Version classiqueVersion mobile

Construções primitivas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

I parte. Construções primitivas e elementares

Capítulo 2. Construções de planta circular

Texte intégral

  • 1 ) Jorge Dias, «Las construcciones circulares del Noroeste de la Península Iberica y las Citanias », (...)

1A categoria geral de construções primitivas de planta circular (1) que ultrapassam o nível de meros abrigos precários e temporários, compreende duas espécies totalmente diferentes:

2A) Construções com cobertura – que em alguns casos é cobertura e parede – cónica em materiais vegetais; e

  • 2 ) Excluímos totalmente a verdadeira cúpula, que constitui uma solução elabo rada, que nada tem de p (...)

3B) Construções inteiramente em pedra, com cobertura em falsa cúpula (2).

  • 3 ) Assim, nas construções em falsa cúpula, ora o arredondamento progressivo do quadrado desde a base (...)
  • 4 ) Marcel Mauss, «Manuel d’Ethnographie», Paris (Payot), 1967, p. 74. Jorge Dias, «Contribution to t (...)

4A cobertura cónica em materiais vegetais e a falsa cúpula aparecem em construções de planta tanto circular como quadrada ; e, à parte as particularidades diferenciais de estrutura elementar que, dentro de cada uma daquelas categorias fundamentais, estes dois formatos implicam, e que obrigam a certas adaptações dos respectivos processos construtivos (3), cremos que, desde que, pelas demais características, ambos esses formatos obedeçam ao mesmo tipo arquitectónico, eles se devem considerar conjun tamente, tanto mais que uns e outros aparecem em regra a par na mesma área (4).

  • 5 ) Jorge Dias, «Contribution», loc. cit.: «Esta construção (a casa redonda) não tinha grande possibi (...)

5Seja como for, as construções de planta quadrada, e nomeadamente as de cobertura cónica em materiais vegetais assente em paredes baixas de pedra, parecem constituir, sobretudo quando coexistem com as suas congéneres de planta circular (o que, como dissemos, sucede muitas vezes), um estádio da evolução destas no sentido da sua transformação progres siva numa casa rectangular mais evoluída (5).

6Embora em alguns casos actuais as áreas respectivas da falsa cúpula e da cobertura cónica em materiais vegetais se sobreponham e inter penetrem por vezes, elas parecem, como veremos, derivar de origens totalmente independentes, em ambos os casos pré romanos: a casa de planta circular e cobertura cónica em materiais vegetais, entre nós, documenta se em primeiro lugar, conjecturalmente, em fundos de cabanas meso e neo líticas, e sobretudo nos nossos castros lusitânicos, onde constituiria uma das formas essenciais da habitação normal; a falsa cúpula documenta se entre nós, em primeiro lugar, em certos monumentos funerários típicos, do Algarve, designadamente as sepulturas cupuliformes de Alcalar, e seus con géneres alentejanos, testemunhando influências mediterrâneas, e também, possivelmente, em determinadas construções, aliás raras, que apareceram em alguns castros nortenhos.

  • 6 ) « O fumo, hoje para nós como mínimo desagradável, tem para o homem simples outro significado. Con (...)

7Tanto as construções com cobertura cónica como as de falsa cúpula, cuja forma geral, como dissemos, oferece poucas possibilidades de desen volvimento, podem sem dúvida considerar se qualificadamente primitivas, no que respeita às suas origens e também à sua estrutura morfológica. Normalmente sem divisões internas, mesmo quando utilizadas ainda como habitação humana, com a lareira térrea e aberta, e sem chaminé, elas são um exemplo característico da chamada casa de fumo (6).

A – Construções de planta circular com cobertura cónica em materiais vegetais

8As construções de planta circular com cobertura cónica em materiais vegetais podem, por seu turno, ser de três tipos:

  1. Construções inteiramente em materiais vegetais, de forma cónica, do género de cobertura parede (em que a cobertura e parede são um elemento único indiferenciado), e em que os caibros da armação pousam ou se cra vam directamente no solo;

  2. Construções também inteiramente em materiais vegetais, mas de forma cilindro cónica, do género de parede e cobertura diferenciadas e individualizadas – a parede cilíndrica e vertical de varedo entretecido e paus, que se cravam igualmente no solo formando uma espécie de pali çada; e, assente sobre ela, a cobertura cónica–;

  3. Construções também de forma cilindro cónica e do género de parede e cobertura diferenciadas e individualizadas, mas em que apenas a cober tura, cónica, é em materiais vegetais, assentando num murete baixo de pedra, vertical e cilíndrico. Neste tipo, o murete pode ser ora um mero baldrame grosseiro ou simples sapata, que funciona apenas como um iso lador que evita que os caibros se cravem directamente na terra, ora uma verdadeira pequena parede que tem em vista, além disso, aumentar a capaci dade da construção, permitindo um aproveitamento vertical interior quase normal. Estes dois casos – construções com um simples baldrame raso ao solo, ou com uma verdadeira parede baixa – mostram evidentemente gran des semelhanças de estrutura – nomeadamente, tanto num como no outro distinguem se parede e cobertura, e a fixação desta faz se de igual modo – e aparecem muitas vezes a par. Pode se então entender que as segundas representam apenas um nível superior de uma mesma corrente local tradi cional; e tal é de facto claramente o caso de certos exemplos. Apesar de isso, aproximaremos as construções com mero baldrame não dessas suas congéneres com parede, mas das construções inteiramente em materiais vegetais, de forma cónica e do género de cobertura parede indiferenciadas, com as quais aquelas mostram, mais ainda do que com essas outras, afi nidades essenciais, decorrentes da identidade fundamental, em ambas, de formato e da maneira como nelas se vive.

  • 7 ) Segundo Mauduit, op. cit., p. 196, no estádio que se segue à cabana redonda que o homem construiu (...)
  • 8 ) Segundo Montandon, op. loc. cit., com efeito, esta forma seria posterior à choça em colmeia, de a (...)
  • 9 ) Jorge Dias, «O problema da reconstituição da casa redonda castreja», p. 42. Este Autor nota porém (...)

9As construções cónicas inteiramente em materiais vegetais, do género de cobertura parede indiferenciadas e unas, constituem sem dúvida uma forma extremamente primitiva, imediatamente derivada dos abrigos pri mários e mais elementares que o Homem construiu (7); as construções também inteiramente em materiais vegetais, mas com parede cilíndrica e vertical de varedo, e cobertura cónica diferenciada, conquanto mais elabo radas e lògicamente evoluídas do que as anteriores (8), podem também considerar se uma forma muito primitiva. Ambas, em geral, foram conheci das a partir do Mesolítico e sobretudo do Neolítico, quando os homens, até então caçadores – e pescadores – e recolectores nómadas, vivendo nas gru tas e em abrigos, tendas ou acampamentos instáveis, que montavam ao sabor das suas deslocações estacionais em busca de alimentos ou outras vagabun dagens, abandonaram esse habitat e inauguraram uma fase sedentária de agricultura e pastoreio, dando nascimento a comunidades tribais e formando os primeiros povoados fixos; é natural que esses abrigos anteriores, tendas ou outros, tivessem então dado lugar à choça de materiais vegetais de planta circular (que é a que melhor se ajusta ao trabalho de tais materiais), a qual, por isso, aparece em muitos países, numa área muito mais vasta do que aquela em que hoje ela subsiste. De facto, é daqueles períodos que se datam os fundos de cabanos – cinzas e carvões, detrictos e restos de cozinha, e produtos de indústria, por vezes rodeados por pedras dispostas em círculo –, que indigitam choças destes formatos, feitas de troncos, ramagens e em alguns casos peles (e, mais tarde, de tabuado), não raro em alguns casos revestidas exteriormente de barro ou parcialmente enterradas no solo; situa das geralmente junto de rios ou em eminências, com frequência agrupadas em aldeias ou recintos defendidos pela configuração do terreno ou por cercas de estacaria, elas mediam em regra cerca de 1,50 a 3,50 m de diâmetro, espalhavam se sem ordem dentro do recinto murado, e em certos casos umas serviam de habitação e outras de cozinha (9).

  • 10 ) Jacques de Morgan, « L’Humanité Pré historique » (Col. L’Evolution de l’Humanilé), Paris (A. Mich (...)
  • 11 ) H. Alimen, op. loc. cit..
  • 12 ) Vitruvio, II 1. «Os Frigios, que habitam um país onde não há florestas que lhes forneçam madeiras (...)

10Em algumas estações campignyenses e nos concheiros dinamarqueses, essas choças eram de ramagens e taipa, e tinham cerca de 2,50 m de diâmetro (10). Em França, as choças neolíticas eram de varedo entretecido e revestido de barro, com cobertura de colmo ou caniço, e mediam cerca de 1,50 a 2 m de diâmetro, numa área cavada no solo cerca de 1 a 2 m de profundidade; as mais das vezes sem qualquer divisão, casos há porém em que o local de dormida é isolado daquele em que se cozinhava, onde se reconhece o lugar da lareira, e por vezes tem uma fossa para detrictos e um silo subterrâneo (11). Vitrúvio, a propósito das mais antigas constru ções humanas, descreve este sistema, que encontrou, ainda no seu tempo, nas «nações estrangeiras»: segundo ele, os primeiros homens « começaram por plantar uns paus, e entrelaçar neles ramos de árvores que enchiam em seguida e barreavam com terra gorda, para fazerem os muros; tam bém os construíram com pedaços de terra gorda seca « (adobes?) », sobre os quais pousavam peças de madeira atravessadas, recobrindo tudo com canas e folhas de árvores para se defenderem do sol e da chuva; mas como esta espécie de cobertura não bastava para se protegerem contra o mau tempo do inverno, elevaram o ápice inclinado, a fim de fazerem com que as águas escorressem »; e refere se à Gália, Espanha, Portugal e Aquitânia, que ainda usavam esses materiais, e « onde as habitações são cobertas de colmo ou de ripas de carvalho talhadas em forma de telha» (12).

  • 13 ) Félix Alves Pereira, «Estudos do Alto Minho – XIV Habitações castrejas do Norte de Portugal », Vi (...)
  • 14 ) Eugenio Jalhay e Afonso do Paço, «EI Castro de Vilanova de San Pedro », in « Actas y Memórias de (...)

11Entre nós, as choças de planta circular e formato cónico ou cilindro cónico, inteiramente em materiais vegetais, de paus, ramagens e colmo, revestidos ou não de barro, documentam se também desde o Mesolítico, nos fundos de cabana dos concheiros de Muge, no Vale do Tejo –do Cabeço da Arruda, da Fonte do Padre Velho, do Cabeço da Amoreira e da Moita do Sebastião –, nas estações eneolíticas de Pavia, Cabeço da Assenta (Óbidos), Alto de Penacova (Arcos de Valdevez), onde se encon traram pedaços de barro com sinais de ramagens (13), Vila Nova de S. Pedro (Azambuja), Pepim (Amarante), etc. (14); e constituíram sem dúvida o tipo essencial de habitação dos primeiros grupos humanos que, no decurso do Neolítico, se instalaram nas elevações e eminências, mormente no Noroeste, fundando os povoados que, nos seus desenvolvimentos ulteriores e sobretudo após a fusão dessas gentes com os celtas do século VI, vieram a constituir os castros; e que, aliás, subsistiam ainda no período final da cultura castreja.

  • 15 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, pp. 9 10.
  • 16 ) Felix Alves Pereira, op. loc. cit.
  • 17 ) Jacques de Morgan, op. cit., p. 168.
  • 18 ) Felix Alves Pereira, op. loc. cit. Segundo o Autor, «os fragmentos encontra dos devem ter chegado (...)
  • 19 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. p. 10. Encontraram se ali t (...)
  • 20 ) Ibid. pp. 10 12.

12Em múltiplos castros do País –em Briteiros, Sabroso, e outros – encontraram se fragmentos de barro cozido, com sinais impressos, numa ou em ambas as faces, de varedo miúdo, que pertenceram sem dúvida a cho ças, de paredes provàvelmente cilíndricas, de fachina ou caniçada reves tidas desse material. Lopez Cuevillas e Lorenzo Frenandez, analisando fragmentos semelhantes, encontrados em vários castros galegos, nomeada mente em Palmon, San Mamede, e sobretudo Rio, concluem que « forma vam parte do revestimento de um enramado que se executou passando de modo alternado as ramagens, colocadas em sentido horizontal, por trás e por diante de estacas perpendiculares ao solo (como os «caniços» dos actuais «canastros de varas» galaico minhotos), podendo notar se claramente os lugares em que, para remediar uma deficiência do trabalho ou a ruptura de um ramo, se colocou outro mais delgado, que deixou no barro um sinal menos fundo». «As marcas impressas nas massas argilosas mostram que as varas empregadas tinham um diâmetro de 15 a 25 mm, e que estavam suficientemente juntas para não deixarem entre si senão um espaço de 2 a 3 mm, oscilando a espessura do revestimento entre 4,5 e 6 cm» (15). Félix Alves Pereira considera essa choça de fachina e barro como um tipo extremamente primitivo, de que encontrou sinais em estações anteriores à época castreja, e que era então muito generalizado, «segundo antigas representações, referências literárias e alguns vestígios revelados pela pesquisa arqueológica» (16), presumivelmente certos baixos relevos romanos, sobre tudo os da coluna de Trajano, e as urnas funerárias da Etrúria e do Lácio, que dão a forma exacta das choças desses tempos em tais países (17) (cilin dro cónicas); e entende que ela constituíria a forma das moradias dos mais antigos habitantes desses castros, as quais, pela natureza perecível dos mate riais de que eram feitas essencialmente, não deixaram mais do que esses vestí gios (18). De facto, aqueles dois arqueólogos galegos, no castro de Cameixa, puderam determinar cinco níveis, dos quais apenas o mais superficial apre sentava casas com paredes de pedra: nos quatro seguintes «apareceram só lareiras, sem o menor sinal de construções de pedra que as rodeassem ou protegessem, e só aqui e além, e em muito pouca abundância, pedaços de barro denunciadores de revestimentos» (19). Naquele castro pois, pelo menos, «as casas de pedra são um fenómeno tardio, precedido de largos períodos em que o recinto em questão não consentia senão choças», as quais, de acordo com os restos de barro recolhidos, eram de planta circular, e mos travam, na sua construção, teçumes de ramagens, paredes de tábuas e varas, e cobertura de palha – que seria o material mais usado, por ser o mais adequado para a cobertura de uma obra com sustentáculos assim débeis –, ou, em menor escala, de giesta ou torrões com erva, e que revestiam de barro pelo lado interior (20).

  • 21 ) Mário Cardozo, « Citânia e Sabroso », Guimarães (Sociedade Martins Sar mento), 1498, p. 25 (Nota)
  • 22 ) Albuquerque e Castro, « Habitações castrejas» in: « Actas do XXVI Congresso Luso Espanhol – Assoc (...)
  • 23 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. p. 13; Albuquerque e Castro (...)
  • 24 ) Abel Viana, «Citânia de Santa Luzia», in: «Zephyrus», VI, Salamanca, 1955 p. 77.

13Na mesma ordem de ideias, Mário Cardozo supõe que o « o protótipo das casas redondas dos nossos castros, e designadamente de Briteiros, se deve procurar nos «modelos tradicionais autóctones desta região, remon tando à Idade do Bronze, ou talvez aos tempos da cabana neolítica» (21). Do mesmo modo, Albuquerque e Castro, analisando a arquitectura castreja, estabelece um primeiro período, caracterizado por cabanas de madeira, de fachina, revestida ou não de argila e de adobes ou taipa, cuja existência, à falta de vestígios directos (porque, por sua natureza, os materiais de que elas eram construídas não perduram), é, segundo o Autor, atestada por pedras de lareira encontradas in situ sem quaisquer paredes de pedra a circundá las, e por certos objectos em pedra – mós, etc. –, que aparecem incluídas nas paredes de construções em pedra, pressupondo habitações anteriores desaparecidas (22). Como dizem Lopez Cuevillas e Lorenzo Fer nandez, as casas de pedra, nos castros galaico portugueses, coexistiram cer tamente um tempo mais ou menos longo com essas cabanas de ramagens ou fachina revestidas ou não de barro: em algumas dessas estações –Ter roso, por exemplo – não deve ter havido cabanas, porque as áreas esca vadas estão cheias com os muros de pedras das casas; em Rio e Cameixa, na Galiza, nos níveis inferiores, pelo contrário, não havia casas de pedra, vendo se apenas vestígios de cabanas; em Madalena, Caravia e outros, tam bém não havia casas de pedra; finalmente, em outros ainda, Pendia, na Galiza, Santa Luzia, etc. juntar se iam os dois tipos: de facto, como nota Albuquerque e Castro, as cabanas existiam ainda, a par de casas de pedra, nos dois últimos períodos do seu esquema, correspondentes ao apogeu e fim da época castreja, ocupando verosìmilmente os espaços vazios que nessas estações se vêem hoje muitas vezes entre as ruínas das casas de pedra, e que tantas dúvidas tem suscitado quanto à sua utilização (23). Abel Viana, do mesmo modo, em relação a Santa Luzia e a outros castros, entende que, além das casas de pedra, deviam ver se cabanas de materiais vegetais; na verdade, «a não ter existido neles maior população que a computável em face do número de casas de pedra, não contariam gente para guarnecer as muralhas, na emergência de serem atacados por numerosa horda inimiga» (24).

  • 25 ) Ver Nota 103 e texto correspondente.
  • 26 ) Ver Notas 116 a 118 e textos correspondentes, acerca da origem da casa castreja de planta circula (...)
  • 27 ) Veja se adiante, Nota 153, a opinião de Martins Sarmento a este respeito; e também António Jorge (...)

14Finalmente, as construções do terceiro tipo, ou sejam as cabanas de planta redonda com paredes de pedra e cobertura cónica de materiais vege tais, parecem ser uma das formas essenciais – quiçá mesmo a mais impor tante – da habitação das nossas citânias e castros da Idade do Ferro (25), nesses casos com efeito derivada, como dissemos, dessas outras anteriores do mesmo formato, apenas em materiais vegetais (26), e que, por seu turno, está certamente na origem de certas casas de planta circular ainda hoje existentes em algumas das nossas regiões rurais (27). Delas nos ocuparemos a seguir em especial, considerando a importância do elemento castrejo na elabo ração da nossa cultura específica tradicional.

A casa castreja (28 )

  • 28 ) A descrição da casa castreja que aqui se faz não representa de modo algum trabalho original dos A (...)

15Os castros, cividades ou citânias – e ainda, em formas mais populares, crastos, cristelos, castelos, etc. – são os nomes com que, segundo a ordem crescente da sua grandeza, se designam as ruínas das povoações pré e proto históricas da Península, situadas normalmente em cabeços ou colinas iso ladas e de altitudes médias ou contrafortes de encostas íngremes –em pontos de difícil acesso e mais fácil defesa, donde se avista ao longe – e na proximidade de cursos de água.

16Na sua forma mais corrente, os castros, assim localizados, são recintos circundados por muralhas ou valas defensivas, onde se aglomeram casas de pedra de planta circular ou quadrangular (estas por vezes com os cantos arredondados), conforme as regiões ou a sua cronologia.

17Característicos sobretudo do NW da Península, Entre Douro e Minho, Trás os Montes e Galiza (espraiando se para o Sul do Douro e para o Norte e Nascente, pelas Astúrias e Leão) onde se encontram em grande número – quatro a cinco mil na Galiza, e muitos em Portugal – atestados, seja por ruínas ou vestígios, seja na toponímia ou em lendas e tradições – durante muito tempo pensou se que se tratava de uma cultura da Idade do Ferro, trazida pelos Celtas quando da invasão destes povos no Ocidente, no século VI a. C., e localizada naquelas áreas, onde eles exerceram mais fortemente a sua influência.

  • 29 ) Jorge Dias, «Ruínas de tipo castrejo no Algarve », in: «Trabalhos de Antro pologia e Etnologia, X (...)
  • 30 ) Irisalva Moita, «Notícia de um catálogo e carta de distribuição dos castros no território portugu (...)

18Irisalva Moita, observando que se encontram estações deste tipo pràticamente por todo o País (29), e que em todas elas se verifica, «com uma frequência que não pode ser tomada como ocasional, a presença quase infa lível de elementos neo eneolíticos» – machados polidos, cerâmica, lâminas de xisto, mós, etc. –, pergunta se não se tratará, em todos eles, de uma cultura básica comum, possivelmente neo eneolítica, que no Noroeste apenas se particularizou devido a uma maior influência céltica(30).

19Existe porém uma nítida diferenciação entre os castros das várias regiões, nomeadamente entre os do Norte e os do Centro e Sul do País, de tal modo que, para certos autores, a cultura castreja corresponde apenas à área a Norte do Douro. Os castros do Norte parece terem sido autênticos povoados fortificados, com edificações bem construídas, e de planta predo minantemente circular; os do Sul, apresentam se sobretudo como simples fortificações, a que se acolbiam as populações em caso de perigo, e as suas casas são de planta predominantemente quadrangular.

  • 31 ) Irisalva Moita, op. loc. cit. pp. 457 458. Note se que Lopez Cucvillas e Lo renzo Fernandez, op. (...)

20Esta diferenciação, para aquela Autora, explicar se ia pelo facto de os castros do Sul terem em geral sido abandonados mais cedo do que os primeiros – alguns, no Centro, não ultrapassaram o Eneolítico ou apenas atingiram o Bronze inicial, ao passo que os do Norte florescem sobretudo durante o Ferro –, e pela diversidade de influências assimiladas nesse período: os do Norte recebendo principalmente influências terrestres de origem céltica, os do Centro e Sul, do litoral e embocaduras dos rios gran des, influências mediterrânicas; mas em ambos os casos, os novos invasores apenas prolongaram, modificadas, as formas de vida dos primitivos habi tantes, com os quais se fundiram. A própria diferença entre os formatos das casas não tem, para a Autora, o valor de uma característica ou critério individualizante: as construções angulares, para ela, acusam sobretudo influências romanas: «É com efeito nos castros mais profundamente romanizados que as casas rectangulares ou quadrangulares aparecem com mais frequência» (31).

21Em qualquer caso, entre os castros nortenhos verifica se sem dúvida uma identidade cultural particularmente sensível. Como diz Mário Cardozo, «estes castros do Noroeste da Península, apresentam tal uniformidade de aspectos, tal unidade de cultura, que, além da influência da romani zação, mais ou menos marcada em todos eles, observar qualquer um é quase que tomar conhecimento de todos os outros : são as mesmas casas redondas ou rectangulares, com o mesmo aparelho poligonal e os mesmos processos de construção ; idênticos arruamentos e calçadas ; iguais cir cuitos de muralhas defensivas».

  • 32 ) Jorge Dias, «O problema...» p. 7: «Devemos dizer que a Etnografia nos for nece exemplos curiosos (...)
  • 33 ) Jorge Dias, «O problema...» p. 24: «não concordamos com uma solução única para todas as casas cas (...)

22É porém notório que, na totalidade da área castreja, certos elementos culturais apresentam se sob formas diferentes. Da mesma maneira que, em nossos dias, notamos a grande diversidade de formas culturais nas várias províncias, também no passado – e com mais forte razão, dadas as maio res dificuldades de comunicação e convívio de populações afastadas –, devia existir uma acentuada diversidade de umas regiões para outras, em função de factores mesológicos, históricos e culturais (32), tanto mais que o substracto étnico não era o mesmo por toda a parte, e mormente em casos distantes. Mesmo entre os castros nortenhos existiriam variantes de pormenor, em determinados elementos culturais; as próprias casas de planta circular não teriam sido, como veremos, iguais em todas as estações castrejas onde elas existiam, variando as soluções de forma, altura e natu reza das paredes, tipo de aparelho e cobertura, etc., conforme as regiões e os povoados, os materiais naturais – o granito, o xisto, o barro, a madeira –, e a época em que teriam sido edificadas, e até, possivelmente, dentro de um mesmo povoado, conforme a importância social e riqueza dos respectivos proprietários (33).

23Na sua maioria, os castros, vindos assim de um passado remoto, apre sentam vestígios evidentes de romanização, em grau variável conforme o seu maior ou menor afastamento das linhas de penetração do Romano, facilidades ou resistência à aceitação da sua cultura, índole guerreira ou pací fica dos seus habitantes, condições naturais do solo, etc. Alguns deles per duraram pelo menos até à queda do Império, ou mantiveram se mesmo durante o domínio visigótico e a Alta Idade Média, dando origem a muitas das actuais povoações. Outros porém foram abandonados por volta do final do século III, quando, após a ocupação total e definitiva da Península pelos romanos – a «paz romana» – que se seguiu à queda de Numância e aos assassinatos de Viriato e Sertório, e a repressão brutal pelas tropas de Junio Bruto, no fim de dois séculos de lutas pela independência, o habi tante dos castros, pastor e guerreiro, como diz Mário Cardozo, bisonho e bravio, com uma norma de vida isolada e agressiva, e uma economia baseada principalmente no pastoreio, ao estabelecimento nos pontos elevados, ásperos e ingratos à vida doméstica, preferiu ou foi obrigado a descer e fixar se nos vales e planícies agricultáveis, submeter se à vida pacífica do camponês, empunhar o arado e construir calçadas e pontes.

24Em qualquer caso, porém, a cultura nova do invasor custou a ser aceite, especialmente nas regiões montanhosas do Noroeste, mais afastadas e de difícil penetração ; como diz ainda Mário Cardozo, «mesmo nos castros mais vincadamente romanizados, as ruínas mostram que a romanização não conseguiu ofuscar por completo a personalidade e a maneira de viver do íncola, pelo menos enquanto ele se pode manter no seu habitat montanhês ».

  • 34 ) Mário Cardozo, «Castros», in: « Dicionário de História de Portugal»; e outros.

25A área exacta da cultura castreja ainda não se definiu rigorosamente. « Inconfundìvelmente caracterizada e singularmente uniforme, ela é típica do NW»; mas é claro que não se lhe podem marcar limites geográficos estrictos, porque há que considerar inter penetrações, influências de outros povos, e elementos culturais recebidos do exterior. Lopez Cuevillas afirma que os Celtas do Ferro do século V influíram sobretudo o Noroeste, mas não de modo uniforme, do que resultaram três círculos: 1) zona da Celtibéria, no centro da Meseta; 2) zona dos « berrões » ou javalis, que se estendeu pela Meseta superior e Nordeste de Portugal; e 3) zona dos castros, no Noroeste de Portugal e Galiza. Esta zona tem como limites: o Douro, a Sul; a linha montanhosa do Marão, Padrela, vales do Tâmega e Tua, Sanábria e montanhas de Leão, até ao Cantábrico, a Leste; e o Atlântico. Há porém que contar com a expansão castreja para Sul e Nascente, até Trás os Montes, e através da Beira Alta, até Salamanca e Ávila. Entre as estações castrejas portuguesas mais importantes contam se Briteiros e Sabroso (Guimarães), Sanfins (Paços de Ferreira), Santa Luzia e Ancora (Viana do Castelo), Terroso (Póvoa de Varzim), Bagunte (Vila do Conde), S. Miguel o Anjo e Cendufe (Arcos de Valdevez), Padrão (Santo Tirso), Franqueira (Bar celos), Santa Marta (Braga), Monte Mòzinho (Penafiel), Banha (S. Pedro do Sul), Santa Olaia (Figueira da Foz), etc. (34).

  • 35 ) J. Leite de Vasconcelos, «Cidade Velha de Santa Luzia », in: «O Arqueólogo Português», VIII, Lisb (...)

26Os povoados castrejos não obedeciam a um plano preconcebido, nem se desenvolveram a partir de um núcleo central originário : eles surgem «no meio da desordem de gentes que buscam refúgio nesses lugares natu ralmente fortes» e que fortificam com muralhas, «e ali instalaram primeiro as suas choças de ramagens e em seguida as suas casas de pedra, e ali as vão acomodando segundo um processo imposto pelas necessidades mais peremptórias, outras vezes abrindo estreitas ruelas cuja direcção se deter minaria em certos casos pelas portas de entrada nos recintos fortificados». Em Terroso não existe qualquer ordem na disposição dos edifícios, disse minados a esmo, e apenas com estreitos passadiços entre eles; em Sabroso há um caminho de entrada; em Sanfins e Briteiros – a citânia que mos tra «um maior desenvolvimento e regularidade nas suas vias urbanas » – porém, vêem se calçadas relativamente largas com ruelas transversais de ligação, pracetas, etc. Por vezes, nomeadamente em Santa Luzia, no ponto mais alto do monte vê se uma elevação artificial, sem casas e com uma parede forte; Leite de Vasconcelos julga ver nela a acrópole ou cidadela (35). A localização peculiar dos castros obriga muitas vezes à construção de esca darias e muros de sustentação de terras e terraplanagens, lajeados para evitar que as enxurradas arrastem a terra, canais de esgoto de águas, etc.

27As casas das estações castrejas, portuguesas e galegas, mostram plantas variadas, que se podem agrupar em duas categorias fundamentais: 1) arre dondadas (circulares e elipsoidais) ; e 2 ) quadrangulares (rectangulares, qua dradas e trapezoidais), com as esquinas em ângulo ou arredondadas; e além delas, como formas secundárias, casas de planta alongada, com uma ou mais paredes curvas e rectilíneas, e casas de planta mista, constituídas pela asso ciação de várias dessas formas fundamentais. Estas casas, seja qual for o seu tipo, apresentam se ora singelas ora com um alpendre ou vestíbulo, que também pode ser curvo, rectilíneo ou em cotovelo. Com frequência, a mesma unidade é composta de vários edifícios, que conservam a sua individuali dade morfológica, acusando os diversos compartimentos. Nos castros norte nhos, onde, como veremos, predomina em geral a casa de planta arredondada, os edifícios deste tipo, com ou sem alpendre, serviriam de habitação para as pessoas; os de planta rectangular, normalmente mais pequenos e de construção mais grosseira, serviriam talvez, pelo seu lado, de lojas para auimais. arrumações, lenhas, etc. Noutros casos, quiçá mais evoluídos, a comparti mentação obtém se por meio de divisórias interiores de um único edifício; em Santa Olaia, por exemplo, uma parede longitudinal divide uma casa em duas partes desiguais; uma maior, certamente de habitação, com um pavimento igual ao das demais casas, e outra contendo terra com fragmentos de cerâmica, carvões e restos de cozinha. Por vezes, como por exemplo em Santa Luzia, Sanfins, Sabroso, etc., várias construções relacionadas entre si e correspondendo talvez também a diferentes funções, possivelmente per tencentes a uma só família ou grupo, formam pequenos « bairros » indivi dualizados no conjunto da povoação, não raro cercados mesmo por muros baixos ; em relação a um desses « bairros », em Santa Luzia, situado na parte mais eminente e englobando os edifícios de construção mais apurada do castro, Abel Viana distingue uma casa, redonda e com alpendre, que, por isso, seria talvez a residência principal, do chefe da família ou do grupo.

  • 36 ) Abel Viana, op. loc. cit., p. 70, citando F. Lopez Cuevillas, « La civilización céltica en Galici (...)
  • 37 ) Irisalva Moita, op. loc. cit., pp. 457 458. Ver atrás, texto correspondente a Nota 98.

28Casas de planta circular e casas de planta quadrangular coexistem geralmente nas mesmas áreas e até nos mesmos castros a par umas das outras ; contudo, na maioria dos castros nortenhos, como dissemos – em Terroso, Sabroso, Santa Luzia, Coaña. Troña, Borneiro, Pendia, Santa Tecla, etc. – predominam decididamente as casas de planta arredon dada (36) ; em Briteiros, porém, em Padrões, na Falperra, Monte Mòzinho, etc., predominam, ou pelo menos aparecem em grande número, a par dessas casas, as de planta quadrangular. Ao Sul do Douro predominam igualmente estas, que em alguns castros – Santa Olaia, por exemplo – são mesmo as únicas existentes; em Banha, porém, inversamente, as casas quadrangulares, com esquinas em ângulo, alternam com as de planta cir cular e oval em grande número. Dissemos já que para Irisalva Moita a casa castreja de planta quadrangular acusa sobretudo influências romanas (37); pode se porém supôr que em certos casos ela representa também a evolução de um protótipo anterior da mesma forma basilar.

29Nas casas de planta circular, os diâmetros (salvo muito raras excepções, para mais ou para menos) oscilam entre 3 e 5 m, com predomínio desta última grandeza; as de planta oblonga, são em regra maiores : de 6 a 8 m de eixo maior, por cerca de 3 a 4 m de eixo menor; as de planta quadran gular, nos castros onde predomina a casa de planta redonda, são em geral muito exíguas, devendo então, como dissemos, ter servido, não de habitação, mas de anexos; nos outros casos, elas podem ser de grandes dimensões.

30Os alicerces assentam na rocha ao nível do solo, ou afundam se até a encontrarem, abaixo dele. Nas casas, as paredes mostram espessuras variá veis (sem relação aliás com as dimensões do edifício) que vão de 40 a 60 cm, as mais das vezes 45 a 50 cm; nos alpendres, elas são um pouco mais estrei tas. A construção compõe se sempre de dois paramentos distintos – o exte rior e o interior– sem qualquer encastramento ou travação entre eles na quase totalidade dos casos, em prejuízo da sua estabilidade; excepcional mente, em S. Miguel o Anjo, Alves Pereira registou a existência de juntoiras, que vão de lés a lés a toda a espessura das paredes.

  • 38 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, op. loc. cit., pp. 16 20. Os Autores menc (...)

31As mais das vezes, a construção é em alvenaria – o opus incertum –, a seco ou com argamassa de terra ou barro, com rachas a colmatar as fendas maiores. Tal é o caso do paramento interior, que é sempre de um aparelho irregular e pobre, de pedras pequenas e pouco lavradas. O paramento exte rior é em geral nesse mesmo opus incertum, mas de materiais maiores e me lhor lavrados do que o interior, e que se apresenta segundo dois sistemas: 1) o aparelho irregular (como no paramento interior) – raro nas casas, e usado sobretudo em muros, anexos, etc.–; e 2) o aparelho poligonal, de pedras bem lavradas, muitas vezes dispensando mesmo as rachas – que é o mais usual, vendo se também nas muralhas e outras construções –. Além destes, porém, usa se, ainda, por vezes, nas casas, um outro aparelho – o aparelho helicoidal, ou oblongo, o opus recticulatum –, de blocos lisos e lavrados a picão, todos iguais, de fornia regular, quadrada ou losangular, com as arestas talhadas, dispostos com um vértice para o alto, de modo a formarem fiadas que sobem oblìquamente de baixo a cima à volta da parede, como uma rede; Alves Pereira indica, nestes casos, 25 cm para a largura de cada fiada, mas esta conta não é a mesma em todos os casos. Ajustado especialmente às paredes curvas, este aparelho aparece com relativa frequência nos castros minhotos, e é o mais perfeito e luxuoso dos três, e o que confere mais estabilidade e segurança à construção (38).

32Estes vários aparelhos ocorrem quando as paredes são em granito, o que constitui o caso mais corrente; eles usam se então, conforme os casos, geralmente mais do que um no mesmo castro, mas sempre o mesmo de cima a baixo de cada casa. Quando as casas são de xisto, usa se um aparelho específico, em lajes tabulares. Finalmente, num exemplo único, no castro de Meirás, na Galiza, vê se o opus caementicium –uma espécie de taipa grosseira, de terra, pedras e barro – que parece representar uma versão pobre das obras romanas.

33No alto, pelo lado exterior, as paredes terminavam provàvelmente por uma espécie de cornija ou beiral, de placas estreitas, que se encontram com certa abundância nos entulhos das casas.

  • 39 ) Martins Sarmento, «Observações à Citânia, do sr. Doutor Emilio Hübner », Porto, 1879, pp. 13 14. (...)

34Em alguns exemplares, as paredes são ligeiramente abauladas, incli nando se, no alto, para o interior; mas não se sabe a razão desta forma peculiar. De facto, a hipótese de uma cobertura em cúpula, que a explicaria e exigiria, não é de admitir, não só porque a cúpula é uma solução elaborada que, nas bárbaras regiões castrejas, só se conhece com o domínio de Roma, mas mesmo porque o sistema de construção com os dois paramentos sem travação recíproca não a consentiria; acresce que nos entulhos que enchiam os fundos das ruínas das casas castrejas nunca se encontraram pedras talha das em aduelas, o que não poderia deixar de ter sucedido, se as coberturas fossem em cúpula; a hipótese de uma cobertura em falsa cúpula não seria impossível teòricamente, mas não a cremos de aceitar, por razões que expo remos ao tratarmos desse tipo de construção. Aliás, como nota Martins Sar mento, noutros casos as paredes são também abauladas ou inclinadas, mas para o exterior (39). Tem se falado por isso num propósito de facilitar o escoamento das águas; mas o sistema, em vez de a atirar para fora, pro vocaria antes a sua infiltração para o interior das casas.

35Os canteiros castrejos, salvo talvez em alguns casos do final desta cultura típica, não conheceram o cunhal qualificado, de blocos direitos ou atravessados em posições alternadas, e encastrados nas paredes; as quinas vivas, não eram tecnicamente cunhais: as paredes de cada lanço apenas encostavam, sem ligações. Para Albuquerque e Castro, a casa de planta quadrangular de esquinas arredondadas, é «uma flagrante confirmação do desconhecimento da construção dos cunhais por parte das gentes castrejas». Por vezes, puseram se em prática, para obviar aos inconvenientes da ausência de peças fortes nas esquinas, soluções engenhosas: em Santa Luzia, por exemplo, no muro de um cercado, de aparelho helicoidal, inverteu se a meio a direcção das fiadas, que voltaram de novo para baixo, e puseram se. na esquina, os blocos a descer contra essas fiadas e não a subir, exercendo assim uma pressão vertical, ou quase, contra o solo, e não lateral, para fora; a esquina, desse modo, não é um verdadeiro cunhal. Aquele mesmo Autor fala, a respeito de Sanfins, de uma pedra «de formato prismático, de maiores dimensões » do que as usadas normalmente nas edificações cas tejas, e cuja posição, « na esquina de uma casa rectangular, parece indicar que teria sido usada como base de um autêntico cunhal»; mas, acrescenta, essa pedra é sem dúvida já da época romana, «pois apresenta o típico apa relho romano de almofadas rusticadas ».

  • 40 ) Numa casa do castro de Santa Luzia com a parede no sentido vertical for mada por dois corpos cilí (...)

36Idêntica falta de encastramento ou ligações laterais se nota nas ombrei ras das portas, que ora não existem, limitando se a entrada da casa a ser apenas uma interrupção na parede circular, ora são constituídas por blocos verticais, do mesmo modo apenas encostados às paredes onde elas se inter romperam, sem os dentes postos ao baixo a embutir nessas paredes (40).

37No lugar onde se ergue a casa, preparou se quase sempre o terreno, de modo a conseguir se a sua horizontalidade, fosse picando a rocha, fosse entulhando esses fundos com um enchimento de terra. Por vezes o pavi mento interior ficava, por isso, acima do nível da rua – em Santa Olaia 10 cm acima da base dos envasamentos ou alicerces–. Muito raramente, o nível interior da casa é inferior ao do exterior; em Pendia e em Santa Olaia, por exemplo, vê se, à entrada, um degrau interior (no último caso de pedra e barro), a seguir à soleira. O pavimento, térreo, é em geral constituído pelo solo natural, com terra argilosa ou em saibro calcado e batido, e endurecido pelo uso. Excepcionalmente vê se um lajeado de ladri lho ou –por exemplo em Paderne – de pedra. Em S. Miguel o Anjo, Alves Pereira notou, numa casa, um ligeiro reboco, também de barro ali sado, nas paredes interiores; e, numa pedra ornamentada encontrada nos ali cerces de outra casa, vestígios de pintura vermelha ou atijolada nos lavo res em relevo.

38Exteriormente, em volta das casas, o solo era muitas vezes empedrado, por vezes com alguma inclinação para fora, para impedir que as águas cor ressem para dentro de casa; em alguns casos, vê se mesmo, aí, um rego de escoamento.

39A lareira, nestas casas, situava se ora no centro do pavimento circular, ora junto à parede, ora contra um muro interior, em alguns dos casos raros em que este existe – por exemplo o castro de Cameixa –, ora finalmente em qualquer ponto sem localização certa. Normalmente, o fogo acendia se directamente sobre o solo; em Briteiros, porém, em várias casas, a lareira, central, era constituída por tijolos; outras vezes – em Cameixa, Meiras, Troaña, Pendia, etc. –, ela era ora um rectângulo, uma meia elipse, um círculo, um polígono de lousa, rodeados por pedras; ora uma placa de barro com rebordo ou em forma de « cista » pouco cavada, em que por vezes um dos lados é a própria parede; ora uma laje plana e outra a prumo, não raro decorada; ora um núcleo de barro rodeado de pedras e que seria tapado por lajes; etc. Há também vestígios de fogo nos alpendres.

40As muralhas, as mais das vezes em número de três, mas em certos casos duas ou mesmo apenas uma, mais ou menos afastadas umas das outras e com fossos de permeio, são constituídas por dois muros paralelos, com um aparelho forte, irregular ou poligonal, de blocos pequenos ou grandes (mas nunca verdadeiramente ciclópico), com o espaço entre elas cheio de pedras e terra; elas têm em geral uma espessura média de cerca de 2 m – de 1,80 m a 2,60 m em Santa Luzia –, adelgaçando muitas vezes onde há afloramentos naturais de rocha que ajudam à defesa, engrossando pelo contrário nos pontos mais vulneráveis, e por vezes com torreões e muros acessórios de reforço. Em Briteiros, a muralha exterior dista de 30 a 100 m da interme diária, e esta cerca de 40 m da interior, aproximando se mais ou menos conforme as exigências de uma melhor defesa. A sua altura é incerta: talvez 5 m (em Briteiros); em Santa Luzia, hoje, elas não mostram mais de 1,50 m, mas é notório que eram muito mais altas. Em vários pontos, escadas de acesso à plataforma embutiam se na espessura da muralha, e rasgavam se portas de entrada. Em Briteiros, vêem se sete portas, com cerca de 1,15 m de largura, donde partem as principais calçadas que, subindo a encosta, cortam a povoação.

41Na quase totalidade dos castros nortenhos, as paredes das casas, hoje, raríssimas vezes excedem a altura de 1 m, embora seja visível que, originàriamente, elas eram mais elevadas; e, nos entulhos que enchem o seu inte rior, encontram se, além de pedras, por vezes afeiçoadas, em maior ou menor quantidade, pedaços de barro com sinais de ramagens gravados numa das faces, geralmente a que fica voltada para o solo. A questão da altura ori ginária é pois um problema, que aliás se relaciona com o da natureza da parte da parede que desapareceu, e com o da cobertura das casas. Supomos de resto que, à semelhança do que se passa hoje, naturalmente, por toda a parte, as casas castrejas não teriam todas a mesma altura nem sequer a mesma estrutura e composição fundamentais: em especial, parece nos de admitir que, nas casas de xisto, as paredes de pedra fossem mais altas do que nas de granito.

42No que se refere às casas castrejas de planta circular, com paredes de granito, Alves Pereira menciona um exemplo no castro de S. Miguel o Anjo, do qual subsistia um troço de parede que media 2,25 m de altura; e outro, em Cendufe, que foi modernamente aproveitado, sem que, «ao que parece», a sua altura fosse modificada, e que media 3,80 m de altura (por 3,60 m de diâmetro interior). Nós próprios observamos, na cividade de Ancora, uma casa cuja parede media um pouco mais de 2 m de altura (sem que porém se pudesse dizer com segurança se parte dela não seria já alicerce); o seu aparelho exterior era poligonal, e no entulho que a enchera, encon travam se pedras – algumas talhadas com a forma própria desse apare lho –, que poderiam corresponder ainda a uma altura de cerca de 60 cm. Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez citam também uma, no castro de Santa Tecla, com paredes de 1,70 de altura, e outra, em Coaña (aliás em xisto), com paredes de cerca de 4 m (além de mais duas de planta quadrangular com paredes de 3 e 3,50 m de altura). Estes Autores, observando além disso a quantidade de pedras que se encontram por vezes no interior das casas arruinadas ou ao seu lado, a par das paredes que se conservam de pé, e bem assim a altura das ombreiras e padieiras das portas – entre 1,60 e 1,80 m – encontradas em Briteiros e Âncora, entendem que se pode esta belecer, como medida média da altura das paredes das casas redondas cas trejas, 3,80 m a um pouco mais de 4 m. Abel Viana aceita esta opinião, e atribui a priori às casas do castro de Santa Luzia as alturas indicadas pelos dois arqueólogos galegos; em todo o caso, neste castro, onde a abundância do aparelho helicoidal indigita uma cronologia mais recente, encontramos uma casa cuja parede media cerca de 2 m de altura. Aliás são estas também as medidas indicadas nas duas hipóteses de reconstituição das casas do castro de Santa Luzia, propostas por Alves Pereira. Martins Sarmento, por seu turno, encontra, em Briteiros, paredes traseiras de casas, protegidas por um muro, algumas das quais têm 2 m e mais; e na reconstituição efectivá de duas casas circulares que efectuou nesse castro, deu lhes uma altura igual ao diâmetro; mas mais tarde reconheceu que errara: – «sem dúvida nenhuma», afirma, «eram mais baixas ».

  • 41 ) Vitruvio, op. loc. cit. Ver Nota 79.

43Para estes vários Autores portanto, as casas castrejas de planta circular tinham paredes altas, inteiramente em pedra. Para outros autores, essas paredes eram também elevadas, mas apenas com um envasamento baixo de pedra, e, de certa altura para cima, um alçamento de adobes ou de madeira e ramos encanastrados (fachinagem) cobertos de um indumento de barro amassado, nessa maneira primitiva de construir de que fala Vitruvio, a pro pósito destas regiões peninsulares (41).

44Assim, Santos Rocha, do estudo de certas casas do castro de Santa Olaia, nos arredores da Figueira da Foz – de resto de planta quadrangular – inclina se para a hipótese das paredes altas: aproximadamente 3,20 m; mas as suas razões são diferentes das dos dois arqueólogos galegos. Com efeito, segundo este Autor, «um facto importante se notava nestas ruínas; e era que as paredes de cada uma das casas melhor conservadas eram sensivelmente da mesma altura. Difícil seria explicá lo pela hipótese de as casas, em toda a sua altura, terem sido construídas com materiais semelhantes » – a pedra – «a não admitir que o tempo ou a mão do homem destruiram a parte superior das construções por uma medida certa, deixando regularizada a face superior dos envasamentos! Ao contrário, a explicação é fácil desde que se admita que estes envasamentos suportaram muros de adobe... Para converter as nossas hipóteses em certeza um feliz acaso nos conservou restos desses alçamentos de adobos... Um fogo intenso teve lugar numa construção de madeira, contígua à casa...; e sobre a camada de carvões e cinzas que cobria o pavimento, estava caído um lanço de parede de adobos meio cozidos pela acção do calor; parede cuja base se foi encontrar junto do alicerce oriental daquela casa. Era mani festamente o alçamento suportado pelo mesmo alicerce e talvez também em parte por um seu prolongamento. Este alçamento não tinha menos de 2,50 m de altura e como o alicerce (ou envasamento) media na altura 70 cm, a altura total do edifício seria aproximadamente 3,20 m. Na face inferior, que estava em contacto com os carvões e cinzas, esta parede apresentava a superfície quase lisa em muitos pontos; o que era devido sem dúvida, ao maior grau de cozedura desse lado; mas na face superior estava corroída e desigual... Assim, se o alçamento das casas era feito com adobos, fácil é de explicar o soterramento dos envasamentos em um período relativamente curto. Abandonadas as povoações, as águas pluviais reduziram as paredes a terra pura; e estas massas de entulhos, cobrindo os alicerces, foram ele vando o nível do solo».

45Esta descrição suscita algumas dúvidas: tratar se á verdadeiramente de adobes, ou simplesmente de um revestimento espesso de barro? Além de isso, o Autor não diz se no interior das casas arruinadas havia ou não entulho de pedras (que poderiam então ter pertencido às paredes); nem se compreende cabalmente qual a razão porque o Autor afirma que esse alçamento de barro que o calor do fogo cozeu salvando o assim da destruição que desfez os demais, competia necessàriamente ao envasamento oriental da casa. Jorge Dias, com efeito, pergunta se ele não constituiria o « revestimento de barro da cobertura», ou talvez das paredes vegetais e porventura mesmo desse anexo contíguo à casa, onde se encontrava o alçamento caído.

46Seja como for, se em relação a Santa Olaia (onde as casas são de planta quadrangular) se pode admitir que as paredes de pedra se prolongavam por um alçamento de adobes (e deve notar se que esta hipótese joga necessària mente com a hipótese do Autor acerca da cobertura, a que adiante aludire mos), o facto não deve nem pode generalizar se a todas as casas castrejas, especialmente de outras regiões e de planta circular: além de mais razões, há que ter em mente, uma vez mais, a diversidade dos condicionalismos naturais e, consequentemente, das soluções que eles determinam. A hipó tese das paredes de pedra e «adobes» – paredes baixas de pedra, prolon gadas por alçamentos de barro –, pode ter cabimento em certos castros do Sul, onde o barro existe em abundância – e que é ainda hoje, a área portu guesa do barro como material fundamental da construção –; mas ela afigura se nos pouco provável no Noroeste granítico, onde o adobe é totalmente desconhecido e desnecessário. Hübner, por seu turno, admite em princípio que esses alçamentos fossem em madeira, e, quando a soleira é alta, que neles se achasse o rasgo da porta.

  • 42 ) Relativamente a Briteiros, Martins Sarmento, op. loc. cit., p. 14, nota que não há razão para sup (...)

47Para Mário Cardozo e Jorge Dias, as paredes de pedra, de granito, eram muito mais baixas – na realidade, pouco mais altas do que aquilo que, na generalidade dos casos, as ruínas mostram. É evidente que se as paredes fossem muito mais altas do que isso, ter se iam encontrado, nos entulhos das casas, pedras talhadas em grande quantidade, correspondendo à parte das paredes destruídas; e isso seria bem notório especialmente no caso das paredes com aparelho helicoidal; ora, não nos parece que tal tenha sucedido. Sem dúvida, as escavações dos castros foram muitas vezes feitas sem os cuidados de uma metodologia rigorosa (a despeito das recomendações de Leite de Vasconcelos) ; e, em particular, não vemos referências exactas a esse pormenor essencial (exceptua se por exemplo o castro de Coana, atrás citado, onde, como dissemos, se encontraram muitas pedras, indigitando pare des elevadas; mas esse castro é de xisto) (42); supomos contudo que, se essas pedras tivessem aparecido em número notoriamente avultado, haveria certa mente qualquer referência ao facto.

  • 43 ) Cit. por Jorge Dias, «O problema...», p. 14.

48Lopez Garcia é também de opinião que as casas castrejas tinham as paredes de pedra baixas, e entende mesmo que as padieiras das portas deviam ser formadas já pela própria armação da cobertura, visto que as paredes não chegavam até essa altura (43).

49O problema é sem dúvida de muito difícil resolução. Algumas das hipó teses propostas são talvez válidas para os exemplos que as sugeriram; mas nem se podem considerar de aplicação geral, nem, mesmo em relação a esses exemplos, têm mais do que um mero valor conjectural.

50Em qualquer caso, as razões aduzidas em apoio da hipótese das paredes de pedra altas, embora de peso, não nos parecem porém concludentes: 1) Os exemplos de Alves Pereira, da cividade de Âncora, e Lopez Cuevillas e Lo renzo Femandez, são em número muito reduzido – um em S. Miguel o Anjo, um em Cendufe (que aliás é incerto) um em Âncora, um em Tecla (que é baixo), três em Coaña (em casas de xisto, e das quais duas são de planta rectangular, onde a questão se põe diferentemente). Eles podem mesmo constituir casos esporádicos ou excepcionais nos próprios castros onde ocor rem – edifícios comuns ou importantes, ou casas de gentes mais abasta das ou que necessitassem de instalações mais avultadas – ou mesmo edi ficações já do período da romanização. As portas de Briteiros e Âncora, que medem entre 1,60 e 1,80 m (por cerca de 1 m de largura) nada provam também. Além de serem mesmo de uma altura relativamente baixa, elas constituem verdadeiras peças de luxo, ricamente decoradas, que pertenciam manifestamente a casas mais ricas e que portanto poderiam ser maiores do que o comum. Na de Briteiros, a padieira é hoje uma verdadeira lápide epigráfica, donde consta o nome e qualidade do seu proprietário, em latim – Coroneri Camali Domus –; se esta lápide é coeva da casa, esta situa se claramente no período da romanização dos castros, em que já se faria sentir a influência de conceitos, elementos e proporções novas; se é posterior – e assim no lo parece, visto que interrompe bruscamente e desarmònicamente a linha da decoração das ombreiras, patente com tanta segurança em Âncora –, e se foi ali posta ulteriormente, na época final, em substituição da padieira originária, parece nos que essa substituição só teria sido possível desde que não houvesse muita mais parede acima da mesma padieira – isto é, por outras palavras: a parede de pedra terminava pouco mais ou menos à altura da mesma padieira –. Acresce que, em qualquer caso, as paredes de pedra, nas casas a que elas pertenciam, podiam não ter subido acima da altura das suas padieiras : tal é a opinião de Mário Cardozo, e o que aliás sucede nas casas redondas actuais da região do Mondego e de Marvão, como veremos. E Sarmento admite que a altura das portas comuns regulava por 1,22 m.

51A este respeito a opinião de Lopez Garcia merece consideração; de facto, nas casas actuais de planta circular (ou quadrada) da região de Viseu, o rasgo de entrada tem a altura exacta ou é mesmo mais alto do que a parede de pedra – por outras palavras: a parede é mais baixa mesmo do que o rasgo de entrada e não existe a padieira de pedra; como na sua hipótese, é a própria armação da cobertura, de pau, que faz aí as suas vezes.

52Em todo o caso, fica de pé a observação de Martins Sarmento, pelo menos relativamente a Briteiros e a algumas casas, que teriam efectivamente mais de 2 m de altura de paredes em pedra.

53Posta assim a questão, e tendo pois em mente a possibilidade de solu ções variadas conforme os diversos castros e até no mesmo castro, inclinamo nos para a hipótese das paredes de pedra baixas como regra mais geral nas casas castrejas. Na verdade, e embora na maioria dos casos não se tenha tomado nota da quantidade de pedras que existiam nos entulhos das ruínas dessas casas, e, por outro lado, não se explique bem aquelas que aí jaziam, o certo é que, de todas as maneiras elas não parecem, como notou Jorge Dias, suficientes para representar paredes que tivessem tido 4 m de altura; e sobretudo, como dissemos, no caso de paredes com aparelho helicoidal, deviam encontrar se pedras talhadas dessa forma em grande número, o que não aconteceu. Além disso, há que considerar que, em qualquer caso, pare des de pedra de 4 m de altura seriam extremamente difíceis de cons truir e de sustentar com os meios de que então se dispunha e com o sistema de duplo paramento sem juntouras; e mal se compreende então que se lhes desse essa altura, que era inteiramente desnecessária (excluída a hipó tese das casas terem dois pisos, ambos com paredes de pedra, o que é inad missível dada a relativa falta de estabilidade da construção castreja).

54Finalmente – e acima de tudo – os exemplos actuais que conhecemos de casas de planta circular, mormente as de parede de granito (que consti tuem sem dúvida remotíssimos arcaísmos pouco ou nada evoluídos), têm alçados baixos – de facto pouco mais altos do que as paredes das ruínas das casas redondas castrejas.

55Supomos pois, em conclusão, que, em geral, as casas castrejas medianas de planta circular, pelo menos nas regiões graníticas e antes da romanização final dessas estações, tinham paredes de pedra baixas, que não deviam ultrapassar a altura de 2 m, terminando ao nível ou mesmo abaixo da padieira de entrada. A par delas, ver se iam outras, de alturas diferentes, maiores ou menores, talvez em certos casos com alçamentos em materiais leves.

56O problema da cobertura das casas castrejas de planta circular acha se também em aberto, e relaciona se em parte com o da altura das paredes, que analisamos. Como este, ele deve talvez comportar soluções diferentes nos vá rios castros, e até mesmo dentro do mesmo castro, conforme as dimensões e natureza das casas, riqueza e importância dos seus habitantes, e porventura outros factores ainda.

57Excluídas as hipóteses das coberturas em cúpula ou falsa cúpula, a grande maioria dos autores pende para a hipótese da cobertura cónica em materiais vegetais, pousada sobre a parede, e ora apoiada ora não sobre uni espeque ou esteio central de pau, que pousa no solo. Dentro da hipótese das paredes baixas, uma cobertura desse tipo teria necessàriamente de ser alta, sob pena de mal se caber dentro da casa; pelo contrário, dentro da hipótese das paredes altas, essa forma seria dificilmente admissível, e a cobertura em materiais vegetais seria ou de formato cónico mas baixa, ou de uma ou duas águas.

58Em muitas casas, em Briteiros, Lanhoso, Santa Luzia, Terroso, etc. e em castros galegos, aparece, no centro do pavimento térreo, ao nível do solo, uma pedra com um buraco no meio, onde verosìmilmente se cravava o espe que central de sustentação da cobertura: contra ele, no alto, fixar se iam os caibros da armação, lançados, em baixo, do círculo da parede.

  • 44 ) Estas soluções foram sugeridas aos Autores pelo que observaram em duas casas actuais de planta ci (...)

59Na hipótese das paredes altas, de Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, o cone da cobertura seria baixo, e o espeque indispensável para a sua susten tação. Em inúmeros outros casos e exemplos, porém – Sanfins, e mesmo em Briteiros, etc. – a par dessas com pedra a meio, aparecem casas em que tal pedra não existe. Isto pode significar ou que o esteio pousava directa e sim plesmente na terra, mais ou menos calçado com pedras soltas – e então a cobertura seria naturalmente como no caso anterior – ou que o esteio não existia. Esta última hipótese é de resto confirmada, em outros casos, pela existência de sinais evidentes de fogo no centro do pavimento, indicando que, nesses casos, se situava aí a lareira, e não o esteio. Quando não existe esteio, podem por sua vez aventar se várias hipóteses quanto à armação da cober tura, conforme a altura que se atribui às paredes: se as paredes são altas, segundo Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandes a armação sem esteio pode então ser: a) –do sistema de tixeiras (tesouras), que embora seja sem dúvida mais próprio das casas de planta quadrangular, pode ter sido aplicado às redondas, por ser mais sólido do que o sistema da cobertura cónica: «as tra vessas da armação assentam em ângulo, e a horizontal, onde se alinham os vértices, sobre vigas que se apoiam na parede»; o problema da adaptação de uma cobertura deste género a uma casa de planta circular resolve se por duas maneiras: colocando uma tesoura em cada topo, sobre a parede, e pas sando entre elas a viga onde assentam para cada lado os barrotes que sus tentarão as duas águas; ou colocando uma tesoura apenas num dos topos, e levantando, no outro topo, a parede de pedra de modo a dar lhe uma forma triangular curva, correspondente à da tesoura (44); ou b ) –uma armação linear simples, correspondendo a uma cobertura de uma só água. É evidente que esta hipótese, naqueles autores, se justifica porque ela parte do pressu posto das paredes altas; nessas condições, sem esteio, a cobertura cónica parece nos difícil de admitir: a alta, porque elevaria desmedida e desneces sàriamente o edifício, em prejuízo do seu equilíbrio; a baixa, porque exer ceria sobre as paredes onde se fixasse uma pressão lateral que deveria pôr em risco a sua segurança.

60Resta, pois, para as casas de planta circular, sem esteio central, a hipó tese da cobertura cónica alta, que parte, pelo seu lado, do pressuposto das paredes baixas: a própria inclinação dos caibros, terminando, em cima, em forcas que engalham nas dos demais caibros, faz com que a pressão da cober tura se exerça quase verticalmente sobre a parede, conferindo lhe a segurança necessária. É este o sistema que nos parece mais de admitir, como solução mais geral da cobertura (que porém poderia sofrer muitas excepções), e que corresponde à quase totalidade dos casos actuais, onde o esteio central é raro.

61Como comenta Jorge Dias, «as paredes não deviam ser de facto, muito mais altas que as que se encontram nas ruínas»: tal como sucede com vários exemplos actuais que conhecemos de género semelhante, «a solução da altura das casas estava afinal na cobertura e não nas paredes. A cobertura cónica, alta, permite viver se dentro dessas cabanas de paredes baixas perfeitamente à vontade ».

62Além destes sistemas, há ainda que admitir as coberturas de telha, tegulae ou imbrices, de tipo romano, que existiam, com certeza, visto que, entre os entulhos das ruínas dos castros, aparecem fragmentos desses géneros de telha. Elas usaram se pois pelo menos depois da conquista romana, e cor responderiam então a coberturas de uma ou duas águas. Tais coberturas são mais usuais, sem dúvida nas casas de planta rectangular, onde seriam pois talvez de admitir como regra, pelo menos nos edifícios da época final; mas elas podem ter existido também nas casas de planta circular: em muitos casos actuais, assim sucede, ou como soluções originárias, ou, muitas vezes, como adaptações posteriores, feitas em casas que originàriamente tinham uma cobertura cónica de materiais vegetais. Seja como for, os fragmentos de telha achados nos castros, conquanto relativamente abundantes, não o são contudo em quantidade que permita supor que representavam a cobertura sequer de um número apreciável de edifícios; em muitas estações, eles faltam mesmo completamente – por exemplo em Santa Olaia, onde as casas eram todas de planta quadrangular–. A telha, nos castros, embora tenha certamente sido usada em alguns casos, não só não é portanto um facto geral e comum, mas constitui além disso, evidentemente, uma aquisição cultural posterior, por ventura aplicada apenas em certas casas e sobretudo nas de planta quadrangular. Por todas estas razões, Martins Sarmento admite que as casas com cobertura de colmo tivessem por vezes a beirada de telha; Mário Cardozo não aceita esta hipótese, que porém ainda hoje se vê em muitos casos.

63O revestimento mais geral e característico da cobertura seria verosimil mente em palha ou giesta, como hoje. Como notam Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, o cultivo das gramíneas no Noroeste peninsular documenta se desde o Neolítico, nos restos de sementes queimadas encontradas em vários sítios arqueológicos – Faria, Paderne, etc. –; e de facto, em Coana, Garcia y Bellido encontrou, nas ruínas de várias vasas, sinais de palha carbonizada, que certamente pertencera às suas coberturas. A giesta, de mais fácil susten tação, foi também provavelmente usada, igualmente como hoje em muitos casos; Afonso do Paço indica a conjecturalmente em Sanfins, notando curio samente que ainda agora, dentro do recinto do velho castro, abunda essa planta. Em múltiplos casos, estes materiais eram provavelmente revestidos de barro, como se depreende desses fragmentos de barro que se encontram nos entulhos do interior das casas, por vezes queimados pelo fogo, e com sinais gravados de ramagens ou palha; quando esses fragmentos têm todos a face lisa contra o pavimento, isso significa que pertenciam a um reves timento interior, que aluiu; mas a sua diminuta quantidade faz supor que decerto não se tratava de um revestimento a toda a altura nem talvez mesmo a toda a volta: seria provavelmente a vedação apenas de um sector da base da cobertura. Martins Sarmento, na sua refutação à hipótese da cobertura em falsa cúpula e para explicar a presença de telha nas ruínas de Briteiros, admite coberturas de colmo, baixas (porque, na sua opinião, as paredes eram altas), pousadas sobre uma beirada de telha; esta hipótese porém, não parece defensável. Alves Pereira finalmente, sugere uma arma ção de barrotes, trabalhados sumàriamente não à serra mas a machado, sobre os quais assenta uma caniçada, que sustenta uma cobertura de couros crus (nas habitações mais custosas), ou de colmo, neste caso revestido de barro batido. Essa cobertura, de forma cónica, seria, quando de couro, pro tegida por dez barrotes encruzados pelos extremos superiores (como nas urnas cabanas da Itália, e nas actuais cabanas dos campos).

  • 45 ) António dos Santos Rocha, « Estações pré romanas da Idade do Ferro nas vizi nhanças da Figueira » (...)

64Relativamente às casas de planta quadrangular, em Santa Olaia, Santos Rocha entende, semelhantemente, que a sua cobertura era de fachina, reco berta a barro (pelo lado exterior), de acordo com os vestígios encontrados: o Autor recolheu ali «pedaços de argila que sofreram a acção do fogo, apre sentando impressões de ramos de árvores, às vezes lascados, e de caniços, como os que ainda hoje crescem nas próximas valas do campo... Evidente mente, a argila mole fora estendida e batida sobre uma espécie de fachina (ou ramos entrelaçados), e, recebendo o calor do fogo, adquiriu um certo grau de cozedura» (45). Estes pedaços de argila é que parecem ao Autor pro vir da cobertura das casas: «a fachina seria posta sobre travessas de madeira, apoiadas pelas suas extremidades sobre as paredes, e coberta com barro bem batido». «Era o sistema usado na Península, pelo menos desde a primeira idade dos metais», em choças de planta circular inteiramente em materiais vegetais, como ficou dito.

65A hipótese da cobertura plana de fachina recoberta de barro exte riormente (que Mário Cardozo admite em certos casos), parece nos porém difícil de aceitar, nessas regiões de clima chuvoso; mas poderia tratar se de uma cobertura dessa espécie de uma ou duas águas, se não mesmo de formato cónico : ainda hoje, em pequenos abrigos e especial mente em terras mais secas, no Alentejo, por exemplo, se vê o reves timento exterior de terra para melhor vedação. Igualmente verosímil é que se trate de um revestimento interior de paredes verticais; isso parece ser confirmado, em relação a essas choças mais primitivas inteiramente em mate riais vegetais, pela presença de inúmeros restos de barro com sinais impres sos de ramagens que se encontram em muitas estações arqueológicas. Aliás, hoje em dia, nas cabanas de planta quadrangular inteiramente em materiais vegetais, na região do Sado, em Santo André, etc., como veremos, costumam revestir de uma camada de barro, por vezes muito espessa, partes das pare des verticais, nomeadamente as que circundam a lareira.

66Muitas destas casas – designadamente todas as casas de planta quadran gular e as de planta circular que possuem alpendre – têm uma entrada nor mal, ao nível do solo exterior, e que é perfeitamente reconhecível pelos ves tígios que restam de soleiras. Como dissemos, Martins Sarmento, a partir de uma portada quase completa encontrada em Sabroso, indica como altura média de ombreiras, 1,22 m. Os citados exemplos de Briteiros e Âncora medem 1,60 e 1,80 m de altura, por cerca de 1 m de largura; excepcional mente, numa casa em Cameixa, essa largura é apenas de 84 cm. Em Âncora e Sabroso, ombreiras e padreiras são monolíticas; em Briteiros compõem se de dois ou três blocos justapostos – em ambos os casos, como dissemos, simplesment encostados às paredes, sem travação lateral –. Estes três exem plos são notàvelmente decorados, e podem considerar se peças de luxo; é por isso natural que, nas casas vulgares, aqueles elementos fossem de meno res dimensões e mais pobres e toscos, e que aparecessem mesmo padieiras de madeira.

  • 46 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit., pp. 36 37, notando que as furas para os couçõ (...)
  • 47 ) Ibid.

67As soleiras e padieiras apresentam em geral determinados rasgos e furas que indigitam a existência de portas de madeira de uma ou duas folhas, girando por meio de coucilhos ou couções, normalmente de madeira como a porta, mas por vezes de ferro, mais finos, jogando em buchas também de madeira cravadas nas padieiras ou soleiras (46); em alguns casos, porém – por exemplo em várias casas de Briteiros – vêem se cortes inclinados, praticados na face de algumas ombreiras, que, de acordo com Mário Cardozo, parecem indicar que «a porta, de madeira, seria talvez amovível, fun cionando à maneira de um taipal, colocado pelo lado interior da habitação, não verticalmente, mas um pouco tombado para fora, para se manter pelo seu próprio peso numa posição estável, sendo depois fixo, por meio de fer rolhos ou tranquetas, que lateralmente encaixavam na pedra» (47).

68Quiçá mais numerosos ainda são os casos em que os envasamentos não têm qualquer abertura de entrada, nem sinais de soleira ; e a explicação do facto, e a questão da entrada das casas castrejas nessas condições, constituem também um problema em aberto, para o qual todas as soluções apontadas são apenas conjecturais. Entre essas hipóteses, Mário Cardozo enumera duas, que lhe parecem, com razão, indefensáveis: aquelas que julgam que nesses casos não se trata de casas de habitação pròpriamente dita, mas sim de edifí cios tumulares ou de silos para cereais ou forragens. Com aquele mesmo, e aliás com a quase totalidade dos autores, supomos que se trata de casas que tinham a soleira de entrada elevada – de 70 cm a 1 m acima do solo: de facto, aproximadamente à altura das paredes que se conservaram em pé –; a ela se devia pois ascender por uma pequena escada de pau. Numa casa, em Santa Luzia, a parede foi reforçada em baixo até cerca de 80 cm do solo, mostrando, a essa altura, a soleira. Num exemplo actual, em S. Barnabé, na Serra algarvia, num palheiro de planta circular, existe, na parede de pedra (que tem cerca de 1,80 m de altura), uma porta não ao raso mas a cerca de 80 cm do solo, por onde se entra e se retira a palha ( de resto além da habitual portinhola na cobertura de colmo, por onde se carrega a palha) (des. 30). Certos Autores admitem, como vimos, que a casa castreja tinha as paredes altas, de pedra ou com alçamentos de materiais leves acima de envasamentos de pedra: neste caso, a porta abrir se ia nessas partes. Se porém as paredes eram baixas e a cobertura pousava pouco acima do que delas resta, a entrada teria, total ou parcialmente, de ser por uma abertura nessa cobertura. É essa a opinião do Padre Eugénio Jalhay, relativamente ao castro de Sanfins, e aquela que Jorge Dias perfilha por comparação com certos casos actuais, que patenteiam mesmo conjectural mente o processo de evolução deste elemento construtivo: « Nas cabanas todas construídas com materiais vegetais por nós encontradas em Prime, Fragozela, a porta estava aberta na giesta junto ao solo. Noutras cabanas idênticas, do mesmo lugar, mas assentes numa parede circular de pedra, a construção aproveitava a irregularidade do terreno, de maneira que a entrada da parte superior se mantivesse também ao nível do solo. É pois possível que outrora, quando alguns homens passaram da construção vege tal a outra mista, com parede baixa de pedra, mantivessem a porta na parte vegetal e se limitassem a construir um pequeno tronco de cilindro de pedra, contínuo. Como a parede era baixa, a entrada não oferecia grande difi culdade e a parede de pedra devia preservar melhor da humidade. Mais tarde, de invenção em invenção, chegaram à ideia da porta aberta, mais cómoda». Rasgasse se portanto a entrada das casas castrejas de soleira ele vada num alçamento de materiais leves ou na cobertura, ascendia se a ela, por fora, por uma escada móvel, descendo se depois para o solo, por dentro, por outra escada. Em Santa Olaia e Pendia, vimos que, em casas cujo pavi mento ficava abaixo do nível exterior, existiam, a seguir à entrada, degraus interiores de pedra, provando que, aí, para entrar, se descia : no caso comum, a solução podia pois ser semelhante.

69A razão desta localização da entrada nas casas castrejas não se pode conhecer com segurança : como defesa contra enxurradas ou humidades, ou para vedar a entrada a animais, como aventa Mário Cardozo? A com paração com as cabanas de Prime, feita por Jorge Dias, sugere porém novas perspectivas e problemas. Em Prime, as casas geralmente localizam se em declives, e a entrada pela cobertura explica se porque fica assim nas traseiras, ao raso do solo; mas vimos aí uma barraca situada em terreno plano– o que a aproxima da situação normal da casa castreja – com entrada, apesar disso, igualmente pela cobertura, e acesso exterior por uma escada móvel. Nessa área beirôa, porém, as barracas de que fala Jorge Dias têm sempre dois pisos; a abertura na cobertura constitui a entrada para o piso alto; para o térreo, entra se por uma porta rasgada na parede de pedra. Teriam as casas castrejas –pelo menos as de soleira elevada – também dois pisos, um térreo, baixo, sem abertura para o exterior, ser vindo talvez de celeiro ou loja, e um elevado, para habitação, com comu nicação apenas interior com o térreo por uma escada, que em regra, seria de pau (visto que em mais parte nenhuma aparecem vestígios de escadas de pedra com essa localização)? Mário Cardozo admite mal uma escada de pau, difícil de fazer, numa região onde a pedra é tão abundante como ali; mas, na verdade, nessas casas beiroas actuais – numa região onde abunda igualmente a pedra – de planta circular (e em alguns casos quadrangular), igualmente em pedra e com cobertura de materiais vegetais, encontramos uma solução afim desta, embora em termos inversos: a casa tem dois pisos, mas a entrada é apenas pelo térreo, ascendendo se ao de cima por uma escada de pau amovível, que encosta a uma espécie de alça pão aberto no pavimento desse piso. Admitindo que a casa castreja tivesse dois pisos, a entrada poderia pois fazer se por um rasgo aberto na cobertura, para o piso superior, como em Prime, descendo se depois para o térreo por uma escada de pau amovível, encostada a um alçapão aberto naquele piso. Em vista à apreciação crítica desta última hipótese, tor nava se necessário investigar se nas casas castrejas cuja parede não tem abertura existem sinais de cozinha no pavimento térreo : no caso afirmativo, é porque não existia o piso superior; o caso negativo, pelo contrário, seria um argumento a favor da existência desse piso. E em relação a este último caso, pode se ainda admitir que se cozinhasse num anexo exterior à casa de habitação.

70Seja como for, parece nos mais uma vez que as soluções deviam ser múltiplas, e que no mesmo castro apareciam certamente ao mesmo tempo casas com a entrada ao nível do solo e outras com a entrada alta, umas vezes aberta ainda nas paredes de pedra poucos decímetros acima desse nível, outras vezes em alçamentos ou talvez já na cobertura de materiais vegetais; e, paralelamente, casas apenas com o piso térreo, a par de outras possivel mente com dois pisos – tal como hoje vemos nas regiões e povoados onde ainda ocorre a casa de planta circular.

71A casa castreja de planta circular, em geral (tal como sucede com a casa de planta circular por toda a parte) não parece ter possuído janelas ou outras aberturas além da porta. Como porém nota Martins Sarmento relativa mente a Briteiros, as paredes «estão arrasadas até abaixo da linha onde podiam ficar as janelas, sendo impossível, até hoje, saber se se as casas da citânia as tinham ou não. Uma pequena soleira, que não podia ser de porta, é o único indício a favor; todos os mais são contra». O mesmo Autor admite também conjecturalmente que as pedras com triscelos vasados estivessem, ali, embutidas nas paredes, a servir de janelas para deixarem passar a luz e o ar para o interior da habitação; Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez consi deram porém essa hipótese incerta e improvável. Estes mesmos autores, acerca do castro de Tecla, falam de uns buracos nas paredes das casas, junto ao solo, que se podem interpretar como sendo janelas; e Mário Cardozo assinala, nesse mesmo castro, uma casa, «com sua janela ainda intacta », mas que se deve considerar uma excepção.

72Como dissemos, as casas castrejas são muitas vezes precedidas de um pequeno recinto vedado, vestíbulo ou alpendre – um muro, geralmente menos espesso do que as paredes das casas, e que hoje em geral não tem mais do que 1 m de altura, como essas paredes –. Esses recintos, para os quais abre a entrada da casa, são ora em curva (mais ou menos paralela à parede da casa), ora lineares, ora, mais raramente, em cotovelo. A sua forma ori ginária é também um problema a que só conjecturalmente se pode responder.

73De acordo com as hipóteses de reconstituição de Alves Pereira, o alpen dre, em Santa Luzia, era apenas de protecção à entrada da casa, simples e ligeiro, aberto pela parte superior. O muro que o delimita teria aproxima damente a altura que mostram as suas ruínas, e sobre ele elevavam se uns pilares baixos de pedra onde assentava a armação da cobertura, que seria de colmo e giesta, e partiria do beiral da parede. Exteriormente, alguns cou ros crus serviriam de defesa contra a chuva. O pavimento era de barro batido ou lajeado, mais elevado que o terreno.

74Numa hipótese de reconstituição feita, em desenho, por Mário Cardozo, relativamente a Briteiros, os alpendres seriam também abertos na parte supe rior, e compor se iam de um muro baixo, recoberto por uma aba que pro longa a cobertura, nos mesmos materiais do que esta, e apoiada em pilares que pousam sobre o muro – curvo nas casas de planta circular, linear nas de planta quadrangular –. Em Coana, porém, foi possível reconstituir se com toda a segurança uma dessas dependências, que resultou ficar com paredes seguidas e de 3,50 m de altura. Como dissemos, contudo, Coaña é um caso especial dentro dos povoados castrejos, e não sabemos em que medida as soluções que aí aparecem se podem generalizar aos demais castros.

75Em Santa Luzia, Abel Viana registou uma casa grande que, além do alpendre, linear, tem um outro recinto, em forma de corredor em curva (e ainda um cercado, quadrangular, do qual resta apenas um bocado de parede). A casa tem um pavimento em rocha viva muito irregular; o alpen dre – e o outro recinto curvo – mostram, ao raso do solo, buracos ou boeiros de esgotos; o Autor conclui assim que a casa, a despeito da sua importância e tamanho, devia ser uma corte de gado, com escoamento de urinas para caminhos e eidos cobertos de mato cortado, como é ainda costume nas nossas aldeias nortenhas.

76Muitas vezes, ao lado da casa, vêem se pequenas construções que se relacionam com ela, e que se podem considerar seus anexos; estas são de planta irregular, ora redonda ora quadrangular, mas, como dissemos atrás, em geral mais pequenas e de construção mais pobre do que a das casas de habitação pròpriamente ditas.

77O pastoreio devia sem dúvida constituir uma das bases fundamentais da economia castreja; Mário Cardozo julga que os animais domesticados seriam naturalmente os mesmos da actualidade – além do cão e do gato, o carneiro, a cabra, o porco, e talvez as aves –. Parece por isso legítimo supor que todos estes anexos têm que ver com aquela actividade, tanto mais que, em todos eles, aparecem pedras que se podem interpretar como sendo prisões de gado, para se amarrarem os animais, bebedouros, etc.; isto acon tece mesmo nos próprios vestíbulos ou alpendres – por exemplo em Santa Tecla–(os quais, aliás, sugerem muito sensivelmente as bezerreiras dos nossos actuais cortelhos pastoris serranos).

78Outras vezes, vêem se pequenos recintos murados, que serviriam de eido, e que ora não chegam a fechar nenhum espaço, podendo se supor que se completariam então com vedações de ramagens entretecidas ou outro material leve, ora, pelo contrário, são completamente cercados, sem qualquer abertura de entrada, devendo por isso ter existido uma rampa de acesso, talvez de terra, por onde os animais subiriam para se recolherem.

  • 48 ) Mário Cardozo, « Citânia e Sabroso », pp. 24 25, Nota 3.

79De acordo com Mário Cardozo, Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, a área da casa castreja de planta circular abrange toda a Galiza e parte das Astúrias, até ao rio Navia (e com limites indecisos a Leste), e todo o Norte de Portugal até ao Douro, embora seja já rara em Trás os Montes, dimi nuindo de frequência logo a partir de Chaves; por outro lado, ela penetra em lugares ao Sul e Nascente destes limites– na Beira Alta e nas regiões de Salamanca, Valladolid e Burgos (48), sendo possível, como admite Gar cia y Bellido, que «essa casa se tivesse estendido a uma zona mais larga do que se imagina, aparecendo hoje os seus vestígios com maior intensidade ape nas nos sítios onde, pela abundância de granito ou do xisto, a vivenda era construída de pedra, e portanto mais duradoura do que a levantada com materiais ligeiros, que o tempo naturalmente destruiu ».

  • 49 ) Antóno Jorge Dias, «Las Construcciones circulares», pp. 173 186.
  • 50 ) Mário Cardozo, op. loc. cit.

80No que se refere às origens das construções de planta circular, sob o ponto de vista étnico, e relativamente à casa castreja em especial, duas orientações fundamentais têm sido seguidas pelos diferentes pré historiadores, baseadas em achados arqueológicos e epigráficos, na interpretação de textos de escritores da antiguidade, em especial, a Ora Marítima de Avieno, e também em elementos etnográficos: 1) as hipóteses célticas, segundo as quais essas casas teriam sido trazidas para o Noroeste peninsular pelos Celtas ; 2) e as hipóteses pré célticas, segundo as quais tais casas já existiam nessa região anteriormente às invasões célticas. Entre os defensores da hipótese céltica. contam se os grandes nomes de Schulten e Bosch Gimpera, e, entre nós, Serpa Pinto ; entre os da hipótese pré céltica, Richthofen, e, entre nós, Mendes Correa e Mário Cardozo. Richthofen, tendo observado a existência da construção circular fora da área indo europeia, nomeadamente na região mediterrânea, conclui que ela não é portanto uma criação desses povos, mas sim um elemento de origem muito remota, herança antiquíssima das culturas pré indo europeias e pré célticas do Noroeste Peninsular. Este Autor é porém prudente nas suas asserções, e nota que tanto os pré indo europeus como os indo europeus conheceram os dois tipos de casas: de planta circular e quadrangular (49). Mário Cardozo assim resume a questão e expõe a sua opi nião sobre o assunto: «É um ponto discutível se as casas redondas, caracte rísticas da cultura da Idade do Ferro no NW, eram de origem céltica, como alguns querem, ou tinham já uma tradição indígena mais remota, anterior à chegada dos Celtas a esta região da Península. Quanto a nós, parece nos mais de admitir que o protótipo das casas redondas tivesse origem nos mode los tradicionais autóctones desta região, remontando à Idade do Bronze ou, talvez, aos tempos da cabana neolítica, do que atribuir esta forma de cons trução a um sistema trazido pelos Celtas, tanto mais que, na típica casa céltica, predominava a planta rectangular com tecto em duas águas. Entre os Celtiberos da Meseta, em Numância, por exemplo, a casa usual era a rectangular. Estrabão, referindo se aos costumes dos gauleses, diz nos porém que as suas casas eram redondas. E, se é também um facto que na zona céltica do Reno como na do SO da Grã Bretanha (Cornwall, etc.) havia casas circulares, contudo elas aparecem igualmente na zona mediterrânea (urna cinerária do Lácio)». Por outro lado, em muitos castros, vemos casas redon das à mistura com as quadrangulares, não se podendo portanto «fixar uma etapa cronológica distinta para cada um dos dois sistemas de constru ção » (50).

81Jorge Dias, após análise destas diferentes argumentações, adopta uma posição eclética e propõe uma tese em que se conciliam as duas posições: a casa castreja de planta circular é de origem ao mesmo tempo céltica e pré céltica, ou melhor, não está relacionada específica e exclusivamente com qualquer desses grupos étnicos. O erro fundamental daquelas posições antagónicas reside numa «demasiada simplicidade de visão esquemática» e «uma aceitação simplista dos dados dos escritores da antiguidade ». Aparecem sem dúvida casas de planta circular fora da área indo europeia, o que con traria a hipótese exclusivamente « céltica » quanto às suas origens; mas é igualmente certo que elas aparecem também em áreas célticas extra penin sulares – por exemplo os achados post hallstatianos no Sul de Inglaterra, que se aproximam tanto dos do Noroeste da Península, que há quem fale numa invasão dessa região inglesa pelas gentes castrejas –. Por outro lado, as indicações étnicas fornecidas pelos escritores da Antiguidade, devem uti lizar se com prudência: por vezes não se sabe ao certo se se trata de nomes de povos ou de locais, de designações genéricas, etc.

82Nos mais remotos tempos, os grupos de pastores e caçadores nómadas, obrigados a deslocarem se com a maior frequência, usavam a tenda de paus ou peles, de planta circular ou poligonal; é pois natural que, na altura em que esses povos começaram a praticar a agricultura, que obriga à fixação ou larga permanência nos mesmos locais, essa tenda de nómadas tenha dado lugar à choça de ramagens e paus, com a cobertura de materiais vegetais; e, nesses casos, a sua planta seria naturalmente circular, porque, como disse mos, tal é a forma, com esses materiais, mais fácil de construir, e que, além disso, mais se assemelha à das anteriores tendas. Pode pois supor se que, em diferentes épocas e em vários lugares da terra, tenha surgido, por um simples fenómeno de convergência, este tipo de construção. E já vimos que, de facto, encontram se fundos de cabana circulares, em grande número, em estações neolíticas de muitos países, que mostram que a choça desse formato se usou, efectivamente, em áreas muito mais vastas do que hoje. Não foi portanto um povo especial que, com exclusão dos demais, cons truiu cabanas de planta circular: elas parecem antes provir desses caçadores ou pastores nómadas que se sedentarizaram, mantendo de entrada, após a sua fixação, a forma da tenda nas suas habitações. Mais tarde, quando essa fixação se tornou definitiva e a técnica de construção progrediu, deu se a petrificação de tais cabanas, na expressão de Garcia y Bellido.

83Uma vez criada uma determinada forma, no seio de um grupo, ela fica na tradição desse grupo; por vezes, devido a influências estranhas, ou pela necessidade de se adaptar a circunstâncias novas, ou ainda por simples evolução, esse grupo é levado a criar ou aceitar uma forma diferente; outras vezes, pelo contrário, essa primeira forma, por razões várias, conhece um longo florescimento exuberante.

84Entre nós, os habitantes primitivos do Noroeste da Península devem também ter vivido em cabanas de planta circular, inteiramente em materiais vegetais, quando se sedentarizaram pelo conhecimento e prática da agri cultura, antes mesmo da primeira invasão dos Celtas. Estes, embora mais evoluídos do que aqueles, eram também ganadeiros semi nómadas, que por isso conheciam certamente do mesmo modo cabanas de formato idêntico; aliás, estas suposições encontram apoio em vestígios arqueológicos concretos: vimos que em certos castros, nomeadamente em Cameixa, os fundos de cabanas, indigitando choças deste género, se encontravam nos níveis inferiores; e, por outro lado, no Sul da Inglaterra, a par de outros elementos célticos, abundam fundos de cabanas igualmente circulares. É pois possível que a tradição de construção circular, entre os Celtas, fosse criação sua, ou já herança de povos pré indo europeus, das regiões da Europa onde eles habi tavam. Quando partiram dali e invadiram a Península, trazendo as suas tradições e costumes, encontraram se com povos de origens e tradições diferentes, com os quais, após uma primeira fase de lutas, se unificaram, por um fenómeno de fusão, assimilação ou domínio; e dissemos que, natu ralmente, alguns desses povos indígenas conheciam e usavam também a construção circular. Deu se assim certamente um fenómeno de encontro cultural, ou sobreposição desse mesmo tipo de construção nos dois povos, um já existente na região, e o outro trazido pelos invasores. Os progressos realizados através das gerações, e o impulso dado pelas populações célticas ou celtizadas, levaram este tipo de construção a um apogeu arquitectónico notável; isto explica o desenvolvimento e a perfeição que ele conheceu na pré e proto história do Noroeste Peninsular, nomeadamente na cultura cas treja, produto, ela própria em geral, da fusão dos dois povos.

85Porém esses movimentos não param. Da economia agro pastoril, de tipo provàvelmente comunitário, em que a agricultura era rudimentar, passou se. sobretudo no período da paz romana, com a consequente apropriação e exploração individualista do solo, a uma fase de agricultura intensiva com progresso da técnica da estrumação e da aparelhagem agrícola. Esta muta ção trouxe o abandono dos castros situados em lugares pouco cómodos para a agricultura, que de início foram escolhidos por razões defensivas; e a habitação dispersa pelos vales acaba por ser toda de planta quadrangular, melhor ajustada a essas formas superiores da agricultura e com mais possi bilidades de desenvolvimento.

  • 51 ) Jorge Dias, op. loc. cit., e «O problema da reconstituição », pp. 41 47. O mesmo Autor, nesta últ (...)
  • 52 ) Jorge Dias, « Constinções circulares no Litoral Português », in: «Trabalhos de Antropologia e Etn (...)

86Por isso não se pode pensar que exista identidade étnica entre os antigos castrejos e os construtores das casas de planta circular que ainda hoje existem entre nós: precisamente, na faixa ocidental do Norte de Portugal, não existem pràticamente, hoje, construções de planta circular que sirvam ou tenham servido até há pouco de habitação. As cabanas redondas actuais – não contando os fornos – são sobretudo algarvias, alentejanas e beiroas (prolongando se aliás pelo Norte de África); elas correspondem sempre a níveis económicos e agrícolas pobres–de pequenos lavradores em terras de tradição pastoril (Beira Alta), ou em regiões fracas de granito ou xisto (Marvão e serra algarvia) –. No Noroeste, a humanidade superou há muito essa fase de evolução cultural, e domina francamente a agricultura superior, ao passo que nessas outras regiões, os homens lutam contra a adversidade em condições tais de inferioridade, que são levados a manter aspectos cultu rais extremamente arcaicos (51). Além disso, porém, há também que consi derar um elemento decisivo puramente cultural de base histórica, uma « tendência ancestral inconsciente», que em certos casos é a razão fundamental que explica a conservação deste tipo de construção : Jorge Dias assim o entende, ao constatar a perduração da traça circular nas barracas de guarda de sargaço e aprestos para a sua recolha na região de Esposende, à beira mar, numa zona aberta e sujeita à acção niveladora de influências estranhas, e aliás consideràvelmente evoluída sob muitos aspectos (52).

  • 53 ) Fritz Krüger, «Las Brañas, Contribucion a la historia de las construcciones circulares en la zona (...)

87Krüger, finalmente, estudando as pallazas de Las Brañas, nos confins da montanha asturiana, e observando a abundância de outros tipos de cons trução igualmente de planta circular que existem no Noroeste hispânico – colmeias, cercados para castanhas, pombais, palheiros para colmo e feno, canastros de varas, fornos, etc. –, relaciona essa forma com as culturas agro pastoris das regiões serranas arcaizantes e afastadas do movimento. A pallaza – de planta circular com parede de pedra e potente cobertura de colmo de forma cónica, cuja base segue a inclinação dos muros que acompanham o desnível da ladeira, e que servem ao mesmo tempo de habi tação humana, cortes de gado e palheiros – « refere se a uma antiquíssima cultura construtiva própria dos tempos pré romanos, e que se manteve pura até aos nossos dias e numa forma típica, neste país de montanhas conhecido como lugar afastado, das mais vetustas tradições»; e esta referência apre senta se ao Autor com mais segurança ainda depois de analisar mais profun damente as características da pallaza, e de ter comprovado na sua área «uma tradição uniforme e muito estendida de construção circular». A sua plena vigência no Noroeste Ibérico só se explica, para o Autor, por «uma tradição profundamente enraizada que permaneceu protegida graças a circunstâncias especiais (afastamento do tráfego, conservação de antigas formas económicas tradicionais)». A aglomeração dessas formas ocorre sobretudo no que considera a zona núcleo da pallaza : a parte oriental da província de Lugo, a parte sudoeste das Astúrias, e comarcas limítrofes da província de Leão. «Trata se evidentemente de uma civilização do mais antigo carácter, que, graças ao seu afastamento e a uma vida económica (cultura pastoril), entremeada de traços arcaicos, manteve puros desde há muito tempo ele mentos que noutros lugares foram desaparecendo por causa do desenvolvi mento de uma economia mais ou menos rústica». «Parece certamente muito duvidoso que a pallaza alguma vez se estendesse até à planície, pois, em definitivo, ela está ligada a uma determinada forma de economia (predo mínio da ganadaria), e um determinado clima. Onde se apresentem outras circunstâncias de economia e clima, deve necessàriamente mudar a planta da casa». Aliás, a própria designação de « Brañas » está ligada à cultura pas toril; a palavra sugere os pequenos povoados de cabanas de pastores, utili zadas temporàriamente, na época estival, quando os gados vão para os pastos altos, ou os povoados permanentes que procedem daqueles. O povoado asturiano das Brañas, com as suas «casas de fábrica inferior e escassa comodidade», ligam se, como tantas outras aldeias asturianas, « à mesma forma primitiva de choças de pastores habitadas temporàriamente e que identificamos como povoações permanentes em diversas partes dos Altos Pirinéus» (53).

  • 54 ) Leroi Gourhan, op. cit. p. 49. Ver adiante, texto corespondente a Nota 295.
  • 55 ) Montandon, op. cit. p. 302.

88Sob um ponto de vista diferente e geral, Leroi Gourhan nota que «os grupos mais rústicos têm sobretudo choças redondas e os mais industriali zados casas quadrangulares » ... « A progressão da choça (redonda) à casa (quadrangular) corresponde, em traços largos, a uma evolução técnica» (54). E Montandon, nesta mesma ordem de ideias, nota igualmente que a choça redonda nunca se tornou a vivenda em culturas superiores (55). Esta afir mação parece nos válida, em geral, para o caso das choças de planta circu lar; no que se refere às casas de planta quadrangular, ela é o apenas para as que possuem paredes de pedra: as desse formato mas inteiramente em materiais vegetais, competem natural e exclusivamente a grupos qualifica damente não industrializados. Aliás, esta ideia está implícita na própria definição diferencial que o Autor estabelece em choça (hutte) e casa ( maison ).

  • 56 ) Irisalva Moita, op. loc. cit..
  • 57 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. p. 64.

89No que se refere mais uma vez ao caso castrejo, Irisalva Moita é levada a supor, como vimos, que a casa quadrangular é uma forma ulterior, produto já da romanização (56). Para Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernan dez, porém, essa casa é, como as redondas, a interpretação em pedra – a petrificação – das cabanas pré existentes inteiramente em materiais vegetais, com essa traça (57).

***

  • 58 ) Montandon, op. cit. pp. 302 303, que acrescenta que, em África, ao material vegetal se adiciona f (...)
  • 59 ) Na Espanha, Garcia y Bellido, «Sobre la extension actual de la casa redonda en la Peninsula Iberi (...)

90A cabana circular com cobertura cónica em materiais vegetais é, no presente, e sob inúmeras formas regionais, própria sobretudo da África Negra, mormente das savanas austrais e sudanesas; ela aparece também nos outros continentes, mas com menor frequência (58). No que se refere à Europa, temos indicação da sua existência, além de Portugal, na Espanha (onde, embora já rara, se documenta ainda, como entre nós, em várias zonas, e por vezes em núcleos consideráveis), no Sul da França, no Sul e Centro da Itália, na Jugoslávia, na Roménia, nas Canárias, na Sicília, na Sardenha, etc. (59).

  • 60 ) Com relativa frequência ela apresenta se hoje, nas regiões onde ocorre a construção em materiais (...)
  • 61 ) Krüger, « Las Brañas », p. 27, assinála as em Portugal, nos lugares trasmon tanos de Poiares (ent (...)
  • 62 ) Nas aldeias dos Cabeçudos, Barretos, Beirã, no concelho de Marvão, em Prime, no concelho de Viseu (...)
  • 63 ) Garcia y Bellido, op. cit. p. 42: «o que hoje resta dela são sòmente relíquias isoladas de um pas (...)

91Em Portugal, hoje, ela, sob todos os tipos que apontamos, de um modo geral, é muito escassa, mormente como forma de habitação permanente e normal (60). Contudo – designadamente aquelas que mostram a parede baixa de pedra – ela encontra se ainda em várias áreas, geralmente com preendidas em regiões arcaízantes ou segregadas, de Norte a Sul do País, seja em casos isolados e dispersos, seja com uma densidade apreciável e obedecendo a tipos locais definidos e diferenciados – por exemplo certas zonas da serra algarvia, do Alentejo e da Beira Alta (61) –, tendo conser vado até tempos recentes (e por vezes mesmo ainda hoje) o seu carácter originário de vivenda normal, ou vestígios mais ou menos nítidos desse carácter (62). Elas indigitam assim a generalidade maior, outrora, e a continuidade de uma tradição que aqui se documenta pois desde tempos pré romanos, cuja área porém se foi paulatinamente reduzindo em número e extensão, à medida que novas formas de vida, portadoras da casa rectan gular, foram penetrando e invadindo a sua geografia (63).

a) Construções de planta circular inteiramente em materiais vegetais

1 – De formato cónico, do género de cobertura-parede

Beira Alta

92Na Beira Alta encontram se alguns núcleos importantes de construções redondas – e quadradas – com cobertura cónica característica, de materiais vegetais, nomeadamente nas regiões de Viseu, Sátão, ao longo do Mon dego, etc. Na maioria dos casos, aquela cobertura assenta uma parede baixa de pedra. Na região de Viseu, contudo, designa da mente em Prime e Fragosela, aparecem alguns raros – conhecemos apenas dois – exemplos dessas construções de planta circular inteiramente em materiais vegetais, ao lado de outras também de planta circular (e por vezes quadrada), com paredes baixas e de pedra – essas muito numerosas.

Des. 17 – Prime, Viseu, a) Aspecto e corte da armação duma construção do género de cober tura parede. b) Solução geral da padieira da porta, c) Esquema da disposição dos mate riais da cobertura. d ) Maneira de fazer as tranças de colmo, e) Paus que mantêm no seu lugar os vencilbos que cingem a cobertura.

Des. 17 – Prime, Viseu, a) Aspecto e corte da armação duma construção do género de cober tura parede. b) Solução geral da padieira da porta, c) Esquema da disposição dos mate riais da cobertura. d ) Maneira de fazer as tranças de colmo, e) Paus que mantêm no seu lugar os vencilbos que cingem a cobertura.

93Essas duas casotas redondas de Prime – as choupanas – inteiramente em materiais vegetais, do tipo de cobertura parede (figs. 111 e 113), constam de uma armação de troncos de pinheiro sumàriamente descascados e mal esgalhados, afastados uns dos outros na base cerca de 40 a 50 cm, assentes directamente no solo ou pousados em sapatas de pedra ladeiras, que os isolam da terra e impedem que eles se deteriorem mais ràpidamente (des. 17), dispostos em círculo, convergindo para o alto de modo a forma rem um cone. Sobre esses troncos dispõem se ramos e uma camada de giesta – a felga – que serve de base ao assentamento das tranças de colmo, que constituem o seu revestimento exterior (des. 17 c). Essas tranças são forma das por uma série de manadas – garfas – de colmo, seguidas e enlaçadas junto à espiga por duas cordas ou vencilhos de palha; são feitas no chão e têm o comprimento justo da periferia do cone na altura em que serão adapta das, e que se mediu prèviamente com uma corda; uma vez prontas, colocam se no sítio e amarram se aos troncos da armação com vimes, espaçadamente (des. 17 c). Esta última operação é executada por duas pessoas, uma dentro e outra fora da choupana: a de dentro passa a ponta do vime através do revestimento da cobertura para o exterior; a de fora dobra esse vime sobre o vencilho da trança e passa o de novo para dentro, sendo então aí amarrado à armação, prendendo dessa maneira as tranças. As três ou quatro fiadas de tranças da base são ainda cintadas exteriormente por arcos de vergas, de vime ou castanho, emendadas pelas pontas, ou por vencilhos de palha. Esses arcos fixam se com grampos de madeira – os paus –, espetados na espessura do revestimento da cobertura, impedindo que eles escorreguem para cima (des. 17 e). As tranças de colmo são sempre dispostas de baixo para cima, ficando em degraus; no alto, o coruto é enrolado com um vencilho e remata por dois paus formando cruz, apenas decorativa.

94O seu diâmetro interior é de cerca de 4 a 5 m, na base, medindo aproximadamente o mesmo de altura do solo ao vértice.

95A entrada, muito baixa, rasga se na base da cobertura e, numa das choupanas, é protegida por uma aba que avança sobre ela, com pequenos anteparos laterais, ao jeito de água furtada (des. 17 a).

  • 64 ) Jorge Dias, «O problema da reconstituição», utiliza este exemplo para apoiar a hipótese de Lopez (...)

96Estas choupanas servem hoje, em regra, de palheiros ; mas, não há muitos anos (1948), elas constituíam ainda, em alguns casos, a habitação normal dos seus possuidores (64).

Alentejo
  • 65 ) Note se que, nesta Província, se encontram, pelo contrário, alguns núcleos muito importantes de c (...)

97No Alentejo, as construções de planta circular e cobertura cónica, inteiramente em materiais vegetais, podem ser dos dois tipos e formatos gerais que apontamos, e que, aqui, correspondem a outras tantas funções distintas: As de formato cónico, do género de cobertura parede (que, aliás, aparecem sempre em exemplos esporádicos), podem em certos casos muito raros, e quando de grandes dimensões, constituir habitações humanas (65) ; as de formato cilindro cónico, de cobertura e parede independentes, que se apresentam por vezes como uma categoria geral, são sempre pequenas e ùnicamente currais de gado caprino – os curveiros –.

98Dessas construções cónicas, do género de cobertura parede, como habi tações humanas permanentes e normais, temos notícia de dois exemplos no concelho de Moura, e vimos ainda um outro, a norte da Beirã (Marvão), próximo da herdade do Pereiro, junto à fronteira (fig. 109).

99A choça que ali encontramos faz parte do conjunto de uma malhada de cabras e pertence ao maioral das cabras. Foi construída em 1947 pelo próprio homem que a habita, com carácter permanente. Nela viveu sempre desde então, com a mulher e três filhos; nela lhe morreu a mulher, e, nessa ocasião, ele desertou a durante dois anos. Hoje vive ali apenas com um filho. Ela ergue se numa elevação, entre sobreiros, sobre um solo granítico, ao lado de uma chã onde se encontram os curveiros e o cercado da malhada, hoje abandonada. A sua estrutura é formda por paus dispostos em círculo, assentes directamente no solo, que se vão engalhar uns nos outros, no alto, formando um cone (des. 18). Sobre esses paus engancham ramagens de azinho, irregu larmente dispostas, cobrindo os vãos entre esses paus, e servindo de base ao assentamento do revestimento de giesta. Esta é aplicada em pequenos ramos, espetados com o couce para dentro naquela estrutura de ramagens, da base para o vértice, em camadas sucessivas, até se obter uma vedação completa. O vértice é cingido por um enrolamento de arame. Como defesa contra o vento, vê se uma fiada de pedras ladeiras assentes no alto e suspensas de arames (des. 18a); outros anéis de arame, a meia altura da vertente, ajudam a fixar esse revestimento; e para impedir que os animais o deteriorem, vê se a toda a volta, na base, uma camada de silvas e varedo, calcada com pedras, – quiçá tal como sucederia nas construções pré históricas de que nos restam os fundos de cabanas delimitadas por pedras –. Todos os anos a choça é recoberta com uma nova camada de giesta, aumentando sensivelmente a espessura desse reves timento. As suas medidas, do diâmetro interior e da altura da base ao vértice, são respectivamente 4,60 m e 2,60 m. A porta, inclinada, conforme o pendor da vertente, mede 1,35 m de altura e 70 cm de largura. Os paus que formam as ombreiras são almofadados com rolos de giesta. O pavimento aproveita lajes naturais, com algumas pedras achatadas e de face plana a cobrir certas cavidades.

Des. 18 – Beirã, Marvão. Choço fixo, servindo de habitação do pastor duma cabrada. a) Aspecto geral, b) Armação do choço. c) Planta – 1) poial; 2) louça e vasilhas para cozinhar; 3) lugar do fogo; 4) tarimba; 5) caixa com roupa; 6) mesa ; 7) caixa; 8) banco, d) Pormenor da tarimba.

Des. 18 – Beirã, Marvão. Choço fixo, servindo de habitação do pastor duma cabrada. a) Aspecto geral, b) Armação do choço. c) Planta – 1) poial; 2) louça e vasilhas para cozinhar; 3) lugar do fogo; 4) tarimba; 5) caixa com roupa; 6) mesa ; 7) caixa; 8) banco, d) Pormenor da tarimba.

100Um mobiliário, utensilagem e objectos, extremamente primitivos distri buem se a toda a volta da cabana; o espaço central fica vazio e é nele que se faz o fogo, aberto e directamente sobre o solo. Uma tarimba tosca de paus, acolchoada de giestas, ocupa dois terços do espaço junto às paredes; no res tante, tirando a porta, está instalado o poial dos cântaros da água, uma mesa, uma arca, tropeços de cortiça, etc. (fig. 110 e des. 18c)–uma imagem sugestiva de um habitat pré histórico.

101De paus horizontais passados entre as caibros, a meia altura da choça, pende o fumeiro. A candeia de petróleo suspende se de um arame preso à armação.

102Alguns dos curveiros desta malhada são do mesmo tipo da casa do maio ral, que acabamos de descrever; estudá los emos porém adiante em capítulo especial, visto que a instalação compreende, além deles, outros de tipo diferente.

  • 66 ) Abel Viana, «Notas Históricas, Arqueológicas e Etnográficas do Baixo Alentejo », in «Arquivo de B (...)

103Além deste exemplo, temos notícia de mais duas choças deste género no concelho de Moura: 1) no sítio da Barca de Brinches, junto ao Guadiana, uma grande cabana de planta elíptica, inteiramente revestida de rama seca de azi nheiro, junco, tabua e outras plantas, convenientemente entretecidas, sobre um vigamento de grossas pernadas de uma azinheira viva. Interiormente, ela era dividida em compartimentos, um para cozinhar, outros para dormir, e outro ainda fazendo de sala comum. Os tapumes destas divisões eram também de varas delgadas, junco e tabua entretecidas. Esta cabana servia de habitação a um casal e vários filhos menores; o homem tinha a seu cargo a barcaça de pas sagem do rio e era cumulativamente porqueiro duma herdade. 2 ) na Herdade das Antas, Águas Mouras, na freguesia da Estrela, outra grande cabana de planta elíptica (com eixo maior de 6,40 m e menor de 5,20 m), que, como a anterior, aproveitou para vigamento o tronco robusto de uma azinheira que apresentava uma curvatura natural, e que ficou situada num dos topos do eixo maior da elipse. No ponto cimeiro donde irradiavam os troncos secun dários dessa árvore, formou se uma espécie de grande forquilha para a qual convergiam as grandes varas que constituíam o esqueleto de todo o edifício, afastadas cerca de meio metro umas das outras, e ligadas por pequenas tra vessas paralelas dispostas horizontalmente; aí se entrelaçaram os ramos ver des da árvore, e, onde eles não chegavam, ramaria seca, junco, tabua, e outros materiais vegetais, estevas e piornos; o revestimento interrompia se no lugar da porta, localizada num dos topos do eixo menor da elipse. Essa porta, cm virtude da sua inclinação (derivada da inclinação da parede cónica), podia manter se aberta ou fechada, por efeito do seu próprio peso. Interiormente, esta cabana difere da anterior visto não ter divisões (talvez porque os seus moradores não tinham filhos); e, como elemento fundamental e da maior importância, apresentava, no centro do seu pavimento, uma cova, também de planta elíptica, com 1,50 m e 1,20 m de eixos maior e menor, e 60 cm de fundo, que constituía a lareira aberta onde se cozinhava; a toda a sua volta, um degrau com cerca de 30 cm de alto, servia de apoio aos pés das pessoas que se sentavam junto à lareira. Em certa extensão do bordo da cova havia um murete formado por alguns tijolos não argamassados. No lado oposto via se o socalco que servia de assento aos habitantes da cabana, espécie de degrau forrado com farrapos. A lenha usada era rama seca de azinho, alguma torga, chamiça e outra de ocasião; o lume, ateado dentro da cova, não apresentava por isso o perigo de se propagar à cabana, e por outro lado, como a cova era espaçosa, a fogueira não abafava (66).

2 – De formato cilindro cónico, com cobertura e paredes diferenciadas

104Em Portugal, não conhecemos construções inteiramente em materiais vegetais, de formato cilindro cónico, com cobertura e parede diferenciadas – cobertura cónica, de colmo ou giesta, e parede cilíndrica e vertical, de varedo entretecido –, que sirvam de habitações humanas, permanentes ou sequer temporárias ou ocasionais. Tais construções, aliás raras, são sempre, pelo menos actualmente, anexos rurais, pecuários ou agrícolas, nomeada mente currais para gado miúdo, no Alentejo – os curveiros –, e espigueiros para o milho, no Noroeste (Alto Minho e também Galiza) – os canastros de varas, além de pocilgas, casotas de animais, etc. –, em que a forma cir cular resulta sobretudo da sua mais perfeita adaptação ao trabalho de encanastramento. Neste último caso, contudo, pode também falar se, por vezes, em certas correntes tradicionais locais, que estão pelo menos na base do emprego daqueles materiais, na forma como eles são entretecidos, e no estilo geral do pequeno edifício.

Curveiros
  • 67 ) Fernando Galhano, « Construções alentejanas de materiais vegetais», in: «Re vista de Etnografia», (...)

105No Alentejo, os currais de gado caprino, de planta circular e cobertura cónica, inteiramente em materiais vegetais – os curveiros – eram, contrà riamente ao que sucede com as habitações humanas permanentes e normais pròpriamente ditas, até há pouco muito frequentes por toda a Província. Hoje já são raros e vão desaparecendo progressivamente, ao mesmo tempo que acabam as « cabradas »; apenas em certas áreas muito restritas eles con tinuam em uso – Mértola, Odemira, Vale Chaim, S. Teotónio, etc.– onde um ou outro ainda hoje mesmo se constrói ; e adiante descreveremos certos conjuntos de instalações relacionadas com o pastoreio, que incluem vários curveiros deste género (67).

106O exemplar que passamos a descrever, perfeitamente conservado e que corresponde ao tipo comum desta categoria de edifícios, encontra se a cerca de 100 m do «monte» de Vale Chaim, numa região onde parece terem sido muito correntes. As suas medidas (que representam aproximadamente as dos demais) são de 2,50 m dé diâmetro, por outros 2,50 m de altura, do solo ao vértice da cobertura, e 1,40 m de altura de parede. Esta, circular, é consti tuída por uma série de paus de azinho de 4 a 8 cm de diâmetro, cravados no solo, espaçados cerca de 35 cm, nos quais estão entretecidos feixes del gados de estevas. O entretecido começa numa das varas que faz de ombreira da porta, corre as varas todas, até à outra ombreira, torneia a, volta para trás, e assim .sucessivamente. Qualquer amarração necessária é hoje feita com arame de fardo. A parede é rematada em cima por duas vergas grossas, igual mente entretecidas. A entrada, fechada por uma esteira de giestas igualmente entretecidas, mede 90 cm de altura e 50 de largura; a padieira é uma verga forte. As voltas dos feixes de estevas nos prumos que fazem as ombreiras são apertadas com arame, entre si e também aos próprios prumos. A armação cónica da cobertura é apoiada num pau central. Os caibros assentam nas vergas fortes que rematam a parede, uns simplesmente espetados e amarra dos com arame, outros aproveitando a forca que porventura tenham; no alto reunem se contra o pau; amarram se primeiro dois caibros, e vão se segui damente encostando os outros a esses. Entre os caibros põem se ramos que não sobem até ao alto, irregularmente dispostos (figs. 114 e 115, e des. 19).

  • 68 ) Ver Nota 143.

107Por cima dos caibros correm quatro cintas de vergas, amarradas, e sobre elas colocam se alguns ramos de esteva, espaçados, que passam alternadamente por cima e por baixo das cintas. Sobre esta armação dispõem se as camadas de junco e palha tabua que fazem a cobertura e o beiral – primeiro a camada do beiral, com os couces grossos para fora, apertada com uma verga à cinta que serve de ripa; as camadas seguintes ficam com os couces para cima, igual mente apertados com vergas; a última volta a ficar com os couces para baixo, e o remate é feito cortando lhes as pontas e amarrando as com um arame; este aperta também um pequeno pau pelo qual passa uma rodela de cortiça que faz de fecho, e que impede que a água da chuva escorra para dentro (68).

Des. 19 – Vale Chaim, Odemira. Curveiro. Aspecto geral, planta e pormenores.

Des. 19 – Vale Chaim, Odemira. Curveiro. Aspecto geral, planta e pormenores.

108Em alguns curveiros observados em S. João dos Caldeireiros, perto de Mértola, em 1949, construídos de maneira aparentemente igual, ás paredes eram amparadas por estacas verticais ou ligeiramente inclinadas (fig. 115). Um deles, destinado a guardar os cabritos durante o dia, enquanto as mães pastavam, estava interiormente dividido em três compartimentos por uma divisória diametral e outra radial, perpendicular àquela.

109Curveiros deste mesmo tipo, aparecem também, por vezes em número apreciável, em certas malhadas de cabras da região de Juromenha. Trata se porém de instalações extremamente complexas, compreendendo vários edi fícios, de diversas categorias e com funções diferenciadas, e por isso estudá las emos também nesse capítulo especial.

Espigueiros (69)
  • 69 ) Veja se Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Siste mas Primitivos de Secage (...)

110, Os espigueiros, ou seja, o pequeno edifício anexo da casa rural destinado à recolha e armazenagem de espigas e concebido em vista a preservá las contra a humidade do ar e do solo e contra as depredações dos roedores, apresentam se, em Portugal, sob uma grande variedade de formas, que agru pamos em duas categorias fundamentais, com base na diversidade radical da sua estrutura, forma e técnica de construção, e que compreendem, cada uma delas, vários tipos principais: 1) Espigueiros pròpriamente ditos; e 2) Canastros de varas.

111Os espigueiros pròpriamente ditos, estudados já pelos autores noutro local, não se podem, no que se refere à técnica da sua edificação, considerar construções qualificadamente primitivas.

  • 70 ) Op. cit. na Nota anterior, pp. 232 233: «Desde os tempos neolíticos, as populações desta área gua (...)

112Os canastros de varas, pelo contrário, parecem representar a sobrevi vência de uma técnica de construção tipicamente arcaica, e por isso estudá los emos aqui (70), tendo em mente a sua natureza especial e o carácter funcional de alguns dos seus elementos arquitectónicos fundamentais. Além do mais, eles oferecem o interesse especial de serem pràticamente as únicas for mas de construção de planta circular com materiais vegetais que existem actualmente – ou subsistem – no Noroeste, e que se pode supor que repre sentam uma muito velha tradição arquitectónica regional.

Canastros de varas

113Os canastros de varas constam de um corpo de varedo entretecido pela mesma técnica da cestaria, entre paus que espetam directamente no solo ou se erguem de uma grade de traves ou uma mesa de madeira ou pedras ladeiras, pousadas em cima de pés baixos, e têm a cobertura normalmente de colmo ou palha miúda. No caso mais geral e caracte ristico, eles são de base circular, e a sua cobertura é cónica; mas aparecem também alguns exemplares – embora entre nós raros, pelo menos hoje em dia – de base rectangular, com cobertura de duas águas ( des. 26 ) e por vezes mesmo com outros elementos estruturais que os aproximam de certos espigueiros pròpriamente ditos – vendo se geralmente uns e outros a par na mesma área, e mostrando nas várias regiões, a despeito do primitivismo rudimentar da sua construção, uma certa diversidade de formas.

114A área actual do canastro de varas abrange uma superfície bastante vasta do Minho serrano; ele encontra se com muita frequência sobretudo na zona montanhosa do Soajo, Peneda, Amarela e Oural, Coura, Cabreira, no pendor Sudoeste do Barroso, no Marão, nas partes altas dos concelhos de Cabeceiras de Basto e Fafe. Esta difusão foi contudo outrora consideràvel mente mais ampla, restando vestígios em regiões distantes e muito diversa mente caracterizadas: a Poente, ela atingia o oceano, pela Serra de Arga e daí para o Sul até ao Lima, onde ainda se encontram exemplares dispersos, pelo vale do Ãncara, donde só há pouco desapareceram, e pela zona a Norte de Viana do Castelo, onde em certos pontos, não há mais de 70 anos, a quase totalidade dos espigueiros era desta categoria; a Leste, no Marão (Lamas de Olo), e, na vertente Norte do Barroso, em Vila da Ponte ; a Sul, além Douro, na Serra de Arouca; etc. Deve notar se, contudo, que a sua área não é exclu siva, e que geralmente os canastros de varas coexistem na mesma região – e até povoação – com os espigueiros pròpriamente ditos, uns ao lado dos outros, os primeiros muitas vezes com funções subsidiárias.

115Canastros de varas do Soajo, Nóbrega e Ourai – Os caniços de varas do Soajo são constituídos por um corpo encanastrado, de forma geralmente cilíndrica, assente sobre uma mesa ou estrado de madeira, e com um corucho cónico de palha que lhe serve de cobertura. A mesa ou estrado é formada por uma grade de quatro pranchas de carvalho, por vezes muito toscas, ligadas por entalhas e tornos, e com o vazio forrado a tábuas de soalho. Essa grade pousa em quatro pedregulhos, o que isola o canastro da humidade do solo, mas não o defende dos ratos. O caniço pròpriamente dito é uma espécie de cesto com a mesa por fundo, e cuja urdidura é uma série de tanchões ou varas fortes de carvalho, espetados verticalmente em buracos abertos na mesa, e na qual se entretecem varas de giesta (ou, nos últimos tempos, de mimosa). O canastro tem em baixo uma abertura de descarga entre dois tanchões consecutivos, rematada como o rebordo de um cesto, que se tapa com um tábua na ocasião em que se enche. O corucho é uma espécie de cha péu de palha centeia (ou, mais raramente, milha), assente sobre uma armação de varas, que partem de um pião situado no vértice, pren dem se em baixo a um arco grosso, do mesmo diâmetro do canastro, e se prolongam um pouco para fora, de modo a formar um longo beiral. Para a sua construção, pousa se aquele arco sobre três forquei ras espetadas no solo, de modo a ficar elevado, permitindo o arranjo desse beiral. A palha, disposta em fiadas concêntricas, que ficam em destaque umas sobre as outras, remata em cima segundo o processo corrente das medas de centeio e das coberturas cónicas de cabanas ou choças de várias regiões. E é vulgar terem no alto uma patela de cortiça ou lata de fundo para o ar, para protecção contra a chuva (des. 20).O corucho é assim uma peça inde pendente do corpo; e, para lançar as espigas, ele é levantado por um dos lados, como uma tampa, que se apoia, quando aberta, em dois paus postos ao alto; o mesmo sucede para as tirar, e somente quando o canastro está quase vazio se utiliza o postigo de descarga, em baixo, deslocando se a tábua que o fecha. Os canastros são defendidos das crianças e galinhas envolven do-os com tojo. As suas dimensões são muito variadas; o maior que vimos tinha um corpo de 1,40 m de diâmetro e 1,75 de altura.

116Embora frequentes nas aldeias do Soajo, é contudo nas vertentes da serra da Nóbrega, a Sul do Lima, que os canastros de varas se encontram em maior número e plena vigência. Por vezes eles agrupam se em grandes concentra ções, junto dos terreiros que servem de eiras; é o que sucede por exemplo em S. Miguel, Tamende, e particularmente no Barral, onde existem mais de trinta no mesmo local.

Des. 20 – Soajo, Arcos de Valdevez. Caniço de varas. Pormenores da construção.

Des. 20 – Soajo, Arcos de Valdevez. Caniço de varas. Pormenores da construção.

117Nestes exemplos, a factura é semelhante à dos canastros do Soajo, mas a sua forma e certos pormenores diferem ligeiramente desses: a mesa é aqui com mais frequência feita de pedras ladeiras ( geralmente duas), nas quais se abrem os buracos onde entram as varas verticais. A forma do corpo é a de um tronco de cone invertido, com dimensões muito variadas, e o varedo de tecer – o liço – é de carvalho ou giesta. E é costume espetar se no alto das coruchas um ramo de oliveira, como decoração, ou talvez com qualquer vaga ideia profilática. Esta forma é mais regular nas vizinhanças da Portela do Vade, onde o alargamento do canastro para o alto é mais constante. Geral mente usam se quatro forqueiras a ampará los, a partir das mesas, aqui de madeira. As coruchas são lisas, não se notando as fiadas de palha concên tricas (figs. 117 e 118 e des. 21). Em algumas aldeias do Oural havia ainda há poucos anos canastros deste género, mas mais primitivos, cujos tanchões verticais se espetavam no próprio solo, e o isolamento das espigas contra a humidade conseguia se apenas com uma camada de lenha miúda.

118Embora vulgarmente seja o próprio lavrador quem faz o seu canastro de varas, há homens que se dedicam à sua construção mediante paga. Dizem que o corucho é mais difícil de fazer que o entretecido de varas.

Des. 21 – Portela do Vade, Ponte da Barca. Canastro de varas. A mesa e o corucho.

Des. 21 – Portela do Vade, Ponte da Barca. Canastro de varas. A mesa e o corucho.

119Canastros de varas da Cabreira, Barroso e Paredes de Coura – Pela região serrana dos concelhos de Vieira (Cabreira) e de Cabeceiras de Basto (Barroso), os canastros de arge, ou de vergueiros, também muito correntes, são de uma estrutura diferente, de grandes dimensões e de uma rusticidade ainda maior que os das terras do alto Lima, que descrevemos. Os troncos de carvalhos novos que servem de varais, em número de quatro a oito, são espe tados directamente na terra, ligeiramente inclinados para o exterior (des. 22 e fig. 116); a cerca de 50 cm do chão, pregam se entre eles uns grossos barrotes, sobre os quais se coloca o lastro, ou soalho redondo, e em seguida começa se, de baixo para cima, o teçume, com varas de carvalho, apenas ligeiramente espontadas, e com parte da folhagem. Este teçume forma o corpo, que chega a medir 2,50 m e mais de altura. O rebordo deste teçume de arge é rematado com uma verga ao jeito de quem cose; mas os varais prolongam se para cima e são então golpeados pelo lado exterior, logo depois desse rebordo, e aí dobrados de modo a poderem ser amarrados no topo, a uma altura que excede 2 m, com um arame, para fazerem a armação da cobertura, que por tanto não é independente do corpo. Nessa armação, que fica a descoberto, colocam se então duas cintas hori zontais a servir de ripas, e cobre se o conjunto com copas de palha mi lha ; o remate é feito pelo mesmo sistema das medas de palha de centeio.

120Os canastros de oito varais fi cam mais seguros e com um forma redonda mais perfeita. Quando têm apenas quatro, metem se mais va ras que não chegam ao chão, e ainda outras só de meia altura para cima, tal como sucede com as talas de cestos que alargam para a boca. Para lançar as espigas dentro des tes canastros, afastam se algumas copas da cobertura, de modo a abrir se aí um buraco mais ou me nos largo. E, para as tirar, aper ta se, com um pau, aguçado, um sector do teçume junto do lastro, abrindo aí uma fenda. Para segui damente a fechar, leva se o teçume à posição primitiva.

Des. 22 – Teixoeiro, Cabeceiras de Basto. Canastro de vergueiro. Estrutura.

Des. 22 – Teixoeiro, Cabeceiras de Basto. Canastro de vergueiro. Estrutura.

121Tendo os troncos e varedo de carvalho prontos e no sítio onde vão erguer o canastro, dois homens cons troem no em póuco mais de um dia. A folha da ramagem, que aumenta a protecção contra a chuva e não prejudica o arejamento, o seu tamanho avultado – pés, corpo e cobertura excedem 4 e 5 m de altura – e a rusticidade de toda a factura, dão a estes canastros um aspecto insólito.

122Na região de Paredes de Coura, os canastros desta categoria, aí chamados de verga (e em vias de rápido desaparecimento), assemelham se exterior mente, e nomeadamente no que respeita à sua forma e dimensões, aos da Portela do Vade; na realidade, eles mostram certas características estruturais um tanto diferentes, que os aproximam dos do Barroso; com efeito, os vareiros, ou varas verticais, que espetam no chão ou numa grade de madeira pouco elevada do solo, como no Soajo, mas que ali chegam, em cima, apenas ao nível do rebordo do corpo, prolongam se aqui, como em Cabeceiras de Basto, para cima, até poderem ser atados no alto, formando uma armação fixa sobre a qual pousa o corucho de palha milha ou centeia (aqui dizem que a palha milha «é o dado» ). Nos casos em que os vareiros espetam no chão, as espigas pousam se, como no Oural, sobre uma camada de varedo seco, ficando por isso a portinhola de descarga a 20 ou 30 cm acima do fundo.

123Desempenhando o papel de grade, encontram se por vezes velhos chedeiros de carro, assentes em pedras toscas, em que os vareiros entram nos buracos dos fueiros do carro, e a portinhola de descarga se situa sobre a cabeçalha. Se é certo que a base então é alongada, com cerca de 2 m por 1 m, o corpo pode porém tender para a forma arredondada, tal como acontece com os cestos, e o canastro apresenta um aspecto que o aproxima dos de planta redonda.

  • 71 ) É em Várzea Cova que, nesta região, se encontram os maiores canastros de varas.

124Canastros de varas de Fafe. Canastros de A boím – Pela parte Norte do concelho de Fafe, nas freguesias de Aboím, Várzea Cova e Lagoa, aparecem também canastros de varas, aí chamados caniços de vergueiros, de aparência e dimensões semelhantes às do Barroso (71), em que, como ali, os paus, muito altos, de carvalho, se dispõem à volta de uma cova que se abriu com cerca de meio metro de profundidade, bem seguros e firmes com calhaus e terra com que se volta a enchê la. Diferentemente do que ali sucede, porém, esses paus não formam eles próprios, entalhados e encurvados, a armação sobre que repousa a cobertura, mas prolongam se a direito, sobressaindo muito acima do bordo do canastro; essa armação é formada por varas, em número de cerca de vinte, escolhidas com forqueira numa das pontas, que se espetam no tecido, e que se amarram todas no vértice, por um arco horizontal, atado a elas, a uma certa altura ; a cobertura – que é muito alta e volumosa – é de palha milha assente nessa armação, e as pontas salientes dos paus entre os quais ela se dispõe, e que ficam à vista acima dela, não a deixam escorregar (des. 23). Todas as amarrações são feitas com vergas. O varedo – lenha – começa a tecer se em volta dos paus a cerca de 40 cm do solo; o melhor é o de carvalho, mas o de giesta é também muito corrente; contudo, neste último caso, as voltas do fundo que aguentam o las tro são de carvalho. O sistema de sustentação do lastro é também diferente do que vimos no Barroso, e não se usa o soalho. Depois de se firmar bem com pregos cravados nos paus a volta inferior do teçume, espetam se, duas ou três voltas mais acima, pontas de varas que atravessam o corpo do caniço, de lado a lado, em várias direcções, irregularmente cruzadas; e seguidamente, sobre essas varas, estende se uma camada de rama de giesta, uma gabela de palha milha, e, finalmente qualquer pano, pedaço de manta ou linhagem, que não deixe cair o grão que se vai soltando. As espigas metem se antes de se colocar a palha milha da cobertura; e tiram se, como no Barroso, afastan do se umas varas a meio do teçume. Encontrando se todo o material no sítio, dois homens fazem um caniço em pouco mais de meio dia.

Des. 23 Aboim, Fafe. Caniço de vergueiro. Estrutura: a) pano ou linhagem; b ) gabela de palha milha; c) camada de giesta; d) pontas de varas; e) pregos.

Des. 23 Aboim, Fafe. Caniço de vergueiro. Estrutura: a) pano ou linhagem; b ) gabela de palha milha; c) camada de giesta; d) pontas de varas; e) pregos.

125Canastros de Pedraído – Logo na vizinha freguesia de Pedraído, do mesmo concelho de Fafe, os canastros de varas não só diferem muito dos de Aboim, com sensível vantagem de duração e estabilidade, e defesa eficaz con tra os ratos, mas mostram mesmo traços originais que não existem nos demais tipos que conhecemos. Com efeito, o assento consiste numa espessa pedra arre dondada, pousada sobre um bloco quadrangular de largura bastante menor, formando como que uma espécie de pé singelo único, com mó. No centro da pedra há um buraco que a vaza de lado a lado, e onde entra, apertado, um mastro que desempenha idêntico papel ao da vara das medas: a armação da cobertura é feita com varas que, depois do corpo tecido, se espetam no teçume, e se vão amarrar seguidamente em cima, no topo desse mastro central, e que acidentalmente podem mostrar qualquer forqueira para pren der ao rebordo do corpo; os paus terminam ao nível desse bordo, e não se prolongam para cima, como em Aboím e no Barroso (des. 24). O corpo é tecido fora, enterrando prèviamente na terra os paus uns 50 cm; o trabalho é feito por dois homens, um pelo lado de dentro e outro pelo de fora, que com os sócos calcam o varedo à medida que o vão tecendo, para o apertar; pronto o tecido, arranca se da terra, e tece se a parte dos paus que ficara enterrada. Pousa se depois o canastro sobre a pedra, e um dos homens fica do lado de dentro, sobre a pedra, e enfia o pau central no buraco a meio desta. A altura do corpo nunca atinge a que é usada em Aboím; a capucha, alta e espessa, é também de palha milha. No fundo do tecido há um postigo de descarga, igual ao dos canastros do Soajo e Vila Verde.

Des. 24 – Pedraído, Fafe. Canastro de varas. Estrutura.

Des. 24 – Pedraído, Fafe. Canastro de varas. Estrutura.

126Sem dúvida derivados destes canastros, surgem por Pedraído al guns casos em que o corpo é feito de ripado vertical, como nos espigueiros pròpriamente ditos, mas de planta cilíndrica, como os caniços de vergueiro, cingido por arames. Todos os restantes pormenores – pés, mastro, capucha – são idên ticos aos dos canastros.

Des. 25 – Outeiro, Viana do Castelo. Canastro de varas. Estrutura. Notar o janelo de carga junto ao bordo superior.

Des. 25 – Outeiro, Viana do Castelo. Canastro de varas. Estrutura. Notar o janelo de carga junto ao bordo superior.
  • 72 ) Na Serra de Arga só há poucos anos deixaram de usar as secodeiras de varas entretecidas; ainda em (...)

127Canastros de varas da Serra de Arga e Viana do Castelo – De toda a área de canastros de varas da Serra de Arga e suas vertentes para o mar e para o Lima, restam hoje alguns raros exemplares na freguesia de Outeiro, no concelho de Viana do Castelo (72). A forma geral e as dimensões do seu corpo são semelhantes às dos da Nóbrega e Oural, enquanto que o seu sis tema de cobertura os aproxima dos de Paredes de Coura e Barroso. Mas o seu assento e aberturas de carga são diferentes e originais, constituindo for mas locais que só neles se encontram. De facto, os paus não enterram no solo, como no Barroso e Aboím, nem assentam numa grade de madeira, como no Soajo e Oural, nem pousam sobre uma mesa de pedra, como em Pedraído: espetam, saindo de modo a ficarem à vista por baixo, em furos dispostos em círculo, vazados de lado a lado em toscas mesas de pedra, um pouco elevadas do solo sobre calhaus baixos, sem qualquer afeiçoamento (des. 25). Para se lançarem as espigas deixa se, num sector entre dois paus, na parte superior do teçume, um espaço formando janelo, que se tapa em seguida com um molho de palha milha, ao jeito de uma rolha. A descarga faz se por um postigo rente à base, que se fecha com uma tábua, como no Soajo, e que dá para a eira. Os paus são de carvalho, e o varedo de salgueiro; para a capu cha, emprega se a palha milha, recoberta por uma camada exterior de colmo.

Des. 26 – S. Mamede, Arcos de Valdevez. Canastro de varas, de planta rectangular. Estrutura.

Des. 26 – S. Mamede, Arcos de Valdevez. Canastro de varas, de planta rectangular. Estrutura.

128A duração vulgar destes canastros de varas é em média de quatro anos.

  • 73 ) O Outono de 1960, muito chuvoso, multiplicou o número de canastros de varas por todas estas regiõ (...)

129Apesar de servirem de espigueiro a gente de poucas posses, com fre quência eles são feitos por lavradores abastados, em anos de muito milho, quando o espigueiro grande não é suficiente para abrigar toda a colheita (73).

b) Construções de planta circular com paredes cilíndricas de pedra, e cobertura cónica de materiais vegetais

130Como atrás dissemos, as construções de planta circular – e quadrada –, com paredes baixas de pedra e cobertura cónica de materiais vegetais, encontram se ainda, em algumas áreas, em número apreciável, e obedecendo a tipos locais por vezes bem diferenciados. É desses vários tipos que passamos o ocupar nos.

Des. 27 – Barranco do Velho, Loulé. a) Palheiro; Aspecto geral, b) Corte pelo plano da porta; c) remate da cobertura.

Des. 27 – Barranco do Velho, Loulé. a) Palheiro; Aspecto geral, b) Corte pelo plano da porta; c) remate da cobertura.

Algarve

  • 74 ) Em Pedralva, Vila do Bispo, por exemplo. E no Barranco do Velho, em 1948, uma mulher velha de 80 (...)

131A construção circular, frequente como vimos em muitas zonas do País, adensa se de modo notável na serra algarvia, em cabanas com cobertura cónica de palha. Mesmo porém fora da área serrana, exemplares relativamente numerosos e hoje já modificados – ora com o telhado a uma única água ( raríssimas vezes a duas), de telha caleira, ora já destelhados mas mostrando ter sido essa a forma originária da sua cobertura – atestam a sua existência por quase toda a Província. Quer estes, quer os de cobertura cónica que lhes deram origem, servem agora normalmente de palheiro; mas em várias aldeias está ainda na memória da gente a sua utilização como moradia (74).

  • 75 ) S. Barnabé, Monte Velho, Barranco do Velho, Monte dos Mercadores, Alçaria do Cume, Cachopo, Água (...)
  • 76 ) Lautensach, ap. Fritz Krüger, op. loc. cit., Nota 73, p. 48, assim descreve as construções circul (...)

132Por toda a serra do Caldeirão (75), nos ermos e distantes lugarejos situados nos altos dos cerros, vêem se com fre quência essas construções circulares, as mais das vezes ainda com cobertura có nica de materiais vegetais, ora isoladas, ora junto aos pequenos povoados, por vezes ao lado dum sobreiro solitário de braçadas decepadas (figs. 119 a 124). De planta circular, com paredes de xisto de aparelho bastante perfeito, medem em alguns casos cerca de 6 m de diâme tro por 2,5 m de altura do lado mais alto, e 50 cm de espessura de parede. A cobertura é formada por uma armação de paus ou caibros dispostos em cone, assentes no cimo da parede e convergindo para o alto (des. 27b); os quatro primeiros que se montam, cruzados, são presos uns aos outros com arames, no vértice; os demais engalham nestes. A ripagem, de canas ou varas de loendro, fica em anéis espaçados cerca de 35 a 40 cm, pregados aos caibros. A cobertura, geralmente de palha de centeio, é colocada da base para o vértice em fiadas concêntricas, bem destacadas, formando degraus largos (des. 27a), e segundo dois sistemas fundamentais: 1) dispondo a palha em pequenos molhinhos – manchinhas (Cavalos) – a seguir uns aos outros, com o couce para baixo, atados à ripa com corda de cairo ou tamissa (sem varas exteriores) (des. 28); 2) estendendo a palha igualmente com o couce para baixo e colocando uma vara exterior sobre cada fiada, na altura da ripa correspondente; a vara exterior e a ripa são depois apertadas uma para a outra por cordas de tamissa, a intervalos de cerca de 50 cm. Este último caso exige a colaboração de duas pessoas, uma do lado de fora e outra de dentro, e um tipo especial de agulha de pau, grande, com o buraco na ponta, que é aguçada e cortada em bisel (des. 29); a pessoa que está do lado de fora enfia a ponta da corda na agulha e crava a na palha, ao lado da ripa, até atingir o interior (des. 29a); aí a outra pessoa desenfia a, passa a corda em volta da ripa e volta a enfiá la (des. 29b) ; a primeira puxa a para o exte rior (des. 29c), passa a corda pela vara, dá um nó na ponta e um laço, estica e aperta, e remata por outro laço (des. 29d e). A última camada, junto ao vértice, é posta com o couce para cima e termina por um feixe de palha dobrado e seguro por um arco, encimado por uma cruz (des. 27c) (76).

Des. 28 – Cavalos, Loulé. Processo da prisão da palha, na cobertura, disposta em manchinhas

Des. 28 – Cavalos, Loulé. Processo da prisão da palha, na cobertura, disposta em manchinhas

Des. 29 – Serra do Caldeirão, Algarve. Processo de prender as fiadas do colmo em valadio, nas coberturas cónicas dos palheiros.

Des. 29 – Serra do Caldeirão, Algarve. Processo de prender as fiadas do colmo em valadio, nas coberturas cónicas dos palheiros.

133Por vezes, principalmente quando o palheiro se situa numa encosta, a entrada fica no nível mais baixo do terreno, e do lado mais elevado abre se, junto à base, uma portinhola com cerca de 70 cm de lado, no vão entre dois caibros, cortando se as ripas nesse sector; é por aí que se mete a palha no palheiro; quando este está cheio, pregam se de novo as ripas e recobre se o buraco com palha (fig. 119). No exemplo de S. Barnabé, Monte Velho (Almodóvar), a que atrás nos referimos, vê se, além da entrada aberta na cober tura, uma porta rasgada na parede, elevada do solo cerca de 70 cm (des. 30). Na maioria dos casos, a padieira da porta é em madeira ; não se usam dobra diças, mas gonzos na própria couceira da porta.

Des. 30 – S. Barnabé, Almodóvar. Palheiro. 4 m de diâmetro interior. Parede de pedra de 1,80 m de altura ; cobertura cónica de materiais vegetais com portinhola para meter a palha; porta com soleira elevada, ao jeito da janela.

Des. 30 – S. Barnabé, Almodóvar. Palheiro. 4 m de diâmetro interior. Parede de pedra de 1,80 m de altura ; cobertura cónica de materiais vegetais com portinhola para meter a palha; porta com soleira elevada, ao jeito da janela.

134Na Borracheira (Tavira), a cerca de meio metro do remate da parede dum palheiro via se uma série de pedras salientes com intervalos regulares de cerca de 50 cm entre cada, ao jeito duma cachorrada, servindo presumi velmente de apoio às pessoas quando da colmagem das primeiras camadas, na base da cobertura. Em alguns casos, quando há pouco desnível e a parede, atrás, fica alta, o acesso à portinhola faz se por degraus, formados de pedras da parede que avançam para fora além do prumo desta.

Alentejo

  • 77 ) E também de planta rectangular, com ou sem muro de pedra.

135No Alentejo, a construção com cobertura cónica de materiais vegetais, de planta circular ou quadrada, assente num muro baixo de pedra, geral mente em seco (77), é também muito frequente, e encontra se em várias partes da Província, desempenhando funções diversas, e mostrando por vezes, de uns casos para outros, certas diferenças de pormenor.

  • 78 ) Com parede de xisto medindo de um lado 1,80 m de altura, e do outro 2,50 m; o diâmetro no solo é (...)
  • 79 ) Vivia nela o guarda sacristão da capela que ali se ergueu em honra da pre tensa aparição de uma « (...)
  • 80 ) Esta pocilga dá para um recinto cercado por um muro alto.
  • 81 ) Por exemplo no monte da Granja, junto ao Guadiana, de planta quadrada e paredes com cerca de 1,50 (...)
  • 82 ) Aqui, além das malhadas de porcos que, como dissemos, adiante estudare mos, vimos uma choça deste (...)

136Em exemplares dispersos, vemo las em Santa Bárbara, nas Sete (fig. 125), perto de Castro Verde, de planta circular, servindo de palheiro (78); na Ama releja (Moura), também de planta circular, servindo de habitação a uma família (79) fig. 126); em Reguengos, no caminho para Monsaraz, de planta quadrada, servindo de pocilga (80); na região do Alandroal (81), Jurome nha (82) e Elvas (fig. 127), em número apreciável, e de planta ora circular ora quadrada, servindo de pocilgas, de abrigo a guardas de herdades, para habitação, etc. Aliás, como já dissemos, em toda esta última área, sobretudo em Juromenha e também em Santa Eulália, a construção deste tipo ocorre com grande importância nas malhadas de porcos, que são muitas vezes con juntos complexos de construções, compreendendo pocilgas, anexos e mesmo habitações humanas, para os porqueiros e pastores; dada, porém, a varie dade de edificações de que se compõem, estudá las emos adiante em especial.

  • 83 ) Jorge Dias, «Las chozas de los Cabeçudos », pp. 164 172.

137No distrito de Portalegre, este tipo de construção toma particular relevo; além de múltiplos casos em Alpalhão, Crato, etc., encontrámo lo com a maior frequência por toda a serra de S. Mamede, no concelho de Marvão (perto de Castelo de Vide, onde, como veremos, se situa um grupo notável de cons truções em falsa cúpula), e sobretudo na povoação de Cabeçudos, que pela originalidade dos aspectos que apresenta, descreveremos em pormenor, atra vés do estudo que dela fez Jorge Dias em 1948 (83).

138A aldeia dos Cabeçudos, do concelho de Marvão, encontra se meio oculta na encosta de um vale de ligeiro declive, entre 470 e 490 m de altitude, numa região granítica semeada de grandes blocos cobertos de musgo, que pouca terra deixam para cultivo. A aldeia não oferece recursos agrícolas ou industriais aos seus habitantes, que se dedicavam principalmente ao contrabando, visto que estão a poucos quilómetros da fronteira. As vivendas acham se disseminadas ao acaso, umas abaixo outras acima, quase sem formar as ruas ou praças, frequentes nas pequenas aldeias alentejanas (figs. 128 a 131).

139As pessoas idosas da região e algumas não muito velhas, como o nego ciante Miguel Carrilho, disseram que na sua infância havia somente uma ou duas casas de planta rectangular. Todas as demais vivendas do povoado eram então de planta redonda e cobertura cónica.

140Na data em que Jorge Dias a visitou, na aldeia havia mais de vinte edificações desse género, das quais quatro eram habitadas por famílias que ali cozinhavam e viviam, mas não dormiam, e duas eram vivendas completas, onde decorria toda a vida doméstica dos seus proprietários. O tipo mais antigo pode dizer se inteiramente redondo, se não olharmos às imperfeições de uma construção um pouco descuidada. Contudo, algumas mostravam uma circunferência quase perfeita.

141A construção não tinha alicerces, e erguia se sobre qualquer superfície plana de rocha granítica, que aflora por todas as partes. É possível que em certos casos a aplanassem, quando a natureza não a deu nas condições desejadas. Noutras, mantém se um tanto ou quanto irregular, sem que isso incomodasse muito as pessoas. As choças dos Cabeçudos nunca eram abrigo de homens e animais sob o mesmo tecto. Em geral, cada choça tinha um fim diferente, corte de gado ou palheiro, e mostrava uma certa unifor midade de tamanho. A maior tinha um diâmetro de 4,90 m.

Des. 31 – Cabeçudos, Marvão. Choça. Planta segundo Jorge Dias: a) prumo; b ) lugar do fogo; c) camas; d ) arca; e) mesa; f ) louceiro; g) cadeiras.

Des. 31 – Cabeçudos, Marvão. Choça. Planta segundo Jorge Dias: a) prumo; b ) lugar do fogo; c) camas; d ) arca; e) mesa; f ) louceiro; g) cadeiras.
  • 84 ) Jorge Dias, op. cit., após uma comparação pormenorizada entre as casas da aldeia dos Cabeçudos e (...)

142As paredes, feitas de blocos de granito pequenos e toscos, eram construídas em seco sem nenhum reves timento interior ou exte rior, e tinham uma espes sura de 50 cm. Estas pare des oscilavam entre 1,30 e 1.50 m de altura. Contudo, depois de se entrar, a cober tura cónica de grande al tura permitia que se an dasse perfeitamente de pé até junto das paredes. A porta de entrada era a única abertura da casa. Era por essa porta, com 1,30 m de alto e 80 cm de largo, que se fazia a ventilação e iluminação; por isso ela encontrava se quase sempre aberta, quando o tempo o permitia. A cobertura cónica era feita de paus de carvalho e sobreiro, com a ponta inferior assente sobre a parede, enganchados, em cima, uns nos outros. As construções maiores tinham um poste de madeira de carvalho no centro, de 3,40 m de altura, terminando em forquilha. No topo superior deste poste pousavam os paus que partiam do bordo da parede – os tiravões – formando uma capucha cónica. Sobre os tiravões colocavam se uns paus de sobreiro mais pequenos, mas bem galhentos, que serviam para prender a cobertura vegetal exterior, que aqui era sempre de giesta (e não de palha) (84).

143O interior era duma simplicidade extrema. A meio, sobre o lajedo de granito, estava a lareira, em redor da qual a família se sentava em cadeiras baixas, com o assento de palha entrançada. O resto dos móveis dispunha se em volta da casa, junto às paredes (des. 31). Sem qualquer decoração, a única nota de cor era dada por umas pinceladas de cal nas pedras que formavam a padieira da porta pelo lado de fora, e nem todas apresentavam tal luxo. Não havia naturalmente saída para o fumo além da porta, e a casa, por dentro, estava completamente negra da fuligem – mais um exemplo dessas casas de fumo –, sendo preciso, a quem vinha do exterior, acostumar se àquela escuridão para distinguir os objectos.

144Actualmente, o aspecto da aldeia modificou se. Subsiste apenas uma dezena destas construções, nenhuma serve de habitação, e apenas uma é utilizada ainda como cozinha. Das outras, ou se deixaram arruinar, res tando delas apenas as paredes de pedra, ou, nomeadamente as de planta quadrada, foram transformadas em casas vulgares com cobertura de telha.

145Na aldeia, já não existe nenhum exemplo com o prumo central, e mesmo raras pessoas se lembram desse pormenor. A armação da cobertura é mon tada a partir de quatro paus mais grossos bifurcados e engalhados entre si na extremidade, que se levantam em primeiro lugar, dispondo se os outros seguidamente sobre eles, afastados na base uns dos outros cerca de 70 a 80 cm. Geralmente não usam qualquer género de ripado; sobre aquela armação dispõem ramos grandes de giesta ou carvalho, com a rama para baixo, e sobre eles colocam o revestimento pròpriamente dito da cobertura. Este é sempre de giesta, que se assenta também com a rama para baixo, espe tando o couce de cada ramo na estrutura interior, em camadas – as idas – sucessivas, da beirada para o vértice, duas, três ou mais, conforme a espes sura que se pretende. No vértice, usam se ramos mais finos, que se espetam com a rama para cima, e se apertam com vencilhos também de giesta, for mando um coruto; por vezes, neste coruto, fixam se dois molhos pequenos de giesta, um de cada lado, horizontalmente, formando um remate em cruz (des. 32). Todos os anos este revestimento é renovado com uma nova camada de giesta, que se espeta do mesmo modo sobre o revestimento anterior.

146Interiormente, vê se em muitos casos um muro baixo que divide a choça em dois compartimentos. No exemplar que servia ainda de cozinha, o fogo acendia se contra esse muro. Num outro exemplar, de planta qua drada. já sem cobertura, essa divisória era uma verdadeira parede a meio da cabana, com a altura das paredes exteriores, dividindo a em cozinha e quarto. Outras vezes, em casos de casais com filhos, esta divisória era feita com uma simples cortina.

Des. 32 – Cabeçudos, Marvão. Choça. Aspecto geral, corte e pormenor duma cobertura cónica.

Des. 32 – Cabeçudos, Marvão. Choça. Aspecto geral, corte e pormenor duma cobertura cónica.

147Numa das últimas choças que serviu de cozinha, a lareira, aberta, situava se a um lado, e sobre ela a cobertura era revestida interiormente por chapa de ferro, a fim de impedir que as chamas pegassem às ramagens de giesta. A parede era caiada, e dela se suspendiam colhereiras e prateleiras com vários objectos. No bordo superior pousavam latas com géneros, tachos e outros utensílios; em baixo, junto à parede, ficava o poial dos cântaros de barro, e outras prateleiras.

148Em muitos casos, a choça dá para um recinto murado que abre para o caminho e faz de pequeno logradoiro (fig. 131).

149Estas choças existem também em grande número nas imediações da povoação dos Cabeçudos, em Barretos, Arranjinha, Beirã, Galegos, outrora a Pitaranha, etc., dispersas pelos campos, ou, mais raramente, junto às casas de habitação.

150Em Barretos, por exemplo, encontram se ainda duas choças deste tipo que foram também habitadas. Uma delas (que há quatro anos deixou de o ser e hoje serve apenas de cozinha) é de planta circular, com 4 m de diâmetro interior, 1,50 m de altura das paredes e 70 cm de espessura, e uma altura, do solo ao vértice, de 4,30 m; a porta, única abertura, mede 1,30 m por 80 cm (fig. 132).

151A norte da Beirã, no lugar do Cabeço, vimos, entre outras dispersas pelos campos, um conjunto destas choças, constituindo uma unidade rural primitiva, formada pela casa de habitação do casal, a cozinha, o palheiro e várias outras pequenas dependências, galinheiros, etc., dispostas a um lado das terras de cultivo, mais ou menos próximas umas das outras (fig. 133). A choça de habitação (fig. 134) era de planta quadrada, sem divisória interior, paredes de pedra barreadas e caiadas de branco, medindo 4 x 3,60 m de lados, com 1,75 m de altura; a cobertura, de formato cónico piramidal, bastante abatida, era sustentada por um prumo central (único caso hoje observado naquela região (fig. 135); o pavimento era lajeado. A sua altura interior, do solo ao vértice, era de 3,30 m. Como única abertura, rasgava se, na parede, uma porta, com 1,60 m de altura por 70 cm de largura, enci mada por uma padieira de pedra, à altura das paredes. À volta destas, um mobiliário pobre e incaracterístico: arcas de tábuas mal afeiçoadas, mesas e caixas, um louceiro, uma tarefa com azeitonas, recipientes e utensilagem diversa, duas camas sumárias com rodapé de tecido estampado, cadeiras de palha, e um relógio de mesa colocado num pequeno nicho na parede (fig. 136); uma vara lançada da parede ao prumo central, servia de cabide de roupa (fig. 135). A poucos passos desta choça, ficava a cozinha, de planta circular, com 2,50 m de diâmetro e parede de 1,70 m de altura (sendo cerca de metade formada por rocha viva) e 50 cm de espessura; e com uma altura interior, do solo ao vértice da cobertura, de 3,20 m. A porta, com 1,55 m de altura por 58 cm de largura, era encimada por uma padieira de madeira. Em frente à porta, encostada à parede, situava se a lareira, com uma pequena borralheira atrás, cavada na rocha; sobre ela, à altura das paredes, uma placa de cortiça, disposta horizontalmente, e pedras apoiadas sobre a base do barrotamento, protegiam do fogo a cobertura (fig. 137). O material desta, no interior apresentava um verdadeiro vidrado, resultante do fumo; nas paredes, este, misturado à cal, fazia um engobo pardo. Uma ou outra reen trância nas paredes era aproveitada como poial.

152As choças dispersas pelas campos, que como dissemos aparecem em grande número, servem de palheiro, curral, etc. (figs. 138 e 139). E, com muita frequência, este tipo de construções, de pequenas dimensões, é utili zado para galinheiros, pocilgas, etc., por vezes com uni recinto murado em frente.

Beira Alta

153Área de Viseu – Numa área entre Viseu e o Dão, especialmente nas freguesias de Fragozela e Prime, a par das choupanas de planta rectangular e cobertura de duas águas, de que adiante nos ocuparemos, e das cónicas inteiramente em materiais vegetais de que já falamos, encontram se outras, em grande número, de planta circular com paredes baixas de pedra e cober tura cónica de materiais vegetais – as choupanas de pino – instaladas ora em terrenos planos, ora em declive, apresentando neste caso as paredes alturas diferentes de acordo com o desnível do solo (figs. 140 e 141).

154Essas choupanas servem apenas de palheiro ou casa de eira, e podem ter um ou dois pisos. Quando construídas em terrenos desnivelados, elas apresentam se em geral com dois pisos: o superior, constituído apenas pelo espaço do cone da cobertura, com o vigamento do estrado assente no bordo da parede, e uma portinhola rasgada na base dessa cobertura, a abrir para o nível mais alto do terreno, utilizado sobretudo para abrigo e recolha de palhas; e o térreo, com abertura de entrada no lado mais baixo do terreno, mais ou menos escavado no declive, fechado à frente e dos lados pelo muro de pedra, de modo a ficar o cimo da parede de nível com o terreno atrás, ou, quando o declive é menor, ficando mesmo aí acima dele, servindo por seu turno, de loja de arrumações e sobretudo de corte de gado. Mais raramente, construções de dois pisos são edificadas em terre nos planos, e o acesso ao piso superior é feito por uma escada de encostar, através da portinhola que se abre na base da cobertura, sobre a parede (des. 33).

155A cobertura é formada por uma série de troncos delgados de pinheiro, afastados irregularmente uns dos outros na base – cerca de 50 cm – con forme um melhor ponto de assentamento na parede. Para a sua construção, segundo a regra geral, colocam primeiramente quatro desses troncos for mando pirâmide, engalhados ou presos por cavilhas ou arames no alto; e, logo a seguir, outros, a toda a volta, engalhados nessa cruzeta inicial, e aos quais por vezes se desbasta a ponta, evitando um engrossamento dema siado nesse ponto (figs. 142 e 143). Esta estrutura forma assim um cone cuja inclinação média oscila entre 30° e 35° em relação à vertical, atingindo em alguns casos menos de 25°. Estes troncos são mal esgalhados, não só no alto, onde engancham uns nos outros, como a todo o comprimento, para neles se prender a ramagem que constitui a camada inferior da cobertura. Essa camada é na maioria dos casos de giesta, colocada por vezes sobre ramagens de carvalho, mimosa ou eucalipto, quando conveniente. Este material, agarrando se aos galhos dos troncos, dispensa geralmente qualquer ripagem, vendo se em raros casos, uma ou outra vara de pinheiro pregada de través. Contudo, quando os troncos ficam um pouco mais afastados uns dos outros na base do cone, colocam se então três ou quatro arcos horizontais de varedo de castanho – o vergamento – formando um pequeno ripado que se amarra com vimes para os troncos. Esta camada de ramagens é recoberta por outra camada de tranças de colmo, dispostas e presas segundo o sistema que atrás descrevemos, quando nos referimos às choupanas inteiramente em materiais vegetais, desta mesma região.

Des. 33 – Prime Viseu. Construção circular em terreno plano. Aspecto geral, corte e pormenor da portinhola de acesso ao piso superior.

Des. 33 – Prime Viseu. Construção circular em terreno plano. Aspecto geral, corte e pormenor da portinhola de acesso ao piso superior.

156Frequentemente as tranças da beirada são substituídas por uma fiada de giesta.

157Quando existe o vergamento, em alguns casos, em vez da trança apli ca se o colmo em manadas ou garfas, que se prendem com vencilhos nesse vergamento: uma pessoa pelo lado de fora assenta as garfas, envolve as com o vencilho e passa este para outra, que está dentro; esta dobra e torce o vencilho em torno da verga e volta a passá lo para fora, e assim sucessi vamente (des. 34).

158As paredes de pedra são baixas, e nunca ultrapassam a altura do rasgo de entrada, que por isso não tem padieiras nesse material.

Des. 34 – Prime, Viseu. Processo de dispor o colmo na cobertura, em garfas seguidas.

Des. 34 – Prime, Viseu. Processo de dispor o colmo na cobertura, em garfas seguidas.

159Nas choupanas de um só piso, a entrada é mesmo, por vezes, mais alta do que a parede e rasga ainda a base da cobertura; e a padieira é um sim ples travessão de madeira pregado aos troncos que a ladeiam. Nas choupanas de dois pisos, o pavimento do superior – que fica ao nível do topo das paredes – é geralmente feito de varas delgadas de pinheiro, postas a par, muito juntas, ou paus mais grossos e afastados uns dos outros, cobertos por ramagens (des. 33). Este vigamento sumário apoia nas paredes, sem qualquer espécie de frechal; o acesso a este piso é feito, como dissemos, por uma portinhola aberta na cobertura, ao seu nível, geralmente na rectaguarda da choupana, protegida por uma aba saliente da cobertura. Quando o declive é muito acentuado, esta abertura fica ao raso do solo, desse lado, ou um pouco acima dele; quando o desnível é pequeno e essa portinhola fica muito acima do solo, ascende se a ela por uns toscos degraus de pedra, ou. como dissemos, por uma escada de encostar móvel. A entrada para o térreo tem então sempre a mesma altura das paredes, e a sua padieira é, por isso. também de madeira, geralmente uma ponta de costaneira muito espessa, pousada na parede, e na qual se rasga o buraco onde entra o gonzo talhado na própria couceira da porta.

Des. 35 – a) Vila Cova de Tavares, Mangualde. Cibana de felga de dois pisos. b) Vale de Manjão, Fornos de Algodres. Cibana de planta quadrangular. Corte e aspecto geral e disposição das varas da cobertura sobre a parede.

Des. 35 – a) Vila Cova de Tavares, Mangualde. Cibana de felga de dois pisos. b) Vale de Manjão, Fornos de Algodres. Cibana de planta quadrangular. Corte e aspecto geral e disposição das varas da cobertura sobre a parede.

160Uma das choupanas de um só piso, de dimensões normais, media 4,10 m de diâmetro interior, 4,90 m de altura, também no interior, da base ao vértice, com uma abertura de entrada de 1,65 m de largura e 1,20 m de altura. Outra choupana, de dois pisos, também de dimensões normais, media, interiormente, 3 m de diâmetro, com paredes de 1,60 m de altura e 60 cm de espessura; o piso superior tinha de altura máxima 3,80 m.

161A construção e manutenção destas choupanas de pino são mais difíceis do que as das choupanas rectangulares de duas águas, sobretudo no que respeita à cobertura, e por isso elas têm vindo a ser substituídas por estas.

  • 85 ) Uma choupana de pino colmada de novo em 1968, levou colmo no valor de 300$00.

162O revestimento da cobertura dura em média cerca de dois anos sem necessitar de qualquer reparação; a partir de então torna se necessário repará lo, aplicando colmo novo nos sítios mais danificados (85).

163Embora, como dissemos, estas choupanas se destinem hoje apenas à recolha de palhas, cortes de gado ou lojas de arrumações, elas serviram outrora já de habitação normal; ainda por volta de 1950, uma delas pelo menos, só de piso térreo, era habitada.

  • 86 ) Rocha Peixoto, «Os Palheiros do Litoral », in «Portugália», I, Porto, 1899, p. 81, citando Martin (...)

164Area do Mondego – Numa vasta área a leste de Viseu, em especial ao longo do Mondego, pelos concelhos de Mangualde, Fornos de Algodres e Celorico da Beira, e, um pouco mais ao norte, nos de Penalva do Castelo, Sátão e Aguiar da Beira (fig. 149) atingindo, a Nordeste, o de Trancoso, em Pereiro – Terras de Tavares (figs. 145 e 146), Senhora dos Verdes (fig. 144), Vila Mendo, Povolide, Cortiçô da Serra, Sequeiros, Cervães, Abrunhosa da Serra (fig. 147), Casal da Silvã (fig. 148), etc.–, encontram se também em grande número cabanas (Sátão), ou cibanas (Fornos de Algodres), deste tipo geral, com idêntica cobertura, mas com algumas diferenças de menor ou maior vulto, relativamente às que acabamos de descrever. Elas encontram se em geral isoladas, dispersas pelos campos; mas, em Casal da Silvã existiam em tão grande número no próprio núcleo da povoação, que os habitantes das aldeias vizinhas chamavam a esta «o povo das Cabanas» (86).

  • 87 ) Junto ao Mondego, viam se moinhos de rodízio com cobertura deste tipo.

165Estas cabanas ou cibanas apresentam se ora de planta circular, ora quadrada (e até em raros casos em forma de ferradura), com cobertura cónica, ou piramidal de arestas muito boleadas, por vezes bastante alta, com uma inclinação média de 30° a 35° (em relação à vertical), e de um ou dois pisos, conforme o fim a que se destinam. As paredes de pedra, igualmente muito rudes, são porém um pouco melhor aparelhadas, e sobretudo mais altas do que em Prime; e, desse modo, o rasgo da porta é em regra encimado por uma padieira de pedra. Os cunhais, quando a cibana é de planta quadrada, em geral não se distinguem porém do restante aparelho das paredes. Nas cabanas de dois pisos, sejam ou não edificadas em terrenos de declive, o piso superior fica à altura do topo das paredes (des. 35a); ele destina se à guarda de palhas – o palheiro –, e o piso inferior, térreo, a corte de ovinos e, mais raramente, de gado vacum. Nas de um só piso, todo o espaço interior da cabana fica livre, do chão ao vértice da cobertura (des. 35b); elas servem geralmente de abrigo ocasional a trabalhadores rurais ou guar das de vinha (87). As suas dimensões médias, no interior, são as seguintes: altura das paredes, 1,65 m; sua espessura, 55 cm; diâmetro na base (ou lado), 3,20 m; altura do piso superior, do pavimento ao vértice, 3,20 m; altura e largura da porta, 1,45 m X 80 cm.

  • 88 ) Excepcionalmente, vimos em Chãs de Tavares, uma destas cabanas com duas portas, ambas rasgadas na (...)

166Quando construídas em terrenos de declive, todo o espaço que a cabana ocupa é escavado até ao nível mais baixo do terreno (des. 35). Mas, ao contrário do que vimos em Prime, é menos frequente a portinhola de acesso ao piso superior, a abrir para o exterior e parte alta do terreno. Geral mente ascende se a esse piso pelo interior da cabana, trepando por meio de uma escada móvel de encostar, através dum espaço que se deixou aberto no pavimento, em frente à padieira da porta (88).

  • 89 ) Excepcionalmente, vimos numa cabana a Nascente de Penalva do Castelo, cerca desta vila, um travam (...)

167A estrutura da cobertura é, como em Prime, formada por uma série de troncos delgados de pinheiro, apoiados na espessura das paredes, a espaços de 50 a 60 cm, convergindo para o alto, onde engalham e amarram uns nos outros. É digno de nota o facto de algumas cabanas de planta quadrada se apresentarem com cobertura cónica. Para esse efeito, aproveita se a grande espessura das paredes de modo que os elementos da armação partam já de uma base circular (des. 35b). Por vezes, alguns desses troncos não atin gem o vértice, apoiando a cerca de meia altura da vertente sobre outro que fica ao alto(89). Como também já víramos em Prime, esses troncos são mal esgalhados e é neles que se fixa a ramagem da cobertura, dispen sando em muitos casos a ripagem. Quando a cobertura se apresenta a tender para a forma piramidal, a ripagem é então ma is frequente, mas apenas junto à base, e feita geralmente de varas delgadas de pinheiro – as varelas (Fornos de Algodres) –, pregadas ou amarradas com vencilhos.

168O material mais empregado no revestimento da cobertura é a rama de pinheiro ou giesta. A rama de pinheiro usa se sobretudo numa região do concelho de Sátão, simplesmente engalhada nas varas e nas ripas – que ali se usam com muita frequência – de modo a formar uma camada extrema mente espessa; a giesta é mais usada nas áreas de Tavares e Abrunhosa, onde estas cabanas são designadas por cibanas de felga (de giesta), colocada de modo semelhante em espessa camada, da base para o vértice. Este remata pelo habitual coruto, de giesta ou colmo, com os couces para cima, no qual enfiam muitas vezes o gargalo dum cântaro de lata ou qualquer pote velho. Em certos casos, esse revestimento é mesmo feito de rama de pinheiro, giesta, e até carvalho misturadas. E as tranças de colmo, corrente nas choupanas de Prime, não são aqui usadas.

169De uma maneira geral, não resta memória destas cabanas terem sido habitadas, a não ser em Casal da Silvã, onde parece que tal sucedia até época relativamente recente. A mancha de fumo que se vê em muitas delas (que não têm piso superior) é devida à fogueira que ali se faz para aquecer quem nelas se abriga ocasionalmente durante o Inverno.

170Apesar da sua frequência, elas estão em vias de desaparecimento, por que toda a gente, logo que pode, constrói uma casa normal com telhado de telhas; de muitas restam já apenas as paredes nuas; noutras, as paredes, depois de melhoradas, foram cobertas por um desses telhados, de uma ou duas águas.

  • 90 ) Isso é também mais digno de reparo, quanto à certo que as estações castrejas onde podemos encontr (...)
  • 91 ) Jorge Dias, «Las construcciones circulares», p. 187, ilustração, segundo Eduardo de Oliveira, rep (...)

171Nas províncias nortenhas, este tipo de construções é muito mais raro, e aparece mesmo apenas em pequenas áreas restritas (90). Em Trás os Montes, no concelho de Freixo de Espada à Cinta, na povoação de Poiares, junto ao rio Douro, a caminho de Barca de Alva, encontram se palheiros para guarda de palhas ou de animais, de planta circular com paredes de xisto, a seco, e com cobertura cónica de giesta e palha, por vezes apoiada interiormente num poste central de pau (fig. 150). No mesmo concelho temos notícia de outro edifício deste tipo, com dois corpos salientes (um de planta redonda e outro de planta quadrada) abrindo para o interior, e uma pequena porta à frente (91).

***

  • 92 ) Jorge Dias, « Contribution», p. 109. Ver atrás, Nota 111.

172Directamente derivadas da casa de planta circular com cobertura cónica em materiais vegetais (92), encontram se também muitas casas de planta circular, mas com telhado de uma ou duas águas de telha ou mesmo, muito raramente, de colmo. Quando esse telhado é de uma só água, a parede forma, em cima, um anel oblíquo mais alto de um lado do que do outro, de modo a dar a inclinação do telhado; a sua armação é constituída por uma série de caibros paralelos, descendo da altura maior para a menor. Quando ele é de duas águas, a parede eleva se em dois bicos nos extremos duma linha diametral, sobre os quais assenta o cume, donde partem os cai bros para cada lado.

173Estas formas são especialmente frequentes nas áreas aonde perdura a casa de planta circular e cobertura cónica vegetal – Marvão e Beira Alta, mormente na área das cabanas do Mondego, representando aí meramente a adaptação de casas que eram origjnàriamente desse velho tipo, em vista sobretudo à substituição do primeiro material da cobertura, pela telha. Elas vêem se também na serra algarvia, mas aí em palheiros cujos telhados con tinuam a ser em colmo, assente em ripagem de canas. E aparecem também, mais raramente, casos semelhantes, dispersos e isolados, por exemplo: em Pedralva (Aljezur), Álamo (Mértola), Reguengos, Monsaraz, etc., em xisto, com o telhado de telha de uma só água – o último servindo de habitação do « maioral », ao lado de outra semelhante mas maior e com telhado de duas águas, servindo de curral, com um cercado murado à frente, também circular –; em Alpalhão e Mourela (Portalegre), várias, servindo de casas de habitação; em Barrancos e na Açoreira (Bragança), em xisto, com telhado de duas águas, a primeira com paredes bem rebocadas e caiadas, a segunda de planta elipsóide, e de grandes dimensões; etc.

  • 93 ) Jorge Dias, «Las construcciones circulares», p. 192.
  • 94 ) «A Ilustração Trasmontana», I, Porto, 1908, p. 92, mostra uma fotografia de uma casa nestas condi (...)
  • 95 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. notam que, nestes casos, essa tendência a curv (...)
  • 96 ) Jorge Dias, «Contribution», P1, II A, considera essas casas uma adaptação das construções redonda (...)

174Em certos casos, a construção circular – e mesmo, por vezes, com cobertura vegetal – explica se não por uma corrente cultural local, mas por factores gerais de diferentes ordens, de carácter circunstancial; e, quando assim é, ela tem carácter acidental e ocorre apenas em casos isolados, De facto, o que por vezes a determina são condições meramente topográficas – nomeadamente casas situadas em curvas de caminhos (93), por vezes mesmo em aglomerados urbanos (94), em vista a facilitar a passagem de carros (95). Na povoação das Alturas, na serra do Barroso, por exemplo, encontramos uma casa de granito com planta em forma de ferradura, e cobertura de uma água só, inclinada para a frente (96). Pelas suas dimensões, aparelho, sistema de cobertura, funções, etc., trata se sem dúvida de uma casa semelhante às demais daquela aldeia (que são de planta rectangular), cuja forma arredon dada deriva das necessidades de aproveitamento de espaço e não das impo sições da tradição.

175Outras vezes, a planta circular é ditada por razões de ordem prática ou funcional, ocorrendo em regra em determinadas categorias de instalações rurais, geralmente então edifícios de menor importância arquitectónica: tal é o caso, por exemplo, dos moinhos de vento, dos telheiros ou cobertos de poços ou de noras, pombais, formos, etc., em que essa forma constitui fundamentalmente um melhor ajustamento às actividades ou aparelhagem que o edifício é destinado a abrigar, ao mesmo tempo- que representa uma economia considerável, consentindo uma construção barata, que dispensa cunhais, sempre dispendiosos e difíceis, sobretudo nas regiões onde falta o granito. Por vezes, estas construções são, mais tarde, adaptadas a casas de habitação.

109 – Beirã, Marvão Choça do «maioral das cabras» do tipo de cobertura parede em materiais vegetais

109 – Beirã, Marvão Choça do «maioral das cabras» do tipo de cobertura parede em materiais vegetais

110 – Interior da choça da fig. anterior A lareira a meio; ao fundo a tarimba onde dormem os seus dois habitantes

110 – Interior da choça da fig. anterior A lareira a meio; ao fundo a tarimba onde dormem os seus dois habitantes

111 – Prime, Viseu Choupana do tipo de cobertura parede em materiais vegetais

111 – Prime, Viseu Choupana do tipo de cobertura parede em materiais vegetais

112 – Olivença Grupo de construções em materiais vegetais. A maior serve de habitação a trabalhadores rurais.

112 – Olivença Grupo de construções em materiais vegetais. A maior serve de habitação a trabalhadores rurais.

113 – Prime, Viseu Choupana do tipo de cobertura parede em materiais vegetais

113 – Prime, Viseu Choupana do tipo de cobertura parede em materiais vegetais

114 – Vale Chaim, Mértola Curveiro em materiais vegetais

114 – Vale Chaim, Mértola Curveiro em materiais vegetais

115 – S. João dos Caldeireiros Mértola. Curveiro em materiais vegetais

115 – S. João dos Caldeireiros Mértola. Curveiro em materiais vegetais

116 – Teixoeiro, Cabeceiras de Basto Canastro de vergueiro

116 – Teixoeiro, Cabeceiras de Basto Canastro de vergueiro

117 – Tamende, Ponte da Barca Canastro com o corucho erguido, cheio de espigas

117 – Tamende, Ponte da Barca Canastro com o corucho erguido, cheio de espigas

118 – Barral, Ponte da Barca Aglomerado de canastros de varas

118 – Barral, Ponte da Barca Aglomerado de canastros de varas

119 – Barranco do Velho Palheiro com portinhola na cobertura para a entrada da palha

119 – Barranco do Velho Palheiro com portinhola na cobertura para a entrada da palha

120 – Santa Maria, Palheirinhos, Tavira Palheiro

120 – Santa Maria, Palheirinhos, Tavira Palheiro

121 – Barranco do Velho. Palheiro

121 – Barranco do Velho. Palheiro

122 – Cumeada, Serra do Caldeirão. Palheiro

122 – Cumeada, Serra do Caldeirão. Palheiro

123 – Cavalos, Serra do Caldeirão Palheiro

123 – Cavalos, Serra do Caldeirão Palheiro

124 – Cumeada, Serra do Caldeirão Palheiro

124 – Cumeada, Serra do Caldeirão Palheiro

125 – Santa Bárbara As Sete, Castro Verde Cobertura vegetal

125 – Santa Bárbara As Sete, Castro Verde Cobertura vegetal

126 – Amareleja, Moura Cabana em que vivia o guarda sacristão da capelinha da «Santa da Amareleja »

126 – Amareleja, Moura Cabana em que vivia o guarda sacristão da capelinha da «Santa da Amareleja »

127 – Juromenha, Eivas Choça No local onde fazem o fogo, a parede avança,em cima para o interior desviando as chamas da cobertura

127 – Juromenha, Eivas Choça No local onde fazem o fogo, a parede avança,em cima para o interior desviando as chamas da cobertura

128 – Cabeçudos, Marvão Choça habitada ainda em 1964

128 – Cabeçudos, Marvão Choça habitada ainda em 1964

129 – Cabeçudos, Marvão. Choça

129 – Cabeçudos, Marvão. Choça

130 – Cabeçudos, Marvão. Choças

130 – Cabeçudos, Marvão. Choças

131 – Cabeçudos, Marvão Choça com recinto murado à frente

131 – Cabeçudos, Marvão Choça com recinto murado à frente

132 – Barretos, Marvão Choça utilizada como habitação até há poucos anos

132 – Barretos, Marvão Choça utilizada como habitação até há poucos anos

133 – Beirã (Cabeço), Marvão Conjunto de choças formando uma unidade rural Casa de habitação, cozinha, palheiro, etc.

133 – Beirã (Cabeço), Marvão Conjunto de choças formando uma unidade rural Casa de habitação, cozinha, palheiro, etc.

134 – Beirã (Cabeço), Marvão Choça de habitação, do conjunto da fig. anterior

134 – Beirã (Cabeço), Marvão Choça de habitação, do conjunto da fig. anterior

135 – Interior da choça da fig. 134 Vértice da cobertura, com prumo central

135 – Interior da choça da fig. 134 Vértice da cobertura, com prumo central

136 – Interior da choça da fig. 134

136 – Interior da choça da fig. 134

137 – Interior da cozinha do conjunto da fig. 133

137 – Interior da cozinha do conjunto da fig. 133

138 – Fonte do Bico, Marvão Palheiros

138 – Fonte do Bico, Marvão Palheiros

139 – Fonte do Bico, Marvão Palheiro

139 – Fonte do Bico, Marvão Palheiro

140 – Prime, Viseu Choupana de pino

140 – Prime, Viseu Choupana de pino

141 – Prime, Viseu Choupana de pino

141 – Prime, Viseu Choupana de pino

142 – Interior da choupana da fig. 141 Pormenor da parede e da cobertura

142 – Interior da choupana da fig. 141 Pormenor da parede e da cobertura

143 – Interior da choupana da. fig. anterior Vértice da cobertura

143 – Interior da choupana da. fig. anterior Vértice da cobertura

144 – Senhora dos Verdes Mangualde Cabana

144 – Senhora dos Verdes Mangualde Cabana

145 – Vila Cova de Tavares, Mangualde Cibana de dois pisos

145 – Vila Cova de Tavares, Mangualde Cibana de dois pisos

146 – Chãs de Tavares, Mangualde Cabana de dois pisos. Porta de acesso ao piso superior rasgada na parede de pedra

146 – Chãs de Tavares, Mangualde Cabana de dois pisos. Porta de acesso ao piso superior rasgada na parede de pedra

147 – Abrunhosa, Mangualde Cabana de dois pisos

147 – Abrunhosa, Mangualde Cabana de dois pisos

148 – Casal da Silvã, Sátão Cabanas

148 – Casal da Silvã, Sátão Cabanas

149 - Aguiar da Beira Cabanas

149 - Aguiar da Beira Cabanas

150 – Poiares Freixo de Espada à Cinta Palheiro Cobertura vegetal apoiada sobre um prumo central

150 – Poiares Freixo de Espada à Cinta Palheiro Cobertura vegetal apoiada sobre um prumo central
  • 97 ) Jorge Dias, «Construções Circulares no Litoral Português », pp. 192 195. O Autor utiliza o exempl (...)

176Completamente diferente é o caso das barracas de planta arredondada de guarda de barcos e aprestos da apanha de sargaço, das praias de Fão e Pedrinhas, descritas por Jorge Dias em 1946 (97), em xisto talhado em pequenos blocos irregulares, bem assentes mas sem reboco, e com planta oval cortada em linha recta à frente, na parede onde se abre a porta; a cobertura é em telha caleira, de duas águas, a partir de um cume disposto no sentido longitudinal. Esta mesma solução encontra se na pequena capela da Senhora da Bonança, na fachada que olha o mar, do alto da duna, e também numa casa do aglomerado urbano de Fão; Jorge Dias explica a por uma pura razão de inércia cultural – o estilo local consagrado –.

B – Construções de planta circular (ou quadrada) inteiramente em pedra (falsa cúpula)

177A cúpula é uma solução arquitectónica de cobertura em pedra (e tam bém em tijolo), complexa e elaborada, concebida para edifícios – ou parte de edifícios – de planta circular ou quadrada, que apresenta exteriormente o aspecto de uma calote, e se caracteriza por uma estrutura de aduelas convergentes de secção trapezoidal dispostas radialmente e firmadas pelo seu próprio formato e peso umas contra as outras, até ao fecho que as remata e consolida toda a obra numa unidade solidária. Entre várias categorias de construções rústicas ainda em uso em muitos países, distingue se um género de pequenas casotas inteiramente em pedra, de planta circular ou, mais raramente, quadrada, cuja cobertura tem, exteriormente, tal como a cúpula que descrevemos, a forma de uma calote, que porém resulta de uma estrutura não de aduelas mas de fiadas de pedras dispostas, esquemàtica mente, em anéis horizontais que se vão sobrepondo, com diâmetros sucessi vamente mais pequenos à medida que se sobe, de modo que o círculo interno de cada anel ultrapasse um pouco o do anel sobre que se apoia: a abertura central vai assim estreitando progressivamente, até se reduzir a um buraco de pequeno diâmetro, que se fecha por uma ou mais lajes chatas, pousadas sobre esse último anel. Trata se pois, não de uma cúpula qualificada em sentido técnico, mas de um sistema peculiar e muito primitivo de cobertura, ao qual daremos, pela semelhança aparente que tem com aquela, o nome de «falsa cúpula».

178Construções inteiramente de pedra com a cobertura em falsa cúpula encontram se em inúmeras partes, na Europa, Ásia e África: na Itália e Sardenha, na Jugoslávia, na Hungria, na França, na Espanha e Baleares, em Portugal, na Escócia e na Irlanda; na Arábia; no Norte de África; etc. – de planta redonda ou quadrada, maiores ou mais pequenas e mais ou menos perfeitas, e sempre com o carácter de arcaísmos locais se não mesmo de autênticas relíquias arqueológicas; e destinam se, nessas diferentes partes, a fins diversos – desde os grandes nuraghi e talayots pré históricos da Sardenha e das Baleares, em terraços ou patamares sobrepostos, e os trulli do Sudeste da Itália, de construção muito perfeita e de cobertura cónica, que são as habitações da região, até, entre nós, os amplos fornos (palhei ros) da serra da Marofa, perto de Escalhão, por vezes de planta quadran gular, de granito ligeiramente aparelhado, que, nesse caso, incluso mostram poderosas peças de perpianho nos cunhais ; as pocilgas e chafurdas beiroas e alentejanas para os porcos, gados e palheiros, de estreitas placas de xisto ou grandes blocos de granito, umas e outras de paredes direitas, lisas e bem acabadas; e os rudes fomos ou cortelhos pastoris da serra minhota, em enor mes blocos que apenas se acastelam uns sobre os outros ao sabor das suas formas brutas, embora não à toa, utilizando até com frequência afloramentos naturais da penedia, por vezes enormes. Salvo muito raras excepções, porém – os trulli puglianos por exemplo –, as fiadas da cobertura são sempre muito irregulares, mal se podendo, em boa verdade, falar pròpriamente de anéis; nessas formas mais perfeitas, vê se, no interior do edifício, a rede miúda das juntas das pedras, de calcário, granito ou xisto, onde a custo se consegue descortinar uma linha sinuosa e mais ou menos discontínua das sucessivas fiadas; nas outras formas, grosseiras e rudimentares, os blocos usados são mesmo sempre dos formatos, tamanhos e espessuras mais variadas. Mas na verdade, em qualquer caso, a cúpula foi se erguendo e fechando por fiadas que se dispõem horizontalmente, completas de cada vez a toda a volta.

179Exteriormente, estas construções mostram uma parte inferior com pare des (ou os pedregulhos que fazem as suas vezes) mais ou menos a prumo até uma altura variável, conforme as dimensões gerais do edifício; desse primeiro sector vertical para cima, e sem qualquer solução de continuidade (ou, mais raramente, a partir de um capeado ou espécie de estreito beiral de lascas de pedra salientes que o remata), nasce a calote exterior da cúpula, geralmente bastante achatada e recoberta de terra e cascalho solto pequeno a colmatar as fendas entre as pedras. A construção é normalmente a seco e as pedras ficam à vista sem qualquer argamassa, apenas com barro ou terra entre elas; os trulli puglianos e algumas chafurdas alentejanas, contudo, têm paredes bem rebocadas e caiadas a branco, por fora e no interior da câmara.

180Quando as casotas são de planta circular, e nos casos maiores ou mais perfeitos, as paredes – em regra extremamente espessas – são cons tituídas por dois aparelhos: um, interior, que começa a incurvar pouco acima do nível do solo e que constitui a ossatura fundamental da cúpula; e outro, exterior, a que atrás aludimos, independente daquele no todo ou na maior parte, apenas de vista ou quando muito de apoio, que por sua vez sobe verticalmente muito acima e esconde até uma grande altura a curva tura da cúpula interior; entre eles, um enchimento forte, de terra e « rachas », firma todas estas peças, ajuda à vedação, e funciona como contrapeso sobre as fiadas interiores que servem de base às seguintes que ficarão em avanço. Nos casos mais pequenos e toscos, e nomeadamente nesses rudes cortelhos ou fomos serranos do Norte, porém, nada disto existe, e as mais das vezes as paredes são constituídas de lés a lés por um único aparelho grosseiro de blocos mal desbastados, boleados exteriormente pela erosão. Nas constru ções deste mesmo tipo mas de planta quadrada, notam se alguns pormenores específicos: muitas vezes as paredes vão de prumo e com esse único aparelho até uma certa altura, começando então só daí para cima a cúpula interior, que ora esbate e arredonda o quadrado da base, ora leva ali uma pedra larga, atravessada, que corta cada canto; a cúpula interior nasce nessa altura, a partir duma base assim oitavada; e enfim, existem naturalmente cunhais nas paredes exteriores, que por vezes são fortes e bem aparelhados.

181A sustentação das pedras neste sistema de cobertura oferece alguns problemas e reveste aspectos ligeiramente diferentes conforme se trata de edifícios em granito ou xisto. Nos edifícios de granito, as pedras da cober tura são geralmente, como as paredes que elas prolongam, grandes e ladeiras, e cada fiada sobressai da que lhe fica em baixo uma medida variável e irregular – cerca de 10 a 20 cm–, conforme o tamanho e a forma das peças. Nas fiadas inferiores, o maior comprimento dessas pedras fica na espessura das paredes, em equilíbrio estável próprio; nas fiadas seguintes, já em parte suspensas fora do prumo das paredes, o problema toma outro aspecto. Em casotas de pequenas dimensões, e em certas regiões – na Peneda, por exemplo, onde se encontram fàcilmente placas de granito soltas, enor mes e finas – essas pedras, tal como as do sector vertical das paredes, vão muitas vezes de fora a dentro, vendo se pelo lado interior e pelo exterior. Nem sempre, porém, assim sucede; as mais das vezes, as pedras não são tão longas, e a sua firmeza não se pode obter ou explicar apenas pelas leis desse simples equilíbrio. E, em qualquer caso, nas fiadas mais altas as pedras que as compõem ficam já totalmente fora do prumo da base das paredes, em ruptura completa de equilíbrio, apoiadas noutras nas mesmas condições – e assim por diante, até se chegar às fiadas firmes de baixo. A forca vertical do peso dessas pedras em ruptura de equilíbrio – aliás atenuada pelo peso da terra e pedras de enchimento que se acumula sobre o seu couce–, combina se porém com a travação lateral horizontal das pedras de cada fiada, mordendo umas contra as outras pelas suas próprias anfractuosidades, a qual impede que cada uma delas se possa destacar isola damente, fazendo assim do anel como que um bloco solidário e firme, que em princípio não cai porque cada elemento de que ele é composto – é, por isso, o conjunto desses elementos – não pode voltar se.

182Nos edifícios em xisto, que predominam no Sul do País, Algarve, Alen tejo e Beira Baixa (e de modo semelhante nos monumentos sepulcrais deste mesmo tipo e destas regiões) o aparelho é mais cuidado; as pedras são em geral mais pequenas e o avanço das fiadas menor, e usa se com frequência barro entre elas para dar maior segurança à estrutura.

  • 98 ) Félix Alves Pereira, «Estudos do Alto Minho », XIV, nota também este por menor nos currais da ser (...)

183Em alguns casos, vimos as pedras das fiadas em posição inclinada, a descair para o exterior (98); noutros casos pelo contrário vimos essas pedras a descair um pouco para o interior, o que constitui já o princípio da ver dadeira cúpula.

  • 99 ) Jorge Dias, «O problema da reconstituição», p 28: «Ainda hoje, dentro dos conhecimentos que temos (...)
  • 100 ) Na região espanhola limítrofe do distrito de Castelo Branco, perto de Alcântara, vimos um palheir (...)

184De um modo geral, e mormente hoje, a falsa cúpula usa se em constru ções de pequenas dimensões e que nunca constituem habitações permanentes e normais – as mais das vezes abrigos temporários, palheiros, pocilgas ou edifícios congéneres (99), com os diâmetros interiores que oscilam entre 2 e 3 m, e alturas também interiores de 2 a 2,80 m, porque um grande desvão a cobrir, e, por isso, um maior número de fiadas em suspenso, acen tua de modo particularmente melindroso as dificuldades do problema da sustentação da falsa cúpula. Os trulli puglianos (que são precisamente de habitação permanente e normal) e também os nuraghi sardos e os talayots maiorquinos pré históricos, são porém de proporções relativamente avultadas; e entre nós conhecemos também exemplos com diâmetros ou lados (quando são de planta quadrada) da ordem dos 4m e mais(100), e com cúpulas que fecham no interior, a 2, 3 e mais metros – no maior caso que conhecemos, na branda de Real, na Serra da Peneda, a 5,50 m de altura do solo.

185É claro que, estruturalmente, este sistema de construção é sempre o mesmo, em todos os casos que apontamos. Contudo não podemos deixar de assinalar a importância das diferenças que notamos, conforme se trata de edificações pequenas e rudes, de um único aparelho de blocos brutos sim plesmente encastelados que se seguram pela sua própria forma, e a de edi ficações grandes, em que os problemas de equilíbrio e sustentação se tor nam extremamente difíceis.

186Como dissemos, existem construções deste género, com cronologia, forma, dimensões, níveis e funções diversas, em inúmeras partes, na Europa, Ásia e África, mormente na área mediterrânea. Nos exemplos pré históricos elas são quase exclusivamente de natureza funerária; nos actuais, elas, à excepção dos trulli da Apulia, relacionam se especialmente com actividades agrícolas e pastoris, e sobretudo apresentam se como abrigos temporários.

187Elas existem na Itália – além dos nuraghi pré históricos da Sarde nha, da ístria, as cabanne da província de Génova, as caselle, os casui e os casonni de Porto Maurizio, os sesi da ilha de Pantelária, as pinette e barache também da Sardenha, para guarda e abrigo e arrumação de alfaias.

188O trullo ou a caselle é a construção característica da região interior das murgie puglianas, na região compreendida entre Brindisi, Bari e Otranto, na base do « calcanhar » da Itália, constituindo aí, em muitos casos – o que representa uma excepção ao carácter geral das construções actuais deste tipo – uma forma normal de habitação humana permanente, que se conta por milhares. Disseminadas na paisagem, ou, nos aglomerados urba nos de Alberobello, Locorotondo, Martina Franca, Selva di Fasano, etc., alinhados em arruamentos seguidos, erguem se por toda a parte os cones dos telhados destes estranhos edifícios, geralmente em pequenos grupos coerentes: com efeito, cada trullo é uma unidade doméstica, mas cada cone corresponde não a essa unidade, mas apenas a um único dos seus compartimentos, de modo que cada unidade possui tantos cones, quantas as divisões de que se compõe; aliás, à medida que a família vai aumentando, e segundo as posses do dono, vão-se sucessivamente erguendo novos cones, que se soldam aos anteriormente existentes.

189Há também caselle mais pequenas, que mostram apenas um cone; elas são então a casa de gente pobre, ou, mais correntemente, um celeiro, uma arrumação, ou uma corte para animais.

190O trullo primitivo – e mesmo o actual, nos casos mais modestos – era de planta circular; hoje ele é preferentemente de planta rectangular; e – com excepção de um ou outro exemplo esporádico e de carácter urbano– são sempre térreos; o acesso a eles faz se por uma única porta, abrigada por um pequeno pórtico exterior em arco; às vezes existe uma segunda porta, que abre ou para um quarto que não tem entrada por den tro, ou para uma dependência de arrumos, celeiro ou corte. As janelas são escassas e diminutas. A altura interior destes edifícios regula por 2,50 m, e as suas paredes são extremamente espessas – 1,80 a 2,50 m – como meio de defesa contra o frio do inverno e o calor do verão, e, ao mesmo tempo, de arrumação de pedras, muito abundantes, e que estorvam os campos. Paredes e cobertura são feitas de placas calcárias chatas – as chiancarelle –, dispostas em fiadas bastante regulares; e embora sem argamassa, geralmente são caiadas e pintadas exteriormente, mostrando mesmo dese nhos, iniciais, símbolos religiosos, etc.; sobre o fecho da cúpula vê se por vezes qualquer ornato. Interiormente o chão é lajeado; a lareira fica em frente à porta, e, num dos lados, rasgam se as alcovas onde se dorme; as passagens de uns compartimentos para outros são rasgadas na espessura das paredes, e por isso muito alongadas; uma laje do chão, que se levanta, é a tampa de um- tanque onde se guarda o vinho. Giuseppe Grassi entende que estes trulli são extremamente antigos; Gervazio relaciona os, mais con cretamente, com os spechie pré históricos de Lecce, com os nuraghi sardos e com os talayots maiorquinos.

  • 101 ) Paul Wilstach, «The Stone Beehive Homes in the Italian Heel », in: « The National Geographic Maga (...)

191Na faixa costeira desta mesma zona, aparece um outro tipo de trullo. cujas paredes sobem, exteriormente, em lanços sucessivos de patamares ou « terraços » – dois, três, ou mesmo quatro – formando como que grandes degraus tronco cónicos sobrepostos; estes trulli são simples abrigos de lavra dores ou pescadores, onde estes guardam alfaias ou redes, mas não consti tuem locais de habitação permanente (101).

  • 102 ) Osvaldo Baldacci, «La casa rurale in Sardegna », Firenze, 1952, pp. 159 171.

192Na Sardenha, por seu turno, além de vários tipos recentes de constru ções igualmente em falsa cúpula, que servem de abrigo temporário de pastores, avultam os nuraghi da Idade do Bronze – enormes torres solitá rias que se elevam, como os trulli puglianos do litoral, numa série de pata mares sucessivos em forma de cones truncados sobrepostos, a partir do solo, e onde se encontrou um espólio de grande valor; interiormente, os nuraghi têm dois compartimentos, um por cima do outro, ligados por uma escada talhada na parede (102).

  • 103 ) A. Freudenreich, «Narod Gradi na Ogoljenom Krasu », Zagreb Belgrado, 1962, pp. 46 77.

193Na Jugoslávia, as construções deste tipo são hoje, do mesmo modo, sobretudo também abrigos pastoris – os kasum da Istria e as bunja da Dalmácia, na região de Sibenic, e nas ilhas do Adriático, de Brac e de Hvar –, de planta redonda ou quadrada, por vezes com a entrada prote gida por um muro que faz de guarda vento, e exteriormente com as pare des em « terraços » – três, quatro, e até cinco –, com o aspecto dos nuraghi sardos (103).

  • 104 ) Vamos Ferenc, « Die ethnologische Bedeutung der ungarischen Rundbauten», in: «Ertentöje», XXX, 1, (...)

194Na Hungria, igualmente, estas construções são, hoje, abrigos de pastor, e também cortes para gado, casas de eira, fornos, etc.; mas elas parece terem constituído ali uma forma mais geral de habitação na idade média, que certos autores consideram vinda do Leste (e não de origem germânica (104).

  • 105 ) André Varagnac, «Do Caçador ao Camponês », in: «O Homem antes da escrita» (dir. André Varagnac) t (...)
  • 106 ) Alfred Cayler, « L’Art de la pierre sèche dans le Quercy », in: « Artisans et paysans de France » (...)
  • 107 ) F. Tavares Proença, « Sobrevivências ».

195Em França, elas aparecem na Bretanha, em exemplos pré históricos – os túmulos dolménicos de corredor (105) –, e em exemplos recentes, sobre tudo no Sul – as garriottes do Quercy, que eram habitadas não há ainda muito tempo (106), os cabannons dos Alpes marítimos, na Provença, na Dordogne, no Garona, no Tam, nos Pirenéus Orientais (107), etc. – .

  • 108 ) Os talayots das Baleares são grandes construções de planta quase sempre circular, às vezes elípti (...)
  • 109 ) R. Violant y Simorra, «Las « Barraques » de viña de pared en seco, del Pla de Bages (Barcelona) » (...)

196Em Espanha, vêmo las em exemplos pré históricos nos ciclópicos talayots das Baleares, grandes torres cónicas com câmaras interiores (que também se assemelham aos nuraghi da Sardenha) (108), e em exemplos recentes, ora em abrigos pastoris ou agro pastoris, – as culties do Levante, os corros das bruñas asturianas de terras de Lena, e as cabanas da Noguera Palaresa –, ora abrigos de vinha – os borges de Tortosa, as barraques de viña do « camp » de Gerona, Tarragona e Barcelona, em blocos bem apa relhados, não raro muito espaçosas, com um banco de pedra a toda a volta, a lareira no centro, e chaminé no fecho da cúpula, e até, por vezes, com divisões interiores (109) –, as amplas casotas dos vinhedos de Valdepenas em terras quixotescas de Membrillo, La Solana e Argamasilla, os cacherulos de Castellón –, ora em outros arrumos rurais – os palheiros das zonas fronteiriças da Fregeneda (fig. 151) e de Alcântara, por vezes muito amplos, e que se relacionam com os tipos portugueses vizinhos.

197Elas existem ainda, já longe da região mediterrânea, nas ilhas Shetland e na Escócia, no Pertshire, onde levam o nome de burgs, e parecem, em alguns casos, ser anteriores à época romana; na ilha de Aran, na costa da Irlanda, uma casota deste tipo (que serve de celeiro), mostra as paredes com a curvatura desde muito baixo, prolongada pela calote da cobertura sem qualquer solução de continuidade; e encontram se na região outras estruturas da mesma espécie, que Martin data do século VIII da nossa era, mas que ali se consideravam mesmo coevas ou anteriores aos tempos de S. Patrício.

  • 110 ) A. Varagnac, op. loc. cit., pp. 196 e 382.
  • 111 ) Vergilio Correia, «As « cabanas » de Assafarja», in: «Aguia», Porto, 1915. Tavares Proença, op. c (...)

198Fora da Europa, a falsa cúpula encontra se também na Ásia – acima de tudo nas ruínas pré históricas de Arpatchiya, na Mesopotâmia (Tigre Superior), do IV milénio a. C. (onde, como veremos, parece situar se o foco inicial de difusão deste tipo de construção) (110), e nos khana-i-mug do Turquestão e as naus do Norte da Arábia – e na África – as cabanas ciclópicas dos Berberes e certos túmulos da Argélia (111).

  • 112 ) Alcalar, na freguesia da Mexilhoeira Grande, do concelho de Portimão, apresenta se nos, nas palav (...)
  • 113 ) Abel Viana, O. Veiga Ferreira e Ruy Freire de Andrade, «Descoberta de dois monumentos de falsa cú (...)
  • 114 ) Segundo Maximiano Apolinário, « Necrópole Neolítica do Vale de S. Marti nho», in: «O Arqueólogo P (...)
  • 115 ) Félix Alves Pereira, «O Castelo de S. Miguel o Anjo – Arcos de Valdevez », in «O Arqueólogo Portu (...)
  • 116 ) Mário Cardozo, « Citânia e Sabroso », p. 54.
  • 117 ) Jorge Dias, «O problema», p. 28; e Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit., pp. 42 43, (...)

199Em Portugal, as construções em falsa cúpula aparecem em várias zonas, e também em exemplos tanto pré históricos como recentes, estes mormente em certas regiões arcaizantes da Serra ou do Leste, ora em casos excepcio nais e isolados ou agrupados, ora em determinadas categorias de edifícios na respectiva área. Entre os exemplos pré históricos – que ocorrem no Sul do País e são ali sempre de natureza funerária (na sua maioria de xisto) – avultam os túmulos da necrópole de Alcalar, no Algarve, de cor redor e câmara, do tipo dos tholoi, descobertos por Estácio da. Veiga (fig. 152), que neles baseia a sua tese da Idade do Cobre – o Calcolítieo – na transição da pedra para os metais (112) ; e seguidamente, na sua esteira, outros do mesmo tipo, igualmente do Calcolítieo : na região de Ourique; nos arredores de Aljustrel; em Reguengos de Monsaraz; no Escoural; em Barrancos; no Lousal; em Odivelas; na Messejana ; em Castro Marim; etc. (113) – numa área portanto cujo foco principal é talvez o Algarve (onde se vê já o uso do barro a prender as placas da ossatura da cúpula) e que se teria alargado até ao Alentejo. Na Serra de Sintra, num cabeço perto da Peninha, encontra se também um edifício em falsa cúpula, que leva o nome de « Túmulo do Monge », em granito, de aspecto ciclópico, cuja cobertura de resto abateu. É feito de blocos chatos, enormes e pode rosíssimos, e pode considerar se verdadeiramente megalítico. De planta cir cular irregular, o seu diâmetro interior, no solo, mede cerca de 4 m. Com o lado oposto à entrada um pouco enterrado, a sua parede interior, até cerca de 1 m de altura, compõe se de duas fiadas grandes e grossas, encas toadas na terra, e mais ou menos a prumo. A terceira fiada, de pedras enor mes (cerca de 1,50 m de comprimento por 1,20 de fundo) mas mais delgadas (10, 20 e 30 cm de espessura), começa já o avanço para dentro, que por vezes é de cerca de 30 cm. A quarta fiada, de blocos ainda maio res – alguns com cerca de 2 m2 de superfície (um deles tem cerca de 1 m de comprimento por 2 m de fundo) e também delgados (com cerca de 40 cm de espessura) avança para dentro cerca de 50 cm. Da quinta fiada resta só uma pedra, monumental, que avança para dentro cerca de 60 cm. Da segunda para a terceira fiada e desta para a quarta, há calços entre as pedras, para que os blocos da fiada de cima fiquem horizontais. Pelo lado de fora nota se claramente que todas as pedras têm uma ligeira inclinação a subir para dentro (fig. 153). Leisner aproxima este processo do que se vê em Los Millares, e, ainda mais claramente, no túmulo cupuli forme de Carrowkeel Mountain, na Irlanda, onde, em lugar dos calços, se meteram duas a três camadas de pedras mais pequenas. Seja porém como for, ele é de uma cronologia duvidosa, e com um carácter inteiramente dife rente dos túmulos alcalarenses do Sul (114). Alves Pereira, pelo seu lado, assinala, no Noroeste, no castro de S. Miguel o Anjo (Arcos de Valdevez), uma construção de planta aproximadamente quadrangular, com cerca de 1,40 m de lado, em pedras pequenas irregulares e sem qualquer aparelho, com sinais de ter sido « toscamente abobadada pelo processo a que os fran ceses chamam à encomblement » (encorbellement?); essa casota, cujos entu lhos encerravam instrumentos líticos, cerâmica castreja e lusitano romana, objectos de bronze e moedas romanas, foi pelo Autor identificada como devendo ser um abrigo ou corte de animal doméstico (115). Mário Cardozo parece também aceitar este tipo de cobertura para algumas – mas de modo nenhum todas – casas castrejas; e refere se à abundância de fragmen tos de placas de xisto boleadas numa das extremidades, encontradas numa casa de Sabroso, que lhe parecem indigitar uma cobertura deste tipo, sus tentada por um esteio, em que a face boleada das lajes ficava voltada para o exterior (116). Jorge Dias, baseado neste exemplo, admite também a falsa cúpula como solução castreja, em casos esporádicos, ou em lugares – como Sabroso– mais pobres e arcaicos, a par da cobertura geral cónica em materiais vegetais. Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez mencionam tam bém uma construção em falsa cúpula, com 2 m de diâmetro, em Borneiro, que foi interpretada como sendo um forno (de pão), mas que estes Autores julgam antes ser um monumento funerário (117).

  • 118 ) Mário Cardozo, «A mó e a farinha, o forno e o pão», in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », (...)

200Os exemplos recentes, apresentam aspectos e desempenham funções muito diversas (mas nunca as de habitação normal), e são ora em xisto ora em granito, por vezes – raramente – em ambos os materiais na mesma região : abrigos, em especial abrigos pastoris, cortelhos, palheiros e fornos, pocilgas, para porcos, chafurdas, safurdas ou furdas, queijeiras, moinhos (de rodízio), fornos de pão (118), etc. De um modo geral, neles predomina a planta circular; mas, em muitos casos – Serra da Marofa, Castelo de Vide, etc. – encontra se também a planta quadrada ou quadrangular. Por vezes, numa região, predomina mesmo esta última forma (Escalhão). Quase sempre, porém, a quadrangular aparece, na mesma região, ao lado da redonda; por isso, estudá las emos conjuntamente, apon tando simplesmente os aspectos ditados pelas diferenças de estrutura de umas e outras.

Alentejo

201Nesta Província, a construção em falsa cúpula documenta se sobretudo em currais de animais, pocilgas, safurdas e chafurdas, às vezes palheiros, fornos de pão, etc.; e encontra se nas regiões de Castelo de Vide e Marvão, em número considerável, Arronches, Barrancos, Crato, etc.

202Em Castelo de Vide e Marvão essas safurdas são de granito e de dimen sões extremamente avantajadas. Os seus diâmetros interiores, junto ao solo, oscilam entre 4,30 m (numa casota perto da Pena Verde) (fig. 154), e 5,85 m (Monte da Lameira), com alturas, também interiores, do solo ao fecho da cúpula, de 2,50 m (perto de Pena Verde) (fig. 154), a 4,65 (Cumeada) (Fig. 155). A cúpula, exteriormente revestida de terra, arre donda numa calote larga, com declive progressivo para os bordos. Na Cumeada, contudo, ela eleva se quase no alinhamento das paredes, para encurvar bruscamente muito no alto; mas esse alteamento é um aparelho exterior, apenas de vista: uma parte descarnada mostra, por baixo, a estru tura da calote inferior perfeitamente independente dele.

  • 119 ) Leisner, op. cit., fala de paredes abauladas, que porém não encontramos nesta região.
  • 120 ) Leisner, op. cit.

203As paredes, que têm de espessura, também junto do solo, cerca de 75 cm (Cumeada) (des. 36), a 1,60 m (Monte da Lameira) (des. 37), são feitas de lajes ou blocos de granito, muito irregulares, formando anéis mal definidos; e são, pelo lado exterior, aprumadas ou ligeiramente inclinadas para dentro (119), com blocos postos horizontalmente ao baixo. Em todos os exemplos existe um capeado estreito (às vezes quase raso), de las cas finas – com cerca de 10 cm de espessura – à altura de 2,40 m (Pena Verde) a 3,50 (Cumeada) do solo e a partir do qual nasce a calote exterior da cúpula; por vezes, sobre esta fiada de cápeas, vêem se outras duas ou três fiadas de lascas (120). As paredes são ora a seco ora com um revestimento de argamassa, por vezes caiado a branco, até à altura do capeado. Em cer tos casos parece mesmo não existir qualquer argamassa entre as pedras na espessura das paredes.

  • 121 ) Por vezes vêem se blocos enormes: na Póvoa e na Lameira, por exemplo, alguns medem 1,60 m. Na Rib (...)
  • 122 ) Segundo Leisner, op. cit. p. 355, em Coelheiro (cujo diâmetro, na base, mede 4,50 m) a parede ala (...)

204Interiormente, a cúpula nasce a partir do solo, embora, em baixo, as mais das vezes, os mesmos blocos constituam os aparelhos exterior e inte rior, e as primeiras fiadas pão tenham qualquer, ou tenham apenas um diminuto avanço. Logo depois, à medida que, com esse avanço sempre cres cente, as paredes vão alargando, os dois aparelhos separam se e individuali zam se. No aparelho interior, as paredes compõem se em geral de blocos gros sos, dispostos com o maior comprimento metido na espessura da parede (121) ; até à altura em que o encurvamento da cúpula se torna mais acentuado, elas ficam com uma sensível inclinação a descair para fora (des. 26, 37 e 39) (122). Em certos casos, nessas fiadas inferiores, os blocos têm a face que fica à vista cortada em bisel, de modo a formarem uma superfície mais ou menos lisa (des. 36). Não raro, as juntas são tomadas pelo menos até ao nível do encurvamento maior; no Monte da Lameira, porém, são no mesmo até cima.

Des. 36 – Cumeada, Castelo de Vide. Corte e planta de uma safurda em falsa cúpula.

Des. 36 – Cumeada, Castelo de Vide. Corte e planta de uma safurda em falsa cúpula.
  • 123 ) Leisner fala, a este respeito, nos túmulos de cúpula da Península, onde ocorre este mesmo sistema (...)
  • 124 ) O mesmo Autor, fala a este respeito nos túmulos de cúpula gregos, onde, por seu turno, ocorre est (...)
  • 125 ) Leisner fala, a este respeito, de idêntico pormenor em Los Millares.

205No alto, a cúpula termina geralmente (tal como nos demais casos por tugueses), por um buraco mais ou menos irregularmente circular, que em seguida é fechado com uma ou mais lajes largas e chatas pousadas como uma tampa (des. 37 e 38) (123). Nos exemplos de Alcogulo e Ribeira de S. João, porém, a cúpula segue com anéis até fechar completamente (124). Na Ribeira de Amieira, em Marvão, em vez desta última fiada, em anel, vêem se quatro blocos compridos, estreitos, atravessados, formando uma espécie de caixilho sobre o qual pousa o fecho da cúpula (figs. 156, 157 e 158, e des. 39). Em todas estas safurdas, aquele buraco é sempre de enormes dimensões –de 1,30 m (Cumeada) a 1,60 (Lameira)–, e é tapado seja com simples lajes horizontais (em número de três, na Póvoa e Cumeada, por exemplo), seja por uma laje assente sobre uma última fiada de pedras postas de través (Lameira), seja ainda, excepcionalmente (Monte da Lameira), por um autêntico fecho de verdadeira cúpula, que encaixa entre duas placas horizontais. Em Coelheiro, este buraco fica não no centro da casota, mas mais perto da porta (125).

Des. 37 – Castelo de Vide. a) Corte da safurda do Monte da Lameira. b) Corte da safurda da Lameira, e pormenor do fecho da falsa cúpula.

Des. 37 – Castelo de Vide. a) Corte da safurda do Monte da Lameira. b) Corte da safurda da Lameira, e pormenor do fecho da falsa cúpula.

206A porta, de tamanho normal, enquadra se entre ombreiras laterais, fei tas de blocos únicos postos ao alto, e uma forte padieira. As ombreiras, por vezes, estão colocadas de modo que estreitam a abertura para fora (Ribeira de S. João), e, semelhantemente, a padieira por vezes fica incli nada, subindo para o interior (Coelheiro, Alcogulo, Pena Verde), de forma que o rasgo exterior é mais pequeno do que o interior. Em quase todos os casos existem pequenos postigos, cuja padieira é também um bloco que descai para o exterior. Não raro, as padieiras das portas são encimadas por um escarção triangular ou quadrangular, criando um vazio que aligeira o peso da parede por cima delas (Monte da Lameira, Cumeada).

Des. 38 – Castelo de Vide. a ) Corte da safurda de Pena Verde, e pormenor do fecho. b ) Corte de uma safurda da Póvoa.

Des. 38 – Castelo de Vide. a ) Corte da safurda de Pena Verde, e pormenor do fecho. b ) Corte de uma safurda da Póvoa.

207Em algumas destas safurdas vêem se interiormente pequenos nichos, cujas padieiras, como as das portas, são por vezes encimadas por um escarção triangular.

208Em alguns casos, a safurda tem anexa uma cerca rectangular, para a qual dá a porta, e que é circundada por um muro mais ou menos baixo, com entrada para fora (Cumeada, Pena Verde) ; na Lameira, por sua vez, a safurda está situada ao lado de uma pequena eira, de pedras toscas.

209Finalmente, na Cumeada, vêem se, embutidos na parede, pelo lado de fora, grandes blocos, uns ao baixo e outros ao alto, estes por vezes com um olhal, possivelmente para prisão de animais (fig. 155).

210Nas imediações da mesma povoação da Póvoa, existe mais outro chafurdäo, esse de planta rectangular, e obedecendo a uma técnica de cons trução diferente da que vimos nos seus congéneres circulares; medindo 6,15 m de comprimento por 2,65 m de largura, as paredes seguem a prumo até à altura de 1,80 m, rematando pelo lado de fora pelo habitual capeado, delgado, saliente e regular, donde nasce a calote exterior da cúpula, recoberta de terra; o aparelho das paredes laterais inclui cinco grandes juntouros, com acentuada inclinação para fora (onde têm a sua maior espes sura e largura – o seu maior peso –), que vão de fora a dentro das paredes, ficando alguns deles salientes tanto do lado de fora, aí pouco, como do de dentro, aí fazendo um grande avanço; estes juntouros sustentam outras lajes, também inclinadas para fora e com grande avanço interior, e sobre estas pousam outras ainda, horizontais, fechando a cúpula – que é, portanto, abobadada –. Nas paredes de topo vêem se também juntouros ou lajes semelhantes e ainda maiores – um deles, por exemplo, com 1,45 m de largo por 1,75 m de comprimento na direcção do eixo maior da construção, e fazendo um avanço de 80 cm no interior –. Na parede frontal rasga se uma porta de dimensões normais, ladeada por ombreiras em grandes blocos postos ao alto, e uma forte padeira ; e existem também vários postigos, uns maiores nas paredes, outros mais pequenos já na cobertura (des. 40).

Des. 39 – Ribeira da Amieira, Marvão. Corte de um chafurdão.

Des. 39 – Ribeira da Amieira, Marvão. Corte de um chafurdão.

211Em Arronches, a umas escassas centenas de metros da vila, na estrada para Campo Maior, encontramos também safurdas deste mesmo tipo, embora, pelo menos actualmente, em número muito reduzido e arruinadas, e que geralmente serviram de pocilgas para porcos. Igualmente de planta circular, e com paredes de xisto, a sua estrutura interna é claramente patente nas partes esventradas. 0 diâmetro interior, à altura do solo, é de 4,20 m e 4,30 m em duas das safurdas observadas; e as paredes, também à altura do solo, têm em cada um dos mesmos exemplares as espessuras respectívas de 55 e 47 cm. As paredes são de blocos grossos ou finos, dispostos a eito em fiadas irregulares em baixo e mais alinhadas em cima, com as fendas entre elas enchidas com terra e pequenas rachas. A 1,85 m e 2 m do solo, pelo lado de fora, no lugar correspondente ao capeado normal, a parede exterior forma um pequeno ressalto para dentro, marcando o nascimento da calote exterior da cúpula, que é revestida de terra. No primeiro exem plar que observamos, essa calote exterior é muito larga e maciça, rema tando quase em plano, com grande espessura de enchimento, como no exemplar da Cumeada, de Castelo de Vide (fig. 155).

Des. 40 – Póvoa, Castelo de Vide. Chafurdão de planta rectangular, coberto por lajes de pedra e terra.

Des. 40 – Póvoa, Castelo de Vide. Chafurdão de planta rectangular, coberto por lajes de pedra e terra.

212No aparelho externo (claramente visível numa parte arruinada de uma outra safurda), os blocos estão dispostos horizontalmente, ao baixo, for mando uma parede normal (fig. 160 e des. 41 a). No primeiro exemplar, subsistiam vestígios de um revestimento de argamassa nessa parede exterior.

213Interiormente, a curvatura da cúpula começa também logo a partir do solo; os blocos do aparelho interno, ora finos ora grossos, têm, até bas tante acima, uma pequena inclinação a descair para dentro (como se vê também claramente nessa mesma parte arruinada de uma das safurdas observadas) (fig. 159 e des. 41 b). A cúpula fechava, em ambos os casos, a cerca de 3 metros de altura do solo; na primeira safurda, ela termina num anel regular de blocos espessos e um pouco alongados – com 20 cm a 65 cm – cujo maior comprimento assenta francamente sobre o anel que lhe fica por baixo, e que desenha um buraco com 1,20 m de diâmetro. As lajes que deviam tapar esse buraco já não existem (fig. 161).

Des. 41 – Arronches. a) Malhada de porcos constituída por duas construções em falsa cúpula, ambas meio arruinadas. O desenho mostra o corte da maior, e o pormenor do alto da cúpula, já com algumas fiadas de pedra caídas, b) Corte dc outra malhada arruinada ; de A a B fica o lanço desmoronado.

Des. 41 – Arronches. a) Malhada de porcos constituída por duas construções em falsa cúpula, ambas meio arruinadas. O desenho mostra o corte da maior, e o pormenor do alto da cúpula, já com algumas fiadas de pedra caídas, b) Corte dc outra malhada arruinada ; de A a B fica o lanço desmoronado.

214Neste exemplar, a porta tem 80 cm de altura por 60 de largura, e, nele e no outro, rasgam se toscos postigos baixos, aqui e além.

215Essa mesma primeira safurda está unida a outra, também arruinada; e ambas fazem o lado de um recinto com os demais lados cercados por um muro, como alguns casos de Castelo de Vide (des. 41 a).

216No Crato, as pocilgas eram também por vezes em falsa cúpula; um exemplar que encontramos nos arredores da vila era de planta alongada, com a parede a prumo até cerca de 1,65 m do solo, donde nascia a calote exterior, extremamente baixa e achatada, com as paredes mais espessas nos topos que nos lados; grandes lajes atravessadas, seguidas umas às outras, faziam o fecho. Interiormente, os seus eixos maiores e menores mediam respectivamente 4 e 2,80 m; o seu pavimento era um pouco escavado, e por isso a altura dele ao fecho era de 1,85 m (des. 42).

217Finalmente em Barrancos, encontram se também safurdas deste tipo, em falsa cúpula, ora unidas aos pares (fig. 162) e com a cerca em volta, como vimos em Arronches (Monte Grande, na Serra da Gata), ora isola das (nos exemplares situados nas terras junto à vila) (fig. 163). As suas dimensões são variáveis. No exemplar do Monte Grande, o diâmetro inte rior, à altura do solo, mede 4 m por 3,40 m de altura do solo ao fecho da cúpula; as paredes têm 50 cm de espessura junto ao solo (des. 43 a). O aparelho das paredes é em blocos de xisto, grandes ou pequenos, com as juntas tapadas com rachas. A parede exterior sobe a direito, rematando num capeado regular saliente e delgado; à frente fica a porta, baixa, com 80 cm de altura por 50 cm de largura, enquadrada por ombreiras feitas de uma só peça ao alto, e padieira; e rasgam se vários postigos pequenos. As paredes estão, hoje, ligeiramente rebocadas e caiadas a branco, por fora e por dentro; a calote, segundo a regra, é recoberta de terra.

Des. 42 – Crato. Planta, corte transversal e corte longitudinal de uma safurda oblonga.

Des. 42 – Crato. Planta, corte transversal e corte longitudinal de uma safurda oblonga.

218Nessas outras safurdas isoladas, do mesmo tipo, notam se pequenas dife renças em relação a esta: de menores dimensões, o diâmetro interior junto ao solo, e a altura do solo ao fecho da cúpula medem respectivamente 2,80 m e 1,50 m; as paredes são também de 55 cm de espessura; o aparelho exte rior é uma parede de pedra seca que sobe a direito até ao capeado, de blocos de xisto, por vezes bastante chatos, lisos e alongados, formando anéis muito regulares; as lascas da estrutura externa da cúpula ficam à vista por fora, recobertas por uma camada muito ténue de terra (des. 43 b); a porta é de tamanho normal – 1 m de altura por 70 cm de largura–, sem ombreiras, e não existem postigos.

219Em certas zonas, como por exemplo Juromenha, Santa Eulália (Elvas), etc., vêem se malhadas de porcos compostas de séries seguidas de pocilgas individuais, que por vezes são também em falsa cúpula; como dissemos atrás acerca de outros casos, estudá las emos em capítulo especial, junta mente com outros tipos de malhadas.

Dos. 43 – Barrancos. Corte de duas safurdas.

Dos. 43 – Barrancos. Corte de duas safurdas.

Beira Baixa

220Nesta Província, por seu turno, a construção em falsa cúpula documenta se sobretudo nas regiões da Arraia – Monsanto, Salvaterra do Extremo, etc. –, Castelo Branco, Sabugal, em certas tendas, safurdas, queijeiras, abrigos, fornos de pão, etc.

221Essas construções são também as mais das vezes de planta redonda, como na generalidade dos casos alentejanos (aparecendo porém algumas de planta quadrada), com as paredes de xisto ou granito em pedra seca, terminando em cima, exteriormente, pelo capeado habitual, de finas lascas salientes, a partir da qual nasce a calote exterior da cúpula, recoberta de terra (figs. 165 e 166). Em certos casos –por exemplo em Salvaterra do Extremo –, elas têm dois pisos, o de cima servindo de galinheiro e o de baixo de pocilga, cada qual com a sua porta – a de cima mais pequena do que a outra – cerca de 50 cm de largura por 60 de altura – e com acesso por uma rampa móvel exterior (fig. 165 e des. 44). 0 pavimento do piso de cima é ora de lajes de pedra pousadas nas paredes, ora de tosco tabuado.

  • 126 ) Em Monsanto, desde que, em tempos recentes, a Delegação de Saúde obrigou a tirar as pocilgas de d (...)

222Estas furdas são em geral cada uma para um único animal, e de pro porções diminutas – por exemplo, no interior, 1,25 m de diâmetro ou lado, com paredes de menos de 50 cm de espessura, e uma pequena porta de 75 cm de altura por 50 cm de largura, abrindo para um pequeno aido murado; a sua altura a meio, no interior, regula, quando são de um só piso, por cerca de 1,25 m; quando são de dois pisos, por cerca de 1 m cada –. Elas ficam junto às povoações, e até, como sucede em Salvaterra do Extremo, agrupadas todas no mesmo local (126).

Des. 41 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto geral e corte de uma furda de dois pisos, que serve de pocilga em baixo e galinheiro em cima.

Des. 41 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto geral e corte de uma furda de dois pisos, que serve de pocilga em baixo e galinheiro em cima.

223Nesta mesma região encontramos ainda a falsa cúpula em construções de maiores dimensões, isoladas no meio das terras aráveis, e aliás raras – as tendas – onde outrora se recolhiam os trabalhadores rurais empre gados nessas terras; e também, como no Alentejo, nessas malhadas de porcos compostas de séries de pequenas pocilgas individuais, que estuda remos igualmente no capítulo das malhadas.

224A sul de Monfortinho, existe uma dessas tendas, feita de granito e de xisto, com as juntas tomadas a barro, de planta circular, medindo 3,65 m de diâmetro interior e 2,20 m de altura, do solo ao fecho da cúpula. Esta começa a fechar a 1,20 m do chão e é constituída por sete fiadas de pedras formando anéis irregulares, rigorosamente horizontais, com um avanço de cerca de 20 cm. As paredes, compostas de dois paramentos, medem, junto ao solo, 75 cm de espessura; a 1,90 m de altura elas medem 1,50 m. Em frente à porta e dos lados vêem se três frestas rasgadas na parede, a cerca de 1 a 1,50 m da base, à guisa da seteira. A porta tem 1,66 m de altura e 66 cm de largura. Exteriormente, as paredes sobem a prumo até atingirem 2 m de altura, e rematam por um capeado com um avanço de cerca de 20 cm. A calote é recoberta por uma camada de terra, e eleva se acima do capeado cerca de 80 cm. No vértice da cúpula rasga se uma espécie de chaminé, de secção quadrada, que a atravessa em toda a sua espessura. O piso, de terra, mostra sinais de fogo (fig. 164 e des. 45).

Des. 45 – Perto de Monfortinho, Idanha a Nova. Corte e planta de uma tonda.

Des. 45 – Perto de Monfortinho, Idanha a Nova. Corte e planta de uma tonda.

225Abrigos deste género encontram se ainda noutras zonas. Assim sucede, por exemplo, junto ao rio Ponsul, perto da Mata, onde vemos um, de planta circular regular, em xisto, com paredes de 50 cm de espessura bar radas com terra, bem acabadas, mas sem qualquer reboco, ligeiramente abauladas, e rematando com um capeado delgado a toda a volta, acima do qual se vê a calote da cúpula, achatada e baixa. O seu diâmetro no solo mede 2,50 m: a altura da parede exterior, da soleira da porta à cor nija, é de 1,90 m, e, interiormente, do solo ao fecho da cúpula, de 2 m; o buraco do fecho da cúpula mede cerca de 80 cm de diâmetro.

  • 127 ) Segundo informações do Rev.° Pároco da Aldeia da Ponte, estas furdas apa receram na região nos pr (...)

226Na região do Sabugal, em Alfaiates, Aldeia da Ponte, etc., encontram se abrigos cm falsa cúpula – a que dão também o nome de furdas ou safurdas – em número considerável, nas vinhas e campos. De planta circular e em granito, as paredes exteriores sobem a prumo até certa altura, onde começa a curvatura da calote da cúpula, por vezes a partir do habitual capeado; essa calote é em geral baixa e achatada, mas em alguns arredonda em meia laranja. O aparelho interior da cúpula é de blocos, toscamente afeiçoados, formando uma superfície irregular mas sem degraus bruscos. O buraco superior é tapado com lajes chatas. À frente rasga se a entrada, ladeada por ombreiras e padieiras. Por vezes, existem pequenos postigos ou frestas. No exemplo maior que vimos, em Vila da Ponte, a altura do solo ao fecho da cúpula era de 3,30 m (127).

  • 128 ) Tavares de Proença, op. cit. pp. 8 19 e fig. 5.

227Outrora, na região de Castelo Branco, as queijeiras onde os pastores fabricavam os queijos no meio dos terrenos de pastagem, eram, ao que parece, também construções em falsa cúpula, de planta circular, de acordo com Tavares Proença que ali conheceu ainda várias em 1910 – uma na folha do Vale do Pereiro, duas na base do Monte de S. Martinho – e que indica 4,20 m como média do seu diâmetro na base (128). Enfim, na Capinha (Fundão), Estalagem, Freixo de Carlota (Penamacor), etc., vêem se fornos de pão em falsa cúpida, de planta quadrangular, em granito e xisto, com 1,60 a 2 m de diâmetro por 1,10 a 1,70 m de altura, e com uma borra lheira aberta à frente.

Beira Alta

228Na Beira Alta, a construção em falsa cúpula documenta se sobretudo nas regiões da Serra da Marofa, de Mangualde, Pinhel, Trancoso, Viseu, Serra da Estrela, etc., sob as formas de fomos (palheiros), moinhos de rodízio, fomos de pão, abrigos, etc.

229Para arrumação de alfaias, em Barca de Alva e em Escalhão, na Serra da Marofa, vêem se com muita frequência palheiros, conhecidos ali pelo nome de fornos (e que, como dissemos, se encontram em termos idênticos, também na zona espanhola confinante, da Fregeneda). Aqui, estes palhei ros em falsa cúpula são predominantemente de planta quadrada. De um modo geral, eles são de dimensões bastante grandes, e de construção cui dada (fig. 167). Os lados destes fornos quadrangulares regulam por cerca de 3,50 m, e a sua altura, do solo ao fecho da cúpula, oscila entre 2,80 e 3,60 m. Pelo lado exterior as paredes sobem de prumo até à base da calote exterior da cúpula, a cerca de 2,20 ou 2,50 m do solo. Em alguns casos, um capeado delgado e com ligeiro avanço marca essa divisória; e, no melhor exemplar que ali observamos, acima desse capeado, um pouco recuado, uma fiada de pedras postas ao alto e com cerca de 20 cm de altura, amparam a terra que recobre a calote da cúpula (des. 46 a). As paredes exteriores são feitas de blocos irregulares de granito, grandes e pequenos, por vezes muito grandes, com rachas nos intervalos, e geral mente postos ao baixo; mas, a despeito disso, são em regra lisas e relati vamente cuidadas; e, nos exemplares de planta quadrangular, os cunhais compõem se de grandes silhares em posição alternada. À frente, rasga se a entrada, com cerca de 1 m de largura por 1,60 m ou mais de altura, às vezes menos, ladeada por padieiras e ombreiras, estas ora em blocos únicos pos tos ao alto, ora em grandes blocos postos ao baixo sobrepostos.

Des. 46 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo. Corte de dois fornos ou palheiros.

Des. 46 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo. Corte de dois fornos ou palheiros.

230Interiormente, em alguns casos, a cúpula começa a incurvar desde o solo, como nos exemplares de planta circular, distinguindo se os aparelhos interior e exterior ; mais frequentemente, porém, ela vai de prumo até à altura de 1,60 a 1,68 m – um pouco acima da padieira da porta – e, nesse caso, até ai as paredes são normais e existe um único aparelho (fig. 168 e des. 46 e 47). A partir dessa altura nasce a cúpula, ora da base qua drada das paredes, ora, num caso que observamos, dessa base a que se acrescentaram grandes peças de canto, formando um polígono. O seu apa relho em geral é de grossos blocos bem firmes uns contra os outros, por vezes picados, de modo que ficam face aproximadamente contra face, for mando uma superfície quase lisa, ou, noutro caso que observamos, de pode rosas placas com enorme avanço em bruscos degraus (des. 47). A cúpula termina em cima no buraco habitual, bastante grande – num caso com cerca de 1 m de diâmetro – tapado depois com uma ou mais lajes largas e finas; em alguns casos, vimos, dentro dos fornos, uns pequenos nichos ou copeiras, abertos na espessura das paredes, a mais de 1 m de altura do solo.

Des. 47 – Escalhão, Figueira de Castela Rodrigo. Pormenor do interior dum fornn.

Des. 47 – Escalhão, Figueira de Castela Rodrigo. Pormenor do interior dum fornn.

231Como dissemos, estes fornos situam se no meio ou ao lado dos cam pos, e servem geralmente para guarda de aprestos e alfaias; quando perto das povoações, normalmente as pessoas não os utilizam para dormirem; mas quando em locais afastados, não raro são também abrigos de dormida (fig. 169).

232Em Figueira de Castelo Rodrigo, além dos palheiros que já descre vemos, e que existem ali em grande número, vimos também um moinho de rodízio em falsa cúpula, pequeno e de formato circular. A parede exterior, aprumada e rústica, embora cuidada, é em lascas pequenas de pedra, sem qualquer revestimento, e remata com o capeado habitual, a par tir do qual nasce a calote, baixa e recoberta de terra (fig. 172).

233Este mesmo género de abrigos, em dimensões mais pequenas, encontra se também nos concelhos de Pinhel, em Guilhafonso, Seixo do Coa, etc., Tran coso, em Palhais, Aldeia Nova, Aldeia Velha, etc., e Mangualde, na Senhora dos Verdes (ao lado das choupanas com cobertura de materiais vegetais).

Des. 48 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde. Corte de dois «fornos da Senhora ».

Des. 48 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde. Corte de dois «fornos da Senhora ».
  • 129 ) Tavares de Proença, op. loc. cit. «0 fumo não tinha saída senão pelos ori fícios das pedras do te (...)

234Na Serra da Estrela, no Covão da Mulher, Tavares de Proença, assinala, ao lado de outra com cobertura de materiais vegetais, a que já aludimos, uma construção que servia de habitação a um pastor de cabras, e que parece ser em falsa cúpula, de planta circular, com um diâmetro de cerca de 4 m; o orifício central da cúpula era tapado com paus e mato (129).

  • 130 ) O costume de permitir aos mendigos vagabundos a pernoita nos edifícios dos fomos comunitários oco (...)
  • 131 ) O forno novo, também «da Senhora », de Vila Mendo de Tavares, que mede 1,83 m de diâmetro interio (...)

235Por vezes, no distrito de Viseu, além dos pequenos fornos de pão indi viduais, exteriores e localizados ao lado da casa (como em muitas outras zonas), existem, em várias localidades, fornos colectivos, de dono ou por vezes da comunidade, grandes, instalados em edifício próprio, que inclui também os tendais para a fornada, com espaço para se poder trabalhar (e onde, em certos casos, os mendigos vagabundos são, por costume, auto rizados a ficar à noite (130). Em Vila Mendo de Tavares, por exemplo, o velho forno «da Senhora » ou «da Capela » é desta última espécie (fig. 170 e des. 48): com um aparelho interno feito de cinco fiadas de blocos de granito, as três mais baixas espessas, as duas últimas mais ladeiras, o seu diâmetro interior mede 2 m e 1,20 m de altura, da base ao fecho; o buraco final, tapado com quatro lascas, mede 65 cm de diâmetro. O lastro, de tijolo, fica a uns 80 cm do chão, e prolonga se à frente, no exterior, por uma larga soleira de granito, para onde, enquadrada por fortes ombreiras e padieira também de granito, abre a porta do forno, que mede 50 cm de largura por 57 cm de altura. Um grosseiro aparelho externo, de blocos irregulares presos com barro, recobre, dos lados e em cima, a estrutura interna da cúpula. À sua esquerda fica o tendal, igualmente de granito; e à sua direita, o forno novo, que é de um tipo de construção completa mente diferente (131).

236Nesta mesma localidade, além dos fornos comuns «da Senhora », exis tem também fornos individuais, alguns em falsa cúpula; num deles, o apa relho é de blocos de granito estreitos e bastante regulares, e a calote é reco berta igualmente, pelo lado exterior, de barro; a sua sapata não é maciça, mas sim formada de dois muretes baixos onde pousa uma larga laje, que faz a soleira da porta do forno.

237Em Prime, perto de Viseu, vimos, por seu turno, um forno individual deste mesmo tipo. De um aparelho interno muito tosco, em pedra, acaste lada e picada apenas na face que dá para o interior do forno e que, nas fiadas mais altas, é em grande medida firmada pela prisão do barro, ele é construído, segundo a regra, sobre uma sapata maciça, com a altura de cerca de 80 cm, e mede, na base, 1,30 de diâmetro (interior); o lastro é em tijolo, assente sobre resíduos de carvão queimado na forja; a porta, medindo 50 cm de largura por 60 cm de altura, é enquadrada por belas ombreiras e padieira picadas. Uma camada grossa de barro recobria, exteriormente, todo o forno, para vedação, como em Vila Mendo. Este forno foi construído, segundo nos informam, há cerca de 45 anos.

Estremadura

238Nas Serras de Aire e de Santo António vêem se também com relativa frequência abrigos de pedra calcária, em falsa cúpula, toscos, baixos, pequenos, e de planta circular irregular, umas vezes no meio das terras, outras encostados a qualquer pequeno muro; os blocos do aparelho exte rior encastelam se a seco, sem o menor cuidado, numa grosseira parede a prumo, interrompida à frente, para a entrada, e que, em cima, nenhum capeado limita (fig. 176); a calote da cúpula, muito achatada, mal se indi vidualiza.

Beira Litoral

  • 132 ) Vergilio Correia, op. loc. cit..
  • 133 ) Vergílio Correia, op. loc. cit. compara este pormenor, próprio das cabanas de Assafarja, com o qu (...)

239Aqui, a construção em falsa cúpula, aliás escassa, documenta se porém, na região a sul de Coimbra, num triângulo formado pela cidade, Sernache e Almalaguez, em especial no cabeço de Santo Amaro, da freguesia de Assafarja, onde se encontra um grupo de várias cabanas, em calcário, abrigos de trabalhadores rurais e de pastores, em falsa cúpula, de planta redonda ou quadrada (fig. 174), ao lado de outras também inteiramente em calcário, mas de tipo dolménico e planta rectangular, a que atrás alu dimos, e que foram visitadas e descritas por Vergílio Correia em 1913 (132). Este Autor distingue dois tipos, conforme a sua planta é redonda ou qua drada (além desse outro de planta rectangular): 1) nos de planta redonda, a construção pode ser de duas espécies: a) o tronco do edifício mantém se cilíndrico até ao tecto; b) ou vai se estreitando à medida que se alça, ficando em cone. 2) nos de planta quadrada, por seu turno, a construção pode ser de três espécies: a) a largura da base mantém se até à altura em que começa o tecto; b) o corpo do edifício vai estreitando à medida que sobe, armando em pirâmide truncada; ou c) a forma quadrada mantém se no exterior, mas o interior arredonda. Em ambos eles, a parede, espessa de 50 cm e mais, é de blocos a seco; e, segundo a regra geral, ora sobe a direito até uma certa altura – nomeadamente quando a construção é de planta qua drada – levando aí, no interior, uma pedra maior a cada esquina, que faz a transição para a cúpula; ora – quando a sua planta é redonda – encurva desde baixo. As fiadas superiores da cúpula, onde o avanço é muito pro nunciado, são de grandes blocos irregulares e grosseiros (fig. 175). O buraco final é tapado por uma laje mais larga. Exteriormente, a calote é recoberta de pedras miúdas e terra, e, em alguns casos, leva como ornamento uma pedra esguia e aguçada, posta ao alto à guisa de grimpa (133). As ombreiras da entrada são constituídas ora pelos próprios blocos da parede, ora por peças monolíticas, postas ao alto, grosseiramente afeiçoadas. Algumas vezes, para melhor iluminação do interior, vê se sobre a padieira um pequeno postigo triangular, que também serve de escarção.

Trás-os-Montes

240Em Trás os Montes, a construção em falsa cúpula documenta se sobre tudo sob a forma de abrigos, que se encontram, em casos raros e isolados, dispersos em alguns pontos. Em Montalegre, no Barroso, eles são de planta quadrada, com paredes de placas delgadas, e com um pequeno janelo. Em Picote (Vale do Carrasco), Miranda do Douro, eles são também de planta quadrangular, em xisto; as paredes sobem direitas, com 45 cm de espes sura, até à altura de 1,30 m; aí há em cada canto uma pedra chata, que é o começo da cúpula; delas a cúpula sobe até uma altura de 2 m, e a pedra que serve de fecho aparece por entre as outras com um diâmetro grosseiro de 37 cm; no exterior, a largura máxima é de 2,40 e a mínima de 2,30 m; a altura das paredes é de 1,65 m; a cúpula é recoberta de terra sem capeado; a porta não tem ombreira (fig. 173). Em Carrazeda de Ansiães, enfim, encontramos também abrigos deste tipo, de planta circular, para guarda de campos.

Minho

241No Minho, a falsa cúpula documenta se (além de casos isolados, em Arcos de Valdevez, etc., servindo de cortes de gado (fig. 171)), sobretudo na serra minhota, do Gerês, Amarela,. Peneda e Soajo, sob a forma de abri gos pastoris, com aspectos culturais próprios e do maior interesse, em estreita relação com a organização económica característica da região.

242Nessas serras graníticas, a economia tradicional assenta fundamental mente em duas actividades essenciais: a agricultura e o pastoreio, que determinam uma forma peculiar de povoamento. A agricultura tem sobre tudo lugar nas terras baixas da periferia do bloco montanhoso, ou em fundos vales encaixados, junto do aglomerado principal das aldeias ou lugares que, ora dispersos ora concentrados, aí se situam; nessas terras aráveis, frescas e férteis, em socalcos, cresce o milho, o centeio, a batata, o feijão e, nas altitudes menos elevadas, a vinha e até, em alguns casos, a oliveira. As casas desses povoados, em perpianho de granito, são de planta rectangular, em geral de dois pisos baixos, o andar sobradado para a habi tação, compreendendo a cozinha, e o térreo para as cortes do gado e lojas; a sua cobertura é as mais das vezes de duas águas pouco inclinadas, de velha telha caleira ou, nos casos mais rústicos ou arcaicos, de colmo, e não raro com cápeas e guarda-ventos. Com frequência – por exemplo no Lindoso – uma escada exterior dá acesso a uma varanda também de perpia nho, corrida ao longo da fachada, com guarda alta, e cuja cobertura, muito baixa, apoia em singelos pilares; no térreo, ela faz de coberto de arrumos.

  • 134 ) Acerca das brandas e currais, e dos regimes pastoris, na serra minhota, veja se: Rocha Peixoto, « (...)
  • 135 ) Como dissemos (texto correspondente a Nota 31), para Jorge Dias as casarotas da serra Amarela ser (...)

243O pastoreio tem lugar na serra, e apresenta por vezes – mormente no caso do gado vacum– traços muito característicos (134). Em Maio, esse gado, após as lavouras, quando deixa de ser necessário e não há pastagens suficientes, vai para os locais de pastagem nos altos, e aí fica até que o tempo refresque, em fins de Agosto ou Setembro, acompanhado pelos donos ou pessoas por eles pagas, segundo regras costumeiras muito rigo rosas e variáveis conforme as regiões, numa espécie de transumância que se assemelha ao sistema das « alpagens » alpinas. Para esse efeito, cada aldeia possui, ali, junto de quaisquer nascentes, as suas pastagens próprias, com locais de recolha e abrigos para o gado e os guardas, que apresentam for mas e nomes diferentes conforme as terras. No Gerês e na Amarela, àqueles locais chamam se currais, e são pequenas chãs ou lameiras mais ou menos planas, isoladas no meio da penedia, em regra limitadas por um pequeno muro tosco e com um único abrigo – o forno –, no centro, a um lado, por vezes sobre o muro, em geral de modo a dominar a lameira (135).

244No Gerês, as próprias áreas de pastagem, em alguns casos – nomeada mente a da aldeia de S. João do Campo – são cercadas por um muro baixo, que se alonga vários quilómetros pela serra, construído e reparado pela colectividade. Na Amarela vêem se também muros a dividir a serra; mas aí eles têm em vista impedir que os gados vão para as zonas flo restais.

  • 136 ) Tude de Sousa, «Gerês», pp. 37 38. Este Autor indica o sítio da Moldeira como ponto duma reunião (...)
  • 137 ) Assim sucede por exemplo no curral do Vidoal, em Leonte, no Gerês, que pertence a Rio Caldo, mas (...)
  • 138 ) Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II, Lisboa, 1936, p. 312; e «De Terra em Terra», (...)

245No Gerês, os currais de Vilar da Veiga e S. João do Campo são das freguesias respectivas; os de Cabril são «de dono», mas os gados das outras freguesias podem lá ficar enquanto não houver centeio. Em Vilar da Veiga, por exemplo, como actos preliminares à ida dos gados para os altos, têm lugar as composturas de caminhos e fornos, segundo regras estrictas obri gatórias, consignadas no respectivo Livro do Rol da Vezeira: os caminhos entre os lugares são compostos no dia de Entrudo; cada casa manda uma pessoa, e enquanto uns vão para essas composturas, outros vão enxertar pereiras e macieiras bravas, castanheiros, etc., para que os pastores depois encontrem os frutos. No último domingo de Abril, ao mesmo tempo que é investido o juiz e nomeado o Procurador do ano (que será o Juiz do ano próximo), escolhem se os dois homens para «a roda de serviço», que cor rerão a serra para ver o estado em que se encontram os carreiros e os fornos dos currais. No dia 3 de Maio – dia Santo em que os gados não saiem, e em que, em muitas outras partes, se compõem os caminhos –, juntam se todos os lavradores que possuem vacas (sob pena de multa no caso de faltarem) na Carvalha das Éguas (Pedra Bela), para combinarem as repa rações a fazer, segundo as indicações da «roda de serviço»: vão uns para certos currais, outros para outros, etc. «É um dia de folgança, em que desde manhã se vêem passar os lavradores vezeiros, isoladamente ou em grupos, de sachola ao ombro e merenda a tiracolo, até ao ponto de reunião com binado, onde se dividem, voltando mais tarde, depois de colocados alguns torrões, mudadas algumas telhas de canudo nas cabanas, e substituídos alguns mariolas (pedras pequenas e outros sinais, colocadas sobre outras maiores que as tornam visíveis, para indicarem aos pastores os caminhos tapados pelas neves, ou marcar outros pontos de passagem onde não haja caminho aberto), ou reconstruídos alguns lanços de carreiros que a invernia arruinou, a reunir se no curral do Vidoeiro, onde se exibem as fartas merendas e as borrachas cheias... recìprocamente se oferecendo e em comu nidade consumidas». O dia 15 de Maio parece ser «o dia oficial de pôr a vezeira na serra, levando cada qual as suas vacas onde o Acordo (Junta) o tiver estabelecido, ficando obrigado o pastor que nesse dia entrar, a levar consigo a louça, o alvião, a caldeira, as cordas, e outros utensílios à vezeira pertencentes» (136). Seguidamente, o gado das diferentes aldeias vai subindo a serra, de uns para os outros dos seus respectivos currais, pastando durante o dia por onde calha, e recolhendo à noite a esses abrigos. Não raro mais do que uma freguesia tem direito a passar certas noites num mesmo curral, regulando se o seu uso por normas costumeiras rigorosas, que todos aca tam (137). No Soajo e Peneda, além da vezeira, conhecem se outros regimes pastoris. Nas pastagens altas, os locais de abrigo e recolha dos vigias e gados levam o nome de brandas (138), que, quando apenas pastoris, são aglomerados, às vezes em grande número, de toscos abrigos – os cortelhos –, onde, na época estival vivem os vigias, com o gado. Mais raramente, as brandas constituem mesmo uma espécie de duplicações parciais das aldeias das terras baixas a que pertencem, com casas de telhado de colmo –os colmaços –, e pequenas leiras onde cultivam o feno, o centeio e a batata – as brandas de cultivo, na terminologia de Raquel Soeiro de Brito, que as contrapõe às outras, apenas de gado – e onde os vigias e os que agri cultam essas terras se instalam durante o bom tempo. Nas aldeias da falda Norte da serra, o gado de cada casa é acompanhado por um brandeiro, que fica na branda toda a época (junto com os brandeiros das outras casas), sendo abastecido pela gente da sua casa que ali vai buscar o leite, ou abas tecendo se ele próprio aos domingos quando desce à povoação para assistir à missa; noutros casos, os vigias ou brandeiros vão para a branda com as suas famílias, animais domésticos e utensilagem rudimentar e ali ficam toda a época; em alguns casos mesmo, essas brandas de cultivo evoluíram e transformaram se em povoações de habitação permanente; S. Bento do Cando, por exemplo, branda da povoação da Gavieira, é uma verdadeira aldeia qualificada, mas onde, no rigor do inverno, subsiste a transumância diária. Por vezes, como sucede com a vezeira das aldeias de Soajo, de Bou ças Donas e Bustelinho, na Peneda, a subida para os altos – a Chã da Peneda, Bragadela e Vidoeiro – e seguidamente a descida para a aldeia, faz se com paragens em brandas intermediárias – Cova, Burzavô, Curdi feito e Piorneda – para onde também se leva o gado quando nas brandas mais altas o tempo se torna mais áspero.

246Estes abrigos – os fornos dos currais do Gerês e da Amarela, e os cortelhos das brandas do Soajo e da Peneda – são precisamente, em regra, construções de falsa cúpula e extremamente primitivas. O sistema, aliás, é ali perfeitamente comprensível – poder se ia dizer o único possível: em locais distantes de tudo, inacessíveis e bravios, onde escasseia o arvoredo e onde o transporte de outros materiais–telha, madeira, etc. (que de resto não resistiriam ao clima, aos temporais e ao abandono) – e ferramentas é impraticável, os únicos abrigos imagináveis são estes, feitos com pedra que se encontra no próprio local, e que se utiliza quase tal como aparece. E lembramos que, como ficou dito, este mesmo tipo de construção foi já usado na região em tempos pré históricos – nomeadamente no castro de S. Miguel o Anjo – igualmente num abrigo ou curral de gado.

  • 139 ) Por exemplo o forno do curral da Calcedónia, que mencionamos atrás. Por outro lado, certos abrigo (...)
  • 140 ) Raquel Soeiro de Brito, op. cit. pp. 39 40, assim descreve as brandas de gado do Soajo. «As brand (...)

247No Gerês e na Amarela, como dissemos, em cada curral vê se apenas um forno (figs. 177 a 192); no Soajo e na Peneda, em cada branda os cortélhos agrupam se por vezes em número de dez ou mais, espalhados a esmo por qualquer chã mais abrigada ou em declive contra a encosta, e quase sempre cercados por um pequeno recinto descoberto – a bezerreira (figs. 193 a 211). No Gerês, essas construções, de planta muito irregular, circular ou quadrada, são de uma rudeza extrema, com um aparelho único que vai de fora a dentro, muito grosseiro, feito de pedregulhos brutos encastelados, por vezes enormes, exteriormente boleados pela erosão e sem o menor afeiçoa mento, muitas vezes aproveitando mesmo afloramentos naturais da rocha e sem qualquer argamassa ou sequer terra a colmatar as fendas entre eles; às vezes, esses fornos são mesmo abrigos semi naturais, grandes lajes que cobrem um espaço acanhado, fechado por muros rudimentares (139). De tama nho mediano – a mais larga que aí vimos, num dos currais de Chão de Lamas, media 2,55 m de diâmetro no interior, à altura do solo (fig. 177); e a mais alta, num dos currais do Couce, 2,65 de altura do solo ao fecho da cúpula – as paredes têm cerca de 1 m de espessura, feitas de blocos que não raro mostram, interiormente, um avanço muito grande – 50 cm e mais (figs. 178, 180, 181, 182 e 183); a entrada, baixa e acanhada –por exem plo 80 cm de altura por 70 cm de largura no curral da Lagoa –, enci mada por poderosas padieiras, e, por onde só curvado se pode passar, em geral não tem porta e apenas uma pedra maior, posta ao alto, impede a entrada de animais; a cúpula fecha com uma laje única, também não raro enorme – por exemplo 1 m de lado no curral de Cabril – e é, exterior mente, conforme a regra, recoberta com torrões ou, mais frequentemente, terra solta (figs. 180, 182, 183 e 188). Na Amarela, eles são geralmente de planta redonda, maiores, mais altos e espaçosos, melhor construídos, embora do mesmo modo muito rudes, aproveitando muitas vezes afloramentos natu rais da rocha. No curral de Rebordo no Feio, por exemplo, os diâmetros e alturas exteriores e interiores do forno eram respectivamente de 4,50 m e 2,40 m e de 4,50 m e 2 m. O aparelho da parede, também único, é muito irregular, e vêem se fàcilmente grandes blocos brutos, com enorme avanço – 80 cm e mais –. Como nos fornos do Gerês, as entradas, enquadradas por toscos umbrais e padieiras, são baixas e estreitas – por exempplo 80 cm de altura por 60 cm de largura, no forno de Chão da Fonte –, embora por vezes menos acanhadas do que ali. A cúpula remata com uma laje única e larga–90 cm no forno de Chão de Muro, por exemplo (fig. 190) –; e, exteriormente, a calote é em alguns casos recoberta de torrões consistentes; por vezes –no Bogalhedo (fig. 189), Rebordo no Feio (figs. 191 e 192), etc. – dois ou três torrões sobrepostos, no topo da calote, fazem de remate deco rativo, e nele se espeta um ramo de giesta, à guisa de grimpa. No Soajo e Peneda, os cortélhos das brandos apenas de gado, onde dormem os vigias, igualmente em falsa cúpula, são mais pequenos e mais frequentemente de planta circular, e também baixos, acanhados e toscos, de rudes blocos empi lhados – na Peneda em geral aproveitando grandes lajes delgadas de gra nito que ali se encontram fàcilmente –, sobretudo para a cúpula, e com um aparelho também único, e as mais das vezes com as pedras da cobertura à vista, e igualmente sem qualquer argamassa ou sequer terra, nem torrões, a colmatar as fendas entre elas (figs. 193, 196 e 203) (140).

248À volta destes fornos e cortelhos dispõe se o local onde se cozinha ao ar livre – uma pedra onde se acende o lume, rodeada de outras que fazem de bancos –, o pau galhudo onde se pendura o bornal e a reduzida utensilagem que os vigias trazem consigo (fig. 207). Na solidão das alturas despovoadas, frente à magestosa amplidão da montanha que se desdobra em planos a perder de vista, mal se distinguindo da penedia que os rodeia por todos os lados, estes currais e brandas, cinzentos de líquenes, com as suas casotas sem idade, são bem a imagem da aspereza primitiva da vida das gentes serranas, frugal e dura, ao mesmo tempo que sugerem uma povoação castreja, perdida na serrania, esquecida no tempo, abandonada e em ruínas.

  • 141 ) Félix Alves Pereira, op. cit. p. 24, fig. 3, mostra também um cortelho de dois pisos (duas portas (...)

249Interiormente, essas casotas ignoram o mais elementar conforto: peque nas e baixas, mal consentindo uma pessoa em pé, deixando entrar o vento pelas fendas à vista entre os blocos das paredes, um pequeno recanto ene grecido pelo fumo faz de lareira quando se não pode cozinhar fora, ou onde se acende a fogueira para aquecer; fetos ou urze no chão, uma manta em cima, um calhau para pousar a cabeça; paus cravados entre as pedras ser vindo de cabides onde se pendura a roupa e os utensílios da cozinha – um panelo para as batatas, um saco com a boroa, e pouco mais – são o único mobiliário. Com frequência é preciso defender o gado contra o lobo acossado pela fome, que por ali não é raro. O chão é normalmente térreo; mas na Peneda, em alguns casos – por exemplo nas brandas de Burzavô (figs. 194, 196, 203 e 204), da Bragadela (figs. 200, 201 e 202), da Piomeda (fig. 205), do Vidoeiro (fig. 206), de Borzegalinhas (figs. 197 e 198), de Seida (fig. 199)–, certos cortelhos, embora pequenos, têm dois pisos (141), divi didos por uma ou duas dessas enormes lajes laminadas que ali abundam (com entradas independentes em posições desencontradas que aproveitam o desnível do solo onde os cortélhos em geral se encontram): em cima dormem os homens, e em baixo ficam, durante a noite, as crias pequenas ao abrigo das depradações do lobo – uma prefiguração rudimentar do esquema da casa rural evoluída e diferenciada do Norte do País– (figs. 197, 208 a 211 e des. 49).

Des. 49 – Serra da Peneda. Aspecto e cortes dum cortelho. Os cortes são pelo plano do eixo da porta e por outro perpendicular àquele.

Des. 49 – Serra da Peneda. Aspecto e cortes dum cortelho. Os cortes são pelo plano do eixo da porta e por outro perpendicular àquele.

250As brandas de cultivo, como dissemos, constituem verdadeiras pequenas aldeias onde as pessoas se instalam de Maio a Setembro, deslocando consigo, além dos gados, outros animais domésticos – porcos, galinhas, etc. – e são geralmente inteiramente constituídas por colmaços – casas de planta rectan gular e telhados de colmo (e hoje já em muitos casos de telha), não raro de dois pisos, o de cima de habitação, o de baixo para arrumos, palhas, gado, como as das terras baixas. Na branda de Real, porém, – verdadeira imagem pré histórica – pertencente ao lugar de Avelar, da povoação de Cabreiro, os cortélhos não só se vêem a par dos colmaços, mas são mesmo excepcionalmente grandes e bem construídos e elaborados (figs. 209, 210 e 211); como atrás dissemos, foi aí que encontrámos a maior e mais alta cons trução em falsa cúpula que conhecemos em Portugal – de planta rectan gular, com 4,5 por 3,5 m de base, e 5,5 m de altura, do solo ao fecho da cúpula, começando esta a fechar a cerca de 1,75 m de altura. Aqui, e também em certas outras brandas, alguns destes cortélhos grandes têm tam bém dois pisos, o superior para os fenos e palhas (pelo menos actualmente), e o térreo para os gados, com portas do mesmo modo independentes a níveis diferentes, ascendendo se mesmo à do piso superior por uma escada exterior de pedra. E, nesse exemplar maior, o piso superior é sobradado, com as tábuas do soalho assentes em traves fixas às paredes do cortelho.

251Na região dos Arcos de Valdevez, em Sistelo, nas faldas da Serra da Peneda, encontramos nos campos junto ao rio, de difícil acesso, edifícios em falsa cúpula, em granito, servindo de cortes para gado, que, retido ali, fazia o estrume necessário à adubação dos campos, de outro modo muito difícil de transportar. De planta quadrangular, irregular, a parede exterior, de grossos blocos a seco, é inclinada e inflecte para a calote sem qualquer capeado ou beiral que a limite; num dos lados rasga se a entrada, de altura normal, com ombreiras feitas de grandes silhares postos ao baixo (fig. 171).

Algarve

252No Algarve, que, como vimos, teria sido o ponto de difusão deste sis tema na área que viria a corresponder a Portugal, não se encontram constru ções recentes em falsa cúpula (à excepção talvez de alguns fornos de cozer o pão, em casos dispersos).

  • 142 ) Jorge Dias, « Las Chozas de los Cabeçudos », p. 166, considera a falsa cúpula em geral, na linha (...)
  • 143 ) A par, na área europeia e sobretudo ocidental, dos dólmens e dos megálitos isolados ou alinhados (...)
  • 144 ) André Varagnac, op. loc. cit. pp. 382 e 384. Este Autor engloba no movi mento geral do megalitism (...)

253A maioria dos autores considera o sistema de construção em falsa cúpula de grande antiguidade (142). André Varagnac, concretamente, assinala o seu aparecimento já no IV milénio a. C., na cultura mesopotâmica de Arpachiya, em edifícios – templos, túmulos ou fortalezas – que se podem entender como protótipos longínquos dos tholoï do Egeu. De facto, ele apresenta se hoje històricamente como um aspecto do fenómeno geral do megalitismo ociden tal (143), o qual, a partir do Próximo Oriente, seguiria as mais das vezes as direcções da expansão neolítica, em jorros de longo alcance que acompanha ram certas fases da difusão do cobre, e que em grande parte se processa pelas vias marítimas: Mediterrâneo, Atlântico e Mar do Norte (144).

  • 145 ) André Varagnac, op. loc. cit..
  • 146 ) O que localiza no Ocidente peninsular «um dos focos de criação e irradia ção do megalitismo». Aqu (...)
  • 147 ) Vergílio Correia, op. cit. Note se que todos os autores portugueses relacio nam estas construções (...)

254Dentro do panorama global desse megalitismo ocidental, as teses « orien talistas», e em especial os arqueólogos ingleses – Glyn Daniel, Powell, Picott, etc.– dão a primazia cronológica aos chamados « dólmens de corredor» ( pas sage graves), do tipo do tholos egeu, que se encontram sobretudo nas regiões da beira mar : uma antecâmara em rectângulo alongado, conduzindo a um recinto redondo, com uma cobertura que era certamente em falsa cúpula como a desses tholoï gregos. Os dólmens simples seriam, para estes auto res, uma forma simplificada desse tipo, de falsa cúpula e corredor, adoptada pelas comunidades rústicas do interior (145). Como porém nota Maga lhães Godinho, de acordo com Oliveira Marques, o problema do megalitismo não parece apresentar se deste modo em toda a parte, e nomea damente em Portugal. De facto, aqui, «a civilização megalítica teria começado pelos dólmens simples, sem corredor e sem tumulus, passaria aos de câmara e corredor, que teriam dado as galerias cobertas, só depois apa recendo os dólmens de falsa cúpula, para terminar, em pleno Bronze I, nas cistas ». Na verdade, as escavações dos esposos Leisner e do Prof. Manuel Heleno, em Reguengos de Monsaraz, puseram a descoberto um dólmen de falsa cúpula por cima da mamoa dum dólmen de corredor. Os dólmens de falsa cúpula seriam pois, em Portugal, posteriores aos outros (os quais constituiriam uma forma autóctone, e não o resultado duma barbarização dessas formas mais complexas), representando uma penetração da cultura do Mediterrâneo Oriental por via marítima através dos estuários do Tejo e do Sado (146). Seja como for, parece nos que, entre nós, o sistema de cober tura de falsa cúpula em geral – e em especial nas suas manifestações mais perfeitas – se pode certamente filiar «numa remotíssima tradição popular que alcança os tempos pré históricos e os monumentos do fim do Neolítico em Portugal» (147), a partir de formas superiores, nomeadamente as mencio nadas sepulturas clássicas de Micenas.

151 – Espanha, margem do Douro entre Barca de Alva e Freixo de Espada à Cinta Construção em falsa cúpula

151 – Espanha, margem do Douro entre Barca de Alva e Freixo de Espada à Cinta Construção em falsa cúpula

152 – Alcalar, Portimão. Túmulo da necrópole

152 – Alcalar, Portimão. Túmulo da necrópole

153 – Sintra. Ruínas do « Túmulo do Monge»

153 – Sintra. Ruínas do « Túmulo do Monge»

154 – Pena Verde, Castelo de Vide. Chafurda

154 – Pena Verde, Castelo de Vide. Chafurda

155 – Cumeada, Castelo de Vide. Chafurda

155 – Cumeada, Castelo de Vide. Chafurda

156 – Ribeira da Amieira Castelo de Vide Chafurdão

156 – Ribeira da Amieira Castelo de Vide Chafurdão

157 – Sector arruinado do chafurdão da fig. anterior

157 – Sector arruinado do chafurdão da fig. anterior

158 – Interior da cúpula do chafurdão da fig. anterior

158 – Interior da cúpula do chafurdão da fig. anterior

159 – Arronches Chafurda arruinada

159 – Arronches Chafurda arruinada

160 – Corte da parede da chafurda da fig. anterior

160 – Corte da parede da chafurda da fig. anterior

161 – Arronches. Chafurda Fecho da cúpula derruído

161 – Arronches. Chafurda Fecho da cúpula derruído

162 – Barrancos Safurdas

162 – Barrancos Safurdas

163 – Barrancos Safurda

163 – Barrancos Safurda

164 – Monfortinho Idanha a Nova Tenda

164 – Monfortinho Idanha a Nova Tenda

165 – Salvaterra do Extremo Idanha a Nova Furdas de dois pisos O térreo, para porcos; o superior, para galinhas

165 – Salvaterra do Extremo Idanha a Nova Furdas de dois pisos O térreo, para porcos; o superior, para galinhas

166 – Monsanto Idanha a Nova Pocilga de porcos

166 – Monsanto Idanha a Nova Pocilga de porcos

167 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo Forno (Palheiro abrigo)

167 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo Forno (Palheiro abrigo)

168 – Interior da cúpula do forno da fig. anterior

168 – Interior da cúpula do forno da fig. anterior

169 – Escalhão Figueira de Castelo Rodrigo Forno

169 – Escalhão Figueira de Castelo Rodrigo Forno

170 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde «Forno da Senhora ». O da esquerda é em falsa cúpula

170 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde «Forno da Senhora ». O da esquerda é em falsa cúpula

171 – Sistelo, Arcos de Valdevez. Corte de gado

171 – Sistelo, Arcos de Valdevez. Corte de gado

172 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo Moinho de rodízio

172 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo Moinho de rodízio

173 – Vale de Carrasco, Picote, Miranda do Douro Abrigo em falsa cúpula

173 – Vale de Carrasco, Picote, Miranda do Douro Abrigo em falsa cúpula

174 – Assafarja, Coimbra Cabana

174 – Assafarja, Coimbra Cabana

175 - Interior da cúpula da cabana da fig. anterior

175 - Interior da cúpula da cabana da fig. anterior

176 – Serra de Aire Abrigo em falsa cúpula

176 – Serra de Aire Abrigo em falsa cúpula

177 – Serra do Gerês Forno do curral de Chão de Lamas

177 – Serra do Gerês Forno do curral de Chão de Lamas

178 – Serra do Gerês. Forno dum curral do Couce

178 – Serra do Gerês. Forno dum curral do Couce

179 – Serra do Gerês. Currais do Couce

179 – Serra do Gerês. Currais do Couce

180 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce

180 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce

181 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce

181 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce

182 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce

182 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce

183 – Serra do Gerês Forno dum curral da Lagoa

183 – Serra do Gerês Forno dum curral da Lagoa

184 – Serra do Gerês Forno dum curral de Lamas de Homem

184 – Serra do Gerês Forno dum curral de Lamas de Homem

185 – Serra do Gerês Forno dum curral de Lamas de Homem

185 – Serra do Gerês Forno dum curral de Lamas de Homem

186 – O forno da fig. anterior visto de cima Notar o fecho da cúpula derruído

186 – O forno da fig. anterior visto de cima Notar o fecho da cúpula derruído

187 – Serra do Gerês Forno dum curral de Chão das Abrótegas

187 – Serra do Gerês Forno dum curral de Chão das Abrótegas

188 – Serra do Gerês Forno do curral do Gamil

188 – Serra do Gerês Forno do curral do Gamil

189 – Serra Amarela Forno da branda do Bogalhedo

189 – Serra Amarela Forno da branda do Bogalhedo

190 – Serra Amarela Forno da branda de Chão de Muro

190 – Serra Amarela Forno da branda de Chão de Muro

191 – Serra Amarela Forno duma branda de Rebordo no Feio

191 – Serra Amarela Forno duma branda de Rebordo no Feio

192 – Serra Amarela Forno duma branda de Rebordo no Feio

192 – Serra Amarela Forno duma branda de Rebordo no Feio

193 – Serra da Peneda Forno da branda do Vidoeiro

193 – Serra da Peneda Forno da branda do Vidoeiro

194 – Serra da Peneda Fornos e bezerreiras da branda de Burzavô

194 – Serra da Peneda Fornos e bezerreiras da branda de Burzavô

195 – Serra da Peneda Forno da branda do Avelar Falsa cúpula recoberta de giesta

195 – Serra da Peneda Forno da branda do Avelar Falsa cúpula recoberta de giesta

196 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavô. A cúpula fecha com três fiadas de lajes

196 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavô. A cúpula fecha com três fiadas de lajes

197 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Burzegalinhas

197 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Burzegalinhas

198 – Serra da Peneda Branda de Burzegalinhas

198 – Serra da Peneda Branda de Burzegalinhas

199 – Serra da Peneda Branda de Seida

199 – Serra da Peneda Branda de Seida

200 – Serra da Peneda Fornos da branda da Bragadela

200 – Serra da Peneda Fornos da branda da Bragadela

201 – Interior da cúpula do forno da fig. anterior

201 – Interior da cúpula do forno da fig. anterior

202 – Interior Lareira do forno da fig. anterion

202 – Interior Lareira do forno da fig. anterion

203 – Serra da Peneda Forno e bezerreira da branda de Burzavô Notar o carácter ciclópico da construção

203 – Serra da Peneda Forno e bezerreira da branda de Burzavô Notar o carácter ciclópico da construção

204 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavô Cobertura dolménica com uma laje de 2 x 1,75 m

204 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavô Cobertura dolménica com uma laje de 2 x 1,75 m

205 – Serra da Peneda Fornos da branda de Piorneda

205 – Serra da Peneda Fornos da branda de Piorneda

206 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavó

206 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavó

207 – Serra da Peneda Forno da branda do Vidoeiro Ao lado, as sacas com a comida dos vigias do gado

207 – Serra da Peneda Forno da branda do Vidoeiro Ao lado, as sacas com a comida dos vigias do gado

208 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Seida

208 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Seida

209 – Serra da Peneda Fornos da branda de Real

209 – Serra da Peneda Fornos da branda de Real

210 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Real

210 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Real

211 – Serra da Peneda Forno da branda de Real

211 – Serra da Peneda Forno da branda de Real

255No que se refere ao caso castrejo, a hipótese da cobertura em cúpula nasceu da observação, em Briteiros, da curvatura ou inclinação das paredes das casas para o interior; Mário Cardozo explica o facto pela pressão exer cida numa das paredes pelos detrictos arrastados pelas chuvas; mas, em cer tos casos, essa explicação não cabe. De qualquer modo, como nota Jorge Dias, a verdadeira cúpula não seria ali possível: ela é uma forma arquitectónica evoluída, que se desenvolveu e expandiu na época imperial. É certo que aparecem cúpulas já no Eneolítico, em Los Millares; mas não se podem comparar as culturas peninsulares do Levante, em contacto com as velhas civilizações mediterrâneas, com as muito mais primitivas culturas castrejas. Acresce que a verdadeira cúpula exigiria juntouras entre os dois aparelhos, interior e exterior, e argamassa; sem estas, o arco de aduelas ou cunhas exerceria uma impulsão lateral superior à resistência das paredes, que se esbarrondariam. Ora, em Briteiros, não ocorre nem uma coisa nem outra. E finalmente, se tivesse existido cúpula, deveriam aparecer, entre as pedras encontradas no meio das casas, muitas talhadas em cunha; e isso nunca aconteceu.

256Mas ter se ia usado a falsa cúpula? Esta com efeito, não exige paredes especialmente sólidas, porque a pressão exercida pela cobertura é sobretudo vertical, sendo a lateral muito diminuta. Note se que o facto da curvatura das paredes – mesmo nos casos em que não cabe a explicação de Mário Cardozo (que aliás não a recusa terminantemente, e parece mesmo admiti la nas casas com as paredes inclinadas para o interior) – nada prova a favor da hipótese, porque essa curvatura pode explicar se como meio de facilitar o escoamento das águas e de reforçar as paredes, e porque conhecemos exemplos actuais em falsa cúpula e sem essa curvatura e, por outro lado, exemplos pré históricos com essa curvatura, mas que tinham sem dúvida cobertura em materiais vegetais. Contudo, ela parece nos de recusar como hipótese de solução geral, porque, como dissemos, em qualquer caso, não aparecem pedras caídas no interior das casas, o que não poderia deixar de suceder se tivesse existido uma cobertura em pedra. De resto, em todos os exemplos actuais de falsa cúpula que conhecemos, as pedras, do solo ao fecho, são sempre lajes mais ou menos achatadas e postas ao baixo; o duplo paramento e o opus incertum, poligonal ou recticulato, da construção cas treja, seriam perfeitamente desajustados à continuação do edifício em falsa cúpula.

  • 148 ) Ver Mário Cardozo, « Citania » pp. 29 e 54, e Jorge Dias, «O problema...», pp. 25 28; e também No (...)

257Em Sabroso, contudo, como dissemos, encontraram se, numa casa, nume rosas placas de xisto boleadas numa das extremidades, indigitando talvez uma cobertura em falsa cúpula (sustentada por um esteio central), sendo pois de admitir, de acordo com Mário Cardozo e Jorge Dias, que esse tipo de cobertura tivesse existido então em casos esporádicos ou em lugares mais pobres e arcaicos e menos romanizados, como Sabroso. Aliás, vimo lo também em S. Miguel o Anjo, num anexo; e pode supor se que esse possível caso em Sabroso fosse também um anexo, dado que, mesmo hoje, não conhecemos a falsa cúpula em habitações humanas normais (148).

258Relativamente às casotas em falsa cúpula da serra nortenha, pequenas, em granito, extremamente toscas de forma, sem aparelho exterior distinto e que, como vimos, aparecem em ligação estreita com a vida pastoril tra dicional e característica da região – e que, por isso, dificilmente se podem equiparar a essas outras, de grandes dimensões, em xisto (tal como as pré históricas), e de factura cuidada, que predominam no Sul–, é nos difícil admitir francamente não só a hipótese de uma origem mediterrânea directa, como nesse último caso, mas mesmo a de uma origem castreja, dada a raridade dos exemplos conhecidos de tal categoria de construções nas estações daquela cultura estudadas no Noroeste peninsular. Seja porém como for, parece nos que se deve acima de tudo tratar de uma solução de natureza essencialmente funcional, se não talvez totalmente indepen dente de origens étnicas, ditada decisivamente pela rudeza do material e das condições locais: nessas serras, onde a madeira escasseia e não aguen taria o abandono e a aspereza extrema dos invernos, onde não há quaisquer possibilidades de transportes e onde, pelo contrário, por toda a parte abunda a pedra, que não se deteriora e se pode aproveitar tal qual, mesmo se a casota rui, compreendem se estas construções, que podem ser erguidas ou reparadas pelas próprias gentes dali, a quem aliás o completo desconforto e desnudamento não metem medo.

  • 149 ) Acerca das queijeiras de Castelo Branco, Tavares de Proença é de opinião que, para lá da identida (...)

259Uma coisa porém é a origem do sistema, e outra a idade real dos exemplares em falsa cúpula actualmente existentes no País. Parece nos fora de dúvida que, na maioria dos casos, se trata efectivamente de edifi cações muito antigas, considerando já a rudeza dos materiais e modos de construção, já, em muitos casos, o aspecto e erosão da pedra que apresen tam. Contudo, dada precisamente a rusticidade dos edifícios, a total ausência de inscrições ou datas nelas inscritas, e a falta de referências concretas em quaisquer textos, não é possível, a este respeito, ir além de vagas conjecturas (149); aliás alguns exemplos são comprovadamente dos nossos dias, existindo mesmo ainda, em certos sítios, construtores em actividade.

Notes

1 ) Jorge Dias, «Las construcciones circulares del Noroeste de la Península Iberica y las Citanias », in: «Cuadernos de Estudios Galegos », II-6, Santiago de Compostela, 1946, p. 186, inclui, no conceito de casa redonda em geral (ao mesmo tempo que distingue as de granito e as de xisto)–a) na antiguidade pré e proto histórica: 1) redondas; 2) elípticas; 3) rectangulares com as esquinas arredondadas; e 4) parcial mente curvilíneas; e b) nos tempos históricos: 1) redondas; 2) elípticas; 3) ovais; e 4) parcialmente curvilíneas.

2 ) Excluímos totalmente a verdadeira cúpula, que constitui uma solução elabo rada, que nada tem de primitivo.

3 ) Assim, nas construções em falsa cúpula, ora o arredondamento progressivo do quadrado desde a base, ora a inclusão de uma pedra larga, atravessada a cortar cada canto a uma certa altura, transformando o quadrado num polígono que depois se vai arredondando; nas construções com cobertura em materiais vegetais, ora a disposição dos caibros em redondo sobre o quadrado do topo das paredes, ora a transformação paulatina da pirâmide basilar no cone do alto. A estes pormenores diferenciais funda mentais acrescentaremos outros também bastante importantes: nas construções em pedra em falsa cúpula (em que se usam pedras atravessadas, a cortar os cantos) a existência de um único aparelho, até ao nível dessas pedras ; em todos os casos, o aparecimento dos cunhais, que não existem na casa de planta circular.

4 ) Marcel Mauss, «Manuel d’Ethnographie», Paris (Payot), 1967, p. 74. Jorge Dias, «Contribution to the Study of Primitive Habitation », in: « Compte rendus du XVIème Congrés International de Géographie, Lisbonne, 1949», Lisboa, 1951, p. 109. Mauss con sidera efectivamente que «as simples distinções entre casas redondas e casas quadradas» (entenda se que quando, como dizemos, ambas obedeçam, pelas suas demais característi cas, ao mesmo tipo arquitectónico), « parecem insuficientes »: alguns povos construíram ao mesmo tempo certos edifícios redondos e outros quadrados – o que prova que eram capazes portanto de os conceber a ambos. Aliás, este Autor considera as cabanas de planta quadrada com cobertura cónico piramidal de materiais vegetais também um «tipo pri mário », tal como o de planta circular: «A sua cobertura é pràticamente cónica exacta mente como a da casa circular, apenas o facto de se apoiar numa parede quadrada lhe dá uma base piramidal». Leroi Gourhan, op. cit., p. 311 atribui também um «valor tipológico secundário» à diferença entre habitações (choça, tenda e casa) circulares e quadrangulares.

5 ) Jorge Dias, «Contribution», loc. cit.: «Esta construção (a casa redonda) não tinha grande possibilidade de desenvolvimento de modo a fazer face às necessidades cres centes resultantes da adaptação à vida agrícola superior, e, nessas circunstâncias, apenas se mantém nas regiões mais primitivas, ou então combinou se com o tipo rectangular, dando lugar a tipos compostos».

6 ) « O fumo, hoje para nós como mínimo desagradável, tem para o homem simples outro significado. Conserva lhe as provisões, em particular carne, toucinho e queijo, impregna o barrotamento do telhado, as varas e as cordas de palha, e consegue que toda a armação de madeira permaneça sã. O fumo mantém afastados o caruncho e os parasitas». «Nenhum fogo aberto sem fumo. A tal casa, com fogo livre, sem dispositivo para a chaminé, dá se o nome de «casa de fumo». Essa denominação de «casa de fumo» não designa um tipo de casa, mas sim um estado de coisas primitivo. Se coincide com uma distribuição de um único aposento, estaremos perante uma casa primtiva» (H. Broc kmann Jerosch, «Das schweitzer Bauemhaus», Berne, 1933, p. 41. cit. por Fritz Krüger, «Las Brañas », in «Boletin del Instituto de Estudios Asturianos », 8, Oviedo, 1949, p. 13).

7 ) Segundo Mauduit, op. cit., p. 196, no estádio que se segue à cabana redonda que o homem construiu após o último glaciar (ver nota 37), a habitação apresenta se sobre a forma da cabana-em-colmeia, em materiais vegetais, do tipo de cobertura parede, formada de varas cravadas no solo, que se juntam no alto por diversas maneiras e se revestem de ramagens e folhas, e que constitui «o tipo mais arcaico de casa». Para Montandon, op. cit. pp. 300 302 (ver Nota 40), na origem de toda a construção circular está igualmente essa cabana-em-colmeia, que, para o Autor, pode ser de duas formas: com arcos paralelos, e com arcos meridianos; a primeira tende a achatar se, e origina a cabana em cúpula (rara e com poucas possibilidades de evolução); a segunda tende para a cabana cónica, ainda do género de cobertura parede, mas que constitui já um estádio superior à choça de arcos meridianos (e que corresponde, na sua teoria, ao ciclo do Totem). Lips, op. cit., do mesmo modo, considera também a cabana circular com cobertura de materiais vegetais em cúpula ou em cone, um dos « dois mais velhos géneros de casa», derivado do protótipo fundamental que é o anteparo-contra-o-vento, de rama gens (ver Nota 40). Finalmente, Leroi Gourhan, op. loc. cit., estabelece como primeira categoria de construções as do género de cobertura parede «que passam insensivelmente do solo ao cume, sem cobertura nem paredes pròpriamente ditas, mas uma superfície cónica ou semi esférica » – uma armação de paus que se reúnem no alto, ou de arcos. Note se porém, como acentua Montandon, op. loc. cit., que, nestes casos, « a sucessão lógica das duas formas não é necessàriamente uma sucessão genética», porque não só, na origem, os primeiros abrigos podem ter produzido tipos diversos, mas também porque há que contar com o génio inventivo do Homem, que pode produzir ou provocar criações novas. J. de Morgan, op. cit., p. 169, nota curiosamente que «só muito mais tarde o homem pensou em construir muros para as suas habitações; o seu primeiro cuidado foi usar a pedra para conservar as ossadas dos seus mortos».

8 ) Segundo Montandon, op. loc. cit., com efeito, esta forma seria posterior à choça em colmeia, de arcos meridianos e cónica, referida na Nota anterior.

9 ) Jorge Dias, «O problema da reconstituição da casa redonda castreja», p. 42. Este Autor nota porém que, em algumas dessas estações, há também cabanas quadran gulares, muito pequenas (3x2,50 m de lado), que por vezes se dispõem à volta de outra maior, que pertenceria ao chefe. Também do Neolítico há as granjas de planta quadrangular com telhado de duas águas, aperfeiçoadas no Bronze e depois no Ferro, que vêm desde o Leste da Alemanha até ao Norte da Espanha. José R. Mélida, «Arqueologia Española » (Col. Labor), Barcelona, 1927, p. 34. Mário Cardozo, «Alguns problemas da cultura castreja no Norte de Portugal », in: « Actas do XXVI Congresso Luso Espanhol – Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências », II, Porto, 1962, p. 405, nota igualmente que as escavações de jazidas neolíticas mostram vulgarmente fundos de cabanas redondos. Como dizem Florentino Lopez Cuevillas e Joaquim Lorenzo Fernandez, «Las Habitaciones de los Castros », in: «Cuadernos de Estudios Gallegos» II 5, Santiago de Compostela, 1946, p. 66, «a cabana (vegetal), pela qualidade e tipo de trabalho dos seus materiais, tende às formas redondas». Aliás, é esta a forma mais usual de cons trução nas culturas «primitivas» actuais, e sobretudo para edifícios inteiramente em materiais vegetais. Ver também Nota 37, citações de Leroi Gourhan e Jacques de Morgan, e H. Alimen.

10 ) Jacques de Morgan, « L’Humanité Pré historique » (Col. L’Evolution de l’Humanilé), Paris (A. Michel), 1937, p. 164.

11 ) H. Alimen, op. loc. cit..

12 ) Vitruvio, II 1. «Os Frigios, que habitam um país onde não há florestas que lhes forneçam madeiras para construções, cavam pequenos montinhos naturais, abrem caminhos para entrarem no espaço que arranjaram, e que fazem o maior que o local consente; sobre o rebordo dessa cova colocam vários caibros amarrados e juntos em ponta no alto; cobrem esta cobertura com canas e colmo, e sobre eles amontoam ainda terra em torrões : deste modo tornam as suas habitações muito quentes no inverno, e muito frescas no verão ».

13 ) Félix Alves Pereira, «Estudos do Alto Minho – XIV Habitações castrejas do Norte de Portugal », Viana do Castelo, 1914, pp. 16 17.

14 ) Eugenio Jalhay e Afonso do Paço, «EI Castro de Vilanova de San Pedro », in « Actas y Memórias de la Sociedad Española de Antropologia, Etnografia y Prehisto ria»; ver também Florentino Lopez Cuevillas y Joaquin Lorenzo Fernandez, op. cit., p. 64.

15 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, pp. 9 10.

16 ) Felix Alves Pereira, op. loc. cit.

17 ) Jacques de Morgan, op. cit., p. 168.

18 ) Felix Alves Pereira, op. loc. cit. Segundo o Autor, «os fragmentos encontra dos devem ter chegado até nós, porque a habitação a que pertenceram, foi pasto de chamas, e estas cozeram a argila, devorando a caniçada que assim nos legou a sua estam pagem exacta».

19 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. p. 10. Encontraram se ali também fragmentos de barro sem quaisquer impressões e bastante espessos – 9 cm – que os Autores consideram, sem dúvida, restos de pavimento de barro pisado.

20 ) Ibid. pp. 10 12.

21 ) Mário Cardozo, « Citânia e Sabroso », Guimarães (Sociedade Martins Sar mento), 1498, p. 25 (Nota).

22 ) Albuquerque e Castro, « Habitações castrejas» in: « Actas do XXVI Congresso Luso Espanhol – Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências » II, Porto, 1962, pp. 426 427.

23 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. p. 13; Albuquerque e Castro, op. loc. cit..

24 ) Abel Viana, «Citânia de Santa Luzia», in: «Zephyrus», VI, Salamanca, 1955 p. 77.

25 ) Ver Nota 103 e texto correspondente.

26 ) Ver Notas 116 a 118 e textos correspondentes, acerca da origem da casa castreja de planta circular com paredes de pedra, sob o ponto de vista étnico – nomea damente as teses pré célticas e célticas. Quanto à data em que se iniciou o processo de « petrifieação » das primitivas choças, Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. pp. 65 66, considerando que em Cameixa só no nível superior aparecem paredes de pedra, entendem que a substituição das primitivas cabanas por casas de pedra deve ter se dado « quando as populações se fixaram já sòlidamente nos seus recintos fortificados, e quando abandonaram quaisquer veleidades de semi nomadismo, que assoma sempre nos povos em que predomina a economia ganadeira ». Contudo, ainda nos tempos finais da conquista romana, aquelas cabanas subsistiam, porque, como vimos, Vitruvio refere-se a elas como realidades efectivas. Como portanto o auge da construção em pedra é dos fins da cultura castreja, há que admirar a perfeição dos aparelhos, que pressupõe uma longa aprendizagem (certamente levada a cabo na construção das muralhas, anteriores às casas).

27 ) Veja se adiante, Nota 153, a opinião de Martins Sarmento a este respeito; e também António Jorge Dias, «Las Chozas de los Cabeçudos y las construcciones cir culares de las citanias españolas y portuguesas. Contribución etnográfica para la recons truccion de la vida en las citanias », in: « Archivo Español de Arqueologia », 70, Madrid, 1948, que, considerando essa aldeia alentejana actual «um dos exemplos vivos mais perfeitos de uma citania pobre... como aquelas que, há milénios, existiram no NW da Península » –, afirma: «o parentesco entre estas vivendas (dos Cabeçudos) e os restos das construções circulares encontrados nas citânias do N. de Portugal, Galiza e Astúrias, é tão manifesto, que não é possível deixar de os relacionar. Tudo leva a crer que essa maneira tradicional de construir (ali) casas redondas ou arredondadas representa uma linha de continuidade que só nos nossos dias se rompeu inteiramente, perante a revolução total de formas tradicionais que a técnica ocasionou». Ver também «O problema da reconstituição das casas redondas castrejas», in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XII, 1 2, Porto, 1949. Irisalva Moita, «Castros» in: «Enciclo pédia Focus», nota também a notória sobrevivência de alguns aspectos da cultura castreja na vida das aldeias portuguesas das regiões montanhosas do Norte: «o mesmo tipo de habitações de pedra solta dispostas irregularmente» – embora, hoje, de planta quadran gular. Antonio Garcia y Bellido, «Sobre la extension actual de la casa redonda en la Peninsula Iberica», in: «Revista de Dialectologia y Tradiciones Populares », XXIII. 1 2, Madrid 1967, p. 53, perante os exemplos actuais de casas de planta circular, pergunta «se pode aceitar, sem mais, que uma forma tão primtivia de vivenda tenha podido resistir incólume aos embates de mais de 20 séculos de história, a ponto de se achar ainda em pé vitoriosa» ; e julga que se pode e deve responder afirmativamente, «pois temos exemplos palpáveis que nos conduzem sem hiatos apreciáveis desde a antiguidade aos tempos actuais, numa concatenação evidente de casos e exemplos, que ainda por cima se apresentam no mesmo meio geográfico e humano». Lopez Cuevillas e Lorenzo Fer nandez, op. loc. cit., notam que a persistência da casa de planta circular na Galécia não tem o aspecto de relações mais ou menos seguras entre certas formas presentes e outras do passado, mas da perduração de um género de habitações que a partir dos tempos pré históricos chega aos nossos dias, e cuja trajectória pode seguir se com exemplos reais através das diferentes épocas».

28 ) A descrição da casa castreja que aqui se faz não representa de modo algum trabalho original dos Autores : para ela, foram utilizados fundamentalmente os estudos de Mário Cardozo, «Citânia e Sabroso» (Sociedade Martins Sarmento, Guimarães, 1948), e «Castros» (Dicionário de História de Portugal), e de Florentino Lopes Cuevillas e Joa quin Lorenzo Fernandez, «Las Habitaciones de los Castros » (Cuadernos de Estudios Galle gos, II, 5, Santiago de Compostela, 1946), completados, em pormenores, com diversas monografias de outros autores.

29 ) Jorge Dias, «Ruínas de tipo castrejo no Algarve », in: «Trabalhos de Antro pologia e Etnologia, XI, 3 4, Porto, 1948, menciona ruínas de muralhas e vestígios de edificações, com fragmentos de cerâmica, de tipo castrejo, na vertente leste da Serra algarvia de Monchique, a sul de Alferce, que considera uma estação da época romana, ou castreja romanizada.

30 ) Irisalva Moita, «Notícia de um catálogo e carta de distribuição dos castros no território português», in: « Actas do XXVI Congresso Luso Espanhol – Associação Por tuguesa para o progresso das Ciências », II, Porto, 1962, p. 457.

31 ) Irisalva Moita, op. loc. cit. pp. 457 458. Note se que Lopez Cucvillas e Lo renzo Fernandez, op. loc. cit. p. 64, pelo contrário, entendem que «as construções angu lares de pedra não apareceram por influência romana, mas sim, como as redondas, são a interpretação em pedra» (um «processo de petrificação», como diria Garcia y Bellido) «de choças preexistentes de traça angular ».

32 ) Jorge Dias, «O problema...» p. 7: «Devemos dizer que a Etnografia nos for nece exemplos curiosos que ajudam a resolver os diferentes casos, assim como confirmam a hipótese da solução múltipla. Se, de facto, encontramos na actualidade tipos (diferentes) de casas circulares espalhadas no País, que mais ou menos correspondem às descrições que os arqueólogos fazem das construções encontradas nas várias estações por eles estu dadas, por que não aceitar que na antiguidade já essas diferenças existissem? O próprio material de que dispunham determinava maneiras de construir diferentes...»

33 ) Jorge Dias, «O problema...» p. 24: «não concordamos com uma solução única para todas as casas castrejas, visto que sobre elas decorreram muitos séculos, em que fatalmente houve evolução arquitectónica própria, assim como influências de outras culturas com que os seus povoadores entraram em contacto. Além disso, temos que considerar que para as mesmas épocas existiam possivelmente grandes diferenças duns povoados para outros». E adiante, p. 36: « É de presumir que depois das cabanas (com paredes de pedra) terem chegado à terceira fase, que é a mais típica e difundida dentro da cultura castreja, se fossem dando casos de variação individual, por influência de outras culturas, ou por inventiva própria».

34 ) Mário Cardozo, «Castros», in: « Dicionário de História de Portugal»; e outros.

35 ) J. Leite de Vasconcelos, «Cidade Velha de Santa Luzia », in: «O Arqueólogo Português», VIII, Lisboa, 1903 p. 18.

36 ) Abel Viana, op. loc. cit., p. 70, citando F. Lopez Cuevillas, « La civilización céltica en Galicia», Santiago de Compostela, 1953, que afirma o largo predomínio, nas estações castrejas do Noroeste, das casas de planta circular sobre as de planta angular, indica: Terroso, 80 circulares e 15 angulares; Belinho, uma circular e uma subrectangu lar; Monte Castro, duas circulares; Paderne, uma circular; Montealegre de Domayo, duas redondas; Borneiro, 11 circulares e uma angular; Sabroso, 35 circulares e vestígios de algumas angulares; Pendia, 11 circulares e uma angular; em Santa Tecla, La Estrada, Troña e Coaña as circulares são em maioria absoluta. Em Santa Luzia, em 74 casas. 48 são circulares (27 com e 18 sem alpendre, e 3 incompletas), 11 elípticas (9 com e 2 sem alpendre), e 11 angulares (e mais 4 irregulares); as angulares, ali, são sempre dependências anexas e não casas de habitação. Em Briteiros (Mário Cardozo, «Citânia e Sabroso» pp. 24 30), as circulares (e elípticas) alternam, quiçá em maior número, com as angulares. Em Afife, São Caetano (Longosvales), Covas, Areosa, Vilarelho, Ancora, Vilar de Mouros, Seixas, Madalena, Roques, Pias dos Eidos, S. Silvestre, Gondarém, Bagunte, Póvoa de Lanhoso, etc., eram todas circulares, Garcia y Bellido, cit. por Mário Cardozo, «Alguns problemas...», p. 404, nota que o predomínio da linha curva nas construções castrejas é tal que, mesmo quando a planta é angular, evitam-se as esquinas e os cantos em geral são arredondados. Albuquerque e Castro, op. loc. cit., explica porém este facto, como veremos, pela ignorância que os construtores castrejos tinham do cunhal, que os fazia procurar essas soluções como meio de conferir maior esta bilidade aos edifícios.

37 ) Irisalva Moita, op. loc. cit., pp. 457 458. Ver atrás, texto correspondente a Nota 98.

38 ) Florentino Lopez Cuevillas e Joaquin Lorenzo Fernandez, op. loc. cit., pp. 16 20. Os Autores mencionam ainda um aparelho especial, só conhecido em Tecla e Briteiros, que consiste num soco de pedras postas a prumo na base do edifício como solução de protecção contra a humidade. Os mesmos Autores, p. 28, falam também numa «fiada de pedras verticais e por vezes salientes, destinada talvez também a proteger a casa do desgaste produzido pelo trânsito, mas cujo objectivo principal era, seguramente, evitar que a humidade penetrasse pela parte baixa dos muros, observando se em estações do Norte de Portugal que as pedras maiores ou mais pequenas, que se encontram na parte inferior da face externa das paredes de algumas casas, se colocavam com inclinação sufi ciente para que as águas que caíam do bordo da cobertura escorressem para fora». Albu querque e Castro, op. loc. cit., na evolução da cultura castreja distingue três períodos construtivos, que de certo modo se relacionam com estes diversos aparelhos: 1) período inicial, de cabanas de materiais vegetais, fachina revestida ou não de barro, e de adobes ou taipa, a que atrás nos referimos (ver texto correspondente a Nota 89), e muralhas de terra, às vezes com alvenaria seca, de um opus incertum muito rudimentar e irregular; 2) Um segundo período, com casas e muralhas de alvenaria seca ou com argamassa de argila, de blocos mais pequenos e mais perfeitos, um aparelho poligonal rústico, mais aperfeiçoado, alisado a picão e com arestas mais rectilíneas, por vezes com o aproveita mento de materiais já usados (mós incorporadas nas paredes); 3) O período final, com casas e muralhas apresentando melhores acabamentos e aparelhos mais aperfeiçoados – um aparelho poligonal trabalhado a picão, arestas bem talhadas, e o aparelho helicoi dal, mais geométrico e ainda mais perfeito.

39 ) Martins Sarmento, «Observações à Citânia, do sr. Doutor Emilio Hübner », Porto, 1879, pp. 13 14. É mesmo nessa circunstância que este arqueólogo encontra o argu mento decisivo contra a hipótese da cobertura em falsa cúpula.

40 ) Numa casa do castro de Santa Luzia com a parede no sentido vertical for mada por dois corpos cilíndricos sobrepostos – o de baixo tendo a espessura máxima de 52 cm e o de cima a de 47 cm, formando um ressalto de 4 a 6 cm – o corpo de cima pousa simplesmente sobre o de baixo, também sem qualquer travação para este.

41 ) Vitruvio, op. loc. cit. Ver Nota 79.

42 ) Relativamente a Briteiros, Martins Sarmento, op. loc. cit., p. 14, nota que não há razão para supor que as casas fossem em parte de madeira, porque há muito entulho de pedra. Mas é evidente que é uma informação demasiado vaga para poder ser utilizada com segurança e rigor.

43 ) Cit. por Jorge Dias, «O problema...», p. 14.

44 ) Estas soluções foram sugeridas aos Autores pelo que observaram em duas casas actuais de planta circular, em Terras de Lobeira. Note se que as casas com espeque central podem também ter tido este sistema de cobertura ; o espeque apenas apoiaria, a meio, a viga horizontal; mas é evidente que as dimensões reduzidas do diâmetro dessas casas o dispensam inteiramente.

45 ) António dos Santos Rocha, « Estações pré romanas da Idade do Ferro nas vizi nhanças da Figueira », Portugália, II, 1905 1908, pp. 301 356 (esp. 319 324). « Não podemos descobrir o verdadeiro motivo pelo qual aqueles fragmentos foram expostos ao calor do fogo. Sem dúvida, o caso não foi de incêndio; doutro modo semelhantes objectos seriam mais abundantes. Lembramos contudo a hipótese de terem pertencido à parte da cobertura em que tivesse existido o orifício para dar saída ao fumo».

46 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit., pp. 36 37, notando que as furas para os couções existem só na soleira, supõem que, em cima, os couções deviam encaixar num buraco aberto numa tábua, ou numa gancha de pau, ou num arco de vimes, todos eles presos às ombreiras, tal como vêem hoje nas portas das cancelas na sua Província.

47 ) Ibid.

48 ) Mário Cardozo, « Citânia e Sabroso », pp. 24 25, Nota 3.

49 ) Antóno Jorge Dias, «Las Construcciones circulares», pp. 173 186.

50 ) Mário Cardozo, op. loc. cit.

51 ) Jorge Dias, op. loc. cit., e «O problema da reconstituição », pp. 41 47. O mesmo Autor, nesta última obra, pp. 43 44, nota porém que outros povos construíram cabanas quadrangulares tão elementares como estas, das quais provieram mais tarde, as construções de planta quadrangular. Há contudo uma diferença: enquanto que as circulares estavam condenadas a uma vida precária, pela sua incapacidade de desen volvimento e adaptação a formas de vida mais complicadas, como sejam a dos povos lavradores, que usam a casa não só para habitação, mas para celeiro, curral, armazém de aprestos agrícolas e de carros, etc., as segundas foram ganhando cada vez mais terreno por possuirem condições excelentes de progresso. Ainda hoje se encontram os dois tipos primitivos de cabanas, quadrangular e circular, entre pescadores, pastores, ou popula ções de economia pobre, cuja vida se limita à luta pelo sustento quotidiano, colocando o homem à margem do tempo e do devir histórico, irmanado àqueles que, em épocas remotas, construíram cabanas exactamente iguais. Ainda o mesmo Autor, em « Las Chozas de los Cabeçudos », p. 166, diz igualmente que «a grande quantidade de construções circu lares no Noroeste peninsular, tanto na antiguidade como em nossos dias, pode portanto dever se ao encontro de duas correntes de tradição diferente, uma céltica e outra précéltica. que teria dado lugar a um fenómeno de sobreposição, com a sua consequente exuberância criadora». Veja se adiante Nota 130 a explicação que dá Garcia y Bellido à difusão da casa de planta circular no sul de Portugal e Espanha.

52 ) Jorge Dias, « Constinções circulares no Litoral Português », in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XI, 1, Porto, 1946.

53 ) Fritz Krüger, «Las Brañas, Contribucion a la historia de las construcciones circulares en la zona astur galaico portuguesa », in: « Boletin del Instituto de Estudios Asturianos », 8, Oviedo, 1949.

54 ) Leroi Gourhan, op. cit. p. 49. Ver adiante, texto corespondente a Nota 295.

55 ) Montandon, op. cit. p. 302.

56 ) Irisalva Moita, op. loc. cit..

57 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. p. 64.

58 ) Montandon, op. cit. pp. 302 303, que acrescenta que, em África, ao material vegetal se adiciona frequentemente argila, como induto ora exterior, ora interior, ora misturado com palhas, como taipa, e que, por vezes, a choça em materiais vegetais e argila é cilíndrica, com o topo chato e sem rebordo (Niger, Saára, Dankalia). Na Indonésia, regista se este tipo geral nas ilhas Nicobar, Bornéo, Timor, etc.; na Papuásia, nas chamadas «culturas totémicas »; na Austrália, na Nova Caledónia, Nova Bretanha, Ilhas Lealdade, do Almirantado, Salomão, etc.. Nas Américas, hoje, apenas no planalto das Guianas, até ao Amazonas e Orenoco, e, ao Sul, da América Central até ao Equador – – as palenques, do género de cobertura parede –; etc.. Este mesmo Autor nota que a planta circular não aparece nas zonas de floresta. Leroi Gourhan, op. cit. pp. 312 313, pelo seu lado, fala «nas pequenas cabanas redondas dos Batua» de canas amontoadas em cone, e nas « enormes dos Waganda, dos Camarões », que testemunham um domínio da técnica construtiva que noutros povos levou a fazer palácios e grandes templos de planta quadrangular; e, fora da África, aponta a apenas em alguns raros grupos austra lianos, indonésios (Papuas e outros grupos muito rústicos) e americanos, e, na Eurásia, nos Lapões e Guiliacos. Lips, por seu turno, entende que a cabana redonda (em materiais vegetais) e as formas de habitação dela derivadas só satisfazem em climas pouco rigorosos : nas regiões frias, a habitação tem de ser de materiais melhor adaptados à protecção contra o vento e o frio, mas por isso naturalmente menos propícios a uma edificação rápida. Ver também atrás, p. 105 a opinião de Leroi Gourhan acerca do confronto entre choças redondas e casas quadrangulares – aquelas próprias sobretudo de grupos mais rústicos, estas de grupos mais industrializados: «a casa (quadrangular) corresponde, em traços largos, a uma evolução técnica».

59 ) Na Espanha, Garcia y Bellido, «Sobre la extension actual de la casa redonda en la Peninsula Iberica», in: «Revista de Dialectologia y Tradiciones Populares », XXIII, 1-2, Madrid, 1967, assinála a nas serras de Cebrero – as célebres pallazas estudadas por Angel del Castillo e Krüger –, Ancares e Caurel, em Lugo, nas pallazas de Vilarello e Piorneda; no Sudoeste das Astúrias, em Tornaleo (descritas no século XVI por Eugênio de Salazar), e em Cangas de Narcea, Ibias, Lena, Vallado, Llanera, Souanda, Genestoso, etc.; a Noroeste de Leão, em EI Castro, Piedrafita, Barjas, Palacios del Sil Lagua, Parada Seca, Candin, etc.; a Sul e doeste da Província de Orense, em las Portillas, Porcari zas, na serra de Leboreiro, que faz raia com Portugal; na Corunha, em Mellid; na serra de Gredos, no Chozo de Prado Puerto (Avila), servindo talvez de currais; em Cáceres (Hurdas), em Martinladrãn, chafurdas e pocilgas (de pedra), Puente Catano (Valencia de Alcantara), etc., e de um modo geral por toda a Província, pelo vale do Tejo até Navalmoral de la Mata e Oropesa (Toledo); em Mérida, junto ao pântano de Carija; e até em Barbate e Tarifa, em terras de Cádiz. Krüger, «Der Beitrag Portugal zur euro paisches Volkskunde», «Congresso do Mundo Português », tomo II, vol. XVIII, Lisboa, 1940, pp. 296 231, pelo seu lado, distinguindo, dentro das cabanas de planta circular, as do género de cobertura parede e as que mostram paredes de pedra, assinala as primeiras, no Sul da Roménia e Balcans, para guardas campestres e pastores, na Espanha – Estre madura, Avila, Salamanca, Toledo, Serra Morena(?) – na Sicília, Sul da Itália, Campagna, etc; e as segundas, nas Astúrias e Leste da Galiza, Serra de Gredos, Estremadura, Sar denha, Sicília, Centro e Sul da Itália, etc.. O mesmo Autor, em «Las Brañas», pp. 27 28, acrescentando ainda as Canárias e o Sul da França, comenta: «Todos estes exemplos são restos evidentes de uma cultura construtiva remotíssima, que emergem na actualidade a modo de ilhas, mais frequentemente formando zonas». Na Yugoslávia, A. Freudenreich, «Narod Gradi na Ogolgenom Krasu» (O povo constrói no Karst desnudado), Zagreb Bel grado, 1962, p. 160, fig. 422, regista uma casa cilindro cónica, pequena, com paredes de cana e cobertura de palha, em degraus, em Stoj, na foz do rio Bojana, no litoral montenegrino. Na Roménia, Tach Papahagi, « Images d’Ethnographie Roumaine » I, Bucareste, 1928, pp. 132 133, por seu turno regista as cabanas tradicionais dos Aromanis nómadas, em materiais vegetais, tronco cónicas, do género de cobertura parede, e de dimensões aproximadamente iguais às dos Cabeçudos, e que são usadas também pelas mesmas gentes da Albania. Para os casamentos, constroem uma cabana do tipo pseudo quadrangular de arco redondo, muito comprida e baixa – a cutar. Na Sardenha, Osvaldo Baldacci, « La casa rurale in Sardegna », Florença, 1952, pp. 159 160, assinala cabanas cónicas, assentes numa base circular de terra batida, e uma armação de troncos enter rados no solo e enganchados uns nos outros, no alto; a cobertura é em material vegetal local e palha no cume, loendro na «parede», rovo na base; as medidas oscilam entre 1,50 a 2 m de diâmetro, e 2 a 2,50 m de altura ao vértice. Estas cabanas, localizadas a meia altura das colinas, são habitadas pelos pastores durante o verão; e têm como anexo um recinto circular, em varedo, para os qvinos. Acabada a estação, o pastor transuma para a planura, onde constrói uma cabana diferente, de pedra e madeira, elipsoidal e espaçosa com cobertura diferenciada. Estas cabanas servem sobretudo de queijeiras: os pastores comem e dormem ao ar livre. Na mesma obra, fig. 65 (p. 161). notam se, além disso, em vários pontos dessa ilha, «pinnette» e «barracche» de planta circular mas com paredes de pedra e cobertura em materiais vegetais.

60 ) Com relativa frequência ela apresenta se hoje, nas regiões onde ocorre a construção em materiais vegetais, em lojas para animais, currais, pocilgas, galinheiros, casotas de cão, ou arrumações. António Garcia y Bellido, op. loc. cit. p. 41, buscando conjecturalmente, nos exemplos actuais de casas de planta circular da Península, possíveis origens castrejas, prescinde, « tanto das chamadas choças de pastores como dos fornos, colmeias e construções redondas similares, por serem... coisas muito diferentes das vivendas pròpriamente ditas», embora reconhecendo lhes «um evidente parentesco com a choça de planta redonda habitável».

61 ) Krüger, « Las Brañas », p. 27, assinála as em Portugal, nos lugares trasmon tanos de Poiares (entre Freixo de Espada à Cinta e Barca de Alva), onde servem de amazéns de feno ou cereais (Lautensach), sob a designação de cabana ou corte, e na bacia do Coa «Biblos», XII, 187) (aqui observada também como habitação provisória). Na Beira Alta (aqui cabanas para gado), (J. L. V.. «De Terra em Terra», I, 189, e Lautensach, «Portugal», I, 167), na Beira Baixa (Lautensach, id.), no Alto Alentejo («nessas palhotas vivem famílias inteiras» – «Guia de Portugal », II, 430; e Leisner, pp. 352 367), nas montanhas do Algarve (palheiros), e na Madeira (Koebel, «Madeira», Londres, 1909, p. 90) (cabanas de esteireiros na Camacha). Na região de Olivença, encon tram se também construções deste tipo, inteiramente em materiais vegetais, servindo de habitação normal a gentes da lavoura durante uma larga parte do ano. Grandes, não têm qualquer prumo a meio, e é mesmo aí que se acende o lume; camas e prateleiras são feitas de varas, que servem de suporte a camadas de junco, e o escasso mobiliário dispõe se pela periferia das paredes (fig. 112).

62 ) Nas aldeias dos Cabeçudos, Barretos, Beirã, no concelho de Marvão, em Prime, no concelho de Viseu, etc. A dos Cabeçudos era mesmo até há pouco, constituída quase que integralmente por cabanas redondas. Temos idêntica indicação acerca da Pitaranha; mas hoje, ali, resta apenas a memória do facto: deste género de construções já nada existe além de algumas raras pocilgas pequenas para animais. Segundo uma anedota célebre, a Pitaranha foi elevada à categoria de cidade na imaginação ardente daquele general espanhol que, ao escrever para Madrid, em 1642, a tomada que fizera do lugarejo, avantajadamente engrandecera o insignificante sucesso dizendo haver tomado « la gran ciudad de la Pitarana». («Guia de Portugal, II, Estremadura, Alentejo e Algarve », Lisboa. Biblioteca Nacional, 1927, p. 414).

63 ) Garcia y Bellido, op. cit. p. 42: «o que hoje resta dela são sòmente relíquias isoladas de um passado muito mais denso e dilatado», que subsistem nos « redutos menos permeáveis e mais hostis a novidades estranhas». Este Autor admite que a área sul desta casa redonda – Algarve, Alentejo, Estremadura (Espanhola?) derive de um «pos sível corrimento de população nortenha oriunda da área castreja que, ao iniciar a recon quista teria vindo repovoar estas zonas ocidentais da Península, levando consigo, com os seus gados, as suas formas tradicionais de vida, e com elas as suas casas redondas de colmo ». Seria um exemplo de « filtração cultural» ou « transculturação sub histórica car regada de formas enraizadas na mais remota pré história». Ver atrás, Nota 118 e texto correspondente.

64 ) Jorge Dias, «O problema da reconstituição», utiliza este exemplo para apoiar a hipótese de Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez que admitem casas castrejas redondas e apenas em materiais vegetais. Temos notícia da existência de construções redondas com cobertura cónica em materiais vegetais, também em Cortiço da Serra (Serra da Estrela); mas não sabemos se essa cobertura assenta directamente no solo, ou sobre qualquer parede baixa de pedra. Nestas regiões há ainda, a par dessas formas de cabanas, de cobertura cónica de materiais vegetais, os cabanões de planta quadrangular alongada e cobetrura também em materiais vegetais mas de duas águas, assentando em paredes baixas de pedra. Delas nos ocuparemos no capítulo 3, onde estudaremos as construções quadrangulares de pedra e materiais vegetais.

65 ) Note se que, nesta Província, se encontram, pelo contrário, alguns núcleos muito importantes de construções redondas e cobertura cónica, mas com paredes de pedra, constituindo também habitações humanas permanentes e normais.

66 ) Abel Viana, «Notas Históricas, Arqueológicas e Etnográficas do Baixo Alentejo », in «Arquivo de Beja», XIV, Beja, 1957, II – « Cabana alentejana de tradição pré his tórica», pp. 40 45. Trata se de uma dessas «casas de fumo» de que falámos atrás (Ver texto correspondente a Nota 73). O autor nota que o pormenor da porta inclinada se pode considerar sobrevivência de uma «prática mui remota », pois em certas casas cas trejas no Minho, vêem se ombreiras com essa inclinação, que alguns arqueólogos inter pretam no mesmo sentido. Por outro lado, acentua a semelhança existente entre a cova da lareira desta casota, e os fundos de cabana característicos desde o Mesolítico até aos períodos mais adiantados do Bronze, e nomeadamente as covas que se vêem em Muge, «cuja finalidade seria a mesma». E desse modo, considera a cabana da Herdade das Antas como « vera sobrevivência », da moradia mesolítica nesta zona do Baixo Alentejo – ou seja na área «em que a azinheira predomina» (já que, nos castros sul alentejanos, a natureza das pedras utilizadas não permitiu a sua conservação, nada se sabendo acerca da planta geral do edifício, paredes, pavimentos, fomos ou lareiras).

67 ) Fernando Galhano, « Construções alentejanas de materiais vegetais», in: «Re vista de Etnografia», II 6, Porto, 1966, pp. 325 338.

68 ) Ver Nota 143.

69 ) Veja se Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, «Siste mas Primitivos de Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas – Os Espigueiros Portugueses», Porto (I.A. C.) 1963, pp. 45 54. Há também nestas mesmas regiões canas tros de varas de planta rectangular, op. cit. pp. 55 58 (des. 26).

70 ) Op. cit. na Nota anterior, pp. 232 233: «Desde os tempos neolíticos, as populações desta área guardavam certamente as espigas do milho miúdo – que se documenta a partir dessas remotas eras – em canastros de vergas, que representam uma técnica já então conhecida», como vimos atrás. Os canastros de varas foram incluídos por Krüger, op. cit. pp. 28 32, entre as construções de planta circular que ocorrem no núcleo essencial das pallazas e casas circulares com cobertura cónica em materiais vege tais (Ver texto correspondente a Nota 120) e cuja área originária abrangia certamente a região alta de Lugo Leão Astúrias, estendendo se até ao Sul da Galiza e Norte de Por tugal, onde sobrevive em inúmeros exemplos e na nomenclatura dos espigueiros mais evoluídos que os substituíram. O espigueiro ceslo, para este Autor, seria uma das formas mais primitivas de celeiro: «o cesto para milho assinala se na Bósnia já em tempos pré históricos. Varrão fala nas plantas de celeiros de estacas no Norte de Espanha, e o aparecimento do Horreum atesta se repetidamente em documentos medievais. Tanto no que respeita às formas do Sudeste europeu, como às da Galiza e Norte de Portugal, trata se claramente de sobrevivências de um estracto cultural antiquíssimo».

71 ) É em Várzea Cova que, nesta região, se encontram os maiores canastros de varas.

72 ) Na Serra de Arga só há poucos anos deixaram de usar as secodeiras de varas entretecidas; ainda em 1958, vimos em Arga de Baixo uma laje redonda que servira de mesa a uma delas.

73 ) O Outono de 1960, muito chuvoso, multiplicou o número de canastros de varas por todas estas regiões.

74 ) Em Pedralva, Vila do Bispo, por exemplo. E no Barranco do Velho, em 1948, uma mulher velha de 80 anos, disse nos que os avós, em pequenos, tinham vivido em casas redondas.

75 ) S. Barnabé, Monte Velho, Barranco do Velho, Monte dos Mercadores, Alçaria do Cume, Cachopo, Água de Fusos, Penalva, Relvas, Seixo, Currais das Vacas, Catraia, Fonte do Corcho, Almarginho, Larache, Palheirinhos, Borracheira, Cavalos, etc. «Com os primeiros contrafortes da Serra Algarvia cessa geralmente o uso da taipa: muros, paredes, fornos, cabanas redondas usadas como arrecadação ou curral, empregam a pedra solta, muitas vezes sem reboco ou caiação. Aqui convergem dois factores: a abundância do material e a influência de um núcleo arcaico de construções de pedra, representado por um dos seus elementos primitivos e mais gerais no Mediterrâneo – a casa redonda. Rara no Sul, conserva se aqui, certamente como resíduo de área mais extensa, segregada no ambiente montanhês» (Orlando Ribeiro, «Geografia e Civilização – Temas Portugueses » – col. Chorographia Lisboa, 1961, pp. 61 62).

76 ) Lautensach, ap. Fritz Krüger, op. loc. cit., Nota 73, p. 48, assim descreve as construções circulares do Monte Cimbral, ao Norte de Tavira : « Ao fundo, à direita do lugar, quatro construções circulares servem de celeiros (supomos que a tradução da palavra alemã para granero é menos correcta: de facto não cremos possível que qualquer daquelas construções tenha jamais servido de celeiro), numa encosta suave. A parte principal cilíndrica está muito cuidadosamente ordenada em camadas e cantos. No meio há uma coluna de madeira que faz de suporte principal e que sobressai em cima. Sobre ela assenta por vezes uma tábua redonda de madeira para a proteger contra o apodrecimento, ou para impedir a infiltração da água da chuva. Noutros casos termina em cruz. Na coluna estão encaixadas vigas radiais, cujas extremidades inferiores apoiam sobre a cinta da parede cilíndrica. Essas vigas suportam a cobertura, composta de capas de palha cuidadosamente cortada em forma de coroa. A capa mais alta estende se sobre a mais baixa, como acontece com as telhas». De facto, nas construções de planta circular que encontramos na Serra algarvia – os palheiros – nunca vimos o poste central nem a tábua redonda de madeira, que porém existem nos curveiros alentejanos atrás des critos. É posível pois que estes pormenores, na descrição de Lautensach, se refiram antes à cobertura dessa última categoria de construções, que certamente atingiram, em certos pontos, a serra algarvia.

77 ) E também de planta rectangular, com ou sem muro de pedra.

78 ) Com parede de xisto medindo de um lado 1,80 m de altura, e do outro 2,50 m; o diâmetro no solo é de cerca de 3,50 m. A cobertura é de forma semi esferóide. A porta rasga se do lado em que a parede é mais baixa, e mede 1,50 m de alto por 70 cm de largo; não tem ombreiras, e a padieira (que parece ter sido aproveitada de outra construção anterior) tem inscrita a data de 1764.

79 ) Vivia nela o guarda sacristão da capela que ali se ergueu em honra da pre tensa aparição de uma «santa» local.

80 ) Esta pocilga dá para um recinto cercado por um muro alto.

81 ) Por exemplo no monte da Granja, junto ao Guadiana, de planta quadrada e paredes com cerca de 1,50 m de altura; no Rosário, a caminho de Juromenha, uma pocilga de planta em forma de ferradura, com a cobertura de palha assente em grossas varas de silvas que se enrolam nos caibros da armação cónica, e que dá também para um recinto murado. Acerca deste último caso, deve notar se que, na região, é mais usual a cobertura de piorno, sobre ramagens de esteva.

82 ) Aqui, além das malhadas de porcos que, como dissemos, adiante estudare mos, vimos uma choça deste tipo, com paredes de xisto de cerca de 80 cm de espessura e 1 m de alto, e cobertura externa de piorno recobrindo ramagens que engancham nos paus da armação (sete de baixo acima, e mais alguns atravessados), com o pavimento lajeado; acendia se lume dentro dela, e por isso, acima do lugar onde se fogueava, as pedras do topo da parede faziam um pequeno avanço para dentro, como o nascer de uma falsa cúpula, que desviava as chamas da cobertura.

83 ) Jorge Dias, «Las chozas de los Cabeçudos », pp. 164 172.

84 ) Jorge Dias, op. cit., após uma comparação pormenorizada entre as casas da aldeia dos Cabeçudos e as do castro de Coaña, conclui que a aldeia dos Cabeçudos é a imagem perfeita de uma citânia do Noroeste, de regiões graníticas; e utiliza este exemplo actual como uma ilustração viva de um povoado castrejo: «A aldeia dos Cabeçudos é um dos exemplos vivos mais perfeitos de uma citânia pobre... como aquelas que, há milénios, existiram no Noroeste da Península »... Para o Autor, o habitante dos Cabeçudos é certamente «o representante actual dos antigos construtores de citânias », uma vez que a convergência não explica uma «tão grande série de semelhanças»; apenas os acasos da história o forçaram a pôr de parte a sua organização tradicional comunitária patriarcal, enveredando pelo individualismo que caracteriza os tempos presentes. «Resta só o castro vivo, mas vazio do espírito que o concebeu ».

85 ) Uma choupana de pino colmada de novo em 1968, levou colmo no valor de 300$00.

86 ) Rocha Peixoto, «Os Palheiros do Litoral », in «Portugália», I, Porto, 1899, p. 81, citando Martins Sarmento, «Relatório da Secção Archeológica (Expedição Scien tífica à Serra da Estrela em 1881)», p. 25 e 13, Lisboa, 1883, nota: « E das habitações lusitanas de alguns castros vêem se no vale do Mondego, como despojos evocantes, casas circulares colmadas, à mistura com outras quadradas em que a cobertura, boleando pouco a pouco, acaba nitidamente cónica». «Ainda num recanto da Beira, em Bobadela, a povoação viva, junta à cidade extinta, renascendo uma das ruínas da outra, deixa perceber, das civilizações pré romanas, romana e post romana, os elos dum encadea mento sucessivo». Aqui, além destas, vê se também uma ou outra de planta rectangular com cobertura de materiais vegetais a quatro águas e com cume.

87 ) Junto ao Mondego, viam se moinhos de rodízio com cobertura deste tipo.

88 ) Excepcionalmente, vimos em Chãs de Tavares, uma destas cabanas com duas portas, ambas rasgadas na parede, embora a níveis diferentes, originando soluções arqui tectónicas um tanto aberrantes: o remate da parede acusa um desnível de cerca de 40 cm, a descair da porta superior para a inferior; e o pavimento do piso superior passa a 20 cm abaixo da padieira da porta do térreo e vai igualmente a descair até à outra porta, de modo a facejar com a sua soleira. O acesso à porta do piso superior é feito por uns toscos degraus de pedra exteriores. As suas dimensões, acima da média geral, eram, interiormente, de 5,25 m de diâmetro, 2,10 m do solo ao piso superior, e 3,80 m deste ao vértice; a porta do térreo media 1,88 por 1 m; e a do piso superior, 1,12 m por 70 cm (fig. 146).

89 ) Excepcionalmente, vimos numa cabana a Nascente de Penalva do Castelo, cerca desta vila, um travamento da armação constituído por quatro varas dispostas hori zontalmente formando uma estrela de oito pontas, pregadas nas extremidades a oito varas do esqueleto, a cerca de 60 cm do vértice. Este sistema é correntemente usado na região no travamento das pernas das pequenas cibanas móveis de pastor.

90 ) Isso é também mais digno de reparo, quanto à certo que as estações castrejas onde podemos encontrar os arquétipos destas casas são mais numerosas e importantes no Norte do que no Sul.

91 ) Jorge Dias, «Las construcciones circulares», p. 187, ilustração, segundo Eduardo de Oliveira, reproduzida por António Garcia y Bellido, in «Revista de Dialectologia y Tradiciones Populares », XXIII, 1 2, Madrid, 1967, p. 46, que considera este caso da mesma tradição que a do casario da aldeia de Pocarizas, da Província de Orense, de origem medieval e sugestão castreja, e abandonada desde o século XVI.

92 ) Jorge Dias, « Contribution», p. 109. Ver atrás, Nota 111.

93 ) Jorge Dias, «Las construcciones circulares», p. 192.

94 ) «A Ilustração Trasmontana», I, Porto, 1908, p. 92, mostra uma fotografia de uma casa nestas condições, em Provezende.

95 ) Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit. notam que, nestes casos, essa tendência a curvar as plantas das casas, embora não possa ser tida como uma sobre vivência indubitável da arquitectura castreja, é possível que acuse a persistência de estilos e modos habituais nela conservados por tradição entre os nossos canteiros rurais.

96 ) Jorge Dias, «Contribution», P1, II A, considera essas casas uma adaptação das construções redondas e rectangulares.

97 ) Jorge Dias, «Construções Circulares no Litoral Português », pp. 192 195. O Autor utiliza o exemplo destas barracas para a crítica à tese de Krüger, que relaciona a construção circular, no Noroeste Ibérico, com as culturas agro pastoris arcaicas das regiões montanhosas isoladas. Ver texto correspondente a Notas 119 e 120; e também adiante, Notas 307 a 313.

98 ) Félix Alves Pereira, «Estudos do Alto Minho », XIV, nota também este por menor nos currais da serra da Peneda que estudou – Santo António de Val de Poldros –, entendendo aliás, com verosimilhança, que ele tem em vista facilitar «o deslizamento da água e da neve». Ver Notas 181 e 189.

99 ) Jorge Dias, «O problema da reconstituição», p 28: «Ainda hoje, dentro dos conhecimentos que temos do País, a construção em abóbada parece ocupar um lugar inferior ao da choça circular coberta de colmo. De facto não temos conhecimento de tais construções servirem de habitação permanente ao homem, por muito ínfima que seja a sua situação: ou são abrigos temporários de pastores, ou malhadas de porcos».

100 ) Na região espanhola limítrofe do distrito de Castelo Branco, perto de Alcântara, vimos um palheiro redondo deste tipo de falsa cúpula, que media 7 m de diâmetro exterior.

101 ) Paul Wilstach, «The Stone Beehive Homes in the Italian Heel », in: « The National Geographic Magazine », LVII, Washington, 1930, pp. 229 260. Emile Bertaux, «Trulli, Caselle e Spechie da Apulia » cit, por Femandes Martins em nota à sua tradução de Vidal de la Blanche, «Princípios de Geografia Humana », Lisboa, 1946, p. 216). Vinigi Grotanelli, « Ethnologica I L’Uomo e la Civiltá » (Ed. Labor) Milão, 1965, p. 441. E. Paul Scheuermeir, « Bauernwerk in Italien der Italienischen und rätoromanischen Schweiz ». Band II, 1956, p. 311.

102 ) Osvaldo Baldacci, «La casa rurale in Sardegna », Firenze, 1952, pp. 159 171.

103 ) A. Freudenreich, «Narod Gradi na Ogoljenom Krasu », Zagreb Belgrado, 1962, pp. 46 77.

104 ) Vamos Ferenc, « Die ethnologische Bedeutung der ungarischen Rundbauten», in: «Ertentöje», XXX, 1, Budapeste, 1938.

105 ) André Varagnac, «Do Caçador ao Camponês », in: «O Homem antes da escrita» (dir. André Varagnac) trad. port. Ed. Cosmos, Lisboa, 1963, p. 384.

106 ) Alfred Cayler, « L’Art de la pierre sèche dans le Quercy », in: « Artisans et paysans de France », 3.° ano, Strasbourg, 1948, p. 22.

107 ) F. Tavares Proença, « Sobrevivências ».

108 ) Os talayots das Baleares são grandes construções de planta quase sempre circular, às vezes elíptica, mais raramente quadrada, medindo de 8 a 20 m de diâmetro, constando fundamentalmente de uma câmara central em falsa cúpula (embora em geral com coluna central) de forma e tamanho variáveis, encerrada numa muralha composta de dois muros circulares paralelos, de carácter ciclópico (ver Nota 211), com o espaço entre eles cheio com pedras miudas e terra. Eles eram o edifício principal do povoado, que se agrupava à sua volta, e serviam de vivenda e fortaleza, e de sepultura. A cultura dos talayots, que reproduz os traços essenciais da cultura dos nuraghi sardos (que porém não eram sepulcrais), data se do Bronze final, e, segundo Santa Olalla, deve se não a simples influências sardas, mas a uma invasão, pacífica ou guerreira, de gentes da Sardenha (Julio Martins Santa Olalla, «Elementos para un estudio de la cultura de los talayots em Menorca», pp. 5 9).

109 ) R. Violant y Simorra, «Las « Barraques » de viña de pared en seco, del Pla de Bages (Barcelona) », in: « Estudios Geograficos », XV 55, 1954; e « Etnografia de Reus i la seva comarca – EI Camp, la Comares de Barberá, el Priorat », I, Reus, 1955, pp. 181 187. V. Grotanelli, op. loc. cit. mostra também abrigos de pedra solta, aparen temente deste tipo, na Castela a Nova.

110 ) A. Varagnac, op. loc. cit., pp. 196 e 382.

111 ) Vergilio Correia, «As « cabanas » de Assafarja», in: «Aguia», Porto, 1915. Tavares Proença, op. cit. (Ver Nota 189).

112 ) Alcalar, na freguesia da Mexilhoeira Grande, do concelho de Portimão, apresenta se nos, nas palavras de J. Leite de Vasconcelos, « Religiões da Lusitania », I, Lisboa, 1897, p. 305, como «uma interessante necrópole dos tempos pré históricos» que «durou sem dúvida muito tempo, e recebeu em si relíquias de diversas civilizações ». Estudada por Estácio da Veiga em 1876, este arqueólogo pôs a descoberto 7 monumentos, deixando porém ainda alguns outros por explorar. O monumento n.° 1 é um perfeito dólmen sob tumulus, de câmara ou cripta, tirante a circular, composta de possantes monolitos inclinados, e abrindo para um vestíbulo. Os monumentos n.os 2 e 3 podem considerar se de transição: de cripta também circular, com as paredes a prumo, composta de monolitos, e galeria comprida, com divisões isolando um átrio, que no n.° 2 apenas prolonga o corredor, e no n.° 3 é quadrado. Os monumentos n.°s 4, 5, 6 e 7, são igualmente de cripta circular e galeria coberta, mas do tipo alcalarense puro: a cripta é de pequenos blocos de xisto dispostos em fiadas horizontais, que vão estreitando para o alto, no sistema de falsa cúpula, que termina num anel de diâmetro muito largo; no n.° 7, a parede não tem mais de 2,50 m de altura, e a cobertura mede aí 1,60 m de diâmetro; o fecho é feito com duas grandes lajes – uma de 1,20 e a outra de 90 cm de compri mento, por 35 cm de espessura –, que se encontravam um pouco descaídas. As galerias são geralmente divididas em sectores e precedidas de átrio, e com as paredes formadas geralmente de grandes monolitos, à excepção da do n.° 7, que é, como as criptas, em pequenos blocos de xisto; as criptas dos n.os 3, 4 e 7 mostram nichos laterais. Estes monumentos eram de carácter sepulcral, e neles se depositavam ossadas de várias exuma ções; o n.° 3, por exemplo, fora encerrado definitivamente. No espólio dos n.° 2 a 7, além dessas ossadas, encontraram se objectos de pedra polida e outros já de cobre, além de outros ainda, em cerâmica, osso, etc. (Ver também Notas 210 e 211 e texto correspon dente, acerca da cronologia dos túmulos de Alcalar em relação aos dólmens simples, dentro do fenómeno geral do megalitismo ocidental). A necrópole de Alcalar, uma das estações arqueológicas mais importantes e valiosas do País, votada de há muito a com pleto abandono, serviu, após a sua descoberta, para abastecer de pedra as obras que se fizeram naquelas redondezas, e encontra se hoje totalmente destruída, com os seus túmulos transformados em covas informes. E não podemos deixar de consignar aqui a nossa mais veemente reprovação pela incúria, incompreensão ou ignorância dos res ponsáveis pelo inqualificável facto.

113 ) Abel Viana, O. Veiga Ferreira e Ruy Freire de Andrade, «Descoberta de dois monumentos de falsa cúpula na região de Ourique», e « Um túmulo de tipo alcalarense nos arredores de Aljustrel», in: «Revista de Guimarães » LXXI, 1 2 e 3 4, pp. 5 12 e 247 254, Guimarães, 1961. O Prof Hermanfrid Schubart, «As duas fases da ocupação do túmulo de cúpula do Monte do Outeiro, nos arredores de Aljustrel», in: «Revista de Guimarães », LXXV, 1 4, Guimarães, 1965, pp. 195 204, data os dois enterramentos que se encontravam nesse monumento, do Eneolítico (o inferior) e dos fins do Bronze ou prin cípios do Ferro, ou mais tarde (o superior). «Estes monumentos pré históricos têm semelhança, na arqueologia mediterrânea, na Grécia, Ásia Menor, Balcans, Creta, Itália pré e post micénica (Micenas, Haghia Triada, Kirk, Kilisse, Sesto Fiorentino » (Vergilio Correia, op. loc. cit.). Veja se o «Mapa do Sul de Portugal com a indicação dos monu mentos de falsa cúpula descobertos até ao presente» (em número de 17, nessas regiões alentejanas e algarvias), ap. G. Zbyszewsky e O. da Veiga Ferreira, «Acerca dum «Tholos » encontrado em Castro Marim», in «O Arqueólogo Português », Série III, 1, Lisboa, 1967, pp. 11 17, fig. 2 (p. 16).

114 ) Segundo Maximiano Apolinário, « Necrópole Neolítica do Vale de S. Marti nho», in: «O Arqueólogo Português », II, Lisboa, 1896, pp. 210 221 (citado também por J. Leite de Vasconcelos, «Sepulturas pré históricas de carácter micenense», in: «O Arqueó logo Português », VII, pp. 129 134), os túmulos dessa necrópole, redondos, em pedra seca, seriam em falsa cúpula; eles não têm cobertura e as suas paredes vão só até uma certa altura, terminando em anel formado por uma fiada horizontal que tem um ligeiro avanço para dentro. Segundo Octávio Veiga Ferreira trata se porém não de uma falsa cúpula, mas de uma parede aberta sobre a qual assentava uma cobertura vegetal, com pilar cen tral. De facto, não existem, no centro desses edifícios, as pedras que deveriam ter correspondido à cobertura, e que teriam aluído. A área dos túmulos pré históricos em falsa cúpula de tipo alcalarense, limita se, em Portugal, ao Alentejo e Algarve. O túmulo da serra de Sintra é um caso diferente. Veja se também Georg Leisner, «Überleben megalitischer Element in landlicher Bauten von Alentejo », in «Congresso do Mundo Português», II, vol. XVIII, Lisboa, 1940, pp. 352 367, esp. p. 355.

115 ) Félix Alves Pereira, «O Castelo de S. Miguel o Anjo – Arcos de Valdevez », in «O Arqueólogo Português », I, pp. 161 175; IV, p. 231; V. p. 34; XIV, pp. 310 314.

116 ) Mário Cardozo, « Citânia e Sabroso », p. 54.

117 ) Jorge Dias, «O problema», p. 28; e Lopez Cuevillas e Lorenzo Fernandez, op. loc. cit., pp. 42 43, e fig. 11, que comparam tal construção com os monumentos fune rários de Briteiros, Coaña e Pendia (embora sem antecâmara ou vestíbulo, mas ligados a uma fonte, como aqueles); não vemos a que monumentos se referem.

118 ) Mário Cardozo, «A mó e a farinha, o forno e o pão», in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XVII, fase. 1 4, Porto, 1959, p. 246, alude a fomos de pão em falsa cúpula, mas não indica localizações. Tais fornos, desse sistema, são contudo raros entre nós. Em diversas grandes áreas do País, eles são normalmente em barro–no Minho e Douro Litoral, feitos mesmo, hoje, em olarias, e instalados na cozinha, ao lado da lareira; noutras partes, feitos no próprio local, de barro misturado com cacos: na Beira Litoral, exteriores e abrigados sob uma pequena cobertura, mas encostados à casa e com a boca abrindo para a cozinha; em certas partes do Alentejo e Algarve, em pequenos edículos com a cúpula à vista ou recoberta de uma, duas e até três águas, ora ao lado ora encostados à casa, mas abrindo para o exterior; na região de Odemira, a cúpula de barro é moldada, no próprio local, sobre ramagens secas, a que seguidamente se pega fogo, que ajuda a secar esse material. Note se que este sistema foi usado entre nós em tempos pré históricos, e também em fornos: Santos Rocha, op. cit. pp. 323 324, descreve o na construção do lar – que formava abóbada sobre a fornalha – de um forno de cozer louça, com 1,23 m de diâmetro, no castro de Santa Olaia (Figueira da Foz); etc. Noutros casos, designadamente na Estremadura, e certas partes do Alentejo e Algarve, eles são de tijolo (ou, na região de Mértola, por exemplo, em adobes), mas em cúpula verdadeira imperfeita, geralmente muito achatada, e que grande quantidade de barro ajuda a sustentar; em alguns locais, por exemplo na serra do Caldeirão, para a sua construção usa se mesmo um rudimentar zimbro, nas últimas fiadas, antes do fecho. Em Trás os Montes, no Barroso, os fomos, também comunais, «do povo» (mas num regime comunitário diferente dos da Beira a que aludimos), parecem ser em certos casos, em falsa cúpula, mas em tijolo (em Vilarinho da Mó, por exemplo, da freguesia de Beça, no concelho de Boticas, a abóbada, nesse material, assenta numa fiada circular de pedras de granito, e com uma depressão infundibuliforme no centro); no Leste da Província, na freguesia de Meirinhos, no Mogadouro, o forno do povo é por sua vez de barro com cacos de telha misturados (Cfr. J. R. dos Santos Júnior, «Dois fornos do povo em Trás-os-Montes», in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», XX, 1-2, Porto, 1965 66, pp. 122 134.

119 ) Leisner, op. cit., fala de paredes abauladas, que porém não encontramos nesta região.

120 ) Leisner, op. cit.

121 ) Por vezes vêem se blocos enormes: na Póvoa e na Lameira, por exemplo, alguns medem 1,60 m. Na Ribeira de S. João Leisner notou, a meio da cúpula, duas fiadas de pedras grossas e que julga serem também compridas.

122 ) Segundo Leisner, op. cit. p. 355, em Coelheiro (cujo diâmetro, na base, mede 4,50 m) a parede alarga a partir de 50 cm de altura acima do solo; e as placas interio res, até aí, ficam horizontais; daí para cima, alarga muito acentuadamente, e as placas interiores ficam inclinadas a subir para dentro (tal como no « Túmulo do Monges, de Sintra – ver Nota 181); no alto, elas ficam novamente horizontais, niveladas com calços.

123 ) Leisner fala, a este respeito, nos túmulos de cúpula da Península, onde ocorre este mesmo sistema de fecho.

124 ) O mesmo Autor, fala a este respeito nos túmulos de cúpula gregos, onde, por seu turno, ocorre este outro sistema de fecho.

125 ) Leisner fala, a este respeito, de idêntico pormenor em Los Millares.

126 ) Em Monsanto, desde que, em tempos recentes, a Delegação de Saúde obrigou a tirar as pocilgas de debaixo das casas, construiram se muitas deste tipo, que se encontram mesmo na povoação, ao lado das habitações. Ignoramos se havia ali outras mais antigas, iguais a estas; mas a sua construção assemelha se à de certas velhas malhadas do concelho.

127 ) Segundo informações do Rev.° Pároco da Aldeia da Ponte, estas furdas apa receram na região nos princípios do século, construídas por pedreiros da zona fronteiriça, que as viam nas aldeias vizinhas de Espanha, onde são muito abundantes.

128 ) Tavares de Proença, op. cit. pp. 8 19 e fig. 5.

129 ) Tavares de Proença, op. loc. cit. «0 fumo não tinha saída senão pelos ori fícios das pedras do tecto e do mato que fechava a parte central da abóbada. A atmos fera era ali irrespirável. Vi por cima do lume aceso, à hora do meio dia, uma panela de barro com o jantar, suspensa, por meio de um arame, de um pau espetado no muro. Os muros e o tecto estavam inteiramente negros de fumo... Na metade oposta à que servia de cozinha, tinha o pastor a sua cama formada de paus descansados sobre pedras cobertas de mato e palha, pela manta, uma pele de cabra e um gabão, estendidos ao sol durante o dia, ou levados ao ombro pela serra fora».

130 ) O costume de permitir aos mendigos vagabundos a pernoita nos edifícios dos fomos comunitários ocorre igualmente noutras regiões onde estes também existem, por exemplo no Barroso.

131 ) O forno novo, também «da Senhora », de Vila Mendo de Tavares, que mede 1,83 m de diâmetro interior, por 1,18 m de altura da base ao topo, mostra uma cúpula feita de barro com cacos de telha (que, quando da sua construção, utilizou, como zimbro, ramos dispostos radialmente), que se eleva sobre duas fiadas de grossos blocos de granito.

132 ) Vergilio Correia, op. loc. cit..

133 ) Vergílio Correia, op. loc. cit. compara este pormenor, próprio das cabanas de Assafarja, com o que vê em certos túmulos da idade do Ferro, sobretudo mediterrâneos.

134 ) Acerca das brandas e currais, e dos regimes pastoris, na serra minhota, veja se: Rocha Peixoto, « Survivances du regime communautaire en Portugal », in «Anais da Academia Politécnica do Porto », 3, 1908, pp. 205 221 (ou « Formas deVida comunalista em Portugal», in «Notas sobre Portugal – Exposição do Rio de Janeiro », I, Lisboa, 1909, pp. 73 83. Tude de Sousa, «Costumes e tradições agrícolas do Minho – Regimen pas toril da serra do Gerês», in «Portugália», II, Porto, 1908, pp. 459 472 e 646 652; « O Comunalismo na Serra », in «A Terra Portuguesa », IV, Lisboa, 1918, pp. 98 100; «Serra do Gerês», Porto, 1909, e « Gerês (Notas etnográficas, arqueológicas e históricas)», Coimbra, 1927; «Pastoreio e arte pastoril», in «Vida e Arte do Povo Português », Lisboa, 1940, pp. 411 425. Raquel Soeiro de Brito, «Uma aldeia da montanha do Minho – O Soajo – Estudo de Geografia Humana », Lisboa, 1953; e « Migrations pastorales et agricoles dans les Montagnes du Minho », in « Comptes Rendus du Congrès Interna tional de Géographie, Lisbonne, 1949 », III, 4.a Secção, Lisboa, 1951, pp. 80 82. Félix Alves Pereira, «Sobrevivências de uma arquitectura arcaica». E ainda Edmundo Correia Lopes, «Estudos de etnografia geresiana », in « Portucale », 2.a Série, IV, Porto, 1949, pp. 193 199; e Augusto César Pires de Lima, «Estudos Etnográficos Filológicos e Histó ricos», 4, Porto, 1949.

135 ) Como dissemos (texto correspondente a Nota 31), para Jorge Dias as casarotas da serra Amarela seriam «as casas de uma branda há séculos abandonada». Vimos porém que esta interpretação é duvidosa, e que admitimos conjecturalmente que as casarotas sejam ruínas de antigos abrigos militares.

136 ) Tude de Sousa, «Gerês», pp. 37 38. Este Autor indica o sítio da Moldeira como ponto duma reunião prévia onde se combina o dia em que se farão as repara ções dos fornos e carreiros, e a que dá o nome de dia do Coval; e aponta a data de 1 de Maio como sendo esse «dia oficial de pôr a vezeira na serra » – o que não condiz com as nossas observações e se afasta do uso geral, e que é aliás dificilmente conciliável com as demais datas e trâmites de que fala.

137 ) Assim sucede por exemplo no curral do Vidoal, em Leonte, no Gerês, que pertence a Rio Caldo, mas onde os de Vilar da Veiga têm direito a passar uma noite, devendo mesmo os de Rio Caldo, se lá estiverem, ceder nessa noite o lugar aos de Vilar.

138 ) Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », II, Lisboa, 1936, p. 312; e «De Terra em Terra», I, pp. 23 e 32, contrapõe brandas e inverneiras a propósito de Castro Laboreiro. Deve se acentuar que, na Serra, existem outros tipos de abrigos, precários e rudes. Cfr. Jorge Dias, «Abrigos pastoris».

139 ) Por exemplo o forno do curral da Calcedónia, que mencionamos atrás. Por outro lado, certos abrigos – por exemplo um dos fornos do curral de Chão de Lamas – têm cobertura (de terra) apoiada em materiais vegetais.

140 ) Raquel Soeiro de Brito, op. cit. pp. 39 40, assim descreve as brandas de gado do Soajo. «As brandas de gado são terrenos baldios na serra, para onde, no verão, o gado é deslocado, pastando nas suas imediações. Situam se em zonas da serra mais aplanadas, onde se constroem os « cortelhos » cercados em geral pelas « bezerreiras », muros circulares de pedra solta, construções que, de longe, mal se destacam da serra pedregosa. Os « cortelhos » constituem as habitações temporárias destas brandas, onde os guardadores que acompanham o gado permanecem, nos meses de verão, por períodos de quatro dias... São feitos com blocos de lajes de granito que a terra oferece com abundância e que os homens se limitam a transportar e a dispôr uns sobre outros, formando cúpula. Têm cerca de 3 m de diâmetro na base e a parte apoiada na laje inferior é inferior à parte que fica em falso. O vão da porta é constituído por três lajes, duas laterais («tranqueiras») e uma superior (padieira »), e fica voltada para um dos lados mais abrigados dos ventos predominantes; porta pròpriamente dita não existe, mas, quando é necessário, o vão é obstruído por pedras sobrepostas. Interior mente reina a escuridão, em que mal se distingue, o molho de mato onde os vigias dormem e os «potes» de ferro onde cozinham. A comida, elaborada pelos homens com os mantimentos que levaram do « eido », é feita ao calor dumas achas de lenha colocadas no chão, perto ou dentro dos « cortelhos »; é constituída por batatas cozidas, caldo cozi nhado ou de preferência caldo de leite». E como exemplos destas brandas de gado, «cuja configuração e funcionamento é idêntica em todas», indica: a da Cova, perten cente ao lugar do Soajo; Bragadela, da freguesia de Cabana Maior; e Seida, de cuja posse estão os lugares de Paradela e Várzea, da freguesia do Soajo.

141 ) Félix Alves Pereira, op. cit. p. 24, fig. 3, mostra também um cortelho de dois pisos (duas portas em níveis diferentes) na branda de Santo António de Vale de Poldros, na Peneda.

142 ) Jorge Dias, « Las Chozas de los Cabeçudos », p. 166, considera a falsa cúpula em geral, na linha das construções circulares pré célticas e de origem não indo europeia. Rougemont e Giovanni Spano relacionam as construções em falsa cúpula com o edifício figurado, em miniatura, nas urnas funerárias etruscas e de Albano, e noutras achadas em território alemão (o que aliás nos parece pouco convincente). De facto, D. H. Law rence, « Etruscan Places » ( Penguin Books n.° 756, 1950), p. 33, descreve um túmulo etrusco de Cerveteri de cerca de VIII a. C., que é de falsa cúpula. Lubbock por seu turno, menciona em Mouzie, no Pertshire (Escócia), um edifício deste género, onde se encontrou uma espada de bronze; e assinála que ele parece ter sido usado até ao período romano. Vimos que os nuraghi sardos e os talayots das Baleares são da Idade do Bronze; Cartaillac entende que estes últimos são « primitivos » e « ciclopedenses ». No Finisterra, a falsa cúpula é considerada «anterior a Cristo »; as cabanas dos Berberes são por Flaman definidas como sendo intermediárias entre as construções pré e proto his tóricas. Etc. Ver Nota 211.

143 ) A par, na área europeia e sobretudo ocidental, dos dólmens e dos megálitos isolados ou alinhados em filas (menhirs) ou em círculos (cromlechs).

144 ) André Varagnac, op. loc. cit. pp. 382 e 384. Este Autor engloba no movi mento geral do megalitismo, a partir do Próximo Oriente neolítico, o megalitismo oriental, que seguiria também a difusão da metalurgia – na Índia o Ferro – pelas vias marítimas – o Golfo Pérsico e o Oceano Indico –, embora aqui em data muito mais recente do que no Ocidente. Esse diacronismo dos movimentos da expansão global do megalitismo teve como resultado que «os arqueólogos tomaram o mau partido de con siderarem isoladamente as grandes províncias do megalitismo no mundo. Muitos estu diosos hesitam ainda em confrontar os megálitos asiáticos (muito mais recentes) com os da Europa ocidental, embora o Próximo Oriente constitua um intermédio no espaço ». Leroi Gourhan, op. cit. pp. 276 279, assinalando também a «zona megalítica» que vai do Ocidente da Europa até à índia, seguindo os litorais, e depois à Polinésia e ao Japão – e acrescentando aos dólmens e menhirs euro asiáticos, os terraços da Ásia do Sul e da Oceania –, entende porém, precisamente, que não foram os mesmos homens quem, em épocas muito distantes umas das outras, amontoaram blocos de pedra para delas fazerem câmaras dolménicas ou envasamentos ciclópicos, através da Eurásia. «Parece que se tem abusado um pouco dos navegadores misteriosos que plantavam por toda a parte os seus dólmenes... Que tenha havido durante o Neolítico e os primeiros tempos dos metais uma moda de pedras gigantescas e que esta moda tenha seguido as vias muito activas do comércio de então, isso não oferece dúvidas, mas não impõe de modo nenhum que tenha sido a acção de um grupo humano único ». « É evidente que não se pode cons truir uma arca de pedras chatas senão elevando umas e colocando outras de chapa por cima, e as pedras elevadas... são tão universalmente espalhadas que se pode admitir a sua floração expontânea. Convém portanto não só não encarar os megálitos como sendo obra de um povo único desaparecido, mas nem sequer mesmo ver neles forçosa mente a influência de um centro único de civilização...». Note se que o conceito de megálito não é o mesmo para os vários Autores. Gordon Childe, op. cit. p. 68, embora reconheça que, etimològicamente, o termo megálito se refere à dimensão das pedras, nota que ele era usado para designar as construções ortostáticas (de blocos colocados verticalmente), que eram essencialmente de natureza tumular, e aplica o apenas aos monumentos sepulcrais, contrapondo o ao termo ciclópico que aplica então apenas às construções seculares. Santa Olalla, op. cit. pp. 46 48, por seu turno, considera megálitos os monumentos construídos exclusivamente com grandes lajes colocadas de canto para as paredes, e horizontalmente para a cobertura – os ortostatos de Gordon Childe –; além disso, porém, para este Autor, o conceito de megálito está ìntimamente ligado ao de Eneolítico, e os monumentos megalíticos correspondem na Europa W à cultura dolménica. Construções ciclópicas, são aquelas em que, pelo contrário, os blocos, grandes ou pequenos e mais ou menos rudes, são colocados em fiadas uns sobre os outros, a seco ou sobre um leito de terra e barro. «A natureza do material e técnica ciclópica impõe que se cubram os espaços vazios em falsas abóbadas e cúpulas». Para Leroi Gour han, a ruptura entre os megálitos e os muros de grande aparelho parece antes de mais nada ser provocada não por «um afundamento racial, civilizações perdidas e navegações de propaganda megalítica», mas pela técnica: «entre um dólmen grego e o Parthenon não há necessàriamente diferença étnica ou social; os mesmos homens, a alguns séculos de distância, podem, com meios talvez idênticos na sua forma se não na sua envergadura, ter erguido um menhir ou uma coluna; mas há a diferença consi derável entre eles provocada pelo cinzel». A. Issel e A. Guebard, a propósito dos cabannons alpinos, falam em influências exóticas, a partir do Sul e Sudoeste... que se fize ram sentir na Liguria na época da introdução dos metais. Etc. Os túmulos em calote esférica de Quibala, no Cuanza Sul, em Angola, a despeito do seu aspecto exterior que sugere uma estrutura em falsa cúpula, segundo nos informam António Carreira e Inten dente José Gonçalves Coelho, são de estrutura dolmenica (de grandes lajes postas ao alto, alternando com muros de outras postas ao baixo, sobre as quais pousam outras ainda, que fazem de cobertura), tal como os quadrangulares da mesma zona, e de Cela, sendo a calote apenas um enchimento. Adriano Vasco Rodrigues, «Construções bantas de pedra, em Angola », in «Boletim do Instituto de Investigação Científica de Angola », N.° 5 (2), Luanda, 1968, pp. 169 189, contudo, fala, a respeito destes túmulos, em falsa cúpula; a descrição que deles faz é porém imprecisa, e a documentação que a acompanha parece antes indicar uma cúpula aparente de enchimento, mas não falsa cúpula.

145 ) André Varagnac, op. loc. cit..

146 ) O que localiza no Ocidente peninsular «um dos focos de criação e irradia ção do megalitismo». Aqui a ordem seria: 1) Dólmens simples (Reguengos de Monsaraz; Orca dos Juncais, Beira), 4000 3000 a. C. – enterramento individual; 2) galerias cobertas (Nora, Algarve), Neo eneolítico – inhumação colectiva ; 3) dólmens de câmara e corredor, Calcolitico – aparecimento da cerâmica campaniforme; 4) dólmens de falsa cúpula (Alcalar), Bronze I; 5) Cistas. (A. Varagnac, op. cit. p. 384).

147 ) Vergílio Correia, op. cit. Note se que todos os autores portugueses relacio nam estas construções, entre nós, com os tholoï nicénicos, através das construções de Alcalar.

148 ) Ver Mário Cardozo, « Citania » pp. 29 e 54, e Jorge Dias, «O problema...», pp. 25 28; e também Nota 166 e texto correspondente.

149 ) Acerca das queijeiras de Castelo Branco, Tavares de Proença é de opinião que, para lá da identidade de particularidades arquitectónicas que mostram para com esses monumentos pré e proto históricos, do Bronze, elas são do período histórico, pos terior à época luso romana, e até recentes. Vergílio Correia, por seu turno, acerca das cabanas de Assafarja (Coimbra), admitindo embora conjecturalmente que o modo de construção deva filiar se «numa remotíssima tradição popular que alcança os tempos pré-históricos e os monumentos do fim do Neolítico em Portugal », vê, nesse caso concreto, uma origem « orgânica »: um modo de arrumação das pedras de calcário que ali se encontram com grande abundância espalhadas pelos campos, sugerido pela prática de as empilharem em marouços circulares e altos.

Table des illustrations

Titre Des. 17 – Prime, Viseu, a) Aspecto e corte da armação duma construção do género de cober tura parede. b) Solução geral da padieira da porta, c) Esquema da disposição dos mate riais da cobertura. d ) Maneira de fazer as tranças de colmo, e) Paus que mantêm no seu lugar os vencilbos que cingem a cobertura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Des. 18 – Beirã, Marvão. Choço fixo, servindo de habitação do pastor duma cabrada. a) Aspecto geral, b) Armação do choço. c) Planta – 1) poial; 2) louça e vasilhas para cozinhar; 3) lugar do fogo; 4) tarimba; 5) caixa com roupa; 6) mesa ; 7) caixa; 8) banco, d) Pormenor da tarimba.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Des. 19 – Vale Chaim, Odemira. Curveiro. Aspecto geral, planta e pormenores.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Des. 20 – Soajo, Arcos de Valdevez. Caniço de varas. Pormenores da construção.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 21 – Portela do Vade, Ponte da Barca. Canastro de varas. A mesa e o corucho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Des. 22 – Teixoeiro, Cabeceiras de Basto. Canastro de vergueiro. Estrutura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 23 Aboim, Fafe. Caniço de vergueiro. Estrutura: a) pano ou linhagem; b ) gabela de palha milha; c) camada de giesta; d) pontas de varas; e) pregos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Des. 24 – Pedraído, Fafe. Canastro de varas. Estrutura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 25 – Outeiro, Viana do Castelo. Canastro de varas. Estrutura. Notar o janelo de carga junto ao bordo superior.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 26 – S. Mamede, Arcos de Valdevez. Canastro de varas, de planta rectangular. Estrutura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 27 – Barranco do Velho, Loulé. a) Palheiro; Aspecto geral, b) Corte pelo plano da porta; c) remate da cobertura.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Des. 28 – Cavalos, Loulé. Processo da prisão da palha, na cobertura, disposta em manchinhas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 29 – Serra do Caldeirão, Algarve. Processo de prender as fiadas do colmo em valadio, nas coberturas cónicas dos palheiros.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 30 – S. Barnabé, Almodóvar. Palheiro. 4 m de diâmetro interior. Parede de pedra de 1,80 m de altura ; cobertura cónica de materiais vegetais com portinhola para meter a palha; porta com soleira elevada, ao jeito da janela.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 31 – Cabeçudos, Marvão. Choça. Planta segundo Jorge Dias: a) prumo; b ) lugar do fogo; c) camas; d ) arca; e) mesa; f ) louceiro; g) cadeiras.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 32 – Cabeçudos, Marvão. Choça. Aspecto geral, corte e pormenor duma cobertura cónica.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 33 – Prime Viseu. Construção circular em terreno plano. Aspecto geral, corte e pormenor da portinhola de acesso ao piso superior.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 34 – Prime, Viseu. Processo de dispor o colmo na cobertura, em garfas seguidas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 35 – a) Vila Cova de Tavares, Mangualde. Cibana de felga de dois pisos. b) Vale de Manjão, Fornos de Algodres. Cibana de planta quadrangular. Corte e aspecto geral e disposição das varas da cobertura sobre a parede.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 109 – Beirã, Marvão Choça do «maioral das cabras» do tipo de cobertura parede em materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 110 – Interior da choça da fig. anterior A lareira a meio; ao fundo a tarimba onde dormem os seus dois habitantes
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 111 – Prime, Viseu Choupana do tipo de cobertura parede em materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 112 – Olivença Grupo de construções em materiais vegetais. A maior serve de habitação a trabalhadores rurais.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 113 – Prime, Viseu Choupana do tipo de cobertura parede em materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 114 – Vale Chaim, Mértola Curveiro em materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 115 – S. João dos Caldeireiros Mértola. Curveiro em materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 116 – Teixoeiro, Cabeceiras de Basto Canastro de vergueiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 117 – Tamende, Ponte da Barca Canastro com o corucho erguido, cheio de espigas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 118 – Barral, Ponte da Barca Aglomerado de canastros de varas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 119 – Barranco do Velho Palheiro com portinhola na cobertura para a entrada da palha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 120 – Santa Maria, Palheirinhos, Tavira Palheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 121 – Barranco do Velho. Palheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 122 – Cumeada, Serra do Caldeirão. Palheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre 123 – Cavalos, Serra do Caldeirão Palheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre 124 – Cumeada, Serra do Caldeirão Palheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre 125 – Santa Bárbara As Sete, Castro Verde Cobertura vegetal
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 126 – Amareleja, Moura Cabana em que vivia o guarda sacristão da capelinha da «Santa da Amareleja »
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 127 – Juromenha, Eivas Choça No local onde fazem o fogo, a parede avança,em cima para o interior desviando as chamas da cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 128 – Cabeçudos, Marvão Choça habitada ainda em 1964
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre 129 – Cabeçudos, Marvão. Choça
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre 130 – Cabeçudos, Marvão. Choças
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre 131 – Cabeçudos, Marvão Choça com recinto murado à frente
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 132 – Barretos, Marvão Choça utilizada como habitação até há poucos anos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre 133 – Beirã (Cabeço), Marvão Conjunto de choças formando uma unidade rural Casa de habitação, cozinha, palheiro, etc.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre 134 – Beirã (Cabeço), Marvão Choça de habitação, do conjunto da fig. anterior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 135 – Interior da choça da fig. 134 Vértice da cobertura, com prumo central
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 136 – Interior da choça da fig. 134
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 137 – Interior da cozinha do conjunto da fig. 133
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 138 – Fonte do Bico, Marvão Palheiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 139 – Fonte do Bico, Marvão Palheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre 140 – Prime, Viseu Choupana de pino
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Titre 141 – Prime, Viseu Choupana de pino
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 142 – Interior da choupana da fig. 141 Pormenor da parede e da cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 143 – Interior da choupana da. fig. anterior Vértice da cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 144 – Senhora dos Verdes Mangualde Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-55.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 145 – Vila Cova de Tavares, Mangualde Cibana de dois pisos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-56.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 146 – Chãs de Tavares, Mangualde Cabana de dois pisos. Porta de acesso ao piso superior rasgada na parede de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-57.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 147 – Abrunhosa, Mangualde Cabana de dois pisos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-58.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 148 – Casal da Silvã, Sátão Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-59.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 149 - Aguiar da Beira Cabanas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-60.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 150 – Poiares Freixo de Espada à Cinta Palheiro Cobertura vegetal apoiada sobre um prumo central
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-61.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Des. 36 – Cumeada, Castelo de Vide. Corte e planta de uma safurda em falsa cúpula.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-62.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Des. 37 – Castelo de Vide. a) Corte da safurda do Monte da Lameira. b) Corte da safurda da Lameira, e pormenor do fecho da falsa cúpula.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-63.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Des. 38 – Castelo de Vide. a ) Corte da safurda de Pena Verde, e pormenor do fecho. b ) Corte de uma safurda da Póvoa.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-64.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 39 – Ribeira da Amieira, Marvão. Corte de um chafurdão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-65.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 40 – Póvoa, Castelo de Vide. Chafurdão de planta rectangular, coberto por lajes de pedra e terra.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-66.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Des. 41 – Arronches. a) Malhada de porcos constituída por duas construções em falsa cúpula, ambas meio arruinadas. O desenho mostra o corte da maior, e o pormenor do alto da cúpula, já com algumas fiadas de pedra caídas, b) Corte dc outra malhada arruinada ; de A a B fica o lanço desmoronado.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-67.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 42 – Crato. Planta, corte transversal e corte longitudinal de uma safurda oblonga.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-68.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Dos. 43 – Barrancos. Corte de duas safurdas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-69.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 41 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Aspecto geral e corte de uma furda de dois pisos, que serve de pocilga em baixo e galinheiro em cima.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-70.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 45 – Perto de Monfortinho, Idanha a Nova. Corte e planta de uma tonda.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-71.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 46 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo. Corte de dois fornos ou palheiros.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-72.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Des. 47 – Escalhão, Figueira de Castela Rodrigo. Pormenor do interior dum fornn.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-73.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Des. 48 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde. Corte de dois «fornos da Senhora ».
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-74.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 49 – Serra da Peneda. Aspecto e cortes dum cortelho. Os cortes são pelo plano do eixo da porta e por outro perpendicular àquele.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-75.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 151 – Espanha, margem do Douro entre Barca de Alva e Freixo de Espada à Cinta Construção em falsa cúpula
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-76.jpg
Fichier image/jpeg, 208k
Titre 152 – Alcalar, Portimão. Túmulo da necrópole
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-77.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 153 – Sintra. Ruínas do « Túmulo do Monge»
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-78.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 154 – Pena Verde, Castelo de Vide. Chafurda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-79.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 155 – Cumeada, Castelo de Vide. Chafurda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-80.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 156 – Ribeira da Amieira Castelo de Vide Chafurdão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-81.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 157 – Sector arruinado do chafurdão da fig. anterior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-82.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 158 – Interior da cúpula do chafurdão da fig. anterior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-83.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 159 – Arronches Chafurda arruinada
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-84.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre 160 – Corte da parede da chafurda da fig. anterior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-85.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 161 – Arronches. Chafurda Fecho da cúpula derruído
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-86.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 162 – Barrancos Safurdas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-87.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 163 – Barrancos Safurda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-88.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 164 – Monfortinho Idanha a Nova Tenda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-89.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 165 – Salvaterra do Extremo Idanha a Nova Furdas de dois pisos O térreo, para porcos; o superior, para galinhas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-90.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 166 – Monsanto Idanha a Nova Pocilga de porcos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-91.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 167 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo Forno (Palheiro abrigo)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-92.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 168 – Interior da cúpula do forno da fig. anterior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-93.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre 169 – Escalhão Figueira de Castelo Rodrigo Forno
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-94.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 170 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde «Forno da Senhora ». O da esquerda é em falsa cúpula
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-95.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 171 – Sistelo, Arcos de Valdevez. Corte de gado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-96.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 172 – Escalhão, Figueira de Castelo Rodrigo Moinho de rodízio
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-97.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre 173 – Vale de Carrasco, Picote, Miranda do Douro Abrigo em falsa cúpula
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-98.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 174 – Assafarja, Coimbra Cabana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-99.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 175 - Interior da cúpula da cabana da fig. anterior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-100.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 176 – Serra de Aire Abrigo em falsa cúpula
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-101.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 177 – Serra do Gerês Forno do curral de Chão de Lamas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-102.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 178 – Serra do Gerês. Forno dum curral do Couce
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-103.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre 179 – Serra do Gerês. Currais do Couce
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-104.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre 180 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-105.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 181 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-106.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre 182 – Serra do Gerês Forno dum curral do Couce
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-107.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 183 – Serra do Gerês Forno dum curral da Lagoa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-108.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 184 – Serra do Gerês Forno dum curral de Lamas de Homem
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-109.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 185 – Serra do Gerês Forno dum curral de Lamas de Homem
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-110.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 186 – O forno da fig. anterior visto de cima Notar o fecho da cúpula derruído
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-111.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 187 – Serra do Gerês Forno dum curral de Chão das Abrótegas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-112.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 188 – Serra do Gerês Forno do curral do Gamil
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-113.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre 189 – Serra Amarela Forno da branda do Bogalhedo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-114.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 190 – Serra Amarela Forno da branda de Chão de Muro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-115.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 191 – Serra Amarela Forno duma branda de Rebordo no Feio
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-116.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 192 – Serra Amarela Forno duma branda de Rebordo no Feio
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-117.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 193 – Serra da Peneda Forno da branda do Vidoeiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-118.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 194 – Serra da Peneda Fornos e bezerreiras da branda de Burzavô
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-119.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre 195 – Serra da Peneda Forno da branda do Avelar Falsa cúpula recoberta de giesta
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-120.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 196 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavô. A cúpula fecha com três fiadas de lajes
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-121.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 197 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Burzegalinhas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-122.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 198 – Serra da Peneda Branda de Burzegalinhas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-123.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-124.jpg
Fichier image/jpeg, 340k
Titre 199 – Serra da Peneda Branda de Seida
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-125.jpg
Fichier image/jpeg, 292k
Titre 200 – Serra da Peneda Fornos da branda da Bragadela
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-126.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 201 – Interior da cúpula do forno da fig. anterior
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-127.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 202 – Interior Lareira do forno da fig. anterion
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-128.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 203 – Serra da Peneda Forno e bezerreira da branda de Burzavô Notar o carácter ciclópico da construção
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-129.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 204 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavô Cobertura dolménica com uma laje de 2 x 1,75 m
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-130.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 205 – Serra da Peneda Fornos da branda de Piorneda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-131.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 206 – Serra da Peneda Forno da branda de Burzavó
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-132.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre 207 – Serra da Peneda Forno da branda do Vidoeiro Ao lado, as sacas com a comida dos vigias do gado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-133.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 208 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Seida
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-134.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 209 – Serra da Peneda Fornos da branda de Real
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-135.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre 210 – Serra da Peneda Forno de dois pisos da branda de Real
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-136.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre 211 – Serra da Peneda Forno da branda de Real
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6258/img-137.jpg
Fichier image/jpeg, 163k

© Etnográfica Press, 1988

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search