Version classiqueVersion mobile

Actividades agro-marítimas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

Tecnologia da apanha do sargaço

Texte intégral

  • 1 Ver nota 93.

1Em todas as partes onde os lavradores vão ainda ao sargaço, eles fazem a sua recolha, conforme as circunstâncias e usos locais, a pé, fora ou dentro da água, ou de bordo das suas embarcações, jangadas, barcos ou masseiras ; e essa actividade pode ser exercida só por eles, ou também pelas suas mulheres, em pé de igualdade ou com atribuições diferentes. Ao sul do rio Cávado, de Fão à Apúlia, entre a gente do campo, é apenas o homem quem entra no mar, com o rodafole ou a graveta ; a mulher ajuda a transportar, espalhar ou carregar o sargaço colhido, e às vezes junta com a graveta aquele que foi lançado à praia ou vem na babugem das ondas; mas nunca entra na água. E mesmo aqueles trabalhos acessórios são as mais das vezes feitos pelos homens, porque mesmo para tais trabalhos é necessário licença, e não vale a pena tirá-la só para isso. É ainda só o homem, ali, quem apanha o sargaço de bordo de barcos (o que aliás ocorre hoje com muito pouca frequência). Entre aquele rio e Viana do Castelo – nas Marinhas, S. Bartolomeu do Mar, Castelo de Neiva, e Amorosa – as mulheres desempenham esta actividade nos mesmos termos que os homens: como eles, colhem-no a pé, entrando na água, com as suas branqueias e rodafoles e gravetas, ou, em Castelo de Neiva, de bordo das jangadas ali em uso, que conduzem à vara, sozinhas ou com uma companheira, com os croques, foucinhões ou ganchorras. Nos últimos anos, com o aumento da emigração masculina, são mesmo quase apenas as mulheres quem vai ainda apanhar sargaço, a pé ou de bordo de jangadas. Como no caso anterior, porém, a mulher em regra não realiza este trabalho de bordo de barcos. Ao norte de Viana do Castelo, na Areosa e Montedor, homens e mulheres vão ao sargaço, uns e outros a pé ou de bordo de embarcações (que em Montedor são masseiras de proa e ré cortadas), mas predominam as mulheres neste trabalho; em Afife são mesmo quase só elas quem, executando todas as tarefas agrícolas, apanha o sargaço, seja a pé seja de bordo das suas embarcações ; apenas os raros homens que permaneceram verdadeiramente agricultores se juntam a elas naquela actividade1. Em todos estes locais, porém, entre a gente cabaneira e piscatória, as mulheres entram em regra na água.

2Por toda a parte, é corrente fazer-se a apanha do sargaço em regime de parceria, por duas pessoas, homens ou mulheres, por se reconhecer que este trabalho é mais rendoso dessa maneira: uma que anda na água, na recolha; outra que traz para terra os aparelhos cheios, que o primeiro lhe entregou, descarregando-os, aos montes, fora do alcance das ondas, e os leva vazios ao primeiro. A divisão do sargaço recolhido, em verde ou depois de seco, é em regra a meias, mesmo que um dos parceiros seja mais forte e resistente ao frio do que o outro. É frequente esta sociedade ser duradoura; em Fão, o casamento de um dos parceiros era a causa mais frequente do seu rompimento.

  • 2 O malogrado investigador povoense Fernando da Silva Barbosa, a quem os nossos trabalhos devem tanto (...)

3Nos locais em que se fixaram essas populações pobres de cabaneiros, para quem o sargaço é apanhado para venda – Amorosa, Castelo de Neiva, Aguçadoura, Averomar, etc. – a mulher em geral acamarada com o homem na recolha das algas, fora ou dentro de água, a pé e, nomeadamente em Castelo de Neiva, de bordo de jangadas. Esta cooperação vem já de longe, pois temos a indicação desse trabalho feito por mulheres em Averomar no século XVII, num assento de óbito da freguesia de Amorim (que englobava então Averomar), noticiando que «aos 24 dias do mes de Abril de 1629 se faleceo Maria Amador filha de Amadeo Giz d’Avelomar seu marido absente há mtos annos nas p.des do Brazil e morreo afogada no mar andando tirando argaço cõ outra gente e vindo hua onda a levou no golfo e não lhe puderão valer...»2.

  • 3 Em Viana do Castelo vimos mulheres apanhando à mão, no princípio da vasante das marés vivas, as alg (...)

4O pescador, tanto nos agregados piscatórios bem caracterizados, como a Póvoa de Varzim, Vila Chã, Âncora, etc., como naqueles em que eles constituem um grupo a par de outros, mas em que a classe é bem definida e a profissão, para eles, é exclusiva, como Fão, Apúlia, etc. o homem dedica-se à apanha das algas apenas de bordo dos seus barcos; ele consideraria deprimente para um homem do mar a apanha a pé, fora ou dentro de água. Isto é notório sobretudo nos pontos onde ele trabalha a par dos lavradores-sargaceiros da área, onde, apesar disso, os pescadores se estremam e os seus padrões se conservam sem que o convívio com essa outra classe de gente, que ao seu lado apanha sargaço na praia, logre modificá-los. As suas mulheres, contudo, apanham o sargaço a pé, na beirada ou nos rochedos, fora ou dentro da água, porque o brio da profissão não as abrange; e em Vila Chã era mesmo frequente as mulheres apanharem o sargaço de bordo de barcos3.

5Em vários locais, o lavrador guarda nos seus barracos, ao lado do barco do pilado agora sem utilidade, uma catraia pequena, para apanha de sargaço e pesca; mas por toda a parte se nota a tendência para a apanha do sargaço em barcos ser executada apenas por pescadores, ou pelas populações de actividade mista, em que a pesca é já um recurso de relativa importância. Em Âncora, outrora, os pescadores cediam as suas masseiras aos lavradores, para estes cortarem ou arrancarem algas, mediante um aluguer em milho, batata ou dinheiro; mas este trabalho é agora executado quase que exclusivamente por pescadores. E em Carreço, as masseiras com que os lavradores faziam esse serviço, foram há já alguns anos arrumadas ou vendidas.

6A recolha das algas faz-se de duas maneiras principais, e, em ambas elas, por seu turno, por diferentes processos, conforme o modo como as algas se apresentam, comportando cada um ferramenta adequada: I) a pé, fora ou dentro de água; e II) de bordo de embarcações, barcos, masseiras ou jangadas. No primeiro caso, as algas podem ser simplesmente recolhidas, se estão soltas, em seco, na praia, ou dentro de água, vogando mais ou menos à superfície ou pousadas no fundo, próximas da praia ; ou arrancadas ou cortadas, se estão presas à penedia descoberta ou submersas, junto ou próxima da praia, a pequena profundidade. No segundo caso, elas podem igualmente ser simplesmente recolhidas para bordo das referidas embarcações, se estão soltas vogando mais ou menos à superfície ou pousadas nos fundos, longe da praia, ou arrancadas ou cortadas, se estão presas à penedia submersa distantes da praia, e tanto a pequena como a maior profundidade.

  • 4 Lavra, 1696 e 1762. «Os que sairem para o mar em barco quando vão ao argaço não podem pegar nele en (...)

7Já nos textos dos séculos XVII e XVIII se referem especificadamente alguns destes processos, distinguindo a apanha do sargaço feita da praia, e feita de bordo de barcos, para lá do limite de onde os homens o podem tirar a pé; e dentro do primeiro, a apanha do sargaço «que o mar livremente lança fora», e aquela que se faz «entrando pelo mar dentro» a que em certos casos, como vimos, corresponde uma regulamentação diferente. No século XIX repetem-se as referências a este vários processos, especificando-se mesmo, por vezes, a apanha feita de bordo de jangadas4.

8Em certos locais onde existe penedia descoberta, com algas a ela presas, mas a distância da praia, como por exemplo em Castelo de Neiva, Afife, Montedor, etc. as pessoas deslocam-se até esses penedos nas suas embarcações – naqueles dois últimos locais em masseiras–, mas o corte das algas faz-se seguidamente a pé, como no caso da penedia próxima da praia.

9Esta diversidade corresponde por vezes a determinadas regiões ou categorias de pessoas, devido seja a condições naturais seja a padrões culturais locais. Em certas partes, a apanha a pé é feita apenas por gente da lavoura, enquanto os pescadores utilizam embarcações nessa actividade, como por exemplo Fão ; noutras, em que predomina a classe piscatória, são as mulheres quem apanha as algas a pé, e os homens ou não as apanham, ou apanham-nas unicamente de bordo dos seus barcos; etc. ; e veremos que certos tipos de embarcações – masseiras e jangadas – também correspondem a áreas geográficas definidas.

10Por outro lado, a cada um destes vários processos correspondem alfaias adequadas, – aliás também por vezes variáveis conforme as regiões – que ora são as próprias espécies vulgares da lavoura ou da pesca, utilizáveis em certos casos, ora são formas específicas da actividade sargaceira, que geralmente representam a adaptação daqueles tipos vulgares a essa actividade.

11Essa diversa ferramenta especificada da apanha do sargaço pode agrupar-se nas seguintes categorias, de acordo com o sistema a que pertence:

ISISTEMA DE DENTES

A) – Tipo do ancinho (dentes cravados numa travessa).

121) Graveta – O utensílio mais vulgar dentro deste tipo e sistema é a graveta ou gaiteira, espécie de ancinho grande de madeira, cujo pente – costa ou (Mindelo, Angeiras, Pampelido), de cerca de 80 cm a 1 m de comprimento, mostra, além da fila de dentes usual, outra de dentes mais curtos – os gaiteiros – cravados perpendicularmente na face da costa voltada para trás, de modo a ficarem também em posição perpendicular à dos dentes normais (des. 1). O encabamento é reforçado com uma trava de vime, ou, mais modernamente, de arame – o cabresto (Angeiras) –.

13Os dentes regulam por cerca de 25 cm de comprimento. No Norte, eles são sempre muito mais bastos do que os gaiteiros, e uns e outros, as mais das vezes são de urze ou, ultimamente, de macacaúba, e bem acabados; os gaiteiros ou tornos (Angeiras, Pampelido), por vezes são de arame grosso com uma volta apertada na ponta. No Sul, em Peniche, o instrumento tem 12 dentes de 25 cm, e 12 gaiteiros de 15 cm, e o cabo mede 1,20 m e o pente – marra– 1 m (des. 1 b).

1 – a) Póvoa de Varzim, Averomar – graveta ; b) Peniche – encinho ou gravanço ; c) Esposende, Fão – gaiteira ; d) Fão – engaço.

1 – a) Póvoa de Varzim, Averomar – graveta ; b) Peniche – encinho ou gravanço ; c) Esposende, Fão – gaiteira ; d) Fão – engaço.
  • 5 Baldaque da Silva, op. cit., p. 365.
  • 6 Idem p. 366.

14A graveta usa-se para a recolha feita a pé, na ou mesmo junto à praia, das algas que boiam, se são em massas densas, ou das que aí repousam em fundos de areia. O sargaceiro entra na água até onde tem pé, crava os dentes da graveta na massa das algas, que ficam presas entre eles e os gaiteiros, puxa-a para terra arrastando-a pela areia (figs. 60 a 64), e, aí, despeja-a, virando-a e sacudindo-a, e tirando dos dentes, à mão, as algas que ainda lá ficaram presas. A graveta faz também o serviço do ancinho vulgar na recolha das algas soltas que o mar lançou no areal, e no empadelar do sargaço depois de seco. E Baldaque da Silva, dando-lhe os nomes de encinho ou engaço, fala do seu uso também de bordo de embarcações ou jangadas5. Este mesmo autor menciona ainda, sem indicar a sua localização, um engaço de ferro ou graveto, que é um «instrumento como o engaço, diferindo em que os dentes do pente são de ferro, a fim de resistirem quando se draga o fundo, arrancando as plantas a ele agarradas, as quais geralmente assentam em fundos de pedra ou cascalho»6.

  • 7 Fritz Krüger, «Notas etnográfico-linguísticas da Póvoa de Varzim», Boletim de Filologia, IV-1/2, Li (...)

15O nome mais vulgar por que o utensílio é designado, é graveta. Além dele, ouvimos ancinha (Montedor), ancinhão (Âncora), garamanha (Viana do Castelo); na Apúlia e em Fão chamam-lhe gaiteira, designando por graveta um engaço grande, com 28 a 38 dentes, usado para o mesmo fim, e também para enrolar a manta do sargaço, depois de seco. Em Angeiras e Pampelido chamam-lhe engaço, e em Vila Chã, encinho 7. No Sul, em Peniche, dizem encinho ou gravanço ; e em Mafra (Praia da Calada, Encarnação), gança.

162) Ganchorra e Rastilha – Outros utensílios do sistema de dentes, do tipo do ancinho, estreitamente aparentados com a graveta mas de cabo muito comprido, e também usados para a apanha do sargaço, são as ganchorras e as rastilhas (des. 2).

17Em princípio, a ganchorra (Apúlia, Aguçadoura, Averomar, Mindelo), ganchola (Aguçadoura, Vila Chã, Angeiras, Pampelido), ou gancha (Fão) destina-se à apanha feita de bordo de barcos ou jangadas, das algas que se encontram pousadas nos fundos ; a rastilha ou rastilhão (Averomar), ou rissa (Aguçadoura), diversamente, destina-se à apanha feita a pé, da beirada ou de cima de pedras, das algas que vogam ou estão pousadas na areia, perto da praia mas já fora de pé e do alcance da graveta ou do rodafole.

2 – a) Vila do Conde, Vila Chã – ganchola ; b) Póvoa de Varzim, Averomar – rastilha grande ; Vila do Conde, Mindelo–ganchorra; d) Vila do Conde, Pampelido–ganchola.

2 – a) Vila do Conde, Vila Chã – ganchola ; b) Póvoa de Varzim, Averomar – rastilha grande ; Vila do Conde, Mindelo–ganchorra; d) Vila do Conde, Pampelido–ganchola.
  • 8 Nestas ganchorras, por vezes os dentes são de ferro e madeira alternadamente.
  • 9 Maria da Conceição Nogueira, «Linguagem e Etnografia de Aguçadoura», Póvoa de Varzim, Boletim Cultu (...)

18Em vista da sua função, a ganchorra e a rastilha têm todos ou alguns dentes e gaiteiros de ferro8, que lhe dão o peso necessário para mergulhar e aguentar melhor as algas ; mas enquanto que na ganchorra, que as puxa no sentido vertical, o ângulo formado pelo cabo e os dentes aproxima-se dos 90°, na rastilha, que as puxa no sentido horizontal – e portanto com menos prisão – esse ângulo é em numerosos casos muito mais «çarradov, não excedendo por vezes os 45°9.

19Na Apúlia e Averomar, as ganchorras têm muitas vezes o cabo composto de várias peças, que o alongam consideravelmente: o encabadouro (Apúlia), troço (Fonte Boa) ou emenda (Averomar), junto à costa do pente ;os fechos, a seguir, em número variável; e o chicote ou rabicho, varita flexível, a rematá-lo; estas peças ligam-se umas às outras por uma forte amarração das suas pontas sobrepostas. Conseguem-se assim cabos de 7 a 10m de comprimento, leves e fáceis de manejar (desenho 2 b) ; a madeira preferida é o castanho, que é flexível e não quebra.

20Em Vila Chã, Angeiras e Pampelido, as gancholas têm cabos firmes, de cerca de 5 m de comprimento. No Mindelo, aparecem os dois tipos.

21O sargaceiro utiliza estes instrumentos lançando-os da embarcação um pouco para o largo, e puxando em seguida o cabo, de modo que o pente arraste pelo fundo, sobre as algas, colhendo-as; quando o sente pesado, puxa-o para cima, quase na vertical (figs. 93, 94 e 95). Se o sargaceiro vai sózinho nessa embarcação, barco ou cortiço (Averomar), tem de interromper a recolha para retomar os remos ou a vara a fim de se deslocar; se vão duas pessoas no barco ou jangada (Castelo de Neiva), a segunda ora ajuda também à recolha com a ganchorra (ou outros instrumentos), ora vai deslocando lentamente essas embarcações, com os remos ou a vara.

22A rastilha tem sempre um cabo firme, com cerca de 5 m de comprimento (des. 2 a, d). A pessoa que a maneja lança-a da beirada, mas muitas vezes com água pela cintura, atirando-a para a frente e empurrando-a pelo cabo; ela vai mergulhando lentamente, pelo próprio peso dos dentes de ferro, e quando sente que estes tocaram no fundo e se cravaram na massa das algas, puxa-a para terra.

23Na realidade, a distinção entre estes dois instrumentos é muitas vezes difícil de estabelecer com clareza e exactidão, e as suas características, funções e nomenclatura, com frequência sobrepõem-se e confundem-se. Em Averomar, vê-se quase sempre a rastilha usada de bordo das jangadas ou barcos; na Apúlia, existe uma gancha de «barca» (a «barca» é a jangada local, que dantes se usava para a recolha do sargaço), com dentes alternados de pau e ferro, que se usava de bordo, mas que tinha um cabo firme, que fazia mesmo as vezes de vara para mover essa embarcação ; no Pampelido chamam indiscriminadamente ganchola aos instrumentos que se usam de bordo dos barcos e a pé; apenas o ângulo dentes-cabo é mais fechado nos últimos do que nos primeiros; e vimos vários exemplares que se usavam da beirada, em que os dentes eram todos de madeira, e faltavam os gaiteiros (des. 2 d). Em Vila Chã, o instrumento era o mesmo para ambas as situações : as mulheres, quando os maridos saiam à pesca, apanhavam o sargaço da beirada com as próprias gancholas com que os maridos o recolhiam de bordo dos seus barcos. Esta ganchola também por vezes não tinha gaiteiros ; a mulher lançava-a como dissemos a respeito da rastilha, e quando sentia que o pente tocara a massa das algas, carregava sobre o cabo com o peso do próprio corpo para a frente, para que os dentes entrassem nessa massa; puxava-a então para terra, sózinha ; uma vez chegada à beira, vinha outra com um galricho, e a que empunhava a ganchola despejava-a para dentro deste último aparelho, porque, muito aberta e sem os gaiteiros, a ganchola não segurava as algas. A da ganchola voltava à sua recolha, sem nunca sair da água ; quando o galricho ficava cheio, outras, duas ou mais, é que o puxavam para cima.

24De determinada penedia desta praia, afastada da terra mas acessível a pé na vazante, algumas mulheres também apanhavam as algas com uma outra espécie de ganchola, a gancheta, que despejavam do mesmo modo para o galricho, que para ali tinham levado, e que era depois puxado para terra por uma corda.

25Em Montedor, a ancinha, semelhante à rastilha, sem gaiteiros, usava-se igualmente de cima dos penedos abruptos, que ficavam a descoberto e ligados à terra, para recolher as algas soltas que flutuavam em baixo, e que não se podiam atingir a pé; e depois de carregada, içava-se para cima quase verticalmente.

B) – Tipo do forcado (em que os dentes são, não paralelos e cravados numa travessa, mas divergentes a partir do ponto da sua inserção no cabo.

261) – Croque – Destes a mais importante é o croque, usado, para a apanha do sargaço, na Amorosa e em Castelo do Neiva, onde desempenha o papel da ganchorra de Averomar. O croque é aqui formado por 5 ou 6 dentes de ferro, fortes e recurvados, saindo duma patilha – o encabadoiro – ligada ao alvado em que entra o cabo, que é comprido «pode ter 10 m» e de secção circular, igual ao das ganchorras (des. 3). Os croques usam-se para a recolha das algas que estão presas aos rochedos submersos, longe da praia, feita de bordo de barcos ou jangadas (fig. 46) ; os pequenos, de 5 dentes, pesando cerca de 5 kg, trabalham nos fundos mais baixos, entre os penedos; os de 6 dentes, com peso superior a 8 kg, são mais para o largo, para fundos mais vastos.

27O croque é manejado de pé, com as duas mãos, lançado um pouco para o largo, e vindo a arrastar pelos fundos; e arranca ou parte as algas que estão presas, ou envolve as que estão soltas, trazendo para cima, verticalmente, umas e outras, presas no côncavo dos dentes ; ao chegar à borda da embarcação, é voltado com os dentes para cima, puxado para dentro horizontalmente, voltado com os dentes para baixo, e despejado e sacudido, para soltar as algas.

3 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – croque (Museu de Etnologia n.° AQ 988).

3 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – croque (Museu de Etnologia n.° AQ 988).

28Não podemos afirmar nada, comprovadamente, quanto à difusão deste instrumento entre nós. O seu nome permite, contudo, aventar uma hipótese de origem francesa, que o facto de ele se usar como forma fundamental na apanha do sargaço na ilha de Batz, em St. Pol de Leon, na Bretanha, vem ainda apoiar.

  • 10 Baldaque da Silva op. cit., p. 364, fala no fueiro que se usava na Lagoa de Óbidos, para a recolha (...)

29Temos ainda notícia de outros instrumentos para a recolha de algas extremamente primitivos e que se conhecem apenas em regiões muito circunscritas – por exemplo o gancho, usado em Âncora pelos rapazitos em ocasiões de grande abundância de sargaço, e que, segundo a informação que nos foi dada, são troncos finos de pinheiros muito novos, a que se deixa ficar unicamente a parte mais forte dos ramos, e que, amarrados a uma corda delgada e atirados para o meio da massa de algas, as enovelam, e puxados para terra pela corda, as trazem assim consigo (des. 4) ; este gancho é pois, usado para a recolha a pé, da praia10.

4 — Âncora — gancho.

4 — Âncora — gancho.

IISISTEMA DE REDE

A – Tipo do camaroeiro piscatório (saco de rede entralhado num arco de pau, com cabo).

301) Rodafole ou ganhapão – O utensílio mais corrente dentro deste sistema consiste num saco de rede entralhado num arco de madeira, para dentro do qual se colhem as algas soltas na água, munido de um cabo para o manejar. Este instrumento apresenta-se sob duas formas distintas, que levam cada qual o seu nome, e correspondem a outras tantas áreas bem definidas: numa destas, que se encontra da Aguçadoura para o sul, o saco, de dimensões reduzidas – regula por 60 cm de diâmetro e de fundo –, aproveita bocados de redes velhas, de qualquer malha que sirva, e é entralhado num arco de volta inteira, de varas finas de loureiro, carvalho ou salgueiro (des. 5 e figs. 105 a 111) ; o cabo, que é muito comprido – regula por 2,5 a 3 m – prende por amarração em dois pontos do arco situados diametralmente, passando depois através da boca do saco. Designado por ganhapão (e ultimamente por bichano) é geralmente de construção pobre e rude e em regra feito pelos seus donos, os cabaneiros daquelas áreas.

5 – a) Póvoa de Varzim, Averomar – ganhapão ; b) Vila do Conde, Vila Chã – ganhapão.

5 – a) Póvoa de Varzim, Averomar – ganhapão ; b) Vila do Conde, Vila Chã – ganhapão.

31Na outra forma, que corresponde à área da Aguçadoura para o norte, o saco, de grandes dimensões, de malha larga (4 a 5 cm) de fio grosso de sisal, feito propositadamente, é entralhado num meio arco de vara forte de loureiro, com as pontas – que ficam voltadas para fora – mantidas tensas por um cordão que vai de uma à outra, no qual também entralha o saco. O cabo, menos comprido que o do ganhapão – regula por 2 m –, parte de um ponto a meio desse meio-arco, deixando completamente livre a abertura do saco; ele mostra numa das pontas um alargamento com uma fura quadrangular onde entra e fica preso, nesse ponto, o arco. O instrumento, designado por rodafole da Apúlia a Esposende, e por redenho daí para o norte, é muitas vezes feito por cesteiros profissionais, geralmente de construção sólida e esmerada e com madeiras bem aparelhadas. O saco regula, como média, por 1,60 m de fundo (des. 6 e figs. 74 e 82) ; mas as suas dimensões exactas variam, em função de vários factores : estatura de quem usa o rodafole, inclinação do areal (quando este é acentuado, o saco tem de ser mais pequeno, para que o esforço de o arrastar cheio de algas, fora da água, não seja incomportável), condições de segurança da praia (já que o sargaceiro, mesmo em perigo, dificilmente se resigna a largar e perder o rodafole) ; certas particularidades da configuração local também podem influir nas dimensões e até na forma do rodafole : assim, por exemplo, se há canais estreitos, entre pedras, onde as algas se juntam, os arcos são menos abertos, para que o rodafole os possa percorrer. Na Aguçadoura, ponto de contacto das duas áreas, usam-se ambas as formas, que são designadas indistintamente por ganhapão e rodafole. Ao norte do rio Lima, nomeadamente em Afife e Carreço, onde, como sabemos, predomina a apanha por mulheres, o redenho tem o arco e o saco muito mais pequenos (des. 7 e figs. 1 e 6). Ao sul do rio Ave, em Vila Chã, Angeiras e no Pampelido, este instrumento, designado por ganhuço, toma uma forma de certo modo híbrida : o arco é de meia-volta, como nos rodafoles do norte, mas tem as dimensões, do saco e do cabo, o modo de encabamento e o carácter geral, tosco e primitivo, dos ganhapões de Averomar (des. 8).

6 – Esposende, Fão – rodafole.

6 – Esposende, Fão – rodafole.

7 – a) Caminha, Moledo – redenho ; b) Âncora – redenho.

7 – a) Caminha, Moledo – redenho ; b) Âncora – redenho.

8 – Vila do Conde, Pampelido – ganhuço.

8 – Vila do Conde, Pampelido – ganhuço.
  • 11 Baldaque da Silva, op. cit., p. 366.

32Rodafole e ganhapão usam-se, como a graveta, para a recolha feita a pé, das algas que boiam na água, mesmo junto à praia, ou das que aí se encontram depositadas nos fundos de areia, entrando o sargaceiro na água até onde tem pé; para a recolha das algas, o sargaceiro empunha este utensílio pelo cabo, e passeia empurrando-o à sua frente, de modo que as algas que flutuam entrem para o saco. Quando este tem a quantidade suficiente, o sargaceiro empunha-o com o cabo ao ombro e o saco pelas costas, arrastando-o até ao ponto, já fóra da água, em que as algas são despejadas, pousando o saco com a boca sobre a areia, e sacudindo-o pelo fundo. Baldaque da Silva diz que o redenho também se usa de dentro do barco11 ; mas nunca vimos empregá-lo dessa maneira.

B) – Tipo de arrasto (saco de rede entralhado numa grade, sem cabo).

  • 12 Para se avaliar da frequência dos arrastos, basta dizer que Castelo de Neiva possuia cerca de 100 b (...)

331 – Arrasto – Do sistema de rede há também utensilagem do tipo dos arrastos – o arrasto, arrastão (Fão) ou nassa do argaço (Aguçadoura e Averomar), que se usava há pouco com frequência12. O arrasto é constituído por um saco de rede, com uns dois a três metros de comprimento, cuja boca se mantem aberta por uma grade rectangular ; esta é formada por um vergalhão de ferro de cerca de 2 m, em baixo, que arrasta pelo fundo, e por um pau do mesmo comprimento, em cima, ligados nas pontas por duas varetas de ferro verticais de 80 cm a 1 m ; de cada canto da boca do saco partem cordas de 5 a 6 m de comprimento, que se reunem e amarram a um cabo de corda, que puxa o conjunto (des. 9 a).

34O arrasto é sensivelmente igual à rede de arrasto que começou a usar-se nesta costa há cerca de 40 anos para a pesca do camarão, diferenciando-se dela apenas pelo maior calibre do fio e largura da malha. Em grande parte dos casos, é o próprio arrasto do camarão que recolhe ao mesmo tempo as algas.

35O arrasto é assim, de facto, uma rede de arrasto, e usa-se de bordo de embarcações para a recolha das algas soltas que se encontram pousadas em fundos de areia, longe da praia. O seu reboque é feito de duas maneiras : quando pescam camarão e o percurso é grande ou à volta de pedras (como sucede por exemplo em Castelo de Neiva, nos carreiros entre a penedia), ele vai rebocado por um barco movido a remos; quando o percurso é pequeno e densa a quantidade de algas, fundeiam o barco, afastam-se da poita largando cabo, lançam o arrasto e voltam novamente até à poita colhendo cabo. Na Apúlia, usavam este arrasto para a apanha, a pé, da beirada, junto à praia. Para tirar o sargaço de dentro do arrasto usa-se o rabichel, que faz o efeito de uma pá, com o saco pouco profundo entralhado num arco redondo de cerca de 40 a 50 cm de diâmetro, e cabo de 1 a 1,50 m de comprimento. O arco faz-se de várias maneiras diferentes (des. 9 b).

9 – Esposende, Fão – a) arrasto ou arrastão ; b) rabichel para tirar o sargaço do arrasto.

9 – Esposende, Fão – a) arrasto ou arrastão ; b) rabichel para tirar o sargaço do arrasto.
  • 13 O arco já foi obrigatoriamente de madeira, mas voltou a ser permitido de ferro, o que facilita o me (...)

362 – Galricho – Deste mesmo tipo, aparece, a título excepcional, apenas num ou noutro local, um utensílio diferente, que parece ser de uso muito restricto – um saco de rede, também preso a um arco, sem cabo, que, agarrado e mantido verticalmente pelo sargaceiro, dentro da água, se arrasta pelo fundo, recolhendo as algas que vogam à sua frente –. Assim é o galricho do sargaço, que se encontra em Vila Chã a par com o ganhapão, e cujo saco, que mede cerca de 2 m de comprimento e 1,30 m de diâmetro, é entralhado num arco de ferro13, firmado por um varão diametral e outro radial, perpendicular àquele, ambos ligeiramente arqueados, à frente da boca do saco, cuja metade inferior fica assim inteiramente desimpedida.

37O instrumento é utilizado em várias circunstâncias: normalmente, ele serve para a recolha das algas que flutuam junto da praia, ou que aí se encontram pousadas nos fundos. Para o seu manejo, a sargaceira entra na água com ele até onde tem pé, segurando-o com a mão direita no aro e a esquerda na verga vertical, e caminha às arrecuas puxando-o e arrastando-o atrás de si, ao mesmo tempo que, com os pés, ajuda a meter as algas para dentro do saco (des. 10). Este trabalho é sem dúvida perigoso, porque tem muitas vezes lugar mesmo na quebra da vaga.

10 – Vila do Conde, Vila Chã – galricho.

10 – Vila do Conde, Vila Chã – galricho.

38Além desta maneira, o galricho usa-se ainda em Vila Chã, como dissemos, para apoiar o trabalho da recolha do sargaço tirado com a ganchola e com a gancheta.

39A mulher que trabalha com o galricho do sargaço tem de ser forte, pois o peso do saco cheio de algas é por vezes muito grande. Quando há muito sargaço, ele enche-se rapidamente, graças ao tamanho da boca do saco. É frequente a mulher estar mergulhada na água quase até ao pescoço, e safar-se das vagas saltando apoiada no próprio arco. Este galricho é pois uma nassa igual à que é ali usada para a faneca; e, como tal, ele é muito frequente na Póvoa de Varzim onde lhe dão o mesmo nome de galricho, diferindo deste apenas porque não dobra pela aba, pois aqui todo o arco precisa de ser rígido.

40Não conhecemos este aparelho em qualquer outro local desta zona. Em Vila Chã ele parece ter aparecido há cerca de 70 anos, quando os pescadores começaram a dedicar-se à apanha do sargaço.

41No Sul, na costa de Peniche, no Baleal, existe um aparelho semelhante a este e que se usa em idênticas circunstâncias – o caramoeiro (camaroeiro) – cujo arco, forte, de zimbro, mede 1,30m a 1,50 de diâmetro. Ele é manobrado como o galricho de Vila Chã, mas por dois homens, que muitas vezes têm de pedir o auxílio de um terceiro para o poderem retirar da água, cheio de algas (des. 11). O caramoeiro do Baleai é empregado na época em que o mar deixa de juntar e pôr a seco o sargaço que anda solto.

11 – Peniche, Ferrel – caramoeiro.

11 – Peniche, Ferrel – caramoeiro.

IIISISTEMA DE LÂMINA (PARA O CASO ESPECÍFICO DO CORTE DAS ALGAS)

Tipo da foicinha.

42Foicinhão – De Julho a Outubro é permitido o corte (e arranque) das algas – e sobretudo as taborras – que estão presas às rochas. Para tal corte usa-se, nos locais onde há penedia, do rio Lima para o sul (exceptuando Angeiras), um instrumento específico: o foucinhão (foucilhão – Mindelo ; fouce – Castelo de Neiva ; segador – Vila Chã), que é uma foice de lâmina serrilhada, comprida e geralmente bastante aberta, mas por vezes muito fechada (Vila Chã) encabada numa vara de pinheiro com cerca de 3 m de comprimento (des. 12 a, b). O foucinhão é utilizado de dentro de barcos ou jangadas para o corte das algas presas às rochas submersas, mais ou menos distantes da praia (figs. 29 a 31) ; e tanto corta como tráz as algas para dentro daquelas embarcações. Ele é manejado de pé, com as duas mãos : o sargaceiro fá-lo mergulhar até tocar o fundo, imprime ao cabo um movimento brusco que faz a lâmina cortar as algas, roda-o ligeiramente de modo a envolvê-las na lâmina, e puxa-o para cima, despejando-o sobre a embarcação. Na sua forma mais elaborada, que encontramos em Vila Chã, apenas a metade da ponta da lâmina é serrilhada; a parte curva, que é muito fechada, não tem gume, e funciona sobretudo como um gancho para trazer as algas para o barco.

12 – a) Viana do Castelo, Castelo de Neiva – foicinhão (Museu de Etnologia n.° AQ 989) ; b) Vila do Conde, Vila Chã – segador ; c) foicinha.

12 – a) Viana do Castelo, Castelo de Neiva – foicinhão (Museu de Etnologia n.° AQ 989) ; b) Vila do Conde, Vila Chã – segador ; c) foicinha.

43Em algumas partes, a par com estes instrumentos específicos, usam-se – ou usavam-se – para o arranque e corte das algas presas aos rochedos, certas espécies comuns, nomeadamente foicinhas e enxadas, de ferro.

44Assim, em Averomar, na Aguçadoura, em Montedor, etc. –, a foicinha rural, de cabo curto (foicinho-Averomar), serve também, juntamente com o foucinhão, para o corte das algas presas aos rochedos submersos ou descobertos nos poceirões (Aguçadoura), mas que se podem agarrar de dentro das embarcações de modo a serem «ceifadas» como qualquer cereal; e também para o das que estão presas aos penedos que se atingem de terra, sem serem necessárias as embarcações (des. 12 c).

  • 14 Também o mexilhão e pequenas concreções calcáreas agarradas às pedras – «aglomerados dos nateiros d (...)

45A mesma operação fazia-se também, nessas e noutras partes, com a enxada14. Em Montedor, esta servia sobretudo para arrancar a calote aderente da tаЬогга cujas fitas haviam sido cortadas à foicinha. Em tal função, porém, ela é hoje proibida.

46Além destas alfaias com que se apanham as algas, a actividade sargaceira utiliza ainda certas ferramentas acessórias para outras operações que ela implica. Falamos já do rabichel (ou rodafole, em sentido especial) com que se tira o sargaço do arrasto ; veremos agora aquelas com as quais se transporta o sargaço recolhido para os locais onde é posto a secar.

47O sargaço que se vai recolhendo com a graveta ou o rodafole é, de início, amontoado logo acima da linha da maré, fora do alcance das águas; e só depois é que o transportam para o local – duna, penedos, etc. – onde é estendido a secar. O processo mais comum de executar esse transporte é usando uma padiola (carrela) ; em Fão utilizam carros de mão com duas rodas – carrelos – de introdução relativamente recente.

48As carrelas (padiolas – Moledo e Peniche), têm normalmente cerca de 1,50 m de comprimento por 60 cm de largura. As pernas são ligadas por paus redondos, ou paus alternando com travessas, formando o lastro (des. 13 a, b, c, d) ; e são todos de pinho. Em certas partes, cada sargaceiro possui um grande número de carrelas, pois por vezes convém, em vez de amontoar as algas na areia, i-las deitando logo sobre aquelas, para mais depressa as retirar e pôr a salvo, se se prevê que haja urgência (maré que sobe ou que embravece subitamente, etc.). A carrela exige duas pessoas para a transportarem, cada uma à sua extremidade (fig. 79).

49O carrelo usado agora em Fão é um carro de mão de duas rodas, cujo estrado é formado por travessas espaçadas. As rodas, feitas de duas folhas de tábuas, com o veio desencontrado, apresentam geralmente duas aberturas, para maior leveza (des. 13e) ; há contudo сатгеіоз de rodas cheias. Este carrelo veio executar parte do serviço que competia às vulgares carrelas, mas requerendo apenas uma pessoa (fig. 67). É sobre ele que transportam a ferramenta – e o traje de branqueta – até ao local em que se metem à água, ao longo do areal plano e duro que se estende até à barra do rio Cávado; e serve igualmente para, depois, trazer o sargaço seco até aos barracos situados no final da estrada, onde seguidamente o carro de bois o virá buscar para o levar para casa. Quando trabalham de parceria e usam o rodafole, enquanto um dos parceiros, metido na água, vai recolhendo as algas que boiam, o outro transporta no carrelo o rodafole cheio até fora do alcance das ondas, entregando ao primeiro outro rodafole, vazio. O carrelo facilita muito a tarefa dos que trabalham sózinhos.

13 – a) Esposende, Pão – carreia ; b) Vila do Conde, Mindelo – carrela ; c) Peniche – carrela ; d) Póvoa de Varzim, Aguçadoura – carreia ; e) Esposende, Fão – carrelo.

13 – a) Esposende, Pão – carreia ; b) Vila do Conde, Mindelo – carrela ; c) Peniche – carrela ; d) Póvoa de Varzim, Aguçadoura – carreia ; e) Esposende, Fão – carrelo.

50É também frequente ver mulheres com cestos, especialmente quando apanham pequenas quantidades de algas, ou trabalham sózinhas. O cesto é igualmente empregado na descarga de barcos.

51Finalmente, há que mencionar os ancinhos ou engaços (despedoiros-Moledo), iguais ou semelhantes aos que servem nas eiras (com todos os dentes de pau e mostrando a trava – gravesto (Pampelido) – de arame ou verga a firmar a inserção do cabo no pente), usam-se não para a recolha das algas, mas para juntá-las no areal, estendê-las a secar, carregar os carrelos e o carro de bois, e sobretudo enrolar a manta do sargaço já seco (des. 1 d e figs. 66, 77 e 86).

*
* *

52A utensilagem sargaceira do sistema de dentes é sem dúvida de tipo agrícola; a do sistema de rede é-o de tipo piscatório – uma e outra derivadas de certas formas simples e muito correntes de ambas as categorias, nomeadamente a graveta, que é uma adaptação do ancinho e dos engaços rurais, e o rodafole, que é uma adaptação dos camaroeiros piscatórios.

53A graveta foi certamente o utensílio mais antigo usado para a apanha do sargaço entre nós; o rodafole (e ganhapão) parece ser de introdução relativamente recente.

  • 15 Ver notas 9 e 19.

54Na referida Notícia da Vila da Póvoa de Varzim, de 1758, ensina-se que os lavradores e jornaleiros tiram o sargaço «da lingueta da maré com uns instrumentos firmes em uma vara comprida com um travesso cheio de bocados de pau forte»15.

  • 16 Baldaque da Silva, op. cit., p. 365.

55Numa gravura do livrinho de Eduardo Sequeira, A Beira-Mar, impresso no Porto em 1889, p. 78, vê-se «uma sargaceira», empunhando a graveta (e uma carrela). Contudo, Baldaque da Silva, em 1892, embora dizendo, a este respeito, que a graveta é «o instrumento mais usado nas águas do norte do País»16, já alude ao rodafole, embora sem dar qualquer informe àcerca da área do seu emprego.

  • 17 Cândido Landolt, op. cit., p. 35: 160 gravetas e outras tantas ganchorras ; 261 indivíduos ; 70 bar (...)

56Já neste século, no artigo de Joaquim Leitão, Flor de Maio, publicado na Ilustração Portuguesa n.° 139 (2.a Série), de 19 de Outubro de 1908, que descreve a apanha do sargaço na Apúlia, fala-se – e mostra-se, nas várias gravuras que o ilustram–, apenas da graveta (e da ganchorra), aliás em grande número (fig. 60) ; por seu turno, e do mesmo modo, Cândido Landolt, em notas estatísticas de quantitativos de aparelhos empregados nas várias formas de pesca, na área da Capitania da Póvoa de Varzim, publicadas em 1915, indica apenas, para o sargaço, gravetas e ganchorras 17.

57De facto, os homens que nasceram nos princípios do século, da Apúlia, Fão e Esposende, afirmam que dantes conheciam sómente a graveta (figs. 60 a 64).

58E em Vila Chã, até uma vintena de anos mais tarde que aquela data, eram só os lavradores que se dedicavam à apanha do sargaço, e a graveta era a única ferramenta que usavam.

59Paralelamente à mutação social que atrás referimos, segundo a qual a apanha do sargaço – que primitivamente era uma faina rural exercida primordialmente por lavradores e outras gentes da terra – se transformou numa actividade autónoma exercida por gentes da beira-mar, em contacto com pescadores que acabaram por também se dedicar a ela, verifica-se portanto a mutação fundamental da ferramenta específica usada nesse trabalho : enquanto foi o lavrador (e gente da terra) quem apanhava o sargaço, a sua utensilagem única era a graveta (e as formas com ela aparentadas, ou dela derivadas), que é manifestamente uma alfaia de tipo agrícola; pouco a pouco – e em tempos recentes – vemos, por um lado, aquela actividade passar a ser também exercida por classes piscatórias, e, por outro lado, aparecerem e difundirem-se os aparelhos do sistema de rede, rodafoles e ganhapões, cujo saco é sem dúvida um elemento essencialmente piscatório. Parece-nos pois legítimo relacionar estas duas ordens de factos, cujas datas de aparecimento aliás coincidem.

  • 18 Deve-se notar que em S. Bartolomeu do Mar o redenho era usado já antes da sua difusão para o sul.

60O uso do rodafole para a apanha do sargaço foi portanto certamente introduzido pela gente do mar que nos primeiros decénios do século começou a dedicar-se também à apanha do sargaço. Tal utensílio, pelo seu muito maior rendimento, foi então adoptado pelos lavradores que persistiram nesta actividade, e em cujas mãos o vemos agora, de há pouco para cá, como sucede em Gandra, Fonte Boa, Montedor, etc., de acordo com o que, como dissemos, ali os próprios informaram18.

61Onde porém esta hipótese se põe com maior verosimilhança é sem dúvida no caso do galricho do sargaço de Vila Chã, onde vemos um aparelho, que é indiscutivelmente a nassa da faneca, ser utilizado para a recolha do sargaço, por convergência de processos, e precisamente a partir do momento em que a gente do mar, que o conhecia das suas fainas específicas, do mesmo modo passou a dedicar-se também àquela actividade. E o mesmo se pode dizer da nassa do sargaço da Aguçadoura e Averomar, que é a rede de arrasto do camarão, que ali começou a ser utilizado no sargaço por volta de 1920, por evidente influência das gentes pescadeiras, que por essa altura se instalaram naquela praia.

62Recapitulando, pois, a apanha do sargaço, conforme as circunstâncias em que ela se apresenta – e também os usos locais –, pode fazer-se das seguintes maneiras, e com as correspondentes alfaias:

  • 19 Ver nota 76.

63Na costa norte do País, o mar por vezes (embora não muito frequentemente) lança à praia e deixa depois em seco quantidades apreciáveis de algas. Para a sua recolha, usam-se encinhos vulgares ou alfaias congéneres do sistema de dentes, de pau ; ou são mesmo apanhadas à mão, para dentro de cestos19 – e é este último processo o caso mais frequente em todo o sector sul do País.

64A recolha das algas que boiam na água, mesmo junto da praia, ou das que aí se encontram depositadas nos fundos da areia, faz-se a pé, entrando o sargaceiro na água, e utilizando fundamentalmente a graveta ou o rodafole, ou o ganhapão. Com carácter excepcional vê-se ainda, em Vila Chã, o galricho do sargaço, e o caramoeiro no Baleal (Peniche).

65A recolha das algas que boiam na água, perto da praia mas já fora de pé, ou das que aí se encontram depositadas nos fundos de areia (ao alcance da ferramenta utilizada), faz-se a pé, da praia, sem o sargaceiro entrar na água, usando as rastilhas.

66A recolha das algas que andam soltas na água, longe da praia, vogando mais ou menos à superfície, ou pousadas nos fundos, faz-se de bordo de embarcações, barcos, masseiras ou jangadas, conforme os diversos locais, utilizando o sargaceiro fundamentalmente, 1) as ganchorras e os croques (ou excepcionalmente o gancho – Âncora), e 2) o arrasto ou nassa do sargaço.

67A recolha das algas que estão presas aos penedos descobertos (pelo menos na vazante) junto à praia na orla das águas, pode ser feita arrancando-as simplesmente à mão, ou cortando-as com foicinhas vulgares (e antigamente, por vezes, também com a enxada).

68A recolha das algas que estão presas aos rochedos submersos, longe da praia, faz-se também de bordo de embarcações utilizando o sargaceiro fundamentalmente ferramentas específicas : a) para o arranque os croques e também por vezes as ganchorras) ; b) para o corte, o foucinhão ou, em certas localidades onde este é desconhecido e onde as algas afloram, ou quase, à superfície, a foicinha vulgar.

*
* *

  • 20 Nos últimos decénios, em Afife, destacava-se a figura de Acácio Bandeira, o único homem que, ali, d (...)

69Ao norte de Viana do Castelo, nomeadamente cm Montedor e Afife, a apanha do sargaço era uma actividade exercida fundamentalmente por pequenos lavradores, em vista às necessidades das suas lavouras – especialmente para adubação das terras onde plantavam a batata – e venda a gentes de outras partes. Existiam, contudo, algumas famílias que assentavam inteiramente a sua economia nessa actividade, complementando-a apenas com a apanha de mariscos nas rochas para venda na cidade próxima. Nesta região, a actividade sargaceira é praticada sobretudo por mulheres, embora, na primeira daquelas localidades, também nela participem vários homens ; em Afife, porém, onde a maioria dos homens desde há muito emigra ou toma profissões estranhas à lavoura, são mesmo as mulheres quem se ocupa quase exclusivamente desses trabalhos, e quem vai ao mar ao sargaço20.

70O litoral aqui é rasgado de penedia, ligada à terra, mas que avança pelo mar até uma distância apreciável ; e nela se desenvolvem com profusão as algas. Apenas em alguns pontos se espraiam pequenas enseadas formando praias de areia fina, entremeada de pedras; e é em algumas delas – Porto de Afife, Sarrosa, Camarido, Porto Novo, Fornelos, Porto de Montedor, etc. – que as algas soltas vão dar.

71Nas «funções» em que o mar arrojava à praia, deixando em seco, grandes massas de algas, e quando isso se dava durante a noite, as pessoas, de manhã, só podiam começar o trabalho de recolha após autorização do quadrilheiro que, para esse efeito, se guiava pelo apagar do farol (figs., 1, 2, 3 e 4). Nesse caso, a repartição entre os presentes e demarcação do lote de cada um, era feita à sua volta com o auxílio de ancinhos, e por vezes havia dúvidas e discussões, e desvios daquilo que pertencia a outrém ; se o sargaço em seco era pouco e havia muitas pessoas, o quadrilheiro traçava na areia um risco paralelo à linha do sargaço, a alguns passos deste, e, depois de um ou dois dos presentes haverem tirado o quinhão do quadrilheiro, a um seu sinal, os interessados, em cerrada competição, passavam o sargaço, ao cesto, com o ancinho, ou mesmo a braçados, para o outro lado do risco, onde cada um ia formando o seu monte; dessa maneira, cada qual ficava apenas com a quantidade que tinha transportado efectivamente para lá do risco, dando azo a que todos pudessem apanhar algum, embora uns mais e outros menos, conforme a sua presteza.

72Quando as mantas de sargaço, trazidas por correntes, aportavam nessas enseadas, vogando a poucos metros da praia a uma altura de água que consentia atingi-las a pé, a sua recolha era feita com o redenho (figs. 5, 7, 8, 9). Se de uma casa ia mais do que uma pessoa, entrava na água aquela que era mais qualificada no exercício dessa tarefa, ficando a outra como seu ajudante para vir despejar na praia, fora da maré, o redenho mais ou menos cheio, deixando-lhe em troca outro vazio. E eram ainda frequentes parcerias estabelecidas para este efeito entre pessoas de diferentes casas.

73Com a subida da maré, ou quando se esgotava o sargaço, se ao local onde se fazia a recolha podia chegar o carro de bois, o sargaço era carregado neste (figs. 2, 3, 4), com forquilhas, ancinhos, ou mesmo à mão, e levado para o alto da duna para se estender a secar (fig. 14). No caso contrário, ou ainda se as pessoas não dispunham desse meio de transporte, o sargaço era levado às costas, utilizando para esse efeito o próprio redenho – a redenhada – bem cheio e calcado (fig. 6), ou um cesto que se levava à cabeça.

74Na base daquela penedia ligada à terra, mas entrando pelo mar dentro, também por vezes se juntava muito sargaço, que não se podia apanhar a pé; as pessoas, então, do alto de certos rochedos mais abruptos, com a ancinha de cabo muito comprido, colhiam as algas para cima desses rochedos.

75Quando se «soltava» o mar (isto é, quando terminava o defezo do corte das algas), e sobretudo nos grandes estos (vazantes) do verão (Julho e Agosto), a recolha das algas – as «colheitas» – assumia uma nova feição. As casas dos lavradores que dispunham de masseiras – e eram muitas – serviam-se delas para atingirem os afloramentos mais densos que cresciam nos rochedos e que essas grandes vazantes punham a descoberto. Geralmente iam quatro mulheres e um homem em cada; este conduzia a masseira, a remo ou à vara, e aquelas, duas por borda, colhiam o sargaço, cortando-o com uma foicinha vulgar : o braço esquerdo mergulhava, tombavam sobre ele uma quantidade de algas, e, com a mão direita, cortavam-nas, puxando-as em seguida para dentro da embarcação. Quando esta ficava cheia, vinha para terra, onde era descarregada directamente para o carro de bois, que partia em direcção à duna, enquanto a masseira retornava para o mar até que a maré, subindo, punha fim ao trabalho. Por vezes, certas casas que dispunham de embarcações mas tinham poucas mulheres para participarem no corte, associavam algumas, alheias à família, distribuindo, a final, o resultado da colheita.

76As pessoas que não tinham masseiras iam a pé, entrando na água munidas de uma corda muito comprida – geralmente as cordas de apertar as cargas dos carros de bois – e igualmente de uma foicinha, e caminhavam pelo mar a dentro, procurando atingir esses afloramentos de algas, evitando certos pontos mais profundos em que não tinham pé. Essas algas eram ora arrancadas, ora cortadas. Quando as rochas sobressaiam acima do nível do mar, o sargaço colhido era atirado para cima delas, onde ficava até se aproximar a subida da maré; quando ficavam submersas, o sargaço, à medida que era cortado, ia-se atando à corda, preso por nós corredios, colocando os braçados em sentidos desencontrados, com as pontas ora para um lado, ora para o outro. O sargaço arrancado é mais fácil de enfeixar, porque as excrescências da base – as caroças – ajudam à prisão. Logo que a maré tornava impossível a colheita, a sargaceira começava a puxar o feixe para a praia (figs. 10, 12), procurando trazê-lo por carreiros limpos, evitando a penedia, aproveitando sobretudo os momentos propícios da ondulação. Por vezes faziam feixes tão grandes que mal os podiam deslocar, chegando mesmo a trazer as pontas da corda para terra e a atá-la ao jugo de uma junta de gado, para os trazer para a praia. Se a configuração da praia e o mar o consentiam, e no caso de se tratar de lavradores que dispunham de carros para o transporte do sargaço, o gado atrelado ao carro entrava no mar e o sargaço era desenfeixado, braçado a braçado, directamente para o carro (figs. 11, 13). Quando o mar estava muito agitado, era necessário uma pessoa para segurar a corda à medida que se ia desenlaçando o sargaço, de contrário esses laços afrouxavam e o sargaço desprendia-se, podendo ser arrastado pela corrente do mar.

77Era frequente este trabalho ser feito por duas pessoas, de parceria, o que tornava a tarefa mais simples e rendosa: enquanto uma cortava ou arrancava o sargaço, a outra ia-o enfeixando. Por vezes chegavam a fazer mais do que um feixe. Logo que tinham um pronto, amarravam bem o último laço e, se o mar não tinha correntes fortes, deixavam-no ficar ali a boiar; se havia correntes, puxavam-no para junto dum rochedo onde o pudessem prender, continuando a colher para um novo feixe enquanto a maré o consentia.

78Apesar da dureza e violência deste trabalho, ele decorria numa atmosfera animada e de certo modo alegre, tomando, pelo facto de ser executado por muita gente junta, em igualdade de circunstâncias, a feição dos trabalhos colectivos, em que eram muito sensíveis os aspectos lúdicos e competitivos. As longas esperas que as vicissitudes dos movimentos das algas e das marés impunham, eram ocasiões de conversas e brincadeiras; e «ir ao argaço» era uma tarefa que muitas pessoas trocavam de bom grado por outros trabalhos menos duros. Acresce que, por vezes, a gente nova encontrava no argaço que recolhia – e depois vendia – um meio de realizar um numerário em vista à satisfação de certos desejos que de ordinário a economia da casa não lhes facultava.

79No sector costeiro compreendido entre os rios Lima e Cávado, sobressai, no que se refere à apanha do sargaço, Castelo de Neiva, pelo vulto e importância, como elemento primordial da economia local, que essa actividade ali mostra, pela riqueza e variedade dos processos técnicos e ferramenta nela usados, e ainda pela influência que teve na formação daquele povoado da beira-mar.

80Como dissemos acima, este – que é muito recente – representa o desenvolvimento de um primitivo núcleo de barracos, pertencente a lavradores e cabaneiros pobres da região, que viviam no interior, mas exerciam na praia certas actividades, nomeadamente a apanha de sargaço, e neles guardavam os seus barcos, jangadas e apetrechos desse trabalho. Com o andar dos tempos e o aumento de procura das algas como fertilizante, essas gentes pobres acabaram por ali se instalar e fixar com carácter definitivo, especializando-se naquela actividade e noutros mesteres marítimos, e atraíndo na sua peugada pescadores dali e de mais lugares. E hoje esse aglomerado é já uma povoação de grandes proporções, definitivamente estabilizada (figs. 136 e 137).

81Como em todos os aglomerados de cabaneiros, homens e mulheres participam na apanha do sargaço em termos praticamente idênticos e usando os mesmos processos e utensilagem; e, nos últimos anos, devido ao êxodo migratório, verificado mormente em relação aos homens, são mesmo elas quem, acima de tudo, ali se tem dedicado a esta actividade.

82A praia, neste sector, é um areal liso e amplo, limitado, a nascente, pelas dunas –a que se seguem, imediatamente campos de cultura e as povoações – ; mas o mar, em frente, é juncado de penedia baixa, que a vazante deixa a descoberto, e que forma canais e carreiros submersos; nela desenvolvem-se profusamente as algas, que, quando se soltam, se acumulam nesses carreiros, pousadas nos fundos.

83Por toda a parte em geral, a apanha do sargaço como fertilizante está hoje em franca decadência, porque, numa economia quantificada (em que finalmente ingressou também a agricultura), e com a generalização dos adubos químicos, a sua procura, nessa base, perdeu muito do interesse que teve dantes. Pelo contrário, a recolha das algas industrializáveis, que se pode mais facilmente adaptar a esses novos conceitos económicos, encontra-se em progresso. Na região de que agora nos ocupamos, a par da apanha destas algas, subsiste contudo a apanha do sargaço como fertilizante em escala considerável, praticada sobretudo por esses cabaneiros e pescadores para o venderem aos lavradores, dali e de outras partes mais ou menos distantes, e também ainda por alguns dos próprios lavradores, que continuam a ir à praia buscá-lo para as suas terras.

84Durante o ano, porém, apenas a recolha das algas industrializáveis se pratica regular e intensivamente; a apanha do sargaço como fertilizante ocorre num ritmo desigual, e quase apenas em certas datas ou ocasiões de abundância especial. De entre essas, destaca-se o dia 1 de Julho, quando se inicia o período do corte e arranque autorizados das algas nos penedos, em que a praia se enche de gente que procura aproveitar o mais possível a quantidade de algas que proliferaram e se desenvolveram durante o defezo, usando de todos os processos de recolha conhecidos entre nós, e ajustados à diversidade de situações.

85O trabalho só pode realizar-se nas marés vazas – os êstos –, quando essa penedia fica a descoberto e as pessoas nela circulam à vontade; por isso, e a fim de render o mais possível, ele deve começar antes da plena baixa-mar – às vezes, por isso, logo ao nascer do sol. Assim sucedeu precisamente na ocasião que corresponde à descrição que segue.

86Pela manhã cedo, vêm chegando à praia as raparigas em grupos, envergando já as suas branquetas ; umas mudaram de roupa em qualquer prega das dunas, (fig. 15), outras nos barracos, donde trazem, ao ombro, redenhos, ganchorras, croques, foicinhões, as varas das jangadas, etc. (fig. 16). Então sentam-se nas jangadas, que estão no alto do areal, junto à duna, e conversam e brincam enquanto aguardam a hora da maré (figs. 25 e 26). Adiante, pescadores e sargaceiros arrastam os barcos para o mar, levados ao ombro suspensos de grossas varas. Uma ou outra jangada é empurrada, sobre o seu rodado, até junto da água, por várias moças, que se entreajudam (fig. 27). Com o rodafole ao ombro, entram no mar as primeiras mulheres, e caminham, às vezes com água acima da cintura, até aos rochedos mais próximos (figs. 17 e 18). As jangadas começam a partir : empurram-nas sobre o rodado até flutuarem, puxam então o rodado para a areia, pousam no estrado a vara, o foucinhão, o croque e por vezes a ganchorra, dão um breve impulso, e saltam para cima ajoelhando no estrado (fig. 27) ; as mulheres vão geralmente duas em cada; os homens, que são muitas vezes ainda os lavradores, vão sozinhos (figs. 33 e 34). À vara, conduzem a jangada entre os rochedos, pelos canais (fig. 30) até aos pontos, a cerca de 300 e mais metros da costa, onde sabem que há mais algas. Aí param, e começam a recolha, usando o foucinhão, o croque (figs. 29, 30 e 31), a ganchorra, trabalhando ambas, ou cada uma de seu lado (fig. 31 e 32), ou uma só, conduzindo então a outra a jangada; por vezes, onde a colheita é especialmente rica, fundeiam a jangada com a poita de pedra. O foucinhão usa-se para a apanha das algas presas à rocha, mormente as taborras que ele corta, e tráz para a jangada. O croque, por seu turno, usa-se para o arranque dessas algas, e para a apanha das que estão soltas, depositadas nos fundos. A ganchorra, que tem ali geralmente todos ou muitos dentes de ferro, funciona exactamente como o croque, mas com menor eficiência, e é por isso mais rara.

87Um ou outro barco, porém, não recolhe, mas conduz as pessoas até aos rochedos afastados (fig. 30), e que aí vão escolher e apanhar, à mão, as algas industrializáveis, que vão deitando para cestos que levam consigo. Nos barcos que andam à recolha, circulando à mistura com as jangadas, vão sempre duas pessoas – uma que rema, e outra que apanha as algas (fig. 45) ; e esta, para tal, além dos instrumentos que vimos nas jangadas, utiliza ainda, em casos mais raros, uma rede de arrasto, com que se correm os carreiros entre a penedia.

88O mar, rasgado de penedos, está agora salpicado de jangadas e barcos – alguns mais longe, à vela, a pescar – que se deslocam serenamente ao longo dos canais, com os seus tripulantes movendo-se no ritmo compassado e lento da apanha.

89Na praia, o movimento aumenta, entre os rodados das jangadas que andam a trabalhar e que ali jazem, esperando o seu regresso. Sem parar, as mulheres entram na água a pé, com o redenho ou com cestos (fig. 21), para apanharem o sargaço que voga na beirada ou que nasce nesses penedos próximos; outras trazem para terra, ao ombro, os redenhos cheios, que vêm a arrastar pela areia (fig. 20), e despejam-nos sobre os montes de algas já colhidas, que vão crescendo; outras ainda carregam essas algas à cabeça em cestos (figs. 54 e 55), ou, com outra pessoa, em carreias (figs. 52 e 53), e levam-nas para os areais atrás da duna, que é o local da secagem.

90Entretanto, a maré conveniente foi passando com a manhã, e aproxima-se a hora de dar por finda a faina do dia. Vindos do interior, tinham já chegado à praia um ou outro carro de bois, que aguarda o regresso da jangada da casa da lavoura a que ele próprio pertence (figs. 33 e 34). Quando esta, com o estrado coberto de algas, se aproxima, à vara, até poucos metros da praia, o carro entra na água ao seu encontro (figs. 35 e 38), encosta a ela a traseira, que não traz taipal, e o homem da jangada e a pessoa que vem com o carro carregam para dentro dele as algas, com a ajuda de forcados e engaços (figs. 36, 37 e 39) ; a jangada vazia é colocada sobre o rodeiro (figs. 40 e 41), e levada até ao alto do areal, no sopé da duna, a braço por aquelas duas pessoas (e eventualmente com a ajuda de outras), ou, depois de atrelada a um cambão, pelos bois (figs. 41 a 44) ; depois disto, é o carro atrelado, e segue, carregado, para junto dos campos ou para esses areais atrás da duna (figs. 48 e 51), onde as algas, estendidas à mão ou com a ajuda do engaço, ficarão a secar uns dias, ao lado das demais que também para ali estão a ser transportadas (fig. 58).

91Dos penedos que o mar recomeça a cobrir já regressou toda a gente; na beirada, apenas uma ou outra mulher aproveita ainda uma folada ; chegam as jangadas e os barcos dos últimos retardatários mais persistentes (figs. 46 e 47), que são levados para o alto da praia (figs. 49 e 50).

92Ao fim de alguns dias, quando se entende que o sargaço está bem seco, ele é empilhado em palheiros cuidadosamente feitos. O que é para consumo próprio, fica junto aos campos, à espera de ser utilizado; o que se destina a venda, aguarda no areal a vinda dos compradores com as camionetas em que será transportado.

  • 21 Ernesto Veiga de Oliveira, «A romaria de S. Bartolomeu do Mar», Geographica, Revista da Sociedade d (...)

93Cerca de 4 Km a sul da foz do rio Neiva, fica a praia de S. Bartolomeu do Mar, que é também um porto de sargaço. Ele é especialmente famoso pela romaria de S. Bartolomeu que aí tem lugar em 24 de Agosto, onde, às práticas correntes nestas celebrações, se juntam outras, de origem possivelmente pré-cristã, e de caracter mágico-religioso muito definido. Entre estas, sobressai o banho santo, no mar – o mergulho nas três ondas –, como meio profiláctico contra o «medo» (e a epilepsia). Tradicionalmente, esse banho é dado às crianças – a quem ele interessa sobretudo, e que nesse dia, para tal, ali acorrem às centenas – pelos sargaceiros locais, homens e mulheres, que recebem um pequeno estipêndio por cada um dos banhos que dão21.

  • 22 Ver adiante pp. 107-110.

94Um dos pontos onde entre nós a actividade sargaceira apresentava, até épocas muito recentes, as suas características originárias com grande pureza, ao mesmo tempo que se revestia de aspectos ergológicos e indumentários muito notáveis, era ao longo de todo o vasto areal que se estende desde um pouco a sul da foz do rio Cávado até à Apúlia ; ela tinha aí lugar por parte quase exclusivamente de gentes da lavoura das vizinhas freguesias rurais de Gandra e Fonte Boa e Apúlia, do concelho de Esposende, situadas mais para o interior, a primeira na margem direita e as outras na margem esquerda daquele rio, e que na praia possuíam os seus barracos de abrigo, que adiante descreveremos22.

95Nestas aldeias, praticamente de todas as casas iam pessoas ao mar apanhar o sargaço (e, sobretudo outrora, pescar o pilado e algum peixe para alimentação). Se não havia filhos, iam criados, e se de todo em todo não o apanhavam, compravam-no a qualquer vizinho a quem sobrasse, ou aos pescadores que o colhiam no arrasto do camarão e o traziam para terra nos seus barcos. A quantidade que os lavradores dispensavam para venda era sempre pequena, porque, diziam : «a terra consome e agradece todo o argaço que lhe deitarem».

  • 23 Estes lavradores pescavam então muito correntemente, usando a rede de barguear para terra, que foi (...)
  • 24 Jorge Dias, «Construções circulares no Litoral Português», Trabalhos de Antropologia e Etnologia, X (...)

96No lanço da costa a que nos referimos, situam-se ainda hoje quatro agrupamentos de barracos, onde se guardam as alfaias do sargaço ao lado dos barcos do pilado, arrumados desde que ele desapareceu das nossas costas – e por vezes já a desfazer-se –, e alguns barquitos de «fundo de prato», que os lavradores empregavam para a recolha do sargaço e para a pesca, e que outrora eram muito numerosos23: o do Facho, um pouco a norte da capela da Senhora da Bonança, no local da actual praia de Ofir ; o das Pedrinhas, um pouco a sul dessa capela (e do lugar chamado Gramadouro, assinalado por Baldaque da Silva como um «porto de sargaço», mas onde não havia barracos); o de Sedovém, mais ainda ao sul; e o da Couve ou da Apúlia, na praia desta povoação. No primeiro, os barracos, isolados mas em fileira, no fieiro, face ao mar, pertencem a gentes de Gandra, Pedreiras (Fão), e Fonte Boa, e ao seu lado estão varadas as catraias dos pescadores de Fão ; no segundo, eles pertencem a gentes de Fonte Boa, e situam-se ora no fieiro, face ao mar, num longo abarracamento rectilíneo seguido, ora isolados, aí ou na duna, atrás; no terceiro, eles pertenciam a gentes da Apúlia e dos lugares de Paredes e Amparo, ambos da mesma freguesia da Apúlia, e Necessidades; e do mesmo modo ora se dispersam no areal, isolados, ora se alongam em arruamentos seguidos perpendiculares ao mar, abrigados na duna; no último – em que, como veremos, é notória a segregação lavrador-pescador – eles são, ao norte, desta última gente, e, ao sul, dos lavradores – aqueles, de madeira, pobres e de construção precária; estes, de pedra, sólidos e espaçosos–; e ao lado vêem-se também as catraias dos pescadores. No Facho, nas Pedrinhas e em Sedovém, os barracos –, que são muitas vezes de planta arredondada, segundo uma forma que aparece na região em outras construções24 – estão agora a ser adquiridos por veraneantes citadinos, que os transformam em pequenas casas de férias ou fins de semana, e de acordo com uma moda de rusticismo mais ou menos sofisticado.

97O areal, neste sector, é linear e sem penedia próxima, excepção feita de dois esporões logo a norte da Apúlia (onde os lavradores de Fonte Boa e da Apúlia iam, nas suas jangadas, pescar o polvo); apenas, à distância, se alongam os afloramentos rochosos dos Cavalos de Fão, paralelos à praia. As algas, que as marés fortes ou os temporais arrancam dessas rochas ou porventura de outras submersas ainda mais longe, dão à costa em massas soltas, trazidas pela água. A sua apanha fazia-se pois aqui fundamentalmente a pé, com a graveta (figs. 60 a 64), e, mais tarde, com o rodafole, entrando o sargaceiro no mar (figs. 65, 68 e 69) ; mas, menos frequentemente, usava-se também, como em Castelo de Neiva, uma rede de arrasto, que se puxava à mão onde havia muitas algas, e assim se ia enchendo. Desde sempre porém também se apanhou o sargaço das mantas que vogavam ao longe, de bordo de embarcações, por parte dos lavradores e pescadores – os primeiros na Apúlia, com barcas e, mais antigamente, rolos (jangadas de cortiça); e, em toda a área, com os seus barcos de «fundo de prato»; os segundos, com esses barcos e mais tarde com os caíques que agora ali predominam –, uns e outros com o auxílio de ganchorras ou ganchas, de cabo comprido (que faziam às vezes de vara nas jangadas).

98O trabalho do sargaço começava pelos quinze anos, tanto para os rapazes como para as raparigas. Mas aqui, a mulher do campo nunca entrou no mar : ajudou apenas a puxar para terra o rodafole ou as gravetas cheias, a transportar e a estender as algas para as secar, a carregar e conduzir o carro que as levava para casa, etc. Como dissemos atrás, pelos regulamentos vigentes, a mulher, sem licença, podia somente carregar os carros de sargaço seco ; por isso era raro ela aparecer na praia, a não ser para tal fim. Era, pois, aos homens da casa, principalmente aos filhos, que competia esta faina. De cada unidade ia um ou mais, conforme a gente e as disponibilidades deixadas pelos trabalhos da lavoura. Juntavam-se, como é corrente por toda a costa, em parceiros de dois; e quando um dos parceiros não podia ir à praia, o seu companheiro, se lá fosse, ou trabalhava sòzinho, ou emparceirava momentaneamente com outro que estivesse casualmente só, dividindo-se entre eles, a final, o produto, segundo o regime da parceria normal.

99Cada um, sozinho ou em parceria, trabalha para si ; mas geralmente juntavam-se no areal em grande número de cada localidade, quando têm vagar ou nas ocasiões em que calculavam que houvesse marés favoráveis. Os dos lugares afastados, nomeadamente Gandra e Fonte Boa, seguiam então a caminho da praia, cada um por sua vez, ou em pequenos grupos, alguns (que a não deixam nos barracos) com a branqueta ao ombro. Uma vez chegados, levam dos barracos, ao ombro ou sobre o carrelo que empurravam ao longo da praia, a ferramenta – o rodafole, a graveta, as carrelas – e a branqueta (fig. 67), até ao ponto que julgavam melhor para a recolha, naquele dia. Vêem-se então os rodafoles de saco para o ar, com os cabos espetados na areia, e, se o tempo é bom, os homens a conversar ou a dormitar ao lado da sua utensilagem, enquanto esperam que se descortine a massa das algas enegrecendo as águas, à distância conveniente. Se sopra a nortada, escondem-se nas pregas da duna, e por vezes a praia parece deserta. Se o tempo é frio ou de chuva, eles esperam a hora propícia abrigados dentro ou sentados à porta dos barracos, conversando uns com os outros.

100Quando chega o momento, um homem, primeiro, ergue-se ou sai das dunas, vem até baixo, perto da água, enverga rapidamente a branqueta – despe-se da cinta para cima, veste a branqueta, e retira então as calças – deixa a sua roupa ali mesmo num molho, e, com o rodafole ao ombro, olha por um bocado a ver onde as algas parece adensarem-se mais, molha a mão antes de se benzer, e corre depois para a onda. Logo outros se lhe seguem, por vezes no mesmo ponto, por vezes mais ou menos afastados uns dos outros, e, nos dias bons, em menos de cinco minutos, antes que o primeiro tivesse tirado a primeira folada, a praia enchia-se de movimento.

101Na água, os sargaceiros empurram o rodafole adiante de si, não raro mergulhados até ao peito, e erguendo-se num pequeno salto, apoiados no cabo, quando passa uma onda mais alta (fig. 69), e de vez em quando, sacodem o rodafole, a fim que as algas desçam para o fundo do saco. Quando este já está bastante cheio e se torna pesado, passam-no ao parceiro que, perto, segue o trabalho e aguarda com um rodafole vazio nas mãos, e que pega no cheio e remete o vazio; e enquanto o parceiro do mar recomeça o seu trabalho novamente, o de terra arrasta o rodafole que recebeu pela areia molhada (figs. 70, 71, 73 e 75) até ao carrelo pousando-o sobre este, que leva para fora do alcance das ondas, onde o descarrega: puxa primeiro o rodafole para fora do carrelo, agarra com ambas as mãos o fundo do saco, caindo a massa das algas na areia; sacode-o depois vigorosamente, e, pondo-o ao ombro, torna para perto do companheiro com o carrelo levado só por uma mão.

  • 25 A. Santos Graça, Inscrições tumulares por siglas, Póvoa de Varzim, 1942, indica expressamente o cos (...)

102Quando o sargaceiro trabalha sòzinho, sem parceiro, logo que tem o rodafole cheio, trá-lo do mesmo modo a arrastar pela areia molhada até um ponto próximo, imediatamente fora do alcance da onda, e aí o despeja formando um montículo, que vai aumentando com as sucessivas foladas ; muitas vezes, a atestar a propriedade desse sargaço, escreve a sua marca, iniciais ou siglas,25 na areia, junto àquele montículo, porque a busca da massa das algas soltas do mar obriga-o não raro a mudar de lugar, deslocando-se, dentro da água, para norte ou para sul.

103O trabalho é pesado, e requere dos sargaceiros força e resistência para aguentar duas e mais horas metidos na água até à cintura, sem descanso. E se normalmente não é arriscado, tem os seus perigos, e conta-se mais do que um desastre fatal – rapazes, que, na quebra da onda de marés mais vivas se embaraçaram com o cabo do rodafole e se perderam.

  • 26 A S. Bartolomeu do Mar, um pouco mais ao norte, não iam, porque em tempos antigos, uma vez que tent (...)

104Os lavradores de Fonte Boa apanham as algas sobretudo no areal liso e duro que vai do Facho à Barra (Cabedelo) ; os de Gandra preferiam apanhá-las na Barra. Quando o mar dava sargaço para norte do rio, eles, trabalhavam aí mesmo, chegando a ir recolhê-lo nas Marinhas, onde não havia atritos com as gentes dessa localidade, que por seu turno também vinham trabalhar na barra de Esposende, se aí saía sargaço com abundância26.

105A faina termina quando, dessa vez, a mancha de sargaço se esgota, ou a maré, subindo, chega aos montes que estão na areia, ou o mar endurece demasiado. Quando resolvem acabar, «apanham ainda mais uma foladita», põem de parte o rodafole e, com os engaços, carregam na carrela o sargaço recolhido (figs. 76, 77 e 78), e, pegando cada um à sua ponta, transportam-no para o alto da praia, junto ao sopé da duna (fig. 79), onde o despejam, em montes, que depois espalham com o graveto ou à mão, cuidadosamente. O sargaceiro que trabalha sem parceiro, pede nessa altura a algum companheiro que o ajude a transportar as suas carreladas, ou leva o seu sargaço para a duna no carrelo, que maneja sozinho (fig. 80).

106O sargaço fica estendido em tapetes (figs. 81 e 82) às vezes protegidos da nortada por valinhos (fig. 83), durante três ou quatro dias, a secar. Vêm então os carros de bois pelo areal e, geralmente com o auxílio das mulheres, enrolam os tapetes formando pequenos montículos, à mão ou com gravetos ou engaços de pau (fig. 86). Nesta área, não conservavam o sargaço empilhado em palheiros ao ar livre, na duna: carregavam os carrelos ou o carro, e levavam-no logo para os barracos da praia ou para casa, onde o amontoavam em qualquer coberto, e donde o iam buscar para as terras. Os homens de Gandra que recolheram o sargaço na Barra, levam-no muitas vezes, depois de seco, para a margem direita do Cávado, pagando aluguer ao barqueiro, e vão-no aí buscar então em carro de bois, poupando assim ao gado a longa caminhada pelo areal. Os de Fonte Boa, quando tinham sargaço a secar na Barra, iam por vezes aí buscá-lo em barcos, que em seguida subiam o Cávado à vela ou aproveitando as marés, mostrando os rodafoles e as gravetas espetadas na massa das algas (figs. 87 e 88).

107Na foz do Cávado, apanhava-se também o limo que se cria sobre o lodo e se agarra às pedras. Rapado com o ancinho vulgar, de dentes de ferro (fig. 84), reunia-se em montes e carregava-se depois em carros de bois para casa (fig. 85), onde era posto a secar, estendido no solo. Era um adubo bom para qualquer cultura, mas como só no verão se podia apanhar (dizem que as águas fortes do inverno o levam), não vinha a tempo de ser empregado para o milho, e usava-se de preferência para hortas, nabais, etc.

  • 27 Baldaque da Silva, op. cit., p. 80.

108Esta apanha de limos praticava-se também na foz de outros rios nortenhos; Baldaque da Silva menciona uma grande colheita de ervas nas ínsuas de Canosa e Terroeiro, na foz do Minho, próximas da margem espanhola27 ; e temos notícia da mesma prática na foz do Lima.

109O porto de sargaço mais característico e importante que se encontra no sector litorâneo compreendido entre a Aguçadoura e Vila do Conde, é certamente Averomar.

110Como Castelo de Neiva, Averomar (onde, como vimos, a apanha do «argaço» se documenta desde pelo menos o século XVII como uma actividade de grande vulto) constituiu-se como povoado costeiro – que hoje é também muito extenso – em época recente, a partir do aglomerado de barracos que existia na praia, onde se fixou essa população de cabaneiros e seareiros pobres que passaram a dedicar-se primordialmente àquela actividade, sobretudo depois que, em finais do século XIX, o aproveitamento das extensas dunas da Aguçadoura – a «descoberta da terra» – para campos de cultura hortícola intensiva incrementou de modo espectacular a procura das algas como fertilizante na região. Aqui também, a mulher entra na água como o homem, para apanhar as algas ; mas, no exercício dessa actividade, e nomeadamente no que se refere aos vários processos de recolha e correspondente ferramenta, existem certas pequenas diferenças fundadas no sexo.

111Mais uma vez do mesmo modo que em Castelo de Neiva, em Averomar, hoje, a apanha das algas industrializáveis sobreleva a do sargaço para a agricultura; esta porém continua a praticar-se em escala apreciável, para consumo local e venda para fora.

112Estes dois aspectos da colheita das algas têm lugar em termos idênticos ao longo dos períodos autorizados: todo o ano para a apanha do sargaço solto, e de 1 de Julho a 31 de Dezembro para o corte ou arranque do que está preso às rochas. Por isso, a data de 1 de Julho é aqui igualmente um dia de especial animação, em que na praia, na maré baixa, se regista o maior movimento.

113A costa, neste ponto, é rasgada de penedia, que forma esporões limitando pequenas enseadas, onde, aqui e além, se vêem rochedos, junto dos quais crescem, com profusão, nos poceirões, as algas.

114Na baixa-mar, é frequente o mar, nas proximidades da praia, aparecer juncado de fitas das taborras que afloram à superfície (e, depois do corte, de talos). O areal, que sobe em declive suave, é estreito e limitado, do lado da terra, pelos barracos onde habita muita dessa gente; encostados a eles, fora, vê-se a utensilagem do sargaço e, ao seu lado, alinham-se, em grande número, os montes de algas secas que aguardam comprador.

115A configuração que apontamos determina e condiciona as duas formas principais da apanha: a pé, da beira da água ou de cima dos rochedos; e de bordo de embarcações. A recolha a pé, do sargaço solto, da beirada ou de cima dos rochedos, à mão, ou com o ganhapão ou a rastilha, é sobretudo trabalho de mulheres (embora os homens também a exerçam quando convém); e o mesmo sucede com o corte ou arranque das algas presas aos rochedos que se atingem a pé, com foicinhas ou à mão. A recolha de bordo de embarcações, barcos ou jangadas – os cortiços, com a ganchorra ou o foicinhão, conforme se trata da recolha ou arranque, e do corte das algas, é fundamentalmente trabalho apenas dos homens. As mulheres muito raramente trabalham nos cortiços, onde o equilíbrio é difícil e o perigo de se cair à água maior. As mulheres, além da recolha a pé, que acima de tudo lhes compete, ajudam a transportar os barcos e cortiços até à água (fig. 90), a levá-los para o alto do areal depois de findo o trabalho (fig. 101), a carregar o sargaço para os locais de secagem (fig. 100) e, aí, a espalhá-lc a fazer depois os montes do sargaço seco, e enfim colaboram com os homens em todos os aspectos desta actividade.

116Ao começar o dia, mulheres e rapazes (e por vezes um ou outro homem) entram na água eles com gravetas, elas mais com ganhapões, ou com foicinhas e cestos, conforme os casos que têm em vista; umas ficam na beirada, recolhendo o sargaço que voga perto da praia com as gravetas ou os ganhapões, que, de cada vez que se enchem, vêm despejar num monte fora do alcance da maré; outras dirigem-se aos poceirões próximos, onde abundam as algas soltas ou presas aos fundos das rochas, que colhem à mão ou com foicinhas ; outras ainda embrenham-se nos recôncavos da penedia com foicinhas e cestos. Por vezes, para a recolha das algas soltas que vogam um pouco mais afastadas, elas usam a rastilha. A rastilha é porém rara aqui ; ela é usada sobretudo na vizinha praia da Aguçadoura, onde leva o nome de rissa, porque aí o brusco declive do areal, na quebra da onda, muito junto da praia, torna em certos dias perigosa a entrada na água, que ela em certa medida dispensa.

117Por seu turno, ajudados em geral pela mulher ou por qualquer outra pessoa, os homens transportam os seus cortiços para baixo, pegando cada um pelas pernas – paus salientes que atravessam os rolos de cortiça –. Pousado à borda da água, impelem-no com um empurrão, e, um pouco mais afastado, dispõem sobre ele a ganchola e o foicinhão, e o homem salta para cima e fá-lo vogar, servindo-se da vara (fig. 91).

118Nesses cortiços, normalmente, segue um homem só. Por vezes porém, eles utilizam-se para levar gente – em regra duas ou três pessoas – até penedos mais distantes (fig. 98), sobretudo para a recolha de espécies industrializáveis ; então embarcam essas várias pessoas, e o sargaceiro ou fica com elas nos rochedos, ou segue sozinho para o seu trabalho no cortiço.

119Os cortiços não se aventuram muito longe da praia; circulam adequadamente entre a penedia dispersa, a uns 300 metros da praia, onde as algas crescem com grande densidade. Com a ganchorra de dentes de ferro (figs. 93 e 94) – e às vezes com a rastilha (fig. 92) – recolhem as que vogam soltas ou pousam nos fundos, e arrancam as que estão presas à penedia submersa, trazendo-as para bordo presas aos dentes e gaiteiros. Com o foicinhão cortam as que crescem nessa penedia e, trazem-nas igualmente para cima, enroladas à lâmina. Por vezes, quando a recolha é boa, os cortiços cheios vêm descarregar as algas à praia (fig. 97) e voltam para o mar continuar o trabalho.

120Na Aguçadoura, além desta utensilagem, usam ainda, como na Apúlia e Castelo de Neiva, um desses aparelhos de rede de arrasto, a nassa do ergaço, que se lança de bordo de um barco (na Aguçadoura, devido às condições da costa, não se podem utilizar os cortiços ou quaisquer tipos de jangadas) : fundeia-se o barco com 2 ou 3 metros de fundo, na areia; atira-se a nassa para certa distância, onde haja sargaço, e puxa-se em seguida o barco, que reboca a nassa pelos cabos, a qual se vai enchendo de algas ; a operação repete-se todas as vezes que se pretender, enquanto houver algas a recolher. Para tirar as algas da nassa, emprega-se um rabichel de rede larga e quase plana.

121Quando se dá por terminada a recolha, porque a maré entretanto subiu e já não é possível continuar, os cortiços voltam para terra com a sua carga (fig. 96) ; os que transportaram pessoas para os rochedos, trazem-nas agora para terra, com as algas que elas recolheram (e que são sempre em pequenas quantidades). De novo com a ajuda de mulheres, as algas são despejadas no areal para as carrelas ou os cestos que são transportados à cabeça ou à mão (neste caso por duas pessoas) (figs. 99 e 100) para o local onde vão ser postas a secar, em cima (para onde também é levado, depois de se deixar escorrer a água que se entranhou entre os rolos, o cortiço, transportado do mesmo modo que para ser lançado ao mar) (figs. 101 e 102) ; e, se se trata de algas industrializáveis ou de uma pequena recolha em geral, vão no próprio cortiço, como numa carrela ou padiola.

122Um cortiço cheio dá cerca de quatro carreladas de sargaço.

123Para secar, os cortiços são postos ao alto, apoiados num espeque, expostos ao vento e ao sol (figs. 89 e 125).

124As algas, segundo a regra, espalham-se no areal, à mão ou com o auxílio de uma graveto ou engaço ; na Aguçadoura, protegem o tapete de sargaço a secar, contra a areia que o vento atira para cima dele, por uma pequena barreira de areia – os «balitos» (valitos) –. Ao fim de poucos dias, são então empilhadas em montes de planta circular, sobre os quais colocam uma capela cónica de palha, segura por um ou dois anéis de arame, a que se prendem pedras para lhe dar mais firmeza (fig. 104).

125Ao sul do rio Ave até ao rio Douro, Vila Chã – onde, como freguesia incluída nas Terras da Maia, a actividade sargaceira se documenta, como também vimos, desde os fins do século XIV, exercida primordialmente até aos fins do século passado pelos lavradores da região, mas que hoje é um típico aglomerado piscatório, que se desenvolveu a partir dos barracos que esses lavradores tinham na praia – é sem dúvida o mais importante ponto de apanha do sargaço.

126Vila Chã (da praia) situa-se numa pequena enseada limitada ao norte e ao sul por dois esporões de rochedos ligados à terra e suficientemente altos para dela fazerem um local conveniente de varadouro de barcos, e que se prolongam depois por outros mais ou menos distantes da praia, que afloram isolados ; entre estes últimos destaca-se, a norte, um em especial, de acesso por vezes difícil, mas onde se cria sargaço em grande quantidade. Os antigos barracos de abrigo – que hoje, adaptados ou transformados, são casas dos pescadores – situam-se no alto do areal, face ao mar (fig. 146).

127Neste ponto, como por todo o litoral, há também que distinguir a recolha das algas soltas que vogam na água ou pousam nos fundos, que é livre todo o ano, e o arranque e corte das algas presas às rochas, que são proibidos durante o período do defezo.

128Como é a regra nos povoados piscatórios, aqui os homens apanham o sargaço apenas de bordo de seus barcos; para as algas soltas que vogam ou repousam nos fundos, cuja recolha, como se disse, é livre durante todo o ano, eles usam a ganchola de cabo comprido e dentes de ferro, formando ângulo muito aberto com o cabo; para o arranque e corte das algas presas aos penedos submersos, cuja recolha só é permitida findo o tempo de defezo, eles usam, além desse instrumento, o segador (des. 12 b).

129As actividades sargaceiras em geral, e mormente a apanha a pé, da beirada ou dos rochedos, compete fundamentalmente às mulheres, que nelas empregam uma grande variedade de processos e utensilagem – alguma desta só aqui conhecida nessa função –, conforme as diversas circunstâncias que se apresentam. Para o da beirada, junto à praia, elas usam ora o encinho, que corresponde à graveta nortenha, com dentes e gaiteiros, e um cabo curto, de cerca de 1,50 m, ora o ganhuço ou ganhapão, com aro de meia volta e cabo comprido, de cerca de 3 m, entrando mesmo um pouco na água quando é conveniente. Se o sargaço é muito, em vez destes instrumentos elas preferem o galricho, que manejam metidas na água até à cintura: quando o saco está cheio, voltam com o aparelho até à beira, onde outras, três ou quatro, da família ou estranhas, em regime de «sociedade», esperam-nas para ajudar a trazer o aparelho para a praia, e porem as algas a secar. Quando o sargaço voga um pouco mais longe mas é ainda acessível da beirada, elas empregam então, também daí e a pé, a própria ganchola que os maridos usam para a recolha de bordo das embarcações. Este trabalho é feito por uma só mulher; mas quando a ganchola chega à beira, outras esperam-na segurando um galricho, para dentro do qual despejam a ganchola (que, sem tornos e muito aberta, não poderia, fora da água, reter as algas) ; como no caso atrás descrito, estas mulheres, quando o galricho está cheio, arrastam-no para a praia para porem as algas a secar; a que maneja a ganchola volta para o seu trabalho, sem sair da água. O manejo do galricho é difícil e perigoso, e contam-se alguns desastres ali ocorridos por causa desse aparelho.

130Nos penedos, que abordam indo a pé ou de barco, nas marés vasas, elas usam, para a recolha das algas soltas nos lagos, a ganchola, a que dão então por vezes o nome de gancheta ; para o arranque e corte das algas, terminado o defezo, elas usam a vulgar foicinha, se as algas estão ao alcance do braço, ou o foicinhão ou segador, se estão presas aos penedos do fundo. Nesse penedo, ao norte, onde o sargaço é especialmente abundante, tiram-no com a gancheta deitando-o para dentro do galricho, que, depois de cheio, é arrastado para terra, puxando-o por uma corda.

131Para a apanha do sargaço solto longe da praia, ou que cresce nos penedos inacessíveis a pé, iam então os homens, de barco, com as suas gancholas, para o primeiro caso (fig. 95) ou os seus segadores, para o segundo. Quando o sargaço ficava a descoberto no alto dos penedos, os homens usavam para o corte – que faziam de bordo – as foicinhas vulgares, tal como as mulheres. Algumas mulheres trabalhavam no sargaço também de bordo de barcos, especialmente em certos locais determinados, ao sul da povoação ; e houve mesmo uma que tinha carta de arrais.

132A recolha de bordo de barcos exigia prática especial, porque só se podia fazer no «ponto de maré», em que a altura da água, as correntes, e a disposição das algas, eram favoráveis; por vezes, quando se vinha a terra descarregar o barco para voltar à recolha, esse «ponto» passara e já não se podia fazer nada.

133Para lá dos períodos em que a recolha é livre ou proibida, a melhor época para essa recolha é a partir da folha de Maio – de Maio em diante, até perto do Natal, e sobretudo durante o verão, em que, além de se colher bem, o sargaço seca convenientemente: «para se dar e para o apanhar, quer-se mar calmo; para o arrancar é que é melhor mar forte». Em certas ocasiões, havia tanto sargaço que faltava espaço para o secar. Então as pessoas, antes de sairem para a recolha, juntavam algum do que estava em seco na praia e marcavam com ele, no areal, o espaço para estenderem depois a secar o que viessem a colher. Mais tarde, por esse motivo, as capitanias passaram a emitir licenças não só para a apanha, mas também para a secagem das algas, que dão direito à utilização de uma certa superfície do areal, na praia.

134Os lavradores de perto ou de longe, da Aguçadoura, Averomar, etc., dantes, vinham, na altura da recolha, primeiro apenas para comprar o sargaço em «verde», sem nessa ocasião o levarem; depois dele seco, no tempo da sementeira da batata, voltavam então a buscá-lo. O transporte fazia-se em carro de bois; saiam de madrugada, traziam uma merenda, e gastavam o dia inteiro na viagem de ida e de regresso. O sargaço que era colhido no inverno, e que por isso não se podia secar, era vendido apenas aos lavradores das redondezas, que o levavam logo, mesmo em «verde».

135Este sargaço vendia-se precisamente na altura em que o mar muitas vezes não consentia a pesca; por isso lhe chamam o «dinheiro para o inverno».

136Noutros tempos, normalmente as pessoas não iam apanhar sargaço fora da área costeira da povoação, nem consentiam que gentes de outras partes ali o fizessem. Conta-se de uma vez que foram de barco à Portela, rochedo a norte do Mindelo, e excelente local de sargaço, confiados que a gente dessa praia – onde havia menos pescadores e poucos barcos e onde só apanhavam as algas com ganhapões e ancinhos (gravetas), e muito escassamente com gancholas – não se apercebesse da sua presença. Mas os do Mindelo viram-nos, fizeram «um levante», chamaram a guarda, e os de Vila Chã tiveram de regressar a toda a pressa. Agora esses particularismos perderam toda a importância, e vêm aqui gentes de Aguçadoura e Averomar colher o sargaço que querem, levando-o em carroças, em «verde», para as suas terras.

137Para o sul do rio Douro, como dissemos, a recolha de algas marinhas para adubo das terras tem uma feição completamente diversa da que temos vindo a descrever. Ela pratica-se apenas em alguns pontos definidos, em pequeníssima escala, e mostra aspectos muito pouco característicos.

  • 28 Pedro Femandes Tomaz, «Notas ethnographicas do Concelho da Figueira», Portugália, I, Porto, 1898, p (...)

138No sector compreendido entre Espinho e a praia de Vieira de Leiria, onde as condições naturais – um areal linear totalmente despido de rochedos – são adversas à criação das algas, aquela actividade existiu apenas na Figueira da Foz, onde se apanhavam os limos (certamente criados nas escarpas do Cabo Mondego e que o mar lançava à praia, por vezes em grandes quantidades), ou se cortavam os que se encontravam presos aos rochedos ; esse trabalho, que tinha lugar desde os princípios de Julho e na vazante das marés, competia sobretudo às mulheres e crianças, e fazia-se com foices ou enxadas ou ancinhos de madeira28.

139Contrariamente, a costa de arribas do sul do País é muito favorável ao desenvolvimento dos limos – taborras e sobretudo essas espécies industrializáveis, ali extremamente abundantes –, que em certas partes e épocas do ano se juntam em massas enormes nas reentrâncias da penedia ou nos areais entre esta, e que os nossos informadores descrevem com imagens expressivas: barcos que mal podem aportar a terra (Ericeira), ou, pelo contrário, lançar-se à água (Armação da Pera), tal é a densidade das algas na orla da praia; pescadores de cana que pescam do cimo do monte das algas acumuladas nos recantos das arribas, porque a bicharada que pulula na sua podridão atrai o peixe que nela procura alimento (Porto Covo, a sul de Sines) ; etc.

140Como primordialmente no Norte, também aqui, de um modo geral, essa actividade era exercida essencialmente pelos lavradores, em vista sobretudo à adubação das suas próprias terras; mas uma parte das algas era também vendida para fora, por esses próprios lavradores, que porém, por vezes – por exemplo em Sesimbra – também trabalhavam na pesca.

  • 29 Em certas ocasiões, vemos mesmo gente a apanhar algas nas praias dos arredores de Lisboa, nomeadame (...)
  • 30 Em 1965, em toneladas, cerca de 1421 na Estremadura, 29 no Baixo Alentejo e 100 no Algarve, e 339 n (...)

141Actualmente, a recolha incide apenas sobre essas espécies que interessam à indústria química, à qual se vendem depois de secas; e, sob esse aspecto, é precisamente no sector costeiro estremenho, desde S. Martinho do Porto às praias da região de Mafra e do Cabo Espichel29 que essas espécies se apanham em maiores quantidades, excedendo largamente as recolhas nas regiões nortenhas30. As taborras e outras algas que não se encontram naquelas condições, e que serviriam apenas para estrume, praticamente não são nem nunca foram aproveitadas, porque a agricultura ou é pobre ou é de tipo extensivo (em que o valor deste fertilizante se dilue), porque tal não é o costume, porque não há gente que as vá buscar, e porque o seu transporte desde o mar até aos pontos onde há caminhos é muito difícil ou muito dispendioso. Por isso, apesar dessa abundância que apontamos, ao longo de todo o sector apenas em algumas praias das zonas de Peniche, Ericeira e Sesimbra, as algas eram apanhadas com regularidade e utilizadas como adubo. Nos outros lugares, e mormente no litoral alentejano e algarvio, de Sines a Vila Nova de Milfontes, e da Bordeira a Albufeira, deixavam-nas apodrecer e desfazer-se, e apenas um ou outro homem, de vez em quando, descia a escarpa a buscar uma mão cheia ou um cesto delas, para deitar na sua horta, nas batatas ou nos legumes.

142Peniche – Baleal– Em Setembro o mar junta nas reentrâncias da costa (logo a seguir ao istmo), enormes quantidades de limo. A sua recolha, que tem lugar sempre da praia na baixa-mar e apenas quando o sargaço está em seco ou bóia perto, faz-se com o encinho ou gravanço (que corresponde à graveta nortenha) até onde este instrumento alcança, sem as pessoas entrarem na água; no inverno, apanham-se com o camaroeiro, que é um saco de rede puxado por dois homens, que andam dentro de água até onde têm pé. O limo é por vezes seco, estendido na areia; mas na sua maior parte, é carregado em verde, em burros, com forquilhas, e transportado até à estrada, donde depois é levado em camionetas para outras partes, mormente para a região de Torres Vedras (onde se emprega principalmente para as vinhas, e também para as hortas). Por vezes ele é espalhado e seco na areia, mas a maior quantidade é levada em “verde”.

143Naturalmente, uma parte apreciável é utilizada pelo próprio lavrador nas terras que cultiva, só, ou curtido juntamente com estrume do curral. Fazem para isso pilhas, onde tudo apodrece juntamente.

144É a gente de Ferrel, no interior do Baleal, quem se dedica a esta actividade, tanto ali como em Peniche mesmo, onde o limo se junta por vezes também em grandes quantidades.

145Mafra – Praia da Calada (Encarnação) – A apanha do sargaço – golfo – faz-se aqui com a gança (que também corresponde à graveta nortenha), que assentam na areia, e é a vaga, a recuar na ressaca, que junta as algas contra os seus dentes (fig. 115).

146Os montes que fazem em seguida são acarretados mais para o alto do areal em burros, ou nos rojões (que são uma espécie de zorras com estrado em tabuado) puxados por gado; e também à mão, em padiolas ou em cestos (fig. 113). Estendem-no então a secar em tiras estreitas, perpendiculares ao mar, para o que, no princípio da safra, dividem toda a praia entre os que tiraram licença (figs. 114 e 115).

147Depois de seco, enrolam-no à mão, em manadas, e trazem-no para o alto da escarpa (fig. 131), em carrinhos pequenos puxados a gado.

148Em S. Lourenço também apanham o golfo, embora a praia seja de pedregulhos: o golfo apanha-se à mão, reúne-se em montes, deixa-se escorrer durante um bocado, e transporta-se seguidamente em cestos para a base da escarpa, onde se estende a secar. O local da seca, já com sectores atribuídos a cada pessoa como na Encarnação, é ele próprio de difícil acesso. Depois de seco, o golfo é levado, também em cestos, para o alto da arriba, perto da estrada, onde é empilhado, e depois recolhido a casa em carros, ou vendido e levado em camionetas.

149Ericeira – Na praia da Ericeira não é permitida a apanha do sargaço. Mas quando as quantidades arrojadas à costa são muito grandes, ele é carregado em “verde” em carros e camionetes, usando-se então, para tal, o ancinho.

150Na praia escarpada logo a norte da foz da ribeira de Cheleiros, já se pratica essa apanha, que é feita à mão por homens das aldeias vizinhas – Fonte Boa da Brincosa, e outras –. Não se empregam quaisquer utensílios.

151Sesimbra, Praia de Lagosteiros (Cabo Espichel) – Neste local a apanha faz-se normalmente de bordo de barcos – as gamelas, de ré cortada –, recolhendo-se as algas –os limos – que estão presas aos rochedos que fazem o fundo da baía, raspando-os – penteando-os – com a gadanha, que é um pente, outrora de madeira com pregos grandes de ferro, e hoje inteiramente de ferro, de uma peça só, fixo a um cabo com cerca de 4,5 a 5 braças (figs. 117, 118). Os penedos são assim rapados, mas cerca de 20 dias depois já estão outra vez cobertos de vegetação.

152Esta actividade, que é autorizada de 1 de Julho a 1 de Janeiro, é exercida por lavradores-pescadores das aldeias vizinhas, do interior – Azoia, etc. –, que são gentes rurais que também trabalhavam na pesca, e sobretudo nas armações do atum e sardinha de Cascais e Sesimbra; e o sargaço que apanhavam era sobretudo para estrumarem as suas terras, misturado com os matos para curtir.

153Como dissemos, hoje, das algas arrojadas à praia, escolhem e aproveitam unicamente aquelas espécies, muito mais escassas, que interessam à indústria química (fig. 116), e que as pessoas levam em cestos para a escarpa, onde as põem a secar para seguidamente as transportarem em burros até ao estradão (fig. 119), para as venderem, ficando as demais a desfazer-se, sem que ninguém pense em as levar.

154A apanha dessas algas especiais, que se apresentou durante alguns anos relativamente compensadora, tendo dado origem a um pequeno aglomerado de barracas no fundo da arriba, junto à praia (fig. 118), e atraíndo mesmo, na época da safra, gente de outras províncias, está presentemente a ser duramente atingida pelos barcos a motor com equipas de mergulhadores, pertencentes a determinada empresa, que, pelo processo que usam na sua recolha – o arranque radical – têm vindo a limpar completamente e irremediavelmente as zonas em que se desenvolvia aquela vegetação, que, a persistir tal regime, desaparecerá destes locais.

155No Algarve, em alguns pontos aproveitavam com certa frequência – embora sempre esporadicamente e em pequenas quantidades – as algas que o mar arrojava aos penedos ou aos areais, por vezes em grandes massas, e a que dão o nome de golfo, correias, limos (Bordeira), ceba e cebarrinha (fitas finas) (Fuzeta), etc. Os lavradores iam aí buscá-las para as suas hortas, trazendo-as em carrocinhas ou em ceirões que os burros carregavam.

156Na Bordeira, juntavam-nas na praia com uma espécie de graveta, a ganchorra ; na Carrapateira, iam às vezes buscá-las as mulheres; em Sagres e em Lagos, quem as apanhava eram em geral os pescadores e os cabaneiros, que as punham em montes e as vendiam aos lavradores; na Fuzeta, o pai do informador, além das que trazia da praia, ia de barco, ao longo da costa, buscar as que se juntavam na penedia, e vendia-as às barcadas aos lavradores; etc.

Pilhas

  • 31 Outro tanto não acontece na zona de Peniche, onde grandes massas de algas são levadas em fresco.

157Na costa norte, o sargaço em geral não é levado em “verde” para a casa do lavrador31. A maior parte dele é seco na duna, perto do sítio em que foi apanhado, ou em que o descarregaram dos barcos e jangadas; e apesar de muitas vezes serem locais afastados e desertos e de o sargaço ficar abandonado, todos sabem qual é a sua parte, e nunca se dão quaisquer roubos ou descaminhos.

  • 32 Código de Posturas Municipais (da Póvoa de Varzim) de 30-III-1903, art.° 192 (ap. Cândido Landolt, (...)
  • 33 A transformação dos barracos do sargaço em vivendas de veraneantes citadinos, que, ao comprarem ess (...)

158Em certas localidades, como por exemplo Afife e Montedor, Vila Chã etc., em que os locais convenientes para a secagem não sobravam perante a abundância do sargaço, as pessoas, antes de o virem apanhar, no próprio dia, juntavam uma manada do que estava já na praia em seco, e marcavam, no areal ou na duna, um espaço para secarem o que viessem a colher; era o que nas duas primeiras localidades se chamava apossar o local; por isso, mais tarde, certas Capitanias (de Vila do Conde, Caminha, etc.) passaram a conceder licenças para secagem, em relação a determinados locais, por exemplo Vila Chã. No concelho da Póvoa de Varzim, a secagem do sargaço em lugares públicos só era autorizada em certos pontos designados pela Câmara32. E na Apúlia, os lavradores pagavam à Casa de Bragança um fôro – que agora tomou a forma de uma contribuição ao Estado –, pelo extenso areal que vai das Pedrinhas até Sedovém, a fim de aí poderem secar o sargaço33.

159Para essa secagem, as algas, transportadas em cestos, carrelos ou carros e às vezes nos próprios redenhos, são espalhadas por todo o espaço onde as vão estender, operação que se executa à mão, porque a camada deve ficar delgada e igual. Em ocasiões de especial abundância, grandes extensões do areal ficam assim cobertas por tapetes acastanhados, cortados por carreiros irregulares muito estreitos, que dividem o que pertence a cada um (figs. 14 e 58).

160Quando a nortada é forte, para evitar que a areia trazida pelo vento cubra o sargaço que está a secar, resguardam esses tapetes, pelo lado do vento, com pequenos combros de areia misturada com chorão ou junco das dunas –os valinhos – (fig. 83). Com bom tempo, a secagem dura dois ou três dias.

161Em quase toda a costa, a junção do sargaço seco, espalhado na areia, é feita segundo preceitos definidos. A manta vai sendo enrolada aos sectores, formando pequenos rolos – postas (Montedor, Fão), padelos (Aguçadoura, Averomar), manelos (Castelo de Neiva) – para facilitar o seu carregamento em carros e a construção das pilhas em que se conservará ; é aquilo a que se dá o nome de empadelar ou empostar (Montedor) o sargaço. Geralmente dobram-se primeiro, à mão ou com ancinhos, as beiras, de um lado e do outro do pedaço da manta assim definidos que formará a posta ; e depois, à mão, todo esse pedaço, no outro sentido (fig. 86).

  • 34 Para um carro de sargaço seco, são precisas cerca de trinta carreladas de fresco, o que significa q (...)

162O sargaço seco é seguidamente empilhado, conservando-se assim até à ocasião de ser empregado. Aquele que é para consumo próprio, vai geralmente para casa do lavrador, e é aí simplesmente armazenado em qualquer coberto; apenas quando as quantidades são pequenas e não chegam para uma carrada, ele é guardado nos barracos da praia, até valer a pena levar lá o carro para o carregar. Quando as povoações se situam próximo do mar, porém, as pessoas empilham o sargaço nos areais da praia, e ali o conservam até à altura de o deitarem à terra34. Na Aguçadoura, muitas vezes as pilhas erguem-se junto dos campos onde o sargaço vai ser aplicado.

163O sargaço que é para venda fica em regra nas dunas ou na sua vizinhança, em pilhas que mostram formas definidas, esperando assim que apareçam compradores (figs. 58 e 59). No Moledo, porém, onde os meios de transporte chegam até à praia, ele era guardado nos barracos, que eram espaçosos e livres de barcos (porque o mar não consente o seu lançamento); e em Afife e Carreço, antes de se abrirem os estradõs até à praia, ele era trazido para junto da estrada nacional, e aí empilhado para maior facilidade de venda e carregamento em camionetas (fig. 128).

164As pilhas de sargaço mostram, nos vários locais, aspectos próprios; mas podem agrupar-se em duas categorias, conforme o seu formato básico : pilhas de planta quadrangular, e pilhas de planta circular – as primeiras encontrando-se ao norte, desde o Cabedelo de Caminha até Castelo de Neiva, as segundas predominando ao sul, da Aguçadoura até ao Mindelo.

165No Cabedelo de Caminha, elas são de planta sensivelmente quadrada, e recobertas, em cima, por uma cobertura de palha, segura por pedras. Em Afife e Carreço, Amorosa e Castelo de Neiva, elas – que levam o nome de palheiros – são de planta alongada, com o feitio de um tronco de pirâmide com a parte mais estreita pousada no solo, e com cobertura abaulada – a colmeira (Afife, Carreço), colmos ou colmadura (Amorosa e Castelo de Neiva) –; os palheiros são geralmente erguidos a partir de um tosco estrado de pedras soltas, e a parte frontal fica mais elevada do que a posterior. A colmeira, de palha centeia, faz-se ora directamente sobre o palheiro, ora no solo, colocando-se então sobre ele depois de pronta. A palha dispõe-se entre vários pares de varas finas ou de canas – as lateiras (Amorosa e Castelo de Neiva), ou arjões (Montedor) – que se vão apertando em diferentes pontos. As extremidades dessas varas são presas por arames ou cordas de palha a tornos de madeira que se espetam na massa do sargaço, sob cada uma delas. A colmeira é, além disso, firmada por arames ou cordas de palha – as corsas (Afife, Carreço) ou vencilhos (Amorosa e Castelo de Neiva) – passadas sobre ela no sentido transversal, duas ou três, conforme as dimensões do palheiro, com lascas de xisto furadas a meio e pendentes das pontas, de cada lado – as pedras (Afife, Carreço) ou lousas (Amorosa, Castelo de Neiva)–; os palheiros são ainda amparados, pelos quatro lados, por espeques de pau – os fincões –. O remate das colmaduras é objecto de cuidados particulares, sobretudo no lado virado ao sul; na Amorosa e Castelo de Neiva aplicam mesmo, aí, por vezes, uma espécie de beiral de junco. A forma destes palheiros é igual à das medas de palha centeio e de caruma de pinheiro que, também com o nome de palheiros, abundam e são características desta região do litoral, (des. 14 e 15, e figs. 128, 129).

14 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – palheiro. 1) fincões ; 2) colmaduras ; 3) lateiras ; 4) vencilhos; 5) lousas ; 6) beiral de junco.

14 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – palheiro. 1) fincões ; 2) colmaduras ; 3) lateiras ; 4) vencilhos; 5) lousas ; 6) beiral de junco.

15 – Viana do Castelo, Afife e Carreço – palheiro. 1) colmeira ; 2) arjão ; 3) córra ; 4) pedra ; 5) fincão.

15 – Viana do Castelo, Afife e Carreço – palheiro. 1) colmeira ; 2) arjão ; 3) córra ; 4) pedra ; 5) fincão.

166Da Aguçadoura até ao Mindelo, as pilhas do sargaço – os montes – são, como dissemos, predominantemente de base circular, de forma geral cilíndrica ou tronco-cónica, alargando ligeiramente para cima; elas são recobertas em cima por capelas cónicas de colmo, com as pontas amarradas no cocuruto, seguras por um anel pousado, a meia altura, feito dos materiais mais variados – arames, velhas cordas, cordéis ou linhas de pesca, tiras de rede. e até ramos de silva –, e sobre o qual se pousa uma carreira de pedras a toda a volta. É em Averomar, no final da época da apanha, por alturas de Novembro, que estes montes se podem observar em maior número – hoje muito inferior ao que se via noutros tempos, em que eles se contavam às centenas (des. 16 e fig. 130).

16 – Póvoa de Varzim, Averomar – monte de sargaço com capela de palha.

16 – Póvoa de Varzim, Averomar – monte de sargaço com capela de palha.

167Na Aguçadoura, a par deste tipo, vêem-se porém outras pilhas, de planta quadrada ou rectangular, de factura descuidada, com uma grosseira cobertura de colmo a duas águas, sem nada de comum com a forma elaborada dos palheiros do norte. O mesmo sucede no Mindelo, onde porém tais pilhas são desprovidas de qualquer cobertura. Daí para o Sul, as serras são como essas, e totalmente incaracterísticas.

168Estas pilhas vão-se erguendo durante o ano, à medida que o sargaço é colhido e seco. E são vendidas principalmente para a plantação da batata, a partir dos fins de Novembro até Fevereiro. Há pessoas menos escrupulosas que usam formas artificiais para disfarçar o seu verdadeiro volume. na tentativa de iludir o comprador menos experiente.

*
* *

169O consumidor natural do sargaço é o lavrador, que o compra seja directamente àqueles que o apanham para venda, cabaneiros e pescadores, seja a intermediários ou comerciantes que o negoceiam e colocam, e a quem os sargaceiros vendem as pequenas quantidades que vão apanhando.

170Os compradores, lavradores ou comerciantes, recebem-no de todos os pontos da costa onde ele excede o consumo local, desde Caminha a Matozinhos e ao Porto, mormente onde a apanha é já apenas para venda nesses aglomerados de cabaneiros, Castelo de Neiva, Averomar, na Foz do Douro, etc., e até, em casos excepcionais, de que nos dão notícia, Peniche. Há lavradores que adquirem dois e três –e até cinco – camiões de sargaço por ano.

171Entre esses compradores, os de maior vulto são os da região costeira, a norte da Póvoa de Varzim, que necessitam de sargaço para os seus «campos de masseira» talhados nas terras arenosas dessa área pelo processo da «descoberta do terreno», e que a gente da região entende que apenas com esse fertilizante são produtivos. De facto, ali, consumiam-se, e ainda hoje continuam a consumir-se, quantidades enormes de algas que porém, como dissemos, eles agora procuram obter de todas as partes onde haja à venda em abundância.

172Também a zona de Barroselas consumia quantidades avultadas de sargaço, que vinha de comboio das praias de Viana de Castelo e de Caminha. Baldaque da Silva fala no sargaço que no Moledo ia de barco, pelo rio Minho acima, para Campos, S. Pedro, Cerveira, e o «extremo norte da Província» minhota; e a memória do povo conserva a recordação desse facto. Hoje, parece não haver qualquer venda apreciável para esses lados.

173No litoral central – na costa de Peniche, Mafra, Ericeira e Sesimbra – estes aspectos são muito menos característicos, e já a eles atrás nos referimos.

Notes

1 Ver nota 93.

2 O malogrado investigador povoense Fernando da Silva Barbosa, a quem os nossos trabalhos devem tantos informes de valor, forneceu-nos a cópia do referido assento de óbito.

3 Em Viana do Castelo vimos mulheres apanhando à mão, no princípio da vasante das marés vivas, as algas que tinham ficado presas entre os juncos da praia.

4 Lavra, 1696 e 1762. «Os que sairem para o mar em barco quando vão ao argaço não podem pegar nele enquanto o olheiro não fizer sinal e der a hora». Ver também nota 71.

5 Baldaque da Silva, op. cit., p. 365.

6 Idem p. 366.

7 Fritz Krüger, «Notas etnográfico-linguísticas da Póvoa de Varzim», Boletim de Filologia, IV-1/2, Lisboa, 1936, pp. 132-133, indica ainda ganchorra, em Averomar (que porém, como veremos a seguir, corresponde a um instrumento diferente e diferentemente usado); e ancinho (além de garamanha), no norte da província do Minho (também registado por Cláudio Basto, «Falas e tradições do distrito de Viana do Castelo», Revista Lusitana, XIII, Lisboa, 1910, p. 85). E nota que a ancinha, da foz do Minho, «tem dentes maiores, mais bastos, e pente mais largo». E conclui : «Em todo o caso, ganchorra-garamanha-ancinho pertencem a uma classe especial de engaço. São até certo ponto aparentados com os engaços armados de dentes compridos que se usam em Portugal, nas eiras, para limpar o milho, e que aparecem em formas semelhantes e igualmente bastante rudimentares na Galiza e nos Pirinéus ; lembra-nos finalmente a forma especial do engaço empregado em vários países para apanhar castanhas».

8 Nestas ganchorras, por vezes os dentes são de ferro e madeira alternadamente.

9 Maria da Conceição Nogueira, «Linguagem e Etnografia de Aguçadoura», Póvoa de Varzim, Boletim Cultural, VI-1, Póvoa de Varzim, 1967, p. 73.

10 Baldaque da Silva op. cit., p. 364, fala no fueiro que se usava na Lagoa de Óbidos, para a recolha de algas, mas de dentro de embarcações, e que constava igualmente de «uma pequena vara tendo na extremidade um galho ponteagudo em forma de gancho, com o qual se engata a alga que se quer tirar para dentro da embarcação».

11 Baldaque da Silva, op. cit., p. 366.

12 Para se avaliar da frequência dos arrastos, basta dizer que Castelo de Neiva possuia cerca de 100 barcos, e quase todos trabalhavam com o arrasto.

13 O arco já foi obrigatoriamente de madeira, mas voltou a ser permitido de ferro, o que facilita o mergulhar do aparelho.

14 Também o mexilhão e pequenas concreções calcáreas agarradas às pedras – «aglomerados dos nateiros depostos pelas águas e dos embriões e pequenos seres, crustáceos, moluscos e radiários, que em grande abundância aqui se propagam», a que em S. Bartolomeu do Mar dão o nome de barranha – eram dantes apanhadas com enxadas e rapas ou rapadeiras, «pá de ferro, tendo uma espécie de gancho lateral, encabada em uma comprida vara de madeira, e serve para rapar de cima dos rochedos a vegetação que sobre eles se acumula, puxando-a depois de solta, com o gancho» (Baldaque da Silva, op. cit., p. 94 e 364). Não encontramos porém em parte nenhuma este instrumento, nem memória do seu uso. E o P.e António Ramos, op. cit. p. 391, fala, em Lavra, do rapar da rapeira com um sacho curvo próprio.

15 Ver notas 9 e 19.

16 Baldaque da Silva, op. cit., p. 365.

17 Cândido Landolt, op. cit., p. 35: 160 gravetas e outras tantas ganchorras ; 261 indivíduos ; 70 barcos (com as ganchorras) ; valor do sargaço colhido (na época) 80.000 reis com as gravetas e 2.127.000 reis (com as ganchorras e barcos).

18 Deve-se notar que em S. Bartolomeu do Mar o redenho era usado já antes da sua difusão para o sul.

19 Ver nota 76.

20 Nos últimos decénios, em Afife, destacava-se a figura de Acácio Bandeira, o único homem que, ali, dirigia a sua casa de lavoura, trabalhava a terra e ia ao sargaço.

21 Ernesto Veiga de Oliveira, «A romaria de S. Bartolomeu do Mar», Geographica, Revista da Sociedade de Geografia, VII-26, Lisboa, 1971, pp. 42-59.

22 Ver adiante pp. 107-110.

23 Estes lavradores pescavam então muito correntemente, usando a rede de barguear para terra, que foi vulgar por toda esta costa nortenha. Ultimamente, só a pesca do polvo tinha alguma importância ; à faneca e ao congro só acidentalmente saiam, pois. embora não precisassem de licença para pescar para seu consumo, eram obrigados ao transtorno de ir desembarcar o peixe à Apúlia, onde se situa o posto da Guarda Fiscal.

24 Jorge Dias, «Construções circulares no Litoral Português», Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XI-1/2, Porto, 1947, pp. 192-195. Ver adiante, pp. 108-110.

25 A. Santos Graça, Inscrições tumulares por siglas, Póvoa de Varzim, 1942, indica expressamente o costume de escreverem as siglas na areia, referido aos sargaceiros da Aguçadoura. Ver adiante o capítulo sobre Marcas, p. 113 e sqq.

26 A S. Bartolomeu do Mar, um pouco mais ao norte, não iam, porque em tempos antigos, uma vez que tentaram ir lá apanhar sargaço, houve rixas. Ver p. 29.

27 Baldaque da Silva, op. cit., p. 80.

28 Pedro Femandes Tomaz, «Notas ethnographicas do Concelho da Figueira», Portugália, I, Porto, 1898, p. 383.

29 Em certas ocasiões, vemos mesmo gente a apanhar algas nas praias dos arredores de Lisboa, nomeadamente em Caxias, por exemplo. Mas parece tratar-se apenas de algas industrializáveis.

30 Em 1965, em toneladas, cerca de 1421 na Estremadura, 29 no Baixo Alentejo e 100 no Algarve, e 339 no Minho e 140 no Douro Litoral. Em 1973, 1911 na Estremadura, 39 no Baixo Alentejo e 90 no Algarve, e 288 no Minho e 100 no Douro Litoral (informações colhidas nos mapas de Produção de algas industrializáveis nas safras de 1965 e 1973, respectivamente, do Departamento técnico do Serviço de Apanha e Concentração de Plantas Marinhas, da Junta Central das Casas dos Pescadores).

31 Outro tanto não acontece na zona de Peniche, onde grandes massas de algas são levadas em fresco.

32 Código de Posturas Municipais (da Póvoa de Varzim) de 30-III-1903, art.° 192 (ap. Cândido Landolt, op. cit., p. 67).

33 A transformação dos barracos do sargaço em vivendas de veraneantes citadinos, que, ao comprarem esses barracos, entenderam indevidamente poder apropriar-se de traços do areal à sua volta, onde ergueram pequenos muros, vedações, poços e certos anexos, provocou, em Junho de 1973, uma violenta reacção por parte das gentes sargaceiras dali que, por deliberação conjunta tomada em reunião, e em nome dos direitos que possuem sobre o mesmo areal, baseados nesse foro instituído, ao que parece, em 1877, demoliram aquelas vedações e anexos (respeitando contudo as casas que representam o desenvolvimento de barracos legitimamente adquiridos).

34 Para um carro de sargaço seco, são precisas cerca de trinta carreladas de fresco, o que significa que a secagem reduz a um terço o seu peso. As chuvas prejudicam-no, levando-lhe aquilo a que o povo dá o nome de «gordura». Baldaque da Silva dá a conta de 73 cestos de sargaço fresco para um carro (op. cit., p. 365) ; mais precisamente, e em concordância com a nossa constatação, vemos em Aguçadoura, já cit. p. 132, que o sargaço seco perde 60% do seu peso.

Table des illustrations

Titre 1 – a) Póvoa de Varzim, Averomar – graveta ; b) Peniche – encinho ou gravanço ; c) Esposende, Fão – gaiteira ; d) Fão – engaço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 2 – a) Vila do Conde, Vila Chã – ganchola ; b) Póvoa de Varzim, Averomar – rastilha grande ; Vila do Conde, Mindelo–ganchorra; d) Vila do Conde, Pampelido–ganchola.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 3 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – croque (Museu de Etnologia n.° AQ 988).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 4 — Âncora — gancho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre 5 – a) Póvoa de Varzim, Averomar – ganhapão ; b) Vila do Conde, Vila Chã – ganhapão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 6 – Esposende, Fão – rodafole.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 7 – a) Caminha, Moledo – redenho ; b) Âncora – redenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 8 – Vila do Conde, Pampelido – ganhuço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 9 – Esposende, Fão – a) arrasto ou arrastão ; b) rabichel para tirar o sargaço do arrasto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 10 – Vila do Conde, Vila Chã – galricho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 11 – Peniche, Ferrel – caramoeiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 12 – a) Viana do Castelo, Castelo de Neiva – foicinhão (Museu de Etnologia n.° AQ 989) ; b) Vila do Conde, Vila Chã – segador ; c) foicinha.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre 13 – a) Esposende, Pão – carreia ; b) Vila do Conde, Mindelo – carrela ; c) Peniche – carrela ; d) Póvoa de Varzim, Aguçadoura – carreia ; e) Esposende, Fão – carrelo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 14 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva – palheiro. 1) fincões ; 2) colmaduras ; 3) lateiras ; 4) vencilhos; 5) lousas ; 6) beiral de junco.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 15 – Viana do Castelo, Afife e Carreço – palheiro. 1) colmeira ; 2) arjão ; 3) córra ; 4) pedra ; 5) fincão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 16 – Póvoa de Varzim, Averomar – monte de sargaço com capela de palha.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6373/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 47k

© Etnográfica Press, 1990

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search