Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Introdução

Texte intégral

1O território português forma um quadrilátero irregular, alongado no sentido meridiano, com cerca de 500 a 600 Km de comprimento por cerca de 150 a 250 Km de largo, e cerca de 90 000 Km2 de superfície; e passa por ele, mais ou menos a meio do seu comprimento, o paralelo 40° N.

2A Oeste e a Sul, o País é limitado pelo Oceano Atlântico; a Norte e a Leste, liga-se à Espanha por uma fronteira política, apoiada por vezes em elementos naturais, que contudo não consagram quaisquer diferenças paisagísticas entre as regiões confinantes de um e do outro lado da raia.

  • 1 Expressões usadas por Orlando Ribeiro, Jorge Dias ou Mariano Feio.

3Conquanto banhado apenas pelo Atlântico – Portugal é mesmo o único país europeu nessas condições –, o País, e mormente a sua parte Sul, que prolonga a Espanha meridional, insere-se no bloco mediterrâneo; o Atlântico, ali, apresenta-se como um vestíbulo do Mediterrâneo, e o Algarve, como um anfiteatro aberto às influências africanas1.

  • 2 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, Coimbra, 1945, passim. e esp. p. 64: « É (...)

4Em relação com essa posição especial, o País é atravessado pela extrema dos ventos dominantes do Oeste, que se carregaram de humidade sobre o Oceano, e da faixa de ar seco das latitudes sub-tropicais; este limite desce de Inverno, quando os ventos atlânticos varrem todo o País, provocando porém chuvas mais abundantes nas zonas montanhosas, que favorecem as condensações; e sobe no Verão, cobrindo-o de uma atmosfera límpida, quente e serena, quebrada apenas, no litoral, por vezes, pelas névoas trazidas pelas brisas marítimas2.

  • 3 Essa diversidade insere-se numa uniformidade climática básica de tipo geral mediterrâneo: Orlando R (...)

5Deste modo, Portugal encontra-se de facto no ponto de confluência dos tipos climátjcos característicos das regiões banhadas por cada um destes dois mares, sofrendo a sua dupla influência; e este facto determina certas particularidades e contrastes extremamente expressivos que se notam no seu conjunto regional, nomeadamente entre as terras do Norte e as do Sul (segundo uma linha coincidente aproximadamente com o curso do rio Tejo e a vertente meridional da Cordilheira Central, que o divide em duas superfícies aparentes sensivelmente iguais), e especialmente no que se refere ao seu clima e vegetação e, por isso mesmo, à sua paisagem em geral3.

  • 4 António Sérgio, "História de Portugal”, T. I – ’Introdução Geográfica’, Lisboa, 1941, pp. 51-54.

6O País fica na queda da Meseta Ibérica para Oeste; e, sob um ponto de vista diferente, essa oposição Norte-Sul traduz-se noutros contrastes, que completam a sua definição: o Sul, fundamentalmente de planuras interiores, escassamente povoado, e com um litoral de arribas, agreste e hostil, que representam a continuação da planície estremenha espanhola em que a sub-meseta meridional se abaixa; e o Norte, muito acidentado, que por sua vez mostra dois painéis bem diferenciados: o Noroeste, de relevo extremamente inquieto, mas, a Poente, de baixas altitudes, densamente povoado, e com um litoral de praias arenosas, amenas e acessíveis; e o Nordeste, que prolonga a própria Meseta, isolado do Noroeste – e do Sul – por uma barreira de montanhas que formam o pedestal da parte portuguesa do planalto mesético: ao norte do rio Douro, as serras minhota e transmontana, que representam a continuação do maciço galaico-duriense da sub-meseta setentrional; e, ao sul desse rio, a Estrela e o Caramulo (com os seus últimos prolongamentos no Montejunto e Sintra, até ao Cabo da Roca), que, por seu turno, representam a continuação da Cordilheira Central castelhana4.

  • 5 Orlando Ribeiro, "Expressão da Terra Portuguesa”, loc. cit., pp. 295-312, esp. 297/8: «Portugal, co (...)

7Sob o ponto de vista das condições climáticas e fito-climáticas, de latitude e de relevo (e de certos aspectos culturais com elas relacionados), Portugal, é pois um país complexo, em que sob um fundo de características meridionais, uniformemente temperado na sua essência, coexistem influências atlânticas e mediterrâneas agindo com maior ou menor incidência ou duração conforme as diversas regiões – atlânticas sobretudo no Noroeste, mediterrâneas sobretudo no Sul (onde porém se encontram certas feições e zonas de fisionomia atlântica), e ainda continentais, a Nordeste (onde paralelamente se encontram aspectos mediterrâneos)5.

8O revestimento vegetal assinala e sublinha de modo particularmente expressivo este poliformismo climático, traduzindo, na sua variedade, as influências atlânticas e mediterrâneas – a Norte do Tejo e sobretudo no Noroeste, a preponderância das espécies atlânticas, e em especial de arvoredo de folha caduca; a Sul desse rio, a preponderância das espécies mediterrâneas, e em especial do arvoredo de folha perene – de tal maneira que.certas espécies europeias e mauritâneas encontram aqui os seus limites Sul e Norte, respectivamente.

9O Noroeste, o Nordeste, o Sul, são pois as três grandes regiões naturais em que, em linhas muito gerais, a diversidade do País se exprime mais claramente (prolongando aliás, como dissemos, as áreas espanholas confinantes), e que, tendo em atenção as suas feições extremas, costumamos designar, de acordo com o esquema de Orlando Ribeiro, por: a) Portugal atlântico, a Noroeste; b) Portugal transmontano, a Nordeste; e c) Portugal mediterrâneo, ao Sul.

10É evidente que nesta classificação apenas se tomam em conta alguns elementos diferenciadores e caracterizadores daquelas três grandes regiões, e sobretudo quando as consideramos em contraposição umas com as outras. Na realidade, uma análise mais fina individualiza sub-áreas ou mini-áreas, definidas por elementos geográficos e etnográficos (e até por vezes dialectais), e esbate diferenças, mormente em zonas de contacto e transição, que constituem regiões intermédias em que elementos de tipos diversos – condições climáticas e espécies vegetais próprias daquelas várias regiões – coexistem ou se sobrepõem, dando lugar a hibridismos, por vezes bem caracterizados.

11Assim, no Portugal Atlântico distinguem-se as zonas do litoral e do interior, da Serra e da Ribeira, das terras altas e baixas, etc. Na faixa ocidental do sector meridional desta área, a Ria de Aveiro individualiza-se como uma unidade perfeitamente diferenciada, que só se pode compreender pela análise das suas feições próprias.

12O rio Vouga constitui uma fronteira fundamental, sob múltiplos aspectos naturais e culturais; deste rio para o Sul, aos caracteres atlânticos nortenhos vão-se misturando progressivamente elementos climáticos e fito-climáticos mediterrâneos, sobretudo depois de passado o rio Mondego, até ao rio Tejo, e, ainda mais acentuadamente, ao rio Sado; aliás, essa fronteira não atravessa o País de lés-a-lés, porque a Leste aqueles caracteres também se atenuam, até se perderem de encontro à montanha.

  • 6 Cfr. Virgílio Taborda, ”AJto Trás-os-Montes”, Coimbra, 1932, pp. 12-13. Orlando Ribeiro, "Portugal, (...)

13No Portugal transmontano, por seu turno, existe uma diferença fundamental, em função não da latitude, mas do relevo e altitude: a Terra Fria, correspondendo ao planalto e à serra, e a Terra Quente, correspondendo aos grandes vales abrigados; nesta última, individualiza-se com uma forte personalidade geográfica e cultural o Alto-Douro, que constitui uma verdadeira ilha mediterrânea encravada em plena Terra Fria6.

14Em contraste com o Norte Atlântico, todo o Sul Mediterrâneo pode sem dúvida considerar-se uma unidade, porque há um grande número de características comuns a toda a área; mas na realidade, das três grandes regiões é esta a menos homogénea, compreendendo três grandes complexos regionais, nitidamente demarcados: o Ribatejo, com uma feição peculiar; o Alentejo, em que se distingue o Baixo e o Alto-Alentejo (que se prolonga pela parte meridional da Beira Baixa), e o Algarve (daquele separado pelos pendores da Serra Algarvia, a qual constitue também uma sub-unidade definida), que é sem dúvida a província mais acentuadamente mediterrânea do País, mas onde, em simetria com o enclave mediterrâneo do Alto Douro, no Nordeste Transmontano, a Serra de Monchique se apresenta, sob certos aspectos, como uma área atlântica implantada no Sul Mediterrâneo. E o mesmo se pode dizer da Serra de Sintra, na área estremenha onde predominam as características mediterrâneas.

  • 7 Outros autores têm proposto divisões territoriais diferentes, em função de factores vários; assim, (...)

15Não nos ocuparemos especialmente destas sub- e mini-áreas, nem das zonas de contacto e transição, porque, embora por vezes assumam formas muito originais, no complexo das suas características muitos dos elementos fundamentais que as compõem definem-se mais nitidamente nas três grandes regiões-tipo7.

*
* *

  • 8 ’Portugal – Geografia Humana – Vida Rural’, in "Focus – Enciclopédia Internacional”. Vol. IV, p. 54 (...)
  • 9 Manuel Villaverde Cabral "Materiais para a história da questão agrária em Portugal – Sécs. XIX e XX (...)

16Em Portugal, até há poucos decénios, as actividades agrícolas constituíam praticamente, com a pesca e o pastoreio, as formas únicas da vida do povo; e ainda hoje elas ocupam um lugar primordial no quadro geral da economia do País8, a despeito da magnitude crescente da indústria e, sobretudo, da importância maior da problemática que esta suscita9.

  • 10 "Portugal – Focus”, pp. 54 e 57: «Diversas características da agricultura portuguesa são suficiente (...)
  • 11 Como dissemos, ocupar-nos-emos da vinha, da oliveira, das fruteiras, em especial do figo, da amêndo (...)
  • 12 Por exemplo: a batata, nas áreas de Montalegre e da Póvoa de Varzim; a cebola, nesta última área, e (...)

17Essas actividades consistem essencialmente no cultivo dos principais cereais produzidos e consumidos entre nós – o milho, o trigo, e o centeio10– que recobrem a paisagem rural de um modo pouco menos que exclusivo, e que modelaram a própria vida campesina portuguesa – além das culturas arvenses, do vinho, do azeite, da silvicultura (cortiça, etc.), fruteiras11, e de uma horticultura em pequena escala para consumo caseiro e local, junto das aldeias, ou, mais raramente, em certas zonas ou perto de núcleos urbanos, em grandes campos especializados12.

  • 13 Orlando Ribeiro, ’Milho’, in "Dicionário de História de Portugal", Vol. III, Lisboa, 1968, pp. 58-6 (...)

18O Milho – A difusão do milho processou-se rapidamente, após a introdução desse cereal, no Centro e Noroeste do País, zonas húmidas que lhe eram mais favoráveis; mais tarde, já nos princípios do século XIX, a sua expansão atingiu Trás-os- Montes e Beiras Interiores (e prossegue ainda em nossos dias). No Sul, o milho entrou na rotação da policultura regada da Estremadura e do Algarve, constituindo nesta última província, como no Noroeste, elemento importante da alimentação humana – as papas –. No Alentejo e Ribatejo, o milho, para penso do gado, é cultivado em regime extensivo e de sequeiro, frequentemente semeado nos alqueives do trigo13.

19É no Entre-Douro e Minho, Beira Alta e Beira Litoral, áreas onde o pão, base da alimentação, é a broa, de farinha de milho (misturada com a de centeio), que a cultura deste cereal é mais vultosa. Essencialmente de regadio, a sua cultura ocupa por isso a área húmida do Noroeste, em campos fechados, onde alterna com prados no inverno, locais de pastagem e produtores de forragem para o gado grosso (que aí constitui o complemento animal indispensável e da maior importância desta lavoura), no regime rotativo de campo-prado, ao mesmo tempo que com uma policultura intercalar, sobretudo feijão e abóbora, horticultura variada, vinha e fruteiras, tudo regado. E é sem dúvida aí que o seu cultivo se apresenta sob formas mais ricas e expressivas.

  • 14 A. H. de Oliveira Marques, ’Trigo’, in "Dicionário de História de Portugal", IV, Lisboa, 1971, pp. (...)

20O Trigo – O trigo, que requere terras férteis, com invernos frios e verões quentes, e sem excessiva humidade, já cultivado nesta parte da Península antes da invasão romana, toma depois desta grande incremento. Apesar da impropriedade do nosso clima e dos nossos solos à sua prática, ele já se estendia na Idade Média a todo o País; factores económicos e políticos influenciaram fortemente a sua cultura nos séculos seguintes; a expansão da oliveira e da vinha nos séculos XVI a XVIII, e a divulgação do milho, provocaram, por seu lado, diminuição sensível da sua área. No século XVII as zonas de maior produção localizavam-se no Ribatejo, Alentejo e parte da Estremadura; só no século XIX, com o desbravamento da charneca alentejana, esta província passou a ser a grande área nacional produtora de trigo14

21O Centeio – Cultivado já em tempos pré-históricos nesta faixa atlântica da Península, o centeio ocupava aí, ao longo da Idade Média, o terceiro lugar a seguir ao trigo e à cevada (e talvez até depois do milho miúdo). Cereal que se dá em terras pobres e secas, suportando climas ásperos com temperaturas altas no Verão e baixas no Inverno, a sua cultura, embora praticada por todo o País, localizou-se, através dos séculos, principalmente nas zonas altas em geral, e sobretudo nas terras magras de Trás-os-Montes, Beiras e Alentejo; e apenas diminuiu a partir das últimas décadas do século passado, quando a preferência pelo trigo foi reduzindo a sua procura.

  • 15 A. H. de Oliveira Marques, ’Centeio’, in ”Dicionário de História de Portugal”, I, Lisboa, 1963, pp. (...)

22Hoje, o centeio cultiva-se em escala apreciável apenas nas serras do Norte e do Centro, e principalmente em Trás-os-Montes, onde o pão é ainda em grande parte feito com esse cereal. Na área tradicional do milho, o seu cultivo reduz-se quase ao necessário para a «mistura» da broa; fora daí, só em terras na verdade muito pobres ele continua a ser praticado15.

23Porventura pela antiguidade da sua cultura e pela sua debulha ter sido feita a mangual até tempos muito recentes, na maior parte do País, às malhas deste cereal estão associadas remotas práticas rituais, mais ou menos evidentes.

  • 16 «Portugal pode-se dividir, quanto ao cereal de que se faz pão, em 3 áreas distintas: a das terras a (...)

24Vê-se assim que a cada uma das três grandes áreas fito-climáticas em que o País aparece dividido, corresponde essencialmente, por razões específicas de natureza geográfica e histórica, um destes cereais: no Noroeste, com o seu clima de influências atlânticas predominantes, o milho, ao qual convêm terras frescas, regas abundantes, pequenas explorações de tipo familiar, em regime intensivo; no Nordeste, serrano e planáltico, com o seu clima violentamente contrastado, de influências continentais predominantes – e sob a acção arcaizante da montanha – o centeio, ao qual convêm terras secas e altas; no Sul, com o seu clima de influências mediterrâneas predominantes, o trigo, ao qual convêm igualmente terras secas, a «aridez mediterrânea», mas mais ricas, e grandes explorações abertas, em regime extensivo16.

25É evidente que em cada uma destas áreas fundamentais, além do cereal mais ajustado, se cultivam os outros dois, em maior ou menor escala: no Noroeste, o centeio constitui mesmo uma cultura tradicional e muito remota, que, como veremos, ainda hoje ocupa as terras aráveis mais secas e pobres; e, por outro lado, por toda a parte vai avançando o trigo, à medida que o pão deste cereal, fabricado progressivamente em padarias mecânicas, outrora reservado a dias de festa ou ocasiões de doença, se vai generalizando em prejuízo da broa de milho. Mas o certo é que o tom geral da agricultura desta região é dado, sem dúvida, pelo ciclo do milho, a sua técnica agrária e a sua alfaia própria. Aliás, tendo em atenção alguns aspectos extremamente expressivos de que a cultura do centeio se reveste aqui, a ela nos referiremos também em especial.

26No Nordeste, ao mesmo tempo que a área do milho se vai ampliando e alargando para Leste, o centeio cede, em muitas partes, a primazia ao trigo; mas, na verdade a cultura do trigo, aqui, nada tem de comum com a mesma cultura no Sul do País, mostrando o arcaismo de processos e conceitos que caracterizam a cultura de centeio.

27No Sul, e designadamente no Alentejo, o milho é hoje cultivado em escala relativamente larga, para alimento do gado; mas é-o em regime extensivo e de cultura exclusiva, em amplos tractos de terreno abertos, geralmente de sequeiro, e ignorando a estrumação – ou seja: sem nada de comum com a agricultura do Noroeste.

28Não é nosso objectivo, neste trabalho, descrever todos os particularismos locais das técnicas agrárias conhecidas no nosso País. Descreveremos apenas, em termos genéricos (e como introdução explicativa da função e razão de ser das nossas principais alfaias agrícolas), as técnicas usadas no cultivo daqueles três cereais, como formas fundamentais – porque ligadas às principais actividades campesinas – usadas em cada uma das três grandes regiões em que dividimos o País: a lavoura mais característica e tradicional do milho, ou seja a lavoura primordial e mais representativa do Noroeste atlântico; a lavoura mais característica e tradicional do centeio, ou seja a lavoura primordial e mais representativa do Nordeste planáltico; e a lavoura mais característica e tradicional do trigo, ou seja a lavoura primordial e mais representativa do Sul mediterrâneo.

Notes

1 Expressões usadas por Orlando Ribeiro, Jorge Dias ou Mariano Feio.

2 Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico”, Coimbra, 1945, passim. e esp. p. 64: « É no litoral português que se extremam duas regiões climáticas diferentes: a mediterrânea e a oceânica »; e do mesmo Autor, ’Expressão da Terra Portuguesa’, in "Ensaios de Geografia Humana e Regional”, Vol. Primeiro – 3 – Lisboa, 1970, pp. 296-297; id. ’Geografia Física-Portugal’ in: "Focus, Enciclopédia Internacional”, Lisboa, 1968, pp. 52-53; Mariano Feio, ’Le Bas Alentejo et l’Algarve’, in "Congrés International de Geographie”, Lisbonne, 1949, p. 5.

3 Essa diversidade insere-se numa uniformidade climática básica de tipo geral mediterrâneo: Orlando Ribeiro, "Geografia Física”, loc. cit.: «a tonalidade mediterrânea, particularmente na distribuição das chuvas, revela-se por toda a parte: a seca estival é um facto, ainda que reduzida no NO; as chuvas concentram-se no fim do Outono e principio do Inverno, com um máximo em Março...»; e do mesmo Autor, "Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico” passim e esp. p. 62: «os traços essenciais da agricultura portuguesa têm o cunho do Mediterrâneo: o predomínio dos cereais, entre estes o trigo e o milho, a importância das culturas arbustivas e arbóreas, a extensão das áreas de regadio, e a preponderância do gado miúdo»; e também Mariano Feio, ’Clima e ocupação agrícola de Portugal’, in "Geographica”, I, Lisboa, 1965, p. 4: «Portugal situa-se na zona de clima mediterrâneo (com chuvas na estação fria, ao contrário do caso mais geral) ». Ver nota 10.

4 António Sérgio, "História de Portugal”, T. I – ’Introdução Geográfica’, Lisboa, 1941, pp. 51-54.

5 Orlando Ribeiro, "Expressão da Terra Portuguesa”, loc. cit., pp. 295-312, esp. 297/8: «Portugal, com os cordões de relevo oblíquos ao litoral, recebe a aragem oceânica, húmida e morna de Inverno, e fresca de Verão (...). Climas portugueses: clima atlântico, húmido, com chuvas abundantes, Inverno bem marcado, Verão moderado e curto; clima de afinidades já continentais, mais seco, de Inverno frio e seco e Estio ardente, nos planaltos de Trás-os-Montes, que estes separam do mar e dos seus ventos moderadores; clima cada vez mais mediterrâneo à proporção que se caminha para o Sul, com chuvas escassas e concentradas, Inverno moderado e sem neve, Primavera fugaz e instável, Verão longo e quente, que se prolonga pelo Outono luminoso e tépido»; e p. 302: «Uma nesga mediterrânea à beira do atlântico, num contraste de relevo realçado pela passagem de um importante limite climático, numa terra afeiçoada pelas gerações desde que o homem é homem, duas marcas bem vincadas de civilização – a romana e a árabe – que não apagaram por completo o rude arcaísmo de lugares perdidos no isolamento das montanhas, uma população vigorosa ainda muito enraizada na terra que vai revolvendo para dela tirar sustento – tais são os motivos de que procede a fisionomia geral do território. » Ver também nota 10.

6 Cfr. Virgílio Taborda, ”AJto Trás-os-Montes”, Coimbra, 1932, pp. 12-13. Orlando Ribeiro, "Portugal, o Mediterrâneo e Atlântico”, p. 237. Jorge Dias, ’Minho, Trás-os-Montes et Haut-Douro’, in "Congrés International de Geographie”, Lisbonne, 1949.

7 Outros autores têm proposto divisões territoriais diferentes, em função de factores vários; assim, por exemplo, José Leite de Vasconcelos divide o País, sob o ponto de vista etnográfico, em três zonas: Norte, Centro, e Sul; o Norte compreendia as províncias de Entre-Douro-e-Minho e Trás-os-Montes; o Centro, as Beiras (que, historicamente constituiram um principado nos séculos XVIIIe XIX); e o Sul, a Estremadura, o Alentejo e o Algarve (que desde a Idade Média se designava com o título de reino). É, como vemos, apenas uma ordenação, demasiado esquemática e sem definição de características. António Sérgio, por seu turno, dando grande importância à linha do Tejo, estabelece, no. País, em função de factores naturais-sociais, as seguintes regiões, recobrindo aproximadamente em essência, a própria divisão provincial: para Norte do Tejo: Além -Douro Litoral ou Cismontano (Minho); Além Douro Transmontano (Alto Trás-os-Montes); Alto Douro; Beira Litoral; Beira Central (ou Beira Alta); Beira Transmontana; Beira Meridional (ou Beira Baixa). Depois, cortados pelo curso inferior do Tejo, o Centro Litoral (Estremadura) e o Ribatejo, sob a influência do mercado e do grande porto de Lisboa. A seguir, já ao sul do Tejo: o Alentejo Litoral; o Alto Alentejo; o Baixo Alentejo; o Algarve (pp. 75-85).
O Prof. Amorim Girão divide o País igualmente nos três sectores: Norte, Centro (como área de transição N-S), e Sul; e considera, em relação a este esquema, três categorias de regiões naturais: regiões litorais, regiões de transição W-E, e regiões interiores. Esta divisão completa-se com outras em que se definem os caracteres fito-climáticos, geológicos, de relevo, etc., e em que se inserem as diferentes províncias: no Norte litoral situa-se o Entre-Douro-e-Minho e a Beira Litoral – que já marca uma transição, indicada claramente na designação da zona que lhe corresponde: zona Mediterrâneo-Atlântica, com predomínio de caracteres atlânticos; a Estremadura prolonga essa zona de transição, e a zona que lhe corresponde leva o nome de zona Atlântica-Mediterrânea, com predomínio de caracteres mediterrâneos; o Algarve coincide com a zona Mediterrânea; o Alentejo Continental e a Beira-Baixa situam-se numa zona Ibero-Mediterrânea, que combina caracteres mediterrâneos e ibéricos, enquanto que o Alentejo Ocidental e o Ribatejo se situam numa zona Sub-Mediterrânea; o Alto-Trás-os-Montes, da Terra Fria, e a Beira Transmontana, situam-se numa zona Sub-Atlântica, e o Alto-Douro e dum modo geral as Terras Quentes transmontanas, constituem as mencionadas «ilhas» de clima mediterrâneo que se individualizam no Norte. A Beira-Baixa é nitidamente de transição, entre zona Atlântica e outra Sub-Atlântica. Como vemos, esta classificação articula-se no esquema que adoptamos.

8 ’Portugal – Geografia Humana – Vida Rural’, in "Focus – Enciclopédia Internacional”. Vol. IV, p. 54. «A vida rural ocupa lugar predominante em Portugal. Números redondos, a agricultura, criação de gado e exploração florestal contribuem com 4/5 do valor das produções nacionais, e 3/4 das exportações; a estas actividades se dedica perto de metade da população». Ver Oliveira Marques,’ ’Introdução à História de Agricultura em Portugal”, Lisboa, Cosmos, 1968, pp. 25-32, a discussão do problema de adequação do solo português às culturas cerealíferas. Sob o ponto de vista histórico, veja-se contudo a tese de António Sérgio que dá primazia às actividades marítimas, em contraposição à concepção clássica de «monarquia agrária», de José Lúcio de Azevedo, in ”História de Portugal”, T. 1 – "Introdução Geográfica”, Lisboa, 1941, passim, esp. p. 73.

9 Manuel Villaverde Cabral "Materiais para a história da questão agrária em Portugal – Sécs. XIX e XX”, Porto, 1974, p. 9.

10 "Portugal – Focus”, pp. 54 e 57: «Diversas características da agricultura portuguesa são suficientemente significativas para revelarem profundas influências mediterrâneas: predomínio dos cereais, do trigo e milho entre estes, e do gado miúdo; extensão e importância das culturas arbustivas e arbóreas e das áreas de regadio – Aquilo a que se chama campo destina-se fundamentalmente à produção de cereais para consumo da população; isto não exclue o cultivo intercalar ou em rotàção, de cereais para o gado (cevada, aveia), de outros alimentos para o homem (feijão, grãode bico, fava, batata), ou para os animais (fava), ou ainda de produtos para estrume (tremoço). A área ocupada pelos três principais cereais é de 1427 936 ha; cabem 44% ao trigo, 33,9% ao milho e 22,1% ao centeio (1965)». Orlando Ribeiro, ’A cultura do trigo no Sueste da Beira – Aspectos e Problemas Geográficos’, in "Boletim Fed. Nac. Prod. Trigo”, 5, Lisboa 1943, pp. 16-18: «Numa agricultura como a nossa, destinada muito mais a prover às necessidades do país do que a concorrer aos mercados internacionais, o cereal de que se faz o pão ocupa quase sempre o primeiro lugar na paisagem cultural »; e o mesmo Autor, «Port. o Med. e o Atl.», p. 95, indica que «1/3 da superfície total do País é consagrada ao cultivo dos cereais: Alentejo e Estremadura, 86% para o trigo; Minho e Beiras, Alta e Litoral, 66% para o milho; Trás-os-Montes, e Beira Interior, 53 % para o centeio». Ver contudo nota anterior, a nova visão da questão aí consignada. Ver nota 16

11 Como dissemos, ocupar-nos-emos da vinha, da oliveira, das fruteiras, em especial do figo, da amêndoa, da laranja e da silvicultura, sobretudo da cortiça, noutro trabalho em preparação.

12 Por exemplo: a batata, nas áreas de Montalegre e da Póvoa de Varzim; a cebola, nesta última área, e nomeadamente nos «campos de masseira» da Aguçadoura; a horticultura, nos arredores das cidades, e nomeadamente de Lisboa; etc.

13 Orlando Ribeiro, ’Milho’, in "Dicionário de História de Portugal", Vol. III, Lisboa, 1968, pp. 58-64.

14 A. H. de Oliveira Marques, ’Trigo’, in "Dicionário de História de Portugal", IV, Lisboa, 1971, pp. 209-213.

15 A. H. de Oliveira Marques, ’Centeio’, in ”Dicionário de História de Portugal”, I, Lisboa, 1963, pp. 552-553. O Autor, "Introdução à História da Agricultura em Portugal”, Lisboa (Cosmos), 1968, pp. 66-68, nota que em Trás-os-Montes, o centeio, embora fosse, já na Idade Média, o principal cereal, era pouco (devido ao despovoamento, ao precário aproveitamento da terra e ao primitivismo da sua exploração) e por vezes foi necessário recorrer-se à sua importação.

16 «Portugal pode-se dividir, quanto ao cereal de que se faz pão, em 3 áreas distintas: a das terras altas e montanhosas, onde o centeio domina, como mais adaptado a solos pobres e às rudezas do clima; a dos vales e encostas banhadas pela humidade atlântica ou batidas por ventos carregados de vapor, ricos de águas de chuva e de rega, onde prospera o milho; finalmente, as terras baixas, com verão longo e seco, e os solos ricos, mais próprios para a cultura do trigo». Ver final de nota 10.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search