Version classiqueVersion mobile

Espigueiros portugueses

 | 
Jorge Dias
, 
Ernesto Veiga de Oliveia
, 
Fernando Galhano

I. A secagem do milho em Portugal: Eiras, Alpendres e equeiras

Texte intégral

  • 1 Sobre esta divisão, cfr. Orlando Ribeiro, Portugal, O Mediterrâneo e o A tlãntico, Coimbra, 1945.

1Em cada uma das três grandes áreas naturais que se definem em Portugal – o Noroeste Atlântico, o Sul Mediterrâneo (Algarve à parte) e o Leste Transmontano1 – encontram-se, como cultivos típicos, outros tantos cereais diferentes com elas relacionados – o milho, o trigo e o centeio – e aos quais correspondem complexos agrícolas distintos, condicionados pela diversidade da sua natureza e por determinados factores etnoculturais.

  • 2 Sem dúvida, mesmo nesta área, existe também em proporção considerável o milho de sequeiro; no Alent (...)
  • 3 O Noroeste é a área característica do milho americano; e de facto, em relação a este, a debulha é m (...)

2A área atlântica mais caracterizada, que compreende as províncias de Entre Douro e Minho, o distrito de Aveiro na Beira Litoral, o distrito de Vila Real em Trás-os-Montes, e a parte ocidental da Beira Alta – o Portugal Húmido –, corresponde ao milho, cujo ciclo agrário domina toda a paisagem rural. O milho é essencialmente um cereal de regadio2, que se colhe em espiga, e requer secagem conveniente, em grão ou em espiga, antes de poder ser armazenado. As unidades agrícolas da área em questão, ou casas de lavoura, compreendem portanto instalações adequadas para esta secagem, que constitui uma operação complexa e de múltiplos aspectos: são elas fundamentalmente as eiras, alpendres, sequeiras e espigueiros, e ainda outros locais a elas equiparados, relacionados muito directamente com o tipo arquitectónico da casa respectiva – nomeadamente as varandas. Deste modo, enquanto que, nas demais partes em geral, a eira, ligada ao trigo e ao centeio, que não requerem secagem, diz exclusivamente respeito à debulha destes cereais e também de certas leguminosas secas, como o grão-de-bico, nas zonas do milho, primordialmente no Noroeste atlântico, além da debulha deste e doutros cereais que aí se cultivam, e em relação sobretudo com as condições especiais do clima local, ela tem também em vista a sua secagem3 (e do mesmo modo a de certas leguminosas frescas, como o feijão e a fava).

3As eiras em Portugal apresentam-se pois, sob o ponto de vista das suas características formais e das suas funções, em duas categorias fundamentais: eiras de debulha, na área transmontana e mediterrânea em geral, e eiras de secagem (e debulha) na área atlântica.

  • 4 Em certas regiões, como Quintanilha, há mais do que uma eira, pertencendo cada uma a grupos locais (...)
  • 5 Em Carvalho de Ega (Vila Flor) há uma eira de granito, sem guias, mas quadrangular ; mas isto é exc (...)

4Na zona leste do País, de Trás-os-Montes ao Alentejo, as terras secas, de pastoreio e de cultura extensiva de cereais de pragana, e do mesmo modo em certas áreas estremenhas, as eiras são de um tipo que corresponde à verdadeira área romana; destinadas, como dissemos, apenas à debulha, elas são um mero espaço sem qualquer preparação especial, onde o cereal é batido – abertas e grandes, de contorno impreciso e de terra calcada. Em Trás-os-Montes, estas são geralmente colectivas4, e sitas um local fixo e sempre o mesmo, à volta da qual se dispõem, ao longo do ano, as medas de palha dos diferentes vizinhos (fig. 24); e na Beira Alta são muito frequentes eiras deste mesmo tipo, de enormes lajes naturais de rocha5. No Alentejo, as eiras, com o mesmo aspecto, são porém individuais, integradas na unidade agrícola característica da região, e além disso móveis de ano para ano, segundo as conveniências da exploração e dos afolhamentos (fig. 21 e 28). Nos distritos do sul, que constituem propriamente o Portugal Mediterrâneo, do Algarve e Alentejo à Estremadura e Ribatejo, encontra-se além disso a eira redonda, com ou sem guias de delimitação (fig. 27), mas que, em certos casos, designadamente no Alentejo, parece representar apenas a pavimentação do espaço central da eira irregular sem contornos definidos, que se fixou; a forma circular é assim mais a evolução dessa eira inicialmente vaga e móvel, do que um verdadeiro tipo qualificado.

  • 6 A introdução do milho no Algarve é recente e foi acompanhada pela difusão de certos elementos do co (...)
  • 7 O desenvolvimento da çoteia e do pangaio estão na origem da casa típica de Olhão, tão justamente fa (...)

5No Algarve onde, a despeito do seu carácter mais acentuadamente mediterrâneo, o cultivo do milho tem grande importância, e um dos produtos basilares da economia rural é o figo, que também requer secagem; e que, além disso, é, como o norte, uma região de policultura intensiva, as instalações agrícolas têm aspectos particulares diversos dos que vimos nas demais províncias mediterrâneas. Sem dúvida, como nestas, a eira, ou almeichar, é por vezes vaga e de terra, ou então redonda, com o pavimento ora em barro branco batido com água e pisado pelo gado ora de cal e areia, e, hoje em dia, de cimento; nestes casos, porém, ela é pequena e bem delimitada, com guias ou rebordos baixos, geralmente caiados de branco, e sobretudo, como a eira atlântica, serve essencialmente para a secagem do figo (que nela se pousa sobre esteiras de empreita), e também do milho e de outros produtos ainda6. Nesta província encontra-se além disso, na zona rural de Loulé para nascente, um outro elemento peculiar e original, equiparado à eira como local de secagem, e que se relaciona estreitamente com o tipo arquitectónico local característico; referimo-nos às çoteias ou terraços no topo das casas, onde se seca o figo, a alfarroba e o peixe que constitui também uma superfície de captação de águas para a cisterna, e serve de logradoiro aos seus moradores, ao fresco da tarde, dominando o horizonte, e ao qual se ascende por escada interior abrigada pelo pangaio7.

  • 8 A diferença entre os tipos quadrangulares, por um lado, e redondos ou sem contornos, por outro, alé (...)

6Na zona atlântica, a eira é um elemento totalmente diferente, na sua forma e nas suas funções; ela é aqui sempre bem delimitada, quadrangular8, por vezes muito irregular, normalmente individual, de dimensões médias ou pequenas, em proporção com a magnitude da casa de lavoura a que pertence, junto da qual se situa, e mostra uma guia ou pequeno muro – o beiril (Montedor) – que a emoldura e delimita, e onde se abrem espaços para entrar o carro e se varrerem para fora quaisquer detritos. Outrora, em muitas partes, estas eiras eram de barro escuro, ou «ândua», amassado e pisado pelo gado, recobertas durante o Inverno com ramos de caruma verde, para evitar que a neve as «supelasse» (levantasse a crosta); as fendas tapavam-se com bosta. Noutros lugares, porém, designadamente onde abundava a pedra, elas eram deste material; e em muitos casos, as antigas eiras de barro parece terem sido substituídas por novas eiras de pedra. Hoje, mormente na região de Entre Douro e Minho e Beira Alta, predominam as eiras de granito, não raro em bela obra de cantaria. Nas zonas de xisto, elas são naturalmente de piçarra, e, na Serra de Valongo, de lousa; mas, mesmo nestes casos, elas conservam o aspecto e as características das eiras de granito. Em muitos locais, como por exemplo, o Soajo e o Lindoso, na Serra minhota, nas alturas da Serra d’Arga, e sobretudo em vários pontos da Beira Alta, além de muitos outros exemplos dispersos, as eiras são apenas afloramentos naturais, grandes lajes irregulares mais ou menos planas, que se utilizam sem qualquer ou apenas com um ligeiro aperfeiçoamento.

  • 9 Em Tecla (Celorico de Basto), onde, como em muitos outros lugares, a debulha do centeio a malho tem (...)

7Nas eiras de granito, em certos casos, o pavimento é elevado, em grandes peças assentes sobre blocos postos de cutelo, deixando por baixo uma caixa de ar mais ou menos alta, em forma de gavetões compridos, que o isolam do solo, em vista à sua mais rápida secagem e aquecimento9; por vezes é ligeiramente abaulado, formando dois pendores para escoamento das águas da chuva, a partir de uma linha ou cume central que as atravessa de lado a lado (fig. 29). Estes pormenores estão pois em relação com as funções de secagem próprias destas eiras, com o clima da região, e com o cereal a que dizem respeito; por essa razão, considerando que o milho é de difusão relativamente recente em muitas partes, e que é especialmente em relação a ele que a eira exerce aquela função, pode supor-se que a primitiva eira, ligada aos velhos cereais anteriormente existentes, que dispensavam a secagem, era a eira rasa e lisa, que aproveitava apenas qualquer superfície conveniente.

8No distrito de Aveiro as eiras são deste mesmo tipo, mas de outros materiais: antigamente de cal e areia, que esfarelava com muita facilidade, actualmente, quase sempre de cimento; e os pequenos muros que as circundam são de adobo.

  • 10 « Na véspera do dia combinado, no recinto previamente escolhido para a eira, geralmente terreno dur (...)

9Ao sul desta área, na faixa intermediária compreendendo os distritos de Coimbra e do norte da Estremadura, zona típica de encontro, contacto e transição entre as regiões atlântica e mediterrânea, aparece, ao lado do tipo quadrangular, que vem do norte, o tipo redondo, próprio do sul mediterrâneo, ora um ora outro conforme as localidades, sem ordem geográfica aparente, coexistindo muitas vezes, mesmo, ambos na mesma povoação. Estas eiras são também por vezes umas e outras abauladas, geralmente de cimento, em substituição dos antigos materiais leves, mas algumas de calcário; em locais arcaizantes – por exemplo na Serra de El-Rei ainda as há, como no norte, em «tufo», ou terra amassada, estendida à colher e batida, ou calcada pelas ovelhas e coberta de caruma durante o Inverno10.

  • 11 Durante o dia, o alpendre, com as suas portadas ou empanadas abertas de par em par por onde entra o (...)
  • 12 É óbvio que, além desta função primordial, o alpendre pode ser utilizado ocasionalmente para quaisq (...)
  • 13 Na realidade, todas estas operações se combinam e se seguem de modo complexo, tendo em atenção fact (...)
  • 14 Note-se que, mesmo em relação ao milho que se encontra no espigueiro ou na sequeira, no Inverno, se (...)
  • 15 Em certos casos ou regiões onde não existe espigueiro, como por exemplo o Porto, o costume é porém (...)

10Para lá porém da sua finalidade essencial e do seu formato próprio e material mais corrente de que são feitas, a principal característica diferencial das eiras das duas áreas fundamentais, atlântica e mediterrânea, que sublinha a sua relação com os tipos climáticos específicos de cada uma delas e, além disso, na área atlântica, com um produto que requer secagem prolongada – o milho, acima de tudo, em espiga e em grão, e também, em escala menor e menos importante, o feijão e, porventura, outros ainda – é a sua associação necessária, aqui, a um anexo coberto e geralmente fechado, onde se podem abrigar à noite e quando sobrevêm chuvadas, tão frequentes na região, mesmo na época estival, esses produtos, que nela se encontram a secar durante o dia: esse anexo é o alpendre, situado junto da eira, e a abrir directamente para ela11. A eira e o alpendre existem praticamente sempre, e dizem portanto respeito apenas à secagem prévia do cereal que dura vários dias, antes da sua utilização em grão, ou armazenagem em espiga12. Mas a colheita do milho geralmente não se ultima de uma só vez, e o seu ciclo arrasta-se por um longo período, que se inicia em Agosto e muitas vezes em Outubro ainda não acabou. E, mesmo dessas colheitas parciais, só uma pequena parte das espigas é de entrada debulhada, em vista às necessidades do momento, e de acordo com o tempo disponível, e a capacidade da eira, onde o grão é estendido a secar; todas as restantes espigas, depois de esfolhadas, têm de levar o devido arrumo, provisório ou definitivo, de modo que não fiquem amontoadas, sob pena de bolorarem. O princípio geral para esta arrumação, é de que quanto mais arejada e portanto mais espalhada ela for – e, consequentemente, quanto maior for o espaço ou o número de instalações adequadas de que se disponha – melhor será. De entrada, e sempre que possível, as espigas de cada colheita parcial estendem-se na eira, ao sol, juntamente com o grão já debulhado, numa camada horizontal o mais espalhada possível, de acordo com a sua quantidade e o espaço disponível da eira13. Mas a utilização desta, e embora ela seja o local ideal da secagem das espigas14, é limitada no espaço, e sobretudo no tempo, e tem apenas o carácter de uma função prévia. Por seu turno, os alpendres, embora abrigados, não servem para a guarda das espigas por largo período; de facto, associados à eira, sobretudo no que respeita à secagem, como anexo de recolha apenas do que nela se encontra, não possuem acomodações convenientes para a conservação do volume maior das espigas pelo ano adiante. São necessárias, portanto, além da eira e alpendre, outras instalações de mais vulto ou com dispositivos especiais em que as duas funções, de secagem e armazenagem a longo prazo, se confundem, e onde se guardam o grosso da colheita, não só as espigas que, de cada vez, não podem ir para a eira, porque lá não cabem ou porque o tempo o não permite, mas principalmente aquelas que são colhidas no tarde, quando a eira não é utilizável, e cuja secagem por isso se prolonga pela época chuvosa. Essas instalações, que têm carácter específico, são as sequeiras e os espigueiros. O espigueiro tem apenas em vista a armazenagem definitiva, e esta realiza-se pela disposição das espigas num edifício ou câmara, de paredes de fendas. As sequeiras são geralmente de dimensões avultadas, situam-se ao nível de um andar, virando para o sul, sobre a eira, uma fachada rasgada de portadas ou empanadas que deixam entrar o sol à vontade, e com as traseiras muitas vezes em ripado; as espigas arrumam-se nelas dispostas em camada horizontal, como na eira. As suas funções são mais eclécticas, confundindo, conforme os casos, as da eira e alpendre e as do espigueiro. Quando além dela existe também o espigueiro, a sequeira constitui sobretudo um local coberto e complementar de secagem prévia, quando a eira não é utilizável, e antes da arrumação definitiva das espigas no espigueiro. Quando não existe espigueiro – o que, além de inúmeros casos particulares, é normal em certas áreas, nomeadamente em terras de Guimarães, Fafe, Braga, Amares, Ponte da Barca, Cabeceiras de Basto, etc.15 – elas constituem mesmo locais específicos – embora menos perfeitos – de arrumação definitiva das espigas, mostrando então geralmente certos dispositivos especiais, prateleiras corridas ou outros sistemas, que aumentam a superfície onde elas se espalham na sua melhor exposição ao ar.

11Nos casos mais pobres, em que não existe sequeira nem espigueiro, as espigas arrumam-se mesmo no sobrado da própria casa de habitação ou na varanda; e esta é também a solução de recurso onde não existe sequeiro – o que é por sua vez normal em outras áreas – ou quando a eira está cheia, para as espigas que não se puderam ainda arrumar no espigueiro.

12Geralmente, como veremos, um só edifício faz as vezes de alpendre, no térreo, e de sequeira, no piso superior; de resto, estas funções nem sempre se extremam com nitidez, e com frequência vemos o mesmo local servir para a recolha nocturna do grão ou das espigas que secam na eira, e seguidamente para a armazenagem, estendida no chão, das espigas que ali não cabem e que aguardam arrumação definitiva, e até mesmo finalmente, para esta arrumação. Por vezes, mesmo, as sequeiras incluem espigueiros no seu interior; e é normal, terminadas as fainas da secagem e armazenagem do milho, no Inverno, a sua utilização, depois de vazias, como palheiros; e outrora também como local de dormida dos rapazes da casa.

  • 16 Acerca do ladrilho, ver Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, pp. 33 (...)

13Vemos assim na área atlântica, a eira associada normalmente – e até em certos casos necessariamente – a um ou mais edifícios que, com dimensões, formas e nomes diferentes – alpendres, sequeiras, casas de eira, varandões, beirais, arribarias de eira, etc., e, complementarmente, canastros, caniços ou espigueiros – desempenham fundamentalmente as funções de alpendre de recolha, sequeiras de secagem e armazenagem prévia ou definitiva, e espigueiros apenas de armazenagem definitiva das espigas, acentuando a relação que apontamos da eira dessa região com as condições peculiares do seu clima e cereal específico. E é perfeitamente característico o aspecto destas eiras, com o seu alpendre alto ou baixo, num dos lados, o espigueiro noutro (fígs. 32/42), e porventura a sequeira adiante. Essa relação da eira minhota com as condições especiais do clima atlântico, e, consequentemente, a natureza do alpendre, são particularmente evidenciados pela existência, em várias zonas dessa província, de uma instalação especial, num recinto coberto e fechado onde o cereal é malhado e arrecadado, muito semelhante à Tenne dos países germânicos, em que aparecem fundidas as funções da eira e do alpendre e até mesmo da sequeira. Em Vilarinho da Fuma e em vários casos no concelho da Ponte da Barca, esse anexo leva o nome de ladrilho, e é um edifício de planta quadrangular e pavimento lajeado, que por vezes coexiste com a eira propriamente dita e seu alpendre; nessa mesma zona, por vezes, não existe ladrilho, mas o milho é malhado dentro da própria sequeira, que parece assim fazer as suas vezes16.

14Não podemos saber qual terá sido a área inicial deste elemento no nosso País e se os actuais anexos de recolha, que representam a dissociação das duas funções em edifícios diferentes, se relacionam com ele ou se constituem soluções novas impostas ulteriormente pela difusão do milho. Em todo o caso, em Cabeceiras de Basto, onde as eiras são por vezes muito pequenas, o cereal é, semelhantemente, malhado no alpendre de baixo, que fica sob a sequeira, ou no alpendre de cima, do piso superior; em Celorico de Basto, o mesmo costume existe também, embora apenas em relação ao milho do espigueiro, que geralmente se vai malhando já durante o Inverno. E é fora de dúvida que, por exemplo, em muitos casos, o grande varandão de dois pisos, que borda a eira da região do Baixo Minho, mostra inúmeros traços semelhantes aos do ladrilho, diferindo quase somente na sua actual função, que é apenas de recolha e secagem, embora também, ocasionalmente, possa servir de local onde se malha o milho. Pode supor-se que, com a introdução do milho, cereal volumoso e de enorme produtividade, tenha sido necessário ampliarem-se e desenvolverem-se todas as instalações anteriormente conhecidas e existentes, criando-se mesmo novos anexos especializados, em vista a uma secagem muito avultada e demorada.

15Resumindo, vemos assim que às duas grandes regiões climáticas correspondem eiras com caracteres próprios e distintos que, por outro lado, se integram em complexos agrícolas diferentes: no leste transmontano e no sul mediterrâneo, a eira, em relação com uma zona de terras secas, de tradição comunitária ou de grande propriedade, e de cultura de tipo extensivo, fundamentalmente de cereais de pragana, centeio e trigo, que não requerem secagem especial antes da sua debulha e armazenagem, é vasta, aberta e vaga, de terra batida, ou quando muito – no Sul – uma superfície redonda que aí se circunscreveu, onde circulava o gado ou o trilho que operavam a debulha, e sem qualquer anexo; na zona atlântica, por seu turno, ela, em relação com uma região de terras frescas e húmidas, de pequena e média propriedade ou exploração, e de cultura de tipo intensivo, hoje fundamentalmente o milho, que requer longa secagem prévia antes da sua debulha e armazenagem, é de dimensões reduzidas, delimitada e fixa, outrora de terra calcada e argamassada com cal, barro e bosta, hoje geralmente de granito, e mostra sempre, além da sua forma quadrangular e da sua construção elaborada e concebida também em vista à secagem – elevada da solo e por vezes abaulada – um ou mais anexos destinados ora à recolha imediata ou ocasional das espigas daquele cereal que nela se encontram para ultimarem a sua maturação, ou, depois de lá se ter realizado a debulha, do grão que está a secar; nas áreas intermediárias e de contacto, nas terras do Centro dos distritos de Coimbra, Leiria, etc., também de pequena propriedade e exploração, e de cultura de tipo intensivo e fundamentahnente do milho, de características atlânticas com fortes influências mediterrâneas, aparecem signifícativamente sistemas mistos de transição, nomeadamente eiras redondas do Sul e eiras quadrangulares do Noroeste, umas e outras muito diminutas e com diversos tipos de alpendres.

16Na região do Porto as eiras – que são geralmente belas peças de cantaria, elevadas do solo e por vezes com uma pequena rampa de acesso para o carro – mostram grandes casas de eira, de arquitectura cuidada, com dois e até, raramente, três pisos, a que dão o nome de salões: de baixo, ao rés-do-chão, de cima e, quando o há, do meio. Nestes salões, sobre a eira, rasgam-se numerosas portadas de duas folhas estreitas forradas de chapa, de abrir para fora, como varandas sem guarda, entre pequenos lanços de paredes rebocadas; estas portadas abertas de par em par, deixam entrar o sol que inunda o recinto, ao mesmo tempo que, em correspondência com as janelas das demais fachadas, e sobretudo das traseiras, se estabelece um arejamento conveniente (fig. 39).

17O salão de baixo exerce predominantemente as funções de um coberto de recolha, para a noite ou para quando chove, do grão ou da espiga – ou de outros produtos – que secam na eira; os salões de cima servem mais de sequeira onde se espalham as espigas que não cabem na eira, e que vão secando enquanto não são debulhadas. Nesta zona, porém, onde praticamente não há espigueiros, é costume, em vez de se conservarem as espigas na sequeira, proceder sem demora à sua debulha.

18A norte do Porto, no interior, chegando a terras minhotas, para lá do rio Ave, a casa de eira cede lugar ao varandão característico do Baixo Minho, que, diferente daquela em certos pormenores, desempenha, contudo, idênticas fruições. Os varandões são também geralmente de dois pisos e, muito raramente, de três; a fachada sobre a eira, em todos eles, reduz-se aos pilares de pedra que enquadram largas empanadas de madeira, que articulam no lintel superior e abrem para dentro e para cima, prendendo por suspensão a um gancho que pende do tecto. Os pilares do piso térreo com frequênca mostram uma espécie de capitel rudimentar em semicírculo, onde apoiam as padieiras de suporte do barrotamento do sobrado (figs. 32,34,36 e 37). Com muita frequência na região e Guimarães, Braga e Barcelos, estes varandões são de dimensões muito avultadas, e têm a parede das traseiras do piso superior em ripado, para melhor arejamento do recinto ; mais raramente eles formam canto, bordando dois lados da eira.

19É também vulgar por esta região o varandão incorporado na casa de habitação, ocupando, de certo modo, o lugar que normalmente compete à varanda aberta.

20Um tipo estreitamente afim deste varandão encontra-se, com o nome de alpendre, em terras de Guimarães e Santo Tirso; ele é por vezes de grandes dimensões, mas de linhas mais secas, telhado de duas águas, e sem capitéis no térreo (fig. 37). Nas vizinhas terras de Basto, a feição muito arcaizante da região origina outros tipos, muito rústicos e rudes, aparecendo alpendres de espessa silharia maciça, com poucas aberturas – por vezes apenas uma portada no piso superior e outra larga no térreo – e recobertos de colmo.

21Na região de Amarante e Marco de Canavezes os tipos multiplicam-se, diferindo de terra para terra, e até por vezes na mesma aldeia: além do alpendre vulgar, que é aqui de uma construção muito linear (fig. 41), aparecem outros com uma frente de ripado ao nível do andar superior (que é geralmente muito baixo e serve de palheiro), sobre largas portadas que abrem para a eira (fig. 40). Em Baião, abundam alpendres térreos e pequenos; e em Penafiel, estas instalações, muito toscas, com telhado de colmo, chamam-se beirais.

22No concelho de Ponte da Barca, ao longo do vale de Lima, usa-se um tipo especial destes anexos, que leva o nome de sequeira, e que desempenha funções muito complexas: a sequeira é geralmente de dois pisos, o térreo por vezes aberto num ou mais lados, para arrumação do carro ou outras alfaias, o de cima para a secagem prévia das espigas; nestes, as paredes são de tabuado mal vedado, e mostram uma ou mais pequenas janelas; o acesso faz-se por uma escada exterior de pedra. A eira aqui é geralmente pequena, de terra batida, destinada apenas à malha do centeio; o milho é malhado dentro da sequeira, que faz assim as vezes de um ladrilho ou eira coberta, às vezes no térreo, cimentado para esse fim, mas mais frequentemente em cima; e, ainda neste andar, uma faixa com cerca de um metro de largura, isolada com ripas, junto às paredes, constitui o espigueiro, onde se guardam as espigas empilhadas. No Inverno, depois de armazenada a espiga, ela serve para arrumação de palhas. Estas sequeiras são geralmente de planta quase quadrada com cerca de seis a sete metros de largura, e com um telhado de quatro águas, ou, por vezes, de duas, com uma pequena janela à frente, sob o bico da empena. Actualmente, em alguns casos, elas têm no soalho um postigo de descarga, por onde a espiga cai directamente para a debulhadora mecânica, que se coloca por baixo.

23Nas terras de Bouro e de Amares, ao longo do vale do Rio Homem, aparecem varandões ou canastros que mostram um grande parentesco com essas sequeiras de Ponte de Barca. A sua planta é geralmente também quase quadrada; e não raro elevam-se sobre pilares paralíticos muito altos, vendo-se em baixo, entre eles, um sobrado descoberto onde se deitam as espigas ao ar para «esbelarem», isto é, para «ficarem bonitas». Uma ou mais fachadas são geralmente rasgadas por largas portadas ou empanadas móveis; as demais são de ripado e, como na Ponte da Barca, aí, por vezes, se monta, pelo Inverno, um verdadeiro espigueiro, para conservação das espigas. Para melhor arejamento, alguns destes varandões têm uma chaminé ou trapeira no telhado.

24Na orla marítima, ao norte da Póvoa do Varzim, o alpendre é só do rés-do-chão, aberto sobre a eira, de que borda um dos lados de lés a lés, e com frequência de facção muito boa, mostrando pilares ou cornijas lavradas, e cantarias esmeradas. De resto, por toda a parte aparece, nas pequenas instalações, o alpendre térreo, independentemente do tipo local, por vezes um simples barraco com um ou mais portais largos, num topo da eira.

25Ao sul do Douro, na região de Ovar, onde o espigueiro é raro, os alpendres, abrindo com portadas mais ou menos largas sobre a eira, têm em cima um andar baixo sobradado, arejado por um ripado na frente e outro, ou janelas, nas traseiras, chamado espigueiro ou sótão, onde se guardam as espigas estendidas no chão, por vezes até tarde, sem qualquer protecção contra os ratos; nos casos mais pobres, e mais para o sul, o ripado é substituído por frestas ou simples buracos que, depois de Estarreja, se definem em verdadeiros janelos.

26Na Vila da Feira, sobre um primitivo tipo térreo, divulgou-se recentemente uma sequeira pequena de andar de ripado à frente com um telhado de uma só água. Daí para baixo, porém, na Beira Litoral e nas regiões de milho do norte da Estremadura, o alpendre é geralmente térreo, quando muito com um pequeno piso superior açotado, que aproveita o espaço sob o telhado, em regra de duas águas e de empena para a frente, e que é, aí, de tabuado. Nas velhas casas da Murtosa, o alpendre de recolha faz arte da própria casa, cuja fachada dá directamente para a eira, sendo constituído pela graciosa galeria coberta, aberta e com colunas, que caracteriza essas casas. Na região de Coimbra aparecem também eiras situadas junto e em frente das casas de habitação, sendo estas que fazem as vezes do alpendre normal, onde se recolhe o que nelas seca. Nesta região, de resto, os alpendres mostram a maior variedade de formas, desde simples cobertos abertos, de uma só água, ou pequenas casotas com uma porta estreita e telhado de duas águas com empenas sobre a eira, ou ainda arribanas de eira, com um piso superior, sob a empena, de madeira, umas vezes à face do edifício, outras em recuo, deixando o barrotamento frontal à vista, com o térreo ora aberto, ora fechado, ora por vezes aberto à frente, mas com uma parte fechada em recuo, etc. (figs. 43/45, 47/51). E na Beira Alta, em terras de Paiva, Castro Daire, etc., aparecem alpendres minúsculos, casotas exíguas e pobres, apenas com uma porta estreita sobre um telhado de duas águas. Na região interior da Mealhada, por exemplo em Algeriz, de novo se encontram casas de eira de dois – e até em alguns casos raros de três – pisos: o térreo – que por vezes é aberto à frente ou também dos lados, apoiando a fachada frontal apenas em dois pilares nos cantos – como alpendre ou palheiro; o de cima, com ripado, como local onde se guardam as espigas, espalhadas no chão: o do meio quando existe, serve para arrumações. Como o local tem forte declive, geralmente os dois pisos ficam ao nível com o terreno, o de cima abrindo para as traseiras, o de baixo para a eira, de terra batida ou cimento, que aí se espraia (fig. 46).

  • 17 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, A Arte Popular em Portugal, I, p. 50.

27De um modo geral, na casa nortenha, que é tipicamente de rés-do-chão e andar, a varanda, que tem um carácter muito acentuadamente funcional, exerce normalmente as funções da sequeira, sobretudo quando esta não existe, mostrando mesmo, em algumas zonas minhotas, empanadas móveis de protecção que se podem levantar para deixar entrar o sol; e mesmo, em certos casos restritos e modestos, em que não existe a eira, a varanda é utilizada muitas vezes como local de secagem do grão já debulhado. Na zona atlântica, esta varanda, extremamente corrente, é grande, aberta, larga e corrida, de pedra ou de madeira, ao longo de um ou dos dois lados compridos da casa, e recoberta pela aba do telhado, que aí desce muito baixo, pousada em colunas ou prumos de pedra ou madeira. No Minho, ela fica no alinhamento da fachada, apoiada em pilares de pedra, encimados por essa mesma espécie de capitéis de cantos redondos a que em Braga chamam orelhas ; na região do Tâmega e Baixo Douro, ela é saliente, suportada pelos próprios barrotes em que assenta o sobrado do andar17.

  • 18 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, op. cit., pp. 80 e 84. Em todo o caso, a função de se (...)

28A varanda transmontana, bem como o balcão da Beira Alta, aproxima-se da varanda do noroeste, desempenhando funções idênticas de secagem; mas apresenta certos caracteres estruturais e morfológicos que a distingue daquela; a sua implantação na casa é mais irregular e os seus modos de suporte muito arcaicos – por vezes apenas enormes lascas de xisto bruto a prumo; outras, espessos contrafortes salientes, entre os quais ela corre – etc.18

29Dissemos que os diversos tipos de alpendres são para a recolha ocasional e a secagem prévia das espigas, mas não para a conservação a longo prazo, e sobretudo durante o tempo húmido. Para esta, toma-se de facto necessário um outro tipo de instalações, com um sistema de arejamento muito conveniente que, guardando a espiga num estádio incompleto de secagem, a conserve em boas condições pelo Inverno adiante. Falámos já nas sequeiras, normalmente situadas por cima dos alpendres, com a fachada virada ao sul rasgada de portadas ou empanadas, e as paredes traseiras geralmene de ripado, e onde as espigas se espalham no chão e em prateleiras mais ou menos adequadas; e vimos que em várias regiões e casos, elas constituem a única solução para o armazenamento definitivo. Contudo, o arejamento necessário obtém-se de modo mais conveniente num edifício de paredes inteiramente rasgadas por fendas e, além disso, sufícientemente estreito para que o ar circule facilmente através da massa de espigas empilhadas em altura; e ainda, tendo em vista a defesa contra a humidade do solo e os roedores, esse edifício deverá ser elevado sobre uma base – paredes ou pés – rematada por cornijas ou capitéis salientes; tal é a estrutura fundamental do espigueiro que, na maioria dos casos, como vimos, coexiste com os alpendres e as sequeiras de que falamos, ficando até, por vezes, incorporado nestas.

30É desses espigueiros, que se apresentam entre nós na região atlântica (como de resto na vizinha Galiza, que com ela forma, neste campo, uma área única) com uma extraordinária riqueza de formas e aspectos – desde os arcaicos canastros de verga, redondos e com as suas coruchas de colmo, que acentuam a expressão castreja da rude paisagem das nossas aldeias serranas, até aos magníficos espigueiros de pedra do Lindoso, ou a esses exemplares preciosos, obra-prima de artesanato, de pedra e madeira finamente lavrada, das grandes casas rurais de Vila do Conde – que agora passamos a ocupar-nos, definindo os tipos principais que se individualizaram, com as suas características, e procurando determinar as suas origens e relações com outros elementos culturais locais.

Notes

1 Sobre esta divisão, cfr. Orlando Ribeiro, Portugal, O Mediterrâneo e o A tlãntico, Coimbra, 1945.

2 Sem dúvida, mesmo nesta área, existe também em proporção considerável o milho de sequeiro; no Alentejo assiste-se recentemente à divulgação deste cereal que, ali, é todo de sequeiro; no Algarve ele, onde tal é possível, é preferentemente de regadio.

3 O Noroeste é a área característica do milho americano; e de facto, em relação a este, a debulha é menos caracterizada do que em relação aos cereais de pragana. Por outro lado, aí encontra-se sem dúvida também o centeio e o trigo que requerem debulha caracterizada ; mas estes cereais, embora em proporção avultada, não representam os cultivos básicos da área.

4 Em certas regiões, como Quintanilha, há mais do que uma eira, pertencendo cada uma a grupos locais definidos, com rivalidades entre si; e por exemplo em Rio de Onor a povoação é dividida em dois grupos ou « quadrilhas » – as quadrias – em relação com as malhas e às quais se pertence por direitos hereditários. (Ver Jorge Dias, Rio de Onor, comunitarismo agro-pastoril, Porto, 1953, p. 200).

5 Em Carvalho de Ega (Vila Flor) há uma eira de granito, sem guias, mas quadrangular ; mas isto é excepcional (fig. 25).

6 A introdução do milho no Algarve é recente e foi acompanhada pela difusão de certos elementos do complexo agrícola do Noroeste, como o malho. É possível que seja também essa influência que explica a feição da eira algarvia. Esta contudo, parece não ter, normalmente, alpendre anexo.

7 O desenvolvimento da çoteia e do pangaio estão na origem da casa típica de Olhão, tão justamente famosa, em que sobre o tecto do largo pangaio se espraia mais outro terraço – o mirante – e às vezes ainda outro – o contra-mirante ambos com acesso por escadas caprichosas, assentes em arcos ou cachorros, e que se imbricam, acavalam, sobrepõem, de prédio para prédio (Vide Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, A Arte Popular em Portugal, I, p. 115). Acerca das origens da çoteia algarvia, ver Wilhelm Giese, O problema da çoteia algarvia, Coimbra, 1935, que a considera herança agarena, excepto a de Olhão, que é recente, e que a tomou de outra preexistente na região, de Faro ou de Quelfas (e não, segundo o Autor, de modelos norte-africanos).

8 A diferença entre os tipos quadrangulares, por um lado, e redondos ou sem contornos, por outro, além possivelmente de uma diversidade de origens, corresponde e relaciona-se com o sistema de debulha tradicional próprio de cada uma das duas áreas respectivas: na atlântica, as malhas de centeio e do milho, feitas a mangual, que exigem a forma quadrangular, de acordo com a própria disposição dos malhadores; no sul, a debulha do trigo a sangue, em que os animais andam à volta da eira, ou a trilha, com o trilho, sempre em movimento circular. Na área transmontana, embora o cereal tradicional fosse o centeio e a debulha se fizesse a malho, o tipo de eira que descrevemos explica-se talvez pelo arcaísmo da região, associado às reminiscências comunitárias que, sob vários aspectos, dão o tom da vida local. De resto, aí, em muitos lugares, para a trilha da palha usa-se também o trilho, que é contudo de um tipo diferente do do sul.

9 Em Tecla (Celorico de Basto), onde, como em muitos outros lugares, a debulha do centeio a malho tem um aspecto de desporto competitivo muito acentuado, não hesitam em explicar este sistema de pavimentação elevada sobre uma caixa de ar pelo facto de ele dar maior relevo ao estalar dos malhos, que é o objectivo essencial dessa competição (Vide Fernando Galhano, Uma malha em Celorico de Basto, in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », vol. xviii, 3-4, Porto 1961-1962, pp. 353-357).

10 « Na véspera do dia combinado, no recinto previamente escolhido para a eira, geralmente terreno duro e liso que serviu nos anos anteriores para a debulha de cereais – os trabalhadores deitam água e moinha. No dia seguinte, logo pela manhã, com a alegria dos rapazes pequenos, chega o rebanho que vem fazer a eira (fig. 20). Homens e crianças começam então em grande algazarra, gritando, batendo latas e agitando chocalhos. Este barulho infernal espanta as ovelhas que correm em redor, calcando o terreno que se vai tornando consistente. Para o fim da tarde vêm alguns trabalhadores bater o chão com enxadas e a eira está pronta – lisa e plana como uma laje.
A eira pode ser paga em pastagem, com o malho ou em dinheiro – neste caso as contanas são feitas com o próprio patrão, e o pastor, além do jantar desse dia, recebe ainda uma «gorjeta para vinho», Murteira, uma povoação do concelho de Loures – Etnografia, linguagem, folclore, Maria Rosa Lila Dias Costa, Lisboa, 1961, pp. 93-94.

11 Durante o dia, o alpendre, com as suas portadas ou empanadas abertas de par em par por onde entra o sol, funciona verdadeiramente como um espaço complementar de secagem, um prolongamento da eira, onde se espalham também o grão e as espigas.

12 É óbvio que, além desta função primordial, o alpendre pode ser utilizado ocasionalmente para quaisquer outros fins, funcionando então como qualquer outro coberto de lavoura.

13 Na realidade, todas estas operações se combinam e se seguem de modo complexo, tendo em atenção factores muito diversos. Assim, em certas regiões, como por exemplo Montedor (Viana do Castelo), se o tempo de chuva não permite a secagem das espigas na eira, ou se esta está ocupada com o grão que se debulhou, parte delas – as que se encontram em melhor estado – são logo destinadas e até arrumadas no espigueiro. Outras vezes, o mesmo acontece se, pelo contrário, o tempo correu e está tão seco na ocasião da colheita que as espigas dispensam essa secagem prévia, e podem ser logo arrumadas no espigueiro.

14 Note-se que, mesmo em relação ao milho que se encontra no espigueiro ou na sequeira, no Inverno, se está sol, põem-se as espigas algum tempo na eira antes de as debulhar.

15 Em certos casos ou regiões onde não existe espigueiro, como por exemplo o Porto, o costume é porém fazer a debulha no cedo, dispensando a arrumação mais cuidada das espigas na sequeira para o Inverno, em que esta fica disponível para outros fins.

16 Acerca do ladrilho, ver Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, pp. 33-34. A respeito do assunto é curioso notar que em vários locais, nomeadamente em Priscos (Braga), Penselo (Cabeceiras de Basto), etc., usam a palavra ladrilho para designar a eira; mas é evidente que o nome pode referir-se apenas ao seu tipo de pavimentação.

17 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, A Arte Popular em Portugal, I, p. 50.

18 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, op. cit., pp. 80 e 84. Em todo o caso, a função de sequeira é, naturalmente, aqui, menos importante que no Minho.

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search