Version classiqueVersion mobile

Construções primitivas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

II Parte. Sistemas primitivos de construção

Sistemas primitivos de construção

Texte intégral

1Na primeira parte deste trabalho descrevemos já alguns sistemas e processos de cobertura, usados em determinados tipos de construções primi tivas – abrigos de pastores, choças de planta circular ou quadrangular em materiais vegetais, etc. –. A maioria e as mais significativas dessas construções encontram se nas províncias do Centro e Sul do País, e geral mente como categorias locais especiais, próprias de certas áreas circuns critas e correspondendo a funções ou estractos sociais definidos, e que nada têm que ver com a casa regional actual dessas áreas.

2Estudaremos agora outros sistemas e processos, mormente no Norte do País, onde a questão apresenta aspectos diferentes. Aí, de facto, como dissemos, não só ocorrem certos tipos de construções primitivas qualificadas, tal como as definimos de entrada, mas a própria casa normal, nas zonas rurais – designadamente a casa de planta rectangular, com paredes de pedra e cobertura linear–, ainda quando em formas grandes, evoluídas e complexas, mostra o mesmo carácter e feições arcaicas e rudes das mais primitivas construções – nomeadamente das casas da época castreja, donde terá derivado directamente, e para as quais pode porventura servir como elemento de interpretação.

© Etnográfica Press, 1988

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search