Version classiqueVersion mobile

Construções primitivas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira
, 
Fernando Galhano
, 
Benjamim Pereira

I parte. Construções primitivas e elementares

Construções primitivas e elementares

Texte intégral

  • 1 ) Felix M. Keesing, «Antropologia Cultural », I (Ed. Fundo de Cultura) Rio de Janeiro, 1961, p. 320 (...)

1Neste trabalho propomo-nos estudar as formas mais simples, mor fològicamente elementares e cronològicamente primárias, da construção, exis tentes em Portugal, que aproveitam fundamentalmente os materiais locais, tais como eles se encontram na natureza, ou, quando muito, com qualquer ligeiro afeiçoamento, segundo sistemas ou processos mais ou menos elabora dos, mas de tipo arcaico e alheios a conceitos pròpriamente tecnicistas (1).

2Excluiremos pois, desta categoria geral, as construções mais evoluídas e diferenciadas, que utilizam a telha, o tijolo, o cimento ou outros materiais de fabrico industrial, e que requerem ferramenta complexa.

3As construções primitivas, assim definidas de um modo geral, parecem sem dúvida corresponder ao conceito corrente de abrigos; e de facto nos primórdios da civilização humana, todas as construções ou formas habitacionais não eram mais do que simples abrigos. Tècnicamente, porém, dentro daquela definição, e em relação ao presente, distinguiremos abrigos e construções primitivas pròpriamente ditas: os primeiros são construções sumárias e normalmente muito exíguas, de habitação temporária ou mesmo ocasional, em certos casos móveis, mal se podendo, nos seus tipos mais rudi mentares, falar, a seu respeito, de sistemas ou estilos com características regionais; as segundas são edificações fixas e para habitação ou utilização permanente ou normal, obedecendo a sistemas de construção bem definidos com nítida diferenciação tipológica ou regional.

4Além, pois, dos abrigos qualificados, que estudaremos nas suas várias espécies – naturais e semi naturais, ou artificiais, construídos pelo Homem ; em pedra ou em materiais vegetais; fixos ou móveis –, incluiremos, na categoria das construções primitivas pròpriamente ditas: 1) Construções de planta circular, inteiramente em materiais vegetais (de forma cónica), ou apenas com a cobertura nesses materiais, assente em paredes baixas de pedra, ou inteiramente em pedra (construções em falsa cúpula), que cons tituem realmente formas arcaicas de construção, com muito limitadas pos sibilidades de desenvolvimento, e que correspondem, por isso, aos estádios de vida e cultura simples e primitivos. Deste grupo excluiremos porém as construções cuja forma resulta não de uma corrente cultural ou histórica, mas de imposições funcionais; tal é o caso por exemplo, dos moinhos de vento e dos fornos, que serão aqui mencionados apenas na medida em que as suas características arquitectónicas se relacionem com outros tipos locais tradicionais de construções redondas. Por outro lado, nele incluiremos, em alguns casos – nomeadamente quando coexistem com construções redon das semelhantes – as construções com paredes baixas de pedra e cobertura cónica de materiais vegetais, mas de planta quadrada, que se podem então considerar uma variante daquelas, apenas um pouco evoluídas mas pertencendo à mesma corrente tradicional ou cultural. 2) Construções de planta quadrangular inteiramente em materiais vegetais. 3) Construções também de planta quadrangular, com a cobertura em materiais vegetais, assente porém em muros de pedra – estas últimas, como é evidente, apenas em certos casos especiais: nas suas formas mais elaboradas, elas constituirão já os tipos iniciais da casa normal ulterior, diferenciada ou grande.

5O primitivismo destas construções não significa que elas correspon dam necessàriamente aos níveis sociais inferiores, mas sim, designadamente nos casos mais característicos, a certas actividades particulares, por sua natureza rudes e duras, e não raro de carácter especìficamente arcaico: assim, por exemplo, os abrigos móveis dos pastores, que são um último reflexo de um passado de pastoreio semi nómada ; os fornos e cortelhos pastoris serranos, de toscas pedras encasteladas em falsa cúpula, únicos abrigos possíveis na áspera solidão das alturas quase inacessíveis; as casas de materiais vegetais dos pescadores, que evocam um litoral deserto e de difícil acesso, dos períodos pioneiros do seu povoamento; etc.

  • 2 ) Acerca da casa tradicional brasileira, incluindo o que chama a «casa mínima», «que tem uma signif (...)

6De facto, porém, elas são formas de habitação muito precárias, onde as pessoas vivem, geralmente, em condições de grande – por vezes total – desconforto, que hoje em dia mal se aceita, e que estão por isso condenadas a desaparecer, votadas ao desprezo que em geral merecem as formas ultra passadas, ou integradas em contextos que evoluíram para além delas. Com elas desaparecerá também a memória de processos de construir peculiares, singelos ou engenhosos, que representam soluções adequadas a certos con dicionalismos locais, e cuja necessidade, hoje, com a uniformização dos materiais industriais, a facilidade dos transportes, a divulgação dos con ceitos arquitectónicos racionais, deixou de se fazer sentir (2). Mas parece nos que, desses sistemas e processos, alguns ensinamentos se poderiam reter, não só como elementos de conhecimento do Homem e da interpretação histórica da sua cultura, em especial nos domínios da arqueologia, mas mesmo como sugestões aproveitáveis e válidas, estèticamente e funcional mente, para a arquitectura de todos os tempos, produto de uma sã expe riência secular de adaptação a circunstâncias locais, que se aperfeiçoaria com eventuais ajustamentos ditados pelos conhecimentos actuais.

Notes

1 ) Felix M. Keesing, «Antropologia Cultural », I (Ed. Fundo de Cultura) Rio de Janeiro, 1961, p. 320. Referindo se à influência que exercem sobre a habitação as condi ções gerais do meio, nota o ajustamento daquela ao clima e, antes do intercâmbio extensivo dos materiais de construção, a necessidade da sua adaptação às limitações dos recursos imediatamente disponíveis. De facto, porém, a relação entre habitação e os « recursos imediatamente disponíveis» só tem valor absoluto nos primeiros estádios da construção humana. Aliás, mesmo nesses níveis, como nota também aquele Autor, dentro das limi tações apontadas, «há sempre muita margem para variações arquitectónicas, dando liberdade às convenções e ideias locais para encontrarem a sua expressão própria». Para George Montandon, « Traité d’Ethnologie Cyclo culturelle », Paris, (Payot), 1934, p. 291, do mesmo modo, a relação entre as formas de construção e o solo – que aliás é pura mente «um problema discursivo de geografia humana»–, manifesta se acima de tudo nos materials. O mesmo Autor, curiosamente, nota que, de resto, casos há em que, sem se saber bem porquê, uma certa forma é rara num certo meio, sem tal ser imputável à con sideração dos materiais: assim, a cabana circular com cobertura cónica é rara em regiões de floresta.

2 ) Acerca da casa tradicional brasileira, incluindo o que chama a «casa mínima», «que tem uma significação respeitável e digna», assim diz Lúcio Costa, dirigindo se espe cialmente àqueles que «de tempos a esta parte se vêm empenhando em estudar de mais perto tudo o que» diz respeito ao caso nacional: «Haveria, portanto, interesse em conhecê-la (a casa tradicional brasileira) melhor... encarando com simpatia coisas que sempre se desprezaram ou mesmo se procuraram encobrir, a oportunidade de servir se dela como material de novas pesquisas, e também para que nós, arquitectos modernos, possamos aproveitar a lição da sua experiência de mais de trezentos anos, de outro modo que não essa de lhe estarmos a reproduzir o aspecto já morto». E, a propósito dessa «casa mínima», feita de «pau do mato próximo e de terra do chão », conclui: «Aliás, o engenhoso processo de que são feitas... e com as devidas cautelas, devia ser adoptado para casas de Verão e construções de um modo geral». Lúcio Costa, «Documentação (ainda) necessá ria – em defesa da arquitectura popular», in Revista « Senhor », n.° 3, ano II, Brasil, 1960.
A proclamação tem valor geral, e merece ponderação. Inúmeras soluções e aspectos da nossa arquitectura popular tradicional são perfeitamente concebidos e ajustados à paisagem em que se enquadram naturalmente, pelo seu estilo e proporções, pelo material de que são feitos, por certas particularidades da sua técnica de construção, e até por razões climáticas e económicas, e poderiam constituir ensinamentos estética e funcional mente utilizáveis, na elaboração de uma arquitectura local racional, na vanguarda de todas as experiências – isto é: mais actualizada –. Em vez disso, porém, vêmo las tantas vezes sistemàticamente recusadas como formas desprezíveis, em nome de um tipo de cons trução de péssima qualidade e de uma hedionda vulgaridade, em que o « modernismo » está apenas na utilização indiscriminada e errada do cimento e do concreto, por gente menos esclarecida, que, nessa recusa dos valores antigos, julga afirmar uma superioridade que é apenas ignorância.

© Etnográfica Press, 1988

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search