Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

VII. Considerações finais

Texte intégral

1A primeira coisa que surpreende ao fazer o balanço dos aparelhos de elevar a água de rega que acabámos de estudar é a sua extraordinária variedade. É espantoso que um país, pequeno como Portugal, apresente uma tal riqueza de tipos e subtipos. Isto só se explica pela enorme diversidade de regiões naturais e sobretudo pela variada contribuição de culturas diferentes. A singular posição de Portugal, num ponto de cruzamento de caminhos entre continentes e a expansão histórica que em parte daí resultou, teve como consequência a elaboração de uma cultura invulgarmente rica em regionalismos e localismos, fruto das contribuições e contactos culturais realizados durante séculos de formação e expansão. Encontramos em Portugal aparelhos comuns aos povos mediterrâneos, outros que parece só existirem no Extremo-Oriente, outros que só se conheceram outrora para esgotar a água das minas e, por fim, aparelhos que até hoje a literatura da especialidade parece ter ignorado.

  • 1 Ver: Deodoro, V. 37; André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 321.
  • 2 Ver: André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 321; E. Jaeckle, Der Geheiligte Reisb (...)
  • 3 Ver: C. Daryll Forde, Habitat, Economy and Society, ob. cit., pp. 268-269; André Leroi-Gourhan, L’H (...)
  • 4 Ver: André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., pp. 319 (fig. 560) e 321; E. Jaeckle, De (...)
  • 5 Na região de Aveiro há uns aparelhos de baldear a água, chamados tranqueiras, que fazem lembrar est (...)

2De todos os aparelhos ou sistemas conhecidos no Mundo, pode dizer-se que só não registámos entre nós: o tomilho de Arquimedes dos países mediterrâneos1, a cadeia de palhetas movida com os pés, usada na China2, a mhote com kabalai usada no sul da Índia e no Egipto, e que afinal não passa de um recipiente preso a uma corda suspensa de uma roldana puxada por animais3, e o balde de lanço, também usado na China4, simples balde de madeira, suspenso de cordas laterais e que dois homens manejam, lançando a água com lanço sobre os campos de arroz5. Quer isto dizer que quem quiser visitar um museu vivo, onde se deparem quase todos os sistemas inventados pelo homem para regar os campos, no decorrer dos milénios, o pode fazer comodamente nos 89 mil quilómetros quadrados da terra portuguesa. Pena é que ninguém se dê ao cuidado de coligir um exemplar de cada tipo e fazer com eles um museu altamente curioso e raro no Mundo, tanto mais que todos os aparelhos da Idade pré-maquinista estão a desaparecer vertiginosamente e dentro em breve nada deles restará.

3Quem folhear este livro há-de reparar que existe um certo desequilíbrio entre o desenvolvimento dado aos assuntos. De facto, uns, como os engenhos de buchas, foram tratados com muito mais cuidado, do que outros. Isto explica-se pela necessidade de fornecer elementos com relação a aparelhos pouco ou nada conhecidos pelos especialistas de outras partes do Mundo. Noutros casos, por isso parecer necessário à determinação das origens. Às vezes, a própria natureza dos materiais e a sua abundância, como no caso das picotas, levaram a estender o assunto, enquanto que a raridade de outros, como o garabato, que só conhecemos na região de Miranda do Douro, teve de ficar numa nota breve.

4No capitulo relativo às relações históricas, o leitor reparará que a teoria generalizada por muitos autores, de que os árabes foram os introdutores, se não do regadio, pelo menos da rega com aparelhos de elevar a água, não nos parece inteiramente defensável. Vimos que a palavra nora se generalizou e acabou por designar muitos aparelhos que, às vezes, nada têm que ver com a nora, como é o caso dos engenhos de buchas. Outras vezes, aparelhos tecnologicamente aparentados, mas possivelmente de origem diferente, embora talvez inspirados nas noras de alcatruzes, como são os calabres ou engenhos dos campos do Mondego, são também genericamente chamados noras, embora o povo da região o não faça habitualmente. Nesta região nora é, sobretudo, a roda hidráulica. Esta confusão entre palavras e coisas levou-nos à análise cuidadosa dos vários aparelhos e à sua comparação com outros reproduzidos na literatura da especialidade que, embora não tão abundante como desejaríamos, acabou por nos convencer de que nem tudo que se diz e escreve habitualmente deve estar certo.

5As formas de regadio mais primitivas, sem aparelhos, usadas no Norte, devem ser de origem pré-romana. Sistemas deste tipo mais desenvolvidos e aproveitando a água das chuvas de inverno, formando autênticas barragens, foram usados pelos romanos no Alentejo.

6A picota, o aparelho mais difundido e com certeza de todos o mais antigo, que se estende do Algarve ao Japão, pode bem ser pré-romano, se nos lembrarmos das relações de Tartessos com o Algarve e com alguns lugares do Alentejo. É pouco provável que um povo de cultura agrícola superior, cuja origem parece ser oriental, não conhecesse um aparelho de regar tão simples e generalizado.

7Quanto às rodas hidráulicas e às noras de alcatruzes de eixo curto, próprias para tirar água de poços, é bem provável que as devamos aos árabes. As primeiras, porque sabemos da sua existência em Toledo no século XII, e porque o povo lhes chama noras em várias regiões. As segundas, porque, além da terminologia, são os aparelhos mais generalizados em Marrocos e porque a sua distribuição na Península coincide com as regiões onde os muçulmanos deixaram mais vestígios e exerceram maior influência.

8Porém, aparelhos como os engenhos de buchas e os calabres, que embora chamados noras pelas populações urbanas e pelos semicultos, são designadas pelo povo por vários nomes, e raras vezes por nora, não podemos atribuir-lhes a mesma proveniência. Quanto aos engenhos de buchas, julgamos que a sua origem romana ficou provada, com os elementos que encontrámos. Relativamente aos calabres, a hipótese romana não ficou tão bem provada, mas a sua terminologia, diferente das chamadas noras mouriscas, a sua analogia com aparelhos usados em Itália e a sua distribuição numa região onde imperava Conimbriga, cujo enorme desenvolvimento urbano pressupõe uma base agrícola muito próspera, depõem muito a favor de uma origem romana.

9Infelizmente, não nos foi ainda dado estudar estes problemas directamente no norte de África, mas, pela bibliografia consultada, ficamos com a impressão que o regadio se faz ali aproveitando a água de poços mais ou menos profundos. Ora a nora de alcatruzes de eixo curto é o aparelho próprio para elevar a água de poços, enquanto que os calabres, que são noras de alcatruzes de eixo comprido alto, servem sobretudo para elevar a água de rios, embora se apliquem com frequência em poços. Portanto, a analogia tecnológica é aparente, visto que funcionalmente são aparelhos distintos e que podem não ter utilidade nas regiões habitadas pelos muçulmanos antes de invadirem a Península. Ao passo que em Itália vemos ser este um aparelho bastante difundido. Notamos ainda que a análise da obra de Abu Zacaria parece confirmar a origem pré-árabe destes aparelhos.

10Outros sistemas, como rodas de tirar água, movidas pelo pé de homens, existiram entre nós já na época romana; e os exemplos recentes representam ou a sobrevivência desses, ou, possivelmente, a difusão de um sistema a partir do Extremo-Oriente, que se situaria então depois do século XVI, pelos contactos que desde essa data tivemos com o Japão e outros países dessa área.

11De maneira geral fizemos recuar bastante a cronologia atribuída a alguns dos sistemas de regadio usados no País e aguardamos que futuras investigações, sobretudo as que puderem ser feitas no norte de África e Próximo-Oriente, venham confirmar a nossa opinião.

12Quando no princípio deste estudo chamávamos a tudo noras, como a maioria das pessoas letradas, os problemas pareciam-nos simples. Com o decorrer da investigação as dificuldades foram crescendo e só muito mais tarde reparámos na complexidade dos problemas que tínhamos a enfrentar. Mas isto é afinal o que sucede a todos aqueles que abandonam os lugares comuns e se metem a romper caminhos pouco desbravados. Quantas coisas não são assim e o que não está por fazer no vasto campo da nossa etnografia?! Em matéria de regadio tentámos dar mais este passo em frente; compete agora aos vindouros corrigir as nossas deficiências e levar mais longe a investigação, pois o que fica por fazer é, com certeza, bem mais do que aquilo que fizemos.

Notes

1 Ver: Deodoro, V. 37; André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 321.

2 Ver: André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 321; E. Jaeckle, Der Geheiligte Reisbau Ostasiens, in «Atlantis», Berlim e Zurique, Agosto de 1939, caderno 8, p. 433, fig. em baixo; existe uma miniatura de cadeia de palhetas no Museu do Instituto de Antropologia de Coimbra, proveniente de Macau (?).

3 Ver: C. Daryll Forde, Habitat, Economy and Society, ob. cit., pp. 268-269; André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., pp. 319 (figs 558 e 559) e 321.

4 Ver: André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., pp. 319 (fig. 560) e 321; E. Jaeckle, Der Geheiligte Reisbau Ostasiens, in «Atlantis», Berlim-Zurique, Agosto de 1939, caderno 8, p. 435, fig. em baixo.

5 Na região de Aveiro há uns aparelhos de baldear a água, chamados tranqueiras, que fazem lembrar este sistema. Ver Museu de Arte Popular, Lisboa.

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search