Version classiqueVersion mobile

Alfaia agrícola portuguesa

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Os autores

Texte intégral

1Ernesto Veiga de Oliveira nasceu na Foz do Douro (Porto) em 1910. Fez o liceu na sua cidade natal e formou-se em Direito – e mais tarde em Ciências Históricas e Filosóficas – em Coimbra. Advogou durante dois anos, mas após sucessivas experiências, ingressa, em 1944, no funcionalismo público, que abandonará para, finalmente, abraçar a carreira da investigação científica.

2Em 1932 situa-se o seu encontro com Jorge Dias, a quem fica ligado por uma profunda e inalterável amizade. Passam a ser companheiros nas andanças pelo País juntamente com Fernando Galhano, amigo de longa data. Margot Dias e Benjamim Pereira, que conhece mais tarde. São finalmente estes elementos que, em 1947, formam o grupo pioneiro que deu corpo ao Centro de Estudos de Etnologia, que iria levar a cabo a renovação dos estudos etnográficos em Portugal. A partir de então, a sua vida identificou-se com os trabalhos do Centro, e seguidamente também com os do Centro de Antropologia Cultural c sobretudo do Museu de Etnologia, criado segundo uma concepção renovadora da Museologia e que restará como a expressão mais acabada da sua obra. Faleceu em 1990.

3Fernando Galhano nasceu no Porto em 1904. Um profundo sentido de liberdade fixa a sua actividade fundamental na pintura. Em 1948 integra o pequeno grupo que Jorge Dias reúne no Centro de Estudos de Etnologia e, mais tarde, em 1963. ingressa no Centro de Estudos de Antropologia Cultural e Museu de Etnologia onde se afirma como um extraordinário e original investigador. Além dos estudos que publicou, individualmente ou em co-autoria com Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira, deixa nos arquivos daqueles três organismos um corpus fabuloso de desenhos etnográficos que o qualifica como um dos maiores desenhadores etnográficos do seu tempo.

4Benjamim Enes Pereira nasceu no dia de Natal de 1928 em Montedor, Viana do Castelo.

5A convite de Jorge Dias ingressa, em 1959, no Centro de Estudos de Etnologia e, em 1963, no Centro de Estudos de Antropologia Cultural e seguidamente no Museu de Etnologia com os quais mantém uma permanente relação de colaboração até ao presente.

6A partir de décadas de intenso trabalho de campo com os outros investigadores dos referidos Centros, escreveu um vasto conjunto de trabalhos, individualmente, dos quais destacamos Máscaras Portuguesas e Bibliografia Analítica de Etnografia Portuguesa, e, em conjunto, no levantamento sistemático das tecnologias tradicionais ligadas à vida rural portuguesa, tais como Construções Primitivas em Portugal, Actividades Agro-marítimas em Portugal (já reeditados nesta colecção), e Tecnologia Tradicional Portuguesa – O Linho, Sistemas de Moagem, etc.

© Etnográfica Press, 1995

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search