que se faz com a gadanha de cabo alto, tem lugar em Maio e Junho, e geralmente antecede as ceifas, que têm lugar a partir de Junho, começando, em certos sítios, no S. João (figs. 122, 123, 124).

30O pão – as searas de centeio ou trigo – é segado com foicinhas de cabo curto (figs. 125/132).

31O cereal segado fica nas terras, em molhos, até ser transportado para a eira, onde é emedado, enquanto aguarda as malhas. No campo, aqueles molhos, no norte da Província, podem dispor-se de várias maneiras: em Vila Real e Vila Pouca de Aguiar, eles são empilhados em cruz, três molhos para cada braço (fig. 134) ; em Valpaços, Chaves, e Vinhais, eles são deitados, uns adiante dos outros, formando cordões que desenham, sobre o terreno, linhas rectas, curvas, ou espiraladas (figs. 135/136) ; etc. (fig. 133). Nas eiras, as medas são grandes e maciças, e sempre de forma cónica, igual por toda a região (figs. 137, 138, 151).

32Em Trás-os-Montes, como vimos, as eiras são sempre comuns, de todos ou vários vizinhos – é frequente haver uma única, enorme, para todos ; outras vezes, há duas ou mais, correspondendo cada qual a uma parte da povoação. ; etc –. (figs. 147, 148, 149, 150); o cereal de cada um é aí debulhado: o centeio, a mangual (figs. 139/145) ; o trigo, ora também a mangual, ora, em certas zonas fronteiriças onde este não é usado, a trilho, do tipo do tribulum mediterrâneo (que. além de debulhar o grão, corta a paha, para penso do gado).

  • 28 Fernando Galhano, ’Medas de trigo e centeio no norte de Portugal’, in ”Gazeta das Aldeias”, loc. ci (...)

33A palha, depois da malha, conserva-se na própria eira, emedada em grandes medas largas e maciças, de formato cónico, que se erguem em torno de uma vara espetada no solo. Para a sua feitura, de entrada a palha é transportada à forquilha ou a braçado com a ajuda do ancinho; quando fica fora do alcance das pessoas, encostam-lhe uma escada, e a palha é levada às costas, em molhos (figs. 159, 160). As paredes, a final, são ripadas com o ancinho, e seguidamente, para as alisar melhor, batidas com uma espécie de pá de madeira (fig. 161). O cucuruto remata por um molho de colmo atado nos couces e com as pontas alargadas ao jeito de um cone invertido, fixas por um ou dois cordões de palha, em elo, assentes sobre elas. Essas medas ficam durante o ano nas eiras em grupos por vezes extremamente numerosos (figs. 162, 163)28

34Como dissemos, o centeio normalmente era debulhado a malho. Em Rio de Onor, para as malhadas, a aldeia portuguesa estava «desde tempos muito remotos dividida em duas quadrias (quadrilhas): quadria de baixo e quadria de riba. As famílias vão sucessivamente herdando o direito de pertencer à quadrilha dos seus antepassados. Quando uma mulher casa, fica a pertencer à quadrilha da casa para onde foi viver. Esta divisão em quadrilhas só vigora nas malhas, e não se relaciona, aparentemente, com o lugar que essas famílias ocupam no lugar. Cada quadrilha é obrigada a malhar o pão de todos os seus membros. Na véspera de começarem as malhas, o primeiro vizinho a quem cabe a vez de malhar, passa pelas portas de todos os da sua quadrilha e diz : amanha maiu iou (amanhã malho eu). Não é preciso mais nenhuma formalidade, pois ficam todos obrigados a comparecer. Nesse mesmo dia começam também os preparativos na casa do vizinho que faz a malha, para receber condignamente os comensais. O homem mata e esfola um carneiro, ou um chibo, e a mulher arruma e limpa a casa.

35No dia da malha, logo de manhã cedo (...) tocam um repiquete nas campás, para se reunirem todos os membros da quadrilha. A primeira operação é (...) astrar-se na eira o pão que se vai malhar. Terminada esta operação, o dono da eira oferece o almoço : bacalhau com batatas, presunto cozido, longanhiza (...) e vinho. A malhada vai começar. Os malhadores dividem-se em dois grupos, bandas, cuja composição é também tradicional, como as quadrilhas. Cada quadrilha tem duas bandas, a banda de baixo e a de riba, a que cada um pertence por tradição de família. As duas bandas costumam malhar uma contra a outra, uma do lado norte e a outra do sul.

36Como estas bandas lutam, desde gerações, uma contra a outra, põem um empenho especial em não desmerecer dos seus antepassados e fazer ver aos adversários como malham com valentia. Esta rivalidade é um estímulo, e obriga os malhadores a redobrarem os esforços. Os homens mais valentes de cada banda colocam-se no centro, e os mais velhos e os rapazitos novos vão para as pontas, numa disposição toda estratégica.

37A primeira malhadela faz-se seguida, de uma ponta da eira à outra: chama-se a isto ralbar. Quando terminam, os malhadores saem da eira, e as mulheres ajudadas, às vezes, por velhos que já não malham, biran al pan. Muitas vezes os malhadores também ajudam a virar a palha. À volta da eira junta-se toda a gente da casa, desde os velhos às crianças, com excepção dos que têm de cuidar da cozinha.

38Vai-se agora proceder à bima (por bina), isto é, a segunda malhadela. As bandas tomam os seus postos junto à tabra (tábua colocada na extremidade da eira) de baixo, pois a bima não se faz de trás para diante, como a ralba, mas de baixo para cima... Devem começar pelo lado onde ficou o medeiro, para as mulheres irem tirando palha para a nova eirada, enquanto os malhadores vão batendo o pão até à tabra oposta.

39Durante a ralba, o pão é malhado num movimento de vaivém, feito em cadência, e sem ser necessário empregar grande força. Chama-se isto malhar à beta. Este movimento rítmico dos corpos desperta o desejo de cantar. Sobretudo para o fim da tarde, toda a eira participa neste canto (...), em que as vozes dos homens e das mulheres se misturam. A música das malhadas não é particularmente rítmica, mas muito lenta, e permite que os malhadores cantem e batam o pão.

40Sempre que se vira a palha depois da ralba, os cânticos cessam. A bima exige outros esforços e concentração. Os homens retesam os músculos para o estoiro ser maior. Os malhos zunem, impelidos com todo o vigor, e cada banda procura suplantar a adversária. Ao movimento de vaivém da bima, em que os malhadores batem com toda a força, chama-se malhar ao lombo. É o momento supremo da malha, quando cada banda procura conquistar a vitória.

41Nos rostos dos malhadores vinca-se enorme concentração. As pancadas são acompanhadas por uma espécie de roncos, produzidos pela súbita passagem do ar na garganta, e que servem, em parte, para lhes estimular as forças. Mas o grande estimulante é o vinho. Conforme se aproxima o fim da bima, quando se vai decidir a vitória de uma das bandas, o grito de benga binhu repete-se com frequência. Então os malhos param, e as duas bandas exclamam : bamus a beber. O primeiro copo é para o malhador cujas pancadas sobressairam entre as de todos. É o herói do momento. Depois voltam a malhar ao lombo. O espírito de competição anima não só os malhadores, como todos os espectadores. As pancadas sucedem-se, cada vez mais rápidas e mais puxadas. Os assistentes exaltados gritam como possessos... O espírito de competição durante as malhas é frequente em toda a parte, mas em Rio de Onor é conferido pelo agrupamento tradicional das bandas. Nas outras aldeias, a competição gira, sobretudo, à volta de alguns indivíduos, que se distinguem pela rijeza dos pulsos, enquanto que em Rio de Onor a competição é entre grupos. Cada banda tem as suas tradições de força e façanhas, que se transmitem de pais a filhos, o que dá à luta mais fereza (...)

42Apesar do entusiasmo, ninguém deixa atrasar o serviço. As mulheres seguem atrás dos malhadores a tirar a palha batida e a espalhar nova palha. Os homens mais velhos, já sem forças para malhar, ajudam as mulheres. Estas e as moças mais valentes carregam a palha para o medeiro, espetada (...) em forquilhas (...) de pau (...) ou de ferro. O medeiro forma-se à volta de um tôro (pau) grande, enterrado no chão, como um mastro. A palha, conforme vem da eira, vai-se acamando em volta do tôro. Depois de pronto, parece um tronco de cone achatado. Para fazer o medeiro são escolhidos dois medeireiros (moços e moças), que além das regalias próprias dos malhadores recebem, por tradição, pé de porco e vinho adoçado com mel (...) Sempre que termina a bima, alguns malhadores costumam, embora não seja obrigação, ajudar as mulheres a carregar a palha e a chegá-la aos medeireiros (fig. 158). Quando o medeiro já vai alto, é preciso subir a palha por escadas de mão, o que não é empresa fácil, pois os medeiros atingem, por vezes, dimensões enormes (...) Quando a palha está toda apanhada, os homens vão levantar com espaiadeiras e rastros, a palha triturada (...) Ao mesmo tempo, as mulheres baleiam com bardeiros ou baleios, espécie de vassouras feitas de (...) codessos (...).

43Depois de bem baleada toda a palha miúda, que a espalhadeira não apanha, volta-se a strar, deitando-se as espigas baleadas sobre a palha que vai ser malhada de novo. A eira está pronta para nova malhada, mas a hora do jantar aproxima-se. Um repique nos sinos da igreja anuncia a refeição (...) Janta-se em casa do dono da malha (...) A mesa já está preparada na rua, em frente da casa. Como não há mesas nem bancos para tanta gente, é costume estenderem três fileiras de palha, paralelas, ao longo da rua. As fileiras laterais servem de assento aos convivas, e a do centro está coberta de toalhas de linho, sobre as quais se colocam os talheres e as iguarias. Os comensais vão-se sentando segundo o protocolo : os homens primeiro, frente a frente, depois as mulheres, também frente a frente, e por fim a mocidade. A comida é servida em pratos grandes, de onde comem quatro pessoas, nunca mais (...)

  • 29 Jorge Dias, ”Rio de Onor”, pp. 199-209.

44Logo que termina a refeição, voltam para a eira (...) No fim da segunda eirada, serve-se o biberete na eira. É uma refeição ligeira, de pão, presunto cozido e vinho. Depois voltam a strar e malham nova eirada, que termina com uma merenda. Trabalha-se até cair o dia, e, só já de noite, é que se vai cear (...) A dona da casa não pode dar conta do recado sozinha, e é ajudada por outras vizinhas que pertencem à mesma quadrilha (...) A familia da casa, estranha à malha, não ceia com os malhadores. Costuma comer depois, juntamente com os pastores, com as vizinhas que ajudaram a cozinhar, e com os que são estranhos à quadrilha, uma ceia melhorada de pé de porco e orelheira. Esta ceia é também servida na rua, depois dos da malha terem terminado. Entretanto, os moços e moças de ambas as quadrilhas bailam ao som da gaita de foles e do tambor até noite dentro (...) Quando se acaba a meda, de um vizinho, xunta-se al pan. Uns barrem com os bardeiros, as mulheres baleiam enquanto que outros amontoam o grão com (...) pás e rôdros. Algumas mulheres apanham os (...) canhos, de que fazem quainheiras ...) Estas quanheiras guardam-se nos palheiros e servem para alimento dos gados29.

45Em Lavradas, Boticas, na primeira fiada – a burra –, as espigas ficam voltadas para dentro da eirada ; nas seguintes carreiras ficam voltadas para fora, a partir da burra, recuando progressivamente cerca de um palmo cada, de modo a deixar à vista apenas as espigas.

46A primeira malha é o vai-vém. Os malhadores dispõem-se numa fila, a partir duma das cabeceiras da eirada. « No vai dão 7 a 14 malhadelas a pé firme e logo um passinho curto em frente. Assim vão prosseguindo passo a passo até à outra banda da eirada ou eirado.

47Uma vez ali chegados inicia-se o vem, que é feito às arrecuas com uma malhadela e um passo atrás (...)

48Começa-se sempre o 1.° vai-vém pela coroa da eirada, ou seja, do lado da fiada da burra ou cabeceira.

49O último vai-vém do fundo da eirada, a que chamam correr o fundo, ou seja aquele que vai atingir a última carreira, é sempre acompanhado por uma mulher que, posta ao lado do malhador da ponta, ampara o pão com uma ampla e ramuda vassoura de bido (...) ou por duas mulheres segurando uma manta. Deste modo evitam que o grão, ao esbagoar das espigas fortemente batidas pelo pirto, salte para longe». Terminado o vai-vém, a palha é virada no sentido contrário, e de novo malhada – o espaldeirar ou corrida da messe –.

50« É um malhar suave. Os malhadores quase se limitam a deixar cair os pirtos dos malhos com o seu próprio peso (...)»

51O serviço da malha pode fazer-se a seco ou a de comer.

  • 30 J. R. dos Santos Júnior, ’Malha do Centeio em Lavradas (Barroso)’, in "Trabalhos de Antropologia e (...)

52Quando a seco, a parelha, isto é, homem e mulher do pessoal jornaleiro, ganhava em 1957... 45$00 diários. Quanto a de comer, o serviço é feito de graça, por ajuda, e ao dono do cereal compete servir as refeições...»30

53Em Quintanilha (Bragança), as malhas, que se faziam de 25 de Julho em diante, até 15 de Agosto, eram uma grande festa. Iam 30 ou 40 vizinhos ajudar, por reciprocidade. Faziam-se duas eiradas ; as mulheres preparavam – viravam – a espiga duma, enquanto os homens malhavam a outra.

54As mulheres faziam uma primeira fila de cereal, com as espigas viradas para um lado –a bernarda–; as outras, eram viradas para o outro lado –as betas–, para se malhar sempre sobre palha. Espalhavam muito bem a palha, e a isso chamava-se astrar. Os homens malhavam com malhos, em duas bandas, virados uns para os outros.

55Pelas 10 horas, a gente da casa a quem pertencia a malhada levava de comer às eiras ; dizia-se: « – Vamos a tomar as dez», «a taquiar», ou «a tomar o taco».

56Quando acabavam de comer, nas eiras, homens e mulheres, ao levantar as toalhas, cantavam em coro : « Alevantai estas toalhas / Que elas sejam melhoradas».

  • 31 Jorge Dias, ”Rio de Onor”, p. 209. Costumes semelhantes ocorrem noutros países europeus.

57Tal como vimos no Noroeste, a malha do centeio inclui tradicionalmente, em muitos casos, práticas específicas, cuja natureza mítica primitiva é evidente, embora hoje se apresentem já apenas com feição lúdica. Assim, em Rio de Onor, «ao tirar o último molho de palha, costumam apanhar a dona da casa, trazem-na presa pelos pés e pela cabeça até à eira, e dão-lhe três vezes com o assento no chão. Ela é então obrigada a dar vinho adoçado com mel ou açúcar aos malhadores. A qualquer estranho que passe pela malha pode suceder o mesmo, embora não seja obrigado a pagar vinho. Chama-se a isto dar o Pedro Vicente31.

  • 32 Em Quintanilha há duas eiras, ambas colectivas, e de resto contíguas, apenas separadas pelo caminho (...)
  • 33 O costume já quase não se pratica. Agora, quando passa alguém durante a debulha mecânica (que subst (...)

58Em Quintanilha, no fim da malha, agarravam o dono do cereal e davam-lhe no traseiro com o último molho da meda (que para esse efeito não fora desfeito); o dono distribuía vinho doce, cigarros e rebuçados que havia levado para a eira já com essa intenção ; se não desse nada, batiam-lhe mais, até finalmente dar; por isso, para se indicar que um lavrador já fizera a sua malha, dizia-se : « F. já levou com o molho no c.». Nesta mesma localidade, fazia-se ainda, em qualquer altura da malha, e a qualquer pessoa que passasse no caminho, e que não pertencesse à própria eira32, uma outra brincadeira específica – o «bate-c. das malhas»: agarravam essa pessoa, as moças se fosse um rapaz, os rapazes se fosse uma moça; um dos da malhada punha-se em posição, com o trazeiro saliente e firme; os outros ou as outras, segurando a pessoa pelas axilas e pelos joelhos, faziam dela baloiço, e davam-lhe com o trazeiro no trazeiro do companheiro que estava em posição33.

59Em Lavradas, «no fim da última eirada, depois de malhar a espiga e a burra, os homens vão-se ao patrão e prendem-no com bencelhos bem amarrados; um nas pernas e outro arrochando os braços ao tronco; quatro homens dão-se as mãos e o amarrado vai estirado em cima dos braços dos homens, com os pés para diante, como se fosse um morto, levado em padiola.

60Atrás um homem empunha bem erguida uma cruz feita de palha. Todo o restante pessoal segue em acompanhamento, cantando um «cantar de padres».

61Levam o dono do cereal, o patrão, até à porta da adega, que abrem com os pés do morto.

62E vem vinhaça a fartar, e tanto bebe o morto (que tira o vinho) como os vivos daquele ruidoso acompanhamento.

  • 34 J. R. dos Santos Júnior, op. loc. cit.

63As mulheres vão a casa prender a patroa. Esta consegue a liberdade distribuindo rebuçados e servindo uma boa pinga. E tudo termina em alegria esfuziante. É uma festa»34.

64Como também dissemos, o trigo, em geral, era igualmente debulhado a mangual ; mas na região de Miranda do Douro e Mogadouro, ele era-o a trilho (figs. 147/151). Para esta operação, «a palha é estendida a esmo sobre o enorme terreno da eira. Os pesados trilhos são trazidos às costas, atrelados aos animais que cada um tenha –boi, cavalo ou burro–, e o longo passeio sobre a palha começa, desordenado e monótono. Em cima de cada um, uma pessoa, de pé ou sentada no banquito quase sempre feito da rodela que saiu da roda do carro, impede pacientemente que o animal adormeça e pare (figs. 147/151): e aproximam rapidamente o cestito que vai ali à mão, pousado no trilho, quando o bicho abranda de maneira suspeita e um movimento de cauda anuncia um fraguear. Horas a fio, durante mais de um comprido dia, os trilhos vão desgranando e cortando a palha. Horas longas e iguais, em que apenas o aventar do grão de outra eirada já pronta, ou o emedar da sua palha, distrai da sonolenta atenção.

65De longe em longe nova camada de palha desce da meda sobre a eirada trilhada; e as voltas dos trilhos recomeçam, enquanto um homem que empunha uma forquilha vai andando ao redor, deitando para dentro a palha que escorrega. E assim até a meda findar e todo o centeio dum dono ficar transformado numa espessa camada de palha cortada e esmagada de mistura com o grão.

66Após a trilha, o cereal, misturado com a palha, é amontoado numa serra a que chamam parva, para melhor se proteger contra possíveis chuviscos, e para facilitar a separação do grão e das palhas, atirando-o ao vento; e também porque por vezes há necessidade de se deixar o terreiro livre para nova eirada, ou porque se tem de esperar até que o vento sopre de feição. Para a rápida feitura dessa parva, acorrem a ajudar – sobretudo se, o tempo se embrulha e a chuva ameaça –, num movimento espontâneo de solidariedade, particularmente evidente na época das debulhas, os vizinhos que procedem, na eira, à trilha do seu próprio cereal: os homens com bendos de pau para juntar o grão e as palhas, as mulheres com vassouras para varrerem o que ficou no eirado (figs. 152/154) ; depois de amontoada, a parva é calcada, para aquela protecção ser mais eficaz : dois homens a par, de joelhos, seguram um pranchão atravessado sobre o monte e com ele dão duas ou três pancadas sobre a palha, entre cada pequeno avanço que fazem apoiados nos braços.

67Quando há ocasião, e o vento é propício, separa-se então o grão da palha. Homens em fila ao longo do monte atiram, com forquilhas, a palha contra o vento, enquanto as mulheres varrem do grão, que desce a prumo, os ciscos e palheiras que vão caindo sobre ele (figs. 155/156). Por fim o grão é aventado uma segunda vez e ensacado.

  • 35 Fernando Galhano, ’Uma malha em Celorico de Basto’, in ”Trabalhos de Antropologia e Etnologia”, XVI (...)

68Uma destas grandes eiras comuns do leste transmontano, onde ainda não tenha entrado a debulhadora mecânica, é, no tempo das trilhas, uma coisa estranha e bela. Nos espaços entre as medas podem ver-se, no mesmo momento, as várias operações da debulha. É a lentidão da trilha, cortada de quando em quando por um assomo de corrida dum moço mais impaciente. É o fazer das grandes medas de palha já trilhada. É o bracejar inquieto no meio da nuvem amarela que o vento quente do planalto arrasta”35.

Notes

1 Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, in "Dicionário de História de Portugal”, I, p. 62 : «A introdução da batata (fim do século XIX), alterou o afolhamento, substituindo-se ao pousio».

2 V. Taborda, 125/6: – Os documentos medievais relativos a Trás-os-Montes não contêm, a respeito da oliveira, uma única palavra. Moncorvo parece desconhecê-la ainda em 1478 ; a acreditar no depoimento de Severim de Faria, ela dataria, ali, dos fins do século XVI. Ver também A. Sérgio, op. cit., p. 83.
A primeira referência à oliveira em Mirandela encontra-se no Dr. João de Barros, com a indicação de que as plantações são recentes (Geographia d’entre Douro e Minho e Trás-os-Montes). No Sul do País, contudo, ela já era conhecida antes da vinda dos Romanos (Orlando Ribeiro, ”Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 104).

3 «E é difícil conceber-se algo comparável à rudeza primitiva dessas povoações remotas, e segregadas do resto do mundo, com as suas casas de pedra solta, de raras aberturas, cobertas às vezes de louza ou de colmo, sem qualquer reboco que esconda o aparelho tosco do xisto ou do granito, tal como nos redutos castrejos». Orlando Ribeiro.

4 Com frequência, nas aldeias transmontanas há mais do que uma eira; mas mesmo então, são sempre eiras colectivas. Por vezes há a eira de cima, e a eira de baixo. Ver nota 92.

5 V. Taborda, op. cit., pp. 101/103: «Os terrenos, xistos cristalinos ou granitos, são impróprios para culturas cerealíferas de grande rendimento, mas bons para pastagens. Os lameiros podem ser de sequeiro (de secadal), que dão menos feno, mas mais fino e aromático, e de regadio, que dão maior rendimento; e ainda lameiros de erva, com água permanente, aproveitados da primavera em diante» (pp. 132-133).

6 Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, loc. cit. A razão clássica da concentração – o povoamento aglomerado à volta dos pontos de água, aqui escassos, e que explica, a contrario sensu, a disseminação atlântica (em Portugal, de facto, só na área atlântica, onde abunda a água por toda a parte, existe o povoamento disseminado qualificado – Cfr. Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, pp. 184-187; ver também nota 42), – é insuficiente neste caso, e por vezes inadequada (embora, sem dúvida, as povoações se situem sempre em tomo da fonte do lugar, que é muitas vezes « de mergulho » ou de « chafurdo ». A aglomeração parece por um lado relacionar-se com a exploração extensiva de cereais em terras secas e em campos abertos e afolhados, e por outro à pastorícia de gado miúdo em grande escala – duas formas económicas que não se regem convenientemente por iniciativa individual, e requerem uma unidade coerente e disciplinada–; e pode também fundar-se em razões ligadas ao isolamento das povoações no meio de uma paisagem severa e áspera, como meio de protecção contra os elementos, os animais bravios e os malfeitores. (Ver também, na mesma obra, p. 49 : «a explicação clássica da concentração à roda das raras nascentes, se muitas vezes não é válida, é sempre insuficiente. A exploração extensiva, o uso do afolhamento, não serão estranhos à aglomeração. Todavia, ela traduz sobretudo, um longo passado de insegurança: a coesão das habitações faz-se por motivos de defesa, contra os piratas do litoral, as hordas de salteadores, os pastores da montanha »).
Em Trás-os-Montes, estes motivos decerto sublinham vigorosamente a realidade histórica: a aglomeração parece sem dúvida exprimir a própria organização comunitária, que pressupõe o bloco dos vizinhos deliberando no seu conselho àcerca dos assuntos que respeitam ou interessam ao povo.

7 Henrique da Gama Barros, "História da Administração Pública em Portugal nos séculos XII a XV, IV”, Lisboa, (Sá da Costa), 1947, pp. 47-48, (cit. por V. Taborda, op. cit., p. 105).

8 Cit. por A. Sérgio, op. cit., p. 83.

9 V. Taborda, op. cit., p. 157; e também Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, loc. cit.

10 V. Taborda, op. cit., p. 119: «É o centeio que imprime carácter à cultura frumentária transmontana. Constitue o fundo da alimentação ». António Sérgio, op. cit., p. 81 : ...«criação de gado e cultura de cereais, muito principalmente a do centeio».
Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, loc. cit., p. 62: «o cereal principal era o centeio, hoje apenas predominante nas áreas montanhosas». Oliveira Marques, op. cit., pp. 66-68.

11 Os forais mencionam fóros em trigo e em pão meado (V. Taborda, op. cit., p. 118).

12 L A. Rebello da Silva, op. cit., pp. 110/112.

13 Idem. O Autor assim descreve este sistema: (O rei) «concedia os terrenos rematados ou lotados em fóros certos de pão, ou de moeda, a um povo, e os moradores repartiam entre si os encargos, como depois se repartiu a siza». «A regra necessária destes aforamentos colectivos era ficarem sendo comuns do povo todos os terrenos, e assim que aumentou o número dos habitantes, o interesse geral opôs-se a que qualquer deles se apropriasse da mínima parte ». E o Autor comenta: «Quem ditou esta profunda modificação no sistema usado por D. Diniz, sistema oposto aos seus lineamentos principais, sobretudo ao desaproveitamento dos terrenos cultiváveis ? Foi naturalmente a tendência irresistível do ânimo dos povos para a acção cooperativa nos trabalhos e indústrias, que a esse tempo e em outras partes já todos separavam e dividiam. De feito, em Trás-os-Montes o princípio de associação predominava tanto na repartição dos encargos, como na das operações próprias da vida rústica. Nas aldeias, o forno do pão, o moinho, a guarda dos rebanhos e dos frutos, o serviço dos caminhos e pontes, e até a própria cultura, tudo era feito em comum por meio da coadjuvação recíproca dos vizinhos, e não por serviços alugados a jornal. Conformando-se com os costumes, e inclinando-se diante do seu poder, o rei julgou mais prudente edificar com eles do que expor-se a ser vencido nos intentos civilizadores, contrariando-os. Aceitando a base da cooperação, como a única possível, estabeleceu o pagamento em comum do imposto ou do foro, e deixou ao logradouro dos vizinhos esses mesmos terrenos incultos, que no Minho queria que revertessem ao senhorio para serem beneficiados». E contrapõe este sistema ao dos «casaes encabeçados» (ou aforamentos individuais) seguido no Minho (ver atrás, nota 36). Ver também, na peugada deste Autor, Virgílio Taborda, op. cit., p. 156 (nota), e António Sérgio, op. cit., p. 85.

14 António Sérgio, op. cit., p. 81: «O ambiente inclina para o pastoreio, pelas condições agro-climáticas e isolamento».

15 Ver Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, "Construções Primitivas em Portugal”, Lisboa, 1969, pp. 39-47 (esteiras) e 55-56 (carros). Ver também Fernando Galhano, ’Abrigos móveis de Pastores’, in "Cultura e Arte, Página Cultural de O Comércio do Porto”, 27.1.1959.

16 No Barroso, o forno do povo, era, por costume, local autorizado de pernoita dos mendigos.

17 Cfr. Jorge Dias, "Vilarinho da Fuma, uma aldeia comunitária”, Porto, 1948 ; e "Rio de Onor, comunitarismo agro-pastoril”, Porto, 1953. Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, ’Rio de Onor 1973’, in "In memoriam António Jorge Dias”, III, Lisboa, 1974, pp. 285-312.

18 V. Taborda, op. cit., pp. 161-163, insiste na predominância, no Alto Trás-os-Montes, da pequena cultura, e mesmo da pequena propriedade; e J. Silva Martins, «Estruturas Agrárias em Portugal Continental», I, Lisboa, 1973, pp. 315-324, e II, Lisboa, 1975, p. 265, assinala que Bragança é o distrito de Portugal com maior percentagem de propriedade fragmentária (63,4%), embora, na Província transmontana, a grande propriedade seja também frequente, e da maior importância.

19 V. Taborda, op. cit., p. 163, a este movimento acrescenta ainda a venda dos bens das congregações e corporações religiosas, a extinção dos vínculos, a aplicação do Código Civil, que institui a partilha igual – tudo factores que, com a apropriação individual dos baldios, vieram aumentar o número dos possuidores do solo –.

20 Segundo V. Taborda, op. cit., p. 120, nota 1, a batata, já mencionada por Link e Hoffmansegg no seu livro «Voyage en Portugal fait depuis 1797 jusqu’en 1799», devia ser recente no vale de Chaves nessa data. Segundo Orlando Ribeiro, ’Agricultura’, loc. cit, esse tubérculo teria sido introduzido no Nordeste no fim do século XIX.

21 V. Taborda, op. cit., pp. 117-118.

22 Ver nota 66.

23 Virgilio Taborda, op. cit., p. 11, nota porém que o regime de manadio ou semi-manadio faz com que se perca grande parte desse frago.

24 Em Rio-de-Onor, «desde que usam adubos químicos, procuram alternar o adubo com o estrume. As terras que um ano recebem estrume, no seguinte só levam adubo, e vice-versa » (Jorge Dias, ”Rio-de-Onor”, p. 189).

25 Jorge Dias, ”Rio de Onor”, pp. 298-291.

26 P.e Firmino Martins, «Folklore do Concelho de Vinhais», II, Coimbra, 1939, p. 446.

27 V. Taborda, op. cit., p. 116; e também A. Sérgio, op. cit., pp. 81-82.

28 Fernando Galhano, ’Medas de trigo e centeio no norte de Portugal’, in ”Gazeta das Aldeias”, loc. cit.

29 Jorge Dias, ”Rio de Onor”, pp. 199-209.

30 J. R. dos Santos Júnior, ’Malha do Centeio em Lavradas (Barroso)’, in "Trabalhos de Antropologia e Etnologia", XIX, 1, Porto, 1963, pp. 47-68.

31 Jorge Dias, ”Rio de Onor”, p. 209. Costumes semelhantes ocorrem noutros países europeus.

32 Em Quintanilha há duas eiras, ambas colectivas, e de resto contíguas, apenas separadas pelo caminho que vai ter à estrada internacional. Se a malhada se fazia na eira de cima, alguém que parasse no caminho e pertencesse à eira de baixo – ou vice-versa – era agarrado pela gente da outra eira – moços ou moças, conforme os casos – que estivesse a malhar. Ver nota 65.

33 O costume já quase não se pratica. Agora, quando passa alguém durante a debulha mecânica (que substituiu a malhada) e que seja pessoa ”de respeito”, limpam-lhe os sapatos com um lenço lavado, preparado para esse fim, e ela deve dar uma gorjeta. Se não dá nada, e se é da povoação, metem-lhe palha nos bolsos.

34 J. R. dos Santos Júnior, op. loc. cit.

35 Fernando Galhano, ’Uma malha em Celorico de Basto’, in ”Trabalhos de Antropologia e Etnologia”, XVIII – 3-4, Porto, 1961-1962, pp. 53-57; e também, do mesmo Autor, "Algumas notas sobre a debulha dos cereais”, loc. cit.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search