Version classiqueVersion mobile

Actividades agro-marítimas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Traje

Texte intégral

  • 1 Em Afife, na área onde, em Portugal, o traje feminino tradicional apresenta formas mais ricas e var (...)

1Por toda a parte em geral, não existe um traje específico para a apanha do sargaço1 ; as pessoas, homens ou mulheres, envergam qualquer roupa vulgar – por vezes mesmo extremamente velha, sobretudo nos pontos onde tal actividade é exercida por essas gentes cabaneiras e pescadores muito pobres –, que, em certos casos, mudam, no fim do trabalho, por outra que haviam trazido de casa, e que está seca.

  • 2 Vê-se assim que a área geográfica deste traje coincide muito aproximadamente com a área das jangada (...)

2No sector costeiro compreendido entre o rio Lima e a Apúlia, contudo, a apanha do sargaço comporta indumentária específica, e funcionalmente adaptada às características e exigências dessa actividade –o traje de branqueta2–, que pode ser masculino ou feminino.

3Traje de branqueta – A palavra «branqueta» designa propriamente o tecido especial de que este traje é feito – de lã na sua cor branca natural (que com o uso escurece sensivelmente); mas, por extensão, designa-se agora com ela também o próprio vestuário.

  • 3 Baldaque da Silva, op. cit., p. 366.
  • 4 Numa velha fotografia inserta na pequena nota de Leandro Quintas Neves, intitulada «O sargaceiro de (...)

4Eis como Baldaque da Silva descreve este traje, referido à sua época: «Os sargaceiros do norte do país usam uma vestimenta especial que denominam branqueta. Os homens vestem um casaco branco com abas compridas, preso com um cinto abotoado na frente; na cabeça um chapéu preto de abas grandes, e as pernas nuas. As mulheres... um corpete do mesmo pano abotoado na frente, saia curta também de branqueta, chapéu como o dos homens, e também as pernas nuas»3. Por vezes, em vez do chapéu, o sargaceiro usava o carapuço de lã e borla, corrente em várias regiões rurais do País4.

  • 5 A abotoadura à frente, é direita e corrida, da Apúlia ao Cávado; daí para o norte o saiote tem, por (...)
  • 6 A Postura camarária da Póvoa de Varzim de 22.III. 1865 dispõe que : «É permitido aos da Apúlia apan (...)

5O traje, tanto do homem como da mulher, encontra-se hoje nestes termos, quase sem alterações : para o homem, ele consta verdadeiramente de uma única peça – um casaco comprido, descendo até meio da coxa, em que é evidente a sugestão das sobrecasacas masculinas do passado: gola baixa fechada, mangas compridas justas, cingido ao peito e preso à cinta por um cinto de couro, e alargando para baixo em pregas amplas, como um saiote curto, de modo a deixar inteiramente livres os movimentos das pernas, que ficam nuas, e com os pés descalços (figs. 150-152). Aberto à frente e abotoado de cima a baixo com botões que por vezes são feitos do próprio tecido5, ele é usado contra o corpo, sem qualquer roupa por baixo, que, com a longa permanência na água que este trabalho exige, acabaria por macerar a pele e talvez ferir, prejudicando a actividade do sargaceiro e até por vezes a sua segurança. Devido certamente a isto, os sargaceiros da Apúlia, e seguidamente outros, «do concelho da Póvoa (de Varzim) e de fóra» e que iam apanhar sargaço à Estela, foram objecto de reparo, e várias posturas camarárias deste Município recomendam a essa gente, em alusões claramente intencionais, «honestidade e decência» na vestimenta, e «vestuário honesto», impondo penas severas – 1500 reis ou 3 dias de prisão – aos que nesse trabalho «em todo o litoral do concelho da Póvoa (de Varzim) se apresentarem de maneira que ofendam a moral pública»6.

6Ainda hoje, como eco destes conceitos, a gente da Aguçadoura – que não usa a branqueta –, censura os sargaceiros vizinhos, da Apúlia para o norte, de «falta de vergonha»; e em Fão, os sargaceiros da área foram objecto de uma reclamação fundada numa visão idêntica. A acusação, que traduz uma incompreensão e um desconhecimento totais do que são o trabalho e as atitudes culturais do sargaceiro, é, para lá disso, totalmente injusta e injustificável : o talho especial com que é feita a branqueta, e a intenção com que esse traje é usado, garantem um recato perfeito, e só com grande malícia é possível descobrir nele a menor indiscrição. No peito, ele é de duas folhas sobrepostas, para proteger o melhor possível da água e abrigar do frio quem tem de sofrer o embate das ondas, às vezes durante algumas horas; e, do consenso geral, a sua eficiência, em todos os sentidos, é muito grande.

7A gola, os punhos e as frentes, são debruadas com um pesponto grosso e largo, geralmente duplo ou triplo, às vezes com um leve desenho em diagonais, que reforça e faz as vistas de uma barra. E sobre o peito, à esquerda, umas iniciais ou siglas identificam o proprietário da branqueta, para a distinguir no meio das demais, quando se amontoam as de várias pessoas em qualquer sítio onde andem todos ao sargaço ao mesmo tempo.

8O traje feminino é tal como Baldaque da Silva o descreve: do mesmo tecido de branqueta, compõe-se de duas peças: uma blusa lisa, sem gola, fechada como a branqueta masculina e abotoada, à frente de cima a baixo, e uma saia curta e rodada (fig. 153); na cabeça, um chapéu pequeno de abas largas e copa baixa, semelhante certamente àquele a que alude Baldaque da Silva, que segundo ele era igual ao dos homens, mas que, em relação a estes, desapareceu hoje completamente; e ainda, como os homens, naturalmente com as pernas nuas e os pés descalços.

9De um modo geral, pode dizer-se que o traje dos homens é de uso normal e da maior frequência em toda a área, enquanto que o da mulher, embora também exista, vê-se mais raramente; em S. Bartolomeu do Mar, por exemplo, quase todas as mulheres usam branqueta para irem à praia; de resto, elas, não raro, ali, entram também na água para ajudarem à recolha das algas. Mas em Fão e nas Pedrinhas, embora muitas o possuam, ele não se vê com frequência.

  • 7 Note-se que, em certos pontos, as mulheres sargaceiras começam também hoje a usar o sueste.

10Uma significativa mudança no traje masculino se nota, relativamente ao que se usava na época de Baldaque da Silva: a substituição do carapuço e do «chapéu preto de abas grandes», que, como vimos, deve ter sido igual ao que as mulheres ainda hoje usam, pelo sueste de tela impermeabilizada, com copa de quatro gomos, reforçados, e uma pala curta à frente e outra mais larga e comprida atrás, recobrindo e protegendo o pescoço – todo ele pintado, com iniciais ou desenhos a cores7. Esta mudança parece sem dúvida representar uma inovação devida ao contacto mais íntimo da gente sargaceira com as classes piscatórias e marítimas, em que essa peça indumentária é muito corrente, estabelecida porventura quando estas últimas começaram também a dedicar-se às actividades sargaceiras.

  • 8 Leandro Quintas Neves, op. loc. cit., p. 8.

11O tecido da branqueta, que tem especialmente em vista este traje e certas peças do vestuário poveiro era, sem dúvida, primitivamente, uma espécie de bural caseiro – o tecido de varas 8–. Hoje, ele é fornecido pela indústria de lanifícios; é geralmente na Póvoa de Varzim que ele se pode obter, de preferência em certas lojas. A confecção da vestimenta é executada por alfaiates e o seu preço – tecido e feitio – era, em 1955, de 300$00.

12Os homens, quando iam à praia ao sargaço, saiam de casa vestidos com o seu traje normal de trabalho da terra: umas calças vulgares, camisola, casaco, ou uma simples camisa, socos nos pés, e chapéu. Descalços caminhavam assim depois pelo areal, até ao ponto que tinham escolhido para a apanha das algas, levando a branqueta e o sueste ao ombro, ou pendurados do cabo de uma graveta ou rodafole, que em certos sítios (como no areal da costa de Fão) carregavam num carrelo de rodas. Chegados a esse ponto, espetavam o rodafole ao alto, desnudavam-se da cinta para cima, vestiam a branqueta, e em seguida, perfeitamente cobertos, desenfiavam as calças. Da roupa que tiravam faziam uma trouxa, que ficava ao lado, na areia seca. Para se vestirem, terminada a faina do dia, repetiam a operação ao contrário, e regressavam pelo areal já de novo com a sua roupa habitual.

13As mulheres, ainda hoje, nos casos em que usam a branqueta, saem de casa com qualquer roupa velha, levando, se vão trabalhar na água, a branqueta numa trouxa; e mudam-se na praia, nos barracos ou em qualquer recanto abrigado das dunas (fig. 15) ; e, para regressarem, envergam, da mesma maneira, a roupa seca, que trouxeram vestida de casa. Se vão apenas ajudar a espalhar ou fazer qualquer outro trabalho com o sargaço, sem se molharem, podem também usar a branqueta, saindojá de casa com ela e sem se mudarem na praia.

14Hoje em dia vê-se, as mais das vezes, nos homens e nas mulheres, casacos de tela impermeável (divulgados depois da Segunda Grande Guerra Mundial, a princípio como refugo de material militar) ou materiais plásticos, recobrindo ou substituíndo o traje de branqueta, como melhor protecção contra a água e o frio.

Notes

1 Em Afife, na área onde, em Portugal, o traje feminino tradicional apresenta formas mais ricas e variadas, ajustadas a múltiplas situações, de trabalho e de festa, definiu-se há poucos anos um «traje de sargaço», dentro do estilo geral da região, mas que não tem qualquer realidade funcional, e é usado apenas em cortejos ou certames congéneres. Compõe-se ele de saia rodada, de estopa branca, com «barra», em baixo, de riscado preto e branco; camisa simples, de manga comprida, de linho grosso também branco; colete de lã, preto e branco, muito decotado; lenço de cor, da cabeça, mas posto aos ombros e cruzado sobre o peito; chapéu de palha, de aba muito larga; sapatilhas brancas nos pés. De facto, para irem ao mar, as mulheres da região embora usem com grande frequência a saia branca, envergam, como por toda a parte, qualquer roupa velha de trabalho que não se importem de estragar.

2 Vê-se assim que a área geográfica deste traje coincide muito aproximadamente com a área das jangadas, sendo de admitir a existência de uma relação entre estes dois elementos culturais. A fotografia fig. 152, mencionada na nota 130, mostra, como dizemos, um jangadeiro de Anha, que à beira mar corresponde à actual praia de Viana do Castelo, imediatamente a sul da foz do rio Lima; e embora actualmente não existam jangadas nesse ponto, vemos que Baldaque da Silva insistia na sua existência ali no seu tempo, falando mesmo nas expedições que elas faziam a norte de Viana do Castelo, em busca do sargaço. Por outro lado, ao sul da Apúlia, o traje desapareceu completamente, e o facto que apontamos da gente da Aguçadoura se referir ao seu uso por parte dos sargaceiros seus vizinhos do norte numa atitude crítica, marca claramente o limite da área; e nesta localidade não existem – nem temos conhecimento da passada existência – de jangadas. Da nossa hipótese há portanto que exceptuar apenas Averomar, onde o traje não é conhecido, e pelo contrário os cortiços existem de longa data, sendo mesmo hoje muito abundantes.

3 Baldaque da Silva, op. cit., p. 366.

4 Numa velha fotografia inserta na pequena nota de Leandro Quintas Neves, intitulada «O sargaceiro de Castelo de Neiva», Quatro Ventos, 2.a Série, 3-4, Braga, 1959 (e que conhecemos também de um postal editado pela Casa Couto Viana, com a legenda : Jangadeiro de Anha que aqui reproduzimos (fig. 152), vê-se um sargaceiro com a vara da jangada usando a branqueta e o carapuço, a que o Autor dá o nome de catalão, que porém corresponde a um tipo diferente de carapuço, usado pelos pescadores poveiros. O Autor ensina que essa fotografia pertence a uma colecção adquirida pelo Comendador José Albino Pereira de Carvalho entre 1820 e 1850, já nessa altura designada por «Trajes populares antigos». Esta cronologia parece-nos contudo excessivamente recuada, tendo em atenção a data em que se divulga a arte fotográfica ; mas é apesar disso um índice seguro da sua antiguidade.

5 A abotoadura à frente, é direita e corrida, da Apúlia ao Cávado; daí para o norte o saiote tem, porém, em baixo, uma presilha com casa, que vem apertar mais dentro; e encontramos este pormenor já na imagem do «Jangadeiro de Anha», a que aludimos na nota anterior (fig. 152).

6 A Postura camarária da Póvoa de Varzim de 22.III. 1865 dispõe que : «É permitido aos da Apúlia apanhar sargaço, polvos e lançar espinhéis na Esteia, com armas e utensílios iguais aos que usam os povos da Esteia, como também vestidos com honestidade e decência, compatíveis com aquele emprego». Esta permissão e restricções foram tornadas extensivas aos povos do concelho e de fora pela Postura camarária de 20.XII desse mesmo ano: «para que somente o possam fazer com instrumentos e vestuário honesto...». Finalmente, a Postura camarária de 9.VIII.1871 assim dispõe (art.° 15): «É proibido tomar banho em estado de nudez em todo o litoral do concelho da Póvoa de Varzim, sob pena de 1.500 réis e 3 dias de prisão. § único – Nas mesmas penas incorrem todas as pessoas que andando na apanha do sargaço ou rapilho e estrumes, ou puxando barcos da água, se apresentarem de maneira que ofendam a moral pública». Cândido Landolt assim se refere a estes diplomas: «Com relação... (ao) vestuário, tudo leva a crer que os povos da Apúlia se apresentavam quase nus... dando motivo a que a Câmara os obrigasse a apresentarem-se de modo que não ofendessem a moral pública...
Supomos que se trata, mais uma vez, dessa total incompreensão com que espíritos viciados por uma óptica falseada interpretam a branqueta, traje excepcionalemnte bem concebido, e que era já, sem dúvida, aquele que os sargaceiros usavam no tempo das Posturas camarárias que transcrevemos.

7 Note-se que, em certos pontos, as mulheres sargaceiras começam também hoje a usar o sueste.

8 Leandro Quintas Neves, op. loc. cit., p. 8.

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search