Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

IV. Aparelhos movidos pelo homem

Texte intégral

1A necessidade de aproveitar a água, de qualquer maneira que ela se apresente, levou o homem a utilizar um sem número de processos, desde os mais simples aos mais complicados. Uma das suas maiores preocupações em todas as sociedades é, sem dúvida, desenvolver técnicas que lhe diminuam o esforço na luta pela subsistência. Contudo, quando as circunstâncias, ou o grau de desenvolvimento tecnológico ou económico, não permitem a utilização de forças motrizes estranhas, o homem não recua perante a necessidade de pôr a força dos seus próprios músculos ao serviço de aparelhos rudimentares.

2No nosso País, como em muitos outros, apesar do rápido e constante avanço dos pequenos motores-bombas, são ainda numerosos os sistemas de elevar a água de rega, que utilizam a força motriz humana.

3Em geral, os aparelhos movidos pelo homem empregam-se para regar hortas ou pequenos campos, cuja exiguidade de dimensões não justifica o recurso a aparelhos dispendiosos. Outras vezes, utiliza-se a força humana, quando as circunstâncias locais tornam difícil o aproveitamento de agentes naturais ou animais, como são as rodas de água beiroas, colocadas em cursos de água que não podem ser utilizados como força motriz.

4De todos os aparelhos de elevar a água usados no nosso País, os que mais variedades oferecem são os que utilizam a força humana. Além das noras de copos e dos engenhos de buchas manuais, que são apenas variantes de aparelhos maiores, movidos por animais, vamos descrever aqui : a roldana, o sarilho, a picota, a bomba de rabicho, a bomba de tear, o cabaço, a roda de tirar água, pontarias de pé, o cegonho, o garabato e o cesto de vime.

NORA DE COPOS MANUAL

5As noras de copos manuais são meras adaptações das noras, atrás descritas, à força motriz humana. Até hoje encontrámos poucas no País. A mais primitiva que vimos estava numa horta em Montijo (Canha, Pegões). Sobre um pequeno poço havia uma roda suspensa num eixo horizontal, cujas extremidades estavam apoiadas em duas forquilhas firmemente implantadas na terra. A roda era atravessada por tornos de madeira, compridos, que de um lado serviam de apoio à corda onde estavam pendurados os alcatruzes de barro, do outro serviam de manípulos para accionar a nora. A água dos alcatruzes caía numa espécie de tabuleiro e dali corria para a horta.

6Em Montemor-o-Velho (Carapinheira), próximo da estrada que vai de Coimbra para Cantanhede, encontrámos, em 1950, uma nora de copos, semelhante às noras da região, mas com manipulo para ser accionada pelo homem. Foi a única que vimos nesta região (fig. 66).

7Em Torres Novas (Carvalhal do Pombo, freguesia de Assentiz) vimos outra nora deste género.

Fig. 66 – Montemor-o-Velho, Carapinheira. Nora de copos manual.

Fig. 66 – Montemor-o-Velho, Carapinheira. Nora de copos manual.

8Em Leiria, pouco depois de deixar a cidade pela estrada que segue para Coimbra, numa propriedade agrícola que fica à esquerda da estrada, existe também uma nora semelhante sobre um poço, para regai a horta (fig. 67), a que chamam engenho.

Fig. 67 – Leiria.

Fig. 67 – Leiria.

9Estes engenhos têm uma roda de água, sobre a qual estão apoiados os cadeados com os copos de chapa, iguais às noras de ferro modernas. A única diferença reside no tamanho, pois é tudo mais pequeno do que nas noras movidas por animais. Ligado à roda de água existe uma roda volante com um manipulo, que geralmente é de ferro fundido.

ENGENHO DE BUCHAS MANUAL

10Os engenhos de buchas, que noutro lugar descrevemos, também aparecem, embora esporadicamente, adaptados à força manual.

11Um destes engenhos existia ainda em 1949 em Paredes (Baltar, perto do «chalet» da Quinta de Cête). O tronco furado mergulhava num poço pouco profundo. Sobre este estava suspenso um carreto pequeno, no qual ficava apoiado o cadeado com as buchas. Em cada extremo do eixo do carreto havia um manipulo para o aparelho ser accionado por dois homens ao mesmo tempo. O pequeno desnível entre a água e o campo a regar, juntamente com o manipulo duplo, permitia tirar um bom rego de rega.

12Há já uns dois anos que deixámos de ver este engenho.

13Em Vila Nova de Gaia, perto da praia de Salgueiros, fotografámos em 1942 um engenho de buchas improvisado. Num poço muito pouco profundo, montaram um tronco perfurado, sobre o qual colocaram o carreto com o cadeado das buchas, montando ao lado um manipulo. Junto construíram uma plataforma de madeira, para o homem chegar ao manipulo. O tronco apresenta duas bocas de saída de âgua, a fim de ser possível regar uma extremidade do campo de nível mais alto. Quando se quer utilizar a boca superior, atapulha-se a inferior e a água sai por cima (fig. 68). Como o manipulo é simples, este aparelho exige um esforço excessivo e pouco compensador.

Fig. 68 – Vila Nova de Gaia, Canidelo.

Fig. 68 – Vila Nova de Gaia, Canidelo.

ROLDANAS

14A roldana é um dos sistemas mais simples usados para tirar água dos poços. É uma simples roldana onde corre a corda, em cuja extremidade inferior está suspenso um balde que eleva a água. A roldana, às vezes (Gaia, Maia, etc.), está suspensa na ponta de um pau inclinado sobre a boca do poço (des. 49). Outras vezes está pendente de um cavalete ou tripé de madeira colocado sobre o poço (des. 50). Em Espinho (Paramos), à roldana suspensa do cavalete chama-se correta e é usada com bastante frequência. Em muitos lugares do País, sobretudo no Alentejo, a água tira-se só com balde e corda, sem auxílio da roldana. Mas aí este sistema é quase que exclusivamente empregado para tirar água para serviços domésticos e raras vezes para fins agrícolas, enquanto que no norte do País se usa com frequência para regar pequenas hortas.

15A água tirada com o balde pode deitar-se para um rego que conduza aos talhões, mas o mais frequente é verter-se para um regador. Na Anadia (Ois do Bairro), chama-se abicar, à rega feita com o regador, porque o bico do regador rega planta por planta.

16Este sistema existe em vários lugares do País, sobretudo no norte, mas a sua maior densidade encontra-se num raio de 20 km à volta do Porto e pelo litoral. Contudo, temo-lo visto em lugares afastados da costa, como, por exemplo, Mirandela.

Des. 49 – Vila Nova de Gaia. Roldana.

Des. 49 – Vila Nova de Gaia. Roldana.

Des. 50 – Espinho, Paramos. Corretã

Des. 50 – Espinho, Paramos. Corretã

SARILHOS

17O sarilho é um aparelho que assenta num princípio semelhante ao da roldana, mas é mais aperfeiçoado. Em vez da simples roda, o sarilho é um cilindro horizontal, com dois espigões de ferro nas extremidades, apoiados em dois postes laterais, ou metidos em dois orifícios vazados nesses postes. Uma das pontas da corda está presa ao cilindro e da outra está suspenso o balde. A corda tem o comprimento necessário para o balde mergulhar no nível mais baixo da água, no período de estiagem. No geral um dos espigões do sarilho é prolongado, e transforma-se numa manivela. Fazendo girar o sarilho, a corda enrola-se e o balde sobe até à superfície. Com o auxílio da manivela, a força empregada é menor, visto esta desempenhar a função de alavanca.

18Em Moura, o sarilho é bastante usado e costuma ter uma manivela de cada lado, podendo trabalhar duas pessoas ao mesmo tempo. Neste concelho chamam cuba, à vasilha suspensa da corda com que se eleva a água.

19Os sarilhos são sobretudo frequentes em toda a faixa litoral entre o Porto e Vila do Conde. Por Ermesinde, Agrela e Paços de Ferreira, os sarilhos costumam ter manivela de ferro e são muito semelhantes entre si.

20Em Gondomar e Gaia os sarilhos estão frequentemente protegidos do tempo por um pequeno coberto de duas águas, apoiado em geral nas extremidades superiores das cruzetas de ferro, que aqui servem de suporte ao eixo do sarilho (des. 51 e 52).

Des. 51 – Vila Nova de Gaia, Candal. Sarilho.

Des. 51 – Vila Nova de Gaia, Candal. Sarilho.

21Os sarilhos são, umas vezes, feitos de um só tronco, outras vezes, de uma série de tábuas pregadas sobre duas rodelas de madeira. Em Oliveira de Frades (Santa Cruz de Vila Chã), vimos um, feito de tábuas grossas e toscas. Mas nesta região não é processo usado, e nem sequer lhe dão nome especial.

22Em Gaia (Santo André do Canidelo), existe um sarilho que, do lado oposto à manivela, tem uma roda de madeira a servir de volante, para facilitar o movimento (des. 53). Nesta região são frequentes os baldes de madeira.

23Os sarilhos também se usam no interior do País, embora com menos frequência. Já falámos de um em Moura, e conhecemos outro em Bragança. Neste concelho, o sarilho faz-se girar por meio de uma cruzeta de madeira, muito semelhante à que é usada nos sarilhos dos mineiros. O cilindro tem aqui o nome de rolete.

Des. 52 – Gondomar. Sarilho.

Des. 52 – Gondomar. Sarilho.

Des. 53 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Sarilho.

Des. 53 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Sarilho.

PICOTAS

24A picota é também um aparelho muito simples e o mais espalhado por todo o País, onde apresenta uma enorme diversidade de nomes. Damos aqui alguns dos colhidos, mas quem pretender informação mais vasta sobre o assunto pode recorrer ao inquérito, excepcionalmente rico, de Paiva Boléo.

25Em princípio, a picota ou cegonha, nome por que é mais conhecida, é um aparelho formado por dois paus, um dos quais vertical e fortemente implantado no terreno, e outro que gira num eixo fixado na extremidade superior do pau vertical. Numa das pontas do pau móvel suspende-se uma vara delgada, em cuja extremidade inferior está dependurado um balde, enquanto que na outra estão presas várias pedras a servir de contrapeso. Como se vê, a picota é uma balança interfixa, cuja potência se desenvolve na extremidade da vara onde se suspende o balde, estando a resistência na outra extremidade. A resistência é constituída pelo contrapeso de pedras de que falámos.

26A picota em regra encontra-se junto de pequenos rios, ribeiros, valas ou poças, cuja água fica próxima da superfície a regar. Excepcionalmente, aparecem junto de poços mais profundos, como uma que fotografámos perto de Valpaços, onde são conhecidas por baldes. Nestes casos as picotas atingem proporções enormes, para poderem alcançar o nível da água, o que obriga à construção de uma plataforma, para onde sobe o camponês, a fim de poder manejar o aparelho (figs. 69 a 73).

27Apesar da simplicidade do sistema, há um certo número de variantes, que convém descrever ao falarmos da sua distribuição pelo Pais.

28De todas as províncias do País, o Entre-Douro-e-Minho é sem dúvida aquela onde as picotas são mais raras, podendo mesmo dizer-se que são aí raríssimas. A seguir vem o Alentejo, onde, em inúmeros concelhos, se não descobre facilmente uma picota. Começando do norte para o sul, iremos falando dos lugares de maior concentração e referir-nos-emos a alguns pormenores mais interessantes.

29A maior concentração de picotas encontra-se na Veiga de Chaves, logo a seguir a Curalha, apesar de terem ultimamente desaparecido bastantes, com o importante sistema de irrigação realizado pelo Estado. Em Chaves, a picota é geralmente conhecida por cegonha ou baldão. O pau ao alto, bifurcado, é a forquilha. O pau de vaivém chama-se baldão, e a vara que suspende o balde é a varela. As pedras que ajudam a elevar o balde são o contrapeso. Na baixa de Boticas também há bastantes, e são numerosas na depressão de Vila Pouca de Aguiar. Nas Pedras Salgadas chamam-lhe baldão. Ao longo desta depressão, e pelos planaltos da Serra da Padrela, também se vêem algumas, assim como pelos planaltos da Serra do Alvão. Aqui não lhe dão nome especial, chamam poço ao conjunto do poço e picota. À forquilha chamam gancha, rabo ao vaivém, e mangueira à vara de suspensão do balde.

30Caminhando mais para leste, a densidade de picotas rarefaz-se, mantendo-se, contudo, alguns lugares de maior concentração, como Valpaços, de que já falámos, onde os baldes são numerosos. Por Bouça e Lama Longa ainda se continuam a ver, em menor número. Em Mirandela também se vêem cegonhas.

Fig. 69 – Guarda, Rapoula.

Fig. 69 – Guarda, Rapoula.

Fig. 70 – Valpaços.

Fig. 70 – Valpaços.

Fig. 71 – Ancião.

Fig. 71 – Ancião.

31Mais para o norte, para os lados de Bragança, voltam a rarefazer-se, mas ainda se encontram. Em Bragança chamam-lhes baldes, cegonhos ou cegonhas. Nalguns lugares do concelho, o pau a prumo chama-se suporte, o vaivém pendurail, a vara baldão (de arame) e balde. Noutros lugares as mesmas peças designam-se por: forquilha ou gancha, cavaleiro, corda e balde.

32Para norte e noroeste de Bragança, pela região fronteiriça, não encontrámos nenhuma. Mas para leste e sudeste, a caminho de Miranda, voltam a ver-se. Em Miranda do Douro existem muitos cigonhos nas hortas. De Miranda para Mogadouro aparecem alguns dispersos. Em Freixo-de-Espada-à-Cinta a picota é conhecida por vaivém.

33Mais para o sul, já na região do Alto Douro, ainda se vêem picotas. Em Alijó a picota não tem uma forquilha, mas dois paus paralelos, unidos por travessas, como se fosse um escadote. A última travessa serve de eixo ao vaivém. De resto são como as outras.

34Ao norte do Douro, para o ocidente de Baião (onde são conhecidas por baldões, e ao pau de tirar a água chamam varela) as cegonhas voltam a aparecer perto do litoral, na Foz do Douro e em Matosinhos (Leça da Palmeira, Amorosa). Estas cegonhas são também construídas sobre dois paus a prumo, como as de Alijó, e, às vezes, ainda têm mais estacas a servir de escoras.

35Para o sul do Douro encontram-se logo em Gaia, mas não com frequência, e a maior parte delas são de construção recente. Em Santo André de Canidelo existe uma cegonha muito alta, para tirar água de um poço fundo e relativamente estreito. Como o vaivém da picota tem de erguer-se até o contrapeso ficar muito alto, a corda do balde desviava-se do prumo do poço. Para remediar isto, atravessaram um pau sobre duas estacas e a corda da picota passa numa roldana colocada ao centro do pau. Nesta freguesia a picota é também conhecida como gaivota.

36Para o sul de Gaia, ao longo do litoral, as picotas vão aparecendo com intermitências. Em Ovar (Carvalheira) não se vêem noras, mas há muitas picotas. Entre Aveiro e Anadia também há muitas, sucedendo o mesmo entre a Anadia e a Mealhada. Em Águeda são pouco numerosas. Na Pampilhosa há uma concentração relativamente grande, rarefazendo-se depois nas regiões circunvizinhas. Em Cantanhede volta a haver muitas. São aí conhecidas por cegonhas. O pau ao alto é o esteio, o vaivém balança, a vara do balde é a barola.

Fig. 72 – Cantanhede.

Fig. 72 – Cantanhede.

Fig. 73 – Castelo Branco.

Fig. 73 – Castelo Branco.

37Às vezes as picotas formam pequenos grupos, em que dois ou três vaivéns giram em eixos colocados numa armação de madeira tosca. É frequente as extremidades dos vaivéns, onde está o peso, descansarem num anteparo de madeira, que serve para poupar o esforço do trabalhador que acciona a picota. Este processo é sobretudo usado em Penela.

38Mais para o interior, pela Beira Alta e Beira Baixa, as cegonhas também aparecem com frequência. Contudo, nas regiões serranas são menos numerosas, chegando mesmo a desaparecer.

39Nas Serras de Montemuro e da Arada não registámos nenhuma, mas em S. Pedro do Sul já vimos algumas. Em Viseu também se vêem algumas, e o vaivém gira quase sempre numa forquilha de madeira, atravessada por um ferro. Mas quem vai de Viseu para Mangualde, a par de picotas iguais às de Viseu, começa a encontrar outras construídas sobre um esteio de granito, com o eixo de ferro cravado lateralmente. Este sistema prolonga-se para oriente.

40Nalguns lugares da Serra de Leomil encontram-se picotas. Em Sernancelhe a picota chama-se burro, mocho ou morcego. A galha posta a prumo é feita de um tronco de árvore bifurcado na ponta, ou escachado e mantido aberto por meio de uma cunha. O vaivém, cambão, é de pinheiro e gira num eixo de madeira ou de ferro. A vara está presa ao cambão por uma argola de corda ou de arame. O peso está seguro com um torno de madeira. A água lança-se para uma calha de pedra ou madeira, donde segue pela regueira.

41Mais para leste, junto à raia, ainda se vêem picotas. Em Figueira de Castelo Rodrigo (Vilar Tropim e Reigadas) há algumas. Mais para o sul, em Pinhel (Malta), as picotas apresentam esteios de pedra como em Mangualde. Mais para o sul, por Almeida, vêem-se menos, mas pelas baixas, para o sul de Vilar Formoso, são frequentes.

42No Sabugal também se encontram picotas que tomam vários nomes, conforme os lugares. Na Nave chamam-lhes cambos, no Sabugal burros e em Santo Estêvão burras. Na Nave chamam esteio ao pau vertical, vareiro ao vaivém, vara ao pau onde se suspende o balde. Em Vila Boa o pau vertical é geralmente um tronco escachado, como em Sernancelhe.

43Caminhando mais para o centro do País, pelos concelhos à volta da Serra da Estrela, aparecem sempre picotas. Na Guarda (Pero do Moço, Rapoula), há muitas picotas, e pequenos aquedutos de granito, que conduzem a água aos campos, que se querem regar. Em geral, o pau vertical é feito de um galho ou de um tronco escachado, mas também se encontram algumas com um esteio de pedra e eixo de ferro lateral. Por Gouveia e Seia há bastantes picotas, e é frequente utilizarem o esteio de granito. Nesta região chamam-lhes picanços. Na primeira destas localidades (Vila Nova de Tazém) chamam-lhes picanços ou engenhos. À haste a prumo chamam pilar, quer seja de granito quer de madeira, ao vaivém, cambão, à vara, varela e ao balde, caldeirão. O balde está suspenso da vara por uma argola, chamada carapulo. Em Seia, o esteio chama-se pilar, o vaivém, cambão e a vara do balde, varela. O peso costuma ser uma espécie de disco de pedra com um orifício central, onde enfia um espigão de ferro cravado lateralmente no vaivém. Na Covilhã são também conhecidas por picanços ou burros e é costume desmontá-las durante o inverno para não se estragarem tão depressa. À haste chamam espeque e ao vaivém, espinhaço.

44Para ocidente da Serra da Estrela vão-se encontrando sempre picotas. Por Oliveira do Hospital e Nelas vêem-se muitas com esteio de granito. Na primeira localidade chamam-lhes burros, cegonhas ou picanços. Quando a haste vertical é de madeira, chama-se forcalha ou forquilha. Tanto as de esteio como as de forquilha são muito numerosas.

45Mais para ocidente, por Santa Comba Dão e Tondela, são menos numerosas. Em Santa Comba chamam-lhes poços de balde. A haste vertical é geralmente de madeira (oliveira, pinheiro ou carvalho), e tem o nome de esteio ou espeque. O vaivém é o balanço. A vara e o balde não têm particularidades. Nesta região, é costume usar duas varas nos poços mais fundos, pois uma só «não daria alcance». Neste caso o homem coloca-se numas pranchas atravessadas dentro do poço.

46Continuando para o sul do País, encontram-se bastantes picotas ao longo do rio Ceira e em terras vizinhas. Em Góis, chamam-se burros ou cegonhas. A haste, tanto pode ser de madeira, como de pedra, e chama-se forcalha. Na Foz de Arouce chamam-se burros ou gaivotas. Nalgumas propriedades chega a haver quatro a par umas das outras.

47Por Condeixa, Soure, Penela e Tomar, há muitas picotas. Nesta última região é costume construírem um anteparo de madeira onde descansa a ponta do vaivém com o peso, poupando assim ao trabalhador o esforço de puxar o peso desde o chão (des. 54). Embora seja um sistema muito prático, encontra-se em muito poucas regiões. Mais para o sul de uma linha que vai de Monte Redondo, Pombal, Ancião e Figueiró dos Vinhos, as picotas continuam a ser muito numerosas. Nalguns pontos, como em Pombal e Ancião, é frequente aparecerem aos pares ou em grupos de três, muitas vezes montadas na mesma haste. Para isso, montam no cimo da haste vertical dispositivos de madeira que permitam o funcionamento de dois vaivéns (des. 55 e 56). Em Pombal, chamam-lhes cegonhas, picotas ou balanços, em Penela e Ancião picotas, e em Monte Real, picotas, cegonhas ou gaivotas. Em Pombal, a haste tem o nome de esteio, e o vaivém de picota. A vara e o balde são também assim designados. Mais para o sul, na região de Leiria, Vila Nova de Ourém e Porto de Mós, as picotas atingem uma densidade enorme e apresentam-se quase sempre aos pares, ou formando séries contínuas. Entre Leiria e Ourém, as picotas são quase sempre duplas. Ainda em Leiria, as hastes costumam ser de madeira, mas, conforme nos aproximamos de Ourém, vai aumentando o número dos esteios de pedra. Se o esteio tem só um vaivém, forma uma reentrância no topo, atravessada pelo eixo, onde aquele gira. Se é uma picota dupla, os eixos estão cravados de um e de outro lado do esteio. Em Porto de Mós, costumam construir uns canais de madeira, para conduzir a água tirada pelas picotas.

Des. 54 – Tomar. Anteparo onde descansa a ponta do vaivém, e tabuleiro onde a água é despejada.

Des. 54 – Tomar. Anteparo onde descansa a ponta do vaivém, e tabuleiro onde a água é despejada.

Des. 55 – Vários dispositivos para funcionamento dos vaivéns.

Des. 55 – Vários dispositivos para funcionamento dos vaivéns.

1 a 4 – Pombal
5 – Viseu
6 – Guarda

Des. 56 – Várias ligações dos vaivéns a esteios de granito.

Des. 56 – Várias ligações dos vaivéns a esteios de granito.

1 – Leiria
2 – Castelo Branco
3 – Mangualde

48No sul da Beira Baixa aparecem as picotas em menor número. No Fundão chamam-lhes picanços ou (Aldeia de Joanes) burros. Por aqui também é costume desmontá-las no inverno, como fazem na Covilhã. Na Aldeia de Joanes chamam forcalha à haste e mastro ao vaivém. As outras peças sâo : a vara e o balde. Em Castelo Branco o nome mais comum é a burra, mas também se conhecem os de cegonha e picota. A haste, em geral de pedra, chama-se também burra, o vaivém, lança e o resto é a vara e o caldeiro. Os esteios de pedra (Escalos de Cima e S. Miguel da Acha) costumam ter na parte superior umas braçadeiras de ferro com o eixo, onde gira o vaivém. Em Sarzedas o nome mais vulgar é picota. Nesta freguesia chamam garfo ou forquilha à haste vertical, cavalo ao vaivém, e as outras peças têm os nomes atrás registados. O peso é também com frequência um disco de pedra pendurado por um orifício aberto no centro. Em Idanha-a-Nova (Rosmaninhal) são conhecidas por cegonhas ou burras. A haste chama-se vara; o vaivém, cambão ; a vara, varela, e o balde, caldeira ou balde.

49Em Tomar rega-se igualmente com a picota. Em Santa Cita usam também um anteparo de madeira para apoiar a extremidade do vaivém, como em Penela e Cantanhede. A água é em geral vertida num tabuleiro de madeira (des. 52), seguindo depois por um calheiro. Daqui até ao Entroncamento são ainda muito numerosas, mas do Entroncamento até Santarém rareiam. Mais para leste, em Constança, há bastantes picotas, algumas das quais são muito altas, e precisam de ter a haste segura por várias escoras de madeira. No Sardoal (Alcaravela) usam-se, e têm o nome de picotas. À haste vertical chamam pégão, ao vaivém balança, à vara varela. O balde costuma ser de zinco ou de madeira. Em Abrantes vêem-se várias picotas pelas baixas do Tejo. Continuando para leste, em Gavião, há relativamente poucas e para Niza são bastante raras, embora haja alguns focos de concentração importantes, como, por exemplo, em Arez.

50De Santarém para Lisboa vêem-se sempre algumas. Na margem esquerda do Tejo encontram-se várias, nas terras baixas, próximo do rio. Na Chamusca são conhecidas por picotas ou cegonhas. Mais para sul, em Coruche (Muge e Marinhais) são muito abundantes, mas mais para leste rareiam. Em Alter têm o nome de cegonhas, mas são muito raras.

  • 1 Informação dada pelo Sr. Dr. António Fialho Pinto, no Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das (...)

51Mais para sul, pelo Alto e Baixo Alentejo, são extremamente raras. Percorremos muitos concelhos (Beja, Serpa, Barrancos, Mourão, Vidigueira e Alvito) sem vermos uma só picota. Em Moura aparecem, sobretudo na margem direita do Guadiana. Na margem esquerda são muito raras. Às vezes, quando as picotas são baixas, os rapazes fazem-nas trabalhar com os pés, pondo-se de pé em cima delas1.

52No litoral algarvio já voltam a ser empregadas. Vimos algumas em Aljezur (Carrapateira) e noutros lugares, mas não são comuns a toda a província. Há regiões em que se não vêem picotas, e de repente aparece uma concentração delas. Foi isto que, por exemplo, verificámos em Benafim, perto da Rocha da Pena, no concelho de Loulé.

53Como se vê, é um aparelho muitíssimo difundido em todo o País, e, se nalgumas zonas escasseia, ou falta quase inteiramente, deve-se menos a desconhecimento do que a condições pouco favoráveis da região. No Minho, o hábito de regar com águas correntes de represas e ribeiras torna desnecessário o emprego da picota. Quando a ausência de nascentes ou águas correntes obriga a abrir um poço, a nora torna-se um aparelho mais útil, sobretudo numa região onde não falta a força motriz animal. No Alentejo, as picotas são pouco frequentes; terras de culturas de sequeiro, que predominam, elas não são necessárias, e talvez por isso não se generalizaram, mesmo para a rega das hortas.

54A enorme variedade de nomes, de que aqui damos uma simples amostra, dá bem a medida da complexidade dos problemas que se deparam aos dialectologistas, ao estudar as palavras e coisas no nosso País.

BOMBAS DE RABIÇO

55O nome destas bombas de tirar água varia de uns lugares para os outros. Em Aveiro chamam-lhes simplesmente bombas. No Porto são conhecidas por bombas de picota, enquanto que em toda a zona que vai de Gaia até Oliveira de Azeméis, tomam, geralmente, o nome de bombas de rabiço.

56Estes aparelhos compõem-se de um ou mais tubos, feitos de troncos de pinheiro furados, e de um sistema de duas válvulas: uma fixa, outra móvel e accionada por uma alavanca de madeira, que se move à mão (fig. 74).

57O tubo, bomba, é furado pelo mesmo processo seguido nos engenhos de buchas, e a ligação das várias secções do tubo e a sua fixação às paredes do poço é também igual. De resto, os seus construtores são geralmente os mesmos bombeiros dos engenhos de buchas.

58O troço superior da bomba eleva-se mais de metro e meio acima do nível do solo, a fim de se poder accionar facilmente o braço de madeira, que gira num eixo de ferro colocado no cimo da bomba.

59Quando se imprime movimento ao braço, este faz subir e descer um êmbolo de ferro, o junço, que tem na extremidade inferior uma válvula, a cesta, que aspira a água. A água aspirada é impedida de descer novamente, pela válvula fixa, o nabo, colocada no fundo da bomba (des. 57).

60Em princípio, o nabo e a cesta são a mesma coisa; simplesmente a cesta, como está presa ao junço, tem uma função activa, enquanto que o nabo é fixo. Para o colocarem, envolvem-no em estopa e sebo e, à força de pancadas, de cima para baixo, conseguem fixá-lo na extremidade da bomba, que é aí levemente estrangulada, para evitar que ele possa sair. Quando o nabo se estraga e é preciso tirá-lo, utilizam o saca-nabos, ferro comprido e terminando em unha. Ambas as válvulas são feitas de madeira e a vedação obtém-se com solas.

Fig. 74 – Vila Nova de Gaia.

Fig. 74 – Vila Nova de Gaia.

61A meia altura da bomba que está acima da boca do poço, existe um orifício por onde sai a água. Esta corre por uma bica de madeira, colocada perpendicularmente, para ir cair dentro de alguma pia ou tanque. Em Aveiro e mais para o sul, a bica não é colocada assim horizontalmente; inclinam-na um pouco mais para cima, a fim de evitar que a água saia tanto às golfadas.

62Há algumas bombas de mão, nos arredores do Porto, bastante mais altas que o tipo corrente, para elevarem a água alguns metros acima do terreno. Neste caso o braço é composto de mais peças, como mostra o desenho 58. Só vimos destas bombas altas no Porto e em Gaia. Usam dois processos para as accionarem: num deles, penduram uma vara na extremidade do braço e andam com ela para cima e para baixo, obrigando o braço a mover-se ao mesmo tempo; no outro, colocam um novo braço, paralelo ao superior, mas mais comprido, e ligam a extremidade do de cima, por uma vara, ao meio do braço inferior. Accionando o braço de baixo na forma do costume, a vara transmite o movimento ao braço superior, directamente ligado ao junço e à cesta.

63Esta bomba de madeira tem uma área de difusão relativamente reduzida e pode dizer-se que é mais utilizada para encher pias de lavar e fornecer água para usos domésticos do que propriamente para regar. Contudo, é utilizada também para regar quintais e pequenas hortas. O seu principal centro de difusão é a província do Douro Litoral e a Beira Litoral. Fora destas províncias aparece esporadicamente.

Des. 57 – Vila Nova de Gaia. Bomba de rabiço.

Des. 57 – Vila Nova de Gaia. Bomba de rabiço.

1 – Junco
2 – Sapatilha

64A bomba de madeira tem sofrido nos últimos decénios algumas transformações das quais a principal consiste na substituição da madeira por materiais mais duradoiros, sobretudo por fibrocimento. A aplicação do fibrocimento começou a medo e de maneira tosca. Agora já há oficinas especializadas (Verde-Milho, Aveiro, por exemplo) onde são feitas em série, utilizando tubos de fibrocimento de vários diâmetros. Esta substituição de materiais tem grandes vantagens, pois uma bomba de madeira não dura mais de oito anos, se for usada de verão e de inverno, de maneira a não ficar seca por muito tempo. Se a deixarem secar, estraga-se ainda mais depressa.

65As novas bombas de fibrocimento mantêm o mesmo sistema de válvulas das de madeira. A única inovação foi a aplicação de uma manga de vidro no interior do cano, que permite a sola conservar-se mais tempo e a vedação ser mais perfeita. A bica conserva a inclinação tradicional da região, de que falámos.

66O braço continua a ser de madeira e o junço de ferro, como nas antigas.

67As bombas modernas de fibrocimento usam-se sobretudo no distrito de Aveiro. Em Penafiel (Casais Novos), vimos uma de transição. A parte superior era de madeira, mas os tubos que mergulhavam no poço e a bica eram de fibrocimento. A bica estava grosseiramente ligada ao tubo, por meio de cimento.

68Muito para o sul, em Odemira (S. Teotónio), encontrámos uma bomba semelhante a estas, mas feita de chapa zincada. É possível que o sistema seja inspirado nos moinhos de tirar água de Aljezur, e possivelmente feita pelos mesmos fabricantes. Não vimos mais nenhuma no sul do País, o que não quer dizer que não existam.

69Vêem-se também bombas de picota, feitas de ferro fundido, de fabrico industrial. Quer estas, quer as de madeira estão a cair em desuso.

Des. 58 – Braço das bombas de rabiço altas.

Des. 58 – Braço das bombas de rabiço altas.

BOMBAS DE TEAR

70A bomba de tear é em princípio igual às bombas de rabiço ; apenas difere na maneira de imprimir o movimento. Em vez do braço, o junço é accionado pela pomba. Enquanto que na bomba de rabiço, o braço gira num eixo colocado na própria bomba, nestas o sistema motor é independente do resto. Nas chumaceiras colocadas no alto de dois esteios, ou sobre o topo de forquilhas ou cavaletes de madeira, gira uma trave à qual estão aplicados o braço que dá o movimento ao junço, e dois barrotes que formam como que um balancé, tear, com o qual se lhe imprime um movimento de vaivém (des. 59).

71A bomba está colocada junto e ao lado duma das extremidades da trave, por baixo da ponta do braço, pomba; o tear fica na outra extremidade (fig. 75).

72Quando se imprime ao balancé, tear, um movimento de vaivém, a trave gira nos eixos e obriga a pomba a andar para cima e para baixo, accionando o junço e fazendo funcionar a bomba. Este sistema tem a vantagem de poupar a bomba, que com o rabiço se abala e gasta mais depressa, e poupa esforço, porque a alavanca é maior. Para facilitar o trabalho, um dos barrotes do balancé tem uma pedra suspensa.

Des. 59 – Vila Nova de Gaia. Bomba de tear.

Des. 59 – Vila Nova de Gaia. Bomba de tear.

1 – Pau de tear
2 – Bomba
3 – Barrotes
4 – Esteio
5 – Pedra
6 – Junço

Fig. 75 – Vila Nova de Gaia, Canidelo.

Fig. 75 – Vila Nova de Gaia, Canidelo.

73Nalguns casos, como em Albergaria-a-Velha (Anjeja) (des. 60), aproveitam o movimento do tear para accionar duas bombas. Para isto, basta construir uma bomba ao lado da outra, a distância aproximadamente igual da trave, e, em vez de uma pomba, colocar uma de cada lado, como as asas de um avião. Enquanto uma pomba sobe, a outra desce, e obtém-se um caudal de água contínuo e abundante com quase o mesmo esforço. Nesta bomba trabalhavam duas pessoas e regavam assim uma horta.

74Estas bombas vão caindo rapidamente em desuso. Nalguns sítios ainda tentaram substituir a madeira pelo ferro (Gaia, Santo André de Canidelo), mas os seus dias estão contados.

75Noutros lugares, as bombas são de fibrocimento, como as de rabiço. Era assim a bomba dupla de Albergaria-a-Velha, de que falámos atrás.

76Estas bombas de tear têm uma área de difusão ainda mais restrita do que as de rabiço. São sobretudo numerosas em Gaia, e aparecem no Porto até ao sul da Maia. Vimo-las em Couto de Cucujães, mas estão a desaparecer. Em Albergaria-a-Velha (Anjeja), além da dupla que descrevemos, havia outra simples, mas ninguém conhecia mais nenhuma. Também se encontram algumas em Válega (Ovar).

77Como se vê, a sua difusão coincide com as de rabiço, embora sejam mais raras. Por sua vez, o maior custo da construção do tear e o seu rápido apodrecimento condenam-nas, nesta época de madeiras e mão-de-obra caras.

Des. 60 – Albergaria-a-Velha, Anjeja. Bomba de tear dupla.

Des. 60 – Albergaria-a-Velha, Anjeja. Bomba de tear dupla.

BOMBAS MODERNAS

78Bombas de picota, de ferro fundido, vêem-se em vários pontos do País, mas estão a cair rapidamente em desuso.

79Em quintais, nos arredores de centros urbanos, ou em algumas casas de campo modernas, usam-se muito bombas de volante, compostas por uma grande roda de ferro de quatro raios, suspensa num eixo de ferro, que gira numas chumaceiras de bronze, com uma manivela. Algumas destas bombas são accionadas por motores.

RODAS DE TIRAR ÁGUA

80Um dos processos ainda hoje bastante usados em Portugal, para elevar a água de rega, são as rodas movidas pelo próprio homem. Pode dizer-se que a sua principal concentração se encontra nas Beiras, ao longo dos rios Mondego e Zêzere e seus afluentes, sobretudo na rede hidrográfica deste último. Mas aparecem também rodas destas, esporadicamente na Veiga de Chaves, e sobretudo Esposende, e possivelmente em mais outros pontos do País (figs 76 a 81).

81No Fundão, estas rodas são conhecidas por rodas de tirar água (Grameneza e Aldeia de Joanes), mas também lhes chamam noras, ou rodetes, se são pequenas.

82Estas rodas são em princípio formadas por um disco de madeira guarnecido de alcatruzes, o qual está montado sobre quatro ou oito raios também de madeira, girando todo o conjunto num forte eixo de carvalho ou de qualquer outra madeira forte. O disco está guarnecido, na sua face exterior, por uma tábua estreita e fortemente pregada, a fim de permitir que um homem possa manter-se facilmente de pé sobre ela.

83As chumaceiras do eixo, ou são assentes num bloco de pedra tosco ou, o que é mais frequente, numa ponte ou bancal de madeira, apoiada em dois prumos laterais, as burras. As burras têm uma série de buracos que permitem baixar ou altear a roda, conforme o nível da água na poça ou ribeira em que a roda está montada (des. 61).

84As rodas da Aldeia de Joanes têm quatro braços em cruz, espigados no eixo e apertados por cunhas, e muitas delas ainda quatro contra-braços, que apenas tocam nele. O conjunto é muitas vezes reforçado pela cruzeta. No Fundão, as cruzetas eram geralmente pequenas, mas em Casais de Zebreira chegavam ao próprio disco.

85Os alcatruzes estão presos ao disco de madeira de soalho, a camba. Os de barro estão presos à camba por meio de vimes (des. 62), e os de folha, hoje mais numerosos, são presos com arames. Antigamente eram quase sempre de barro.

86A tábua que reveste o disco, sobre o qual marcha o homem para fazer mover a roda, é uma tábua de forro de 0,10 m a 0,12 m de largura, chamada rasto. Até há pouco, costumavam pregar sobre o rasto, a distâncias regulares, umas pequenas travessas de madeira que davam melhor apoio a quem tocava a roda. Hoje estão a cair em desuso.

87Junto à roda há uma ou duas travessas para as pessoas que estão a tocar a água se agarrarem. Se a roda é grande, é frequente haver duas travessas, pois o esforço é demasiado para um homem só, e costumam trabalhar dois, um atrás do outro (des. 63).

88Quando a roda é pequena, ou está muito baixa, é fácil subir-se para ela. Mas quando se ergue muito acima do terreno é preciso uma escada. No desenho da roda de Oleiros vê-se bem a escada e o conjunto de prumos e travessas, a que se agarra o trabalhador (des. 64).

Fig. 76 – Fundão, Aldeia de Joanes. Roda de água.

Fig. 76 – Fundão, Aldeia de Joanes. Roda de água.

Fig. 77 – Oleiros. Roda de água.

Fig. 77 – Oleiros. Roda de água.

Fig. 78 – Oleiros. Roda de água.

Fig. 78 – Oleiros. Roda de água.

Fig. 79 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva. Roda de água, engenho de pé.

Fig. 79 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva. Roda de água, engenho de pé.

Fig. 80 – Esposende, Marinhas. Engenho de pé.

Fig. 80 – Esposende, Marinhas. Engenho de pé.

89No Fundão, quando as noras são montadas sobre cursos de água, com corrente suficientemente forte para ser aproveitada como força motriz, é costume aplicar umas penas (pãnas) à roda.

90Estas penas são pequenas tábuas rectangulares, com um espigão a meio de um dos topos, que serve para as fixar nos orifícios laterais da camba (des. 65). Logo que a água deixa de ter caudal suficiente para accionar a roda, tiram-se as penas, e esta passa a ser movida a pé.

91Em Esposende, a par dos engenhos de eixo comprido, baixo, movidos por animais, que atrás referimos, encontram-se engenhos de pé, movidos por um homem. Estes engenhos são constituídos por uma roda de alcatruzes, em madeira, semelhante à desses engenhos atrás descritos, apenas com a diferença que os viradores dos alcatruzes ultrapassam um dos aros da roda, e suportam uma aba de tábua, sobre a qual caminha o homem que, desse modo, imprime movimento à roda (des. 66). Essa aba é feita seja de tábuas pregadas de virador a virador, seja de uma tábua inteiriça e pouco espessa, vergada e pregada aos viradores, e que apenas ajuda a sustentar o peso do homem, pois na verdade é sobre os viradores que a força é aplicada. Há quem prefira rodas desprovidas desta aba, e o homem que move o engenho apoia neste caso os pés no fundo dos copos, como se fossem degraus. Em todos estes casos, a pessoa que move o engenho agarra-se a uma travessa horizontal pregada a duas varas espetadas no chão, e que se unem no alto. Estas rodas são sempre de reduzidas dimensões, e as covas sobre as quais estão instaladas são pouco profundas, pois a toalha de água é ali muito superficial. Elas encontram-se pelos campos planos entre Esposende e a foz do rio Neiva, e geralmente somente as varas a que o homem se segura denunciam a sua presença.

92Com as rodas das Beiras, de alcatruzes presos ao próprio aro, e de muito maior diâmetro, têm os engenhos de pé de Esposende apenas de comum o processo de movimento. Já com as pontarias de pé que vimos no Fundão eles estão mais proximamente relacionados. Contudo, nos aparelhos do Fundão há uma roda para o movimento e outra para o cadeado dos alcatruzes (que só encontrámos feito de ferro); enquanto que nos engenhos de Esposende a mesma roda tem as duas funções.

Fig. 81 – Esposende, Marinhas. Engenho de pé.

Fig. 81 – Esposende, Marinhas. Engenho de pé.

Des. 61 — Fundão, Aldeia de Joanes. Roda de tirar água.

Des. 61 — Fundão, Aldeia de Joanes. Roda de tirar água.

1 — Eixo
2 — Braços
3 — Contra-braços
4 — Cruzeta
5 — Cunhas
6 — Camba
7 — Rasto
8 — Chumaceira
9 — Burras
10 — Prumos
11 — Travessa

Des. 62 – Fundão. Os alcatruzes de barro são presos à camba por meio de vimes.

Des. 62 – Fundão. Os alcatruzes de barro são presos à camba por meio de vimes.

93As dimensões das rodas variam conforme a necessidade de elevar mais ou menos a água, mas é raro excederem os quatro metros de diâmetro. As de Esposende são particularmente baixas; se não estiverem a trabalhar, passam despercebidas a qualquer observador.

Des. 63 – Um ou dois homens movem as rodas.

Des. 63 – Um ou dois homens movem as rodas.

Des. 64 – Oleiros. Conjunto de prumos e travessas a que se agarra o trabalhador.

Des. 64 – Oleiros. Conjunto de prumos e travessas a que se agarra o trabalhador.

Des. 65 – Fundão. Penas que se aplicam às rodas tando a corrente do rio é suficiente para as mover.

Des. 65 – Fundão. Penas que se aplicam às rodas tando a corrente do rio é suficiente para as mover.

94Com excepção do eixo, que já dissemos ser de madeira resistente, as peças das rodas são geralmente de pinho. Durante o inverno é frequente recolhê-las para se não estragarem tão depressa.

95Informaram-nos que antigamente houve rodas na região do Fundão movidas por animais. Pela descrição que nos fizeram parece serem semelhantes ás rodas de alcatruzes usadas nos campos do Mondego.

RODAS DE FERRO

96No concelho de Góis existem rodas, como as atrás descritas, em que o homem toca a água de pé, agarrado à vara. Mas na freguesia de Góis é costume o homem ficar sentado no chão, do lado de fora da roda, obrigando esta a mover-se com o auxílio dos pés e das mãos. Estas rodas são de ferro e têm uma espécie de tornos cravados no aro, que facilitam a tarefa ao trabalhador. Estas rodas costumam ter cubos de barro.

  • 2 Mário Cardoso, Engenhos de rega movidos pelo homem, Ethnos, 3.°. p. 299 e seguintes.

97As norias de Chaves, descritas por Mário Cardoso2, divergem bastante das descritas. São rodas de 4 a 5 metros de diâmetro, formadas de dois aros de negrilho, que giram em poços, caboucos, abertos na margem do rio e com ele comunicando por um canal subterrâneo. Ligando os dois aros, há 32 degraus ou passos, por baixo dos quais estão fixos 16 pares de alcatruzes de madeira. Estas rodas são movidas por um, dois ou três homens, que vão apoiando os pés nos passos, e que se agarram a varas horizontais como acontecia com as dos outros tipos. A água cai nos masseirões, e daí segue pelas levadas até ao campo a regar.

98Estes aparelhos encontrou-os Mário Cardoso perto de Vidago, nas margens do rio Oura, já em ruína; segundo informaram aquele autor, existiam norias iguais em Vila Pouca de Aguiar.

PONTARIAS DE PÉ

99No Fundão, existe um aparelho curioso, que representa uma combinação das rodas de tirar água e das noras de alcatruzes, chamado pontaria de pé. Provavelmente, o nome vem-lhe das noras metálicas usadas na região e semelhantes às que vimos em Castelo Branco, com grande almanjarra de ferro com contrapeso, de rodas dentadas fundidas e entrosas forjadas, a que chamam pontarias.

Des. 66 – Fundão. Pontaria de pé.

Des. 66 – Fundão. Pontaria de pé.

100É, portanto, um caso de substituição da força motriz animal pela humana. O eixo da roda serve de transmissor do movimento a uma roda metálica, com cadeado e alcatruzes, como são os calabres das noras altas de eixo comprido, atrás descritas. A roda volante tem quatro raios de madeira, e o aro de madeira sobre o qual marcha o homem é bastante largo, o que lhe permite andar com mais facilidade. O trabalhador apoia-se numa vara atravessada, como nas rodas de tirar água (des. 66).

101Em Oleiros, encontra-se outro aparelho de tirar água, que tem no mesmo eixo, junto à roda, uma roda de água metálica, que tira a água por meio de um cadeado com alcatruzes. É uma variante simplificada da pontaria de pé, mas esta designação não é empregada em Oleiros.

CEGONHO

102O cegonho ou cegonha de rabo é uma espécie de calha de madeira, de cerca de dois metros e meio de comprimento, tapada numa das extremidades, e assente sobre um eixo de madeira, fixado perto da extremidade oposta. Deste lado da calha há uma espécie de rabiça de arado, chamado rabo, que o camponês empunha para accionar o aparelho (fig. 82) (des. 67).

103O cegonho costuma estar colocado na margem de um regato, ou na borda de uma poça, pouco profunda, a fim de poder mergulhar na água, logo que se levante a rabiça e se faça girar o cegonho sobre o eixo. Puxando em seguida a rabiça para baixo, a extremidade mergulhada na água levanta e a água corre pela calha e daí desliza pelo rego aberto na terra, por onde segue até aos talhões da horta que se querem regar.

Fig. 82 – AIjezur. Cegonha de rabo.

Fig. 82 – AIjezur. Cegonha de rabo.

104Os cegonhos podem apresentar algumas variedades, conforme os tamanhos. Se são muito grandes e, portanto, pesados, podem ter dois rabos para serem accionados por dois homens. Outros, pouco maiores do que os que aqui reproduzimos, podem ter um pau atravessado no rabo para o camponês se poder agarrar com as duas mãos. Ouvimos dizer que os maiores chegam a ter perto de cinco metros, o que nos parece um exagero. Os que vimos em Aljezur eram de um só rabo e bastante mais pequenos.

105Um cegonho que vimos em Odesseixe apresentava uma inovação que faltava às de Aljezur atrás descritas. A extremidade que mergulhava na água tinha um recorte, como se pode ver no desenho junto, dentro do qual havia uma válvula de madeira pregada de um lado com sola. Quando o cegonho mergulha, a válvula abre e a água entra pelo buraco; quando se levanta, a água pesa sobre a válvula que fecha e não a deixa sair (des. 68).

106Estes aparelhos parece existirem só na faixa ocidental do Algarve e talvez penetrem no Alentejo. Nós só os encontrámos em Aljezur (cegonha de rabo) e em Odesseixe (cegonho), mas dizem existir noutras terras próximas. São muito frequentes na Ribeira da Zambujeira, onde são conhecidas por baldeadores ou zorras. O nome zorra parece ser aí o mais vulgar; empregam-se para baldear a água das valas e ribeiras.

107Segundo informações do geógrafo Mariano Feio, que nos acompanhava nesta excursão, há uns aparelhos muito semelhantes a estes, perto de S. Teotónio, os quais são movidos por um homem colocado em pé sobre eles. Diz Mariano Feio que o que viu (Vila Nova de Milfontes, a 3 km para o sul e junto à costa) era uma espécie de tabuleiro largo, assente sobre um eixo. Na extremidade que penetrava na água havia também uma válvula de madeira presa por uns couros. O homem, de pé sobre o tabuleiro, tinha um pé de cada lado do eixo, imprimindo ao aparelho um movimento de báscula. Quando uma extremidade entrava na água, a válvula abria e o tabuleiro enchia; quando levanfava, a válvula fechava e a água corria para a outra extremidade, onde estava o rego condutor. Este aparelho só pode ser utilizado em lugares onde a água está quase ao nível da terra. Infelizmente não conseguimos ver nenhum in loco, o que não admira, pois é frequente levarem-nos para casa quando não estão a ser utilizados. Em S. Teotónio informaram-nos que tais aparelhos também são frequentes na Ribeira de Odesseixe, mas não encontrámos nenhum quando por lá passámos.

108Até hoje não vimos nem temos noticia da existência destes baldeadores noutros pontos do País, mas nunca se pode afirmar que não os haja, por simples desconhecimento.

Des. 67

Des. 67

1 – Cegonha de rabo – Aljezur
2 – Cegonho – Odesseixe
3 – Rabo atravessado por um pau
para poder ser agarrado por ambas as mãos.

Des. 68 – Vila Nova de Milfontes. Espécie de tabuleiro oscilante para tirar água de valas pouco fundas.

Des. 68 – Vila Nova de Milfontes. Espécie de tabuleiro oscilante para tirar água de valas pouco fundas.

CABAÇO

109O cabaço é um vaso feito de lata, de cortiça ou de cabaça seca, provido de um cabo comprido, com que se extrai água de poços e represas, lançando-a para um sulco, que a leva ao terreno que se deseja regar ou lançando-a directamente sobre as culturas (figs. 83 e 84).

110Este aparelho, bastante simples, encontra-se um pouco por toda a parte, embora não seja muito utilizado para regar, senão esporadicamente, em algumas regiões.

111O termo por que ele é mais conhecido no País parece ser o de cabaço. Foi esse que registámos mais vezes. Contudo aparecem outras designações nalgumas regiões, como vamos ver.

112No Minho é frequente encontrar-se o termo cabaço e ogadouro (Vila do Conde). Em Trás-os-Montes encontramos grabano, garabano e garabanho (Bragança) ou regador (Miranda do Douro). Nas Beiras aparece-nos gravano (Sernancelhe), cabaço (Montemor, Gouveia e Santa Comba Dão). Em Góis chamam-lhe aguadoiro e em Castelo Branco (Sarzedas) aguador. Mais para o ocidente e sul volta a aparecer o termo cabaço (Monte Real, Sesimbra [Alfarim] e Chamusca).

Fig. 83 – Montemor-o-velho, Campos do Mondego.

Fig. 83 – Montemor-o-velho, Campos do Mondego.

Fig. 84 – Póvoa de Varzirn, Aguçadora. Cabaço.

Fig. 84 – Póvoa de Varzirn, Aguçadora. Cabaço.

113As formas variam um pouco, mas o tipo mais comum é uma lata cilíndrica atravessada obliquamente por um cabo de madeira comprido (des. 69). A parte do cabo que atravessa a lata tem uma bainha cilíndrica de lata, como se pode ver no desenho junto. Os de cortiça têm a forma dos de folha, e só os de cabaça mantêm a forma natural do fruto. Os aguadores de Castelo Branco apresentam uma forma diferente. A lata tem a forma de um tronco de cilindro cortado ao meio, no sentido do eixo, e o pau, em vez de oblíquo, como na maioria, está no prolongamento desse eixo.

114Como um cabaço não tira água suficiente para alimentar um bom rego de água, é costume, em alguns lugares, estarem dois homens a tirar água da poça ao mesmo tempo. Em Montemor-o-Velho (Campos do Mondego) este sistema é muito usado e é frequente, no tempo das regas, ver passar gente com o cabaço e a caleira de madeira ao ombro, a caminho dos campos ou de regresso a casa.

115A caleira de madeira é o lugar para onde lançam a água, quando a tiram da poça, e só dali ela corre para o rego aberto na terra.

116Nos curiosos campos de areia da Aguçadoira (Póvoa de Varzim), costumam regar algumas culturas com o cabaço, lançando a água com um movimento brusco dos braços, o que a obriga a cair quase sob a forma de chuva.

Des. 69 – Cabaço.

Des. 69 – Cabaço.

GARABATOS

117Só conhecemos este sistema em Miranda do Douro e não sabemos se existe noutros lugares.

118O garabato é um pau com uma gancha na ponta, onde se dependura a asa de um balde para chegar à água pouco profunda de alguns poços ou presas. O garabato é, assim, um aparelho extremamente simples, uma espécie de cabo independente do balde, que só serve para o baixar e elevar.

CESTOS DE VIME

119Um dos sistemas mais primitivos e ainda em uso nalgumas regiões do País (Góis e Lousã [Foz de Arouce]), se bem que em vias de desaparecimento, é o de elevar a água de rega com cestos de vime. Os trabalhadores metem-se dentro das levadas e, com um cesto vulgar, lançam a água para os regos (Góis). Em Foz de Arouce, o trabalho de mergulhar o cesto na levada e despejá-lo no rego ou caleira é, em geral, feito por mulheres e crianças. Sendo várias pessoas a trabalhar ao mesmo tempo, obtém-se um rego de água razoável.

Notes

1 Informação dada pelo Sr. Dr. António Fialho Pinto, no Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, em Málaga, no ano de 1951.

2 Mário Cardoso, Engenhos de rega movidos pelo homem, Ethnos, 3.°. p. 299 e seguintes.

Table des illustrations

Titre Fig. 66 – Montemor-o-Velho, Carapinheira. Nora de copos manual.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Fig. 67 – Leiria.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Fig. 68 – Vila Nova de Gaia, Canidelo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Des. 49 – Vila Nova de Gaia. Roldana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 50 – Espinho, Paramos. Corretã
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 51 – Vila Nova de Gaia, Candal. Sarilho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Des. 52 – Gondomar. Sarilho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 53 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Sarilho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Fig. 69 – Guarda, Rapoula.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Fig. 70 – Valpaços.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Fig. 71 – Ancião.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 72 – Cantanhede.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 73 – Castelo Branco.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Des. 54 – Tomar. Anteparo onde descansa a ponta do vaivém, e tabuleiro onde a água é despejada.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 55 – Vários dispositivos para funcionamento dos vaivéns.
Légende 1 a 4 – Pombal5 – Viseu6 – Guarda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Des. 56 – Várias ligações dos vaivéns a esteios de granito.
Légende 1 – Leiria2 – Castelo Branco3 – Mangualde
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 74 – Vila Nova de Gaia.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Des. 57 – Vila Nova de Gaia. Bomba de rabiço.
Légende 1 – Junco2 – Sapatilha
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Des. 58 – Braço das bombas de rabiço altas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Des. 59 – Vila Nova de Gaia. Bomba de tear.
Légende 1 – Pau de tear2 – Bomba3 – Barrotes4 – Esteio5 – Pedra6 – Junço
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Fig. 75 – Vila Nova de Gaia, Canidelo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 60 – Albergaria-a-Velha, Anjeja. Bomba de tear dupla.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 76 – Fundão, Aldeia de Joanes. Roda de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Fig. 77 – Oleiros. Roda de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Fig. 78 – Oleiros. Roda de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Fig. 79 – Viana do Castelo, Castelo de Neiva. Roda de água, engenho de pé.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Fig. 80 – Esposende, Marinhas. Engenho de pé.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Fig. 81 – Esposende, Marinhas. Engenho de pé.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Des. 61 — Fundão, Aldeia de Joanes. Roda de tirar água.
Légende 1 — Eixo2 — Braços3 — Contra-braços4 — Cruzeta5 — Cunhas6 — Camba7 — Rasto8 — Chumaceira9 — Burras10 — Prumos11 — Travessa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Des. 62 – Fundão. Os alcatruzes de barro são presos à camba por meio de vimes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 63 – Um ou dois homens movem as rodas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 64 – Oleiros. Conjunto de prumos e travessas a que se agarra o trabalhador.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Des. 65 – Fundão. Penas que se aplicam às rodas tando a corrente do rio é suficiente para as mover.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Des. 66 – Fundão. Pontaria de pé.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 82 – AIjezur. Cegonha de rabo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Des. 67
Légende 1 – Cegonha de rabo – Aljezur2 – Cegonho – Odesseixe3 – Rabo atravessado por um paupara poder ser agarrado por ambas as mãos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 68 – Vila Nova de Milfontes. Espécie de tabuleiro oscilante para tirar água de valas pouco fundas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 83 – Montemor-o-velho, Campos do Mondego.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Fig. 84 – Póvoa de Varzirn, Aguçadora. Cabaço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Des. 69 – Cabaço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6168/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 15k

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search