Version classiqueVersion mobile

Construções primitivas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

I parte. Construções primitivas e elementares

Capítulo 3. Construções de planta quadrangular

Texte intégral

  • 1 ) Como dissemos, a casa de planta quadrada, com cobertura cónica piramidal em materiais vegetais, f (...)
  • 2 ) Montandon, op. cit. p. 296.

1A casa de planta quadrangular (1) em geral, tem sido considerada uma forma mais evoluída do que a de planta circular. Montandon, por exemplo, entende mesmo que, «de toda a evidência », ela não é uma vivenda primi tiva (2). A este respeito, contudo, consideraremos separadamente as várias categorias que, dentro dessa forma geral, se podem estabelecer.

2De facto, as construções primitivas de planta quadrangular que ultra passam o nível de meros abrigos precários e temporários, podem ser de duas espécies principais diferentes:

  1. Construções inteiramente em materiais vegetais; e

  2. Construções com paredes de pedra e apenas a cobertura em mate riais vegetais.

A) Construções de planta quadrangular inteiramente em materiais vegetais

3As construções de planta quadrangular inteiramente em materiais vege tais podem, por seu turno, ser de dois tipos:

4a) do género de cobertura parede, então sempre em duas águas, com empenas; e 6) do género de parede e cobertura diferenciadas e individua lizadas, na sua grande maioria com esta de duas águas, mas, em casos mais raros, também de quatro, três, e mesmo uma só água.

  • 3 ) Ver Nota 37, a indicação conjectural dos primeiros abrigos construídos pelo homem nos períodos e (...)
  • 4 ) Tal como nas nossas estações castrejas, nas ruínas de Biblos, no Líbano, encontram se vestígios d (...)
  • 5 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. cit. p. 63.

5Ambos estes tipos, nos seus estádios iniciais, e mormente o género de cobertura parede, devem sem dúvida considerar se também formas pri márias de habitação, directamente derivadas, senão mesmo idênticas fundamentahnente, aos mais antigos e elementares abrigos construídos pelo homem (3), e que se encontram em grupos histórica e tècnicamente pri mitivos (4). De acordo com Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, na Península Ibérica as cabanas de materiais vegetais, de planta não só cir cular, mas também quadrangular, por vezes com revestimento de barro, têm atrás de si uma tradição que remonta pelo menos à época neolítica (5); na estação eneolítica de Vila Nova de S. Pedro, por exemplo, ao lado dos fundos de cabana circulares a que já aludimos, descobriram se alicerces de pedra de construções rectangulares; e as habitações rupestres dos castros de Leguin e Termantia, que tinham alçamentos de ramagens entretecidas, eram angulares, podendo afirmar se mesmo que as superfícies de barro batido, de forma rectangular (com 4X3m de lado, e com sinais de fogo numa das esquinas), eram o pavimento de cabanas em materiais vegetais desse formato geral. Mas é evidente que se ignora totalmente como eram tais cabanas.

6Hoje, entre nós, as construções desta espécie geral são considerável mente mais abundantes do que as de planta circular, encontrando se ora em exemplos isolados ora como categorias locais, e sob diversos tipos, em determinadas zonas do País; conforme os casos, elas desempenham funções de palheiro, cortes ou lojas para gados ou arrumos, ou constituem a habi tação normal de certas classes, e aparecem como formas típicas regionais da casa.

a) Construções do género de cobertura-parede (de du as águas com empenas)

7As construções actuais de planta quadrangular inteiramente em mate riais vegetais e definidamente do género de cobertura parede, que se pos sam considerar pròpriamente habitações (e não meros abrigos), são porém muito pouco frequentes. Encontramos alguns exemplares no Ribatejo –no Montijo, perto de Canha, como casas de cesteiros; em Setúbal, perto da Mourisca; em Sines, na estrada para Porto Covo; etc.–, e na Beira Alta – em Prime e Castendo, por exemplo: os cabanões, aliás raros, e que servem de arrumos rurais e anexos da eira –, com as empenas (onde se situa a porta de entrada) ora nos mesmos materiais da cobertura, ora, mais raramente, em tabuado.

  • 6 ) Fritz Krüger, «Der Beitrag Portugals », loc. cit. assinala este tipo de cons truções nos abrigos (...)

8Essas construções aparecem, isoladas e escassas, a par de outras do mesmo formato mas com paredes individualizadas e diferenciadas da cober tura – na área do Sul, também em materiais vegetais; na do Norte, em pedra: as choupanas – Umas e outras, no que se refere à sua estrutura e técnica construtiva, podem de certo modo considerar se como a cobertura isolada das casas com paredes individualizadas que com elas coexistem, e com as quais elas se relacionam evidentemente. Por isso não faremos o seu estudo em especial, e incluí las emos no caso geral dessas outras mais evo luídas, que naquelas duas áreas se podem considerar tipos locais, ocorrendo em número muito considerável (6).

b) Construções do género de cobertura e paredes diferenciadas

  • 7 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros do Litoral Cen tral Português » (I.A.C.) (...)

9Num sector da costa central do País, com cerca de 100 km de com primento, compreendido entre as praias de rochas esparsas a Norte de Espinho e as arribas a Sul da Praia de Vieira de Leiria, e que é hoje formado por uma faixa linear e nua de areias quaternárias, sem quaisquer penedos ou acidentes geográficos, baías ou outras reentrâncias, que sirvam de portos de abrigo às embarcações, encontram se vários núcleos piscatórios onde se pratica uma forma especial de pesca de arrasto para terra – a xávega –, e que são constituídos por um tipo peculiar e muito característico de habi tações – o palheiro – servindo geralmente, e sobretudo outrora, de vivenda temporária aos pescadores que ali se instalavam durante o período da safra. Esses núcleos foram fundados por gentes de Ovar, Murtosa, e Ílhavo, que aí difundiram as suas artes e as suas casas, e que de resto se expandiram ainda mais para o Sul, atingindo os areais então ainda desertos da Caparica e Santo André, e indo mesmo até à costa do Algarve. O palheiro do litoral central – que em alguns casos é mesmo montado sobre estacaria, como meio de defesa contra a invasão das areias que o vento arrasta – é tam bém, nas várias formas que apresenta, uma construção inteiramente em materiais vegetais – o tabuado para as paredes, e a palha, o estorno (Amophila arenária), ou o junco para a cobertura. Apesar disso não nos ocupare mos dele aqui porque, a despeito dessas características, ele é muitas vezes uma casa complexa e diferenciada, com dois pisos, escadas interiores, portas e janelas, etc., e sobretudo porque ele foi já objecto de um estudo porme norizado pela nossa parte (7).

10Sob outras formas que mais especìficamente nos interessam, as cons truções de planta quadrangular inteiramente em materiais vegetais, do género de paredes e cobertura diferenciadas, e esta de duas águas, são par ticularmente frequentes no Sul do País, onde distinguiremos dois grupos diferentes, pela sua localização, formas, carácter e funções: 1) Em algumas partes do Alentejo interior e no Ribatejo, onde não raro elas são de grandes dimensões, servindo de arrumações relacionadas com certos aspectos das actividades agrícolas e pecuárias, e onde, além desta forma geral, aparecem, raras, outras com cobertura de três e de quatro águas; e 2) Nos litorais arenosos do sotavento algarvio, e, para o Norte, até Santo André, Fonte da Telha e Caparica, onde são sempre com cobertura de duas águas, servindo de habitação permanente ou temporária a gentes piscatórias.

11Na embocadura e vale inferior do Sado, onde são também extrema mente abundantes, elas constituem, por sua vez, a habitação permanente não de gentes piscatórias, mas rurais, que trabalham nos alagadiços daquela região; apesar disso, elas mostram uma forma e carácter que as aproxima mais das da beira mar do que das do interior.

12Em casos esporádicos, menos significativos, e escassos, encontram se também construções deste tipo, servindo geralmente de palheiros, numa área limitada ao Norte do distrito de Bragança, na Lomba de Vinhais.

  • 8 ) No plano etnológico, Montandon, op. cit. p. 310, considera este tipo de habi tação próprio do cic (...)

13As construções de paredes e cobertura diferenciadas da beira mar e da região do Sado, têm a aparência de pequenas casas, cuidadamente edi ficadas e incluso com aspectos estéticos que não parecem resultar de puro acaso. A natureza estrictamente local do material com que são feitas, e o modo primário embora engenhoso como ele é trabalhado, e ainda a sim plicidade da sua estrutura e da sua traça, aproximam nas porém, sob o ponto de vista técnico, das habitações de outras populações que se encon tram em estádios primitivos de desenvolvimento (8).

Algarve

14No litoral algarvio, e nomeadamente nas praias de areia da costa e Ilhas do Centro e Sotavento, a Leste das arribas ocidentais, a partir da Armação da Pera, a construção deste tipo – as cabanas ou palhotas, de junco, estorno ou barrão, ou palha – tem grande relevo, e, em certos casos, documenta se desde há séculos. Essas cabanas relacionam se ali estreita mente com a pesca, aparecendo ora em exemplares esporádicos e dispersos, ora em pequenos aglomerados mais ou menos numerosos nos arraiais das armações do atum e da sardinha, ao lado ou perto dos respectivos vara douros para as embarcações : até há alguns decénios, elas eram, muitas vezes, as únicas construções existentes nesses vastos areais, e constituiam a habitação normal dos pescadores que aí se instalavam, para exercerem a sua actividade, durante todo o ano ou apenas na época da safra.

15De carácter francamente primitivo, no que se refere aos materiais e técnica de construção, elas vão sendo progressivamente substituídas por casas, de entrada em tabuado, e finalmente telba, pedra e cal, tendo desa parecido pràticamente já de muitas zonas; apesar disso, na maioria dos locais onde outrora existiram, subsistem ainda exemplos intactos que per mitem o seu estudo e nos dão a visão do que foi a vida antiga dos seus moradores, no que se refere à habitação.

  • 9 ) A par destas cabanas, porém, em alguns casos – na ilha e sapais de Faro, na Culatra, etc., como v (...)

16O tipo destas cabanas é idêntico, nas suas linhas gerais, por toda a área – de planta rectangular, como dissemos, e com paredes e cobertura diferenciadas, umas e outra inteiramente nos mesmos materiais vegetais; a cobertura é de duas águas, muito inclinadas (30° a 45°, em relação à vertical), mostrando apenas pequenas diferenças de pormenor em algumas zonas, que assinalaremos (9).

  • 10 ) O frechal (dormente), ora corre sobre o topo dos espeques, ora encaixa num entalhe aberto no lado (...)
  • 11 ) É extremamente corrente aproveitarem madeiras dadas à costa, de grossu ras diversas, com emendas (...)

17O esqueleto destas cabanas é formado por uma série de prumos – espeques –, sobre os quais assenta, por vezes, um frechal (des. 50a) (10); na maioria dos casos, porém, os caibros – paus de armar –, pousam directa mente nos espeques, ligados a estes por uma amarração de corda de cairo, ou, mais recentemente, por vezes, pregados. Os prumos altos que sustentam a trave do cume, a meio das empenas, terminam numa forca natural, ou por duas pontas de tábua a eles pregadas, que firmam aquela trave (des. 50a e 51a) (11). A ordem de colocação destas diferentes peças é a seguinte: os prumos da trave (cume), os quatro espeques dos cantos, a trave, os espeques das paredes laterais, os dormentes (frechal), os espeques das empenas, os caibros, e finalmente as ripas de cana (Terra Estreita, Santa Luzia).

18A dificuldade da obtenção de madeiras generalizou o costume de inter calar entre os espeques e os caibros, outros, de canas, simples ou duplas. Regra geral, no vão entre dois prumos de madeira, há mais dois de canas, repetindo se esta solução entre os caibros do telhado, de modo que os prumos de canas das paredes se prolongam pelos caibros de canas da cobertura. O afastamento entre qualquer destes prumos é bastante variável, em média 30 a 50 cm.

19A ripagem, ou encaniçado (Quarteira), é constituída por canas, sim ples ou duplas, amarradas aos prumos e aos caibros pelo processo tradi cional e corrente no Algarve e Baixo Alentejo, em que uma cordinha de cairo enlaça estas peças em todos os pontos de cruzamento, correndo a direito sobre caibros e prumos sem ser interrompida (des. 50). Por vezes, o afas tamento entre cada cana é regulado com a mão, correspondendo à distância que vai entre a ponta do polegar e o indicador completamente abertos. Hoje, em certos casos, o arame substitui a corda de cairo.

Des. 50 – Costa algarvia. Pormenores da construção de uma cabana. a) Estrutura do esqueleto; b) processo de amarração das canas aos prumos e aos caibros; c) disposição das manadas de junco ou estorno, e maneira de as prender às canas; d) remate do cume.

Des. 50 – Costa algarvia. Pormenores da construção de uma cabana. a) Estrutura do esqueleto; b) processo de amarração das canas aos prumos e aos caibros; c) disposição das manadas de junco ou estorno, e maneira de as prender às canas; d) remate do cume.

20O revestimento das paredes e cobertura é feito com junco ou, sempre que possível, barrão. O primeiro provém geralmente de juncais particula res; o segundo é arrancado no areal, nos locais onde existe, e trazido por vezes de bastante longe. Os pescadores do agrupamento do Fornico, nos sapais de Faro, por exemplo, quando vão pescar perto do farol da Deserta, trazem não raro molhos de barrão para a compostura das suas cabanas.

  • 12 ) O número de fiadas varia, naturalmente, com o comprimento do junco ou barrão utilizado. No Fornic (...)

21A cabana começa a revestir se a partir do fundo das paredes. A pri meira fiada é colocada com o couce para baixo, ligeiramente mergulhada num rego aberto na areia, e disposta em pequenas manadas seguidas, encostadas a quatro ripas, e cosidas a ponto à terceira ripa a contar de baixo, ou, noutros casos, à primeira, igualmente a contar de baixo. As fiadas seguintes, nas paredes e cobertura, são dispostas com o couce para cima, batendo se prèviamente cada manada no solo ou sobre a perna, obliquamente, de modo a que os couces acertem perfeitamente em bisel, disfarçando assim os degraus das fiadas, no interior da cabana. As fiadas são cosidas cana sim cana não, e cada uma delas encosta os couces à ripa que lhe fica acima. Deste modo, cada fiada assenta sobre quatro canas: as duas de cima, que são pròpria mente o seu avanço, e as duas de baixo, que já estavam recobertas pela fiada anterior (des. 50c). Esta regularidade nem sempre se observa, visto que, muitas vezes, em lugar de uma ripa «em salvo» são deixadas duas, seja porque se quer um encarniçado mais apertado, seja porque o junco é mais com prido (12). O processo de coser a ponto consiste na aplicação do estorno em feixinhos sobre as ripas, seguidos e enlaçados sucessivamente por uma corda de cairo, que os aperta contra uma dessas ripas a cerca de um palmo do couce (des. 59a). A última fiada, junto ao cume, cose à última ripa, não havendo aí portanto ripa para apoio do couce, que encosta de topo ao couce da fiada da outra água. Sobre esta fiada, na altura dos pontos, corre uma cana, amarrrada à ripa por arames espaçados cerca de 50 cm, e que, como veremos, será utilizada para a amarração do remate do cume (des. 50d).

Des. 51 – Quarteira. a) Solução para o prolongamento dum prumo que sustenta a trave de cume; b) remate do cume reforçado com a capa : c) corte da divisória de uma cabana; d) corte de uma cancela ou paravento de porta.

Des. 51 – Quarteira. a) Solução para o prolongamento dum prumo que sustenta a trave de cume; b) remate do cume reforçado com a capa : c) corte da divisória de uma cabana; d) corte de uma cancela ou paravento de porta.

22Esta maneira de terminar as águas da cobertura no cume é hoje, de longe, a mais frequente. Há ainda quem reforce este remate com uma segunda fiada de junco – a capa – (Quarteira), cosida àquela cana, que esconde, colocando se nova cana sobre ela igualmente na altura dos pontos, amarrada para o interior (des. 51b). É de presumir que o uso desta capa tenha sido outrora mais corrente, sobretudo quando as cabanas constituíam a habitação normal do pescador do Sotavento algarvio. A informação dada por um pescador do Fornico, de que o indicado era realmente essa capa, num local em que hoje já nenhuma existe, leva a supor que esse elemento de reforço foi abandonado no declínio deste tipo de construção.

  • 13 ) Este processo de amarração nem sempre é seguido; principalmente quando se trata de reparações, a (...)

23Para remate e vedação do cume, coloca se sobre ele, entre as duas canas que ficaram à vista sobre as últimas fiadas de cada água, uma farta quantidade de junco, disposto ao comprido, de lés a lés, cingido por uma corda de cairo passada de uma cana à outra, em ziguezague, de modo a ficar « trincada » junto às canas, em cada passagem (des. 50d) (13).

24Com certa frequência os cunhais das empenas são vedados com molhos de junco, a todo o correr, amarrados para o caibro interior. A porta ras ga se sempre numa das empenas, geralmente ao lado do prumo central, que lhe serve de ombreira, e, na empena oposta, vê se com frequência um pequeno postigo.

25As cabanas que servem de habitação permanente têm sempre uma divisória a meio, geralmente a toda altura, firmada contra um prumo cen tral que sobe até à trave do cume; à frente, fica a característica sala cozi nha; atrás, abrindo para ela, um ou dois quartos. Interiormente, ora são forradas de tabuado até meia altura da cobertura, com as divisórias igual mente de tabuado, ora ficam com o esqueleto dos madeiramentos e o junco à vista, e com divisórias de canas encostadas umas às outras. O pavimento é de barro ou tijoleiras; antigamente utilizavam para esse efeito pedaços de archotes (cabos muito grossos de esparto, usados nas armações do atum).

26O arranjo interior destas cabanas é extremamente cuidado. As divi sórias são geralmente recobertas por capas de revistas com vedetas cine matográficas, calendários, cartazes publicitários, fotografias, etc. A pobreza e o incaracterístico do mobiliário são atenuados pela disposição de toalhas e panos bordados, quadros com retratos da família e outros, jarras de flores, etc.

27As cabanas que servem apenas de abrigo temporário e guarda de ape trechos de pesca, não têm qualquer divisória interior, nem revestimento nas paredes. São no geral mais pequenas e o pavimento é a própria areia.

28O revestimento total de uma cabana de dimensões médias gasta cerca de 200 molhos de junco, e cada molho custa, hoje, de 3$50 a 4$00.

29Uma cabana bem construída pode durar, em local pouco exposto a temporais, cerca de 20 anos. A partir de então as reparações do revesti mento tornam se tão frequentes que é preferível substituí la.

  • 14 ) A. A. Baldaque da Silva, «Estudo actual das pescas em Portugal », Lisboa, 1892, p. 152; e também (...)
  • 15 ) João Baptista da Silva Lopes, «Corografia, ou Memória Económica, Esla dística e Topográfica do Re (...)
  • 16 ) Baldaque da Silva, op. cit. p. 153.

30Como dissemos, o limite ocidental da área destas cabanas era a Arma ção da Pera. Em 1820, a praia da Pera era ainda apenas um arraial com posto exclusivamente de palhotas, das companhas das armações do atum dessa praia e da Pedra da Galé – que, nesta última, por volta de 1885/86 se compunham de 7 barcos com 45 homens–, na enseada da Armação da Pera (14); hoje, já nenhuma dessas construções subsiste. Vinham segui damente os arraiais da Albufeira – cujas pescarias, que existiam já nos princípios do século XVI, compreendendo armações do atum, contavam em 1840 apenas três artes de arrasto (indo a sua gente no verão trabalhar nas armações do atum de Lagos e Faro) (15), e em 1885/86 cinco dessas artes e 37 barcos –, de Oura, a Leste da enseada, onde lançavam uma outra armação de atum e outra de sardinha, alternadamente, e de Olhos de Água, ainda mais a Leste, onde lançavam uma de sardinha (16); hoje, Albufeira é uma localidade extremamente desenvolvida, com carácter urbano acen tuado, e também nenhuma cabana ali subsiste.

  • 17 ) Silva Lopes, op. cit. pp. 306 307. « Há opiniões de que ali seja o assento da antiga cidade da Ca (...)

31A Quarteira foi outrora um local importante de comércio marítimo e pescaria. No tempo das almadravas, lançava se aí uma de atum; e em 1576, o Cardeal D. Henrique ordenou que se pagasse às caravelas que carregas sem atum dessa armação para as feitorias de Faro, 800 réis de frete por cada viagem. Depois do terramoto de 1755, que a destruiu, a povoação deslocou se de junto do castelo, onde se situava (17). No século XIX havia na Quarteira ainda uma armação do atum; até há apenas alguns decénios, o aglomerado pouco mais era do que o arraial dos pescadores, constituído na sua maioria por cabanas. Hoje, poucas destas restam, condenadas a desaparecer devido ao desenvolvimento da localidade como praia de banhos e lugar turístico. A Leste da povoação, no local conhecido por Toca do Coelho, as duas que aí subsistem (contrastando violentamente com os novos edifícios de cimento), têm como particularidade, que só ali observamos, uma porta em cada empena, dando acesso directo aos dois compartimen tos – sala cozinha, a um lado, quarto a outro –, com porta interior de comunicação entre si (fig. 214). A Poente da povoação, junto à praia, além de duas ou três casas de paredes de alvenaria rebocadas e caiadas de branco, com coberturas de junco, vê se ainda uma fileira de cabanas intei ramente em materiais vegetais, bastante perfeitas, que servem de habitação permanente a famílias de pescadores (figs. 213 e 215). Parecem ser recen tes, de grandes dimensões (uma dessas cabanas mede, interiormente, 6,20 m de comprimento, 4 m de largura, 3 m de altura do solo ao cume, e 1,10 m de altura das paredes laterais), dividida a meio conforme o caso geral; em algumas delas, o compartimento das traseiras é ainda dividido a meio, no sentido longitudinal. São forradas a tabuado até meia altura das ver tentes da cobertura, caiado de branco (fig. 217). O pavimento é de tijo leiras. No alto das empenas, as pontas da última fiada de junco ficam à vista (fig. 216). Frente à porta de cada cabana há sempre um estrado de argamassa de cimento ou terra batida, tábuas, etc.

32Logo à saída da Quarteira, para Nascente, avista se mais um pequeno conjunto destas cabanas, pertencentes ao velho pescador Manuel Jerónimo e por ele construídas, que ali cultiva umas hortas alugadas, tendo também um juncal arrendado na vizinhança, do qual vende o junco por sua conta (fig. 218 e 219). Agricultor há apenas alguns anos, foi durante muito tempo pescador, o que explica o perfeito conhecimento que possui da técnica de construção deste tipo de habitação. Essas cabanas são pequenas (com menos de 2,50 m de altura máxima), mas de construção muito perfeita. A cabana onde dorme é dividida a meio por um tabique ou apartado feito de canas até cerca de 1 m do solo, e de tabuado daí para cima até às ver tentes da cobertura. O compartimento da frente é uma pequena saleta, para onde abre a porta, colocada na empena frontal; o das traseiras é o quarto onde está a cama. O pavimento é calcetado. Interiormente apre senta se extremamente limpa e cuidada, ingenuamente decorada por ilus trações de revistas, fotografias, etc., que recobrem inteiramente o tabique; cortinas de pano estampado, criam uma impressão aparente de con forto (fig. 220). Ao lado desta, uma outra cabana serve de cozinha. É igualmente dividida a meio por um apartado de canas postas horizon talmente e enlaçadas duas a duas a canas verticais afastadas cerca de 25 cm umas das outras (fig. 221 e des. 51c); tem a empena frontal aberta, sendo abrigada por uma espécie de alpendre, onde se come. Integradas neste conjunto, há ainda várias cabanas que servem de « despejos » – guarda de ferramentas e alfaias, arrumos, galinheiros, etc. –. Na cobertura, a cana que prende a última fiada – o pente –, é amarrada com um arame, do inte rior para fora, que fica aí com as pontas muito compridas, de modo a pren der com elas a cana que fixa a capa, facilitando esta operação. As portas são protegidas da ventania por cancelas de cana, que só aqui encontramos (des. 51d).

  • 18 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros», p. 97.
  • 19 ) Baldaque da Silva, op. cit. p. 155; e Fernando Castelo Branco, «O estudo das construções de mater (...)

33Na ilha de Faro ou da Barreta, onde existiam várias armações de atum e de sardinha, e arraiais ou grupos de barracas, o núcleo principal de habi tações não tem já qualquer carácter piscatório, e é hoje sobretudo uma praia de banhos para forasteiros (onde abunda um tipo cuidado de casa de tabuado, para esses banhistas (18)). Além de vários casos dispersos, res tos porventura desses arraiais, subsiste porém, a Poente, um pequeno aglomarado de cabanas que constituem a habitação permanente de pescadores, algumas do tipo comum, em junco ou barrão (figs. 230, 231 e 233), outras – a maioria – em tabuado, com cobertura vegetal (fig. 229), e uma ou outra até de telha (19). As proporções das cabanas de junco são um pouco diferentes do usual, com as paredes sensivelmente mais altas, e as águas do telhado menos inclinadas; e, tanto nessas como nas de tabuado, vê se muitas vezes um pequeno postigo na empena das traseiras. O forro do reves timento interior dispõe se de maneira a obterem se prateleiras de arrumos, aproveitando o espaço entre os prumos.

  • 20 ) No Costado, uma das cabanas maiores media, no exterior, 4,20 m de com primento, 3,50 m de largura (...)

34No meio dos sapais ou alagadiços de Faro, a cerca de 200 m a Poente da estrada que liga a cidade à ilha, junto a um largo esteiro da Ria, encon tra se, isolado sobre uma ligeira elevação, o agrupamento de cabanas do Fornico (figs. 212 e 222). O carreiro que conduz a elas, serpenteando entre poças de água e lodo, fica quase coberto na maré alta. A sua cor parda con funde se com a paisagem de charco que as rodeia. Elas constituem a habi tação temporária dos pescadores da Ria, sobretudo daqueles que se dedicam à pesca da ameijoa, e que por vezes residem a uma dezena de quilómetros dali; e é nelas que, além disso, guardam os apetrechos de pesca e dos barcos, redes e outra qualquer utensilagem. Nenhuma é porém utilizada como habitação permanente e normal; daí as suas dimensões menores e a nudez do seu interior (20), marcando uma diferença sensível entre elas e as da Quarteira, que descrevemos (fig. 224). Estas cabanas apresentam na sua maioria o eixo orientado aproximadamente na direcção Nascente Poente, com a porta sempre rasgada na empena voltada a Nascente. Na cobertura, a capa de reforço da última fiada, junto ao cume, foi aqui empregada, embora hoje já não se encontre nenhuma nessas condições. No alto das empenas, para proteger os pontos da última fiada, colocam mais outra fiada em valadio, presa por uma cana.

  • 21 ) Silva Lopes, op. cit. p. 322; e «Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasi leira», vol. 10, s. v. Fa (...)
  • 22 ) Baldaque da Silva, op. cit. p. 155.

35A cerca de 2 km a Poente do Fornico, encontra se, igualmente perdido na solidão dos alagadiços, um outro agrupamento de barracas idênticas – o Costado – (figs. 225, 226 e 227); e a igual distância, a Nascente, na margem do esteiro que da barra do Ancão vai entroncar com o canal de Faro, vê-se ainda o arraial do Ramalhete (fig. 228), mais pequeno e menos característico, onde, como na Ilha, as cabanas de junco alternam com bar racos de tabuado. Não pudemos averiguar qual a relação entre este arraial e a antiga e desaparecida povoação de Farrobilhas, fundada por moradores de Loulé que se dedicavam à pesca, cuja dizima foi concedida a um tal Nuno Barreto por carta régia de 1460 e onde, já em 1652 havia uma arma ção de atum, pois foi então dada carta de seu mandador a um outro tal Diogo Álvares de Sousa (21). O Ramalhete, por sua vez, correspondia a uma arma ção de atum que lançava a Poente da foz do Ancão, e que, em 1885/86, se compunha de 7 embarcações com uma companha de 50 homens (22); e parece que, na ponta Leste da ilha da Barreta, tinha também barracos na praia (onde aliás havia mais grupos de barracos de .outras armações). Hoje, a gente do Ramalhete, como a do Fornico, dedica se à pesca do marisco.

  • 23 ) Nesta breve resenha da história de Olhão, que não representa de modo algum investigação própria, (...)

36De todos os portos de pesca algarvios, é sem dúvida Olhão aquele que maior importância tem – e teve no passado – neste sector, «na quantidade de pescado, no número de embarcações, na experiência, destreza, e ido neidade dos mareantes»; por isso analisaremos um pouco mais pormenori zadamente o processo da sua formação histórica e da sua expansão (23), em que, além do mais, intervêm elementos que porventura ajudam a com preender certos aspectos do povoamento da costa portuguesa a Sul do Tejo, no que designadamente respeita a este tipo de habitação.

37Segundo uma tradição que parece consistente, o nome de olhão deriva da existência de um grande olho de água doce, que se situava no istmo de uma pequena península a Leste de Faro, rodeada de praia arenosa, e onde vinham fazer aguada os pescadores dessa cidade. Ignora se quando ao certo teria sido povoado o lugar onde agora assenta; a mais antiga menção que se conhece do nome de Olhão encontra se numa carta de D. Fernando, de 1378, dando de aforamento a um certo João Barrion uma courela e herdade que pertencera ao mouro Adela; mas não se indica que o local fosse povoação importante. A falta de referências anteriores não significa porém, certa mente, que, antes dessa data, aquela parte do litoral algarvio fosse deserta. Muito antes mesmo dos mouros – na realidade desde as mais remotas eras pré e proto históricas, e sobretudo no período romano e verosìmilmente, depois, no visigótico – outros povos ali viveram, deixando de si vestígios ou memória. De acordo com Fernandes Lopes, Alberto Iria, Antero Nobre, e outros, pode se pensar que a região, de terrenos baixos e abundantes de água, era pois, já então, povoada, semeada de hortas, casais e « montes », com as suas casas de pedra e cal, « embrião de povoados», pertencentes a cris tãos e moçárabes, e também a mouros ali instalados durante o domínio muçulmano, e que permaneceram após a Reconquista, misturados com a restante população – gentes da terra que, tal como hoje, simultâneamente iam ao mar, a pescar e a comerciar; aliás o citado documento de 1378 deixa claramente adivinhar a presença de mouros na região.

  • 24 ) Alberto Iria, op. loc. cit. Ano X, n.° 115, p. 6. E a seguir : «Nos finais do século XVI a vila d (...)

38Teriam sido possivelmente os pescadores de Faro, antes ou depois da época árabe, quem descobriu o olhão de água naquele lugar: é talvez ele o sítio onde aportam os baixéis – bastante frequentado pela navegação, por tanto – mencionado num outro documento, de 1294 (24).

39Seja como for, ao lado do povoamento do «sítio» de Olhão, outro fenó meno se deu: a instalação na praia, à beira mar, de gente, quiçá também mouros ou moçárabes, apenas piscatória ou marítima, autoctones da região misturados com outros de lugares vizinhos, Faro, Quelfes, Moncarapa cho, etc., que ali ergueram as palhotas onde habitavam. D. Dinis mandou aí construir a torre de Marim, para defender a entrada da barra, e decerto também os campos e cabanas que já ali existiriam.

40Como nota Fernandes Lopes, tudo se conjugaria pois para indigitar que, nesse litoral algarvio, onde há praias de areia, existiam de há muito palhotas de junco de pescadores, que remontariam à tradição moura, embora só tardiamente se desse a afluência abundante à praia de Olhão, inicial mente por parte sobretudo dos pescadores de Faro, e por motivo da exce lência da água. Seguidamente, pela multiplicação das palhotas na praia, invadindo o campo (onde também iam surgindo as casas de çoteia e ter raço), Olhão cresceu.

41O povo da localidade compôs se assim não apenas de marítimos, mas também de montanheiros – uns e outros aliás exercendo actividades marí timas e rurais simultâneamente –; e não se deve esquecer que a gente do campo teve sempre grande importância social na vida da cidade.

42Uma tradição gratuita faz provir esta gente piscatória directamente de Ovar e Ílhavo, em data incerta; mas só indirectamente isso poderia assim ter sucedido: porque 1) um documento oficial de 1765 consigna que, segundo declarações dos próprios mareantes, este lugar teria sido fundado com poucos pescadores de Faro; 2) isto condiz com outra tradição local que reza virem os pescadores de Faro ali «fazer caldeirada» (de água), e assim haveriam acabado por assentar arraiais na praia olhanense nas suas cabanas de junco, as «palhotas em que viviam» ainda quando se construiu a igreja grande; 3) a forma dos barcos e maneira de remar à moura, segundo a própria gente do ofício.

43De facto os ovarinos e ílhavos vieram para a região em grupos nume rosos apenas em 1774, para, à mistura com os algarvios, perfazerem as tripulações dos novos barcos pesqueiros da Companhia das Reais Pescarias do Algarve.

44Notícias certas de um povoado com alguma importância, no lugar do Olhão, só aparecem porém a partir do século XVII. Em 1614, Quelfes – cuja freguesia englobava Olhão – é desanexada de Faro, mas os pescadores de Olhão permanecem na Confraria de Faro ; em 1665 existe já naquela praia uma ermida própria, de Nossa Senhora da Soledade – o primeiro edifício em pedra ali construído –; em 1670, quando se pretendeu erguer a fortaleza de S. Lourenço (contra os ataques de mouros e espanhóis), foram ouvidos «pilotos experimentados da Praia de Olhão» ; em 1673, fala se igualmente nos « moradores daquela praia»; etc.

45Nos finais desse século, os pescadores e mareantes de Olhão, que con tinuavam a pertencer à freguesia agrícola de S. Sebastião de Quelfes – que ficava no interior e bastante afastada – requerem por isso ao Bispo do Algarve a sua separação e criação de uma nova freguesia, que veio a fazer se em 1695. Referindo se ao caso, úma consulta do Desembargo do Paço, de 1765, diz que, à data da separação, Olhão tinha 60 fogos; as Memórias Paro quiais de 1758 consignam porém que « começou este povo a fundar se pelos anos ditos de 1680 (sic), com uma poucas cabanas que então o povoavam, que não excediam o número de 30» – o que, segundo Alberto Iria, corres ponde a um máximo de 100 a 200 moradores.

  • 25 ) A «Corografia do Algarve » . de Fr. João de S. José, de 1577 (cit. por Joaquim Manuel Lino da Sil (...)

46Logo em 1698, porém, tendo se verificado que a primitiva ermida era demasiado pequena para a já numerosa população do lugar, inicia se a construção da Matriz, que é o segundo grande edifício de alvenaria que se ergueu na Praia de Olhão. No cunhal da sua torre sineira, uma inscrição gravada na cantaria, atesta que «à custa dos homens do mar deste povo se fez este templo, no tempo que só haviam humas palhotas em que viviam, primeiro fundamento 1698 ». É esta a mais antiga referência expressa e coeva que conhecemos dos barracos do litoral algarvio, evidentemente muito pos terior ao seu aparecimento na região, e que por isso pouco nos ajuda a escla recer o problema da sua cronologia (25). O povoado situava se talvez entre essa igreja e o porto, no local que corresponde ao actual bairro da Barreta, que se pode pois considerar como o núcleo inicial da vila ulterior. E os 30 ou 60 fogos acima indicados eram certamente todos do tipo de barracas de junco. De facto, de acordo com a Corografia do Padre Carvalho Costa, em 1712, a localidade tinha 300 vizinhos, «gente rica que vive da pesca», que moravam em «casas de cana cobertas de palha», porque não lhes con sentiam ainda casas de pedra e cal. « Os incêndios dizimavam frequen temente as humildes palhotas dos pescadores e mareantes da Praia de Olhão, e teriam sido, com a acção não menos devastadora da pirataria e erosão das marés, conjugada esta com outros fenómenos geológicos, uma das muitas causas de constantes flutuações, desde os mais remotos tem pos, da primitiva área habitacional dos moradores desta Praia ». Em 1715, o mareante João Pereira, pede à Rainha, donatária de Faro, autorização para construir naquela praia de Olhão «uma morada de casas», para se livrar dos incêndios que contìnuamente estavam sucedendo. Concedida a licença régia em 30 de Dezembro dessse ano, só pois a partir de Janeiro de 1716 é que o impetrante deve ter dado começo à construção da sua casa – a primeira de pedra e cal que de certeza se edificou na Praia de Olhão por iniciativa particular. Em 1718 já as casas de alvenaria seriam em número tal que obrigava a recomendar especialmente no alvará que se concedia para mais uma, que esta fosse construída «direita e não atraves sada na rua». Ao longo de todo o século XVIII tem lugar o grande incre mento populacional e urbanístico de Olhão; e, como sua consequência, as primitivas cabanas foram se lentamente extinguindo e cedendo o lugar às novas construções de cal e pedra.

  • 26 ) Fernandes Lopes, « Olhão », in op. cit.
  • 27 ) Silva Lopes, op. cit. p. 341.

47«Se em 1698 ainda os «homens do mar» viveriam só em palhotas, meio século mais tarde já muitas dessas cabanas se teriam convertido em casas, cujo número, adicionado ao das outras casas similares da povoação, exce dia quase o dobro, do das cabanas subsistentes, mas em via de desapareci mento» (26). « Bons pescadores, foram com este exercício aumentando em população » (27); com efeito, da informação do pároco de Olhão de 1758, vê se que Olhão, refeita dos estragos do terramoto, contava então 2440 «pessoas de sacramento», todas ali moradoras, em 787 fogos, sendo o lugar de Olhão, à data, «uma das maiores povoações do Algarve, em que se conta vam para cima de 500 moradas, e mais de 300 cabanas, que cada dia vão diminuindo e pondo se em seu lugar casas». E de acordo com a citada con sulta do Desembargo do Paço de 1765, nessa data já só ali havia 150 cabanas.

  • 28 ) «O que mostra, por um lado, a transferência de usos e preferências da população muçulmana à popul (...)

48A favor dos lucros resultantes do fornecimento, pelos olhanenses, de « refrescos » a sitiantes e sitiados nos cercos de Gibraltar (de 1779 a 1782) e Cadiz (1808), dá se a substituição maciça das cabanas por casas de pedra e cal. Em 1790 contavam se em Olhão 1133 fogos, para uma população sempre em crescimento – 2497 pessoas maiores, 465 menores, e 800 ausen tes, na sua maioria estabelecidos em Espanha ; e 114 embarcações em actividade –; ainda subsistiam algumas cabanas, mas em número muito infe rior ao das casas. Em 1802, Olhão tinha já 1202 fogos, com 4846 habitan tes; de tal modo que, em 1808, é elevado a vila, e, em 1826, a concelho, distinto de Faro. Mas em 1833 e 1834, devido às lutas liberais e à epidemia da cólera, dá se um retrocesso considerável: em 1835, Olhão conta apenas 1081 fogos, com 3202 habitantes, dos quais 1950 pescadores. De acordo com Silva Lopes, nessa data a vila tinha poucas ruas direitas e largas: «pela maior parte são travessas estreitas e becos sem ordem, com as casas na mesma irregularidade em que estavam as cabanas » – o que, segundo Orlando Ribeiro, é um traço que provém quer da época muçulmana, quer dos mouros que permaneceram depois da Reconquista em bairros separados. « Olhão é », crê este Autor, «o único exemplo de uma vila moderna com bairro de planta mourisca, construído num lugar onde não houve povoação muçulmana ou mouraria em que se possa filiar » (28).

  • 29 ) Memória Paroquial do prior Sebastião de Sousa, de 1758, ap. Alberto Iria, op. loc. cit. Ano X n.° (...)
  • 30 ) Silva Lopes, op. cit. p. 341.
  • 31 ) Idem, p. 342.
  • 32 ) «Em chegando o mês de Maio largam os caiques de Olhão para o mar de Larache e aí chegados começam (...)

49Desde muito cedo, Olhão atingiu um notável desenvolvimento como centro piscatório, e os seus pescadores eram tidos como os mais práticos e inteligentes da Província. E, como nota Orlando Ribeiro, essa decidida voca ção piscatória era também, sem dúvida, uma escola para as demais formas de marinharia. Em 1754 havia em Olhão uma numerosa frota de barcos de pesca, e os seus 2500 habitantes, instalados nos bairros da Barreta e do Levante, viviam somente dessa actividade. De acordo com as citadas Memórias de 1758, «as maiores pescarias que os mareantes deste lugar costumam fazer é de pescadas, que todos os dias vão pescar mais de 30 barcos com perto de 500 homens, e todos os dias pela tarde se acham na praia com as suas pescarias, que em menos de uma hora vendem todos cada barco a sua porção em lota aos muitos arreeiros do Alentejo e de toda a província, pois todos vêm a esta praia prover se de peixe». O seu «Compromisso Marí timo» de 1765, era o mais rico do Algarve. Em 1790, a povoação, onde como vimos, ainda subsistiam bastantes cabanas, em «desordenado ajunta mento», era um verdadeiro centro de atracção de pesca, com mais de mil pescadores, de tal modo « insignes e únicos nesta arte e no navego», que não se serviam os reis de Portugal de outros «no serviço dos seus escaleres e trens da Ribeira das Naus», para onde todos os anos iam « quase 400 homens, indo uns render aos outros em levas» (29). Ainda em meados do século XIX, os olhanenses eram tidos como « os mais destros e hábeis pescadores do Algarve, e os que mais se afastam da costa, na distância de 12 a 15 léguas a SO., onde pescam à linha e ao anzol» (30). Quando começaram a usar se artes de arrastar, por volta de 1830 (31), Olhão tem 6 dessas artes, para sardinha e outros peixes, e 49 caíques e 45 lanchas (fora 12 caíques «viajeiros» e 2 iates para o transporte de mercadorias). Além da pesca costeira e nas rias de Faro, Olhão e Tavira, essa gente dedi ca se à pesca no alto, na região fronteira à barra de Olhão, até três léguas de distância (que denominam o nosso mar), e no chamado Mar da Mama Gorda, a 5 léguas da costa de Tavira, e no Mar de Xarnal, mais a Oeste; e vai mesmo pescar no mar de Larache, fronteiro à costa marroquina, para onde parte em Maio, e no mar da Arrábida, nas vizinhanças de Setúbal e Lisboa, onde em 1834, estiveram fazendo a pescaria 36 caíques que aí se demoraram três meses, vendendo o peixe na capital, em fresco (32).

50Mas de facto não era a pesca a única actividade marítima do olhanense. Entre todos os portos antigos da Província, Olhão é o que conserva mais acentuados vestígios de uma tradição de navegações distantes, frequen tando a sua gente, além da pesca, na cabotagem e no contrabando, o Medi terrâneo e os mares de Marrocos e de Angola. A mais original e célebre proeza deste género de que temos notícia, é a ida ao Brasil, já em 1808, de um grupo de olhanenses, para levarem a D. João VI a notícia da liber tação de Portugal da ocupação francesa. Em 1860 alcançaram Moçâmedes e em 1861 Porto Alexandre e a Baía dos Tigres, podendo dizer se que a esta migração marítima, que continuou até fins do século XIX, se deve o incremento que tomou a pesca no litoral de Angola. Durante o ano da fome de 1874 75, os olhanenses procuraram abastecer se de cereais em vários portos do Mediterrâneo, chegando até Odessa num barco tão pequeno que causou admiração.

51Vê-se assim, que, embora hoje, com o enorme desenvolvimento muito diferenciado da cidade – onde continuam porém a ter o maior relevo as actividades marítimas – o carácter primitivo da povoação se tenha enri quecido com novos aspectos, e não reste o menor vestígio das velhas cabanas dos pescadores, foram estas o tipo de construção exclusivo ali existente nos seus primórdios e até a uma data relativamente pouco longínqua; e além disso, que os fundadores da povoação, nos seus mais recuados tem pos, autores dessas primeiras cabanas, foram gentes piscatórias autóctones da região, resultado da mistura de povos que desde os mais recuados tempos pré históricos ali habitavam, e sobretudo mouros ou populações que sofreram a sua influência.

  • 33 ) Raquel Soeiro de Brito, «Palheiros de Mira» (col. Corographia), Lisboa, 1960, pp. 23 24. «O arrai (...)

52No arraial da Culatra, na ilha do mesmo nome, parece não ter exis tido a cabana deste tipo: pouco antes de 1960, ela era já apenas um conjunto de «poucas dezenas de casinhas», térreas, «de tábuas justapostas verticalmente», e «cobertas de estorno (barrão)», dispostas no areal «quase sem ordem e geralmente «circundadas por um quinteiro com flores, às vezes figueiras e até couves » (33). A povoação é habitada todo o ano, e teve um crescimento muito rápido. Hoje, ela conta mais de 1000 habitantes, pos sui escola, igreja e várias lojas, e o seu aspecto geral evoluiu e é um pouco diferente do que acima se disse: o estorno – que já naquela data começara a ser, nas coberturas, substituído pela telha (porque fora proibida a sua apanha) – é agora muito escasso: vimo lo apenas em dois exemplares isolados, a Poente da povoação; a par das casas de tabuado, há muitas outras semelhantes a elas, mas em materiais diversos de carácter industrial; e todas se alinham em longos arruamentos rectilíneos e muito largos, de areia, com o carácter dos arranjos urbanos improvisados.

  • 34 ) Até 1785 a Fuzeta pertencia à freguesia de Moncarapacho, tendo sido elevada então a freguesia ind (...)
  • 35 ) Os pescadores da Fuzeta e de Olhão, dos meses de Abril ou Maio a Setem bro, demandam nos seus cai (...)
  • 36 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II Lisboa, 1936, p. 548, nota 1.
  • 37 ) Silva Lopes, op. cit. pp. 370 371. Os marítimos da Fuzeta contribuiam para «a sustentação do páro (...)

53A seguir à Culatra encontra se a Fuzeta, centro importante de pesca, que teve início num arraial de barracas para guarda dos utensílios da arma ção que ali se lançava, e onde em 1785 (segundo o pároco de Moncara pacho, escrevendo nessa data) (34) se encontravam muitas cabanas, corres pondendo a 109 fogos (ou, de acordo com Silva Lopes, referindo se a 1784, 132 moradores, que haviam sido atraídos ao local pela comodidade da barra); em 1790, a Fuzeta contava 90 pescadores e 6 barcos de pesca, e, por volta dè 1840, 18 caíques e mais 30 lanchas; lançava se então aí uma armação de atum, e os barcos grandes iam também pescar junto com os olhanenses aos mares de Larache, desde Abril a Setembro, vendendo o peixe aos naturais da terra (35), e aos mares de Setúbal desde Outubro até «ao fim da Quaresma » (Março), vendendo o peixe em Lisboa. Em 1860 ainda ali se viam quase ùnicamente cabanas (36); porém, com o decorrer dos tempos e o crescimento da aldeia, estas foram se convertendo em casas de alvenaria (37). Hoje, a Fuzeta, muito consideràvelmente desenvolvida, compõe se exclusivamente dessas casas de pedra e cal, onde vive uma popu lação diferenciada, em que porém o elemento piscatório mantém ainda sen sível relevo.

54Entre Olhão e a Fuzeta, situa se a ilha da Armona, onde os pescadores dessas duas localidades deitavam as suas artes de arrastar, e onde havia três armações da sardinha: de S. Lourenço, dos Vergões e da Armona. Na ilha, a Poente, desenvolve se um núcleo balnear, onde mal se distingue qualquer indício dos primitivos arraiais; a Nascente, mesmo em frente e a pequena distância da Fuzeta, subsiste, desta última, um arraial de doze cabanas, onde habitam com carácter permanente algumas famílias pobres de pescadores. Orientadas no sentido Norte Sul, com porta na empena virada a Sul, e um pequeno postigo na empena oposta, oito delas mostram contudo uma planta diferente da das demais deste sector, resultante naturalmente de um acrescento que lhes fizeram. Em cinco exemplares, esse aumento consistiu num outro corpo semelhante ao primeiro, encostado a este de topo, do lado da empena com porta. Neste caso, a porta para o exterior fica na parede lateral do acrescento virada a Nascente, em reentrância no corpo da cabana, até atingir a devida altura na vertente da cobertura. A porta do corpo pri mitivo abre já para dentro desse acrescento (fig. 236 e des. 52). Em três outros exemplares, esse aumento processou se de maneira diferente: em lugar de um segundo corpo inteiro, construiu se apenas uma metade, cortada no sentido do comprimento, ficando com uma só água, de modo que a parede lateral alta faceja com a porta do primeiro corpo; nessa parede e junto a esta, rasga se a porta de entrada desse segundo corpo, ficando sem comunicação interior com o primeiro corpo (fig. 235 e des. 53). Os cumes não têm capa, e rematam pela maneira usual. Por vezes os cunhais das empenas e ombreiras de portas e postigos são rematados por molhos seguidos de barrão (fig. 237). As restantes cabanas são do tipo geral e duas delas, de banhistas, têm já as paredes de tabuado caiado de branco (fig. 234).

Des. 52 – Ilha da Armona, Fuzeta. Cabana e planta do conjunto.

Des. 52 – Ilha da Armona, Fuzeta. Cabana e planta do conjunto.

Des. 53 – Ilha da Armona, Fuzeta. Cabana com acrescento ocupando apenas metade da sua largura.

Des. 53 – Ilha da Armona, Fuzeta. Cabana com acrescento ocupando apenas metade da sua largura.
  • 38 ) Baldaque da Silva, op. cit., pp. 158 159.

55Na costa de Tavira lançavam se quatro armações, a que correspondiam outros tantos arraiais de cabanas: o do Livramento, em frente ao extremo ocidental da ilha de Tavira (junto com barracos de pescadores individuais); o do Barril (da companha dos Três Irmãos), a Nordeste do anterior; o do Medo das Cascas, mais a Nordeste ; e o da Abóbora, no extremo oriental da ilha (38). Hoje, o arraial do Livramento desapareceu; no do Barril subsistem três ou quatro barracos; os do Medo das Cascas e da Abóbora evoluiram, e neles não existem já barracos.

56Em frente a Santa Luzia – ela própria, há pouco mais de um século, um arraial constituído também por cabanas, de que não resta nem um exemplar – encontram se hoje, à beira mar, três cabanas isoladas, na Terra Estreita, duas em razoável estado, e uma completamente arruinada (figs. 238, 239 e 240). Um pescador dali informou que os espeques costu mavam ser alcatroados na ponta que mergulhava na areia. Não vimos qual quer sinal de se ter usado a capa na cobertura. Ao longo dos cunhais das empenas reconhecia se a fila de molhos vedando as fendas (fig. 241). Algu mas das fiadas das paredes não eram interrompidas nos cunhais, dando a volta sobre estes e avançando nas empenas.

57Do lado da terra, à beira do esteiro, no sector costeiro que corresponde à Luz de Tavira, um pouco a Poente da cidade de Tavira, encontra se ainda o arraial da Torre de Ares, alinhamento de cabanas bordejando a ria (fig. 242), todas de habitação permanente de gente piscatória; como particularidade local, o cume em algumas delas remata por manchinhas dis postas transversalmente, presas por uma cana de cada lado (des. 54). As cabanas têm dois compartimentos separados por divisórias de canas, (fig. 243). A sua entrada volta se para a ria, e muitas delas ficam dentro de um cercado, de canas de milho. Cozinham ao ar livre, ou noutra barraca ao lado, ou na própria cabana, em velhas latas à guisa de fogareiro.

212 – Fornico, Faro Conjunto de cabanas

212 – Fornico, Faro Conjunto de cabanas

213 – Quarteira, Loulé Grupo de cabanas

213 – Quarteira, Loulé Grupo de cabanas

214 – Quarteira, Loulé Velha cabana que contrasta com os novos edifícios

214 – Quarteira, Loulé Velha cabana que contrasta com os novos edifícios

215 – Quarteira, Loulé Cabanos

215 – Quarteira, Loulé Cabanos

216–Quarteira, Loulé Remate da empena e cume

216–Quarteira, Loulé Remate da empena e cume

217 – Quarteira, Loulé Sala cozinha forrada a tabuado

217 – Quarteira, Loulé Sala cozinha forrada a tabuado

218 – Quarteira, Loulé Cabana

218 – Quarteira, Loulé Cabana

219 – Quarteira, Loulé Guarda vento de canas

219 – Quarteira, Loulé Guarda vento de canas

220 – Quarteira, Loulé Sala e quarto. Paredes recobertas com cartazes, páginas de revistas, fotografias, etc.

220 – Quarteira, Loulé Sala e quarto. Paredes recobertas com cartazes, páginas de revistas, fotografias, etc.

221 – Quarteira, Loulé Cozinha

221 – Quarteira, Loulé Cozinha

222 – Fornico, Faro Conjunto de cabanas

222 – Fornico, Faro Conjunto de cabanas

223 – Fornico, Faro Cabanas

223 – Fornico, Faro Cabanas

224 – Fornico, Faro Interior duma cabana

224 – Fornico, Faro Interior duma cabana

225 – Costado, Faro Conjunto de cabanas

225 – Costado, Faro Conjunto de cabanas

226 Costado, Faro Cabana

226 Costado, Faro Cabana

227 – Costado, Faro Cabanas

227 – Costado, Faro Cabanas

228 – Ramalhete, Faro Cabanas, junto à Ria

228 – Ramalhete, Faro Cabanas, junto à Ria

229 - Ilha de Faro Cabanas de tabuado e de junco

229 - Ilha de Faro Cabanas de tabuado e de junco

230 – Ilha de Faro C abana

230 – Ilha de Faro C abana

231 – Ilha de Faro Cabano

231 – Ilha de Faro Cabano

232 – Ilha de Faro Pormenor da cobertura

232 – Ilha de Faro Pormenor da cobertura

233 – Ilha de Faro Cabana

233 – Ilha de Faro Cabana

234 - Ilha da Armona, Fuzeta Cabanas de tabuado e de junco

234 - Ilha da Armona, Fuzeta Cabanas de tabuado e de junco

235 – Ilha da Armona, Fuzeta Cabanas

235 – Ilha da Armona, Fuzeta Cabanas

236 – Ilha da Armona, Fuzeta Cabana

236 – Ilha da Armona, Fuzeta Cabana

237 – Ilha da Armona, Fuzeta Postigo

237 – Ilha da Armona, Fuzeta Postigo

238 – Terra Estreita, Santa Luzia, Tavira Cabana

238 – Terra Estreita, Santa Luzia, Tavira Cabana

239 / 240 – Interior da cabana da fig. Anterior
241 – Terra Estreita, Santa Luzia, Tavira Pormenor do remate da cobertura, junto à empena

239 / 240 – Interior da cabana da fig. Anterior241 – Terra Estreita, Santa Luzia, Tavira Pormenor do remate da cobertura, junto à empena

242 – Torre de Ares, Tavira Conjunto de cabanas

242 – Torre de Ares, Tavira Conjunto de cabanas

243 – Torre de Ares, Tavira Interior de ụma cabana

243 – Torre de Ares, Tavira Interior de ụma cabana
  • 39 ) Silva Lopes, op. cit., p. 378. Estes pescadores pescavam em lanchas junto às pedras ou com o aban (...)
  • 40 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II loc. cit.; e também « Dialectos Algarvios  (...)

58Semelhantemente, também do lado da terra, junto ao esteiro, no sector costeiro que corresponde à Conceição, um pouco a Nascente de Tavira, ficava o arraial das Cabanas da Conceição, ou Cabanas da Armação, povoa ção exclusivamente de pescadores (39), e onde, consequentemente, estas cons truções (que deram o nome à localidade) devem ter sido extremamente nume rosas; em 1894, elas ainda existiam em grande número, servindo de habitação (40); hoje, porém, delas subsistem apenas vestígios, perdidos no meio das casas de pedra e cal da actual povoação.

  • 41 ) Estácio da Veiga menciona a existência de Kjökkenmöddinger pré históricos à beira mar, na costa d (...)
  • 42 ) Silva Lopes, op. cit p. 82; e também Ataide de Oliveira, op. cit. pp. 73 e 101.
  • 43 ) Silva Lopes, op. loc. cit..
  • 44 ) Segundo Silva Lopes, op. cit. p. 383, o Marquês de Pombal teria assim forçado os pescadores de Mo (...)

59A seguir ao mar da Cana, a Leste de Tavira, na enseada que, a partir de Cacela, se estende por cerca de 4 léguas até ao Cabedelo da foz do Guadiana, fica finalmente a praia e povoação de Monte Gordo, que foi um dos maiores arraiais de cabanas deste sector costeiro. A pesca aqui é antiga (41) e foi de grande im portância; já em 1433, D. Duarte doara ao Infante D. Henrique a dizima nova que sobre ela inci dia (42). Antes de 1711, contudo, não se praticava aí a pesca à sar dinha, constando mesmo que gran de parte dos moradores de Santo António de Arnilha – depois des truída pelo mar – e de Castro Marim, mal conheciam esse peixe, que só de Espanha lhes vinha, e muito raramente. Por volta de 1710, um pes cador de Castro Marim, de nome António Gomes, inaugura a pescaria desse peixe nesta praia; os seus progressos são tais, que em 1760 já ali se encontravam muitas armações montadas, e inúmeras cabanas habitadas por pescadores, não só portugueses mas também espanhóis e franceses, os estran geiros mesmo em maior número do que os nacionais. Em 1774 tinha Monte Gordo uma população de mais de cinco mil homens, afora muitas mulheres, e as suas cabanas alinhavam se ao longo do areal desde a barra até perto do ponto que correspondia à antiga Cacela, por mais de uma légua; e con tavam se não menos de 100 barcos ou artes de arrastar (43). Com a creação de Vila Real de Santo António, e, subsequentemente, a obrigação de aí irem os pescadores vender em lota a sardinha pescada na costa de Monte Gordo ( a fim de obrigar os espanhóis a pagarem os direitos sobre a pesca, a que até então se eximiam), esta praia decaiu porque os pescadores espanhóis pre feriram transferir se para a Higuerita, pequeno porto de pesca na costa de Ayamonte, enquanto que muitos portugueses se estabeleceram na Vila (44).

Des. 54 – Torre de Ares, Tavira. Remate do cume, diferente do usual nestas cabanas.

Des. 54 – Torre de Ares, Tavira. Remate do cume, diferente do usual nestas cabanas.
  • 45 ) Baldaque da Silva, op. cit., p. 161.
  • 46 ) Ataíde de Oliveira, «Monografia de Vila Real de Santo António », p. 186. J. Leite de Vasconcelos, (...)
  • 47 ) A. Mesquita de Figueiredo, «Etnografia Portuguesa – Habitações da Beiramar », in «Terra Portugues (...)
  • 48 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II, loc., cit., e «Boletim de Etnografia», n. (...)

60Por volta de 1890 Monte Gordo conservava porém ainda muito da sua actividade piscatória, com artes de arrastar ou da xávega, de que havia grande número, vendo se muitas barracas de madeira e algumas de alve naria (45). Em 1908, um informador de Ataíde de Oliveira contava nela cerca de 1600 habitantes, distribuídos por 150 a 200 casas e por 200 caba nas (46). Mesquita de Figueiredo alude a estas em 1917 (47), e Leite de Vasconcelos, que visita a povoação em 1933, regista ainda que «alguns pes cadores vivem num areal afastado da praia, em cabanas cobertas de colmo»; essas cabanas formavam às vezes grupos, a que davam o nome de bairros (48). Hoje delas restam apenas ou um outro exemplar.

Santo André

  • 49 ) Um dos mais velhos pescadores de Santo André, o Tio Caniço, de quem obtivemos estas informações, (...)

61Quando nos princípios do século passado, pescadores ilhavenses arri baram à costa de Santo André, um pouco a Norte de Sines, encontraram aí, perto do mar, como sinal de habitação humana, apenas uma cabana erguida na margem Sul da lagoa (49). A fartura de peixe na lagoa ani mou os a demorarem se nessas paragens; e a abundância de sardinha no mar, e as condições da praia propícias a uma pesca de arrasto que lhes era familiar, levou os a interessarem alguns lavradores da região na organiza ção de uma companha estruturalmente semelhante às do Norte. Deu se então a vinda das famílias, o erguer das cabanas e armazéns (lagares), e dos barracões onde dormiam os malteses que ajudavam à faina – a cria ção do arraial, que se situa na vertente da duna voltada para o interior, a Norte da Lagoa, e que as ondas chegam a galgar em certos dias de tem poral –.

62Como todos os aglomerados piscatórios que praticavam o arrasto para terra, Santo André conheceu um período de prosperidade; ainda nos prin cípios deste século viviam ali cerca de 40 famílias, todas de pescadores. O peixe era levado para o interior por ovarinos, e de longe, designadamente de Ferreira e Beja, vinham os almocreves buscá lo. Na praia, vários barcos, alguns vindos da Caparica, outros mesmo construídos ali, erguiam as proas altas e curvadas. A abundância de peixe era tanta que, por vezes, chegava a ser usado como adubo.

63Durante longos anos o contacto com as terras de origem não se per deu. De lá vinham periòdiamente os «caramelos» trabalhar nas valas e arrozais e nas salinas do Sado, trazendo mesmo, para os que dali se haviam fixado, a fazenda para os gabões, que continuavam a usar à moda de Aveiro.

64Hoje, a decadência do « arraial » é grande. A xávega acabou comple tamente, subsistindo apenas umas 10 famílias de pescadores, que pescam sobretudo na lagoa; a vida da povoação vai trocando o carácter piscatório pelo balnear, e a maioria das cabanas é utilizada ou transformada pelos veraneantes.

65As cabanas de Santo André, como as dos demais pontos da beira mar, são sempre de planta rectangular, com cobertura de duas águas, orientadas geralmente na direcção Nascente Poente; a entrada situa se na empena frontal, virada a Nascente (des. 55). Em alguns casos, raros, elas orien tam se na direcção Norte Sul, e a porta, então, rasga se também do lado Nascente, mas na fachada lateral (figs. 244 a 253).

Des. 55 – Santo André, Santiago de Cacém. Planta de uma cabana.

Des. 55 – Santo André, Santiago de Cacém. Planta de uma cabana.

66Essas construções foram, de entrada, feitas exclusivamente com mate riais que havia no local – caniço e estorno para paredes e cobertura, paus de pinheiro para a armação. Hoje, muitas têm já a fachada frontal em tabuado.

67O esqueleto destas cabanas é constituído por uma série de prumos (espeques ou esteios) de pinho, enterrados na areia, e afastados uns dos outros cerca de 60 cm. Nas empenas, os espeques centrais, da frente e de trás, que suportam o cume (trave), terminam, para esse efeito, em forca ou com o topo cortado em V; e, além dos espeques central e dos cantos, há ainda, em cada vão, um intermédio. Assente sobre os topos dos espeques laterais e pregado a eles, corre o frechal (triza). Do frechal ao cume são montados os caibros, em número superior ao dos espeques (fig. 246).

  • 50 ) A disposição da fiada inferior em valadio, junto ao solo, pode explicar se pelo facto de, por ess (...)

68O revestimento das paredes pode fazer se por vários processos. Na forma mais antiga e mais simples, usada ainda hoje em alguns casos, as ripas, de cana, são amarradas – hoje já muitas vezes pregadas – ao lado exterior dos espeques, afastadas 35 a 40 cm umas das outras. Contra elas dispõe se o mato ( bracejo, junco, ou preferentemente caniço). Nas facha das laterais, quando o revestimento é de caniço (que é o material mais vul garmente usado) e este tem aproximadamente a mesma altura das paredes, coloca se uma primeira fiada em valadio – espalhada – com o couce (troço) para baixo, ligeiramente enterrado ha areia, e outra no sentido inverso, com a rama para baixo, presas por canas exteriores, amarradas a espaços de cerca de 80 cm às ripas interiores que lhes correspondem. Quando o caniço é muito mais comprido que a altura das paredes, as pontas são, em cima, dobradas para baixo, dispensando a fiada invertida (des. 56a). Nos raros casos em que o revestimento é doutros materiais mais curtos, junco ou bracejo, a fiada inferior coloca se do mesmo modo em valadio e com o couce para baixo, e as seguintes são cosidas a ponto, com o couce para cima, às ripas interiores, dispostas a alturas ditadas pelo comprimento desse material. As fiadas sobrepõem se de modo a cobrirem o ponto da fiada anterior (50).

69Nas empenas (cutelos), do mesmo modo, a fiada inferior é sempre em valadio e as seguintes cosidas a ponto às ripas oblíquas, mais altas. Quando o revestimento é de caniço, que, como dissemos, é o caso geral, e este é muito comprido, bastam mesmo duas fiadas para vedar completa mente a empena.

70Até há cerca de 50 anos, conhecia se aqui apenas este sistema primi tivo de revestimento. Seguidamente, além dele, e em vista a um revesti mento interior com barro, vêem se paredes, mormente por esse lado, feitas segundo três outros processos. Num deles, que aproveita inteiramente a forma atrás descrita, aplica se interiormente uma espécie de tabique for mado por uma camada de camarinheiras que se espetam aqui e além no mato e nas ripas, servindo de suporte a uma argamassa de barro muito solta que, quando enxuta, recebe uma nova camada de barro, afagado de modo a formar uma superfície lisa, recobrindo totalmente as camarinheiras e os próprios prumos (des. 56b). Num outro processo, as ripas são prega das pelo lado interior dos prumos, afastadas cerca de 35 a 40 cm umas das outras, dispondo se o caniço contra elas numa espessa camada em valadio, presa por canas que amarram para as ripas interiores; deste modo, o mato enche o espaço correspondente à grossura dos prumos, recobrindo mesmo estes com uma camada delgada, que muitas vezes desaparece com o tempo, deixando aqueles à vista; interiormente, os espaços entre as ripas são preenchidos por canas inteiras ou rachadas a meio, com o miolo voltado para o interior, pregadas aos prumos ao jeito de fasquia, com os pregos mal batidos para ajudar à aderência das massas; e é sobre essas canas que se aplica a argamassa de barro (des. 56c). Noutro processo ainda, em lugar do tabique de camarinheiras e barro, usa se um enchimento pròpriamente de taipa; a terra amassada é calcada entre o revestimento exterior de caniço e uma tábua que se coloca pelo lado de dentro, contra os prumos, amparada por escoras, e que se desloca à medida que se vão aplicando as suces sivas camadas de terra, até ao alto (des. 56d). Hoje, além destas formas, vêem se algumas destas cabanas forradas interiormente com tabuado, dei xando, como na ilha de Faro, vãos que sé aproveitam para prateleiras (figs. 251 a 253, e des. 57 e 58).

Des. 56 – Santo André, Santiago de Cacém. Vários sistemas de construção de paredes, vistos em corte.

Des. 56 – Santo André, Santiago de Cacém. Vários sistemas de construção de paredes, vistos em corte.

71A ripagem da cobertura é feita de canas colocadas com as pontas finas sobrepondo se em parte do seu comprimento, e espaçadas cerca de 20 cm. A primeira fiada do mato é posta com o couce para baixo, cosida a ponto para a primeira cana, formando beiral saliente (des. 59b); a segunda fiada e as seguintes até ao cume, são igualmente cosidas a ponto, mas com os couces para cima. A amarração deixa sempre uma cana livre, o que corresponde a um avanço de cerca de 40 cm. Como o estorno ou junco usados de preferência na cobertura têm o comprimento aproximado de 80 cm, cada fiada recobre cerca de 40 cm da fiada anterior. A última é sempre cosida à penúltima ripa (de modo que os couces fiquem apoiados na última); e esses couces encontram se no cume com os da última fiada da outra água, sem se sobreporem (des. 59c). Sobre esta camada geral de toda a cobertura, de fiadas cosidas a ponto, dispõe se outra, de fiadas em valadio, do beiral ao cume. Cada uma destas fiadas em valadio é presa por uma cana, amarrada com corda de cairo, a espaços largos, para uma das ripas interiores. Essas canas são cobertas pela rama da fiada seguinte, à excepção da última, que fica à vista. As fiadas do beiral e do cume são presas ainda por mais uma cana, que fica igualmente à vista (des. 59d). Nos casos em que o mato é varudo (comprido), há um número menor de fiadas, presas então por mais do que uma cana, das quais só algumas ficam tapadas.

Des. 57 – Santo André, Santiago de Cacem. Interior de uma cabana, vendo se o local da antiga lareira com as paredes revestidas de barro.

Des. 57 – Santo André, Santiago de Cacem. Interior de uma cabana, vendo se o local da antiga lareira com as paredes revestidas de barro.

Des. 58 – Santo André, Santiago de Cacém. Outro aspecto do interior da cabana do des. 57.

Des. 58 – Santo André, Santiago de Cacém. Outro aspecto do interior da cabana do des. 57.
  • 51 ) O Tio Caniço explica o abandono deste remate pelo facto do mato que se dispunha em valado se ench (...)

72Como no Algarve, o remate do cume, antigamente, era feito por um valado de mato, disposto no sentido longitudinal, entre as canas que pren dem a última fiada e ficam à vista, amarrado a elas por uma corda lançada em ziguezague de uma para a outra; hoje, este remate não se usa, e o cume é formado apenas pelo encontro dos couces das últimas fiadas (51).

73Como dissemos, salvo raras excepções, a porta abre se na empena frontal, com o espeque central servindo de ombreira (fig. 244). Nas pare des laterais, vêem se um ou dois postigos pequenos (fig. 248). Qualquer destas aberturas é limitada por um tosco aro de tábua, que avança para o interior e exterior da parede, contra o qual encostam os topos das ripas e canas, e o mato. Em alguns casos, a este aro pregam se pelo lado exterior tábuas delgadas, que fazem de alizares. Estes madeiramentos são no geral caiados de branco (fig. 245).

Des. 59 – Santo André, Santiago de Cacém. Pormenores da construção de uma cabana. a) processo de prender os feixinhos de mato às ripas, designado por coser a ponto; b) disposição do caniço na cobertura; c-d) sobre as fiadas de caniço cosidas a ponto, dispõem se outras em valadio, seguras por canas amarradas para a armação interior.

Des. 59 – Santo André, Santiago de Cacém. Pormenores da construção de uma cabana. a) processo de prender os feixinhos de mato às ripas, designado por coser a ponto; b) disposição do caniço na cobertura; c-d) sobre as fiadas de caniço cosidas a ponto, dispõem se outras em valadio, seguras por canas amarradas para a armação interior.
  • 52 ) Aquele mesmo informante, patriarca de Santo André, diz nos ainda que só no princípio deste século (...)

74Estas cabanas são divididas em dois compartimentos: a cozinha sala, à frente, e um quarto atrás, este por vezes subdividido em dois cubículos. As divisórias são agora geralmente em tabuado; mas antes da difusão deste material, usava se para esse efeito exclusiva mente o mato, cosido a ponto. Interiormente, na sua maioria, e tal como nas barracas algarvias, estas cabanas apresentam se extremamente cuidadas. As paredes, quando rebocadas a barro ou forradas de tabuado, são sempre caiadas. O modesto mobiliário é animado por toalhas de renda ou tecidos estampados, jarras de flores, plan tas, etc. A utensilagem da cozinha, impecàvelmente limpa e reluzente, é dis posta com grande sentido de harmonia, nas prateleiras praticadas no forro, ou noutras, suspensas das paredes. O pavimento é normalmente de barro batido ou de soalho formado por pontas pequenas de tábuas pregadas a grosseiros barrotes pousados directamente na areia (52).

Costa da Caparica

75Segundo uma tradição que parece consistente, teriam sido os ilhavenses, vindos do Norte na sua avançada pioneira de exploração de novas pescarias, quem primeiro se estabeleceu na Costa da Caparica, até então deserta; e, imediatamente após eles, os algarvios, vindos do Sul. Uns e outros, além da pesca e da organização que esta implica, trouxeram consigo os seus hábitos e costumes próprios, que implantaram nestas paragens. Pas sados os primeiros tempos, em que toda essa gente permanecia na Caparica apenas durante a época da safra, nos meses de Outubro, Novembro e Dezem bro, vivendo em « singelas e pequenas choupanas, a que largavam fogo quando se retiravam para as suas terras», começa a dar se a sua fixação: os ilhavenses ao Norte, sobre um medo elevado que existe perto do ponto onde agora se situam as barracas dos pescadores; os algarvios ao Sul, cada qual em seu bairro, fazendo vida separada. Os algarvios, para se abrigarem, construíram sem dúvida barracas de estorno ou junco, idênticas às que usa vam na sua terra de origem, e com os mesmos materiais que ali também se encontram.

  • 53 ) À excepção de Rocha Peixoto, que no seu estudo sobre os «Palheiros do Litoral», datado de 1898 (i (...)

76A habitação tradicional característica do pescador ilhavense, no Norte, é o palheiro de tabuado, apenas com a cobertura em estorno. As mais antigas notícias de que dispomos referentes à Costa da Caparica, dos sé culos XVIII e XIX, mencionam, como veremos, exclusivamente um aglo merado de « barracos de palha» (53); se estes termos correspondem a uma indicação rigorosa e precisa, temos de supor que aqui, onde sem dúvida a madeira para o tabuado seria de difícil e dispendiosa obtenção, esses pio neiros ilhavenses adoptaram, não a forma da sua habitação tradicional, mas a dos seus co vizinhos algarvios, mais fácil de construir, que teriam imitado e usado até muito tarde. Mas, como veremos, é de admitir que se trate de uma mera generalização sem qualquer preocupação de exactidão, e que desde muito cedo houvesse casas de tabuado, e apenas com telhados de colmo, além de barracos inteiramente em estorno.

  • 54 ) Agro Ferreira, «A Praia da Costa (Caparica) – Terra de Pescadores », Lisboa, 1930, pp. 20, 22, 30 (...)

77Parece terem sido os ilhavenses os que também primeiro ali passa ram a viver com carácter permanente; os algarvios regressavam ao Algarve quando acabava a safra. Ainda em 1770, esta praia era habitada todo o ano apenas por um número muito reduzido de pessoas, e só no ano seguinte ali se fixaram os primeiros « mestres da pesca», dois ilhavenses –Joaquim Pedro e José Rapaz – e dois algarvios – José Gonçalves Bexiga e Romualdo dos Santos –, «em barracas já com maiores comodidades», e com as suas companhas. «Dado o exemplo, em anos a seguir, ali se fixaram também os mestres José dos Santos, Jerónimo Dias, João Lopes e Manuel Toucinho ». O principal motivo da subsequente fixação também dos algarvios teria sido o receio de perderem a sua zona de pesca (54).

  • 55 ) Em 1870 contavam se na Costa da Caparica 307 chefes de família, na sua maioria descendentes de ge (...)

78A rivalidade entre ilhavenses e algarvios era grande, mas o elemento nortenho acusava uma certa supremacia, e os algarvios foram se amoldando; as próprias moradias do bairro velho dos pescadores parecem se mais com as da Costa Nova do que com as do Algarve. Com o decorrer do tempo, os dois grupos acabaram por se fundir; mas essa primitiva rivalidade perdura, ainda em nossos dias, nos partidos dos jogos dos garotos, que opõem sempre os do Norte contra os do Sul (55).

79Um dos primeiros cuidados destes pioneiros nortenhos foi a construção da igreja, também de junco e tabuado; o cemitério local data de 1780, mas só em 1848 foi murado.

  • 56 ) Porque o seu dono, em comemoração do acontecimento, mandou incrustar na sua frontaria as armas re (...)

80Nos princípios do século XIX, a Costa da Caparica era ainda apenas um aglomerado de barracas de palha, na expressão de Pinho Leal; a pri meira casa de pedra e cal data de cerca de 1800; quando D. João VI visitou a Caparica em 1823 ou 1824, hospedou se nessa casa, que era a única ainda então existente no lugar, e que é hoje conhecida pelo nome de casa da Coroa, no largo da Coroa (56).

81Em 1840, um grande fogo, chamado da «Quinquilheira», devorou 98 bar racas; em 1864, outro, devorou cerca de 60; e em 1884, outro ainda, devorou também cerca de 60.

  • 57 ) Raquel Soeiro de Brito, «Palheiros de Mira», p. 23.
  • 58 ) Fernando Castelo Branco, op. cit. Ano XII, n.° 264, 1968, p. 9.

82Por volta de 1900 a Costa da Caparica continuava a ser apenas um arraial de barracas; «a única casa mista de cantaria e madeira, era uma taberna» (57). Mais uma vez, porém, não podemos saber se essas barracas seriam de estorno ou tabuado; mas cremos que, pelo menos nessa altura, já ali existiam casas deste último género, embora sem dúvida a par de bar racos de estorno, de que aliás chegaram até quase aos nossos dias alguns exemplares: além dos barracos pròpriamente ditos, há que acrescentar, como bem notou Fernando Castelo Branco, outros, construídos sobre barcos fora de uso, que se vêem em duas aguarelas de Roque Gameiro, que supo mos poder datar desta mesma época, e a que já nos referimos; ora esses barracos são precisamente de tabuado (horizontal), e apenas com a cobertura em estorno (58). Acresce que os homens velhos da localidade tão longe quanto podem, lembram se da Caparica, como um aglomerado sobretudo de casas de tabuado, tal como ainda hoje.

  • 59 ) Raquel Soeiro de Brito, op. loc. cit.

83Seja como for, a partir de então, a construção em tabuado toma certa mente maior incremento, enquanto os velhos barracos do tipo algarvio se vão extinguindo, acompanhando os rápidos progressos que se verificam nos locais que passam a ser frequentados por veraneantes (59).

  • 60 ) Agro Ferreira, «As praias da Costa – indevidamente chamada da Caparica ». I Congresso National de (...)

84Segundo Agro Ferreira, até 1922 esta povoação era constituída apenas por «uma centena de barracas de colmo», a par de «umas dezenas de barracas de tijolo e meia dúzia de casas abarracadas de pedra e cal » (60). Mas, pelas razões apontadas, é difícil saber se a expressão, além das cober turas, se refere também às paredes.

  • 61 ) Raul Brandão, «Os Pescadores », 1923, p. 248: «Quatro tábuas e um tecto de colmo negro».
  • 62 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II, p. 564.
  • 63 ) Id. III, p. 487 488, e fig. 126 (p. 489).

85Com efeito, Raul Brandão, falando da Costa da Caparica em 1923, dá a entender que as casas aí eram, pelo menos então, de tabuado (61). E Leite de Vasconcelos, que a visita em 1931, nota que, pouco tempo antes, ainda ali se via grande número de casas de madeira cobertas de colmo, « que vão sendo substituídas por óptimas vivendas» (62). «O telhado faz se de barrotes de pinheiro, castanheiro ( !), etc., pondo se lhe por cima canas grossas, e sobre as canas feixes de estorno, atado a elas com linhas de carreto. Chamam barracas a estas casas, que vão desaparecendo. Os compartimentos podem ter divisões ou simplesmente cortinas, ou de caniçadas de estorno.» Note se que este Autor publica uma fotografia antiga da Costa da Caparica, em que se vêem alguns escassos barracos que parecem ser de tabuado, no meio de uma chusma de outros inteiramente de estorno, do tipo algarvio, dispersos no areal (63).

  • 64 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros», p. 95.

86Hoje, na Costa da Caparica, nenhum exemplar subsiste de tais barracas, e domina inteiramente a casa de tabuado, não só para banhistas, numa feição cuidada, como também, no velho bairro dos pescadores, estas térreas, de pau a pique, e tabuado horizontal, virando para a rua a empena, onde se situa a porta; a cobertura em telha de Marselha é a única diferença sensível entre elas e as barracas descritas por Raul Brandão (64 ).

  • 65 ) Note se porém que, aqui, eles não usaram a construção palafítica caracterís tica da sua terra de (...)

87Embora seja portanto plausível, não se pode contudo, como dissemos, afirmar que essas casas representem a forma primordial das habitações dos ilhavenses que se instalaram na Caparica, que reproduziriam naturalmente o sistema construtivo usado na sua terra de origem; na verdade, se os « barracos de palha» a que alude Pinho Leal, eram de junco, do tipo algar vio, elas serão apenas um estádio habitacional mais adiantado, que se teria então iniciado, após que as condições de vida dos seus moradores melhora ram, e os transportes em geral se tornaram mais fáceis. Em todo o caso, essa nova forma, aqui na Caparica, teria vindo curiosamente ao encontro da mais velha tradição construtiva da região de origem dos seus primeiros povoadores (65).

  • 66 ) Orlando Ribeiro, ap. Raquel Soeiro de Brito, op. cit. p. 23.

88Cerca de 9 km a Sul da Costa da Caparica encontra se a Fonte da Telha, «lugarejo de pescadores à beira mar », também «quase totalmente formado por estas primitivas barracas », que «servem de arrecadação, de abrigo de animais e ainda de habitação para o Homem » (66 ). A Fonte da Telha surgiu, como povoação, por volta de 1900, e há poucos anos a esta data ainda viviam alguns dos homens que lhe deram começo. Pescadores da Caparica, esses homens deitavam por vezes ali as suas redes de arrasto para terra, e pernoitavam em covas que abriam na duna e sumàriamente abrigavam com estorno, que vergavam amarrando lhe as pontas em cima, de modo a formar como que uma pequena tenda. Tomada a resolução de aí se instalarem com carácter permanente, eles ergueram barracas, que certamente reproduziram as da Caparica, em que até esse momento tinham vivido. Em 1934, a povoação, a despeito da sua proximidade da Caparica, que então já evoluirá muito consideràvelmente, mantinha o seu carácter primitivo. Nos últimos anos, graças também à sua frequentação sempre crescente como praia de banhos, o aspecto da Fonte da Telha tem se modi ficado, e designadamente as barracas de estorno vão sendo ràpidamente substituídas por casas de tabuado ou de materiais duros, que se alinham em arruamentos regulares; mas delas subsistem ainda alguns exemplares.

  • 67 ) Em 1963. Ver texto correspondente à Nota 279, a descrição de Leite de Vasconcelos das coberturas (...)

89A estrutura e pormenores de construção dos primitivos barracos da Costa da Caparica, que até aos princípios deste século constituíram, se não a totalidade, certamente uma grande parte, da povoação, já só poderá conhe cer se através dos exemplares ainda existentes da Fonte da Telha, que como dissemos, eram sem dúvida idênticos àqueles (67). Aqui, a estrutura das paredes consiste numa série de prumos espetados na areia – as muletas; os das paredes laterais são baixos, erguendo se acima do solo pouco mais de 1,50 m; e aos que suportam o pau de fileira (cume), a meio das empenas, chamam prumos de cabeceira. Os barrotes da cobertura, lançados do frechal ao cume, ficam distantes uns dos outros cerca de 60 cm, e sobre eles pregam-se ou amarram se canas simples ou aos pares, a espaços de cerca de 15 cm. Nas paredes, a ripagem é semelhante, disposta mais espaçadamente. O estorno do revestimento é cosido a ponto, e o cume leva uma fiada dis posta transversalmente, segura por duas canas, uma em cada vertente; sobre esta fiada dispõe se outra – a combreira – ao correr do cume, também amarrada para as varas. Interiormente as paredes são revestidas de tabuado, colocado horizontalmente (fig. 254).

  • 68 ) Luís António de Oliveira Mendes, «Discurso académico ao Panorama », pre miado na sessão pública d (...)

90Na Trafaria, temos indicação da existência – já antes de 1793 – de barracos semelhantes aos de outros pontos da nossa costa, e às « sanzalas ou palhotas» do Brasil e da África, «de palha brava e comprida» ou «folhas dos coqueiros, com paredes de fora de taipa» (68).

Região do Sado

91Nos terrenos planos da margem Sul do Sado, a Poente de Alcácer do Sal, e ao longo da costa, da Comporta para o Sul até Casa Branca e Melides, encontram se núcleos mais ou menos importantes de cabanas deste mesmo tipo geral, constituindo a habitação normal de uma classe pobre de tra balhadores rurais e salineiros. Erguidas em terrenos pertencentes a grandes herdades, a permanência deste tipo de construção aí, mais sem dúvida do que uma sobrevivência histórica, explica se pelo facto de os proprietários desses terrenos impedirem a substituição destes materais por outros mais sólidos e duradouros, que dariam aos seus moradores, anos volvidos, o direito de posse; transigindo embora com a conservação das actuais, não autorizam igualmente a edificação de novas cabanas.

92As cabanas dos agrupamentos da margem Sul do Sado – de Monteira, Algarvios (fig. 255 a 262), Batalha, Casas Novas (fig. 263 a 267), Montevil, Montalvo (figs. 268 e 272), Foro de Baixo, Cachopos, Murta, etc. – apre sentam entre si uma identidade estrutural quase absoluta.

93Embora a maior concentração destas cabanas se verifique em Algar vios, onde já viveram cerca de 300 famílias, descreveremos um exemplar tipo observado em Casas Novas, por ser nesse lugar que as encontramos mais cuidadas e melhor acabadas.

94Como o material de que são feitas é extremamente sujeito a incêndios, este perigo foi uma preocupação constante, dando origem ao estabelecimento de duas construções separadas para cada família: a cabana grande, com sala e quartos, e a cabana de lume, onde se cozinha e tomam as refeições; e ainda ao uso corrente de uma espécie de lareira ao ar livre – o fogão formada por uma cova com os bordos em ferradura recobertos por vezes de tijoleira, onde cozinham sempre que o tempo o permite (fig. 272).

95A construção da cabana inicia se marcando no solo o rectângulo que ela irá ocupar. Nos quatro cantos colocam se os prumos, a meio das empe nas os esteios, os paus de vão entre estes e os cantos, e finalmente os prumos das paredes laterais, distanciados uns dos outros cerca de 80 cm; sobre os esteios das empenas, e um prumo central, a meio da casa, apoia se a trave do cume – a fileira –, cujas pontas avançam e ficam à vista fora das empe nas. As peças verticais são hoje cravadas numa sapata de cimento, a 20 cm de profundidade. No topo superior dos prumos laterais, pelo lado de dentro, prega se a triza, simples tábua ao jeito de frechal; o barrotamento é lan çado do cume ao topo dos prumos, abrindo se na triza rasgos onde encaixam os barrotes. Pelo lado interior dos prumos pregam se seguidamente as ripas, mais ou menos espaçadas, conforme as posses de quem constrói a cabana – 30 a 50 cm –. Na parte da empena correspondente ao outão, as ripas obliquam, acompanhando a inclinação das vertentes da cobertura (des. 60).

Des. 60 – Casas Novas, Alcácer do Sal. Planta e pormenores de construção de uma cabana.

Des. 60 – Casas Novas, Alcácer do Sal. Planta e pormenores de construção de uma cabana.
  • 69 ) Por vezes, para ampararem lateralmente o caniço junto à porta, e devido a essa grande espessura, (...)

96O revestimento, de caniço (que é muito comprido), é aplicado por fora contra as ripas, e compõe se de duas camadas que se sobrepõem a toda a sua altura – a primeira com os couces para baixo, a segunda ao contrário. Esse revestimento fica assim com uma grande espessura, ultrapassando a face exterior dos prumos, que recobre mesmo (des. 61) (69). Ao colocarem esse caniço, amparam no provisòriamente com uma cana; para o firmar definitivamente, pregam se tábuas ou costaneiras aos prumos. Nas paredes laterais, essas costaneiras são geralmente em número de três; na metade inferior das empenas, as costaneiras prolongam quase sempre essas três das paredes laterais; na metade superior, elas desenham um A ou dois V invertidos.

Des. 61 – Casas Novas, Alcácer do Sal. Disposição do caniço nas paredes e cobertura de uma cabana, e aspecto da cobertura.

Des. 61 – Casas Novas, Alcácer do Sal. Disposição do caniço nas paredes e cobertura de uma cabana, e aspecto da cobertura.

97As ripas da cobertura são pregadas a intervalos de 20 a 30 cm, ficando em avanço fora das empenas cerca de 35 cm.

98A cobertura, de duas águas pouco inclinadas, inicia se colocando em cada lado das águas, junto às empenas, um molho de canas (feixinhas), que vai do beiral ao cume, amarrado por arames aos barrotes e às ripas. Essas feixinhas amparam o caniço da cobertura, formando uma espécie de guarda vento. Seguidamente, dispõe se a primeira camada de caniço, em valadio, com os couces para cima, numa única fiada, que vai do cume ao beiral; sobre ela é colocada outra (ou outras, conforme o comprimento do caniço), com os couces para baixo, a partir do beiral, com uma espessura de 30 a 40 cm. O alinhamento do caniço no beiral obtém se montando aí provisòriamente uma tábua de cutelo, a todo o comprimento, que lhe serve de batente, e que se retira no final. Esse beiral, ou aba, fica saliente cerca de 40 cm. Sobre o cume dispõe se uma outra fiada igualmente em valadio, quebran do-se o caniço a meio sobre o joelho, a fim de o ajustar à inclinação das águas, colocando as manadas em posição alternada e obliquando ligeira mente, de modo que os couces cubram sempre as pontas da manada ante rior. Sobre toda a superfície da cobertura espalham ainda uma camada delgada de bracejo, da beirada para o cume, às fiadas em valadio; este bracejo protege o caniço, e é de fácil remoção quando é preciso substituí lo.

Des. 62 – Algarvios e Casas Novas, Alcácer do Sal. Plantas de cabanas. a) Algarvios ampliação de uma cabana com mais duas divisões: b ) Casas Novas.

Des. 62 – Algarvios e Casas Novas, Alcácer do Sal. Plantas de cabanas. a) Algarvios ampliação de uma cabana com mais duas divisões: b ) Casas Novas.

99O revestimento da cobertura é preso por uma armação especial de canas cruzadas, que constitui um dos traços originais das cabanas desta região : ao longo do cume, de lés a lés, é lançada uma vara grossa, ligada às pontas salientes da fileira por uma tábua pregada de topo. A primeira cana que se coloca é sobre a beirada, amarrada para o interior aos barrotes, intervaladamente, deixando um em vão; por baixo dela espetam as pontas de uma série de canas, distanciadas umas das outras cerca de 50 cm, que ficam empinadas; pousam mais duas linhas de canas paralelas à da bei rada, em cada água, regularmente espaçadas; forçam se então as canas que haviam ficado empinadas até assentarem na vara do cume, à qual são pregadas, prendendo desse modo as outras canas horizontais. Todos os pontos de cruzamento são em seguida atados com arames. E, sobre a vara do cume, sobressaiem as pontas cruzadas das canas oblíquas (des. 61 e fig. 261).

100Na maioria das cabanas grandes, a única porta rasga se numa das paredes laterais, dando entrada para a sala, que ocupa mais de metade da cabana. Para esta sala, a um dos lados, abrem um ou dois quartos, firmando se as divisórias ao prumo central que sobe até ao cume (des. 62 e fig. 257). Estas divisórias, vulgarmente da altura das paredes, são na maioria dos casos em tabuado, ou, mais raramente, formadas por uma espé cie de enxaimel de caniço, forrado de serapilheira ou tabuado, em ambas as faces. Quase sempre existe um pequeno postigo em cada quarto, igual mente aberto nas fachadas laterais. O pavimento é hoje geralmente de cimento, em cor avermelhada.

Des. 63 – Algarvios, Alcácer do Sal. Lareira coberta por um tecto inclinado de tábuas, que protege o caniço da cobertura das faúlhas, e com paredes revestidas de barro.

Des. 63 – Algarvios, Alcácer do Sal. Lareira coberta por um tecto inclinado de tábuas, que protege o caniço da cobertura das faúlhas, e com paredes revestidas de barro.

101Nas cabanas de lume, onde se cozinha, a porta rasga se igualmente na fachada lateral, e as mais das vezes não se vê qualquer outra abertura nem divisória. O pavimento é de terra batida ou barro. A um dos cantos, ou de lés a lés num dos topos, situa se uma espécie de lareira – o fogo –; um espesso reboco de barro caiado de branco isola nesse sector as paredes de caniço. Não existe chaminé e, em alguns casos, um tecto de tábuas ligeiramente inclinadas, em avanço recobrindo todo este recanto, impede que as faúlhas atinjam o caniço da cobertura (des. 63 e figs. 262 e 267).

102Um mobiliário pobre guarnece a cabana de fogo. Mas o caiado do reboco da lareira, e das ripas, contra o caniço enegrecido pelo fumo, e o arranjo geral cuidado, amenizam um pouco a modéstia do conjunto (figs. 256 e 258). E hoje, o uso corrente de fogões a gás butano, introduz uma nota um tanto insólita naquele ambiente.

103Mas é sobretudo na cabana grande que, tal como no Algarve e em Santo André, as preocupações de asseio e embelezamento mais se evidenciam. O lado interior das paredes é revestido ora por uma serapilheira – sacos cosidos uns aos outros –, ora por tabuado, muito caiados, como também os caibros e as ripas da cobertura. Os móveis são adornados por toalhas e panos bordados; estampas e cromos pendurados nas paredes ou colocadas sobre os móveis decoram de modo exuberante todo o interior (figs. 259 e 260).

104Este mesmo desejo de embelezamento manifesta se também no exterior das cabanas. As costaneiras que cintam o revestimento das paredes, os alisares da porta e dos postigos, e as pontas dos caibros e das ripas, estão sempre bem caiados, alegrando a monotonia da cor pardacenta do caniço (figs. 255, 263, 264, 265, 268 a 271). Muitas vezes, em frente da porta, vê se uma pequena parreira, e, encostados à fachada frontal, canteiros ou vasos de flores (figs. 264, 265 e 269). Os terreiros, em redor da cabana, estão cuidadosamente varridos.

105Uma cabana leva cinco carradas de caniço; o corte de uma carrada regula (1968) por 60$00, e a este preço há que acrescentar o custo do transporte.

106Dos agrupamentos a Sul da Comporta – Carvalhal, Casa Branca, arre dores de Melides, etc. –, o núcleo mais importante e característico é o da Casa Branca, aldeia de trabalhadores rurais que cresceu em torno da velha casa de taipa caiada de branco, que lhe deu o nome.

107Aqui, as cabanas, ao mesmo tempo que mostram sem dúvida certos por menores idênticos aos das barracas da margem Sul do Sado que descreve mos, distinguem se daquelas e parecem acusar sobretudo influências das de Santo André. Assim, a porta situa se geralmente numa das empenas, e não na fachada lateral; às paredes são também correntemente revestidas interiormente por um tabique de camarinheiras e barro; etc. Por outro lado, ripas serradas, ou costaneiras caiadas, riscam as paredes de tiras bran cas, de modo semelhante ao que se vê nos aglomerados do Sado (fig. 274).

108Excepcionalmente, muitas destas cabanas apresentam Uma chaminé de tabuado horizontal, implantada num dos topos da casa, ao lado da porta, extremamente semelhante às dos velhos «palheiros» de madeira da Cova e Costa de Lavos (fig. 273). Mais raramente vêem se outras de alvenaria, que formam um corpo saliente, igualmente ao lado da porta. O fogão exte rior, como no Sado, é também aqui usado. O interior é geralmente dividido em sala cozinha, para onde abre a porta, e um quarto na rectaguarda. O tabique de barro é caiado, e o arranjo, interior e exterior, é igualmente cuidado. Mais recentemente, algumas destas cabanas têm sido rebocadas também pelo lado exterior.

109Em algumas cabanas próximo de Melides, o mato que reveste as pare des é firmado, além das canas horizontais que amarram para dentro, por outras lançadas em diagonal, cruzadas, formando uma rede de losangos.

Alto Alentejo, Ribatejo e Estremadura

110Nas províncias do Alto Alentejo, Ribatejo, e Estremadura a Sul do Tejo, finalmente, as construções inteiramente em materiais vegetais, de planta rectangular, de um tipo definido, encontram se também largamente representadas. Em casos mais raros, elas servem ainda de habitação per manente e normal a famílias pobres ou adventícias; na sua maioria, porém, elas constituem anexos de unidades agrícolas, para recolha de carros e alfaias, palheiros, arrecadações, currais, etc. Mas ao contrário do que sucede com as suas congéneres do litoral que atrás estudamos, elas mostram, na generalidade dos casos, formas menos características e diferenciadas, com dimensões extremamente variáveis, e um material de revestimento menos seleccionado, que no geral aproveita apenas aquele que mais fàcilmente se encontra no local onde são edificadas – canas, ramos de árvores, tojo, carqueja, palhas de centeio, de trigo, de aveia ou de arroz, junco, etc.

111Estas construções apresentam se sob três formas fundamentais: 1) do género de cobertura parede, de duas águas, com empenas, como atrás dis semos (fig. 277); 2) do género de paredes e cobertura diferenciadas, e esta de duas águas (figs. 275 e 276); e 3) igualmente do género de paredes e cobertura diferenciadas, e esta de três ou quatro águas, e por vezes com as paredes abertas, deixando os prumos da armação descobertos (figs. 278 e 279).

112A estrutura destas construções é geralmente muito simples, formada de troncos enterrados no chão a intervalos de 1 a 1,5 m, bifurcados, na maioria dos casos, na extremidade, onde apoia o frechal e o pau de cume; caibros dispostos a cerca de 50 cm uns dos outros, e um ripado de varas ou canas, completam essa armação.

Des. 64 – Azervadinha, Coruche. Pormenores da construção de uma barroca. a) Planta ; b ) esqueleto da empena frontal; c) remate do cume, segundo a maneira antiga, já pouco usada; d) aspecto exterior do cume, encimado pelo arrepio; e) corte da parede e da cobertura, mostrando as canas e a disposição das fiadas do colmo.

Des. 64 – Azervadinha, Coruche. Pormenores da construção de uma barroca. a) Planta ; b ) esqueleto da empena frontal; c) remate do cume, segundo a maneira antiga, já pouco usada; d) aspecto exterior do cume, encimado pelo arrepio; e) corte da parede e da cobertura, mostrando as canas e a disposição das fiadas do colmo.

113Os sistemas de revestimento apresentam se de modo semelhante para qualquer dos três tipos enunciados.

  • 70 ) Os prumos do meio das empenas são aqui também designados por esteios; os outros são chamados sobr (...)
  • 71 ) (O informador a quem devemos esta descrição é de opinião que não se devem usar canas sobre as dif (...)

114Em Azervadinha (Coruche), numa destas barracas, os lados medem 5 e 7 m; a altura do solo ao cume é de 3,30 m, e a das paredes laterais de 1,50 m (70) (fig. 275). O revestimento das paredes é de caniço, preso por ripas exteriores amarradas com arames às interiores; na cobertura, ele é de colmo, disposto em valadio, às fiadas – a primeira, junto à beirada, é colocada com os couces para baixo; as seguintes, com os couces para cima (des. 64e)–. No bordo das empenas o colmo é atado num rolo, a todo o correr, prendendo para os caibros, de modo a formar uma espécie de batente ou guarda vento (des. 64d). Aquelas fiadas ficam soltas, à excepção da segunda, a contar da beirada, e da última, junto ao cume, as quais são presas por uma cana disposta horizontalmente sobre cada uma dessas fiadas, amarradas espaçadamente à ripa interior que lhe corresponde (des. 64c, e). Essa linha de junção dos couces do colmo das últimas fiadas de cada água – o espigão – é recoberta por três camadas de palha, disposta em veios. Estes veios são uma espécie de pasta de palha (des. 65), que se obtém esten dendo esta no chão com uma forquilha, sacudindo a de maneira a ficar bem espalhada (des. 65a), molhando a seguidamente, e penteando a com a forquilha, e acamando a aos poucos contra um pé, de modo a torná la numa massa homogénea, que a final se bate com as costas da forquilha; pronto assim um veio, calca se no sentido tranversal, a meio (des. 65b), e por baixo dessa parte enfia se uma vara de cerca de 80 cm de compri mento, com um cordel amarrado na ponta (des. 65c); o cordel passa então por cima do veio, e amarra outra vez à vara do outro lado deste (des. 65d); o veio fica desse modo preso, e pode levar se, sem se desfazer, até ao ponto onde vai colocar se (des. 65 e). Os veios da primeira camada, maiores, com cerca de 1 m de comprimento, são colocados sobre o cume, dobrados a meio com as pontas sobre cada uma das águas; os outros, mais curtos, são dispostos em duas camadas, sobre aquela, do mesmo modo. Este remate é preso ora por canas, uma em cada água, ora por um sistema mais enge nhoso, e hoje bastante raro, que consiste em ligar entre si essas três cama das metendo a mão aberta através das duas superiores, de modo a apanhar um pequeno grupo de palheiras da camada inferior, que se puxa então para fora, ao jeito de uma aselha, e se torce sobre si numa meia volta, ficando saliente, na vertical, cerca de 10 cm; estas aselhas, espaçadas umas das outras também cerca de 10 cm, formam ao longo do cume o arrepio (des. 64 c, d) (71).

Des. 65 – Diferentes fases da preparação dos veios de palha, usados no revestimento das coberturas.

Des. 65 – Diferentes fases da preparação dos veios de palha, usados no revestimento das coberturas.

Des. 66 – Palma, Setúbal. Planta e aspecto exterior de uma barraca.

Des. 66 – Palma, Setúbal. Planta e aspecto exterior de uma barraca.

115As cabanas não têm geralmente qualquer divisória interior, e a única porta rasga se a um dos lados da empena frontal.

116Em Várzea Fresca (Coruche), vimos algumas cabanas revestidas intei ramente de palha, disposta em fiadas em valadio, presas por canas. Nas paredes, as duas primeiras fiadas a contar do solo, são colocadas com os couces para baixo; as seguintes, ao contrário. Na cobertura, todas as fiadas são assentes com os couces para baixo, formando degraus muito destacados (fig. 276).

  • 72 ) Os proprietários autorizam apenas a construção destas barracas em mate riais vegetais, únicas que (...)

117Em Palma (Setúbal), uma destas barracas, que servia de habitação a uma família de trabalhadores rurais (72 ), era dividida interiormente em três compartimentos: um, com porta na empena frontal, onde vivia a família; outro, a meio, a abrir para o anterior, utilizado como arrecadação; e um terceiro, no outro extremo, servindo de curral e abrigo de carros (des. 66). Nesta cabana, vimos empregarem, como ripado da cobertura, molhos pequenos de estevas, amarra dos com arames; as paredes eram re vestidas de caniço, bem como a cober tura, em que ele se dispunha às fiadas formando degraus, com as pontas para baixo, prendendo cada fiada por uma cana, amarrada intervaladamente às ripas de esteva. O compartimento onde habitava a família era forrado de serapilheira de sacos.

Des. 67 – Grândola. Agulha de cana, usada para fixar o revestimento da cobertura.

Des. 67 – Grândola. Agulha de cana, usada para fixar o revestimento da cobertura.

118Em Grândola, as paredes de algumas construções deste género são formadas por uma espessa camada de carqueja apertada por varas exte riores presas à estrutura. Na cobertura, sobre uma primeira camada de caniço, dispõe se outra, de palha centeia ou junco, presa por agulhas de cana, cravadas aqui e além até atingirem a camada inferior, onde encon tram maior prisão. Estas agulhas são simples tiras de cana dobradas em U enquanto verdes, aguçadas nas pontas (des. 67).

119Em Melides (Grândola), o revestimento de caniço, no alto das empenas, é cosido a ponto com arame, como nas barracas da costa, e nomeadamente de Santo André, que lhe fica próximo.

120Em Sonega (Cercal), a cobertura destes palheiros é feita com esteiras de palha. Estas esteiras, feitas no chão, são constituídas por pequeninos feixes de palha, enlaçados com um vencilho contínuo, que os aperta a cerca de um palmo do couce. Esse vencilho enlaça o primeiro feixe da esteira, e as suas pontas prolongam se sucessivamente à medida que se vão colocando mais feixes, alimentadas por pequenos grupos de palheiras que se destacam do feixe anteriormente enlaçado, até ao final da esteira, onde remata por uma ponta entrançada (des. 68 a, b). As esteiras têm sempre a medida correspondente ao comprimento da água da cobertura onde vão ser aplicadas; depois de feitas, são enroladas, no chão, e desen roladas ao longo da beirada. A primeira fiada é posta com os couces para baixo; as seguintes ao contrário, sendo presas por uma cana que amarra para a ripa interior. No remate do cume, os feixinhos de palha são colo cados em posição alternada (des. 68 c). Por vezes, em lugar daquele vencilho de palha, usam uma corda delgada como elemento enlaçante.

Des. 68 – Sonega, Cercal. Pormenores de uma cobertura de colmo, a /b) esteira de fei xinhos de colmo; c) remate do cume.

Des. 68 – Sonega, Cercal. Pormenores de uma cobertura de colmo, a /b) esteira de fei xinhos de colmo; c) remate do cume.

Des. 69 – Montargil, Ponte de Sor. Planta e interior de uma empena. O revestimento é de carqueja.

Des. 69 – Montargil, Ponte de Sor. Planta e interior de uma empena. O revestimento é de carqueja.

121No Alentejo, de um modo geral, e especialmente no Alto Alentejo, o revestimento faz se, de preferência, pelo processo dos veios. Em Ponte de Sor, por exemplo, estes são colocados em três camadas – idas –, da bei rada para o cume, que remata por uma fiada de pequenas manadas de palha dispostas com os couces para um lado e para o outro alternada mente, presas por duas canas. Neste mesmo concelho, as paredes das cabanas são muitas vezes revestidas com carqueja (des. 69) ; e, para a cobertura, preferem o junco, posto às fiadas em valadio, formando degraus, preso por canas.

122Em Mora, Ponte de Sor, etc., ao lado de construções do tipo que vimos descrevendo, aparecem outras, com coberturas de três (fig. 278) e quatro águas. Nelas, por vezes, as paredes ficam abertas, com os prumos à vista, sem qualquer ripado ou revestimento (fig. 279 e des. 70).

Des. 70 Mora. Grande construção com uma das faces compridas completamente aberta, e topos arredondados.

Des. 70 Mora. Grande construção com uma das faces compridas completamente aberta, e topos arredondados.

123Por vezes, estas construções acusam já uma evolução, no sentido da utilização de materiais mais duradouros: é o caso em que os materiais vege tais das paredes são substituídos por adobes; ou em que os prumos em madeira são substituídos por moirões de pedra miúda argamassada, ou pilares de adobe (fig. 280); etc.. Na Zambujeira (Odemira), por exemplo, vimos um exemplar deste tipo, de 18 m de comprimento e 4 m de largura, em que as paredes eram constituídas por quatro moirões, aos cantos, e dois a meio das empenas, e por prumos de madeira afastados cerca de 1,50 m; nestes prumos pregavam, pelo lado interior, duas travetas, uma no topo e outra a meio, servindo de base ao assentamento de uma camada de canas, dispostas verticalmente, presas por outras canas horizontais amarradas às travetas. Sobre esta primeira camada, de canas, dispõe se outra, de junco, colocando a primeira fiada junto ao solo, com os couces para baixo, em valadio, segura com uma cana que aperta para o interior; as fiadas seguin tes são colocadas com os couces para cima, seguras do mesmo modo. Na cobertura usam apenas o junco, disposto, como nas paredes, às fiadas, em valadio (des. 71).

124Nada é possível dizer com segurança acerca das origens concretas e formas primordiais de todos estes tipos de construções, nem, designada mente, se existirá qualquer ligação formal e genética entre elas e as habi tações pré históricas de planta quadrangular a que atrás aludimos, cuja forma, aliás, como dissemos, se ignora totalmente.

Des. 71 – Zambujeira, Odemira. Construção de materiais vegetais com moirões de xisto.

Des. 71 – Zambujeira, Odemira. Construção de materiais vegetais com moirões de xisto.

125Em inúmeras partes do País existem pequenos abrigos com essa planta basilar, de duas águas, que já estudamos; e parece nos lícito pensar que, na sua elementariedade essencial, eles pouco devem diferir dessas habita ções pré históricas, independentemente mesmo de quaisquer razões de deri vação histórica.

126As construções actuais de que nos ocupamos, de planta quadrangular e do género de cobertura parede, e em especial as grandes barracas alen tejanas e ribatejanas do interior, apresentam se sem dúvida como uma versão, em grandes dimensões, daqueles abrigos. Mas é possível que aqui se verifique, além disso; o impacto de uma corrente tradicional ampla, que não só prescreve a utilização normal de materiais vegetais na construção, determinando o incremento desses primitivos abrigos, mas consagra mesmo o formato basilar destes edifícios. Na mesma área, as barracas com paredes e cobertura diferenciadas, e esta de duas, três ou quatro águas, para lá das diferenças estruturais que mostram para com essas do género de cober tura parede que com elas coexistem, entroncam seguramente nessa mesma corrente histórica ou cultural que admitimos conjecturalmente a respeito delas.

127Os barracos do litoral, entre nós, devem ter aparecido em primeiro lugar na costa Sul do Algarve, irradiando daí para essas outras partes mais ao Norte, onde hoje também ocorrem, e que são de um povoamento muito mais recente e em grande parte tributário de gentes piscatórias algar vias. Mas, mesmo ali, como dissemos, a referência expressa a eles mais antiga que conhecemos não é anterior aos fins do século XVII, e certa mente eles existiam desde tempos muito anteriores.

  • 73 ) Fernando Castelo Branco, op. cit. Ano XXIII, n.° 266, 1968, p. 9.

128É evidente que, em qualquer caso, não se pode deixar de pensar em razões de ordem mesológica, funcional e económico social. No Algarve as cabanas aparecem hoje nas praias arenosas onde não há – e sobretudo não havia – outros materiais nem facilidades de transportes; a estes factores há decerto que acrescentar outros, de carácter económico social: as cabanas eram a habitação dos pescadores, e em especial dos pescadores das almadravas e armações, gente pobre e habituada a uma vida despida de quaisquer exigências de conforto; acresce que elas eram por isso habitações temporárias, que em muitos casos ficavam ao abandono após a safra, mal se justificando que se tivesse a preocupação de uma construção cuidada e dispendiosa. Segundo Fernando Castelo Branco, o factor económico seria mesmo de importância primordial, e o processo evolutivo das habitações de Olhão prová lo ia claramente: até 1715 Olhão era um povoado de cabanas; com a prosperidade feconómica que a partir de então disfrutaram os pescadores, estas foram sendo pouco a pouco substituídas por casas de pedra, até desaparecerem totalmente. E o mesmo sucedeu na Fuzeta, nas Cabanas da Conceição, etc. Nesses pontos, as habitações eram anterior mente em materiais vegetais, porque os seus habitantes não tinham recur sos; mas logo que o núcleo prospera, começam a aparecer as casas de pedra. Portanto, «se o ambiente natural influiu na génese dos povoados consti tuídos por cabanas, a sua vida económica, a sua falta de recursos, foi sem dúvida o factor decisivo» (73). Que o elemento económico é, de facto, aqui, de primordial importância, e, em certos casos, realmente decisivo, não oferece discussão. Contudo, as circunstâncias são diversas nos vários núcleos, e em alguns deles, mais distantes e isolados, o problema económico não chegaria a fazer se sentir directamente, prevalecendo as razões fundadas no condicionalismo natural e social.

  • 74 ) Fritz Krüger, «Der Beitrag Portugals », Joc. cit.

129Seja porém como for, parece nos que na origem das cabanas algarvias há que considerar, além desses factores, outros, de natureza histórica e cul tural, e possivelmente fenómenos de difusão. De acordo com Krüger, elas são, sem dúvida, uma ampliação do tipo primitivo do género de cobertura parede, que servem de habitação temporária. E encontram se em formas idênticas ou delas derivadas, nos alagadiços do Golfo de Cádiz (Laguna de la Inda), com paredes de varedo entretecido e cobertura de palha, servindo de habitação a camponeses ou criadores de gado; na região costeira de Málaga (aqui com as paredes laterais e as empenas já em pedra); em Maiorca, ser vindo de abrigo de pescadores e guarda de utensílios; e também em França, na região costeira do Russilhão, e na Itália, na Campania servindo de habitação aos pescadores do Porto d’Anzio, em Lucca, de camponeses, em Ostia; etc. « Considerando a forma primitiva (telhado de duas águas e quase inexistência de paredes laterais), o material de construção (palha, junco ou similares), e bem assim a simplicidade de estrutura e disposição interior, existe uma nítida correspondência entre as cabanas de pesca dores da costa algarvia e as simples habitações que se podem encontrar em muitos pontos da costa mediterrânea e do Adriático. Trata se sem dúvida de um tipo de cabana muito primitivo, que vem já duma tradição pré histórica». O mesmo Autor inclui neste grupo, em formas mais evoluí das, as barracas valencianas e murcianas, as da foz do Ebro, e o cabano dos guardadores de touros, da Camargue, na costa da Provença, em França. E conclui: «0 tipo de cabana coberta, na sua forma primitiva e nas suas muitas formas derivadas resultantes de diferentes condicionalismos geográ ficos e económicos, ainda hoje se mantém largamente espalhado. Em toda a orla costeira, desde o Sul de Portugal, passando pelo Golfo de Cádiz, Málaga, Murcia, Valência, na região do Baixo Ebro, Russilhão, Baleares, delta do Ródano, e nas praias fronteiriças aos alagadiços da Campania, bem como na faixa litoral do Adriático, verifica se uma tão forte analogia de cabanas e casas, e por outro lado uma tão nítida ligação com um tipo de construção e habitação de origem tão remota, que nas formas actuais se pode reconhecer ainda o tipo primitivo, e a larga expansão de uma forma de casa própria da região costeira mediterrânea, cuja raiz é mile nar» (74).

130A barroca valenciana, habitação característica do agricultor da huerta, é um edifício grande, de planta rectangular, com 9 a 10,50 m por 5 a 6,50 m de lados, paredes de adobes de barro amassado com palha e seco ao sol, de 2,50 m de altura, a partir de um pequeno alicerce assente numa camada de argila sólida. As paredes, no alto, rematam por um frechal – a cadorsa – onde pregam os caibros da cobertura – os costelles – Sobre estes dispõe-se um caniço horizontalmente, com guias perpendiculares a eles, e depois outras canas espaçadas cerca de 40 cm umas das outras às quais se amarra a broza e a palha que constituem o revestimento exterior da cobertura. Esta é colocada de baixo para cima, de modo a formar beiral – a polsera –. A broza e a palha amarram se pelo couce às canas, a pri meira fiada na primeira cana a contar de baixo, a segunda fiada na segunda cana, sobrepondo se pelas pontas à primeira fiada, e assim sucessivamente até à do alto, que é presa por uma cana exterior, apertada contra a de dentro. O cume é recoberto de barro.

131As barracas compõem se de térreo, onde vivem as pessoas, e um piso alto – a andana –, sob a cobertura, cujo pavimento é de canas pousadas sobre as vigas assentes também no frechal, e com passagens sólidas entre elas; à andana, que serve apenas de arrumo onde se armazenam as colheitas leves, ascende se por uma escada de mão.

132A cobertura avança cerca de 70 cm fora da linha da fachada, na em pena (que corresponde à andana); a broza é aí envolvida por um rolo de canas muito finas, que faz de protecção. A empena é também fechada com caniço (por vezes reforçado com broza) revestido exteriormente de barro, e firmado interiormente contra três prumos, com frestas para luz e ven tilação.

133O interior, limpo, caiado e cuidado, mostra, de um lado, três quartos de dormir, abrindo para um corredor largo. A cozinha, com o poial e o forno do pão, situa se noutra barraca mais pequena, ao lado da casa (por causa do perigo de incêndios –como entre nós nos barracos do Sado –).

  • 75 ) José Manuel Casas Torres, «La vivienda y los núcleos de población rurales de la Huerta de Valenci (...)

134No retábulo quatrocentista de Rodrigo de Osana, vê se, num fundo de paisagem campestre, uma barraca destas; mas, embora não conheçamos referências a elas mais antigas do que essa, pode se, de acordo com Casas Torres, presumir, pela sua estrutura, simplicidade e natureza dos materiais de que são feitas e enorme dependência do meio, que se trata de um tipo de vivenda tão antiga como o Homem, que ali apareceu com os primeiros povoadores da região – de origens pré históricas, portanto, no consenso de todos os autores–. Cavanillas (citado por Torres Balbás), na sua « Historia Natural del Reyno de Valencia », afirma que, no tempo da Reconquista «a praia estava habitada por pescadores que viviam em pobres barracas de cana e palha». O Rei conquistador, a fim de povoar aqueles lugares, con cedeu franquias a todos os marítimos que neles erguessem moradias, e rapidamente nasceu um grande casario de barracas, que D. Jaime baptizou com o nome de Villanueva del Mar. Supõe se, pois, que a barraca teve as suas origens e primeiro desenvolvimento à beira mar na Albufera, e que depois se espalhou pelas huertas, o que é muito verosímil. Mas além disso, Casas Torres, na esteira de Santiago Cebrian, Melon Ruiz de Gordejuela e Mitchavila, entende ainda que, na sua primeira forma, a barraca da huerta valenciana era de tipo palafítico, ajustado à natureza do terreno: os homens primitivos devem ter gostado de se instalar ali, devido à extraor dinária abundância de caça e pesca que havia e ainda há na região; e essa instalação só era possível em vivendas de tipo palafítico. Acresce que, ainda hoje, subsistem construções desse tipo: os abrigos de guardas, de moto res, etc., que se erguem nos terrenos ganhos à água, e as pequenas barracas destinadas a viveiros de enguias; por seu turno, as barracas semi lacustres dos terrenos altos da Albufera, que nas marés altas e na época em que as águas estão fechadas, ficam isoladas e sem comunicação, parecem indigitar também uma forma geral anterior palafítica. Lamperez, pelo seu lado, opõe se à hipótese palafítica, considerando a existência de alicerces nas barracas; segundo este Autor, os viveiros de enguias são não uma sobrevi vência, mas uma forma secundária da primitiva barraca, adaptada a novas circunstâncias. Martinez Aloy, Torres Balbás e Schulten, consideram a hipótese palafítica duvidosa, e não se pronunciam sobre a questão, por entenderem que não se dispõe de provas (75).

  • 76 ) Além destas, há ainda que mencionar as barracas dos pescadores das praias arenosas do litoral val (...)

135Relacionadas com estas, embora mostrando, para com elas, diferenças consideráveis, cabe ainda mencionar, além dos viveiros de enguias e das barracas da Albufera já referidas, as barracas de certos lugares imediatos à vega de Valencia, nomeadamente as dos pescadores de Soler e Palmar, na Albufera, bastante diferentes das huertanas, de barro negro e baixas, seim andana nem empenas, ou quando muito apenas com a empena frontal, e correspondentemente com uma cobertura vinda do beiral a toda a volta, ou pelo menos nas fachadas laterais e traseiras, e que o povo diz serem «como as dos árabes» (76). E, além disso, para o Sul, as barracas da huerta de Murcia e Orihuela, que eram a habitação dos lavradores da região desde há séculos, de planta rectangular, com muros ora de adobes ora de canas (caules de girassol secos), recobertos com um revestimento de barro ou cal, e pavimento de terra batida, e a cobertura de caniço revestido com os cha mados mantos de albardin (espécie de esparto), esguia e escura; mais pobres do que as valencianas, elas têm apenas uma divisão de entrada, onde cozinham, e, atrás, o quarto, sem corredor (e ainda, em geral, um curral para as cabras, que coabitam com as pessoas); existe também o piso superior – o sostre – a que se ascende por uma escada móvel pousada no alçapão aberto no caniço que faz de pavimento. E para o Norte, as do Delta do Ebro, região de lagunas e pântanos, pobre e muito desértica até tempos recentes, cujos escassos habitantes, vivendo da pesca e da explo ração das salinas, habitavam barracas que eles próprios construíam, com cobertura de caniço da laguna.

  • 77 ) Estes autores espanhóis põem a barraca valenciana a par de edifícios seme lhantes a ela que ocorr (...)

136Enquanto pois que para Krüger a barra ca valenciana é mais uma mani festação dessa corrente construtiva geral mediterrânica, para Torres Balbás e Casas Torres ela é uma criação local, condicionada, como aliás todas as suas congéneres, pelo meio geográfico: «um produto natural dos deltas, lugares pantanosos ou zonas aluviais, cujos únicos materiais são o barro ou a terra argilosa, a palha, canas, juncos ou ervas» (77).

137Não conhecemos bem a estrutura dos demais exemplos aduzidos por Krüger, e não podemos saber até que ponto é legítima a equiparação que o Autor faz de todos eles, para fundamentar a sua hipótese. Supomos porém que a alternativa duvidosa que se põe acerca da barraca valenciana cabe certamente do mesmo modo para todos os demais casos, que mostram sempre particularidades diferenciais ditadas pelas condições do meio natural e social, podendo pois ser considerados seja como formas autóctones criadas em função dos respectivos meios, seja como formas locais desse tipo geral europeu, modificado pela sua adaptação a tais meios diferentes, seja ainda como o resultado do encontro dessas duas correntes.

138Entre nós, vários autores assinalam o facto de, nestas cabanas em geral, não se usar coisa alguma em metal, parecendo terem em mente que a sua origem se deve situar, efectivamente, em época anterior ao uso dos metais. Embora esta razão não seja de modo nenhum concludente, e possua mesmo pouca força, sendo fácil encontrar no seu próprio condicio nalismo geográfico económico outras que expliquem melhor essa ausência de metais na construção das cabanas, a hipótese, como vemos, não é inve rosímil, e, sem se fixar uma cronologia certa, pode se supor que elas são de grande antiguidade.

  • 78 ) Um ponto resta por investigar: se este tipo de construção existe também no litoral norte africano (...)

139As cabanas algarvias – como de resto as de alguns desses outros pon tos da sua área global – aparecem essencialmente associadas à pesca, e. de facto, nessa zona, as actividades piscatórias existem sem dúvida desde eras muito remotas, na época árabe ou anterior. E vimos que, segundo parece, já antes da Reconquista, nas praias arenosas da região de Valencia, os pescadores habitavam «pobres barracas de cana e palhas». Pode se pois imaginar que este tipo de construção, criado localmente ou provindo quiçá de qualquer zona mediterrânea, foi aqui usado pela primeira vez pelos mais antigos habitantes da região que se dedicavam à pesca, em determi nados pontos desses vastos areais da costa algarvia, do Centro ou Sotavento. distantes das terras habitadas, e onde se encontravam à disposição os mate riais essenciais para essas construções. Deste foco inicial de origem, elas ter se iam espalhado seguidamente, por razões óbvias, funcionais e de oportunidade, pelos demais pontos da costa algarvia onde se verificavam condições idênticas (78).

140Daí, seguidamente, acompanhando as migrações dessa gente piscatória para o Norte, as cabanas espalharam se certamente pela costa da Caparica, onde as condições naturais, sob os pontos de vista que interessam, se asse melham, e onde, aliás, como vimos, se encontraram talvez com o palheiro de tabuado que teria sido trazido pelos pescadores de Ílhavo, Murtosa e Ovar.

  • 79 ) O Tio Caniço contudo lembra se de, em criança, brincar, com os demais garotos da sua idade, debai (...)

141Santo André foi, na sua origem, formado essencialmente por estes pes cadores nortenhos; mas apesar disso, o palheiro de tabuado não parece ter sido usado, ou pelo menos nunca se generalizou (79); e hoje, ali, não existe senão a barraca de tipo geral algarvio. É de supor que esses pioneiros ilhavenses tenham adoptado uma casa feita com materiais que encontra vam no próprio local, e que de resto era conhecida na região, nomeada mente na Caparica, donde também certamente teriam vindo povoadores.

142À luz da hipótese de Krüger, pode se talvez admitir que as barracas ribatejanas e alentejanas do interior, relacionadas com actividades rurais, traduzam também qualquer influência dessa corrente mediterrânica de cons truções de planta quadrangular em materiais vegetais. Em todo o caso, elas apresentam grandes diferenças relativamente às do litoral, que postulariam porventura movimentos de difusão independentes, a partir dessa origem geral comum.

  • 80 ) Note se que o nome do principal aglomerado de barracos desta zona – os Algarvios – que parece tão (...)
  • 81 ) É certo que ainda em 1886, os ilhavenses, a bordo dos seus pequenos «varinos», iam também pescar (...)

143No que se refere às barracas da região do Sado, o problema apre senta aspectos diferentes. Sem dúvida, os pescadores algarvios frequentavam também os mares de Setúbal, onde ficavam por vezes alguns meses, e é natu ral que então pelo menos alguns deles se instalassem em terra, erguendo nesses casos as barracas que eram a sua forma normal de habitação, e que ali se justificavam além disso por razões e condições naturais e sociais idên ticas àquelas que se verificam nas praias das suas terras de origem. Mas o que cremos que certamente está na base das cabanas desta região do Sado são as construções em materiais vegetais do Alto Alentejo e sobretudo do Ribatejo, que tão grande relevo mostram, e que, aqui, uma certa feição de carácter económico da região (que não consente casas de pedra a cal), incrementou ainda mais decisivamente. Essas construções ter se iam encon trado com a corrente das barracas das praias (80), seja dessas da costa de Setúbal, seja, quiçá mais provàvelmente, das da costa de Santo André, mais perfeitas, e que determinaram, a final, a sua forma essencial (81).

B) Construções de planta quadrangular, com paredes de pedra e cobertura em materiais vegetais

144As casas de planta quadrangular com paredes de pedra e cobertura em materiais vegetais – que pode ser de uma, duas, três ou quatro águas –, mostram aspectos que não existem nas demais categorias que temos estu dado. Entre elas, dever se iam contar as de planta quadrada e cobertura cónica ou cónico piramidal; estas, porém, como vimos, aparecem geralmente a par de outras de planta redonda mas de idêntico género, parecendo mesmo, pelo menos em certos casos, representar uma forma evoluída ou uma variante dessas, que por isso estudamos em conjunto com elas.

  • 82 ) Ver texto correspondente a Nota 121.

145Leroi Gourhan, como já dissemos, entende que enquanto que a choça, de planta circular, é própria sobretudo dos grupos mais rústicos, aquela casa é o dos grupos mais industrializados (ou, na sua terminologia, semi-industrializados) correspondendo a progressão dessa choça àquela casa, em traços largos, a uma evolução técnica (82). Veremos a seguir que esta afirmação não se pode entender em termos absolutos. Sem dúvida, a casa de planta quadrangular, com paredes de pedra, em geral e mormente nos seus ulteriores desenvolvimentos – nomeadamente com um telhado de telha em substituição da primitiva cobertura em materiais vegetais – foi, até à

146era do cimento, a casa elaborada actual de todos os níveis da civilização ocidental das regiões onde existia a pedra; contudo, por outro lado, não só aparecem também casas desta categoria em culturas cronológica e tecno logicamente muito primitivas, mas em certos casos essas casas evoluídas representam o último estádio do desenvolvimento directo de outras, quali ficadamente primitivas, que estão na sua origem.

  • 83 ) Mário Cardozo, « Citania e Sabroso », p. 25 (Nota 3 de p. 24).
  • 84 ) Ver Nota 98.

147Na grande maioria das estações arqueológicas da Europa e Ásia Oci dental, as casas são geralmente de planta quadrangular e paredes, de pedra ou outros materiais duros; e é de presumir que, pelo menos em alguns casos, as coberturas fossem de materiais vegetais. Nas estações castrejas do Noroeste peninsular, por exemplo, embora predominem as casas de planta circular, encontram se com grande frequência, a par delas, outras, em maior ou menor número, de planta quadrangular. Referindo se a Briteiros, onde tal acontece, Mário Cardozo entende que, por isso, «não é lícito pretender fixar uma etape cronológica distinta para cada um dos sistemas de construção» (83). Irisalva Moita, como também já dissemos, observando que a planta quadrangular ocorre sobretudo nos castros do Sul, ou seja na área portuguesa mais fortemente romanizada, onde é por vezes – por exemplo em Santa Olaia – a única existente, julga que ela é uma forma secundária e final, produto dessa romanização. Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, pelo contrário, são de opinião que a casa castreja de planta quadrangular, como a de planta circular, representa acima de tudo a interpretação em pedra – a petrificação – das cabanas pré existentes desses mesmos formatos que eram inteiramente em materiais vegetais; e que esse processo deve ter tido lugar quando as gentes castrejas se fixaram definitiva e sòlidamente nos seus redutos fortificados; com efeito, segundo estes arqueólogos, se é certo que na área castreja mais característica faltam elementos concretos que atestem tal evolução, vimos que as mais antigas populações de Leguin e Termantia usavam também cabanas de planta quadrangular. Aliás, notam os mesmos Autores, num castro tão dèbilmente romanizado como o de S. Cibrán das Lás, encon tram se muitas construções em pedra de planta quadrangular, que não são seguramente o resultado do influxo da conquista romana (84). O pre domínio, às vezes mesmo absoluto, da casa de planta quadrangular nos castros do Sul de Portugal, que são aqueles que mais fortemente sofreram a influência romana, como justamente nota Irisalva Moita, parece portanto dever se não apenas a essa influência: ele representa, pelo menos em certos casos, um fenómeno de sobreposição cultural (paralelo àquele de que fala Jorge Dias acerca da casa de planta circular do Norte), em que a casa de planta quadrangular, trazida pelo invasor romano, veio ao encontro da choça pré existente, com o mesmo formato, em materiais vegetais ou talvez mesmo já em pedra, determinando o incremento dessa forma; contudo, esse predomínio torna se depois decisivo, porque na verdade ela se adaptava às novas maneiras de viver que se seguiram à invasão, e que de facto não mais se compadeciam com as limitações da casa de planta circular.

  • 85 ) Jorge Dias, «Contribution», p. 109. Note se porém que as coberturas a qua tro águas alongadas req (...)

148Jorge Dias considera também a casa de planta quadrangular com cober tura de duas águas em materiais vegetais, nas suas formas iniciais, um tipo primário. A cobertura nesses mesmos materiais, mas de quatro águas, derivaria porém, segundo o Autor, de um outro tipo primário: a cober tura piramidal em materiais vegetais, própria das construções de planta quadrada, pelo alongamento do cume proporcionalmente ao alongamento do eixo maior do edifício (85). A cobertura de três águas (aliás rara), representaria verosìmilmente, nesta hipótese, a combinação das outras duas formas.

  • 86 ) Jorge Dias nota também com efeito que este tipo primário (com telhado de duas águas) «com mais co (...)

149O certo porém é que enquanto que a casa de planta circular não pos sui intrinsecamente possibilidades de desenvolvimento, não se ajustando por isso a uma civilização evoluída, e nomeadamente às condições exigidas por uma agricultura superior, e tendo por isso sido condenada a desapa recer com o progresso económico e social, a casa de planta quadrangular, originàriamente tão antiga e primitiva como aquela, sobreviveu e impôs se, porque continha na sua própria estrutura as qualidades e possibilidades de evolução que iam ao encontro das exigências do mundo futuro (86). Se portanto não se pode dizer que a casa de planta quadrangular não seja uma forma primordial, ela é porém, na verdade, acima de tudo, nas suas formas evoluídas, a casa própria de todas as culturas superiores, nomeada mente da Europa. Nas palavras de Leroi Gourhan, a casa quadrangular de madeira e pedra representa o tipo médio das habitações nos grupos semi industrializados, com uma repartição nitidamente euro asiática, por razões técnicas e económicas: «Elas correspondem a uma população densa,

  • 87 ) Leroi Gourhan, op. cit., p. 317. O Autor fixa a esta casa duas zonas de frequência mais marcada: (...)

150a uma arborização média ou fraca, a uma arte desenvolvida da carpintaria, a corporações de pedreiros organizados. A realização da casa normanda ou japonesa está acima dos meios técnicos do seu proprietário, enquanto que a iurta, a choça ou a isba podem sair das mãos de homens que são ordinàriamente cultivadores, caçadores ou pastores. Só pois a existência de homens de ofício (facto pròpriamente semi industrial), permite cons truí la com materiais em que a madeira entra proporcionalmente à densi dade das florestas e dos homens» (87).

151A casa de planta quadrangular, com paredes de pedra e cobertura de materiais vegetais, pode por isso apresentar se, conforme as suas dimen sões e acabamento, a singeleza ou complexidade do seu aproveitamento interior, e as suas funções, ora como uma construção qualificadamente pri mitiva, ora como uma habitação semi evoluída. E de facto, em certas regiões do País, designadamente nas zonas arcaizantes do Norte interior e serrano, aparecem casas deste formato, grande e complexas, que constituem certamente arcaísmos, mas que não cabem já na categoria das construções pri mitivas pròpriamente ditas, de acordo com a definição que de entrada demos deste conceito.

152Diversamente do que sucede com as construções de planta circular, e com as de planta quadrangular inteiramente em materiais vegetais, elas ocorrem ali não em pequenos núcleos individualizados bem definidos, mas em casos dispersos e mais ou menos frequentes, como uma forma geral própria de toda essa vasta área, constituindo aí a casa normal e comum, ainda hoje vigente, embora em processo de evolução.

153Sem que nos passe despercebida a indecisão dos limites que, em certos casos, separam as duas categorias, terminaremos o presente trabalho com a análise de determinadas construções deste tipo que nos parecem corresponder sem dúvida ao conceito de construção primitiva: casas de planta rectangular, em geral baixas e de dimensões reduzidas, com paredes de pedra em seco e de factura grosseira, e uma cobertura de duas águas em materiais vegetais, cujo pau de cume assenta em empenas em pedra ou também em materiais vegetais ou tabuado, que prolongam as paredes laterais; a entrada rasga se numa das paredes baixas, e é a única abertura destas casas, que não têm quaisquer divisões interiores. Estas casas são ainda bastante frequentes em especial nos níveis mais pobres das zonas nortenhas rústicas e arcaízantes; mas, na sua simplicidade elementar, apenas os vários sistemas de cobertura nelas usados mostram quaisquer características que merecem estudo especial. Deles nos ocuparemos na II Parte deste trabalho.

154Dentro desta mesma categoria geral, porém, consideraremos em espe cial um tipo, porventura mais definido e diferenciado, também com paredes de pedra em seco e de factura grosseira, e cobertura de duas águas em materiais vegetais, igualmente própria de zonas rústicas e arcaízantes, mas, além disso, ajustada fundamentalmente a terrenos em declives ou socalcos, e com dois pisos: a sua localização normal fá la assentar, à frente e atrás, em níveis diferentes, mas ambos ao raso do solo, correspondendo a esses dois pisos: o térreo, formado, nas traseiras, pela rocha ou saibros esca vados, com muros de pedra à frente e dos lados a completar o quadrilátero da base, e servindo principalmente de corte para os gados, com entrada à frente, no muro de pedra; o alto, acima dele, correspondendo apenas ao vão da cobertura, que pousa sobre as paredes laterais da base, e cujo cume assenta, à frente e atrás, no vértice do triângulo das empenas, que são também em materiais vegetais (ou, hoje, por vezes, em tabuado); a entrada para este abre se em regra na empena das traseiras, que, devido ao declive, fica ao raso do solo. Os dois pisos são pois de estrutura e fun ções diferentes, e não existe escada nem comunicação interior entre eles. Este tipo, assim definido, encontra se hoje, com relativa regularidade, ape nas em duas áreas: na Beira Alta, na região já mencionada de Viseu, onde perduram tantos outros tipos de construções primitivas; e na região do Médio Tâmega e Baixo Douro, onde, além do mais, ele parece representar uma forma primária a partir da qual se desenvolveu porventura a casa local tradicional.

  • 88 ) Como diz Orlando Ribeiro, em expressiva linguagem, com a civilização cas treja «aparece pela prim (...)

155Ambos estes tipos relacionam se evidentemente com as condições natu rais e económico sociais das áreas onde ocorrem, e podem se considerar de grande antiguidade, embora nada saibamos com segurança acerca das suas origens históricas concretas. Parece nos porém lícito supor que eles prosseguem a corrente que enformou as construções castrejas deste formato basilar, das quais mantêm seguramente todo o carácter, integrando se num ambiente natural, social e cultural que, sob tantos aspectos, vem também desses tempos (88) – o primeiro pouco devendo e podendo mesmo diferir dessas, a não ser por uma maior rusticidade, e apresentando se como uma forma que se segue imediatamente aos mais elementares abrigos feitos pelo Homem; o segundo prefigurando já, a seguir a esse estádio, a casa nortenha ulterior evoluída –. É deste tipo que passamos a ocupar nos, nas duas áreas indicadas onde ele ocorre.

Área de Viseu

156Na área do distrito de Viseu de que atrás falamos, designadamente nas povoações de Fragosela e Prime, e, de modo semelhante, no concelho de Castendo, poucos quilómetros a Nordeste, na freguesia de Pindo, encon tram se, com efeito, – e a par com as cabanas de planta circular já estu dadas –, construções desse tipo, dispersas pelos campos, isoladas ou em pequenos grupos de duas ou três (fig. 284 e 287). Situadas geralmente em pequenos declives ou socalcos, como dissemos, a porta da frente, rasgada no pequeno muro de pedra, dá acesso ao térreo que faz de corte para o gado, ou, por vezes, de casa de eira, anexo de recolha de alfaias agrícolas, carros, etc.; atrás, a porta, rasgada na empena de materiais vegetais, dá acesso ao piso superior, que, actualmente, é sempre um palheiro. Por vezes, uma ou outra destas portas, pode ficar nas fachadas laterais (des. 72); e, num exemplo em Pindo, as portas de ambos os pisos ficavam na fachada frontal, que acompanhava o declive do terreno: a de baixo, de um lado, na parede; a de cima, do outro lado, na empena de giesta (des. 73). Em alguns casos – por exemplo em Prime –, a porta do piso superior fica também na empena frontal, alta, e ascende se a ela por uma escada exterior, móvel, de encostar.

Des. 72 – Prime, Viseu. Choupana. Fugindo à regra, à porta do piso superior abre se na vertente da cobertura.

Des. 72 – Prime, Viseu. Choupana. Fugindo à regra, à porta do piso superior abre se na vertente da cobertura.

157Por vezes, a porta é protegida por uma aba que se destaca da empena, ficando saliente. Uma certa diversidade de aspectos que se observa nestas construções, advém lhes de acrescentos posteriores que alteram a inclinação da cobertura e também dessa diversidade de utilizações.

Des. 73 — Pindo, Castendo, Cabana.

Des. 73 — Pindo, Castendo, Cabana.

158Em Prime, as choupanas e cabanões, de cobertura a duas águas, têm substituído progressivamente as choupanas de pino, que atrás estudamos (des. 74). Elas consituem anexos de pequenas unidades agrícolas, desem penhando geralmente o papel de corte e palheiro, ou só palheiro; mas a sua serventia é variada, aparecendo ainda como casas de eira, arrumos, etc.

159Edificadas em terreno plano – o que sucede porém muito raramente –, elas têm geralmente um muro baixo de pedra muito tosco, que serve de apoio à armação, com uma única entrada na empena da frente, ficando mesmo em alguns casos a parte inferior dessa empena quase totalmente aberta. Mas é notória a preferência pelos terrenos em declive para a construção destas choupanas, o que permite, como vimos, fechar o recinto escavado com uma parede alta, apenas à frente, diminuindo de altura para trás, onde se reduz, muita vez, a um simples baldrame, conforme a inclinação do terreno (figs. 281 e 282, e des. 74).

160O madeiramento da cobertura é igual nas duas formas de choupanas. Na espessura das paredes ou do baldrame, ou sobre o frechal que geral mente corre sobre esta, assentam as pernas das tesouras, cruzadas no alto para apoio da trave de cume, uma em cada topo, e os barrotes. Estas peças são geralmente troncos delgados de pinheiro, descascados, afastados cerca de 70 cm uns dos outros. Sobre este madeiramento assenta a ripagem de varas de pinheiro ou ripas estreitas, pregadas ou amarradas, espaçadas cerca de 50 cm. (des. 75).

Des. 74 – Prime, Viseu. Choupana actualmente de planta rectangular, que substituiu a antiga, circular, aí existente. No térreo, a corte ocupa ainda o espaço redondo, escavado no saibro.

Des. 74 – Prime, Viseu. Choupana actualmente de planta rectangular, que substituiu a antiga, circular, aí existente. No térreo, a corte ocupa ainda o espaço redondo, escavado no saibro.

161O revestimento da cobertura é de certo modo complexo, apesar da simplicidade dos processos. Na sua forma mais perfeita, ele é constituído por três camadas de material distintas: a primeira é de ramagens que se dispõem sobre as ripas, de modo a que alguns couces fiquem sob as ripas seguintes, formando como que um esboço de entretecido (des. 76 a); segui damente assentam uma camada de giesta, da parede para o cume, espetando os couces através da camada de ramagens anterior; finalmente, colocam as tranças de colmo, do mesmo tipo usado nas choupanas de pino desta região, que já descrevemos (des. 76 b). Essas tranças são colocadas igualmente do beiral para o cume, formando degraus, de modo que os couces de uma fiada cubram as amarrações da fiada anterior; e fixam se do mesmo modo que nessas choupanas redondas. Contudo, este sistema de cobertura nem sempre é seguido, e frequentemente assentam as tranças de colmo apenas sobre uma camada de ramos ou giesta. E as empenas, especialmente, ficam em muitos casos somente com uma única camada de giestas presas por canas ou ripas exteriores, amarradas para as ripas interiores. O remate do cume é feito de várias maneiras: 1) assentando sobre ele uma trança vulgar de colmo a todo o comprimento, com os couces e as pontas dobradas sobre cada vertente, segura por uma cana ou vara de cada lado, amarradas com vimes ou arames para as ripas de dentro (des. 76 c); 2) colocando de modo seme lhante outra trança cujo enlaçado fica a meio do comprimento da palha e não junto à espiga, como naquela, protegida então, por uma fiada de telhas (des. 76 d); 3) dispondo igualmente uma trança enlaçada a meio, mas em que as manadas de palha – as garfas – se dispõem em sentidos alterna dos (des. 76 e); 4) ou ainda por uma fiada de garfas de colmo, também com as pontas desencontradas, cruzadas uma sobre a outra, sucessivamente, de modo que as espigas fiquem sempre escondidas e cobertas pelos couces das garfas seguintes (des. 76 f). Actualmente, vê se muitas vezes sobre este tra dicional fecho de cume, uma chapa de ferro dobrada ao jeito de caleira invertida.

Des. 75 – Prime, Viseu. Paredes e armação da cobertura de uma choupana.

Des. 75 – Prime, Viseu. Paredes e armação da cobertura de uma choupana.

162Nas choupanas altas, com palheiro sobre a corte, o pavimento do piso superior é constituído por troncos espaçados servindo de traves, sobre os quais pousam tábuas, geralmente afastadas umas das outras, ou simplesmente varas delgadas de pinheiro juntas ou espaçadas.

163Como nas choupanas circulares que com estas coexistem, as portas têm sempre uma padieira de tábua, em muitos casos com um buraco para o gonzo da porta. O térreo, destinado a corte, como é vulgar em construções com este fim, é um pouco rebaixado em relação ao exterior.

Des. 76 – Prime, Viseu. Pormenores do revestimento da cobertura de uma choupana, a) Esquema do revestimento; b) trança de colmo; c, d, e, f) várias maneiras de rematar o cume.

Des. 76 – Prime, Viseu. Pormenores do revestimento da cobertura de uma choupana, a) Esquema do revestimento; b) trança de colmo; c, d, e, f) várias maneiras de rematar o cume.

164Para vedar e rematar a beira das empenas amarram a todo o correr uma série de garfas de colmo.

165Na freguesia de Pindo, construções deste género são igualmente fre quentes, espalhadas pelos campos e com idênticas funções.

166Elas apresentam se fundamentalmente sob duas formas: as cabanos, de dois pisos, servindo simultânea mente de corte e palheiro, com paredes de pedra até ao pavimento do piso superior (fig. 283 e des. 77); e os cabanões, geralmente também de dois pisos, utilizados para guarda de carros e arrumos, em baixo, e palheiro, em cima, do género de cobertura parede, com um baldrame muito baixo e rude, e a empena frontal aberta na parte inferior (figs. 285 e 286 e des. 77).

167A implantação destas cabanas em terrenos de declive é corrente também aqui, e essa preferência explica se pelas soluções que esse facto origina. Em muitos casos, a área da superfície do piso térreo é muito menor que a do superior, escavando se apenas no terreno um sector que se completa e fecha com muros de pedra, à frente, avançando as águas da cobertura para trás, além dele, de modo a aproveitar já aí o terreno como pavimento natural do piso superior (des. 77).

Des. 77 – Pindo, Castendo, C abana.

Des. 77 – Pindo, Castendo, C abana.

168Os cabanões, por seu turno, são geralmente construídos em terreno plano, e constituídos pràticamente pelas duas águas da cobertura, com o vigamento do piso superior pregado aos caibros, a meio das vertentes, e um pequeno baldrame (des. 78).

169A armação da cobertura em ambos estes tipos de construções é for mada de toscos caibros geralmente varas de pinheiro descascadas, lançadas das paredes ou do baldrame ao pau do cume; este apoia se em duas tesou ras, uma em cada empena, que ora cruzam as pontas, pregadas, ora con vergem de modo a que essas pontas mal se tocam, firmadas aí contra a trave do cume que ao mesmo tempo suportam (des. 79 a). Em alguns casos ainda, estas tesouras não existem, e o pau de cume apoia num prumo assente nas paredes, à frente e atrás, notando se por vezes, pelo lado exte rior, contra o revestimento das empenas. Sobre os caibros pregam se ripas, com intervalos de cerca de 50 cm. Duas varas lançadas em diagonal impe dem que o conjunto se desloque longitudinalmente.

170Sobre a parede de pedra que limita o térreo pousa directamente o vigamento do piso superior. Em certos casos, este é constituído por paus grossos, dispostos transversalmente e espaçados cerca de 70 cm, sobre os quais assen tam tábuas ou varinhas delgadas de pinheiro, a par è encostadas umas às outras; noutros casos, sobre dois ou três grossos troncos atravessados são colocados, no sentido longitudinal, outros paus mais delgados, com maior ou menor distância entre si, estendendo se por cima destes uma camada de ramagens, atravessada ou ao correr deles (des. 79).

Des. 78 – Pindo, Castendo, Cabanão. Aspecto e pormenores da construção e do revestimento.

Des. 78 – Pindo, Castendo, Cabanão. Aspecto e pormenores da construção e do revestimento.

171O piso superior dos cabanões é constituído por toscas traves ou paus afeiçoados nas pontas e pregados à altura conveniente aos caibros da arma ção, de modo a formar com estes um A, reforçando se muitas vezes essa ligação por pequenas escoras em diagonal (des. 78).

244 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Aglomerado de cabanos

244 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Aglomerado de cabanos

245 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Cabanas

245 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Cabanas

246 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Estrutura de uma cabana

246 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Estrutura de uma cabana

247 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Empena e remate da cobertura

247 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Empena e remate da cobertura

248 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Janelo com alisares caiados

248 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Janelo com alisares caiados

249 - Costa de Santo André, Santiago de Cacém Grupo de cabanas

250 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Cabana com cercado em frente

250 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Cabana com cercado em frente

251 / 252 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Interior. Sala cozinha da casa do Tio Caniço

251 / 252 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Interior. Sala cozinha da casa do Tio Caniço

253 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Cabana revestida interiormente de barro e forrada de papel na cobertura

253 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Cabana revestida interiormente de barro e forrada de papel na cobertura

254 – Fonte da Telha, Almada C abana

254 – Fonte da Telha, Almada C abana

255 – Algarvios, Alcácer do Sal Grande aglomerado de cabanas

255 – Algarvios, Alcácer do Sal Grande aglomerado de cabanas

256 – Algarvios Alcácer do Sal Cabana de lume Cozinha

256 – Algarvios Alcácer do Sal Cabana de lume Cozinha

257 – Algarvios Alcácer do Sal Sala duma cabana

257 – Algarvios Alcácer do Sal Sala duma cabana

258 – Algarvios Alcácer do Sal Cabana de lume Cozinha

258 – Algarvios Alcácer do Sal Cabana de lume Cozinha

259 - Algarvios, Alcácer do Sal Sala duma cabana com as paredes forradas de tabuada

259 - Algarvios, Alcácer do Sal Sala duma cabana com as paredes forradas de tabuada

260 – Algarvios, Alcácer do Sal Quarto duma cabana

260 – Algarvios, Alcácer do Sal Quarto duma cabana

261 – Algarvios, Alcácer do Sal Pormenor da cobertura

261 – Algarvios, Alcácer do Sal Pormenor da cobertura

262 – Algarvios Alcácer do Sal Lareira duma cabana de lume Paredes revestidas de barro e tecto de tabuado

262 – Algarvios Alcácer do Sal Lareira duma cabana de lume Paredes revestidas de barro e tecto de tabuado

263 – Casas Novas Alcácer do Sal Grupo de cubanas

263 – Casas Novas Alcácer do Sal Grupo de cubanas

264 – Casa Novas, Alcácer do Sal Cabana com uma pequena ramada em frente

264 – Casa Novas, Alcácer do Sal Cabana com uma pequena ramada em frente

265 – Casas Novas, Alcácer do Sal Cabana

265 – Casas Novas, Alcácer do Sal Cabana

266 – Casas Novas Alcácer do Sal Interior

266 – Casas Novas Alcácer do Sal Interior

267 – Casas Novas Alcácer do Sal Interior. Cabana de lume, com as paredes revestidas de barro

267 – Casas Novas Alcácer do Sal Interior. Cabana de lume, com as paredes revestidas de barro

268 – Montalvo Alcácer do Sal Grupo de cabanos

268 – Montalvo Alcácer do Sal Grupo de cabanos

269 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabanas

269 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabanas

270 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabana e horta dentro duma cerca de canas

270 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabana e horta dentro duma cerca de canas

271 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabanas

271 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabanas

272 – Montalvo, Alcácer do Sal. Cozinha ao ar livre – o fogão –.

272 – Montalvo, Alcácer do Sal. Cozinha ao ar livre – o fogão –.

273 – Casa Branca, Grândola Cabana com empena e chaminé de tabuado

273 – Casa Branca, Grândola Cabana com empena e chaminé de tabuado

274 – Melides, Grândola. Cabana

274 – Melides, Grândola. Cabana

275 – Azervadinha, Coruche. Barraca

275 – Azervadinha, Coruche. Barraca

276 – Coruche. Barraca

276 – Coruche. Barraca

277 – Canha, Montijo. Cabana habitada por cesteiros

277 – Canha, Montijo. Cabana habitada por cesteiros

278 – Couço. Barraca

278 – Couço. Barraca

279 – Mora. Barraca

279 – Mora. Barraca

280 – Coruche. Barraca

280 – Coruche. Barraca

281 – Prime, Viseu. Choupana

281 – Prime, Viseu. Choupana

282 – Prime, Viseu. Choupanas

282 – Prime, Viseu. Choupanas

283 – Pindo, Penalva do Castelo Cabana

283 – Pindo, Penalva do Castelo Cabana

284 – Pindo, Penalva do Castelo Cabanos

284 – Pindo, Penalva do Castelo Cabanos

285 – Pindo, Penalva do Castelo Cabanão

285 – Pindo, Penalva do Castelo Cabanão

286 – Povolide, Viseu Cabanão

286 – Povolide, Viseu Cabanão

287 – Pindo, Penalva do Castelo. Cabanas

287 – Pindo, Penalva do Castelo. Cabanas

172O sistema de revestimento da cobertura, embora elaborado, é diferente do de Prime, notando se aqui sobretudo a ausência das tranças de colmo. Nos casos mais representativos, ele é constituído por três camadas: a primeia é de canas, tecidas nas ripas, a segunda é de giesta, colocada às fiadas, da parede para o cume; a terceira é de colmo, posto às fiadas, em valadio. Na segunda camada, a giesta é colocada ora com os couces para cima enfia dos através das canas, ora em valadio, prendendo cada fiada com uma cana exterior que se amarra à ripa interior que lhe corresponde, a espaços mais ou menos largos. Na terceira camada, o colmo é seguro por canas como no caso anterior, de modo que os couces da fiada seguinte cubram a cana que firma a fiada antecedente. Por vezes, quando a giesta é sufi cientemente comprida, não se usa a primeira camada, de canas, e as giestas são entretecidas nas ripas, com uma ou outra cana horizontal sobre elas amarrada por vimes para o interior (des. 79 a). É este designadamente o caso dos cabanões, que são em regra de construção mais descuidada.

Des. 79 – Pindo, Castendo. Esquema do revestimento e das várias modalidades do pavimento do piso superior.

Des. 79 – Pindo, Castendo. Esquema do revestimento e das várias modalidades do pavimento do piso superior.

173As empenas, a maior parte das vezes, são revestidas apenas com giesta ou ramagens postas às fiadas em valadio, seguras por canas que amarram às ripas interiores.

Área do Médio Tâmega e Baixo Douro

174Este mesmo tipo de construções ocorre também com bastante frequên cia, como dissemos, numa área que vai desde o curso médio do Tâmega até ao Baixo Douro. No concelho de Cinfães, por exemplo em Tarouquela, quando situadas nas vertentes de grande pendor voltadas ao rio, as casotas não têm sequer a fachada das traseiras: o próprio cume vai cravar se no solo, e as portas de acesso aos dois pisos situam se ambas na fachada fron tal, sobrepostas ou desencontradas, ora a meio ora aos lados, ascendendo se à do piso superior por uma escada fixa de pedra ou móvel de madeira.

175É porém na região do médio Tâmega, e especialmente em Terras de Basto, que estas construções, hoje, se vêem em maior número. Elas servem aí, de acordo com a regra, de cortes palheiros, isoladas nos campos, ou, por vezes, – por exemplo em Agilde – no próprio centro da povoação, cujas casas de habitação mostram traços muito visíveis delas (figs. 289, 290 e 291).

  • 89 ) De facto, o emprego da madeira não significa aqui qualquer economia, porque nestas regiões a pedr (...)

176Tal como estas cabanas, a actual casa rural nortenha evoluída, de habitação, de facto, é também de dois pisos, com estruturas e funções dife renciadas – o de cima para habitação, o de baixo para cortes e lojas –, com entradas independentes para cada um, nos respectivos níveis, e, nos exemplos mais rústicos, não raro mesmo ainda sem escada interior; existe naturalmente uma escada exterior, geralmente com patim, que dá acesso ao piso superior. A cobertura, hoje, é as mais das vezes em telha; mas subsistem ainda muitos casos em que ela é de colmo, e é evidente que, quase sempre, a telha, aqui, veio substituir uma primitiva cobertura de colmo, por vezes em data muito recente. E, nessas terras de Basto (onde aliás o colmo se usa ainda com muita frequência), as empenas são mesmo muitas vezes de tabuado, numa forma que nada justifica nem tem de fun cional(89), e que por isso parece explicar se apenas como prolongamento de uma tradição de construção anterior.

177A cobertura destas cabanas, de colmo assente numa armação corrente, mais ou menos singela, de caibros lançados das paredes baixas a uma trave de cume que pousa no topo das empenas, é feita segundo o mesmo sistema que o das casas evoluídas mas de carácter arcaico da região. Ele será des crito na II Parte deste trabalho, onde se estudam, além disso, vários outros sistemas primitivos de cobertura, que continuam em uso nas casas dos níveis mais rústicos de diversas regiões, igualmente arcaizantes, as quais se podem considerar também directamente derivadas de construções qua lificadamente primitivas semelhantes ou paralelas a estas cabanas.

178Tanto as cabanas como essas casas parecem pois, com efeito, indigitar um protótipo comum, muito arcaico, donde derivariam umas e outras, e que se situaria também nos primórdios da habitação humana. As cabanas seriam herdeiras directas desse protótipo, que reproduzem sem pràticamente qualquer alteração. A casa evoluída tem já, como dissemos, além de outros desenvolvimentos, escada exterior (e até, modernamente, interior), de acesso ao piso superior ; a cabana, que perpetua esse protótipo remoto, supre a falta desse elemento, de difícil construção, pela sua característica localização num declive, de modo que o andar fica também ao raso do solo no nível mais alto deste, com entrada pela empena das traseiras.

179Esse protótipo que assim perdura inalterável nas cabanas, pode talvez, por seu turno, representar uma fase da evolução dessas tendas, choças, ou abrigos térreos, temporários ou móveis, de planta rectangular, formados por uma simples cobertura de materiais vegetais, montados numa armação rude de madeira, pousada no solo, e cujas entradas, para melhor resguardo, houvessem sido tapadas com anteparos, guarda ventos ou painéis dos mesmos materiais, e que eram próprios dos caçadores e pastores, nómadas ou semi-nómadas, mais primitivos; o piso superior das actuais cabanas, no lado das traseiras, reproduz exactamente esses primeiros abrigos do género de cobertura parede, com as empenas tapadas; e esse pormenor subsiste, não só nas cabanas, mas mesmo em muitas casas actuais pròpriamente ditas, na parte da cobertura; quando essas gentes se fixaram e sedentarizaram com os progressos da agricultura e a domesticação dos animais, os abrigos ter se iam sobreposto a um recinto para a recolha dos gados, escavado atrás no declive do terreno, e cercado apenas à frente por um pequeno baldrame ou muro tosco de pedra, sobre os quais se pousou um grosseiro sobrado de vigas; a escolha dum terreno em declive para a sua localização normal teria sido a solução encontrada para se poderem conjugar num só edifício sem escada o primitivo abrigo de vivenda das pessoas e esse recinto para os animais. De facto, vimos que, nestas áreas, nomeadamente em Prime e Castendo, aparecem ainda alguns exemplos de cabanões, compostos apenas da cobertura que pousa directamente no solo. E já vimos também que em muitas casas de planta circular existem igualmente os dois pisos.

  • 90 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Alguns elementos das casas de Matosinhos, Maia e V (...)

180Sem dúvida, o fogo não se podia acender sobre aquele sobrado; mas não repugna supor que nos primeiros tempos as pessoas vivessem – e cozi nhassem – no térreo, junto com os animais. Ainda hoje são frequentes entre nós (e em outros pontos, onde se impõe uma vigilância mais cerrada contra roubos de animais) os exemplos de convívio atenuado das pessoas e gado, no térreo, em casas rurais nortenhas : cortes contíguas ou abrindo para a cozinha (90), etc.; e conhecemos mesmo exemplos, no Alto Minho, de casas de lavoura de dois pisos onde hoje se dorme no piso superior, mas outrora se dormia no térreo.

181A ser exacta a nossa hipótese, estas cabanas perpetuariam portanto um tipo que, tendo evoluído por outro lado, preludia morfológica e fun cionalmente a casa nortenha de dois pisos, e que, pelo seu turno, é ele próprio derivado dos mais simples abrigos primitivos do homem. Intermediárias entre tais abrigos e as casas ulteriores evoluídas e normais, elas situar se -iam lógica e cronològicamente no momento em que essas primitivas cul turas de caçadores e pastores se combinaram com a agricultura e criação de gados, e em que por isso as suas tendas ou abrigos temporários, de mate riais arbustivos, se transformaram em construções fixas, sólidas, duradou ras, e de maiores dimensões, ajustadas a essa nova forma de viver, cons tituindo assim mais outro tipo ainda de «casa de fumo», em que, além disso, homens e animais coabitam sob o mesmo tecto (e até, porventura, ao lado uns dos outros, no mesmo piso).

  • 91 ) Ver atrás texto correspondente a Nota 300.

182Elas representam portanto, nos seus desenvolvimentos ulteriores, do mesmo modo que as casas de planta redonda de que atrás nos ocupamos, a « petrificação » dessas tendas ou abrigos volantes e precários. E vimos já que é esta, com efeito, a opinião de Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez a respeito das casas de planta quadrangular dos nossos castros nortenhos (91).

183Na casa evoluída, pròpriamente dita, esse protótipo, que se revela nos traços apontados, idênticos fundamentalmente aos que ainda hoje caracterizam as cabanas, sofreu certas alterações que significam a sua evolução no sentido de um enriquecimento, diferenciação, e complexidade maiores; por isso mesmo, porém, elas colocam se já fora do âmbito deste estudo.

Malhadas alentejanas e beiroas

184As malhadas, ou sejam os grandes currais unitários – em certas regiões do Alto Alentejo para as cabras ou os porcos, e também em certas regiões da Beira Baixa para os porcos – são por vezes instalações sumamente originais compostas de numerosos pequenos edifícios, geralmente de carácter muito primitivo, onde se vêem, no mesmo conjunto, construções de várias categorias, conforme as funções que desempenham esses diversos edi fícios. As malhadas alentejanas sobretudo, com os curveiros ou pocilgas para os animais, dispostos por vezes em volta de um cercado de ramagens, ao lado das choças ou cabanas onde habitam os pastores, maiorais ou guardas, com as suas famílias, eram a imagem sugestiva da vida de um acampa mento dos tempos pré históricos.

Des. 80 – Juromenha. Planta de uma malhada de cabras.

Des. 80 – Juromenha. Planta de uma malhada de cabras.

185Malhadas de Cabras – Estas malhadas, presentemente muito raras, cons tituem um exemplo muito curioso do aproveitamento exclusivo dos mate riais vegetais existentes no local onde são feitas.

186Descreveremos seguidamente uma malhada deste género observada perto de Juromenha, entre o Alandroal e Elvas, constituída por uma cabana de habitação da família do pastor, uma cabana servindo de queijaria, outra de curral para um burro, um cercado com quatro curveiros, uma socha de duas esteiras e um galinheiro ( figs. 292 a 299, e des. 80 e 81).

Des. 81 – Juromenha. Malhada de cabras. Aspecto geral.

Des. 81 – Juromenha. Malhada de cabras. Aspecto geral.

187A cabana que serve de habitação é de planta rectangular, com cober tura de duas águas; a porta, única abertura, rasga se a um lado da empena frontal; as paredes, muito baixas, mal se individualizam da cobertura que desce quase até ao solo. A armação, de prumos e varas horizontais, é reves tida por feixes de estevas amarrados a essas varas com arames; nas empe nas, contudo, sobre essa camada de estevas dispõe se outra, de piorno, atado aos feixinhos e preso por agulhas, num processo correntemente usado na cobertura das serras de palha do Alentejo. Para esse efeito, espeta se na camada inferior de estevas uma varinha de piorno – a agulha – e colo ca-se contra ela um feixinho ; aquela varinha dá sobre este uma volta de modo a formar um laço, que se aperta puxando as pontas, após ter colocado novo feixinho e espetado outra agulha, fazendo a passar através desse laço, repetindo sucessivamente estas operações, até final (des. 82).

188A queijaria é de construção semelhante à habitação, com as paredes ligeiramente mais altas; mas como revestimento tem apenas a primeira camada de estevas.

Des. 82 – Juromenha. Malhada de cabras. Pormenores da construção da cabana habitação. Esquema do revestimento das paredes e das empenas.

Des. 82 – Juromenha. Malhada de cabras. Pormenores da construção da cabana habitação. Esquema do revestimento das paredes e das empenas.

189O cercado, circular, a que não dão nome especial, mede cerca de 10 m de diâmetro, e tem uma única porta para o exterior (des. 80). À sua volta, na metade fronteira à porta, dispõem se os quatro curveiros. Um outro curveiro fica situado no exterior deste cercado, junto à porta, com pequena cerca própria; a sua implantação no exterior é devida ao facto do solo ser demasiado pedregoso no lugar onde deveria ser construído, e não permitir enterrar aí as estacas.

190Para a construção destes cercados começam por espetar no chão, ao longo da linha circular que prèviamente riscam, estacas afastadas mais ou menos 50 cm, que se erguem acima do chão cerca de 1 m. Nessas estacas entretecem piorno, espetando em seguida, por fora e por dentro, pares de estacões mais fortes, distanciados 80 cm a 1 m, amarrados um para o outro. A sebe fica deste modo muito segura. Para impedir que os animais des truam o entretecido de piorno, engancham sucessivamente no alto da sebe três camadas de pés de estevas, separando em duas partes as hastes de cada pé, de modo a ficar uma por fora e a outra por dentro das paredes da sebe (des. 83 a). Esta fica assim com cerca de 1,60 m de altura, e as pontas da primeira camada de estevas quase chegam ao chão. No sector do círculo correspondente aos curveiros, a cerca é construída de modo diferente, apenas com estacas espetadas na linha do círculo, atrás das quais se colocam horizontalmente estevas formando uma pilha espessa pelo lado exterior. Sobre estas estevas, bem acamadas, lançam mais braçadas, um pouco a esmo, e por trás encostam se ramagens de árvore, verticalmente (fig. 299).

Des. 83 – Juromenha. Malhada de cabras, a) pormenores da sebe do cercado; b) entrada de um curveido; c) corte horizontal da entrada de um curveiro.

Des. 83 – Juromenha. Malhada de cabras, a) pormenores da sebe do cercado; b) entrada de um curveido; c) corte horizontal da entrada de um curveiro.

191As portas dos curveiros implantados na periferia desta sebe, são rasgadas nela, fechando se com estrados de madeira ou placas de xisto (des. 83 b).

192A distância de meio metro que fica entre a face interior da cerca e o curveiro, dá lugar a uma entrada profunda. De cada lado, desta, os tocos ou raizeiros das estevas deitadas, que formam a parede da sebe entre cada curveiro, são forradas com estevas dispostas a prumo, amparadas entre a parede do curveiro e um pequeno avanço das estevas deitadas, na face interior do cercado, formando uma espécie de caixilho (des. 83 c). No fundo da entrada avista se a soleira do curveiro; uma camada de estevas mais gros sas forma a padieira.

193À entrada do cercado, junto à porta, há um tosco telheiro de rama gens, o sombracho, onde ordenham as cabras.

194Os curveiros são construídos espe tando no chão estacas afastadas umas das outras cerca de 40 cm, com altura aproximada de 1 m, formando um círculo de 3,50 a 3,80 m de diâmetro, nas quais entretecem piorno (des. 85 a). Esse entretecido parte de uma das estacas que faz de ombreira e segue através das outras até dar duas voltas completas, sem interrupção mesmo na porta, formando aí uma espécie de soleira vegetal. Na terceira volta, ao chegar à outra ombreira, voltam a entretecer para trás, em sentido con trário até à primeira ombreira, e assim sucessivamente até levantar a parede à altura da padieira da porta; daí até ao cimo das estacas o entre tecido é outra vez contínuo (des. 84). Seguidamente dispõem três paus grossos em pirâmide, espetados no chão, no interior, e amarrados nas pontas (des. 85 a) ; quando esses paus são suficientemente compridos espetam se pelo lado de fora da parede. Entre estes paus colocam outros, mais curtos e delgados, cravados ou amarrados na espessura da parede, juntando as pontas no alto sobre os primeiros, amarrados aí, com arames, e afastados na base cerca de 60 cm. De permeio com esta espécie de caibros, tortos e irre gulares, colocam ainda outros paus mais curtos, entremeados e entrecruza dos com estes (des. 85 a). Esta armação cónica é recoberta por ramagens de esteva, com as pontas viradas para baixo, amarradas com arame ou vencilhos de piorno em pontos diversos, operação que designam por «enramar o curveiro» (des. 85 b). Sobre esta camada de ramos estendem palha e uma última camada de piorno, disposto com as pontas para baixo e os couces espetados na espessura das camadas anteriores. O coruto remata por um molho de piorno com as pontas para cima, espetando ao longo dele raminhos de giesta dobrados para baixo; as pontas mais altas do molho são dobradas sobre si formando um nó – o passarinho – (des. 85 b). A fixação deste revestimento da cobertura é ainda reforçada por dois vencilhos – atilhos – de piorno, formando dois anéis, junto ao vértice, e um outro anel, de agulhas também de piorno, a meio da vertente.

Des. 84 – Juromenha. Malhada de cabras. Porta de um curveiro, com soleira e padieira.

Des. 84 – Juromenha. Malhada de cabras. Porta de um curveiro, com soleira e padieira.

Des. 85 – Juromenha. Malhada de cabras. Pormenores da construção de um curveiro.

Des. 85 – Juromenha. Malhada de cabras. Pormenores da construção de um curveiro.

195O galinheiro é uma espécie de choço cónico fixo, com estrutura de varas de madeira e revestimento de piorno. As pontas da fiada junto ao solo são calcadas com uma série de pedras.

196A socha, móvel, é constituída por duas esteiras que se encostam uma à outra, formando um abrigo de duas águas, com empenas triangulares, uma tapada e a outra aberta, onde dorme o pastor em dias de mau tempo. No bom tempo, ele dorme geralmente debaixo de uma árvore, numa cama improvisada, simples estrado de paus elevado do solo, coberto de espessa camada de palha, protegido do vento dominante por um cancelim trian gular de palha apertada entre varas, ao jeito de espaldar (fig. 295).

197Cozinham na chaminé, pequeno espaço limitado por três anteparos de lascas de xisto assentes de cutelo no chão (des. 86 a). O pial em que lavam a louça é uma lasca de xisto disposta horizontalmente sobre um bloco da mesma pedra (des. 86 b). Um vulgar cocho de cortiça, grande, pousado sobre um galho ramificado em três e espetado no chão, serve de lavatório (des. 86 c). Para pendurar o ferrado e demais vasilhas, utilizam igualmente uma árvore nova, espetada no chão – o espeque – com os ramos espontados bracejando em várias direcções.

Des. 86 – Juromenha. Malhada de cabras, a) chaminé onde cozinham ao ar livre; b ) pial; c ) Cocho onde lavam a louça.

Des. 86 – Juromenha. Malhada de cabras, a) chaminé onde cozinham ao ar livre; b ) pial; c ) Cocho onde lavam a louça.
  • 92 ) António Manuel Ramalho, da freguesia do Rosário, Alandroal. Ver atrás, obra citada na Nota 134.

198Todo este conjunto foi construído pelo pastor (92). A sua duração média é de cerca de 5 anos; depois terá de ser refeito, eliminando então todo o varedo quebradiço, e aproveitando apenas a lenha « grossa » que ainda se encontre em bom estado. A escolha do local para a sua implanta ção obedece a certos requisitos, preferindo se geralmente sítios de fraga, para que a terra não se empape em tempo de chuva, mas que permita, ao mesmo tempo, abrir buracos para cravar as estacas.

199O patrão, quando da construção de uma destas malhadas, põe 6 homens à disposição do pastor até à conclusão do trabalho, que dura aproximada mente 15 dias.

Des. 87 — Beirã. Marvão. Malhada de cabras. Aspecto geral e planta.

Des. 87 — Beirã. Marvão. Malhada de cabras. Aspecto geral e planta.

200A Norte da Beirã, Marvão, vimos também uma destas malhadas que compreendia seis curveiros (fig. 300 e des. 87) (além da casa do maioral, de que já falámos) (figs. 109 e 110), alinhados a um dos lados do cercado. Três destes curveiros são inteiramente em materiais vegetais, e do género de cobertura parede; os restantes têm uma parede tosca e baixa de pedra, sobre a qual apoia a cobertura, igualmente cónica de materiais vegetais: Os primeiros, de planta circular, são constituídos por treze paus apoiados directamente no solo, unidos uns contra os outros no vértice formando um cone, e mais seis, de menor comprimento, dispostos nos intervalos daque les, e apoiando neles a cerca de meia altura, afastados uns dos outros na base cerca de 30 cm. A parte superior destes paus é mal esgalhada, dispen sando ripagem; da padieira da porta para baixo eles mostram um ripado formado por três anéis de vergas, amarradas com arames aos paus. O reves timento da cobertura é de giesta, espetada com os couces nos galhos dos paus da armação, em camada espessa, cingida exteriormente por três anéis de vergas ou arames. Os corutos são amarrados com voltas de arame. Eles medem de diâmetro interior, 2 m, e de altura, do solo ao vértice, 1,50 m; a porta tem 70 cm de altura e 55 cm de largura. A giesta, junto aos paus que fazem de ombreiras da porta, é atada com arames.

201Os outros três curveiros, de planta elíptica irregular, apresentam uma parede de pedra seca, de 75 cm de altura e 50 cm de espessura, e uma cobertura grosseiramente cónica, de paus lançados do cimo das paredes ao vértice, onde se juntam as pontas superiores. Na metade inferior, sobre esses paus dispõe se um ripado de vergas. O material de revestimento é tam bém a giesta, que se fixa de modo semelhante ao do caso anterior. As suas dimensões interiores são de 3,60 X 2,50 e 2,30 m de altura, do solo ao vértice. A porta, com padieira de pedra, mede 60 X 60 cm.

202O cercado é vedado por uma grade de prumos e varas amarradas com arames, de 1,40 m de altura, recoberta pelo lado exterior por uma espessa camada de silvas, presas aqui e além com arames.

  • 93 ) Quando da nossa primeira visita a esta malhada, em 1952, havia ali cerca de 70 porcos e uma burra

203Malhadas de porcos – Poucos quilómetros a Norte de Santa Eulália (Eivas), encontramos (em 1961) duas malhadas de porcos, distantes uns centos de metros para cada um dos lados da estrada de Arronches. A que ficava a Nascente, pertencente à Herdade das Vacas, era um conjunto de casotas de várias formas, dimensões, e até idades, e compunha se de: 1) um recinto formado por uma linha de pocilgas descrevendo um U de braços compridos, com cobertura corrida a duas águas, com uma parede baixa e uma porta a meio a fechar a abertura desse U (fig. 301); tanto esta parede como as das pocilgas eram rudes encastelados de pequenos blocos irregula res de granito; sobre as divisórias das pocilgas, mais altas a meio, corriam três paus paralelos, um a meio, e os outros em cada água, sobre os quais se dispunha um amontoado de ramagens de azinheira que servia de base a outra camada exterior de ramagens de piorno, presa por agulhas do mesmo material (des. 88 a). 2) Uma série de seis pocilgas seguidas formando um corpo contínuo, com paredes divisórias de pedra; a cobertura era cons tituída por uma armação de três paus corridos sobre os quais se dispunha a ramagem, como no caso anterior, mas que em vez da camada exterior de piorno era recoberta com terra (des. 88 b). 3) Várias pequenas pocilgas iso ladas, de paredes de pedra extremamente rudes, com um arremedo de cúpula de blocos informes de pedra recobertos de terra (des. 88 c.). 4) quatro construções de planta circular, com paredes de pedra, de cerca de 1 m de altura e 3 de diâmetro interior, e cobertura cónica, com estrutura de varas e revestimento de piorno, de tipo semelhante às construções do mesmo género desta região, de que já falamos (fig. 302). 5) Duas cabanas que cons tituíam a habitação do porqueiro e sua família – uma, de planta arredondada e cerca de 7 m de diâmetro exterior, com paredes toscas de pedra seca de 1,70 m de altura e 80 cm de espessura, e cobertura cónica formada por uma armação de paus mais ou menos grossos, ramalhos e ramagem miúda, com uma camada exterior de piorno (fig. 303); nela vivia amontoada a família do porqueiro – o casal e oito filhos –, dormindo em duas camas. A outra cabana, de planta rectangular e cobertura a duas águas, encostada ao recinto fechado, mais tosca ainda que a anterior, servia de cozinha. Esse recinto fechado era destinado às porcas paridas (93).

Des. 88 – Santa Eulália, Eivas. Corte das pequenas pocilgas de uma malhada de porcos.

Des. 88 – Santa Eulália, Eivas. Corte das pequenas pocilgas de uma malhada de porcos.

204A outra malhada, que se avista a uns 800 m a Poente da estrada, causa, ainda mais que a anterior, uma impressão de estranheza e anacronismo. Sòzinha na vastidão da terra plana, abandonada, sugere, a quem se vai aproximando, um fortim exótico em que as portas das pequenas pocil gas parecem filas de seteiras escancaradas, espalhando se as suas instala ções por uma área mais ou menos quadrada com 230 m de lado. O con junto principal é formado por três blocos contínuos de casotas baixas – dois iguais e paralelos, outro um pouco desviado desse paralelismo e puxado a um lado deles. Nos primeiros, a parede da rectaguarda é encurvada, individualizando cada pocilga; no segundo é direita. A cobertura é em todas estas pocilgas feita de lajes de pedra muito irregulares, recobertas de terra. Em frente de cada porta vêem se pedras postas de cutelo, formando curtos corredores de acesso. Além destas pocilgas alinhadas em três grupos há ainda um grande número de outras, dispersas, umas totalmente cons truídas de pedras soltas, outras utilizando parcialmente blocos grandes; e grande número destas aproveitam mesmo afloramentos da rocha para formar parte das paredes.

Des. 89 – Santa Eulália, Elvas. Aspecto geral de uma malhada de porcos abandonada.

Des. 89 – Santa Eulália, Elvas. Aspecto geral de uma malhada de porcos abandonada.

205Integrados neste conjunto de pocilgas de pedra vemos ainda quatro cons truções, de paredes baixas de pedra, circulares e com cobertura cónica de materiais vegetais, com uma pequena porta a abrir para um recinto fechado por muros de pedra; ao lado destas encontram se mais duas de for mato semelhante, sem recinto fechado em frente da porta, que deveriam ter sido a habitação do porqueiro antes da malhada ser abandonada (fig. 304 e des. 89).

206Como dissemos atrás, perto de Juromenha, na estrada para o Alandroal, avista se também uma malhada de porcos, de outro tipo, constituída por um conjunto de construções de pedra, em que as pocilgas, pequenas e baixas, são em falsa cúpula, recobertas de terra, alinhadas em dois corpos paralelos, com as entradas a abrir para um amplo recinto que fica entre eles, vedado nos extremos por muros baixos; no topo frontal de cada um desses corpos, vê se uma chafurda com dimensões muito maiores que as pocilgas, de planta quadrada e paredes em xisto de boa factura, cobertas por uma cúpula em tijolo, exteriormente revestida de argamassa forte, e de forma piramidal. Estas duas chafurdas dão para outro recinto murado, que comunica com o primeiro por uma pequena passagem aberta nos muros.

207As pocilgas pequenas diferem das que descrevemos de Santa Eulália apenas por um melhor acabamento, com paredes alinhadas e rebocadas. As duas chafurdas maiores, além desse melhor acabamento, constituem um elemento excepcional em relação às chafurdas tradicionais da região, pela sua forma e material de que são feitas.

Des. 90 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto e planta de uma malhada de porcos. O núcleo inicial da malhada ia de A a B, tendo sido posteriormente aumentada.

Des. 90 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto e planta de uma malhada de porcos. O núcleo inicial da malhada ia de A a B, tendo sido posteriormente aumentada.

208Em algumas regiões da Beira Baixa, como igualmente dissemos atrás, vêem se também malhadas deste últmo tipo, com um maior ou menor número de pocilgas. Em Salvaterra do Extremo, por exemplo, a cerca de 5 km a Poente da povoação, um destes conjuntos, isolados nos montados, era formado por 16 pocilgas, dispostas em dois corpos rectangulares, alinha dos paralelamente um em frente do outro, com as portas a abrir para um aido que ficava entre elas, medindo cerca de 3 m de largura, e fechado atrás e à frente por muros que prolongam as paredes dos topos daqueles dois corpos. As paredes são de xisto e granito – este sobretudo nas ombreiras e padieiras das portas –, barreadas por fora e por dentro. As portas têm uma pedra colocada de cutelo na soleira, elevada cerca de 20 cm acima do solo, e medem 80 cm por 55 de largura. Interiormente, as pocilgas apresentam se todas de planta circular, com 1,40 m de diâmetro junto ao solo, e 1,30 m de altura deste ao fecho da cúpula, que é geralmente consti tuído por uma pedra ladeira, cobrindo uma abertura de cerca de 50 cm de diâmetro. Exteriormente, as paredes desses dois corpos são rectilíneas, com 16 m de comprimento, 2,20 m de largura e 1 m de altura até ao capeado que as remata, e 60 cm deste até ao cimo da cobertura, que toma o aspecto geral de duas águas, recoberta inteiramente de terra solta. Um dos muros de topo que fecha o aido tem uma porta de 60 x 60 cm para a entrada e saída dos animais. As pessoas saltam esse muro pondo os pés em pedras que avançam além do seu prumo, ao jeito de degraus (des. 90 e 91).

Des. 91 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto das entradas para as pocilgas. Corte de uma delas pelo plano perpendicular à porta.

Des. 91 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto das entradas para as pocilgas. Corte de uma delas pelo plano perpendicular à porta.

Barracos de sargaço (94)

  • 94 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «A apanha do sargaço no Norte de Portugal », in «Tr (...)

209A apanha do sargaço para adubo das terras ocorre em Portugal espe cialmente do Douro para o Norte, até ao Minho (e seguidamente em alguns «portos» galegos). Para o Sul, ela ocorre apenas em alguns pontos isolados da costa, em Peniche e na Ericeira. No Norte, nos locais onde essa activi dade se pratica, existem nas praias pequenos barracos de abrigo – do sar gaço, dos utensílios dessa apanha, dos barcos etc, e, ocasionalmente, das próprias pessoas que a ela se dedicam, lavradores, pescadores ou cabaneiros pobres, conforme os casos. Esses barracos, que passamos a descrever, são de tipos e formas diferentes, também conforme os casos.

  • 95 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «A Apanha do sargaço», op. loc. cit. pp. 127: « Qua (...)

210Do Douro para o Norte, os primeiros barrancos encontram se a partir do Pampelido, Lavra e Angeiras, e seguidamente Vila Chã e Mindelo; nessa faixa, os mais antigos parece terem sido pequenas construções muito toscas, com paredes feitas de pedaços de granito, e cobertos de colmo ou junco. Essas barracos ou palhoças primitivas, de que existem ainda alguns exem plares, estão agora quase mergulhadas na areia, e a cobertura fica tão baixa que é necessário protegê la do gado por molhos de tojo; ela é a quatro águas, sendo a da frente menor que a da rectaguarda. As suas reduzidas dimen sões eram as mesmas para todas : pouco mais de 7 m de comprimento – para permitir a arrecadação do barco – e apenas 3 a 3,50 m de largura. A porta, de um ou dois batentes, ocupa toda a largura da fachada, e a padieira, arqueada, mal deixava passar um homem em pé (fig. 288 e des. 92) (95). No momento em que tiveram de ser edificados mais longe do mar, a antiga forma destes barracos sofreu alterações sucessivas, incidindo sobre alguns dos seus caracteres. Destas, a primeira foi a simplificação da cobertura de colmo, que passou a ser de duas águas; e, seguidamente, o colmo foi subs tituído pela telha, e as dimensões do edifício aumentadas. A sua fase final, por sua vez, constitui um modelo que, progressivamente melhorado e ampliado, está na base dos grandes barracos que agora se vêem no Mindelo e em Angeiras, e do próprio casario do núcleo mais denso de Vila Chã, feito à custa dos barracos pré existentes.

Des. 92 – Mindelo, Vila do Conde. Barraca de sargaço.

Des. 92 – Mindelo, Vila do Conde. Barraca de sargaço.

211Do Mindelo para o Norte, o primeiro barraco que encontramos é em Averomar. É o único que ali subsiste, mas a gente do sítio lembra se de ter havido outros iguais, de pedra e com cobertura de colmo a duas águas, no lugar em que depois foi surgindo a actual povoação, que como tal é recente.

  • 96 ) Um deles, junto à praia, era mesmo a taberna do lugar.

212Na Aguçadoura, todo o núcleo é formado por barracos de tipo dife rente. A sua cobertura de colmo ou palha de « borega » (da lagoa da Apúlia), a duas águas, assenta em esteios de granito cravados na areia, e todas as paredes são de tabuado. Amplos, muito espaçosos e cuidados, eles têm um carácter diferente dos demais barracos de madeira que se encontram nas outras localidades desta área, o que é certamente devido à relativa prosperidade da região; o emprego da madeira na sua construção expli ca-se pela dificuldade do transporte da pedra, que não existe nessa área de dunas, e também talvez por razões de ordem cultural, como prolonga mento de uma velha tradição da região : estes barracos, com efeito, para lá das suas dimensões (96), relacionam se estreitamente com outras cons truções do mesmo género que existem na região : as pequenas barracas também de tabuado e cobertura de colmo, que aqui se vêem junto das casas rurais, e onde o lavrador guarda produtos da terra, em especial a cebola, aqui cultivada em muito apreciável escala.

  • 97 ) Vimos já que em Fão eles são por vezes de planta arredondada. (Ver texto correspondente a Nota 16 (...)
  • 98 ) Em Sedovém, conserva se a memória da existência de barracos semelhantes aos actuais da Aguçadoura (...)

213Da Aguçadoura para o Norte, encontrámos ainda barracos de sargacei ros, de tabuado, na Foz e Castelo do Neiva, e no Cabedelo de Caminha, onde a apanha do sargaço é praticada sobretudo por pescadores e caba neiros sargaceiros pobres; mas em todos estes locais, a sua cobertura é já em telha. Nas Marinhas, a Norte de Esposende, os barracos antigos eram ao que parece de pedra com cobertura de colmo, e encontravam se a esmo isolados na duna; mas, com a venda dos barcos do «pilado», que se extinguiu nesta costa, eles desapareceram completamente, substituídos por pequenas casotas de pedra com telhado de duas águas, de telha, apenas para guarda da utensilagem dos sargaceiros. Nas Pedrinhas, Fão (des. 93), Amorosa, Carrêço, Afife e em Moledo, onde é ainda essencialmente o lavrador quem apanha o sargaço, os barracos da praia são de pedra, com telhado de telha (97). Na Apúlia e em Sedovém, encontram se estas duas categorias de barracos ao mesmo tempo: uns, de tabuado que parecem ser predomi nantemente residências de pescadores ou cabaneiro sargaceiros; e outros, de pedra, de arrecadação de sargaço e aparelhagem diversa, em ambos os casos alinhados em arruamentos rectilíneos, com a cobertura de telha a duas águas mostrando sempre o cume paralelo à rua, formando como que um telhado único, com o beiral horizontal corrido sobre as portas. Os barracos de pedra encontram se de preferência mais ao Sul, e os de madeira mais ao Norte; mas ao Sul vemos barracos de madeira no meio dos de pedra, servindo ora de arrecadação de sargaço, ora de residência de sargaceiros ou pescadores, enquanto que no Norte, alternando com os de madeira, se vêem barracos de pedra onde vivem também essas gentes (98).

Des. 93 – Fão, Esposende. Barraca de sargaço. Aspecto geral, planta e armação do telhado.

Des. 93 – Fão, Esposende. Barraca de sargaço. Aspecto geral, planta e armação do telhado.
  • 99 ) Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Casas dos pescadores da Póvoa de Varzim », in (...)

214Vemos assim, que, exceptuando o caso da Aguçadoura, que se pode explicar pelas razões especiais que expusemos, o tabuado é usado funda mentalmente nos barracos que constituem os aglomerados de cabaneiros pobres e pescadores que deles fazem preferentemente a sua residência per manente, e que são geralmente de uma construção precária e descuidada. E lembramos que as velhas casas dos pescadores da Póvoa de Varzim parece terem sido também desse material (99).

288 – Mindelo, Vila do Conde Barracos de sargaceiros

288 – Mindelo, Vila do Conde Barracos de sargaceiros

289 – Agilde, Celorico de Basto Curral palheiro, de dois pisos

289 – Agilde, Celorico de Basto Curral palheiro, de dois pisos

290 – Ourilhe, Celorico de Basto Curral palheiro, de dois pisos

290 – Ourilhe, Celorico de Basto Curral palheiro, de dois pisos

291 – Fachada posterior da fig. anterior. Porta de acesso ao piso superior, ao nível do terreno

291 – Fachada posterior da fig. anterior. Porta de acesso ao piso superior, ao nível do terreno

292 – Juromenha, Alandroal Cabrada

292 – Juromenha, Alandroal Cabrada

293 – Juromenha, Aladroal Curveiros e cercado

293 – Juromenha, Aladroal Curveiros e cercado

294 – Juromenha, Alandroal Casa de habitação, queijeira e corte. Em frente, ao ar livre, a cozinha

294 – Juromenha, Alandroal Casa de habitação, queijeira e corte. Em frente, ao ar livre, a cozinha

295 – Juromenha, Alandroal Cama do pastor

295 – Juromenha, Alandroal Cama do pastor

296 – Juromenha Alandroal Socha móvel onde dorme o pastor

296 – Juromenha Alandroal Socha móvel onde dorme o pastor

297 – Juromena, Alandroal Entrada dum curveiro

297 – Juromena, Alandroal Entrada dum curveiro

298 – Juromenha, Alandroal Curveiros

298 – Juromenha, Alandroal Curveiros

299 – Juromenha, Alandroal Lado exterior dos curveiros

299 – Juromenha, Alandroal Lado exterior dos curveiros

300 – Beirã, Marvão. Curveiros

300 – Beirã, Marvão. Curveiros

301 – Santa Eulália, Elvas. Malhada de porcos

301 – Santa Eulália, Elvas. Malhada de porcos

302 – Santa Eulália, Elvas. Cabanas duma malhada

302 – Santa Eulália, Elvas. Cabanas duma malhada

303 – Santa Eulália, Eivas Cabana em que vivia o porqueiro e a família

303 – Santa Eulália, Eivas Cabana em que vivia o porqueiro e a família

304 – Santa Eulália, Elvas. Malhada de porcos.

304 – Santa Eulália, Elvas. Malhada de porcos.
  • 100 ) Ao sul do Ave, pelo seu lado, encontramos apenas barracos de pedra, mesmo nos casos mais antigos, (...)

215Pelo contrário, a pedra usa se nos barracos de lavradores, que predo minam do Minho à Apúlia (com excepção das povoações do Neiva). A explicação da preferência da madeira nos primeiros locais não pode estar apenas na facilidade maior de se encontrar neles esse material de cons trução, porque o pinhal está tão próximo deles como dos outros onde se usa de preferência a pedra. Trata se pois certamente também de uma razão cultural, e pode se supor que cada um daqueles casos corresponde a con ceitos diferentes, próprios de duas categorias igualmente diferentes de pes soas: a casa de pedra, estável, como a casa do lavrador; a de madeira, – como o barco –, para o pescador e cabaneiro pobre, que se acomodam com uma construção improvisada, incerta e provisória– quase volante –, como a sua vida (100).

Notes

1 ) Como dissemos, a casa de planta quadrada, com cobertura cónica piramidal em materiais vegetais, foi equiparada à sua congénere de planta circular, visto que parece ser apenas um estádio da evolução desta no sentido da sua transformação pro gressiva numa casa de planta rectangular, mais evoluída.

2 ) Montandon, op. cit. p. 296.

3 ) Ver Nota 37, a indicação conjectural dos primeiros abrigos construídos pelo homem nos períodos e estações quentes, choças redondas e angulares (Mauduit), painéis ou anteparos inclinados (Breuil e Lantier), painéis com armação de paus e ramagens (Lips), etc..

4 ) Tal como nas nossas estações castrejas, nas ruínas de Biblos, no Líbano, encontram se vestígios de casas de planta quadrangular, ao lado de outras de planta circular, raras (e outras ainda, de planta absidial, mais recentes), do Eneolítico, de 380 a 3200 a. C. Aí, o solo era em terra batida, por vezes em seixos ou num lajeado gros seiro. As mais importantes têm uma divisão interior; a cobertura seria, como no Neo lítico, de esteiras, ramagens ou peles, pousadas sobre caibros arqueados apoiados nos muros baixos. Cfr. Maurice Dunand, « Byblos, son histoire, ses ruines, ses légendes », Beirute, 1965, pp. 15 17). Por seu turno, certos grupos de pescadores do rio Num, sub afluente da margem direita do Sanaga, nos Camarões, usam cabanas deste formato geral, muito semelhantes aos exemplos que conhecemos entre nós, inteiramente em materiais vegetais, do género de cobertura parede, de duas águas, com empenas do mesmo material, preso com canas. Ver Hugo Bernatzik, « Die Neue Grosse Völkerkunde, 1 Europa Áfrika », Frankfurt/Main, 1954 (Walter Hirschberg, « Die Völker Afrikas »), pp. 279 592, fig. 169.

5 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. cit. p. 63.

6 ) Fritz Krüger, «Der Beitrag Portugals », loc. cit. assinala este tipo de cons truções nos abrigos dos olivais da serra da Gata, nas cabanas de pastores da serra de Gredos, como forma primitiva da barraca da Albufera de Valência; etc. Nas altas mon tanhas, Pirinéus, etc., a estas cabanas, de construção ligeira, correspondem outras, de pastores e carvoeiros, com vigamentos sólidos e coberturas de materiais mais duradouros.

7 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros do Litoral Cen tral Português » (I.A.C.), Lisboa, 1964.

8 ) No plano etnológico, Montandon, op. cit. p. 310, considera este tipo de habi tação próprio do ciclo páleo matriarcal, das Máscaras ou da Agricultura Antiga à enxada – o ciclo das Duas Classes –; e (pp. 81 82) encontra o na Oceania, na Nova Bretanha, Ilhas Banks, Novas Hébridas do Sul, Salomão, Leste da Nova Guiné, Nova Irlanda, Sudeste da Micronésia, na Austrália Oriental (misturada à cultura totémica), Victoria Oriental, Nova Gales do Sul, Queensland, Ásia Meridional, Menangkabu de Sumatra, nos Garo, Khasi e Lalung do Assan, Oraon e Muka Dora da costa oriental da Índia, em algumas populações da Índia e da Indochina ; em África, no Congo e Alta Guiné; na América, entre o Sudoeste da Califórnia e a região ártica, Noroeste do Canadá e Sudeste dos Estados Unidos, e na civilização superior andina (subjacente e a par também com a culura totémica). Sem dúvida, o nosso caso nada tem que ver com isto.

9 ) A par destas cabanas, porém, em alguns casos – na ilha e sapais de Faro, na Culatra, etc., como veremos – aparece a casa de tabuado, no mesmo contexto e com a forma geral idêntica à daquelas. Já a ela nos referimos no nosso citado estudo sobre os « Palheiros do Litoral Central », p. 97.

10 ) O frechal (dormente), ora corre sobre o topo dos espeques, ora encaixa num entalhe aberto no lado exterior.

11 ) É extremamente corrente aproveitarem madeiras dadas à costa, de grossu ras diversas, com emendas de acaso, para prumos e caibros. Os paus de pita (agave) são igualmente muito empregados, especialmente nas peças que ficam abrigadas.

12 ) O número de fiadas varia, naturalmente, com o comprimento do junco ou barrão utilizado. No Fornico, por exemplo, vimos uma vertente de 2,60 m coberta por 6 fiadas, e outra de 2,80 m coberta por 9 fiadas.

13 ) Este processo de amarração nem sempre é seguido; principalmente quando se trata de reparações, a amarração não é « trincada » e faz se mesmo por transversais sucessivas. O arame é também utilizado com certa frequência.

14 ) A. A. Baldaque da Silva, «Estudo actual das pescas em Portugal », Lisboa, 1892, p. 152; e também Pinho Leal, «P.A.M.», s. v. Armação de Pera.

15 ) João Baptista da Silva Lopes, «Corografia, ou Memória Económica, Esla dística e Topográfica do Reino do Algarve », Lisboa, 1841, p. 302.

16 ) Baldaque da Silva, op. cit. p. 153.

17 ) Silva Lopes, op. cit. pp. 306 307. « Há opiniões de que ali seja o assento da antiga cidade da Carteira, pela analogia que se encontra na descrição de suas pescarias de atum, cavala e sardinha».

18 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros», p. 97.

19 ) Baldaque da Silva, op. cit. p. 155; e Fernando Castelo Branco, «O estudo das construções de materiais vegetais do Litoral Português », in «Mensário das Casas do Povo», Ano XXIII, n.° 265, Lisboa, 1968, p. 14. Veja se também a citação de Leite de Vasconcelos, adiante, Nota 249. Nas cabanas de tabuado, este geralmente é disposto ver ticalmente com matajuntas.

20 ) No Costado, uma das cabanas maiores media, no exterior, 4,20 m de com primento, 3,50 m de largura, 3 m de altura, do solo, ao cume, e 1 m de altura nas paredes laterais; a porta media 1,50 m de altura e 55 cm de largura. No Fornico, uma das cabanas também maiores, media, pelo exterior, 3,90 m de comprimento, 2,90 m de largura, 2,80 m de altura do solo ao cume, 95 cm de altura nas paredes laterais; a porta media 1,60 m de altura e 50 cm de largura.

21 ) Silva Lopes, op. cit. p. 322; e «Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasi leira», vol. 10, s. v. Farrobilhas.

22 ) Baldaque da Silva, op. cit. p. 155.

23 ) Nesta breve resenha da história de Olhão, que não representa de modo algum investigação própria, utilizamos as seguintes obras: P.e António Carvalho da Costa, «Corografia Portuguesa e Descrição Topográfica do Famoso Reyno de Portugal » Braga, 1712; João Baptista da Silva Lopes, «Corografia», pp. 340 344; Baldaque da Silva, «Estado actual das pescas», pp. 157 158; Francisco Xavier d’Ataíde Oliveira, «Monografia do concelho de Olhão da Restauração, Porto, 1906; Dr. José Fernandes Lopes, in «Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira » ; Dr. Alberto Iria, «O Compromisso Marítimo da Vila de Olhão da Restauração», in «Mensário das Casas do Povo», Ano X, n.08 112, 115, 116, 119, 120 e 121, Lisboa, 1955 e 1956; Antero Nobre, «Estudos Algarvios – Do «Logo de Olham » à «Vila de Olhão» da Restauração», Lisboa (Casa do Algarve), 1959; Orlando Ribeiro, «Geografia e Civilização » (col. Chorographia), Lisboa, 1961, pp. 104 -109; Fernando Castelo Branco, «O estudo das construções de materiais vegetais», in « Men sário das Casas do Povo», XXIII, n.° 266, Lisboa, 1968, pp. 8 9.

24 ) Alberto Iria, op. loc. cit. Ano X, n.° 115, p. 6. E a seguir : «Nos finais do século XVI a vila de Faro, a cujo termo pertencia Olhão, constituía um dos mais importantes centros comerciais do País. Pelo seu porto de mar, servido pela barra comum a Olhão, fazia se activa navegação comercial entre o Algarve, o norte de África e a longínqua Flandres. À população moura ou berbére ter se ia junto, também no lugar de Olhão, o elemento étnico cristão, quer após a conquista do Algarve por D. Afonso III, quer antes deste acontecimento por moçárabes da vizinha Santa Maria do Ocidente, ou Santa Maria de Faro. E já então a pesca, aliada à navegação comercial das naves e baixéis... que entravam e saíam pela barra de Faro comum ao porto de Olhão, daria a este lugar... foros de ... centro de... pescadores e mareantes ali mesmo nascidos e criados desde remotos tempos ».

25 ) A «Corografia do Algarve » . de Fr. João de S. José, de 1577 (cit. por Joaquim Manuel Lino da Silva, « Armações da Pesca », II, Lisboa, 1966, p. 6, inédito), já a eles se refere : «A pescaria deste peixe (o atum) não só é proveitosa... mas também de muito gosto e desenfado, porque nos meses que acima disse acode a ela grande soma de pescadores de todo o Algarve com suas mulheres, filhos, e outra chusma, e fazem suas cabanas por toda a costa, aonde estão as armações, e contìnuamente acode a elas toda a gente comarcã até trazer todo o mantimento, e refresco necessário, e levar peixe assim deste como de outro que ali morre. De maneira que cada armação não traz menos de setenta, oitenta homens de serviço com suas barças e caravelões para recolher e levar o peixe...». Esta obra porém é conhecida somente pela cópia que dela fez Fr. Vi cente Salgado em 1799.

26 ) Fernandes Lopes, « Olhão », in op. cit.

27 ) Silva Lopes, op. cit. p. 341.

28 ) «O que mostra, por um lado, a transferência de usos e preferências da população muçulmana à população cristã, e, por outro, o invulgar apego a certas tra dições» (Orlando Ribeiro, op. cit. p. 109).

29 ) Memória Paroquial do prior Sebastião de Sousa, de 1758, ap. Alberto Iria, op. loc. cit. Ano X n.° 120, p. 8; e Orlando Ribeiro, op. cit. p. 106.

30 ) Silva Lopes, op. cit. p. 341.

31 ) Idem, p. 342.

32 ) «Em chegando o mês de Maio largam os caiques de Olhão para o mar de Larache e aí chegados começam a pesca do sarrajão que se prolonga até 15 de Junho pouco mais ou menos. O movimento anual da pesca exercida pelos pescadores de Olhão no mar de Larache pode avaliar se pelo mapa seguinte: 30 barcos, 360 tripu lantes, 7 200$000 de valor de pescado.
O peixe depois de ser pescado é amanhado e salgado, vindo muitos barcos directamente para o porto de Lisboa fazer a venda dele.
As embarcações empregadas nesta exploração percorrem uma distância de 140 milhas para alcançarem aquela paragem. Os barcos escolhidos são os caíques – de coberta corrida, muito veleiros... a população varia entre 10 e 16 homens, sendo geralmente de 12.
As despesas com os mantimentos, utensílios de pesca e sal são feitas em comum, tomando cada homem uma determinada quantia a partes e o produto líquido da pesca é dividido igualmente por todos, pertencendo uma parte ao barco» (Baldaque da Silva, op. cit. pp. 182 185). Orlando Ribeiro, op. cit. p. 108, rematando, comenta: «construídas nos estaleiros navais as pequenas embarcações de pesca, navegando por processos rudi mentares até ao predomínio da propulsão mecânica e à organização industrial das con servas de peixe, conheceu a gente de Olhão uma fase de intensa actividade marítima e relações constantes com o litoral de Marrocos ».

33 ) Raquel Soeiro de Brito, «Palheiros de Mira» (col. Corographia), Lisboa, 1960, pp. 23 24. «O arraial da Culatra, no verão, é animado com a chegada de pescadores de lugares próximos, cabendo a Olhão a maior quantidade deles ». Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », III, pp. 643 644, referindo se à «Ilha de Santa Maria » ou « da Culatra», menciona « cabanas de junco ou de paredes de madeira coberta deste vegetal ou todas de madeira», e outras ainda « de pedra com telhados de junco», dos pes cadores; e « moradias de pedra com tectos de telha», dos veraneantes. Supomos porém que este Autor engloba numa só descrição os dois aglomerados que aqui consideramos separadamente – a Ilha de Faro, onde existe de facto a barraca de junco (e também de tabuado), as moradias de veraneantes, etc; e a Culatra, onde supomos que só existi ria a casa de tabuado. Ver atrás, Nota 235.

34 ) Até 1785 a Fuzeta pertencia à freguesia de Moncarapacho, tendo sido elevada então a freguesia independente, a requerimento dos pescadores datado de 1784 (Francisco Xavier d’Ataíde Oliveira, « Monografia do concelho de Olhão da Restauração», Porto, 1906, p. 167, citando o pároco de Moncarapacho).

35 ) Os pescadores da Fuzeta e de Olhão, dos meses de Abril ou Maio a Setem bro, demandam nos seus caiques o mar de Larache, no norte de África, fronteiro à costa marroquina, tirando partido da grande afluência de cavala, pescada, dentão, lírio, sarrozão, e outras espécies que ali procuram comedouros durante este tempo. Começam com a pesca do sarrozão, que se prolonga até 15 de Junho pouco mais ou menos. O movimento anual de pesca ali exercida pelos pescadores de Olhão por volta de 1890 era de cerca de 30 barcos com 360 tripulantes (Silva Lopes, op. cit pp. 370 371; e também Ataíde de Oliveira, «Monografia de Olhão», p. 168, e Pinho Leal, « P.A.M. », Vol. 3 pp. 243 244, Lisboa, 1874 s. v. Fuzeta, que aliás segue declaradamente Silva Lopes).

36 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II Lisboa, 1936, p. 548, nota 1.

37 ) Silva Lopes, op. cit. pp. 370 371. Os marítimos da Fuzeta contribuiam para «a sustentação do pároco e fábrica da igreja, havendo em cada barco de pesca em Larache e lanchas, duas partes mortas, uma para o «Compromisso» marítimo, e outra para a fábrica; dos que pescavam em Setúbal, cada homem, ao voltar, pagava 800 reis para o primeiro e 400 para o segundo. Alguns pescadores da Fuzeta iam também, nos barcos da companhia, à pescaria do bacalhau na Terra Nova».

38 ) Baldaque da Silva, op. cit., pp. 158 159.

39 ) Silva Lopes, op. cit., p. 378. Estes pescadores pescavam em lanchas junto às pedras ou com o abano ao largo, e vendiam o peixe na cidade ou nas aldeias vizinhas.

40 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II loc. cit.; e também « Dialectos Algarvios », in «Revista Lusitana », IV, Lisboa, 1896, pp. 324 325.

41 ) Estácio da Veiga menciona a existência de Kjökkenmöddinger pré históricos à beira mar, na costa do Monte Gordo; e Ataide de Oliveira supõe que os conquilhei ros que ali observou, junto das três últimas cabanas no extremo poente da povoação, serão esses Kjökkenmöddinger a que se refere Estácio da Veiga (Francisco Xavier d’Ataíde Oliveira, «Monografia do concelho de Vila Real de Santo António, » , Porto, 1908, pp. 186 e 275 276.

42 ) Silva Lopes, op. cit p. 82; e também Ataide de Oliveira, op. cit. pp. 73 e 101.

43 ) Silva Lopes, op. loc. cit..

44 ) Segundo Silva Lopes, op. cit. p. 383, o Marquês de Pombal teria assim forçado os pescadores de Monte Gordo a irem para a nova Vila, «sendo a isso cons trangidos os que desejavam ficar permanecendo, até com a desumanidade de se mandar lançar fogo a essas palhotas e casas dos que prontamente não obedeciam ». A edificação de Vila Real de Santo António, segundo o mesmo Autor, não correspondeu aos « grandes intuitos do Marquês de Pombal, e, pelo contrário, teria arruinado a «famosa pescaria que se fazia na Costa de Monte Gordo » ; e, com a debandada de « grande parte das gen tes piscatórias deste lugar» para a Higuerita, esta «foi engrossando em cabedais e população ao passo que, aniquilada de todo a povoação de Monte Gordo, já chamado Monte de Ouro, perdemos este empório de riquezas». Ataíde de Oliveira, «Monografia de Vila Real de Santo António », pp. 104 106, impugna esta opinião, que atribui à paixão antipombalina de Silva Lopes : as palhotas queimadas foram as dos espanhóis, e não se pode dizer que o foram em cumprimento de ordens do Marquês; e é incontestável que a criação de Vila Real de Santo António teve aspectos muito positivos: «Silva Lopes, no seu rancor anti Pombalino, preferia que os espanhóis não pagassem os direitos da pesca a que se fundasse a bonita vila». Na verdade porém, o próprio Ataíde de Oliveira reconhece que «é provável que as ordens do Marquês de Pombal, dando lugar a que os pescadores ricos de Monte Gordo (que eram estrangeiros) se safassem para a Higuerita, produzissem nesse momento um certo desiquilíbrio financeiro no Monte Gordo» (p. 106).

45 ) Baldaque da Silva, op. cit., p. 161.

46 ) Ataíde de Oliveira, «Monografia de Vila Real de Santo António », p. 186. J. Leite de Vasconcelos, «Boletim de Etnografia », n.° 5, Lisboa, 1938, p. 68, indica 218 fogos pelo censo de 1911.

47 ) A. Mesquita de Figueiredo, «Etnografia Portuguesa – Habitações da Beiramar », in «Terra Portuguesa », 3 vol., Lisboa, 1917, pp. 2 6.

48 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II, loc., cit., e «Boletim de Etnografia», n.° 5, Lisboa, 1938, p. 68.

49 ) Um dos mais velhos pescadores de Santo André, o Tio Caniço, de quem obtivemos estas informações, lembra se bem dos avós contarem pormenores do apareci mento do povoado no areal deserto, no tempo dos pais deles. Acerca de Santo André, veja se também Raquel Soeiro de Brito «Palheiros de Mira», pp. 25 26.

50 ) A disposição da fiada inferior em valadio, junto ao solo, pode explicar se pelo facto de, por essa razão, o mato não correr o risco de escorregar.

51 ) O Tio Caniço explica o abandono deste remate pelo facto do mato que se dispunha em valado se enchumbar de água.

52 ) Aquele mesmo informante, patriarca de Santo André, diz nos ainda que só no princípio deste século se começou ali a usar o tabuado; até então todas as cabanas eram exclusivamente de mato.

53 ) À excepção de Rocha Peixoto, que no seu estudo sobre os «Palheiros do Litoral», datado de 1898 (in «Portugália» I, Porto, 1899, pp. 79 96) fala na « imutável traça» do palheiro de tabuado, mas cuja excessiva generalização já denunciamos.

54 ) Agro Ferreira, «A Praia da Costa (Caparica) – Terra de Pescadores », Lisboa, 1930, pp. 20, 22, 30 31.

55 ) Em 1870 contavam se na Costa da Caparica 307 chefes de família, na sua maioria descendentes de gentes do Norte (António Correia, «A acção dos pescadores de ílhavo em Costa da Caparica», in «Arquivo do Distrito de Aveiro », n.° 130, Aveiro, 1967, pp. 113 118).

56 ) Porque o seu dono, em comemoração do acontecimento, mandou incrustar na sua frontaria as armas reais daquele monarca, sobre a esfera armilar (Cfr. Pinho Leal, vol. 2, pp. 97 98, Lisboa, 1874, « PAM », s. v. Caparica). Ver também «A Praia da Costa» (Agro Ferreira), p. 30.

57 ) Raquel Soeiro de Brito, «Palheiros de Mira», p. 23.

58 ) Fernando Castelo Branco, op. cit. Ano XII, n.° 264, 1968, p. 9.

59 ) Raquel Soeiro de Brito, op. loc. cit.

60 ) Agro Ferreira, «As praias da Costa – indevidamente chamada da Caparica ». I Congresso National de Turismo, II Secção, Lisboa, 1936 – A «Praia do Sol».

61 ) Raul Brandão, «Os Pescadores », 1923, p. 248: «Quatro tábuas e um tecto de colmo negro».

62 ) J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II, p. 564.

63 ) Id. III, p. 487 488, e fig. 126 (p. 489).

64 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros», p. 95.

65 ) Note se porém que, aqui, eles não usaram a construção palafítica caracterís tica da sua terra de origem e dos outros povoados por eles criados, e que se justificaria pelas mesmas razões (Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, op. cit. p. 96).

66 ) Orlando Ribeiro, ap. Raquel Soeiro de Brito, op. cit. p. 23.

67 ) Em 1963. Ver texto correspondente à Nota 279, a descrição de Leite de Vasconcelos das coberturas de estorno das barracas de tabuado da Caparica.

68 ) Luís António de Oliveira Mendes, «Discurso académico ao Panorama », pre miado na sessão pública de 12 de Maio de 1793, in «Memórias Económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa », Tomo IV, Lisboa, 1812. (Agradecemos esta indicação ao investigador António Carreira).

69 ) Por vezes, para ampararem lateralmente o caniço junto à porta, e devido a essa grande espessura, cravam nos alisares cavilhas que deixam salientes, à altura das costaneiras.

70 ) Os prumos do meio das empenas são aqui também designados por esteios; os outros são chamados sobremãos; ao frechal chamam somadre; e às ripas das pare des trizias.

71 ) (O informador a quem devemos esta descrição é de opinião que não se devem usar canas sobre as diferentes fiadas, porque elas quebram o colmo e a água deposita se nas cochas assim formadas e deteriora mais fàcilmente a palha. Outros informadores, pelo contrário, sustentam que o uso de canas, especialmente nas camadas do cume, não pode dispensar sc, porque sem essa prisão, ele levantar se ia com o primeiro vendaval ; fazendo se o arrepio, bastaria pôr as canas na primeira camada dos três veios, porque ó arrepio prende as outras a essa. Estes informadores, aliás, dizem nos que este sistema, que reputam mais perfeito, foi para ali levado pelos trabalhadores alentejanos, porque o que conheciam os da Borda de Água era mais grosseiro. Notamos porém que os veios oferecem grande aderência, que pode talvez dispensar a prisão das canas.

72 ) Os proprietários autorizam apenas a construção destas barracas em mate riais vegetais, únicas que não dão aos seus moradores qualquer direito de posse sobre o terreno em que estão implantadas, tal como vimos na região do Sado.

73 ) Fernando Castelo Branco, op. cit. Ano XXIII, n.° 266, 1968, p. 9.

74 ) Fritz Krüger, «Der Beitrag Portugals », Joc. cit.

75 ) José Manuel Casas Torres, «La vivienda y los núcleos de población rurales de la Huerta de Valencia », Madrid, 1944, Cap. I, «La Barraca », pp. 79 139; e Leopoldo Torres Balbás, «La vivienda popular en España », in « Folklore y Costumbres de España », Tomo III, Barcelona, 1933, pp. 221 234.

76 ) Além destas, há ainda que mencionar as barracas dos pescadores das praias arenosas do litoral valenciano que, de acordo com Casas Torres, em EI Puig e Puzol, têm dimensões e aproveitamento interior semelhantes às nossas algarvias, mas com pare des de adobes; enquanto que, segundo Torres Balbás, são mesmo ùnicamente em mate riais vegetais, palha, canas, madeira (na armação) e broza (mato), porque o lodo negro ou a terra barrenta ficam longe. Casas Torres, citando Mora, Gonsalvez e Martorell, indica barracas deste tipo também em Sevilha.

77 ) Estes autores espanhóis põem a barraca valenciana a par de edifícios seme lhantes a ela que ocorrem também em lugares pantanosos – na Suécia, Escócia, Irlanda do Norte, França (Casas Torres, p. 110), planícies do Norte da Alemanha, da zona entre Jafa e o Monte Carmel, nas estepes da Rússia meridional, nas margens do Don, nas lagunas lodosas do Pó (Torres Balbás) – acentuando a sua relação de dependência genética com o meio, aparentemente num fenómeno de convergência. Casas Torres fala ainda, a este respeito, (e aliás um pouco confusamente) na isba russa e nas barracas do Sião e da ilha do Guam, na Oceania; e Torres Balbás, citando Antonio Mitchavila, «La Barraca Valenciana», Madrid, 1918, fala, por seu turno, na região portuguesa «da Beira Mar, onde o Vouga alarga e termina numa zona litoral encharcada, formando a ria de Aveiro, em cujo território se cultiva arroz e habita, como na Albufera de Valência, um povo de pescadores». Supomos que o Autor se quer referir aos palheiros do litoral central, que porém têm uma forma, correspondem a uma paisagem geográfica e cultural, e se explicam, por razões inteiramente diferentes.

78 ) Um ponto resta por investigar: se este tipo de construção existe também no litoral norte africano, e qual aí a sua presumível cronologia. Poder se á pensar a respeito da difusão inicial destas barracas entre nós nos pescadores mouros das almadravas? De resto há que notar as relações e os contactos que os pescadores algarvios mantiveram sempre com o norte de África, que poderiam também explicar uma origem porventura mais tardia das cabanas algarvias, com base nesses contactos.

79 ) O Tio Caniço contudo lembra se de, em criança, brincar, com os demais garotos da sua idade, debaixo de uma barraca elevada sobre estacas – do tipo do palheiro de Ílhavo, pois, ao que parece, que seria mais um traço cultural a apontar a ascendência da gente da Ria de Aveiro.

80 ) Note se que o nome do principal aglomerado de barracos desta zona – os Algarvios – que parece tão expressivamente indigitar os seus povoadores, designa na realidade a terra de origem dos proprietários do domínio onde esse aglomerado se situa – a Herdade dos Algarvios.

81 ) É certo que ainda em 1886, os ilhavenses, a bordo dos seus pequenos «varinos», iam também pescar na costa próximo dos bancos da barra de Setúbal, e em todo o rio Sado, que subiam até ao Vale do Guizo e Porto de Rei, fazendo uma exploração muito activa, principalmente na época do sável (Baldaque da Silva, op. cit., p. 140, que indica, nesse ano, 107 varinos com 214 tripulantes). Mas essa gente dormia a bordo das embarcações (ibid.), e certamente por isso não exerceu qualquer influência na arquitectura dessa zona ribeirinha. De facto, também aqui nenhuns vestígios se notam dos palheiros da sua terra de origem, que contudo se encontram nas habitações pala fíticas dos avieiros do Tejo (Ver Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Palheiros», pp. 98 101).

82 ) Ver texto correspondente a Nota 121.

83 ) Mário Cardozo, « Citania e Sabroso », p. 25 (Nota 3 de p. 24).

84 ) Ver Nota 98.

85 ) Jorge Dias, «Contribution», p. 109. Note se porém que as coberturas a qua tro águas alongadas requerem uma estrutura especial: à falta de empenas, a trave do cume, em cada extremidade, assenta numa armação de madeira de forma triangular – as asnas ou tesouras.

86 ) Jorge Dias nota também com efeito que este tipo primário (com telhado de duas águas) «com mais condições de adaptação às necessidades da vida agrícola, conservou se até nossos dias com pequenas alterações; apenas a substituição da cobertura de colmo pela de telha se incrementou nos últimos decénios».

87 ) Leroi Gourhan, op. cit., p. 317. O Autor fixa a esta casa duas zonas de frequência mais marcada: da Europa Ocidental à Índia, e da China do Sul ao Japão. Montandon, op. cit., pp. 310 e 299 nota de modo semelhante que «todas as culturas superiores têm habitações quadrangulares», que, na teoria ciclo cultural, correspondem especìficamente ao ciclo ocidentaloide. Este, de facto, possui, como forma simples caracrística, o « blockhaus de empena», a casa moderna dessa cultura, que representa talvez o desenvolvimento das diversas variedades de vivenda primitiva quadrangular sobre o solo (choça de empenas; em forma de selim; com cobertura de quatro águas; « blockhaus » de empenas), que nada de nítido separa, e que poderão talvez ser consideradas em conexão genética entre si. Segundo Leroi Gourhan, op. cit. p. 317, « a casa de pedra corresponde a condições diferentes. Ela manifesta se nos grupos que possuem ao mesmo tempo o metal, e uma organização política muito centralizada (Oriente Antigo, Europa, Ásia Meridional, América Pré colombiana clássica). Ela é então privilégio das classes dirigentes, que edificam pirâmides, os templos de Ankor, ou as catedrais, no meio de habitações humanas de materiais mais humildes. À medida que a prosperidade aumenta, a construção em pedra ganha as classes urbanas mais ricas, e conduz finalmente ao estado em que, antes do cimento, se encontrava a Europa ».

88 ) Como diz Orlando Ribeiro, em expressiva linguagem, com a civilização cas treja «aparece pela primeira vez, na fachada atlântica da Península, o emprego da pedra em larga escala, que será um dos elementos mais importantes e permanentes da fisio nomia cultural da região ». «Seria assim do maior alcance procurar a sobrevivência desta primeira «civilização do granito» nas construções actuais, uma vez que muitos luga rejos da montanha do Norte do País mantêm as suas remotas origens castrejas, tanto na escolha do sítio como em pormenores da construção (aparelho de pedra solta, casas com elementos redondos, cobertura de colmo e lousa), em traços arcaicos da sua eco nomia (agricultura itinerante, pastoreio intensivo, importância da castanha na alimen tação humana), na organização social comunitária. O carácter entranhadamente conser vador do ambiente serrano seria assim reforçado pelo exemplo mais antigo que parece possível encontrar se». (Orlando Ribeiro, «Geografia e Civilização », pp. 33 34); e noutro lugar (« Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico », Coimbra, 1945, pp. 163 173): «Um domí nio arcaizante: a montanha», onde se procuram filiar os seus traços na conservação da « economia antiga do Noroeste ». Irisalva Moita, «Notícia de um catálogo», pp. 453 454, nota do mesmo modo que, sob muitos aspectos, a cultura castreja está de tal modo viva ainda, mormente nas aldeias das regiões menos acessíveis do Norte do País, que diríamos que o tempo parou aí à chegada dos romanos; e referindo se em especial à de Castelo, alcandorada no alto da serra do Pontido, comenta: «Lá estavam as mesmas calçadas íngremes e tortuosas, os mesmos casebres de pedra solta dispostos irregular mente». Krüger, «Las Brañas», pp. 16 19, considera mesmo as casas de planta quadran gular das regiões um pouco menos arcaizantes vizinhas da zona núcleo das pallazas asturianas – vale do Trabadelo, Riaño (na parte Nordeste da Província de Leão), etc. – resultado da transformação da casa redonda primitiva : essas casas, «tanto no que res peita ao material de que são feitas – pedra e colmo – como ao seu aproveitamento inte rior – casas de uma só divisão, que albergam no piso térreo homens e animais conjun tamente, e, no desvão, as provisões –, deixam reconhecer claramente a mais estreita relação com a primitiva pallaza. Na parte Sudoeste das Astúrias, nos vales, a coexistência de construções circulares mais antigas com formas rectangulares mais recentes, deixa ver claramente a relação destas com aquelas, e esse processo de transformação; aliás, a cons trução circular em Tormaleo, no vale do Ibias, no século XVI, é atestada numa carta de Eugênio de Salazar. Parece nos porém também de admitir a coexistência originária dos dois tipos, tal como no caso castrejo. Ver atrás, texto correspondente a Nota 301, a opi nião de Jorge Dias acerca da origem das coberturas a quatro águas nas coberturas cónicas.

89 ) De facto, o emprego da madeira não significa aqui qualquer economia, porque nestas regiões a pedra não falta, e as paredes desse material, que se erguem até ao nível do piso superior, são em geral da mais extrema rudeza.

90 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Alguns elementos das casas de Matosinhos, Maia e Vila do Conde », in «Boletim da Biblioteca Pública Municipal de Matosinhos», n.° 5, Matosinhos, 1958, pp. 13 15 e des. 6.

91 ) Ver atrás texto correspondente a Nota 300.

92 ) António Manuel Ramalho, da freguesia do Rosário, Alandroal. Ver atrás, obra citada na Nota 134.

93 ) Quando da nossa primeira visita a esta malhada, em 1952, havia ali cerca de 70 porcos e uma burra.

94 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «A apanha do sargaço no Norte de Portugal », in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XVI, fasc. 1 4, Porto, 1938, pp. 123 136.

95 ) Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «A Apanha do sargaço», op. loc. cit. pp. 127: « Quando abrigavam todo o material, ficavam estas barracas, com pletamente atravancadas: a um lado o barco ; nas traves da armação, remos, mastros, bicheiros, e todos os demais aprestos compridos ; a um canto, a lareira com a trempe e o latão ou caldeira de cozer a casca, e a masseira para o encasque das redes; e, espa lhado por onde havia lugar, cordas, paus, carrelas, etc.»

96 ) Um deles, junto à praia, era mesmo a taberna do lugar.

97 ) Vimos já que em Fão eles são por vezes de planta arredondada. (Ver texto correspondente a Nota 164).

98 ) Em Sedovém, conserva se a memória da existência de barracos semelhantes aos actuais da Aguçadoura que descrevemos, mas todos recobertos de palha borega, mesmo as paredes.

99 ) Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Casas dos pescadores da Póvoa de Varzim », in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XV, Fasc. 3 4, Porto, 1955 57, pp. 225 227, e fig. 1.

100 ) Ao sul do Ave, pelo seu lado, encontramos apenas barracos de pedra, mesmo nos casos mais antigos, e referidos a gentes piscatórias ou cabaneiros; trata se porém duma sub região desta área, onde abunda a pedra, e que mostra características diferentes também noutros aspectos.

Table des illustrations

Titre Des. 50 – Costa algarvia. Pormenores da construção de uma cabana. a) Estrutura do esqueleto; b) processo de amarração das canas aos prumos e aos caibros; c) disposição das manadas de junco ou estorno, e maneira de as prender às canas; d) remate do cume.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 51 – Quarteira. a) Solução para o prolongamento dum prumo que sustenta a trave de cume; b) remate do cume reforçado com a capa : c) corte da divisória de uma cabana; d) corte de uma cancela ou paravento de porta.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 52 – Ilha da Armona, Fuzeta. Cabana e planta do conjunto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 53 – Ilha da Armona, Fuzeta. Cabana com acrescento ocupando apenas metade da sua largura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 212 – Fornico, Faro Conjunto de cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 213 – Quarteira, Loulé Grupo de cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 214 – Quarteira, Loulé Velha cabana que contrasta com os novos edifícios
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 215 – Quarteira, Loulé Cabanos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 216–Quarteira, Loulé Remate da empena e cume
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 217 – Quarteira, Loulé Sala cozinha forrada a tabuado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 218 – Quarteira, Loulé Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 219 – Quarteira, Loulé Guarda vento de canas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 220 – Quarteira, Loulé Sala e quarto. Paredes recobertas com cartazes, páginas de revistas, fotografias, etc.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 221 – Quarteira, Loulé Cozinha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 222 – Fornico, Faro Conjunto de cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 223 – Fornico, Faro Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 224 – Fornico, Faro Interior duma cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 225 – Costado, Faro Conjunto de cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 226 Costado, Faro Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 227 – Costado, Faro Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 228 – Ramalhete, Faro Cabanas, junto à Ria
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 229 - Ilha de Faro Cabanas de tabuado e de junco
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 230 – Ilha de Faro C abana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 231 – Ilha de Faro Cabano
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 232 – Ilha de Faro Pormenor da cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 233 – Ilha de Faro Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 234 - Ilha da Armona, Fuzeta Cabanas de tabuado e de junco
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 235 – Ilha da Armona, Fuzeta Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 236 – Ilha da Armona, Fuzeta Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 237 – Ilha da Armona, Fuzeta Postigo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 238 – Terra Estreita, Santa Luzia, Tavira Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 239 / 240 – Interior da cabana da fig. Anterior241 – Terra Estreita, Santa Luzia, Tavira Pormenor do remate da cobertura, junto à empena
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 332k
Titre 242 – Torre de Ares, Tavira Conjunto de cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 243 – Torre de Ares, Tavira Interior de ụma cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Des. 54 – Torre de Ares, Tavira. Remate do cume, diferente do usual nestas cabanas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 55 – Santo André, Santiago de Cacém. Planta de uma cabana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 56 – Santo André, Santiago de Cacém. Vários sistemas de construção de paredes, vistos em corte.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 57 – Santo André, Santiago de Cacem. Interior de uma cabana, vendo se o local da antiga lareira com as paredes revestidas de barro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 58 – Santo André, Santiago de Cacém. Outro aspecto do interior da cabana do des. 57.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Des. 59 – Santo André, Santiago de Cacém. Pormenores da construção de uma cabana. a) processo de prender os feixinhos de mato às ripas, designado por coser a ponto; b) disposição do caniço na cobertura; c-d) sobre as fiadas de caniço cosidas a ponto, dispõem se outras em valadio, seguras por canas amarradas para a armação interior.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 60 – Casas Novas, Alcácer do Sal. Planta e pormenores de construção de uma cabana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 61 – Casas Novas, Alcácer do Sal. Disposição do caniço nas paredes e cobertura de uma cabana, e aspecto da cobertura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 62 – Algarvios e Casas Novas, Alcácer do Sal. Plantas de cabanas. a) Algarvios ampliação de uma cabana com mais duas divisões: b ) Casas Novas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 63 – Algarvios, Alcácer do Sal. Lareira coberta por um tecto inclinado de tábuas, que protege o caniço da cobertura das faúlhas, e com paredes revestidas de barro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Des. 64 – Azervadinha, Coruche. Pormenores da construção de uma barroca. a) Planta ; b ) esqueleto da empena frontal; c) remate do cume, segundo a maneira antiga, já pouco usada; d) aspecto exterior do cume, encimado pelo arrepio; e) corte da parede e da cobertura, mostrando as canas e a disposição das fiadas do colmo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 65 – Diferentes fases da preparação dos veios de palha, usados no revestimento das coberturas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Des. 66 – Palma, Setúbal. Planta e aspecto exterior de uma barraca.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 67 – Grândola. Agulha de cana, usada para fixar o revestimento da cobertura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Des. 68 – Sonega, Cercal. Pormenores de uma cobertura de colmo, a /b) esteira de fei xinhos de colmo; c) remate do cume.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Des. 69 – Montargil, Ponte de Sor. Planta e interior de uma empena. O revestimento é de carqueja.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 70 Mora. Grande construção com uma das faces compridas completamente aberta, e topos arredondados.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 71 – Zambujeira, Odemira. Construção de materiais vegetais com moirões de xisto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 72 – Prime, Viseu. Choupana. Fugindo à regra, à porta do piso superior abre se na vertente da cobertura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 73 — Pindo, Castendo, Cabana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Des. 74 – Prime, Viseu. Choupana actualmente de planta rectangular, que substituiu a antiga, circular, aí existente. No térreo, a corte ocupa ainda o espaço redondo, escavado no saibro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-55.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 75 – Prime, Viseu. Paredes e armação da cobertura de uma choupana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-56.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 76 – Prime, Viseu. Pormenores do revestimento da cobertura de uma choupana, a) Esquema do revestimento; b) trança de colmo; c, d, e, f) várias maneiras de rematar o cume.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-57.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 77 – Pindo, Castendo, C abana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-58.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Des. 78 – Pindo, Castendo, Cabanão. Aspecto e pormenores da construção e do revestimento.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-59.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 244 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Aglomerado de cabanos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-60.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 245 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-61.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 246 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Estrutura de uma cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-62.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 247 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Empena e remate da cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-63.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 248 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Janelo com alisares caiados
Légende 249 - Costa de Santo André, Santiago de Cacém Grupo de cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-64.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-65.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 250 – Costa de Santo André, Santiago de Cacém Cabana com cercado em frente
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-66.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 251 / 252 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Interior. Sala cozinha da casa do Tio Caniço
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-67.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 253 – Costa de Santo André Santiago de Cacém Cabana revestida interiormente de barro e forrada de papel na cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-68.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 254 – Fonte da Telha, Almada C abana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-69.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 255 – Algarvios, Alcácer do Sal Grande aglomerado de cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-70.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 256 – Algarvios Alcácer do Sal Cabana de lume Cozinha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-71.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 257 – Algarvios Alcácer do Sal Sala duma cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-72.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 258 – Algarvios Alcácer do Sal Cabana de lume Cozinha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-73.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 259 - Algarvios, Alcácer do Sal Sala duma cabana com as paredes forradas de tabuada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-74.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 260 – Algarvios, Alcácer do Sal Quarto duma cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-75.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 261 – Algarvios, Alcácer do Sal Pormenor da cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-76.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 262 – Algarvios Alcácer do Sal Lareira duma cabana de lume Paredes revestidas de barro e tecto de tabuado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-77.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 263 – Casas Novas Alcácer do Sal Grupo de cubanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-78.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 264 – Casa Novas, Alcácer do Sal Cabana com uma pequena ramada em frente
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-79.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 265 – Casas Novas, Alcácer do Sal Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-80.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 266 – Casas Novas Alcácer do Sal Interior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-81.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 267 – Casas Novas Alcácer do Sal Interior. Cabana de lume, com as paredes revestidas de barro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-82.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre 268 – Montalvo Alcácer do Sal Grupo de cabanos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-83.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 269 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-84.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 270 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabana e horta dentro duma cerca de canas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-85.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 271 – Montalvo, Alcácer do Sal Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-86.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 272 – Montalvo, Alcácer do Sal. Cozinha ao ar livre – o fogão –.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-87.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre 273 – Casa Branca, Grândola Cabana com empena e chaminé de tabuado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-88.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 274 – Melides, Grândola. Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-89.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 275 – Azervadinha, Coruche. Barraca
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-90.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 276 – Coruche. Barraca
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-91.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 277 – Canha, Montijo. Cabana habitada por cesteiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-92.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 278 – Couço. Barraca
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-93.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre 279 – Mora. Barraca
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-94.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 280 – Coruche. Barraca
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-95.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 281 – Prime, Viseu. Choupana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-96.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 282 – Prime, Viseu. Choupanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-97.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 283 – Pindo, Penalva do Castelo Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-98.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 284 – Pindo, Penalva do Castelo Cabanos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-99.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 285 – Pindo, Penalva do Castelo Cabanão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-100.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 286 – Povolide, Viseu Cabanão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-101.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 287 – Pindo, Penalva do Castelo. Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-102.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Des. 79 – Pindo, Castendo. Esquema do revestimento e das várias modalidades do pavimento do piso superior.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-103.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 80 – Juromenha. Planta de uma malhada de cabras.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-104.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 81 – Juromenha. Malhada de cabras. Aspecto geral.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-105.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Des. 82 – Juromenha. Malhada de cabras. Pormenores da construção da cabana habitação. Esquema do revestimento das paredes e das empenas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-106.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 83 – Juromenha. Malhada de cabras, a) pormenores da sebe do cercado; b) entrada de um curveido; c) corte horizontal da entrada de um curveiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-107.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Des. 84 – Juromenha. Malhada de cabras. Porta de um curveiro, com soleira e padieira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-108.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Des. 85 – Juromenha. Malhada de cabras. Pormenores da construção de um curveiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-109.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Des. 86 – Juromenha. Malhada de cabras, a) chaminé onde cozinham ao ar livre; b ) pial; c ) Cocho onde lavam a louça.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-110.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 87 — Beirã. Marvão. Malhada de cabras. Aspecto geral e planta.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-111.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 88 – Santa Eulália, Eivas. Corte das pequenas pocilgas de uma malhada de porcos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-112.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 89 – Santa Eulália, Elvas. Aspecto geral de uma malhada de porcos abandonada.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-113.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Des. 90 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto e planta de uma malhada de porcos. O núcleo inicial da malhada ia de A a B, tendo sido posteriormente aumentada.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-114.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 91 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto das entradas para as pocilgas. Corte de uma delas pelo plano perpendicular à porta.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-115.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 92 – Mindelo, Vila do Conde. Barraca de sargaço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-116.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 93 – Fão, Esposende. Barraca de sargaço. Aspecto geral, planta e armação do telhado.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-117.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 288 – Mindelo, Vila do Conde Barracos de sargaceiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-118.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 289 – Agilde, Celorico de Basto Curral palheiro, de dois pisos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-119.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 290 – Ourilhe, Celorico de Basto Curral palheiro, de dois pisos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-120.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 291 – Fachada posterior da fig. anterior. Porta de acesso ao piso superior, ao nível do terreno
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-121.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre 292 – Juromenha, Alandroal Cabrada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-122.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 293 – Juromenha, Aladroal Curveiros e cercado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-123.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre 294 – Juromenha, Alandroal Casa de habitação, queijeira e corte. Em frente, ao ar livre, a cozinha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-124.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 295 – Juromenha, Alandroal Cama do pastor
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-125.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 296 – Juromenha Alandroal Socha móvel onde dorme o pastor
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-126.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 297 – Juromena, Alandroal Entrada dum curveiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-127.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 298 – Juromenha, Alandroal Curveiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-128.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 299 – Juromenha, Alandroal Lado exterior dos curveiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-129.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre 300 – Beirã, Marvão. Curveiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-130.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 301 – Santa Eulália, Elvas. Malhada de porcos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-131.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 302 – Santa Eulália, Elvas. Cabanas duma malhada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-132.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 303 – Santa Eulália, Eivas Cabana em que vivia o porqueiro e a família
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-133.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 304 – Santa Eulália, Elvas. Malhada de porcos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6263/img-134.jpg
Fichier image/jpeg, 113k

© Etnográfica Press, 1988

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search