Version classiqueVersion mobile

Espigueiros portugueses

 | 
Jorge Dias
, 
Ernesto Veiga de Oliveia
, 
Fernando Galhano

Introdução

Texte intégral

  • 1 André Varagnac, Le Paléolithique Moyen et Supérieur de l’Europe et de l’Afrique, in L ’Homme avant (...)
  • 2 C. Daryll Ford, Habitat, Economy and Society, Londres, Nova Iorque, 1950, p. 111.
  • 3 Fridtjoff Nansen, Eskimoleben (1891), p. 90 e seg., cit. por Richard Thumwald, L ’Economie Primitiv (...)
  • 4 Richard Thurnwald, op. cit., p. 103-4.
  • 5 H. Vedder, Die Bergdama S.W. Afrikas, Hamburgo, 1923, p. 39 e 57 e sg. (cit. por R. Thurnwald id., (...)
  • 6 Daryll Forde, op. cit., p. 36-37 e 257.

1O costume de acumular produtos alimentares convenientemente preparados, ditado pela previsão, em ocasiões de abundância, de longos períodos de escassez, vem de muito longe, tendo precedido a agricultura, mesmo em relação a determinadas espécies vegetais. Certos povos do Paleolítico Superior da região do Vézère, em França, armazenavam já em verdadeiros silos de terra gelada a carne das peças de caça que capturavam em grande quantidade1; ainda hoje, os Esquimós da baía de Hudson e de Baffin conservam a gordura de foca, de que fazem grande consumo, em sacos de pele que armazenam depois em poços cavados junto às águas2; e, de um modo geral, esses mesmos povos secam sobre rochas certos peixes pequenos que, na época própria, são de tal modo abundantes, que as mulheres os apanham com baldes para dentro dos seus barcos, e que, assim preparados, constituem provisões para o Inverno3. Por seu turno, os Maoris da Nova Zelândia punham em monte, na praça da aldeia, a caça que os homens apanhavam, da qual coziam uma parte, guardando o restante no celeiro comum, donde se ia retirando, repartido entre todos, à medida das necessidades de cada um, independentemente do seu contributo4 esse celeiro exprime assim o comunitarismo que dá ali o tom da vida tribal. Mas temos mesmo notícia de populações que, em épocas recentes, viviam ainda numa fase recolectora – portanto pré-agricultora – e que, apesar disso, conheciam como nós, processos e sistemas de preservação e conservação de alguns produtos que recolhiam ; é o caso, por exemplo, dos Bergdama, povo de caçadores do Sudoeste africano, em que apenas as mulheres se dedicavam à recolecção de bolbos comestíveis que, numa cerimónia especial, torravam para assim os conservarem5; e, do mesmo modo, o de certos grupos de índios caçadores e pescadores, como os Iroqueses, em que também só as mulheres cultivam a terra, e que têm nas suas aldeias grandes celeiros e poços onde armazenam os grãos que colhem; pelo seu lado, os Paiutes dos vales orientais da Serra Nevada, a nordeste da Califórnia, conservam grãos e bagos secos, inteiros ou esmagados em pasta, em sacos de peles que guardam durante o Inverno em grandes poços forrados de erva, cavados nos seus acampamentos6.

2Com o aparecimento da agricultura, a domesticação dos animais e criação de gados e, de um modo geral, os progressos das técnicas e o desenvolvimento da economia humana, aumenta a produção de matérias alimentares; esta porém distribui-se muito desigualmente no tempo, em relação a cada espécie – para os animais, concentrada na ocasião das caçadas ou das matanças; para os vegetais, segundo o cilo natural, na época das respectivas colheitas, que são acontecimentos periódicos e até geralmente anuais –, tomando-se por isso necessária a conservação desse excedente ocasional de alimentos, que devem suprir o ano inteiro; tomam assim grande incremento, e multiplicam-se, sistemas muito diversificados de preservação e armazenamento de tais produtos, tendo em vista designadamente evitar a sua deterioração pela acção do tempo, e as depredações por parte da bicharada.

  • 7 André Varagnac, op. e loc. cit., p. 90 e 93, relaciona expressamente a criação da arte aurignacense (...)

3Esta possibilidade de conservar e acumular alimentos teve a maior importância na história do homem e da civilização humana: ela é, ao mesmo tempo, causa e efeito do próprio aumento da população ; e tomando menos premente a luta pela subsistência imediata, veio indirectamente permitir a especialização de funções e o aparecimento de actividades não utilitárias e das artes7.

  • 8 C. Daryll Forde, op. cit., pp. 92-93.

4É curioso notar que nos povos da Colúmbia britânica, na costa noroeste da América, o valor dos direitos sobre as terras derivava da necessidade de acumular grandes quantidades de alimentos para as festas em que a nobreza assentava o seu prestígio; este sistema competitivo estimulava a exploração intensiva dos recursos naturais, e obrigava a acumulá-los8

5Aquela variedade de processos de preservação e armazenamento relaciona- –se, em primeiro lugar, com a própria diversidade de produtos alimentares e é, além disso, condicionada pelo clima e pelas condições naturais das diferentes regiões. Muitas vezes a preparação ou secagem e a armazenagem confunde-se na mesma operação, porque as espécies em causa vão operando a sua preservação ao mesmo tempo e nos próprios locais ou recipientes adequados onde foram armazenados e onde permanecem até serem completamente consumidos. Em alguns casos, porém, aquelas operações dissociam-se, e só depois de convenientemente preparados por processos específicos, que variam com a natureza dos produtos, é que estes se podem armazenar. Certos produtos, além da sua utilização em fresco, sofrem mesmo transformações profundas mais ou menos elaboradas, e conservam-se apenas nessas formas derivadas; tal o caso do vinho, do azeite, da manteiga, do queijo, das compotas.

  • 9 C. Daryll Forde, op. cit., p. 190.
  • 10 Em Rio de Onor, além de se «pilar» a castanha ao calor da lareira, conserva-se esta fechada numa ca (...)
  • 11 Iván Balassa, A Magyar Kukorica, Budapeste, 1960.
  • 12 Em Palheiros de Mira, quando algum náufrago dá à praia ainda com vida, metem-no nos tanques do sal (...)
  • 13 Os romanos serviam-se exclusivamente de vasilhas de barro, dolia, onde envasilhavam o vinho novo, e (...)
  • 14 É o que com efeito parece indicar o facto de em quase todas as línguas europeias, o étimo marmelada(...)

6Assim, em relação a certos grãos, cereais, leguminosas e frutos, usa-se, nas espécies em que tal é necessário – geralmente aquelas que são próprias de climas mais húmidos – principalmente a preservação pela secagem prévia por exposição ao sol e ao ar, em terraços, varandas, terreiros diversos – espaços abertos ou eiras em alguns casos – ou edifícios cobertos, pousadas em muros ou telhados, se as casas são baixas, em mantas ou tabuleiros, como fazem na região de Coimbra para o figo, etc. O peixe é também muitas vezes, e do mesmo modo a carne em certos casos, como no Brasil e na África – seco ao sol; entre nós, em vários pontos da costa, as populações piscatórias usam este processo em relação especialmente ao cação, ao polvo, à moreia, etc., que, depois de abertos e limpos, se penduram de fios corridos entre paus postos ao alto – por vezes mesmo o cordame dos mastros das traineiras – e ficam assim a secar, expostos ao sol e ao vento; e na Nazaré e em Peniche, o carapau, em grandes quantidades, é disposto em tabuleiros inclinados, voltados para o sol. A secagem por exposição ao fumo e ao calor do fogo é também muito corrente, designadamente para certos peixes, como o arenque, para carnes, sobretudo a de porco, queijos, e mesmo, por vezes, para alguns produtos vegetais, como o milho em África, o fruto do pão nas ilhas Salomão, que se guarda depois de embrulhado em folhas9, etc. Em Portugal este processo aplica-se principalmente à preparação da carne de porco, designada mesmo, em muitas regiões, pelo nome de fumeiro, que o exprime claramente; em muitas cozinhas há dispositivos rudimentares especiais, barrotes ou paus passados entre o travejamento, sobre a lareira, enegrecidos pela fuligem, donde se dependuram as peças que se pretende fumar, tal é, por exemplo, o peão dos chouriços, nos palheiros de Mira. A castanha é também seca, ou pilada, ao ar quente do fogo, espalhada sobre os caniços de canas ou varas, pousados, do mesmo modo, entre as traves por cima da lareira, nas casas de certas zonas serranas do norte10; e na faixa nordeste da Beira Alta, a secagem final do figo que foi exposto ao sol, ultima-se em certos fornos especiais, que se vêem nos campos, dispersos na paisagem. Na Hungria, o milho é também seco ao sol; mas, por vezes, mais raramente, e sobretudo em certas zonas montanhosas, é preciso também secar as espigas num forno11. A preservação por meio de salga ou salmoura, que opera a desidratação dos produtos e cria um meio desfavorável à proliferação dos gérmens, é normal na conservação do peixe, designadamente o bacalhau, a sardinha, da carne, especialmente a de porco, e doutros produtos ainda, como, por exemplo, os ovos, na China12. Em toda a casa rural portuguesa, do norte a sul do país, há, arrumada em qualquer loja ou recanto, uma grande arca ou caixa, a salgadeira, onde se guardam, embrulhadas em sal, as mantas de toucinho, a orelheira, as pernas e, em geral, todas as partes do animal que não se comem em fresco nem se destinam ao fumeiro. O bacalhau é aberto e salgado a bordo dos navios, na ocasião da safra e, depois de assim preparado, seco ao ar sobre fios, nas grandes instalações das secas; a salga de sardinha, que leva o nome de salmoira, faz-se hoje sobretudo por processos industrializados. A azeitona, por sua vez, é conservada em água salgada, em talhas ou tanques, maiores ou menores. Certas outras espécies conservam-se isolando-as completamente do ar, já mergulhadas em gorduras ou banhas, como é o caso para determinadas partes do porco, ou em azeite, como os queijos de Castelo Branco, já enterradas na areia, na terra (como se faz com as batatas na região de Montalegre, dispostas entre camadas de palha), na cal, palha, serrim, etc. O vinho, por sua vez, preserva-se e conserva-se fechado em recipientes herméticos, barris de madeira atestados, já conhecidos dos Gauleses, ou vasilhas de barro – os dolia – à maneira romana13; entre nós, o primeiro sistema, em barris de aduelas fixas com arcos de ferro é o mais geral; mas na região alentejana, de fundo carácter mediterrâneo, usam-se grandes potes de barro, certamente herdeiros desses dolia romanos, em que uma capa de azeite, que flutua à tona, faz as vezes de camada isoladora e de tampa. Os frutos, além de secos, podem também, em muitos casos, preservar-se e conservar-se, inteiros ou em pasta, recozidos em açúcar, sob a forma de doces ou compotas; este processo tem uma larga difusão em Portugal, em certos sectores, especialmente no que se refere ao marmelo, como forma de aproveitamento de uma polpa muito abundante, e doutro modo inutilizável ; a considerar o elemento linguístico, pode supor-se que esse sistema é uma invenção portuguesa, que o açúcar da Madeira e depois do Brasil permitiu, e que se teria elaborado em seguida a partir da marmelada14.

7Depois de assim secos ou diversamente preparados para se conservarem, e nos casos em que essas operações prévias e especiais são desnecessárias, e a armazenagem adequada constitui o próprio processo de preservação dos produtos, estes são guardados segundo modos e sistemas também vários, de acordo com as diferenças regiões e conveniências impostas pela natureza de cada um deles, e as condições climáticas e culturais, tendo sobretudo em vista, como dissemos, protegê-los e resguardá-los contra a acção deteriorante do ar, da luz, do calor ou da humidade, e contra as destruições por animais daninhos, nomeadamente insectos, carnívoros e sobretudo roedores.

  • 15 Nas regiões tropicais, porém, durante o período seco e para armazenagem de certos produtos, usam-se (...)
  • 16 Cf. Aguçadoura, Estudo Económico Agrícola, Junta de Colonização Interna (Ministério da Economia), L (...)
  • 17 No subtipo de Mira, este celeiro fica a seguir à casa propriamente dita, sobre um outro celeiro tér (...)
  • 18 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, A Arte Popular em Portugal, I, p. 84.

8Nas zonas onde existem períodos normais e regulares de precipitações abundantes, na Europa húmida em geral, nas regiões tropicais e subtropicais, etc., é principalmente contra a humidade que os sistemas de guarda e conservação dos produtos alimentares são concebidos ; aparecem por isso os recintos escuros e arejados, elevados ou isolados do solo, e fechados, de modo que neles não possam penetrar nem a humidade e a luz excessiva, nem, convergentemente, os animais, mas com rasgos e aberturas que permitam a circulação do ar, impedindo o aparecimento de bolores15. Por vezes, esses recintos são apenas uma divisão especial incluída na própria casa rural, a que daremos o nome de celeiro interior. Em alguns casos africanos e europeus, tal celeiro é localizado sob o telhado, no sótão, e é essa disposição que no nosso continente determina o aparecimento do chamado «telhado parede», ou seja, o telhado com grande inclinação; outras vezes, porém, ele é apenas um recanto qualquer, terraço, varanda ou outro compartimento de arrumos, que, mais raramente, pode ser especializado e isolado com ripas. Às vezes, designadamente nas áreas da casa-bloco, em que o sector de habitação é um andar sobradado sobre o térreo de lojas, arrumações e outras dependências, a armazenagem em casa tem lugar nessas lojas térreas, aproveitadas para esse fim, e situadas a par das demais dependências. Em Portugal, o sistema mais geral é o destes celeiros interiores, que se apresentam sob duas formas principais: 1) celeiros sob o telhado; 2) celeiros no térreo. Entre os primeiros, que são constituídos por sótãos de arrumações mais ou menos especializados, mencionaremos em especial o triato da casa rural da região ao norte da Póvoa de Varzim, com frestas ou ripado de madeira, para armazenagem ou conservação da batata, de grande importância na agricultura local16 e que está relacionada com a apanha do sargaço; o celeiro para a seca do feijão, da casa grandaresa, que na Tocha se situa por cima da parte de habitação, aproveitando o sótão sobradado, com postigos de arejamento por baixo do beiral17; o sobrado das casas da Beira Alta, com acesso por uma escada que parte da cozinha, e que serve de sótão de arrecadação para fruta, batata, cebola, tulhas de cereal e feijão, etc.18 Os celeiros no rés-do-chão, normais naturalmente na zona norte do País que corresponde à área da casa com dois pisos, consistem em geral nas lojas de arrumação aí situadas, que em certos casos tomam nomes específicos – a tulha ou loja do cereal (onde se guardam as tulhas ou arcas de cereal), a adega do vinho, etc.

9Outras vezes, porém, num sistema mais característico e que, sob tipos e aspectos muito variados, se conhece em todo o mundo, o recinto de conservação e armazenagem de produtos alimentares, vegetais ou animais, é constituído por uma instalação própria, independente da casa de habitação, e anexa da unidade rural, que denominaremos celeiro exterior, e que pode ir desde grandes edifícios largos e amplos, a pequenas construções especiais, ou mesmo a simples recipientes, de barro ou cestaria, que se colocam fora de casa; e que ora têm carácter geral, servindo – designadamente nas regiões de policultura ou de economia variada – para toda a qualidade de produtos ao mesmo tempo, sem qualquer especialização, ora respeitam unicamente ou principalmente ao produto característico da região, e mostram, por vezes, certos ajustamentos específicos.

  • 19 Em Bornéo, no Dayak, os sarcófagos são elevados sobre pilares, num tipo de construção palafítico.
  • 20 Num sistema que se pode equiparar aos palafitos para guardar o milho ao ar e fora do alcance dos ro (...)
  • 21 Para todos estes exemplos, cfr. Eugeniuz Frankowski, op. cit., p. 11-32, fig. 1-11 e grav. I-VII, p (...)

10Dentre todas estas categorias de celeiros exteriores, isolados do solo ou elevados e arejados, avultam pelo seu interesse especial os de tipo palafítico, geralmente assentes sobre pilares ou estacas que rematam por quaisquer sistemas que impedem a passagem de animais – roedores, carnívoros, insectos, formigas ou térmitas, etc. – e ora com paredes rasgadas de fendas estreitas que permitem o arejamento da câmara interior, ora com pequenos postigos ou janelos. Tal é o caso dos hórreos largos das Astúrias (figs. 1 e 2) e das províncias de Leon, Palencia e Santander, onde se guarda o grão, a carne, a roupa, com soberas para o queijo, sob o beiral, onde se penduram as espigas em réstias pelo lado exterior, e que servem mesmo de quarto de dormir para os rapazes, na época quente; é-o também o dos antigos garaixes bascos, dos hebre suecos e dos belos stabur noruegueses de madeira, sobre pés ou pilares, com as suas guarnições lavradas, alguns dos quais remontam ao século XVI, e cujo andar superior, com varanda, servia também por vezes de quarto de dormir (figs. 3,4 e 5) ; dos grandes celeiros suíços, geralmente para queijo ou para palhas, do cantão de Valais e do Ticino (fig. 6), dos Bávaros, Polacos, Caucásicos (fig. 7), Ingleses, do Surrey, Escoceses, etc., que com aqueles mostram por vezes grandes afinidades ; e igualmente o de inúmeros tipos de celeiros de vários países asiáticos, africanos, americanos, da Sibéria, do Japão, da Formosa, do Assam, da Nova Guiné, das Celebes, e sobretudo de Sumatra e Java, da região birmânica do Iraudi, das Filipinas, etc.19, destinados especialmente ao arroz, e que mostram por vezes aspectos muito semelhantes aos nossos canastros de varas; nestas últimas ilhas, por exemplo, eles são feitos de palmeiras, com paredes de varas entretecidas ou ripado vertical, telhado de palha de quatro águas, e assentam sobre pilares por vezes muito altos, com dispositivos, como entre nós, para impedirem a passagem da bicharia. Em África, por seu turno, estes celeiros exteriores sobre estacaria, como meio de defesa contra a humidade, os roedores e também muitas vezes as formigas e térmites, aparecem igualmente em inúmeras partes, especialmente na zona central e meridional do continente; em Madagáscar, por exemplo, eles são quadrangulares, com grade e prumos de madeira sobre pés altos, como os nossos espigueiros, um telhado de palha de duas águas, e destinam-se também à guarda do arroz; entre as populações negras do Alto Nilo, eles são de varedo revestido de barro ou bosta. No reino de Mudjaje, na África meridional, estes celeiros são redondos e também revestidos de barro, construídos sobre uma grade de paus pousados sobre pedras que mal os elevam do solo, e com uma cobertura cónica (fig. 8). Tal sistema de cobertura é de resto muito frequente neste género de construções e, muitas vezes, ela é de levantar como nos nossos canastros de varas. Os Núbios fazem celeiros de barro, e do mesmo modo os Golos, que lhes dão a forma de uma taça cravada numa estaca central e com outras laterais de apoio. Em Moçambique, no planalto dos Macondes, ao norte da Província, encontram-se celeiros sobre estacas para sorgo, quadrangulares, largos, com as paredes de canas, uma porta estreita num dos topos, e um telhado de palha de duas águas, duma estrutura muito semelhante aos nossos espigueiros ; e em Angola, os Quiocos usam também celeiros sobre estacaria, de planta quadrada do mesmo género, no distrito de Lunda (fig. 9). Muitas vezes, nesses níveis elementares de economia agrícola, os celeiros não são edifícios propriamente ditos, mas simples recipientes de dimensões reduzidas, que ficam fora e ao lado da casa, elevados do solo, montados sobre estacas, que ora são independentes ora fazem mesmo parte da sua estrutura20. Estes recipientes-celeiros, geralmente de cestaria diversa, são particularmente frequentes em África; em Angola e Moçambique, por exemplo, eles encontram-se sob uma grande variedade de tipos: em Àngola, no Huíla, têm por vezes o aspecto de grandes seiras cónicas de fibras vegetais, geralmente com tampa, que ora se pousam num pequeno estrado de paus elevado sobre estacas (fig. 10), ora apoiam num aro preso a uma série de estacas laterais e ficam com o vértice para baixo (fig. 11); outras vezes, usam-se grandes cestos em espiral cosida, tapados, pousados sobre pedras baixas (fig. 12); em Ambaca, além destes sistemas, usam-se também celeiros de fibras, suspensos do alto de uma estaca, muito elevada do solo; e o mesmo se vê no Congo Português, em recipientes periformes, para o arroz, revestidos exteriormente de folhas de palmeira, cujas pontas esfiadas se entrançam nas das próximas (fig. 13). Em Moçambique, por seu turno, estes recipientes-celeiros são de muitos tipos, nomeadamente no planalto dos Macondes: ora de cestaria em espiral cosida, em palha de capim, pousados num estrado assente sobre estacas (fig. 14), ou no chão (fig. 15), para feijão, ora em sacos de palma tecida, para sementes de leguminosas (fig. 16), recipientes de casca de árvores (fig. 17) ou mesmo simples potes da água pousados no chão e hermeticamente tapados (fig. 18) para feijão. E em Montepuez vemos recipientes suspensos de uma estaca alta, muito estreitos e alongados, também para feijão (fig. 19). Na América, existem celeiros sobre pés ou pilares no Equador, para cacau; nos Pampas, como meio de defesa contra o coelho da Pampa; entre os Iroqueses e outros índios para o trigo21, etc.

  • 22 Iván Balassa, op. cit.
  • 23 E. Aubert de la Rüe, Quelques types de greniers à mais du Mexique, in: «La Révue de Geógraphie Huma (...)

11Além destes, encontramos – e é o caso que particularmente nos interessa – celeiros exteriores, sobre estacaria e de paredes com fendas que permitem o arejamento da câmara, relacionados com o milho graúdo, para armazenagem das espigas, especializados e concebidos em vista às exigências especiais da secagem deste cereal, em inúmeros países onde ele constitui um elemento importante na economia rural; nomeadamente os canastros de varas e espigueiros de ripado ou balaústres de pedra da área galaico-portuguesa, e do mesmo modo os Kukyruzniaks e outros tipos de varedo entretecido ou de ripas ou tabuado, dos Balcãs, da Jugoslávia, Hungria, Bulgária, Roménia, do Cáucaso, nos núcleos alemães de Siebenbürgen, na Roménia. Na América, país de origem do milho, já os Maias parece que usavam espigueiros desse género; eles ainda hoje se usam entre certas tribos de índios e têm, por vezes, a forma de uma gaiola, com tábuas dos lados e ripas nos topos, e assentes sobre colunas baixas22; especialmente no México, eles mostram-se sob formas muito variadas, ora redondos, de barro ou de pau-a-pique, ora quadrangulares, também de barro ou de ripado horizontal (nas zonas florestais), mas sempre como verdadeiros espigueiros qualificados para o milho23. Do mesmo modo, em África, nomeadamente entre os Macondes de Moçambique, encontramos celeiros para o milho, de varedo entretecido, sobre estacas. Muitos destes tipos, para lá de certas diferenças de pormenor, mostram grandes semelhanças entre si e com os nossos espigueiros. Por outro lado, além destes, aparecem, em alguns países, outros sistemas de secagem e armazenagem do milho em espiga, sem ser propriamente em celeiros, mas nomeadamente a conservação das espigas em réstias, no exterior, em certas instalações especiais ou adaptadas a tal fim, nas Astúrias, no Norte da Itália, na Hungria, antigamente em França, na América, etc., e, entre nós, na ilha da Madeira, pendurado de árvores, ou nos Açores, disposto no «cafuão»; além mesmo da armazenagem no sótão, a que já aludimos, etc. Mas de todos eles nos ocuparemos num outro lugar.

  • 24 É esta a opinião de Frankowski, op. cit., p. 48, que entende que os celeiros sobre estacas são cons (...)

12A generalidade de difusão deste sistema de celeiros sobre estacaria, pés ou pilares, que existem nas regiões e países mais distantes e díspares sem praticamente quaisquer relações entre si; a grande diversidade de formas sob que eles aparecem, e a sua afectação aos produtos mais variados, justificam a hipótese da sua criação múltipla e independente24. Na Península Ibérica, por exemplo, enquanto que os pequenos celeiros circulares sobre pés, de vergas entretecidas, hoje usados apenas para o milho grosso na Galiza e no Noroeste de Portugal, com os nomes de cabeceiros e canastros respectivamente, vêm, certamente, de remotos tempos neolíticos, os actuais espigueiros rectangulares para o mesmo cereal, parece terem sido difundidos, no século v da nossa era, pelos suevos que se instalaram nessas regiões. Por outro lado, a respeito da Hispânia Citerior, Varrão descreve uns celeiros desse tipo em termos que indigitam a sua aproximação com os actuais hórreos largos asturianos, que a nomenclatura respectiva acentua sugestivamente, e que parecem fixar, para estes, uma origem pré-romana.

  • 25 Por razões geográficas diferentes, mas de certo modo convergentes, vimos os Esquimós armazenarem ig (...)
  • 26 Cit. por Gama Barros.
  • 27 A. Garcia y Bellido, La Espana del siglo primero de nuestra era segun P. Melay C. Plínio, Madrid (A (...)
  • 28 Luís da Silva Ribeiro, Celeiros subterrâneos, in: «Buletim da Comissão Reguladora dos Cereais do Ar (...)
  • 29 L ’Homme avant l ’Ecriture, p. 237.
  • 30 G. Glotz, La Civilization Egéenne (col. «L’Evolution de l’Humanité »), Paris (A. Michel), 1937, p. (...)

13Nas regiões muito secas, quentes e áridas, toma-se sobretudo necessário abrigar os produtos do calor, da luz e do ar; além dos processos indicados, que em certos casos e circunstâncias aí se usam igualmente, conhecem-se também, designadamente para os cereais, silos estanques que, segundo a estrutura dos terrenos, podem ser covas cavadas na rocha, por vezes com o fundo recoberto de palha e hermeticamente fechados, por onde não existem rochas ou estas não são fáceis de escavar, abrigos subterrâneos revestidos de barro, ou mesmo recipientes avulsos, grandes cântaros perfeitamente tapados, ou cestos de verga recobertos de barro, que se guardam em qualquer lugar escuro ou que ficam ao ar, pousados no chão ou elevados do solo por qualquer processo, de forma a serem inacessíveis aos animais. Uns e outros são correntes no mundo mediterrâneo e árabe, na Península Ibérica, no Egipto, em Creta, na Ásia Menor25. Varrão alude a abrigos subterrâneos onde se guardava o trigo, na Hispânia Citerior e no Campo de Cartagena e de Osca26. Plínio fala também de silos estanques, cavados em terrenos secos e com um leito de palha, onde se guardava o grão, por vezes em espiga, na Capadócia, Trácia, Hispânia e África27; e Garcia y Bellido, comentando esta passagem, indica a existência de vestígios de tais construções na Ásia Menor (Capadócia e Anatólia), nos Balcãs, no Norte de África e na Península Ibérica, com a forma de grandes talhas vazadas na rocha, bojudas a meio, e com a boca estreita. Existem entre nós claros vestígios e restos arqueológicos de tais silos no Algarve e no Alentejo, já de tempos históricos, talvez mesmo medievais, provavelmente de origem árabe28. No Egipto usavam-se, já na época neolítica, silos com muros revestidos de barro e forrados de palha ou de canas29; em Creta ainda hoje se podem admirar os enormes «pithoï» de barro onde se guardava o trigo e a cevada, e as talhas contendo legumes secos, ervilhas, ervilhaca, favas e lentilhas30, colocados nos subterrâneos do palácio de Cnossos e nas ruínas das casas de Hagia Triada e de Palaicastro, que constituíam assim verdadeiros celeiros internos.

  • 31 No século ix já eram comuns entre nós os recipientes de madeira, cubos e cubas, para guardar cereai (...)
  • 32 Cfr. Jorge Dias, Um brêz de Montemuro e um cesto egípcio da XII dinastia, in: «Revista de Guimarães (...)
  • 33 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, Casas da Murtosa, in: «Trabalhos de Antropologia e Et (...)

14Os diversos produtos a armazenar em todos estes silos ou celeiros, interiores e exteriores, herméticos ou arejados, conforme as regiões, mas geralmente frescos, secos, escuros e defendidos dos animais, ora se espalham ou amontoam simplesmente pelo chão, ora, mais frequentemente, se fecham em quaisquer recipientes estanques, caixas, vasilhas de barro ou de casca de árvore, como em África, seiras ou cestos, sacos de pano ou de fibras diversas, couro ou peles, como vimos nos índios Paiutes e certas tribos esquimós, etc., que por sua vez ali se depositam pousados igualmente no chão ou sobre pés ou peanhas que os isolam do solo. Em Portugal, a armazenagem normal, para a maioria dos casos faz-se em arcas ou caixas, cântaros, talhas, cestos, seiras ou barris, que muitas vezes levam nomes determinados, de acordo com as suas funções; temos desse modo as tulhas, ou arcas de madeira para o cereal e o feijão31; os grandes brezes ou cestos de rolos de palha de espiral cosida da Serra de Montemuro, com tampa, que fazem ali as vezes das tulhas, tais como se usavam no Egipto, já na I dinastia32 e como vimos em Huíla (Angola); as enormes seiras de empreita usadas no Algarve, etc.; e já mencionámos a salgadeira, simples arca de madeira para a carne de porco na salga, e as talhas ou tanques onde a azeitona se conserva mergulhada em água salgada. O azeite envasilha-se em pipas de madeira ou, se a produção é diminuta, igualmente em talhas de barro; o vinho, como o azeite, guarda-se em pipas de madeira, estanques e atestadas, e, no Alentejo, em grandes potes de barro. Por sua vez, a batata é geralmente espalhada ou amontoada pelo chão e sobre prateleiras de ripado, de preferência sobre madeira, quase sempre recoberta de palha; e do mesmo modo, certos frutos, designadamente a maçã. A cebola no caso mais corrente, é amarrada em résteas ou cabos, e pendurada; é identicamente os alhos, amarrados em molhos; na região ao norte da Póvoa de Varzim, contudo, a cebola, cultivada em larga escala, é disposta em montes compactos, chamados serras, dentro dos barracões de madeira e colmo. E vimos também que em Montalegre a batata se conserva ensilada na terra, envolta em palha. É também conhecida a arrumação, por curto prazo, das abóboras em cima dos muros ou dos telhados, nomeadamente nas regiões onde as casas ou alpendres são térreos e baixos; na Murtosa, por exemplo, onde o estilo local nos mostra um belo alpendre de colunas que dá para a eira, a água do telhado que o recobre é normalmente usada para esse fim33.

Notes

1 André Varagnac, Le Paléolithique Moyen et Supérieur de l’Europe et de l’Afrique, in L ’Homme avant l ’Escriture, dir. André Varagnac, Paris, 1959, p. 95 (Colec. «Destins du Monde», dir. Lucien Febure e Femand Braudel, Paris, Colin).

2 C. Daryll Ford, Habitat, Economy and Society, Londres, Nova Iorque, 1950, p. 111.

3 Fridtjoff Nansen, Eskimoleben (1891), p. 90 e seg., cit. por Richard Thumwald, L ’Economie Primitive, trad. franc.. Paris, Payot, 1937, p. 94.

4 Richard Thurnwald, op. cit., p. 103-4.

5 H. Vedder, Die Bergdama S.W. Afrikas, Hamburgo, 1923, p. 39 e 57 e sg. (cit. por R. Thurnwald id., p. 96).

6 Daryll Forde, op. cit., p. 36-37 e 257.

7 André Varagnac, op. e loc. cit., p. 90 e 93, relaciona expressamente a criação da arte aurignacense, como expressão de actividades mágico-religiosas, com a azagaia, que, dando maior segurança ao dia de amanhã, liberava alguns membros das preocupações da caça e lhes permitia especializações daquela natureza.

8 C. Daryll Forde, op. cit., pp. 92-93.

9 C. Daryll Forde, op. cit., p. 190.

10 Em Rio de Onor, além de se «pilar» a castanha ao calor da lareira, conserva-se esta fechada numa caixa, entremeando camadas de fruto e camadas de palha ou folhas de castanheiro.

11 Iván Balassa, A Magyar Kukorica, Budapeste, 1960.

12 Em Palheiros de Mira, quando algum náufrago dá à praia ainda com vida, metem-no nos tanques do sal onde se faz a salga da sardinha, nos armazéns da praia, «para apertar os ossos».

13 Os romanos serviam-se exclusivamente de vasilhas de barro, dolia, onde envasilhavam o vinho novo, e ânforas, para onde o trasfegavam e em que o transportavam, destas o tirando para os gastos diários. Restos de ânforas aparecem em grande quantidade nas ruínas de Briteiros e em muitas outras; mas não dos dolia, que parece faltarem. A ausência destes dólia faz crer que o vinho então aqui consumido era importado e não fabricado cá, e as restrições à viticultura até ao Imperador Probus apoiam esta hipótese. Vid. Alberto Sampaio, Estudos Históricos e Económicos, I, Porto, 1923, p. 112.

14 É o que com efeito parece indicar o facto de em quase todas as línguas europeias, o étimo marmelada ser o termo geral para qualquer compota, seja de que fruto for, o que deixa supor que foi a nossa marmelada quem baptizou o processo. Acresce que, aqui, a feitura desta categoria especial é um hábito extremamente corrente, e que a marmelada é sobremesa de recurso de uso muito geral entre nós.

15 Nas regiões tropicais, porém, durante o período seco e para armazenagem de certos produtos, usam-se também potes de barro fechados, ou recipientes de casca de árvores ou de fibras vegetais barreados, estanques.

16 Cf. Aguçadoura, Estudo Económico Agrícola, Junta de Colonização Interna (Ministério da Economia), Lisboa, 1944, p. 115.

17 No subtipo de Mira, este celeiro fica a seguir à casa propriamente dita, sobre um outro celeiro térreo, e mostra um ou dois postigos para o exterior, a seguir ao largo portão de entrada; ele é a única divisão com dois pisos existente no conjunto desta casa-pátio, e além da sua função específica serve de local de dormida aos rapazes, quando não há quartos que cheguem para todos, o que é frequente. Mais para o interior, onde a cultura do vinho tem progressiva importância, o celeiro térreo desempenha funções de adega, e toma esse nome. Por vezes, ele ocupa o vão do telhado correspondente a todo o comprimento do edifício. Vide Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, A região e a casa gandaresa, in «Trabalhos da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, XVII, 1-4, Porto, 1959, p. 417-443.

18 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, A Arte Popular em Portugal, I, p. 84.

19 Em Bornéo, no Dayak, os sarcófagos são elevados sobre pilares, num tipo de construção palafítico.

20 Num sistema que se pode equiparar aos palafitos para guardar o milho ao ar e fora do alcance dos roedores, usam-se, em certos pontos, cestos que se penduram de árvores; vid. Eugeniuz Frankowski, Hórreos y Palafitos de la Península Ibérica, Madrid, 1918, p. 46.

21 Para todos estes exemplos, cfr. Eugeniuz Frankowski, op. cit., p. 11-32, fig. 1-11 e grav. I-VII, para os «hórreos» espanhóis; e pp. 37-47, fig. 13-24, e grav. x-xi, para os celeiros palafíticos de outros países. Folklorey Costumbres de España, dir.: F. Carreras y Candi, T. i, Barcelona, 1943, p. 346. Adolf Helbok – Henrich Marzell, Haus und Siedlung im Wandel der Jahrttausende, Berlim, 1937, Fig. 16, Est. 9. Folkliv, Estocolmo, 1937, n.os 1, 2/3, grav. xiii, xxxv e xxxvi; e 1938, n.°2, grav. xix e xx. Emil Werth, Grabstock Hacke und Pflug, pp. 256-7, Paul Scheuermeir, Bauernwerk in Italien der italienische und rätoromanischen Schweiz, vol. II, Berna, 1956, p. 314.

22 Iván Balassa, op. cit.

23 E. Aubert de la Rüe, Quelques types de greniers à mais du Mexique, in: «La Révue de Geógraphie Humaine et d’Ethnologie», n.° 2, Paris (Galimard), 1948.

24 É esta a opinião de Frankowski, op. cit., p. 48, que entende que os celeiros sobre estacas são consequência das condições antropogeográficas naturais de certos lugares, que provam o génio inventor do homem que, «em diferentes lugares do globo sem relação entre si, adoptou os mesmos meios para a defesa das suas colheitas contra as forças destrutivas, sejam os elementos climatológicos, sejam os malfeitores ». E também a de Leroy-Gourhan, L Homme et la Matière, Paris, vol. I, p. 314.
Com efeito, estes celeiros – e do mesmo modo os celeiros internos – servem normalmente para toda a espécie de produtos, tanto no conjunto da sua área, que se pode considerar universal, como mesmo, muitas vezes, em relação a cada região em separado. Entre nós, porém, eles, sob a forma de espigueiros, hoje respeitam quase exclusivamente ao milho grosso.

25 Por razões geográficas diferentes, mas de certo modo convergentes, vimos os Esquimós armazenarem igualmente os sacos de peles, em que guardam a gordura de foca, em poços cavados à beira da água, junto a sólidas construções de pedra. E também os Iroqueses e os Paiutes, que têm nas suas aldeias e acampamentos grandes poços, por vezes forrados de erva, onde armazenam grãos e bagos, que recolhem. Vide notas 2, p. 13, e 2, p. 14.

26 Cit. por Gama Barros.

27 A. Garcia y Bellido, La Espana del siglo primero de nuestra era segun P. Melay C. Plínio, Madrid (Austral), 1947, pp. 174 e 269.

28 Luís da Silva Ribeiro, Celeiros subterrâneos, in: «Buletim da Comissão Reguladora dos Cereais do Arquipélago dos Açores», n.° 4, pp. 85-87, fala de uma menção de silos subterrâneos naquelas ilhas, em Gaspar Frutuoso e no Padre Cordeiro; e parece-nos legítimo filiá-los na colonização algarvia na Madeira e nos Açores.

29 L ’Homme avant l ’Ecriture, p. 237.

30 G. Glotz, La Civilization Egéenne (col. «L’Evolution de l’Humanité »), Paris (A. Michel), 1937, p. 187efig. 126.

31 No século ix já eram comuns entre nós os recipientes de madeira, cubos e cubas, para guardar cereais e para bebidas («Port. Mon. Hist., Dip. Et. Ch., n.° 114, cit. por Alberto Sampaio, Estudos Históricos e Económicos, I, Porto, 1923, pp. 112-3).

32 Cfr. Jorge Dias, Um brêz de Montemuro e um cesto egípcio da XII dinastia, in: «Revista de Guimarães», vol. lxiii, Guimarães, 1953.

33 Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, Casas da Murtosa, in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. xv, 3-4, Porto, 1955-1957, p. 271.

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search