Version classiqueVersion mobile

Espigueiros portugueses

 | 
Jorge Dias
, 
Ernesto Veiga de Oliveia
, 
Fernando Galhano

O problema das origens

Texte intégral

Hipóteses

  • 1 Em apoio desta hipótese, o A. menciona também a existência, nas Astúrias, de casas rurais cujo térr (...)
  • 2 O A. amplia mesmo a sua interpretação palafítica deste elemento arquitectónico às colunas dos templ (...)

1A problemática fundamental relativa ao espigueiro diz principalmente respeito às suas origens; as opiniões daqueles que se têm dedicado ao estudo deste tão curioso elemento cultural são, não apenas desencontradas, mas mesmo em certos aspectos primordiais, radicalmente opostas. Frankowski, num livro que se pode considerar a obra clássica fundamental sobre o assunto e o primeiro estudo global e sistemático do tema, Hórreos y Palafitos de la Peninsula Ibérica, estabelecendo embora uma diferença fundamental entre os espigueiros ou canastros galaico-portugueses, estreitos e destinados estrita e exclusivamente à secagem e arrecadação do milho em espigas, e os largos «hórreos» asturianos e vascos, que servem de celeiro e arrumação de toda a espécie de cereais e produtos agrícolas, queijos e carne, roupas, e até, por vezes, de habitação no Verão, secando-se aí as espigas de milho ao ar livre, em réstias que se penduram pelo lado exterior das paredes do «hórreo», e guardando-se este cereal no «hórreo» apenas depois de debulhado, filia contudo uns e outros igualmente nas construções típicas das civilizações lacustres, das quais julga encontrar vestígios e sobrevivências espalhadas por esta área pensinsular. Ao longo de todo o seu trabalho, sente-se que o autor foi vivamente impressionado pela verificação da existência das construções sobre estacaria das aldeias piscatórias do centro do litoral português, a partir da qual construiu a sua hipótese; para ele, com efeito, tais construções relacionam-se com os numerosos – embora duvidosos – restos de aldeias lacustres que aparecem na Galiza, postulando uma velha cultura palafítica, grandemente difundida por todo o N.W. peninsular, da qual os «palheiros» do litoral português constituíram uma sobrevivência perfeita1; e, assim, seria dessa cultura primitiva que derivaram nomeadamente certos elementos característicos daquilo que designa como sendo a «casa portuguesa » : 1) andar de habitação sobre um térreo de arrumações e cortes de gado, que vieram ocupar o espaço antes existente entre a estacaria; 2) colunas sobre que assenta parte desse andar e, de um modo geral, utilização da coluna como solução normal de apoio2; 3) escada exterior de acesso ao mesmo andar. Esta hipótese reforça-se sobretudo com a consideração dos «hórreos» como forma cultural de remota raiz tradicional, que são a última manifestação dessa civilização palafítica, e que, ao mesmo tempo que representam a aplicação e adaptação, a pequenos edifícios de arrecadação agrícola, das formas fundamentais da suposta construção primitiva regional, indigitando desse modo a sua origem, acusam, ilustram e documentam, por outro lado, os diversos estádios sucessivos do processo evolutivo por que passou essa construção desde a sua época lacustre primitiva até à casa actual: com efeito, pode admitir-se que, tal como sucedeu com os espigueiros e é neles ainda hoje visível, na casa habitacional se verificou, ao longo dos séculos, a passagem de palafitos de verga e, mais tarde, de madeira a casas de andar, pelo simples aproveitamento do espaço entre a estacaria, a princípio fechando-o apenas entre as colunas e em seguida suprimindo as colunas e, finalmente, pela petrificação de todas estas estruturas.

  • 3 Juan Lopez Soler, Los Hórreos Gallegos, memorial LXXXV da Soc. Esp. de Antrop. Etnol. y Prehistoria (...)

2Juan Lopez Soler, por seu turno, num estudo sobre o espigueiro galego3 que, como dissemos, deve considerar-se em comum com o português, parte, pelo contrário, de uma diferença essencial entre aquele e o «hórreo» asturiano: para ele, o espigueiro galego, ou galaico-português, está estreitamente relacionado com o milho em espiga, o qual requer uma arrumação e secagem especiais, que determinam as suas características. E, por essa razão, entende que tal tipo de edifício só pode ter aparecido na Galiza – e no N.W. português – em seguida à data em que, segundo opinião corrente, o cultivo do milho se generalizou nesta zona, ou seja, segundo ele, no decurso da primeira metade do séc. xvii. E considerando seguidamente os diversos modelos de espigueiro que actualmente se conservam por todo o território galego, e em certos elementos de várias casas rurais antigas da região – algumas das quais, confirmando a sua ideia, lhe parecem datar dos finais do séc. xvi –, o Autor conclui que o aparecimento e evolução do actual espigueiro galaico-português se deu a partir das cozinhas rurais da região e das solanas e patines, para as construções anexas às casas, de pedra e com andar térreo em baixo, para os edifícios isolados, sobre paredes maciças, unas ou várias, e seguidamente esteios e, finalmente, para espigueiros de madeira – no sentido, portanto, inverso da ordem que indica Frankowski, tanto no que se refere ao material, como no que se refere ao sistema de suporte. Este processo evolutivo é ilustrado com exemplos das suas fases sucessivas que relaciona, em parte por razões económicas, com a diversidade de materiais existentes nas diferentes regiões: e é nessa base que se explicam os canastros de varas entrançadas, correspondendo não a uma forma mais arcaica naquele processo, mas a um nível económico inferior da lavoura.

3Nos primeiros tempos do cultivo do milho, portanto, a cura do cereal ter-se-ia feito nas cozinhas, de cujas traves se penduravam as espigas em réstias; mas este processo enfumava o grão e embaraçava os trabalhos domésticos que aí têm lugar, e por isso em breve se sentiu a necessidade de procurar novo local onde tal operação se pudesse realizar sem aqueles inconvenientes: em acréscimos anexos às casas, mas ligados a elas, constroem-se solanas ou patines, onde se dependurava ou estendia o milho, para obter a sua ventilação. Tais solanas são de entrada feitas de espaçosas mesetas cobertas e resguardadas com paredes laterais, convertidas posteriormente em varandas com guardas de madeira onde se colocam as réstias; as guardas vão subindo em altura e, como defesa contra os ratos, são tapadas em todo o seu fundo, onde se deixa somente uma porta de entrada. A varanda eleva-se do mesmo modo, converte-se em persiana, e rasgam-se várias fendas de ventilação nos muros que constituíam os lados da primitiva solana. Até aqui, os espigueiros formam parte integrante da casa rural; mas depois separam-se dela, e aparecem em edifícios isolados, que de entrada conservam a loja térrea – o «celeiro» –, com a sua porta e janelas de ventilação; mais tarde esse «celeiro» perde-se, sendo substituído por cepas, de entrada maciças, que depois se dividem em várias e, posteriormente por esteios, pés direitos ou pilares, sendo esta a forma que se adopta nos mais modernos «hórreos» técnicos.

4Deste modo, segundo o Autor, «o actual espigueiro (galaico-português), destinado expressamente à guarda do milho, é apenas uma necessidade imposta pela estrutura da casa rural (cuja cozinha não permite a sua utilização como local de cura), em relação com as exigências da colheita do milho, e não uma derivação de antigas construções palafíticas». «Ele não é mais do que a transformação dos patines, solanas e celeiros, que ainda existem em algumas casas campesinas.»

  • 4 Cfr. Los hórreos en el Noroeste de la Península Ibérica, in: «Estúdios Geográficos», Ano IX, n.° 31 (...)
  • 5 Embora admita que noutros lugares do globo pode existir uma relação histórica entre os celeiros sob (...)
  • 6 Ver pág. 150, nota 1.

5Walter Carlé4, por seu turno, acentua do mesmo modo as diferenças essenciais entre o «hórreo» asturiano e o espigueiro galaico-português e critica cerradamente a hipótese palafítica de Frankowski, que considera supérflua e falha de base positiva em relação à Península5; e, notando que a área do «hórreo» ibérico não coincide de modo nenhum com zonas de culturas lacustres pré-históricas e que é duvidosa a explicação dos «palheiros» do litoral português pela teoria das sobrevivências, denuncia as fantasias em que se funda a ideia de tais culturas nesta zona e a interpretação palafítica dos elementos da casa regional. Para o autor, a invenção do «hórreo» foi determinada por razões funcionais de ordem prática – necessidade de protecção contra roedores, que explica as mós de assento; de protecção contra a humidade, que explica as colunas, telhado e frestas de ventilação ; e de protecção contra incêndios, que explica a sua separação da casa habitacional – combinados com factores míticos – o significado sagrado do pão, como alimento base que explica a natureza dos ornatos típicos do espigueiro – e com um espontâneo e pronunciado sentido criador de beleza, que julga poder explicar por motivos raciais6.

6Ainda segundo este Autor, o desenvolvimento histórico do «hórreo» galego deu-se a partir de um modelo primitivo, de varas entrelaçadas, redondo ou quadrangular, que veio a fixar-se nesta última forma quando se começou a utilizar a madeira ou a pedra; com o andar dos tempos, estes últimos materiais de construção deram origem a novas formas, como consequência das suas propriedades e há ainda que considerar o tamanho do espigueiro, que passa também a ser um factor de diferenciação tipológica regional. Para Carlé, a parte térrea fechada é um elemento secundário; a câmara-celeiro propriamente dita, na história do desenvolvimento destes edifícios, é mais antiga do que o piso inferior, que é apenas um recurso de necessidade.

  • 7 Cfr. La viviendapopular en Espana, in: «Folklore y Costumbres de España» (dirigido por F. Carrera y (...)
  • 8 L. T. Balbás, op. e loc. cit., pág. 254.

7Leopoldo Torrez Balbás7 que, depois de passar em revista a hipótese palafítica e a tese funcional, nota no «hórreo» elementos que afirmam o seu carácter definido de celeiro e são inúteis numa casa lacustre, parece inclinar-se para a ideia de que o «hórreo» – mas nomeadamente o «hórreo» asturiano – deriva de deteminado tipo de casa da região, duma certa época. Para este Autor, com efeito, a casa teve, numa das suas fases, íntima relação com os “hórreos”, visto que possuía pilares, embora se destinasse a habitação; vêem-se ainda exemplos disso nas Astúrias, em que os pilares aparecem metidos nas paredes. Deve ter havido nessa região uma forma de casa com paredes de madeira assentes sobre pilares do mesmo material, com escadas de pedra de subidoria ou patin; em tempos posteriores, ter-se-ia aproveitado a parte de baixo, e de pilar a pilar construído uma parede, formando-se um recinto para guarda de alfaias e animais; erguida a casa deste modo, o andar superior fez-se também de pedra, continuando sempre a família a viver nela, e subsistindo exteriormente os patines. Abundam nas Astúrias modelos destas diferentes fases, que tiveram outra anterior: a do «hórreo» de paredes feitas de ramos entrelaçados, que ainda se encontra em alguns casos na faixa ocidental. O «hórreo» primitivo seria a primeira vivenda, de forma circular geralmente, que assentou nas margens dos rios como lugar de refúgio das humanidades pré-históricas, e que depois se ergueu sobre estacaria, procurando defender-se ao mesmo tempo contra as invasões das águas e contra os ataques das feras. Há ainda... agrupamentos de «hórreos» que se erguem sobre as águas das marismas, dando a impressão de aldeias lacustres. A sua origem parece pois ser anterior à colonização romana, embora os nomes asturianos dos seus elementos sejam de clara derivação latina8.

  • 9 De resto a forma circular não permite o aumento de tamanho do espigueiro, para além dum reduzido di (...)

8Para Martinez Rodrigues, o «hórreo» é anterior à introdução do milho grosso, tendo-se modificado para responder à nova função de secagem do milho, no sentido de aumentar as aberturas de ventilação, e estreitar a câmara para facilitar uma mais intensa circulação do ar. A evolução deve ter-se feito das formas mais primitivas circulares para as rectangulares (impostas talvez pelo emprego da madeira, que não se coaduna com a construção circular9), se seguidamente das formas largas para as estreitas, como melhor adaptação a um celeiro especializado para milho. O «hórreo» primitivo deve ter sido apenas de um corpo; o aproveitamento do espaço inferior, fechado por paredes, deve representar uma adaptação ulterior.

9Parece ser opinião deste Autor, que os «hórreos» de pedra imitaram as formas dos de madeira, mais primitivos, aos quais se assemelham pelas linhas gerais do sistema de aberturas de ventilação. Os telhados de palha teriam sido de uso geral primitivamente.

Hipótese suévica

10Como vimos, o espigueiro galaico-português é um tipo especial de celeiro, destinado à armazenagem, preservação e secagem de produtos alimentares vegetais. Em nossos dias, ele apresenta-se com o carácter de sequeira unicamente destinada à secagem e guarda do milho em espiga, antes de ser malhado; por isso podia pensar-se – e como vimos, assim sucedeu com a maioria dos Autores que versaram o assunto – que ele representa a adaptação de um celeiro ou sequeira vulgares gerais, às exigências da conservação do milho grosso ou milhão (Zea mays), e que portanto surge com a sua estrutura actual apenas após a introdução deste cereal na região galaico-portuguesa.

  • 10 Ainda hoje se cultiva em certas regiões do norte do país. Ver Jorge Dias, O pio de Piar os Milhos, (...)

11Contudo, não é inverosímil que, mesmo antes dessa data, existisse já o costume de se guardar e secar, em edifícios especializados, elevados e arejados, semelhantes aos actuais, o milho miúdo ou milho alvo (Panicum miliaceum, Lin.), largamente cultivado no Entre Douro e Minho até ao século xv110: com efeito, este cereal é bastante semelhante ao sorgo, e certas populações africanas, como por exemplo os Macondes de Moçambique, ainda hoje costumam guardar as espigas do sorgo em sequeiras rectangulares feitas de bambu e construídas sobre estacas, como toscos espigueiros (fig. 187); as mulheres vão lá buscar as espigas para malhar, conforme as necessidades.

  • 11 Lampérez, Arquitectura civil espanola, I, pág. 90 (fig. 81). Citado por Julio Caro Baroja, Los Pueb (...)
  • 12 Segundo a designação de Hydacio ou Idácio, bispo de Aquae Flaviae, na sua Crónica do séc. v.
  • 13 Só recentemente foram construídos alguns em Alcobaça.

12E de facto, a existência de uma miniatura no códice escurialense do século xiii, das Cantigas de Santa Maria, em que aparecem dois espigueiros semelhantes aos galegos, confirma a hipótese desses espigueiros serem anteriores à introdução do milho americano (fig. 209)11. Aliás, o facto de os espigueiros estarem disseminados na área galaico-portuguesa, numa zona bem delimitada, faz pensar que a sua origem é anterior à formação da nacionalidade portuguesa pois a fronteira política sempre seria um obstáculo à sua distribuição homogénea de um e outro lado, tanto mais que dentro de Espanha e de Portugal os seus limites continuam confinados grosso modo, à antiga Gallaecia, ou, melhor ainda, ao antigo Regnum Gallicense ou Regnum Suevorum12. Para o nordeste da Galiza, em vez do espigueiro rectangular estreito especializado, arejado e elevado («hórreo» galego), encontra-se a sequeira quadrada larga geral («hórreo» asturiano), perfeitamente distinta. Em Portugal, por sua vez, o espigueiro não ultrapassa o Mondego13, surgindo então uma nova área de transição cultural.

  • 14 Adolf Helbok-Henrich Marzell, Haus und Siedlung im Wandel der Jahrtausend, (Walter de Gruyter & C.° (...)

13É também importante considerar que na Época do Bronze já deviam existir, em certas regiões, sequeiras de forma semelhante aos espigueiros galaico-portugueses, a julgar por uma uma funerária alemã, representando uma sequeira rectangular estreita sobre quatro pernas, a que não faltam os discos típicos destinados a impedir o acesso aos roedores (fig. 210)14. Haverá alguma possível relação entre esta urna alemã da Época do Bronze e os espigueiros portugueses? É evidente que tal relação só pode estabelecer-se como hipótese de trabalho e não como uma verdade indiscutível. Porém, sabendo-se que o reino dos Suevos ocupou precisamente a região galaico-portuguesa onde se encontram os espigueiros, é natural que se procure uma possível filiação neste povo.

  • 15 Gustavo Schevantes, Die Swebische Landnahme, in: «Forschung und Fortschritt», 1933. Citado por Wilh (...)
  • 16 Estrabão, IV, 3, 4 e VII, 1, 3. César, Bellum Gallicum, I, 51.

14Precisamente na Idade do Bronze, os Suevos viviam no norte da Alemanha e no sudoeste da Escandinávia, portanto, na região onde se encontrou a dita urna, podendo presumir-se que eles conheciam esse género de construções. Na Idade do Ferro, por volta de 700 a.C., eles começam a deslocar-se para o sul. A partir do ano 600 a.C. vão invadindo os territórios celtas de baixa densidade demográfica e, pelo ano 100 a.C., já estão instalados na região do Reno médio e do Meno15. Esta situação é-nos confirmada por Estrabão e por César16.

  • 17 Manuel Torres, Las invasions y los reinos germanicos de España (años 409-711), in: Historia da Espa (...)

15Parece que nesta época os Suevos, já muito numerosos, se dividiram em várias tribos, algumas das quais muito importantes – marcomanos, cuandos, bávaros, alamanos, turíngios e bátavos. Na realidade, a verdadeira formação destes povos começa no século iii e é em grande parte contemporânea das grandes migrações17. Destes interessam-nos em especial os Marcomanos e os Cuandos. Cerca do ano 8 a.C., os Marcomanos, tendo à frente Marbod, invadem a Boémia, enquanto os Cuandos, comandados por Tudrus, ocupam a Morávia. Marbod veio depois a dominar os Cuandos e vários outros povos, estendendo o seu domínio por uma vasta região. Os movimentos de Cuandos e Marcomanos são difíceis de seguir durante os séculos iii e iv da nossa era, até à aliança daqueles com os Alanos e Vândalos.

  • 18 Louis Marcus, Histoire des Vandales, Dijon, 1836; L. Schmidt, Geschichte der Wandalen, Leipzig, 190 (...)
  • 19 Gustav Lagneau, Des Alains... et de quelques autres peuplades Sarmates dans les Gaules. «Compte-ren (...)

16Os Vândalos eram um povo germânico oriental18, enquanto que os Alanos eram um povo asiático que no século IV estava fixado no nordeste do Cáucaso19.

  • 20 Manuel Torres, ob. cit., pág. 18.
  • 21 Manuel Torres, ob. cit., pág. 20.

17No ano de 401 aparecem os Alanos e Vândalos Asdingos na actual região da Áustria e da Baviera com tenções de ir à Itália, mas são derrotados e permanecem na região alpina20. Aos poucos vai nascendo neles o desejo de penetrar nas Gálias, quando se lhe junta um grupo Cuando Suevo. Estes Suevos, que se aliam aos Vândalos e Alanos, tinham pouco de comum com os seus aliados de aventura. Nos últimos dias de 406, quando provavelmente o Reno estava gelado, a grande expedição começou a atravessá-lo. Os Asdingos foram os primeiros a transpor o grande rio, provavelmente na região de Mogúncia21.

  • 22 Manuel Torres, ob. cit., pág. 20.

18Embora aliados, cada grupo conservava a sua independência e os seus chefes. À frente dos Suevos marchava Hermerico que se mantém no seu lugar até à sua fixação em Espanha22, onde tratou da distribuição de terras entre os seus.

  • 23 Manuel Torres, ob. cit., pág. 21.

19De um só impulso estes povos atingem os Pirenéus, desbaratando os Francos, mas não são capazes de vencer a resistência que ali encontram. Só no Outono de 409 conseguem entrar na Península Ibérica, vagueando e lutando até encontrarem as regiões que melhor lhes convinha para se fixarem. Estes diferentes grupos de povos não eram exércitos em campanha, mas populações constituídas por homens, mulheres e crianças, à busca de terras onde pudessem viver23. No ano de 411 cada um deles se fixou numa determinada província e repartiram terras entre si. Os Alanos fixaram-se na Lusitânia, os Vândalos Silingos na Bética, os Suevos e os Vândalos Asdingos escolheram a Galécia.

  • 24 Paulo Osório, Adversus Paganus Historiarum, livro VII, Colónia, 1561. Cap. 50: «Quanquam et post ho (...)

20Conta Orósio que uma vez fixados «os detestados Bárbaros trocam as espadas pelos arados, e tratam os Romanos sobreviventes como companheiros e amigos, por forma que já alguns preferem a pobre liberdade que têm entre os Bárbaros, aos aborrecimentos do fisco entre os Romanos»24.

  • 25 Paulo Osório, oh. cit. liv. VII, cap. 40: «habita sorte, et distributa usque ad nuno possessione co (...)

21É evidente que esta fixação não se fez sem sangue e sem alterar a estrutura social anterior. As villae romanas foram desmembradas e divididas e as terras repartidas pelos novos senhores. Como bem descreve Orósio «eles firmaram ali, mediante partilha e distribuição, as suas possessões, e nestas se mantêm ainda agora»25.

  • 26 Tácito, De Germania (Ed. de Nicolau Firmino), Lisboa, 1940, pág. 26, cap. XXXVIII: «majorem enim Ge (...)

22Estes povos não eram bárbaros no sentido que a palavra tomou a partir do Renascimento, pelo grande prestígio que então ganhou a Antiguidade Clássica. Bárbaro era, no século v, sinónimo de estrangeiro. De facto os Germanos não eram nómadas e salteadores, mas povos agricultores evoluídos, como pode verificar-se por muitos traços da sua cultura que adiante analisaremos. Aliás, o grande historiador francês Fustel de Coulanges, na sua Histoire des institutions politique de l’ancienne France, procura reabilitar os conquistadores germânicos, mostrando que o seu nível de cultura não era de modo nenhum baixo como alguns autores pretendiam, e descreve favoravelmente as relações que resultam do contacto entre romanos e germanos. Ora os Suevos eram um povo germânico importante, dizendo deles Tácito que «ocupam a maior parte da Germânia, e distinguem-se por apelativos e nacionalidades, embora todos se denominem Suevos»26.

23Compreende-se que muitos autores lhes atribuíssem culpas que não tinham, e os considerassem meros salteadores que, por actos contínuos de depredação, acabaram por arruinar as regiões que conquistaram.

24É evidente que a guerra nunca pode trazer benefícios de momento e, sobretudo, os senhores das terras que foram obrigados a cedê-las ou a partilhá-las com o invasor, não deviam sentir-se muito satisfeitos com os novos ocupantes. Contudo, já vimos atrás que os Bárbaros procuravam estabelecer relações cordiais com os antigos ocupantes e parece que durante os primeiros anos após a repartição de terras, não houve acontecimentos perturbadores a registar.

  • 27 Wilhelm Reinhart, O Reino Hispânico dos Suevos, Coimbra, 1944, págs. 13-14, 1937.
  • 28 Hidácio, cap. 137; Santo Isidoro, cap. 86.

25O facto de os Suevos serem pagãos não era nessa época de estranhar, pois tinham apenas decorrido quatro séculos após a difusão do cristianismo. Contudo, como diz Salviano, os Bárbaros demonstravam altas virtudes morais a contrastar com os vícios e a imoralidade romana27. Requila (Rékhila) morreu ainda pagão em 448, mas seu filho e sucessor, Requiar, (Rekhiario), já foi baptizado catolicamente28.

  • 29 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 21.
  • 30 Manuel Torres, ob. cit., pág. 21.

26A prova mais evidente de que os invasores não vieram desorganizar a economia local está no facto de os Suevos começarem pouco depois a cunhar moeda de ouro, que de início reproduziu o tipo romano29. Vê-se por aqui que não só as terras continuavam a produzir, como as transacções comerciais num plano mais vasto se mantinham. Pelo facto de o reino dos Suevos ter acabado em 585, após 172 anos de existência, poderemos pensar que toda a sua influência local acabou nesse momento ? Isso seria crível, se os Suevos fossem uma mera élite militar que, com a derrota, tivesse desaparecido. Porém, como relatam os autores atrás citados, eles eram povos em busca de terras para habitar30 e, embora não fossem muito numerosos, o facto de se terem fixado e misturado com as populações galaicas, deve ter contribuído para a sua multiplicação e, sobretudo, para a difusão de muitos dos seus usos e costumes.

  • 31 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 18. Vermais, Vítor Vitense, Historiapersecutionis Africanae provin (...)
  • 32 Luís Gonzaga de Azevedo, História de Portugal, Lisboa, 1934, vol. I, pág. 136, nota 2.
  • 33 Hans Delbrück, Geschichte der Kriegskunst im Rahmen der politischen Geschichte 1922 (citado por Wil (...)
  • 34 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 18.

27Acerca do número provável dos Suevos que vieram para a Península, não existem elementos seguros. Fontes antigas dizem que os Vândalos e os Alanos constituíram um grupo de 80 000 pessoas, incluindo mulheres e crianças, quando passaram à África31, o que leva um autor português a calcular que os Suevos não excedessem 60000 indivíduos, visto serem menos poderosos que aqueles32. Contudo, o número de 80 000 atribuído aos povos que seguiram para África é considerado exagerado por Hans Delbrúck33. Reinhart é da mesma opinião e calcula que os Suevos, quando atravessaram o Reno, não deviam ser mais de 20 000, dos quais só 5000 a 7000 seriam guerreiros34, pois num grupo constituído por homens, mulheres e crianças, só um número reduzido estava em condições de pegar em armas.

  • 35 Wilhelm Meyer-Lübke, Romanische Namenstudien, I e II, in: «Sitzungsberichte der Kaiserlichen Akadem (...)
  • 36 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 37.
  • 37 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 38.

28Embora este número seja mera aproximação, a densidade de população da época também estava longe de ser o que é hoje e, portanto, duas dezenas de milhar de pessoas com uma cultura evoluída, não deixariam de exercer influência profunda na cultura das populações entre as quais se fixaram e com quem se misturaram. Se pensarmos que em Moçambique havia uns 60 000 portugueses da metrópole para 6 milhões de autóctones, compreenderemos a importância que uns milhares de Suevos deviam exercer na população galaico-romana. Essa influência é, de resto, muito evidente, por exemplo, na toponímia e na onomástica. Apesar de ser difícil distinguir os nomes germânicos de origem sueva, o certo é que entraram muitos na Península. O romanista Meyer-Lübke encontrou enorme quantidade de nomes germânicos de pessoas, ainda em uso, em 952 manuscritos portugueses dos anos 775 até 1100, a maior parte dos quais não chegaram aos nossos dias35. Reinhart, que viveu largos anos na Península, encontrou ainda grande número de nomes germânicos usados na sua maioria por habitantes do noroeste36. É certo que muitos destes nomes se generalizaram nos primeiros séculos da reconquista e não são, portanto, só de origem sueva. Por outro lado, o facto de muitos deles terem desaparecido hoje, deve-se à circunstância de, a partir do século xiii, a Igreja só consentir que no baptismo as crianças recebessem nomes de Santos, de Mártires ou nomes bíblicos37.

  • 38 Joseph Piel, Os nomes germânicos na toponímia portuguesa, Lisboa, 1937, pág. 9.

29Porém, os topónimos, que se mantiveram até aos nossos dias, atestam a enorme influência dos povoadores germânicos. Diz Piel que os nomes germânicos da Península se encontram quase exclusivamente na Galiza e no norte de Portugal, quer dizer, na região que corresponde mais ou menos àquela que foi ocupada pelo Reino Suévico, e que, além disso, todos os topónimos germânicos são, sem excepção, na sua origem, nomes de pessoas38.

  • 39 Joseph Piei, ob. cit., pág. 10.
  • 40 Hans F. K. Gunther, Le Mariage, ses formes, son origine, (Payot), Paris, 1952, pág. 12.
  • 41 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, págs. 250-251.
  • 42 Manuel Torres, ob. cit., pág. 6.
  • 43 Manuel Torres, ob. cit., págs. 6-7.

30Estes nomes eram usados para designar a propriedade rural, como afirma ainda Piel quando diz que no «Noroeste da Península o modo corrente de denominar um prédio segundo o nome do seu dono, consiste em fazê-lo em genitivo simples»39. É interessante observar que os povos germânicos tinham um conceito de família que envolvia a casa rural que lhe servia de base de sustento. A palavra família é de origem estrangeira e só entrou na Alemanha em princípios do século xv11140. Até então usava-se a palavra Hof, que quer dizer casa rural. Entre certas famílias fidalgas portuguesas, ainda é costume dizer-se «fulano é primo da nossa casa», como se dizia também «casa da Áustria», etc. Este costume ainda se observa em certas regiões arcaicas do noroeste como, por exemplo, em Vilarinho da Furna, onde se usa a palavra casa em vez de família41. Baseado em Tácito, Manuel Torres analisa o tipo de propriedade germânica que, segundo ele, estava longe de ser comunal, pois havia não só propriedade agrária privada, como até explorações agrárias em regime senhorial por meio de colonos e servos em benefício de um grande proprietário, embora esta ainda estivesse pouco desenvolvida42. A unidade agrária formada de parcelas várias era a Hufe (actual Hof) cujo proprietário tinha, em geral, direito à fruição das terras comunais de pastos e bosques, chamada Allmende43.

31Sabendo nós que os topónimos representam antigas propriedades rurais, podemos, através delas, calcular a importância que os Suevos exerceram na vida rural da região galaico-portuguesa.

  • 44 Georg Sachs, Die germanischen Ortsamen in: Spanien und Portugal, Jena e Leipzig, 1932.

32Georg Sachs encontrou umas 2000 povoações peninsulares com nomes germânicos, embora sem poder fazer uma distinção de origem entre Suevos e Visigodos44. Verifica-se que estes topónimos são muito mais frequentes no Noroeste:

1. ,9% na Província da Corunha;

2. ,3% na Província de Lugo;

3. ,7% na Província de Braga;

4. ,7% na Província do Porto;

5. ,7% na Província de Pontevedra;

  • 45 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 39.

6. ,2% na Província de Orense45.

  • 46 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 40. (Rodrigues Lapa, «Boletim de Filologia», Lisboa, 1933-34).

33Rodrigues Lapa fez um estudo crítico do trabalho de Sachs, apoiando-se nos elementos fornecidos pelo Onomástico Etimológico da Galiza, escrito pelo Padre Sarmento no século xviii, podendo acrescentar novos topónimos colhidos por Sarmento46.

  • 47 Joseph Piel, Os nomes germânicos na toponímia portuguesa, in : « Boletim de Filologia», Lisboa, 193 (...)

34O romanista Piel, que viveu entre nós muitos anos, chega à conclusão de que deve haver cerca de 5000 nomes germânicos, distribuídos principalmente pelo norte de Portugal, Galiza e Astúrias47.

  • 48 Vicente Garcia de Diego, Elementos de Gramática Histórica Galega, Burgos, 1909; José Santiago Gomez (...)
  • 49 George Peter Murdock. Africa, its peoples and their culture history, Nova Iorque, 1959, pág. 46.

35Pode a muitos parecer estranho que, a despeito de uma tal influência na toponímia e onomástica, os germanos tenham deixado tão poucos vocábulos no léxico peninsular. De facto, embora se tenham registado várias palavras germânicas assimiladas – segundo alguns autores, são umas 17048 – o seu número não deve estar em correspondência com a influência que esses povos exerceram noutros domínios da cultura galaico-portuguesa. Porém, tal fenómeno é frequente e pode observar-se em outras regiões, onde se deram casos idênticos. Os pastores nilóticos Himas que invadiram o Uganda, Ruanda-Urundi e o noroeste do Tanganhica antes de 1500 da nossa era, fixaram-se e dominaram politicamente as populações bantus aí estabelecidas, mas adoptaram o idioma bantu49. Apesar de assimilarem a língua dos dominados, não perderam os traços característicos da sua cultura pastoril. Tal facto verificase sobretudo onde se dá uma fixação pacífica e, em especial, onde os invasores se casam com mulheres da região. Como as mulheres são as educadoras na primeira infância, quando as crianças aprendem a falar, a língua materna tem tendência a impor-se. Por outro lado, os invasores costumam conservar a sua língua mais facilmente, quando constituem grupos compactos, fechados aos contactos com os naturais da região. No caso do Brasil, os chamados quistos raciais como, por exemplo, as colónias alemãs de Joinville e Blumenau no Estado de Santa Catarina, mantiveram-se impenetráveis à língua portuguesa, mas os Alemães que se fixaram noutras regiões do Brasil e vivendo misturados com a população brasileira, rapidamente foram assimilados linguisticamente.

  • 50 Tácito, De Germania, pág. 14, cap. XVI: «Nullas germanorum populis urbes habitari, satis notum est; (...)

36Foi precisamente isto que se deu na região ocupada pelos Suevos. Segundo a tradição germânica, as famílias não gostavam de viver juntas, formando grandes aglomerados. Tácito refere-se a esta tendência da seguinte maneira: «Os povos da Germânia, como é sabido, não habitam em cidades; não admitem sequer que as suas casas sejam chegadas umas às outras. Estabelecem-se separadamente, conforme os atrai uma fonte, um campo ou um bosque. Os vicos (aldeias) não se compõem, como entre nós (os Romanos, entenda-se), de construções contíguas e ligadas umas às outras; cada qual deixa à volta de sua casa ? um espaço vazio...»50 .

  • 51 Alberto Sampaio, As vilas do norte de Portugal, in: «Estudos Históricos e Económicos», vol. I, Port (...)
  • 52 Alberto Sampaio, ob. cit., págs. 90-91.
  • 53 Alberto Sampaio, ob. cit., pág. 84.

37Vemos, portanto, que, ao contrário da tradição romana, os povos germânicos mostravam demarcada tendência para viver em casais isolados. Talvez por isso mesmo, a palavra vicus, cuja forma popular seria vigo (existe o exemplo em Vigo – Vicus Spanorum – na Galiza), perdeu-se entre nós no sentido comum, «talvez porque tais aglomerações eram raras», como diz Alberto Sampaio51. De facto, Vicus, exprimia habitações agrupadas, como: grupos de casas de servos ou de cultivadores da vila, rua, confluência de ruas, bairro de uma cidade, grandes burgos transformados posteriormente em cidades e, finalmente, povoados de proprietários com residências contíguas, formando uma comuna rural, espécie de associações, com administração própria limitada a certos fins, sob a denominação de vicani52. Ora, dada a tendência germânica era natural que este vocábulo não tivesse muita aplicação, embora não se possa talvez afirmar que eles não fossem capazes de habitar, às vezes, alguns centros populacionais de tipo urbano. Ao contrário, portanto, da falta de emprego de vicus, observa-se abundância de designações próprias de sub-unidades das vilas, como casales, quintanas ou quintâs e vilares. De todas a mais comum é casale. Segundo Alberto Sampaio, havia-os de grandezas muito variadas nos primeiros séculos da Idade Média, e alguns pertenciam a pessoas de classe nobilitada53.

  • 54 Orlando Ribeiro, Aglomeração e dispersão do povoamento rural em Portugal, 1939, pág. 5.

38Se compararmos estes factos históricos com situações actuais, ficamos surpreendidos com a estreita relação que ainda hoje existe e que, independentemente de factores naturais, são uma prova evidente da continuidade cultural nesta região de tradições antigas. Orlando Ribeiro, ao estudar a aglomeração e a dispersão do povoamento rural em Portugal, chega a resultados que confirmam indiscutivelmente as hipóteses que vimos estabelecendo. Comparando alguns números, extraídos do Censo das Povoações de 1911, conclui que a forma de povoamento em aldeias é típica de Trás-os-Montes, ao passo que no Minho este se apresenta sob a forma de lugares e casas avulsas54.

  • 55 Orlando Ribeiro, ob. cit., págs. 12-17.
  • 56 Orlando Ribeiro, ob. cit., pág. 5.
  • 57 Orlando Ribeiro, ob. cit., pág. 6.

39O tipo mais puro de povoamento aglomerado encontra-se nas aldeias transmontanas, compactas, no meio de grandes extensões vazias de gente. O povoamento disseminado, casais avulsos e ainda lugares e lugarejos, são sobretudo frequentes no Minho. Casos de dispersão intercalar, em que se combinam «um fundo antigo aglomerado, em grandes manchas espaçadas, salpicado de casais avulsos e outras formas de disseminação» encontrámo-los na Estremadura, Beira Alta, Ribatejo e Algarve. Orlando Ribeiro considera o monte alentejano uma forma de aglomeração55. Diz ainda o mesmo geógrafo : « No Minho, além das vilas e das cidades, não há outras povoações grandes. Enquanto a maior parte das freguesias de Trás-os-Montes são constituídas por um único local de habitação, no Minho, há-as em que a igreja e a residência do pároco se erguem isoladas, tendo à volta, mas separadas por campos e arvoredos, casas avulsas ou grupos de alguns fogos constituindo povoações que, no geral, não atingem uma centena de moradores»56. Como consequência desta diversidade de tipos de povoamento, a palavra casal, como nome de lugar, ocorre 101 vezes no distrito de Braga e 274 vezes em todo o Minho, enquanto no distrito de Bragança aparece uma única vez e 9 vezes em todo Trás-os-Montes57.

  • 58 Citado por W. Reinhart, ob. cit., pág. 45.
  • 59 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 45.

40Outro aspecto curioso de correlação entre Suevos e populações galaico-portuguesas pode verificar-se na tendência das gentes galegas e do norte do País para a emigração. Os Galegos mostraram sempre grande « facilidade e tendência espontânea para a emigração», como afirma Murguia58. Em Portugal, a primeira e grande emigração foi minhota, e só depois se lhe seguiu a de Beirões, Transmontanos e Algarvios. Grande parte da colonização do Brasil foi contribuição de gentes de Entre Douro e Minho. Por sua vez, na Alemanha, os Suevos actuais, os «Schwaben» ou Suábios (Würtemberg) são «entre todos os Alemães, os mais propensos à emigração »59.

  • 60 Usamos aqui a classificação de regiões naturais feita por Orlando Ribeiro (Portugal, o Mediterrâneo (...)
  • 61 Orlando Ribeiro, ob. cit. (nota anterior), pág. 182: «Na região minhota e na beirã, chegam a trabal (...)
  • 62 Tácito, De Germania, pág. 14, cap. XV: «delegata domus et penatium et agrorum feminis senibusque, e (...)

41Mais outro aspecto ainda da identidade de tradições, ou continuidade das mesmas entre populações do Portugal Atlântico60, observa-se por exemplo na divisão sexual do trabalho. De facto, a região do País onde as mulheres se mostram mais activas na vida do campo, é na faixa atlântica do norte do País61. Em certas aldeias como, por exemplo, em Afife e Castro Laboreiro é mesmo frequente verem-se mulheres a lavrar a terra, embora isto habitualmente seja, em todo o mundo, actividade masculina. Ora se lermos Tácito, verificamos que precisamente uma das coisas que o impressionaram entre os Germanos, foi o facto de as mulheres terem a seu cargo o trabalho dos campos. Diz ele que os Germanos deixavam «o cuidado da casa, do interior e das terras, às mulheres e aos velhos, e aos mais fracos seres da família»62.

  • 63 É interessante notar que na Lombada, no concelho de Bragança, existe uma população cujas caracterís (...)

42A diferença é que os Minhotos em vez de se entregarem à ociosidade, ou à caça e à guerra – que o escritor romano diz ser a ocupação dos Germanos – vão procurar trabalho noutras regiões do País ou no estrangeiro63.

  • 64 Este jogo tão popular no Entre Douro e Minho ainda há poucas dezenas de anos, era pelo menos conhec (...)
  • 65 A luta da turra entre touros do povo era muito frequente nas povoações serranas do Gerez e da Amare (...)
  • 66 Os ovos de Páscoa pintados são apresentados como um exemplo de identidade suévico--portuguesa por F (...)

43Entre as variadas tradições do Portugal Atlântico algumas há que são comuns às populações germânicas e podem talvez filiar-se no substracto suévico daquela região, como o jogo do pau64, a luta de vacas ou de bois65 e os ovos de Páscoa66.

  • 67 Ver H. Obermaier y A. Garcia y Bellido, El Hombre Prehistórico y las Origenes de la Humanidad, Madr (...)
  • 68 Em algumas destas regiões os socos são todos de madeira. Ver Meyer, Konversations Lexikon, Holzschu (...)
  • 69 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, págs. 127-132; ver estampas XIII. XVI e XX.
  • 70 Manuel Torres, ob. cit., pág. 9. Ver ainda Girke, Die Tracht der Germanen I-II («Mannus Bibliotek», (...)
  • 71 Manuel Torres, ob. cit., pág. 9.
  • 72 Manuel Torres, ob. cit., pág. 9.

44No vestuário da região também se encontram elementos que vemos descritos em vários autores como sendo suévicos ou germânicos. Entre estes estão os «socos de madeia e couro» tão generalizados no Portugal Atlântico, e que foram usados por populações germânicas da primeira Idade do Ferro (anos 800-400)67. Aliás, os socos ainda hoje são usados além de Portugal, Galiza e Astúrias, no norte da França, na Bélgica, na Holanda e em Niedersachsen (Alemanha)68. Outra peça de vestuário ainda usada pelos homens do Barroso, em Terras de Basto e em Vilarinho da Furna69, o chamado avental das costas, corresponde perfeitamente à capa ou abrigo de pele ou lã que os Germanos usavam70. As algibeiras postiças usadas pelas mulheres do Portugal Atlântico, amarradas à volta da cinta, também as vemos descritas em relação às mulheres germânicas que usavam «um cinto de que pendiam umas bolsas »71. Já o manto que essas mulheres usavam pela cabeça72 se não pode, com a mesma certeza, identificar com as capuchas serranas, ou com os xailes ou lenços de cabeça, que usam as nossas mulheres do Portugal Atlântico, que porventura têm origem diferente.

  • 73 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, pág. 82.
  • 74 Künssberg reproduz um como de cabra com uma suástica gravada a fogo, encontrado em Tavetsch. Ver Eb (...)
  • 75 Jorge Dias, ob. cit., págs. 234-236.
  • 76 Júlio Dinis, As Pupilas do Senhor Reitor, (ed. Civilização), pág. 144. Certamente recolhida em Vale (...)
  • 77 Richard Weiss, Volkskunde der Schweiz, Erlenbach-Zürich, 1946, pág. 276.
  • 78 Antii Aarne, in: «Folklore Fellows Communications», 27, pág. 60.

45Há vários outros elementos que aparecem aqui e além, que apresentam uma relação curiosa com elementos de cultura germânica, como a marca de gado usada pela família Lojas de Vilarinho da Furna73, que representa um tetráscelo, espécie de suástica flamejante, semelhante a outras utilizadas por pastores germânicos74. A adivinha da vaca, de que se encontram algumas variantes no nosso País – Barroso (Telhó), Vilarinho da Furna75 e Vale de Cambra76 – é extraordinariamente parecida à que se conserva em certas regiões ganadeiras de Inglaterra, da Noruega, das Ilhas Färoe, da Suécia e da Suíça77, e que devem ter uma origem comum nos povos ganadeiros germânicos, se atendermos à sua área de difusão78. Para melhor estabelecer a identidade, reproduzimos aqui duas versões portuguesas e duas germânicas. A de Vilarinho da Fuma reza assim:

Quatro na lama, quatro na cama,
Dois parafusos e um que l’abana (lhe abana):
é a vaca

46Quatro na lama são as pernas. Quatro na cama são as tetas. Dois parafusos são os chifres. E um que lhe abana é a cauda.

47A de Telhó, Barroso, é quase igual:

Quatro na lama, quatro na cama,
E um que l’acena (o rabo),
E dois que l ’abanam (os chifres).

48A adivinha da vaca da velha Saga islandesa de Hervor e rei Heidrek, que aqui damos, traduzida em alemão moderno, é a seguinte:

Viere hangen (quatro pendem)
Viere gangen (quatro andam)
Zwei weisen den Weg (dois indicam o caminho)
Zwei wehren den Hunden (dois defendem dos cães)
Elinten zottelt einer (atrás abana um)
Öfters schmutzig (muitas vezes sujo)
König Heidreck (rei Heidrek)
Kannst du es raten (podes adivinhá-lo) ?

49Adivinha actual em dialecto suíço alemão:

Vieri trampe (quatro patinham),
Vieri lampe (quatro pendem),
Vieri luege (quatro olham)
Gege Himmel (para o céu).
Luege si in Himmel ue (olham para cima, para o céu),
Chunt gäng eine hinde zue (e atrás vem sempre um).

50A semelhança é indiscutível entre as adivinhas portuguesas e estas de origem germânica. Não pode certamente admitir-se um caso de convergência.

  • 79 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, págs. 60-64.
  • 80 Manuel Torres, ob. cit., pág. 10. Ver mais K. Amira, Grundriss des Germanischen Rechts («Grundriss (...)

51No campo do direito consuetudinário podemos também encontrar alguns paralelos, como a «expulsão de vizinho», vigente em certas aldeias serranas do norte, como S. João do Campo e Vilarinho da Fuma79. No direito germânico também se conhecia a expulsão da sipe, ou seja, do grupo familiar extenso, grupo social, que abrange todos os parentes do indivíduo80.

  • 81 Musée Retrospectif du Groupe VII, Agriculture – Exposition Internationale de 1900 à Paris. Repport (...)
  • 82 Alberto Sampaio, ob. cit., pág. 106.
  • 83 Ver Cândido de Figueiredo, Dicionário da Língua Portuguesa.
  • 84 Alberto Sampaio, ob. cit., págs. 94 e 112. Baseia-se em Körting, Lateinisch-romanisches Wörterbuch, (...)
  • 85 Juan López Soler, Los Hórreos Gallegos, in: «Actas y Memórias de la Sociedad Española de Antropolog (...)
  • 86 M. Murguia, «Boletin de la Academia Gallega», 20 de Janeiro de 1909. Citado por Juan López Soler, o (...)
  • 87 Cândido de Figueiredo, ob. cit.
  • 88 Entre outros dicionários os de Augusto Moreno e de Joaquim de Almeida Costa e António de Sampaio e (...)
  • 89 Alberto Sampaio, ob. cit., págs. 102-103.
  • 90 H. Lautensach, A formação dos aspectos culturais da paisagem portuguesa, Lisboa, 1944, sep. do «Bol (...)
  • 91 Jorge Dias, O Pio de Piar os Milhos, in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. XII, fase. 3 (...)
  • 92 Jorge Dias e Fernando Galhano, Moinhos de descascar milho miúdo e o monjolo brasileiro, sep. do tom (...)
  • 93 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschft, in: «Festschrift für P. W. Schmidt», Viena, 1928, págs. 416 (...)
  • 94 Paul Leser, ob. cit., págs. 469-472.

52Onde, contudo, os Suevos deviam ter exercido uma influência mais profunda foi na vida rural. Esses milhares de famílias suevas que em 411 se fixaram nas terras que lhes foram distribuídas, ou de que eles mesmo se apropriaram, deram certamente um contributo importante para a cultura local. Existe, por exemplo, uma vasilha de madeira com um pau provido na extremidade inferior de uma rodela também de madeira, que serve para fazer manteiga em algumas regiões arcaizantes do País. Encontramos este aparelho que em Vilarinho da Furna tem o nome de «rolha de pau», não só na Serra Amarela, como nas Serras de Arouca (Albergaria das Cabras) e Serra de Montemuro (Campo Benfeito). Pois este aparelho, que era conhecido em algumas aldeias francesas com o nome de la baratte, considera-se como remontando ao tempo dos Celtas e dos Germanos em França. Foram eles que, por este processo, substituíram outro mais arcaico, então em uso, que consistia em meter o leite em odres, que depois calcavam com as mãos81. Mesmo a língua, que como já vimos, foi, pelas circunstâncias apontadas, pouco enriquecida de germanismos, indica essa influência. A palavra «roca» é de origem germânica (gót. rukka)82 (antigo alto alemão racco)83. A adega, onde no Minho se guarda o vinho e, às vezes, outros produtos alimentares ou objectos domésticos, é conhecido por «loja» que, segundo Alberto Sampaio, é de origem germânica84. Temos ainda a palavra «broa», que serve para designar pão de milho não só no Entre Douro e Minho como na Galiza, e cujo étimo parece ser germânico. Segundo Juan López Soler, a palavra «broa» já se usava antes da introdução do milho, para designar pão feito de milho miúdo. Na verdade era o termo genérico usado na região para designar pão85. Ora, diz Murguia, que «broa» tem a sua origem nas palavras bro céltica e brod, germânica86. Cândido de Figueiredo, diz para comparar com o alemão brot, mas não afirma que seja essa a origem da palavra87. Porém, outros dicionários dão o étimo gótico brauth88, o que mostra que todos se inclinam para uma origem germânica. Ora, se esta existe, é evidente que tem de ser sueva e não gótica, dada a coincidência de difusão da «broa» e dos limites ocupados pelos Suevos. Este pão de mistura, hoje feito de mistura de milho e centeio, era outrora feito de centeio e milho alvo (panicum miliaceum, Lin.)89, e foi certamente já o pão das populações suevas, visto estes cereais serem cultivados na região desde tempos remotos, além de outros, entre os quais a espelta que, segundo Lautensach, foi outrora cultivado no norte do País, tendo hoje desaparecido completamente do solo português, e que esse foi possivelmente trazido mesmo pelos Suevos. Os Diplomata et Chartae citamno várias vezes como sendo produto do norte90. Associado ao complexo do milho alvo, usa-se ainda hoje na Serra da Padrela um aparelho de descasque, chamado «pio de piar os milhos», espécie de pilão accionado com os pés, que outrora teve uma difusão muito maior, relacionada com o cultivo daquele cereal91 embora, em certas regiões, como na Beira, utilizem mós manuais para o mesmo fim92. Este aparelho pertence, na opinião de Paul Leser, a um grupo nórdico de instrumentos agrícolas como, por exemplo, os malhos e o arado quadrangular, os quais nos princípios da Idade Média, já estavam largamente espalhados pelo noroeste e centro da Europa, o que leva a crer que o início da sua difusão começou muito cedo93. Contudo, a difusão do «pio» não lhe parece tão claramente nórdica, como é o caso do arado quadrangular e dos malhos, dada a sua difusão pela Transcaucásia, Galícia, Polónia, Steiermark, Kärnten, Krain, Salsburgo, Berne, Hungria, etc.94 De facto, inclinamo-nos neste caso mais para uma influência não directamente germânica, mas antes oriental, que a migração dos Alanos saídos do Cáucaso pode explicar.

  • 95 As áreas geográficas de Orlando Ribeiro (ver nota 5, pág. 206), correspondem grosso modo áreas cult (...)
  • 96 Montandon, Traité d’Ethnologie Cyclo-Culturelle, Paris, 1934, pág. 259.

53Quanto ao arado quadrangular, cremos que é difícil duvidar da sua origem sueva. De facto, existem em Portugal três tipos de arados repartidos homogeneamente por três grandes áreas geográficas e etnográficas95. Ao Portugal Mediterrâneo corresponde o arado de garganta, relacionado com os arados do mundo grego e romano e espalhados pela bacia do Mediterrâneo. Ao Portugal Transmontano, corresponde o arado radial, simples e arcaico, provavelmente relacionado com os povoadores celtas. O arado quadrangular, ocupa toda a orla marítima do norte, até aos primeiros relevos da região montanhosa do interior. Este arado germânico ou germânico-eslavo, próprio da região sententrional e central da Europa, que tem como limite sul o norte da França (da Bretanha ao Jura), caminhando depois pela fronteira alemã até aos Alpes96, aparece formando como que uma ilha no noroeste pensinsular.

  • 97 Jorge Dias, Os arados portugueses e as suas prováveis origens, sep. da «Revista da Universidade de (...)
  • 98 Ver nota 2, pág. 200. Hidácio diz que os bárbaros repartem à sorte as regiões das províncias para a (...)
  • 99 Esta afirmação baseia-se numa hipótese da lei de afinidade que é esboçada por Jorge Dias, em Os Ara (...)
  • 100 Manuel Torres, ob. cit., pág. 22.

54A relação estreita deste tipo, com o usado pelos povos germânicos, obriga-nos naturalmente a procurar explicar a sua existência no nosso país, pela acção cultural que esses povos, em especial os suevos, exerceram na Península. Ora a coincidência destes arados quadrangulares germânicos, próprios das zonas setentrionais e centrais da Europa, se encontrarem precisamente nas regiões que os Suevos ocuparam, é um argumento de peso em favor da sua origem suévica na Península97. De facto, os Suevos atravessam o Reno em 406 e em 411 fixam-se na Galécia e repartem terras entre si98. Logo a seguir, como diz Orósio, trocam as espadas pelos arados «gladios suos ad aratra conuersi sunt»7. Era evidente que um povo que procurava terras para se fixar, e que, logo após a sua chegada começa a lavrá-las, teria de usar arados que faziam parte da sua tradição cultural. Certamente que se essas terras fossem pela sua natureza pouco próprias para utilizarem o arado germânico, eles teriam aproveitado os arados usados anteriormente na região, mas dá-se precisamente o facto de eles terem escolhido a província da Península que mais afinidades tinha com as suas terras de origem, coisa que não sucedeu provavelmente por acaso, mas que, de qualquer maneira, ajudou à sobrevivência de muitas formas da sua cultura99. Creio mesmo que não se salvaram unicamente pela Galécia ser distante, como diz Manuel Torres100, mas ainda pela afinidade que as terras onde se fixaram tinham com as suas terras de origem.

  • 101 R. G. Collingwood e J. M. L. Myres, Roman Britain and the English Settlements, págs. 208- -214, diz (...)
  • 102 André G. Haudricourt e Mariel Jean-Brunhes Delamarre, informação particular.

55Porém, não se julgue que a filiação do arado quadrangular nos invasores suevos se baseia só nestes argumentos. Sabe-se que os arados quadrangulares, com sega, carreta e aivecas simétricas, eram já antigos entre os povos germânicos, que os utilizavam durante o Império Romano101. Porém, as formas assimétricas, com uma só aiveca, são posteriores e, segundo Haudricourt, começam a difundir-se em França durante a época merovíngia102.Ora a dinastia Merovíngia começou com Meroveu, que se supõe ter reinado de 448 a 458, depois dos Suevos terem chegado à Península. Mas os Suevos chegam directamente da Germânia e são certamente também portadores da forma assimétrica que se encontra entre nós (Paredes de Coura e Vila Verde) e que foi possivelmente introduzida em França uns decénios mais tarde.

  • 103 Alexandre Baschmakoff, L’Evolution de la Charrue a travers les siècles aupoint de vue ethnographiqu (...)

56As segas, também correntes entre nós, são muito antigas na Germânia; já aparecem vestígios delas no tesouro visigótico de Szillägy-Someyo, do século v, encontrado na Transilvânia103.

57Além disto, no Portugal Atlântico encontram-se todas as variedades de arados quadrangulares descritas pelos tratadistas. Além do vessadoiro, de duas aivecas tão grandes que servem de rabiças laterais, independentemente da do centro, em que se insere o apo, temos arados assimétricos, de uma só aiveca fixa, a aravessa e a zanga. Também não faltam vessadoiros de uma aiveca móvel, a charrua, que ora se fixa de um lado, ora do outro, ou de duas aivecas móveis, das quais uma está em descanso e a outra está fixa, conforme o lado para que estão a lavrar.

  • 104 Exemplos de todos estes arados vêm reproduzidos no livro de Jorge Dias, Os Arados Portugueses, cit.
  • 105 Ver Jorge Dias e Fernando Galhano, Algumas relhas de arados portugueses actuais, sep. das «Actas do (...)

58Todos estes exemplares lavram com a sega encravada no apo, embora tenhamos exemplares de vessadoiros sem sega, indo esta num temão à parte, seitoiro, a riscar a leiva à frente ou atrás do vessadoiro104. Considerando igualmente as relhas dos arados portugueses, verificamos coincidência em relação aos três tipos, e a sua disseminação europeia não desmente o que se verifica quanto ao esqueleto do arado105.

  • 106 Ver Julio Caro Baroja, Los arados españoles (sus tipos y reparticiones), in: «Revista de Dialectolo (...)

59O arado quadrangular encontra-se não só no Portugal Atlântico e na Galiza, mas ainda nas Astúrias e ao longo da costa norte espanhola, terminando nos Pirenéus. Contudo, os tipos de arados complexos, com rodas, etc., são muito mais raros na Galiza e nas Astúrias106. Isto leva a crer que a maior concentração dos Suevos se fixou na zona de Entre Douro e Minho e que a sua acção foi menos profunda para o norte da Galiza e para o sul do Douro. De facto, a maior homogeneidade do quadrangular a sul do Douro e menor variedade dos elementos que descrevemos, parecem confirmar esta suposição. É possível que, com a introdução do milho, o arado quadrangular, mais útil que o radial para fazer lavouras fundas, se tivesse difundido mais para o sul, ultrapassando o Mondego.

  • 107 José Gonçalo C. Herculano de Carvalho, Coisas e Palavras, algums problemas etnográficos e linguísti (...)

60Além dos arados, existem outras alfaias agrícolas pertencentes ao complexo agrícola germânico, que teremos de filiar nos invasores suevos como, por exemplo, o mangual. Herculano de Carvalho, que estudou com particular minúcia os sistemas primitivos de debulha na Península Ibérica, estabelece uma nítida separação entre a debulha feita só com animais ou com trilho (tribulum e plostellum), a que em geral se chama trilha, e a debulha com malho ou mangual, a que em geral se chama malha, e mostra a distribuição dos dois sistemas em cartas de fácil leitura107, pela qual se verifica que a debulha é predominante no Portugal Mediterrâneo, sobretudo só com pés de animais e com o trilho (plostellum), praticando-se no Portugal Transmontano sobretudo com o trilho (tribulum), mas já em franca combinação com o malho, enquanto no Portugal Atlântico, sobretudo para o norte do Mondego, predomina francamente a malha.

  • 108 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., págs. 102-103.

61Sobre a introdução do mangual no Noroeste Peninsular, diz Herculano de Carvalho que, se abstrairmos momentaneamente do modelo de malho que ele designou com a letra D, « verificamos que a área de expansão do mangual se situa principalmente na faixa ocidental que abrange a Galiza e quase todo o Portugal, e seguidamente uma faixa muito mais estreita da região montanhosa desde as Astúrias às Vascongadas. O centro de gravidade desta área imediatamente se nos revela como sendo o Noroeste, isto é, a zona que compreende a Galiza e Portugal. Foi daí que o mangual irradiou para o sul, até atingir os seus actuais limites, e só um movimento político e cultural pode explicar esta irradiação: a Reconquista. É ela que, explicando-nos a actual distribuição desta alfaia agrícola em Portugal, nos deixa compreender por que motivo se encontra esta, praticamente, ausente do Centro e do Sul de Espanha: é que, a Ocidente, a Reconquista teve o seu fulcro, primeiro na Galiza, depois no Norte de Portugal, isto é, em zonas onde o uso deste instrumento de debulha tinha fundas raízes tradicionais, ao passo que a Reconquista leonesa e castelhana – na sua época de maior intensidade, isto é, a partir do século x – teve o seu centro em regiões onde o método de debulha se praticava com as patas de animais, acompanhado ou não do emprego do trilho»108.

  • 109 Paul Leser, ob. cit., pág. 458.
  • 110 Além de Paul Leser, ob. cit., pág. 458, ver ainda Meyer-Lübke, Wörter und Sachen, vol. I, pág. 231; (...)

62Vemos portanto que, grosso modo, a área de distribuição do mangual na Península Ibérica corresponde à do arado quadrangular de que atrás tratámos. Por sua vez, segundo Leser, o mangual era o principal instrumento de debulha na Europa Central. Em Itália, diz ele, conforme «se caminha do norte para o sul, ele vai-se tornando cada vez mais raro »109. Enquanto os países mediterrâneos são uma área nítida de difusão de outras formas de debulha, o mangual foi principalmente usado na Europa média e setentrional110.

  • 111 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 100.
  • 112 Dag Trotzig, Slagan och andra tröskredakap. En etnologisk undersökning med utgangs-punktfrán svenst (...)
  • 113 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., lug. cit.

63De qualquer maneira, parece que o mangual surge na Europa Central entre os séculos iii e v da nossa era, sendo alguns autores de opinião que o centro de difusão provável se encontra entre os rios Mosela e Reno, onde se verifica um grande desenvolvimento económico e cultural a partir do século iii, baseado na agricultura de cereais111. A hipótese da origem romana foi posta em dúvida por vários autores como Leser e, mais recentemente, por Trotzig112 e Herculano de Carvalho113.

  • 114 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 101.
  • 115 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 103.
  • 116 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 103.
  • 117 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 103. Os elementos linguísticos em que se apoia para (...)

64Herculano de Carvalho, levando mais longe a análise dos manguais, pôde chegar a resultados muito curiosos sobre o tipo que primeiro se devia ter difundido entre nós. Podemos, pois, concluir com ele que o mangual saiu dessa região da Europa Central atrás mencionada, e foi a pouco e pouco irradiando para toda a Europa, «levado sobretudo pela onda das invasões germânicas, que o teriam dado portanto a conhecer, ainda na sua forma mais simples, também à Península Ibérica »114. O mesmo autor, com base numa vasta análise bibliográfica e nos materiais por ele recolhidos, acaba por perfilhar a hipótese de que o mangual chegou à Península trazido por migrações germânicas e considera natural que esteja associado aos Suevos, uma vez que é no Noroeste que encontramos o fulcro do uso do mangual115. A hipótese por ele formulada de uma possível difusão do mangual, ao longo das montanhas cantábricas até à Galécia, por um processo lento que não envolvia migrações humanas, é muito improvável. Como ele próprio diz: «Não parece natural que, a ter seguido tal caminho, o mangual tivesse conquistado, no seu percurso, uma faixa de terreno tão escassa e tão limitada à zona montanhosa do litoral, para no Noroeste vir a adquirir uma tão vasta difusão»116. Além disso, há que atentar na terminologia, « que efectivamente antes parece ter irradiado da Galiza para as Astúrias, do que em sentido contrário, o que seria mais natural se a expansão do instrumento tivesse também seguido caminho inverso»117.

  • 118 Fernando Galhano, Enxadas e Sachos, in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. XIV, fase, 1- (...)

65A análise histórico-cultural de outras alfaias agrícolas portugueses ainda não está concluída, o que nos impede de completar com elas o quadro que temos procurado traçar. Contudo, Fernando Galhano que tem vindo há anos a recolher e estudar minuciosamente muitas alfaias agrícolas portuguesas, ao falar das enxadas, mostra que existe um nítido contraste entre os instrumentos de cavar usados no Portugal Atlântico e no Portugal Mediterrânico, e que se encontra um tipo distribuído de maneira homogénea pelo Entre Douro e Minho. Aliás, no Portugal Atlântico, encontram-se tipos definidos, e só a partir do Mondego para o sul se verifica a interpenetração de dois tipos, que atestam a tendência híbrida desta região118. Infelizmente, não temos a possibilidade de estudar comparativamente os tipos descritos por Fernando Galhano, com alfaias europeias, de maneira a poder tirar ilações. Mas é sistemática a coincidência de tipos definidos ocuparem as diferentes áreas de influência cultural atrás estudadas.

  • 119 Fernando Galhano. Grades, sep. dos «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. xiii, fasc. 1-2, P (...)
  • 120 Vicente Risco, Estudos Etnográficos da Terra de Melide, in: «Terra de Melide», Compostela, 1933, pá (...)
  • 121 Paul Leser, ob. cit., pág. 465 (figs. 65, 66 e 69).

66Outra alfaia estudada por Fernando Galhano, são as grades. No mapa da distribuição dos oito tipos de grades encontrados no país, verificamos que o tipo número um ocupa quase toda a região do Portugal Atlântico, alargando-se ainda para o sul até Lisboa e para Leste até à região de Castelo Branco. Porém, na zona do Portugal Transmontano, além deste tipo – que aparece no Sul da Beira Baixa – há mais quatro tipos diferentes. No Portugal Mediterrâneo está difundido, de maneira homogénea, o tipo cinco, embora se encontrem pequenas manchas com outros tipos. Porém, no Portugal Atlântico até ao Mondego, não se encontra outro tipo além do número um119. Aliás, este tipo de grade encontra-se também na Galiza120, o que estabelece uma curiosa associação com o arado quadrangular. Segundo Paul Leser, a grade que parece ser representativa da Europa Média e Setentrional, é uma grade formada por um caixilho de, pelo menos, quatro travessas, providas de dentes121. Ora os tipos de Galhano que apresentam estas características são o tipo número um, o número dois e o número oito, que se encontram respectivamente distribuídos pelo Portugal Atlântico. O número um cobre toda a região; o número dois forma uma mancha no Ribatejo, e o número oito forma outra pequena mancha ao sul do Mondego.

  • 122 Fernando Galhano, ob. cit., pág. 17.
  • 123 Paul Scheuermeier, Bauernwerk in Italien, der italienjschen und rätoromanischen Schweiz, Erlenbach- (...)

67Um outro tipo de grade portuguesa, também com quatro travessas, encontra-se no Leste Transmontano – tipo três –, mas em geral é desprovido de dentes122. Temos assim mais uma alfaia agrícola que, pela sua área de distribuição e identidade de tipo com a grade que Leser considera representativa da Europa germânica, se pode perfeitamente atribuir à mesma influência sueva. Aliás, os tipos que Galhano encontrou no Portugal Mediterrâneo correspondem aos tipos que se encontram em Itália123.

  • 124 Na região do Mondego, porém, onde, como dissemos atrás, esta eira coexiste com a eira rectangular, (...)
  • 125 Alberto Sampaio, op. cit., pág. 94.
  • 126 Jorge Dias, Vilarinha da Furna, ob. cit., págs. 33-34.

68Poderemos relacionar todas estas ferramentas com quaisquer outros traços da nossa vida agrícola tradicional que permitam considerá-los igualmente como sendo de origem germânica, ou como provenientes da Europa Média? Eu creio que sim. De facto, ao falarmos da debulha de cereais, vimos que existe uma debulha a sangue, feita com pés de animais, sós ou com a ajuda de trilho, e a debulha a mangual. Quando analisamos as instalações onde a debulha se costuma realizar, verificamos que, nas regiões do trilho, as eiras são, no geral, grandes espaços abertos de terra batida (área), podendo ser fixas, ou mudar de lugar de uns anos para outros. Quando esta eira é fixa, pode, às vezes, apresentar-se como uma construção com materiais duros, pedra e argamassa ou cimento, geralmente com a forma aproximadamente circular, mais ou menos regular, que é a fixação dessa eira vaga, e resulta do movimento circular realizado pelos animais na sua faina. Estas eiras não costumam ter edifícios anexos (alpendres)124. No Portugal Atlântico, diversamente para o norte do Mondego e de maneira mais acentuada para o norte do Vouga, as eiras onde se fazem as malhas com mangual são recintos rectangulares de pedra, sempre com um edifício anexo, alpendre ou varandão, onde se recolhem os cereais em caso de mau tempo, e onde inclusivamente se chega a malhar quando chuvas prolongadas a tal obrigam. Alberto Sampaio faz referência às eiras onde outrora se debulhavam cereais, e onde o habitante do Noroeste ergueu a seu lado, para defender os cereais «dos chuveiros do Verão ou dos orvalhos da madrugada, um abrigo ligeiro – o alpendre (ad pendulam125. Nessa região do País, onde os «chuveiros de Verão» são frequentes, as eiras e os alpendres são construções de granito, por vezes enormes e bem acabadas. Como vimos atrás, em certas regiões do Noroeste atlântico, nomeadamente nas áreas de Ponte da Barca, Vilarinho da Furna, etc., existe mesmo, independentemente do alpendre (a que chamam « sequeira »), uma construção quadrada, lajeada como a eira e anexa a esta, mas fechada com quatro paredes e portas, chamada o ladrilho, destinada a malhar o cereal126. Vemos que aqui, como na Europa Central, a eira já aparece sob a forma de um edifício coberto e fechado. Trata-se, portanto, de duas formas de cultura distintas, certamente relacionadas com factores climáticos e socioeconómicos, mas também intimamente associados a duas culturas diferentes, uma mediterrânica e outra da Europa Média e Setentrional.

  • 127 Meyers Lexikon, Leipzig, 1925. A eira na Alemanha está tão integrada dentro do celeiro que na Encic (...)
  • 128 Paul Scheuermeier, op. cit., vol. II, Berna, 1956, págs. 1-14. Sobre este assunto, vide atrás, págs (...)

69A eira de Entre Douro e Minho, com o seu alpendre lajeado, de portas abertas onde circula o ar, é pois, certamente, uma adaptação meridional da eira da Europa Média. A própria eira interior germânica, construída dentro do celeiro ou mesmo da casa de lavoura, como é o caso na Alemanha127, existe aqui, no Noroeste, em exemplos sem dúvida raros; ela é, em todo o caso, uma eira mista, dissociada numa metade interior e outra exterior (pois a eira propriamente dita é, no Portugal atlântico, um prolongamento do alpendre) e constitui a solução normal e corrente em toda esta região atlântica. No Portugal Mediterrâneo pelo contrário, a eira é, como na Espanha Central e Meridional ou na Itália, uma eira aberta, uma autêntica área128.

70Existe assim um complexo cultural próprio, associado ao cultivo do centeio e milho miúdo (e, hoje, do milho grosso), coerente, em muitos dos seus elementos – arado, grade, mangual, eira – com uma provável origem germânica; não seria pois inverosímil que o espigueiro, que existia nesta região peninsular antes do aparecimento do milho grosso, fizesse parte desse complexo, ou seja: fosse também de origem suévica.

  • 129 Dag Trotzig, ob. cit., pág. 173; Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 87.
  • 130 Herculano de Carvalho, ob. cit., págs. 78-79.
  • 131 « Masseirão – espécie de grande caixa de madeira, assente sobre quatro pernas, com o fundo esburaca (...)
  • 132 Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 79.
  • 133 Adolf Helbock-Henrich Marzell, ob. cit., pág. 33.
  • 134 Acresce que esta armazenagem se pode considerar adequada pois, como vimos, os Macondes moçambicanos (...)
  • 135 Luís Bouza-Brey Trillo, Panorama conxectural do estado do dereito privado no Reino Suévico da Galle (...)

71Desde os tempos neolíticos, as populações desta área guardavam certamente as espigas do milho miúdo – que se documenta a partir dessas remotas eras – em canastros de verga, que representam uma técnica já então conhecida. Com efeito, Trotzig relaciona este antiquíssimo cereal com primitivos sistemas de debulha anteriores ao mangual, que se usavam em regiões arcaizantes da Europa, tal como o de pisar as espigas com os pés calçados de tamancos, que ainda podemos observar em certas zonas do Minho129; e Herculano de Carvalho, ao estudar os processos arcaicos de debulha, diz que «em Covas, as espigas daquele cereal (o milho), são guardadas nos grandes e tradicionais espigueiros (canastros), e debulhada, à medida que são necessárias e só a quantidade precisa para cada fornada130, dentro do masseirão131, com a maça de maçar o linho, ou com um pau de meio metro de comprido132» ; e encontramos um processo semelhante em Montedor, por exemplo, como recurso para dias de chuva, em que as espigas são batidas dentro dum caixote comprido, com um pau. Quer dizer: se estes velhos sistemas competiam originariamente ao milho miúdo, e se aparecem agora associados ao milho grosso e à sua armazenagem em espigueiros e canastros, é porque certamente o milho miúdo deve também ter andado associado a essas instalações de armazenagem. E assim, quando os suevos cá chegaram, devem já ter encontrado a prática da armazenagem do milho miúdo em canastros arejados. Eles tê-la-iam por isso conservado, apenas com a diferença de que em vez dos canastros de verga, passaram a armazená-lo também em espigueiros semelhantes a essa urna funerária da Idade do Bronze, que eles deviam conhecer porque ela provém do norte da Alemanha, habitado, nessa época, por antepassados seus133. Quando chegaram ao noroeste da Península Ibérica, os Suevos podem pois naturalmente ter construído celeiros para o milho miúdo (que era o cereal aqui existente) segundo o modelo que conheciam ancestralmente134. De origem no direito consuetudinário germano-suévico parece ser o costume de colocar remates em forma de cruz num dos topos dos edifícios, e qualquer pirâmbula ou figura no outro, então como sistema cautelar da propriedade doméstica135, que vemos, como traço característico, nos espigueiros galaico-portugueses; e esta consideração reforça singularmente a nossa hipótese de origem suévica do próprio espigueiro, onde tais elementos continuam a aparecer, embora hoje sem o sentido que tinham originariamente.

  • 136 O próprio etnólogo Caro Baroja (Los Pueblos de España, Barcelona, 1946, pág. 343, nota 30) consider (...)

72Divulga-se, então, assim, para o milho miúdo, esta forma que destrona a anterior, recebendo por isso o nome de «canastro», que essa tinha, devido à identidade das funções que ambas desempenham (do mesmo modo que, alguns séculos mais tarde, o milho grosso – Zea mays – receberá o nome do antigo cereal – Panicum miliaceum, Lin. – que destronara). E são esses espigueiros, de provável origem suévica, que aparecem, no século xiii, pelo menos em certos casos ou regiões, com a forma indicada na iluminura do códice escurialense136. Em certas regiões mais arcaizantes, os velhíssimos canastros de varas mantêm-se, em alguns casos, ao lado dos novos espigueiros e, mais tarde, a introdução do milho grosso veio não só dar enorme desenvolvimento aos espigueiros em geral, mas também obrigar os antigos modelos a uma modificação e adaptação funcional importantes, que implicou uma certa alteração da sua forma, tornando-os sobretudo mais estreitos e com fendas de arejamento mais numerosas.

Notes

1 Em apoio desta hipótese, o A. menciona também a existência, nas Astúrias, de casas rurais cujo térreo mostra ainda colunas embutidas nas paredes.

2 O A. amplia mesmo a sua interpretação palafítica deste elemento arquitectónico às colunas dos templos gregos, de Karnak e de Beni-Husseim, que para ele são o desenvolvimento de primitivas construções sobre estacaria.

3 Juan Lopez Soler, Los Hórreos Gallegos, memorial LXXXV da Soc. Esp. de Antrop. Etnol. y Prehistoria, tomo X, 1931, Cuad. 1 e 2, Madrid.

4 Cfr. Los hórreos en el Noroeste de la Península Ibérica, in: «Estúdios Geográficos», Ano IX, n.° 31, Madrid, 1948, págs. 275/293.

5 Embora admita que noutros lugares do globo pode existir uma relação histórica entre os celeiros sobre estacaria e uma primitiva cultura lacustre, op. çit., pág. 292.

6 Ver pág. 150, nota 1.

7 Cfr. La viviendapopular en Espana, in: «Folklore y Costumbres de España» (dirigido por F. Carrera y Candi), tomo III, Barcelona, 1933, págs. 234-254.

8 L. T. Balbás, op. e loc. cit., pág. 254.

9 De resto a forma circular não permite o aumento de tamanho do espigueiro, para além dum reduzido diâmetro (a não ser em altura).

10 Ainda hoje se cultiva em certas regiões do norte do país. Ver Jorge Dias, O pio de Piar os Milhos, Instrumento de origem oriental na Serra da Padrela, in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», fascículo 3-4 do vol. XII, Porto, 1949.

11 Lampérez, Arquitectura civil espanola, I, pág. 90 (fig. 81). Citado por Julio Caro Baroja, Los Pueblos, pág. 343.

12 Segundo a designação de Hydacio ou Idácio, bispo de Aquae Flaviae, na sua Crónica do séc. v.

13 Só recentemente foram construídos alguns em Alcobaça.

14 Adolf Helbok-Henrich Marzell, Haus und Siedlung im Wandel der Jahrtausend, (Walter de Gruyter & C.°), Berlin e Leipzig, 1937, fig. 4.

15 Gustavo Schevantes, Die Swebische Landnahme, in: «Forschung und Fortschritt», 1933. Citado por Wilhelm Reinhart, O Reino Hispânico dos Suevos, Coimbra, 1944, pág. 15.

16 Estrabão, IV, 3, 4 e VII, 1, 3. César, Bellum Gallicum, I, 51.

17 Manuel Torres, Las invasions y los reinos germanicos de España (años 409-711), in: Historia da España, de Ramón Menéndez Pidal, Madrid, 1940, pág. 5.

18 Louis Marcus, Histoire des Vandales, Dijon, 1836; L. Schmidt, Geschichte der Wandalen, Leipzig, 1901.

19 Gustav Lagneau, Des Alains... et de quelques autres peuplades Sarmates dans les Gaules. «Compte-rendu des Seances de la Commission royale d’Histoire», vol. IV, Bruxelles, 1877.

20 Manuel Torres, ob. cit., pág. 18.

21 Manuel Torres, ob. cit., pág. 20.

22 Manuel Torres, ob. cit., pág. 20.

23 Manuel Torres, ob. cit., pág. 21.

24 Paulo Osório, Adversus Paganus Historiarum, livro VII, Colónia, 1561. Cap. 50: «Quanquam et post hoc continuo barbari execrati gladios suos ad aratra conuersi sund, residuosque Romanos ut socios modo et amico fouent, ut inueniantur iam inter eos quidam Romani, qui maliut inter barbaros pauperem libertatem, quam inter Romanos tributariam solicitudinem sustinere».

25 Paulo Osório, oh. cit. liv. VII, cap. 40: «habita sorte, et distributa usque ad nuno possessione consistunt».

26 Tácito, De Germania (Ed. de Nicolau Firmino), Lisboa, 1940, pág. 26, cap. XXXVIII: «majorem enim Germaniae partem obtinent, propriis adhuc nationibus nominibusque discreti, quamquam commune Suevi vocentur».

27 Wilhelm Reinhart, O Reino Hispânico dos Suevos, Coimbra, 1944, págs. 13-14, 1937.

28 Hidácio, cap. 137; Santo Isidoro, cap. 86.

29 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 21.

30 Manuel Torres, ob. cit., pág. 21.

31 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 18. Vermais, Vítor Vitense, Historiapersecutionis Africanae provinciae, in: «Mon. Germ. Hist. (Anct. Antiquisso)», Berlim, 1879, III, pág. 2, liv. I, 2.

32 Luís Gonzaga de Azevedo, História de Portugal, Lisboa, 1934, vol. I, pág. 136, nota 2.

33 Hans Delbrück, Geschichte der Kriegskunst im Rahmen der politischen Geschichte 1922 (citado por Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 18).

34 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 18.

35 Wilhelm Meyer-Lübke, Romanische Namenstudien, I e II, in: «Sitzungsberichte der Kaiserlichen Akademie», Viena, 1904 e 1917.

36 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 37.

37 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 38.

38 Joseph Piel, Os nomes germânicos na toponímia portuguesa, Lisboa, 1937, pág. 9.

39 Joseph Piei, ob. cit., pág. 10.

40 Hans F. K. Gunther, Le Mariage, ses formes, son origine, (Payot), Paris, 1952, pág. 12.

41 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, págs. 250-251.

42 Manuel Torres, ob. cit., pág. 6.

43 Manuel Torres, ob. cit., págs. 6-7.

44 Georg Sachs, Die germanischen Ortsamen in: Spanien und Portugal, Jena e Leipzig, 1932.

45 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 39.

46 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 40. (Rodrigues Lapa, «Boletim de Filologia», Lisboa, 1933-34).

47 Joseph Piel, Os nomes germânicos na toponímia portuguesa, in : « Boletim de Filologia», Lisboa, 1936. Do mesmo autor: O património visigodo da língua portuguesa, Coimbra, 1942 (citado por W. Reinhart, ob. cit., pág. 40).

48 Vicente Garcia de Diego, Elementos de Gramática Histórica Galega, Burgos, 1909; José Santiago Gomez, Filologia de la Lengua Gallega, Santiago de Compostela, 1918; E. Gamillscheg, Romania Germanica, I, 1934 (citados por W. Reinhart, ob. cit., pág. 38).

49 George Peter Murdock. Africa, its peoples and their culture history, Nova Iorque, 1959, pág. 46.

50 Tácito, De Germania, pág. 14, cap. XVI: «Nullas germanorum populis urbes habitari, satis notum est; ne pati inter ses junctas sedes. Colunt discreti ac diversi, ut fons, ut campus, ut nemus placuit. Vicos locant, non in: nostrum morem, connexis et cohacrentibus aedificiis: suam quisque domum spatio circundat...». Tradução citada, págs. 27-28.

51 Alberto Sampaio, As vilas do norte de Portugal, in: «Estudos Históricos e Económicos», vol. I, Porto, 1923, pág. 91.

52 Alberto Sampaio, ob. cit., págs. 90-91.

53 Alberto Sampaio, ob. cit., pág. 84.

54 Orlando Ribeiro, Aglomeração e dispersão do povoamento rural em Portugal, 1939, pág. 5.

55 Orlando Ribeiro, ob. cit., págs. 12-17.

56 Orlando Ribeiro, ob. cit., pág. 5.

57 Orlando Ribeiro, ob. cit., pág. 6.

58 Citado por W. Reinhart, ob. cit., pág. 45.

59 Wilhelm Reinhart, ob. cit., pág. 45.

60 Usamos aqui a classificação de regiões naturais feita por Orlando Ribeiro (Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra, 1945), que é do maior interesse para o etnólogo.

61 Orlando Ribeiro, ob. cit. (nota anterior), pág. 182: «Na região minhota e na beirã, chegam a trabalhar na agricultura mais de 45% das mulheres existentes».

62 Tácito, De Germania, pág. 14, cap. XV: «delegata domus et penatium et agrorum feminis senibusque, et infirmissimo cuique ex familia, ipsi hebet».

63 É interessante notar que na Lombada, no concelho de Bragança, existe uma população cujas características se assemelham imenso às das populações germânicas descritas por Tácito. Ver Jorge Dias, Rio de Onor, Porto, 1953, págs. 539-40.

64 Este jogo tão popular no Entre Douro e Minho ainda há poucas dezenas de anos, era pelo menos conhecido em França (Bâton) e na Suíça alemã (Stockfechteri).

65 A luta da turra entre touros do povo era muito frequente nas povoações serranas do Gerez e da Amarela, assim como as lutas entre vacas eram famosas na Serra de Montemuro, Gralheira. Ver Tude de Sousa, Gerez, 1927, pág. 18, nota 1 e Jorge Dias, Vilarinho da Furna, Porto, 1948, págs. 187-89.

66 Os ovos de Páscoa pintados são apresentados como um exemplo de identidade suévico--portuguesa por Francisco José Veloso, A Lusitânia Suévico-Bizantina, in: «Bracara Augusta», vol. II, fase. 3 (16), Braga, 1950, pág. 245.
De facto, a tradição entre nós é sobretudo viva no Portugal Atlântico e encontra-se também em regiões germânicas embora seja sobretudo representativa das regiões eslavas (Rússia, Bulgária, Roménia, etc.). Talvez os Alanos estejam mais directamente ligados a esta tradição entre nós.

67 Ver H. Obermaier y A. Garcia y Bellido, El Hombre Prehistórico y las Origenes de la Humanidad, Madrid, 1944, pág. 321.

68 Em algumas destas regiões os socos são todos de madeira. Ver Meyer, Konversations Lexikon, Holzschuhe.

69 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, págs. 127-132; ver estampas XIII. XVI e XX.

70 Manuel Torres, ob. cit., pág. 9. Ver ainda Girke, Die Tracht der Germanen I-II («Mannus Bibliotek», n.° 23-24, 1992).

71 Manuel Torres, ob. cit., pág. 9.

72 Manuel Torres, ob. cit., pág. 9.

73 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, pág. 82.

74 Künssberg reproduz um como de cabra com uma suástica gravada a fogo, encontrado em Tavetsch. Ver Eberhard Frhr. von Künssberg, Rechtliche Volkskunde, Halle, 1936, lâmina XIII.

75 Jorge Dias, ob. cit., págs. 234-236.

76 Júlio Dinis, As Pupilas do Senhor Reitor, (ed. Civilização), pág. 144. Certamente recolhida em Vale de Cambra.

77 Richard Weiss, Volkskunde der Schweiz, Erlenbach-Zürich, 1946, pág. 276.

78 Antii Aarne, in: «Folklore Fellows Communications», 27, pág. 60.

79 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, págs. 60-64.

80 Manuel Torres, ob. cit., pág. 10. Ver mais K. Amira, Grundriss des Germanischen Rechts («Grundriss der Germanischen Philologie». Hermann Paul, 5), 3.a ed., 1913.

81 Musée Retrospectif du Groupe VII, Agriculture – Exposition Internationale de 1900 à Paris. Repport de M. Jules Sain.

82 Alberto Sampaio, ob. cit., pág. 106.

83 Ver Cândido de Figueiredo, Dicionário da Língua Portuguesa.

84 Alberto Sampaio, ob. cit., págs. 94 e 112. Baseia-se em Körting, Lateinisch-romanisches Wörterbuch, art. 4704.

85 Juan López Soler, Los Hórreos Gallegos, in: «Actas y Memórias de la Sociedad Española de Antropologia, Etnografia y Prehistoria», tomo X, cuademos 1.°e 2.°, Madrid, 1931, pág. 133.

86 M. Murguia, «Boletin de la Academia Gallega», 20 de Janeiro de 1909. Citado por Juan López Soler, ob. cit., pág. 133.

87 Cândido de Figueiredo, ob. cit.

88 Entre outros dicionários os de Augusto Moreno e de Joaquim de Almeida Costa e António de Sampaio e Melo.

89 Alberto Sampaio, ob. cit., págs. 102-103.

90 H. Lautensach, A formação dos aspectos culturais da paisagem portuguesa, Lisboa, 1944, sep. do «Boletim da Sociedade de Geografia», Lisboa, 1943, série 61.a, pág. 10.

91 Jorge Dias, O Pio de Piar os Milhos, in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. XII, fase. 3-4, Porto, 1949.

92 Jorge Dias e Fernando Galhano, Moinhos de descascar milho miúdo e o monjolo brasileiro, sep. do tomo VII das «Actas do XIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências», Porto, 1953.

93 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschft, in: «Festschrift für P. W. Schmidt», Viena, 1928, págs. 416-484.

94 Paul Leser, ob. cit., págs. 469-472.

95 As áreas geográficas de Orlando Ribeiro (ver nota 5, pág. 206), correspondem grosso modo áreas culturais: ver Jorge Dias, Tentãmen de Fixação das Grandes Áreas Culturais Portuguesas, in: «Estudos e Ensaios Folclóricos em Homenagem a Renato Almeida», Rio de Janeiro, 1960, págs. 431-454.

96 Montandon, Traité d’Ethnologie Cyclo-Culturelle, Paris, 1934, pág. 259.

97 Jorge Dias, Os arados portugueses e as suas prováveis origens, sep. da «Revista da Universidade de Coimbra», vol. XVII, 1948.

98 Ver nota 2, pág. 200. Hidácio diz que os bárbaros repartem à sorte as regiões das províncias para as habitar. Ver Hidácio, cap. 49 (cit. Manuel Torres ob. cit., pág. 21). 7Ver nota 1, pág. 200.

99 Esta afirmação baseia-se numa hipótese da lei de afinidade que é esboçada por Jorge Dias, em Os Arados Portugueses, págs. 82-85.

100 Manuel Torres, ob. cit., pág. 22.

101 R. G. Collingwood e J. M. L. Myres, Roman Britain and the English Settlements, págs. 208- -214, diz que os Belgas introduziram na Grã-Bretanha, pelo ano 75, o arado de grandes dimensões, puxado por bois e com rodas (como o nosso vessadoiro minhoto).

102 André G. Haudricourt e Mariel Jean-Brunhes Delamarre, informação particular.

103 Alexandre Baschmakoff, L’Evolution de la Charrue a travers les siècles aupoint de vue ethnographique, in: «L’Anthropologie», 1932, pág. 86.

104 Exemplos de todos estes arados vêm reproduzidos no livro de Jorge Dias, Os Arados Portugueses, cit.

105 Ver Jorge Dias e Fernando Galhano, Algumas relhas de arados portugueses actuais, sep. das «Actas do XIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências», tomo VIII, 7.a secção, Porto, 1953.

106 Ver Julio Caro Baroja, Los arados españoles (sus tipos y reparticiones), in: «Revista de Dialectologia y Tradiciones Populares», tomo V, cuaderno I, Madrid, 1949. Ver mais Jorge Dias, Die portugiesischen und spanischen Pflüge, in: «Laos», tomo I, Estocolmo, 1951.

107 José Gonçalo C. Herculano de Carvalho, Coisas e Palavras, algums problemas etnográficos e linguísticos relacionados com os primitivos sistemas de debulha na Península Ibérica, Coimbra, 1953. Ver mapas anexos.

108 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., págs. 102-103.

109 Paul Leser, ob. cit., pág. 458.

110 Além de Paul Leser, ob. cit., pág. 458, ver ainda Meyer-Lübke, Wörter und Sachen, vol. I, pág. 231; do mesmo, Reallexikon der germanischen Altertumskunde, pág. 489.

111 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 100.

112 Dag Trotzig, Slagan och andra tröskredakap. En etnologisk undersökning med utgangs-punktfrán svenstk material, «Nordisk Museets Handlingar», 17, Stockholm, 1943, pág. 176.

113 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., lug. cit.

114 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 101.

115 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 103.

116 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 103.

117 J. G. C. Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 103. Os elementos linguísticos em que se apoia para fazer esta afirmação são tratados na parte linguística do seu trabalho.

118 Fernando Galhano, Enxadas e Sachos, in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. XIV, fase, 1-4. Porto, 1954.

119 Fernando Galhano. Grades, sep. dos «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. xiii, fasc. 1-2, Porto, 1952.

120 Vicente Risco, Estudos Etnográficos da Terra de Melide, in: «Terra de Melide», Compostela, 1933, pág. 367, ftg. 72.

121 Paul Leser, ob. cit., pág. 465 (figs. 65, 66 e 69).

122 Fernando Galhano, ob. cit., pág. 17.

123 Paul Scheuermeier, Bauernwerk in Italien, der italienjschen und rätoromanischen Schweiz, Erlenbach-Zurich, 1943, págs. 92-93.

124 Na região do Mondego, porém, onde, como dissemos atrás, esta eira coexiste com a eira rectangular, ela é frequentemente acompanhada de alpendre, marcando assim uma zona de contacto.

125 Alberto Sampaio, op. cit., pág. 94.

126 Jorge Dias, Vilarinha da Furna, ob. cit., págs. 33-34.

127 Meyers Lexikon, Leipzig, 1925. A eira na Alemanha está tão integrada dentro do celeiro que na Enciclopédia, quando se procura eira, remetem para celeiro.

128 Paul Scheuermeier, op. cit., vol. II, Berna, 1956, págs. 1-14. Sobre este assunto, vide atrás, págs. 25-31.

129 Dag Trotzig, ob. cit., pág. 173; Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 87.

130 Herculano de Carvalho, ob. cit., págs. 78-79.

131 « Masseirão – espécie de grande caixa de madeira, assente sobre quatro pernas, com o fundo esburacado (furado com trado) ou formado por ripas de madeira não unida» (v. fig. 51 de Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 78).

132 Herculano de Carvalho, ob. cit., pág. 79.

133 Adolf Helbock-Henrich Marzell, ob. cit., pág. 33.

134 Acresce que esta armazenagem se pode considerar adequada pois, como vimos, os Macondes moçambicanos usam, para o sorgo – comparável ao milho miúdo – um tipo de espigueiro muito semelhante aos nossos.

135 Luís Bouza-Brey Trillo, Panorama conxectural do estado do dereito privado no Reino Suévico da Gallecia, in: «Bracara Augusta», vol. XI-XII, n.° 1-4 (43-46), Braga, Dez. 1960-Jan. 1961, págs. 110-111: «Outra anterga costume do campesinado galego, comprobada na archidiócese compostelán é de uso en todo o âmbito do antigo território da Gallecia, é a de colocar unha cruz num dos pinches ou penales que extreman o cume do celeiro, hórreo ou espigadeira e no outro penal un remate en forma de cetro, tirso, castelo ou pirámide, que se coñece polo nome de lei, pidámida ou apirádima, ambas enriba da pilastra, representándose tamen por veces a derradeira por unha figura uniformada, ca arma ben visibel.
Esta conducta, este remate que tamen se encontra nos domicílios, responde a outro sistema cautelar da propriedade doméstica propio do dereito consuetudinário xermano-suévico, chamado wifatio, mediante o que se vedaba a persoa allea en aquela ediftcacion na que estivera ergueita a wifa ou biffa, consistente nun pedestal –pilastra – sustentando unha cruz ou outra insignia representativa do poder real, indicativa de que aquela propriedade estaba baixo a tutela directa d-el Rei».

136 O próprio etnólogo Caro Baroja (Los Pueblos de España, Barcelona, 1946, pág. 343, nota 30) considera de tipo galego estes «hórreos» reproduzidos na iluminura do século XIII, a que já aludimos na pág. 208, fig. 144.

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search