Version classiqueVersion mobile

Construções primitivas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

II Parte. Sistemas primitivos de construção

Capítulo 5. Coberturas. Elementos acessórios da construção. Diversos

Texte intégral

1) Coberturas

  • 1 ) O estudo dos sistemas de colmadura em Portugal fica incompleto se não incluir o caso das ilhas do (...)

1Entre essas feições, sobressaem as coberturas, sejam em materiais vege tais, sejam em pedra. Delas nos vamos ocupar a seguir em especial (1).

a) Coberturas em materiais vegetais. Colmaduras ou colmaços

2Nessas áreas nortenhas, as colmaduras foram – e continuam a ser –, em inúmeras partes, o processo geral e até, em muitos casos, único, de cobertura, que não só possuem as características de um elemento qualifi cadamente primitivo em si mesmo (que, em estreita dependência para com o meio, utiliza os materiais locais, e elabora técnicas elementares para a sua utilização), mas podem mesmo considerar se uma, e a mais impor tante, sobrevivência dessas remotas formas originárias, que aliás, como vimos, ali subsistem em muitos casos pouco menos do que intactas.

  • 2 ) Cfr. Alberto Sampaio, «As Villas do Norte de Portugal », in «Portugália», I, Porto, 1908, p. 783: (...)
  • 3 ) Alberto Sampaio, ibid., p. 781, entende que, segundo as Inquirições, os paços dos próprios ricos (...)
  • 4 ) Fr. Joaquim de Santa Rosa de Viterbo, «Elucidário», s. v. Descangar e Aprés-tamo (cit. por Teófil (...)

3Embora a telha de barro, entre nós e designadamente ali, seja conhe cida desde tempos muito recuados – pelo menos desde o final do período castrejo – e o seu uso tenha vindo em aumento ao longo dos séculos, as coberturas de colmo eram sem dúvida as mais frequentes, como formas primárias que vinham de um mundo fechado e pouco menos que autár cico. Próprias assim de uma cultura rural primitiva, elas, hoje, aparecem sobretudo nas zonas arcaizantes da serra, onde essa atmosfera perdura, e naturalmente nas casas dos níveis mais rústicos e pobres – aliás, mesmo aí, presentemente com manifesta tendência a desaparecerem, progressiva mente substituídas pela telha. Outrora, porém, o seu uso era ainda mais geral. Na Idade Média, não só a casa da «gente miúda» nas aldeias e nos recintos acastelados (2) mas mesmo o solar senhorial, teriam cobertura de colmo, caniço ou giesta (3 ). Viterbo nota que, no seu tempo, ou melhor, antes da publicação do Elucidário, em 1789, se conservavam, principalmente no Minho, vestígios do antigo costume de serem as casas, «ainda honradas e distintas», cobertas de colmo e giesta, e não telha; e cita o Tombo do Aro de Lamego, de 1346, onde se dispõe que «alguns lugares da Magueja eram obrigados a uns tantos feixes de giestas negrais para se cobrirem as casas que el rei tinha no Castelo daquela cidade. Sobre o colmo ou giesta punham (tal como ainda hoje em alguns casos) uma certa jangada de paus atraves sados, para que os ventos as não deixem expostas à inclemência dos tempo rais». Segundo este erudito, a essa « jangada de paus» dava se o nome de canga; cangar a casa era colocar os paus; e descangar, tirá los (4).

  • 5 ) Pedro Cunha Serra, «Topónimos do Distrito de Aveiro », in «Arquivo do Distrito de Aveiro », n.° 1 (...)

4Por outro lado, essas coberturas de colmo eram também, então, cor rentes em certas áreas da Ribeira. Cunha Serra, indicando a expressão casas palhaças, que designava casas feitas ou cobertas de palha, chama a atenção para os topónimos existentes no distrito de Aveiro com base nesse étimo: Palhal e Palhais, Palheiros e Palhota, além de Palhaça mesmo –, indigitando povoações constituídas originàriamente por construções deste tipo; e transcreve uma passagem das Inquirições de 1288 1290, onde se regista que, na Lagoa de Esmoriz, se ia colher a carrega, o junco e a madeira, para cobrir as casas (5).

  • 6 ) São dos nossos dias casos de aldeias inteiras do Barroso destruídas pelo fogo, já que a concentra (...)

5O abandono progressivo do colmo e a sua substituição pela telha tiveram como razão primordial o perigo de incêndio que ele representava. Além disso, porém, as coberturas de colmo mostram o grande inconveniente de requererem composturas frequentes, seja a substituição de zonas maio res ou mais pequenas apodrecidas pela água que penetrou a espessura do colmaço, seja mesmo o refazer de sectores inteiros que a ventania levan tou. E, nesse processo, não conta pouco o sentimento de inferioridade que sentem aqueles que continuam a viver em casas com tais telhados, perante outros vizinhos que já os modernizaram (6 ).

6Essa substituição não se deu, porém, do mesmo modo por toda a área, e parece relacionar se fundamentalmente com o maior ou menor primitivismo das respectivas regiões ; este, contudo, não existe apenas em função do isolamento destas: nas aldeias serranas do Barroso, Peneda e Montemuro, por exemplo, o colmo foi até há pouco o material corrente das coberturas; ainda nos princípios deste século, não raro, ali, apenas a igreja da freguesia tinha telhado de telha, que era do tipo de «Marse lha», a apontar a sua data recente; e, mesmo hoje, ele continua a ser muito usado. Sem dúvida, aqui, é o isolamento dessas terras (onde, além disso, não existem barros que permitam o fabrico local da telha), e a corre lativa carência de meios de transporte, que explicam o facto. Mas o colmo manteve se igualmente, e não só para anexos agrícolas mas mesmo para casas de habitação, em toda a área que se estende de Terras de Basto até Penafiel e Paredes – zona fechada num grande primitivismo, embora seja cortada de inúmeras estradas e esteja próxima de centros urbanos evo luídos –. Por outro lado, certas aldeias da serra minhota, do Gerês, Ama rela, da ribeira do curso superior do Lima português, e em múltiplas par tes do Alto Trás os Montes, também de difícil acesso (e, em alguns casos pelo menos, do mesmo modo sem fabrico local de telha), de há muito cobrem o seu casario apenas com este último material.

  • 7 ) No Alentejo, e sobretudo no Baixo Alentejo, é frequente, nos telhados de telha, o ripado de canas (...)

7Como atrás dissemos, estas coberturas de colmo – as colmaduras ou colmaços –, nas casas de planta rectangular, assentam numa armação vul gar e mais ou menos singela, composta de caibros, que correspondem às vertentes, lançados das paredes (que, nos casos mais perfeitos, rematam nor malmente por um frechal de madeira) a uma trave de cume; sobre os caibros são pregadas as ripas –o forro (Celorico de Basto) –, onde pou sará o material da cobertura. As ripas ficam normalmente pouco espaçadas, e, em certas áreas, colocam se mesmo juntas umas às outras, formando um verdadeiro forro. No Barroso, em alguns casos, esse ripado consiste numa camada de varedo ou ramagem de giesta, por vezes amarrado aos caibros por cordas de palha (fig. 314) (7). Nas coberturas a duas águas, a trave do cume assenta no vértice das empenas de pedra; nas de quatro águas alon gadas, ela, à falta de empenas, assenta numa armação especial, de forma triangular – as asnas ou tesouras– de madeira. Por vezes, em coberturas de duas águas, maiores e mais perfeitas, usam se também tesouras a meio do edifício, a diminuir o vão.

8Estas armações, cujo madeiramento foi sendo calibrado por uma expe riência agora consagrada, e que requer factura cuidadosa e segura, é natu ralmente sempre obra de carpinteiros qualificados. A colmagem, por seu turno, nessas terras nortenhas, é também sempre feita por habilidosos locais especializados – os colmadores –, que aprenderam o ofício com os antigos, e que possuem a ferramenta rudimentar necessária: a colmadeira ou cortiça (Gralheira), espécie de pá circular (ou quadrada de cantos arredondados), de cortiça, com cerca de 35 cm de diâmetro (ou lado), fixa a um cabo de madeira com cerca de 1,60 m de comprimento (des. 94 d); em Tecla (Celorico de Basto), este utensílio, a que dão o nome de copadeira (de copar, bater e alisar o colmo), tem uma forma diferente desta: a placa de cortiça é rectangular, e está presa a três travessas de madeira que, na sua face posterior, são guarnecidas de pregos, servindo para pentear e varrer o colmaço, depois de o acertar (des. 94 e); em Venda Nova (Vieira do Minho), usa se também este tipo de colmadeira. Além deste utensílio, o colmador usa ainda, para as reparações, um pau comprido – o fueiro ou chuço (Barroso )–, ou uma tábua – a espadela (Tecla) (des. 94 f)–. para levantar o colmo, e outro pau, pequeno e com uma forca, para ampa rar aquele.

Des. 94 – a) A colmadura ultrapassa o beiral e as empenas; b) colmadura com cápeas e guarda ventos; c) a testeira da colmadura fica por baixo do capeado das empenas; d) colmadeira do Barroso ; e) copadeira de Celorico de Basto; f) espadela e estaca usadas na compostura das colmaduras em Celorico de Basto.

Des. 94 – a) A colmadura ultrapassa o beiral e as empenas; b) colmadura com cápeas e guarda ventos; c) a testeira da colmadura fica por baixo do capeado das empenas; d) colmadeira do Barroso ; e) copadeira de Celorico de Basto; f) espadela e estaca usadas na compostura das colmaduras em Celorico de Basto.

9Um colmador trabalha geralmente para toda a aldeia e até para fora, e essa actividade tem mesmo, as mais das vezes, mero carácter subsidiário.

10A operação da colmagem não se faz com o colmo seco: ele deve ter um certo grau de humidade, para que as palheiras se ajustem umas às outras e não escorreguem. Na Gralheira (Montemuro), por exemplo, pro curam colmar de manhã, enquanto o colmo está ainda orvalhado; em Fornos (Freixo de Espada à Cinta), ele é molhado uns dias antes de ser aplicado; noutros sítios, borrifam no no próprio dia; etc.

11As colmaduras podem ser lisas – que é o caso mais frequente – ou em degraus. Estas duas formas não correspondem de resto a áreas dis tintas, e por vezes –por exemplo em Alhões (Montemuro) – encontram se a par na mesma aldeia.

  • 8 ) Ali, o colmo é trazido em colmeiros, atados quando a eirada foi escolmada. na ocasião da malha. O (...)

12A colmagem começa a fazer se de baixo para cima, a partir do canto direito da armação, de modo que o colmador recue sempre para a esquerda. O colmo vai sendo disposto numa fiada, geralmente a todo o correr da bei rada, espalhado em valadio (desconhecendo se o sistema de coser a ponto. tão frequente no Sul do País). O colmador, normalmente de pé, vai recebendo pequenos molhos que lhe caibam na mão – as manadas (Tecla), ou panadas (Barroso) (8) –, e pousa os com os couces para baixo, um após outro, formando uma fiada mais ou menos espessa. Para esta fiada, ao longo da beirada, as manadas, antes de serem colocadas, são batidas a prumo contra o chão ou contra qualquer superfície lisa, de modo que os couces fiquem bem alinhados, em plano perpendicular ao seu comprimento. Daí para cima, até ao cume, o processo difere, conforme a cobertura é lisa ou em degraus.

13Se a cobertura é lisa, as manadas são batidas muito inclinadas, de modo que os couces fiquem alinhados em bisel ; pousadas desse modo sobre a ripagem, o colmador ajeita as bem, acamando as com as mãos espalma das; e com a colmadeira bate o colmaço, acertando e alisando a sua super fície (figs. 313, 315 e 317); todas as palheiras soltas são arrancadas, ten do se o cuidado de não deixar nenhuma a prumo, por onde a chuva poderia penetrar para o interior.

14Se a colmadura é em degraus – o que, como dissemos, é no Norte muito mais raro – as manadas batem se e preparam se todas como para a fiada do beiral, de modo a ficarem com os couces alinhados em plano perpendicular ao seu comprimento; e, colocadas umas a seguir às outras, são apenas ajeitadas e acertadas com as mãos.

15Para que o colmo se não desloque, em certos casos usa se o sistema de colmar à vara: prendem se as fiadas, todas ou apenas algumas (geral mente uma sim uma não a partir da segunda), com varas ou canas, que se amarram com vergas para as ripas da armação; para começar, a vara é presa por uma ponta, e, à medida que as manadas se vão assentando por baixo dela, ela vai sendo amarrada em vários pontos; quando uma vara termina, é prolongada por outra, a partir da última amarração. Na extremidade das fiadas, já fora do prumo das empenas, coloca se e prende se um feixe grosso de colmo – a faixa – a que não tiram o vencilho, e que serve de amparo lateral ao colmaço.

16Por vezes, a colmagem não se faz por fiadas horizontais, do beiral para cima, cada uma de lés a lés a todo o comprimento da cobertura: as manadas vão sendo dispostas a partir de um canto, avançando em diagonal, oblìquamente ao longo do beiral e da empena (e seguidamente do cume), simultâneamente.

  • 9 ) Ouvimos este termo – ida–, com idêntico significado, em Cabeçudos (Mar vão) e Montargil (Ponte do (...)

17Este processo geral de colmagem por vezes apresenta certas particula ridades locais. Na Gralheira, serra do Montemuro, por exemplo, antes da colmagem – que aliás se faz por esse processo geral – estende se uma camada muito rala de colmo, com a espiga para baixo, e é sobre ela que segui damente se dispõe a colmadura. A cada fiada, ali, dão o nome de ida (9). E embora conheçam o colmar à vara, em regra o colmo fica apenas pousado, sem qualquer prisão, o que se explica pelo facto de a povoação estar bastante abrigada, e também porque a pequena inclinação das coberturas diminui o risco do colmo escorregar.

  • 10 ) Esta forma de colmadura com guarda-ventos é a mais frequente pelas serras da Peneda, Barroso, par (...)

18Em alguns casos, para sustentar o beiral, caibros e ripas avançam fora das paredes; o colmaço cobre então toda a cobertura (des. 94 a). Outras vezes, as paredes rematam com um capeado de pedras ladeiras, toscas ou bem aparelhadas, que, quando de placas de xisto, pode ser muito largo (fig. 332); os caibros assentam então a meio desse capeado; o colmo não o cobre totalmente, variando a distância da beira em que assentam os couces da primeira fiada conforme a exposição do vento: quanto mais exposto, mais recuado fica o colmo. Nas empenas, as ripas avançam até meio das cápeas; quando existem guarda ventos – fileiras de pedras compridas postas de cutelo sobre o capeado das empenas, que fazem por quase todas as serras graníticas do Norte uma perfeita protecção às testeiras da cobertura – as ripas encostam de topo contra esse elemento (fig. 325 e des. 94 b) (10). Num outro sistema, as paredes das empenas sobem um pouco acima da cobertura, formando também um guarda vento rematado por um largo capeado, quase sempre bem facejado, que cobre a testeira do colmaço, o qual fica amparado como dentro de uma caixa (fig. 331 e des. 94 c). Esta forma é hoje menos frequente, e encontra se ligada sobretudo a telha dos de telha caleira, de casas ou espigueiros, e também a colmaços de espigueiros (fig. 334); mas ela vê se ainda em coberturas de colmo de habitações, em aldeias a Nascente da Portela do Vade (Vila Verde), e nas brandas da Peneda.

19Cumes – Enquanto que a colocação do colmo na superfície das águas da cobertura apresenta apenas diferenças de menor importância, conforme as regiões, na factura dos cumes utilizam se processos muito variados e complexos.

20Num sistema que se pode considerar geral, a vedação do cume é feita com manadas de colmo que se soprepõem transversalmente a todo o com primento do cume, em número variável, colocando se essas manadas em sentidos alternados, e mantendo as no lugar por várias formas. Em Celorico de Basto, por exemplo, essas manadas são seguras simplesmente por uma fiada de torrões, cortando se lhes em seguida as espigas (des. 95 b). Em Lamas de Olo (Vila Real), usam se para esse efeito duas linhas de pedras. Na Gralheira, na Serra de Montemuro, a última fiada do colmo de uma das vertentes é mais subida que a da outra vertente, de modo que as espigas se dobrem, cobrindo as do outro lado (des. 95 c); sobre esse colmo dobrado estendem se as manadas de colmo, dispostas com as espigas alternadas; a prisão faz se também geralmente apenas com duas linhas contínuas de pedras. Em Alhões, igualmente no Montemuro, além das fiadas das pedras, colocam, nas vertentes mais expostas, logo a seguir a essas pedras, uma vara que é amarrada com a ponta de um pequeno grupo de palheiras des tacadas do colmo (des. 95 d); o nó dessa amarração é o mesmo que se usa para atar os molhos de centeio. Em Lodeiro de Arque (Cabeceiras de Basto), ao remate do telhado dá se o nome de sobrecúmio; sobre as manadas do cume correm duas varas paralelas – paus do sobrecúmio – afastadas cerca de 40 cm, amarradas uma para a outra por cordas de colmo, e calcadas por pedras espaçadas, de modo que cada pedra assente nas duas varas (des. 95 e, fig. 323); um pouco abaixo do pau do sobrecúmio, coloca se outra vara, a quebradeira ou cubradeira, que « quebra » o colmo para baixo, ajustando o ao pendor do telhado (figs. 316, 318, e 323); as quebradeiras ora são amarradas com vergas para as ripas que lhes correspondem, ora são enlaçadas pelas palheiras destacadas do colmaço, como em Alhões. Este processo usa se por toda a região de Basto e igualmente no Barroso. Em Perafita (Vieira do Minho), muitas vezes dobram sobre o cume as espi gas das últimas fiadas, e as usuais manadas de colmo do remate – as navalhas – são aqui frequentemente sobrepostas, em número de quatro camadas (des. 95 f ). Esta grande altura de palha no remate do cume, é também vulgar pela zona que se estende desde Basto a Penafiel e Paredes.

Des. 95 – Figuração esquemática de vários processos de factura dos cumes: a) Freixo de Espada à Cinta ; b) Celorico de Basto ; c) Montemuro, Gralheira ; d ) Montemuro, Alhões; e) Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto; f ) Perafita, Vieira do Minho.

Des. 95 – Figuração esquemática de vários processos de factura dos cumes: a) Freixo de Espada à Cinta ; b) Celorico de Basto ; c) Montemuro, Gralheira ; d ) Montemuro, Alhões; e) Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto; f ) Perafita, Vieira do Minho.

21Em Fornos (Freixo de Espada à Cinta) usam um processo bastante particular, que faz lembrar os cumes de xisto da região Nordeste de Trás os Montes: preparam no chão uma espécie de grosso cordão de palha enrolada, do comprimento do cume, a que chamam o morto, e que é colocado em seguida sobre as espigas da última fiada das vertentes que aí se encon tram unidas; sobre ele, dispõem se então pequenos feixes de colmo amar rados perto do couce, com as palheiras abertas metade para cada vertente; como tesouras. Estes feixes ficam bem apertados uns contra os outros : de cada braço aberto dum deles destacam algumas palheiras que envolvem o feixe seguinte, dão com elas duas voltas sobre si e dobram as pontas para trás, metendo as por baixo deste (figs. 319 e 322 e des. 95 a). A todo o conjunto do morto e dos feixes que o cobrem dão o nome de cavalete.

22Na cobertura dos palheiros de planta rectangular da serra algarvia, em Cavalos, por exemplo, os cumes apresentam certas particularidades. Sobre a última fiada, de cada lado das vertentes, colocam, para fechar o cume, uma fiada suplementar de manadas contínuas, com os couces para cima, cruzados com os da outra fiada sobre a linha do cume. Estas manadas são presas por uma cana pousada a todo o correr sobre elas, e amarrada para a ripa interior da armação, a espaços de cerca de 50 cm, com corda de cairo ou tamissa, como é usual naquela zona. Para que essas amarrações não fiquem expostas ao tempo, evitando que a água penetre pelos pontos ou que essa corda apodreça, cobrem cada nó com mais um feixinho de colmo, seguro seja com palheiras retiradas da camada inferior, que abra çam esse feixinho dando um nó sobre ele, seja com um vencilho de palha preso à cana e que o enlaça (fig. 320 e des. 96 a).

Des. 96 – Casos particulares do remate de cumes: a) Cavalos, Serra do Caldeirão; b) Barretos, Marvão. 0 rolo de giestas que remata o cume é apertado por ramas do mesmo material espetadas na espessura da cobertura.

Des. 96 – Casos particulares do remate de cumes: a) Cavalos, Serra do Caldeirão; b) Barretos, Marvão. 0 rolo de giestas que remata o cume é apertado por ramas do mesmo material espetadas na espessura da cobertura.

23Perto de Barretos (Marvão), o cume dos telhados de duas águas, de giesta, é formado por um longo rolo deste mesmo material, a todo o com primento, preso por pares seguidos de hastes também de giesta espetadas uma de cada lado dele e atadas em cima (des. 96 b).

24Prisão suplementar dos colmaços – Depois do fogo, o grande inimigo dos colmaços é o vento. Por isso, e principalmente nas áreas serranas, os defendem com cuidado, tentando impedir que eles sejam erguidos ou des locados. A beira das empenas é a parte mais ameaçada, e, para a proteger, usa se, por quase toda a zona montanhosa nortenha, o sistema de cápeas e guarda ventos, a que nos referimos (des. 97 b, d, e, f, g). Quando estes não existem, o processo usual de protecção, em regiões expostas ao vento, consiste em colocar ao longo dessa beirada uma fiada de pedras ladeiras, calcando a palha (fig. 319 e des. 97 a).

Des. 97 – Vários processos de defender as colmaduras do vento.

Des. 97 – Vários processos de defender as colmaduras do vento.

25A prisão do beiral pode igualmente ser feita com pedras; assim acon tece por exemplo em Freixo de Espada à Cinta. Mas este processo é raro, e o mais vulgar é aplicarem aí, sobre o colmo, varas compridas (que podem mesmo ser troncos delgados bastante tortos), que se seguem umas às outras, e que, para não escorregarem e caírem, estão amparadas por tornos de pau ou ferro cravados no capeado da parede (des. 97 b) ou amarradas aos cai bros da armação (des. 97 c). Esses tornos usam se no Barroso, por exemplo, desde Cabeceiras de Basto a Montalegre e Boticas ; em Lodeiro de Arque dão lhes o nome de cirrões, e o de lata da borda à vara que eles amparam (figs. 321 e 324).

26Além da protecção dos cumes, beirais e beiras de empenas, há que proteger as próprias vertentes. Em muitos casos essa protecção reforça aquela, estendendo se ao conjunto de toda a cobertura. Estão neste caso os pares de varas dispostas em ambas as vertentes, no sentido da sua incli nação, e cujas pontas se cruzam e ligam sobre o cume (des. 97 c, d, f) – as «cangas» ou a « jangada de paus» a que alude Viterbo no Elucidário, atrás indicadas–. Em Codeçoso (Viera do Minho), chamam tesouras a estes pares de varas; e na Junqueira (Vale de Cambra), cangas; as varas ou pernas das tesouras, que se ligam no ponto do cruzamento por pernos ou cavilhas de madeira, descem pela vertente do colmo, calcando e firmando as varas do cume que atrás citamos – paus do sobrecúmio e cubradeira –. Umas vezes elas chegam só até meio da vertente, outras vezes descem até à vara que protege o beiral. Este mesmo sistema é corrente em outras regiões, designadamente em Castro Laboreiro, Pitões, Montalegre, Albergaria das Cabras (Arouca), etc. Em Castro Laboreiro, as pernas das tesouras calcam igualmente a vara de protecção do beiral; a ligação das duas pernas sobre o cume é feita com tornos de madeira ou com uma amarração de vergas (fig. 325 e des. 97 f ). Em aldeias da serra da Freita, essa amarração, por vezes, é feita também com vencilhos de palha. Nos telhados mais rudes, de palheiros ou cortes, as tesouras nem sempre são ligadas no ponto de cruzamento; elas calcam em certos casos a ramagem desordenada que se espalha sobre o colmo (des. 97 d). Em algumas áreas não se usa esta tesoura, e no seu lugar empregam paus que se colocam na mesma posição daquelas pernas, mas que não atingem o alto do cume (des. 97 e). Em Lodeiro de Arque, por exemplo, esses paus – os travessos – são postos apenas nas vertentes dos telhados mais expostos (figs. 316 e 318); eles calcam muitas vezes uma arge (ramagem) de giesta, e no alto prendem a cubradeira. Nos telhados de quatro águas, põem se paus nas arestas dessas águas – os guieiros (Lodeiro de Arque) – (fig. 321). Os travessos aparecem por outras aldeias barrosãs do concelho de Cabeceiras de Basto, e também na parte alta do concelho de Vila Verde, por exemplo em Gondomar.

27Em certas partes da serra da Freita (Arouca), especialmente na aldeia do Merujal, os colmaços têm um aspecto muito especial: a parte inferior das águas da cobertura é um capeado largo, de rudes lascas de xisto; daí até ao cume ela é de colmo, disposto em camada extremamente espessa, que nasce abruptamente dessa beirada de xisto, fazendo degrau; além das tesouras, amarradas com corda de palha, usam ali ainda uma vara horizontal sobre elas, calcada por uma fiada de pedras (figs. 326, 327 e 328).

28Na Gavieira e certas brandas da serra da Peneda, sobre a camada de colmo grosseiramente estendido dispõem se galhos delgados atravessados, e sobre eles outros ainda, mais grossos, fazendo tesoura. Mais recentemente, divulgou se o uso de arames atravessados sobre as vertentes, horizontalmente, de empena a empena, esticados por pedras que ficam suspensas das pontas, contra a parede das empenas (figs. 329 e 300 e des. 97 h). No Montemuro, geralmente não se usa qualquer prisão do colmo nas vertentes da cobertura; na aldeia de Alhões, contudo, nas vertentes mais expostas ao vento, atraves sam varas sobre elas, por vezes amarradas umas para as outras por cordas de palha (des. 97 g).

  • 11 ) É sobejamente conhecido o uso, em todas as regiões ventosas, seja na Serra, na Ribeira, ou na Bei (...)

29O uso de pedras ou paus sobre o colmo, nos sítios em que ele ameaça levantar se, é bastante corrente, e em certas regiões ele é mesmo muito acentuado; tal é o caso das aldeias do Barroso e do Alvão, onde frequen temente o colmo coexiste com a telha – aquele sobretudo para a parte superior das coberturas, esta para a parte inferior (11) –.

30Uma colmadura pode durar muitos anos, mas tem de sofrer compos turas frequentes. Umas vezes essas composturas consistem em estender sobre o colmo velho outra camada de colmo novo; deste modo, a espessura da palha na cobertura vai aumen tando, chegando a atingir, em casas antigas, mais de 70 cm. Outras vezes é apenas uma pe quena zona que se deteriorou : o colmo apodreceu e fez cova, a água empoça e penetra para dentro. Neste caso a compostura limita se a esse sector : levanta se o colmo ainda em bom estado, logo acima da parte a substituir, com o fueiro ou chuço (ou, em Tecla, com a espadela) enfiando o de través, erguendo o duma ponta e apoiando essa ponta no galho da estaca, a qual pousa na cobertura. Remove se o colmo estragado, e substitui se por outro novo, que se mete com as pontas do lado da espiga dobradas, de modo a facilitar a sua entrada sob o colmo antigo que se lhe irá sobrepor, e se encontra levantado pelo chuço ou espadela; os couces são em seguida batidos e alisados com a colmadeira (fig. 313, 315 e 317).

Des. 98 – Barroso. Abertura na cobertura de colmo para saída do fumo.

Des. 98 – Barroso. Abertura na cobertura de colmo para saída do fumo.

31Nas composturas, em certas partes, por exemplo Venda Nova (Barroso), o colmador trabalha de preferência ajoelhado.

32Nestas coberturas, muito raramente existe chaminé; o fumo escapa se mal, quase sempre apenas pelas portas e janelas da cozinha, ou, quando muito, por uma pequena abertura que se obtém soerguendo um pouco o colmaço (des. 98). Por isso, na zona que corresponde à cozinha, interior mente, a superfície da palha e as madeiras da armação ficam, pela acção do fumo, cobertas por uma camada de alcatrão, negra e brilhante. E quando é preciso destruir um destes colmaços, vê se a palha intacta, as palheiras direitas coladas umas às outras, mas de uma tão grande fra gilidade que a mais ligeira pancada as desfaz.

b) Coberturas em pedra

33Além das construções em falsa cúpula, que constituem um caso espe cial e que já estudamos, existem em determinadas áreas coberturas tam bém em pedra mas lineares e em duas ou mais vertentes, de tipos e estru turas completamente diferentes daquelas, aplicadas a edifícios de planta quadrangular. A este respeito distinguiremos o xisto e o granito.

  • 12 ) Na região de Valongo, entre o Porto e Penafiel, onde existe um xisto ardósio, extraído de poços p (...)

34Xisto – Em todas as áreas do País em que um xisto duro pode ser fendido em lâminas pouco espessas, estas foram usadas como material nor mal de cobertura (12). Em telhados de pouca, inclinação, essas lascas podem ficar apenas pousadas, sem qualquer prisão à armação, dispostas em escama, as de cima sobrepondo as beiras das de baixo. Mais geralmente porém, elas são seguras por um ou dois pregos que entram em buracos abertos junto da beira superior, cravados nos barrotes da armação (figs. 337 e 340); estes buracos são cobertos pela beira da placa seguinte.

35Onde o xisto permite a extracção de placas delgadas e de espessura mais certa, como acontece no canto Nordeste de Trás os Montes, em Rio de Onor, Baçal, Aveleda, França, etc., e pela Lomba de Vinhais, as cober turas, ali frequentemente de duas águas pouco inclinadas, mostram se bas tante lisas e desempenadas; o beiral é feito de placas escolhidas pelo seu tamanho e maior perfeição, bem cortadas, de modo a permitirem uma beira linear (figs. 343 e 344). Na Campeã e em certas outras aldeias do Marão (por exemplo Covelo do Monte), os telhados deste material – que são também por vezes de factura mais cuidada – têm as juntas tomadas a argamassa (fig. 339).

36Mais correntemente, contudo, as coberturas são de lascas grosseiras, aplicadas com a forma irregular com que saíram da pedreira, de tamanhos e espessuras muito diversas, desenhando um riscado desordenado e capri choso. É o que se observa ainda em outras aldeias do Marão (por exem plo Campanhó e Pardelhas) (fig. 336), e na área montanhosa que vai de Arouca até à ribeira do Vouga (figs. 341 e 342). Nesta última zona, a lousa ora cobre toda a cobertura, ora, como dissemos, por exemplo na aldeia do Merujal, apenas a sua parte inferior, sendo a superior coberta a colmo. Esta modalidade só a encontramos na serra da Freita. Pelo contrário, é extrema mente corrente as placas de xisto constituírem um capeado que faz de beiral, sobre o qual assenta a primeira fiada de colmo. Esse capeado de lousas ora rudes ora bem talhadas, representa nas terras do xisto, o mesmo que o capeado vulgar de granito nas serras do Norte. Quando passou a ser usada a telha caleira, e mais tarde a de tipo Marselha, a beirada de lousa perma neceu, e permanece ainda em inúmeros lugares, por ser mais resistente e eco nómica que um beiral de telha. Em muitos casos, a espessura das paredes das empenas é coberta por um capeado semelhante, cada placa sobrepon do se à beira da placa anterior, permitindo o escoamento das águas da chuva. A essas lascas do capeado dão o nome de algerozes, por toda a mancha xis tosa que se estende desde a Trofa até Arouca. Ele vê se ainda na serra da Lousã, Moimenta da Beira, etc.

37A fixação das últimas lascas que fazem o cume das coberturas e a melhor vedação deste obtém se de maneiras diferentes. Numa forma mais elementar e corrente por várias áreas, nomeadamente em aldeias do Marão e da Freita, coloca se ao longo do cume, sobre as lascas pregadas, uma espessa camada de torrões, que se escolhem de terra cheia de raizame (fig. 342 e des. 99 a). Em lugares onde o contacto do granito e do xisto permite obter estes dois materiais, como sucede por exemplo em Alber garia das Cabras (Arouca), os torrões são em muitos casos substituídos por caleiras de granito extremamente toscas, designadas ali por telhões (des. 99 b). Telhões deste género, de talhe mais perfeito, têm sido empre gados naquela aldeia em coberturas recentes, como vedação das juntas entre as lascas de lousa da cobertura e os algerozes das empenas, em situação semelhante aos guarda ventos de granito em coberturas de colmo (des. 99 c). Numa outra forma, também frequente, todas as lascas da vertente dum lado avançam sobre a outra vertente, de modo a protegerem a fenda do cume, do lado das chuvas dominantes, sem que se faça qualquer outra veda ção (des. 99 d). Normalmente estas placas são pregadas, mostrando o incon veniente de ficarem os buracos dos pregos desabrigados. Em Sernadinha (S. Pedro do Sul), para obviar a esse inconveniente, na beira das placas que ficam em avanço cravam tornos de pau, que apoiam nas lousas da outra vertente que lhes servem de batente, impedindo que aquelas placas escorreguem (des. 99 e). Num outro processo ainda, mais perfeito, e vulgar no Nordeste trasmontano, as lascas do cume são escolhidas, estreitas e pequenas, e dispõem se de modo a subirem acima do cume para um e outro lado, alternadamente. Rasgos abertos em todas elas, um em cada lado, permitem que se penetrem e fiquem firmemente presas (fig. 344 e des. 99 f).

Des. 99 Processos de vedação dos cumes, em coberturas de xisto.

Des. 99 Processos de vedação dos cumes, em coberturas de xisto.
  • 13 ) Em algumas aldeias do concelho de Seia, o xisto, nas coberturas, cedeu com pletamente o lugar à t (...)

38É de presumir que desde há muito o xisto seja um material empregado no País na cobertura de habitações ou anexos rurais; mas não possuimos informações sobre a data em que ele teria começado a substituir qualquer cobertura vegetal. O que se sabe é que em tempos muito recentes essa substi tuição ainda se processava: na aldeia de Santa Comba (Paredes), onde, entre alguns telhados de telha, subsistem os telhados de xisto, está ainda na memória dos velhos a maior parte das casas terem sido cobertas de colmo. Hoje, por sua vez, os telhados de lousa vão desaparecendo, substituídos por telha (13). Ainda há poucos anos o vale da Campeã, no Marão, visto do alto da Pena Soar, aparecia pintalgado das pequenas manchas azuladas da cobertura do casario. Hoje poucas restam, e os telhados vermelhos fize ram lhe perder grande parte da sua originalidade. Mas, na outra vertente do monte, a aldeia de Campanhó surge ainda com os seus telhados azuis de três e quatro águas, mais coloridos que as paredes sombrias, onde uma ou outra chapada caiada dá uma nota de alegria (fig. 336). E é ainda esse azul negro da lousa que continua a apontar as aldeias bragançanas, encaixadas nos fundos dos vales viçosos, e rodeadas pelas suas faceiras e lombas de estevais.

Des. 100 – Arga de Cima, Caminha. Espigueiro de pedra.

Des. 100 – Arga de Cima, Caminha. Espigueiro de pedra.
  • 14 ) Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Espigueiros Por tugueses», pp. 68 71, (...)

39Em todas essas regiões do Noroeste onde existem xistos aproveitáveis, as coberturas dos espigueiros são também geralmente nesse material. Nos altos da serra de Arga, no distrito de Viana do Castelo, os espigueiros são mesmo inteiramente em xisto – com excepção da porta –, de carácter por vezes megalítico, e de uma factura, em regra muito grosseira. A sua cobertura, como os demais elementos do pequeno edifício, é em lascas de piçarra, a que dão o nome de em paras, com as beiras apenas esmoucadas à marreta, e com as juntas recobertas por telhões igualmente em pedra, mal afeiçoados, delgados e compridos, como os acima descritos ; esta rude e pesada cobertura apoia em cangas também de pedra que saem dos lados muito além das colunas em que assentam (e que constituem as paredes do edifício), ultrapassando em alguns exemplares mesmo o beiral das emparas, e prendendo estas com um ressalto na ponta do seu rebordo superior (fig. 333 e des. 100) (14).

40Granito – Contràriamente ao que sucede com o xisto, as coberturas em granito nunca constituem uma forma geral e normal nas áreas onde ocorrem, e usam se apenas em determinadas categorias de edifícios, aliás pouco numerosos e que não são propriamente casas de habitação. Elas são típicas nomeadamente dos fornos comuns das aldeias barrosãs, e dos espigueiros de certas zonas do Alto Minho. Essas coberturas são sempre em duas águas e em placas geralmente de grandes dimensões, dispensando por isso a habitual armação de madeira, que de resto mal aguentaria o seu peso; e assentam em possantes peças de pedra que desempenham a função da armação. Nesses fornos comuns do Barroso, elas são muitas vezes em enor mes lajes bem talhadas e aparelhadas, apoiadas em colunas, padieiras que vão de lés a lés das paredes laterais em que pousam, ou arcos reforçados por gigantes. Exteriormente, essas lajes dispõem se como as telhas, em fiadas a partir do beiral, o bordo inferior de cada fiada trincando o bordo superior da fiada que lhe fica abaixo (fig. 346); os cumes são por vezes vedados com os telhões de granito.

  • 15 ) Id., pp. 60-68, esp. 62.
  • 16 ) Id., pp. 78 80, esp. 79.

41Numa área do concelho de Ponte da Barca, que corresponde ao curso superior do rio Lima português (e que aliás se prolonga pela Galiza), nas aldeias do Lindoso, Parada, Cidadelhe, Soajo, etc., encontra se, a par de outros, um tipo de espigueiro que, por sua vez, é inteiramente de gra nito, constituindo uma das manifestações mais notáveis não só desta classe de edifícios, mas mesmo da construção popular em geral entre nós. A sua cobertura de duas águas é de finas lajes dessa pedra, iguais nas duas águàs – os capeados de lousas –, que repousam sobre uma estrutura de cangas ou jugos igualmente em pedra, que vão de parede a parede, insertos entre linteis laterais que rematam estas. É o tamanho das lajes da cober tura que regula a distância entre essas cangas. No cume, e de laje a laje, outras peças, .igualmente de granito, em meia cana, rematam as juntas e fazem a vedação da cobertura, tal como os telhões em outros casos. Todas as peças são primorosamente talhadas; as padieiras com frequência levam datas, medalhões ou vasados ornamentais, e nos topos do cume vêem se quase sempre quaisquer ricos elementos decorativos, cruzes, urnas ou pirâmbulas (15 ) (fig. 335). Pela orla litoral do Alto Minho, os espigueiros têm também em certos casos a cobertura em granito, embora de um tipo diferente do que vimos no Lindoso: os lintéis, servindo de frechal, também de granito, apoiam nas colunas que enquadram os painéis do ripado de madeira; entre eles colocam se as cangas, igualmente de granito, que neles engrenam de modo complexo; não raro, essas cangas saem fora do plano dos linteis, lembrando uma cachorrada românica, ou mostram as pontas lavradas em remates decorativos; nas formas mais antigas, o telhado é de duas águas, muito baixas; a cobertura é de lajes, delgadas e regulares, que pousam sobre os lintéis e as cangas, e com telhões de pedra. Por vezes as lajes de pedra, ou lanchas, são grandes blocos maciços que vão de lintel a lintel, em que se talharam, na face superior, as duas (ou quatro) águas do telhado, e que são cavadas na face inferior, de modo a formar abóbada, dispensando, desse modo, as cangas. Em certas partes, como Lanhelas, Dém, etc., a face superior das cangas, onde apoiam as lajes da cobertura, fica mais alta do que os lintéis laterais, e por isso, entre estes e a cobertura, vê se uma estreita fenda comprida, de arejamento (16).

42Este mesmo género de cobertura usa se também em certas outras pequenas construções – fontes de «chafurdo» trasmontanas e beiroas, por exemplo –; e em formas muito toscas e rudes, e até muitas vezes apoiada em troncos brutos de madeira, em pequenos moinhos de rodízio serranos, na Peneda, Soajo, etc., certamente por se tratar de um material que não se estraga, não obriga a composturas, e não pode ser roubado (fig. 345).

c) Coberturas de terra

  • 17 ) Descrição feita pelo aluno do curso de Geografia Humana da Faculdade de Letras de Coimbra, do ano (...)

43Na ilha de Porto Santo, as casas são em geral térreas e de planta rectan gular, com paredes de pedra calcária – a pedra d’ areia – solta ou caiada e rebocada, e duas portas e uma janela, e com telhados de uma, duas, três e quatro águas; mas, diversamente do que sucede na Madeira, elas têm cober tura não de palha (que é escassa e se destina integralmente à alimentação dos animais), mas de terra – o salão, barro pardacento, de grande aderên cia, que greta e esfarela com a torreira do Verão, mas que chupa as primeiras chuvas, tornando se então esponjoso e impermeável a toda a prova–. Esss salão é espalhado sobre um forro, de tábuas, canas ou – mormente em pequenas construções anexas ou mais rudes– troncos ou ramos de cedros, varedo delgado ou mato (17 ), pregado sobre os caibros da armação, que ficam distanciados uns dos outros cerca de 50 cm, e lançados dos frochais, que rematam as paredes, à trave do cume, de mãos dadas para cada água. O salão é amassado com água, e estendido sobre esse forro, cobrindo ainda parte do capeado saliente que remata as paredes. Interiormente a casa pos sui apenas três divisões: sala de entrada, quarto de dormir, e cozinha (que porém muitas vezes se situa num pequeno corpo saliente, com telhado de uma só água). O pavimento é de terra batida. A cozinha tem a lareira de pedra, para onde abre a boca do forno, cujo bojo fica saliente pelo lado exterior. «Se há dinheiro bastante, o que raramente acontece, dá se à casi nha a nota alegre das telhas vermelhas »; mas a cobertura de salão vê se ainda em cerca de metade da totalidade das casas da ilha. Aliás, embora menos vistoso do que a telha, ele, além de mais barato, é «mais resistente à investida dos ventos» (fig. 347).

2) Elementos acessórios da construção

a) Em materiais vegetais

44Todas as formas de colmagem que acabamos de descrever são aplicadas a coberturas de habitações, palheiros, currais e outras dependências agrí colas. E, como vimos, o colmo usa se igualmente no revestimento de abrigos de pastores ou guarda de campos.

45Além desses casos, porém, o colmo e certos outros materiais vegetais são usados ainda em diversas outras aplicações. Assim, na Lomba de Vinhais vêem se frequentemente molhos de palha empilhados uns ao lado dos outros, fazendo de parede de palheiros.

46No Alentejo usam se, as mais das vezes, esteiras vegetais, de protecção, para recobrir serras ou medas de palha. No Sul da Província, em Almodóvar, para tal operação – a que dão o nome de assetiar a serra – espetam se no chão limpo dois pregos grandes, distanciados aproximada mente o comprimento da serra a revestir ; de um ao outro passa se uma baracinha de cairo, sobre a qual se vão dispondo as manadas de colmo – as manchinhascosidas a ponto àquela baraça (des. 101a); a esteira é em seguida aplicada contra a superfície da serra, que fora prèviamente batida com uma forquilha e alisada com uma vara que se passa ràpidamente ao longo dela. O revestimento começa naturalmente de baixo para cima, sendo essas esteiras fixadas à palha da serra por ganchos de estevas (des. 101b). O cume, que até ao momento do revestimento da serra fora resguardado com sacos ou esteiras presas por pedras suspensas, é rematado com feixes seguidos de colmo, cada um aberto em duas pernas, presos por uma cana em cada vertente; essas canas são mantidas no lugar por meio de um fio que passa pelo alto e é esticado para cada lado pelo peso de uma pedra (des. 101 c).

  • 18 ) É o processo que vimos usar na malhada de Juromenha atrás descrita (texto correspondente a Nota 3 (...)

47Em S. João dos Caldeireiros, essas esteiras eram de feixinhos enlaçados com duas cordas de palha (des. 102 f). Mais frequente porém que o pro cesso das esteiras é ali o revestimento executado contra a própria superfície da serra: depois desta ter sido batida e alisada com a forquilha, delgada e comprida, feita de um ramo bifurcado na ponta (des. 102 a), as manchinhas de colmo, junco, ou mesmo ramos de loendro, são aplicadas uma a uma contra a serra, em várias fiadas, desde baixo até ao cume, espetando se na palha a ponta duma vara de loendro verde de cerca de 80 cm, e colocan do-se contra ela a manchinha de modo a poder ser enlaçada por aquela, a meio do seu comprimento (des. 102 b); essa vara dá a volta sobre a manchinha, já com uma laçada preparada (des. 102 c), e por esta laçada espeta se outra vara (des. 102 d), puxando a ponta da primeira; a manchinha fica apertada, e a ponta da segunda vara fica livre, pronta a enlaçar a manchinha seguinte (figs. 349 e 350 e des. 101 e) (18 ). As duas fiadas inferiores ficam com os couces para baixo; as seguintes ao contráro; e a do alto dispõe se de modo a cruzar os couces com os da fiada da outra vertente.

Des. 101 – Almodóvar. Pormenores do revestimento das serras de palha.

Des. 101 – Almodóvar. Pormenores do revestimento das serras de palha.

48Em Mértola – Alcaria Ruiva, Vale de Açor, etc.–, as serras são pre ferentemente cobertas com esteiras de palha tabua (geralmente apenas em número de três ou quatro fiadas, porque esse material é muito comprido), que se preparam igualmente no chão, enlaçando a palha junto ao couce com dois cordões de cairo (des. 103 a), e que se aplicam também de baixo para cima da serra, presas por agulhas de loendro ou sargaço espetadas ao longo do cordel, em cada fiada (des. 103 a). A prisão de algumas fiadas é ainda reforçada com canas presas por duas varinhas que se espetam contra a serra, uma de cada lado da cana, e cujas pontas dão um nó sobre esta (des. 103 b).

49Em Moura – Póvoa, etc. – o revestimento é, como em Mértola, pre ferentemente de palha tabua, aplicada directamente sobre a serra como no segundo sistema que descrevemos em S. João dos Caldeireiros. As pontas inferiores da palha de cada fiada são ainda presas por uma espécie de grampos dispostos em linha, formados por dois raminhos que se espetam na serra à distância de cerca de 30 cm um do outro, dobrando as pontas e amar rando se sobre a tabua do revestimento (des. 103 c).

Des. 102 – S. João dos Caldeireiros, Mértola. Pormenores do revestimento das serras

Des. 102 – S. João dos Caldeireiros, Mértola. Pormenores do revestimento das serras

50No Alto Alentejo, usa se de preferência o processo dos veios de palha humedecida, já descrito a respeito do revestimento das cabanas, e que são aplicados de baixo para cima, directamente sobre as vertentes a recobrir; por vezes, os veios são amparados por canas, firmadas por agulhas cravadas na serra.

51Em Viana do Alentejo, por exemplo, esses veios são de palha tabua, preparados no chão e transportados como vimos atrás (des. 65), e ficam presos geralmente por três agulhas de cana em cada veio.

52Na região de Eivas, as serras ou almeadas, são recobertas de palha cen teia por um processo semelhante também ao segundo sistema de S. João dos Caldeireiros (des. 104): a palha é aplicada directamente sobre a almeada, e cosida com uma trança de ramos de talassa verde (ou, quando seca, demo Ihada). Nas testeiras da almeada (que são aprumadas), quando o revesti mento se começa a fazer a partir do solo, as pontas que sobrepõem a fiada anterior inferior são ainda por vezes presas por uma segunda trança, que fica à vista (des. 104 c). Quando o revestimento se começa a partir do alto, as pontas superiores da segunda fiada (e seguintes) recobrem as pontas da fiada seguinte, inferior, sendo a trança aplicada nessa altura, ficando à vista e prendendo as extremidades sobrepostas das duas fiadas (des. 104 b); a segunda trança é por isso dispensada. Ao longo do cume estendem um rolo de palha – o chouriço – no sentido longitudinal, fixado por paus de cerca de 50 cm de comprimento, aguçados e espetados verticalmente a todo o correr; as últimas fiadas, superiores, das vertentes, assentam os couces sobre esse rolo, recobrindo o, e a sua prisão é reforçada por uma segunda trança, que também fica à vista (des. 104 a). Às vezes, as arestas das empenas são igualmente reforçadas por um pequeno rolo de palha, fixado por uma série de passarinhos – duas varinhas que se espetam contra a serra e cujas pontas se amarram sobre o rolo (des. 104 d), como vimos em Mértola para a prisão das canas de reforço.

Des. 103 – Vale de Açor, Mértola e Póvoa, Moura. Pormenores do revestimento das serras de palha.

Des. 103 – Vale de Açor, Mértola e Póvoa, Moura. Pormenores do revestimento das serras de palha.

53Noutros pontos do País, encontram se também esteiras de colmo (ou, mais raramente, de certos outros materiais vegetais), como elementos aces sórios da construção, servindo nomeadamente de vedação a quaisquer aber turas. Na Lombada de Bragança, por exemplo, a espécie de cortina que protege algumas portadas de janelas, é uma verdadeira esteira, em que os feixes são dobrados sobre uma vara, com as dobras enlaçadas por dois cordões de palha (como nos abrigos dos pastores da região de Sernan celhe, que já descrevemos); essa vara, donde pende a esteira, é pousada de través sobre uns cachorros, pelo lado exterior da padieira da janela (fig. 352). Nas velhas casas de lavoura do Mindelo (Vila do Conde) usa vam se também esteiras deste mesmo género – as caniças –, que fecha vam completamente, como um cortinado, as empanadas abertas das casas de eira ou varandas (fig. 353); estas caniças vêem se hoje já muito raramente.

Des. 104 – Terrugem, Elvas. Pormenores do revestimento das serras de palha.

Des. 104 – Terrugem, Elvas. Pormenores do revestimento das serras de palha.
  • 19 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Casas da Murtosa », in «Tra balhos de Antropologia (...)

54Não é porém o colmo o único material aproveitado para estes ou seme lhantes elementos acessórios da construção. O alpendre aberto de certas velhas casas da Murtosa, que por um lado dá para a sala ou a cozinha, e por outro para a eira, e onde se recolhe o cereal que ali secava – milho, feijão, etc. –, é, quando chove, fechado por vezes de modo semelhante ao que vimos nas varandas de Vila do Conde, por esteiras de tabua (bunho), presas às colunas que sustentam o telhado (19 ).

313 – Tecla, Celorico de Basto Compostura duma cobertura de casa em colmo

313 – Tecla, Celorico de Basto Compostura duma cobertura de casa em colmo

314 – Sendim, Montalegre Interior duma cobertura. Ripado de varedo amarrado com vencilhos

314 – Sendim, Montalegre Interior duma cobertura. Ripado de varedo amarrado com vencilhos

315 – Tecla, Celorico de Basto Colmagem duma casa

315 – Tecla, Celorico de Basto Colmagem duma casa

316 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo, preso por travessos

316 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo, preso por travessos

317 – Tecla, Celorico de Basto Assentamento do colmo com a colmadeira

317 – Tecla, Celorico de Basto Assentamento do colmo com a colmadeira

318 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo, seguro por travessos

318 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo, seguro por travessos

319 - Fornos, Freixo de Espada à Cinta Palheiro. Cobertura de colmo em degraus

320 - Cavalos, Loulé Palheiro Pormenor do cume

320 - Cavalos, Loulé Palheiro Pormenor do cume

321 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo com guieiros e latas de borda

321 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo com guieiros e latas de borda

322 – Fornos Freixo de Espada à Cinta Pormenor do cume da fig. 319

322 – Fornos Freixo de Espada à Cinta Pormenor do cume da fig. 319

323 – Lodeiro de Arque Cabeceiras de Basto Cume e paus do sobrecúmio presos por pedras

323 – Lodeiro de Arque Cabeceiras de Basto Cume e paus do sobrecúmio presos por pedras

324 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Pormenor dum capeado de granito com cirrões nele cravados, amparando a lata da borda

324 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Pormenor dum capeado de granito com cirrões nele cravados, amparando a lata da borda

325 – Castro Laboreiro Branda da Portela Casas com guarda ventos e cobertura de colmo seguro por tesouras

325 – Castro Laboreiro Branda da Portela Casas com guarda ventos e cobertura de colmo seguro por tesouras

326 – Merujal, Arouca Casas cobertas com xisto e colmo, preso por tesouras e pedras

326 – Merujal, Arouca Casas cobertas com xisto e colmo, preso por tesouras e pedras

327 – Merujal, Arouca Cobertura de colmo recoberto de varedo seguro por tesouras e pedras

327 – Merujal, Arouca Cobertura de colmo recoberto de varedo seguro por tesouras e pedras

328 – Merujal, Arouca Cobertura de colmo protegida do vento por ramagens, tesouras e pedras

328 – Merujal, Arouca Cobertura de colmo protegida do vento por ramagens, tesouras e pedras

329 – Serra da Feneda, Branda da Junqueira Colmaços

329 – Serra da Feneda, Branda da Junqueira Colmaços

330 – Serra da Peneda, Branda da Junqueira Colmaço preso por fios de arame esticados por pedras suspensas contra as empenas

330 – Serra da Peneda, Branda da Junqueira Colmaço preso por fios de arame esticados por pedras suspensas contra as empenas

331 - Gondomar, Vila Verde Guarda ventos com cápeas

331 - Gondomar, Vila Verde Guarda ventos com cápeas

332 – Alvre, Paredes Capeado largo de xisto; cobertura de colmo

332 – Alvre, Paredes Capeado largo de xisto; cobertura de colmo

333 – Arga de Baixo, Caminha Espigueiro inteiramente em pedra

333 – Arga de Baixo, Caminha Espigueiro inteiramente em pedra

334 – Vilarinho da Mó, Boticas Espigueiro com cápeas e guarda ventos e cobertura de colmo

334 – Vilarinho da Mó, Boticas Espigueiro com cápeas e guarda ventos e cobertura de colmo

335 - Parada, Ponte da Barca Conjunto de espigueiros de pedra

335 - Parada, Ponte da Barca Conjunto de espigueiros de pedra

336 – Campanhó, Mondim de Basto Telhados de xisto

336 – Campanhó, Mondim de Basto Telhados de xisto

337 - Campanhó, Mondim de Basto Assentamento das lascas de xisto na cobertura de uma casa

337 - Campanhó, Mondim de Basto Assentamento das lascas de xisto na cobertura de uma casa

338 – Campanhó, Mondim de Basto Cobertura de xisto. Torrões a colmatar a junta dos guieiros

338 – Campanhó, Mondim de Basto Cobertura de xisto. Torrões a colmatar a junta dos guieiros

339 – Covelo do Monte, Amarante Cobertura de xisto com as juntas tomadas a argamassa

339 – Covelo do Monte, Amarante Cobertura de xisto com as juntas tomadas a argamassa

340 – Campanhó, Mondim de Basto Pormenor duma cobertura em xisto

340 – Campanhó, Mondim de Basto Pormenor duma cobertura em xisto

341 – Manhouce, S. Pedro do Sul Cobertura de xisto. Cumes recobertos por telhões ou seguros por tornos de madeira

341 – Manhouce, S. Pedro do Sul Cobertura de xisto. Cumes recobertos por telhões ou seguros por tornos de madeira

342 – Albergaria das Cabras, Arouca Coberturas de xisto. Cumes recobertos por torrões

342 – Albergaria das Cabras, Arouca Coberturas de xisto. Cumes recobertos por torrões

343 – Rio de Onor, Bragança Coberturas e chaminés em xisto

343 – Rio de Onor, Bragança Coberturas e chaminés em xisto

344 – Aveleda, Bragança Coberturas em xisto

344 – Aveleda, Bragança Coberturas em xisto

345 – Soajo, Ponte da Barca Moinhos de rodízio cobertos por lajes de granito

345 – Soajo, Ponte da Barca Moinhos de rodízio cobertos por lajes de granito

346 – Padornelo, Montalegre Forno comunitário coberto por lajes de granito

346 – Padornelo, Montalegre Forno comunitário coberto por lajes de granito

b) Em pedra

55Em todas as áreas de xisto do Alto de Trás os Montes, grandes placas oblongas desse material, estreitas, mais ou menos espessas, e muito com pridas – por vezes com 2 m e mais de altura –, são utilizadas, postas a prumo e sem qualquer afeiçoamento, como colunas ou pilares de sus tentação da varanda típica da casa dessa região, aberta, de madeira, em ressalto sobre a fachada, assente nas pontas salientes dos barrotes do soa lho e recoberta por uma pala da cobertura, e na qual, geralmente, desem boca a escada de acesso ao andar. Por vezes é mesmo nesses pilares de xisto, eventualmente prolongados por um prumo de madeira, que apoia a armação do tejadilho que recobre igualmente a escada (fig. 354).

56Também nas áreas de xisto, e especialmente em Trás os Montes, com frequência utilizam se lajes desse material em bruto, compridas, largas e relativamente pouco espessas, mal enterradas no solo e postas simplesmente ao alto, fazendo de muros de vedação, geralmente de pocilgas ou anexos rurais (fig. 355).

  • 20 ) Veja se um exemplo referido a Ermelo (Marão), em « Arquitectura Popular em Portugal » ,Vol. 1, p. (...)

57Finalmente, em pequenas placas finas, também em bruto, ele vê se, nessa mesmas áreas, fazendo de cachorros para vasos, cravados na parede, de cada lado dos peitoris das janelas das casas (20 ).

  • 21 ) Vejam se exemplos referidos a Malhada Sorda e Nave de Haver em «Arqui tectura Popular em Portugal (...)

58Grandes lajes de granito, largas, finas e altas, postas a prumo, fazem, de modo semelhante, em vários pontos da sua área respectiva, de paredes – ora seguidas e coladas umas às outras, ora, por vezes, nomeadamente na Beira Alta, Malhada Sorda, Nave de Haver, etc., encastoadas e em destaque no restante da parede em pedra miúda (21).

3) Diversos

a) Tabiques (22)

  • 22 ) Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira, «Sistemas de construção com madeira e mate riais deves – Um tipo (...)
  • 23 ) Excluímos portanto do conceito de tabique as paredes em tijolo, que por vezes são também designad (...)
  • 24 ) Neste caso, por vezes, as tábuas onde se prega o fasquio ficam um pouco afastadas, e o espaço ent (...)
  • 25 ) por vezes, essas paredes exteriores são, não pròpriamente em tabique, mas num sistema que se pode (...)

59Denominamos tabiques as paredes construídas com madeira e mate riais leves, revestidos de argamassa (23). Em Portugal, o tabique normal é feito de tábuas grosseiras – por vezes mesmo casqueiros –, com cerca de 3 cm de espessura, postas ao alto, pregadas aí e em baixo aos barrotes do soalho, e às quais se prega, por sua vez, o fasquio, ou sejam finas réguas mal aparelhadas, outrora de secção rectangular, hoje em geral trapezoidal, com cerca de 3 cm de largura no lado maior, dispostas em filas paralelas distanciadas cerca de 5 cm umas das outras; tábuas e fasquio são normal mente em pinho; as massas grossas – outrora cal e saibro, muitas vezes misturadas com palha cortada, hoje, cal, areia e gesso–, são chapadas contra essa armação, e, secando, ficam presas entre as réguas do fasquio, servindo de base aos revestimentos finais. Este processo é ainda hoje cor rente, mormente para divisórias interiores (24); mas, em diversas regiões, ele usa se também em paredes exteriores de certos elementos da casa – nomeadamente: no revestimento das varandas fechadas das áreas rurais nortenhas ; nas paredes de corpos altos característicos da casa do Médio e Baixo Douro; etc. Nas cidades, as trapeiras, varandins, andares suplemen tares, ou outros acréscimos, das casas antiquadas, são geralmente também em tabique, com o reboco da cal à vista ou recoberto de telha a prumo, lousa em escama, chapa zincada, ou outros materiais similares. E, nos velhos bairros, as próprias fachadas de muitas casas, acima de um rés de chão de pedra, são igualmente em tabique; tal é particularmente o caso das antigas construções com os andares em ressalto, cujas paredes se erguem, por essa razão, a partir de uma trave de madeira que apoia nas pontas salientes do barrotamento do soalho, e que, consequentemente, têm que ser leves (25).

60Em alguns casos, raros, por exemplo em Terras de Basto, nos tabiques exteriores, o fasquio é revestido interiormente, antes de se aplicarem as massas, por placas de cortiça, que funcionam coma isoladores, contra o frio, o calor e a humidade.

61Em Trás os Montes vimos mais dois tipos de tabiques: em Guadramil, numa parede exterior, vedando até ao cimo o topo de uma varanda em ressalto, ao nível do andar, o suporte da argamassa era um encanastrado de varedo – uma « fachinagem », que deve assemelhar se à que se usava em certas casas dos nossos castros, como vimos – cujos prumos, a partir do soalho, pregavam no alto aos madeiramentos do tejadilho (fig. 351). Em Rio de Onor e na Mofreita, por seu turno, em divisórias interiores, esse suporte era uma espécie de esteira de rolos de palha.

  • 26 ) yer adiante texto correspondente a Nota 346.

62Em certas zonas da Beira Alta, por exemplo em Santa Comba, e tam bém em Tortozendo (Covilhã) usa se um outro género de tabique exte rior, a que dão o nome de taipa (26), e que é formado por uma grade de barrotes a prumo, que, no andar térreo, se elevam sobre um soco baixo de pedra, distanciados cerca de 30 a 40 cm, com ripas horizontais a eles pregados em ambas as faces, a cerca de 20 a 30 cm umas das outras; os vazios entre estas peças enchem se seguidamente com uma mistura de barro e palha amassada com água (e hoje, preferentemente, com cacos de telha, sobre os quais se aplicam as massas, que assim « puxam » mais depressa).

  • 27 ) Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros», pp. 79, 81 e 86, e des. 22 e figs (...)

63Finalmente, no Centro Litoral, ao Sul do Mondego, o tabique leva o nome do enxaimel; e, nos «palheiros» de tabuado característicos da beira -mar dessa zona, na Cova e Costa de Lavos, na Gala e na Leirosa, usa se, no revestimento interno de certas paredes exteriores, um enxaimel espe cial, em que as réguas do fasquio, afastadas mais de 10 cm umas das outras, firmam contra o tabuado exterior um enchimento feito de canas postas ao alto entre os prumos verticais da estrutura fundamental do edifício; as massas do revestimento seguram se ao fasquio e a essas canas (27 ).

b) Taipa e adobes

64A taipa, em sentido corrente, é um processo de construção próprio de regiões secas, onde a pedra escasseia, em que as paredes são feitas in situ com terra grossa amassada e calcada dentro de moldes que se retiram quando essa massa seca, e que se vão deslocando sucessivamente. Conhecida desde remota antiguidade, sobretudo em certas áreas mediterrâneas, ela constitui um dos sistemas fundamentais da construção nas nossas Províncias do Sul, onde se usa não só nas paredes das casas como nos muros de vedação de terrenos. A terra, barrenta ou xistosa, com cascalhinho ou pedriça (apanhada muitas vezes ao lado dos muros que se estão levantando), é batida a malho dentro de um molde ou caixa de tabuões desmontáveis, com cerca de 2 mX50X50 cm e sem fundo – o taipal–; «deslocando se lateralmente o taipal, obtém se uma faixa a todo o comprimento do muro que se deseja»; retirado ele, deixa se endurecer até poder servir de apoio novamente ao taipal, que se arma e desarma de cada vez; « vai se assim erguendo suces sivamente o muro, desencontrando as juntas verticais, para obter travação. Às vezes usam se alicerces de pedra, no geral salientes, e fiadas de pedra ou de tijolo entre as diferentes faixas de taipa». Ao fim de um ano, apli cam se os rebocos e as paredes são caiadas. O processo, simples, rápido e barato – uma casa de rés do chão pode erguer se em quinze dias apenas com o trabalho de quatro homens (dois para apiloar a massa, um para amassar, e outro para a transportar) – é conhecido de todos os pedreiros e está ao alcance da maior parte dos curiosos.

65Os adobes, pelo seu turno, são paralelipípedos de barro amassado com areia ou palha cortada (e, hoje, de argamassa de cal), feitos em moldes de madeira, e secos depois ao sol. Próprios de regiões argilosas, onde também falte a pedra, eles conhecem se igualmente desde remota anti guidade, e empregam se como o tijolo, sobrepostos em fiadas com as juntas verticais desencontradas. Entre nós, eles usam se especialmente na zona lito ral do Centro a partir do distrito de Aveiro, onde têm grande importância (embora decrescente, substituídos pelo tijolo), e em certas partes do Sul. Em Aveiro os adobes, hoje de cal e areia – proveniente de areais ou aproveitada de outras obras –, outrora também de lama ou de terra bar renta, negra e consistente, são de quatro tipos e tamanhos: de parede, para paredes de casas, com 30X40X10 cm; de cortelha, para paredes de currais ou de arrumações, com 25X40X10 cm; de muro, para muros das proprie dades rústicas, com 20X40X10 cm; e mendões, para divisórias interiores, com 12X40X10 cm. Preparada a massa, é lançada dentro das formas – os adobeiros – (assentes numa superfície plana), e rasada na face superior; em seguida levanta se o adobeiro por umas pegas que tem nos topos, e o adobe fica exposto ao sol umas três semanas pelo menos. Os adobeiros têm as dimensões correspondentes aos vários tipos de adobes; os dos mendões são às vezes uma forma de adobes grandes dividida a meio. Não existem pròpriamente profissionais deste fabrico; cada pessoa faz os seus adobes, ou então encomendam se a empresários que contratam homens que os fazem. Fabricam se apenas de Junho a Agosto.

347 – Ilha de Porto Santo Homem carregando salão para recobrir a casa

347 – Ilha de Porto Santo Homem carregando salão para recobrir a casa

348 – Taias, Monção Casa de pasta

348 – Taias, Monção Casa de pasta

349 – S. João dos Caldeireiros. Mértola Pormenor do revestimento duma serra de palha

349 – S. João dos Caldeireiros. Mértola Pormenor do revestimento duma serra de palha

350 – S. João dos Caldeireiros, Mértola Serra de palha parcialmente recoberta de junco e ramos de loendro

350 – S. João dos Caldeireiros, Mértola Serra de palha parcialmente recoberta de junco e ramos de loendro

351 – Guadramil, Bragança Varanda de varedo encanastrado revestido de barro

351 – Guadramil, Bragança Varanda de varedo encanastrado revestido de barro

352 – S. Julião, Bragança Esteira de colmo vedando uma janela

352 – S. Julião, Bragança Esteira de colmo vedando uma janela

353 – Mindelo, Vila do Conde Caniças de colmo vedando uma casa de eira

353 – Mindelo, Vila do Conde Caniças de colmo vedando uma casa de eira

354 – Rio Frio, Bragança Filares de xisto suportando a beirada da cobertura

354 – Rio Frio, Bragança Filares de xisto suportando a beirada da cobertura

355 – Covelo do Monte, Amarante Casa com anexo de paredes de grandes lajes de xisto

355 – Covelo do Monte, Amarante Casa com anexo de paredes de grandes lajes de xisto
  • 28 ) Embora apareça a taipa em casas de andar, paredes altas, muralhas, etc., e o adobe nos «falsos an (...)

66Como nota Orlando Ribeiro, o adobe e a taipa consistem na utiliza ção directa do barro cru, obtido as mais das vezes em qualquer cova pelos próprios construtores; por isso, esses processos requerem protecção especial contra a humidade : as paredes são rebocadas e caiadas, e protegidas pelo beiral saliente do telhado, os muros são nus mas cobertos de pedras em ângulo, palha ou telha. Sujeitos à pressão da cobertura, a tendência a se abaularem é corrigida com gatos de ferro ou com gigantes exteriores, em pesadas massas de alvenaria, nas esquinas. Estes materiais andam asso ciados à casa térrea típica do Sul – como a pedra à de andar do Norte –, exprimindo «uma harmonia inegável entre a forma e o material de cons trução (28).

c) Pasta

  • 29 ) Orlando Ribeiro, «Geografia e Civilização», p. 24. O Autor nota que «o pro cesso, que tem no Cont (...)

67Na zona correspondente ao médio rio Minho português, de Monção a Valença, e que se prolonga amplamente pela Galiza, utiliza se como mate rial muito corrente de construção de paredes, não só de muros e anexos rurais mas mesmo de casas térreas de habitação, a pasta – grandes placas de granito em forma de esteios altos e espessos postos a prumo –; nos muros, eles encostam simplesmente uns aos outros; nas paredes das casas, as juntas entre eles são tomadas com argamassa (fig. 348) (29).

Notes

1 ) O estudo dos sistemas de colmadura em Portugal fica incompleto se não incluir o caso das ilhas dos Açores e sobretudo Madeira, onde as casas com coberturas em colmo têm um relevo extraordinário. Não o fazemos aqui, porque, por razões óbvias, não nos é possível completar as deficiências e esclarecer as dúvidas que mostram as notas que ali colhemos. Esperamos por isso que os nossos colegas insulares queiram, com o seu contributo, preencher uma lacuna que somos os primeiros a denunciar.

2 ) Cfr. Alberto Sampaio, «As Villas do Norte de Portugal », in «Portugália», I, Porto, 1908, p. 783: As casas do recinto fechado não passavam de cabanas – «Vam fazer a cabana ao Castelo da Pena Regina », «cobertas de giestas ou canas, pois os de Villa d’Antas haviam de levar «segnos feixes de giesta» e os de Bolino « canizas, cada que os pidirem » (Inquirições, pp. 373, 313, 314). E também A. H. de Oliveira Marques, «A Sociedade Medieval Portuguesa », Lisboa, 1964, p. 85, diz que « de colmo se cobriam, aliás, boa parte das casas, em especial da gente miúda». Na Serra do Montemuro, pelos meados do século XVI, « não há nenhuma casa de telha, senão todas de colmo, e todas terreiras ».

3 ) Alberto Sampaio, ibid., p. 781, entende que, segundo as Inquirições, os paços dos próprios ricos homens eram cobertos de colmo: « Item, filos e netos de... cobrem o paacio da pousa do Ricomem », o que significa que esse paço do rico homem – portanto real – «era colmaço, pois certos foreiros haviam de o cobrir ». E por seu turno Oliveira Marques, idem, p. 144, indica, de facto, como forma de tributo a pagar ao amo, na Idade Média, o transporte de «colmo ou feixes de giesta e palhas para cobrir o telhado ou o solo térreo do solar senhorial».

4 ) Fr. Joaquim de Santa Rosa de Viterbo, «Elucidário», s. v. Descangar e Aprés-tamo (cit. por Teófilo Braga, «O Povo Português », I, p. 111; e também por Adolfo Coelho, «Palavras e Coisas » in «Revista Lusitana », XVII, pp. 3 4). Esse erudito cita um documento de 1308, referido a Pendorada, que narra que «Ihis filhava as veerças das cousas, e que Ihis mandava segar os payes, e que Ihis descangava as casas das cangas que sobre elas jaziam ; e que nom podia homem guarecer no herdamento ». Ver no texto, adiante, a indicação do termo canga para designar igualmente estas peças, na Junqueira (Vale de Cambra) ; e no Barroso, para designar os caibros da armação do telhado vulgar.

5 ) Pedro Cunha Serra, «Topónimos do Distrito de Aveiro », in «Arquivo do Distrito de Aveiro », n.° 129, Aveiro, 1967, pp. 45 47. O Autor estuda em especial o topónimo Palhaça (em Oliveira de Azemeis), que aparece já em 1643, com a forma Palhace, nos Registos Paroquiais de Sosa, L.° I. E indica a expressão casas palhaças num tombo de 1496 (em certidão de 1774).

6 ) São dos nossos dias casos de aldeias inteiras do Barroso destruídas pelo fogo, já que a concentração do casario impede o isolamento da casa que arde; as faú-Ihas propagam o incêndio aos colmaços vizinhos, a despeito dos esforços dos seus moradores, que tentam evitá lo com a ajuda de mantas molhadas. Casas Torres, op. cit., pp. 131 134, menciona, como « inimigos » da barraca valenciana, além do fogo e do vento, os ladrões.

7 ) No Alentejo, e sobretudo no Baixo Alentejo, é frequente, nos telhados de telha, o ripado de canas – o caniço –, sobre o qual assentam as telhas, e que pode ser de dois tipos: as canas ficam coladas umas às outras, formando um espécie de forro contínuo; ou ficam distanciadas cerca de 10 a 15 cm – o que chamam à distância de pulo de rato –. As canas do forro, por cima, são presas por uma meia cana pregada sobre cada caibro; por baixo, nas pontas que encostam às paredes (e onde, por isso, não há caibros), e também junto a estes, pelo meio da distância entre as meias canas de cima, são postas outras canas, a que amarram as do forro, à medida que as vão colo cando. Este mesmo sistema usa se também no Algarve, com o nome de encaniçado : «um conjunto de canas ligadas umas às outras e aos barrotes por meio de cordel; a telha é ligada ao encaniçado por uma camada geral de argamassa estendida sobre aquele, permitindo um regular isolamento térmico, em virtude da presença simultânea da cana – elemento celular –, da argamassa e da telha, que por vezes é caiada exterior mente» (« Arquitectura Popular em Portugal », Vol. 2, Lisboa, 1961, p. 302. Zona 6, Arqs. Artur Pires Martins, Celestino de Castro, e Fernando Torres. Os Autores desta passagem notam mais adiante, que, ali, «a cana é também utilizada na preparação de tectos falsos, para o que é esmagada, espalmada e depois encanastrada; este encanas trado é em seguida fixado a uma esteira de madeira e rebocado).

8 ) Ali, o colmo é trazido em colmeiros, atados quando a eirada foi escolmada. na ocasião da malha. O couce do colmo é conhecido vulgarinente por tora.

9 ) Ouvimos este termo – ida–, com idêntico significado, em Cabeçudos (Mar vão) e Montargil (Ponte do Sôr).

10 ) Esta forma de colmadura com guarda-ventos é a mais frequente pelas serras da Peneda, Barroso, parte do Marão, Montemuro, Leomil, etc..

11 ) É sobejamente conhecido o uso, em todas as regiões ventosas, seja na Serra, na Ribeira, ou na Beira mar, de se colocarem pedras sobre os telhados de telha, para evitar que estas sejam levantadas pelo vento. Na Sertã, vimos tesouras também em telhados de telha, porventura herdeiros de outros, anteriores, de colmo.

12 ) Na região de Valongo, entre o Porto e Penafiel, onde existe um xisto ardósio, extraído de poços profundos, que fende em lâminas delgadas, a lousa é usada em alguns casos para coberturas, beirais, muros, etc.; ela constituía sobretudo um produto de exportação, nomeadamente sob a forma de telha de lousa em escama, utilizada mormente nas cidades. Tal material, contudo, talvez pela sua fragilidade, nunca ali foi de uso geral nem se divulgou por outras zonas do País.

13 ) Em algumas aldeias do concelho de Seia, o xisto, nas coberturas, cedeu com pletamente o lugar à telha.

14 ) Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Espigueiros Por tugueses», pp. 68 71, esp. 70.

15 ) Id., pp. 60-68, esp. 62.

16 ) Id., pp. 78 80, esp. 79.

17 ) Descrição feita pelo aluno do curso de Geografia Humana da Faculdade de Letras de Coimbra, do ano lectivo de 1955 1956, António Egídio Fernandes Loja, combi nada com a de Maria de Lourdes de Oliveira Monteiro dos Santos Costa, «Porto Santo ». Coimbra, 1950, pp. 68 70. Lembramos que, como se disse, a terra se usa também como reforço de coberturas nos fornos e cortelhos pastoris e outras construções em falsa cúpula. e sobretudo, no Sul do País, em certos abrigos de pastores, pocilgas, etc., sobre a rama gem que constitui a sua cobertura.

18 ) É o processo que vimos usar na malhada de Juromenha atrás descrita (texto correspondente a Nota 308).

19 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Casas da Murtosa », in «Tra balhos de Antropologia e Etnologia », Vol. XV, Fase. 3 4, Porto, 1955 1957, pp. 265 285. esp. 271.

20 ) Veja se um exemplo referido a Ermelo (Marão), em « Arquitectura Popular em Portugal » ,Vol. 1, p. 129 (Zona 2, Arqs. Octávio L. Filgueiras, Arnaldo Araújo e Carlos Carvalho Dias).

21 ) Vejam se exemplos referidos a Malhada Sorda e Nave de Haver em «Arqui tectura Popular em Portugal », Vol. 1, p. 283 (Zona 3, Arqs. Francisco Keil do Amaral. José Huertas Lobo e João José Malato).

22 ) Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira, «Sistemas de construção com madeira e mate riais deves – Um tipo de « Fachwerk » em Portugal », in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», Vol. XVIII, Fase. 3 4, Porto, 1961 1962, pp. 348 353.

23 ) Excluímos portanto do conceito de tabique as paredes em tijolo, que por vezes são também designadas por aquele termo.

24 ) Neste caso, por vezes, as tábuas onde se prega o fasquio ficam um pouco afastadas, e o espaço entre elas é preenchido com fitas de carpinteiro, aparas de cor tiça, ou outras substâncias congéneres. Por outro lado, note se que, para os tectos, se usa também o fasquio, que então se prega na face de baixo dos barrotes, mas com intervalos muito pequenos, para melhor «prisão das massas».

25 ) por vezes, essas paredes exteriores são, não pròpriamente em tabique, mas num sistema que se pode talvez aproximar do « Fachwerk » do Norte da Europa, em que os espaços vazios dos sectores de um esqueleto formado por prumos verticais, travessas horizontais, e pontas de barrotes, dispostos em cruz e em diagonal, eram cheias com tijolos maciços. Este sistema de construção, entre nós, usa se também muito em paredes divisórias entre dois prédios. Os tabiques exteriores, quer do sistema de fasquio quer desta espécie de «Fachwerk», são inteiramente revestidos a argamassa e rebocados, apenas com tábuas à vista e pintadas nas divisórias dos andares, por vezes nos cunhais ver ticais, e nas guarnições de janelas, postigos, portadas e varandas.

26 ) yer adiante texto correspondente a Nota 346.

27 ) Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros», pp. 79, 81 e 86, e des. 22 e figs. 47 e 52.

28 ) Embora apareça a taipa em casas de andar, paredes altas, muralhas, etc., e o adobe nos «falsos andares» (apenas frontais, para arrumações), das casas da Ria de de Aveiro. Orlando Ribeiro, «Mediterrâneo, Ambiente e Tradição», Lisboa, 1968, pp. 259 160; e «Geografia e Civilização. Temas Portugueses », Lisboa 1961, pp. 49 52. O mesmo Autor contudo, baseando se em Costa Lobo, que indica que no século XVI, as antigas «casas de taipa ... fortes como uma torre» do Senhor de Basto, eram a cons trução principal desse concelho, pensa que o emprego da taipa não deve ter sido invul gar também ao Norte do País. Cremos porém que, nesta citação, a palavra taipa pode talvez significar o tabique e não a taipa pròpriamente dita, visto que ali esta não nos parece praticável, atendendo à natureza dos terrenos, e que, pelo contrário, o tabique é ainda hoje muito usado mesmo em paredes exteriores.
Ver atrás, texto correspondente a Nota 344, um sentido especial da palavra taipa, na Beira Alta. No Alentejo, a caixa usada para a construção em taipa, é feita de taipais desmontáveis, a que dão nome de enxaimeis (Ver também atrás, texto correspondente a Nota 345, outro sentido da palavra enxaianel). Cfr. ainda « Arquitectura Popular em Portugal », Vol. 2, (Zona 5, «Alentejo», Arqs. Frederico Jorge, António Azevedo Gomes e Alfredo da Mata Antunes), Lisboa, 1961, p. 154.

29 ) Orlando Ribeiro, «Geografia e Civilização», p. 24. O Autor nota que «o pro cesso, que tem no Continente uma distribuição muito confinada, passou à ilha de S. Miguel, onde o basalto é talhado da mesma forma para a construção de muros, certa mente por influência de emigrantes originários do Alto Minho ».

Table des illustrations

Titre Des. 94 – a) A colmadura ultrapassa o beiral e as empenas; b) colmadura com cápeas e guarda ventos; c) a testeira da colmadura fica por baixo do capeado das empenas; d) colmadeira do Barroso ; e) copadeira de Celorico de Basto; f) espadela e estaca usadas na compostura das colmaduras em Celorico de Basto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 95 – Figuração esquemática de vários processos de factura dos cumes: a) Freixo de Espada à Cinta ; b) Celorico de Basto ; c) Montemuro, Gralheira ; d ) Montemuro, Alhões; e) Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto; f ) Perafita, Vieira do Minho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Des. 96 – Casos particulares do remate de cumes: a) Cavalos, Serra do Caldeirão; b) Barretos, Marvão. 0 rolo de giestas que remata o cume é apertado por ramas do mesmo material espetadas na espessura da cobertura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Des. 97 – Vários processos de defender as colmaduras do vento.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Des. 98 – Barroso. Abertura na cobertura de colmo para saída do fumo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Des. 99 Processos de vedação dos cumes, em coberturas de xisto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 100 – Arga de Cima, Caminha. Espigueiro de pedra.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 101 – Almodóvar. Pormenores do revestimento das serras de palha.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Des. 102 – S. João dos Caldeireiros, Mértola. Pormenores do revestimento das serras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 103 – Vale de Açor, Mértola e Póvoa, Moura. Pormenores do revestimento das serras de palha.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 104 – Terrugem, Elvas. Pormenores do revestimento das serras de palha.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 313 – Tecla, Celorico de Basto Compostura duma cobertura de casa em colmo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 314 – Sendim, Montalegre Interior duma cobertura. Ripado de varedo amarrado com vencilhos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre 315 – Tecla, Celorico de Basto Colmagem duma casa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 316 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo, preso por travessos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 317 – Tecla, Celorico de Basto Assentamento do colmo com a colmadeira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre 318 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo, seguro por travessos
Légende 319 - Fornos, Freixo de Espada à Cinta Palheiro. Cobertura de colmo em degraus
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 320 - Cavalos, Loulé Palheiro Pormenor do cume
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 321 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Cobertura de colmo com guieiros e latas de borda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 322 – Fornos Freixo de Espada à Cinta Pormenor do cume da fig. 319
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 323 – Lodeiro de Arque Cabeceiras de Basto Cume e paus do sobrecúmio presos por pedras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 324 – Lodeiro de Arque, Cabeceiras de Basto Pormenor dum capeado de granito com cirrões nele cravados, amparando a lata da borda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre 325 – Castro Laboreiro Branda da Portela Casas com guarda ventos e cobertura de colmo seguro por tesouras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre 326 – Merujal, Arouca Casas cobertas com xisto e colmo, preso por tesouras e pedras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre 327 – Merujal, Arouca Cobertura de colmo recoberto de varedo seguro por tesouras e pedras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 328 – Merujal, Arouca Cobertura de colmo protegida do vento por ramagens, tesouras e pedras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre 329 – Serra da Feneda, Branda da Junqueira Colmaços
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
Titre 330 – Serra da Peneda, Branda da Junqueira Colmaço preso por fios de arame esticados por pedras suspensas contra as empenas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 331 - Gondomar, Vila Verde Guarda ventos com cápeas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre 332 – Alvre, Paredes Capeado largo de xisto; cobertura de colmo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 333 – Arga de Baixo, Caminha Espigueiro inteiramente em pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 334 – Vilarinho da Mó, Boticas Espigueiro com cápeas e guarda ventos e cobertura de colmo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 335 - Parada, Ponte da Barca Conjunto de espigueiros de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre 336 – Campanhó, Mondim de Basto Telhados de xisto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre 337 - Campanhó, Mondim de Basto Assentamento das lascas de xisto na cobertura de uma casa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre 338 – Campanhó, Mondim de Basto Cobertura de xisto. Torrões a colmatar a junta dos guieiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 339 – Covelo do Monte, Amarante Cobertura de xisto com as juntas tomadas a argamassa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 340 – Campanhó, Mondim de Basto Pormenor duma cobertura em xisto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 341 – Manhouce, S. Pedro do Sul Cobertura de xisto. Cumes recobertos por telhões ou seguros por tornos de madeira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre 342 – Albergaria das Cabras, Arouca Coberturas de xisto. Cumes recobertos por torrões
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre 343 – Rio de Onor, Bragança Coberturas e chaminés em xisto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Titre 344 – Aveleda, Bragança Coberturas em xisto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 345 – Soajo, Ponte da Barca Moinhos de rodízio cobertos por lajes de granito
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 346 – Padornelo, Montalegre Forno comunitário coberto por lajes de granito
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 347 – Ilha de Porto Santo Homem carregando salão para recobrir a casa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 348 – Taias, Monção Casa de pasta
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 349 – S. João dos Caldeireiros. Mértola Pormenor do revestimento duma serra de palha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre 350 – S. João dos Caldeireiros, Mértola Serra de palha parcialmente recoberta de junco e ramos de loendro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre 351 – Guadramil, Bragança Varanda de varedo encanastrado revestido de barro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 352 – S. Julião, Bragança Esteira de colmo vedando uma janela
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 353 – Mindelo, Vila do Conde Caniças de colmo vedando uma casa de eira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 354 – Rio Frio, Bragança Filares de xisto suportando a beirada da cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 355 – Covelo do Monte, Amarante Casa com anexo de paredes de grandes lajes de xisto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6283/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 105k

© Etnográfica Press, 1988

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search