Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

VI. Relações históricas

Texte intégral

A REGA SEM APARELHOS DE ELEVAR A ÁGUA

1A rega sem aparelhos elevatórios é, fora de dúvida, o sistema mais antigo de todos os que foram descobertos e usados pelos vários povos da Terra, cuja especial situação geográfica tornava necessária a irrigação.

  • 1 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 476.

2Na opinião do grande etnólogo dinamarquês Birket-Smith, o berço do regadio deve ter sido a Síria setentrional e as colinas situadas no sopé das montanhas da Arménia, que também utilizavam a água de nascentes, a qual era conduzida por canais, aproveitando a força da gravidade1.

  • 2 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 173.

3Este sistema não foi utilizado apenas pelas velhas civilizações asiáticas, pois conhecem-se obras de regadio importantes, realizadas no México e no Peru, antes da descoberta do continente americano pelos europeus, o que prova ter sido uma invenção independente do Novo Mundo2.

4A simplicidade do sistema permite pensar que vários povos tenham descoberto o regadio independentemente uns dos outros, embora sobre isso tenhamos de nos contentar com hipóteses, pois só o acaso nos pode dar elementos seguros com relação a alguns.

5Relativamente a Portugal temos motivos para supor que a irrigação já fosse usada desde épocas muito recuadas. É certo que não há documentos que permitam fazer afirmações categóricas, mas não faltam razões lógicas de peso em favor de uma origem pré-romana do regadio em Portugal.

  • 3 Jorge Dias, Rituelle Bäder an der portugizsischen Küste, C. R. ao Congresso Internacional de Antrop (...)
  • 4 José Leite de Vasconcelos, Religiões da Lusitânia, vol. II, Lisboa, 1905, pp. 266-277.

6O antiquíssimo culto das águas, praticado pelos nossos remotos antepassados, e cujos vestígios ainda hoje podemos encontrar em certos usos e costumes, como os banhos santos, que em certos dias do ano se vão tomar ao mar e aos rios, e também em Fontes Santas e Águas Santas, tem raízes em tempos muito anteriores à agricultura3. O deus Bormânico, poderoso deus indígena das águas, teve altares, em sua honra e o seu culto deve ter sido muito activo em épocas passadas4.

  • 5 Alberto Vieira Braga, ob. cit., pp. 72-74.
  • 6 Alberto Vieira Braga, ob. cit., lug. cit.
  • 7 Alberto Vieira Braga, ob. cit., lug. cit.

7Porém, o culto primitivo das águas deslocou-se com o tempo, para o culto material de feição agrícola e, como diz Vieira Braga, deve haver uma nítida correlação entre os deuses Bormânico, Bormos e as instituições agrárias Bormoias5. Com a invenção da agricultura e do valor fertilizante das águas, o antigo deus torna-se também um protector da lavoura6. E isto explica como os agricultores, especialmente interessados em defender as suas colheitas da estiagem, e sempre desejosos de água para os seus campos, acabaram por formar as Bormoias, instituições de lavradores, que lhes dariam provavelmente uma protecção regulamentada7.

  • 8 Ver Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948; do mesmo, Rio de Onor; Alb (...)

8Um outro argumento em favor da antiguidade do regadio são as formas de direito consuetudinário que regulamentam a fruição das águas de rega nas aldeias comunitárias, cuja organização social provém de tempos pré-romanos. Como vimos atrás, estas formas chegam a sobreviver em regiões de propriedade individual e mesmo de feição capitalista, como são as terras baixas do Minho8.

  • 9 Hermann Lautensach, ob. cit., I Parte, 95 e 127.

9Lautensach, baseando-se na propriedade colectiva das águas em certas povoações, defende também a origem pré-romana do regadio9.

  • 10 Estrabão, III, 3, 6.
  • 11 Estrabão, III, 4, 9.

10Além disso, é de supor que os lusitanos conhecessem a irrigação, visto cultivarem o linho, pois, segundo Estrabão, este povo usava uma espécie de couraças de linho10. Como se sabe, o linho é uma planta que exige uma irrigação abundante no nosso país e é de crer que o mesmo tivesse sido outrora, pois, quando Estrabão fala das culturas do linho e do esparto em terras do sul de Espanha, parece dar a entender que o linho era regado. De facto, depois de se referir ao rio junto do qual viviam os imporitaí, diz que estes eram hábeis em tecer linho e, mais adiante, referindo-se às planuras do interior, diz que não produziam senão esparto11. Certamente porque não havia água para regar o linho.

  • 12 Orlando Ribeiro, ob. cit., p. 113.

11Estes argumentos e o facto de este género de regadio estar fortemente aparentado com a rega de abundância que se pratica também na Europa média, nos prados destinados a pastagens e à produção de feno12, leva-nos a crer que estamos perante um elemento cultural pré-romano que nos chegou por via europeia e que possivelmente não é contribuição directa dos povos mediterrâneos.

12Esta forma de regadio foi certamente desenvolvida mais tarde pelos romanos, a quem devemos indiscutível impulso no campo da técnica agrícola.

13Deixando para mais tarde a possível origem romana de alguns aparelhos de elevar a água de rega, limitamo-nos por agora a salientar a importância que o regadio por meio de represas, com o possível aproveitamento da água das chuvas, já teve no Alentejo no tempo dos romanos. Este tipo de regadio, que hoje volta a retomar-se com o auxílio de uma técnica moderna de maiores recursos, perdeu-se talvez com as lutas entre mouros e cristãos.

  • 13 Abel Viana, Notas históricas, arqueológicas e etnográficas do Baixo Alentejo, in «Arquivo de Beja», (...)

14Abel Viana estudou os restos de uma antiga barragem romana perto de Serpa. A parte ainda hoje preservada mede uns 150 metros de comprimento, com uma altura máxima de dois metros e meio, em alguns pontos menos destruídos13.

15Na toponímia ficaram também vestígios deste tipo de regadio; a primeira estação que se encontra, indo de Beja para o Algarve, tem o nome de Represa.

  • 14 Abu Zacaria lahia, Libro de Agricultura, tradução espanhola de Don Josef Antonio Banqueri, Tomo I, (...)

16A seguir aos romanos, os árabes também contribuíram para beneficiar o regadio – sobretudo com a introdução de novos aparelhos que mais adiante analisaremos –, mas também com a sua notável técnica em matéria de abrir poços. Vimos, no primeiro capítulo deste livro, que um proprietário da Herdade do Outeiro, na região de Santa Vitória, tinha obtido água para uma represa, abrindo vários poços em lugares afastados, que ligou por galerias subterrâneas de maneira a conduzir toda a água assim obtida, por meio de um túnel. Pois este mesmo sistema era usado já pelos árabes na Península, como se vê na célebre obra de Abu Zacaria, escritor sevilhano do século XII14.

17Porém, a par da importância que estes povos tiveram na construção de simples sistemas de represas e poços, mais importante é ainda a sua contribuição no campo dos engenhos de elevar a água.

  • 15 Henrique da Gama Barros, História da Administração Pública em Portugal nos séculos XII a XV, Tomo I (...)

18Como acabámos de ver, não devemos aos árabes o regadio. Apesar do impulso que certamente lhe deram, sobretudo na utilização de aparelhos de elevar a água de poços, antes deles já se praticava há muito o regadio em Portugal e, inclusivamente, como havemos de ver, utilizando engenhos de elevar a água de poços e de rios. Gama Barros, embora em termos gerais de regadio, e sem especificar sistemas, apresenta algumas opiniões de autores estrangeiros, que são contrários à teoria corrente de que o regadio tenha origem árabe15.

  • 16 pérez Pujol, instituciones sociales de la España Goda, IV, p. 373.

19Cita uma referência de Pérez Pujol a uma lei do Código Visigótico, onde este, a certa altura, diz: «...Sin negar ni desconocer el valor de la agricultura arabe en la Península, hay que convenir en que pudieron mejorar algunos cultivos y introducir outros; pero en el conjunto practicaron la agricultura romana que habian encontrado en las antiguas províncias del Império primeramente conquistadas, y que igualmente encontraron en Espafla»16. Convém dizer que Pujol incluía na agricultura em geral o regadio, de que fala expressamente umas linhas atrás.

  • 17 Citado por Henrique da Gama Barros, ob. cit., nota 3 da p. 42.

20Gama Barros reforça a opinião de Pérez Pujol, reproduzindo em nota, uma passagem dum relatório apresentado em 1894 ao ministro da Instrução Pública e das Belas-Artes, em França, acerca do regime das águas e das instalações rurais na antiga África. Limitamo-nos a transcrever uma frase que diz : «C’est donc à l’époque romaine, aux siècles heureux de l’empire, qu’on se placera pour étudier l’installation rurale, hydraulique et agricole»17.

APARELHOS MOVIDOS POR AGENTES NATURAIS

a) Moinhos de água

  • 18 Ver Jean Brunhes, La Géographie Humaine, édition abrégée, Paris, 1942, fig. 13.

21Sabemos muito pouco acerca destes engenhos accionados pelo vento. Em Aljezur, onde se encontra a sua maior concentração, parece não serem muito antigos. Um informador disse-nos que foram introduzidos há menos de trinta anos. Podia, à primeira vista, pensar-se numa invenção local, isto é, numa espécie de adaptação de velas de moinho a engenhos semelhantes aos engenhos de vento americanos, de factura industrial. Porém, na ilha de Creta há moinhos de água «anemo mili», muito parecidos com os algarvios18, o que fala em favor da difusão de tal aparelho pelo Mediterrâneo a partir de qualquer ponto e época que ignoramos. A única diferença saliente entre os moinhos de tirar água de Creta e de Aljezur reside no número de velas. Enquanto que os de Aljezur só têm 4 velas, os de Creta têm 10. De resto são aparentemente iguais.

  • 19 Hermann Lautensach, Portugal, ob. cit., II Parte, p. 120.

22Lautensach fala na irrigação da baixa de Aljezur por meio de moinhos de vento, mas não faz comentários19.

23Mais para o norte de Portugal, na região de Aveiro (Salreu e Estarreja), aparecem moinhos de elevar a água com asas de madeira em vez de velas. O uso de velas de madeira está bastante difundido nos moinhos de vento do litoral, desde Cantanhede até perto de Aveiro, e é muito natural que os moinhos de água desta região fossem influenciados pelos moinhos de vento do litoral próximo.

  • 20 Arquivos do Centro de Estudos de Etnologia.
  • 21 H. B. Meyer, Danzig (Deutsche Volkskunst) Verlag Böhlau, Weirnar (s/d), p. 20, figs. 25 e 26.
  • 22 Ver: Die alten Schöpfmühlen der niederdeutschen Marschen, H. Issleib, in «Atlantis», Out., 1935, p. (...)

24É curioso observar que muitos destes moinhos de vento, construídos de madeira e com velas de madeira, alguns dos quais chegavam a ter dois andares20, sãc bastante semelhantes a alguns moinhos dos Países Baixos ou da costa do Báltico21. Ora nessas regiões baixas do litoral do norte da Europa, também era frequente usarem-se moinhos de vento para elevar a água das áreas encharcadas. É certo que os engenhos do norte europeu são majestosos e bem construídos22, índice seguro de uma cultura assente num nível de vida muito mais elevado que o dos nossos camponeses do litoral, entre o Mondego e o Vouga. Mas pode pôr-se a hipótese da influência cultural das costas do norte e noroeste da Europa, sobre a região costeira portuguesa do centro do país. Só pesquisas metódicas podem vir a elucidar-nos sobre o assunto.

25Os chamados engenhos de vento americanos, são uma adaptação industrial de antigos engenhos de elevar água em que se aproveitava a mesma força motriz, e o seu interesse etnológico é pequeno.

b) Rodas hidráulicas

  • 23 Kaj Birket-Smith, ob. cit., p. 77.
  • 24 C. Daryll Forde, Habitat, Economy and Society. A geographical introduction to ethnology, Londres (8 (...)
  • 25 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, Tecnologia Tradicional Portuguesa. (...)
  • 26 Julio Caro Baroja, Tecnologia Popular Española, Madrid (Editora Nacional), 1983, pp. 245 a 247.

26A transformação do movimento rectilíneo de uma corrente no movimento circular de uma roda vertical com palas, e com alcatruzes no aro que desse modo elevam a água a uma altura igual ao seu diâmetro, que pode ser de tamanho considerável, é uma descoberta importante, que foi posta em prática desde tempos muito remotos23. Supõe-se que esta roda surgiu na Pérsia, e alguns autores dão-lhe o nome de roda persa 24; mas o problema não parece estar rigorosamente e definitivamente resolvido. Seja como for, o invento espalhou-se para oriente e para ocidente, pelos países da bacia do Mediterrâneo; e, na época clássica, rodas verticais para elevar a água usaram-se de um modo geral, em vários rios de certas áreas do Próximo Oriente e do Mediterrâneo Oriental onde se praticava regularmente a irrigação. Um papiro egípcio do século II a.C. menciona-as25 e Estrabão, no século I da nossa era nota igualmente a sua existência no Nilo; na Síria elas parecem ter sido conhecidas já no tempo de Heliogábalo (primeiro quartel do século III da nossa era)26.

  • 27 George B. Cressey, Asia’s Land and Peoples, Nova Iorque, 1944, pp. 127 e 128.
  • 28 Lynn White, Medieval Technology and Social Change, Oxford, 1962, p. 81; John Reynolds, Windmills an (...)

27Por outro lado sabe-se da existência na China, no século I da nossa era de um martinete accionado por uma roda de água vertical, para descasque de arroz27 e, a este respeito, Lynn White entende que não é de admitir que um sistema tão complexo tenha podido atingir aquele País a partir do Mediterrâneo apenas no lapso de tempo correspondente a duas ou três gerações, e fala na possível existência de um ponto de difusão intermédio28.

  • 29 Julio Caro Baroja, Tecnologia Popular Española, p. 242.
  • 30 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, ob. cit., p. 70; Julio Caro Baroja, (...)

28No que se refere ao mundo greco-romano e não considerando a ideia que Arquimedes, conjecturalmente pode ter tido de uma roda que elevasse a água do solo até à altura do seu diâmetro, nem de uma incerta menção que um verso de Lucrécio sugere – ut fluvios versare rotas atque austra videmus (como vemos os rios fazerem andar rodas e alcatruzes)29 –, é em Vitruvio, no seu livro De Arquitectura, que se data do ano 25 a.C., no capítulo sobre as rodas movidas pela água e os moinhos, que encontramos a mais antiga referência e descrição das rodas de água verticais, de palas e alcatruzes, primeiro as passivas, accionadas pelo homem, e em seguida as activas ou motoras, accionadas por uma corrente: «Do mesmo modo se fazem também açudes nos rios, dispondo-se as palas na periferia exterior; as quais, impelidas pelo ímpeto da corrente, fazem girar perenemente a roda, que, enchendo de água os cubos, e levando-a até ao alto, fazem o efeito desejado, sem impulso humano, e só com a própria corrente»30.

29Como porém se depreende do que acima dissemos, este texto não significa que fosse Vitruvio – ou qualquer outro autor latino –, o inventor da roda de alcatruzes para elevação da água; para a sua descrição, ele inspirou-se certamente nas novas rodas desse tipo que se usavam no Mundo Antigo oriental.

  • 31 Ver Jean Brunhes, La Géographie Humaine, édition abrégée, Paris, 1942, p. 35 e fig. 9; Kaj Birket-S (...)
  • 32 Jean Brunhes, ob. cit., p. 35 e fig. 11.

30Estas rodas continuam em nossos dias a usar-se em muitas partes. Na Síria, por exemplo, vêmo-las no rio Oronte, em Hansa – sólidas construções em madeira, por vezes de dimensões gigantescas –, para elevar a água do rio até ao cimo de altos aquedutos de pedra que a conduzem até às terras a regar31. Na China, elas, feitas de bambu, abundavam ainda há poucas dezenas de anos ao longo do rio Szechwan, onde eram utilizadas para a irrigação do arroz32 ; e ao norte de Annan, na Indochina, estas rodas atingiam, por vezes, 8 a 10 m de altura.

  • 33 Jean Brunhes, L’Irrigation, Paris, 1904, pp. 130 e 344, figs. 48 e 49.
  • 34 Jean Brunhes, La Géographie Humaine, p. 35 e fig. 10.

31No Egipto, as rodas hidráulicas, com ou sem alcatruzes, conhecidas ali pelo termo de Saquiehs (nome aliás aplicado também a engenhos accionados por animais) existem apenas, segundo Jean Brunhes, no oásis de Fayum33 ; são rodas muito baixas, metidas dentro de canais profundos, e elevam a água até à superfície do solo34.

  • 35 Paul Scheuermeier, Bauernwerk in Italien, der italienischen und rätoromanischen Schweiz, Erlenbach- (...)

32Na Europa, as rodas hidráulicas ocorriam – e em certos casos continuam a ocorrer – na Itália, na Espanha e em Portugal. Na Itália viam-se ainda, em 1921, enormes rodas de água em Verona, que lançavam a água do rio Etsch em canais de madeira, por onde era conduzida até às hortas próximas35. Estas rodas, hoje desaparecidas, eram semelhantes às nossas rodas do tipo A.

  • 36 Jean Brunhes, L’Irrigation, p. 130.
  • 37 Telesforo de Aranzadi, Aperos de Labranza, in «Folklore y Costumbres de España», Barcelona, 1943, t (...)

33Jean Brunhes fala-nos também das rodas hidráulicas que existem ainda actualmente em Espanha. Segundo o autor, aí só na região de Ecija ele encontrou tais rodas – uma em Ecija mesmo, e mais de 20 em Palma del Rio, lugar próximo36. Aranzadi não as menciona no capítulo em que trata da irrigação37, o que indigita talvez a sua raridade no País vizinho.

34Não podemos asseverar que estas rodas fossem usadas na Península durante a época romana, embora seja natural que assim tenha sucedido, sobretudo considerando que, como veremos, existiam comprovadamente rodas semelhantes, daquela época, para esgotamento das águas por elevação, mas accionadas pela energia humana, nas minas de Tarsis, em Huelva, na Andaluzia e de S. Domingos, em Mértola.

  • 38 A esse respeito, Caro Baroja (Tecnologia Popular Espaflola, p. 253) lembra as esplêndidas gravuras (...)

35A este respeito, notaremos, de acordo com Caro Baroja, que é provável que a técnica mineira clássica nunca tenha sido esquecida durante a Idade Média. Na Renascença partiu-se da leitura dos antigos livros de mecânica, com uma fase inicial erudita de comentadores e prosadores, para em seguida se tentarem em novas experiências; e os livros mais representativos da técnica e da ciência renascentista estão cheios de ecos e reminiscências vitruvianas38.

36Qual será a origem das rodas hidráulicas para elevar água accionadas pela força da corrente que, nos tempos modernos, existiam na Península, e em que época terão sido aí introduzidas?

37É provável, como vimos, que elas fossem conhecidas entre nós a partir da época romana. Grande número de autores, contudo, entendem que a difusão desses engenhos aqui se deve aos árabes, e entre nós esta hipótese reforça-se com a consideração de que a palavra nora, com que na Beira Litoral eles são designados, deriva do termo árabe nã’ura.

  • 39 Ver: E. Lévi-Provençal, L’Espagne Musulmane au Xème Siècle, Paris, 1932, p. 166, nota 4.

38Seja como for, a roda hidráulica para elevação da água existia na Península durante o período árabe; Edrisi, geógrafo muçulmano, nascido em Ceuta em 1100 e falecido em 1164, escreve, referindo-se a Toledo: «sobre o Tejo, vê-se um aqueduto muito curioso, formado de um só aro, por debaixo do qual as águas correm com grande violência e fazem mover, na extremidade do aqueduto, uma máquina hidráulica, que eleva a água a 90 côvados de altura» (cerca de 66m)39. O exagero deste número parece-nos evidente, mas esse facto não anula o valor da informação. Se a roda hidráulica existia em Espanha no século XII, é natural que também existisse pela mesma época em Portugal.

  • 40 O milho entrou em Cádis em 1515.

39Seja porém qual for a época da sua introdução no País, podemos estar certos que a sua grande difusão se devia ter verificado a partir do século XVI com a introdução do milho40.

c) Estanca-rios

40Este aparelho utiliza os dois sistemas hidráulicos fundamentais conhecidos entre nós para accionamento dos moinhos e azenhas – roda horizontal e roda vertical.

41É portanto, uma combinação desses dois sistemas, que encontrámos pela primeira vez reunidos, mas que de per si não representa nenhuma novidade tecnológica.

42Como dissemos, só conhecemos um exemplar em todo o Portugal, o que leva a admitir a hipótese de estarmos perante um caso de invenção local. Só o tempo poderá vir a confirmar ou a desmentir esta suposição.

APARELHOS MOVIDOS POR ANIMAIS

Noras de alcatruzes

43Sob a designação de noras de alcatruzes incluímos três variedades dum tipo de aparelho que tem em comum, além da tracção animal, um sistema de ro das dentadas, transmissoras do movimento circular-horizontal, ao movimento circular-vertical dum rosário de alcatruzes suspensos.

44As variedades resultaram da necessidade de adaptar o engenho às condições especiais. As noras de eixo curto baixo, as mais generalizadas, são destinadas a elevar a água de poços. As de eixo comprido, alto ou baixo, são construídas para tirar a água de ribeiros ou riachos, embora se vejam com frequência adaptadas também a poços. O eixo comprido tem por fim transmitir o movimento, realizado pelo animal, à roda de alcatruzes, calabre, suspensa sobre o rio.

45Enquanto que nas primeiras o animal gira em volta do poço, nas segundas ele realiza o trabalho afastado do rio ou poço, razão por que tem de haver um eixo de transmissão comprido.

46Se a água rega campos ao nível da margem, o eixo é baixo; se aqueles ficam em nível mais elevado, o eixo tem de ser alto.

47Estamos portanto em face de aparelhos estreitamente aparentados, embora a sua área de difusão primitiva possa não ter sido a mesma.

  • 41 André Leroi-Gourirn, L’Homme et la Matière, Paris (s/d), pp. 109-111 (ver fig. 149).
  • 42 André Leroi-Gourhan, ob. cit., p. 109.

48As engrenagens pesadas, usadas nestas noras, parece serem bastante raras no Extremo Oriente41, enquanto que no Mediterrâneo e na Europa são utilizadas com muita frequência, não só em aparelhos hidráulicos, como em moinhos42. Mas não sabemos ao certo os seus limites orientais.

Noras de eixo curto

  • 43 Ver, por exemplo, Orlando Ribeiro, Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra, 1945, p. 115.

49As noras de eixo curto são conhecidas, entre nós e em Espanha, por noras mouriscas, porque se lhes atribui uma origem moura. De facto, elas são muito comuns no Norte de África, com frequência accionadas por camelos. Mas tais designações são sempre perigosas, tanto mais que é corrente os autores atribuírem a origem das noras, em geral, aos árabes43, embora alguns aparelhos de elevar a água de rega, também chamados noras, talvez nunca tivessem sido conhecidos no Norte de África, nem no Oriente, como é o caso dos engenhos ou noras de buchas.

50Estas noras de eixo curto aparecem com frequência nos países da bacia do Mediterrâneo. Além do Norte de África, de que já falámos, aparecem nos Balcans, em Itália, em Espanha e no sul de Portugal.

  • 44 Julio Caro Baroja, Los Pueblos de Espana, Barcelona, 1946, p. 374.
  • 45 Julio Caro Baroja, ob. cit., fig. 25 da p. 428, segundo Baeschlin.
  • 46 Fritz Kriüger, Die Nordwestiberische Volkskultur, in «Wörter und Sachen», vol. X, Heidelberg, 1927, (...)

51Em Espanha tais noras são muito frequentes, sobretudo no Sul e nas Baleares. Júlio Caro descreve sumariamente uma nora destas ao referir-se a aparelhos considerados de origem árabe, usados em Castela-a-Nova e Estremadura44. Noutro lugar reproduz uma nora de Ibiza, segundo Baeschlin, que condiz exactamente com as noras deste tipo que atrás descrevemos e tão comuns no sul de Portugal45. Kriiger também reproduz a fotografia de uma nora de Soller (Mallorca), que apresenta as mesmas características46.

Noras de eixo comprido baixo

52Estas noras são, como dissemos, parentes próximas das anteriores e devem certamente resultar de um aperfeiçoamento posterior, pela necessidade de as adaptar a circunstâncias especiais.

  • 47 Jean Brunhes, L’Irrigation, ob. cit., pp. 319-320, fig. 40.
  • 48 Jean Brunhes, ob. cit., p. 319.
  • 49 Jean Brunhes, ob. cit., p. 347. Ver figs. 48 e 49.
  • 50 Wilhelm Giese, Apulische Brunnenschöpfräder, in «Wörter und Sachen», Band XVI, Heidelberg, pp. 90-9 (...)

53Tais noras, frequentes na Beira Litoral, encontram-se em certos países mediterrâneos, sobretudo no Egipto, onde são conhecidas pelo nome de saquiehs (sâqije)47. Diz Brunhes que a saquieh não passa do tipo egípcio da nora espanhola48. Claro está que isto é simplificar demasiado a questão e meter muita coisa diferente dentro do mesmo saco, tanto mais que ele próprio chama também saquiehs às rodas hidráulicas com alcatruzes utilizadas no Egipto49. Por sua vez, Giese refere-se também às saquiehs egípcias, tendo em mente um aparelho de eixo comprido alto50. Já chamámos a atenção para o facto de entre nós se designarem com o mesmo nome vários aparelhos diferentes, enquanto que outras vezes existem várias designações para os mesmos aparelhos. O que se passa entre nós deve passar-se noutros países, e basta sabermos isto, para usar da máxima cautela e procurar evitar, a todo o custo, incorrer no erro tentador de jogar com as palavras, esquecendo o sentido rigoroso que elas devem ter.

  • 51 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, in «Festschrift für P. Wilhelme Schmidt», Viena, 1928, fig (...)
  • 52 Não parece ser esporádico porque entretanto já encontrámos mais reproduções de sâquijes, e são semp (...)
  • 53 Jean Brunhes, ob. cit., p. 319.

54O que sabemos é que no Egipto aparecem aparelhos de elevar a água com o eixo de transmissão comprido e baixo (costuma passar mesmo por baixo do chão), a que chamam sâquijes 51. Infelizmente não sabemos se a palavra sãquije, tão generalizada no Egipto, se refere em geral a este aparelho tal como é reproduzido por Paul Leser e Brunhes, ou se este será um caso esporádico52. Na primeira hipótese, podia-se pensar que a nora de eixo comprido baixo tivesse tido a sua origem no Egipto, pois, como diz Brunhes, «ela está bem adaptada às condições do Egipto, porque, à medida que o nível da água desce no leito do rio ou no leito dos canais, pode-se alongar a cadeia que sustenta os alcatruzes53. Claro está que essa descida das águas também se observa entre nós e também temos aparelhos que estão adaptados às variações de níveis.

55Os aparelhos de eixo comprido alto são talvez mais frequentes, não só entre nós como noutros países do Mediterrâneo, porque em geral há sempre campos a regar que ficam mais altos que o terreno onde está a nora.

  • 54 paul Scheuermeier, ob. cit., fig. 142. Ver mais p. 82., figs. 212a e 212b.

56Em Incisa (Toscana) há aparelhos destes, abrigados por cobertos, que são exactamente iguais aos aparelhos portugueses do mesmo tipo, até nos mais insignificantes pormenores de construção. Vem um reproduzido no livro de Scheuermeier, conhecido por bíndolo 54, que é praticamente igual a um que observámos e fotografámos em S. Facundo (Coimbra) (ver fig. 30).

  • 55 p. vidal de la Blache et L. Gallois, Géographie Universelle, tomo VII, Pl. X, B.

57Mais para o sul da Itália, em Altamura, vêem-se noras de eixo comprido alto, descobertas, mas em tudo semelhantes às primeiras55.

  • 56 Wilhelm Giese, ob. cit., pp. 90-91.

58Giese descreve também noras semelhantes da mesma região (Apúlia)56, que considera semelhantes aos sâquijes egípcios.

59Lamentamos que a insuficiência de material bibliográfico não nos permita confrontar os diferentes aparelhos mencionados pelos autores. Que aparelho teria Giese em mente ao comparar uma nora de eixo comprido alto com os sâquijes egípcios? Dar-se-á o caso de também existirem saquiehs de eixo comprido alto, que até hoje não conseguimos ver? Ou não faria o Autor distinção entre aparelhos de eixo comprido baixo e alto? Parece que deve ser assim, e é natural, visto que Giese tratava casos particulares e não tinha em vista a solução dos mesmos problemas que aqui nos interessam. Contudo, tal distinção torna-se hoje indispensável num estudo comparativo rigoroso que tenha em vista determinar as origens dos diferentes aparelhos.

60Para se resolver o problema da origem das noras portuguesas é necessário estudar cada tipo de per si, pois a designação genérica, nora, é enganadora e não corresponde à realidade.

61Até hoje tem-se atribuído origem árabe à nora, não só por ser um instrumento muito generalizado no norte de África, como pela nomenclatura do aparelho e de muitas das suas partes.

62Quanto a nós, isto é verdadeiro em relação às noras de eixo curto baixo. Essas é que não só correspondem aos aparelhos usados frequentemente em Marrocos, como o nome por que são conhecidos e os das diferentes peças que as compõem são em grande parte de origem árabe.

  • 57 Muitos linguistas deixam-se com frequência arrastar pelo valor da palavra e esquecem as coisas que (...)

63Porém, se em vez de estudarmos os diferentes tipos independentemente, chamarmos a todos noras e quisermos resolver os problemas baseados só na etimologia, é natural que sejamos induzidos em erro57.

64Infelizmente, ainda está por fazer um estudo etnográfico-dialectal pormenorizado e isso dificulta muito a solução dos problemas; só cautelosamente podemos caminhar. Enquanto aguardamos que os linguistas se dediquem ao assunto, vamos aventar uma hipótese que só o futuro poderá confirmar ou destruir.

  • 58 Julio Caro Baroja, Los Pueblos de España, Barcelona, 1946, p. 423.
  • 59 Julián Ribera, El sistema de riegos en la Huerta Valenciana no es obra de los arabes, in «Disertaci (...)
  • 60 Julio Caro Baroja, ob. cit., p. 423.

65É sabido que durante muito tempo a maioria dos autores admitia que a introdução da irrigação na Península Ibérica era obra dos árabes, inclusivamente o sistema de regos da Horta Valenciana58. Julián Ribera, apoiando-se em argumentos lógicos convincentes, demonstrou que antes de os árabes invadirem a Península já tal sistema existia e que foram eles que o receberam dos cristãos59. Caro Baroja, depois de analisar o problema, estabelece uma distinção entre o regadio à base de grandes canais, em que assenta a horticultura intensiva que encontrámos na Catalunha, Aragão e Navarra e cuja história está hoje mais ou menos conhecida, e o regadio à base de pequenos canais, açudes e noras. Diz ele que os hispano-romanos já conheciam o primeiro, mas que os muçulmanos deram incremento ao segundo, mercê da rica experiência que tinham recebido dos grandes impérios da antiguidade60.

  • 61 Os árabes, em regra, aproveitavam individualmente as águas de pequenas nascentes ou rios e não cost (...)

66Parece-nos que a expressão cautelosa de Caro Baroja – «pero los mussulmanes sin duda incrementarem el segundo» – encerra a chave da questão! Os muçulmanos contribuíram sem dúvida para o desenvolvimento do segundo tipo de regadio, que aliás era o mais usado na sua pátria de origem61, mas dar incremento não é o mesmo que deter o monopólio de todos os tipos de regadio, nem de todos os aparelhos usados para elevar a água de rega. Para se poder fazer tal afirmação era necessário ter feito uma análise cuidadosa de todos os tipos de maquinismo usados na Península para elevar a água de rega, coisa que até hoje ninguém fez. Ora, nós hoje podemos afirmar que existem aparelhos em Portugal, como os engenhos de buchas, que parece nem serem conhecidos nos países mediterrâneos e que, portanto, nunca podiam ser de origem árabe.

67Uma vez desfeito o mito árabe, podemos raciocinar livremente, sem os inconvenientes de preconceitos, tão perigosos em ciência.

68Admitido o facto de os árabes terem contribuído para desenvolver as técnicas de regadio entre nós, vamos ver se conseguimos determinar quais os aparelhos que de certeza foram usados por eles entre nós. Além da roda hidráulica que, como vimos atrás, existia em Toledo no século XII, que outros engenhos lhes poderão ser atribuídos? Abu Zacaria lahia, também conhecido por Aben Mohamed Ben Ahmed Ebn EI Awan, diz no prólogo da sua importante obra que: « Dos son las especies generales de tierras: tierras [altas ó] de secano, y tierras [baxas ó] de regadio. La especie de estas últimas es la mejor y mas apreciable. Á una y otra puede comprehender el beneficio del riego, llevando el agua de fuentes ó rios [segun su situacion respectiva]. El regar con agua de rio es muy trabajoso, necessitándose para esto de máquinas ó instrumentos de nórias ó ruedas que deben ser movidas en giro por camellos, asnos ó mulos; cuyas máquinas en la mayor parte estan expuestas a frequentes quiebras. No es pues conveniente usar de este modo de riego, sino quando á ello obligue la necessidad».

69Vemos por aqui, que além da rega em que se aproveitava a água de nascentes e que devia correr por si própria, se fazia a rega utilizando rodas e noras movidas por animais. É evidente que o facto de tais aparelhos serem usados pelos árabes de Andaluzia não prova que tivessem sido eles os seus introdutores.

  • 62 Desenvolveremos mais este ponto ao falar das picotas.

70Além da já mencionada contribuição romana temos de pensar na civilização tartéssica que floresceu nas margens do Guadalquivir, e foi fundada pelo ano de 1100 a. C.62.

71Como poderemos então vir a distinguir dentre os aparelhos usados pelos muçulmanos na Península os que já cá encontraram e os que foram pela primeira vez introduzidos por eles ? O método comparativo pode dar excelentes resultados, pois não era natural que introduzissem entre nós máquinas que não usavam na sua terra. Infelizmente, não dispomos de elementos seguros de comparação e só uma excursão de estudo pelo norte de África nos poderá vir a esclarecer este ponto. Contudo, tanto quanto podemos ajuizar pelo que lemos, parece que os muçulmanos praticavam regadio aproveitando principalmente a água de poços. Exceptuando os que vivem próximo das encostas do Atlas e seus contrafortes e aproveitam águas de nascentes, o regadio nas terras planas, e em especial o dos oásis, faz-se por meio de noras de eixo curto. Estas são, de facto, as mais generalizadas e as que vemos reproduzidas nos trabalhos que se referem a Marrocos.

  • 63 claro que não nos referimos às noras de ferro, muito recentes e mais influenciadas por modelos indu (...)

72Além disso, as noras que encontrámos no sul do País, mais directamente influenciado pelos muçulmanos, são noras deste tipo63.

73Por sua vez a nomenclatura de várias peças revela origem árabe e este aparelho é sempre conhecido por nora, também de origem árabe.

74Todos estes argumentos depõem a favor da origem muçulmana da nora de eixo curto, a que muita gente chama nora mourisca.

75Porém, se isto é talvez verdadeiro para as noras de eixo curto, porque o havemos de generalizar às noras de eixo comprido?

  • 64 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, ob. cit., fig. 36, segundo O. Franke. Ver mais O. Franke, (...)

76As noras de eixo comprido baixo são bastante semelhantes aos sâquijes egípcios, como vários autores notaram. Ora, até hoje, não vimos nenhuma referência a sâquijes em Marrocos. Estes engenhos, vulgares no Egipto, apresentam flagrante semelhança com um aparelho de elevar a água usado noutras eras na China, o que depõe a favor da sua antiguidade64.

77Ora, as noras de eixo comprido baixo não se encontram no sul do País, região onde os muçulmanos exerceram maior influência. Por sua vez, nenhum autor, de que temos conhecimento, faz referência a noras destas em Marrocos. Quanto à nomenclatura, não temos elementos suficientes para querer daí deduzir qualquer coisa, mas cremos que o povo nem lhes chama noras.

  • 65 Políbio, XXXIV (4), 8, 4-10.

78Por que não teriam conhecido já este aparelho outros povos, como os Cartagineses ou os Romanos? A sua grande antiguidade, como atrás vimos, torna possível a hipótese. Além disso, a grande prosperidade de algumas regiões da Península, dentre as quais nos interessa em especial a Lusitânia, depõe a favor de uma agricultura superior. A tabela de preços dos produtos agrícolas e ganadeiros, organizada por Políbio65, dá bem a medida dessa prosperidade e torna inadmissível que se desconhecessem então sistemas de regadio eficazes e adaptados às necessidades da horticultura.

  • 66 A. E. Watkins, The Origin of Cultivated Plants, in «Antiquity», Tomo VII, 1933, pp. 73-80.

79Por sua vez Watkins afirma que, nesta parte central do País, os campos marginais do Douro e do Tejo devem ter sido um dos mais antigos centros de plantas cultivadas66.

  • 67 Abel Viana, ob. cit., lug. cit.

80É certo que estas afirmações não especificam plantas cultivadas de regadio ou de sequeiro, mas é difícil pensar numas e excluir as outras, quando se trata de uma região em que o regadio é tão importante e tão intenso em tempos históricos. Se a agricultura é antiga na região, é de crer que o regadio também se viesse a praticar ali relativamente cedo. Além disso, nós temos elementos arqueológicos comprovativos da grande actividade dos romanos no Alentejo, no campo do regadio67. Se isto é assim, temos de admitir que, durante a ocupação romana, pelo menos nas regiões onde houve centros prósperos de actividade civilizadora mais intensa, o regadio foi um facto.

  • 68 Deodoro, V, 37. Diz que as águas infiltradas nas minas eram esgotadas por meio de um tornilho desco (...)

81Se as barragens romanas do Alentejo correspondiam às condições climáticas, geológicas e topográficas da região, porque não utilizariam outros processos em regiões cujas condições exigiam formas de regadio diferentes ? A única objecção seria a de os próprios romanos ignorarem outros processos. Mas será crível que esse grande império, cujo elevadíssimo nível tecnológico não se pode pôr em dúvida, e que conhecia máquinas para esgotar a água das minas, não tivesse também máquinas para elevar a água dos poços, como tinham outros povos vizinhos?68

  • 69 Ver Paul Scheuermeier, ob. cit., p. 82.

82Não parece possível aceitar tal hipótese, mas, depois de termos estudado as noras de alcatruzes de eixo comprido alto, tão comuns nas terras que se estendem para ocidente de Coimbra e de as termos confrontado com aparelhos usados na Itália69, ficamos intimamente convencidos de que a sua origem devia ser romana e nunca muçulmana.

83Como se explicaria Conimbriga, centro de civilização requintada e durada dos benefícios da técnica romana (aquedutos, banhos, aquecimento, saneamento, etc.), sem a existência de uma lavoura rica, assente na exploração aperfeiçoada do solo, segundo os conhecimentos mais modernos de que os romanos podiam dispor?

84Que se pode objectar contra isto? A questão da nomenclatura? Mas quem nos diz que a nomenclatura destes aparelhos é de origem árabe? Se as noras de eixo curto são de facto noras na linguagem popular, e muitas das suas partes também podem ter étimo árabe, estes aparelhos de eixo comprido só são noras por extensão. Não fizemos uma colheita sistemática de nomes, mas em geral ouvimos-lhes chamar calabres ou engenhos e só as pessoas semicultas lhes chamam noras.

85Os argumentos dos linguistas só podem ter valor depois de um levantamento rigoroso da terminologia popular, coisa que infelizmente está por fazer. Doutra forma podem conduzir à confusão em vez de esclarecer.

  • 70 Wilhelm Giese, Apulische Brunnenschöpfräder, in «Miscelânea de Estudos à Memória de Cláudio Basto», (...)

86O mesmo aparelho que se chama nora em Portugal e noria em grande parte da Espanha é conhecido por cínia na Catalunha70, o que, com certeza, não invalida que o aparelho tenha tido a mesma origem muçulmana. Por sua vez, a palavra nora usa-se para designar aparelhos tecnologicamente muito diferentes, e cujas origens podem ser diversas, sobretudo na boca de pessoas cultas ou semicultas.

  • 71 Paul Scheuermeier, ob. cit., p. 82 e fig 212, fot. 142.
  • 72 Ver Géographie Universelle, de P. Vidal de la Blache et L. Gallois, tomo VII, fig. B da Est. X.

87Contudo, analisando os escassos materiais linguísticos de que dispomos, vemos que as noras de eixo comprido alto são conhecidas por bíndolo em Incisa (Toscana)71, o que não quer dizer que os geógrafos M. Sorre et J. Sion lhe não chamem noria 72. Digamos de passagem que na mesma região se usa também a palavra bíndolo, para designar uma nora de ferro fundido com alcatruzes metálicos, que nada tem que ver com o aparelho tradicional de eixo comprido alto.

  • 73 A roda dos alcatruzes chama-se aqui dobadoira.

88Em Portugal, embora nem sempre tivéssemos informadores para fornecer terminologia de confiança, registámos os seguintes nomes: calabre em S. Frutuoso (Coimbra); engenho em Almada (na estrada da Torre para a Trafaria) ; engenho em Gândara, Bairro (Leiria)73; roda de tirar água, em Pelariga, Tinto (Pombal); engenho deponteria, em Carvalho de Figueiredo (Tomar); nora alta, em Setúbal (à entrada da cidade, quem vem de Lisboa); engenhos em Mirandela (são todos de ferro, mas obedecem ao mesmo princípio).

89Como vemos, a designação genérica de nora foi criação erudita, mas pode facilmente induzir em erro os que não tiverem consciência clara disto.

90Por essas razões, parece poder-se concluir que estes engenhos de eixo comprido já deviam existir na Peninsula antes da invasão árabe. Embora tecnologicamente semelhantes, separa-os uma diferença funcional importante. Enquanto que as noras de eixo curto só podem tirar água de poços, sistema corrente em Marrocos, as noras de eixo comprido funcionam sobretudo junto de rios ou poços. O eixo comprido serve precisamente para permitir que os alcatruzes estejam suspensos sobre a beira do rio, enquanto que o animal toca a água afastado alguns metros da margem.

  • 74 Abu Zacaria, ob. cit. e lug. citado.

91É certo que os árabes também utilizaram aparelhos deste tipo na Andaluzia, como vimos na passagem de Abu Zacaria, que atrás transcrevemos. Contudo, e isto é importante, o próprio escritor árabe é de opinião que este sistema era pouco recomendável, porque, além de ser muito trabalhoso, os maquinis-nos estavam sujeitos a estragos frequentes74. Parece que se pode depreender daqui a reacção natural contra engenhos grandes que não estavam na tradição mourisca e seriam usados por moçárabes. Ainda hoje é frequente em toda a gente uma certa atitude de desconfiança em relação ao que vem de culturas alheias.

  • 75 Henrique da Gama Barros, ob. cit., p. 45.

92É curioso que o próprio Gama Barros comenta desta maneira o passo de Abu Zacaria: «É notável esta observação do autor, porque não é de molde a abandonar o proveito que para as regas podiam tirar das águas do Guadalquivir».75

  • 76 Abu Zacaria lahia, ob. cit., pp. 146-147.

93Contudo, Abu Zacaria já não manifesta a mesma relutância em relação à nora de eixo curto, que descreve pormenorizadamente, num outro capítulo da sua obra, dando conselhos técnicos precisos. Depois de enumerar várias maneiras de construir poços, os quais classifica, segundo a forma da abertura, de árabes ou persas, ensina o seguinte relativamente às noras: «Dice Abu-el-Jair que en (cada) estado [ó cada dos varas] de la maroma de la noria haya cinco arcaduces, [cubos ó cangilones], y que quantos mas fueren los dientes en la rueda pequeña que juntamente con la mayor hace circular la dicha [maroma], vendrá á ser esta máquina mas liviana y ligera, y lo mismo si el paio atravesano fuese largo; el qual no perjudica sea de treinta ó casi treinta palmos. Que tambien se da fácil [curso á la maroma] doble con cortar del paio derecho lo que sobresale por encima del horado del travesano ; y lo mismo si las rodajas que llevan [ó donde estriban] los arcaduces fueren de madera pesada; á cuyo fin han de hacerse mas gruesas y pesadas de lo acostumbrado, respecto á que así se logra aquel efecto. Dicen, que para estorbar el encuentro de las grades de la escalerilla con los arcaduces en el agua del pozo se haga á cada uno de estos en el fondo un pequeño agujero, [con lo qual] no ladéandose, estan libres de quebrarse unos con otros, ó en la expansion del pozo; [los quales] vaciándose tambien al parar la maroma, por esta causa dura la misma mucho tiempo».76

94O contraste entre a meticulosidade com que ensina a construir e aperfeiçoar os poços e as noras de eixo curto e o cepticismo que no prólogo evidenciou em relação aos aparelhos de elevar a água do rio, que são sempre aparelhos de eixo comprido, parece-nos bastante sintomático e depõe muito em favor da nossa hipótese. Aguardemos o que investigações futuras, feitas em regiões ocupadas antigamente pelos árabes, nos podem trazer de novo, e entretanto vamos prosseguir no estudo de outros aparelhos.

Noras de sarilho

95As noras de sarilho são uns aparelhos semelhantes aos anteriores, mas com uma engrenagem transmissora do movimento muito mais tosca e primitiva. Aparentemente, esta nora arcaica parece filiar-se em qualquer aparelho de origem remota. Dizemos aparentemente, pois nem sempre a rusticidade e primitivismo de um objecto é argumento a favor da sua maior antiguidade.

96Estes aparelhos apresentam, como os anteriores, variedades de eixo curto e comprido, mas a transmissão do movimento circular do eixo vertical, para o horizontal, realiza-se por meio de quatro paus cravados no eixo vertical, em forma de cruz, que, girando, empurram os quatro raios da roda dos alcatruzes (ver desenho).

  • 77 Wilhelm Giese, Uber die Herkunft der sardischen Brunnenschöpfrãder, in «Miscelânea de Estudos à Mem (...)

97Em toda a literatura da especialidade que nos foi possível percorrer só encontrámos aparelhos com esta singularidade de construção em Campidano (Itália)77.

98Estas noras apresentam pois a singularidade de não utilizarem rodas dentadas para transmitir o movimento, mas sim raios de madeira dispostos em cruz dupla. Nas noras portuguesas, os paus da cruz accionam directamente os raios da roda dos alcatruzes, enquanto que em Campidano existe uma outra cruz dupla, ligada ao eixo horizontal, que serve para transmitir o movimento ao eixo, onde se encontra o tambor dos alcatruzes. Este tambor é formado por dois discos toscos de madeira, feitos de vários barrotes cruzados e ligados por fuselos.

99Não há dúvida que o arcaísmo do sistema de transmissão, independentemente destes pormenores, é o mesmo nas noras de Campidano e nas nossas noras de sarilho e leva a procurar-lhe uma origem remota.

  • 78 Wilhelm Giese, ob. cit., p. 380.

100Giese, que não conhecia estas noras portuguesas, ao estudar as de Campidano, diz que estão mais próximas dos sâquijes egípcios do que das noras mais antigas de Portugal e da Apúlia (Itália)78.

  • 79 Wilhelm Giese, Uber portugiesische Brunnen, in «Wörter und Sachen», XI, 71.

101Já dissemos que só pela palavra sâquije não é fácil saber-se que aparelho os autores têm em mente, mas neste caso Giese refere-se a um sâquije cuja roda reproduz num trabalho anterior79.

  • 80 Ver Jean Brunhes, L’Irrigation, ob. cit., fig. 40, p. 320; Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, (...)
  • 81 Ver Paul Leser, ob. cit., fig. 36, segundo O. Franke, p. 150, fig. 13.

102De facto, nos sâquijes que temos visto reproduzidos, as rodas da engrenagem têm os dentes dispostos na direcção dos raios da roda e não perpendiculares a estes, como na maioria das rodas dentadas, usadas neste género de aparelhos80. Este sistema de entrosa é também usado em aparelhos chineses de elevar a água de rega81. Tal disposição dos dentes pode levar a admitir que o sistema das cruzetas das noras de sarilho seja uma forma arcaica das rodas dentadas dos sâquijes egípcios, que representam uma evolução posterior.

103O arcaísmo deste sistema põe-nos perante um complicado problema histórico. Representarão estas noras de sarilho um caso de arcaísmo por decadência da técnica local, que em mãos de gente pouco hábil se abastardou a ponto de regressar a formas mais primitivas? Tal hipótese podia pôr-se, se estas noras não aparecessem em lugares do País tão afastados dos outros: Valpaços, Chaves, Tomar e Abrantes. Mas a existência de aparelhos na Itália, com a mesma particularidade, obriga necessariamente a procurar uma explicação histórica.

  • 82 A. Cossu, Sardegna e Corsica, Torino, 1932, p. 76.
  • 83 A. Cossu, ob. cit., p. 76; mais Le Lannou, Pâtres et paysans de la Sardaigne, Tours, 1941, p. 254.
  • 84 Wilhelm Giese, ob. cit., p. 382. Ver mais: E. Besta, La Sardegna medievale I, Palermo, 1908, pp. 57 (...)

104Giese analisa a hipótese de terem sido os Cartagineses, que durante as guerras Púnicas dominaram a Sardenha, os introdutores destes aparelhos, que teriam conhecido no Egipto, como sucedeu com objectos artísticos da mesma procedência82. Mas diz ele que não é hoje possível saber-se se os Cartagineses se utilizaram então de tais noras, embora certamente as tivessem conhecido. Além disso, como há notícia de que os cartagineses fomentaram as culturas cerealíferas e mandaram destruir as culturas pomareiras83, Giese duvida do valor de tal hipótese. Por esta razão atribui-lhes uma origem muçulmana posterior. Segundo este autor, não se pode admitir a sua introdução antes do século XI. Do século VII até ao X, os mouros só fizeram campanhas de saqueio em regiões costeiras. Mas na Primavera de 1015 a frota de Mugâhid ibn Abd Allâh al ’âmirî, Senhor muçulmano de Denia e antigo cristão, apoderou-se da Sardenha, onde estabeleceu o senhorio mouro durante alguns meses. A sorte da guerra foi-lhe em breve adversa, pois em 1016, Mugâhid era expulso por uma frota pisano-genovesa84.

105Pensa Giese que esse curto período já era suficiente para se terem introduzido aparelhos de elevar a água de rega, sem falar nos prisioneiros mouros que ficaram na ilha depois da derrota. A hipótese de Giese é plausível. Esses poucos meses de domínio mouro podiam ter bastado para que as noras tivessem sido introduzidas. Mas, porque não podiam tê-lo sido antes pelos cartagineses? O seu primitivismo e as relações que Giese lhes encontra com os sâquijes egípcios depõe mais a favor desta hipótese. É certo que o grande desenvolvimento que os cartagineses deram às culturas cerealíferas, de que tinham necessidade, e o combate às culturas pomareiras, podem não ter contribuído para um grande desenvolvimento das culturas de regadio, mas, em pequena escala, junto dos centros urbanos, é de prever que elas tivessem lugar, e nesses casos podiam ter sido introduzidas estas noras, se é que os cartagineses as utilizaram. Isto explicaria também a sua existência entre nós, em poucos lugares e muito distantes uns dos outros. Mas, no estado dos nossos conhecimentos, é impossível dizer se foram introduzidas pelos cartagineses, romanos ou árabes, embora o que dissemos das noras de eixo comprido se possa aplicar aqui com mais razão, o que excluiria a hipótese da origem árabe. Ficará um problema para resolver mais tarde, ou que nunca achará solução.

Rodas de alcatruzes

  • 85 Paul Scheuermeier, ob. cit., pp. 81-82, figs. 211a, 211b e 211c; ver mais fig. 140 da p. 240.

106As rodas de alcatruzes, sobretudo frequentes na Beira Litoral e em especial nos Campos de Coimbra, têm também o seu equivalente na Itália (Pescarolo, Lombardia), onde são conhecidas por er rudesen 85. A diferença consiste na ausência de alcatruzes, pois a água é arrastada por compartimentos da própria roda, como veremos ao tratar das rodas de funis. Contudo, o sistema de transmissão do movimento à roda é o mesmo. No fundo é um aparelho semelhante a uma nora de eixo comprido baixo, que, em vez de um rosário de alcatruzes, tem uma roda com os alcatruzes pregados na própria nora. Isto oferece a vantagem de poder elevar a água mais alto do que o nível do solo, sem precisar de eixo alto. Mas só se pode usar em lugares onde a água está pouco profunda.

  • 86 Junto a Coimbra ouvimos chamar-lhe roda de arrastar; em S. João do Campo: engenho, roda de tirar ág (...)

107Alguns autores juntam sob a mesma designação as rodas hidráulicas e estas rodas de alcatruzes, indiferentes ao facto de umas serem movidas pela água e as outras pela força animal, transmitida por uma engrenagem. Desta maneira a confusão torna-se grande e é difícil encontrar os fios da meada. Porém, pela área de difusão no País, que coincide, de certo modo, com a das noras de eixo comprido e pelos nomes por que é conhecida86, pode atribuir-se-lhes a mesma origem daquelas, tanto mais que se encontram na Itália aparelhos semelhantes. Os nomes das diferentes peças apresentam em geral étimos latinos. Mesmo os alcatruzes são com frequência conhecidos por cabaços. Portanto, enquanto não surgirem argumentos de peso em contrário, parece-nos plausível a hipótese de uma origem romana.

Engenhos de buchas

108Os engenhos de buchas, apesar de com frequência serem chamados noras, são aparelhos cuja origem não se pode filiar em nenhum dos tipos atrás descritos, visto assentarem num princípio tecnológico completamente diferente. Até hoje, a literatura da especialidade não nos revelou engenhos de elevar a água de rega iguais a estes que possuam carácter tradicional, embora tenhamos notícias de outros engenhos em que se adopta o mesmo sistema de elevação da água.

  • 87 jean Brunhes, L’Irrigation, Paris, 1902, p. 201.

109Brunhes diz que na planície de Bel-Abbés, nos campos de Mekerra, que mais longe toma o nome de Sig, «les cultivateurs tirent partie de l’eau souterraine au moyen de norias (qui élèvent l’eau non par des chaînes à godets comme en Espagne, mais par des tubes à tampons de caoutchouc»87. Infelizmente Brunhes, como geógrafo, estava pouco interessado na descrição dos aparelhos que encontrava, e não fornece mais pormenores. Mas a simples descrição que faz não só permite compreender que estamos perante um aparelho cujo princípio é idêntico ao dos engenhos de buchas, como saber que Brunhes não tinha encontrado este sistema em nenhuma outra parte, embora tivesse, como poucos, percorrido as regiões irrigadas da Espanha e do norte de África.

  • 88 Paul Scheuermeier, ob. cit., pp. 82-83, fig. 213.

110Paul Scheuermeier, ao falar de bombas de construção mais ou menos moderna, diz que: «Neben den alten hõlzernen Wasserschöpfrädern von Pescarolo arbeitet, seit zirka 1900, eine nach ihrem Erfinder benannte mácchina Pontigia. Durch ein in einem Ziehbrunnen stehendes Eisenrohr von 12 cm. Durchmesser zieht eine endlose Kette Kautschukkolben, die sich in Abstânden von zirka 1 ½ m folgen. So wird das Wasser aus dem Brunnen durch das Rohr gesaugt, bis es oben durch den waagrechten Eisenkanal in einen Zementtrog und dann in die Wässerkanäle fliesst. Die Pumpe wird durch einen Göpel mit modernem Zahnradgetriebe in Bewegung gesetzt»88.

  • 89 Isto é mera suposição, pois não encontrámos nenhum especialista que nos pudesse esclarecer. Em Port (...)

111Como se vê, a máquina Pontigia é um aparelho recente, conhecido na Itália na viragem do século e que, portanto, não pode servir-nos de caminho para ajudar a encontrar as origens da nora de buchas. O mesmo parece poder dizer-se das norias de Bel-Abbés. Pela descrição sumária de Brunhes – «tubes à tampons de caoutchouc» – pressente-se um aparelho semelhante às bombas de Pescarolo. Poderia um aparelho tradicional utilizar buchas de borracha? Não parece. Teria também Brunhes usado a palavra tube referindo-se a um tronco perfurado, ou quereria antes dizer cano? Não sabemos ao certo, mas tudo o faz pensar. Bel-Abbés fica a uns 50 km para o sul de Oran, porto importante e aberto ao comércio francês e italiano. É bem natural que os fabricantes das máquinas Pontígias procurassem colocá-las não só nas colónias italianas do norte de África, mas também na vizinha Argélia. Isto não passa de simples hipótese, mas há talvez um argumento de peso em seu favor, que é a possível falta de árvores com as condições exigidas para fabricar os canos de bombas de buchas. Em Portugal só o pinheiro bravo é utilizado porque, segundo os fabricantes, as outras árvores não prestam. Embora não o possamos afirmar com certeza absoluta, supomos que o pinheiro bravo é recente no norte de África, e as outras árvores argelinas não têm provavelmente as condições exigidas para ser possível ter-se desenvolvido ali tal técnica89.

112Parece que para as noras de buchas está excluída a hipótese da origem árabe. Confirma isto a sua área de expansão no País. De facto o limite sul do engenho de buchas é o Vouga, isto é, uma região menos influenciada pelos muçulmanos do que as regiões ao sul do Mondego, onde tal nora não aparece.

  • 90 Fritz Krüger, Die nordwestiberische Volkskultur, ob. cit., p. 106.
  • 91 Fritz Krüger, ob. cit., lug. cit.

113A nora de alcatruzes era pouco usada no Entre-Douro-e-Minho e, segundo Krüger, não passa para além da fronteira galaico-portuguesa. Para o norte desta, os casos isolados que aparecem devem ser de introdução recente90. Tanto na parte ocidental, como oriental do sul da Galiza, como nas regiões confinantes situadas a leste – Sanabria, Cabrera e Bierzo – não se encontram nórias, o que em parte se explica pela abundância de águas naquelas regiões montanhosas. Contudo, mais para oriente, em Leão, aparecem novamente91.

  • 92 Marcial Valladares Muñoz, Diccionario Gallego-Castellano, Santiago, 1884.
  • 93 Rato y Hévia, cit. por Krüger, ob. cit., p. 106.

114Na Galiza e Astúrias, ou seja no prolongamento norte de Portugal, não se encontram noras. Valadares nem regista a palavra no seu dicionário galego-castelhano92 e nas Astúrias aparece a palavra para designar o canal que conduz a água ao moinho93. No Minho, a maioria das noras de alcatruzes são relativamente modernas. Nunca encontrámos nenhuma sem ser de ferro e com os copos de folha, enquanto que são ainda hoje numerosos os engenhos de buchas todos de madeira.

  • 94 Por informação do nosso amigo e estudioso erudito, Dr. Eugênio de Andrea da Cunha e Freitas, soubem (...)

115Por outro lado, assistimos nestes últimos anos à substituição de vários engenhos de buchas por noras de alcatruzes, o que faz crer que a sua difusão no norte é recente94.

116Tudo isto parece provar que o aparelho de buchas, além de ser mais antigo do que as noras de copos, tinha uma área de difusão limitada, cujo centro eram os arredores da cidade do Porto.

  • 95 Deodoro Sículo (V. 37) diz que: Tradução: esgotam as correntes das águas por meio de umas roldanas (...)
  • 96 Infelizmente, não nos recordamos em que obra de Adolfo Schulten lemos isto.

117Como se explica a existência de um engenho sui generis numa região pouco influenciada pela cultura muçulmana e construído segundo uma técnica que parece não ser tradicional no norte de África ? A única explicação que nos ocorreu foi a da possível adaptação de máquinas usadas pelos romanos para esgotar a água das minas, conforme a descrição de Deodoro95. Ora Schulten, ao referir-se a esta passagem de Deodoro, diz que se deve tratar de noras96.

118A intensa exploração das minas de Valongo torna perfeitamente admissível que os romanos aí tivessem montado máquinas para esgotar a água das minas, máquinas essas que, mais tarde, ou ainda nessa época, teriam sido utilizadas também para elevar a água de poços e regar as hortas. Ainda hoje, uma das grandes concentrações dos engenhos de buchas encontra-se próximo de Valongo.

  • 97 Deodoro Sículo, V, 37.

119Porém, isto era uma suposição; não sabíamos se essas máquinas usadas nas minas tinham alguma semelhança tecnológica com os engenhos de buchas. O tal tornilho de Arquimedes, de que fala Deodoro97, é bastante diferente e nunca o vimos usado em Portugal.

  • 98 Georgius Agrícola, De Re Metallica, tradução da 1.a ed. latina de 1556, por Herbert Clark Hoover an (...)
  • 99 Georgius Agrícola, ob. cit., Livro VI, p. 190.

120Todavia, ao lermos a obra de Agrícola, De Re Metallica, parece que encontrámos a solução do problema. As máquinas descritas por Agrícola, usadas para esgotar a água das minas, são engenhos de buchas cujo princípio tecnológico é absolutamente o mesmo dos nossos usados para regar98. Agrícola fala-nos em várias máquinas usadas nas minas para esgotar a água de nascentes ou infiltrações que impedem o trabalho dos mineiros ou ameaçam mesmo a vida daqueles que trabalham debaixo da terra. As diferenças dessas máquinas residem sobretudo nos sistemas de accionamento: umas são movidas pela água, outras por homens e a maioria por cavalos. A parte propriamente destinada a elevar a água consta, em geral, de vários tubos de madeira, encaixados uns nos outros, através dos quais passa uma corrente de ferro com bolas, distanciadas um metro e oitenta umas das outras. Estas bolas são feitas de crina de cavalo, revestidas de couro, e cabem na mão de uma pessoa99.

  • 100 Vê-se este sistema representado na reconstituição histórica das minas antigas do Deutsches Volksmus (...)

121A descrição, feita por Agrícola, dos carretos de fuselos e rodas dentadas que servem de engrenagem de transmissão do movimento, mais confirma a identidade dos engenhos, sobretudo daqueles cuja força motriz é animal. Mas, mesmo nos engenhos accionados pelo próprio homem, alguns há que correspondem aos engenhos de buchas atrás descritos. Só não encontrámos engenhos accionados por uma roda, dentro da qual vários homens caminham e a obrigam a girar, sistema que, parece, foi outrora bastante usado100. Engenhos destes, accionados por uma roda hidráulica, impelida por um jacto de água lançado de alto, também não se encontram no País.

  • 101 72 m.
  • 102 Georgius Agrícola, ob. cit., Livro VI, p. 194.

122De todos os aparelhos descritos por Agrícola, os que mais nos interessam são aqueles que utilizam a força motriz animal. Nos grandes engenhos, que tinham de ir buscar a água a profundidades enormes (240 pés)101, eram empregados trinta e dois cavalos, que trabalhavam aos grupos de oito, em turnos de quatro horas. Cada grupo trabalhava quatro horas e descansava em seguida doze102, mantendo assim o engenho em permanente funcionamento. Em minas muito profundas era às vezes necessário montar várias bombas sobrepostas. A bomba inferior arrastava a água da mina e lançava-a num recipiente, donde era elevada por outra bomba colocada num andar superior, e assim sucessivamente até à superfície da mina, ou a um lugar de fácil escoamento.

  • 103 Georgius Agrícola, ob. cit., Livro VI, p. 198.

123Nestes engenhos movidos por animais, a semelhança da engrenagem de transmissão do movimento é flagrante, claro está, abstraindo o plano superior, onde puxavam as quatro parelhas. Como, nos nossos engenhos, uma junta de bois é, em geral, suficiente para elevar a água, os animais giram em volta da própria engrenagem. Mas nas minas, as quatro parelhas trabalhavam num piso superior. O eixo grande, de secção quadrada, atravessava o pavimento, de maneira que os animais, fazendo-o girar, accionavam uma roda dentada grande, que transmitia o movimento a um carreto de fuselos, fixado no eixo horizontal, onde estava também a roda que servia de suspensão ao cadeado das buchas. Esta maneira de transmitir o movimento é a mesma dos nossos engenhos. A única diferença reside no facto dos dentes da roda dentada estarem virados para cima, enquanto que, nas nossas, estão virados para baixo, pormenor insignificante. Até o travão, utilizado nos nossos engenhos, aparece descrito por Agrícola103.

124Em face destes elementos parece-nos pouco lícito duvidar de que as nossas noras de buchas não tenham resultado de uma aplicação local, às necessidades do regadio, de engenhos usados para esgotar a água das minas. Mas teremos nós a certeza de que os romanos usaram bombas de tirar água nas minas de Valongo? Infelizmente não temos dados concretos que nos permitam fazer tal afirmação.

125Este sistema de bombas feitas de troncos perfurados difundiu-se por parte da Europa e parece ser um elemento cultural europeu e não muçulmano.

  • 104 K. S. Woods, Rural Crafts of England, George G. Harrap e C.a L.a, 1949, p. 51; ver mais Walter Rose (...)

126Na Inglaterra, por exemplo, a mesma técnica de perfuração de troncos por meio de um jogo de alegras, semelhantes às que descrevemos noutro lugar, foi bastante usada e Só se abandonou com o progresso tecnológico dos últimos decénios, que as tornaram obsoletas104.

127Tudo isto confirma que as noras de buchas não foram trazidas para a Península pelos árabes e que, com toda a certeza, resultam de um aproveitamento local de engenhos introduzidos pelos romanos para esgotar a água das minas de Valongo.

Noras metálicas modernas

128As noras metálicas modernas têm um interesse bastante reduzido, pois na sua maioria não passam de uma substituição dos materiais primitivos – madeira, barro e corda – usados em vários tipos de noras, por materiais mais resistentes e moldáveis às necessidades do homem, como o ferro e a chapa zincada. A pouco e pouco, o aumento do nível de vida do lavrador, a abundância e baixa de preços dos metais nos vários mercados acabaram por produzir um movimento rápido de modernização dos velhos aparelhos de elevar a água. Porém, nas suas linhas gerais, o aproveitamento de novas matérias-primas não deu origem, de inicio, a novas invenções. Os sistemas que vinham do passado através de muitas gerações passaram a fazer-se de ferro sem inovações de maior. As diferenças mais sensíveis verificam-se sobretudo nas proporções dos engenhos. O ferro, pela sua dureza e resistência, permitia que se fizessem rodas dentadas e eixos muito mais delgados do que os seus congéneres de madeira. Depois do ferro forjado, começaram a aparecer noras de ferro fundido. Em muitos casos, por razões de economia, umas peças sâo ainda de madeira, enquanto que outras, sobretudo as rodas dentadas, se fazem de ferro. Assim, encontrámos noras de eixo curto, noras de eixo comprido baixo e, sobretudo, noras de eixo comprido alto parcial ou totalmente feitas de metal, conservando as características fundamentais das suas antecessoras, que em geral ainda se vão mantendo em maior ou menor número, nas mesmas áreas de difusão dos vários tipos, permitindo assim um trabalho de comparação bastante fácil. Em alguns pontos do Pais, as noras de ferro apareceram já no século XIX e o seu progresso foi constante até há pouco tempo. Eloje, a concorrência dos motores eléctricos, a óleos ou a petróleo, veio dar o golpe de misericórdia nos sistemas antigos, que só se vão aguentando enquanto as circunstâncias económicas de alguns e a força da tradição de outros impedem uma renovação total.

Noras de funis

  • 105 Pelo menos não conseguimos encontrar nenhum.

129Aquilo a que nós chamamos noras de funis não tem equivalente em nenhum aparelho tradicional existente no País105. Porém, a análise de alguns engenhos de elevar a água, usados no Mediterrâneo (Egipto, Itália e Espanha), fez-nos pensar que este sistema moderno podia ter sido sugerido por aparelhos antigos, que muito possivelmente também foram utilizados entre nós. A não ser que essa adaptação se desse noutro país, possivelmente na Espanha, e se tivesse feito só a importação do engenho de ferro. Não será fácil obter a certeza de qual das hipóteses corresponde à realidade e por isso limitamo-nos a mostrar as analogias que existem entre as noras de funis e outros aparelhos tradicionais.

  • 106 Jean Brunhes, L’Irrigation, ob. cit., p. 347, fig. 50.
  • 107 Jean Brunhes, ob. e lug. cits. Ver comentários feitos, atrás, à designação sâquije.
  • 108 Paul Scheuermeier, ob. cit., pp. 81-82, figs. 211b e 211c; ver ainda fot. 140.
  • 109 Paul Scheuermeier, ob. cit., lug. cit.

130Em Fayum, no Egipto, usam-se umas rodas hidráulicas, chamadas tabouts, que em vez de alcatruzes, possuem uns compartimentos que servem para elevar a água106. Jean Brunhes não faz uma descrição clara do processo, mas vê-se que se está perante um sistema diferente do de alcatruzes, também usado na região de Fayum, com o nome de sâquijes 107. Com certeza o sistema é o mesmo que se conhece em Pescarolo (Lombardia), numas rodas de irrigar os prados, chamadas er rudesen 108. Pelo menos é muito parecido. Segundo Scheuermeier, esta roda é formada por onze caixas de madeira encurvadas, i cassetti, e encaixadas entre os onze raios da roda. Cada caixa está dividida por dentro em dois compartimentos, por meio de uma parede transversa, os quais se enchem de água quando a roda mergulha no rego. Quando sobe, a água sai pelos buracos laterais abertos em cada compartimento, e cai no tabuleiro109.

  • 110 Ramon Violant y Simorra, L’Albufera de Valência e suoi Pescatori in «Le Vie del Mondo » (Revista Me (...)

131Violant y Simorra descreve uma sénia ou nória de caixo, que representa uma evolução da nora de alcatruzes de eixo curto, pois a roda de água é formada por uma espécie de caixote circular dividido em compartimentos, com buracos laterais para a entrada e saída da água. Estas noras encontram-se nas vizinhanças de Saler e Pinedo, na região de Valência, e foram em tempos próximos um elemento inseparável da habitação rural110.

132Esta sénia conserva ainda enorme parentesco com a nora de alcatruzes de eixo curto usada no Algarve, com a única diferença de que a roda dos alcatruzes foi substituída por uma roda de caixo. Os dentes da roda vertical estão neste caso inseridos no próprio caixote.

133Tais noras só são possíveis em regiões onde o nível da água esteja próximo do nível do solo, como é o caso em Valência.

134Como vemos, estas noras apresentam uma certa semelhança com as nossas noras de funis, que é possível que se tenham inspirado em aparelhos deste tipo. É certo que as noras de caixote elevam a água directamente dos regos ou poças, enquanto que as de funis apresentam um sistema misto de alcatruzes e compartimentos de folha, visto que são utilizadas em poços cuja água está funda. A analogia é um pouco superficial, e pode ser que se trate de instrumentos diversos.

APARELHOS MOVIDOS PELO HOMEM

135As noras de copos manuais devem ser, na maior parte dos casos, construções modernas, só possíveis depois do emprego mais generalizado dos metais. É de crer que sejam puras criações do século XIX, inspiradas nas noras de tracção animal.

136Só a nora que vimos em Montijo (Canha, Pegões) pode representar um caso de tradição bastante antiga. Faltam-nos, porém, elementos de comparação que confirmem tal hipótese.

  • 111 Georgius Agrícola, De Re Metallica, ob. cit., pp. 195-196.

137Os engenhos de buchas manuais são uma variedade dos engenhos de buchas já com longa tradição. Agrícola111 descreve engenhos de buchas movidos por homens, quer empregando grandes rodas, dentro das quais esses homens caminham continuamente, obrigando-as a girar, quer engenhos providos de manivelas accionadas à força de braço. Diz Agrícola que a água elevada pelas bolas, através dos tubos de madeira, representa um esforço extenuante para o homem e até para os cavalos.

  • 112 Cerca de 16 m.
  • 113 Georgius Agrícola, ob. cit., p. 196.

138A força humana não pode elevar a água por este processo a mais de 48 pés112, e acrescenta que estas máquinas são movidas por dois pares de homens alternadamente, pois enquanto um par trabalha, o outro está sentado a descansar113. Por aqui se vê que, mesmo esta forma manual do engenho de buchas, não representa uma inovação moderna e já se deve usar na região desde longa data.

139A roldana oferece a vantagem de permitir que se use uma corda longa com certa facilidade, pois além de evitar o atrito da corda na borda do poço, torna menos penoso o trabalho do homem, que assim puxa de cima para baixo.

  • 114 André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., pp. 320-321.

140Pela sua simplicidade, as roldanas foram usadas desde longa data e são muito frequentes em toda a Europa, no norte de África, no Próximo e Médio Oriente e nas regiões influenciadas pela cultura chinesa114.

  • 115 Gravura reproduzida in «Atlantis», Berlin-Grunwald, caderno 7, Julho, 1943, p. 212.

141Existe uma gravura japonesa colorida de Utagawa Toyokuni (1769-1825), onde se vêem duas raparigas a tirar água de um poço com o auxílio de uma roldana. Esta gravura dá um belo quadro da época e permite comparar uma série de pormenores importantes relativos ao sistema de suspensão da roldana, cobertura da mesma e recipientes de transportar a água115.

142Não é fácil saber-se quando foi este sistema introduzido no País, mas é de supor que seja muito antigo. A sua difusão por todos os povos que participaram na formação da cultura nacional torna impossível pretender atribuir a um ou a outro a sua introdução.

  • 116 André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 94, fig. 121.

143Os sarilhos têm sobre a roldana a vantagem de poderem ter manivelas ou braços que actuam como alavancas e poupam esforço. O sarilho, como outros dispositivos de movimento circular continuo, são comuns às civilizações semi-industriais e, portanto, a sua área de difusão é muito grande116.

  • 117 André Leroi-Gourhan, ob. cit., p. 321.

144Os poços com sarilho, em geral providos de uma manivela e, às vezes, de um volante, são frequentes na Europa Ocidental e Central. Na França é este o sistema mais usado117. É de crer que este aparelho simples nos tivesse vindo durante a Idade Média por via europeia. Parece confirmá-lo a maneira como ele se encontra distribuído em Portugal, pois a área de maior concentração coincide com a região menos influenciada pelas culturas mediterrâneas e foi a que mais contactos teve com a Europa Média.

145Alguns sarilhos que vimos no Brasil podiam ter sido levados para lá por habitantes do Entre-Douro-e-Minho.

146A picota é, de todos os aparelhos usados para tirar água dos poços ou pequenos cursos de água, o mais difundido no Mundo antigo. Desde o Algarve ao Japão, sem solução de continuidade, encontram-se picotas de todos os tamanhos e feitios, mas obedecendo sempre ao mesmo princípio fundamental: fazer variar o peso de um dos braços da alavanca, conservando-lhe o mesmo ponto de apoio, o que lhe dá um movimento de báscula que torna extremamente fácil o trabalho de elevar a água.

  • 118 André Leroi-Gourhan, ob. cit., p. 320.

147Parece que as maiores concentrações conhecidas se encontram na Europa e no Extremo Oriente118.

  • 119 Enquanto não existir um Atlas Linguístico, não será fácil responder a esta pergunta, se bem que o i (...)

148Em Portugal, este aparelho, além de ter enorme difusão, apresenta também enorme variedade de nomes. Não podemos dizer qual deles será o mais comum, mas cremos que deve ser cegonha 119.

  • 120 C. Daryll Forde, Habitat, Economy and Society, «A Geographical Introduction to Ethnology», 8.a ed., (...)

149A palavra picota, segundo Cândido de Figueiredo, provém de pico (do celt. pic), naturalmente pela haste fixa, em que gira o braço da picota. É curioso que no estado indiano de Cochim, na costa do Malabar, a picota tem o nome de picotah 120. As antigas relações dos portugueses com a costa do Malabar não poderão explicar esta identidade de designações? Não somos filólogos para podermos resolver o caso, mas não nos parece casual esta coincidência. Será picota de origem indiana, ou picotah de origem portuguesa? Os especialistas que o decidam. Quer-nos, contudo, parecer que a palavra seja de origem portuguesa, visto que ela já existia na nossa língua em época anterior à da descoberta da índia, para designar o poste erguido na praça pública, guarnecido de argolas e correntes, onde se executavam penas ignominiosas. A não ser que existisse uma palavra hindu muito semelhante, usada para designar este aparelho, e que os portugueses assimilassem a picota, alargando-lhe o campo semântico, somos levados a supor que a picotah do Malabar seja de origem portuguesa. Mas só um linguista que domine bem as línguas indostânicas poderá resolver o caso.

  • 121 Paul Scheuermeier, ob. cit., p. 81.
  • 122 Fernandez Balbuena, La arquitectura humilde de un pueblo del páramo leonéz, «Arquitectura», Madrid, (...)
  • 123 Lamano s. v. cigüeñal.
  • 124 Fritz Krüger, Die nordwestiberische Volkskultur, ob. cit., p. 100.
  • 125 Daremberg-Saglio, Dictionnaire des antiquités grecques et romaines, p. 1468, sob a palavra Tolleno.(...)
  • 126 Ver José Leite de Vasconcelos, in «Arqueólogo Português», XXXIII, 1918.

150A palavra cegonha (do lat. ciconia) foi com certeza dada à picota pela sua semelhança com esta ave pernalta conhecida em muitas regiões do nosso País. Contudo, é de crer que a designação fosse anterior à nacionalidade, e que já assim se chamasse no tempo dos romanos, pois em algumas regiões da Itália usa-se igualmente a palavra cigögna (ligur.) para designar a picota121. Na Espanha também se usam palavras da mesma origem como cigüeñal em Leão122, cigüeño em Salamanca123 e cigonya na Catalunha124. Sobre a existência da picota na Itália no tempo dos romanos não restam dúvidas, pois existem elementos arqueológicos comprovativos125, e podemos dizer o mesmo relativamente a Portugal, embora os elementos não sejam tão seguros126.

  • 127 Ed. Chavannes, La sculpture sur pierre aux temps des deux dynasties Han, Paris, 1893, Est. 4. Ver m (...)
  • 128 julio Caro Baroja, Los Pueblos del Norte de la Peninsula Iberica, 1943, pp. 233-234.
  • 129 Justino, XLIV, 4, 1-14.

151Porém, dada a enorme difusão da picota por todo o velho Mundo, a partir de épocas muito remotas127, não nos repugna, de todo, aceitar que este aparelho já fosse conhecido na Península em tempos pré-romanos. Pelo menos, no reino de Tartessos, fundado nas margens do Guadalquivir, pelo ano de 1100 a. C., e onde muito cedo floresceu uma cultura superior assente no cultivo de cereais com arado e criação de gado, é bem possível que se conhecessem alguns sistemas de rega entre os quais se podia contar a picota, de todos o mais generalizado. Na lenda do rei Habis, contada por Justino, que a colheu na história de Trogo Pompeyo, que por sua vez a aproveitou dum escritor grego que esteve no sul da Espanha, aquele aparece como o criador da cultura superior128. Foi ele que deu ao povo bárbaro as luzes da civilização e lhe ensinou a cultivar a terra com bois e arado, coisa que até então tinham desconhecido 129, Isto não permite afirmar que se fizessem culturas de regadio, pois era possível que se tivesse desenvolvido apenas uma cultura cerealífera e ganadeira. Contudo, as relações de Tartessos com as culturas mediterrâneas orientais, permite supor que concomitantemente se fizessem culturas hortícolas que exigem o emprego da rega. Se isto assim fosse, então tínhamos de aceitar que tais técnicas tivessem chegado mais tarde ou mais cedo a algumas regiões vizinhas que são hoje terras portuguesas, pois, segundo Schulten, umas inscrições funerárias (700 a. C.?) de origem algarvia e alentejana permitem estabelecer parentesco étnico dessas populações com os tirsenos da Ásia Menor.

  • 130 Adolf Schulten, Os Tirsenos em Portugal, «Revista de Guimarães», vol. L, n.os 1-2, 1940, pp. 129-13 (...)
  • 131 Ver: Espanha, Telesforo de Aranzadi, ob. e lug. citados; França, Joseph-Stany Gauthier, Les Maisons (...)
  • 132 Além das obras de Ed. Chavannes e de E. Wiedmann, relativas à China e ao Egipto, ver mais: O. Frank (...)
  • 133 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, ob. cit., p. 447, fig. 90.
  • 134 A. Wiedmann, Das alte aegypten, Heidelberg, 1920, pp. 21 e 24, fig. 1.

152Diz mais o sábio arqueólogo alemão que os Tirsenos se deviam ter estabelecido no sul de Portugal e da Espanha e que foram estes povos os fundadores de uma colónia que deu origem ao reino de Tartessos130. Parece evidente que uma colónia fundada por um povo da Ásia Menor, onde dominavam as culturas de regadio utilizando a picota desde épocas remotas, não devia desconhecer um aparelho tão simples como prático. Mas faltam-nos provas concretas para o afirmar, tanto mais que estes aparelhos se encontram em todos os países da Europa131 e no Oriente132, com pequenas variantes de pormenor que se repetem aqui e acolá, mas não são caracteristica típica de uma determinada região, a ponto de permitir estabelecer identidade de origem. Aparece na Finlândia uma picota segura por uma série de estacas oblíquas, para lhe dar maior firmeza133, como algumas que vimos em Constança e uma que fotografámos em Valpaços (fig. 70). Numa gravura egípcia antiga, a haste da picota parece ser uma laje de pedra posta ao alto134. Este mesmo processo aparece com frequência ao norte de Castelo Branco.

  • 135 Informação dada pelo Dr. António Fialho Pinto, natural de Moura, durante o Congresso Luso-Espanhol (...)
  • 136 Fotografia na página 213 da revista «Atlantis», Zurique, caderno 5, Maio, 1952, sob o título «Jahrt (...)

153A particularidade mais curiosa que podemos notar no emprego destes aparelhos em Portugal não reside propriamente na sua morfologia, mas num costume praticado em Moura, na margem direita do Guadiana. Nas picotas baixas parece que é hábito subir um rapaz para cima do braço da picota, auxiliando o esforço do trabalhador que tira a água, com o lançamento do peso do corpo, ora sobre um lado, ora sobre o outro da alavanca135. Este costume conhece-se também no sul da índia, onde um homem colocado sobre o braço da picota facilita o trabalho avançando e recuando conforme a necessidade daquele que maneja o aparelho. Estas picotas são de construção muito robusta e o braço, na parte mais baixa, está revestido de cordas para o homem não escorregar136

  • 137 Voltaremos a analisar este ponto nas Considerações Gerais.

154É claro que não queremos ver nisto uma relação de origem. É mais natural que seja uma simples convergência, embora se deva tomar em consideração o uso frequente dos pés para accionar máquinas, comum ao Extremo Oriente e a Portugal137.

  • 138 Carlos Lopes Cardoso, Do uso da «cegonha» no distrito de Moçâmedes, Luanda (Instituto de Investigaç (...)

155As picotas encontram-se também em Angola, mormente no distrito de Moçâmedes, sendo ali designadas pelo nome de cegonhas. Foram aí difundidas a partir do movimento de exploração agrícola intensiva do distrito, iniciado em meados do século XIX pelos primeiros colonos vindos de Pernambuco, e adaptadas sobretudo pelas populações Moali ; eram usadas para extracção da água das cacimbas, que regueiras conduziam depois aos terrenos de cultivo138.

  • 139 K. S. Woods, Rural Crafts of England, Londres, 1949.

156As bombas de rabiço, assim como as bombas de tear, devem ser aparelhos de origem relativamente recente, difundidos com certeza na Idade Moderna e de proveniência europeia. O sistema de perfuração dos troncos é o mesmo usado para os engenhos de buchas e, como vimos, este sistema era usado em Inglaterra antes da era maquinista139. Porém, os engenhos de buchas devem ser anteriores à descoberta das válvulas, que permitem elevar a água por aspiração, enquanto que as buchas a empurram simplesmente de baixo para cima.

157As bombas modernas representam a última fase da evolução das bombas de madeira de que acabámos de falar. Começam a difundir-se entre nós no século XIX, com o desenvolvimento das serralharias mecânicas e fundições de ferro.

  • 140 Fundão.

158A roda de tirar água é um sistema semelhante ao das rodas hidráulicas de que atrás falámos, com a diferença de se empregar a força humana como força motriz, em vez da força hídrica. Já vimos que em alguns lugares140 as mesmas rodas movidas pela água passam a ser accionadas pelo homem, quando o curso de água, onde se encontram, deixa de ter corrente suficiente para as mover. Neste caso, as penas (adaptáveis) tiram-se, para não oferecerem resistências desnecessárias.

  • 141 Georgius Agrícola, De Re Metallica, ob. cit., lug. cit.

159As rodas de tirar água são especialmente ajustadas aos casos em que é necessário elevar água de locais onde não existe corrente ou esta tem pouco pendor, como sucede por exemplo em minas, para esgotamento de águas fundas141.

160Nas minas europeias, eram conhecidas duas formas de accionamento destas rodas, conforme o homem caminhava no interior da roda, ou no exterior, sobre o seu aro; e é este segundo processo que vemos ainda nas nossas actuais rodas de tirar água.

  • 142 Thouvenot, Essai sur la Province Romaine de Bétique, Paris, 1940, pp. 257 a 261 (figs. 17-19); M. D (...)

161Os Romanos conheceram este tipo de roda. Transcrevemos atrás a passagem de Vitruvio em que, além das rodas de alcatruzes activas ou motoras, accionadas por uma corrente, o Autor alude às rodas passivas, accionadas pelo homem; e de facto, no que se refere à Península, existem exemplares desses aparelhos, da época romana, que se encontraram nas minas de Rio Tinto e de Tarsis, em Huelva, na Andaluzia, e nas de S. Domingos no concelho de Mértola142 – esta, presentemente, no Museu Nacional das Técnicas, de Paris.

162Transcrevemos a seguir a descrição que em 1883 o engenheiro de minas Pedro Victor da Costa Sequeira faz da roda romana das minas de S. Domingos:

163«Attribuem-se aos romanos os trabalhos antigos de S. Domingos. Examinando as diversas camadas de escorias notou-se que a metallurgia do cobre n’aquella região fôra notavelmente modificada durante o período em que se obtiveram aquelles resíduos da fundição dos mineiros, sendo as escorias das camadas superiores, e portanto as mais modernas, muito menos ricas em metal util do que as que formavam as camadas inferiores.

164D’este facto, principalmente, pretendem concluir os archeologos que os carthaginezes ou os phenicios já tinham, antes dos romanos, reconhecido e explorado o jazigo de S. Domingos.

165Esta hypothese é porém contestável, pois que bastaria para a destruir o considerar que, sendo a metallurgia das pyrites cúpricas um trabalho novo para os fundidores romanos, era natural que, por muito tempo, desconhecessem o modo de compor o leito de fusão que melhor correspondesse àquela classe de mineral, e bem assim todas as outras condições que era preciso realisar para melhor fundir aquelles productos e melhor aproveitar o cobre n’elles contido.

166Os que opinam serem phenicios ou carthaginezes os primeiros exploradores das minas de pyrite da península ainda reforçam o seu modo de ver a este respeito com o facto, averiguado em muitos depositos de escorias, de haver intercaladas entre as camadas de escorias tratos, ás vezes bastante espessos, de terra vegetal, o que corresponde a grandes interrupções do trabalho metallurgico e naturalmente da exploração mineira, que tudo faz crer marchavam sempre a par.

167No entanto, as continuas guerras obrigavam também os romanos a levantar mão dos trabalhos industriaes, e n’esta circumstancia póde ainda achar-se a explicação das evidentes interrupções de trabalho mineiro n’esta especie de jazigos.

168Sem nos determos mais na apreciação d’este facto para nós secundario, o que parece bem averiguado é que a exploração romana teve logar nos princípios da era christã por espaço de uns 385 annos (seja do anno 12 a 397).

169Os trabalhos antigos desciam em profundidade 20 metros abaixo da galeria de esgoto, feita pelos romanos, e estavam dispostos na massa de um modo perfeitamente irregular, visto como, não podendo elles utilisar as pyrites pobres em cobre, apenas procuravam extrahir o mineral de percentagem elevada, que se encontra no jazigo muito disseminado.

170Calculam-se em 150:000 metros cúbicos os volumes sommados das excavações antigas.

171As investigações feitas nos arredores da mina onde se encontram restos de numerosas construções, tumulos, objectos de ceramica, estatuas, medalhas, moedas, etc., confirmam a opinião de que o jazigo foi explorado durante o período acima determinado.

172Entre esses despojos da industria romana apresentam-se como os mais curiosos dés rodas hydraulicas, que se encontraram no interior da mina e que serviam ao esgoto das suas águas.

173As figuras representam o córte horisontal e vertical de um d’esses aparelhos, que só por si bem claramente fazem apreciar o estado de adiantamento que attingiu a industria mineira no baixo Alentejo durante o periodo da dominação romana (fig. 85).

Fig. 85 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição da roda de elevar água.

Fig. 85 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição da roda de elevar água.
  • 143 Pedro Victor da Costa Sequeira, Notícia sobre o estabelecimento mineiro de S. Domingos, «Revista de (...)

174A maior parte dos outros objectos antigos, recolhidos nas escavações em S. Domingos, foram apresentados na nossa primeira exposição do Porto e julgo estarem hoje colleccionados em algum museu, porque não foram restituidos ao concessionário da mina, o que nos impede de os descrever em detalhe.»143

175Por seu turno, Gerd Weisgerber, utilizando o texto de Franz Posepny (foi quem primeiro – em 1877 – se ocupou desta mesma roda), assim escreve, acerca do assunto:

176«Uma das atracções da Exposição Universal de 1876 em Filadélfia foi, na representação portuguesa (Nota 47 – Ver International Exhibition of Philadelphia Portuguese Special Catalogue, 1876, p. 67), o modelo de uma roda romana de elevar água, das minas de cobre de S. Domingos (Nota 48 – Ver Notice sur la mine de pyrite cuivreuse de São Domingos, Lisbonne, 1876, Lallemand Frères, p. 7, ap. Posepny, Franz, Römisches Schöpfrad aus der Grube San Domingos in Portugal, in ‘Österr Zs., f. d. Berg und Hiittenwesen’, 1877, p. 391), na fronteira hispano-portuguesa. Nessa altura, já F. Posepny tinha falado das rodas de Rio Tinto e Tharsis (Nota 49 – Ver Posepny, 1877, pp. 391-393, Taf. 15.11.12). Pelos mineiros as rodas eram chamadas “mouriscas”,... Talvez por isso atribui-se pouca importância aos primeiros achados, e foram mesmo destruídos.

177As minas de São Domingos foram comprovadamente exploradas na época romana, desde o século I até fins do IV da nossa era (Nota 50 – Ver Daires, 1935, p. 27, An. n. 3), mas o facto de se verem escórias misturadas a vestígios romanos indigita actividades anteriores, provavelmente dos Fenícios. Antes de 1870 foram ali encontradas dez rodas de elevar água em bom estado de conservação, oito com 4,876 m de diâmetro (portanto com 8 cm mais do que a roda de Rio Tinto que está em Londres), e duas com 3,657 m. Estas rodas escalonavam-se em cadeia umas atrás e acima das outras (fig. 86), de forma que a água pudesse ser transportada sem interrupção de uma roda para a outra imediatamente superior, até chegar a uma conduta de drenagem, donde depois corria para o exterior. Os velhos filões ficavam 20 m abaixo destas condutas; e em 1876 passaram a ser novamente explorados».

178A única descrição desta roda de que dispomos deve-se a Franz Posepny: «A roda media 4,88 m de diâmetro, a saída (do cubo) situa-se num dos lados, a sua abertura era de forma escavada e ficava praticamente na base do cubo. A roda tinha 24 palas (como a de Verespataker). O modelo representava toda a câmara onde se encontrava a roda e mostrava no fundo cerca de 0,25 m de altura de lama, onde se juntava a água, bem como a posição da conduta onde a água elevada era recolhida e encaminhada. A forma como os cubos e as aberturas de saída da água estavam construídos não é inconveniente para uma roda de vasamento lateral; mas compreende-se fácilmente que apesar disso somente uma parte da água elevada chegava de facto até à conduta final (fig. 87). A diferença de altura entre o nível da água (em baixo) e a base da conduta era de 3,75 m; e como a conduta encaminhava a água até à roda seguinte, absorvendo ao mesmo tempo uma parte do declive, dos 4,88 m do diâmetro restava um pouco menos de 3,75 m, ou seja, 76 % da capacidade efectiva de elevação que a roda possuía. Tendo em conta a profundidade dos filões abaixo das galerias romanas mais profundas – 40 m –, foram certamente precisas pelo menos dez destas rodas para escoar as águas da mina».

  • 144 Supomos que a expressão «ambas as rodas» se justifica pelo facto de, nas hipóteses de reconstituiçã (...)
  • 145 Em alemão Eichen-holz, que, por aproximação, quer talvez significar sobreiro ou azinho.

179Parece fora de dúvida que estas rodas eram accionadas pela energia humana (Nota 51 – Ver Posepny, 1877, p. 392). Ambas as rodas144 eram inteiramente em madeira (tendo quando muito pequenos pregos metálicos), incluindo os próprios espigões (do eixo), a despeito de serem concebidos para deverem submeter-se a forte atrito. Estes últimos eram contudo em carvalho145, contrastando com o pinho de que eram feitas as outras peças. É natural que estes espigões se gastassem com frequência, e por isso parece-nos que a construção de S. Domingos, permitindo a substituição do eixo sem ter de se desmontar toda a roda, era muito conveniente (Nota 52 – Ver ibid., p. 393).

Fig. 86 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição das rodas hidráulicas de esgotamento das minas.

Fig. 86 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição das rodas hidráulicas de esgotamento das minas.

Fig. 87 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição do funcionamento das rodas hidráulicas.

Fig. 87 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição do funcionamento das rodas hidráulicas.

180Na bibliografia mais recente sobre o assunto, alguns destes elementos são descritos sob uma forma diferente. Assim, em S. Domingos ter-se-iam encontrado 14 destas rodas, encavalitadas ao longo de um plano com a inclinação de 40°, permitindo, no conjunto do sistema, elevar a água a 44 m de altura, ou seja 3,14 m por cada roda (Nota 53 – Ver Forbes, 1966, p. 222; Luzon, 1970). Um quinto pelo menos da roda está conservado – facto que a literatura arqueológica desconhecia (Nota 54 – Ver Schiler, 1973, pp. 39 e 160) –, e encontra-se no Museu Nacional das Técnicas, de Paris (Nota 55 – Inr. 7269).

181A roda mede 4,66 m, e a «maça» ou cepto central 1 m de diâmetro. O seu estado de conservação é realmente bom, mas uma falha no disco da «maça» deixa dúvidas sobre se a roda tinha 26 ou 27 pares de raios. As tábuas de revestimento da base e laterais abrangem mais de dois cubos. A saída da água para os dois lados pode considerar-se averiguada (fig. 88).

Fig. 88 – Mértola. A roda romana de elevar água da mina de S. Domingos, que se encontra no Museu Nacional das Técnicas, em Paris.

Fig. 88 – Mértola. A roda romana de elevar água da mina de S. Domingos, que se encontra no Museu Nacional das Técnicas, em Paris.
  • 146 Gerd Weisgerber, Das römische Wasserheberad aus Rio Tinto in Spanien im British Museum London, «Der (...)

182O engenheiro de minas francês Ernest Deligny (1820-1898) (Nota 56 – Ver Checkland, S. G., The mines of Tharsis, Roman, French and British Enterprises in Spain, London, 1967, pp. 64-75; Launay, 1889, p. 434, Taf. 10.4; Luzon, 1966, fig. 7) trabalhou muitos anos em Espanha, e levou esta roda para o Museu de Paris em 1864146.

183Julio Caro Baroja, enfim, a propósito da roda das minas de Tharsis, ensina: « Há já muitos anos que... se descobriu uma instalação de catorze rodas dispostas aos pares, escalonadas. O filão onde se encontraram chamava-se “do Norte”, e só as duas superiores se conservavam intactas: as outras foram feitas em pedaços, sem dúvida pelos desprendimentos que obstruíram as galerias ao longo dos séculos (Nota 27 – Joaquin Gonzalo y Tarin, Descripción fisica, geológica y minera de la província de Huelva, II, terceira parte da memória [Madrid, 1888] e estampas 3 [“disposição em que se ofereceram os dois pares mais altos de uma instalação de rodas para elevar água, achada nas escavações do criadero do Norte das minas de Tharsis”] e 4 [“plano e detalhes de uma dessas rodas”]). Segundo Gonzalo y Tarin, estas rodas tinham um pouco mais de 5,5 m de diâmetro, e constavam de 24 raios com um orifício por raio. Em cada orifício podia caber um pouco mais de 8 litros de água. No pequeno museu que tem a companhia mineira de Tharsis há um modelo de semelhantes rodas, que se diferenciam um pouco das que, pela mesma época, se acharam numa galeria derrubada do filão de Balcón del Moro (Rio Tinto), em número de duas. Gonzalo y Tarin indicava já que era só neste ponto que se acharam vestígios de engenhos semelhantes. E Thouvenot, com efeito, pôde fazer referência a um sistema de 8 pares de rodas de quatro quarenta e cinco a quatro sessenta metros, com 30 orifícios em que cabiam 8 litros de água. A elevação das águas que se conseguia por meio deste sistema era de 29 m. As rodas eram de madeira : azinho para os cubos e viguetas de suporte, e pinheiro para os raios, jantes e receptores de água (Nota 28 – Gonzalo y Tarin, ob. cit., pp. 35 e 36 e estampa 6 [“roda de desagúe descoberta no criadero do Norte das minas de Rio Tinto”]). Há contudo que advertir que na Coronada se encontrou uma espécie de cântaro de bronze, em que cabiam 12 litros, e com uma inscrição que permitia datá-lo do século II da nossa era (Nota 29 – Thouvenot, ob. cit., p. 260).

184Todo o ensamblamento se obtinha mediante cavilhas de madeira. O eixo era de bronze. Estas rodas que... eram muito parecidas com certas das modernas, não eram accionadas por corrente, mas sim por força humana. Nos extremos exteriores dos raios, fora da jante, aparece um taco, paralelo ao eixo, mediante o qual se movia a roda com os pés de algum trabalhador que “andava” sobre ele. “Para se obter uma corrente contínua – indica além disso Thouvenot – fazia-se dar a volta às duas rodas de cada par em sentido inverso uma da outra. Calculou-se que os dois terços do esforço fornecido pelo homem se transformavam em trabalho útil...” (Nota 30 – Idem, p. 261). Isto quer dizer que nos encontramos perante uma máquina que não é exactamente igual ao tímpano de Vitruvio, nem à roda de corrente que ele descreve, mas que participa de traços que se encontram em ambas, o que indigita a existência de várias experiências técnicas levadas a cabo durante a época romana».

185A roda da mina de S. Domingos, em Portugal, é em madeira de azinho e tão bem ajustada e lavrada que quando se pôs a descoberto estava quase em situação de funcionar. Tinha 25 raios, que vinham um pouco fora do aro da circunferência (Nota 31 – Gonzalo y Tarin, op. cit., pp. 35-36, e estampa 5 [« roda romana de escoamento, que se encontrou montada numa das galerias da mina de S. Domingos – Portugal»]).

  • 147 Julio Caro Baroja, Tecnologia Popular Española, Madrid (Editora Nacional), 1983, pp. 248 e 249. A d (...)

186Como acentua Caro Baroja, «as rodas das minas espanholas fazem-nos ver que os antigos não só conheciam o sistema de elevar água por meio de alcatruzes e cântaros, mas tinham também chegado a ver quão útil era fazer que a água entrasse em segmentos da circunferência de uma das coroas da roda por furos, furos pelos quais, com o girar daquela, o líquido caía na gamela ou depósito alto»147.

  • 148 André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 321.
  • 149 Hermann Lautensach, Portugal, ob. cit., 1.a parte, p. 127. Uma roda destas movida por uma mulher, s (...)
  • 150 Arnold Heim, Das älteste Bohrfeld der Welt, in «Atlantis», Berlim-Zurique, Janeiro, 1932, caderno 1 (...)

187A utilização da força humana é também muito frequente no Extremo-Oriente, de tal modo que o sistema é considerado pelos especialistas como sendo próprio dessa área148; e Lautensach só mesmo no Japão encontrou notícia da sua existência149. Na China empregam-se homens para elevar água salgada, os quais accionam a engrenagem, calcando uma espécie de pedais giratórios. O sistema não é diferente, e os homens trabalham sentados, mas existe uma certa analogia com o das rodas de tirar água150.

  • 151 Castelo de Neiva, Veiga de Chaves, Beira.

188Pode-se questionar se as nossas actuais rodas de elevar água movidas pelo homem representarão um sistema que vem da época romana sem interrupção, ou se este se perdeu e elas constituem um elemento difundido posteriormente, a partir dos contactos dos portugueses com o Japão, pela identidade que existe de condições naturais em ambos os casos; ou ainda, neste último caso, estaremos perante um exemplo de paralelismo. Seja como for, o facto de este processo ser conhecido em pontos distantes do Pais em solução de continuidade151, fala a favor de uma certa antiguidade. Porém, com os dados que dispomos neste momento, não podemos resolver o problema.

189As rodas de ferro são uma simples adaptação moderna das rodas tradicionais de madeira.

190As pontarias de pé devem representar uma adaptação da força motriz humana usada nas rodas de tirar água a um aparelho híbrido formado pela combinação destas com as noras de alcatruzes. Deve ser uma criação local.

  • 152 Sobre isto apresentámos uma comunicação ao Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, r (...)

191Os cegonhos são engenhos que só conhecemos em Portugal. Nem nas muitas excursões que temos feito em outros países, nem na bibliografia que pudemos consultar se nos deparou qualquer aparelho deste tipo152.

192Em si, o sistema é simples, e consiste na aplicação do princípio da alavanca interfixa, cuja potência fica atrás do ponto de apoio. A potência exerce-se do lado da rabiça, onde o homem manobra, e a resistência na extremidade que mergulha na água e a eleva.

193Nos cegonhos movidos pelo homem em pé, a potência exerce-se alternadamente nos dois braços da alavanca, conforme se tira a água da poça, ou se baixa a ir buscá-la. Mas se o princípio mecânico não é novo e já o vimos aplicado a outros engenhos, estamos, contudo, perante um aparelho que morfologicamente representa uma novidade.

194Se em futuras investigações não se encontrar um aparelho idêntico noutras regiões do Globo, teremos de aceitar que o cegonho é uma criação local. Aguardemos, porém, que o tempo confirme ou desminta tal suposição.

195O cabaço é um dos sistemas mais simples e que vemos entre nós espalhado de maneira irregular, sem áreas de difusão bem definidas. Hoje, o cabaço pode ser de folha ou de cabaça, mas o segundo é já muito raro, embora o nome indique que foi essa, outrora, a sua forma mais generalizada, ou mesmo única.

196Embora o sistema seja simples, a quantidade de água que fornece é insuficiente para fazer regas grandes e, por isso, a sua utilização não é regular. Em muitos sítios usa-se mais para baldear outros líquidos, do que para elevar a água de rega.

  • 153 E. Jaeckle, Der Geheiligte Reisbau Ostasiens, in «Atlantis», Berlim e Zurique, Agosto de 1939, cade (...)
  • 154 E. Jaeckle, ob cit., pp. 429-430.

197A própria simplicidade do processo torna difícil conhecer as suas origens, difusão e data eventual da sua introdução no País. Na China usa-se já desde longa data um processo idêntico, pois numa gravura chinesa antiga, vê-se um camponês a manejar uma espécie de grande colher de madeira, como se fosse um cabaço. Parece que está a lançar água choca ao campo, como é uso também entre nós153. Se nos lembrarmos que a cultura do arroz já se pratica na China há uns 5000 anos e que muitos dos processos e aparelhos usados datam desses tempos remotos, podemos fazer ideia da dificuldade de seguir a difusão de um elemento tão insignificante como este154. Além disso, é possível que um processo tão elementar tenha tido vários centros de difusão, resultantes de criações independentes.

  • 155 André Leroi-Gourhan, ob. cit., pp. 560 e 561, fig. 556.

198O garabato, que só conhecemos no recanto nordeste do Pais, é uma vara com um gancho, para chegar com o balde à superfície da água, quando esta se não pode alcançar com o comprimento do braço. É, portanto, um substituto da corda, mais generalizada, para desempenhar a mesma função. O uso de uma vara para este fim também não é novo; Leroi-Gourhan representa dois tipos de balde (um de metal mais usado na Europa, e outro de madeira como os que se usam na China) com duas varas fixas, usadas para tirar água de poços pouco profundos155.

199É evidente que o garabato é a aplicação do garavato, usado para vários fins (sobretudo para apanhar fruta em certos lugares do País), à elevação do balde de rega, o que permite pensar-se que este emprego seja uma criação local e não um caso de difusão.

200Os cestos de vime usados para elevar a água são um sistema extremamente rudimentar e têm todo o carácter de improvisação. A falta de vasilhas suficientes, quando se queira aproveitar o trabalho de muitos braços (mulheres e crianças), pode levar a tal emprego, mas não cremos que se trate de um processo de larga difusão, embora tenhamos notícia dele em outras regiões.

Notes

1 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 476.

2 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 173.

3 Jorge Dias, Rituelle Bäder an der portugizsischen Küste, C. R. ao Congresso Internacional de Antropologia e Etnologia, Viena, 1952. Sobre as fontes, ver Bouza Brey, A mitologia da água no Noroeste Hispânico, in «Boletim da Academia Galega», Corufla, 1942; Florentino CueviIhas, O culto das fontes no Noroeste Hispânico, in «Trabalhos da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia», vol. VII, fase. 2-3, 1935. Sobre o culto das águas do passado até à actualidade, ver Alberto Vieira Braga, A Irmandade da água, incluída nas Curiosidades de Guimarães, X, Guimarães, 1946, pp. 66-91 (trabalho riquissimamente documentado).

4 José Leite de Vasconcelos, Religiões da Lusitânia, vol. II, Lisboa, 1905, pp. 266-277.

5 Alberto Vieira Braga, ob. cit., pp. 72-74.

6 Alberto Vieira Braga, ob. cit., lug. cit.

7 Alberto Vieira Braga, ob. cit., lug. cit.

8 Ver Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948; do mesmo, Rio de Onor; Alberto Sampaio, As Vilas do Norte de Portugal, in «Estudos Históricos e Económicos», vol. I, Porto, 1923 (Separata do Primeiro Tomo da Portugália).

9 Hermann Lautensach, ob. cit., I Parte, 95 e 127.

10 Estrabão, III, 3, 6.

11 Estrabão, III, 4, 9.

12 Orlando Ribeiro, ob. cit., p. 113.

13 Abel Viana, Notas históricas, arqueológicas e etnográficas do Baixo Alentejo, in «Arquivo de Beja», vol. VII, Beja, 1950, pp. 3-10.

14 Abu Zacaria lahia, Libro de Agricultura, tradução espanhola de Don Josef Antonio Banqueri, Tomo I, Madrid, 1802, p. 143.

15 Henrique da Gama Barros, História da Administração Pública em Portugal nos séculos XII a XV, Tomo IX, Lisboa, 1950, pp. 40-47.

16 pérez Pujol, instituciones sociales de la España Goda, IV, p. 373.

17 Citado por Henrique da Gama Barros, ob. cit., nota 3 da p. 42.

18 Ver Jean Brunhes, La Géographie Humaine, édition abrégée, Paris, 1942, fig. 13.

19 Hermann Lautensach, Portugal, ob. cit., II Parte, p. 120.

20 Arquivos do Centro de Estudos de Etnologia.

21 H. B. Meyer, Danzig (Deutsche Volkskunst) Verlag Böhlau, Weirnar (s/d), p. 20, figs. 25 e 26.

22 Ver: Die alten Schöpfmühlen der niederdeutschen Marschen, H. Issleib, in «Atlantis», Out., 1935, p. 600. Alguns destes moinhos elevam a água aplicando o parafuso de Arquimedes.

23 Kaj Birket-Smith, ob. cit., p. 77.

24 C. Daryll Forde, Habitat, Economy and Society. A geographical introduction to ethnology, Londres (8.a ed.), 1950, p. 265.

25 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, Tecnologia Tradicional Portuguesa. Sistemas de Moagem, Lisboa (INIC), 1983, p. 72.

26 Julio Caro Baroja, Tecnologia Popular Española, Madrid (Editora Nacional), 1983, pp. 245 a 247.

27 George B. Cressey, Asia’s Land and Peoples, Nova Iorque, 1944, pp. 127 e 128.

28 Lynn White, Medieval Technology and Social Change, Oxford, 1962, p. 81; John Reynolds, Windmills and Watermills, Londres (H. Evelyn), 1970, p. 13, refere também este caso chinês.

29 Julio Caro Baroja, Tecnologia Popular Española, p. 242.

30 Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, ob. cit., p. 70; Julio Caro Baroja, Tecnologia Popular Española, p. 243.

31 Ver Jean Brunhes, La Géographie Humaine, édition abrégée, Paris, 1942, p. 35 e fig. 9; Kaj Birket-Smith, ob. cit., p. 173 6 fig. 109

32 Jean Brunhes, ob. cit., p. 35 e fig. 11.

33 Jean Brunhes, L’Irrigation, Paris, 1904, pp. 130 e 344, figs. 48 e 49.

34 Jean Brunhes, La Géographie Humaine, p. 35 e fig. 10.

35 Paul Scheuermeier, Bauernwerk in Italien, der italienischen und rätoromanischen Schweiz, Erlenbach-Zürich, 1943, p. 81, figs. 138 e 139.

36 Jean Brunhes, L’Irrigation, p. 130.

37 Telesforo de Aranzadi, Aperos de Labranza, in «Folklore y Costumbres de España», Barcelona, 1943, tomo I, pp. 370 e 371.

38 A esse respeito, Caro Baroja (Tecnologia Popular Espaflola, p. 253) lembra as esplêndidas gravuras em madeira que ilustram a obra sobre as minas e metalurgia de G. Agrícola, o comentário com que este as acompanha, e o livro de Olao Magno sobre os povos setentrionais.

39 Ver: E. Lévi-Provençal, L’Espagne Musulmane au Xème Siècle, Paris, 1932, p. 166, nota 4.

40 O milho entrou em Cádis em 1515.

41 André Leroi-Gourirn, L’Homme et la Matière, Paris (s/d), pp. 109-111 (ver fig. 149).

42 André Leroi-Gourhan, ob. cit., p. 109.

43 Ver, por exemplo, Orlando Ribeiro, Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra, 1945, p. 115.

44 Julio Caro Baroja, Los Pueblos de Espana, Barcelona, 1946, p. 374.

45 Julio Caro Baroja, ob. cit., fig. 25 da p. 428, segundo Baeschlin.

46 Fritz Kriüger, Die Nordwestiberische Volkskultur, in «Wörter und Sachen», vol. X, Heidelberg, 1927, pp. 105-106, fig. 37.

47 Jean Brunhes, L’Irrigation, ob. cit., pp. 319-320, fig. 40.

48 Jean Brunhes, ob. cit., p. 319.

49 Jean Brunhes, ob. cit., p. 347. Ver figs. 48 e 49.

50 Wilhelm Giese, Apulische Brunnenschöpfräder, in «Wörter und Sachen», Band XVI, Heidelberg, pp. 90-92.

51 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, in «Festschrift für P. Wilhelme Schmidt», Viena, 1928, fig. 37. Ver mais Jean Brunhes, L’Irrigation, p. 320, fig. 40

52 Não parece ser esporádico porque entretanto já encontrámos mais reproduções de sâquijes, e são sempre noras de alcatruzes de eixo comprido baixo.

53 Jean Brunhes, ob. cit., p. 319.

54 paul Scheuermeier, ob. cit., fig. 142. Ver mais p. 82., figs. 212a e 212b.

55 p. vidal de la Blache et L. Gallois, Géographie Universelle, tomo VII, Pl. X, B.

56 Wilhelm Giese, ob. cit., pp. 90-91.

57 Muitos linguistas deixam-se com frequência arrastar pelo valor da palavra e esquecem as coisas que as palavras representam. Isto não é de maneira nenhuma uma atitude de hostilidade para com a linguística, antes pelo contrário; é só hostilidade contra um método pouco rigoroso. O meu colega e amigo Herculano de Carvalho, partilha inteiramente esta opinião; a linguística é válida na medida em que tem sempre presente a evolução histórico-cultural dos objectos.

58 Julio Caro Baroja, Los Pueblos de España, Barcelona, 1946, p. 423.

59 Julián Ribera, El sistema de riegos en la Huerta Valenciana no es obra de los arabes, in «Disertaciones y Opusculos», Tomo II, pp. 309-313.

60 Julio Caro Baroja, ob. cit., p. 423.

61 Os árabes, em regra, aproveitavam individualmente as águas de pequenas nascentes ou rios e não costumavam canalizar as águas para regar. Só em casos especiais, quando se tratava dos grandes dignitários, se realizavam obras deste tipo. Os almorávides canalizaram águas do Atlas para hortos pertencentes à família real. Os Omeyas de Córdova, fizeram o mesmo para os seus hortos e jardins, mas fora disto nada se conhece neste género. Ver Julián Ribera, ob. cit., pp. 310-312.

62 Desenvolveremos mais este ponto ao falar das picotas.

63 claro que não nos referimos às noras de ferro, muito recentes e mais influenciadas por modelos industriais.

64 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, ob. cit., fig. 36, segundo O. Franke. Ver mais O. Franke, Kêng Tschi t’u, Abhandlungen des Hamburger Kolonial-Institutes, vol. II, Série B, vol. 8, Hamburg, 1913, p. 150, fig. 13.

65 Políbio, XXXIV (4), 8, 4-10.

66 A. E. Watkins, The Origin of Cultivated Plants, in «Antiquity», Tomo VII, 1933, pp. 73-80.

67 Abel Viana, ob. cit., lug. cit.

68 Deodoro, V, 37. Diz que as águas infiltradas nas minas eram esgotadas por meio de um tornilho descoberto por Arquimedes. Além disso há vários documentos peninsulares dos princípios da reconquista que fazem referência a águas e a moinhos de água cujos princípios tecnológicos são os mesmos das noras dentadas. A sua existência nesta época prova que a sua origem é pré-árabe. Ver Visconde de Figanière, Memória sobre o valor da expressão Aquas Aquarum dos diplomas antigos, apresentada à Academia Real das Ciências de Lisboa, Lisboa, 1884 (o documento mais antigo é de 760 «circa»).

69 Ver Paul Scheuermeier, ob. cit., p. 82.

70 Wilhelm Giese, Apulische Brunnenschöpfräder, in «Miscelânea de Estudos à Memória de Cláudio Basto», Porto, 1948, p. 383.

71 Paul Scheuermeier, ob. cit., p. 82 e fig 212, fot. 142.

72 Ver Géographie Universelle, de P. Vidal de la Blache et L. Gallois, tomo VII, fig. B da Est. X.

73 A roda dos alcatruzes chama-se aqui dobadoira.

74 Abu Zacaria, ob. cit. e lug. citado.

75 Henrique da Gama Barros, ob. cit., p. 45.

76 Abu Zacaria lahia, ob. cit., pp. 146-147.

77 Wilhelm Giese, Uber die Herkunft der sardischen Brunnenschöpfrãder, in «Miscelânea de Estudos à Memória de Cláudio Basto», Porto, 1948, pp. 378-380.

78 Wilhelm Giese, ob. cit., p. 380.

79 Wilhelm Giese, Uber portugiesische Brunnen, in «Wörter und Sachen», XI, 71.

80 Ver Jean Brunhes, L’Irrigation, ob. cit., fig. 40, p. 320; Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, ob. cit., fig. 37.

81 Ver Paul Leser, ob. cit., fig. 36, segundo O. Franke, p. 150, fig. 13.

82 A. Cossu, Sardegna e Corsica, Torino, 1932, p. 76.

83 A. Cossu, ob. cit., p. 76; mais Le Lannou, Pâtres et paysans de la Sardaigne, Tours, 1941, p. 254.

84 Wilhelm Giese, ob. cit., p. 382. Ver mais: E. Besta, La Sardegna medievale I, Palermo, 1908, pp. 57-58; G. Bottiglioni, Vita sarda, Milano o. J., p. 14; M. Amari, Storia dei musulmani di Sicillia, 2 Aufe, III, 1, Catania, 1937, pp. 6-12; A. Cossu, ob. cit., p. 86; Max Leopold Wagner, Archivum Romanicum, XVI, 135; A. Steinitzer, Die vergessene Insel, Gotha, 1924, pp. 30-31.

85 Paul Scheuermeier, ob. cit., pp. 81-82, figs. 211a, 211b e 211c; ver mais fig. 140 da p. 240.

86 Junto a Coimbra ouvimos chamar-lhe roda de arrastar; em S. João do Campo: engenho, roda de tirar água ou pano de tirar água. Na margem sul do Mondego, em frente a Montemor, é conhecida por nora. Nora é talvez o nome mais usado.

87 jean Brunhes, L’Irrigation, Paris, 1902, p. 201.

88 Paul Scheuermeier, ob. cit., pp. 82-83, fig. 213.

89 Isto é mera suposição, pois não encontrámos nenhum especialista que nos pudesse esclarecer. Em Portugal só o pinheiro marítimo costuma ser empregado para tal fim, mas é de crer que noutras regiões da Europa, onde se usaram aparelhos deste tipo para esgotar a água das minas, se utilizassem outras árvores. Haveria, porém, nos territórios ocupados antigamente pelos árabes, árvores que pudessem ser perfuradas? Está aqui um problema curioso e cuja solução pode ser bastante útil.

90 Fritz Krüger, Die nordwestiberische Volkskultur, ob. cit., p. 106.

91 Fritz Krüger, ob. cit., lug. cit.

92 Marcial Valladares Muñoz, Diccionario Gallego-Castellano, Santiago, 1884.

93 Rato y Hévia, cit. por Krüger, ob. cit., p. 106.

94 Por informação do nosso amigo e estudioso erudito, Dr. Eugênio de Andrea da Cunha e Freitas, soubemos que num livro de contas do Mosteiro de Santa Clara, que se encontra na Torre do Tombo, num códice daquele mosteiro (n.° 52), se faz referência a alcatruzes que foram utilizados no Aqueduto de Vila do Conde, nos primeiros anos do século XVIII. Esta noticia não invalida o facto de as noras de alcatruzes serem raras na Província e possivelmente de tradição recente. Em termos de etnografia não se pode considerar velha uma tradição do séc. XVIII.

95 Deodoro Sículo (V. 37) diz que: Tradução: esgotam as correntes das águas por meio de umas roldanas chamadas egípcias descobertas por Arquimedes de Siracusa. (É o chamado parafuso de Arquimedes).

96 Infelizmente, não nos recordamos em que obra de Adolfo Schulten lemos isto.

97 Deodoro Sículo, V, 37.

98 Georgius Agrícola, De Re Metallica, tradução da 1.a ed. latina de 1556, por Herbert Clark Hoover and Lon Henry Hoover, Dover Publications Inc., Nova Iorque, 1950.

99 Georgius Agrícola, ob. cit., Livro VI, p. 190.

100 Vê-se este sistema representado na reconstituição histórica das minas antigas do Deutsches Volksmuseum de Munique.

101 72 m.

102 Georgius Agrícola, ob. cit., Livro VI, p. 194.

103 Georgius Agrícola, ob. cit., Livro VI, p. 198.

104 K. S. Woods, Rural Crafts of England, George G. Harrap e C.a L.a, 1949, p. 51; ver mais Walter Rose, Village Carpenter, Cambridge University Press.

105 Pelo menos não conseguimos encontrar nenhum.

106 Jean Brunhes, L’Irrigation, ob. cit., p. 347, fig. 50.

107 Jean Brunhes, ob. e lug. cits. Ver comentários feitos, atrás, à designação sâquije.

108 Paul Scheuermeier, ob. cit., pp. 81-82, figs. 211b e 211c; ver ainda fot. 140.

109 Paul Scheuermeier, ob. cit., lug. cit.

110 Ramon Violant y Simorra, L’Albufera de Valência e suoi Pescatori in «Le Vie del Mondo » (Revista Mensile del Touring Club Italiano), Ano XIII, Janeiro, 1951, n.° 1, pp. 58-59, ver fig. p. 59.

111 Georgius Agrícola, De Re Metallica, ob. cit., pp. 195-196.

112 Cerca de 16 m.

113 Georgius Agrícola, ob. cit., p. 196.

114 André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., pp. 320-321.

115 Gravura reproduzida in «Atlantis», Berlin-Grunwald, caderno 7, Julho, 1943, p. 212.

116 André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 94, fig. 121.

117 André Leroi-Gourhan, ob. cit., p. 321.

118 André Leroi-Gourhan, ob. cit., p. 320.

119 Enquanto não existir um Atlas Linguístico, não será fácil responder a esta pergunta, se bem que o inquérito linguístico de Paiva Boléo pudesse já dar uma resposta bastante aproximada.

120 C. Daryll Forde, Habitat, Economy and Society, «A Geographical Introduction to Ethnology», 8.a ed., Londres, 1905, p. 268.

121 Paul Scheuermeier, ob. cit., p. 81.

122 Fernandez Balbuena, La arquitectura humilde de un pueblo del páramo leonéz, «Arquitectura», Madrid, IV, p. 229. Ver mais Telesforo de Aranzadi, Aperos de Labranza, ob. cit., p. 370.

123 Lamano s. v. cigüeñal.

124 Fritz Krüger, Die nordwestiberische Volkskultur, ob. cit., p. 100.

125 Daremberg-Saglio, Dictionnaire des antiquités grecques et romaines, p. 1468, sob a palavra Tolleno. Ver mais Richard, Dictionnaire des antiquités, sob a palavra girgillus.

126 Ver José Leite de Vasconcelos, in «Arqueólogo Português», XXXIII, 1918.

127 Ed. Chavannes, La sculpture sur pierre aux temps des deux dynasties Han, Paris, 1893, Est. 4. Ver mais A. Wiedmann, Das alte aegypteu, p. 24, fig. 1.

128 julio Caro Baroja, Los Pueblos del Norte de la Peninsula Iberica, 1943, pp. 233-234.

129 Justino, XLIV, 4, 1-14.

130 Adolf Schulten, Os Tirsenos em Portugal, «Revista de Guimarães», vol. L, n.os 1-2, 1940, pp. 129-130.

131 Ver: Espanha, Telesforo de Aranzadi, ob. e lug. citados; França, Joseph-Stany Gauthier, Les Maisons Paysannes des Vieilles Provinces de France, Paris, 1951, p. 180, fig. 337; Alemanha, Engen Diederichs, Deutsches Leben der Vergangenheit in Bildern, Jena, 1900, p. 66, fig. 250, p. 532, fig. 1729; Bartels, Der Bauer in der deutschen Vergangenheit, Jena, 1904, p. 20, fig. 18, p. 35, fig. 35, p. 75, fig. 85, etc.; Bulgária, Kanitz, Donau-Bulgarien, vol. 3, p. 344; Hungria, Friedrich Koch-Wawra, Von Wien nach Budapest, «Die Illustr. Ztg.», 3.° ano, n.° 37, Freiburg em Breisgau, 1927, p. 868; Polónia, Handbuch von Polen, editado por E. Wunderlich, Berlin, 1918, est. 23 (entre pp. 324-325), fig. 15; est. 28 (entre pp. 364-365), fig. 7; est. 30 (entre pp. 364- -365), fig. 10; Rússia, Dmitrij Zelenin, Russische (Ostslavische) Volkskunde, Berlin e Leipzig, 1927, pp. 235, fig. 195.

132 Além das obras de Ed. Chavannes e de E. Wiedmann, relativas à China e ao Egipto, ver mais: O. Franke, Kêng tschi t’u, «Abhandlungen des Hamburger Kolonial-Institutes», vol. II, série B, vol. 8, Hamburgo, 1913, p. 152; Meissner, Babylonien und Assyrien, Heidelberg, 1920, fig. 94 e pp. 192-193; Morse, Japanese homes and their surroundings, Nova Iorque, 1904, p. 73; Berthold Laufer, Chinese Pottery of the Han Dynasty, Leiden, 1909, p. 167.

133 Paul Leser, Westöstliche Landwirtschaft, ob. cit., p. 447, fig. 90.

134 A. Wiedmann, Das alte aegypten, Heidelberg, 1920, pp. 21 e 24, fig. 1.

135 Informação dada pelo Dr. António Fialho Pinto, natural de Moura, durante o Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, realizado em Málaga, em 1951.

136 Fotografia na página 213 da revista «Atlantis», Zurique, caderno 5, Maio, 1952, sob o título «Jahrtausendealte Werkzeuge und Methoden in Asien».

137 Voltaremos a analisar este ponto nas Considerações Gerais.

138 Carlos Lopes Cardoso, Do uso da «cegonha» no distrito de Moçâmedes, Luanda (Instituto de Investigação Cientifica de Angola), 1963.

139 K. S. Woods, Rural Crafts of England, Londres, 1949.

140 Fundão.

141 Georgius Agrícola, De Re Metallica, ob. cit., lug. cit.

142 Thouvenot, Essai sur la Province Romaine de Bétique, Paris, 1940, pp. 257 a 261 (figs. 17-19); M. Deligny, Notice sur l’origine d’une roue ancienne employée pour l’épuissement des mines, C. R. Academia das Ciências, p. 899 (estas duas obras foram-nos obsequiosamente indicadas pelo nosso colega e amigo Dr. Manuel Bairrão Oleiro).

143 Pedro Victor da Costa Sequeira, Notícia sobre o estabelecimento mineiro de S. Domingos, «Revista de Obras Públicas e Minas», XIV, 163-164, Lisboa, Julho e Agosto de 1883, pp. 187-189.

144 Supomos que a expressão «ambas as rodas» se justifica pelo facto de, nas hipóteses de reconstituição das rodas de Rio Tinto e Marsis se admitirem (como adiante se verá) rodas dispostas aos pares, movendo-se cada uma em seu sentido. Este traço não se verifica, ao que parece, no caso da mina de S. Domingos.

145 Em alemão Eichen-holz, que, por aproximação, quer talvez significar sobreiro ou azinho.

146 Gerd Weisgerber, Das römische Wasserheberad aus Rio Tinto in Spanien im British Museum London, «Der Auschmit», 31 Jahrgang, 2-3, 1979, pp. 62-80. Devemos a indicação deste texto, e bem assim as fotografias que o ilustram (que pudemos ver na Exposição de Arqueologia Industrial de Lisboa, de 1985), ao Dr. Jorge Custódio; e a sua tradução ao Dr. Jorge Freitas Branco. A ambos estes cientistas aqui manifestamos o nosso reconhecimento.

147 Julio Caro Baroja, Tecnologia Popular Española, Madrid (Editora Nacional), 1983, pp. 248 e 249. A divulgação do estudo da roda romana de elevar água da mina de S. Domingos é posterior à data do falecimento do Professor Jorge Dias (3 de Fevereiro de 1973), e por essa razão não foi por ele considerada e não vem referida na 1.a edição do presente trabalho. Os textos que aqui lhe dizem respeito foram incluídos sob inteira responsabilidade do seu co-autor, Fernando Galhano.

148 André Leroi-Gourhan, L’Homme et la Matière, ob. cit., p. 321.

149 Hermann Lautensach, Portugal, ob. cit., 1.a parte, p. 127. Uma roda destas movida por uma mulher, sob a protecção de um guarda-sol, vê-se no artigo de Constantin von Regei, Reis Erobert die Welt, in «Atlantis», Zurique, Janeiro de 1952, caderno 1, p. 10, em cima.

150 Arnold Heim, Das älteste Bohrfeld der Welt, in «Atlantis», Berlim-Zurique, Janeiro, 1932, caderno 1, p. 14, fig. superior.

151 Castelo de Neiva, Veiga de Chaves, Beira.

152 Sobre isto apresentámos uma comunicação ao Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, realizado em Málaga em 1951, sob o título: Aparelho de elevar a água de rega no sul de Portugal.

153 E. Jaeckle, Der Geheiligte Reisbau Ostasiens, in «Atlantis», Berlim e Zurique, Agosto de 1939, caderno 8, p. 432 em baixo.

154 E. Jaeckle, ob cit., pp. 429-430.

155 André Leroi-Gourhan, ob. cit., pp. 560 e 561, fig. 556.

Table des illustrations

Titre Fig. 85 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição da roda de elevar água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6178/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 86 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição das rodas hidráulicas de esgotamento das minas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6178/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 87 – Mértola, Mina de Cobre de S. Domingos. Reconstituição do funcionamento das rodas hidráulicas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6178/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Fig. 88 – Mértola. A roda romana de elevar água da mina de S. Domingos, que se encontra no Museu Nacional das Técnicas, em Paris.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6178/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 85k

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search