Version classiqueVersion mobile

Actividades agro-marítimas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Processos da pesca do pilado

Texte intégral

  • 1 Na Nazaré, por vezes, para se certificarem se no local escolhido havia ou não pilado, faziam sondag (...)
  • 2 Em Vila Chã, o cabo do ferro tinha por isso –e também para se ajustar às diferentes profundidades a (...)

1Onde a pesca do pilado se fazia com dois barcos, e nomeadamente a norte do rio Douro, em que tal forma predominava, em regra só um desses barcos – aquele que ficava parado durante o lançamento da rede (que, quando eram de tamanhos diferentes, era o maior) – levava âncora; o cabo desta – o cabo do ferro – porém, era em forma de Y – o pé-de-galinha, pernada (Âncora) ou cabo do fundo (Aguçadoura) –, correspondendo cada um dos dois braços a seu barco: chegados ao local onde se decidira ir pescar1, o barco que ia ficar parado fundeava de modo que a âncora ficasse bem àquem da área aonde se ia lançar a rede2 ; quando os barcos eram diferentes, a rede, que viera no grande (que seria esse que ficava parado), era passada deste para o pequeno (que ia dar o cerco), retendo apenas a ponta do cabo que pertencia a este último, enquanto ia dar o cerco.

  • 3 Em Vila Chã essa indemnização consistia em «pagar o dia» aos lesados.

2Geralmente a âncora era ainda munida de um arinque, pequena bóia de sinalização, que indicava o ponto onde ela se encontrava, para evitar que outros barcos aí viessem lançar as suas redes, que certamente se rasgariam, obrigando os donos da âncora a uma indemnização3. Em certos casos, como por exemplo Montedor, Anha e Nazaré, cada barco tinha a sua âncora, a que na Nazaré davam o nome de ferro da cabeça ; ambos os barcos lançavam o seu ferro – na Nazaré a cerca de 20 braças um do outro – cujo cabo – a amarra (Anha) –, nas bateiras ao sul do rio Douro, se prendia numa das malaguetas da proa desses barcos; mas o barco da rede, antes de ir fazer o cerco, levava esse cabo ao barco parado. Na Nazaré, além disso, o barco da rede tomava do barco parado um segundo ferro – o ferro da banda – (de cujo cabo a ponta ficava amarrada ao banco da ré do barco parado), e ia lançá-lo em sentido oposto àquele em que ficara o ferro da cabeça, para que o referido barco se não pudesse deslocar.

3Como dissemos, muitas vezes, parte da tripulação do barco parado passava para o barco da rede para facilitar o manejo e ajudar ao lançamento desta durante o cerco; e depois, para a sua alagem, ou cada qual regressava ao seu barco, ou fazia-se nova redistribuição, para que ambos os barcos ficassem com um igual número de homens e com as forças equilibradas. Assim, por exemplo, em Montedor, em que seguiam 6 homens no barco grande e 2 no caíque, este recebia outros dois daquele, ficando 4 em cada barco: ao fazerem o cerco, dois ficavam aos remos, e outros dois soltavam os cabos e rede; na Apúlia e Pampelido, em que seguiam 3 homens em cada barco, ficava um sozinho no barco parado, juntando-se os outros 2 aos 3 do barco da rede; em Angeiras, em que seguiam 2 homens em cada barco, ficava também um sozinho no barco parado, juntando-se o outro aos 2 do barco do cerco; na Murtosa, em que seguiam 4 homens no barco grande e 2 no pequeno. ficava igualmente 1 sozinho no barco parado, juntando-se os outros 2 aos 2 do barco da rede, para o lançamento desta; mas, a final, para a sua alagem, um destes voltava para o barco grande, ficando 3 em cada. Na Póvoa de Varzim, outrora. tudo seguia no barco grande: a rede, a tripulação completa, e o próprio barco pequeno – o caceio – ; este era arreado só para fazer o lanço, carregando-o então com a rede, e embarcando nele, para essa operação, 3 a 4 homens.

  • 4 Em Vila Chã, a rede, no barco da carreira, é sempre lançada – e alada – por bombordo. Ver nota 167.
  • 5 Como dissemos, em geral a mão do barco da carreira era mais longa que o reçoeiro, de modo a consent (...)

4O barco da rede, com a rede e a sua tripulação normal ou reforçada, deixava então a ponta do reçoeiro no barco parado, amarrada também ao banco da ré (Nazaré), e seguia a remo, «dar o cerco», geralmente com um ou dois homens a cada um dos remos, e o outro ou outros a fazerem o lançamento : ia soltando aquele cabo, inflectia, depois dele acabar, para largar a rede4, primeiro a manga até ao saco (com uma breve invocação propiciatória ao lançar este) e a seguir a outra manga, e finalmente, volvendo em direcção contrária para regressar até ao fundeadouro do barco parado, soltando o segundo cabo – a mão do barco da carreira 5. Descrevia assim um arco de círculo, em que o saco ficava a meio, e que fechava junto do barco parado.

5Chegado aí, os homens da tripulação do barco parado que tinham ido no barco de rede ajudar à manobra do cerco, passavam novamente para o seu barco; e o barco da rede amarrava um pequeno cabo a uma alça ligada ao cabo do pé-de-galinha que lhe competia e que se encontrava no barco parado, e passava-o à proa (de modo que ambos os barcos ficassem de proa voltada para a âncora, afastados um do outro cerca de 10 braças, para melhor poderem colher a rede) ; e fundeava aí também. Na Nazaré, além do cabo do ferro, o barco da rede, de regresso do cerco, tomava também do barco parado uma das pontas de um terceiro cabo – o cascão – cuja outra ponta ficava no barco parado (além dos cabos do ferro e da banda) e que passava a ligar os dois barcos durante a alagem.

6Os dois barcos assim ligados, emparelhavam então os cabos da rede, procurando, em ambos eles, a primeira marca para se acertar e iniciar a alagem.

  • 6 Na Póvoa de Varzim, outrora, a alagem da rede fazia-se inteiramente de dentro do barco grande, colh (...)
  • 7 Como veremos, no Mindelo, o miranço mostrava à popa uma goiva por onde corria o cabo, ao colher-se (...)

7A alagem fazia-se com três ou dois homens em cada barco6 : primeiro colhiam-se os cabos – o reçoeiro para o barco parado ; a mão da barca para o da rede–; geralmente um dos homens –que em regra era o mestre– não puxava: apartava o peixe que vinha no saco, firmava e enrolava o cabo, e contava as marcas, para verificar se vinha certo com o do outro barco, recomendando, de acordo com esse, adiantos ou atrasos, conforme os casos7.

  • 8 Aqui, começavam a puxar o cascão, para aproximar os dois barcos, quando não faltavam mais de 20 bra (...)
  • 9 Em Vila Chã, por bombordo no barco da rede, e por estibordo no barco parado. Na Aguçadoura colhiam (...)

8À medida que a alagem avançava, os dois barcos, ligados pelo cabo do pé-de-galinha – ou, na Nazaré, pelo cascão 8–, iam-se aproximando um do outro. Depois dos cabos, colhiam-se as mangas ou bandas 9: em cada barco um homem alava as cortiças, outro os tijolos.

  • 10 Baldaque da Silva, op. cit., p. 189, menciona também este aparelho, a que dá igualmente o nome de c (...)
  • 11 Maria Teresa Lino Neto, op. cit., fala na poli colocada também à proa do barco; mas na Aguçadoura e (...)
  • 12 Baldaque da Silva, op. cit., pp. 248-249, falando nos «varinos», diz que o caranguejo era tirado do (...)

9A alagem fazia-se muitas vezes à mão ; mas em certos pontos – Montedor, Averomar, Vila Chã, Angeiras, etc. –, os barcos tinham um rolo ou sarilho – o carro (Montedor), polé (Aguçadoura), bolinete (Angeiras), carrela (Vila Chã) ou grade (Matosinhos)10, formado por um tambor de madeira – o cepo –, com ou sem manivela (Aguçadoura), por vezes com dupla manivela (para poder ser manejado por dois homens), e que ficava assente num pequeno cavalete de tábuas ajustado à ré ou ao banco da ré dos barcos11, para ajudar a alagem ; em Angeiras, contudo, só usavam esse aparelho para se colherem os cabos, alando-se a rede à mão (des. 34). Em Vila Chã, colocavam uma tábua – o caniço – pousada nos dois bancos centrais, a estibordo do barco parado e a bombordo do da carreira, e era para cima dela que colhiam a rede. Quando chegava o saco, os dois barcos encontravam-se lado a lado, e encostavam as proas – que se amarravam uma à outra –, formando um V, no meio do qual entrava o saco. Começava-se então a esvaziá-lo para bordo, retirando-se o pilado com rabichéis ou rodafoles pequenos (a que ao sul do rio Douro davam o nome de nassas) ; em certos pontos – Averomar, Póvoa de Varzim, Vila Chã, Angeiras, etc. –, estes rabichéis tinham uma corda amarrada a meio do arco: um homem, que se encontrava no segundo barco, empunhava esse aparelho pelo cabo, e mergulhava-o na massa do pilado do saco, enquanto outro, no barco para onde se estava a deitar esse pilado, o segurava pela corda, puxando-o logo que ele estava cheio, para cima e depois para dentro do barco, onde o despejava (des. 35). Em S. Bartolomeu do Mar os companheiros seguravam o saco com a boca aberta e, de cada barco, os mestres retiravam o pilado com rabichéis ; e semelhantemente em S. Jacinto, os companheiros alvoravam (isto é : erguiam) mesmo o saco para cima, entre os dois barcos, para o pôr mais a jeito de outro manejar essa nassa 12.

34 – Vila do Conde, Vila Chã. Carrela para colher a rede do pilado.

34 – Vila do Conde, Vila Chã. Carrela para colher a rede do pilado.

35 – Salavar, para tirar o pilado do saco e deitá-lo no barco.

35 – Salavar, para tirar o pilado do saco e deitá-lo no barco.

10Se havia só dois homens em cada barco, um segurava a rede de qualquer maneira, e o outro retirava o pilado do saco. No Pampelido e em Angeiras, quando já só fajtava meia dúzia de gigas para esvaziar o saco, ou quando este viera muito pouco cheio, puxava-se o próprio saco para cima e despejava-se directamente no barco.

11Esvaziado o saco, a parte da rede que estava no barco parado era atirada para o barco da rede, e procedia-se ou a um novo lanço, ou ao regresso.

12Na maioria dos casos, enchia-se primeiro o barco parado – que, como dissemos, levava mesmo, por vezes, o nome de barco da carga – a fim de se deixar o da rede livre para ir fazer novos lanços. Na Aguçadoura, onde, pelas condições da praia, a pesca só podia ter lugar com mar manso, o barco parado enchia-se mesmo até ficar com a borda ao raso da água; no Pampelido, enchia-se também primeiro o barco parado, mas não totalmente, tareando-se ambos os barcos a partir de uma certa altura. Por vezes, porém, quando o lanço era fraco, ia-se deitando o pilado ora para um dos barcos, ora para o outro (S. Bartolomeu do Mar); e na Nazaré, se o mar estava mau, repartia-se igualmente logo o pilado pelos dois barcos, de acordo com os lanços realizados.

13O pilado despejava-se no barco parado, primeiro à ré, até meio do barco, e depois à proa, também até meio do barco, deixando livre apenas um estreito escoadouro a meio, e, às vezes, o quarteirão de remar (S. Bartolomeu do Mar). Na Nazaré, enchiam primeiro à proa e depois à ré.

14Se o cardume era basto e a rede bem lançada, bastavam dois ou três lanços para encher um barco grande – uma barcada (Montedor) –; mas de uma vez, em Averomar, foram precisos doze lanços para tal. Quando se enchia também o barco da rede, esta, para os últimos lanços, vinha numa parte livre e separada do caranguejo por qualquer divisória, geralmente à ré, para que este a não rasgasse.

15Depois de cheios os dois barcos, terminado o último lanço, tinha então lugar o regresso: o cabo e a banda que haviam sido recolhidos para bordo do barco parado eram mais uma vez passados para o outro barco – o qual, fossem ambos os barcos iguais, ou fosse este mais pequeno do que aquele, era o que trazia a rede –; soltavam-se os ferros e outros cabos, e punham-se em marcha. Na Nazaré, com mau tempo, toda a companha passava para o barco da rede, e o do ponto vinha a reboque.

16Em muitos casos, e nomeadamente ao norte do rio Douro, onde com frequência, como dissemos, se ia pescar o pilado a locais muito distantes, esta remagem era extremamente dura – longas horas, na véspera, a remar, muitas vezes contra o vento; uma noite a trabalhar lançando e alando a rede, e esvaziando o saco a rabichel ; e propulsionando agora um barco carregado com algumas toneladas de pilado.

17Chegados finalmente à praia da sua proveniência, os barcos aguardavam em geral que a maré baixasse, para vararem e se proceder à sua descarga. Em Castelo de Neiva, porém, a gente de S. Romão e de S. Paio de Antas esperava pela preamar para estas operações, porque entravam pelo rio para vararem e descarregarem o pilado, e só então o podiam fazer.

18Por seu turno, onde a pesca do pilado se fazia com um só barco, nomeadamente em certos grupos piscatórios ao norte do rio Douro – Póvoa de Varzim (em tempos mais recentes) e Matosinhos –, e sobretudo ao sul desse rio, em que tal forma predominava, aquele barco, – a bateira grande, de tipos diversos, ou a lancha de tipo poveiro –, chegado ao local onde se decidira ir pescar, lançava o ferro – a fateixa –, cujo cabo – o cabo do ferro (Afurada) ou redenho (Buarcos) – ficava ligado a uma bóia. O cabo do ferro era suficientemente comprido – media geralmente 25 a 50 braças – para não só se ajustar às diferenças de profundidade, mas também para, obliquando convenientemente, manter a bóia devidamente afastada do ponto onde ia trabalhar a rede.

19A bóia, que era muitas vezes um odre, constituía, neste caso, o elemento imóvel do cerco: era junto a ela que se amarrava ao cabo do ferro a ponta do reçoeiro ou do chicote do calão (Póvoa de Varzim), quando a bateira saía a «fazer o rodo». Por isso, e porque pescavam muitas vezes à noite ou em dias de nevoeiro, a bóia, na maioria dos casos (Matosinhos, Afurada, Aguda, Esmoriz, Mira, Buarcos, etc.), era munida de uma sineta que, tocando com a ondulação do mar ou os movimentos do reçoeiro, assinalava a sua localização, indicando a direcção que a bateira devia tomar para fechar o cerco.

20Além do cabo do ferro, partia da âncora ainda um outro cabo, que prendia a uma das suas unhas ou asas (Buarcos), e que tinha na extremidade livre um arinque ; esse cabo ficava na vertical do ferro, e o arinque marcava a localização deste, para evitar que outros pescadores viessem lançar os seus aparelhos sobre ele.

21O lançamento da rede, nas suas linhas essenciais, fazia-se como quando se empregavam dois barcos: amarrada a ponta do reçoeiro ao cabo do ferro junto à bóia, a bateira ia arriando aquela cala, seguidamente a primeira manga da rede, o saco, a segunda manga, e finalmente a mão da bar ca – regressando até junto da bóia a fechar o cerco; durante o lanço, dois homens trabalhavam com a rede, e os restantes ficavam aos remos, um ou dois a cada remo, conforme a diversa composição das companhas. A bateira era então amarrada também ao cabo do ferro por meio de uma alça (que estava no barco) e um sapatilho (Buarcos), junto à bóia, e iniciava-se a alagem da rede.

22A alagem da rede, neste caso, era feita simultaneamente à proa e à ré, dois ou três homens a cada uma dessas pontas do barco, colhendo à ré a mão da barca e a manga da rede dessa banda, um a puxar as cortiças e o outro os tijolos, e à proa o reçoeiro e a manga dessa banda pela mesma forma, até à chegada do saco junto ao barco; ao colherem-se os cabos, acertava-se a alagem pelas marcas, de 10 em 10 braças.

23Nesta área não conheciam a polé e a alagem fazia-se toda à mão.

  • 13 Na Torreira deram a esta operação o nome de ensavaliar.

24Como no processo anterior, o saco era esvaziado para o barco com o auxílio de enxalavares13nassas ou rapichéis – ; e quando estava meio vazio, ou quando o caranguejo era pouco, despejavam-no mesmo directamente para bordo, como vimos fazer-se no Pampelido e em Angeiras. Um dos companheiros ia apartando o peixe que vinha junto com o pilado na rede, e que era para os pescadores ou para venda.

25Finda a alagem e vazio o saco, procedia-se a um novo lanço, até se dar por finda a pescaria do dia. De um modo geral, para carregar estas bateiras, se o pilado abundava, bastavam 2 lanços ; mas quando assim não sucedia, chegaram a ter de dar 15 lanços (Matosinhos).

26Para o regresso, o caranguejo vinha à proa e à ré (Afurada), ou apenas à proa (Costa de Lavos), ou a meio (Buarcos), mas em qualquer caso de maneira que a rede viesse numa parte livre e dele isolada por anteparos – a quartelada –, geralmente à ré (Costa de Lavos, Buarcos, etc.), para, tal como vimos atrás, evitar que o caranguejo a rasgasse.

27Da Aguda à Torreira e em Buarcos, para aliviar o barco quando a carga era pesada, o mar vivo ou agitado, ou em certas passagens mais difíceis – por exemplo, em Espinho e Esmoriz, depois de passar o «mar do banco», baixio arenoso a meio da «baía» – usavam um processo especial : levavam a bordo um ou vários sacos compridos, de rede, enchiam-nos com o que neles coubesse do pilado recolhido (usando também, para tal, os enxalavares), fechavam-nos amarrando-os bem com um cabo forte, e atiravam-nos à água assim cheios, ficando com a ponta desse cabo a bordo; era o que, de Espinho à Torreira, chamavam o saco de vaivém. Na Torreira, se iam ainda fazer mais lanços, amarravam a ponta desse saco à bóia. A final, quando vinham para terra, traziam o saco de vaivém a reboque, com um cabo de cerca de 30 m de comprimento; e depois de terem esvaziado e transportado a bateira para o areal, o saco era alado, puxando-o pelo cabo que o rebocára.

28O saco de vaivém é uma solução engenhosa, que se relaciona com o facto de, na área onde é usado, por um lado a pescaria ter lugar em frente e não muito longe da praia, e por outro o mar ser com frequência extremamente violento e as praias totalmente desabrigadas.

*
* *

29Trazidos os barcos até junto da borda, e varados ou atracados, de flanco, procedia-se à descarga do pilado. A descarga era trabalho de mulheres, e cada companheiro devia mandar à praia uma mulher da sua família para cooperar nesse serviço. Os homens, ainda de bordo, enchiam, com os rabicheis ou enxalavares, os cestos, que as mulheres, à cabeça – e em certos casos, como por exemplo em Espinho, também os homens, ao ombro –, transportavam para o local onde o pilado seria despejado.

30No que se refere às companhas de gente da lavoura, as mulheres vinham para a praia à hora prevista do regresso, trazendo os carros de bois, munidos de caniços, e com os cestos e outras alfaias para a descarga, e por vezes com uma merenda para os homens comerem à chegada; logo que os barcos varavam, o carro entrava na água e aproximava-se o mais possível deles; e as mulheres despejavam no caniço os cestos com o pilado.

31Nos locais onde eram os pescadores (e cabaneiros) quem pescava o pilado, e de uma maneira geral nos casos em que ele se destinava à venda aos lavradores, estes iam buscá-lo com os seus carros aos pontos de desembarque – em Âncora, no portinho da praia; na Póvoa de Varzim, nas praias de Paimó (Aguçadoura) e das Caxinas (Vila do Conde), a que por esse motivo chamavam a «praia do pilado»; etc. –. Nestes casos, o pilado era levado nos cestos até um certo ponto do areal, onde o despejavam, formando montes – que na Póvoa de Varzim eram de 20 gigos –, que em seguida eram arrematados na lota ou vendidos imediatamente aos lavradores; muitas vezes estes encomendavam mesmo o pilado previamente aos pescadores, e ele era então levado e despejado directamente para os seus carros.

32Segundo uma estimativa aproximada, os barcos dos tipos nortenhos e da bateira da Afurada levavam uma carga correspondente a cerca de 2 ou 3 carros de bois, ou sejam outras tantas toneladas (S. Bartolomeu do Mar, Aguçadoura, Vila Chã ; Afurada, Cortegaça ; etc.). Em Âncora, contudo, falaram de 160 gigas, representando cerca de 8 carros de bois (à razão de 20 gigas por carro). Na Aguçadoura, um barco carregado «de bico a bico» trazia cerca de 100 gigos, e um caniço correspondia a cerca de 40 a 50 gigos. Em Montedor, o barco trazia cerca de 220 cestos de 2 alqueires (cerca de 6 toneladas). A grande lancha da Cova de Lavos carregaria cerca de 15 carros. Etc.

33Na Gala, que fica já sobre o rio Mondego, adiante da sua foz, se o regresso tinha lugar na preamar, as bateiras grandes atracavam ao cais, e o pilado era descarregado como dissemos; se porém o tinha na baixa-mar, não havia ali fundo para elas poderem assim encostar, e descarregavam parte do pilado para outras mais pequenas, para diminuir o seu peso.

34Depois de descarregados, os barcos ou bateiras eram alados para o alto do areal. Essa alagem fazia-se normalmente a gado, e, em certos casos – mormente nas companhas de pescadores (e cabaneiros) ao norte do rio Douro, por exemplo em Averomar –, a ombro dos companheiros (por vezes com o auxílio dos de outras companhas locais). Na Aguda, para baixo a bateira era levada pelos homens; para cima ela era-o por duas juntas de bois; na Nazaré, para baixo bastava uma junta para cada barco; para cima eram precisas 12 juntas, 6 para cada barco; as 12 juntas porém puxavam todas a cada barco, porque o barco alava-se carregado.

35No Furadouro, a bateira também se alava carregada, por 4 juntas de bois que para o efeito ficavam na praia, aguardando o regresso das companhas; e a descarga tinha lugar depois dela estar no alto do areal. Quando usavam o saco de vaivém, ele próprio, ao chegar a terra, era também despejado na bateira antes de a levarem para cima.

36O regresso dos barcos, varando na areia, a descarga do pilado e o seu transporte nos carros de bois que aguardavam na praia, e a alagem final dos barcos, constituíam um espectáculo cheio de movimento e de animação. Transcrevemos a seguir a descrição de um desses acontecimentos, referido à Apúlia, por volta dos anos de 1920 : «No dia previsto do regresso, vinham chegando à praia, à espera dos barcos que haviam saído, gentes e carros de bois, grupos de moças, com grandes chapéus de palha sobre os lenços garridos, e as saias enfaixadas, curtas, mostrando-lhes, até aos joelhos, as pernas fortes e trigueiras. E em breve, na praia, estendia-se um extenso arraial sereno, adormecido pelo sol e pelo ruído embalador do mar.

37Ao longe, os barcos eram pontos que mal se distinguiam. Mas pouco a pouco esses pontos cresceram, as velas enfunadas pela aragem ligeira. Espaçadas umas das outras, as companhas iam-se aproximando de terra, onde já um bulício quebrara o sossego de há pouco. Para junto da água, para o lugar do varadouro dos barcos mais próximos, iam descendo os carros de caniços escuros, e bois vermelhos de grandes cornos brancos. E quando aqueles chegavam, tirados para terra os remos, mastros e velas, a descarga começava. Um rapaz à proa, com um remo firmado na areia, mantinha o barco de proa virada ao mar. E enquanto do seu largo bojo dois homens enchiam, cesto após cesto, a massa translúcida de corpos e pernas movediças, as mulheres, carregando-os ao ombro, esvaziavam-nos no caniço do carro, metido na água até ao eixo, logo ali a par. Quando o barco, mais leve, se podia puxar mais para cima, e se aquietava, o carro avançava, subia um pouco ainda, afastando-se dele; e o lidar das moças tornava-se mais vivo, as ancas mais sacudidas pelo peso. E caindo do alto, escorregando pelas roupas molhadas, patinhando na areia revolvida, os pequenos caranguejos vermelhos escapavam-se em todas as direcções...

  • 14 Fernando Galhano, «A pesca do pilado na Apúlia», Cultura e Arte, Página Cultural de O Comércio do P (...)

38O caniço cheio, era o carro levado até ao alto do areal. E quando o barco ficava vazio, era também ele alado, duas juntas e a ajuda dos homens, o acompanhamento da gritaria e do agitar das aguilhadas, as sogas retezadas puxando as cabeças aflitas dos bois»14.

Notes

1 Na Nazaré, por vezes, para se certificarem se no local escolhido havia ou não pilado, faziam sondagens com um bacalhau, que os caranguejos, a encontrarem-se ali, devoravam.

2 Em Vila Chã, o cabo do ferro tinha por isso –e também para se ajustar às diferentes profundidades a que se podia pretender pescar– 100 braças de comprimento.

3 Em Vila Chã essa indemnização consistia em «pagar o dia» aos lesados.

4 Em Vila Chã, a rede, no barco da carreira, é sempre lançada – e alada – por bombordo. Ver nota 167.

5 Como dissemos, em geral a mão do barco da carreira era mais longa que o reçoeiro, de modo a consentir-lhe chegar junto do barco parado sem puxar já pelo aparelho. Ver p. 131.

6 Na Póvoa de Varzim, outrora, a alagem da rede fazia-se inteiramente de dentro do barco grande, colhendo-se uma das bandas a meio do barco e a outra à ré.

7 Como veremos, no Mindelo, o miranço mostrava à popa uma goiva por onde corria o cabo, ao colher-se o lanço (semelhante aquela que na proa protege a borda contra a passagem do cabo do ferro).

8 Aqui, começavam a puxar o cascão, para aproximar os dois barcos, quando não faltavam mais de 20 braças para a alagem do saco.

9 Em Vila Chã, por bombordo no barco da rede, e por estibordo no barco parado. Na Aguçadoura colhiam a rede pela popa. Ver nota 162.

10 Baldaque da Silva, op. cit., p. 189, menciona também este aparelho, a que dá igualmente o nome de carro. Em Matosinhos, vimo-lo ainda instalado nas janelas do 1.° andar dos armazéns das companhas, para mais facilmente se içarem para cima (onde ficam guardadas até voltarem a servir) as grandes redes da sardinha, depois de secas. Maria Alves Lima, op. loc. cit., p. 136, distingue a grade da polé, que é mais pequena e com manivela.

11 Maria Teresa Lino Neto, op. cit., fala na poli colocada também à proa do barco; mas na Aguçadoura explicaram que isso se verifica apenas com as peças da pesca da sardinha; para trabalhar ao pilado, usa-se apenas a polé à popa (Octávio Lixa Filgueiras, «O barco poveiro», p. 166, nota 257).

12 Baldaque da Silva, op. cit., pp. 248-249, falando nos «varinos», diz que o caranguejo era tirado do seio (ou saco da rede) «aos cestos, igual número para cada embarcação».

13 Na Torreira deram a esta operação o nome de ensavaliar.

14 Fernando Galhano, «A pesca do pilado na Apúlia», Cultura e Arte, Página Cultural de O Comércio do Porto de 27-VIII-1963.

Table des illustrations

Titre 34 – Vila do Conde, Vila Chã. Carrela para colher a rede do pilado.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6408/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 35 – Salavar, para tirar o pilado do saco e deitá-lo no barco.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6408/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 20k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search