Version classiqueVersion mobile

Actividades agro-marítimas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Apêndice I

Texte intégral

1F. Krüger, op. loc. cit., pp. 119/122, indica os seguintes nomes para as diferentes espécies de algas que, na área nortenha, constituem o argaço :

  • algas, algaço, argaço – Rio Minho (Tui), Rio Lima (arredores de Viana do Castelo), Póvoa de Varzim (como em certas partes da Galiza);

  • salgaço – (Póvoa de Varzim) ;

  • sargaço – (Abremar) ;

  • seba ;

  • correão (alga marinha em forma de correia e aproveitada para adubo da terra);

  • bodelha, botelha, ou carvalho do mar – alga vesiculosa ;

  • fita (como correão) – (Viana do Castelo);

  • limo ;

  • tabórra – alga castanha-escura, com talo de meio-metro e pseudo-folhas estreitas e compridas – (Viana do Castelo).

2Por seu turno, em Aguçadoura – Estudo Económico-Agrícola, Lisboa (Junta de Colonização Interna), 1944, pp. 36/40, depois de se notar «que nem todas as plantas são conhecidas por nomes próprios», e que «alguns aplicam-se a mais do que uma espécie», indicam-se as seguintes algas com a designação botânica das respectivas espécies (que se completam com estampas coloridas de cada espécie descrita, entre pp. 32 e 33) :

3CLOROFÍCEAS – Chorão ou chorão do mar, candeias e pingarelhos – Codium tomentosum Stackh : talo curto muito ramificado dicotomicamente, levemente achatado, tomentoso, verde escuro, com as extremidades dos segmentos obtusos; base de inserção grossa.

4FEOFÍCEAS-FUCÁCEAS – Botelho ou Bodelha, mais raramente Botelha – Fucus vesiculosus Lin.: frondes estipuladas, dicotómicas, com as partições relativamente largas, com uma nervura média, margem inteira e com grandes vesículas esféricas ou levemente alongadas. Frequente em toda a costa. O termo usa-se também na região com sentido genérico: aplica-se a todas as algas que se apanham à mão.

5Botelho bravo – Pelvetia danaliculata (L.) Done et Thur : frondes estreitas em tufo, de 5 a 15 cm de comprimento, profundamente caneladas de um lado e convexas do outro, multidicotomo-ramosas, rígidas e coriáceas, verdes. Sempre baixo.

6Cintas – Himanthalia lorea I.yngb. Também chamada cordas e corríolos (Averomar) : talo com a base obcónica coroada por um disco cóncavo, do qual partem centralmente duas partições lineares, compridas, repetidamente dicotómicas, gradualmente atenuadas nos ápices. Coloração verde oliváceo escuro. As frondes são muito compridas e estreitas. Aparece em todo o tempo, para o interior, no mar alto, em mantadas que se cortam à faca, às vezes tão intensas que dão para carregar dois barcos. Muito gordas para as terras e por isso apreciadas.

7Frosque – Bifurcaria tuberculata, Stackh – (Pycnophycus tuberculat Kutz) : talo cilíndrico, dicótomo, irregularmente ramificado, de coloração verde oliváceo, com ramificações geralmente desiguais, com os receptáculos alongados terminais e simples.

8FEOFÍCEAS-LAMINARIACEAS – Rabo negro – Laminaria Cloustoni Edmondst : talo laminar, cartilagíneo, verde oliváceo escuro, com o estípite mais ou menos alongado, cilíndrico, rugoso, consistente; lâmina arredondado-contraída na base e dividida em partições largas convergentes, por vezes subdivididas. O mesmo que folha e folha de maio, denominada em espalhol correa. Com valor agrícola semelhante ao taborrão.

9Taborrão – Laminaria saccharina Lamour : talo coriáceo, verde oliváceo escuro, com o estípite mais ou menos alongado cilíndrico; disco basal largo; lâmina acunheada na base, rasgada em lacíneas, ora estreitas ora mais largas; superfície, sobretudo na base e em seco, com numerosas cristalizações sacarinas. Também é chamada taborra, e, quando nova, rabeiro. É a mais grossa e uma das mais apreciadas como fertilizante. Pode atingir 3 metros de comprimento.

10RODOFÍCEAS – Argacinho das lapas, ou Pele de lapa e Botelho preto – Laurencia pinnatifida Lamour : talo comprido, várias vezes penetipartido, com as frondes desde amarelo pálido e verde azeitona a purpúreas, cartilagíneas, com os tegumentos alternos, lineares, com as extremidades das últimas partições arredondado-obtusas.

11Argaço das fisgas – Polysiphonia elongata Harv. : talo ramificado com as ramificações filamentosas, que lembram crinas, castanho-avermelhadas nas partes mais velhas; nuas no inverno e densamente vestidas na primavera de numerosos râmulos atenuados na base e ápice.

12Asa de pito – Polyneura Helliae (Grev) Kylin – (Nithophyllum Hilliae Grev.) : talo laminar vermelho escuro, tornando-se rosado e depois alaranjado, espesso, semi-transparente, curtamente estipitado, expandindo-se numa fronde arredondado-flabeliforme, irregularmente dividida, às vezes quase simples com poucos lobos marginais, outras vezes profundamente fendidas até à base em poucos segmentos largos; lobos por vezes divididos nas margens, crespos e prolíferos. Lembra lâminas finas de borracha e embranquece, rapidamente, sob a acção da chuva.

13Botelho ou botelho da pedra – Cryptoleura ramosum (Batt.) Kylin – : Nitophyllum laceratum Grev) (talo laminar purpurescente ou vermelho-acastanhado, papi-ráceo, muito delgado, mas um tanto rígido, séssil ou com estípite curto, dicotómica e irregularmente ramificado, de contorno semi-circular, com as partições relativamente largas e terminadas por vezes em duas ou mais lacíneas curtas, apendiculares.

14Botelho borriço ou botelho risso – Gigartina pistilata Stackh : frondes púrpureas ou vermelho-acastanhadas, dispostas em denso tufo, indivisas na base, ramificadas dicotomicamente constituindo um todo flabeliforme, com as ramificações repetidamente forquilhadas nuas ou com curtos râmulos horizontais e agudos; cistocarpos solitários ou geminados, sésseis nos râmulos.

15Botelho comprido – Rhodymenia palmata Grev. : talo laminar castanho-purpures-cente ou avermelhado, coriáceo ou membranoso, com 10 a 40 centímetros de comprido, atenuado na base, dicotomicamente ramoso, por vezes subdividido junto à base.

16Botelho crespo – Chondrus crispus Lyngb Também chamado na região Botelho rino : talo laminar, subcoriáceo-escuro, dicotomicamente ramificado, de contorno semi-circular com a base longamente acunheada, estipitada e as partições largas, arredondadas na extremidade, ligeiramente sobrepostas, com esboços de novas ramificações e levemente bulbosas. Outras vezes apresenta as últimas ramificações já formadas e mais delicadas.

17Botelho gordo – Calliblepharis lanceolata Batt. (Rhodymenia jubata Grev) : talo laminar com as frondes avermelhadas, às vezes tornando-se esverdeadas na extremidade, cartilagíneas mas flácidas, lanceolado-oblongas, reunidas pelos estípites sobre uma porção basilar do talo com aspecto rizomatoso, providas de ramificações marginais e por vezes vestidas de proliferações semelhando espinhos.

18Botelho macio ou Argaço risso – Halarachnion ligulatum Kütz (Halymenia ligulata C. A. Agardh) – às vezes também chamado Botelho Gordo: talo laminar subcartilagíneo, púrpureo-escuro, com as frondes irregulares, por vezes com a parte média larga, penetipartidas ou bipenetipartidas, estipitadas e reunidas em porção basilar com aspecto rizomatoso. Por vezes, também a parte média das frondes alarga na extremidade, bifurcando-se em partições iguais ou desiguais. Com pé caloso, pelo qual se prende às conchas e outros objectos duros, aparece nos penedos fundos.

19Botelho melado – Trichothemnion coccineum Kg. : talo alternamente ramificado, delgado, plumoso, com as ramificações graciosamente divididas em outras de diversas ordens, todas, bem como o eixo, cobertas de filamentos semelhando pelos. Coloração purpúreo-rosada.

20Cabelo do rabo negro – ou simplesmente cabelo – Pterosiphonia thuyoides Schmitz (Rytiphlaea thuycides Harv.) : talo formando tufos de ramificações erectas, filamentosas, irregularmente ramificados, com os râmulos regularmente pinulados, articulado; cistocarpos ovóides, numerosos, inseridos nos râmulos. Consistência subcartilagínea ; coloração amarelo-esverdeado ou acastanhada. Vive sobre outras algas, como o rabo negro.

21Francelha – Gelidium sesquipedale Thur (Gelidium corneum Lamour. var. sesquipedale Grev.). Aplica-se este nome também a outras espécies: – na Apúlia é conhecida por Guia – : talo cartilagíneo, levemente comprimido ou achatado, linear, tripinulado, com as pínulas atenuadas na base e os râmulos lineares, curtos e obtusos. Coloração vermelha-purpúrea, às vezes mais clara e esverdeada, sobretudo nas extremidades. Aparece no inverno e também na primavera.

22Limo ou limos – Nome dado a diversas espécies. Aplica-se mais restrictamente às do género Ulva (U. cornucopiae, U. latíssima), noutros sítios denominadas alface do mar (Láminas grandes, translúcidas, ondulantes).

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search