Version classiqueVersion mobile

Construções primitivas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

I parte. Construções primitivas e elementares

Capítulo 1. Abrigos

Texte intégral

1Das mais remotas eras da pré história até aos nossos dias, por toda a parte, o homem procurou quaisquer refúgios para se proteger contra os rigores do clima e das intempéries, o frio, a neve, a chuva, o vento, o sol, as inundações, e contra o terror da noite e os ataques de animais ferozes e porventura gentes inimigas. Esses refúgios ou abrigos apresentam se sob formas diversas, conforme as condições do ambiente natural, e os recursos ou materiais que este fornece. Em certos casos e regiões onde isso é pos sível, eles são utilizados tal como se encontram na Natureza, sem quaisquer modificações ou arranjos, merecendo por isso o nome de abrigos naturais; em geral, porém, esses abrigos naturais foram mais ou menos sumàriamente melhorados, em vista ao aumento ou mais perfeito resguardo do espaço abri gado, merecendo então o nome (que os distingue e relaciona com os ante riores) de abrigos semi-naturais. Noutros casos, quiçá mais frequentes e gerais, em que a inteligência e o engenho humanos já intervêm activamente, numa escala progressiva, que, a partir de um primeiro balbuciar rudi mentar, preludia as construções de maior vulto, esses refúgios são intei ramente feitos pelo Homem, merecendo por isso o nome de abrigos artificiais.

2Abrigos naturais ou semi naturais – ou sejam os abrigos sob rocha –, e igualmente abrigos artificiais nas suas formas elementares, constituem sem dúvida as formas primárias, mais remotas e mais simples, da vivenda humana. Naqueles recuados tempos, eles eram locais de habitação normal, permanente ou estacional – de facto as únicas formas habitacionais que se conheciam –; hoje, porém, eles constituem essencialmente abrigos tem porários ou mesmo apenas ocasionais, geralmente relacionados com deter minadas actividades bem definidas – nomeadamente, na grande maioria dos casos, o pastoreio e a guarda dos campos –; e é sobretudo com esta feição que aqui os consideraremos.

I – Abrigos naturais e semi naturais

  • 1 ) Utilizámos a nomenclatura e classificação de J. Leite de Vasconcelhos, in «Reli giões da Lusitâni (...)

3Os abrigos naturais podem ser de três tipos principais: 1) Cavernas, quando são enormes cavidades subterrâneas, de forma variada, e muito extensas (chegando a atingir quilómetros de comprimento), geralmente constituídas por diferentes câmaras interiores que comunicam entre si, e com uma única abertura para o exterior; 2) grutas, quando são cavidades mais ou menos fundas, mas abertas para o exterior (embora às vezes possam compor se de mais do que uma câmara); e 3) lapas, quando são simples abrigos debaixo de rocha, grandes lajes em mero avanço sobre o solo, formando uma espécie de alpendre, ou mesmo apenas grandes penedos encas telados uns sobre os outros, deixando em baixo um espaço protegido. Caverna e gruta, são, como nota Leite de Vasconcelos, termos eruditos, que de resto exprimem situações por vezes difíceis de extremar claramente ; na linguagem popular e corrente, usam se várias outras formas, que em certos casos se fixaram na toponímia: solapa, (sub lapa), furna e fórna, grota, cova, mina, algar, pala, etc. (1).

  • 2 ) Montandon, op. cit., p. 293, nota que embora os abrigos cavados nas rochas se possam assemelhar a (...)
  • 3 ) H. Breuil e R. Lantier, « Les Hommes de la Pierre Ancienne», Paris (Payot) 1951, p. 95.

4Os abrigos semi naturais podem ser – além dos próprios abrigos naturais, cavernas, grutas e lapas, que em geral aparecem efectivamente mais ou menos arranjados pelo homem – de um tipo específico : os abrigos cavados em certos terrenos ou rochas brandas, que se encontram ainda hoje em uso com relativa frequência, em alguns casos mesmo como edifi cações típicas ou correntes na respectiva área (2). Cavernas e grutas (que correspondem definidamente à habitação troglodítica), encontram se em terrenos compactos, e, entre nós, sobretudo nas zonas calcárias, seja junto ao mar, cavadas ao longo dos antigos litorais ou dós lagos e rios, erodidos pelo trabalho da formação do seu leito, ou noutros locais, pela acção de factores geológicos ou das intempéries (3); as lapas, por seu turno, encon tram se sobretudo nas zonas serranas e graníticas ou xistosas.

5Umas e outras são hoje em regra, menos frequentes como abrigos qualificados; em tempos pré históricos, porém, elas constituíram uma das for mas normais e mais importantes da habitação humana, e também, alternada ou simultâneamente, de sepultura.

  • 4 ) André Varagnac, « Le Paleolithique Moyen et Supérieur de l’Europe et de l’Afrique », in « L’Homme (...)
  • 5 ) De acordo com J. E. Lips, «Les origines de la culture humaine», Paris (Payot), 1951, pp. 11 12, « (...)
  • 6 ) De facto, e mais uma vez de acordo com J. E. Lips, op. loc. cit., «acharam se mais provas materia (...)

6O trogloditismo, embora constitua evidentemente uma forma habita cional primária, não foi contudo, mesmo então, a única dessas formas, nem talvez a primeira e mais geral. Sem dúvida, aparecem vestígios da ocupação de certas grutas e cavernas logo pelos Pitecantropianos do Paleo lítico Inferior, e, seguidamente, e principalmente, pelos Neanderthalenses do Moustierense, no Paleolítico Médio – em especial o Moustierense das grutas (na nomenclatura de André Varagnac (4), que corresponde à glaciação de Würm –, e pelo Homo Sapiens do Paleolítico Superior ; e pode se dizer que onde as encontra convenientemente localizadas – perto de água, de terrenos de caça ou pesca, ou de jazidas de materiais para o fabrico de armas – e sempre que pode, o Homem, sobretudo nos períodos e estações frias, utilizou essas cavidades naturais para se abrigar do mesmo modo que certos símios e outros mamíferos; mas esses próprios homens do Paleolítico Antigo, caçadores, trapoladores ou recolectores nómadas ou semi-nómadas, além das grutas e talvez antes do que nelas (5), viveram já em choças ao ar livre, isoladas ou formando acampamentos, instáveis ao sabor das suas deslocações; e essas choças, durante os períodos e estações quentes, e nos inter glaciares, seriam mesmo a forma mais corrente de vivenda (6); de facto, as jazidas e achados paleolíticos ao ar livre, assinalando locais que foram então habitados pelo Homem, são em número incomparà velmente superior ao das grutas. Aliás, em muitas dessas partes, que foram habitadas nesse tempo, não existem grutas; e, por outro lado, nem todas as grutas naturais que existem foram então ocupadas.

7No Paleolítico Superior, ainda durante o período frio de Würm, o habitat cavernícola melhora consideràvelmente. Nas grutas pequenas, a en trada é fechada e defendida com grandes blocos de pedra, ou ramagens espinhosas ou peles; por vezes, muros baixos delimitam a área habitada, e o solo é parcialmente lajeado.

  • 7 ) H. Breuil e R. Lantier, op. cit., pp. 94 102. J. E. Lips, op. cit., p. 12, nota tam bém que, «com (...)
  • 8 ) L. Emperaire, op. loc. cit., p. 478. J. Leite de Vasconcelos, op. cit., p. 48, perante a evidênci (...)
  • 9 ) J. E. Lips, op. loc. cit.

8Quase sempre o Homem utilizou apenas a entrada das cavernas (que nas nossas latitudes se procuravam preferentemente viradas a Sul ou a Nascente) (7), mas em alguns casos, raros, reconhecem se vestígios de divi sões e arranjos no interior. A lareira – onde arde permanentemente o fogo que aquece as pessoas e afugenta os animais ferozes, e que permite amaciar os vegetais e torna mais saborosa a carne assada sobre as cinzas e brasas – fica em geral ao lado de qualquer pedregulho, com espaço suficiente para que a chama seja abrigada do vento, e com boa visibilidade; por vezes, ela é cavada nas camadas argilosas, alisadas à mão e depois recozidas pelo próprio fogo; há também fomos de cozer – construídos especialmente, em lajes chatas e placas de grés formando lastro, e com pedras à volta servindo de assentos –. Não raro, o arranjo interior indigita certas activi dades ou funções especiais: oficinas de talhe, esconderijos de armazenagem de alimentos, etc. No Mesolítico, com a subida de temperatura que marca o final da glaciação de Würm, o habitat ao ar livre toma maior incremento; mas os abrigos naturais sob rocha, embora com importância decrescente, nunca são definitivamente nem totalmente abandonados. No Neolítico, as cavernas e grutas apresentam se ainda como locais de vivenda, ao mesmo tempo que de enterramentos; por vezes, as sepulturas eram cavadas na própria super fície da habitação, que certamente se abandonava temporariamente após a inhumação (8 ). No Eneolítico, finalmente, elas são procuradas quase exclu sivamente para fins religiosos e funerários; algumas das mais famosas caver nas da França, Itália, Espanha e Portugal, foram, afinal, necrópoles e locais de culto ou «casas comuns», com câmaras interiores mostrando insculturas e pinturas com significado religioso e mágico, ou altares onde se depunham crânios de animais (9).

  • 10 ) Afonso do Paço, Maria de Lourdes Bártolo e Augusto Brandão, «Novos acha dos arqueológicos das gru (...)
  • 11 ) J. Leite de Vasconcelos, op. cit. p. 215.
  • 12 ) id. p. 40.
  • 13 ) A gruta da Cesareda foi aquela em que pela primeira vez se encontraram em Portugal materiais do M (...)
  • 14 ) Irisalva Moita, «Gruta», in « Enciclopédia Focus », III vol., Lisboa, 1966, pp. 34 35.
  • 15 ) Estudada por Agostinho Farinha Isidoro, « Espólio Antropológico da Gruta do Bugio» (Sesimbra), in (...)
  • 16 ) Manuel Farinha dos Santos, « Vestígios de pinturas rupestres descobertas na Gruta do Escoural », (...)
  • 17 ) Irisalva Moita, «Gruta», op. cit., e J. Leite de Vasconcelos, op. cit., p. 40.
  • 18 ) J. Leite de Vasconcelos, op. cit., p. 227. O Autor, p. 15, nota ainda que, no período neolítico, (...)
  • 19 ) H. Breuil, « La Roche Peinte de Valdejunco à la Esperança prés Arroncbes (Portalegre)», in «Terra (...)
  • 20 ) J. R. dos Santos Júnior, « O abrigo pré histórico da «Pala Pinta », in «Traba lhos de Antropologi (...)
  • 21 ) Gil de Montelongo, «A nossa história», in «Ecos da Montanha », Ano I, n.° 3, Porto, 1963, chama a (...)

9Em Portugal, a cultura neo eneolítica utiliza sobretudo as gratas natu rais e artificiais das zonas calcárias do Centro e Sul do País, onde porém se encontram muitas vezes, em níveis inferiores, vestígios de culturas mais anti gas. Assim, por exemplo: em Cascais, as gratas do Poço Velho, estudadas por Carlos Ribeiro, série de galerias comunicando entre si, que foram utili zadas como locais de enterramento, com objectos de indústria lítica, óssea, metálica e cerâmica, adornos, etc., do Eneolítico, e um outro fundo de maior antiguidade (10); as dos arredores de Lisboa, de Liceia, Carcavelos, Porto Covo, Carnaxide, Oeiras(11), etc., e as de Torres Vedras, Cova da Moura, Ermejeira e Quinta das Lapas; as de Torres Novas (Carrascos e Casal do Mar chão), dos princípios do Bronze, Rio Maior e Serra de Aire (Almonda e Bugalheira), etc.; a caverna marinha da Furninha, na península de Peniche, que foi habitada ainda durante o Neolítico (12), e as da Cesareda e Fura douro, no Montejunto, ambas exploradas por Nery Delgado, a primeira em 1867, a segunda em 1880 (e depois em 1894, por Maximiano Apoli nário) e com espólio datado do Paleolítico Superior, e sepulturas e cerâ mica do Neolítico (13) ; as de Alçaria, na Estremadura, com restos ósseos; as da Serra de El Rei, exploradas por Nery Delgado, com restos arqueo lógicos e ósseos do Neo eneolítico, e outros, em níveis inferiores, do Magdalenense(14); as do Fumo, da Furada, da Fonte do Cavaco, do Bugio, em Sesimbra, esta última com 9 m de comprimento por 5,50 m de largura má xima, e que no Eneolítico foi local de inhumações (15); a do Escoural, em Montemor o Novo, descoberta em 1963, que no Paleolítico Superior servia de santuário, com notáveis pinturas animalísticas, e no Neolítico de necrópole(16); a da Solestrina, no Algarve, com espólio de Neo eneolítico ; as de Alcobaça, exploradas por Vieira Natividade, que serviram como locais de habitação, oficina, abrigo e sepultura, conforme os casos, mostrando todas elas vestígios de fogo no interior, e datadas, segundo Boch Gimpera, pelo seu espólio, lítico e cerâmico, da transição do Neo- para o Eneolítico (e que Leite de Vasconcelos, notando aliás que não foram todas ocupadas na mesma época nem para os mesmos fins, considera do Neolítico, do Bronze e do Ferro) (17); a da Eira Pedrinha, em Condeixa; as trasmontanas de Santo Adrião, Vimioso e Miranda do Douro, estudadas por Nery Delgado, locais de habitação e sepultura no Neo e Eneolítico; etc. E as grutas arti ficiais, cavadas na rocha, normalmente locais de sepultura – da Alapraia, em S. Domingos de Rana (Cascais), estudada por Paula e Oliveira –cavada no grés terciário, pouco compacto, da região, de base circular (com 5,50 m a 4,70 m de diâmetro, e altura de 2,20 m), abobadada e precedida de uma galeria aberta –; a de Carenque, próximo de Queluz; a da Rotura, em Setúbal; as quatro da Quinta do Anjo, em Palmela, estudadas por Carlos Ribeiro em 1876, redondas, abobadadas, ora com vestíbulo, ora com galeria de entrada, e abertas no alto, numa espécie de clarabóia – todas do final do Neolítico, e com um expressivo espólio fúnebre, de restos ósseos, cerâ mica. objectos líticos e em osso, etc. (18). E por outro lado, os abrigos do tipo de lapas: por exemplo, o de Valdejunco (Arronches Portalegre), estu dado em 1916 por H. Breuil, que é uma comprida fenda na parede quartzítica, formando como que uma prateleira coberta, em declive, com uma largura total de cerca de 15 m, para uma profundidade máxima de 3 m e uma altura variável, que vai de 4 m a cerca de metade; dominando de alguns metros a terra cultivada, no vale, a sua abertura é virada ao Sudoeste, enquanto que, a Leste, uma pequena falésia vertical o prolonga; no tecto, rebordo exterior e fundo, numa extensão aproixmada de 10 m, em vários painéis, encontram se dispersas pinturas esquemáticas a ver melho, que Breuil entende pertencerem à família dos frescos rupestres neo líticos do Sul da Meseta espanhola, que mostram em Portugal – nomea damente no Cachão da Rapa – certas originalidades, com uma figura única que parece poder datar se do Paleolítico (19). Desta mesma categoria é a Pala Pinta, em granito, na margem direita do Tua, no concelho de Alijó, estudada por Santos Júnior, com uma parte aberta de 12 m de com primento e cerca de 2,50 m de altura máxima, em abóbada sobre uma super fície que à entrada forma rampa escorregadia onde uma pessoa mal se pode segurar de pé; mais para dentro, o pavimento torna se quase horizontal, e vai, à direita, a 5 m de fundo, onde a altura não é superior a 1 m, e em certos pontos menos ainda ; na pala há superfícies de fractura lisas, que foram em parte aproveitadas pelo homem para nelas pintar a vermelho sinais esquemáticos, alguns dos quais Santos Júnior (que aproxima também esta Pala da do Cachão da Rapa), considera símbolos astrais (20); os abrigos sob rocha do Buraco da Moura ou gruta da Agrela, em Cambezes, e o esconderijo do Castelinho, em Outeiro, da idade do Bronze (ambos em Monção); o Castelo da Fórna, em Boivão (Valença), com sulcos e covinhas no interior; as grutas do Crasto, em Mentrestido (Vila Nova da Cerveira); etc. (21).

  • 22 ) Entre os trogloditas actuais, Leroi Gourhan, op. cit., pp. 307 308, fala nos chi neses de Chen si (...)
  • 23 ) J. Leite de Vasconcelos, «Pela Beira – Serra da Estrela », in «O Arqueólogo Português», XXII, Lis (...)

10Actualmente, porém, como dissemos, não conhecemos entre nós nenhum caso de utilização de grutas e cavernas naturais, como forma local normal e geral de habitação (22), embora elas possam ser ocupadas como abrigos temporários ocasionais, ou mesmo, excepcionalmente, como vivenda permanente – por exemplo um pescador, em Sesimbra, que habita uma gruta há mais de vinte anos–. Diversamente, as lapas ou furnas – que por vezes também formam paredes de recintos cuja vedação se completou com pequenos muros toscos ou qualquer cobertura vegetal rudimentar – são ainda hoje utilizadas como abrigos, (embora raramente), sobretudo, como igualmente dissemos, nas zonas serranas graníticas e xistosas, do Norte e Centro do País. Na serra minhota, elas constituem por vezes a casota de brandas ou currais pastoris (figs. 1, 2 e 3). No Gerês, por exemplo, onde aliás domina inteiramente, nos abrigos pastoris, a falsa cúpula, alguns fomos dos currais de Chão de Lamas e Calcedónia são enor mes penedos que ficam em avanço, cobrindo um espaço que, à volta, se fechou com um pequeno muro de pedra, onde se deixou uma entrada baixa (fig. 4). Na Serra da Estrela, por seu turno, Leite de Vasconcelos registou também um abrigo deste tipo, utilizado por um pastor, no Covão da Mulher, ao lado de uma cabana de carvoeiro (esta em falsa cúpula), e junto de um rego de água; era, como esses fomos nortenhos, uma « escavação debaixo dum rochedo, fechado adiante por uma paredinha de pedras soltas, em que se deixou uma porta», aqui com 89 por 49 cm; «em todo o rebordo dianteiro do penedo fez se, com torrões endurecidos e aglutinados com bosta de boi, uma espécie de friso ou beiral de telhado, que, quando chove, enca minha a água da chuva. Ao lado da cabana, e em frente a outro penedo, que está contíguo ao primeiro, estabeleceu se um recintozinho cercado de pedras miudas, em guisa de pátio ou cozinha» (23). Em muitos sítios, naque las regiões graníticas, encontram se mesmo casas de habitação normal, dispersas nos povoados, que aproveitam grandes penedos como paredes (figs. 5 e 6), e até, parcialmente, como cobertura; Monsanto da Beira é disto um exemplo particularmente rico e expressivo (fig. 7).

  • 24 ) J. Leite de Vasconcelos, « Religiões da Lusitânia », I, Lisboa, 1897, p. 45; e « Uma Excursão ao (...)
  • 25 ) J. Leite de Vasconcelos, «Religiões», id., fala destes abrigos, que viu em Grassão (Ponte da Barc (...)
  • 26 ) Jorge Dias, «Abrigos pastoris na Serra do Soajo », in «Trabalhos de Antropo logia e Etnologia », (...)

11Os abrigos cavados na rocha, a que em certas partes do Alto Minho dão o nome de barracas de suchão (sub chão) (24) – geralmente de menores dimensões que os demais abrigos naturais e semi naturais, encontram se ainda hoje em uso com relativa frequência, sobretudo no Norte do País (onde o granito se decompõe muitas vezes num saibro consistente mas que se corta fàcilmente à picareta), em certos casos mesmo como forma típica ou corrente na área onde ocorrem. Muito raramente para habitação e mesmo como simples abrigos temporários (25 ) – excepção feita desses refúgios rudimentares, precários e exíguos, em forma de nicho, muitas vezes com um ressalto em baixo fazendo de banco, que servem sobretudo de protecção a viandantes e cantoneiros, contra chuvadas ocasionais, e que se vêem então com grande frequência em taludes de estradas e caminhos – eles são quase sempre utilizados como currais para o gado miúdo ou locais de reco lha de alfaias e carros, geralmente sob a forma de um recinto arredondado, fechado por uma porta de madeira que em muitos casos se enquadra num caixilho de ombreiras e padieiras de pedra, embutidas no saibro e rude mente talhadas. Quando currais, o piso é muitas vezes mais baixo do que a soleira, para poder comportar o mato que serve de cama aos animais. Em certas zonas, estes currais aparecem em grande número, como uma forma local normal. No Soajo, eles situam se no fundo das encostas que descem para a aldeia (fig. 8); e têm muitas vezes uma cerca de pedra, com uma pequena entrada, para se poderem guardar aí os animais (26). Na Serra da Amarela, onde são também frequentes, eles situam se sobretudo na descida para Aboim da Nóbrega, servindo para guardar carros e alfaias agrícolas. Em Sistelo, nas faldas da Serra da Peneda, eles encontram se mesmo na aldeia, e servem de currais (fig. 9). Em Borba da Montanha, na zona serrana de Fafe, um abrigo deste género, de dimensões consideráveis, servia, ao lado da casa rural, de local de recolha do carro e de alfaias (fig. 10). Por seu turno, em Aldeia, no concelho de S. Pedro do Sul, na vertente Sul da Serra de Arouca, ao subir para S. Macário, havia, em 1950, à saída da povoação, um grande conjunto de currais deste género, abertos no saibro; alguns deles tinham uma parte escavada e o restante feito de pedra e coberto de louza. Etc.

II – Abrigos artificiais

a) Em pedra

1 – Abrigos pròpriamente ditos

  • 27 ) Actuahmente divulgam se por todas estas regiões em geral pequenos abrigos destes géneros, de plan (...)
  • 28 ) J. Leite de Vasconcelos, «Pela Beira», id.

12Em algumas zonas do País encontram se pequenas casotas em pedra, extremamente rudimentares, geralmente dispersas e isoladas, seguindo solu ções de acaso, umas maiores e outras mais exíguas, constituídas por uma simples sobreposição arbitrária de pedras, sem qualquer regra, em certos casos parecendo obedecer a um tipo local um pouco mais elaborado e defi nido, e que são utilizadas como abrigos ora de pastores ora de lavradores ou guardas nos campos e nas vinhas. A sua planta é variável, arredondada ou grosseiramente quadrangular, muitas vezes com um dos lados comple tamente aberto. Estes abrigos aparecem as mais das vezes em casos isolados; mas em certas regiões – mormente por exemplo nas áreas de Almeida e Pinhel, atingindo ainda Trancoso – eles são relativamente numerosos. Por vezes as lascas de pedras que constituem a sua cobertura – que com fre quência são recobertas de terra – assentam num tosco madeiramento de suporte : vários paus passados entre as paredes – por exemplo em Terras de Miranda (fig. 11), Edrosa (Vinhais), Jou ( Valpaços ), em terras de Pinhel e Almeida (fig. 12), etc.–, ou um único pau, a .um lado ou a meio – por exemplo em Lebução (Chaves), onde esse pau assenta numa grande laje posta a prumo que tapa metade da entrada, e forma uma espé cie de cume contra o qual pousam as lajes da cobertura (fig. 14) –. Mais caracterìsticamente, porém, não existe qualquer madeiramento, e as lajes da cobertura assentam apenas nas paredes – por exemplo em Pinheiro Velho e Agrochão (Vinhais), Lamalonga (Macedo de Cavaleiros), Freixo de Espada a Cinta (fig. 16), Perafita (Alijó), Figueira de Castelo Rodrigo (fig. 17), em Malta, Carvalhal, Gouveias, Seixo do Coa (Pinhel), Aldeia Nova e Aldeia Velha (Trancoso) (fig. 13), Ponte de Abade (Sernancelhe), Antas (Penedono), Moimenta da Beira (fig. 18), Rapoula (Sabugal), Cati velos (Gouveia), etc.–; em casos mais raros, a construção mostra mesmo uma estrutura dolménica – por exemplo em Parada (Pinhel), e sobretudo em Jorjais de Perafita (Alijó), onde vemos um abrigo constituído por grandes lajes postas ao alto, e cobertas por outras pousadas horizontal mente sobre elas– (fig. 15) (27). Na Serra da Estrela, Leite de Vascon celos viu um abrigo de pastor deste género, de forma arredondada, em pedra solta e sem cobertura ; um muro a meio dividia o em dois comparti mentos, um para o pastor dormir no verão, e o outro para cozinhar (28).

13Nas zonas serranas nortenhas aparecem também não raro pequenos abrigos de pedra, isolados e precários; na Serra do Soajo, por exemplo, vimos um, num dos pontos mais altos da serra, feito de grandes lajes de granito fen dido em lascas, que ali se encontram em abundância, e que se encastelam sem ser necessário sequer afeiçoá las; esse abrigo, de resto, servia ùnicamente para proteger os pastores de gado miúdo dos grandes aguaceiros e venta nias, mas nunca para pernoitar (fig. 19). Na Serra da Peneda, um dos cortelhos da branda de Bursabô é também deste género (aliás único no meio de todos os demais que ali e nas outras brandas da mesma serra são normalmente em falsa cúpula» : a casota é de planta circular muito irregu lar, com cerca de 1,75 a 2 m de largura no interior; e encosta, segundo a regra, ao muro da bezerreira que mede cerca de 5 m de diâmetro; situado em declive, mostra uma tosca parede de cerca de 1,10 m de altura e 40 cm de espessura, feita de enormes blocos, onde se rasga uma entrada com cerca de 1 m de altura por 50 cm de largura, sobre a qual assenta uma enorme laje de granito com cerca de 3 m por mais de 2 de superfície, e com uma espessura de 10 a 30 cm, que constitui, só por si, toda a cobertura, e que, atrás, fica ao nível do solo. É de notar, por um lado, que nessa Serra abundam pedras desse jeito; e, por outro, que ali e em algumas outras brandas da mesma serra aparecem cortelhos com dois pisos, que utilizam precisamente lapas como esta para o pavimento superior, que fica de modo semelhante ao nível do solo, do lado alto do declive. Este cortelho pode mesmo constituir apenas a parte inferir de um outro, planeado para ser de dois pisos, mas ao qual não se construiu o superior (fig. 199). Na Serra da Amarela, por seu turno, o forno da branda do Vidoal, nos altos da Serra, é igualmente deste género (e também, diferentemente do que acontece com as cabanas das demais brandas, que como dissemos, são normalmente em falsa cúpula). Como a da branda de Bursabô, essa cabana, toda de granito, tem como cobertura uma laje única, larga e chata, assente sobre paredes compostas de fiadas hori zontais entre afloramentos naturais da rocha (figs. 20 e 21); ela é precedida de um vestíbulo ou corredor aberto, e ao seu lado vê se uma grande pedra com covinhas, onde se deita a comida para os cães (fig. 22). Para se colo car a laje da cobertura no seu lugar, quando da construção deste forno, ele foi provisòriamente enchido com terra até ao alto das paredes; a laje em seguida correu sobre estas e sobre a terra, que foi depois removida. E deve ter sido por este processo que se colocaram no sítio as enormes lajes que fazem o pavimento dos cortelhos de dois pisos da Serra da Peneda.

14Na mesma Serra da Amarela, e mais uma vez nos altos, um pouco adiante daquele local, a cerca de mil metros da altitude e em terrenos de pas tagem da povoação de Vilarinho da Furna ( hoje em vias de desapareci mento, submersa pela barragem do Rio Homem), pertencente à freguesia de S. João do Campo, de Terras de Bouro, encontra se um grupo de cerca de vinte construções ciclópicas do mesmo género, ali denominadas as casarotas. Estas casarotas (que foram estudadas por Jorge Dias em 1946), são de planta rectangular muito irregular, com as quinas arredondadas, e de tama nhos variáveis oscilando entre 3 X 2 m as mais pequenas, e aproximadamente 6X2 m as maiores; algumas delas são duplas, e divididas ao meió por uma parede. A construção é muito grosseira : grandes blocos de granito, ora de cutelo ora deitados e encastelados, e uma cobertura também de gran des cápeas do mesmo material, muitas vezes já derruídas e amontoadas no fundo das casotas. A Norte das edificações, muito perto delas, corre um muro espesso, também de pedras grosseiras encasteladas, que se prolonga umas dezenas de metros (figs. 23, 24, 25 e 26). Num dos blocos de cutelo, fazendo de ombreira, numa delas, aparece uma inscrição tosca, de carac teres que em parte parecem modernos e em parte estranhos, e que ainda não foi decifrada.

15Jorge Dias aventa várias hipóteses para a interpretação destas casarotas: 1) uma necrópole pré romana – com base no arcaísmo da construção, no carácter ciclópico de algumas das pedras utilizadas, na tendência a orien tar as suas entradas para nascente, e na sua situação no cimo de uma elevação, longe de terrenos de cultura. O arqueólogo galego Fermin Bouza -Brey, pelas fotografias que viu destas casarotas, admite que elas sejam cons truções que utilizaram pedras dolménicas, ou até os próprios dólmens trans formados. 2) um castro–com base na existência do muro, no isolamento do cabeço, e até no arredondado da planta das casotas. 3) um acampamento militar recente – a tradição local considera de facto as casarotas como construções recentes erguidas por um militar que aí teria acampado com os seus soldados. Jorge Dias aliás relaciona esta hipótese com a anterior: ela seria a versão popular dessa hipotética reminiscência castreja. 4) uma branda.

16A hipótese dolménica não parece de aceitar : nem o tamanho das pedras utilizadas, nem o seu carácter e disposição a tornam possível; acresce que a grande proximidade a que se encontram umas das outras seria incom patível com a existência de mamoas dolménicas. A hipótese castreja parece igualmente inaceitável: embora Joaquim Vicente Pereira Araújo, no seu « Diário Philosophico da Viagem ao Gerês», de 1728, diga que, na Fonte das Maçãs (perto do Vidoeiro), lhe mostraram «ruinas informes de sete cabanas, todas da mesma estofa», que, «por tradição », lhe atestaram «terem sido habitações de mouros», o certo é que nem a forma, nem o tamanho, nem o sistema de construção, nem a disposição das casarotas, nem a paisa gem, têm qualquer coisa de comum com a forma, o tamanho, o sistema de construção, a disposição das casas e aldeamentos e a paisagem castrejos; e o muro também em nada sugere uma muralha castreja.

1 – Serra da Peneda Abrigo debaixo de rocha

1 – Serra da Peneda Abrigo debaixo de rocha

2 – Serra da Peneda Abrigo debaixo de rocha

2 – Serra da Peneda Abrigo debaixo de rocha

3 – Serra da Amarela Abrigo debaixo de rocha

3 – Serra da Amarela Abrigo debaixo de rocha

4 - Serra do Gerês Forno da branda de Chão de Lamas

4 - Serra do Gerês Forno da branda de Chão de Lamas

5 - Ferreinm, Sernaneelhe, Mangualde Construção entre dois rochedos

5 - Ferreinm, Sernaneelhe, Mangualde Construção entre dois rochedos

6 – Vila Cova de Tavares, Mangualde Curral palheiro

6 – Vila Cova de Tavares, Mangualde Curral palheiro

7 – Monsanto da Beira Construção sob um rochedo

7 – Monsanto da Beira Construção sob um rochedo

8 – Serra do Soajo Abrigo cavado na rocha

8 – Serra do Soajo Abrigo cavado na rocha

9 – Sistelo, Arcos de Valdevez Abrigo cavado na rocha

9 – Sistelo, Arcos de Valdevez Abrigo cavado na rocha

10 – Borba da Montanha, Fafe Abrigo cavado na rocha

10 – Borba da Montanha, Fafe Abrigo cavado na rocha

11 – Sendim, Miranda do Douro Abrigo de pedra

11 – Sendim, Miranda do Douro Abrigo de pedra

12 – Almeida, Castelo Mendo Abrigo de pedra

12 – Almeida, Castelo Mendo Abrigo de pedra

13 – Aldeia Nova, Trancoso Abrigo de pedra

13 – Aldeia Nova, Trancoso Abrigo de pedra

14 – Lebução, Chaves Abrigo de pedra

14 – Lebução, Chaves Abrigo de pedra

15 – Jorjais de Perafita, Alijó Abrigo de pedra Lajes de 1,50 a 2,50 m de comprimento e cerca de 1 m de largura

15 – Jorjais de Perafita, Alijó Abrigo de pedra Lajes de 1,50 a 2,50 m de comprimento e cerca de 1 m de largura

16 – Freixo de Espada à Cinta Abrigo de pedra

16 – Freixo de Espada à Cinta Abrigo de pedra

17 – Figueira de Castelo Rodrigo Abrigo de pedra

17 – Figueira de Castelo Rodrigo Abrigo de pedra

18 – Moimenta de Beira Abrigo de pedra

18 – Moimenta de Beira Abrigo de pedra

19 - Serra do Soajo Abrigo de pedra

19 - Serra do Soajo Abrigo de pedra

20 - Serra da Amarela Forno da branda do Vidoal

20 - Serra da Amarela Forno da branda do Vidoal

21 – Serra da Amarela Forno da branda do Vidoal Notar a laje que faz a sua cobertura

21 – Serra da Amarela Forno da branda do Vidoal Notar a laje que faz a sua cobertura

22 – Serra da Amarela Penedo com covinhas onde deitam a comida para os cães em frente ao forno da branda do Vidoal

22 – Serra da Amarela Penedo com covinhas onde deitam a comida para os cães em frente ao forno da branda do Vidoal

23 – Serra da Amarela Casarota

23 – Serra da Amarela Casarota

24 – Serra da Amarela Casarota

24 – Serra da Amarela Casarota

25 – Serra da Amarela Casarota

25 – Serra da Amarela Casarota

26 – Serra da Amarela Casarota

26 – Serra da Amarela Casarota

27 – Cheleiros, Mafra Abrigo em muro

27 – Cheleiros, Mafra Abrigo em muro

28 – S. João dos Caldeireiros Mértola Malhão de xisto. Ao fundo um curveiro

28 – S. João dos Caldeireiros Mértola Malhão de xisto. Ao fundo um curveiro

29 – S. João dos Caldeireiros Mértola Malhão com estevas formando pala

29 – S. João dos Caldeireiros Mértola Malhão com estevas formando pala

30 – Almodóvar Malhão com nichos abertos na parede

30 – Almodóvar Malhão com nichos abertos na parede

31 – Sintra Malhão encurvado

31 – Sintra Malhão encurvado

32 – Terrugem, Sintra Abrigo de pedra

32 – Terrugem, Sintra Abrigo de pedra

33 – Serra da Estrela Malhão

33 – Serra da Estrela Malhão

34 – Serra da Estrela Malhão encurvado

34 – Serra da Estrela Malhão encurvado

35 – Serra de Aire Malhão encurvado

35 – Serra de Aire Malhão encurvado

36 – Almeida Malhão encurvado

36 – Almeida Malhão encurvado

37 – Miranda do Douro Abrigo de pedra e cobertura de ramagens

37 – Miranda do Douro Abrigo de pedra e cobertura de ramagens

38 – Sátão Abrigo de pedra e cobertura de materiais vegetais

38 – Sátão Abrigo de pedra e cobertura de materiais vegetais

39 – Serra do Gerês Forno da branda da Calcedónia

39 – Serra do Gerês Forno da branda da Calcedónia

17Segundo Jorge Dias, as casarotas da Amarela seriam as casas de uma branda de tempos antigos em que cada dono acompanhava apenas o seu rebanho às pastagens altas da serra, onde tinha o seu abrigo; tendo se posteriormente descoberto uma maneira mais cómoda de realizar esse tra balho, mediante uma organização colectiva em que dois pastores, substi tuídos diàriamente por outros dois, à vez por todos os vizinhos, só preci sam de passar uma noite na serra, para o que lhes basta uma cabana em cada lugar de pernoita, as casarotas ter se iam abandonado, e paulatinamente arruinado. Aliás, nas brandas do Soajo e da Peneda, contíguas à Amarela e Gerês, vêem se sempre casotas em grande número (embora normalmente em falsa cúpula) ; para quem venha desprevenido dessas paragens, o aspecto das casarotas não suscita qualquer dúvida quanto à sua natureza de fornos de uma branda. Esta hipótese contudo apresenta certas dificuldades: de facto, nas brandas da Amarela e do Gerês encontra se normalmente apenas uma única casota isolada (e, salvo muito raras excepções, do sistema de falsa cúpula); mal se compreende que, nessas duas Serras, não se encontrem quaisquer vestígios de outras brandas com várias casotas, como aqui, que corresponderiam a esse regime mais antigo de pastoreio local; e também que desaparecesse totalmente da memória das gentes dali qualquer lem brança de que aquele aglomerado de construções tivesse jamais sido uma branda, e mesmo que tivesse por ali havido uma branda desse género. Esta branda indigitaria um certo individualismo na organização pastoril da região, que teria então precedido as actuais formas comunitárias – o que supomos contrário à realidade dos factos, e do qual também não existe memória.

  • 29 ) Jorge Dias , «As Casarotas da Serra Amarela », in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XI, (...)

18Resta assim a hipótese de se tratar de um acampamento militar recente, que nos parece de ponderar. Na verdade, da zona da Portela do Homem, nas palavras de Tude de Sousa, «foram de recear sempre, desde os primeiros tempos da nacionalidade... como o foram depois de 1640 nas guerras da Restauração e ainda mais tarde, as incursões que viessem perturbar a paz do reino, como o foram também... nos primeiros anos... da República, contra as incursões preparadas em frente e abaixo daquele ponto da fron teira». Por isso, «desde D. Dinis, com confirmação de D. Manuel e outros posteriores, os povos vizinhos da Portela do Homem gozavam, por contratos com a coroa, de privilégios especiais» – isenção de dar soldados, cavalos e éguas e palhas – «em troca da obrigação de defenderem à sua custa aquele ponto contra as invasões galegas». «A sede das concentrações para a defesa era a freguesia de S. João do Campo...» Em 1801 esteve ali instalado, nos pontos estratégicos, alguma artilharia do Porto. Mas o que mais notável tornou aquela zona «foram as emigrações políticas que por ela fizeram por tugueses foragidos, que na Espanha procuravam... refúgio ». Em 1828, Bernardo de Sá Nogueira, fugindo à perseguição miguelista, demanda o Gerês, enquanto aguarda autorização para poder entrar em Espanha, ali ficando, com «alguns milhares de almas, sem abrigo e sem conforto, tendo por leito as duras arestas das rochas e por tecto único as nesgas do céu que as altas cumeadas deixam aperceber» (29).

19É pois possível que a tradição local corresponda, mais uma vez, à realidade histórica, e que as casarotas tenham sido construídas para servirem como abrigos militares.

  • 30 ) Vergílio Correia, «As cabanas de Assafarja », in: «A Águia », Porto, 1915, p. 7.

20Perto de Coimbra, na Assafarja, no Cabeço de Santo Amaro, Vergílio Correia assinala, a par de outras em falsa cúpula, certas cabanas também inteiramente em pedra, de calcário, acanhadas, servindo de abrigo sobre tudo para animais: sobre duas paredes paralelas, de pedra solta, ligadas por uma terceira num dos topos, pousam duas ou três lajes de lés a lés a toda a largura do vão, que fazem a cobertura; por vezes, em vez de uma das paredes, aproveitam se os afloramentos naturais do calcário, onde assenta, desse lado, a cobertura ; não existe porta – todo um lado do rectân gulo fica aberto (30).

2 – A brigos em muros e socalcos

21Os muros divisórios de propriedade ou, do mesmo modo, os de suporte em encostas socalcadas e aqueles que, em certas zonas, se erguem para arru mação da pedra solta que impede ou dificulta o amanho da terra, podem também servir para a construção de abrigos, que, nestes casos, são geral mente muito precários, e servem apenas de refúgio momentâneo e ocasional contra chuvadas, ventanias ou sol, em áreas desabrigadas.

22É em especial nos socalcos de xisto que esse aproveitamento se faz mais regularmente. Em algumas encostas da região do Tua, por exemplo, podem ver se grandes lascas daquela pedra que, quando as condições dispen saram a construção de uma parede contínua, cobrem o vazio deixado nesse sector, que pode então ser utilizado como abrigo. Em certos casos raros, tal disposição parece mesmo ter sido feita propositadamente, com o fim específico de dar origem a um abrigo. Nas áreas calcáreas, onde a pedra da limpeza das terras agricultadas se encastela em muros de grande espes sura, acontece abrirem se abrigos metidos nesses muros de modo claramente intencional. O tecto desses abrigos é feito de pedras grandes, ora pousadas horizontalmente sobre o vazio aberto no muro, ora dispostas em avanço sucessivo até o taparem. Na região de Sintra e Mafra, entre Terrugem e Alvarinhos, e no Vale de Cheleiros, por exemplo, vêem se alguns abrigos desta espécie (fig. 27) (ao mesmo tempo que muitos outros, sem cobertura – os malhões – de que a seguir trataremos), que aproveitam a esquina de espessos muros divisórios de propriedades, sobre a qual colocam uma cober tura que pode ser uma ou mais lajes de formas acidentais variáveis conforme o material que houver à mão, e que a gente que trabalha nos campos procura para se abrigar contra as chuvas ou a nortada que varre esta zona, despida de arvoredo protector.

3 – Malhões

23Numa forma ainda mais precária e simplificada, estes abrigos contra o vento e o sol são apenas uns grosseiros muros de pedras secas encasteladas, sem qualquer cobertura, voltados contra a direcção do vento dominante, e a que no Alentejo dão o nome de malhões. Esses malhões, nos casos melhores, formam um recanto; na sua forma mais elementar e comum, porém, não passam de uma pequena torre ou bloco espesso de pedras mais ou menos chatas, contra o qual as pessoas se encostam. Na região compreendida entre Almodóvar e Mértola, até Castro Verde, e nas lombas de xisto queimado, desabrigadas e ermas, da serra algarvia confinante – uma paisagem nua e triste, de ondulações descarnadas, sem árvores, em que apenas ao longo das baixas e barrancos crescem escassas filas de loendros –, abundam malhões deste género (a par de currais também de pedra para os rebanhos), feitos por pastores e maiorais para se protegerem contra o vento e o sol escaldante (fig. 28); sobre essas paredes, de placas brutas de xisto, com uma altura que regula entre 1,50 e 2 m, os pastores atravessam uma braçada de estevas, • cal cando lhes o couce com pedras, de modo que as pontas da ramagem avan cem para fora da parede como uma pala (fig. 29); dessa maneira conse guem uma magra tira de sombra – a única por vezes num raio de alguns quilómetros –. Com relativa frequência, e sobretudo mais para os lados de Almodóvar, surgem também malhões com as paredes em recanto, encur vadas em ângulo recto ou muito aberto, e em forma de ferradura ; pedras encostadas à base da parede fazem vulgarmente de assento ; nos malhões maiores deixam se muitas vezes um ou dois nichos na espessura das pare des, um dos quais grande, também para servir de assento (fig. 30).

24Na região de Sintra, a par dos outros abrigos de pedra, cobertos, de que já falamos, vêem se, como também dissemos, malhões de factura ainda mais rudimentar do que os alentejanos, constituídos por pequenos muros baixos e extremamente toscos, direitos ou encurvados (fig. 31). Especialmente na zona entre a vila e a Ericeira, que é fortemente batida da nortada, tais abrigos são frequentes, e muitos têm altura inferior a 1 m. Eles são erguidos por pastores ou gentes que trabalham a terra, muitas vezes na própria ocasião em que os vão utilizar (fig. 32).

  • 31 ) A respeito de um desses malhões, Leite de Vasconcelos, segundo a informação do guia que o acompan (...)

25Nos altos da Serra da Estrela, por seu turno, abundam malhões destes tipos, ora simples blocos ou torres maciças e esguias, de base quadrada ou arredondada, com cerca de 1 a 1,50 m de lado e 1,50 a 2 m de altura, ora formando recantos (figs. 33 e 34), também usados pelos pastores como abrigos contra o vento (31). E o mesmo sucede na Serra de Aire (fig. 35), na região de Almeida, entre a vila e a fronteira de Vilar Formoso (fig. 36), etc.

b) Abrigos em pedra e materiais vegetais

  • 32 ) Ver Nota 7 (final).

26Em algumas partes do País, encontram se abrigos com paredes de pedra, mas cuja cobertura é em materiais vegetais, e que se podem também consi derar uma forma morfológica e cronològicamente primária de habitação (32 ). Relativamente escassos como abrigos qualificados, pequenos e de construção precária e descuidada, eles são de planta ora redonda ora quadrangular, e apresentam se em regra como casos esporádicos e isolados, soluções impro visadas e grosseiras, sem qualquer estilo, muitas vezes mesmo no meio de outros tipos locais normais.

27Em Trás os Montes, encontramos abrigos desta categoria por exemplo em Miranda do Douro – um exemplar de planta redonda e parede de xisto em seco, com uma cobertura de ramagens dejima só água, a descair para a frente, servindo para guardar utensílios de trabalho agrícola (fig. 37) –, e também em Vila Boa (Vinhais) e Grandais (Bragança), onde se vêem, do mesmo modo, nos campos e sobretudo nas vinhas, peque nos abrigos igualmente de paredes de xisto em seco, mas em geral de planta quadrangular, com cobertura de uma ou duas águas, em colmo.

28Na Beira Alta, estes abrigos são em geral de planta quadrangular e muito frequentes; encontramo los na Lageosa do Mondego (Guarda), Cas taíde (Trancoso), Cedovim (Penedono), Seia, Moimenta da Serra (Gouveia), etc., todos com cobertura de duas águas; e em Tarouca, Caria (Moimenta da Beira), Sátão, etc., com cobertura de uma só água, que nesta última região é de ramagens de giesta e pinheiro (còmo nas cabanas de cobertura cónica da mesma área), montadas numa armação tosca de caibros e travessas, por vezes encostada a grandes penedos (fig. 38). Em Sequeiros (Aguiar da Beira) vimos uma cabana de guarda nos campos, de planta circular, com paredes de pedra compostas de grandes blocos de granito – dois enormes, ladeando a abertura de entrada – e cobertura cónica de giesta, assente numa armação de troncos de pinheiro.

  • 33 ) F. Tavares de Proença (Jor.), «Sobrevivências, Typos e Costumes, Relativos especialmente à Beira (...)

29Na Serra da Estrela, no Covão da Mulher, Tavares de Proença assinala uma cabana da categoria que aqui nos ocupa, que servia de abrigo a dois machos (ao lado de outras do mesmo género, pequenas, para arrumo de lenhas e casota de cão, e de outra ainda, de pedra, em falsa cúpula, que era a habitação do pastor); media 1,90 m de altura, a cobertura era de paus ou caibros entretecidos com mato e urze, e a porta, cuja padieira era um desses paus, tinha a altura da própria parede (33).

  • 34 ) Rocha Peixoto, «A Pedra dos Namorados », in «Portugália», I, Porto, 1899 1903. p. 807.

30Finalmente, na serra minhota, nomeadamente no Gerês (onde aliás, como dissemos, predominam os abrigos em falsa cúpula) encontramos, como forno dos currais, pastoris, e ao lado de um ou outro semi natural, alguns abrigos que se podem considerar também deste tipo. Na Calcedónia, por exemplo, vimos um, de planta grosseiramente quadrada, com paredes em grossos blocos de granito subindo a cerca de 1,50 m de altura e terminando, no lado de fora, por uma espécie de capeado, e, no de dentro, aos cantos, por umas mesas salientes; a entrada aproveitava, para ombreira, um rochedo. A cobertura compunha se de outras lajes de pedra, que levavam sobre elas camadas sucessivas de torrões, formando um cone irregular e elevado, com estacas de pau nele espetadas para firmarem a terra; mas ela assentava sobre oito enormes troncos de carvalho mal desbastados, que iam de lés a lés pousados nas paredes, paralelamente à porta. No interior, ao lado da porta, num canto, situava se a lareira. E temos também a indicação de um aglo merado de abrigos deste género nas Cortes de Bilhares, na Serra da Ama rela, «pequenos casinholos dispostos em grupo e de forma quadrada, com uma só porta de ingresso e saída, coberturas de colmo e apicotadas, ele mentarmente edificadas de pedra solta» (34).

31Actualmente, por toda a parte, estes abrigos, a despeito da rudeza elementar da sua construção, apresentam já, como cobertura, um telhado de uma ou duas águas, em telha, assente numa armação vulgar de caibros e ripas. Na Bairrada, eles têm mesmo as paredes de adobes.

c) Abrigos inteiramente em materiais vegetais

  • 35 ) Nos próprios termos de Leroi Gourhan, op. loc. cit., como dissemos (ver Nota 8), «os milhões de s (...)

32Como vimos, a par e mesmo antes talvez das cavernas e grutas, o homem pré histórico, nos primórdios da vida humana sobre a Terra, a partir dos confins do Paleolítico Antigo, para se abrigar durante os períodos quentes, as deslocações, e por toda a parte onde não encontrava essas viven das naturais sob rocha, ergueu, igualmente em locais convenientemente situados – perto de água (nos tempos mais antigos, nas margens dos rios que correspondem hoje aos seus terraços mais elevados), ou de terrenos de caça, pesca ou jazidas de materiais para o fabrico de armas e utensílios –, pequenas construções em materiais vegetais, mais ou menos estáveis e dura douras, mas ràpidamente perecíveis, e que por isso não deixaram quaisquer restos ou vestígios; as suas formas porém, por essa razão, não se conhecem com segurança, e só conjecturalmente se podem estabelecer(35).

33Ainda hoje, em várias partes do País, se encontram diversas espécies de abrigos apenas em materiais vegetais, ora fixos ora móveis e transpor táveis, uns isolados ou em exemplos raros, outros extremamente frequentes e por vezes mesmo obedecendo a tipos locais sumàriamente definidos, muitas vezes – mormente no caso dos abrigos fixos – representando soluções ele mentares improvisadas e sem qualquer uniformidade, ditadas por razões circunstanciais, e mais ou menos engenhosamente concebidas, conforme a inventiva dos seus autores.

1 – Abrigos fixos

34Os abrigos fixos inteiramente em materiais vegetais são em regra de construção extremamente precária, e apenas de utilização temporária ou ocasional, geralmente em relação com determinadas actividades agrícolas – nomeadamente guarda de campos, vinhas, meloais, etc. (e ainda, num outro plano que aqui nos interessa secundàriamente, anexos agro pecuários, tais como pocilgas, currais, galinheiros, casotas de cão, cobertos para arru mos de carro e alfaias, etc.) –. Pode se porém supor que eles representam uma velhíssima tradição de construir que, primeiramente, visava verosimil mente a própria vivenda local.

  • 36 ) H. Breuil e R. Lantier, op. cit., referindo se aos abrigos ao ar livre, nos períodos quentes, do (...)
  • 37 ) No plano etnológico, como formas mais simples e primitivas de abrigos arti ficiais – ou seja cons (...)
  • 38 ) Montandon, op. cit., como formas directamente derivadas «sem qualquer inter mediário» desses mais (...)

35Não falando dos troncos ocos dos grandes castanheiros que muitas vezes servem de refúgio contra chuvadas bruscas, em terras trasmontanas (fig. 46) e beiroas (36), as mais rudimentares das actuais construções deste género que conhecemos entre nós, e que como dissemos se pode sem dúvida supor que não diferem essencialmente dessas mais antigas vivendas huma nas (37), são pequenas cabanas do género de cobertura parede, em que paredes e cobertura são um elemento único não diferenciado, e ora de planta circular e formato geral cónico, cuja estrutura é uma armação de paus dispostos em redondo, espetados no solo e enganchados ou amarrados no centro, ao alto, e recobertos de um revestimento de giesta, esteva, às vezes sobre ramagens de pinheiro, eucalipto ou outras árvores, que prendem nos paus mal esgalhados, e que deixa à frente, entre dois paus, um sector aberto e inclinado, para a entrada (figs. 40 e 41); ora de planta quadrangular, constantes por seu turno de uma grosseira armação de paus espetados no solo, que se revestem de ramagens ou palha (por vezes presas entre canas horizontais) (figs. 42, 43 e 44), formando duas águas; ora ainda de planta triangular, tendo à frente dois paus ou varas inclinadas, entre as quais fica a abertura de entrada, amarradas ou engalhadas de modo a formarem uma pequena forquilha a meio, no alto, donde parte um pau de cume rectilíneo, que descai para trás até ao solo, e sobre o qual apoiam, mais ou menos distanciados uns dos outros, os caibros aos pares, um para cada lado, paralelos aos da entrada e amarrados como estes, em tamanhos decres centes da frente para as traseiras, espetados no solo, em número variável conforme as dimensões da casota (fig. 45 e des. 1a) (38).

Des. 1 – Abrigos de materiais vegetais fixos: a) S. Pedro da Cadeira, Torres Vedras. Canas recobertas por palha de fava. b) Santiago de Cacém. Esqueleto dum abrigo,
c) S. Pedro da Cadeira, Torres Vedras. Canas dispostas em duas águas.

Des. 1 – Abrigos de materiais vegetais fixos: a) S. Pedro da Cadeira, Torres Vedras. Canas recobertas por palha de fava. b) Santiago de Cacém. Esqueleto dum abrigo,c) S. Pedro da Cadeira, Torres Vedras. Canas dispostas em duas águas.

36De todos estes géneros aparecem exemplos dispersos em muitas partes, e por vezes outros que se podem considerar como suas variantes. Entre Espinho e Ovar, ao Sul do Douro, por exemplo, vêem se abrigos deste tipo, de planta quadrangular, de duas águas, com aspecto e estrutura – de caibros e ripas – semelhantes aos das cabanas de palha milha a que adiante nos referiremos, e revestidos com essa mesma palha ou, mais frequentemente, com a palha caniça que vão buscar aos alagadiços da beira mar ou da Ria de Aveiro, que dura mais tempo e dá melhor cobertura ; por vezes o seu cume é vedado com colmo. Na Beira Alta (onde aliás abundam diversas outras espécies de construções em materiais vegetais), por sua vez, encontra mos também com bastante frequência – por exemplo nos concelhos de Viseu, Mangualde, Castendo, Fornos de Algodres, Celorico, Gouveia, etc., e também de Aguiar e Sernancelhe a Moimenta e Tabuaço –, abrigos deste tipo, com certo predomínio dos de duas águas e planta rectangular; numa área limitada da região de Sátão, no Avelal, predominam, pelo contrário, os abrigos cónicos (que se assemelham a outros móveis, muito correntes também nesta Província, e que adiante estudaremos), de feitura cuidada, e para guarda de campos: dispostas em círculo, espetam se no chão umas oito varas, de pinheiro ou carvalho, fixas no alto, em entalhes abertos num pião de pau (para o que as pontas das varas são adelgaçadas e facejadas) travadas por três ou quatro paus pequenos pregados a elas, muito no alto, e dispostas diametralmente; à volta deste cone pregam se arcos de varas finas, geralmente em número de cinco; o colmo é passado em feixinhos sobre estes arcos, atados com vencilhos de palha; em cima, o remate é, como nas medas, feito com o enrolamento de um cordão de palha; a entrada ocupa a largura entre duas varas, e tem 50 a 70 cm de altura (fig. 41).

  • 39 ) J. Leite de Vasconcelos, «Pela Beira», p. 307, fig. 13. O Autor, citando Angel del Castilllo, not (...)

37Na Beira Baixa, em Medelim, Leite de Vasconcelos viu também um choço cónico deste mesmo tipo, servindo de abrigo de pernoita de guarda de vinhas e meloais: com 1,26 m de diâmetro na base, ele era formado de estacas «postas em redondo», revestidas de palha de centeio atada com vimes ou baraças desse mesmo material; ao vértice deram o nome de rabicheiro ou rabicho, e era igualmente de palha; em redor do choço via se um rego por onde corria a água da chuva que escorria pela parede abaixo (39).

38Em diversas áreas ao Sul do Tejo, designadamente sobretudo na região litoral entre Alcácer do Sal e S. Teotónio, na passagem para o Algarve, encontra se com muita frequência um outro género de abrigo de duas águas, também descaindo para trás como os que atrás descrevemos, mas, neste caso, com o pau de cume arqueado (e os caibros do mesmo modo (des. 1 b)); a sua planta é por isso semi circular e a sua forma geral irregularmente semi cónica (semelhante, num estádio mais simples, às choças móveis de pastores da área de Nisa que adiante descreveremos, com as quais se rela ciona possìvelmente) ; a cobertura vegetal é muitas vezes revestida de uma espessa camada de terra ou barro amassado (fig. 45). Estas construções, que parecem corresponder a uma forma local mais definida, servem por vezes de abrigos humanos, mas na maioria dos casos são pocilgas ou galinheiros, e então a sua entrada é tapada com esteiras ou ramagens, deixando apenas uma pequena abertura rente ao solo.

  • 40 ) Leroi Gourhan, op. cit., entre os tipos mais primitivos de armação, inclui este: quatro prumos em (...)

39Para o cultivo do melão – que Lisboa e outras terras do sul consomem em quantidades enormes – nos campos do Tejo, onde se situa a área de maior produção deste fruto, as pessoas da região (mas por vezes de lugares muito afastados) arrendam aos grandes proprietários da lezíria parcelas de terra, onde o semeiam juntamente com o tomate e também o feijão, a um preço calculado por unidade de superfície. Em Abril, no início da época, trazem em carroças ou camionetas o material – tábuas, canas, palhas e rama gens – para a construção das barrocas em que se instalam para o efeito, e onde vivem até Setembro, quando termina a época. Essas barrocas dispõem se geralmente ao longo dos caminhos, e apresentam uma uniformidade de estilo que permite falar, a seu respeito, de um tipo local definido, que porém se pode apresentar com uma feitura melhor ou mais simples. Na região de Azambuja e Cartaxo, por exemplo, esta instalação compreende duas barrocas contíguas, a que se segue um grande coberto, tudo inteira mente naqueles materiais vegetais: a primeira barroca, onde as pessoas dor mem, de planta quadrada ou ligeiramente alongada, e com dois ou três metros de largura, é feita de quatro painéis de tabuado vertical com matajuntas delgadas, constituindo as paredes; um desses painéis tem um pequeno postigo, sem vidraça. Em muitos casos, apenas o painel frontal é de tabuado, sendo os restantes em esteiras de bunho. A segunda barraca, colada a esta e de igual tamanho, e onde se cozinha e come quando está mau tempo, ser vindo além disso de arrecadação do pipo de vinho, géneros alimentícios, utensílios e materiais da lavoura, etc. – e a que por isso chamam cozinha, e, por vezes, humoristicamente, adega –, tem como esqueleto quatro estacas verticais, espetadas no chão, uma em cada canto (e às vezes, mais raramente, outras, intermédias), ligadas por varas em cima, amarradas com arames e servindo de frechai : entre elas firmam se as paredes, que são sempre em esteiras de bunho (compradas nas lojas), postas a prumo e apertadas entre três pares de canas horizontais, uma por fora e outra por dentro, em alturas diferentes, ligadas com arames (40) (des. 2). Destas duas barracas, parte, para a frente ou para o lado, o grande coberto, de palha, canas ou ramagens, a que chamam o sombreiro. É nele que normalmente comem, descansam ou dormem a sesta, e abrigam o melão colhido (fig. 47). A cobertura das barracas, era de colmo, por toda a parte (e é o ainda hoje por Salvaterra de Magos e Benavente, por exemplo, onde as barracas são de construção mais precária, porque as pessoas ali têm as suas casas perto); mais tarde apareceu a telha, e hoje generalizou se a chapa ondulada. Não há barroca que não tenha o seu galinheiro, e quase todas têm pocilga, porque o porco aproveita o produto que não está em condições de ser vendido. Algumas dispõem ainda de sentina, afastada umas dezenas de me tros no meio do campo.

  • 41 ) Em Reguengos de Monsaraz vimos um abrigo de meloal que não era mais do que uma grande quantidade (...)

40No Alentejo, estas barracas, muitas vezes de caniço e tendo igualmente anexo o coberto, do mesmo material ou de ra magens para o produto colhido, e situa das geralmente junto às estradas, apare cem também com frequência, mas são geralmente de construção muito rude e precária e não seguem qualquer forma local definida (41) ; muitas vezes sofrem a influência dos abrigos de pastor usados nas regiões respectivas, dos quais empregam esteiras velhas ou rudimentarmente imitadas (fig. 48).

Des. 2 – Reguengo. Cartaxo. Planta esquemática duma barroca de cul tivador de meloais.

Des. 2 – Reguengo. Cartaxo. Planta esquemática duma barroca de cul tivador de meloais.

41Na região compreendida entre Torres Vedras e o mar, onde abunda a cana, que é utilizada para inúmeros fins, são frequentes os abrigos feitos nesse material, mormente nas vinhas; umas vezes, esses abrigos são de planta quadrangular, ora de duas águas (fig. 50 e des. 1 c), ora com uma cobertura horizontal igualmente de canas; outras vezes, eles são de planta circular, constituídos por um cone de canas que se encostam simplesmente a qualquer árvore; etc.

42Num caso excepcional, em Gião, no concelho de Loures, perto de Lisboa, para guarda de campos, vimos um abrigo também de planta quadrangular e de duas águas; mas, em lugar do cume, tem duas varas paralelas, afastadas cerca de 50 cm: os prumos, de pinho, enterram se no solo, atrás e à frente, com a entrada enquadrada entre dois deles; sobre eles correm, de cada lado, as duas varas do cume, das quais se lançam, até ao solo, os caibros inclinados; a cobertura dos lados e das empenas é em palha, presa entre vários pares de varas horizontais amarradas umas às outras e recobertas com ramagens de pinheiro e mato (fig. 49).

Des. 3 – Águas de Moura, Setúbal. Abrigo do guarda das pilhas de cortiça, feito de pranchas desse material.

Des. 3 – Águas de Moura, Setúbal. Abrigo do guarda das pilhas de cortiça, feito de pranchas desse material.

43Em certas regiões de sobreiros, vêem se por vezes pequenos abrigos de guarda das pilhas da cortiça já apanhada, feitas de pranchas desse material; num exemplo perto de Águas de Moura (Setúbal), essas pranchas, muito grandes, dispunham se – a partir de uma vara fazendo de cume, passada entre um sobreiro e um prumo baixo à frente – em duas águas, encostadas umas às outras com o lado côncavo para fora, e outras com o convexo, recobrindo as juntas; o cume era tapado também por pranchas idênticas com o lado côncavo para baixo, sobre a junta das duas águas; pedaços pequenos de cortiça empilhados uns sobre os outros faziam a vedação nas empenas, atrás e à frente; e aqui ficava, a um lado, a porta feita de outra prancha mais ou menos direita, que girava em dobradiças fixas ao prumo central do cume (des. 3).

2 – Abrigos móveis

Esteiras e choços de pastores

  • 42 ) Ver adiante Capítulo 2 – B – (Falsa cúpula). Note se que, na Serra da Es trela, os pastores dorme (...)

44Nos terrenos vastos e abertos do Leste – planalto trasmontano, Beiras Interiores, Alentejo, e também o Ribatejo – o pastoreio, com os seus aspec tos sensíveis embora atenuados de mobilidade e isolamento, e a rudeza da vida primitiva do pastor, traz até aos nossos dias um reflexo do carácter que tinha em remotas eras. Em algumas zonas serranas do Noroeste e Nordeste, as vezeiras ou vigias – rebanho colectivo de todos os vizinhos, guar dado, nos pastos altos, à vez por pessoas de cada casa – parece sem dúvida representar uma sobrevivência de vetustas formas comunitárias pré romanas. Essas vezeiras nortenhas passam o dia no monte; mas, ao cair da tarde recolhem seja à aldeia, se ela é próxima, seja, nas serras de mais vulto – o Gerês, a Amarela, a Peneda e o Soajo –, aos abrigos, onde pernoitam, sob a vigilância dos guardas, e onde vêm de manhã ter os que revezarão estes para a vez seguinte (42).

45Naquelas terras do Leste, porém, os rebanhos (que são pertença dos lavradores locais ou vêm de longe numa derradeira sobrevivência de transu mância), geralmente conduzidos por pastores assalariados, passam grande parte do ano sem recolherem ao curral : ao entardecer, são encaminhados para o local – em regra nos terrenos aráveis do seu dono – onde foi mon tada uma vedação de cancelas móveis ou redes, formando um quadrilátero – o bardo, redil, caniço, cancela ou cancelada, aprisco (onde se ordenham as ovelhas) ou cerro (figs. 51 a 56) –, de modo que, de manhã, a terra onde se situava o bardo encontra se fortemente estrumada com o frago dos animais; os bardos vão se deslocando diàriamente, estrumando se, de cada vez, novos pedaços de terra. É de resto este o grande processo de adubação natural destas regiões, onde predomina a cultura extensiva.

  • 43 ) Falando dos abrigos dos pastores da região de Castelo Branco (ver Nota se guinte), Tavares de Pro (...)
  • 44 ) Quando os gados «têm necessidade de percorrer grandes extensões de terreno aonde não haja abrigo. (...)

46Ao lado dos bardos, os pastores, por seu turno, instalam os abrigos onde dormem, mais ou menos protegidos do vento, do frio e da chuva, e onde guardam a louça em que cozinham, os recipientes da ordenha, e o pouco mais de que necessitam (figs. 52, 53, 54, 55 e 57) (43). Esses abrigos ou guarda ventos, nestes casos, são também móveis, para acompanharem as deslocações dos bardos e dos rebanhos (44); e apresentam se então ora como esteiras ou como choços de vários tipos, que se pousam sobre o solo (e que, para as pequenas deslocações, o pastor carrega ele mesmo às costas, e para as de maior amplitude, são transportadas por animais ou no carro de bois, juntamente com as cancelas do bardo (fig. 58)), ora como abrigos construídos mesmo sobre carros. Ocupar nos emos a seguir destes abrigos pròpriamente ditos, esteiras e choços ; e adiante, dos abrigos sobre carros.

  • 45 ) Num exemplo excepcional, em Figueira de Castelo Rodrigo, vimos um abrigo deste tipo em que a este (...)

47Dos abrigos móveis de pastor, o tipo mais elementar é o guarda vento de esteira, que consiste num taipal ou grade quadrangular de ripas de madeira forrada de material vegetal – geralmente de palha, às vezes coberta depois de giesta (Freixo de Espada à Cinta), junco ou bunho, plana ou ligeiramente encurvada, que se coloca voltada contra o vento, inclinada e amparada por uma ou mais raramente duas estacas com forca (figs. 59 e 60), defendendo assim, precàriamente, o pastor que se deita sob ela, num pequeno espaço que fica aberto pelos demais lados (45).

48A despeito da singeleza deste abrigo, os sistemas de sustentação da palba na grade de madeira – que adiante estudaremos – são bem conce bidos e, por vezes, relativamente complexos, e correspondem, em alguns casos, a determinadas áreas.

  • 46 ) Ver Nota 40, acerca dos guarda ventos do tipo auvent, duplos, que parecem corresponder exactament (...)
  • 47 ) Por exemplo em Belmonte, na estrada para o Sabugal.

49Numa segunda forma, que se pode evidentemente considerar a elabo ração directa do guarda vento de esteira simples, o abrigo é formado por duas esteiras, geralmente encurvadas, e que apoiam uma contra a outra, ficando com o aspecto de uma tenda de duas águas (46). Geralmente, ambas as esteiras são iguais, e encostam, em cima, uma contra a outra, amarradas por cordas ou arames; por vezes, elas ficam amparadas, além disso, por esta cas, como no caso anterior (figs. 61, 62 e 63). Em exemplos mais raros, uma das esteiras é maior ou de melhor factura do que a outra (47) e apoia se contra a ripa do alto da mais baixa (fig. 67).

50Em certas regiões usa se, nos abrigos de esteiras, um anteparo que, encostado à esteira, de lado, faz de resguardo lateral. Geralmente esse ante paro consiste, tal como a esteira, numa grade de ripas forrada a palha ou ramagens; e pode ser quadrangular ou, mais frequentemente, triangular, ajustado à inclinação da esteira, encostando se, no primeiro caso, a esta, pelo lado de fora, amparado a uma estaca, que engancha numa das suas ripas; e, no segundo, ficando já sob o bordo da esteira, que pousa sobre ele (figs. 64 e 65).

  • 48 ) Montandon, op. cit., refere também os anteparos dos guarda ventos duplos, ora verticais ora em ab (...)

51Nos abrigos de duas esteiras, estes anteparos usam se quase sempre, e apenas de um lado, fazendo o fundo do abrigo; mas eles usam se também nos de uma só esteira, e, nestes casos, por vezes usam se mesmo dois ante paros, um de cada lado da esteira (fig. 66). Noutras regiões, o anteparo lateral é, não plano como o que acabamos de descrever, mas semi cónico, formando como que um pequeno absidíolo junto à esteira, que dá maior comprimento ao abrigo, e que corresponde à cabeça e busto do pastor deitado (figs. 67, 68 e 69) (48); estes anteparos em absidíolo relacionam se com certos choços, a que adiante nos referiremos. Noutras regiões ainda, pelo contrário, em lugar destes anteparos, amontoam se simplesmente molhos de giesta ou ramalhuça junto aos lados da esteira, de modo a vedar um pouco esses lados (fig. 70).

Des. 4 Vila Boa, Belmonte. Aspecto geral dum abrigo móvel de pastor e esquema da sua estrutura. A esteira é quadrada, com 1,70 m de lado.

Des. 4 Vila Boa, Belmonte. Aspecto geral dum abrigo móvel de pastor e esquema da sua estrutura. A esteira é quadrada, com 1,70 m de lado.
  • 49 ) Em Portalegre, os antigos abrigos, ao que parece, eram choços cónicos ou semi cónicos; mas com as (...)
  • 50 ) Em Torre das Vargens e Ponte de Sor encontram se abrigos de duas águas, mas em tabuado.

52Em Trás os Montes, o tipo fundamental das cabanas de pastores, onde estas existem (porque em muitas partes em vez delas usa se o abrigo sobre carros) é de uma só esteira plana, apoiada numa ou, mais raramente, em duas estacas oblíquas. Em Terras de Miranda vimos resguardos laterais em molhos de giesta amontoada, ou (por exemplo em Duas Igrejas e Genísio) em grade de ripas quadrangular revestida de palha. Na Beira Alta, no dis trito da Guarda, predomina também o abrigo de uma só esteira. Na zona de S. João da Pesqueira e Foscôa, em Figueira de Castelo Rodrigo e em Belmonte, usam se os dois anteparos laterais triangulares, um de cada lado (des. 4); por vezes, designadamente em Belmonte e Sabugal, por exemplo, um desses anteparos é semi cónico (des. 5). Em muitas partes da Beira Baixa e do Alentejo – em Penamacor, na Idanha, em Castelo Branco, e também em Belmonte, e em Beja, Castro Verde, Eivas, Redondo, Viana do Alentejo, Reguengos de Monsaraz, Portalegre (49), etc. – predomina por sua vez o abrigo de duas esteiras (50), completadas normalmente com o anteparo triangular– o cancelim (Fronteira, Cabeço de Vide) ou espelho (Redondo) – que faz o fundo do abrigo; o outro lado fica aberto, sendo aí a entrada. Em algumas dessas regiões alentejanas, na zona do Alandroal para Elvas, e sobretudo em Arronches, e, em alguns casos em Portalegre, estes abrigos de duas esteiras são muitas vezes duplos : juntos de topo, um deles, geralmente o da frente, maior e acavalando ligeiramente o outro (fig. 71); o de trás, para dormir, com o fundo fechado por um anteparo triangular, o da frente, por onde se entra, para arrecadação dos parcos uten sílios de que o pastor necessita, e lugar onde este por vezes cozinha, se senta e come. Noutros casos, por exemplo em Santa Eulália (Elvas), vimos abrigos deste mesmo tipo que são mesmo triplos: dois deles, como os anteriores, onde o pastor dorme e guarda a sua utensilagem, o terceiro onde faz o fogo e cozinha quando chove ou está frio; os dois primeiros são fechados, atrás pelo habitual anteparo triangular de palha, à frente por outro do mesmo formato, de tabuado, com a porta de entrada a meio, dando para o terceiro abrigo, que é aberto à frente, com a entrada protegida por dois anteparos triangulares que se dispõem e deslocam conforme a direcção do vento.

Des. 5 – Caria, Belmonte. Neste exemplar, a esteira foi alongada pelo comprimento da palha. Anteparos triangular e em absidíolo. Este último tem como esqueleto uma forca de três galhos, com vergas grossas servindo de ripagem, amarradas com vergas delgadas, a) Pormenores do esqueleto do absidíolo, e disposição dos feixes de palha, b) Processo de enlaçamento dos feixes, com verga delgada. c) Remate frontal do absidíolo.

Des. 5 – Caria, Belmonte. Neste exemplar, a esteira foi alongada pelo comprimento da palha. Anteparos triangular e em absidíolo. Este último tem como esqueleto uma forca de três galhos, com vergas grossas servindo de ripagem, amarradas com vergas delgadas, a) Pormenores do esqueleto do absidíolo, e disposição dos feixes de palha, b) Processo de enlaçamento dos feixes, com verga delgada. c) Remate frontal do absidíolo.
  • 51 ) Referido a Formieola, na Campania (Itália), vemos uma cahana de pastor deste tipo, estreitamente (...)

53Nos arredores de Castelo Branco, enfim, as cabanas de duas esteiras (de giesta), com anteparo em absidíolo num dos lados, têm mais uma esteira – o guarda-vento – que prolonga uma das águas cavalgando a ligei ramente e orientada conforme o quadrante do vento, apoiada à frente numa estaca oblíqua, formando uma espécie de vestíbulo de uma só água abri gando a entrada. Estas cabanas, bastante espaçosas, compõem se assim de três partes: o absidíolo, a cabana pròpriamente dita (de duas águas), e o guarda vento, à frente (figs. 72 e 74). Elas são aqui sempre montadas de modo a ficarem orientadas no sentido Poente Nascente, com a entrada para este lado (51).

  • 52 ) Em Serpa e Arronches, por exemplo, usam também o junco e o bunho; e em Castelo de Vide, bunho em (...)

54As esteiras são por toda a parte fundamentalmente idênticas: duas travessas laterais, com ripas fixas a elas e a ligá las – os banzos (Cabeço de Vide) – formando uma espécie de grade sobre a qual assenta a palha ou outro material de cobertura (52). Em S. Julião (Bragança), as esteiras medem cerca de 1,50 m de altura por 2 m de largura; em Castelo Rodrigo, elas medem cerca de 2,70 m de altura e as ripas ficam distanciadas umas das outras 25 cm. Em Castelo Branco elas medem mais de 2 m de altura, e são mais largas do que altas. Em Serpa, a esteira – a que chamam feixinho – é formada por três pernas com cerca de 1,60 a 2 m de altura, com quatro ou cinco ripas de 2 m de comprimento, a elas pregadas em entalhes (ou, nos exemplares mais cuidados, espigadas em rasgos). Em Arronches, chamam pegões às pernas da esteira ; as ripas – varelas de baixo – também em número de cinco, são espigadas nos pegões; as varas exteriores (que, como veremos, apertam o material da cobertura contra as ripas para o segurar), levam o nome de varelas de cima. Em Reguengos de Monsaraz (onde, por seu turno, dão às esteiras o nome de pastas, que designa também os próprios abrigos), elas são ligeiramente encurvadas, e levam duas varas em diagonal como travação. Em Figueira de Castelo Rodrigo, a esteira é também, por vezes, extre mamente encurvada ; a ela encosta se outra, plana, de factura descuidada (des. 6).

Des. 6 – Figueira de Castelo Rodrigo. Abrigo móvel de pastor. A esteira é muito encur vada, e a palha, espalhada, é apertada por varas que amarram para as ripas. Os anteparos triangulares, e a esteira que se encosta na frente, não têm qualquer caixilho; a palha é apenas apertada entre varas.

Des. 6 – Figueira de Castelo Rodrigo. Abrigo móvel de pastor. A esteira é muito encur vada, e a palha, espalhada, é apertada por varas que amarram para as ripas. Os anteparos triangulares, e a esteira que se encosta na frente, não têm qualquer caixilho; a palha é apenas apertada entre varas.

55A fixação dos materiais da cobertura à grade faz se por vários processos, que por vezes correspondem a certas áreas geográficas. Na forma normal e mais corrente, a palha é simplesmente espalhada às fiadas, a direito, sobre a grade, e apertada contra ela, pelo lado exterior, por varas pousadas na altura das ripas, e presas a elas por fios ou arames. Noutros sítios, como por exemplo Sernancelhe, a palha é aplicada, com o couce para baixo, em feixes seguidos que vão sendo enlaçados sucessivamente por um cordel grosso contra a ripa da grade (des. 7 a). Em outro processo mais elaborado e perfeito, preparam prèviamente feixes compridos formados por duas manadas de palha, atadas na altura das espigas e com os couces de cada um para o seu lado; cada um destes feixes é dobrado sobre a ripa de modo a que a ponta que fica por cima se sobreponha e fique mais curta que a de baixo; a prisão é feita por um enlaçado duplo que aperta os dois braços do feixe logo por baixo da volta sobre a ripa (des. 7 b); o cordel do enlaça mento é ainda, em muitos casos, um vencilho de palha (fig. 73). Num ter ceiro processo, esta volta dos feixes dá se apenas na ripa superior, aplicando se contra as outras ripas os feixes de palha enlaçados por um cordel grosso, como no primeiro destes sistemas (des. 7 c). Outras vezes, como por exemplo em Serpa, o material da cobertura, palha, junco ou bunho, além de se prender pelo processo normal, é por vezes cosido em feixinhos (des. 8). Em alguns casos, nas esteiras de melhor construção, a palha é assente sobre uma camada de varedo; em Penamacor, por exemplo, esten de se de entrada uma camada de varas de salgueiro, depois a palha, e por fim giesta, prendendo se estas diferentes camadas pelo processo normal.

Des. 7 – Sernancelhe. Três tipos de prisão da palha nas esteiras, observados em Penso e Vila da Ponte. O tipo c é uma combinação dos dois primeiros.

Des. 7 – Sernancelhe. Três tipos de prisão da palha nas esteiras, observados em Penso e Vila da Ponte. O tipo c é uma combinação dos dois primeiros.

Des. 8 – Serpa. a) Grade de esteira. b ) Esquema da prisão das manadas de palha, cosidas para as ripas.

Des. 8 – Serpa. a) Grade de esteira. b ) Esquema da prisão das manadas de palha, cosidas para as ripas.
  • 53 ) Ver Nota 46.

56Os anteparos laterais, quadrangulares, são fundamentalmente idênticos às esteiras, no que se refere ao sistema de construção. Em Terras de Miranda, nas cancelas do cerro, o espaço entre as travessas é frequentemente fechado por um teçume de varedo entretecido (as va ras mais delgadas inteiriças, as mais grossas rachadas a meio) (fig. 75), como melhor protecção do gado contra o frio e a raposa (53); os anteparos laterais do abrigo do pastor são também, por vezes, nesse mesmo teçume. Em Figueira de Castelo Rodrigo, eles são muito espessos (perto de 20 cm) formados por feixes de palha amarrados com vergas por meio de laçadas que cosem esses feixes entre si; estes, assim cosidos em bloco, ficam entre grades triangulares de varas, rudimentares, uma por fora e outra por dentro (des. 9). Em Bel monte, o colmo é posto em feixinhos, presos com vergas às fiadas, com o couce para baixo (des. 5 b); contra as duas pernadas frontais são amarrados grossos rolos de palha, com vergas que apertam para a palha e para a ponta das ripas; em cima, a palha é dobrada para baixo envolvendo o galho que faz de fecho, com as pontas voltadas para dentro e apertadas com vergas finas (des. 5 c).

Des. 9 – Escalhão. Figueira de Castelo Rodrigo. Anteparo triangular dum abrigo móvel de pastor.

Des. 9 – Escalhão. Figueira de Castelo Rodrigo. Anteparo triangular dum abrigo móvel de pastor.

Choços

  • 54 ) O termo choço (ou, às vezes, choça), que aqui empregamos para designar os abrigos móveis de pasto (...)

57Um segundo tipo de abrigo móvel também inteiramente em materiais vegetais, é o casoto de palha assente numa armação de varas, de estrutura cónica ou semi cónica, a que daremos o nome genérico de choço (54), mas que mostra, do mesmo modo que as cabanas de esteiras, certas variações regionais.

Choços cónicos

  • 55 ) Referido a Picerno, na Lucania (Itália), vemos também um choço de pastor, móvel, deste tipo, estr (...)
  • 56 ) As cancelas do bardo vão também à cabeça, e às vezes para «folhas» muito distantes. (Ver Nota 46)

58Nos choços cónicos, a armação é formada por um número variável de varas dispostas em círculo a partir de um pião central, e ligadas, em dife rentes alturas, por arcos ou cintas também de varas. Eles encontram se sobretudo na Beira Alta, em Penalva do Castelo, Gouveia, Seia, Man gualde, etc., e também, geralmente, como abrigos de pastores (fig. 76) (55 ). Em Penalva, Sátão, etc. vimo los com oito varas, e nove arcos de vergueiros, a elas pregados; o colmo era posto às camadas, de baixo para cima, de modo que, exteriormente, ele fica em degraus sobrepostos; cada camada é presa por um vencilho de palha – uma pessoa pelo lado de fora assenta as mana das, e passa o vencilho para outra pessoa que está dentro do cone, e que o torce sohre o arco correspondente e o passa outra vez para fora –; o alto é rematado com uma longa corda de palha, como as medas (fig. 77 e des. 10). Por vezes, como sucede em Mangualde e Gouveia, em lugar das varas presas ao pião usa se uma rodada de galhos dispostos radialmente e fixos ainda ao pedaço do tronco de um pinheiro; as varas são apertadas por cintas que lhes dão o afastamento conveniente; uma ou mais varas suplementares são apli cadas a preencher os vazios maiores; em cima, atravessando o pedaço de tronco que faz de pião, há um pau curto que segura no sítio as cordas de palha que rematam a colmadura. Em Gouveia, por seu turno, vemos também cibanas com o esqueleto feito de uma rodada de galhos de pinheiro a partir de um pião central – três pernas a que juntaram outras três suplementa res –, a que se prendem seis anéis de varas rachadas a meio, que ajudam a manter a curvatura das pernas, e fazem ao mesmo tempo de ripas; o colmo é cosido em manadas com arames em todas estas varas (menos na inferior, junto ao solo), com os couces para baixo, mostrando, do lado exterior, os degraus das cinco fiadas bem marcados; no alto, o capucho é apertado com arame, e atravessado por um pau formando cruz com ele, e que não deixa que as voltas do arame escorreguem. Num exemplar em Pinhanço, as medi das interiores eram de 1,35 m de altura do solo ao pião, e 2 m de diâmetro na base; a entrada ficava entre dois galhos, e media 1,06 m de largura e 77 cm de altura (figs. 78 e 79). Para se deslocar, o pastor leva o seu choço enfiado pela cabeça, como se fosse uma croça (56) ; no exemplar de Pinhanço acima mencionado viam se, a cerca de 30 cm abaixo do pião, duas varas direitas e paralelas, fixas às pernadas, que apoiavam sobre os ombros do pastor, para essas deslocações (des. 11).

Des. 10 – Avelai, Sátão. Choço de pastor. a) Aspecto geral. b) Pião de madeira, do vértice do cone, ao qual pregam as varas. c ) Processo de amarração da palha às ripas.

Des. 10 – Avelai, Sátão. Choço de pastor. a) Aspecto geral. b) Pião de madeira, do vértice do cone, ao qual pregam as varas. c ) Processo de amarração da palha às ripas.

Des. 11 – Pinhanço, Gouveia. Cibana de pastor. a) Aspecto geral. b ) Maneira de enlaçar as manadas de colmo, c) Esqueleto da cibana, podendo ver se, no alto, duas varas hori zontais, que apoiam nos ombros da pessoa, quando do seu transporte.

Des. 11 – Pinhanço, Gouveia. Cibana de pastor. a) Aspecto geral. b ) Maneira de enlaçar as manadas de colmo, c) Esqueleto da cibana, podendo ver se, no alto, duas varas hori zontais, que apoiam nos ombros da pessoa, quando do seu transporte.

Choços semi-cónicos (57)

  • 57 ) Os anteparos em absidíolo a que atrás nos referimos, podiam, de certo modo, incluir se nesta cate (...)
  • 58 ) E outrora, como dissemos atrás (Nota 51), ao que parece, em Portalegre.

59Noutras regiões, na Beira Baixa, em Penamacor, Proença a Velha, Castelo Branco, etc., e também no Alentejo, por exemplo em Castro Verde, Vimieiro, Mora, etc. (58), o choço, em vez da forma cónica e planta circular, é semi cónico e de planta semi circular. A sua armação, neste caso, tem como peça mestra um galho bifurcado ou um forte pau arqueado, que ficam à frente fazendo a entrada do choço, e a partir do qual seguem, para trás, mais pernas encurvadas, às quais se pregam, como nos choços cónicos, varas horizontais em semi círculo, a alturas diferentes. Por vezes, sempre que possível, um galho polifurcado substitui o conjunto do pau ou galho da frente com as pernas encurvadas (figs. 80, 81 e 82). Em Castro Verde, vimos um destes choços com a palha presa exteriormente por varas curvas horizontais ligadas entre si por cordas ou fios cruzados em X; e em Castelo Branco, por cima da palha, põe-se por vezes uma cobertura de giesta ou varedo rachado.

60Como variante deste tipo, encontramos, em certas regiões estremenhas a Sul do Tejo, no litoral alentejano, e também pela orla fronteiriça de Reguengos de Monsaraz, choços cujo esqueleto tem a forma de semi pi râmide regular, idêntica à de certos abrigos fixos que atrás descrevemos. Eles compõem se então de duas pernas rectilíneas inclinadas, presas em cima, que fazem a entrada do choço, do alto das quais parte outra vara também rectilínea, fazendo de cume, mais ou menos inclinado, que pousa, atrás, no chão; várias outras pernas inclinadas, sucessivamente mais pequenas, vão, em diferentes alturas, do cume para o chão, todas elas ligadas entre si e às da frente por vergas horizontais. No exemplo de Reguengos de Monsaraz, as pernas do choço são amarradas com mais voltas de arame ao cume; as vergas que fazem de ripas são pregadas e amarradas; a palha é espalhada e apertada por outras vergas exteriores de 40 em 40 cm ou 50 em 50 cm, que amarram para as de dentro (des. 12).

Des. 12 – Reguengos de Monsaraz. Abrigo móvel.

Des. 12 – Reguengos de Monsaraz. Abrigo móvel.

61Estes choços, cónicos ou semi cónicos, aparecem, em muitos casos, de dimensões diminutas, servindo como casota de cão ou galinheiros, e por vezes ao lado dos abrigos de esteiras.

Abrigos compostos de esteiras e choços

62Em certas partes, vêem se abrigos de pastores deste género, compostos simultâneamente de esteiras e choços, agrupados numa construção única, que por isso é em geral grande.

63Numa faixa do Leste do Alto Alentejo, pela área dos concelhos de Nisa, Crato, Alter do Chão, esses abrigos – a que dão o nome de sochas, ou malhadas – compõem se, na sua forma mais perfeita, de cinco peças: duas sochas semi cónicas abauladas, cujo esqueleto é montado a partir de uma bifurcação de ramos de árvore, à qual se fixam, como adiante veremos, as varas que fazem o ripado (des. 13 c), e que se colocam uma diante da outra, boca contra boca, afastadas cerca de 70 cm; o espaço entre elas é então fechado por uma pasta ou esteira de palha, a cada lado, e por cima uma terceira esteira que arqueia para os dois lados funcionando como um pequeno tejadilho, que vulgarmente fica encostado sobre a beira superior duma das esteiras laterais, e por baixo da outra, que serve de porta e se des loca fàcilmente ; as cinco peças formam assim uma pequena casota perfei tamente vedada, com entrada lateral que se pode tapar (figs. 83, 84 e 85 e des. 13). Estas choças têm como peça central da armação uma pernada de árvore com três galhos – o envergamento, (Alpalhão)–, cujas pontas pousam no chão, e aos quais pregam e amarram, no alto, uma ou duas varas simples ou bifurcadas, dispostas no sentido do comprimento da choça; a cada lado dessas, mais uma ou duas varas horizontais, servindo de ripas, são amarradas ou pregadas a este esqueleto, ficando as suas pontas frontais ligadas por dois semi arcos de varas semelhantes. Na realidade, cada caso obriga à colocação de mais alguma vara de reforço, ou que enche qualquer vazio. Por cima da armação que assim se obtém, é posta uma camada delgada de piorno, sobre a qual se dispõe outra de palha centeia ou erva seca. Este revestimento é apertado por varas exteriores, amarradas com vergas ou com arames às interiores a que correspondem. No tejadilho, as varas que servem de ripas são pregadas a duas forcas arqueadas que fazem a sua curvatura, e a palha é presa pela mesma maneira (des. 13 b). De dimensões bastante desiguais, podem se contudo apontar como medidas médias de cada choço 1,60 a 1,80 m de comprimento, 1,20 a 1,60 m de largura, e 1,60 a 1,80 m de altura. Um homem desloca com relativa facilidade qualquer das peças que constituem o choço; aos choços abaulados, pegam lhes, como já disse mos, pelo envergamento. As deslocações para locais mais afastados são porém feitas em carros.

Des. 13 – Alpalhão, Nisa, Socho móvel de pastor, na sua forma mais perfeita, a) Aspecto geral e corte pelo plano transversal mediano. b) Estrutura do tejadilho; a palha é esten dida em dois sentidos e amarrada pelo processo normal. c) Estrutura do esqueleto dum absidíolo, na sua forma tipo. Na realidade vêem se geralmente varas suplementares (tracejadas) que se colocam quando conveniente.

Des. 13 – Alpalhão, Nisa, Socho móvel de pastor, na sua forma mais perfeita, a) Aspecto geral e corte pelo plano transversal mediano. b) Estrutura do tejadilho; a palha é esten dida em dois sentidos e amarrada pelo processo normal. c) Estrutura do esqueleto dum absidíolo, na sua forma tipo. Na realidade vêem se geralmente varas suplementares (tracejadas) que se colocam quando conveniente.

64Para o sul desta área, este tipo apresenta uma forma mais simples: no concelho de Fronteira, as duas esteiras – as cancelas – encostam em cima, não existindo o tejadilho, e usam apenas um choço num topo, sendo o outro vedado por um simples anteparo triangular; e o mesmo sucede em S. Miguel de Machede, entre Évora e Redondo.

65Na Arraia heiroa, em terras do Rosmaninhal, Zebreira, Salvaterra do Extremo, etc., vemos também um tipo de abrigo móvel semelhante ao que descrevemos de entrada, igualmente formado por um conjunto de peças, mas que aqui se articulam de modo diferente (des. 14). De maiores dimensões, eles constituem a habitação do pastor que aí vive na companhia da mulher que em regra o acompanha. Estes abrigos são constituídos por dois choços semi cónicos, montados, como no caso anterior, nos topos, boca contra boca, e, a fechar o espaço entre estes, dois pares de esteiras formando uma cober tura de duas águas. Estas apoiam, no alto, uma contra a outra, sendo aí por vezes amarradas. O primeiro par destas esteiras cavalga o bordo de um dos choços; do segundo par, montado sobre o bordo das esteiras anteriores, uma das esteiras cavalga o lado correspondente do segundo choço; a outra esteira fica afastada deste choço, dando lugar à entrada do abrigo. Uma quinta esteira – o guarda-vento – é colocada diante desta abertura, em posição que varia conforme a direcção do vento. Em certos casos, estas peças dis põem se sem deixar qualquer abertura, e a porta de entrada rasga se numa das esteiras que se coloca em último lugar. Para esse efeito, pregam às tábuas que constituem o ripado uma perna suplementar e cortam as duas tábuas inferiores; esse sector é então vedado por uma porta de madeira, com dobradiças(des. 15 d).

Des. 14 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Planta e corte esquemático dum choço móvel de pastor.

Des. 14 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Planta e corte esquemático dum choço móvel de pastor.

66Como no caso geral dos choços semi cónicos, preferem para a sua construção uma pernada de árvore com três patas, pregando lhe algumas suplementares nos intervalos (des. 15 a); quatro ou cinco varas constituem o ripado. As esteiras são formadas por duas pernas e quatro travessas ou tábuas. As pernas são feitas dum pau um pouco encurvado, esquadrejado grosseiramente e serrado a meio a todo o comprimento; as tábuas espigam em furas abertas nessas pernas (des. 15 c). Sobre esta grade assenta o reves timento do abrigo, composto duma primeira camada de giesta, uma inter média de colmo, e uma última novamente de giesta. Varas (nos choços semi cónicos) e tábuas (nas esteiras) exteriores, amarradas com arames, nas pontas e a meio às varas e tábuas inferiores, apertam e firmam esse reves timento (des. 14 b). Nas juntas entre as diferentes peças colocam molhos de palha para melhor vedação. A base do abrigo é protegida por ramagens calcadas com pedras. Junto ao cume vê se ainda, em alguns casos, uma fiada de pedras ladeiras que encostam à última travessa e ajudam a firmar o revestimento. Não há qualquer divisória interior; a rama – não raro ape nas palha espalhada no solo – é geralmente instalada no fundo do abrigo; a meio fazem o fogo; à volta amontoa se o parco mobiliário e utensilagem (fig. 86). O chão é por vezes lajeado, sobretudo no sítio do fogo. Em volta do abrigo cavam um rego de modo a escoar as águas da chuva. Em média, têm cerca de 6 m de comprimento, 2 m de largura e 1,80 m de altura máxima.

Des. 15 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Pormenores dum choço. a) Esqueleto do choço semi cónico. b) Disposição das camadas de giesta e palha num choço semi cónico. c) Prisão da giesta e da palha nas esteiras, d) Porta lateral aberta numa das esteiras.

Des. 15 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Pormenores dum choço. a) Esqueleto do choço semi cónico. b) Disposição das camadas de giesta e palha num choço semi cónico. c) Prisão da giesta e da palha nas esteiras, d) Porta lateral aberta numa das esteiras.

3– Abrigos sobre carros

67Um outro tipo de abrigo móvel que dá ao pastor muito maior conforto, é o carro, carroça ou carreta de pastor. Bastante mais raro que os abrigos pròpriamente ditos que acima descrevemos, ele encontra se um pouco por toda a zona do País onde se pratica este género de pastoreio, já a par dos abrigos de esteiras, já alternando com estes. Para esses carros aproveitam em geral um chedeiro e rodado velhos, construindo se sobre ele uma cabana de tábuas ou de palha.

  • 59 ) Em Nespereira (Gouveia), onde não se usam carros abrigos, encontramos porém uma cabana do tipo co (...)

68No Ribatejo e Alto Alentejo, Golegã, Cartaxo, Abrantes, S. Tiago de Cacém, Cercal, Gavião, Odemira, etc. e também, em casos dispersos, nas Beiras, Trancoso, Seia, Covilhã, etc., o carro abrigo não apresenta carácter especial ou qualquer pitoresco: ele é apenas uma casota de madeira, de quatro lados a prumo, com uma cobertura de duas águas, do mesmo material ou em chapa zincada (figs. 88 e 89). Hoje vêem se mesmo, muitas vezes, casotas sobre carros inteiramente em chapa. O estrado em que assentam é, sem dúvida, na maioria dos casos, o chedeiro de um carro de bois; mas não é raro utilizar se, para o efeito, outro tipo de carro, com qualquer rodeiro pequeno, de madeira ou ferro (59).

69Em Trás os Montes, o carro abrigo tem mais relevo e importância, existindo em uma extensa área, ora com carácter exclusivo, ora a par de abrigos de esteiras; e é aí que, em certas zonas, se encontram as casotas de abrigo sobre carros – ou casolas – dos tipos mais variados e elaborados.

70Nos concelhos de Vinhais, Bragança e Chaves, essa casota é também muitas vezes apenas de tabuado, e de duas águas, de tabuado ou palha (figs. 90, 91, 94 e 95); mas, a seu lado, vêem se algumas de colmo. Em Macedo de Cavaleiros, além de casotas, igualmente pobres, de tabuado (que por vezes têm o lado traseiro mais baixo que o frontal, determinando desse modo um cume a descair para trás), aparecem, em exemplos isolados, outras de colmo (figs. 92 e 93) ; e vimos mesmo uma destas, em cuja parte superior largas casqueiras de cortiça faziam as vezes de cume.

71É porém nas vizinhanças de Chaves, em Lebução, Lambaças, Águas Frias, Curalha, e na Veiga, que, ao lado de outras, menos características, de tabuado) (fig. 94), se encontram os exemplares mais curiosos destas casotas sobre carros, com formas variadas, algumas de factura muito cui dada. Distinguimos aí três tipos de choços de colmo, todos eles montados sobre o carro de bois da região : um, alongado, com duas paredes feitas de grossos rolos de colmo cosidos com vergas, que vão inclinando para cima, até fecharem como que com uma cobertura a duas águas; a entrada é a toda a altura das paredes, formando um arco alto (fig. 87); outro, é um verdadeiro choço cónico, cujo remate é envolvido por um cordão forte de palha; a entrada é também arqueada, mas baixa (fig. 96); o terceiro, é igualmente um choço cónico, com uma abertura baixa e arqueada, mas o seu formato geral é alongado, e não termina em bico (fig. 97). O primeiro e o terceiro encontram se na Veiga de Chaves; o segundo, em Lebução.

72Na zona litoral do Noroeste do País, para abrigo de guarda de meloais ou de outras culturas, usam se também casotas de madeira erguidas sobre um estrado que fica levantado do solo (e onde se põe uma cama de palha ou um enxergão); e ora são constituídas por uma armação de madeira simplesmente de duas águas revestidas de tabuado de forro disposto horizon talmente, no sistema de tábua trincada, com o painel do fundo, triangular, em tabuado vertical, ora tem quatro paredes verticais, a prumo, com uma cobertura de madeira ou chapa, igualmente a duas águas. A entrada ocupa toda a largura da frente. Estas casotas são as mais das vezes móveis, e assemelham se às dos carros abrigos estremenhos e alentejanos, de tabuado e cobertura de duas águas; mas elas estão montadas não sobre o chedeiro de um carro ou carroça, mas sobre um estrado assente em quatro pés, com mãoseiras laterais, como uma espécie de padiola, por onde se pega quando se quer deslocar o abrigo (fig. 98).

40 – Póvoa de Cervães Mangualde Abrigo fixo de materiais vegetais

40 – Póvoa de Cervães Mangualde Abrigo fixo de materiais vegetais

41 – Avelai, Sátão Abrigo fixo de materiais vegetais

41 – Avelai, Sátão Abrigo fixo de materiais vegetais

42 – Nespereira, Gouveia Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular

42 – Nespereira, Gouveia Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular

43 – Ota Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular

43 – Ota Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular

44 – Portó de Lagos. Lagos Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular

44 – Portó de Lagos. Lagos Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular

45 – S. Teotório, Odemira Abrigo com esqueleto de varas recoberto de terra

45 – S. Teotório, Odemira Abrigo com esqueleto de varas recoberto de terra

46 – Veiga de Chaves Abrigo feito dum trono oco de castanheiro

46 – Veiga de Chaves Abrigo feito dum trono oco de castanheiro

47 – Reguengo, Cartaxo Barraco, de meloais

47 – Reguengo, Cartaxo Barraco, de meloais

48 – Juromenha, Eivas Barraca de meloais formada por quatro esteiras

48 – Juromenha, Eivas Barraca de meloais formada por quatro esteiras

49 – S. Gião, Loures Abrigo de guarda de campos

49 – S. Gião, Loures Abrigo de guarda de campos

50 – Coutada, Torres Vedras Abrigo de canas, de planta quadrangular

50 – Coutada, Torres Vedras Abrigo de canas, de planta quadrangular

51 – Baçal, Bragança Cancelas de bardo

51 – Baçal, Bragança Cancelas de bardo

52 – Horta da Vilariça, Moncorvo Bardo e abrigo móvel de esteira

52 – Horta da Vilariça, Moncorvo Bardo e abrigo móvel de esteira

53 – Sendim, Miranda do Douro Abrigo móvel de esteira, com anteparos de molhos de giesta. Bardo de vergas rachadas e entretecidas

53 – Sendim, Miranda do Douro Abrigo móvel de esteira, com anteparos de molhos de giesta. Bardo de vergas rachadas e entretecidas

54 – Carvalho de Ega, Vila Flor Abrigo móvel de esteira e bardo de cancelas

54 – Carvalho de Ega, Vila Flor Abrigo móvel de esteira e bardo de cancelas

55 – Urgeira, Sabugal. Redil

55 – Urgeira, Sabugal. Redil

56 – Cercal Redil e ferrados da ordenha

56 – Cercal Redil e ferrados da ordenha

57 – Penso, Serancelhe Bardo com uma camada de giesta, para estrume Ao lado, o abrigo móvel de esteira

57 – Penso, Serancelhe Bardo com uma camada de giesta, para estrume Ao lado, o abrigo móvel de esteira

58 – Fomos, Freixo de Espada à Cinta Transporte da esteira e cancelas do bardo

58 – Fomos, Freixo de Espada à Cinta Transporte da esteira e cancelas do bardo

59 – Baçal, Bragança Abrigo móvel de esteira

59 – Baçal, Bragança Abrigo móvel de esteira

60 – Vila da Ponte, Sernancelhe Abrigo móvel de esteira

60 – Vila da Ponte, Sernancelhe Abrigo móvel de esteira

61 – Orca, Penamacor Abrigo móvel de duas esteiras

61 – Orca, Penamacor Abrigo móvel de duas esteiras

62 – Serpa Abrigo móvel de duas esteiras

62 – Serpa Abrigo móvel de duas esteiras

63 – Castro Verde Abrigo móvel de duas esteiras e redil

63 – Castro Verde Abrigo móvel de duas esteiras e redil

64 – Genísio, Miranda do Douro Abrigo móvel de esteira com anteparo quadrangular

64 – Genísio, Miranda do Douro Abrigo móvel de esteira com anteparo quadrangular

65 – Vila Boa, Belmonte Abrigo móvel de esteira com anteparos triangulares

65 – Vila Boa, Belmonte Abrigo móvel de esteira com anteparos triangulares

66 – Reguengos de Monsaraz Abrigo móvel de esteira com anteparos triangulares

66 – Reguengos de Monsaraz Abrigo móvel de esteira com anteparos triangulares

67 – Águas Rádium, Belmonte Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo

67 – Águas Rádium, Belmonte Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo

68 – Caria, Sabugal Abrigo móvel de esteira com anteparo em absidíodo

68 – Caria, Sabugal Abrigo móvel de esteira com anteparo em absidíodo

69 – Orca, Penamacor Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo

69 – Orca, Penamacor Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo

70 – Sendim, Miranda do Dour Abrigo móvel de esteir com anteparos de molho de giesta Bardo com cancelas de madeira rachada e entretecid

70 – Sendim, Miranda do Dour Abrigo móvel de esteir com anteparos de molho de giesta Bardo com cancelas de madeira rachada e entretecid

71 – Eivas Abrigo móvel de duas esteiras duplas com guarda vento

71 – Eivas Abrigo móvel de duas esteiras duplas com guarda vento

72 – Castelo Branco Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo e guarda vento

72 – Castelo Branco Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo e guarda vento

73 – Penso, Sernancelhe Pormenor de uma esteira

73 – Penso, Sernancelhe Pormenor de uma esteira

74 - Castelo Branco Abrigo móvel de duas esteiras; anteparo em absidíolo e guarda vento

74 - Castelo Branco Abrigo móvel de duas esteiras; anteparo em absidíolo e guarda vento

75 – Sendim. Miranda do Douro Cancelas de bardo

75 – Sendim. Miranda do Douro Cancelas de bardo

76 – Seia Choço cónico móvel, e cancelas

76 – Seia Choço cónico móvel, e cancelas

77 – Penalva do Castelo Choço cónico móvel

77 – Penalva do Castelo Choço cónico móvel

78 – Gouveia Cibana cónica móvel

78 – Gouveia Cibana cónica móvel

79 – Pinhanço, Gouveia Cibana cónica móvel

79 – Pinhanço, Gouveia Cibana cónica móvel

80 – Castelo Branco Choço semi cónico móvel

80 – Castelo Branco Choço semi cónico móvel

81 – Castelo Branco Choço semi cónico móvel

81 – Castelo Branco Choço semi cónico móvel

82 – Orca, Penamacor Choço semi cónico móvel

82 – Orca, Penamacor Choço semi cónico móvel

83 – Nisa Socha móvel

83 – Nisa Socha móvel

84 – Nisa Socha móvel

84 – Nisa Socha móvel

85 – Nisa Socha móvel

85 – Nisa Socha móvel

86 – Zebreira Idanha a Nova Interior Socha móvel A lareira a meio; ao fundo a cama. Chouriços pendurados

86 – Zebreira Idanha a Nova Interior Socha móvel A lareira a meio; ao fundo a cama. Chouriços pendurados

87 – Veiga de Chaves Abrigo sobre carro Cobertura de palha disposta em rolos paralelos sobre uma estrutura de varas

87 – Veiga de Chaves Abrigo sobre carro Cobertura de palha disposta em rolos paralelos sobre uma estrutura de varas

88 – Azinhaga, Golegã Abrigo sobre carro. Casota de tabuado; cobertura de chapa

88 – Azinhaga, Golegã Abrigo sobre carro. Casota de tabuado; cobertura de chapa

89 – Cercal Abrigo sobre rodado de carro. Casota de tabuado; cobertura de chapa

89 – Cercal Abrigo sobre rodado de carro. Casota de tabuado; cobertura de chapa

90 – França, Bragança Abrigo sobre carro. Casota de tabuado

90 – França, Bragança Abrigo sobre carro. Casota de tabuado

91 – França, Bragança Abrigo sobre carro. Casota de tabuado; cobertura de palha

91 – França, Bragança Abrigo sobre carro. Casota de tabuado; cobertura de palha

92 – Castelões Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro, recoberto de palha

92 – Castelões Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro, recoberto de palha

93 – Castelões Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro, recoberto de palha

93 – Castelões Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro, recoberto de palha

94 – Chaves Abrigo sobre carro. Casota inteiramente de tabuado

94 – Chaves Abrigo sobre carro. Casota inteiramente de tabuado

95 – Podence, Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro Casota de tabuado e cobertura de palha a duas águas

95 – Podence, Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro Casota de tabuado e cobertura de palha a duas águas

96 – Lebução, Chaves Abrigo sobre carro. Casota cónica de palha

96 – Lebução, Chaves Abrigo sobre carro. Casota cónica de palha

97– Veiga de Chaves Abrigo sobre carro. Casota cónica de palha

97– Veiga de Chaves Abrigo sobre carro. Casota cónica de palha

98 – Vila do Conde Casota móvel para guarda dos campos, de tabuado

98 – Vila do Conde Casota móvel para guarda dos campos, de tabuado

99 – Nespereira, Gouveia Cabana montada sobre duas pequenas rodas

99 – Nespereira, Gouveia Cabana montada sobre duas pequenas rodas

100 – Albergaria a Nova Cabana de palha milha

100 – Albergaria a Nova Cabana de palha milha

101 – Aldoar, Porto Cabana de palha milha

101 – Aldoar, Porto Cabana de palha milha

102 – Angeiras, Matosinhos Cabana de palha milha

102 – Angeiras, Matosinhos Cabana de palha milha

103 – Soure Cabana de palha milha com empena de tabuado

103 – Soure Cabana de palha milha com empena de tabuado

104 – Aldoar, Porto Cabana de palha milha

104 – Aldoar, Porto Cabana de palha milha

105 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde Abrigo sob uma meda, com esteira móvel à frente

105 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde Abrigo sob uma meda, com esteira móvel à frente

106 - Matosinhos Barco cortado, utilizado como abrigo de guarda de campos

106 - Matosinhos Barco cortado, utilizado como abrigo de guarda de campos

107 – Torreira Velho barco cortado a meio; cobertura de telha. Serve de pocilga

107 – Torreira Velho barco cortado a meio; cobertura de telha. Serve de pocilga

108 – Afurada Barco cortado sobre o qual construíram uma casota de tabuado. Serve de habitação.

108 – Afurada Barco cortado sobre o qual construíram uma casota de tabuado. Serve de habitação.

d) Casos especiais

1 – Cabanas de palha milha (60)

  • 60 ) Fernando Galhano, « Cabanas », in «Douro Litoral, Boletim da Junta de Província», n.° I e II, Qua (...)

73Numa zona litoral que vai desde as imediações do Porto até alturas de Leiria, a palha de milho, para penso dos animais, conserva se não em medas ou rolheiros, como acontece no resto da área desse cereal, mas em cabanas de vários tipos, compostas de uma armação rudimentar, de varas, de pinheiro ou de eucalipto, postas ao alto e ligadas por ripas horizontais, e seguras umas às outras por pregos e arames, contra a qual, quando se tira o milho dos campos e a sua palha está seca, esta se acama, formando espessa parede; deste modo, ao mesmo tempo que a palha se guarda arejada, conse gue se um espaço abrigado, mais ou menos amplo – por vezes muito avul tado – onde se recolhe mais palha se a há, e as alfaias e o carro de bois, que convém resguardar da chuva durante o Inverno. Pela Primavera adiante, vão os lavradores empalhando o gado conforme a necessidade, retirando progressivamente palha milha destas cabanas, que acabam por ficar redu zidas outra vez à sua armação descarnada. Nesta região, pois, as cabanas de palha milha constituem verdadeiros abrigos normais para guarda de aprestos agrícolas, carolo, palhas, etc., embora com a característica peculiar e original de serem temporários no que se refere não só à utilização, mas à sua própria existência. E, porque inteiramente em materiais vegetais, incluí los emos neste capítulo.

74Estas cabanas são de três tipos principais: 1) as varas formam uma armação de duas águas, com um dos topos fechados (figs. 100, 101, 102 e 104). Este tipo, que é o mais geral, vai desde Vila do Conde e Valongo, ao Norte, até um pouco abaixo do Mondego, ao Sul, mostrando, ao longo desta vasta área, certas diferenças regionais. Ao Norte do Douro, por Vila do Conde, Maia, Matosinhos e Porto e parte Poente do concelho de Valongo, estas barracas são frequentemente muito grandes – mais de 15 m de com primento, por 4 de largura e cerca de 4 de altura: uma destas, em Aldoar (Porto), com 11 m de comprimento, arruma a palha correspondente a 15 «carros» de milho. A sua armação compõe se dos caibros, ou varas, ligeira mente enterrados no solo (cerca de um palmo), distanciados cerca de 1 m uns dos outros, com um ripado horizontal – as varas de tecer – geralmente em número de oito, distanciadas cerca de 50 cm umas das outras; o pau do cume – a cumeira – vai ora por cima ora, mais vulgarmente, por baixo do cruzamento das varas; a rectaguarda – que fica sempre voltada para donde sopram os ventos dominantes e mais fortes – é reforçada por dois caibros oblíquos – os remos –, um, em cada água, lançados às últimas varas, que fazem ali a empena; esse lado apresenta se normalmente fechado, de forma semi cónica (o mais corrente), ou linear; a frente, do lado oposto, é aberta, e leva por vezes uma travessa horizontal de reforço passada, no alto, entre as duas varas da empena desse lado. A cobertura faz se com molhos de palha milha amarrados com um vencilho, acamados a partir do solo em fiadas sucessivas, ao longo das varas de tecer, com o couce para fora a pender ligeiramente para esse lado; as pontas ficam a um ou dois palmos para dentro daquelas varas, calcadas de modo a formar uma pequena cocha sobre a vara, que segura o molho. Em Guilhabreu, nas fiadas que pousam sobre as varas, algumas das canas do molho passam por cima, e outras por baixo, das varas, até encostarem ao vencilho. Para o cume fazem se molhos maiores que se pousam na trave, com o folhelho para cima e os couces apartados, metade para cada água; em Barreiros (Maia) o topo frontal de uma barraca, rematava num molho com o folhelho mais ao alto, em penacho decorativo.

75Na frente, aberta, da cabana, a palha é atada com vergas de choupo ou de vime, para evitar que o vento a levante. A meia altura das cabanas, é frequente ver se uma série de varas atravessadas horizontalmente formando uma espécie de sobrado elevado, que faz de palheiro; por baixo deste, o espaço fica livre e abrigado. Em alguns exemplares, raros, existe uma porta lateral, que se fecha com uma grade de varas igualmente for rada a palha. Em Angeiras, Matosinhos, nos lugares desabrigados e da beira mar, encostam por cima da palha outras varas de pinheiro, para que o vento a não levante. Aí dão lhes o nome de casotos ou cabaneiras; na zona do Porto, elas são denominadas cabanas ou barracas. Este tipo encon tra se também ao Sul do Douro, em Vila Nova de Gaia, onde aliás as cabanas são raras, talvez porque aí a palha milha fica normalmente em peque nas moreias espalhadas pelos campos.

  • 61 ) Nesta região, a par das cabanos, guarda se também a palha milha em medas, altas e em geral cilínd (...)

76Para o Sul de Ovar até ao Vouga, e em Águeda, numa área que para o Leste não vai além de Sever do Vouga, estas cabanas – os cabanais, palheirões ou gaivotas (Albergaria a Velha), ou ainda galbões (Águeda), ou barracos (Ovar e Avança) – multiplicam se; elas são quase sempre mais pequenas do que as do Norte, porque as propriedades agrícolas também o são; as estacas da armação são mais correntemente pranchões serrados em vez de varas, unidos muitas vezes por tornos de madeira; a sua armação comporta elementos de reforço de vários tipos, por vezes sem qualquer regularidade: ora travessas horizontais passadas entre os dois caibros da empena (que é normalmente linear), ou intermédios, amparadas por um espeque ou escora oblíqua, lançada para a frente ou para a retaguarda, ou em ambos os sentidos, ora peças em diagonal, semelhantes aos remos nortenhos, encostados às águas laterais, que por vezes vão de lés a lés; etc. (61).

77Para o Sul do Vouga (não falando na Bairrada onde, normalmente, não existem barracas, guardando se a palha milha em rôlhos cónicos, nos campos), estas cabanas tornam se bastante mais estreitas. No interior, o espaço vazio é reduzido, tendo em vista mais o arejamento das palhas do que quaisquer arrumações. Em Oiã e na direcção de Oliveira do Bairro, os lavradores que têm muitas palhas fazem estas cabanas muito compridas – há as com 25 m de comprimento – sem lhes aumentarem a largura ou a altura; em Vagos, Mira e Anadia, em vez disso fazem mais do que uma cabana. Na Bairrada e nos concelhos da Mealhada e Cantanhede, são raras estas cabanas; as palhas milhas são guardadas em rôlhos ou medas, cilíndricos e cónicos, como os que atrás referimos. Mas voltam a abundar em Coimbra, muito pequenas, e com a travessa horizontal pregada às varas da empena e apoiada a meio num espeque vertical; ao Sul do Mondego, por Condeixa e Soure, onde termina a sua área, elas são de uma construção muito descuidada, sendo frequentemente a vara do cume lançada entre duas árvores. A empena é por vezes de tabuado (fig. 103).

782) A armação de varas é formada por dois painéis que não encos tam, em cima, e que são recobertos por um pequeno telhado de tabuado ou telha, de duas águas. Este tipo de barroca, encontra se a partir das altu ras de Pombal, e vai até Leiria, por Ourém – onde há exemplares enor mes –, e ainda parte do concelho de Tomar. Na Primavera, quando a palha milha já se esgotou, recobrem a armação também com as ferrãs e os azevens. Destas barrocas surgiu possivelmente um novo tipo de construção agrícola: um telheiro permanente, com telhado de duas águas assente em pilares de alvenaria, entre os quais se armam as varas a que se prende a palha.

  • 62 ) Vimos um igual em Vandoma, Baltar, mas não cremos serem correntes nessa região. Na área de Vila d (...)

793) Finalmente, numa pequena área que corresponde à região de Paços de Ferreira (62), encontra se o terceiro tipo, de varas e ripas formando pirâmide de base quadrada e bastante alta.

2 – Abrigos em medas

80Na Beira Alta, em terras de Tavares, compreendidas entre o Mondego e a linha de Mangualde, Castendo e Fornos de Algodres, são frequentes abrigos de um género especial, para pastores ou guardas das eiras. Geral mente junto a estas, eles são constituídos pela própria meda de palha (de centeio), que se ergue, para esse fim, sobre uma armação de paus idên tica à dos abrigos de duas águas de planta rectangular: vários pares seguidos de toscos caibros, com a ponta inferior enterrada no solo cerca de um palmo, e a superior em forquilha, sobre a qual pousa um pau de cume rectilíneo que, atrás, apoia numa pedra forte, da mesma altura que os caibros; umas tantas varas horizontais, em cada água, fazem de ripado, atadas aos caibros com vencilhos; uma primeira camada de colmo, posto ao alto, encosta a esta armação, que é em seguida completamente recoberta pela palha amontoada sobre ela e à sua volta, como nas medas vulgares, deixando apenas a entrada aberta, à frente, entre o primeiro par de caibros; às vezes, para a vedar, durante a noite, o guarda encosta a essa abertura uma esteira (fig. 105 e des. 16).

Des. 16 – Vila Mendo de Tavares. Mangualde. Esqueleto dum abrigo sob um palheiro.

Des. 16 – Vila Mendo de Tavares. Mangualde. Esqueleto dum abrigo sob um palheiro.

3 – Abrigos em barcos

  • 63 ) Fernando Castelo Branco, « Subsídios para o estudo das construções de mate riais vegetais do Lito (...)
  • 64 ) Esta fotografia, aliás citada também por Fernando Castelo Branco, op. cit., n.° 264, p. 9, e n.° (...)

81Em muitos sectores da costa ou da zona litoral, os barcos velhos, já fora de uso, são por vezes aproveitados, com arranjos diversos, para abrigos ou mesmo para casas de habitação. Na área de Matosinhos, e, do mesmo modo, na Ria de Aveiro, em vez de outros casotos, vê se por vezes a proa ou ré de qualquer pequeno caíque, cortado a meio transversalmente e erguida a prumo, ou até a cabine de uma traineira que se desfez, servindo de abrigo de guarda de campos, em forma de guarita (fig. 106). Noutros casos, nomeadamente em aglomerados de «palheiros», no litoral central, no Furadouro, na Torreira, na Cova de Lavos, etc., sobre os grandes barcos da xávega, postos de parte e que repousam na areia, inteiros ou já partidos, ergue se a casota de tabuado que serve geralmente de loja para arrecadação de redes e aprestos, para animais, etc. Numa velha fotografia publicada por Fernando Castelo Branco (63), vê se um exemplo desta espécie, referido à Costa (ou Cova?) de Lavos, em que o barco parece ter sido cortado nos dois topos, com o casoto ocupando todo esse sector. Os bordos do barco prolongam se, de cada lado, numa pequena parede de tabuado (horizontal) com a mesma inclinação que eles; a cobertura – que é de telha caleira – apoia nessas paredes, e é em duas águas, com o cume no sentido do eixo do barco; a empena, também em tabuado (horizontal) situa se à frente, na altura onde o barco foi serrado; aí se rasga a abertura da porta, a que se ascende por três degraus, porque o barco, certamente para melhor iso lamento, está elevado sobre estacas, que servem também de espeques. Este mesmo género de construções encontrava se igualmente em Buarcos – onde lhe davam o nome de casas de fato (ou « palheiros ») – servindo de arre cadação de sal, peixe, redes e aprestos; e, segundo o que vemos numa outra velha fotografia, elas seriam muito semelhantes às que descrevemos, da Costa de Lavos (64).

  • 65 ) Fernando Castelo Branco, op. loc. cit. n.° 264, p. 9.

82Na Torreira, num outro exemplo, o barco servia de pocilga (fig. 107); a cobertura, também em duas águas, no mesmo sentido, e de telha caleira, apoiava directamente no bordo do barco; a empena, à frente, baixa, de tabuado, e com porta, situava se, do mesmo modo, na altura em que foi serrado o corpo do barco; para trás ele não fora cortado, e o casoto termi nava aí a meio, ficando ainda um espaço a seguir a servir de eido. Fernando Castelo Branco refere ainda construções do mesmo género, e igualmente muito semelhantes às da Cova de Lavos e Buarcos, mas que serviam talvez de casas de habitação, na Costa da Caparica (que aliás parece ter sido fun dada, entre outros, por pescadores ilhavenses) e que conhece por duas pintu ras de Roque Gameiro: « Em uma dessas pinturas vemos o barco lateralmente. Este foi coberto por um telhado, certamente de estorno, desde a proa até ao ponto em que o barco foi seccionado transversalmente. Aí lhe adiciona ram, de alto a baixo, uma parede de tabuado, com as tábuas colocadas paralelamente ao solo, tendo ao meio uma porta, que a pintura mostra fechada. Não apresenta qualquer janela, nem a poderia ter, dada a pouca altura do casco do barco. Este assenta directamente no areal, ou pelo menos a pintura não revela qualquer apoio. Na segunda pintura, tendo por motivo outra casa do mesmo tipo numa perspectiva diferente, esta apenas difere pelo facto de não apresentar o bico esguio da proa do barco – teria sido cortado? – e em aparecerem umas pequenas estacas em que o barco se apoia parcialmente. Em ambas as construções, um pouco abaixo do vértice da cobertura, o estorno está seguro certamente por canas grossas e longas. A porta está aberta e junto dela, no exterior, uma mulher cozinha, o que leva a pensar que esta casa seria possivelmente habitada» (65).

83Finalmente, na Afurada, povoado piscatório igualmente fundado pos sivelmente por gentes marítimas de Ovar, Murtosa e Ílhavo, na margem esquerda do rio Douro, em frente ao Porto, junto à sua foz, vemos tam bém um casoto de tabuado, erguido sobre uma bateira posta de parte (fig. 108); a construção é aqui diferente: dos bordos do barco, à ré, ele vam se as paredes verticais do casoto até uma certa altura; a cobertura, de duas águas, e igualmente com o cume no sentido do eixo do barco, apoia sobre elas e sobre as empenas, à frente e atrás; o casoto eleva se pois, direito e de forma regular, acima dos bordos do barco, com outões baixos.

Notes

1 ) Utilizámos a nomenclatura e classificação de J. Leite de Vasconcelhos, in «Reli giões da Lusitânia », I, Lisboa, 1897, p. 212 (combinadas com as do autor do artigo Gruta na «Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira », vol. XII – Mendes Correia? – ligei ramente alteradas e ajustadas, o qual, considerando em geral o caso pré histórico, acres centa ainda os poços, que são abrigos – grutas, na sua terminologia – «que tomam a direcção vertical»).

2 ) Montandon, op. cit., p. 293, nota que embora os abrigos cavados nas rochas se possam assemelhar aos abrigos naturais, eles não são, em geral, abrigos, mas «constru ções secundárias» relativamente à construção da região onde ocorrem, e que, na sua forma essencial – circular ou quadrangular – imitam a forma de viver ao ar livre a que os respectivos habitantes estavam acostumados. Parece nos porém que esta constatação não se pode generalizar nem erigir em princípio.

3 ) H. Breuil e R. Lantier, « Les Hommes de la Pierre Ancienne», Paris (Payot) 1951, p. 95.

4 ) André Varagnac, « Le Paleolithique Moyen et Supérieur de l’Europe et de l’Afrique », in « L’Homme avant l’Écriture » (dir. A. Varagnac), Paris (A. Colin), 1959, p. 86. Veja se também Laming Emperaire, « Habitat », in « Dictionnaire Archéologique des Techniques », tomo II, Paris (ed. de L’Accueil), 1964, pp. 477 480.

5 ) De acordo com J. E. Lips, «Les origines de la culture humaine», Paris (Payot), 1951, pp. 11 12, «o facto de alguns sábios terem achado a mais antiga utensilagem em cavernas, onde condições particulares lhes haviam assegurado uma boa conservação durante milénios, induziu em erro os não iniciados, e levou os a crer que a caverna tinha consti tuído a primeira solução dada ao problema do alojamento. Essa maneira de ver subestima o engenho dos homens; ela não toma em conta as influências climáticas e geográficas que presidem à escolha dos abrigos...» E na mesma ordem de ideias, diz André Leroi Gour han, «Milieu et Technique », Paris (A. Michel) 1945, p. 254: «O pequeníssimo número de restos muito antigos do homem, descobertos nas cavidades naturais, enquanto que se encontram aí quantidades por vezes enormes de esqueletos de carnívoros, pareceria antes indicar que os contemporâneos do Pitecantropo viviam como os antropóides (e todos os silvícolas rústicos dos nossos dias) nas árvores ou debaixo delas, construindo camas ou esteiras de folhas. A presença frequente de restos humanos nas cavernas, a partir de Neanderthal, ilude...». J. A. Mauduit, «Manuel d’Ethnographie», Paris (Payot), 1960, pp. 196 197, entende também que o « habitat » humano «na sua simplicidade primária», «não difere em nada do dos animais, e o leito que, para se proteger das feras, o indígena ins tala numa árvore ou num galho bifurcado, é igual àquele que dispõem os grandes antropóides»... «Se encontramos o seu esqueleto e as suas armas no fundo das grutas é porque o meio se presta à sua conservação e porque o Arqueólogo dá mais fàcilmente por uma gruta do que por uma estação ao ar livre...». E pp. 306 307: «Quando se pensa nos trogloditas, perde-se muitas vezes de vista que uma caverna ou um abrigo sob rocha, que é uma caverna incompleta, não são, salvo raras excepções, habitáveis sem arranjos... Esses arranjos encontram se em todos os trogloditas actuais ou recentes, e, sem excepção, põem em jogo materiais e formas arquitectónicas idênticas aos dos membros que não vivem em cavernas... A caverna é (hoje) um acidente local de habitação ». «É pouco mais ou menos certo que os abrigos sob rocha da Idade da Rena possuíam uma fachada, e é verosímil que essa fachada fosse da mesma natureza que as cabanas que a maioria dos homens de então deviam usar, os quais viviam sobre o solo ou talvez em habitações semi subterrà neas». «A questão deve pois ser radicalmente invertida: os homens, normalmente levados a construir sobre o solo abrigos leves, comparáveis à cama dos grandes símios, teriam tirado partido dos abrigos naturais que o acaso oferecia a alguns de entre eles. É assim pelo menos que se apresentam hoje os casos de habitação em cavernas ou abrigos sob rocha». Para Montandon, op. cit., p. 293, o abrigo artificial, na sua forma mais simples – o resguardo contra o vento, de ramagens «mais ou menos verticais, mais ou menos em abóbada: o paravent –, « realizar se á de acordo com os instintos primordiais do Homem ». Entre nós, Carlos Ribeiro, in «Estudos Pré históricos », I, p. 64, a propósito das vivendas mais primitivas, fala em construções que deviam ser de estacas entretecidas de ramagens, caniços e palhiços como ainda hoje, e outras já com paredes, tapadas com ramos de árvores ou arbustos.

6 ) De facto, e mais uma vez de acordo com J. E. Lips, op. loc. cit., «acharam se mais provas materiais de estabelecimentos pré históricos em terrenos descobertos do que nas grutas. Por toda a parte onde as cavernas foram escolhidas como locais de habitação, foram no, tendo em consideração motivos particulares, tais como o rigor do clima no deal bar dos períodos glaciares, ou as exigências da caça, nomeadamente nas regiões alpinas». De facto, o Homem Moustierense frequentou as cavernas num momento geològicamente preciso : a sucessão dos fenómenos glaciares (como dissemos, pode mesmo falar se no Moustierense das Grutas, durante o último glaciar); e, por outro lado, «o homem da civilização europeia do osso, que perseguia o urso nas cavernas (Ursus Speloeus) seguiu a sua presa até às montanhas altas, e estabeleceu aí a sua vivenda. A habitação mais elevada deste género que se conhece é o local chamado «Cova do Dragão» (Trou du Dragon), perto de Vättis, na Suíça, a cerca de 1000 m de altitude. Mas os contemporâneos do caçador de ursos dos Alpes que se dedicavam à caça das espécies das regiões baixas, não habitavam grutas». «O trogloditismo... foi o efeito de uma necessidade temporária, ou então, mais frequentemente ainda, uma fase acessória do modo de viver habitual em viven das construídas pelo homem ». Sem dúvida, como nota Leroi Gourhan, op. loc. cit. « em todas as épocas, nunca o homem desprezou as grutas que lhe ofereciam um abrigo natu ral; aonde as encontra, ocupa as... Parece pois razoável dizer que o homem por vezes viveu em cavernas; que em certas regiões, ele preferiu as mesmo às vivendas artificiais ; ... mas os milhões de silex talhados que se encontram por toda a parte fora das grutas, provam a existência normal da habitação ao ar livre ». Montandon, op. loc. cit, entende também que o «abrigo natural foi talvez menos exclusivamente utilizado nas épocas pré históricas do que aquilo que se imagina pelas descobertas de cavernas e abrigos sob rocha outrora habitados, porque os restos das outras vivendas eventuais, anteriores ao Neolítico, decerto desapareceram...» Aliás, como acentuam H. Breuil e R. Lantier, op. cit, p. 103, as grutas e cavernas, nos países sujeitos ao clima glaciar, não eram ocupadas todo o ano: de Novembro a Março, vêmo las frequentadas pelas renas. Keesing, op. cit. p. 318, mencionando as cavernas e abrigos sob rocha como sendo «os primeiros indícios de habitação », curiosamente chama a atenção para os desenhos « tectiformes » que ocorrem também na arte das cavernas do Paleolítico Superior, «possivelmente indicando tipos de casas usadas nos verões quentes». A este respeito, Raymond Lantier, «La Vie Préhistorique», Paris, 1961, pp. 91 98, fala nas grandes vagabundagens do homem paleolítico, para caça e também para troca de produtos, que estão na base de pistas rudimentares, ao longo de vales e através de gargantas, embrião de futuras estradas. À vida concentrada do Inverno, período de exaltação religiosa, durante o qual tinham lugar os ritos e iniciações, decora ção de lugares de culto, preparação de armas, utensílios e vestuário, e em que se consu miam as provisões armazenadas, seguia se a dispersão estival, em que utilizavam abrigos rochosos e choços de ramagens, em relação fundamental com as deslocações dos herbívoros e com a busca de alimentos.

7 ) H. Breuil e R. Lantier, op. cit., pp. 94 102. J. E. Lips, op. cit., p. 12, nota tam bém que, «como local de habitação, só se utilizava ocasionalmente a parte anterior das grutas, e, mesmo, nesse caso, preferia se o lugar onde o avanço do rochedo forma um abrigo ao ar livre».

8 ) L. Emperaire, op. loc. cit., p. 478. J. Leite de Vasconcelos, op. cit., p. 48, perante a evidência de vestígios da habitabilidade e da « venerabilidade » das grutas e mesmo dos simples abrigos debaixo de rochedos – a existência de restos des esqueletos humanos, e a própria exiguidade das suas dimensões –, entende que elas foram alterna damente, e até ao mesmo tempo por vezes, habitações e sepulturas.

9 ) J. E. Lips, op. loc. cit.

10 ) Afonso do Paço, Maria de Lourdes Bártolo e Augusto Brandão, «Novos acha dos arqueológicos das grutas de Cascais », separata do vol. I das «Actas e Memórias do I Congresso Nacional de Arqueologia », Lisboa, 1959.

11 ) J. Leite de Vasconcelos, op. cit. p. 215.

12 ) id. p. 40.

13 ) A gruta da Cesareda foi aquela em que pela primeira vez se encontraram em Portugal materiais do Magdalenense.

14 ) Irisalva Moita, «Gruta», in « Enciclopédia Focus », III vol., Lisboa, 1966, pp. 34 35.

15 ) Estudada por Agostinho Farinha Isidoro, « Espólio Antropológico da Gruta do Bugio» (Sesimbra), in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia», XIX, 3-4, Porto, 1964.

16 ) Manuel Farinha dos Santos, « Vestígios de pinturas rupestres descobertas na Gruta do Escoural », in «O Arqueólogo Português », Nova Série, V, Lisboa, 1964, pp. 5 48.

17 ) Irisalva Moita, «Gruta», op. cit., e J. Leite de Vasconcelos, op. cit., p. 40.

18 ) J. Leite de Vasconcelos, op. cit., p. 227. O Autor, p. 15, nota ainda que, no período neolítico, abriam se galerias subterrâneas para a exploração do silex: assim suce deu por exemplo nas camadas cretácicas do Vale de Alcântara, em Lisboa (túnel do Rossio), onde se encontraram percutores e martelos de basalto e quartzitc para a extrac ção do silex, ali existentes, à mistura com esqueletos.

19 ) H. Breuil, « La Roche Peinte de Valdejunco à la Esperança prés Arroncbes (Portalegre)», in «Terra Portuguesa », III vol. Lisboa, 1917, pp. 17 27: e também R. de Serpa Pinto, «O abrigo pré histórico de Valdejunco (Esperança)», in «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », V, 3, Porto, 1932, pp. 245 246.

20 ) J. R. dos Santos Júnior, « O abrigo pré histórico da «Pala Pinta », in «Traba lhos de Antropologia e Etnologia », VI, 1, Porto, 1933, pp. 33 43. «A Pala Pinta constitui um abrigo que pelas escassas dimensões, sobretudo em altura, não deve ter servido de habitação ao homem que pintou os sinais esquemáticos hoje ali patentes. É possível pois admitir que estejamos em presença de um local escolhido para manifestações de culto, ou seja de um verdadeiro santuário rupestre, o qual se pode fazer remontar pelo menos à idade do Bronze ».

21 ) Gil de Montelongo, «A nossa história», in «Ecos da Montanha », Ano I, n.° 3, Porto, 1963, chama a atenção para os topónimos de Lapa e Pala e seus derivados (Lapeira, etc.) – e também Covas e Batocas – bastante frequentes, e que verosìmilmente indi gitam a existência, antigamente, de grutas ou cavernas que teriam desaparecido. E, além de outros exemplos, fala na Lapa do Ermitão, no Monte Farinha, em Mondim de Basto, «junto da primeira ermida do Santuário da Senhora da Graça, a qual, segundo a tradição, terá servido de abrigo a um ermitão medieval que para aí se retirou, mas que também pode ter servido para abrigo a outros homens em tempos mais remotos»...

22 ) Entre os trogloditas actuais, Leroi Gourhan, op. cit., pp. 307 308, fala nos chi neses de Chen si, que cavam as suas cavernas na Terra Amarela, nos Dogom das falésias do Sudão, nos Pueblos do Arizona, nos índios do leste do Brasil, e até nos « boves » de Oulchy le Câteau, no Aisne, no Vale do Sena – acentuando aliás que todos arranjam as fachadas das cavernas em que vivem, de forma e materiais idênticos aos das casas nor mais das regiões vizinhas; e conclui: «os trogloditas são fracções locais de grupos que vivem sobre o solo», e «a caverna é um acidente local da habitação» (Ver Notas 7 e 8). Ashley Montagu, « Les Premiers Âges de l’homme », Verviers (Marabout Université), p. 131, nota: «Não se imagina sem espanto que na hora presente milhões de seres huma nos vivem ainda em cavernas. E isto não apenas na Mongólia e na Arábia, mas igualmente na Europa. Só em Espanha, há ainda hoje milhares de pessoas para quem a caverna é o habitat permanente». Lips, op. cit. menciona ainda os Veda do Ceilão e os Toala das Celebes, que « manifestam preferência marcada pelo trogloditismo », «porque as cavernas abundam nos seus territórios». E Richard Thurnwald, « L’Economie Primitive », Paris (Payot), 1937, pp. 48 49, fala ainda nos Bergdama nómadas da África Austral, que se instalam temporàriamente em grutas (ver Nota 39).

23 ) J. Leite de Vasconcelos, «Pela Beira – Serra da Estrela », in «O Arqueólogo Português», XXII, Lisboa, 1917, pp. 325 326, fig. 27; e «De Terra em Terra», I, Lisboa, 1927, pp. 179 180. O Autor acentua o aspecto pré histórico deste abrigo.

24 ) J. Leite de Vasconcelos, « Religiões da Lusitânia », I, Lisboa, 1897, p. 45; e « Uma Excursão ao Soajo », Barcelos, 1882, p. 6. Ver Nota seguinte.

25 ) J. Leite de Vasconcelos, «Religiões», id., fala destes abrigos, que viu em Grassão (Ponte da Barca, a caminho do Soajo), em 1882, dos quais um servia de taberna. Ver Notas anteriores e seguinte.

26 ) Jorge Dias, «Abrigos pastoris na Serra do Soajo », in «Trabalhos de Antropo logia e Etnologia », XII, 3 4, Porto, 1950. O Autor nota que estes abrigos – e também os outros que regista na mesma região : cabanas de planta circular em falsa cúpula, isoladas ou agrupadas em brandas, e cabanas de pedra bruta, de protecção contra aguaceiros ocasionais, nos pontos mais altos da serra –, se contam «entre as formas mais arcaicas da construção, e relacionam se com as habitações primitivas do género humano». Leite de Vas concelos», «Religiões», id., por seu turno, refere se igualmente a abrigos desta natureza, «casas térreas cavadas no monte», ao lado das habitações, em Grassão (Ponte da Barca), servindo de currais de cabras, ovelhas, etc. «ou de taberna» (ver Nota anterior).

27 ) Actuahmente divulgam se por todas estas regiões em geral pequenos abrigos destes géneros, de planta igualmente quadrangular mas com cobertura de telha.

28 ) J. Leite de Vasconcelos, «Pela Beira», id.

29 ) Jorge Dias , «As Casarotas da Serra Amarela », in: «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XI, 1, Porto, 1947, pp. 189 191, e «Abrigos pastoris», id.; e Joaquim Vicente Pereira Araújo, «Diário Filosófico da Viagem ao Gerês», por Celestino Maia, Porto, 1949, p. 23. Acerca da intepretação das casarotas como acampamento militar, Pinho Leal diz semelhantemente que «no alto da Amarela ainda existem as ruínas de quartéis e restos de fortificações do tempo das guerras com Castela » (« Portugal Antigo e Moderno », I, p. 488, s.v. Bruffe).

30 ) Vergílio Correia, «As cabanas de Assafarja », in: «A Águia », Porto, 1915, p. 7.

31 ) A respeito de um desses malhões, Leite de Vasconcelos, segundo a informação do guia que o acompanhava, nota que, além da função principal de abrigo de pastores, ele servia também de marco de partilhas. J. Leite de Vasconcelos, «Pela Beira», p. 325, fig. 25; e também «De Terra em Terra», pp. 181 182. O Autor descreve este malhão como sendo um amontoado de pedras de 1,50 m de altura e uns 2 m de diâmetro.

32 ) Ver Nota 7 (final).

33 ) F. Tavares de Proença (Jor.), «Sobrevivências, Typos e Costumes, Relativos especialmente à Beira Baixa – I – As Queijeiras redondas de Castelo Branco, e as Cabanas da serra da Estrela », Leiria, 1910, p. 9.

34 ) Rocha Peixoto, «A Pedra dos Namorados », in «Portugália», I, Porto, 1899 1903. p. 807.

35 ) Nos próprios termos de Leroi Gourhan, op. loc. cit., como dissemos (ver Nota 8), «os milhões de silex talhados que se encontram por toda a parte fora das grutas, provam», com efeito, «a existência normal de habitações ao ar livre durante todo o Paleolítico » – além portanto do habitat em cavernas e grutas, que teria sido normal ape nas em certos casos, nos períodos frios e onde elas existiam. Mas como sucede com os casos actuais do mesmo nível, esses primeiros abrigos não deixaram rasto duradouro, e não se pode saber nada ao certo sobre qual a sua forma. «É preciso chegar ao Neolítico para se encontrarem sinais de cabanas no solo». Jacques de Morgan, « L’Humanité Pré historique » (Col. L’Évolution de l’Humanité), Paris, (A. Michel), 1937, p. 164, nota igual mente que «fora as cavernas, não conhecemos com segurança nada da habitação do Homem durante os tempos quaternários; é com as indústrias mesolíticas que aparecem os primei ros sinais de choças construídas ao ar livre». H. Alimen, «Atlas de Préhistoire», I, Paris, 1950, p. 25, do mesmo modo, nota que, em França, «só a partir do Mesolítico apa recem vestígios certos de habitat construído» – os fundos de cabana –, que, alguns, se podem datar do Neolítico. (Ver capítulo seguinte, p. 69). Laming Emperaire, op. loc. cit., por seu turno, menciona como vivendas do Homem do Paleolítico Antigo, além das grutas e cavernas, « grande variedade de choços, tendas, casas subterrâneas ou semi subterrâneas»; e indica que, na Europa ocidental, os seus acampamentos se situavam geralmente no rebordo dos grandes rios ou nas margens dos lagos ou lagunas, onde a fauna e a vegetação eram mais abundantes e densas. No Paleolítico Médio, o Moustierense conhece as mesmas formas habitacionais dos seus predecessores, nos planaltos, nos vales, nos abrigos ao ar livre ou sob rocha. Durante o terceiro inter glaciar (Riss Würm), predominam os acampa mentos ao ar livre; e depois do último glaciar (Würm), o habitat em cavernas perde toda a importância: o homem passa a viver normalmente em cabanas, com lareira central, e por vezes agrupadas em aldeias. Depois do Neolítico, a diversidade das habitações tor na se grande; introduzem se na construção os materiais inorgânicos, pedra e barro, e apa rece a casa com esqueleto. Segundo Mauduit, op. cit., p. 196, o homem, após o abandono das grutas no final do último glaciar, construiu abrigos ao ar livre sob a forma de cabanas, a princípio redondas, e depois angulares; é a partir destas construções elementares – as cabanas redondas – que o habitat seguidamente se desenvolve, primeiro na forma, depois na estrutura e divisões essenciais. H. Breuil e R. Lantier, op. cit., indicam também como abrigos pré históricos, nos períodos quentes do Paleolítico, os «painéis inclinados», barricadas de peles ligadas umas às outras, cabanas de ramagens em forma de cúpula, esconderijos em troncos de árvores (ver Nota seguinte), em fossos ou covas em penedos (além das cavernas e grutas). Raymond Lantier, op. loc. cit, sugere igualmente, como mais antigos abrigos, para os períodos quentes, anteparos inclinados e cabanas de ramagens em cúpula, ou barricadas e tendas de peles, além de esconderijos em troncos ocos, fossos ou buracos em rochedos, protegidos por ramagens. Lips, finalmente, op. cit., pp. 12 13, considera como o mais antigo abrigo feito por mão de homem, que teria sido usado já no Paleolítico, um painel de materiais leves, uma armação de paus ou ramagens espetados no solo e recobertos de folhas, ervas ou casca de árvores, formando uma parede direita ou um recinto semi circular – o anteparo-contra-o-vento –, que porém não deixou vestígios, mas que ocorre ainda hoje em grande número de grupos pri mitivos actuais, sobretudo em climas quentes, e em especial entre gentes pastoris nómadas.

36 ) H. Breuil e R. Lantier, op. cit., referindo se aos abrigos ao ar livre, nos períodos quentes, do Paleolítico, mencionam, além de outros (ver Nota anterior), os esconde rijos em troncos de árvores E, na mesma ordem de ideias, Mauduit, op. cit, entende essen cialmente que «na sua simplicidade primária, o habitat humano não difere em nada do dos animais, e a cama que para se proteger das feras o indígena instala numa árvore, numa bifurcação de ramos, é igual àquela que os grandes antropóides dispõem».

37 ) No plano etnológico, como formas mais simples e primitivas de abrigos arti ficiais – ou seja construídos pelo homem–, Montandon, op. cit. fala: 1) num simples resguardo ou anteparo contra o vento, fixo – o paravent – composto de paredes de ramagens mais ou menos verticais ou mais ou menos em abóbada rápida e grosseiramente construída, « dependente em parte do meio», e que se realiza «de acordo com os instintos primordiais do Homem », assinalando o entre os Bochimanos, os Australianos, certos gru pos Gez do planalto do Brasil, e as gentes da Terra do Fogo (os Ona) – aliás em todos estes casos a par com a «choça em colmeia» –; 2) logo a seguir, o guarda vento rectangu lar – o auvent –, inclinado, de construção mais regular, que se apoia contra uma estaca ou uma árvore; das palavras do Autor, porém, parece depreender se que ele tem em vista, neste caso, um abrigo móvel – semelhantemente às nossas esteiras pastoris, portanto –. Estes abrigos, de um modo geral, correspondem ao ciclo das culturas primordiais, que o Autor (p. 309) distingue das culturas primitivas. Mauduit, op. loc. cit., referindo se aos primeiros níveis de habitação (ver Nota 37), aponta os abrigos dos Tasmanianos, em tiras de casca de árvore dispostas em guarda vento, junto ao fogo, e os dos Ona da Terra do Fogo, no extremo sul da América, do mesmo género, em peles de guanaco, sobre varas enterradas oblìquamente no solo; Leroi Gourhan, op. cit., pp. 311 e 317, na mesma ordem de ideias, indica os guarda ventos (auvents), como habitações permanentes (apenas em grupos muito rústicos), dos Australianos. Ciganos da índia, e Botocudos do Brasil, e os abrigos dos Lapões e Ghiliacos siberianos, de formato cónico ou similar, de paus aperta dos, nus ou revestidos de terra ou relva (e que entende serem na realidades «tendas cóni cas que se fixaram para perdurarem e que se modificaram por essa fixidez»); e certas tendas dos Peles Vermelhas, em que não há distinção entre cobertura e parede pròpria mente ditas, mas uma superfície única cónica ou semi esférica, assente numa armação de paus que se reúnem no alto, ou de arcos. R. Thurnwald, op. loc., cit., a propósito dos Bergdama, trogloditas e nómadas, da África austral (ver Nota 24), nota que eles fazem também anteparos contra o vento. Ashley Montagu, op. cit., p. 132 igualmente, menciona, além dos Ona, os Australianos, que « utilizam um guarda vento... feito de ramos de folhas», ou, por vezes, «choças mais resistentes – embora muito elementares–, colocando, sobre um esqueleto de vergas encurvadas, ramagens e torrões de terra húmida e erva». Lips, op. cit., falando dos « dois mais velhos géneros de casa: a cabana circular com cobertura em cúpula ou em cone, e a cabana quadrangular», derivados do primeiro anteparo-contra-o-vento (ver Nota seguinte), é de opinião que as tribos mais primitivas preferem muitas vezes a cabana circular (que se encontra entre os Australianos e numerosos grupos da África e América). Note se que Leroi Gourhan, semelhantemente, a propósito das arma ções e coberturas mais simples que concebe, fala também nas cabanas feitas de paus dis postos em círculo ou nos cantos de um rectângulo, e mantidos pelas próprias paredes, e nas coberturas «mais ou menos homogéneas», «que não têm uma direcção precisa», feitas de ramalhuça amontoada sobre os paus de um guarda vento ou cabana, ou traves de um terraço, e nos torrões de terra ou erva das cabanas de Inverno dos Esquimós, e na terra ou taipa dos terraços do Mediterrâneo ou Próximo Oriente.

38 ) Montandon, op. cit., como formas directamente derivadas «sem qualquer inter mediário» desses mais primitivos abrigos artificiais, o paravent e o auvent (ver Nota anterior), considera seguidamente três tipos de choças, todas de planta quadrangular e da categoria de cobertura parede: 1) o guarda-vento duplo, formado por dois guarda ventos singelos (auvents) que encostam, em cima, um ao outro; se porém, como parece, o auvent é o abrigo móvel de esteira, o Autor não enumera o abrigo fixo de duas águas lineares, que seria como que um guarda vento duplo fixo, e que é na verdade uma forma extrema mente corrente; 2) a choça ogival, ou pseudo-ogival, cuja armação são duas filas para lelas de varas espetadas no solo, encurvadas e amarradas pelas extremidades no alto, de modo que a sua secção é em ogiva; 3) a choça em arco redondo, cuja armação são tam bém duas filas paralelas de varas espetadas no solo, encurvadas e amarradas pelas extremi dades; essas varas são porém maiores de um lado do que no outro, de modo que a amarração faz se não no alto, mas no flanco, e a secção da choça é um arco redondo. Por outro lado, na origem de toda a construção de planta circular está, segundo o mesmo Autor, a chamada « cabana em colmeia», também da categoria de cobertura parede, de ramagens ou folhas, sobre uma armação de varas espetadas no solo, e juntas de diversas maneiras (e que, segundo o Autor, corresponde ao ciclo das culturas primitivas, ou do Bomerang): 1) em arcos meridianos, ogivais (amarrados no alto) ou redondos; e 2) em arcos paralelos (de tamanhos decrescentes) cruzados. O Autor nota ainda que, nestas cons truções, à cobertura vegetal junta se muitas vezes barro, um induto interno, de ambos os lados, formando taipa, etc. E vimos já (Nota anterior) os abrigos dos Ghiliacos siberia nos feitos de paus apertados, nus ou recobertos de terra ou relva. A «choça em colmeia» ogival conduz à cabana de cobertura cónica independente. Lips, op. loc. cit, por seu turno, entende que esses mais antigos anteparos-contra-o-vento, de ramagens, formando uma vedação direita ou recinto fechado semi circular (ver Nota 37), constituiriam «o pro tótipo da forma fundamental dos dois mais velhos géneros de casa: a cabana circular com cobertura em cúpula ou em cone, e a cabana quadrangular».

39 ) J. Leite de Vasconcelos, «Pela Beira», p. 307, fig. 13. O Autor, citando Angel del Castilllo, nota que esse rego de escoamento – que encontramos aliás em muitos casos desta categoria – existe também nas pallazas galegas. Neste choço beirão – que coexiste com abrigos móveis de duas esteiras – o guarda « deita se dobrado», para caber lá dentro.

40 ) Leroi Gourhan, op. cit., entre os tipos mais primitivos de armação, inclui este: quatro prumos em rectângulo, mantidos pelas próprias paredes; nas construções mais importantes, os elementos verticais são ligados por travessas horizontais.

41 ) Em Reguengos de Monsaraz vimos um abrigo de meloal que não era mais do que uma grande quantidade de canas dispostas em cone em volta e encostadas, em cima, a uma árvore, tal como os abrigos de vinha da região de Torres Vedras a que a seguir nos referiremos.

42 ) Ver adiante Capítulo 2 – B – (Falsa cúpula). Note se que, na Serra da Es trela, os pastores dormem debaixo de lapas, abrigados apenas pelas suas capas de burel.

43 ) Falando dos abrigos dos pastores da região de Castelo Branco (ver Nota se guinte), Tavares de Proença acrescenta: «Os pastores cozinham no interior das choupa nas. Para isso encostam a um dos lados uma pedra chata e larga para evitar que o lume pegue no colmo ou nos caniços. Escolhem uma pernada de árvore torta de tal modo que forme um gancho na extremidade. Espetam na junto da pedra de maneira que o gancho venha apresentar se por cima do lume a razoável altura. A esse pau chamam burro. Dele suspendem o caldeiro com o magro cozinhado que depois é deitado em malgas de barro e comido com o auxílio de colheres de pau – cocharras – (pron. cuxarras) feitas pelos próprios pastores». Tavares de Proença, op. cit., p. 10. Note se que o termo burro é conhecido em outras regiões do País, por exemplo em Trás os Montes, para designar o dispositivo donde se suspende a corrente com o caldeiro sobre a lareira. Ver também P. M. Laranjo Coelho, «Terras de Odiana», Coimbra, 1924, p. 270, a des crição de um aprisco, bardo e choço, haveres do pastor, e fabrico de queijos.

44 ) Quando os gados «têm necessidade de percorrer grandes extensões de terreno aonde não haja abrigo... usam os pastores da Beira armar com o auxílio de paus e giestas uma cibana a que chamam choça, que destroem logo que mudam para outra pastagem (algumas vezes ainda utilizam para esse efeito um tronco de árvore com três pernadas que cortam e invertem sobre o terreno. Tapam por meio de paus miúdos e de colmo os espaços existentes entre as três pernadas, e deixam de um lado uma... porta). Alguns proprietários usam ali para os bardos uns tapumes portáteis, feitos de varas de salgueiro entretecidas, a que chamam caniços, mantidos na posição vertical por meio de estacas. Nesse caso, os pastores usam dois ou três desses... caniços para fazerem a choça. No caso... de os gados terem demora de alguns dias numa determinada pastagem, a choça perde a forma triangular e torna se rectangular, mais ampla... e passa a ser um choço ». Tavares de Proença, op. cit., pp. 9 10. Em Penha Garcia também se vêem cancelas de giestas entretecidas. (Ver ainda texto correspondente a Nota 55).

45 ) Num exemplo excepcional, em Figueira de Castelo Rodrigo, vimos um abrigo deste tipo em que a esteira era uma cancela de bardo, a que amarraram varas e recobriram de palha. Tavares de Proença relata também este facto a respeito de Castelo Branco (ver Nota anterior). Ver Nota 39, a citação de Montandon acerca do auvent « de paredes rectangulares inclinadas e apoiadas numa estaca», que parece ser móvel, correspondendo assim exactamente à nossa esteira, e que o Autor situa logo a seguir ao par avent (que é o tipo mais primitivo de abrigo artificial vegetal e fixo).

46 ) Ver Nota 40, acerca dos guarda ventos do tipo auvent, duplos, que parecem corresponder exactamente aos nossos abrigos de esteira duplos. Montandon, contudo, a seu respeito, acentua a conveniência da curvatura dos painéis ou paredes, como meio de se obter maior capacidade interior – originando a referida choça quadrangular pseudo-ogival, na sua terminologia – ; dissemos já da curvatura que geralmente se dá às nossas esteiras: essa choça quadrangular pseudo-ogival seria pois uma forma fixa e grande dos nossos abrigos de esteiras duplos.

47 ) Por exemplo em Belmonte, na estrada para o Sabugal.

48 ) Montandon, op. cit., refere também os anteparos dos guarda ventos duplos, ora verticais ora em absidíolo – rotunda, na sua terminologia.

49 ) Em Portalegre, os antigos abrigos, ao que parece, eram choços cónicos ou semi cónicos; mas com as mudanças constantes, desmantelavam se, e por isso, hoje, são de esteiras, em número de duas ou quatro.

50 ) Em Torre das Vargens e Ponte de Sor encontram se abrigos de duas águas, mas em tabuado.

51 ) Referido a Formieola, na Campania (Itália), vemos uma cahana de pastor deste tipo, estreitamente semelhante à que descrevemos, da região de Castelo Branco, de duas esteiras (com anteparo semi cónico) e vestíbulo. Paul Scheuermeier, «Bauern werk in Italien der italienischen und rätoromanischen Schweiz », Vol. I, Zurique, 1943, p. 198, fig. 5

52 ) Em Serpa e Arronches, por exemplo, usam também o junco e o bunho; e em Castelo de Vide, bunho em baixo, atabúa a seguir, e finalmente rabo de raposa, que é um material mais forte, grosso e duradoiro.

53 ) Ver Nota 46.

54 ) O termo choço (ou, às vezes, choça), que aqui empregamos para designar os abrigos móveis de pastor de formato cónico ou semi cónico, não se pode considerar de uso geral em português com esse sentido. Em muitas partes, dão a estes abrigos nomes diferentes: cabana, Penalva do Castelo; chocho, Reguengos de Monsaraz; choupana, Gou veia; cibana fechada (poi oposição à «aberta», que é o abrigo de esteiras), Seia; malhada, Nisa; socha, Nisa; socho, Nisa; etc. Note se que em Portalegre se dá, hoje, por vezes, o nome de socho ao abrigo de esteiras que veio substituir o abrigo cónico que outrora ali se usava (ver Nota 51). Por outro lado, vimos, referido à Beira Baixa, o termo choço aplicado àquilo a que aqui demos o nome de esteira (ver Nota 46). J. Leite de Vasconcelos, « Etnografia Portuguesa », V, Lisboa, 1967, indica, além dos mais, o termo xocha.

55 ) Referido a Picerno, na Lucania (Itália), vemos também um choço de pastor, móvel, deste tipo, estreitamente semelhante, por sua vez, aos que descrevemos da Beira Alta, embora de factura mais perfeita. Paul Scheuermeier, op. cit., fig. 4.

56 ) As cancelas do bardo vão também à cabeça, e às vezes para «folhas» muito distantes. (Ver Nota 46).

57 ) Os anteparos em absidíolo a que atrás nos referimos, podiam, de certo modo, incluir se nesta categoria, pela identidade de formas que mostram com os choços que aqui analisamos. Mas, de facto, as suas dimensões são mais pequenas, e, por isso, a sua função de abrigo é apenas subsidiária: eles não são pròpriamente um abrigo, mas um elemento complementar de um abrigo de esteiras; ao passo que o choço semi cónico, embora esteja muitas vezes associado a abrigos de esteiras, pode também apa recer sòzinho, como abrigo independente.

58 ) E outrora, como dissemos atrás (Nota 51), ao que parece, em Portalegre.

59 ) Em Nespereira (Gouveia), onde não se usam carros abrigos, encontramos porém uma cabana do tipo corrente dos choços cónicos ali usados, que o seu dono, por própria invenção, montara sobre um estrado a que aplicou quatro rodas pequenas, para mais fácil deslocação (fig. 99).

60 ) Fernando Galhano, « Cabanas », in «Douro Litoral, Boletim da Junta de Província», n.° I e II, Quarta série, pp. 78 83.

61 ) Nesta região, a par das cabanos, guarda se também a palha milha em medas, altas e em geral cilíndricas, ou, entre Aveiro e Oliveira do Bairro, estreitando para o alto, como as dos cereais de pragana.

62 ) Vimos um igual em Vandoma, Baltar, mas não cremos serem correntes nessa região. Na área de Vila do Conde e Póvoa de Varzim, fazem também uma espécie de cabanas piramidais de palha milha; mas são tão estreitas que não podem ser utilizadas como abrigo, servindo apenas para a secagem e conservação da palha.

63 ) Fernando Castelo Branco, « Subsídios para o estudo das construções de mate riais vegetais do Litoral português», in «Mensário das Casas do Povo», XXII e XXIII, n.os 263 266, Lisboa, 1968, esp. n.° 264, p. 9, fig. 8, e n.° 266, p. 9, Nota 15. O Autor esclarece que se trata de uma fotografia de Mesquita de Figueiredo, reproduzida num postal com a legenda «Cova de Lavos, ao sul do Mondego. Velho barco utilizado como armazém de redes de pesca», a qual lhe foi facultada pelo distinto investigador e historiador Dr. António Gomes da Rocha Madahil. Note se que Fernando Castelo Branco, neste seu artigo, inclui uma fotografia – Fig. 8 – de Mesquita de Figueiredo – certamente aquela a que acima nos referimos – com, porém, a seguinte legenda : «Costa de Lavos. Barco transformado em armazém de redes de pesca».

64 ) Esta fotografia, aliás citada também por Fernando Castelo Branco, op. cit., n.° 264, p. 9, e n.° 266, pp. 9 e 11 (Notas 15 e 16), vem publicada por A. Mesquita de Figueiredo no seu artigo « Etnografia Portuguesa – Habitações da Beira Mar », in «Terra Por tuguesa», vol. III, 1917, p. 4, com a legenda: « Velhos barcos aproveitados para arma zéns. Buarcos e Cova de Lavos ». Fernando Castelo Branco, perante esta imprecisão tópica, conclui que o aproveitamento de barcos velhos como abrigos se teria verificado naqueles dois portos de pesca. De facto, essa mesma fotografia vem também reproduzida no «Guia de Portugal», III vol. (Beira Litoral, Beira Alta e Beira Baixa), Lisboa, 1944, p. 95. com a indicação de ser de Buarcos: «Buarcos. Costumes dos pescadores (os antigos palheiros ou casas de fato) ». A seu respeito, Fernando Castelo Branco, op. cit., n.° 266. pp. 9 e 11, e Nota 16, nota que «a falta de nitidez e as pequenas dimensões da fotografia reproduzida na Terra Portuguesa» (e igualmente no «Guia de Portugal») «não permi tem distinguir se nestas construções se ergueu uma parede sobre a borda da embarcação », tal como se vê no exemplo da Cova (ou Costa?) de Lavos. «A construção apresenta esta caria lateral e parece não assentar no areal, embora esteja indubitàvelmente mais baixa do que a construção reproduzida no postal».

65 ) Fernando Castelo Branco, op. loc. cit. n.° 264, p. 9.

Table des illustrations

Titre 1 – Serra da Peneda Abrigo debaixo de rocha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 2 – Serra da Peneda Abrigo debaixo de rocha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 3 – Serra da Amarela Abrigo debaixo de rocha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 4 - Serra do Gerês Forno da branda de Chão de Lamas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 5 - Ferreinm, Sernaneelhe, Mangualde Construção entre dois rochedos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 6 – Vila Cova de Tavares, Mangualde Curral palheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 7 – Monsanto da Beira Construção sob um rochedo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre 8 – Serra do Soajo Abrigo cavado na rocha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 9 – Sistelo, Arcos de Valdevez Abrigo cavado na rocha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 10 – Borba da Montanha, Fafe Abrigo cavado na rocha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 11 – Sendim, Miranda do Douro Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 12 – Almeida, Castelo Mendo Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 13 – Aldeia Nova, Trancoso Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 14 – Lebução, Chaves Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 15 – Jorjais de Perafita, Alijó Abrigo de pedra Lajes de 1,50 a 2,50 m de comprimento e cerca de 1 m de largura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 16 – Freixo de Espada à Cinta Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 17 – Figueira de Castelo Rodrigo Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 18 – Moimenta de Beira Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 19 - Serra do Soajo Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 20 - Serra da Amarela Forno da branda do Vidoal
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 21 – Serra da Amarela Forno da branda do Vidoal Notar a laje que faz a sua cobertura
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 22 – Serra da Amarela Penedo com covinhas onde deitam a comida para os cães em frente ao forno da branda do Vidoal
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 23 – Serra da Amarela Casarota
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 24 – Serra da Amarela Casarota
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 25 – Serra da Amarela Casarota
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 26 – Serra da Amarela Casarota
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 27 – Cheleiros, Mafra Abrigo em muro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 28 – S. João dos Caldeireiros Mértola Malhão de xisto. Ao fundo um curveiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 29 – S. João dos Caldeireiros Mértola Malhão com estevas formando pala
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 30 – Almodóvar Malhão com nichos abertos na parede
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 31 – Sintra Malhão encurvado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 32 – Terrugem, Sintra Abrigo de pedra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre 33 – Serra da Estrela Malhão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 34 – Serra da Estrela Malhão encurvado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 35 – Serra de Aire Malhão encurvado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 36 – Almeida Malhão encurvado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 37 – Miranda do Douro Abrigo de pedra e cobertura de ramagens
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 38 – Sátão Abrigo de pedra e cobertura de materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 39 – Serra do Gerês Forno da branda da Calcedónia
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre Des. 1 – Abrigos de materiais vegetais fixos: a) S. Pedro da Cadeira, Torres Vedras. Canas recobertas por palha de fava. b) Santiago de Cacém. Esqueleto dum abrigo,c) S. Pedro da Cadeira, Torres Vedras. Canas dispostas em duas águas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 2 – Reguengo. Cartaxo. Planta esquemática duma barroca de cul tivador de meloais.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Des. 3 – Águas de Moura, Setúbal. Abrigo do guarda das pilhas de cortiça, feito de pranchas desse material.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Des. 4 Vila Boa, Belmonte. Aspecto geral dum abrigo móvel de pastor e esquema da sua estrutura. A esteira é quadrada, com 1,70 m de lado.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 5 – Caria, Belmonte. Neste exemplar, a esteira foi alongada pelo comprimento da palha. Anteparos triangular e em absidíolo. Este último tem como esqueleto uma forca de três galhos, com vergas grossas servindo de ripagem, amarradas com vergas delgadas, a) Pormenores do esqueleto do absidíolo, e disposição dos feixes de palha, b) Processo de enlaçamento dos feixes, com verga delgada. c) Remate frontal do absidíolo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 6 – Figueira de Castelo Rodrigo. Abrigo móvel de pastor. A esteira é muito encur vada, e a palha, espalhada, é apertada por varas que amarram para as ripas. Os anteparos triangulares, e a esteira que se encosta na frente, não têm qualquer caixilho; a palha é apenas apertada entre varas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 7 – Sernancelhe. Três tipos de prisão da palha nas esteiras, observados em Penso e Vila da Ponte. O tipo c é uma combinação dos dois primeiros.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Des. 8 – Serpa. a) Grade de esteira. b ) Esquema da prisão das manadas de palha, cosidas para as ripas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 9 – Escalhão. Figueira de Castelo Rodrigo. Anteparo triangular dum abrigo móvel de pastor.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 10 – Avelai, Sátão. Choço de pastor. a) Aspecto geral. b) Pião de madeira, do vértice do cone, ao qual pregam as varas. c ) Processo de amarração da palha às ripas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 11 – Pinhanço, Gouveia. Cibana de pastor. a) Aspecto geral. b ) Maneira de enlaçar as manadas de colmo, c) Esqueleto da cibana, podendo ver se, no alto, duas varas hori zontais, que apoiam nos ombros da pessoa, quando do seu transporte.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 12 – Reguengos de Monsaraz. Abrigo móvel.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 13 – Alpalhão, Nisa, Socho móvel de pastor, na sua forma mais perfeita, a) Aspecto geral e corte pelo plano transversal mediano. b) Estrutura do tejadilho; a palha é esten dida em dois sentidos e amarrada pelo processo normal. c) Estrutura do esqueleto dum absidíolo, na sua forma tipo. Na realidade vêem se geralmente varas suplementares (tracejadas) que se colocam quando conveniente.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 14 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Planta e corte esquemático dum choço móvel de pastor.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Des. 15 – Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova. Pormenores dum choço. a) Esqueleto do choço semi cónico. b) Disposição das camadas de giesta e palha num choço semi cónico. c) Prisão da giesta e da palha nas esteiras, d) Porta lateral aberta numa das esteiras.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre 40 – Póvoa de Cervães Mangualde Abrigo fixo de materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-55.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 41 – Avelai, Sátão Abrigo fixo de materiais vegetais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-56.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre 42 – Nespereira, Gouveia Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-57.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 43 – Ota Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-58.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 44 – Portó de Lagos. Lagos Abrigo fixo de materiais vegetais Planta quadrangular
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-59.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 45 – S. Teotório, Odemira Abrigo com esqueleto de varas recoberto de terra
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-60.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 46 – Veiga de Chaves Abrigo feito dum trono oco de castanheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-61.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 47 – Reguengo, Cartaxo Barraco, de meloais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-62.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 48 – Juromenha, Eivas Barraca de meloais formada por quatro esteiras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-63.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 49 – S. Gião, Loures Abrigo de guarda de campos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-64.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 50 – Coutada, Torres Vedras Abrigo de canas, de planta quadrangular
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-65.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 51 – Baçal, Bragança Cancelas de bardo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-66.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 52 – Horta da Vilariça, Moncorvo Bardo e abrigo móvel de esteira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-67.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre 53 – Sendim, Miranda do Douro Abrigo móvel de esteira, com anteparos de molhos de giesta. Bardo de vergas rachadas e entretecidas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-68.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 54 – Carvalho de Ega, Vila Flor Abrigo móvel de esteira e bardo de cancelas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-69.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 55 – Urgeira, Sabugal. Redil
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-70.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 56 – Cercal Redil e ferrados da ordenha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-71.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 57 – Penso, Serancelhe Bardo com uma camada de giesta, para estrume Ao lado, o abrigo móvel de esteira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-72.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 58 – Fomos, Freixo de Espada à Cinta Transporte da esteira e cancelas do bardo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-73.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 59 – Baçal, Bragança Abrigo móvel de esteira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-74.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 60 – Vila da Ponte, Sernancelhe Abrigo móvel de esteira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-75.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 61 – Orca, Penamacor Abrigo móvel de duas esteiras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-76.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre 62 – Serpa Abrigo móvel de duas esteiras
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-77.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 63 – Castro Verde Abrigo móvel de duas esteiras e redil
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-78.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 64 – Genísio, Miranda do Douro Abrigo móvel de esteira com anteparo quadrangular
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-79.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 65 – Vila Boa, Belmonte Abrigo móvel de esteira com anteparos triangulares
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-80.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 66 – Reguengos de Monsaraz Abrigo móvel de esteira com anteparos triangulares
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-81.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre 67 – Águas Rádium, Belmonte Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-82.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 68 – Caria, Sabugal Abrigo móvel de esteira com anteparo em absidíodo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-83.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 69 – Orca, Penamacor Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-84.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre 70 – Sendim, Miranda do Dour Abrigo móvel de esteir com anteparos de molho de giesta Bardo com cancelas de madeira rachada e entretecid
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-85.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 71 – Eivas Abrigo móvel de duas esteiras duplas com guarda vento
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-86.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 72 – Castelo Branco Abrigo móvel de duas esteiras com anteparo em absidíolo e guarda vento
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-87.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre 73 – Penso, Sernancelhe Pormenor de uma esteira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-88.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre 74 - Castelo Branco Abrigo móvel de duas esteiras; anteparo em absidíolo e guarda vento
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-89.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 75 – Sendim. Miranda do Douro Cancelas de bardo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-90.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 76 – Seia Choço cónico móvel, e cancelas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-91.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 77 – Penalva do Castelo Choço cónico móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-92.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 78 – Gouveia Cibana cónica móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-93.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 79 – Pinhanço, Gouveia Cibana cónica móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-94.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre 80 – Castelo Branco Choço semi cónico móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-95.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 81 – Castelo Branco Choço semi cónico móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-96.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 82 – Orca, Penamacor Choço semi cónico móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-97.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 83 – Nisa Socha móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-98.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Titre 84 – Nisa Socha móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-99.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 85 – Nisa Socha móvel
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-100.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre 86 – Zebreira Idanha a Nova Interior Socha móvel A lareira a meio; ao fundo a cama. Chouriços pendurados
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-101.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre 87 – Veiga de Chaves Abrigo sobre carro Cobertura de palha disposta em rolos paralelos sobre uma estrutura de varas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-102.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre 88 – Azinhaga, Golegã Abrigo sobre carro. Casota de tabuado; cobertura de chapa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-103.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre 89 – Cercal Abrigo sobre rodado de carro. Casota de tabuado; cobertura de chapa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-104.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 90 – França, Bragança Abrigo sobre carro. Casota de tabuado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-105.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 91 – França, Bragança Abrigo sobre carro. Casota de tabuado; cobertura de palha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-106.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre 92 – Castelões Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro, recoberto de palha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-107.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre 93 – Castelões Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro, recoberto de palha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-108.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre 94 – Chaves Abrigo sobre carro. Casota inteiramente de tabuado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-109.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 95 – Podence, Macedo de Cavaleiros Abrigo sobre carro Casota de tabuado e cobertura de palha a duas águas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-110.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre 96 – Lebução, Chaves Abrigo sobre carro. Casota cónica de palha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-111.jpg
Fichier image/jpeg, 352k
Titre 97– Veiga de Chaves Abrigo sobre carro. Casota cónica de palha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-112.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre 98 – Vila do Conde Casota móvel para guarda dos campos, de tabuado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-113.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 99 – Nespereira, Gouveia Cabana montada sobre duas pequenas rodas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-114.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre 100 – Albergaria a Nova Cabana de palha milha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-115.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre 101 – Aldoar, Porto Cabana de palha milha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-116.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre 102 – Angeiras, Matosinhos Cabana de palha milha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-117.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 103 – Soure Cabana de palha milha com empena de tabuado
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-118.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre 104 – Aldoar, Porto Cabana de palha milha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-119.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre 105 – Vila Mendo de Tavares, Mangualde Abrigo sob uma meda, com esteira móvel à frente
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-120.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre 106 - Matosinhos Barco cortado, utilizado como abrigo de guarda de campos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-121.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre 107 – Torreira Velho barco cortado a meio; cobertura de telha. Serve de pocilga
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-122.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre 108 – Afurada Barco cortado sobre o qual construíram uma casota de tabuado. Serve de habitação.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-123.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Des. 16 – Vila Mendo de Tavares. Mangualde. Esqueleto dum abrigo sob um palheiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6253/img-124.jpg
Fichier image/jpeg, 27k

© Etnográfica Press, 1988

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search