Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte IX. Folclore e migração

Capítulo 38. “An afternoon in Portugal”

Andanças luso-americanas no Connecticut

Paulo Filipe Monteiro

Texte intégral

Se a emigração é uma ferida, e mesmo se, num certo sentido, faz parte do nosso destino desde o século XVI, a chaga que ela representa não encontrou uma voz à sua medida. Talvez porque o que designamos como povo emigrante era o que, em sentido próprio e figurado, não tinha voz.
(Eduardo Lourenço)

1A memória é um efeito do tempo e a folclorização, mesmo a fossilização, que o olhar patrimonial e museológico quase sempre implica, pretendem que o tempo não passe: reconhecem que passou, mas a captura por esse olhar de um objecto ou de uma prática instaurariam agora um tempo-referência, para já não passar mais.

2Nietzsche (1873: apud 117-131), para quem “um excesso de história é prejudicial ao ser vivo”, defendia a história crítica, perigosa, interessada na vida, no seu renascimento, contra a história monumental e a tradicionalista. A história monumental tende a “atenuar a diversidade dos motivos e das circunstâncias a fim de apresentar (…) como exemplares e dignos de imitação os efeitos, em prejuízo das causas, de tal modo que (…) se poderia dizer que ela se tornou uma colecção de ‘efeitos em si’”, esquecendo e desprezando “grandes sectores do passado.” “Quer tenham consciência disso quer não, comportam-se como se a sua divisa fosse: ‘Deixai os mortos sepultar os vivos’.” Por sua vez, a história dos tradicionalistas “teve sempre um horizonte muito restrito; não vêem o conjunto e o pouco que vêem é excessivamente fragmentado. Eles não podem avaliar nada, dão a tudo a mesma importância e demasiada aos pequenos pormenores.”

3Ora, como disse Hölderlin, “aquele que pensou com mais profundidade, ama o que está mais vivo”. As “metáforas vivas e actuantes” e não essa “modesta vida do folclore”, como escreveu María Zambrano (1943: 19-20). Casos haverá em que as práticas tradicionais são permanentemente reinventadas e revivificadas. Não é esse o caso que tenho para apresentar sobre emigrantes portugueses na costa leste dos Estados Unidos, como aliás o não era já nas aldeias de origem que anteriormente estudei na serra da Lousã (Monteiro 1985, 1987, 1994). Mas veremos que também não é por acaso que as tradições são retomadas.

Pressupostos e contexto

4A folclorização necessita de dois pressupostos que o trabalho de campo me levou a questionar. Um é a definição da identidade pelo território. Logo na Lousã, concluí pela primazia das questões da sociabilidade sobre as questões da territorialidade. Como vários autores mostraram e como eu estudei no caso das aldeias de origem, a frequência de variados espaços dependia de uma dialéctica entre o parentesco e a residência (Lévi-Strauss 1981, Cabral 1982, Pina Cabral 1984, Monteiro 1985: 36), orientando-se até muito mais pela casa familiar (espalhada por vários lugares), isto é, pelo lugar da família e das relações sociais, do que pelo espaço geográfico da aldeia. O mesmo vim a encontrar no Connecticut, tanto mais que o fenómeno emigratório se costuma processar segundo linhas consanguíneas, de emigração em cadeia: característica neste caso reforçada por todas as leis americanas de emigração, que fazem entrar unicamente, ou prioritariamente, os parentes daqueles que já vivem nos EUA, sobretudo os parentes mais próximos. A minha observação foi, neste aspecto, ao encontro do que muitos estudiosos da emigração têm concluído.

5O outro pressuposto discutível tem a ver com a ideia de comunidade, que a modernidade tem obsessivamente projectado para o seu passado. Manuel Villaverde Cabral (1981: 137) falou de toda uma ideologia neofolclórica que vai glorificando — e “frigorificando” — “o mundo rural nas suas alegadas tradições”. Subestima-se, nomeadamente, a relação com o exterior. Ora, as próprias sociedades camponesas, como bem definiu Redfield (1973: II-20), são part-societies with part-cultures, em que a relação com o exterior é um elemento constitutivo e fundamental. Além disso, como argumentei em relação à Lousã (e outros o fizeram sobre diferentes lugares), o comunitarismo rural é em grande medida uma categoria mítica. Já veremos até que ponto se poderá falar, como tantos falam, em “comunidades” emigradas.

6Não há aqui necessidade de resumir a história da emigração portuguesa para os EUA. Recorde-se apenas que ela se concentra em alguns estados, é feita quase exclusivamente para cidades e conheceu um grande incremento a partir de 1965.

7Estudei os emigrados do continente (não os dos Açores) na sua nova vida em duas cidades do Connecticut: Danbury e Waterbury. Embora o meu trabalho de campo tenha sido realizado em 1986, pude reconstituir a sua vida desde muito cedo, não só através de cartas, documentos familiares, registos e censos, como através de relatórios feitos no final dos anos 30 sobre os emigrantes portugueses. Estes relatórios inseriam-se num estudo generalizado dos grupos étnicos com o objectivo de promover a americanização dos imigrantes e, sobretudo, de centralizar informações para os numerosos projectos estatais que visavam compensar os terríveis efeitos sociais da depressão dos anos 30: Joseph P. Youngs escreveu em 1939 três relatórios, cada um com aproximadamente 12 páginas dactilografadas, sobre os “portugueses” em New Haven, Naugutuck e Danbury, a cidade onde se encontrava, e ainda encontra, a esmagadora maioria dos emigrados que, vindos da Lousã, eu comecei por estudar; no ano anterior, David Rodnick tinha escrito, sobre os portugueses em toda a Nova Inglaterra, um relatório com uma dimensão e uma qualidade inferiores. Juntando a estes relatos a consulta de censos, registos de casamentos, registos consulares, de prisões, de clubes, a leitura de jornais, de listas telefónicas, cartas, cadernetas bancárias e sindicais, diários, artigos e documentos vários, bem como entrevistas privadas e oficiais e a observação participante, procurei cobrir a presença dos portugueses em Danbury e na vizinha cidade de Waterbury, desde o início até 1986.

8A primeira referência escrita que encontrei foi o censo de 1910, que conta 16 portugueses em Danbury. A partir daí, houve um aumento muito rápido. Segundo Youngs, em 1939 haveria “aproximadamente mil pessoas nascidas em Portugal, Açores e Madeira”. Eram quase todos homens jovens, muitos deles imigrantes clandestinos, quase nenhum falava inglês, estavam alojados em casas de malta e ficavam vários anos seguidos sem voltar à terra. A sua nova vida era desde logo marcada por uma mudança radical de actividade. Apenas dois ou três trabalhavam em quintas: todos os outros eram operários na construção de caminhos de ferro, na construção civil ou nas fábricas de cola, de peles e de chapéus. Alguns tinham negócios ou ofícios.

9Em 1917 criava-se em Danbury o primeiro clube de portugueses, que em 1924 se formalizou com estatutos e o nome de Clube Filhos de Portugal/The Sons of Portugal Club. Uma cisão dentro deste clube deu origem, em 1929, a um outro; em 1934, os dois tentaram fundir-se num único, o Portuguese-American Club/Clube Luso-Americano, mas algumas tentativas de fusão foram-se revelando, até hoje, vãs — o que nos remete, logo desde os primeiros tempos da emigração, para uma importante diferenciação interna no seio dos emigrados. Nestes clubes, o objectivo exclusivo foi sempre o convívio para homens, de meio predominantemente operário.

10Criou-se também em Danbury, ligada a um dos clubes, uma banda de música, logo nos primeiros anos da emigração (em 1918, segundo alguns me disseram). Uma fotografia, datada de 1931, confirma a existência de uma banda pertencente ao clube Sons of Portugal; vêem-se na imagem cinco instrumentos de corda e três instrumentos de sopro nas mãos dos respectivos músicos, para além de outros tantos assistentes que não sabemos se fariam parte da mesma banda. Uma outra fotografia, datada de 1941 (ver fotografia), mostra-nos que a banda do mesmo clube continuava a existir: para além do maestro, vemos na fotografia três tocadores de bombo e dezassete de sopro; instrumentos de corda, esses parecem já não existir na banda. Mas uma outra fotografia da mesma década mostra, segundo me explicaram, que “no intervalo” da banda, “a rapaziada juntava-se a tocar concertina e bandolim”; essa rapaziada inclui um homem de Viseu, um da serra da Lousã, outro descendente da serra da Lousã, um de Gouveia, um de Trás-os-Montes e um espanhol. A banda foi sempre composta exclusivamente por homens e, pelo menos durante algum tempo, teve um maestro italiano, mais tarde substituído por um descendente de uma família da serra da Lousã, que já tinha aprendido a ler música na própria banda; nos anos 60, década em que praticamente acabou por falta de músicos jovens, o maestro, português e também oriundo da Lousã, vinha propositadamente da vizinha Waterbury, aos domingos, para o ensaio.

11Os dois clubes não tinham actividades políticas nem tão-pouco de assistência, que os emigrados procuravam nas “uniões” americanas a que aderiam. Já em 1939 Youngs referia a adesão de vários entrevistados, em Danbury, às uniões de trabalhadores; e Rodnick, no seu relatório de 1938, sublinha a grande consciência operária dos portugueses, “representados mais do que proporcionalmente nas várias greves”. Youngs notava: “os portugueses de Danbury estão, cada ano, a tomar maior interesse na política local e do estado, contando-se entre eles mais de 250 votantes. Muitos mais serão votantes logo que os seus papéis de cidadania (americana) estiverem terminados.” A Segunda Guerra Mundial vem aumentar muito o número de naturalizações.

12Em 1946, 18 homens, todos eles operários fabris na casa dos vinte anos, criam uma Liga Cívica, independente dos clubes, para negociarem junto dos políticos da cidade e conseguirem alguns (modestíssimos) lugares na função pública: como de facto conseguem, logo em 1947. Sendo o seu objectivo a participação na política americana e no seu aparelho administrativo, também esta liga contribui para a naturalização americana dos emigrados, necessária para se tornarem eleitores. Ao fim de poucos anos, a liga dissolve-se, por já não ser necessária.

A assimilação cultural

13Na vida destes primeiros emigrados nos Estados Unidos, os fenómenos que mais me surpreenderam foram os de uma assimilação cultural muito mais rápida e de uma instalação muito menos provisória do que geralmente se supõe. Se tivermos em conta que, no seu ponto de partida, estes emigrantes estavam quase exclusivamente ligados às actividades das suas famílias e aldeias e à respectiva cultura local, isto é, ao que costuma designar-se por pequena tradição, emigrando sem uma significativa participação na cultura nacional portuguesa (sem escolaridade, muitas vezes sem serviço militar nem sequer passaporte), o mais significativo será que a passagem à grande tradição, à cultura escolarizada e nacional, se faça no contexto americano, e não no português. Isto é também incentivado pelas políticas americanas de integração, que levam, por exemplo, funcionários às casas dos emigrantes para os convencer a frequentar aulas de inglês. Youngs continua: “aproximadamente 230 crianças portuguesas estão inscritas nas escolas elementares de Danbury e 40 na escola secundária”. Youngs encontra nas casas dos portugueses variados jornais e revistas americanos, em inglês, que são subscritos pela maioria dos portugueses (embora menos lidos do que os jornais publicados na sua língua materna, como o luso-americano Diário de Notícias, fundado em 1919).

14À parte a manutenção de alguns costumes culinários e a cultura de algumas pequenas hortas, houve, sobretudo, um rápido fenómeno de adaptação à língua, costumes e sociabilidade dos Estados Unidos. Os relatórios que Youngs escreveu em 1939 são muito claros a este respeito: “eles comem comida americana vulgar, afirmando que existe muito pouca diferença entre a cozinha portuguesa e a americana”. “Todas as casas têm os mais modernos dos equipamentos domésticos.” “A maior parte dos membros dança ao som de música americana, embora uma vez por outra alguns dos mais velhos possam cantar e dançar melodias da sua terra natal.” “A comunidade portuguesa em New Haven foi quase completamente assimilada pelos costumes americanos.” Os de Naugutuck, como os de Danbury, “dançam ao som de músicas americanas modernas, muito raramente cantando as suas velhas baladas portuguesas.”

15As festas de Natal, Ano Novo, Santo António, São João, aniversários dos clubes, bem como as “Danças” (bailes por vezes semanais organizados alternadamente num clube ou noutro), costumavam ser animadas por actividades musicais e de variedades. A parte musical das festas esteve sempre maioritariamente entregue a agrupamentos estrangeiros — espanhóis, sul-americanos ou polacos —, que tocavam músicas americanas juntamente com as suas rumbas e polcas. Como nos dizia um entrevistado, “a música é a língua internacional do mundo, é toda igual, são sempre as mesmas músicas, quer sejam dos italianos, judeus ou polacos”. Por vezes esses músicos eram da cidade, mas outras vezes vinham de cidades mais longínquas como Nova Iorque. A própria festa de aniversário de um dos clubes luso-americanos costumava ser sistematicamente organizada por um espanhol, com artistas espanhóis, e era conhecida pela “festa dos espanhóis”. No caso de haver fados, variedades, danças regionais ou representações teatrais é que a participação era predominantemente portuguesa. Em ambos os clubes, assim como no de Waterbury, existiram, por vezes, grupos dramáticos, que representavam actos de variedades, dramas cómicos ou romances.

16Nos primeiros tempos da emigração era muito popular a feira de Danbury, a mais famosa de quantas se realizavam no Connecticut. Tinha começado em 1840 como feira agrícola; mas, no princípio do século XX, embora mantendo exposições de novas máquinas agrícolas e industriais, constituía sobretudo um gigantesco parque de diversões. Tinha barracas de jogos, comidas e bebidas, artesanato, bandas, uma “cidade dourada”, uma “cidade holandesa”, e chegou a ter, em certos períodos, corridas de bois, de cavalos, de barcos ou de carros. Foi sempre muito frequentada pelos portugueses até ao seu encerramento, em 1981.

17Outra actividade a que os nossos emigrados, sobretudo os mais jovens, aderiram logo desde os primeiros tempos da emigração foi a ida ao cinema, muito popular em Danbury desde o princípio do século XX; em 1928, havia três cinemas na cidade.

18O caderno do Sr. Francisco, emigrado em Danbury, é um exemplar dos mixed feelings que os emigrados deviam sentir já no início do século: ao lado das suas contas, transcrevia canções e versos, tanto em inglês como em português, fazia cópias sobre a biografia do general Washington (“he fought for us to make this country free and independent”), e escreveu um divórcio imaginário da sua mulher. Desde a época da depressão, dada a escassez de contactos com Portugal, começou a haver muitos casamentos de emigrados portugueses com outras nacionalidades, sobretudo a italiana; e faziam, já nos anos 30, despedidas de solteiros típicas dos rituais de casamento americanos. Substituíam o Entrudo, tão típico do fim do inverno nas terras de origem dos emigrados, pelo Halloween, segundo o calendário e os costumes americanos; os mortos eram embalsamados, segundo os rituais americanos.

19Ou seja, parece verificar-se o modelo de Milton Gordon (1970: 39-43), segundo o qual o que ocorre primeiro é a assimilação cultural, “a absorção dos padrões culturais de comportamento” da nova sociedade, antes mesmo de haver uma assimilação estrutural, porque se mantêm subsociedades separadas por religiões, raças e até por nações a nível das relações sociais de amizades, formação de famílias, visitas e recreio — e, podemos acrescentar ao modelo de Gordon, separadas também ao nível de um mercado de trabalho ainda hoje “dividido ao longo de linhas étnicas” (Pereira 1985: 15).

20Entretanto, já há muitos descendentes de portugueses que nasceram nos Estados Unidos, além dos que para lá foram muito jovens. Esses têm uma relação mais íntima com a sociedade americana, têm muitos contactos de infância, escolares, profissionais e de amizade fora dos grupos portugueses, falam inglês entre eles e até com os pais, sobre os quais ganham, por tudo isto, um grande ascendente. Segundo o estudo que fiz dos 121 casamentos que envolveram portugueses em Waterbury entre 1911 e 1960, há uma descida significativa (embora não regular, porque dependente da chegada de novos emigrantes) do número de casamentos de portugueses com portugueses, desde 73, 9% na década de 20 até 31, 6% na década de 1950. E a cerimónia está mais perto do tipo de casamentos americanos locais do que do tipo português (mesmo quando os jovens nasceram e foram criados em Portugal).

21No trabalho de campo de 1986, constatei que as cerca de 1200 a 1300 famílias “portuguesas” em Danbury não formam um ghetto: as suas redes de sociabilidade não abrangem exclusivamente outros “portugueses”, mas também, muito claramente, os não portugueses. No caso estudado, a rede de relações sociais dos emigrados entre si, quando existe, é propositadamente esparsa, para permitir a inter-relação com os elementos americanos. Embora muitos tenham na cidade numerosos familiares, não costumam ir viver com eles, nem quando estão numa casa de várias famílias, nem quando escolhem casa própria; em muitos casos, têm até poucas informações sobre eles. Têm poucas relações com os vizinhos, porque se deslocam sempre de carro. Nas décadas de 1970 e 1980, os portugueses espalham as suas residências por uma área cada vez maior, o que dificulta os contactos: a mobilidade social ascendente é acompanhada por uma mobilidade espacial em espiral, em que o emigrante vai habitar sucessivas casas, cada vez menos centrais, em zonas de conotações o mais possível burguesas, sem grupos étnicos mal cotados nem controlo por outros portugueses. Quando morre alguém, poucos vão ao funeral (“cá é assim”).

22Pareceu-me por isso ser o conceito de network ou rede o que melhor caracteriza a vida nestas complexas sociedades sem centro, como diz Luhmann, em que é a partir de cada indivíduo que se traça e desenvolve uma rede de relações que não são controláveis pelos outros e que, apesar das suas intersecções, não formam um conjunto com fronteiras definidas. Os emigrados gabaram-me muito aqueles que são mais “diplomatas”, mais “embaixadores”, mais “public-relations”, que conseguiram estender melhor a sua rede de relações e obter um importante capital de relações sociais. Como vários estudiosos da emigração concluíram, “um leque muito largo de ligações fracas, de conhecimentos casuais, era mais produtivo na procura de empregos que levassem à mobilidade ascendente do que um grupo mais reduzido de relações muito intensas” (Granovetter, em Anderson 1978: 383).

23Sendo assim, a ligação mais frequente a uma rede especificamente luso-americana diz sobretudo respeito aos que imigraram há pouco tempo, que ainda vivem numa zona central de Danbury, chamada “little Portugal” ou zona de incubação, onde há grande densidade de habitantes e comerciantes de origem portuguesa (mesmo aí, entremeados com outras etnias), e que frequentam os clubes luso-americanos, também ali situados; e é encorajada sobretudo por alguns pequenos empresários de origem portuguesa (construtores civis, agentes de viagens, importadores/exportadores, merceeiros) que sempre tiveram interesse na contínua ligação à mão-de-obra e aos clientes “portugueses”.

24Se tivermos em conta que a escolaridade é feita em instituições americanas, que a língua inglesa é cada vez mais dominante, que os próprios nomes portugueses são por vezes transformados em nomes ingleses, que muitos se naturalizam, que a esmagadora maioria dos empregos é obtida em empresas americanas ou multinacionais — vemos que pouco resta de elementos portugueses. Mesmo na esfera privada da habitação, o mais português que se encontra é alguns fazerem vinho com uvas da Califórnia e chouriço com carne comprada — e mesmo disso desistem ao fim de alguns anos, preferindo comprá-los nas lojas, tal como desistem de ter hortas ou animais e passam a ter relvados, como a típica família americana. A comida é o que tende a manter alguns padrões portugueses (excepto o almoço, que costuma ser na fábrica): por exemplo, a sopa ou o cozido; as festas tendem a misturar as especialidades portuguesas e estrangeiras (o bacalhau, o leitão, as filhós, o arroz doce, a pizza, a lasagna, o bolo inglês).

A folclorização durante as últimas décadas do século XX

25A partir de finais dos anos 1960, vai no entanto falar-se cada vez mais da existência de uma “comunidade portuguesa”. Vejamos muito sinteticamente os três principais factores dessa mudança.

  1. Se, nos Estados Unidos, nos anos 40 e 50, em geral, se apagara muito a referência a antecedentes étnicos, e em especial os portugueses constituíam uma “minoria invisível”, nos anos 60 o movimento negro leva, por arrastamento ou por instinto de sobrevivência, a uma série de movimentos que têm sido baptizados de neo-etnicidade, e a uma série de medidas políticas contra a discriminação, sobretudo nos transportes e nas escolas, e de diálogo com representantes dos grupos étnicos, em vez da procura de integração individual e total de cada emigrado. Aliás, o gigantismo e a anomia da sociedade contemporânea encorajam a existência de portos de abrigo em identidades mais localizadas — é o argumento de Bell (1975), Parsons (1975) e Dahrendorf. Esta abertura aos grupos étnicos e à ideia de “pluralismo cultural” leva a que, a partir de 1972, com o Primeiro Congresso dos Portugueses nos Estados Unidos, comece a haver nos EUA certos movimentos, embora fracos e irregulares, de defesa do Portuguese power — centrados, note-se, nas suas vidas locais e presentes e não na história ou nas políticas de Portugal.

  2. Por parte das autoridades portuguesas, assiste-se por sua vez a uma política de acompanhamento dos portugueses residentes no estrangeiro, com a criação da Junta de Emigração, do Secretariado Nacional da Emigração (em 1970) e, por último, da Secretaria de Estado da Emigração e das Comunidades Portuguesas. Esta política dá ao emigrante o direito à dupla nacionalidade (leis de 1981-82) e ao voto nalgumas eleições portuguesas, sobre um pano de fundo de exaltação da emigração e das comunidades como continuação da epopeia ou do sacrifício dos descobrimentos. Em 1984, o Conselho das Comunidades realiza-se, precisamente, em Danbury. Como nota Feldman-Bianco (1992), há uma reconstrução da ideia de nação, tanto nos EUA como em Portugal.

  3. Ao mesmo tempo, surge entre os portugueses da região, tradicionalmente anticlericais, o primeiro embrião de uma organização católica, até aí ausente, que logo cria uma escola para ensinar o português aos filhos de emigrantes. A igreja portuguesa é criada em Waterbury em 1971 (como termo de comparação, note-se que os italianos de Waterbury tinham criado a sua igreja em 1894) e em Danbury em 1981. Esta é inaugurada em 1982, na presença do “arcebispo dos emigrantes” (o arcebispo de Braga) e do arcebispo de Bridgeport, depois de um “arraial à portuguesa” e de uma enorme procissão que inclui carros alegóricos às aparições de Fátima e a motivos etnográficos e históricos da Lousã e de outras regiões. Há três missas diárias, maioritariamente em português, a que assistem de 40 pessoas até 500, nas ocasiões mais solenes.

26Esta igreja constitui-se muito depressa como centro aglutinador de muitos portugueses (sobretudo dos emigrados mais recentes e das mulheres), orientando-se aliás para isso, com múltiplas actividades não religiosas: bailes, “almoços comunitários” semanais, condecorações, assistência paraconsular, um centro comunitário com catequese e escola portuguesa. A Organização Católica Social (embrião da igreja portuguesa de Danbury), segundo um jornal local de 1977, organizava também uma confraternização domingueira a que chamava “An afternoon in Portugal”.

27Ao mesmo tempo, os líderes desta igreja estabelecem muitas relações com o mayor (presidente da câmara municipal) de Danbury (substituindo em parte o que antes era feito por empresários luso-americanos) e com os políticos de Portugal, procurando centralizar a representação dos emigrantes perante a cidade e perante o exterior: por exemplo, é o pároco quem trata da geminação de Danbury com a cidade de Gouveia e é ele o representante dos EUA no Conselho das Comunidades. Proclama-se até a existência de 15 mil portugueses em Danbury (em vez de5a6mil), sabendo que é um número exagerado, apenas destinado a realçar o peso político e económico da “comunidade”.

28Foi fascinante estudar as relações e rivalidades entre as organizações mais antigas de luso-americanos e as que vêm recentemente empunhar a bandeira das “comunidades portuguesas” (Monteiro 1987: 897, 902-3, Feldman-Bianco 1992: 168). Sublinhemos apenas alguns resultados da interacção de todas estas forças. Há, em geral, uma “folclorização da cultura de origem” (Rodrigues 1979: 47-8), que não é inocente nem desprovida de efeitos. Nos anos 60 e 70, ensaia-se em Danbury uma muito maior cooperação entre os dois clubes, nomeadamente com vista à realização do Field Day, reunião anual em que os clubes de todo o Connecticut se juntam com os seus estandartes, bandas e apoiantes. Na mesma altura, começa a comemorar-se o Dia da Raça. Em 1971, acaba a banda de música e, em 1973, é criado o rancho folclórico, por incitação da Organização Católica Social, para “apresentar a nossa cultura às pessoas da América” e, nomeadamente, representar vistosamente Portugal nas paradas do Memorial Day. Para formarem esse rancho, os seus fundadores andaram de fábrica em fábrica e de loja em loja, a pedir dinheiro para os fatos, que foram todos feitos à mão pelos seus membros: “cada um com uma farda diferente, um da Nazaré, os outros de lavrador, à Portugal, à moda do campo. Quer dizer, um bocadinho de Portugal, mas não se pode dizer que é do norte, centro ou sul”. Não se tratou, portanto, de retomar traços que os emigrados tivessem conhecido numa cultura de origem: tratou-se, sim, da vontade de representar Portugal através de alguns elementos considerados mais icónicos, como são o caso minhoto e nazareno.

29Ao fim de cerca de cinco anos, houve uma cisão no rancho da igreja, por desentendimentos internos. Formou-se então um outro rancho, ligado, com autonomia, ao clube Sons of Portugal, que lhe deu o nome e lhe emprestou dinheiro e instalações. Este rancho foi iniciado com dez pares e, em 1986, era liderado por duas famílias, cujos filhos vieram a casar-se entre si. Foi uma dessas famílias que, deslocando-se a Portugal, trouxe na volta as fardas, os chapéus, as saias e os aventais, que comprou no Minho; trouxe ainda registos filmados das exibições de ranchos a que assistiu em Portugal e a partir dos quais tirou muitos dos números que o rancho passou a apresentar. Trouxe ainda castanholas, que diz serem minhotas e que o rancho utiliza com grande alarido no repertório de todas as regiões. Apesar desta heterogeneidade, há alguma identificação do rancho com a serra da Estrela, decerto por uma das famílias dirigentes ser de Gouveia: o rancho exibe-se mesmo com um casal vestido como os pastores, uma queijadeira e um grande cão pastor. Este rancho chegou a ter 52 membros mas, em 1986, era composto, segundo me disseram, por 42, dos quais nunca vi dançar mais do que metade. A tocata era composta por cerca de oito elementos: dois bandolins, dois acordeões, uma viola, ferrinhos, dois bombos, pandeiretas e castanholas. Os elementos da tocata são muito mais idosos do que os bailarinos; estes são jovens e, por isso, “quando já conhecem as danças acabam por sair para os seus namoros e para a sua vida” — embora seis deles tenham casado com elementos do próprio rancho. Para além de participar no festival étnico de Danbury, o rancho organizou também, entre 1978 e 1982, um festival folclórico próprio, a que trouxe ranchos de várias cidades do Connecticut e Massachusetts e, uma das vezes, do Canadá.

30Nos piqueniques e festas, onde só se costumavam vender hot-dogs e hamburguers, nos anos 60 começam a ser introduzidos mariscos e comidas portuguesas, ou “adaptadas de Portugal”. Criam-se programas portugueses de rádio e de televisão e mesmo, em 1981, uma estação de rádio em língua portuguesa, em Danbury. Surgem até antepassados míticos como Pedro Francisco, nascido em Portugal mas criado por uma família yankee, herói das guerras de independência americanas, agora com direito a cultos cívicos e até a selos do correio dos EUA. Multiplicam-se as cerimónias de homenagem simultânea às bandeiras e hinos portugueses e americanos.

31Os efeitos de todo este investimento nos símbolos portugueses não são desinteressantes; mas não ressuscitam a terra-mãe nem desenterram um projecto efectivo de a ela regressar (mesmo os que faziam visitas a Portugal vêm agora mais espaçadamente); e estão sempre associados à utilização simultânea de símbolos norte-americanos. A bandeira portuguesa nunca surge sem ter ao lado a bandeira americana. A utilização de elementos portugueses, que é sobretudo retórica e instrumental, faz-se sempre no quadro, não de uma portugalidade, mas de um luso-americanismo, adoptado estrategicamente desde o início (lembremos, como importante indício, que um dos clubes adoptou logo em 1929 o duplo nome de Portuguese-American Club/Clube Luso-Americano). Vejam-se também os significativos casos de New Bedford relatados por Feldman-Bianco (1992: 162-163): por exemplo, já em 1931, um jornal local relata, indignado, que a Associação Cívica Luso-Americana decidiu “que a bandeira portuguesa nunca devia aparecer no seu clube”.

32Para aqueles descendentes de portugueses que já nasceram na América, a nacionalidade-mãe é mesmo a norte-americana. E muitos dos outros saíram de Portugal sem uma efectiva participação na cultura nacional e nas instituições que a criam, como a escola ou o exército. Aceitando os excelentes argumentos de Gellner (1983), que mostram como o nacionalismo não é uma tendência natural e espontânea mas sim uma criação artificial, ligada a uma grande tradição por meio do sistema de escolarização, e que tem de ser permanentemente alimentada pelo estado, temos que estes emigrados foram norte-americanos várias décadas antes de pensarem em ser “portugueses” ou “comunidades portuguesas” — ver, no mesmo sentido, os argumentos de Glazer (1975), Weber (1979) e Greeley (1971).

33Desde o primeiro momento, os emigrados não tinham diferenças raciais ou religiosas irredutíveis; as suas dificuldades diziam respeito a obstáculos comunicacionais, em termos de língua, valores e atitudes, que não só eram ultrapassáveis como, o que é mais importante, os emigrados rapidamente se propuseram ultrapassar — como vimos. Os que obtiveram maior nível de escolaridade ficaram tão ligados à sociedade americana que desapareceram do nosso próprio campo de observação, longe de qualquer hipótese de repescagem pela actual política das “comunidades”. Quanto aos outros, que são a maioria, tiveram, é certo, uma escolaridade reduzida: mas suficiente para se integrarem na língua, na cultura e na sociabilidade americanas, sem que precisem de aproveitar a recente redefinição da ideia de nação para alterarem significativamente o seu modo de vida.

34Em Portugal, há quem pareça acreditar que as referências retóricas a uma portugalidade podem afectar profundamente o comportamento dos emigrados. Os limites da eficácia dessa política portuguesa deviam tornar-se mais evidentes. Se actualmente a sociedade portuguesa se aproxima da sociedade industrializada americana e da sua cultura, se as elites portuguesas que defendem a ideia das “comunidades espalhadas pelo mundo” em muitos e decisivos aspectos procuram participar nessa cultura, as razões para haver uma diferenciação que justifique a ligação dos emigrados a Portugal e não aos Estados Unidos são cada vez menores — como bem se pode ver na cultura e sensibilidade da juventude, cá e lá, ou mesmo daqueles que de cá mais recentemente emigraram. A utilização, por esta política, dos elementos das culturas rurais e locais só pode ser feita através de uma folclorização, aliás muito comum nos fenómenos de construção, ainda que erudita, de uma nacionalidade; mas a possibilidade de afirmação e sobrevivência da nacionalidade reside apenas numa grande tradição permanentemente alimentada por via escolar. Neste sentido, o que me parece mais insólito é que o investimento do estado português junto dos emigrados não se realiza através desta via (o estado nunca desenvolveu, por exemplo, uma política continuada de implementação da escolaridade portuguesa nos países onde estão os emigrados) mas tão-só pela tentativa de enquadramento simbólico de emigrados pouco escolarizados, num contexto em que a igreja vai ter um papel catalisador e predominante — quando, como mostra Gellner, uma característica das culturas nacionais é distanciarem-se de qualquer fé ou igreja.

35O jogo destes factores tem, é certo, alguns efeitos: não só a existência de mais associativismo, como a criação de formas associativas diferentes (envolvendo nomeadamente, em torno da igreja, aqueles que imigraram há menos tempo e as mulheres), ao mesmo tempo que avivam (e transformam) os clubes já antigos. Nota-se, porém, que mesmo as dinâmicas folclorizantes mais recentes não saem de um quadro basicamente definido desde os anos 30: o de um luso-americanismo cioso da sua identidade (uma “raça” própria, segundo dizem) e ciente dos seus interesses específicos. O que essas políticas acabam por intensificar é a integração de parte dos luso-americanos entre si, e dos recém-imigrados com os mais antigos, ao nível sobretudo dos tempos e espaços de lazer — sem que isso exclua a extensão das redes a elementos não luso-americanos, ou a ausência de muitos portugueses e descendentes de portugueses em qualquer participação nestes movimentos.

36A insistência numa definição de “comunidades portuguesas” veio obrigar a um incremento e a uma inflexão na autotematização e na auto-reflexão (Luhman 1982: 239). Até como resposta à tematização que lhes é levada de fora: um deputado português ao Congresso das Comunidades realizado em Danbury dizia que os emigrantes “querem ‘saudade’, coisas que lhes lembrem a terra. Eles constroem um lar com ambiente português, eles têm folclore, dança e comem comida portuguesa.” Nada mais falso, como vimos. Mas nada que não tenha efeitos, lançando aquilo a que, na esteira de Hobsbawm, poderíamos chamar a “invenção da tradição”. Uma invenção por vezes interessante, quase sempre interesseira (alguém com poder está interessado em algo muito concreto), frequentemente embaraçosa: como me dizia, entre saturado e céptico, um dos líderes dos movimentos luso-americanos da região que estudei, chamado a discursar na festa do Dia de Portugal organizada por um banco local: “o que é que eu vou dizer amanhã? De que é que eu hei-de falar? Hei-de estar sempre a falar dos Descobrimentos? Sabe, eu já cá estou há muito ano, isto de Portugal já me diz pouco.”

37Ou seja: os interesses são reais, mas as referências são dispersas e desenraizadas. A força central do dinheiro buscado e conseguido, dinheiro que, como notou Luhmann (1982: 15-17, 317-8 e 281), neutraliza a moralidade na interacção e é utilizável independentemente da história, bem como a chamada pós-modernidade, com a sua contínua reciclagem dos fragmentos da herança cultural (fetichizando o acto ou o objecto cultural, a cultura da cultura, como se fosse um fim em si mesma), vêm por seu lado facilitar uma positividade que enfraquece a relação com o tempo e favorece o trânsito coleccionista.

38Pelo menos nos casos que estudei, se a atitude folclorista que cresceu a partir dos anos 70 tivesse ganho outras proporções, bem se pudera falar, como Nietzsche, de deixar os mortos sepultar os vivos. Mas estes só recorrem ou deixam recorrer ao folclore em função do poder e dos interesses que têm no presente. Bem se pode dizer que as chamadas forças vivas vão por vezes buscar metáforas mortas.

Auteur

Licenciado em sociologia (ISCTE), doutor em ciências da comunicação (UNL). Professor nesta última universidade, onde ensina Drama, Cinema e Ficção. Publicou artigos em revistas nacionais e estrangeiras, assim como quatro livros: três relacionados com a emigração para os Estados Unidos e o último, já correspondente às suas preocupações com a estética, intitulado Os Outros da Arte (Celta Editora, 1996). Tem desenvolvido, desde 1978, actividade contínua em teatro, cinema e televisão, escrevendo, encenando ou actuando.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr