Version classiqueVersion mobile

Actividades agro-marítimas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Redes

Texte intégral

  • 1 Baldaque da Silva, op. cit., pp. 209-242.
  • 2 Referindo-se à costa de Aveiro, diz D. José de Castro, op. cit., p. 62 : «Destina-se este aparelho (...)
  • 3 Segundo Areias, op. loc. cit. No concelho da Póvoa de Varzim, o saco media 5 a 6 m de fundo, e a re (...)
  • 4 Ver nota anterior.

1Como dissemos, as redes do pilado eram sempre da classe das artes envolventes de arrastar1, muito semelhantes à mugiganga e ao chinchorro (que eram mesmo os nomes que, ao sul do rio Douro, davam às redes utilisadas nestas pescarias2) e a certos arrastos para a sardinha, mas mais simples de construção e de manejo do que esses, com a malha mais larga e com um número muito maior de cacos ou chumbos, de modo a raspar muito sensivelmente (e não apenas aflorar) os fundos de areia onde o caranguejo está enterrado. Como todos os aparelhos da sua categoria, essas redes eram formadas por um saco central alongado – o saco, bolso ou seio – com cerca de 3 a 5 braças de comprimento3, afunilando ligeiramente para o fundo – a cuada –, e com a boca ou bocada aberta à frente, medindo cerca de 1,5 a 3 braças de largura e outro tanto de altura; e para cada lado do qual partia uma banda comprida de malha muito larga – as mangas – com cerca de 20 a 30 braças de comprimento cada, formadas de vários panos, e que geralmente iam estreitando do saco para as extremidades – os claros –, onde não ultrapassavam 1 a 1,5 braças de altura4.

  • 5 Em Âncora e na Apúlia não usavam estas peças.

2Em muitos casos, especialmente ao norte do rio Douro, o saco era enquadrado por quatro peças de rede – as fisgas, em cima e em baixo, a meio, e as guardas de alto a baixo, a cada lado – formando abas em bisel, que ajudavam a encaminhar o pilado para o saco; neste caso, por vezes, a boca deste era aberta em redondo5.

  • 6 Assim, nas mugigangas da Costa de Aveiro, ela era de 3 cm na boca e de 15 mm na cuada (D. José de C (...)
  • 7 Assim, nas mugigangas da Costa de Aveiro, ela era de 3 cm na boca e de 15 mm na cuada (D. José de C (...)

3Por vezes, nomeadamente ao sul do rio Douro, a malhagem do saco ia diminuindo de calibre da bocada para a cuada 67.

4Nos bordos superior e inferior das mangas, entralhavam duas cordas – as tralhas – : na do bordo superior –a tralha da cortiça– dispunham-se as bóias de cortiça, ora redondas ora quadrangulares, com cerca de 10 cm de diâmetro ou lado – a cortiçada – ; na do bordo inferior– a tralha do tijolo – amarravam-se os tijolos, telhas ou cacos, ou pandulhos (Buarcos, ria de Aveiro), redondos, de cerca de 7 cm de diâmetro, com um pequeno sector cortado (onde se situam duas furas por onde passam, por seu turno, os fios que os amarram à tralha respectiva). Tanto as cortiças como os tijolos vêem-se também–e as primeiras em maior número do que nas mangas – nos bordos superior e inferior do saco (ou das guardas efisgas, quando estas existem). Com frequência, usam-se, em lugar dos tijolos, chumbos ou chumbeiros, para o mesmo efeito; e na Nazaré, em lugar destes, vimos mesmo uma corrente de ferro.

  • 8 Em Espinho e Cortegaça, cerca de 50 braças ; em Buarcos, 70 a 80 ; em Montedor, 100 ; em Vila Chã, (...)

5Para lá dos claros, as duas tralhas prolongam-se já fora das mangas e ligam-se um pouco adiante uma à outra por um pau vertical – o calão –, donde partem duas pequenas cordas formando alça, onde vêm prender, para cada lado, os grandes cabos da rede – as fieiras ou alças (norte do rio Douro) ou calas ou braços (sul desse rio) –: a mão do barco (norte do rio Douro) ou reçoeiro (sul desse rio), que fica presa ao barco ou à bóia que constituem o elemento imóvel do cerco; e a mão do barco da carreira (norte do rio Douro) ou mão da barca (sul desse rio), que segue no barco que faz o cerco, e vai sendo largada. Os cabos medem cerca de 50 a 120 braças de comprimento8 ; em geral a mão da barca, que fechava o cerco, era mais comprida que o reçoeiro, para que o barco da carreira pudesse chegar até junto do barco imóvel sem puxar já pelo aparelho propriamente dito. Eles compunham-se de vários rolos de cabos, de 20 braças cada – na Afurada 4 para o reçoeiro e 5 para a mão da barca – ; e mostravam, ambos, marcas – pequenos nós em fio de cor – espaçadas regularmente (em Âncora de 10 em 10 braças) e em correspondência num e no outro, para que a alagem dos cabos se acertasse; à primeira dessas marcas, que assinalava o início da alagem, deram no Pampelido o nome de marca de mandar.

  • 9 Assim, enquanto que as cortiças ficam distanciadas umas das outras cerca de 50 a 75 cm, os tijolos (...)

6Nestas redes, o número de tijolos é sempre muito superior ao das cortiças9, de modo que a rede fique submersa em posição vertical, mas, como dissemos, a arrastar pesadamente pelo fundo. Deste modo, com a alagem, a rede levantava o caranguejo que vivia pousado nas areias, e que, a fugir das mangas, acabava por se ir encurralar no saco, donde a malha apertada o não deixava sair.

7Na Aguçadoura, calculavam que o saco (ou seja um lanço) dava 40 a 50 gigos de pilado, o que, à razão de 30 a 40 gigos por caniço (ou carro de bois), representava 1 a 1 ½ carros de bois; em S. Bartolomeu do Mar falaram mesmo de 3 a 4 carros, quando o saco vinha bem carregado.

  • 10 Baldaque da Silva, op. cit., pp. 248-249 : « – Zorra é uma rede envolvente de arrastar, composta de (...)
  • 11 Ver nota 135.

8Ao norte do rio Douro, esta rede era conhecida pelo nome de arrasto do pilado, ou zorra 10; ao sul desse rio, conforme dissemos, usava-se na pesca do pilado uma espécie de mugiganga, que era designada por esse nome. Em Buarcos e na Leirosa chamaram mexoalho à rede que usavam no pilado, fazendo supor que terá havido, em certos casos, a transposição do nome da rede para o nome da espécie que essa rede pescava definidamente, ou vice-versa11.

33 – Viana do Castelo, Montedor. a) Desenho esquemático da rede do pilado; b) a boca do saco, com as guardas ; (c) e as fisgas (d); e) o saco ligado às guardas e às fisgas; f) as cortiças ; g) os cacos ; h) o calão.

33 – Viana do Castelo, Montedor. a) Desenho esquemático da rede do pilado; b) a boca do saco, com as guardas ; (c) e as fisgas (d); e) o saco ligado às guardas e às fisgas; f) as cortiças ; g) os cacos ; h) o calão.

9Em Montedor, onde pudemos ainda observar um último exemplar de rede específica do pilado (des. 33), o saco media 3,30 m de fundo por cerca de 2,50 m de largura na boca, e a sua malha era de 15 mm; ele era enquadrado pelas guardas e fisgas, que desenhavam uma abertura quadrangular. Cada manga, formada por 6 panos de rede de malha de 22 mm, media 32 m de comprimento; e ia estreitecendo de cada lado do saco para o calão, tendo em cada uma das sucessivas costuras dos panos um número menor de malhas – 114, 92, 86, 80, 72, 66 ; e 58 na extremidade –. As cortiças, medindo 10 cm de lado, estavam afastadas umas das outras cerca de 80 cm nas mangas, e 15 a 20 nas guardas e fisgas (que correspondiam à boca do saco); os cacos quase encostavam uns aos outros a todo o comprimento da rede.

10Da extremidade final de cada manga, duas cordas, de cerca de 85 cm de comprimento, prolongavam as tralhas, e amarravam às pontas do calão (que media cerca de 60 cm de altura), juntando-se um pouco adiante dele, de modo a formar a alça a que prendia o cabo da alagem.

11Em Vila Chã, a rede era medida todas as vezes que voltava a terra, porque, quando havia muita gente a pescar nos mesmos sítios, com frequência as redes «enrascavam» umas nas outras, e, ao puxá-las, desalinhavam-se, tornando-se necessário apertar ou alargar a tralha da cortiça na altura das ligações dos panos.

12No período final desta actividade, as redes do pilado que se usavam na Apúlia eram feitas nas Caxinas e na Afurada, e custavam 4.000$00. Cada cento de tijolos custava 25$00.

  • 12 D. José de Castro, op. loc. cit. O Autor, a propósito da diferença de preço desta rede antes e depo (...)

13As mugigangas da costa de Aveiro, encascadas e prontas, custavam, em 1940, 800$00 escudos, e em 1943, 5 000$00 ; e a sua duração em regra não ia além de uma temporada de pesca, pela facilidade com que se inutilizavam12.

  • 13 Baldaque da Silva, p. 248.

14No final do século passado, as redes do pilado que se faziam em Ílhavo, importavam em 22$500 reis13.

Notes

1 Baldaque da Silva, op. cit., pp. 209-242.

2 Referindo-se à costa de Aveiro, diz D. José de Castro, op. cit., p. 62 : «Destina-se este aparelho (a mugiganga), com a bateira do mar, à captura do mexoalho ou caranguejo aplicado à agricultura». Nós próprios várias vezes ouvimos designar a rede com que pescavam o mexoalho, ao sul do rio Douro, pelo nome de mugiganga. Mas outras vezes fazia-se notar as diferenças que mencionamos no texto entre as mugigangas de uso geral e essas redes do mexoalho. Por seu lado, referindo-se a Matosinhos, Maria Alves Lima, op. loc. cit., p. 131, equipara o arrasto do pilado e a mugiganga, que «são uma e mesma coisa», à rede ali usada para a pesca do pilado. Octávio Lixa Filgueiras, «O Barco Poveiro», p. 168, distingue porém a mugiganga do arrasto do pilado, a primeira de uso mais geral, para várias espécies de peixes, o segundo de malha mais larga que aquela, e específico do pilado.

3 Segundo Areias, op. loc. cit. No concelho da Póvoa de Varzim, o saco media 5 a 6 m de fundo, e a rede, na sua totalidade, 40 braças de comprimento por 2 m de altura; a nós próprios indicaram-nos igualmente, um saco com 3 a 5 braças de fundo; e nas Caxinas, 6 a 7 braças. As mangas terão mostrado a mesma largura a todo o seu comprimento. Em Âncora falaram-nos do saco com cerca de 13 a 14 braças de fundo, o que nos parece por demais excessivo. Segundo D. José de Castro, op. cit., pp. 71-72, nas mugigangas da costa de Aveiro, o saco regulava por 4 m de fundo e 12 de diâmetro (o que também nos parece excessivo); e cada manga 30 m de comprimento por 3,5 m junto ao saco e 1,5 m no calão, com uma malhagem uniforme de 32 mm a toda a sua extensão. O saco e as mangas eram peças distintas, mas cada uma delas inteiriça, e não composta de panos cosidos uns nos outros. Para os chinchorros e as chinchas da ria de Aveiro, ver texto correspondente a notas 205 e 215. Segundo Pedro Fernandes Thomaz, op. cit., na Figueira da Foz, o saco media 10 a 12 m de boca (o que também nos parece excessivo) e 3 a 4 m de fundo; e cada manga 25 a 30 m de comprimento.

4 Ver nota anterior.

5 Em Âncora e na Apúlia não usavam estas peças.

6 Assim, nas mugigangas da Costa de Aveiro, ela era de 3 cm na boca e de 15 mm na cuada (D. José de Castro, op. loc. cit., pp. 71-72); na Figueira da Foz, ela tinha esta mesma medida na cuada (Pedro Fernandes Thomaz, op. loc. cit.) ; etc. Na Aguda, porém, a malha era de igual calibre em todo o saco. Para os chinchorros e chinchas da ria de Aveiro, ver adiante, notas 207 e 216.

7 Assim, nas mugigangas da Costa de Aveiro, ela era de 3 cm na boca e de 15 mm na cuada (D. José de Castro, op. loc. cit., pp. 71-72); na Figueira da Foz, ela tinha esta mesma medida na cuada (Pedro Fernandes Thomaz, op. loc. cit.) ; etc. Na Aguda, porém, a malha era de igual calibre em todo o saco. Para os chinchorros e chinchas da ria de Aveiro, ver adiante, notas 207 e 216.

8 Em Espinho e Cortegaça, cerca de 50 braças ; em Buarcos, 70 a 80 ; em Montedor, 100 ; em Vila Chã, 120 ; nas mugigangas da Costa de Aveiro cerca de 100 m (D. José de Castro, op. loc. cit.). Ver notas 206 e 215.

9 Assim, enquanto que as cortiças ficam distanciadas umas das outras cerca de 50 a 75 cm, os tijolos não o ficam mais do que cerca de 10 a 15 cm.

10 Baldaque da Silva, op. cit., pp. 248-249 : « – Zorra é uma rede envolvente de arrastar, composta de mangas e bolso ou seio, no centro, que empregam em quase toda a costa ocidental do reino para a apanha do caranguejo, que com o nome de pilado, mexoalho e escasso, usam como adubo no amanho das terras. A tralha superior é guarnecida de cortiças e a de baixo de cacos circulares a servirem de pesos. Uma rede deste género importa em 22$500 reis feita em Ílhavo. Para a largar empregam dois barcos de fundo chato, varinos, que colhem metade da rede cada um, e em seguida afastam-se e vão deitando-a ao mar, formando cerco, alando-a depois paralelamente à costa por meio de alares, percorrendo um determinado espaço sempre a arrastar, até que a vão puxando para bordo pelas mangas, aproximando-se os barcos pouco a pouco, até chegarem ao seio que a rede forma no centro, onde vem o caranguejo, o qual é tirado aos cestos, igual número para cada embarcação.

11 Ver nota 135.

12 D. José de Castro, op. loc. cit. O Autor, a propósito da diferença de preço desta rede antes e depois de 1940, nota que, em 1943, esse preço aumentou de 525% em relação a 1940, isto é, ao período anterior à 2.a guerra mundial. Nobre, p. 40, alude também à curta duração desta rede, que é cara e além disso exige concertos constantes.

13 Baldaque da Silva, p. 248.

Table des illustrations

Titre 33 – Viana do Castelo, Montedor. a) Desenho esquemático da rede do pilado; b) a boca do saco, com as guardas ; (c) e as fisgas (d); e) o saco ligado às guardas e às fisgas; f) as cortiças ; g) os cacos ; h) o calão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6403/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 26k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search