Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte IX. Folclore e migração

Capítulo 36. Folclore e tradição musical dos portugueses na região de Paris

Sophie Chevalier

Texte intégral

  • 1 Tradução do francês de Jorge Freitas Branco.

1A reflexão sobre a tradição musical aqui proposta vem no seguimento de uma encomenda feita pelo Ministério da Cultura francês sobre as práticas musicais no meio imigrante em França, no caso concreto, incidindo sobre os portugueses na cidade e na região de Paris. O levantamento durou oito meses.1 Optou-se pela observação das práticas musicais nos seus contextos sociais, para compreender as suas transformações no âmbito da própria comunidade portuguesa no país de acolhimento. Várias pesquisas realizadas por investigadores ingleses e norte-americanos evidenciam o interesse em analisar as implicações não musicais da música, assim como as suas práticas nas nossas sociedades ocidentais e urbanas, nomeadamente no plano da sociabilidade e da identidade dum grupo (Finnegan 1989, Stokes 1994, Tawa 1982, Trimillos 1986). Deste modo, estas abordagens permitem apreender melhor a dinâmica das transformações das práticas musicais em si e da relação com as músicas executadas por grupos de imigrantes.

2Os contextos sociais das práticas musicais observadas são principalmente as associações e as festas organizadas, na maior parte das vezes, no quadro associativo. Os repertórios compõem-se de: “folclore”, fado, repertório executado por bandas filarmónicas, música ligeira, rock e rap. Vamos tratar sobretudo do folclore como prática musical mais corrente e mais importante na comunidade portuguesa.

Contextos sociais das práticas musicais

  • 2 Segundo os dados INSEE 1990, existem 798.837 indivíduos de nacionalidade portuguesa em França.

3Nos anos 60, os portugueses começam a chegar como imigrantes a França, levados sobretudo por motivos de ordem económica. Trata-se duma imigração de origem rural, sendo o norte do país o principal foco gerador. Os portugueses e seus descendentes constituem uma minoria importante em França, embora muito discreta, poucas vezes dando azo a que dela se fale.2

O mundo associativo

4A imigração portuguesa em França apresenta uma característica que favorece as práticas musicais colectivas — é estar organizada num elevado número de associações (entre 600 e 700 em toda a França, das quais 200 na região parisiense). No conjunto dos meios de imigração, os portugueses possuem a maior cobertura associativa em Paris, uma vez que existe pelo menos uma associação por bairro (arrondissement), senão mesmo várias. Esta estrutura produz grupos que mantêm entre si laços interpessoais, particularmente entre os responsáveis associativos, sendo estas relações frequentemente de concorrência, tornando-as frágeis e efémeras. Os esforços para federar as associações têm tido um modesto sucesso. A primazia das relações pessoais explica este facto; mesmo assim, existem duas federações nacionais, sedeadas na região parisiense.

5A importância das associações é muito variável. Umas têm menos duma centena de aderentes (as dos arrondissements de Paris), em contrapartida outras agrupam várias centenas de membros (associações dos arredores). O recrutamento é local e faz-se de boca a boca no seio da comunidade. Todas as classes etárias estão representadas nas associações e participam nas actividades: as crianças acompanham os pais; os adolescentes jogam futebol, dançam nos grupos folclóricos ou fazem teatro; os adultos dedicam-se ao convívio e tomam uma bebida. Não se conhecendo com exactidão a composição social destas associações, pode-se, mesmo assim, afirmar que recrutam a sua massa associativa em categorias sociais modestas (operários, empregados, pequenos artesãos). Os sócios jovens são muitas vezes estudantes universitários.

6Para além das actividades acima referidas, algumas associações, de acordo com os meios financeiros e os objectivos estabelecidos, organizam o ensino de português, de música, de várias actividades desportivas, etc. As associações organizam ainda festas, a um ritmo de entre uma por mês a duas ou três por ano, e que constituem a principal forma de obtenção de receitas. As festas reúnem os membros da associação da mesma forma que os desafios de futebol e as saídas dos grupos folclóricos. Estes últimos constituem os bens postos em circulação nos circuitos de trocas entre associações. São ainda estas duas actividades que são mais visíveis desde o exterior. As equipas de futebol jogam contra equipas francesas; os agrupamentos folclóricos são convidados pelos municípios ou pelas paróquias para se exibirem perante públicos variados.

7Antes de mais, as associações pretendem constituir lugares de encontro, onde é de bom tom as pessoas se encontrarem, levarem as crianças para que estas falem português e da mesma forma tomando conta delas, encontrarem um cônjuge neste mercado matrimonial comunitário. Por vezes a associação é evocada como uma amálgama, onde poderiam misturar-se os portugueses das diversas proveniências regionais.

8É, pois, fundamentalmente no seio do mundo associativo que os portugueses se dedicam à sua música, exprimindo deste modo a sua identidade social e cultural. É neste meio que as crianças são socializadas na cultura portuguesa como um prolongamento natural da família. Até agora este tipo de agrupamento tem estado relativamente isolado e pouco perceptível a partir de fora.

Transformações do mundo associativo

9As associações têm visto o seu papel dentro da imigração transformar-se sob a influência das jovens gerações socializadas em França. As direcções destas associações constituem o palco de enfrentamentos entre diversas opções, indo ao ponto de se verificarem cisões. Tais conflitos coincidem muitas vezes com tensões existentes entre gerações: nas associações mais dinâmicas mulheres e jovens acedem pouco a pouco — e com dificuldades — nas direcções. De facto, o seu futuro depende da aceitação duma nova distribuição do poder, da conciliação entre os projectos dos adultos e as aspirações dos jovens, como o reconhecem os membros das associações. Este processo tem consequências sobretudo ao nível da escolha das actividades, incluindo as musicais. Por exemplo, uma direcção integrando uma maioria de jovens poderá introduzir novos domínios performativos, como o rap.

10Por isso, as associações podem ser agrupadas em três categorias principais, de acordo com as relações estabelecidas com a sociedade de acolhimento, com o país de origem e segundo as actividades propostas. No primeiro caso seria uma associação dedicada a actividades tradicionais (futebol, folclore, teatro) e desenvolvendo práticas musicais centradas no folclore sem uma ambição específica. Funciona em rede com outras associações portuguesas em França e em Portugal (na região de origem do responsável associativo), convidando os respectivos grupos para exibições durante as festas mensais que organiza. Os programas são imutáveis: folclore, uma peça de teatro ou fado e um baile com orquestra de variedades. Pratica uma espécie de autodiscriminação, excluindo ou limitando a abertura à sociedade francesa, o que põe em perigo a sua sobrevivência, pois tal atitude leva a um desinteresse crescente por parte dos jovens.

11A segunda categoria, embora mantendo as actividades tradicionais, tende a abrir-se ao exterior, propondo animações musicais também para um público francês, sobretudo no plano municipal. Coloca exigências novas ao nível das suas actividades, em particular no que toca à prática do folclore. Os jovens e as mulheres participam nas direcções destas associações. Esta categoria constitui uma fase intermédia num processo de mudança.

12Por fim, a terceira categoria, que se considera em plano de igualdade com as congéneres francesas, em referência a uma cultura portuguesa, europeia. Estas associações reivindicam dupla pertença cultural e fazem questão de se empenhar no seu bairro numa perspectiva de cidadania. Introduzem actividades novas, outros domínios musicais, como o rap ou o rock, e apresentam a um público heterogéneo a actualidade musical portuguesa.

13Estas transformações do mundo associativo verificam-se em sincronia, uma vez que as três categorias de associações coexistem, embora as duas últimas tendam a ir suplantando pouco a pouco a primeira. A evolução faz-se pela pressão dos jovens, numa tentativa destes de exprimirem a sua dupla pertença cultural. Este processo de construção identitária pode ser observado quando se define o que é a tradição portuguesa, nomeadamente a musical, e a integração de outras músicas cujos referentes já não são unívocos.

Práticas musicais

  • 3 Há ainda a registar a existência de um coro ligado à paróquia dum arrondissement parisiense.

14Estas práticas implicam um conjunto de comportamentos em torno e por meio da música, que se articulam e combinam, constituindo um leque de configurações identitárias, tanto colectivas, como individuais. Estão ligadas a repertórios específicos, cuja classificação aqui proposta assenta em categorias émicas (mesmo quando estas últimas não coincidem com as categorias éticas); assim, é considerada música tradicional a que os nossos interlocutores designam como tal. Do confronto entre uma música entendida como um património que teria também emigrado e as músicas do país de imigração nasce um outro olhar sobre as próprias práticas musicais. As designações das categorias musicais reflectem estas identidades, pois o termo música tradicional portuguesa não abrange sempre o mesmo repertório, e dentro deste, o mesmo conteúdo, mesmo se considerado no tempo e no espaço (Becker 1988). Duma maneira geral, o critério para a definição da música portuguesa é o elo que estas músicas mantêm com a portugalidade. Esta noção tanto pode englobar o pequeno país de origem como o conjunto do mundo lusófono, o que equivale a graus de proximidade maiores ou menores com estas músicas. A categoria do património designada por a nossa música compõe-se pelo repertório folclórico, pelo das bandas e pelo fado.3 Os restantes repertórios só têm ligações com a portugalidade quando as letras cantadas são em português e eventualmente os músicos da mesma origem. A percepção do que é tradicional nestas músicas portuguesas deve ser vista em relação com a variável classe de idade ligada ao ciclo geracional na imigração. Os jovens luso-descendentes são socializados, tanto na música portuguesa no âmbito familiar e associativo, como em outras músicas consumidas por jovens na sociedade francesa. Os seus pais, que são ainda frequentemente os detentores do poder nas direcções associativas, nasceram e viveram a sua juventude em Portugal. Aí participaram em grupos folclóricos, em bandas e em grupos corais. Contextos diferentes de socialização conduzem a outras definições da tradição. Examinaremos aqui sobretudo as músicas designadas como tradicionais, ao que se seguirá uma menção da emergência de novos repertórios ligados à expressão identitária dos jovens da comunidade.

Músicas “tradicionais”

15Para os portugueses em França o folclore é a música “tradicional” por excelência; as opiniões contudo divergem quando se trata das formas instrumentais e das práticas coreográficas que o acompanham.

  • 4 Exceptuando certos artistas de variedades que se apresentam em comunidades portuguesas espalhadas p (...)

16As designações das categorias musicais, em particular as tradicionais, são o resultado de convenções estabelecidas em torno da música, entre os diferentes actores sociais, a renegociar constantemente. No caso português, a renegociação tende a implicar o conjunto da imigração, porque não há músicos profissionais.4 O estatuto de amador cria uma ligação forte entre o executante e o seu público, uma vez que a distância entre eles é reduzida e as expectativas relativas muito similares. O profissionalismo conduz necessariamente o músico a distanciar-se do seu público e a atrair outros públicos por motivos económicos. O músico torna-se sobretudo um especialista no seu domínio, a sua destreza e os seus conhecimentos autorizam-no a impor a sua definição da música a um público laico. A situação de imigração introduz uma nova dimensão no processo de conceptualização, dado o papel desempenhado pelo contexto de enunciação e a posição geracional do enunciador.

17Aprática folclórica referida como “tradicional” pela maioria dos nossos interlocutores é aquela em que foram socializados em Portugal. Tentam reproduzir essa prática no seio dos grupos em França. A referência é o grupo folclórico do seu lugar de origem, ao qual pertenceram. Consideram essa música como seu “património”. No entanto desde há alguns anos tem vindo a emergir uma nova abordagem do folclore nas camadas de jovens portugueses, socializadas nestas músicas dentro da imigração. Esta tendência traduz-se numa procura da autenticidade autoproclamada. Os olhares voltam-se para o país de origem, para Portugal: lá estão as fontes da tradição autêntica. Esta busca leva a exigir uma maior codificação das práticas folclóricas. A sua visão de Portugal, vincada pela distância, acaba por implicar obrigatoriamente uma referência e um recurso a codificações, para evitar incoerências e sobretudo a não adesão das práticas concretas a este mundo reificado. Os repertórios, as directrizes sobre a adequação entre dança, música e apresentação do eu, vêm do país de origem por intermédio da Federação do Folclore Português, que trabalha na codificação destas práticas e fiscaliza a respectiva autenticidade. As que se praticam em França seriam um “abastardamento” da tradição. Deste modo, a federação, pela voz do seu presidente, coloca-se na posição de censor e guardião da tradição. Difunde fichas técnicas, por exemplo, sobre a indumentária. Não se verificam entre os jovens luso-descendentes acções de pesquisa sobre música tradicional em Portugal.

18Deste modo, se música tradicional se relaciona para todos os nossos interlocutores com o folclore, as suas posições genealógicas na imigração introduzem nuances no conteúdo musical, no plano da codificação da prática. Os que primeiro chegaram colocam-se no contexto de enunciação do seu país de origem, no momento em que o abandonaram, para estabelecerem o que é a sua música tradicional. Os outros informadores situam-se em França para designar uma música originária dum espaço diferente, distante, agora objecto de investigações e fonte de inspirações. Esta categoria endógena de música tradicional possui um aspecto performativo — foi a própria designação que a criou — e convencional. Postula-se então que músicos amadores e públicos se encontram em acordo implícito sobre a forma e o conteúdo musical de que deve revestir-se a tradição. Aqui parece assistir-se a uma rotura deste laço convencional: para uma parte do público, o folclore praticado pelos agrupamentos não é a “verdadeira tradição portuguesa”. As convenções em que assenta a definição da música e da dança tradicionais já não são consensuais, surge claramente a polissemia do termo música tradicional. A nova abordagem e definição baseada numa atitude estética, implicando outra visão do folclore português no seu conjunto, tende a modificar o olhar de todo o grupo sobre esta prática (Becker 1988).

  • 5 As amicales agrupavam Bretões ou gente da Auvergne que vivia em Paris.
  • 6 C. Faure (1989) mostrou a integração do folclore no projecto político do regime de Vichy. No que di (...)
  • 7 Estes agrupamentos desenvolveram-se sobretudo a partir de 1975.

19Se quisermos, aliás, alargar a nossa reflexão sobre a história destes agrupamentos folclóricos, detectaremos numerosos elementos de analogia com o que ocorreu com as amicales d’originaires em França.5 Os primeiros grupos de originaires em Paris tinham como função social juntar os seus membros no intuito de se reunirem e se distraírem uns, enquanto outros para dançar e tocar música folclórica. A partir de 1939 começam a surgir agrupamentos folclóricos vindos das amicales d’originaires (Duflos-Priot 1995).6 Abrem-se então para o exterior, ligando-se a federações que difundem informação e constituem garante da autenticidade destas práticas. Paralelamente e em oposição a eles, regista-se nos anos 70 um novo interesse por músicas tradicionais populares por parte dos denominados folkeux. Trata-se de jovens urbanos das classes médias que vão à procura da música tradicional autêntica, junto das respectivas fontes nos campos. Na imigração portuguesa também o papel do grupo folclórico está a modificar-se lentamente.7 Mas de que grupos se trata?

Folclore: “a nossa música”

20O grupo folclórico constitui a “artistocracia” da associação na qual ele é relativamente independente. Tem o seu próprio nome, diferente do da associação. Acontece saírem grupos duma associação para serem acolhidos por outra, onde as condições parecem melhores. O grupo pode por vezes tomar o poder; o responsável encabeça a direcção associativa, chamando vários membros do grupo. O folclore torna-se então uma actividade importante da associação, para a qual se canaliza o dinheiro: na realidade, é cara a manutenção dum agrupamento folclórico. Os trajes, os instrumentos musicais são adquiridos pela associação em Portugal em lojas especializadas; os ensaios semanais necessitam de um espaço grande. O grupo de dançarinos é formado por oito a dez pares, por vezes mesmo mais, e por um ensaiador. Alguns agrupamentos incluem crianças a partir dos quatro anos; é difícil recrutá-las e os adolescentes não estão muito interessados nesta actividade. O folclore pratica-se em família. As crianças dançam, o pai toca um instrumento, a mãe canta. O ensaiador regra geral fez parte dum agrupamento folclórico em Portugal. Por vezes cada membro ensina o que conhece da sua região natal. As danças não são objecto dum ensino sistemático; os novos aprendem observando e imitando os outros. Pouco a pouco constitui-se o repertório dos grupos e, graças à observação de outros em França e em Portugal, este enriquece-se e renova-se. O gravador desempenha um papel de relevo neste processo, pois permite gravar danças e música de outros grupos, tanto no meio da imigração, como em Portugal nos festivais de folclore durante o Verão, que serão depois reinterpretadas. O gravador permite também a autocelebração do grupo. A maioria dos portugueses de Paris e dos seus arredores são oriundos do norte do país, por isso predomina o respectivo folclore. Todavia, alguns agrupamentos propõem danças e músicas de todo o país com trajes ad hoc, praticando uma mistura regional, ou mesmo nacional. As danças mais populares são o vira e a chula (Ribas 1983: 96, 102). Impõem um ritmo e uma base de passo sobre os quais é possível fazer variações. Um dos grupos criou nestes moldes um vira em honra do seu município de adopção; música, letra e variações nos passos foram compostos para a ocasião.

21Os cantadores e os músicos são em geral mais idosos que os dançarinos. O grupo de cantadores compreende um mínimo de três, chegando a seis pessoas. O conjunto instrumental integra seis ou sete músicos, ou mesmo mais, que tocam acordeão diatónico (concertina), tambor, viola, ferrinhos e reco-reco. Consoante os agrupamentos, pode-se ainda ver uma flauta, uma harmónica, uma caixa, um cavaquinho, castanholas e, menos frequente, um bandolim e uma gaita de foles. Os músicos mais jovens frequentam ou frequentaram uma escola de música, especialmente os acordeonistas. Mas, como para a dança, a aprendizagem da música popular faz-se com os músicos que já tenham pertencido a tais conjuntos. Não havendo competências particulares, é o acordeão o instrumento mais importante e está presente nos ensaios; fala-se mesmo de tirania dos acordeões… Arádio local e as cassetes permitem a renovação do repertório musical.

22De simples convergência dum grupo restrito, de objecto de trocas intercomunitárias, o agrupamento folclórico torna-se um elemento de animação sociocultural, de difusão duma identidade territorial, na visão dos portugueses de França e dos franceses. A sua missão consiste em transmitir vários tipos de mensagens. Aos jovens de origem portuguesa, a de sensibilização e de uma socialização na cultura dos seus pais; para estes últimos, trata-se dum piscar de olhos rememorativo; e para os franceses, trata-se da passagem duma informação, até mesmo dum certo “exotismo” (Duflos-Priot 1995). Esta mensagem liga-se à manifestação duma ruralidade mítica (Bolle-Zemp 1991: 128-129) e dum Portugal reificado.

23Esta nova abordagem da música tradicional articula dimensões tanto locais, como europeias. Uma música ou uma dança folclórica têm um carácter patrimonial; a sua prática fica reservada aos oriundos da região considerada, pois terão um conhecimento inato, por imitação. Quanto mais específico é este folclore, mais acentuado fica este traço. Um grupo folclórico como os Pauliteiros de Miranda, únicos a praticar uma dança e uma música específicas, só admitem no seu seio pessoas de Miranda do Douro aptas a dançar e tocar à maneira autêntica. Um tal discurso combina-se com outro evocativo da Europa; o folclore português é europeu, sendo a este título que é apresentado ao público (durante os festivais ou as festas a bandeira da Europa está ao fundo do palco). A dimensão europeia está ainda presente nas festas organizadas para os emigrantes durante o Verão em Portugal, onde participam grupos folclóricos franceses, muitas vezes num ambiente de competição e de antagonismo (Rocha-Trindade 1991: 133).

Um património comum pouco praticado: a banda filarmónica e o fado

24As comunidades imigradas em França consideram a banda filarmónica e o fado como parte integrante do seu património.

  • 8 Refira-se igualmente uma cassete intitulada Paris Fados; um dos trechos chama-se Europa Unida. Ela (...)

25O fado escapa ao processo de redefinição que caracteriza o folclore hoje em dia. Esta música tem origem urbana e executa-se em locais próprios. Como a maioria dos portugueses de França vêm de meios rurais ou de pequenas cidades, só é apreciada por um público restrito de adeptos. Surge como uma música marginal dentro da comunidade portuguesa, tanto pela sua prática, como pela audiência. Toca-se em restaurantes no âmbito de espectáculos — existem cerca de 15 em Paris — ou em salões de festas perante os membros duma associação. O fado é então integrado num programa musical festivo; o artista vê-se muitas vezes na necessidade de adaptar o repertório a um público pouco receptivo e impaciente para dançar. Canta também folclore e música ligeira. Parece que é difícil encontrar em França bons músicos para acompanhar o fadista. Torna-se necessário mandar vir os artistas de Portugal, uma opção demasiado onerosa para a maioria das associações; resta a possibilidade de cantar em play back. Os assuntos tratados nas canções não variam, embora alguns músicos tenham composto letras inspiradas no quotidiano dos imigrantes em França.8

  • 9 O fado já estará constituído num universo distanciado e reificado, não sendo passível duma redefini (...)

26Contudo, esta música é considerada pelos portugueses como símbolo por excelência do seu património musical tradicional, do qual Amália Rodrigues era a encarnação. A capacidade de cantar o fado é considerada uma disposição nata da “alma portuguesa”. Os imigrados de segunda geração manifestam um grande interesse por este género musical. Os jovens dirigentes associativos apresentam-no ao público francês como um cartão de visita da cultura portuguesa, o que melhor exprime uma identidade eterna, encarnação da portugalidade.9

27A filarmónica é uma banda civil que aparece em Portugal integrada no movimento associativo, à semelhança dos agrupamentos folclóricos (Nazaré 1984). Apesar da popularidade deste universo sociomusical, só existe uma em Paris. Tocar um instrumento numa filarmónica pressupõe mais competência musical do que a prática folclórica, tal como esta última é concretizada. Para mais, uma filarmónica é muito cara, pois tanto as fardas dos músicos como os instrumentos musicais pertencem ao grupo. A maioria dos membros da filarmónica integrava já bandas em Portugal, enquanto os jovens de segunda geração frequentam cursos de música instrumental em conservatórios parisienses. Como é a única no seu género, não pode aceder ao circuito de trocas entre associações como acontece com os agrupamentos folclóricos. Em contrapartida, é convidada para todas as grandes festas associativas e comunitárias. A sua função de execução ao ar livre leva-a naturalmente a alargar o seu público, tocando em coretos e na rua. Faz parte da paisagem das fanfarras parisienses e, em simultâneo, da música popular dos portugueses de França, todavia sem uma dimensão patrimonial muito vincada, por causa do repertório que tem. Esta música não é considerada tradicional no mesmo sentido que o folclore ou o fado.

Emergência de novos repertórios musicais

  • 10 Este autor mostra como a jovem geração saída da imigração revela frequentemente interesse pela músi (...)

28Além da redefinição da tradição musical, a construção identitária que se faz por pressão dos jovens vindos da imigração, conduz à introdução de novas práticas musicais, a uma apresentação de si por meio de outras músicas. Entre elas, há que mencionar o rock ou o rap que permitem a certos jovens membros de associações manifestarem a sua dupla pertença. Os repertórios não têm ligação aparente com a cultura de origem. Em geral, os únicos elementos de portugalidade são a origem dos músicos e o idioma no qual cantam. A sua francidade exprime-se a maior parte das vezes pela designação do grupo, por vezes, pelo público e pela forma musical que os liga ao conjunto dos jovens imigrantes das periferias urbanas francesas. As associações revelam uma certa capacidade de integração e de adaptação, para algumas com consequências. Outra transformação da paisagem musical dos portugueses de França é a descoberta e a difusão da actualidade musical em Portugal, tanto ao nível erudito (Tawa 1982: 37),10 como ao dos grupos populares de êxito. Tais grupos, muito conhecidos da juventude portuguesa, passam a sê-lo também dos jovens imigrantes, graças aos meios de comunicação de massa comunitários (Rádio Alfa) e às férias de Verão passadas na terra. São convidados por diversos organismos, em especial pelas associações, a exibirem-se em França. Constituem uma nova imagem da identidade portuguesa, à qual se reportam os jovens em França.

29A lusofonia forma mais uma referência importante dos jovens luso-descendentes. À imagem da francofonia, a lusofonia é em França um termo dos últimos anos, que abrange todos os países com a língua portuguesa como denominador comum. Para além da música brasileira, que dada a sua importância possui autonomia, artistas de Cabo Verde, de Angola e da Guiné-Bissau trabalham em França e reconhecem-se nessa lusofonia. Participam activamente na vida musical da comunidade portuguesa; exibem-se nas festas associativas ou autárquicas (Fête de la Musique), nas salas especializadas num público lusófono e as suas músicas são difundidas pelas ondas da Rádio Alfa, uma estação de língua portuguesa em Paris.

Conclusão

30Ao apelidar o que consideram a tradição musical portuguesa, os jovens oriundos da imigração e o conjunto dos portugueses absorvendo esta nova definição participam no aparecimento duma nova tradição. Esta caracteriza-se por um processo de formalização com referência no passado (Hobsbawm 1983: 9), e constrói-se pela adaptação de antigas formas e práticas a condições novas para objectivos novos. A produção duma tradição combina-se com a introdução de outros repertórios musicais, nos quais os laços com a portugalidade se resumem a uma língua comum e se reportam por vezes a um universo denominado lusofonia.

  • 11 Refiro-me ao conceito de symbolic ethnicity ou voluntary ethnicity desenvolvido por H. J. Gans (197 (...)

31Estas mudanças das práticas musicais são reflexos duma transformação da identidade dos portugueses residentes em França, do reconhecimento duma dupla pertença detentora de referências múltiplas (Hannerz 1992: 217 ss.). Anova identidade une-se à emergência de novos projectos desta população imigrada. Isto verifica-se, por um lado, perante os seus membros e, pelo outro, em relação à sociedade francesa. Por via das associações, ela continua a assegurar aos jovens imigrantes a coesão social e a socialização na cultura portuguesa. A cultura portuguesa em causa não constitui a reprodução dos modelos e dos comportamentos culturais do país de origem herdados dos pais, os primeiros a chegar. Acontece que se assiste a uma espécie de escolha identitária (Smith 1981: 157) recuperadora de aspectos específicos desta herança julgados compatíveis com um projecto de cidadania na sociedade de acolhimento.11 Por sinal, algumas das escolhas resultam das transformações da própria sociedade portuguesa.

32A redefinição da música tradicional portuguesa e a emergência de novas formas musicais são testemunhos das construções duma nova identidade de grupo que acarreta a dupla pertença à comunidade de origem e à sociedade francesa. Este processo traduz-se em muitas tensões e contradições, que não escapam aos nossos interlocutores e que têm como palcos privilegiados as associações portuguesas. Estas só irão perdurar, se integrarem os jovens, tornando-se lugares de mediação entre gerações (Schnappner 1991: 305).

Rancho Folclórico do Centro Desportivo e Cultural Português, Londres, 1999
Fonte: foto de Maria Manuel Silva

Notes

1 Tradução do francês de Jorge Freitas Branco.

2 Segundo os dados INSEE 1990, existem 798.837 indivíduos de nacionalidade portuguesa em França.

3 Há ainda a registar a existência de um coro ligado à paróquia dum arrondissement parisiense.

4 Exceptuando certos artistas de variedades que se apresentam em comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.

5 As amicales agrupavam Bretões ou gente da Auvergne que vivia em Paris.

6 C. Faure (1989) mostrou a integração do folclore no projecto político do regime de Vichy. No que diz respeito à Suíça, consulte-se S. Bolle-Zemp (1990, 1991).

7 Estes agrupamentos desenvolveram-se sobretudo a partir de 1975.

8 Refira-se igualmente uma cassete intitulada Paris Fados; um dos trechos chama-se Europa Unida. Ela reúne fados de vários artistas residentes em Paris.

9 O fado já estará constituído num universo distanciado e reificado, não sendo passível duma redefinição. Trata-se duma hipótese nossa a seguir, não havendo no presente contexto espaço para a desenvolver.

10 Este autor mostra como a jovem geração saída da imigração revela frequentemente interesse pela música erudita e pelos artistas do país de origem, mesmo não tendo sido familiarizada com estes repertórios musicais nos respectivos ambientes familiares.

11 Refiro-me ao conceito de symbolic ethnicity ou voluntary ethnicity desenvolvido por H. J. Gans (1979) e A. D. Smith (1981).

Table des illustrations

Légende Rancho Folclórico do Centro Desportivo e Cultural Português, Londres, 1999Fonte: foto de Maria Manuel Silva
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/622/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 154k

Auteur

Doutora em antropologia pela Universidade de Paris X (Nanterre), maître de conférences em etnologia na Universidade de Franche-Comté (Besançon), investigadora associada do Laboratoire d’anthropologie des institutions et des organisations sociales (Laios), Paris. De 1993 a 1995 foi investigadora associada no departamento de Antropologia Social da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Pesquisas sobre as práticas musicais em meios de migração. Experiência de terreno em França, na Grã-Bretanha e na Bulgária.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr