Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

V. Distribuição geográfica

Texte intégral

1Trataremos neste capítulo mais das linhas gerais da difusão dos vários aparelhos descritos, do que da sua localização minuciosa, que só teria sentido numa obra que se propusesse ser uma compilação exaustiva de todos os aparelhos existentes no país. Já dissemos no prefácio não ser essa a nossa intenção.

2Nas cartas que acompanham este trabalho lê-se melhor do que em toda a descrição fatigante, a distribuição dos diferentes tipos de sistemas de elevar a água de rega que encontrámos em Portugal. A cartografia é, de facto, o sistema mais prático para se observar a distribuição dos factos culturais e, melhor do que qualquer outro, permite a comparação entre os vários elementos disseminados à superfície da Terra, facilitando o estudo de complexos culturais e relações de causalidade.

REGADIO SEM APARELHOS

3O sistema de rega sem aparelhos, aproveitando a força da gravidade, que permite armazenar a água de nascentes em represas, fazendo-a depois correr para os campos por regos abertos na terra, usa-se sobretudo no Minho e nas Beiras e nalgumas regiões serranas de Trás-os-Montes. Quando as condições de solo e topografia são favoráveis, também pode aparecer esporadicamente noutras regiões do país.

4No Alentejo está-se hoje a desenvolver um sistema de rega semelhante, mas artificial. As barragens, aproveitando a água das chuvas, vão-se multiplicando pelo interesse capitalista da valorização dos terrenos, mas estão longe de ocupar a extensão que ocupa este sistema de regadio no norte de Portugal.

5A rega com águas correntes de ribeiros, ou rios, mediante açudes, ou de nascentes naturais usadas na limagem dos prados, é muito rara no Sul.

MOINHOS DE ÁGUA

6Os moinhos de água com velas de pano estão praticamente localizados no sudoeste de Portugal (Aljezur e Odemira).

7No norte (Distrito de Aveiro) aparece um ou outro de forma semelhante, mas com ventoinha feita de penas de madeira, e não velas de pano. Os engenhos de vento americanos, de fabrico industrial, estão disseminados pela faixa norte litoral do país e no Algarve, sem contudo atingirem grande densidade em qualquer parte.

RODAS HIDRÁULICAS

8A concentração máxima das rodas hidráulicas tem lugar nas Beiras, penetrando mais para o sul pela Estremadura e Ribatejo. As de tipo A encontram-se em Soure. As de tipo B estão situadas ao longo do Caima, em Vale Maior (Albergaria-a-Velha) e em Águeda. As de tipo C localizam-se em Tomar, vendo-se várias ao longo do rio Nabão. Ao longo do Ave encontram-se as de tipo D. Em Torres Novas e Mirandela vêem-se rodas hidráulicas de ferro.

ESTANCA-RIOS

9Só conhecemos um estanca-rios em Góis. Há muitos aparelhos no Norte chamados estanca-rios, mas não têm nada de comum com este, e não passam de tipos vários de noras de alcatruzes.

ENGENHO DE COPOS

10Além do exemplo localizado em Adaúfe (Braga), não encontrámos qualquer outro engenho semelhante.

NORAS DE ALCATRUZES

11As noras de eixo curto baixo situam-se no sudoeste do País, numa faixa que vem do barlavento algarvio até ao Mondego, com intermitências grandes. Encontrámo-las em vários concelhos de barlavento no Algarve e em Caneças (próximo de Lisboa). Encontrámo-las ainda em Tomar, Leiria, Pombal e Soure, apresentando pequenas variações locais.

Des. 70 – Mapa da distribuição das rodas hidráulicas e dos moinhos de água.

Des. 70 – Mapa da distribuição das rodas hidráulicas e dos moinhos de água.

Des. 71 – Mapa da distribuição das rodas de alcatruzes, noras de sarilho e noras de eixo curto baixo.

Des. 71 – Mapa da distribuição das rodas de alcatruzes, noras de sarilho e noras de eixo curto baixo.

12Esporadicamente podem aparecer noutros lugares. Fotografámos uma em Moncorvo.

13As noras de eixo comprido baixo encontram-se sobretudo nos campos do Mondego, entre Coimbra e a Figueira da Foz, na região de Soure a noroeste de Leiria e ainda em Esposende.

14As noras de eixo comprido alto são mais frequentes que as anteriores e encontram-se mais espalhadas no país. Encontrámo-las em S. Facundo (entre Geria e Cantanhede), Pombal (Tinto), Setúbal, Almada (entre Torre e Trafaria) e sobretudo pelos campos de Coimbra. Também aparecem na região de Leiria (Gândara) e Tomar (Carvalho de Figueiredo).

NORAS DE SARILHO

15As noras de sarilho de eixo curto são hoje muito raras. Pudemos localizá-las apenas na Veiga de Chaves, Valpaços (Ferradosa) e Tomar (Santa Cita). Temos também informações de que existem nalguns lugares da Estremadura.

16As noras de sarilho de eixo comprido aparecem nas margens do Tejo, abaixo da estação de Alvega, perto da barragem de Belver.

RODAS DE ALCATRUZES

17Estas rodas são muito comuns nos campos de Coimbra, Montemor-o-VeIho e Soure (Casal de Rolas). Parece que outrora existiram também no Fundão e Porto de Mós.

ENGENHOS DE BUCHAS

18O seu único centro de difusão está limitado por um semicírculo, cujo centro é o Porto e passa ao norte junto ao Cávado e ao sul junto ao Vouga. Para leste avança menos do que para norte e sul e tem núcleos de maior concentração .

19Aparecem a norte de Estarreja, apresentam a maior concentração em Válega, rareiam mais para Oliveira de Azeméis e Vila da Feira, chegam ao concelho de Castelo de Paiva, vêem-se por Penafiel, Amarante, Guimarães, Braga, Vila Verde, Barcelos e dali pelo sul do Cávado até ao mar. Dentro desta área adensam-se em Gaia, arredores do Porto, sul da Maia e Gondomar . Há núcleos bastante densos em Angeiras (Matosinhos) e Labruje (Vila do Conde) e ainda em Nabais (Póvoa do Varzim). Para o sul do Vouga são raras, mas ainda se vêem na Anadia, e dizem que outrora existiam também em Ílhavo.

NORAS METÁLICAS MODERNAS

20As noras de tipo A aparecem em vários lugares ao sul do Tejo, pelo Alentejo e Algarve. Vimos algumas ao norte do Tejo, em Santarém e em Castelo Branco.

21As noras de tipo B são comuns ao noroeste de Portugal, Entre-Douro-e-Minho e territórios vizinhos.

22As noras de tipo C aparecem pelo litoral, entre o Douro e o Tejo, mas a sua maior densidade verifica-se entre o Vouga e o Mondego.

23As noras de tipo D encontram-se também pelo litoral, para o sul do Douro e vão até Tomar.

24As noras de tipo E têm a sua área de difusão entre a Figueira da Foz e Leiria.

25As noras de tipo F são muito usadas entre Avança e Aveiro, mas encontram-se ainda com frequência entre Aveiro e Coimbra, aparecendo algumas pela Figueira da Foz e Tomar.

26As noras de tipo G parece serem exclusivas da região de Ovar. Pelo menos é aí a sua maior concentração.

27As noras de tipo H só foram observadas em Alverca.

28As noras com rodas dentadas fundidas aparecem espalhadas um pouco ao acaso por todo o país mas são muito frequentes na região que vai desde Foz-Coa e Castelo Rodrigo até ao Sabugal. Aparecem, também, muitas ao longo do Tejo, desde Vila Velha do Ródão até ao Entroncamento. Há também pelo Cartaxo (Cruz do Campo).

29As noras de ferro fundido são sobretudo abundantes nos arredores do Porto.

30As noras metálicas de eixo comprido são raras para o norte do Vouga, com excepção de Trás-os-Montes, onde aparecem alguns núcleos, como o de Mirandela. Mas a maior densidade encontra-se no sul do país, sobretudo no Algarve. Aparecem com frequência nos campos de Coimbra, Águeda e nos campos marginais do Baixo Vouga. Há uma relativa concentração junto a Oiã, ao sul de Aveiro, e aparecem algumas esparsas por lugares das Beiras.

31As noras de funis não têm lugar especial; aparecem aqui e além, no norte, no sul e no centro, constituindo sempre casos isolados.

NORA DE COPOS MANUAL

32Não têm localização definida, constituindo sempre casos esporádicos. Encontrámo-las em Montijo (Canha, Pegões), em Montemor-o-Velho (Carapinheira), em Torres Novas (Carvalhal do Pombo [freguesia de AssentizJ) e em Leiria.

Des. 72 – Mapa da distribuição dos engenhos de buchas, noras de eixo comprido alto e noras de eixo comprido baixo.

Des. 72 – Mapa da distribuição dos engenhos de buchas, noras de eixo comprido alto e noras de eixo comprido baixo.

ENGENHO DE BUCHAS MANUAL

33São também aparelhos muito raros. Os casos que conseguimos localizar estão dentro da área dos engenhos de buchas, de que atrás falámos.

34Vimos um em Paredes (Baltar) e outro em Vila Nova de Gaia (Praia do Salgueiro).

ROLDANAS

35A maior concentração da roldana está localizada num raio de 20 km à volta do Porto e um pouco numa faixa larga ao longo do litoral, na metade norte do país. Aparecem, contudo, esporadicamente, em vários pontos do país, como Mirandela. A sua simplicidade permite que facilmente se improvisem em qualquer parte.

SARILHO

36Os sarilhos são sobretudo frequentes em toda a faixa litoral entre o Porto e Vila do Conde. Encontram-se com abundância em Ermesinde, Gondomar, Agrela e Paços de Ferreira. São também muito vulgares em Gaia e mais para o sul, por Espinho, etc. Mas aparecem com frequência em diversos outros lugares do país, como Oliveira de Frades (Santa Cruz de Vila Chã), Bragança, Moura, etc.

PICOTAS

37A picota é o aparelho mais generalizado no país e ainda em vias de difusão. As maiores concentrações do país, começando pelo norte, são na Veiga de Chaves, logo depois de Curalha, baixa de Boticas, depressão de Vila Pouca de Aguiar, Pedras Salgadas, Planaltos da Padrela e do Alvão, e Valpaços. Vêem-se ainda por Bouça e Lama Longa. Há algumas na baixa de Mirandela e rarefazem-se para o norte, para os lados de Bragança, embora ainda aí se encontrem. Para norte e noroeste de Bragança, ao longo da fronteira, desde Guadramil até à Cisterna (Vinhais), não as encontrámos.

38Em Miranda do Douro há bastantes, e encontram-se sempre de Miranda para Mogadouro e em Freixo-de-Espada-à-Cinta.

39Mais para o sul, na região do Alto Douro, ainda aparecem em pequeno número e sobretudo nas terras altas, como Alijó.

40Para ocidente, ao norte do Douro, com excepção dos arredores do Porto, Matosinhos (Leça da Palmeira, Amorosa), só as vimos em Baião. No Entre-Douro-e-Minho são extremamente raras, para não dizer que, praticamente, não existem.

Des. 73 – Mapa de distribuição da picota.

Des. 73 – Mapa de distribuição da picota.

41Em Gaia aparecem, mas não são numerosas. Em Santo André do Canidelo têm montado algumas nos últimos anos; antes disso não eram usadas.

42Para o sul de Gaia, ao longo do litoral, aparecem com intermitências. Em Ovar (Carvalheira) há uma forte concentração. Entre Aveiro e Anadia também há muitas, assim como entre Anadia e a Mealhada. Em Águeda são pouco numerosas. Na Pampilhosa há uma concentração relativamente grande, rarefazendo-se nas regiões circunvizinhas. Em Cantanhede volta a haver muitas.

43Mais para o interior, pela Beira Alta e Beira Baixa, as picotas são frequentes, mas rarefazem-se nas regiões serranas, onde muitas vezes chegam a desaparecer. Nas serras de Montemuro e da Arada não registámos nenhuma, mas já vimos algumas em S. Pedro do Sul. Em Viseu também aparecem e daí para Mangualde. Vêem-se também nalguns lugares da serra de Leomil. São mais frequentes por Sernancelhe.

44Mais para leste, junto à raia, não faltam picotas. Em Figueira de Castelo Rodrigo (Vilar Tropim e Reigadas) há algumas. Mais para o sul, em Pinhel (Malta) e depois por Almeida, são menos numerosas, mas para o sul de Vilar Formoso são frequentes.

45No Sabugal aparecem em vários lugares (Sabugal, Santo Estêvão, Nave e Vila Boa).

46Caminhando mais para o centro do país, pelos concelhos à volta da Serra da Estrela, vêem-se bastantes picotas, e por vezes em fortes concentrações, como na Guarda (Pero Moço, Rapoula), em Gouveia (Vila Nova de Tazém), em Seia, Oliveira do Hospital e Nelas.

47Mais para ocidente, são numerosas por Santa Comba Dão e Tondela.

48Continuando para o sul, encontram-se bastantes ao longo do rio Ceira e nos terrenos vizinhos. São frequentes em Góis.

49Há muitas por Condeixa, Soure e Penela, e para o sul de uma linha que vai de Monte Redondo, Pombal, Ancião e Figueiró dos Vinhos, são também em grande número. Mais para o sul, na região de Leiria, Vila Nova de Ourém e Porto de Mós, as picotas atingem, por vezes, densidades enormes, verdadeiras concentrações maciças.

50No sul da Beira Baixa a densidade diminui, mas aparecem com relativa frequência no Fundão, em Idanha-a-Nova e em Castelo Branco.

51Para ocidente usam-se em Tomar e são numerosas até ao Entroncamento, rareando daí para Santarém. Mais para leste aparecem bastantes em Constança, no Sardoal e em Abrantes. Mais para leste, em Gavião, há poucas, e para Niza são raras, embora ainda haja alguns focos.

52De Santarém para Lisboa vêem-se sempre algumas e na margem esquerda do Tejo aparecem nas terras baixas próximo do rio. Para leste, encontram-se em Chamusca e em Coruche (Muge e Marinhais), onde são abundantes.

53Na maior parte dos concelhos alentejanos são extremamente raras, ou faltam inteiramente. Além de Niza, aparecem em Alter e em Moura. Na margem esquerda do Guadiana são mais raras do que na margem direita.

54No Algarve, a picota aparece em vários lugares. Vimo-las em Loulé, Aljezur e noutros concelhos algarvios, atingindo nalguns pontos densidades maiores, mas nunca grandes concentrações.

BOMBAS DE RABIÇO

55O seu principal centro de difusão é a província do Douro Litoral e a Beira Litoral, mas aparecem esporadicamente noutras regiões. Vimos uma bomba neste género, mas metálica, em Odemira (S. Teotónio).

BOMBAS DE TEAR

56Estas bombas têm uma área de difusão reduzida e encontram-se em regressão. São ainda numerosas em Gaia e no Porto até ao sul da Maia. Vimo-las em Couto de Cucujães, em Albergaria-a-Velha (Anjeja) e Ovar (Válega).

BOMBAS MODERNAS

57São de difusão irregular e em regressão pelos arredores do Porto e nalguns quintais dos arredores de centros urbanos. Pode-se aqui incluir a bomba metálica que registámos em Odemira (S. Teotónio), embora seja de fabrico diferente. Bombas deste tipo, de fibrocimento, encontram-se hoje em várias regiões da Beira Litoral.

RODAS DE TIRAR ÁGUA MOVIDAS PELO HOMEM

58A principal concentração destas rodas encontra-se nas Beiras, espalhadas pelas bacias hidrográficas do Mondego e do Zêzere, sobretudo na deste último.

59Aparecem esporadicamente noutras regiões, como na Veiga de Chaves e no litoral nortenho entre os rios Cávado e Neiva.

PONTARIAS DE PÉ

60Este aparelho parece existir só no Fundão (Aldeia de Joanes), embora haja outro análogo em Oleiros.

Des. 74 – Mapa de distribuição das bombas de rabiço e de tear e das rodas movidas a pé.

Des. 74 – Mapa de distribuição das bombas de rabiço e de tear e das rodas movidas a pé.

CEGONHO

61O cegonho tem uma área de dispersão limitada a uma pequena faixa do litoral ocidental do Algarve penetrando ligeiramente no Alentejo, vendo-se em Aljezur, em Odesseixe, na Ribeira da Zambujeira, em S. Teotónio, e sudoeste de Vila Nova de Milfontes.

CABAÇO

  • 1 Ele deve contudo aí ocorrer, porque Cândido de Figueiredo regista o vocábulo cabaço como usado na p (...)

62De uso geral por todo o País, embora com menor incidência na província alentejana1. Vimo-lo no Minho, Douro Litoral, em Trás-os-Montes (Bragança e Miranda), nas Beiras (Sernancelhe, Montemor, Gouveia, Santa Comba Dão, Góis e Castelo Branco). Mais para ocidente e sul aparece em Monte Real, Sesimbra e Chamusca.

GARABATOS

63Só conhecemos garabatos em Miranda do Douro.

CESTOS DE VIME

64O uso de elevar a água da rega com cestos de vime só foi registado em Foz de Arouce (Lousã) e Góis. Mas parece existir noutras regiões.

Notes

1 Ele deve contudo aí ocorrer, porque Cândido de Figueiredo regista o vocábulo cabaço como usado na província do Alentejo.

Table des illustrations

Titre Des. 70 – Mapa da distribuição das rodas hidráulicas e dos moinhos de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6173/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 71 – Mapa da distribuição das rodas de alcatruzes, noras de sarilho e noras de eixo curto baixo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6173/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 72 – Mapa da distribuição dos engenhos de buchas, noras de eixo comprido alto e noras de eixo comprido baixo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6173/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 73 – Mapa de distribuição da picota.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6173/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 74 – Mapa de distribuição das bombas de rabiço e de tear e das rodas movidas a pé.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6173/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 41k

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search