Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Nota do director da colecção

J. Pais de Brito

Texte intégral

1A Alfaia Agrícola Portuguesa culminou um longo percurso de investigação que, durante três décadas, reuniu a equipa de etnólogos dirigida por Jorge Dias a partir do Centro de Estudos de Etnologia, criado no Porto em 1947. Tratou-se, então, de formular e desenvolver um programa de levantamento etnológico do País, incidindo, prioritariamente, no conhecimento das tecnologias e técnicas em uso na sociedade rural tradicional portuguesa. A metodologia proposta comportava o inquérito extensivo a todo o território continental (posteriormente alargado ao arquipélago dos Açores), um espectro de campos em estudo bastante diversificado e considerado da maior relevância para o conhecimento dessa sociedade agrícola tradicional (carros de bois, sistemas de atrelagem, sistemas de armazenamento de cereais, sistemas de moagem, tecnologias têxteis, arquitectura, além do conjunto diversificado das alfaias agrícolas) e teve como objectivo o estudo sistemático e monográfico de cada um desses campos e a preocupação de, com eles, ajudar a revelar e descobrir diversidades regionais do País, recorrendo ao método cartográfico para distribuição dos fenómenos em manchas relativamente contrastadas.

2Este livro que teve a sua primeira edição em 1977 (com uma reimpressão em 1983) propõe a síntese final dos estudos parcelares entretanto feitos e que se reportam aos modos e meios de agir sobre a terra e as suas produções, num quadro de vida rural anterior (ou incorporado já) às inovações técnicas e tecnológicas traduzidas pela introdução de equipamentos e maquinarias industriais, com recurso a novas energias, para além do esforço do homem e do animal.

3Reeditá-lo hoje é reafirmar a sua importância intrínseca de estudo etnológico de grande relevância para a análise comparada no contexto europeu em que investigações semelhantes foram produzidas. Mas, com a passagem do tempo e as profundas transformações ocorridas na sociedade rural portuguesa (e em Portugal, no conjunto dos secotres da sua actividade económica), julgamos que esta obra adquire uma nova dimensão e perspectiva, junto com o registo etnográfico que procurou ser, pois, é já enquanto documento do passado que ela vai ajudar a fazer a história e a melhor perceber os homens e as suas relações, numa sociedade agora evanescente. Enxadas, arados, grades, foices, foicinhas, manguais, trilhos, ancinhos, forquilhas, cestaria, acompanham-nos desde o acto de revolver a terra à colheita do cereal e à sua debulha e transporte, remetendo-nos para os contextos sociais da sua utilização.

4No ano em que o Museu Nacional de Etnologia prepara O Voo do Arado, exposição sobre a agricultura portuguesa desde meados do século, uma nova edição de Alfaia Agrícola Portuguesa é igualmente um modo de a fazer participar do debate alargado a um público muito mais amplo, que vai poder contactar, parte dele pela primeira vez, com a realidade de um mundo rural que sofreu profundas mutações e o complexo de problemas que o foi caracterizando. É aliás este o quadro histórico em que, à escala local e regional, se procuram inventariar e restituir estes instrumentos ligados ao trabalho da terra, organizando colecções, exposições e museus que se propõem, como catalizadores de identidades, fixar memórias de saberes e práticas. E, neste processo, este livro constitui uma base de orientação indispensável.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search