Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

I – Portugal atlântico

Texte intégral

  • 1 Estas serras que, como dissemos, representam as ramificações finais do maciço-gaiaico duriense, con (...)
  • 2 1373 na serra da Peneda ; 1415 na do Soajo ; 1563 na do Gerez (A. Sérgio, op. cit., p. 77).
  • 3 Visto do alto da Pedrada, na Serra do Soajo, a mais de 1400 m de altitude, o rio Lima, que corre no (...)

1O Portugal Atlântico situa-se a Noroeste, e compreende as províncias litorâneas nortenhas, do rio Minho até ao rio Vouga : o Minho, o Douro Litoral e a Beira Litoral. O Noroeste de Portugal, e sobretudo a região do Entre-Douro-e-Minho (que consideraremos em especial, uma vez que é sem dúvida ai que, no nosso País, as feições atlânticas se apresentam com maior pureza e expressividade), forma, para lá do díptico das terras baixas e da Serra Minhota, de Castro Laboreiro ao Gerez1 e à Cabreira, com o seu prolongamento transmontano do Barroso, Alvão e Marão (que formam a barreira que separa essa região das terras planálticas), uma unidade geográfica bem definida. Ela apresenta-se como um quadrilátero compreendido entre o Oceano e a aludida barreira de montanhas, a Leste, com uma orla marítima de cerca de uma centena de quilómetros, disposta no sentido Norte-Sul, e com a largura de algumas dezenas, e acidentada em extremo: a partir das baixas costeiras, a Ocidente, a sua orografia é muito inquieta, mas raras vezes atinge os 400 m – a típica paisagem castreja, sensível mesmo na cidade do Porto –, e apenas aqui e além se espraiam quaisquer agras ou campos um pouco mais largos, estes mormente nas veigas do litoral ou junto dos rios. Esses relevos vão subindo gradualmente para Leste, onde, na Serra, ultrapassam os 1300 m2. Cortada por quatro grandes rios – o Minho, o Lima (vindos de Espanha), o Cávado e o Douro (também vindo de Espanha), cada um dos quais com uma bacia hidrográfica muito rica (além de um sem número de outros de menor porte), que correm de Leste ou Nordeste para Poente ou Sudoeste em amplos vales fluviais, a região é francamente aberta às influências oceânicas, que a penetram inteiramente através desses vales3 e lhe conferem o carácter que apontamos: os ventos do mar, carregados de humidade, que se condensa de encontro aos cimos altos das montanhas que a delimitam a Leste, fazem dela uma das áreas de maiores precipitações do País, temperada e fresca, com um índice elevado de humidade durante todo o ano, e amplitudes diferenciais menores do que nas demais áreas, chuvas extremamente abundantes no inverno, céus frequentemente nublados, temperaturas moderadas, uma estiagem conveniente, quente e seca, mas não em excesso, e de curta duração. Este clima, e a abundância de água, estão na base da paisagem característica da região, de terras verdejantes e densas de culturas variadas, entre montes arborizados, contra um fundo mais ou menos longínquo de altos relevos. «Terra castanha e verde», castanha pela humidade do solo, verde pela frescura do seu revestimento vegetal profuso, mesmo no verão.

  • 4 Paredes e muros, segundo diversos processos, calcetamentos, esteios para ramadas, coberturas de edi (...)

2Região tipicamente de pedra, granito e também xisto em numerosas manchas, estes materiais são largamente utilizados para a construção (sobretudo antes da divulgação dos novos produtos industriais), e para vários outros fins4.

  • 5 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, Coimbra, 1945, pp. 175-179; id. ’Agricul (...)

3Veremos que, sob o ponto de vista agrário, esta região sofreu ao longo da História inovações que modificaram inteiramente as suas anteriores fisionomia e estruturas económicas. Em nossos dias, nas terras aráveis tem básicamente lugar uma policultura intensiva, de regadio, no sistema rotativo do campo-prado5, ou seja: sem pousios – campo no Verão, fundamentalmente o cereal (o milho) e certas culturas intercalares; prado no Inverno, para forragens de gado grosso, que tem na região uma importância primordial; e também vinha, horticultura e fruteiras.

  • 6 Idem, pp. 156-157: «O género Ulex está representado por dezanove das vinte e duas espécies que comp (...)

4Nos altos e nos terrenos mais pobres, situam-se as bouças ou matas extensas e entrecortadas, compostas de espécies atlânticas e hoje sobretudo de pinheiro bravo, as quais, com o boi, são o complemento necessário desta paisagem rural, porque é nelas que cresce o mato, com que se faz o estrume específico destas lavouras, e mormente os tojos, do género Ulex, que parecem ser originários do litoral português6.

  • 7 Ver Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Gaihano e Benjamim Pereira, "Actividades Agro-Marítimas em (...)

5A orla litoral, francamente aberta sobre o oceano, é uma larga baixa onde se situam numerosas povoações de gentes rurais e piscatórias, franjada de praias arenosas, planas, recortadas de penedia, acessíveis e amenas. Ao longo de toda ela, a par e em ligação com a lavoura, tinham lugar, desde tempos muito recuados, duas actividades agro-marítimas extremamente originais: a apanha de algas e a pesca do caranguejo em cardumes – o pilado –, para adubação das terras, que eram primitivamente, e até tempos muito recentes, praticadas fundamentalmente pelos lavradores da região, em vista às lavouras próprias, tendo seguidamente passado para as mãos de outras classes, que vendiam o produto do seu trabalho a esses mesmos lavradores, que entretanto as haviam posto de parte7.

* *

6Nos remotos tempos castrejos, as terras fundas estavam cobertas por uma floresta inextricável, num solo muitas vezes inundado por águas que não eram drenadas. Nos montes situavam-se as povoações, eriçando os altos.

  • 8 Alberto Sampaio, ’As Vilas do Norte de Portugal’ in ”Estudos Históricos e Económicos”, Porto, 1923, (...)
  • 9 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Med. e o Atl.,” p. 171. Idem, ’Agricultura’, in "Dicionário de Histór (...)
  • 10 A vida agrícola era muito limitada: as melhores terras não eram aproveitadas, os processos eram mui (...)

7A economia era fundamentalmente de tipo pastoril8 ; as pessoas viviam sobretudo dos produtos do gado, mas também em grande medida, de landes9 com que faziam uma espécie de pão, e de castanhas; e apenas nas planuras em redor daqueles altos, junto às povoações, se cultivavam alguns cereais de sequeiro10.

  • 11 Alberto Sampaio, op. loc. cit.

8Com a instauração da pax romana, os castros, agrestes e pobres de recursos, foram abandonados, e as pessoas instalaram-se nas terras baixas, desbastando a floresta em torno desses sitios de povoamento, e dando início a uma agricultura qualificada, regular e mais evoluída. Não havia verdadeiramente aldeias; as habitações espalharam-se nas terras de vilas senhoriais (origem muitas vezes de futuros núcleos populacionais), quintas ou casais11.

  • 12 Alberto Sampaio, op. loc. cit., pp. 100 a 102 : «Por isso que nesta época as águas não estavam laqu (...)
  • 13 Alberto Sampaio, op. loc. cit., p. 35. Com efeito, «a creação dos gados era a exploração agrícola p (...)
  • 14 Alberto Sampaio, op. loc. cit., p. 35. Com efeito, «a creação dos gados era a exploração agrícola p (...)
  • 15 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 172.

9Essa agricultura consistia no cultivo de cereais de sequeiro – trigo, centeio e cevada no inverno, e milho alvo e painço no verão, em agras e terras enxutas12 –; e prados permanentes (e linhares) nas terras fundas e frescas – que eram as únicas regadas – para o gado grosso, elemento económico fundamental desta paisagem agricola13 14. Conhecia-se portanto, na região, uma técnica de rega para suprir a estiagem, segundo uma tradição antiga de exploração e utilização de águas «que nada deve aos mouros nem talvez aos romanos»15. A castanha substituia o pão em larga medida. O boi era criado em grande escala, nessas pastagens que a rega tornava possíveis, e os lacticíneos, e nomeadamente a manteiga, tinham importância primordial na alimentação.

  • 16 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 172; Benjamim Pereira, ’A Sidra no No (...)

10«Entre as árvores de fruto, plantadas em pomares ou na orla dos campos, predo minava a macieira; com a maçã se fazia a bebida mais vulgar até ao século X, usada ainda hoje na Galiza »16, e entre nós em alguns, raros, casos – a sidra –.

  • 17 Ibid. p. 173.
  • 18 Ibid.

11«Por essa altura se difundiu muito a vinha, já cultivada antes; então seria a vinha baixa mais importante do que a de enforcado, ao contrário de hoje. A oliveira era tão rara que havia dificuldade em obter azeite para alumiar, em Santiago de Compostela, o corpo do Apóstolo»17. Como nota Alberto Sampaio, quando a população mudou de hábitos e residência, inverteram-se os termos da economia rural: «O alto dos montes, onde os castrejos praticavam a agricultura, volveu-se maninho, e cobriu-se de arbustos. A floresta nunca se reconstituiu. Mas, nas encostas, o carvalho alvarinho e o castanheiro misturavam-se ao tojo das bouças, onde cada um se abastecia de lenha e mato para estrume e cama dos gados. Há menos de um século, ainda estas árvores dominavam a paisagem do Minho, quando o pinheiro bravo estava confinado à beira-mar –»18.

  • 19 Ibid., pp. 174-178.

12No século XVI – em 1515 – entra em Cádiz pela primeira vez na Europa, o milho maís, ou milho de maçaroca – o Zea Mays – ; e pouco depois inicia-se a sua difusão entre nós. Este novo cereal transformou completamente a fisionomia do Noroeste e a sua economia rural ; e é com razão que Orlando Ribeiro fala na «revolução do milho»19. Pode-se dizer que, hoje, o milho é o traço mais característico da região, que define a própria área atlântica portuguesa; e o ciclo agrário deste cereal domina inteiramente a sua vida rural, com implicações sócio-económicas extremamente importantes. O milho é um cereal pobre, mas de grande rendimento de produção. Uma pequena superfície de cultivo fornece o alimento de muita gente. Por outro lado, e diferentemente dos outros cereais em geral, ele exige trabalhos constantes, assíduos e minuciosos – estrumação abundante, sachas, regas também abundantes, etc.

13O milho foi semeado nas terras de pastagem, porque estas já conheciam a rega, que ele próprio requere; e as pastagens deixaram de ser permanentes: agora, no inverno, no prado cresce a erva para pasto ou para corte, mas no verão o gado é estabulado, para que o prado fique livre para o cereal. O sistema de cultura passou assim a ser o campo-prado – prado no inverno, como outrora, campo no verão, um e outro regados.

  • 20 Essa alta densidade populacional do Noroeste ocorria já nos tempos castrejos; e, em referência ao s (...)
  • 21 «A propriedade minhota não está somente muito dividida por numerosos possuidores; está ainda – e é (...)
  • 22 Actualmente, a vinha de enforcado está a ser preterida pela vinha em ramadas. Ela mostra-se ainda c (...)

14É aqui que se encontra a maior densidade populacional de todo o País20. E esta, combinada com as condições históricas e naturais da região, determinou o parcelamento extremo do solo e o seu aproveitamento completo e ininterrupto: no Noroeste – e já desde a época post-castreja – a terra apresenta-se sempre dividida em pequenas leiras ou campos fechados delimitados por muros, sebes, renques de árvores, ou mesmo socalcos e beiradas –o «minifúndio»21–, e são extremamente raros os campos grandes e abertos; não há uma parcela, de escassos metros que seja, que não se cultive ou esteja inactiva, e que não produza, seja ou não compensador o seu rendimento – à custa desses trabalhos aturados e permanentes, de uma técnica tradicional e empírica, nomeadamente estrumação e rega, mas adequada e eficaz. Bordando as leiras de modo a deixar o centro do campo livre para o cereal e os pastos, dispõem-se os ares – a vinha, em ramadas montadas em esteios de granito, ou, mais frequentemente, trepando por árvores altas e esguias, cerdeiras, choupos, ou outras, podadas à feição – a vinha de enforcado22 ; é esta vinha, cujo fruto amadurece assim longe do solo, e à sombra da folhagem, que produz o vinho verde, fraco de álcool e um pouco acidulado, com um teor elevado de acidez fixa.

  • 23 De facto, a cultura do linho a nível caseiro relacionava-se com um conceito qualitativo de vida eco (...)
  • 24 Em Vila da Ponte (Montalegre), Campos (Boticas), Capeludos de Aguiar (Vila Pouca de Aguiar), etc., (...)

15Nas terras regadas, cultiva-se no verão, com o milho, o feijão, a abóbora, a couve, e outras espécies hortícolas, que também requerem rega; o linho, que outrora teve a maior importância, está hoje posto de parte, e esse facto exprime mesmo toda a mudança ocorrida na estrutura doméstica rural23 (figs. 51, 56); nas agras, nas chãs das encostas, e em geral nas terras mais secas, semeia-se o centeio (o pão da região, a broa, é de farinha milha, que, como dissemos, se mistura com centeia, para esta dar maior consistência à massa), e também o milho de sequeiro; e depois da ceifa do centeio, ainda se semeia nessas terras um milho tardio, ou da restiva, ambos estes mais fracos e de rendimento pobre, mas que « ajudam », e cuja cana é aproveitada para penso dos animais. Num ou noutro caso, extremamente raros, ainda se cultiva o milho miúdo, por vezes para certos manjares cerimoniais24 (fig. 59). A oliveira encontra-se em pequena escala, e com a azeitona que ela dá fabrica-se azeite para consumo doméstico e local; uma cultura recente, mas que está em franca progressão, é a batata; e finalmente, onde calha, encontram-se fruteiras, mormente macieiras, segundo essa tradição antiga (tendo-se continuado, no distrito de Viana do Castelo, a fazer, até tempos recentes, muita sidra), pereiras, citrinos, etc. No inverno os pastos são igualmente regados, pelo sistema da lima, que é uma forma de rega de abundância.

  • 25 Para os sistemas de rega, veja-se Jorge Dias e Fernando Galhano, ”Aparelhos de elevar água de rega” (...)
  • 26 Ver notas n.os 30 e 50.

16Por toda a parte se furam minas e poços, se instalam engenhos de elevar água, de tipos variados25, se constroem tanques e poças onde se armazena a água, se cavam, limpam e arranjam regos para a distribuir. E são inúmeros – e extremamente importantes – os costumes que regulam os direitos à utilização das águas de rega26. Nos terrenos acidentados ou declivosos, constroem-se socalcos, por vezes inacreditavelmente exíguos, sustentados por toscos muros de pedra que se erguem e reparam laboriosamente, ou por beiradas de terra, onde cresce erva que é aproveitada para penso do gado, e nos quais a terra é laborada inteiramente à enxada.

17Com a transformação do prado em campo de milho durante o verão, a criação do gado grosso, de um modo geral, baixou, na região, de nível quantitativo; mas o boi, embora hoje sem dúvida subordinado ao cereal, continua a ser um elemento de primordial importância nesta lavoura, como fonte principal de numerário numa economia praticamente qualitativa até há muito poucos anos, como único animal de tracção, que puxa o arado, a grade, e o carro com que se transportam matos e estrumes, e, mais tarde, o cereal cortado, e como factor essencial do adubo indispensável às culturas intensivas e sem pousios da região – e das quais, por outro lado, aproveita os sub-produtos, num cíclo perfeito que assim se fecha: a cana, que, além da erva, é o seu alimento principal pelo ano fora.

  • 27 Orlando Ribeiro, "Portugal o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 50. «A disseminação anda ligada à fert (...)

18Por outro lado, essa densidade alta e antiga, e o extremo parcelamento do solo de que ela está na origem, aliados ao regime de policultura intensiva que as condições climáticas permitem – a abundância de água e possibilidades de regas, os matos e a criação de gado grosso em grande escala, como factores dos estrumes em profusão que asseguram a produtividade permanente destas terras e que obrigava a uma presença constante nos campos – levaram, logo desde essas remotas eras, a uma disseminação do povoamento que é hoje um dos traços marcantes do Portugal Atlântico27; de facto, as exigências desses trabalhos assíduos e permanentes, das suas culturas específicas e nomeadamente da lavoura do milho, obrigando a ter sempre gente nos campos, ligam a casa e a família aos seus próprios campos, e não tanto à vida colectiva nem às outras famílias e casas. E hoje, como dantes, não se vêm nesta área aldeias compactas; sem dúvida, na sede da freguesia, há geralmente um núcleo mais numeroso, ou pequenos adensamentos em certos lugares ou junto às estradas; mas mesmo aí as casas ficam separadas umas das outras, ou isoladas e esparsas ao lado ou no meio das terras de cultura; e com frequência só a torre sineira da igreja, caiada de branco, com alisares de granito e a sua cúpula em estilo de urna emergindo do arvoredo, marca o centro da freguesia (tal como sucedia outrora com a casa das audiências); ao seu lado, o largo do adro, deserto, com o passal, o cruzeiro, e o cemitério ; caminhos, muros, rara gente : aqui, as pessoas, fora de casa, estão no trabalho dos campos; à volta, mais terras de cultura; e, mais além, em manchas entremeadas, a cinta escura dos pinhais que separam a freguesia das vizinhas; mas as casas nunca cessam, e não raro as últimas duma freguesia ou de um lugar confundem-se com as primeiras da freguesia ou lugar próximos.

19A mulher tem aqui uma grande importância, familiar, social e económica. Ela participa em todos os trabalhos praticamente da mesma forma que o homem, e às vezes, em certas regiões – por exemplo em Afife, ao norte de Viana do Castelo, onde os homens emigram na sua quase totalidade e desde sempre – até com exclusão dele: à soga dos bois, à frente do carro, do arado e da grade, nas vessadas, não raro à rabiça do arado, nas mondas, nas sachas, nas regas, a cortar o mato e a empilhar o estrume, a pensar o gado, nas vindimas, na apanha de algas e moluscos, etc.

  • 28 Ernesto Veiga de Oliveira, ’Trabalhos Colectivos, Gratuitos e Recíprocos em Portugal e no Brasil’ i (...)

20A despeito do fundo individualismo que hoje domina a economia rural de toda a área, são contudo numerosas as manifestações de espírito de unidade do grupo e solidariedade vicinal, entre as quais destacaremos os trabalhos colectivos gratuitos e recíprocos28. Nesta região, os trabalhos da terra são numerosos, e normalmente exigem pouca gente: é um trabalho caracteristicamente familiar. Por outro lado, até há muito pouco tempo, a exploração era dominada por conceitos qualitativos e não quantitativos, dos valores, e feita por pessoas que dispunham de escasso numerário. Quando os serviços rurais exigiam muitos braços e animais ao mesmo tempo, o lavrador, em vez de contratar assalariados temporários que teria de pagar, apelava – e ainda hoje apela em muitos casos – para a cooperação vicinal amigável : os serviços fazem-se com a ajuda dos vizinhos, sem outra remuneração além de uma refeição melhorada e da certeza da reciprocidade, e que trazem o gado e as alfaias que são necessárias. Estes trabalhos colectivos – vessadas, sachas, ceifas ou segadas, esfolhadas, arrincas, ripadas e espadeladas do linho, carreadas de mato, e principalmente malhas de centeio e vindimas –, além de exprimirem a categoria económica da reciprocidade, que é muito primitiva, mostravam, para lá da sua dureza grande, aspectos lúdicos e competitivos, e até festivos, muito acentuados. Eles comportavam muitas vezes celebrações de significado mítico ritual, que apoiam as hipóteses de uma origem muito remota, ligada portanto às primitivas organizações sociais, verosimilmente de natureza colectivista.

*
* *

21Como dissemos, no Entre-Douro-e-Minho, e mormente na «ribeira» minhota, a terra de cultura era minuciosamente aproveitada, e seria vergonha para o lavrador ficar com qualquer bocado «a velho». A terra, já de si solta, está pois em perfeito estado de mobilização, e as lavouras do milho e do centeio precedem imediatamente a sementeira, no mesmo dia ou no dia anterior. Só em casos mais raros, como por exemplo na faixa costeira ao norte de Viana do Castelo, se escampavam as terras mais leves e secas umas semanas antes da sementeira, para o restolho da serradela ter tempo de curtir e não volver em camalhões crus quando da segunda lavra. Como as terras estão muito retalhadas em fatias estreitas, nunca aqui se fazem segundas lavras de través.

22Terras muito frequentemente ensocalcadas, e com as árvores da vinha de enforcado bordejando cada campo ou leira, é preciso, antes dessas lavouras, limpar os socalcos e fazer as bordas. Para o primeiro trabalho, em que se cortam silvas e arrancam as ervas que crescem entre as pedras, utilizam a foice de cabo comprido ou curto, e a enxada (e hoje também a tesoura de poda). O fazer das bordas consiste na raspagem da vegetação para dentro do campo, onde se enterra com o estrume, e na cava cuidadosa por entre as raízes das árvores e videiras; para isto empregam a enxada vulgar e, em algumas áreas, o picão ou enxadoto.

23Por vezes, nesses serviços preliminares, utilizavam o seitouro – tipo 11 – com o qual rasgavam um sulco bordejando um, dois ou três dos lados do campo, conforme a sua configuração, facilitando a abertura à enxada dum rego de contorno, sobre o qual, no dia da vessada, se começava a virar a leiva.

24Em vessadas que primavam pelo apuro final do trabalho, a terra desse primeiro rego era transportada em zorras para a beirada oposta, de modo a cobrir com ela o último rego.

  • 29 A produção dos adubos do curral tem vindo a diminuir em consequência da redução dos quantitativos d (...)

25A estrumação destas terras é à base do mato que reveste as bouças, constituído principalmente pelos tojos molar e arnal, e ainda pela urze, caruma de pinheiro, carrasco e giesta, de mistura com ervas bravias; esse mato, sobretudo por alturas de Maio, quando ele está em flor, é roçado em grandes quantidades e trazido em carros de bois; com ele se faz a cama do gado nos estábulos onde é pisado e curtido29.

26As roçadas do mato constituem um dos trabalhos mais duros do ciclo do ano. O corte é normalmente feito com a enxada; mas, numa área litorânea localizada entre os rios Coura e Lima, ele é-o com o foicinho do mato. Nessa área, a mulher – é uma das regiões típicas do País em que os trabalhos agrícolas repousam fundamentalmente sobre a mulher, mesmo os mais pesados – para roçar o mato, vai-o calcando e dobrando com o pé e mão esquerdos, e cortando os caules assim expostos, junto ao solo, com golpes bem balanceados do foicinho, – empunhado pela mão direita–, avançando uns escassos passos e deixando atrás de si o mato tombado sobre aquele que ainda está por cortar; volta então para trás, cortando agora o mato que ficara sob o anteriormente cortado, enrolando-o sobre si mesmo, e deixando-o já empostado e pronto para ser carregado. A mão e o braço esquerdos são, até ao cotovelo, protegidos por uma luva grossa, espécie de manga, outrora de burel caseiro, hoje de qualquer pano grosseiro ou cano de velha bota alta de cabedal ; o pé e a perna são-no pela bota alta de cabedal, com rasto de pau, exclusiva daquela área. O trabalho com este foicinho é bastante violento, não só porque é manejado apenas por uma mão – ele pesa cerca de 1,5 quilos–, mas ainda porque obriga à posição permanentemente dobrada do trabalhador. Mas o rendimento do trabalho com esta alfaia, comparado com o da enxada, é muito mais elevado.

27Nessa mesma área, para o corte da serradela, que se faz também com este foicinho, curiosamente, a técnica de trabalho é semelhante àquela, apenas com a diferença de que, neste caso, a erva não é calcada com o pé esquerdo.

28Em muitos casos, este serviço realiza-se no regime dos trabalhos colectivos, gratuitos e recíprocos, e o clima especial que os envolve – a comida melhorada e um certo tom que deles emana –, atenua sensivelmente essa dureza. Recorde-se que, não raro, os montados se situam longe das respectivas casas e, portanto, a saída das pessoas se faz de madrugada, de modo a chegar ao local do trabalho ao romper do dia, cerca das 6-7 horas, ali se mantendo até às 6 da tarde, com uma curta pausa pelas 10 horas para almoçar, e uma outra mais longa, para jantar, ao meio dia.

29O mato que é cortado com o foicinho fica já enrolado em pequenos montes – os cortes –; aquele que é cortado à enxada, carece de ser empostado, isto é, junto e apertado em quantidades que facilitem o transporte com a forquilha ou espalhadoura para o carro.

30Após o corte, decorridos alguns dias em que o mato fica a secar, ele é transportado em carros. Cada carro exige sempre o concurso de duas pessoas: uma para transportar o mato com o forcado, do chão para o carro; outra, em cima deste, para o carregar.

31Muitas vezes também se organizavam, para esse efeito, carreadas, em que participavam vários vizinhos, de modo a transportarem num dia todo o mato de uma casa – 10, 15, 20 ou mais carros– dentro desse sistema de gratuitidade e reciprocidade (fig. 1).

32Quando um dos carros se voltava – o percurso, de um modo geral, tem sempre trechos de caminhos maus – a presença desse número grande de pessoas remediava as consequências do acidente; e do facto restava apenas uma fonte de comentários mais ou menos chistosos que animavam o ambiente, sobretudo durante a lauta refeição que era servida a todos, a final, pelo dono do mato.

33Mesmo quando o transporte do mato se faz individualmente é frequente estabelecer-se um elo de camaradagem e solidariedade entre aqueles que têm de fazer um percurso comum, ainda que parcialmente, de modo a irem todos no mesmo dia; quando de freguesias diferentes, não raro se fazem combinações prévias, deslocando-se emissários para acertar o dia e horas, para assim se realizar o trabalho na mesma ocasião.

34As razões determinantes desse sentido solidário são geralmente de natureza prática. Como já referimos, o risco de se voltar um carro carregado – que duas pessoas seriam impotentes para endireitar de novo – pode, além disso, fazer perigar a vida dos animais que vão atrelados a ele.

35Chegado a casa, o mato é normalmente empilhado em medeiros, próximo dos currais, donde vai sendo retirado, ao longo do ano, para refazer as camas do gado, deitado às camadas à medida que vai sendo pisado – sovado – e nos terreiros, quinteiros ou esterqueiras, frente aos currais, e por vezes também nas passagens que levam ao portão da rua, onde é calcado pela passagem do gado e dos carros.

36Como a nitreira não era um elemento tradicional nas casas de lavoura desta região, o estrume é carregado directamente das cortes ou currais do gado para os campos, em carros de bois, com a ajuda de gadanhos, ancinhos e cestos, e neles descarregado em montes que ficam a salpicar de pontos negros toda a superfície que vai ser lavrada (fig. 2).

37Em certos casos, para que este trabalho se faça gradualmente, aliviando o período das lavras e sementeiras, e ainda com o objectivo de aumentar o volume do estrume, este é, com certa antecedência, transportado para os campos em quantidades variadas, conforme a sua natureza: das vacas, de gado miúdo, de porcos, aves, dejectos humanos, etc. – e ali empilhado, de mistura com matos, folhagens, e, na zona litoral nortenha, com sargaço; em algumas aldeias próximas de centros urbanos utilizava-se também a «água choca» que se ia buscar em caixotões especiais montados sobre o carro de bois (Viana do Castelo) ou pipos (Maia, Porto). Quando muito líquida, regavam com ela os campos; quando mais densa, misturavam-na com outros elementos amontoando essa mistura em pilhas nos campos.

38Antes de começar a lavra ou vessada, o estrume que se encontra em montes pelo campo é espalhado em maior ou menor densidade, com ancinhos de dentes de ferro ou forquilhas de 4 ou 5 dentes; geralmente estende-se uma pequena faixa de estrume do lado onde se inicia a lavoura, para o arado poder começar logo a trabalhar, continuando-se depois à medida que a lavra vai avançando (fig. 10). Muitas vezes, quando o estrume se encontrava em pilhas nos campos, e se dispunha de juntas de gado além das necessárias para puxar o arado, o estrume era carregado no carro e distribuído ao mesmo tempo que decorria já a lavra da terra.

39Se o campo a lavrar era pequeno, o trabalho fazia-se geralmente com a gente da casa; no caso, porém, de terras fundas e mais vastas, empregava-se o grande arado vessadoiro – tipos 21, 22 e 32 – puxado por três ou mais juntas de bois (e mais tarde a charrua, funcionando igualmente dentro deste contexto). A lavoura tomava então um carácter especial quase festivo, em que vizinhos e amigos participavam com o seu trabalho e o seu gado, dentro desse mesmo regime e espírito de ajuda mútua de tradição muito remota (figs. 3 a 14). Com muita frequência, estabeleciam-se associações entre dois lavradores que possuíam terras e animais que se equiparavam, reunindo desse modo o gado e a gente necessários para estes trabalhos. Em Paredes de Coura, estas associações –a que davam o nome de geirolas– criavam laços especiais entre as famílias intervenientes, e perduravam ao longo das gerações.

40Nessas grandes vessadas, a melhor junta ficava sempre no , ligada directamente ao arado, seguindo-se-lhe o trilho, segunda, o picadouro, terceira, e o guia, quarta – ligados aos vários cambões ; dos condutores dessas juntas, o lugar de honra cabia ao e o inferior ao sota, geralmente um rapazito que seguia à soga da junta da frente.

41Enquanto o pesado vessadoiro seguia virando a terra, esta era logo ajeitada por numeroso grupo de mulheres dispostas ao longo do rego; os torrões mal virados eram voltados com o erbanço para baixo e toda a leiva picada à enxada (figs. 9 a 14).

42O lavrador guiava o arado empunhando fortemente a rabiça do meio e a do lado oposto ao da leiva; o arado seguia sensivelmente inclinado para baixo, do lado da leira, facilitando, pela posição que assim tomava, o virar da terra. Era um trabalho violento, mas que dava grande prestígio a quem o executava bem, isto é, fazia um rego direito e uma leiva regular.

43O comando do gado cabia ao e era ele quem, ao aproximar-se da cabeceira do campo, se imobilizava num ponto, fazendo de pião à roda do qual as juntas davam a volta para começarem o rego seguinte (fig. 8). Toda essa manobra não era fácil, na confusão de cambões e carreta, e era então um alarido de gritos e varas no ar até o lavrador pôr de novo o arado em posição de marcha. Era preciso também, na breve paragem, passar a cunha da sega para o lado oposto, alternando a sua inclinação.

44Quando o vessadoiro não era munido de sega, como acontecia, por exemplo, com os arados dos tipos 21 e 22, o corte da leiva era dado pelo seitouro – tipo 11 – que seguia atrás do arado, cortando a leiva do rego seguinte, puxado geral mente por uns touros novos.

45Essas grandes vessadas, a despeito de constituirem um trabalho extremamente pesado, assumiam realmente, como dissemos, o ar de verdadeiras festas; não raro, em cima da carreta do arado se armava um ramo de flores, o qual, no final da sementeira, era espetado no meio do campo. Para a tarde, a comida farta e o vinho à descrição estimulavam os gracejos e espicaçavam nos homens o desejo de exibir a habilidade no manejo do vessadoiro. O fim da lavoura transformava-se numa competição desordenada, à vez, entre aqueles que conduziam o arado, que não conseguiam, na corrida desajeitada do gado batido por varadas seguidas, fazer um rego direito. Por vezes faziam mesmo sabotagem, enterrando à enxada arganeis – vencilhos de palha atados formando elo –, no ponto onde o bico do arado iria passar; este, logo que se enfiava no vencilho, deixava de funcionar e o lavrador perdia imediatamente o controle do arado, com grande gáudio dos companheiros.

46Pelos princípios deste século, o grande vessadoiro foi, na região do Coura, substituído pelo arado labrego, também de pau e com carreta, mas no qual (presumivelmente por influência da charrua de ferro), as aivecas fixas foram substituídas por aivecas móveis, passaram a usar-se apenas duas rabiças, ligadas ao cabrito, e a sega foi incorporada no próprio apo. Estas diferenças representam uma melhoria, sobretudo no que se refere à viragem da leiva, que este arado executa quase como a charrua. O arado labrego, hoje, também desapareceu praticamente por toda a parte; encontramo-lo, em pleno funcionamento, apenas no lugar da Amieira, da freguesia de Resende (fig. 3 e 8).

47Os arados de pau – o grande vessadoiro, o «labrego», e outros tipos ainda de temão inteiro–, cederam, aqui, há muito, o lugar às charruas de ferro, de aiveca movei, de fabrico industrial, mas que continuam a ser de tracção animal.

48Hoje, por toda a parte, e mesmo em regiões de pequena ou pequeníssima propriedade, os processos aratórios estão a ser progressivamente mecanizados, substituindo-se os arados e charruas tradicionais, de tracção animal, por tractores munidos de charruas basculantes (figs. 17, 18). Assim, na região de Paredes de Coura, por exemplo, onde a cultura do milho mantém ainda grande importância (embora decrescente, tendo-se verificado nestes últimos anos uma sensível diminuição da área cultivada), coexistem ainda 4 formas de revolvimento da terra para a sementeira do milho: 1) à enxada, em grupos solidários – as « vezeiras », a que adiante nos referiremos; 2) com o arado labrego, de pau ; 3) com a charrua de aiveca móvel de ferro; e 4) com o tractor. Nesta última forma, tal como nos dois processos aratórios tradicionais, o picar da leiva continua contudo a fazer-se à enxada, o que mobiliza sempre um grande número de pessoas, as quais, à medida que o tractor avança, cavam em fila a leiva virada. Deste modo, mesmo no quarto processo, já mecanizado, a vessada mantém características tradicionais específicas, nomeadamente a cooperação de vários vizinhos, em grande número, dentro do sistema da reciprocidade. É óbvio que uma grade de discos, neste caso, dispensaria em grande medida esse contingente de pessoas. Mas a tradição impõe ainda as suas leis, justificando-as segundo opiniões mais ou menos objectivas. Assim, dizem que o arado de pau «dá mais milho » ; o arado de ferro (charrua de aiveca móvel) «tira pão»; a sementeira a lanço também «dá mais milho», e o semeador mecânico «dá menos milho» ; etc.

49Geralmente, logo no mesmo dia, à lavra segue-se a gradagem, uma ou duas treitas de dentes – passagens da grade com os dentes virados para baixo – e uma última, de costas – com os dentes da grade virados para cima, para alisar a terra. Conforme a natureza dos terrenos, assentavam sobre os banzos da grade uma ou duas pedras para obter uma mais funda penetração dos dentes na terra. Atrás da grade segue normalmente uma pessoa, que pega no alçadoiro e a levanta, para que dos seus dentes se desprendam as raízes e felga que ao longo da marcha a eles se vão agarrando, impedindo o seu bom funcionamento; e também para facilitar as voltas nos cabedulhos (figs. 19 e 20).

  • 30 Conhecem-se duas acepções para este termo: passagem da grade sobre a terra; e largura de terra corr (...)

50O milho era geralmente semeado a lanço sobre a terra lavrada, sendo coberto com as sucessivas passagens da grade. O semeador levava a semente ora dentro de uma cesta de arco – a cesta de semear – ora dentro dum saco preso a tiracolo com a boca entreaberta, à frente, na altura do peito; começava a semear pelo extremo lateral direito do terreno, caminhando compassadamente e lançando o grão com a mão direita meia fechada, em movimentos semi-circulares, de modo que o grão cubrisse uma faixa da terra correspondente a uma treita da grade30 ; chegado ao extremo do campo voltava a semear nova faixa a seguir à primeira, e assim sucessivamente. Em casos mais raros, a sementeira é feita sobre a terra estrumada e enterrada ao lavrar.

51Além destes processos, eram e são ainda conhecidos outros, como por exemplo o de botar o milho ao rego, em que a pessoa que anda a guiar a junta que vai à frente do arado leva a semente num saco ou, quando mulher, numa algibeira, e vai deixando cair no rego, grão a grão, a semente. Na região de Cinfães a sementeira era por vezes feita à cavadela com o auxílio de um pequeno sacho de cabo curto, manejado com a mão direita, em rápidos golpes, enquanto que a mão esquerda lançava o grão na covita entreaberta. A preferência por este sistema justificava-se, no consenso das pessoas, porque o grão ficava a uma profundidade certa e, além disso, porque representava uma economia de semente muito sensível em relação à sementeira feita a lanço. É evidente que, mais uma vez, não se quantificava o tempo dispendido nessa operação, lenta, a despeito da relativa rapidez com que era feita por pessoas treinadas nesse exercício. Por seu turno, na região serrana minhota, em Melgaço, a sementeira era feita igualmente à mão e com o auxilio dum pequeno pau aguçado numa ponta e curvo na outra, a espicha. Para o efeito faziam um risco na terra gradada, limitando uma faixa mais ou menos larga, conforme o número de pessoas; semeada essa faixa, traçavam novo risco, e assim sucessivamente até ao fim do campo. Deste modo obstava-se a que ficassem retalhos de terra por semear ou que se verificassem sobreposições de sementes. O milho era levado no avental, dobrado e com as pontas presas na cintura; as mulheres, curvadas, empunhavam na mão direita a espicha e com ela faziam um buraco na terra; imediatamente, com a mão esquerda, deitavam nesse buraco um ou dois grãos de milho e, com a ponta da espicha, tapavam-no (desenho 226 e fig. 39).

  • 31 Jorge Dias, Fernando Galhano e Ernesto Veiga de Oliveira, ‘A região e a casa gandaresa’, "Trabalhos (...)

52Na área gandaresa, para a sementeira, rasgam, na terra já lavrada, regos longos com o arado munido de um feixe de varas de vide preso entre a teiró e a rabiça ; as mulheres fazem a estercada, levando em cestos o estrume das pilhas e distribuindo-o à mão pelo rego adiante; em seguida espalham o adubo químico; e depois, com o milho no avental, deixam cair quatro ou cinco grãos sobre o rego, no lugar em que, com o pé, haviam coberto o estrume com terra; e finalmente alagam, igualmente com o pé, o combro do rego sobre a semente31.

53O feijão semeia-se nos mesmos campos do milho, e sempre sobre a terra já lavrada, misturado com ele, sendo enterrado ao gradar ; quando o milho é semeado sobre o estrume, antes da lavra, o feijão é semeado independentemente, após a lavra.

54O trabalho da sementeira termina pela abertura de regos, feita com o arado, pelos quais virá a correr, posteriormente, a água de rega, dividindo o campo em faixas de cerca de 2 m de largura, orientados de acordo com o pendor do campo.

55Um dos raros progressos verificados nesta cultura foi a adopção do semeador – pequena máquina manual – inicialmente mais pesado e puxado a gado, seguidamente de modelos mais leves e geralmente puxado por duas pessoas, uma atrás, às rabiças, outra à frente, a um tirante de corda. Este processo veio a consentir o emprego do sachador, tirado por um animal, que, para a decrua, se equipa com 5 saehos dispostos em planos desencontrados, de lâmina alongada e curva, de lados paralelos, e ponteaguda, e para a arrenda se modifica substituindo os 3 sachos de trás por outros de lâmina mais larga, ao jeito de pequenas aivecas. Com este aparelho, o trabalho das sachas, e a própria rega, foi substancialmente aliviado e facilitado : na decrua, apenas se torna necessário cavar o carreiro do milho e distribuí-lo ; na arrenda, endireitar um ou outro pé de milho, ou de feijão, que ficou coberto.

56Em regiões acidentadas em que os socalcos são muito exíguos ou não permitem o uso do arado, a lavoura do milho faz-se, em muitos casos, à enxada.

57Em Paredes de Coura, por exemplo, para essas cavadas organizam-se grupos de quinze e mais pessoas, uma por cada casa, que trabalham em conjunto, à vez, as terras dessas casas. A esses grupos dão o nome de vezeiras, que geralmente mantêm a unidade ao longo dos anos. No Extremo, por exemplo, com cerca de 80 fogos, havia 4 de tais vezeiras.

  • 32 Em certos casos, hoje, vêem-se tractores que fazem a vez da cava na «vezeira». O seu rendimento por (...)

58Para essas cavas, as pessoas trabalham em linha e coordenadamente: as enxadas vão ao ar todas ao mesmo tempo (fig. 21), e, em golpes a que se procura imprimir grande força, são cravadas de modo a ficarem com a pá enterrada e também em linha, a cerca de 40 cm do corte anterior (fig. 25); a uma voz de comando todos puxam simultaneamente virando como que uma leiva dessa largura a todo o comprimento que o grupo ocupa (figs. 22, 24 e 26). Essa leiva é seguidamente picada, geralmente em três enxadadas leves, pelos próprios cavadores, para desterroar (fig. 23), deslocando-se o grupo para cavar nova leira32. A meio da tarde tem lugar a merenda, oferecida pelo dono da terra, e que se compõe geralmente de pão de milho (broa) e de trigo, e de vinho.

  • 33 Em 1976, na Granja, Vila Real, os homens ganhavam 250$00 por dia, as mulheres 120$00, e os rapazes (...)

59Por seu turno, nas encostas declivosas dos pendores sudeste da serra do Marão, por exemplo em Arrabães, Granja, etc. dão mesmo a esse trabalho o nome de vessada ; os cavadores são contratados no Natal e iniciam as vessadas em 1 de Abril, terminando-as em fins de Maio: começam pelas terras dum extremo da freguesia e vão seguindo, passando de socalco em socalco (fig. 27) e de proprietário em proprietário. Como o calendário destes trabalhos é fixado com meses de antecedência, eles desenrolam-se mesmo quando chove33. Trabalham com um tipo de enxada de lâmina muito larga e comprida, munida dum cabo curto formando um ângulo extremamente fechado (des. 108 c).

60O processo de cavar é diferente do que vimos em Paredes de Coura : os cavadores, embora cavem em linha, fazem-no sem coordenação, e a cavadela não forma leiva; a cava compreende sempre dois movimentos: uma primeira enxadada atinge a camada superior do terreno e volta-a ao contrário; uma segunda afunda a anterior, e, num golpe lateral, espalha a terra sobre a parte que já está cavada. Como os terrenos são geralmente inclinados, as enxadadas de terra são atiradas para o lado mais elevado, de modo a compensar o descaimento do terreno (figs. 28 e 29).

61Os cavadores são seguidos por várias mulheres que semeiam, desterroam e alisam a terra: uma, à frente, semeia o milho grão a grão ; as outras, atrás, com uma enxada de lâmina pequena, enterram os grãos com o olho, picam a terra com o gume e alisam-na, utilizando por vezes, a final, o ancinho (fig. 30).

62O transporte do estrume, e do milho quando maduro, é feito, em grande parte destes terrenos, em cestos, à cabeça ou às costas das pessoas.

  • 34 Estas aldeias encontram-se em grande decadência ; algumas estão praticamente despovoadas, e vimos u (...)

63Estes processos mais elementares da preparação da terra para a sementeira do milho, à enxada, usam-se também nos casos de propriedade muito pequena e dividida, que constituem a regra em vastas áreas, nomeadamente nas margens do Baixo-Douro (figs. 33 e 34), e, mais ao sul deste rio, no centro do País, a poente da barreira serrana da Lapa, Estrela e Alvelos, até ao Zêzere (figs. 31, 32 e 38); na serra da Lousã, onde os terrenos de cultivo têm um declive muito acentuado, toda a preparação da terra é mesmo feita com o engaço (fig. 37) : as cavas começam sempre do lado de baixo para o de cima, devido a esse extremo declive; e este facto, conjugado com a acção das chuvas do inverno, provoca o descaimento da terra, descarnando o lado de cima e obrigando todos os anos a transportá-la para esse lado, a cestos ou em sacos34.

64Quando os pequenos pés de milho atingem uns 12 cms de altura dá-se-lhes a primeira sacha – a decrua –, verdadeira cava em que se faz uma distribuição sumária das plantas do milho e se eliminam as ervas daninhas, ficando a terra afofada e acogulada nos espaços entre o milho; poucas semanas depois tem lugar a segunda sacha – a arrenda –: o milho é mondado, arrancando à mão aquele que se considere a mais, e a arrenda consiste no acogular da terra agora contra os pés de milho de modo a deixar mais mergulhadas as raízes e a planta mais amparada. O trabalho de arrenda é mais leve que o da decrua. A decrua é geralmente realizada, além do pessoal da casa, com o apoio da gente de fora, contratada a jornal, a seco, ou a de comer, com merenda obrigatória mesmo quando na primeira situação.

65Nestes trabalhos participam homens e mulheres, dispostos em linha, em grupos mais ou menos numerosos, sachando cada um uma faixa de aproximadamente 1 m de largura (figs. 40 a 42), mantendo não raro ao longo do trabalho animada conversa. Não existe um critério uniforme quanto à preferência por enxadas maiores ou mais pequenas para estes trabalhos; na região ao norte de Viana do Castelo, por exemplo, preferem as grandes; em Braga, pelo contrário, as pequenas.

66Segue-se a quadra das mondas periódicas, arrancando as plantas que se vão considerando em excesso e que constituem um valioso recurso como alimento para o gado nesse período do ano.

67Entretanto, logo a seguir à arrenda, o campo é regado com a frequência conveniente, suprindo-se assim a falta de chuvas do estio. A água pertence à terra – a cada pedaço de terra – e transmite-se com a propriedade. São muitos os sistemas de elevar a água de rega: no litoral, do Douro ao Cávado, os engenhos de buchas, de madeira, que Jorge Dias faz derivar das máquinas romanas de esgotamento de minas; rodas hidráulicas nos rios; roldanas, sarilhos, noras metálicas, rodas com alcatruzes na periferia, accionadas por uma ou duas pessoas que andam sobre a roda – e mais aparelhos movidos pelo homem ou por animais.

  • 35 Neste sistema de partilha de águas comuns, Alberto Sampaio, op. loc. cit., vê uma prova da natureza (...)

68Mas o processo mais característico e usual na província é a utilização de águas de minas que se exploram e afloram em galerias e correm em regos e se armazenam em tanques ou poças cavadas na terra, para serem depois distribuídas pelos campos. A rega aproveita o declive do terreno, e faz-se pelo pé, com a enxada ou o pé, que vai regulando a água de modo a passar por todos os pés do cereal, ou pelo rego, correndo os regos que se fizeram, e espalhando-se pelo terreno. Sendo águas correntes públicas, de levada, pertencem a todos os vizinhos e a sua partilha é feita segundo regras consuetudinárias, variáveis conforme os lugares; o sistema mais elementar é o de torna e torna, em que a água é daquele que a vai tornar para o seu campo (devendo apenas evitar-se tornar água na presença de outro consorte); noutros casos cada consorte tem direito a um certo número de horas de água ou de giro. Por vezes essas horas são fixadas por processos naturais de medir o tempo: a água muda de dono quando o sol ilumina a crista da serra próxima ou chega à estrada, quando a sombra da enxada mede tantos pés, etc. A partilha das águas comuns tem a maior importância no verão, e em muitos sítios o dia de S. João é a data em que se limpam e reparam poças e regos, e se inauguram os sistemas estrictos de partilhas35. As questões de águas são célebres pela sua gravidade, e são conhecidas mortes por causa de águas.

69Em muitos casos, faz-se a sementeira das ervas, azevens e outras, por entre o milho, antes de este ser colhido; e então, parte da semente fica presa nas folhas deste. Essa sementeira efectua-se ora conjuntamente com a última rega (que ajuda a enterrar a semente) ora após ela e antes do arranque dos feijões – a passagem por entre o milho agita as folhas e sacode a semente da erva que a elas havia ficado agarrada ao semeá-la, e o arranque do feijão, remexendo a terra, facilita a sementeira – ora ainda fazendo uma cava à enxada muito superficial. Em outros casos a erva é semeada após a colheita do milho, muitas vezes revolvendo a terra com a grade.

70O milho da restiva é semeado na terra que acabou de produzir o centeio, logo que este é ceifado e retirado do campo. Em certos casos, ele é já semeado nos regos das margens, crescendo ao lado do centeio, e sendo as margens cavadas à enxada quando este se retira. Por vezes dá-se uma lavra ligeira ao restolho antes da sementeira; mais raramente o restolho é regado antes de ser lavrado.

71Em terras pobres e secas, quando sobrevem um período de estiagem prolongado, o rendimento deste milho é praticamente nulo; mas se o tempo lhe corre de feição, ou em terras de regadio, ele pode dar uma produção muito satisfatória, complementada pelo feijão, sobretudo fradinho, que lhe anda associado.

72Como o milho é uma planta de flor unisexual, a flor masculina, no topo – o pendão –, após a fecundação, não tem mais serventia; e por isso é cortado e serve de penso para o gado.

73Madura a espiga, a planta é segada à foicinha, carregada em carro de bois (fig. 43) e amontoada no terreiro da casa perto da eira (fig. 44) ou mesmo dentro dum anexo rural. Em algumas áreas do país, a espiga é destacada da planta, e esta fica nos campos, em medas de formato geral cónico, mas de tipos diversos, sendo os caules trazidos para casa apenas conforme as necessidades do gado: na faixa litoral desde o Porto até à Ria de Aveiro, essas medas são baixas e de base larga, atadas com vimes, dispersas pelo terreno; noutras regiões, como nas terras altas do concelho de Vila Verde, elas são altas e muito alongadas, erguendo-se à volta de uma vara espetada no chão ; etc. Na parte norte da região estremenha, as folhas são tiradas da cana que fica erguida e nua no campo, até este ser de novo cultivado.

74As espigas vão sendo esfolhadas de dia ou de noite com o pessoal da casa. Mas são também frequentes as esfolhadas nocturnas em que participam outras pessoas de fora, dentro desse esquema de reciprocidade e, sobretudo quando predomina o elemento feminino jovem, o que geralmente acontece, elas facilmente assumem um tom particularmente alegre, animado não raro por coros e brincadeiras de rapazes que a elas comparecem, por vezes embuçados. Ao longo da esfolhada, o encontro do milho rei (espiga de grão vermelho), que muitas vezes não é fortuito, consentindo a quem o encontra o direito de abraçar e em certos casos beijar todos os presentes do sexo oposto, acentua um difuso erotismo que recobre a atmosfera desse trabalho. Por vezes, para facilitar a abertura do envólucro da espiga, utilizam o espeto ou esfolhador (des. 238 e 239) com o qual rasgam o folhelho.

75As espigas são levadas para o varandão e estendidas a secar sobre o ladrilho aquecido pelo sol (fig. 45), ou para a eira de pedra, quadrangular, de carácter individual, e que se situa junto à casa, onde se espalham com ancinhos de pau (fig. 47) recolhendo-se à noite nos alpendres ou casas de eira, que nesta região sempre as bordam (figs. 46 a 48). Depois de secar uns dias, são debulhadas a mangual (fig. 58) ou por outros processos mais simples e elementares (fig. 57).

76Ao contrário das malhas do centeio que, como veremos, se revestem de aspectos tecnológicos, sociais e cerimoniais muito significativos, a debulha do milho, talvez por ser um cereal recente, decorre sem qualquer particularidade digna de nota. Ela é feita geralmente com a gente da casa, malhando uma ou mais pessoas, não raro, quando várias, em duas filas frente a frente; dão uma primeira corrida e chegados ao fim, com os ancinhos penteiam as espigas partidas e em grande parte já debulhadas, retirando-as de cima do milho, voltando a amontoá-las de certa feição e dando-lhe outra corrida. Após esta, os grãos que ainda ficaram agarrados ao carolo são debulhados à mão. Em certos casos, a debulha era feita a pé de gado.

77O grão, como a espiga, deixa-se também secar alguns dias na eira, onde é espalhado com o rodo (fig. 50) ou o ancinho voltado com os dentes para cima, e recolhido à noite no alpendre anexo, até ser guardado nas tulhas, donde sai para o moinho, para consumo ou para venda. As espigas que não se debulham logo, ou que se colhem mais tarde e já não podem secar na eira, recolhem-se nos mesmos sequeiros ou casas de eira, ou, mais adequadamente, nos belos espigueiros, ou canastros, que permitem a sua arrecadação em boas condições de arejamento, e donde vão sendo retiradas conforme as necessidades da casa.

78Enquanto decorre a esfolhada, a palha já sem espiga vai sendo atada em molhos ou copas, apertados com vencilhos de centeio ou aveia, previamente demoIhados ; ela fica depois uns dias a secar ao sol, e seguidamente é posta em medas.

79As medas de palha milha apresentam-se sob duas formas fundamentais: a) cilindriformes e ligeira ou acentuadamente cónicas, desenvolvidas em altura (figs. 49 e 52) ; e b) semelhantes a um abrigo de duas águas, desenvolvidas em comprimento.

80No primeiro caso, corrente em todo o Minho, os molhos são dispostos em torno de uma vara bem cravada no chão e a ela presos pelas suas próprias folhas. Um homem empoleirado numa escada vai tomando e atando os molhos que outro do chão lhe chega com o auxílio de um lateiro fino, aguçado e com um prego na ponta ao jeito de forca, para espetar junto ao vencilho. O remate cónico é feito com um crucho, ou corucho, de colmo. Por vezes a ponta da vara é amarrada a um galho de árvore; outras, aproveitam mesmo um pinheiro esguio, quando este cresce em local favorável. O diâmetro destas medas varia conforme o comprimento da cana e a inclinação dos molhos; as mais estreitas impedem o desenvolvimento de bolores que frequentemente aparecem nas mais largas. Na zona litoral do distrito de Coimbra e em certas áreas da Beira Litoral, elas tomam uma configuração cónica, de base alargada (fig. 53 e 54) ; em Cantanhede, o remate da cobertura, em vez de colmo, é feito por uma camada de carolo de milho (fig. 54). No litoral entre a Póvoa de Varzim e Viana do Castelo, por vezes, no princípio do inverno a palha dessas medas cilindriformes é retirada e posta em palheiros baixos e compridos, que resistem melhor às ventanias da beira-mar.

  • 36 Ver Fernando Galhano, ’Etnografia agrícola – Medas de palha’, "Gazeta das Aldeias”, n.° 2426 (1960) (...)

81No segundo caso, as medas têm a forma de cabanas ou barracas, compostas de uma armação rudimentar de varas, de pinheiro ou de eucalipto, postas ao alto e ligadas por ripas horizontais, contra a qual a palha se acama, formando espessa parede; deste modo, ao mesmo tempo que a palha se guarda arejada, consegue-se um espaço abrigado, mais ou menos amplo, onde se recolhe mais palha se a há, e as alfaias e o carro de bois, que convém resguardar da chuva durante o inverno. Pela primavera adiante, vão os lavradores empalhando o gado conforme a necessidade, retirando progressivamente palha milha destas cabanas, que acabam por ficar reduzidas outra vez à sua armação descarnada. Estas cabanas são de três tipos principais: 1) as varas formam uma armação de duas águas, com um dos topos fechados. Este tipo, que é o mais geral, vai desde Vila do Conde e Valongo, ao norte, até um pouco abaixo do Mondego, ao sul, mostrando ao longo desta área certas diferenças regionais; 2) a armação de varas é formada por dois painéis que não encostam em cima e que são recobertos por um pequeno telhado de tabuado ou telha, de duas águas. Ele encontra-se a partir de alturas de Pombal, e vai até Leiria, por Ourém, e ainda parte do concelho de Tomar ; 3) finalmente, numa pequena área que corresponde à região de Paços de Ferreira, encontra-se o terceiro tipo, de varas e ripas formando pirâmide de base quadrada e bastante alta36.

*
* *

82Ao lado da cultura predominante do milho, pratica-se ainda, no Noroeste, como dissemos, a do centeio, relegado embora para os terrenos mais secos, pobres e pedregosos, ou, por vezes, em alternância com o milho.

83Nesta área atlântica o cultivo do centeio faz-se de duas maneiras fundamentais: a) por alturas de Setembro-Outubro as terras são estrumadas e lavradas, e a semente é lançada à mão sobre a terra lavrada, e coberta pela passagem da grade; b) as terras são lavradas umas semanas antes das sementeiras e estas fazem-se pelo processo do margeado. Essas terras lavradas são gradadas, espalhando-se em seguida o estrume e, sobre este, é lançada a semente, a lanço ; em seguida, com o margeadouro ou assuco (ver tipos 23, 24 e 25) abrem-se regos espaçados de cerca de 1 metro. Pela disposição particular das aivecas, colocadas acima do nível do dente e a abrir em asa, que caracterizam esses aparelhos, a terra é afastada para os lados, e alisada depois com ancinhos de ferro ou mesmo com a enxada, ficando a semente completamente tapada, germinando e enraizando junto do estrume. Em certas partes, contudo, o margeadouro era mais próprio para a sementeira do trigo.

84Este último processo parece ser mais adequado e perfeito que o primeiro, porque a terra fica melhor drenada – o que, dadas as condições climáticas da região, é uma real vantagem – e, além disso consente um melhor aproveitamento do fertilizante.

85A despeito dessas vantagens, porém, ele tem vindo a ser posto de parte, porque exigia do agricultor um enorme esforço para conseguir, num curto espaço de tempo, correspondente ao período da sementeira, transportar para as terras todo o estrume dos currais; além disso, em certas veigas, muito parceladas – por vezes com leiras de menos de 2 metros de largura –, a sementeira, em obediência a regras consuetudinárias que impunham uma disciplina conjunta em vista a facilitar o trabalho e a evitar estragos em terras já semeadas, iniciava-se num dos extremos da veiga e seguia sem quebra de continuidade por todas as leiras até ao fim, de modo que o margeadouro, quando fazia uma extrema, terminava a última margem da leira anterior e iniciava a primeira da leira seguinte.

86A preferência pelo primeiro processo justifica-se pela sua maior simplicidade: o estrume é carreado paulatinamente para um dos campos, e espalhado e lavrado em seguida; quando surge uma oportunidade, leva-se de novo estrume para outro campo e lavra-se, e assim sucessivamente, de modo que, na altura da sementeira, toda a terra está preparada para receber a semente, tornando-se apenas necessário gradar as terras após o lançamento do grão.

  • 37 Amorim Girão, ”Montemuro – A mais desconhecida serra de Portugal”, Coimbra, 1940, descreve estas op (...)

87Na parte alta de certas regiões serranas, a cultura do centeio tomava, em alguns casos, aspectos particulares. No Montemuro, cava-se a terra à enxada, juntam-se em montes os torrões, as cepas de erva e a lenha e, quando secas, chega-se-lhes fogo, espalhando-se em seguida as cinzas37.

88Ao contrário do milho, que exige aturados e constantes trabalhos, o centeio dispensa quaisquer cuidados ao longo do seu ciclo vegetativo, até ao momento da ceifa.

89As segadas inscreviam-se também nesse quadro dos trabalhos colectivos, gratuitos e recíprocos e o seu termo culminava com danças em terreiros abertos.

  • 38 Fernando Galhano, ’Medas de trigo e centeio no norte de Portugal’, ”Gazeta das Aldeias”, n.° 2439, (...)
  • 39 Maria Palmira da Silva Pereira, "Fafe – Contribuição para o estudo da linguagem, etnografia e folcl (...)

90A ceifa tem lugar no fim do mês de Junho e princípio de Julho, e é feita com foicinha de gume serrilhado ou, menos correntemente, de gume liso. O cereal, à medida que vai sendo ceifado, é atado em pequenos molhos com vencilhos da própria palha, que são amontoados no campo ou carregados de imediato em carros de bois e levados para junto da eira, onde serão debulhados. Em ambos os casos o cereal é posto em pequenas medas que, nesta área, tomam sempre uma forma cónica, maiores ou menores conforme o número de molhos38. Na região de Amarante, por exemplo, elas têm cerca de 20 molhos; em Penafiel, cerca de 50; em Fafe, 7 ou 839; etc. Os molhos são dispostos com as espigas para cima, apertadas com vencilhos, protegidas por um molho aberto que se coloca sobre elas em posição invertida. Em certos casos, essas medas pequenas, depois de bem seco o cereal, transformam-se numa meda grande, que o preserva melhor do tempo e de depredações.

91Na altura oportuna, com tempo bem quente – geralmente fins de Julho ou Agosto –, tem lugar a debulha.

92A debulha do centeio no Noroeste de Portugal fazia-se por diversos processos: na sua forma mais elementar, batia-se o cereal aos molhos contra o leito de um carro de bois ou qualquer estrado improvisado (fig. 60) ; outras vezes, o cereal era batido com um pau, sobre um banco (fig. 62) ou directamente sobre a eira (fig. 61); etc.

93O processo mais corrente, porém, por toda a área, era a debulha a mangual. Este trabalho, que era sempre masculino, podia fazer-se de um modo muito singelo, com apenas os homens da casa ou com o auxílio de um ou outro vizinho (fig. 90); mas as mais das vezes apresentava aspectos tecnológicos, sociológicos, cerimoniais e lúdicos muito caracteristicos e expressivos, constituindo o exemplo mais qualificado dos trabalhos colectivos, gratuitos e recíprocos.

94Actualmente a debulha faz-se em muitos casos por processos mecânicos; contudo, mesmo nesses casos, persiste ainda o regime da ajuda mútua para a sua realização (fig. 89).

95No Montemuro, por exemplo, os malhadores dispunham-se em duas linhas «uma em frente da outra, batendo alternadamente pancadas perpendiculares ao sentido dos caules, avançando e recuando entre as cabeceiras da eirada e deslocando-se lateralmente antes de novo avanço (...) No bater rítmico dos manguais, as duas filas de homens deslocavam-se insensivelmente até uma beira da eirada e depois retrocediam com o mesmo movimento imperceptível. De vez em quando paravam para molhar a secura da garganta. O suor escurecia as camisas de estopa, castanhas de poeira, e às barbas por fazer agarravam-se pedacinhos de pragana. Depois recomeçavam, até que o fim de uma eirada mudava por um tempo a feição do trabalho.

  • 40 Fernando Galhano, ’Algumas notas sobre a debulha dos cereais’, "Geographica, Rev. da Sociedade de G (...)

96Conforme o vento, vinha das outras aldeias da serra o ecoar distante de outros malhos; nesse tempo, há uns quarenta anos atrás, não aparecera ainda a «malhadeira», e toda a debulha pedia o esforço violento das malhadas. Junto a cada eira erguiam-se as medas, e pelo seu número e tamanho se mediam as posses de cada um. Para cada nova eirada subia um rapaz para cima de uma delas e atirava cá para baixo molho após molho, que se desatavam e dispunham em camada espessa, fileiras sucessivas que iam recuando até ao outro lado da eira e que deixavam ao de cima uma capa áspera de espigas. Depois eram as passagens da malhada, o avanço e o recuo dos malhadores, a volta à palha, virando-a, às molhadas, em sentido inverso, e de novo o bater dos manguais. A esse trabalho ritmado, monótono e grave seguia-se o bulício do escolmar, o varrer e o juntar do grão, a limpeza da eira para a eirada seguinte. Entre uma nuvem de ciscos e palheiras, pequenos feixes eram sacudidos um em cada mão, juntos depois num molho único do qual arrancavam a palha e o colmo mais solto, à mão e com a ajuda do pé. A palha assim separada era logo levada por homens mais novos, à cabeça, em molhos enormes cingidos por uma ponta de corda ou atilho de giesta. As farripas quase escondiam quem os levava, e viam-se estes molhos avançar a correr contra a porta dos palheiros, de modo que o lanço vencesse o aperto das ombreiras. O colmo, esse, indispensável principalmente para a cobertura das casas, era atado em colmeiros e guardado à parte»40.

97Debulhado o trigo ou o centeio, a palha, empregada como comida para o gado, é conservada em medas junto da eira, isoladas nas terras baixas, geralmente em grupo nas aldeias serranas. Erguem-nas, com uma forma cónica abaulada, à volta de uma forte vara espetada no chão, largas no Minho, mais estreitas pelo litoral de Aveiro. Nos concelhos do Baixo Tâmega e Baixo Douro, são feitas com frequência em terrenos de encosta sobre uma grade de paus elevada do solo, utilizando o espaço debaixo delas para guarda de alfaias.

98As medas são rematadas por um corucho de palha amarrado à volta da vara. Esses coruchos são no geral ornamentados com flores feitas de espigas de palha, cruzes, etc. São apertadas por vencilhos e, em lugares mais expostos, descem deles varas ou ramagens que protegem as medas da ventania (fig. 91).

99O grão, por seu turno, era limpo ao vento (fig. 92); actualmente, essa limpeza faz-se quase sempre por meios mecânicos, numa tarara.

100No processo tradicional, as malhadas que apresentam maior riqueza dos aspectos apontados são as que tinham lugar em Terras de Basto. A descrição que segue refere-se a Tecla, no concelho de Celorico de Basto.

101Numa malha, em Tecla, os malhadores repartem-se em duas bandas iguais, que se postam face a face. Cada banda é formada por duas filas: na da frente alinham os terceiros, com malhos de terçar, de cabo curto e pírtigo espesso; na de trás, alinham os fecheiros, com malhos de fechar, de cabo comprido e pírtigo pequeno e leve, que brandem entre os terceiros. A fila dos terceiros tem pois mais um homem do que a dos fecheiros, e cada banda compõe-se sempre de um número ímpar de malhadores, a partir do mínimo de 3 (2 terceiros e 1 fecheiro). Há assim bandas de 3 (raras), de 5, de 7 (que são as mais convenientes), com 2, 3 ou 4 terceiros, e 1, 2 ou 3 fecheiros respectivamente; bandas de mais de 7 praticamente não se usam, e não funcionam satisfatoriamente.

102A composição das bandas é complexa, e exige malhadores esquerdos e direitos, consoante pegam no cabo com a mão esquerda ou com a mão direita à frente. Na fila da frente, na ponta esquerda tem de ficar um terceiro esquerdo, e na ponta direita um terceiro direito; nas bandas de mais de 3 ficam, a meio, um ou mais terceiros – o ou os centros –, que podem ser esquerdos ou direitos. Os fecheiros têm a mão condicionada pela mão dos terceiros à sua frente: se são dois esquerdos, o fecheiro tem de ser esquerdo; se dois direitos, ele tem de ser direito; se é um de cada mão, ele pode ser esquerdo ou direito. Terceiros ou fecheiros da mesma mão nunca alternam com os da outra mão.

103Nessa mesma fila da frente, a estas diferentes situações correspondem designações especiais: numa das pontas há sempre o cabiador, que é o terceiro com a mão da maioria dos malhadores da banda ; nas bandas de 3 e de 5, na outra ponta, há o tapa-banda, que é de mão oposta, e é o único terceiro dessa mão ; veremos que, na banda de 7, em lugar do tapa-banda há um segundo cabiador. Estas especiosidades, como adiante mostraremos, dizem respeito sobretudo aos aspectos competitivos da malhada.

104Na banda de 3 há 2 terceiros (esquerdo à esquerda, direito à direita) e 1 fecheiro, que pode ser esquerdo ou direito; mas a mão dêste determina a qualidade de cabiador do terceiro que é de mão igual à dele, e a de tapa-banda daquele que é de mão oposta.

105Na banda de 5, o cabiador é da mesma mão do centro, e o tapa-banda é de mão oposta; se o centro é esquerdo, o cabiador fica desse lado, e tem de ser também esquerdo; e o tapa-banda fica do lado direito, e tem de ser direito; se o centro é direito, o cabiador fica desse lado e tem de ser também direito; e o tapa-banda fica do lado esquerdo e tem de ser esquerdo; dos 2 fecheiros, o que fica entre o cabiador e o centro tem de ser da mesma mão do cabiador, entre o centro e o tapa-banda, pode ser da mão de um ou do outro.

1064 Terceiroscabiador (esquerdo), centro (esquerdo), centro (direito) e cabiador (direito). Não há tapa-banda. Devem ser neste caso, à frente, sempre dois malhadores esquerdos e dois direitos, senão «não arredonda a pancada».

1073 Fecheiros – um esquerdo, entre o cabiador e o centro (esquerdos); um esquerdo ou direito a meio; um direito, entre o centro e o cabiador (direitos).

108Esquema da ordem de queda dos malhos:

109Esta propositada diacronia na queda dos malhos é alheia ao acto concreto da debulha e visa apenas a obtenção de uma maior e melhor sonoridade da pancada, que afirma a superioridade da banda. Temperada por uma experiência empírica extremamente sensível e subtil, ela tem que desenhar-se dentro de limites muito estritos, sob pena dessa pancada sair arrufada, isto é, quando os malhos fazem brr-brr-brr e o som parece ser não simultâneo.

110Os fecheiros geralmente fazem mais esforço: o movimento angular do seu malho é muito mais amplo do que o dos terceiros; precisam de imprimir mais balanço ao malho para a pancada ribombar, enquanto que os terceiros contam, para o efeito, com o contributo importante do peso do seu pírtigo ; exige-se-lhes mais perícia para acertar com exactidão nos espaços, através da fila da frente; etc. (fig. 72).

111A disposição do centeio na eira varia apenas no que se refere à primeira fiada, que é sempre lançada de lés a lés num dos lados da eirada, que fica perpendicular à direcção que a malha vai tomar.

112Há dois sistemas para a disposição dessa primeira fiada: 1) de cruz ; 2) de combela.

1131) De cruz – Os molhos do centeio, que nesta fiada se mantêm atados, são retirados da meda e arrastados ou levados em braçadas para o ponto onde se vai iniciar a eirada e ali dispostos dois a dois em X – a cruz –, de pé, com as espigas para cima e o primeiro e último pares inter-cruzados (des. la) e travados a meio por um terceiro molho em forma de Y inclinado, de que as ramificações são o lado das espigas: uma entra por baixo e outra por cima do cruzamento; a perna fica apoiada no chão (des. 1 b).

114Um homem mantém esta espécie de tripé na vertical, amparando-o com um joelho. Vão-se juntando a este tripé mais molhos em X até ao fim da fiada, que é fechada com um tripé idêntico ao primeiro, que outro homem mantém igualmente na vertical. Dois homens saltam então para cima da fiada e, a passo certo, lado a lado, com as mãos apoiadas sobre os ombros um do outro, avançando em passo coordenado e reforçado, as pernas de dentro de ambos alternando com as pernas de fora, percorrem a fiada de modo a calcá-la, ficando os molhos estendidos um com as pontas para fora, outro com as pontas para dentro (des. 1c). O homem que segurava o último tripé, nesta altura, sai.

1 – Celorico de Basto, Tecla. Disposição da primeira fiada de molhos

1 – Celorico de Basto, Tecla. Disposição da primeira fiada de molhos

1152) De combela – Num dos cantos da eirada coloca-se, deitado no sentido do lado, um molho, atado, dividindo-o em duas partes desde as espigas até ao vencilho ; entre essas duas partes dispõem-se perpendicularmente a ele dois molhos desatados com os couços para fora da eirada. Sobrepondo-se parcialmente a estes, com avanço no mesmo sentido do primeiro, coloca-se novo molho atado e, sobre este, outros dois atravessados, também atados; e assim sucessivamente, de modo a formar uma barreira ao longo de todo o lado (des. 1d). O canto oposto remata com um fecho semelhante ao primeiro.

116Nas demais fiadas de um ou outro destes sistemas – cruz ou combela – os molhos são desatados. A primeira fiada é disposta sobre a fiada de base, de molde a que as espigas atinjam a linha limite exterior da fiada de base. As fiadas seguintes continuam a ser lançadas no mesmo sentido sobre as anteriores, atingindo uma altura de 70 cm, recuando cada fiada apenas a distância suficiente para deixar as espigas da anterior à vista, de modo que a eirada fique como uma toalha uniforme de espigas.

117A fiada de base tem por função não só amparar a eirada, mas também formar uma espécie de barreira permitindo que as espigas fiquem num nível muito mais alto do que os couces.

118O centeio é disposto por esta forma até final, não havendo, nos outros lados e nas cabeceiras, nenhuma forma especial de travação. Para impedir que o centeio escorregue, coloca-se uma escada sobre os couços da última fiada, a todo o comprimento.

119Uma malha compreende geralmente duas eiradas, decorrendo a primeira durante a manhã, até à hora de jantar (meio-dia) e a segunda durante toda a tarde; e cada eirada, por seu turno, desenvolve-se em duas fases.

120A primeira passagem é a saruga, em que se malha brandamente, com menos força que nas fases posteriores.

121A saruga começa pelo cabiar, malhando os três lados da eirada, as cabeceiras e o lado da combela ou da cruz (o quarto não, porque é formado pelo couços), certamente para acamar o centeio, criando como que uma espécie de moldura à eirada.

  • 41 Nunca poderão nesta fase malhar todos os malhadores, dada a exigência de, malhando em duas filas, s (...)

122Os malhadores colocam-se todos numa banda de duas filas41, postados sobre a eirada, virados para fora de uma das cabeceiras (des. 2 a e figs. 63-65).

123Os malhadores têm que se postar numa só banda e malharem de costas voltadas para o centro da eirada, porque, como o malho bate no extremo da eirada, se malhassem de fora da eirada para dentro, a pancada não assentava e espalhava o centeio da borda, « o que daria cabo da malha». «Assim, ao tempo que dão com o malho, caçam a palha para dentro».

124No cabiar, os malhadores correm primeiro uma das cabeceiras desde o lado da cruz até ao lado oposto, e vice-versa, deslocando-se lateralmente; seguem depois pelo lado da cruz, às arrecuas, até à outra cabeceira; aí voltam novamente as costas para o meio da eira, e seguem até ao lado oposto, e vice-versa, deslocando-se lateralmente; e finalmente de novo pelo lado da cruz, às arrecuas, até ao ponto inicial (des. 2 a).

125Depois de cabiar «apartam», isto é, separam-se as duas bandas e começa propriamente a saruga.

126Por vezes sarugam toda a eirada formados também numa só banda; mais frequentemente, porém, cabiadas as beiras, os malhadores tomam posição nas duas bandas típicas.

2 – Celorico de Basto, Tecla. Posição dos Malhadores

2 – Celorico de Basto, Tecla. Posição dos Malhadores

127Em seguida, a, ou as duas bandas continuam a malhar, uma recuando a outra avançando, ao longo da primeira carreira (a cruz ou a combela), e, chegando à outra cabeceira, os malhadores que recuavam deixam de malhar e essa fiada, ou eito, é terminada só pela banda que avança.

128Findado cada eito, esta banda de malhadores desloca-se lateralmente, começando a malhar sozinha e recuando até dar espaço para a entrada da outra banda (des. 2 b).

129Os malhadores que recuam é que têm direito à banda, isto é, são eles quem comanda o ritmo das pancadas.

130A outra banda, a que esteve fora, tem de fazer a sua entrada no intervalo exacto das pancadas da banda que recua.

131Chegado ao fim da saruga, a última fiada – que, como dissemos, por vezes se segura com uma escada – é, em alguns casos firmada ainda, no ponto em que os malhos caem, pela pressão do pente de um ancinho ou dois, seguros por um homem que, de fora, vai acompanhando a deslocação dos malhadores (figs. 66 e 72).

132Essa última carreira é a carreira pelas canelas, porque se bate nas canelas (couces) do cereal, que, nesta fiada, ficam a descoberto.

133Antes de passar à segunda fase – o bombear –, dão a mangoeira, isto é, um homem com o cabo de um mangual levanta a palha ao longo das duas cabeceiras, ao mesmo tempo que outros, com uma vassoura e com um ancinho, varrem para fora as sarugas (espigas ainda com grão) das beiras, que ficaram por baixo da palha sem ser debulhadas. Estas depois são deitadas para cima da eirada para serem malhadas ao bombear. A razão desta operação é as cabeceiras serem sempre menos bem malhadas.

134Bombear – O bombear consiste em malhar pela segunda vez toda a eirada, agora com plena força, mantendo-se a disposição dos malhadores em duas bandas. A bombeia é feita passando de uma cabeceira a outra, as duas bandas colocadas frente a frente mas um pouco deslocadas lateralmente. O sector batido por uma banda está sempre avançado em relação ao batido pela outra, sobrepondo-se, ao deslocarem-se, uns 30 cm (des. 2d e figs. 68, 69, 73).

135São os malhadores da banda que na última passagem do sarugar avançam, quem inicia agora o bombear recuando, e no mesmo ponto da eirada em que se terminara o sarugar.

  • 42 Fernando Galhano, ’Uma malha em Celorico de Basto’, ”Trabalhos de Antropologia e Etnologia”, XVIII, (...)

136É no bombear que o espírito de competição entre as bandas, que caracteriza toda a malha, e que adiante analisaremos, se começa a acentuar. Depois da saruga a palha apresenta-se mais calcada, batida, amolecida, a camada da eirada diminuiu de espessura, a palha ficou muito menos rígida e, por isso, a pancada ressoa sem ser tão abafada sobre o chão da eira. «Malham muito juntos, e as pancadas batem uma superfície muito pequena. O diferente movimento das mangueiras dá à malha um aspecto fora do usual, com a subida lenta dos malhos curtos desafinando do erguer rápido dos compridos; na descida, os grandes pírtigos dos malhos de terçar assentam surdamente na palha, como que a segurá-la para a pancada nervosa dos pequenos, que descem rápidos, a assobiar. O ritmo é lento; há como que uma pausa após cada pancada, em que os malhos esperam antes de tornar a subir, como se a malha não fosse um bater cadenciado e contínuo mas uma série de pancadas consecutivas, cada uma estudada e vibrada com violência especial. Quando, apesar de baterem muito juntos, os pírtigos se não chocam, a pancada ecoa, grave e sonora ; e é este som surdo e forte que é o orgulho das malhas. Certas eiras entoam mais que outras, pela sua construção ou situação ; e até algumas têm uma sonoridade especial quando por baixo delas há a sorte de passar alguma mina. Também dentro de cada eirada há sítios onde se «tiram» melhores pancadas pela própria espessura e disposição da palha»42.

137O nome desta fase da malha parece ser onomatopaico e vir-lhe exactamente do som especial (bum-bum) que fazem os malhos caindo sobre a eirada.

138Enquanto os malhadores bombeiam, um homem com um ancinho vai descolmando, isto é, tirando a palha que vai ficando solta e desalinhada de cima do centeio da eirada, para depois este poder ser virado.

139Depois do bombear, e após uma rodada de vinho (fig. 70), o centeio é virado (fig. 71).

140Para a bira começam por esconder a anha, isto é : a anha é a primeira peça a ser colocada na eirada. Geralmente consiste numa pele de ovelha – a ovelha que foi abatida para fornecer a carne da refeição dos malhadores – cheia de palha e praticamente escondida num envoltório de palha atado como se fosse um molho.

141A anha é colocada a meio da primeira fiada do lado oposto ao da combela ou cruz. Sobre ela são pousados braçados de centeio, um de cada lado, com as espigas a tocarem-se, formando assim uma espécie de cume sobre a anha. A fiada desenvolve-se para cada lado da anha, dispondo-se as manadas do centeio pelo sistema da combela atrás descrito.

142Seguidamente o centeio é voltado na direcção oposta à que tinha anteriormente, de modo que a parte que estava por baixo fique agora por cima (fig. 71).

143Os vencilhos dos últimos molhos que formavam a fiada da combela ou da cruz, são desatados; os couces são agora, aqui, amparados pela escada.

144A malha é interrompida durante cerca de 1 hora para dar lugar a uma primeira refeição dos malhadores (fig. 74).

145O trabalho reinicia-se com o malhar na bira, em duas bandas, correndo toda a eirada a bombear.

146Terminada a debulha desta eirada, os malhadores arrumam os manguais, bebem uma pinga de vinho e começam a espalhar o centeio.

147Esta operação consiste em seleccionar o colmo, sacudindo a palha de modo a separar as palheiras inteiras e compridas das partidas ou curtas e de quaisquer outros elementos (fig. 75).

148A partir do lado do fim desta segunda fase da eirada (que é o lado dos couces), os homens pegam em manadas de palha pelas espigas, uma em cada mão, levantam-nas e sacodem-nas no ar, juntando-as depois num só feixe e arrancando à mão, ou com a ajuda do pé, a palha quebrada ou curta. Mulheres e crianças recebem das mãos dos homens esses pequenos feixes, quatro ou mais e, em correria jovial, transportam essas braçadas de colmo para fora da eira, onde outras mulheres as atam em molhos muito grandes – os colmeiros.

149Ao atingirem o lado oposto os homens põem a descoberto a anha (figs. 76, 77) desencadeando o ritual da cerimónia do enterro do patrão, que é um dos aspectos do complexo cerimonial associado a este trabalho, e de que adiante trataremos (figs: 78 a 85, 87).

150Após a cerimónia do enterro do patrão, os homens regressam à eira. A palha que se desprendeu ao espalhar é levada às paveias com um ancinho para o palheiro. O grão é arrastado com um rodo, e varrido com vassouras para o alpendre, donde posteriormente, depois de limpo, será levado para as arcas onde fica guardado.

151Dispõem a segunda eirada, que fica ao sol enquanto os malhadores vão comer a grande refeição do meio-dia.

152Depois dessa refeição, por volta das três horas da tarde, voltam à eira e malham essa eirada, do mesmo modo que a primeira.

153Ao longo do dia aparecem sempre malhadores estranhos ao pessoal da malha (fig. 86), muitas vezes já em grupos solidários, que pedem para participar, defrontando-se com os presentes. Mas a última carreira – o malhar na bira – pertence sempre aos malhadores próprios da malha.

154O encontro da anha que, como vimos, tem lugar no final da malha da primeira – ou da única, se há apenas uma – eirada, constitui o primeiro elemento teatralizado do complexo cerimonial que se encontra associado às malhas.

155Quando a representação simbólica da anha – exteriormente mais ou menos expressiva, por vezes mesmo um simples molho de palha – fica a descoberto, um dos homens precipita-se sobre ela, agarra-a, levanta-a no ar, e todos os presentes irrompem em grande vozearia e manifestações eufóricas, assinalando ruidosa e espectacularmente o acontecimento, ao mesmo tempo que arvoram cruzes feitas de duas facheiras de palha. Essa erupção ruidosa cessa de imediato dando lugar a ’’ma grave concentração em que os homens se dispõem em círculo, no meio da eira, prelúdio breve que antecede o cântico do meio da eira, um Kirie plangente e lúgubre, embora com letra burlesca, só por homens, em que um deles «bota o alto» (figs. 78 e 79) ; alguns velhos, neste momento descobrem-se; e «àquela hora pesada e silenciosa do verão, as vozes ecoam estranhas pelas quebradas, misturando-se, às vezes, com outras vozes que, ao longe, noutras eiras, cantam também a mesma canção. Qualquer coisa de misterioso e solene paira no ar, apesar do tom faceto que acompanha certos versos.

156A canção é assim :

Quem no meio da eira não bebe,
Palha e colmo se lhe perde
Mas se nos der bem de beber,
Palha e colmo (não) se lh’á-de perder.
Nossa ama perdeu as chabes
Na margem do çabolinho,
Nossa Senhora as depare,
Siquer as chabes do binho.
Comadres, minhas amigas
Folgai todas que cá benho,
Morreu o nosso compadre,
Digam todos e de bem.
– A morte do meu marido
Já cá era desejada.
Ainda me ’stá dando o riso,
Dos tombos qu’a a cuba daba.
Se ele era amigo dos grelos,
Andaba pelos nabais,
Se ele era amigo das belhas
( – Eu não ! Eu também não. Dizem alguns)
Eu das nobas muito mais.
Innãos da mesericórdia
Que o meu marido lebais.
Desbiai-o das esquinas,
Num s’apegue ele aos cunhais.
Fazei-lhe a coba bem funda
Que não boite ele cá mais.
Se ele é rico e tem dinheiro,
Faz-lhe o funeral inteiro
Se ele é pobre e não tem nada
Passaio-o p’la peneira rala.
Assim no quer, assim no terão
Pater Nostre, crieleisão.

157Quando terminam a canção, agarram o patrão, que fingem dominar pela força, (fig. 80) e levam-no em braços, como se estivese morto» (fig. 81). Mais raramente agarram a patroa e, neste caso, levam-na presa por um cordão de palha: um homem em cada ponta do cordão, fazem um cerco e envolvem-na pela cintura com uma volta completa, forçando-a a caminhar.

158«Da eira até à adega forma-se uma espécie de préstito fúnebre. À frente segue um malhador, com a fralda de fora (num arremedo de sobrepeliz), de cruz de palha alçada, feita previamente para a cerimónia, e a declamar frases em latim estropiado. Os acompanhantes seguem todos, mais ou menos solenes, com feixes de palha nas mãos, como se fossem archotes para alumiar o «defunto», que vai nos braços robustos de dois (ou quatro) malhadores» (figs. 81 a 83). O cortejo pára diante da porta da adega à qual se bate por três vezes com os pés do «morto», compassada e fortemente (fig. 84) ; à terceira pancada a porta escancara-se e o «morto» levanta-se e vai buscar uma grande caneca de vinho, cujo aparecimento é festejado ruidosamente. « A malga cheia de verdasco vai passando de uns para os outros, bebendo o morto tanto como os vivos» (fig. 85).

159Terminado este episódio regressam ao mundo concreto do trabalho.

160A segunda parte deste cerimonial – a queima da anha – tem lugar à noite, depois da ceia: « É já noite escura e os homens saem com lampiões para preparar a cena. Revestem um grande pau de pinho com feixes de palha no meio de um campo, e colocam no alto a figuração da anha.» Depois encostam uma escada de vindimar a uma árvore próxima, para onde sobe o pregador. Vai começar a solenidade.

161As pessoas da casa e os vizinhos começam a juntar-se, alumiados por lampiões e archotes, e o pregador inicia uma espécie de sermão fúnebre. Acompanha os gestos do sinal da cruz com a seguinte fórmula burlesca:

É de pelo signo
É do Santo Cruço
É do alto de Bamboé
É de trambolazé
É de nomine Pater
É de tantos pataratas
ou
É de pelo signo
É do alto de Jordião
Cujá cabeça do Papa
À Senhora da Conceição
Mais uma benzedela
À poupa enfeitada
Fica a obra
Mais bem apilarada

162Entram seguidamente em comentários, onde são passados em revista todos os acontecimentos do dia e sobretudo se acentuam os aspectos mais marcantes da competição que se manifestou durante a malha, em tom burlesco ou sarcástico, pronunciando-se o nome dos vencedores e dos vencidos; no caso em que as forças se equilibraram, diz-se que «a anha arrebentou no ar». Segue-se a declaração do testamento burlesco dos bens da anha. Antes de descer da escada o «pregador» anuncia o sacrifício da anha pelo fogo, ao mesmo tempo que se despede dela e lhe pede perdão.

163«Terminado o discurso (...) o orador desceu a escada e, juntamente com outro malhador com uma cruz de palha alçada, com uma espécie de camisão vestido sobre as calças e de chapéu de palha em tricórnio, para tomar ares de sacerdote, aproximou-se da anha e, com uma lumieira de colmo acesa, lançou-lhe o fogo.

164Mal a palha começou a arder levantou-se um alarido medonho. Os homens berravam como possessos – Ai a minha querida anha!Ai que a não volto a ver ! (figs. 87).

165Era uma espécie de paródia à morte de uma pessoa de família, que nestas aldeias costuma ser chorada em altos brados, pela necessidade de exteriorizar a dor publicamente.

166As mulheres riam das figuras burlescas que faziam os homens, mas as crianças, de olhos esbugalhados, olhavam espantadas para aquela cena macabra.

167Quando a anha ficou reduzida a cinzas e a pedaços de palha carbonizada, fez-se o enterro solene dos restos mortais. Um lavrador abriu no campo uma cova funda semelhante às que se fazem nos cemitérios, deitou lá para dentro os restos da anha e, solenemente, voltaram todos a cantar o meio da eira, que já tinham cantado no enterro do patrão, ao meio dia.

  • 43 Jorge Dias, ’Sacrifícios simbólicos associados às malhas’, ”Terra Lusa – Revista de Arqueologia Art (...)

168Na noite escura, alumiados por lampiões e lumieiras, aquele grupo de homens a entoar com voz lúgubre um cântico arrastado e plangente tomava, por vezes, um ar sinistro. Mas, por fim, a alegria irrompeu de novo, quando o do tricórnio de palha começou a ler os responsos da anha em tom faceto, no meio das piadas dos companheiros. Estava terminada a cerimónia: a anha repousava na sua cova de terra fria, que iria fecundar com as suas cinzas»43.

  • 44 Ernesto Veiga de Oliveira, ’Aspectos do compadrio em Portugal’, "Actas do III Colóquio Internaciona (...)

169A organização deste tipo de trabalho, colectivo, gratuito e recíproco, exprime de uma maneira muito clara a perdurabilidade de formas qualitativas de economia, plenas de valores afectivos, desconhecendo «as puras categorias económicas objectivas, da produção, do trabalho, do capital, do juro e do preço e o valor, e a obrigatoriedade estricta do tempo», subsistindo, «a despeito dos seus inconvenientes, porque em relação à terra, o trabalho é ainda principalmente pão e vida, e não lucro nem dinheiro, e porque o elemento lúdico é um factor fundamental, que não se dissocia do económico ; ignora-se a contabilização agrícola, e a rotina sub-produtiva esconde um sentido quase ainda místico dos cultivos tradicionais basilares »44.

170O espírito de competição que anima várias fainas agrícolas revela-se muito vigorosamente nas malhadas da região de Basto.

171De facto, um observador atento que tenha assistido a uma dessas malhas não pode deixar de notar a importância desse elemento. Após um dia de trabalho extenuante, com as camisas encharcadas de suor e negras da poeira da eira, quando o centeio se encontra totalmente debulhado, esses homens continuam a malhar – agora na carreira dos malhadores – em que se malha literalmente apenas palha, tateando com os pés e procurando os pontos da eira que julgam mais propícios para «tirar melhores pancadas», dominados apenas por puro espírito de competição.

  • 45 Fernando Galhano "Uma malha em Celorico de Basto”, op. cit., p. 353.

172A assitência, que por vezes é muito numerosa, silencia (fig. 86). O momento é de espectativa, mais ou menos prolongada. « É sempre delicado tentar acabar bruscamente, já que ninguém gosta de se dar por vencido; e é muitas vezes uma graça de qualquer, a meia voz, o pretexto que o dono aproveita para, largando o mangual, dar por acabada a malha»45.

173A competição varia, pois, no sentido inverso do trabalho útil – o que é importante para caracterizar a sua natureza fundamentalmente lúdica.

174O afinamento técnico, orientado mais para formas simbólicas do que concretas – o elemento sobressaliente é, como vimos, a produção de pancadas altamente sonoras – põe em jogo e desenvolve o sentido do ritmo e estimula a resistência.

175O mecanismo da oposição inter-bandas, exacerbado durante o trabalho, é controlado nos seus excessos possíveis pelas refeições em comum, criando uma atmosfera dè fraterno convívio que une todos os elementos num grupo solidário.

  • 46 Ver a este propósito, Ernesto Veiga de Oliveira, ’O jogo do pau em Portugal’ ”Geographica, Rev. da (...)

176Mas se o controlo dessa oposição inter-bandas se torna operante dentro da própria comunidade, já o mesmo não acontece quando uma das bandas se afronta com outra de freguesia vizinha. Neste caso, cada banda identifica-se e corporiza a sua própria aldeia que com ela fortemente se solidariza. O antagonismo que se desenha durante a malha, não raro amplia-se ou enxerta-se em oposições e rivalidades vicinais existentes, que um sócio-centrismo indiscriminado exacerba46.

177A tradição oral regista façanhas que por vezes tomavam o aspecto de batalhas campais, em que os adversários se atacavam a mangual.

178Como dissemos, a comida é um dos elementos lúdicos relevantes neste trabalho.

179As alusões a certos animais –cabra e anha– durante o trabalho, e a frequência com que estes animais aparecem na ementa, não são mera coincidência.

180Na verdade, o compasso inicial da malha é dado quando um dos homens, trepando para o cimo da meda do centeio, grita:

À ieira!
C’a cabra já tcheira !
À ieira!
C’a cabra já tcheira !

181E o encontro e a queima da anha constituem, como vimos, dois dos aspectos fundamentais do ritual das malhas.

182A qualidade e a abundância da comida e da bebida relacionam-se também com sentimentos de emulação vicinal. Por vezes essas refeições assumiam aspectos de comesainas pantagruélicas, quando a vaidade do dono queria afirmar perante os vizinhos a riqueza da sua casa. Em terras de Basto ficou célebre uma malhada para a qual se matou uma vitela e se bebeu meia pipa de vinho.

Notes

1 Estas serras que, como dissemos, representam as ramificações finais do maciço-gaiaico duriense, constituem ali a raia com a Espanha.

2 1373 na serra da Peneda ; 1415 na do Soajo ; 1563 na do Gerez (A. Sérgio, op. cit., p. 77).

3 Visto do alto da Pedrada, na Serra do Soajo, a mais de 1400 m de altitude, o rio Lima, que corre no sopé dessa Serra, parece uma lâmina a brilhar ao sol, num amplo vale rasgado a direito, a perder de vista, até ao mar, que se adivinha a mais de 50 km de distância, a Oeste.

4 Paredes e muros, segundo diversos processos, calcetamentos, esteios para ramadas, coberturas de edifícios em certas partes e casos, etc. Veja-se Fernando Galhano ’Algumas aplicações do xisto’, in "Douro Litoral – 8.a Série”, V-VI, Porto, 1957, pp. 565-570.

5 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, Coimbra, 1945, pp. 175-179; id. ’Agricultura’, in "Dicionário de História de Portugal”, I, Lisboa, 1963, pp. 61-62.

6 Idem, pp. 156-157: «O género Ulex está representado por dezanove das vinte e duas espécies que compreende; dessas são endémicas sete e cinco variedades; parece, assim, provável que os tojos se originassem no litoral português».

7 Ver Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Gaihano e Benjamim Pereira, "Actividades Agro-Marítimas em Portugal”, Lisboa, 1975.

8 Alberto Sampaio, ’As Vilas do Norte de Portugal’ in ”Estudos Históricos e Económicos”, Porto, 1923, p. 33, nota que antigamente – parecendo aludir a tempos remotos–, as populações «viviam sobretudo dos rebanhos, que num largo período do ano se criavam em montes ricos de pastagens e no uso colectivo dos vizinhos» (tal como, no seu tempo, sucedia no Barroso), pois por toda a Província abundavam as pastagens comuns, quer nos montes, quer nas terras fundas. A provar a natureza colectiva originária das pastagens, cfr. a mesma obra, pp. 34-35 (Ver adiante, nota 50).

9 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Med. e o Atl.,” p. 171. Idem, ’Agricultura’, in "Dicionário de História de Portugal”, I, p. 61: lande « de azinheira ? de carvalho depois de macerada em água para tirar o amargo?»

10 A vida agrícola era muito limitada: as melhores terras não eram aproveitadas, os processos eram muito rudes e pouco produtivos, as casas não possuíam celeiros (necessários a uma lavoura de maior vulto) ; etc. ; alimentavam-se de landes (ver nota anterior) e castanhas, que trituravam em mós manuais, vinho raro, e manteiga (em vez de azeite). O principal da alimentação era fornecido pelos animais e seus derivados. Bebiam cerveja e celiam (preparada com malte de trigo). « O clima chuvoso, produzindo abundância de pastagens, permitia a sustentação de rebanhos numerosos, de que os homens se nutriam principalmente » (Alberto Sampaio, op. loc. cit., pp. 26-28).

11 Alberto Sampaio, op. loc. cit.

12 Alberto Sampaio, op. loc. cit., pp. 100 a 102 : «Por isso que nesta época as águas não estavam laqueadas, nem se tinha operado a terraplanagem artificial de grande parte das glebas... escolheram-se para a produção cerealífera os terrenos com uma certa secura e de superfície plana ou quase, onde o arado pudesse trabalhar com facilidade, pois os cereais então usados não eram cultiváveis em terras carregadas de humidade. As chãs das encostas, as planuras dos outeiros as planícies enxutas dos vales, realizavam naturalmente estas condições, sem exigirem obras de arte: os terrenos desta qualidade, ...receberam a denominação de ager, agri ...Mas como as villas se repartiram logo em sub-unidades, a cada uma delas necessariamente devia ser deferido um retalho desse campo cerealífero...; por tal motivo foi dividido em pequenas áreas – leiras...»
Ás agras pertencem hoje a muitos proprietários, que representam juridicamente os antigos cultivadores dos casalas, quintanas e villares; quando as villas se extinguiram, cada uma das sub-unidades ficou com a parte que ali lhe tinha sido atribuída; e como estas persistiram, persistiu também a divisão em leiras desses terrenos, que foram, depois dos cimos montanhosos, os primeiros cultivados em cereais». Ver nota 36.

13 Alberto Sampaio, op. loc. cit., p. 35. Com efeito, «a creação dos gados era a exploração agrícola predominante, como é presentemente em Barroso». «Num período... muito próximo da actualidade, grande parte dos campos, e com certeza os considerados hoje mais valiosos agricolamente, eram simples pastagens; os vales fundos e terra húmida, antes do mais, não teriam outro destino». (Ver adiante, nota 50). Cfr. também Orlando Ribeiro, "Portugal, o Med. e o Atl.”, pp. 172 e 175.

14 Alberto Sampaio, op. loc. cit., p. 35. Com efeito, «a creação dos gados era a exploração agrícola predominante, como é presentemente em Barroso». «Num período... muito próximo da actualidade, grande parte dos campos, e com certeza os considerados hoje mais valiosos agricolamente, eram simples pastagens; os vales fundos e terra húmida, antes do mais, não teriam outro destino». (Ver adiante, nota 50). Cfr. também Orlando Ribeiro, "Portugal, o Med. e o Atl.”, pp. 172 e 175.

15 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 172.

16 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 172; Benjamim Pereira, ’A Sidra no Norte de Portugal’, in "Trabalhos de Antropologia e Etnologia”. XVIII 3-4, Porto, 1960-1962, pp. 362-366.

17 Ibid. p. 173.

18 Ibid.

19 Ibid., pp. 174-178.

20 Essa alta densidade populacional do Noroeste ocorria já nos tempos castrejos; e, em referência ao século XVII, Duarte Nunes de Leão nota que na região de Entre-Douro-e-Minho «a gente plebeia é tanta que cada dia sai como enxame de abelhas para todas as partes do reino; não há lugar onde se não achem muitos homens de Entre-Douro-e-Minho para lavor e cultura da terra, em ceifas, em marinhas, em adubio de vinhas e outros serviços no mar e na terra, assim em Lisboa como em Alentejo e reino do Algarve e nas partes de África, onde de cabouqueiros e servidores e homens de armas há grande número» (ap. António Sérgio, op. cit., pp. 76-77).

21 «A propriedade minhota não está somente muito dividida por numerosos possuidores; está ainda – e é um dos seus caracteres mais especiais – miudamente retalhada com relação à casa de cada um deles. Os bens de cada proprietário constam de uma porção mais ou menos numerosa de glebas dispersas: uma leira separada das leiras circunvizinhas pelos pequenos carvalhos encavalados pelas uveiras ou por meio de um simples rego enquadrado no meio da água colectiva com um caminho comum ; mais longe, outra leira; aqui a terra, seca; além o lameiro; acolá a bouça, o chão de pinhal ou o souto de castanheiros» (Ramalho, ap. A. Sérgio, op. cit., p. 77).
L. A. Rebelo da Silva, "Memória sobre a População e a Agricultura em Portugal desde a Fundação da Monarquia até 1865”, Lisboa (Imprensa Nacional), 1868, pp. 109-110, fala (citando as Memórias da Academia Real das Ciências de Lisboa, tomo 10, parte 10, pp. 262-sg.) no sistema de constituição da propriedade rural seguido no Minho por D. Afonso III e D. Diniz, que nos parece estar na origem deste facto característico da região, e que, «em seu primitivo plano», consistiu (certamente consagrando um estado de facto anterior), em «dividir os terrenos em casais distribuídos a dez, a vinte, ou a trinta povoadores, pagando de ordinário cada casal o seu foro, em cereais, galinhas e dinheiro, além das direituras, dos serviços pessoais, da luctuosa e muitas vezes da colheita. A cada casal correspondia uma porção suficiente de terra de lavoura com maninhos para romper, baldios para pastagens, e matos para estrumes vegetais. Todos os terrenos cultivados, por morte do caseiro ou enfiteuta principal, entravam na partilha dos herdeiros, sendo cada um deles obrigado a inteirar ao foreiro princioal. que era o encabeçado, e como tal o único sujeito à luctuosa, o seu quinhão de foro. Todas as terras incultas revertiam para a coroa. para o concelho, ou para o senhorio, mas como o interesse próprio animava a agricultá-las, na realidade só ficavam maninhos os terrenos do termo dos municípios ainda não distribuídos, ou os casaes que, não podendo com os encargos, bastantes vezes excessivos, ou por outra causa qualquer, chegavam a despovoar-se. Estes ou tomavam a ser aforados, ou eram arrendados a seareiros que os faziam valer». Ver nota 74.

22 Actualmente, a vinha de enforcado está a ser preterida pela vinha em ramadas. Ela mostra-se ainda com grande exuberância, bordando os campos, nas Terras de Basto, em Guimarães e em Fafe, aqui geralmente em duas fiadas paralelas de uveiras.

23 De facto, a cultura do linho a nível caseiro relacionava-se com um conceito qualitativo de vida económica, em que cada família procurava abastecer-se a si própria sem ter de recorrer a um numerário que era escasso, e em que se ignoravam ainda as técnicas de criação de mercados e as facilidades de difusão dos produtos: era essa cultura (conjugada com o pastoreio de ovinos) quem respondia inteiramente às necessidades de tecidos para roupa de vestir e de casa, sacaria, etc. O ciclo do linho, neste nível de produção, servido por uma tecnologia muito elementar, não é porém sustentável à luz de uma economia quantificada; a este facto, aliado ao desenvolvimento industrial e dos transportes, às referidas técnicas de difusão dos produtos, e à mudança radical dos valores tradicionais do mundo rural, determinou a adopção pouco menos que definitiva dos tecidos feitos nas fábricas. Há também que mencionar o abandono da linhaça, que tanta importância teve então na farmacopeia caseira.

24 Em Vila da Ponte (Montalegre), Campos (Boticas), Capeludos de Aguiar (Vila Pouca de Aguiar), etc., as filhozes que se comem no sábado de Carnaval – o sábado fliolheiro – eram, até há poucos anos, feitas com farinha de milho miúdo (e fritas em manteiga de porco), que ali se cultiva e usa apenas para esse manjar. « O milho miúdo, na região, representa a cultura arcaica, agora desaparecida perante a recente expansão do milho – e que se mantém apenas em pequeníssima escala, com vista às filhozes do Entrudo». Ernesto Veiga de Oliveira, ’Manjares Cerimoniais do Entrudo em Portugal’ nas "Actas do XXIII Congresso Luso-Espanhol – Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências”. Tomo VIII, 7.* Secção, Coimbra, 1956, pp. 299-310, esp. 304.

25 Para os sistemas de rega, veja-se Jorge Dias e Fernando Galhano, ”Aparelhos de elevar água de rega”, Porto, 1953.

26 Ver notas n.os 30 e 50.

27 Orlando Ribeiro, "Portugal o Mediterrâneo e o Atlântico”, p. 50. «A disseminação anda ligada à fertilidade da terra e à cultura intensiva, a uma intimidade maior da casa com o campo» (o milho); por isso o Autor nota, com razão, que ela é um fenómeno atlântico, próprio de regiões de clima ajustado às culturas intensivas. «Desde a Idade Média, mas sobretudo em data muito recente, a colonização das terras ganhas para a cultura fez-se sempre por meio das habitações dispersas, que progridem ao longo dos caminhos, animados pelo trânsito, enquanto, no cimo dos montes, as povoações velhas decaiem e se arruinam.» Jorge Dias, ”Minho, Tras-os-Montes et Haut-Douro”, p. 16, ’La polyculture intensive conduit à la dissémination de l’habitat’. No século XVI ainda se faz menção da raridade de povoações juntas: as freguesias disseminavam-se pelos casais e logarejos, e as sedes dos concelhos eram às vezes apenas a casa das audiências, situada num lugar ermo no meio da área da freguesia (Orlando Ribeiro, "Port. Med. Atl.", p. 185 Ver também nota 67.

28 Ernesto Veiga de Oliveira, ’Trabalhos Colectivos, Gratuitos e Recíprocos em Portugal e no Brasil’ in ”Revista de Antropologia”, 3-1, São Paulo, 1955. Ver também Carmelo Lisón Tolosana, ”Antropologia Cultural de Galícia”, Madrid, 1971, pp. 120-172, a análise antropológico-cultural destes trabalhos colectivos como forma de « comensalidade ».

29 A produção dos adubos do curral tem vindo a diminuir em consequência da redução dos quantitativos de mato que se roçam. Para lá das consequências negativas que tal facto implica, releva-se ainda a que deriva de grande parte dos montados ficarem sem roçar, transformando-se em matagais que são uma presa fácil para incêndios, muio difíceis de combater.

30 Conhecem-se duas acepções para este termo: passagem da grade sobre a terra; e largura de terra correspondente à largura da grade.

31 Jorge Dias, Fernando Galhano e Ernesto Veiga de Oliveira, ‘A região e a casa gandaresa’, "Trabalhos de Antropologia e Etnologia”, XVII, Porto, 1959, pp. 421-422.

32 Em certos casos, hoje, vêem-se tractores que fazem a vez da cava na «vezeira». O seu rendimento porém, nestes socalcos muito exíguos, é reduzido porque uma grande parte do socalco, nos extremos e beiradas, tem de ser feito à enxada. Por outro lado, segundo a tradição, a leiva deve ser «picada» à enxada, e as pessoas não são dispensadas.

33 Em 1976, na Granja, Vila Real, os homens ganhavam 250$00 por dia, as mulheres 120$00, e os rapazes que transportavam o estrume para os campos em cestos, 50$00.

34 Estas aldeias encontram-se em grande decadência ; algumas estão praticamente despovoadas, e vimos uma mesmo totalmente abandonada. A abertura de estradões de acesso, a instalação de rede eléctrica e canalização de águas, que recentemente teve lugar, não conseguiram sustar o êxodo das populações que, privadas da sua base económica fundamental, os rebanhos, que a florestação da serra proibiu, não se puderam aguentar. com os únicos recursos da sua magra e difícil agricultura.

35 Neste sistema de partilha de águas comuns, Alberto Sampaio, op. loc. cit., vê uma prova da natureza comunitária primitiva das terras que agora são campos mas que eram originariamente pastagens: «Das pastagens comuns nas terras fundas, posto que a sua extinção não seja tão recente, sobrevivem contudo delas vestígios irrecusáveis. Tais são os que afloram em certas águas indivisas, chamadas de torno tornas, ou de torna tornas : este regime, desconhecido pelo Código Civil e pelas Ordenações precedentes, tem-se mantido apesar das leis portuguesas. As águas assim denominadas pertencem a um grupo de lavradores, de um ou mais lugares, como os montes maninhos ou baldios; os compartilhantes tomam delas a parte de que precisam, govemando-se por costumes especiais; em sítios, quem primeiro torna a água, aproveita-se dela enquanto a guarda; – em outros, deixa no talhadoiro ou pigeiro o chapéu ou um ramo de carvalho, e enquanto existem ali aqueles símbolos de apropriação ninguém a desvia ; – em outros, a água tomada corre sempre até cobrir a gleba ; –enfim, também há localidades em que cada um toma livremente, quando quer, sem mesmo se importar com a presença do vizinho que está fazendo uso dela; mas as águas assim indivisas no outono, inverno e parte da primavera, são divididas no estio; apropriadas nesta última estação, voltam a ser comuns no resto do ano. Num país onde a água é com razão considerada como agente principal da fertilidade, esta singularidade não é explicável sem nos retrotrairmos a uma época em que na extensão regada pasciam em comum os rebanhos dos antepassados desses que hoje ainda se aproveitam dela; as águas fertilizavam então prados comunais, como os do Gerez ; depois que essa superfície se retalhou em campos e apareceu a propriedade individual, a água foi igualmente dividida no tempo da cultura, mas conservou-se no pé anterior quando as mesmas glebas voltavam nas restantes estações à produção primitiva» (pp. 34-35).

36 Ver Fernando Galhano, ’Etnografia agrícola – Medas de palha’, "Gazeta das Aldeias”, n.° 2426 (1960); e Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, "Construções primitivas em Portugal”, Lisboa, 1969, pp. 57-59; e Fernando Galhano, ’Cabanas’, Douro Litoral, "Boletim da Junta de Província”, Quarta Série, I-II, pp. 78-83.

37 Amorim Girão, ”Montemuro – A mais desconhecida serra de Portugal”, Coimbra, 1940, descreve estas operações naquela Serra como segue: «Pelo fogo destrói-se o matagal. Cava-se depois o terreno. Segue-se a cultura do centeio que se faz com períodos de pousio maiores ou menores e se toma itinerante. Cultiva-se um ano aqui, outro ano além. Cada vizinho amalhoa ou marca por meio de covas feitas na terra ou montes de terra e pequenas pedras (malhões) um certo lote de terreno para nele fazer a sua cavada; esse lote de terreno passa então a ser propriedade particular até à ceifa, voltando depois ao regime comunal. Os terrenos baldios são aproveitados por todos os moradores de cada povoação» (p. 125). Devemos dizer que, no Montemuro, não vimos as coisas passarem-se desta maneira. A Serra, já em 1930, estava totalmente repartida em sortes apropriadas individualmente (e até registadas na Conservatória de Cinfães) não existindo baldios ; bastava que um só vizinho se opusesse à pastagem dos rebanhos transumantes vindos, da Serra da Estrela, na sua propriedade para que esses rebanhos não pudesem pastar no monte (e esse facto teve realmente lugar várias vezes). O processo de preparação da sementeira descrito por Amorim Girão também não coincide com o que observamos: os piornos eram cortados e levados para casa como lenha, o terreno era cavado e, como dissemos, o raizame, a lenha miúda e os torrões só então eram queimados. As culturas não se faziam no mesmo lugar mais do que um ano, mas cada um fazia-as só nas suas próprias terras.

38 Fernando Galhano, ’Medas de trigo e centeio no norte de Portugal’, ”Gazeta das Aldeias”, n.° 2439, 1961.

39 Maria Palmira da Silva Pereira, "Fafe – Contribuição para o estudo da linguagem, etnografia e folclore do concelho” (separata da Revista Portuguesa de Filologia, vols. III, IV e V), Coimbra, 1952, p. 60.

40 Fernando Galhano, ’Algumas notas sobre a debulha dos cereais’, "Geographica, Rev. da Sociedade de Geografia de Lisboa», III-10, Lisboa, 1967, pp. 22-23.

41 Nunca poderão nesta fase malhar todos os malhadores, dada a exigência de, malhando em duas filas, se requerer um número ímpar de malhadores. Sai por isso geralmente um.

42 Fernando Galhano, ’Uma malha em Celorico de Basto’, ”Trabalhos de Antropologia e Etnologia”, XVIII, 3-4, Porto, 1960/62, p. 354.

43 Jorge Dias, ’Sacrifícios simbólicos associados às malhas’, ”Terra Lusa – Revista de Arqueologia Artística e Etnografia”, n.° 1, Lisboa, 1951, pp. 12-22.

44 Ernesto Veiga de Oliveira, ’Aspectos do compadrio em Portugal’, "Actas do III Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros”, I, Lisboa, 1959, pp. 156-157; veja-se também Carmelo Lisón Tolosana, op. loc. cit.

45 Fernando Galhano "Uma malha em Celorico de Basto”, op. cit., p. 353.

46 Ver a este propósito, Ernesto Veiga de Oliveira, ’O jogo do pau em Portugal’ ”Geographica, Rev. da Sociedade de Geografia de Lisboa”, VIII-32, Lisboa, 1972, p. 56.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search