Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

III. Aparelhos movidos por animais

Texte intégral

1São muito numerosos os aparelhos movidos por animais, bois, mulas e burros. Desde o Minho e Trás-os-Montes até ao Algarve, por toda a parte se encontram aparelhos accionados por animais.

2Podemos dividi-los em quatro tipos principais, embora alguns destes apresentem muitas variedades ou subtipos. Nalguns pôde-se-lhes seguir facilmente a evolução dentro do país, mas trataremos disso no capítulo V.

3Estes quatro tipos representam processos diversos de aproveitar as águas de poças, poços ou rios com águas pouco vivas e incapazes de servir também de força motriz.

4Em todos eles se verifica o aproveitamento de peças ou engrenagens comuns e que são antigas invenções de que mais tarde falaremos. Porém, excluindo essas peças comuns, há outras, tecnologicamente diversas e de diferente origem, como as do engenho, ou nora de buchas.

5Tivemos de usar de uma certa arbitrariedade na escolha dos nomes, pois o que numa terra se chama nora, pode noutra ser um aparelho muito diferente. Mas a necessidade de arrumar as coisas com uma certa ordem, obrigou-nos a aceitar as designações que nos pareceram mais comuns. Em alguns casos não deixaremos de dar os nomes locais, pelo interesse que isso pode ter para os linguistas.

NORAS DE ALCATRUZES

6Designamos assim uma série de aparelhos que vulgarmente são conhecidos por noras mouriscas, embora essa designação possa induzir em erro, pois é fácil atribuir origens falsas a elementos culturais ainda mal estudados.

7Baseados no mesmo princípio, estes aparelhos apresentam um certo número de variedades que trataremos separadamente.

8Estudamos em primeiro lugar as noras mais antigas, em grande parte feitas de madeira (em uso ou já fora dele), e a seguir as noras metálicas mais modernas, que em grande parte, são a continuação das suas antecessoras de madeira. Noutras aparecem já inovações, que se explicam pelas maiores possibilidades que o metal oferece em relação à madeira.

9Dividimos, primeiro, as noras em dois grandes tipos: as noras de rodas dentadas (entrosas) e as noras de sarilho. Todas elas têm em comum uma espécie de cadeado metálico ou de fibras vegetais, de que estão suspensos alcatruzes de barro, de folha, ou de madeira. As noras de rodas dentadas subdividem-se em noras de eixo curto baixo, noras de eixo comprido baixo e noras de eixo comprido alto. As noras de sarilho, subdividem-se em noras de eixo curto baixo e de eixo comprido baixo. Não encontrámos nenhum caso deste tipo com eixo alto.

Fig. 14 – Faro, Marim. Nora.

Fig. 14 – Faro, Marim. Nora.

Subtipo A – Noras de eixo curto baixo

10As noras mais características deste subtipo encontram-se sobretudo no sul do país, chegando porém até Leiria, onde, há uns quatro anos, vimos e fotografámos uma. No Algarve são frequentes a barlavento, e raras em quase todo o sotavento (figs. 14 a 16).

Fig. 15 – Aljezur, Hortas da Carrapateira. Nora.

Fig. 15 – Aljezur, Hortas da Carrapateira. Nora.

11A maior parte do aparelho está metido dentro do poço e encontra-se apoiado em traves encravadas nas paredes. No centro existe um eixo grosso vertical, o pião, que gira entre uma trave horizontal, a ponte, apoiada sobre dois blocos de alvenaria colocados na boca do poço, chamados moirões, e uma tábua mais curta conhecida pela enóra. Da extremidade superior do pião partem dois paus compridos, a um dos quais, ao mais grosso, almanjarra, está preso um balancim com tirantes, por onde o animal puxa. Na extremidade do mais delgado, a guia está presa na almanjarra e não no pião.

Fig. 16 – Faro, Marim. Nora.

Fig. 16 – Faro, Marim. Nora.

Des. 11 – Algarve. Nora.

Des. 11 – Algarve. Nora.

12O pião atravessa uma espécie de tambor, o carreto, formado por duas rodas de madeira ligadas entre si por fuselos, a que chamam fuseis. As rodas fixam-se ao pião por quatro travessas paralelas, de maneira que, quando o pião gira, arrasta consigo o tambor. Na parte inferior do pião há um espigão de ferro, chamado espigo ou ferrão, que gira sobre uma pedra, mealha, como é frequente ver-se nos moinhos de rodízio horizontal.

13Junto do tambor está uma roda dentada, a roda de água, cujo eixo apoia de um lado numa trave em que apoia também o eixo vertical do carreto e, do outro lado, na parede do poço, jogando em chumaceiras.

14A roda de água está fixada ao eixo por quatro travessas em cruz, chamadas braços da roda, e é atravessada por uma série de tornos de madeira, que se prolongam para ambos os lados, dentes. Os dentes da face interna engrenam nos fuselos do carreto e fazem girar a roda de água sempre que o animal atrelado se põe em movimento. Os dentes da face externa, as costas, servem de apoio aos alcatruzes de barro, amarrados a duas cordas.

15Regra geral, o animal utilizado nestas noras pequenas é o burro, a que costumam pôr antolhos de palha, para ele se não aborrecer de andar sem sair do mesmo sítio.

  • 1 A nomenclatura da nora algarvia foi-nos amavelmente fornecida pelo Dr. José Formosinho, ilustre inv (...)

16O movimento de rotação imprimido pelo animal ao pião faz girar a engrenagem, e os alcatruzes mergulham na água do poço de boca para baixo e sobem cheios, vertendo a água numa espécie de tabuleiro, quando chegam ao cimo da roda de água1.

17Antigamente, noras como esta deviam ser muito frequentes pelo sul do país. Em 1950 ainda estavam em uso noras parecidas com estas em Caneças, próximo de Lisboa, e é natural que ainda haja algumas pela Estremadura, que nas nossas excursões não conseguimos encontrar.

Des. 12 – Loures, Caneças. Nora.

Des. 12 – Loures, Caneças. Nora.

1 – Eixo
2 – Entrosga ou carreto
3 – Roda de balanço
4 – Almanjarra
5 – Pilares
6 – Balancim
7 – Moente
8 – Alcatruz

Fig. 17 – Loures, Caneças. Nora.

Fig. 17 – Loures, Caneças. Nora.

18A nora de Caneças trabalhava sobre o poço, apoiada e amparada por duas traves de madeira, assentes em pilares de pedra e cal. O eixo (êxe) vertical, apoiado no moente, atravessa um tambor (carreto ou entrosga), ao qual está fixado por quatro travessas de madeira, colocadas no disco superior e inferior do tambor. Quando o eixo gira, arrasta consigo o tambor, que, por sua vez, transmite o movimento à roda de balanço, cujos dentes de madeira a atravessam de lado a lado. Os dentes da face interna servem para accionar a roda de balanço, os da face externa servem de suporte às cordas, a que estão presos os alcatruzes de folha, por arames enfiados numas argolas na face interna dos mesmos (fig. 17) (des. 12).

19Do alto do eixo desce a almanjarra, que termina no balancim a que se prendia a besta.

20Sob o ponto de vista tecnológico este aparelho é praticamente igual à nora algarvia atrás descrita. Só difere por ter os pilares altos, por ser de maiores dimensões e pela forma da almanjarra, que é composta, pois tem de descer até ao nível onde se encontra o animal. A vantagem desta nora é poder elevar a água a um nível mais alto e poder regar campos distantes, mais elevados do que aqueles onde se encontra o poço.

21Pelo litoral do centro do país, entre Soure e Tomar, encontram-se ainda noras deste género. Em lugar dos pilares de pedra e cal, apresentam de preferência prumos de madeira devidamente escorados, que terminam por espigas que atravessam e firmam a ponte, também de madeira. Às vezes, aparece em substituição da ponte a trave comprida, como é vulgar ao norte do Mondego. O pião e a almanjarra são idênticos aos das noras algarvias. O carreto é, porém, bastante diferente e assemelha-se a outros, de modelo diverso, usados em aparelhos de que falaremos adiante (des. 13). É formado por dois diâmetros duplos que se cruzam deixando um olhal, por onde passa o pião, e por um aro de ferro, neles pregado, no qual ficam cravados os dentes. Por vezes, surgem mesmo carretos mais simplificados, onde, em lugar dos diâmetros duplos, há simplesmente dois braços em cruz, que atravessam a espessura do pião.

Des. 13 – Leiria. Nora de eixo curto baixo. Em lugar dos moirões de pedra e cal tem prumos de madeira cravados no solo, e o carreto é diferente do das noras do Algarve.

Des. 13 – Leiria. Nora de eixo curto baixo. Em lugar dos moirões de pedra e cal tem prumos de madeira cravados no solo, e o carreto é diferente do das noras do Algarve.

22A roda dos alcatruzes e cadeado de ferro são iguais aos empregados nas noras metálicas modernas.

23Na região de Tomar são muito frequentes os esteios de pedra segurando a ponte. Estão colocados um de cada lado dos poços, que aqui têm a boca mais estreita que os de Leiria e Soure.

24Há uns quatro anos, vimos, entre Monte Real e Monte Redondo (fig. 18), uma nora antiga, muito semelhante às algarvias, em que o carreto era todo de madeira, assim como a roda onde estava suspenso o cadeado, com os alcatruzes de madeira. Ainda se encontram hoje, com frequência, rodas e alcatruzes de madeira, mas vão diminuindo de ano para ano e é de crer que rapidamente desapareçam.

Fig. 18 – Leiria, entre Monte Real e Monte Redondo.

Fig. 18 – Leiria, entre Monte Real e Monte Redondo.

Fig. 19 – Leiria, Gândara.

Fig. 19 – Leiria, Gândara.

Des. 14 – Leiria. Ainda se empregam rodas e alcatruzes de madeira.

Des. 14 – Leiria. Ainda se empregam rodas e alcatruzes de madeira.

25A nora que fotografámos devia ser um dos poucos exemplares ainda não modernizados. Só o cadeado de ferro com os alcatruzes de madeira teriam substituído as cordas e os alcatruzes de barro antigos (des. 14).

Fig. 20 – Moncorvo.

Fig. 20 – Moncorvo.

26Pela Estremadura e mesmo fora desta província está muito espalhada uma nora, que é um meio termo entre a antiga nora de pau e a nora moderna de ferro (fig. 19). Em 1949 fotografámos uma nora em Moncorvo bastante parecida com estas (fig. 20). Por ser um caso esporádico, é de crer que fosse uma experiência de qualquer proprietário transmontano, e não deve resultar da transformação de alguma nora deste género com raízes na região.

27Às vezes encontram-se inovações curiosas, como numa nora de Gândara, Leiria, em que o pião e braços do carreto são feitos de um bloco de cimento armado. Esta inovação tem a vantagem de substituir a madeira, que é um material pouco durável, quando exposto ao tempo, e por outro lado barato e muito resistente. Só o aro e os dentes são de ferro.

28Nesta região e mais para o interior da Beira está muito espalhado o termo de engenhos de ponteria ou de pontaria para designar estas noras. Será uma derivação da ponte, peça de madeira que serve para sustentar o pião? Os linguistas saberão dizê-lo.

Subtipo B – Noras de eixo comprido baixo

29Nem sempre a roda de balanço fica junto do carreto. Há noras em que este fica longe do poço e só aquela trabalha sobre a água, montada na extremidade de um eixo horizontal comprido.

30Quando a água tem de ser elevada apenas até ao nível do solo, o eixo passa por baixo do passeio do gado, razão porque lhes chamamos noras de eixo comprido baixo.

31Quando a água tem de ser elevada a nível mais alto, carreto e eixo trabalham por cima do gado. São estas as noras de eixo comprido alto.

32Vamos aqui tratar das noras de eixo comprido baixo e que pouco diferem das noras de eixo curto de Soure e Leiria que atrás descrevemos. A única diferença está no comprimento do eixo, que tem na extremidade a roda de balanço, trabalhando sobre o poço.

33Nas de Leiria e Soure a fixação ao solo faz-se por meio de estacas de madeira fortemente cravadas na terra. Podem ver-se no desenho 13 os pormenores do aparelho. As entrosas (entrosgas) têm os diâmetros duplos e o aro de ferro com dentes, como nos aparelhos atrás descritos.

34A roda de balanço e os alcatruzes ainda são, neste exemplar, de madeira. Só o calabre já é de ferro. Isto é, porém, bastante raro na região. O mais frequente, hoje em dia, é serem de ferro, embora iguais às antigas de madeira, razão porque as mencionaremos mais pormenorizadamente ao falar das noras de ferro modernas (fig. 21).

35Nas noras deste tipo, que se encontram pelos campos de Coimbra, principalmente ao norte do Mondego, o pião gira numa chumaceira fixa a uma trave lançada entre duas árvores, ou entre prumos de madeira. O espigão da extremidade inferior roda sobre uma ranhura aberta numa ponta de tronco enterrada horizontalmente (fig. 22) (des. 15).

Fig. 21 – Soure, Casal das Rolas.

Fig. 21 – Soure, Casal das Rolas.

Fig. 22 – Campos do Mondego. Nora de eixo comprido baixo.

Fig. 22 – Campos do Mondego. Nora de eixo comprido baixo.

Des. 15 – Coimbra. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).

Des. 15 – Coimbra. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).

36Nestas noras, as entrosas, ou entrosgas, são quase sempre inteiramente de madeira. Os dentes de pau estão encravados no aro de madeira e seguros por pequenos tornos. A fixação ao pião ou eixo obtém-se pelos dois diâmetros duplos, que formam um olhal no centro, onde aquele fica entalado.

37Em geral, estão colocadas numa pequena cova, o barroco, a meio do passeio circular do gado, a que chamam compasso.

38São raras as rodas de balanço feitas de madeira; são quase todas como as das noras modernas deste tipo.

39O uso da trave, em vez da ponte, é muito mais frequente ao norte do Mondego que ao sul.

Fig. 23 – Esposende. Engenho.

Fig. 23 – Esposende. Engenho.

40Estes aparelhos de eixo baixo são muito mais raros que os de eixo alto. Como dissemos, aparecem com certa frequência nas terras planas e baixas dos campos do Mondego, na região de Soure e ainda a noroeste de Leiria.

Fig. 24 – Esposende, Marinhas. Engenho.

Fig. 24 – Esposende, Marinhas. Engenho.

Des. 16 – Esposende. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).

Des. 16 – Esposende. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).

1 – Aros
2 – Braços
3 – Vidores
4 – Guilho ou veio
5 – Copos
6 – Masseira

41Em Esposende encontram-se também noras de eixo comprido baixo, constando de um pião (e respectiva almanjarra para tracção de gado bovino, geralmente um só animal) com uma entrosa horizontal, de dentes verticais voltados para baixo, engrenando num carrinho vertical composto de dois discos de tábua dupla cada, nos quais enmalhetam os fuseis ou viradores-, o carrinho situa-se numa das extremidades de um eixo comprido (raso com o solo), onde, na outra extremidade, está uma roda de alcatruzes. Esta é constituída por dois aros, um dos quais é aparafusado aos braços que atravessam o eixo, munido, em ambas as pontas, de um guilho ou veio, rodando sobre chumaceiras de madeira; os aros são atravessados por doze viradores, sobre os quais se vai apoiando o cadeado dos copos ; cada face lateral destes prolonga-se em ambos os sentidos, e é nesses prolongamentos que, através de um eixo comum, se opera a ligação e articulação com o copo seguinte; mas é frequente essa ligação ser reforçada por pranchetas de ferro, e os afuseis serem também desse material: o movimento mais rápido pede mais esforço ao cadeado dos copos. A água cai dos copos na masseira, que é idêntica à de engenhos doutros tipos (figs. 23 e 24, des. 16 e 17).

42Estes engenhos são integralmente em madeira, à excepção dos guilhos (e das pranchetas de reforço, quando existem), que são de ferro; e mostram ainda a peculiaridade da forma e processo de encadeamento dos alcatruzes, que não conhecemos em nenhuns outros aparelhos, e que poderão ser observados no desenho 16, apresentado ao tratarmos dos engenhos movidos a pé, existentes nesta mesma área.

Des. 17 – Esposende. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).

Des. 17 – Esposende. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).

1 – Entrosa
2 – Dentes
3 – Carrinho
4 – Viradores ou Fuseis

Subtipo C – Noras de eixo comprido alto

43As noras de eixo comprido alto são muito abundantes e delas provêm as modernas noras deste tipo, tão vulgares no centro e no sul do país.

44São já raros aparelhos destes com as entrosas todas de madeira (figs. 25 a 28). Isto dá-se principalmente quando as noras estão protegidas do tempo por cobertos. Umas vezes o carreto é semelhante ao das noras algarvias, com fuselos encravados entre dois aros de madeira, outras é semelhante ao das noras de eixo baixo dos campos de Coimbra, atrás descritas. Como exemplo deste último caso, reproduzimos aqui a fotografia (figs. 29 e 30) de uma nora que vimos ainda em uso em 1950, em S. Facundo, na estrada Geria-Cantanhede; o primeiro vai ilustrado com a fotografia de uma nora de Setúbal (fig 31). Segundo um informador de Tinto, Pombal, onde vimos aparelhos idênticos, as rodas de balanço tinham sido de madeira; também chamava a toda a nora uma entrosga. É frequente encontrarem-se informadores que designam o todo com o nome de uma das partes.

45Em 1951, vimos em Almada, numa quinta grande na estrada da Torre para a Trafaria, uma nora em uso, com entrosas e roda de balanço de madeira, e alcatruzes de barro (fig. 32). As entrosas são discos de madeira, e a do eixo é travada para a roda de alcatruzes por meio de barrotes que se cruzam formando um duplo cone.

Fig. 25 – Algarve. Engenho de madeira.

Fig. 25 – Algarve. Engenho de madeira.

Fig. 26 – Olhão, Marim. Engenho de madeira.

Fig. 26 – Olhão, Marim. Engenho de madeira.

Fig. 27 – Tavira, Conceição. Engenho de madeira.

Fig. 27 – Tavira, Conceição. Engenho de madeira.

Fig. 28 – Leiria, Gândara. Engenho.

Fig. 28 – Leiria, Gândara. Engenho.

Fig. 29 – Coimbra, S. Facundo.

Fig. 29 – Coimbra, S. Facundo.

Fig. 30 – Coimbra, S. Facundo.

Fig. 30 – Coimbra, S. Facundo.

Fig. 31 – Setúbal.

Fig. 31 – Setúbal.

46É muito difícil encontrar, hoje em dia, aparelhos ainda tão preservados. Pelos campos de Coimbra, onde há muitos aparelhos de eixo alto, as entrosgas e as rodas de balanço são de ferro, embora os eixos sejam ainda de madeira (des. 18 e 19). Estas noras são na região muito homogéneas e chamam-lhes calabres ou engenhos. Noutros sítios, calabre designa apenas o cadeado. Aqui também chamam calabre ou corrente ao cadeado.

Des. 18 – Coimbra. Calabre.

Des. 18 – Coimbra. Calabre.

47A restante nomenclatura é a seguinte: eixo vertical, pião ; roda dentada horizontal, dobadoira; eixo horizontal com entrosga; a trave que segura o eixo horizontal, onde gira o topo do pião, é a raposa. Almanjarra é cambão. A roda aguadeira é o tambor, sobre o qual está suspensa a corrente com os cabaços. A água destes é lançada num tabuleiro de madeira.

48O engenho ou calabre está abrigado por um amplo alpendre chamado telheiro.

49Em Gândara, perto de Leiria, as entrosas e as rodas de balanço têm diâmetros duplos, como outras de que atrás falámos. Nas entrosas, estes diâmetros são unidos por pequenas pontas de barrote (des. 20 a 22). Aqui, os nomes das peças diferem um pouco dos que conhecemos noutras regiões. À roda de balanço chamam dobadoira, à entrosa do eixo roquete, e à almanjarra cabeçalho. Os alcatruzes são geralmente de madeira e raras vezes de folha.

50Em Carvalho de Figueiredo, Tomar, vimos uma nora idêntica; mas a gente do sítio lembrava-se da roda de balanço, roda de água, ter sido toda de madeira.

Des. 19 – Coimbra, S. João do Campo. Calabres (pormenores).

Des. 19 – Coimbra, S. João do Campo. Calabres (pormenores).

Des. 20 – Leiria, Gândara. Calabre.

Des. 20 – Leiria, Gândara. Calabre.

1 – Dobadoira
2 – Alcatruzes, presos ao calabre
3 – Roquete
4 – Pião
5 – Cabeçalho

Des. 21 – Leiria, Gândara. Entrosas do calabre.

Des. 21 – Leiria, Gândara. Entrosas do calabre.

Des. 22 – Leiria, Gândara. Calabre (pormenores).

Des. 22 – Leiria, Gândara. Calabre (pormenores).

Fig. 32 – Almada, da Torre para a Trafaria.

Fig. 32 – Almada, da Torre para a Trafaria.

NORAS DE SARILHO

51Em certas zonas, a transmissão do movimento à roda de água faz-se não pelo habitual sistema de rodas dentadas, mas por meio de um sarilho: dois fortes braços dispostos em cruz no pião, horizontalmente, actuando sobre a roda de água (vertical) imediata ou mediatamente (sobre o eixo dessa roda), e sendo por isso de eixo curto ou de eixo comprido respectivamente. O sistema é tosco, e parece ser mais arcaico do que o de rodas dentadas.

Tipo A – Noras de sarilho de eixo curto

52Neste tipo, os braços do sarilho, dispostos horizontalmente no pião, engrenam imediatamente nos raios da roda de água, que fica contígua a ele, e é por isso de eixo curto. O conjunto do sarilho e roda situa-se no centro do passeio do gado que puxa a almanjarra.

  • 2 Fritz Krüger, Die Nordwestiberische Volkskultur, in «Wörter und Sachen», vol. X, Heidelbergue, 1927 (...)

53Na Ferradosa, Valpaços, vimos, em 1949, uma nora deste sistema ainda em uso, que mostrava uma travação de reforço, de cruzetas lançadas entre os braços do sarilho, para conferir maior solidez ao conjunto; a roda era de madeira (figs. 33/35), e os elos do calabre eram formados apenas por uma prancheta de ferro. Fritz Krüger descreve também este tipo, que viu na Veiga de Chaves pelos anos de 19202, em lugares onde por volta de 1950 já nada encontrámos, o que prova o rápido desaparecimento dos aparelhos tradicionais. Não conhecemos aparelhos deste sistema em nenhuma outra região do País.

Fig. 33 – Valpaços, Ferradosa. Nora de sarilho.

Fig. 33 – Valpaços, Ferradosa. Nora de sarilho.

Fig. 34 – Valpaços, Ferradosa. Nora de copos.

Fig. 34 – Valpaços, Ferradosa. Nora de copos.

Fig. 35 – Valpaços, Ferradosa. Pormenor da nora de sarilho.

Fig. 35 – Valpaços, Ferradosa. Pormenor da nora de sarilho.

Des. 23 – Tomar, Santa Cita. Nora de sarilho.

Des. 23 – Tomar, Santa Cita. Nora de sarilho.

1 – Pião
2 – Almanjarra
3 – Ponte
4 – Rela
5 – Eixo
6 – Roda de água, com calabre e alcatruzes

Tipo B – Noras de sarilho de eixo comprido

54Neste tipo, os braços do sarilho, igualmente dispostos horizontalmente no pião, engrenam nos braços de outro sarilho disposto verticalmente numa das extremidades do eixo da roda de água, fazendo-o assim girar, e com ele, mediatamente, a roda de água, situada na outra extremidade desse eixo; este é pois de eixo comprido, e o seu maior comprimento permite que o conjunto da nora e calabre fiquem por fora do passeio do gado que puxa a almanjarra do pião. Encontrámos noras de sarilho de eixo comprido em Santa Cita, Tomar, e nas margens do Tejo, abaixo da estação de caminho-de-ferro de Alvega, perto da barragem de Belver (e, de acordo com certo informante, existiam ainda em outros lugares da Estremadura e Ribatejo).

55A nora de Santa Cita constava de um pião curto de madeira, com uma almanjarra atravessada na parte superior, à qual se atrelava o animal. O pião apresentava um estrangulamento a meio, e ficava ai amparado por uma ponte de madeira, encravada dos dois lados em paus verticais. O espigão inferior do pião girava numa rela de pedra, junto à qual se apoiava o espigão do eixo horizontal que fazia mover a roda de água, com calabre e alcatruzes de metal (des. 23). Nas noras próximas da barragem de Belver notámos a travação de reforço, de cruzetas lançadas entre os braços do sarilho horizontal, como na nora de sarilho de eixo curto de Valpaços.

RODAS DE ALCATRUZES

56Chamamos rodas de alcatruzes a engenhos semelhantes às noras de eixo comprido baixo que, em vez da roda de água e do calabre, têm os alcatruzes presos a uma roda de madeira, cuja parte inferior está mergulhada na água. Estes aparelhos estão espalhados pelas terras baixas para oeste de Coimbra, onde apresentam vários nomes. Junto a Coimbra ouvimos chamar-lhes rodas de arrastar. Em S. João do Campo chamam-lhes: engenhos, rodas de tirar água ou panos de tirar água. Na margem sul do Mondego, em frente a Montemor, são conhecidos por noras. Parece que o termo mais generalizado é o de nora.

57Estes engenhos servem, apenas, para tirar a água de poças ou valas pouco profundas e costumam ser tocados por um só boi, pois o peso a elevar é relativamente pequeno (figs. 36 e 37).

58O pião, as entrosgas, o eixo, todas as peças, enfim, que constituem a parte motora, são as mesmas que as das noras de eixo comprido baixo (des. 24). A roda, porém, apresenta a novidade de ser composta de um aro delgado de tábuas de soalho, com dois diâmetros duplos, direitos ou encurvados, que deixam no centro um olhal quadrado, por onde passa o eixo. Este tem, quase sempre, como bancal, a extremidade de um toro posto a prumo e escorado por outros toros.

59O diâmetro da roda varia com a diferença de nível de elevação da água. As maiores, que medimos, tinham 6 m de diâmetro. Os alcatruzes ou cabaços são pregados, com a boca ligeiramente virada para fora da roda, a fim de a água poder cair dentro do tabuleiro, que se encontra um pouco afastado dela (des. 25).

60Os alcatruzes têm uma capacidade média de 5 litros, mas quanto maior é a roda, mais pequenos eles são, para evitar que o peso se torne excessivo.

Des. 24 – Coimbra, S. João do Campo. Nora ou roda de tirar água.

Des. 24 – Coimbra, S. João do Campo. Nora ou roda de tirar água.

1 – Pião
2 – Entrosas
3 – Dentes
4 – Eixo
5 – Tabuleiro
6 – Ardiguais (?)
7 – Raposa
8 – Bancal
9 – Barroco

Fig. 36 – Coimbra, S. João do Campo. Entrosas da roda de tirar água.

Fig. 36 – Coimbra, S. João do Campo. Entrosas da roda de tirar água.

Fig. 37 – Coimbra. S. João do Campo. Roda de tirar água.

Fig. 37 – Coimbra. S. João do Campo. Roda de tirar água.

61As rodas são retiradas das poças logo que acaba o tempo das regas. Uns levam-nas para casa, onde as abrigam atrás de qualquer muro, ou debaixo de um telheiro; outros dependuram-nas dos galhos de qualquer árvore próxima. Os alcatruzes, como é natural, são sempre guardados em local seguro.

62As rodas de alcatruzes costumam estar colocadas em locais ensombrados, o que lhes dá ar bastante pitoresco, porque a poça baixa está geralmente rodeada de árvores, que a protegem do Sol com as suas ramagens.

Des. 25 – Coimbra. Roda das noras.

Des. 25 – Coimbra. Roda das noras.

63Em Casal das Rolas, Soure, vimos uma roda destas, modernizada. Era composta de um aro de ferro pregado numa armação de madeira, semelhante à das rodas hidráulicas de Soure, com braços e cruzeta (fig. 38, des. 26). O pião não girava amparado pela trave usual, mas pela ponte, vulgar na região.

64Por informações colhidas nalguns lugares, parece que, outrora, estas rodas de alcatruzes se encontravam em regiões, onde hoje já não existem. Pondo toda a reserva nas afirmações, que nem sempre são insuspeitas, parece que havia rodas semelhantes a estas no Fundão e em Porto de Mós. Hoje só as encontramos junto da Foz do Mondego.

Fig. 38 – Soure, Casal das Rolas. Roda modernizada.

Fig. 38 – Soure, Casal das Rolas. Roda modernizada.

Des. 26 – Soure, Casal das Rolas. Roda modernizada.

Des. 26 – Soure, Casal das Rolas. Roda modernizada.

ENGENHOS DE BUCHAS

65Numa região compreendida dentro de um semicírculo de 70 km de raio, tomando a cidade do Porto como centro, encontra-se um aparelho de elevar a água de rega, que diverge tecnologicamente de todos até agora descritos, e a que o povo chama geralmente «engenho de buchos».

66Estes engenhos compõem-se, em princípio, de um cano feito de troncos de pinheiro, perfurados, mergulhado até ao fundo de um poço, pelo interior do qual sobe um cadeado de ferro, a que estão presas, a intervalos iguais, buchas de madeira cintadas de cortiça. Estas buchas, ao subir, arrastam uma coluna de água pelo interior do cano.

67Embora se não encontrem tais engenhos para além daquela região, pode dizer-se que a área de expansão está longe de ser regular. Entre o Cávado e o Vouga, os engenhos de buchas surgem com maior ou menor densidade, mas, conforme caminhamos do Porto para leste, vão diminuindo, e, para além dos 50 km, são bastante raros.

68Para quem vem do sul os engenhos de buchas começam a aparecer ao norte de Estarreja e formam por Válega o núcleo mais denso de toda a sua área de difusão.

69Daí para o norte e para o interior vão aparecendo de maneira irregular, na faixa que fica entre o mar e uma linha que segue por Oliveira de Azeméis, Vila da Feira, parte ocidental do concelho de Castelo de Paiva, Penafiel, Amarante, Guimarães, Braga, Vila Verde, Barcelos e o rio Cávado até ao mar.

70Dentro desta área, além do núcleo de Válega, a que já aludimos, estes engenhos abundam por Gaia, Porto, sul do concelho da Maia e Gondomar. Há um grupo bastante denso por Angeiras (Matosinhos) e Labruje (Vila do Conde) e voltam a ver-se com frequência, numa área reduzida, em Nabais (Póvoa de Varzim).

71Ao sul do Vouga vêem-se alguns por Anadia e dizem terem existido casos isolados em Ílhavo, donde já desapareceram há muito.

DESCRIÇÃO DO ENGENHO DE BUCHAS

72Há uma grande homogeneidade entre todos estes engenhos, quer na forma, quer na nomenclatura, quando eles se apresentam no seu aspecto primitivo. Só com o tempo, as peças de madeira foram sendo substituídas, aqui ou ali, por peças semelhantes de ferro; ou então adaptou-se o sistema das buchas a sistemas de propulsão diversos, como bombas manuais ou mesmo motores a gasolina, como mais adiante veremos.

73Descreveremos um engenho de Vila Nova de Gaia, Aguda (figs. 39/40). Podemos considerar o engenho dividido em duas partes: a primeira formada pelo carreto, onde gira o cadeado com as buchas e pelo tronco de pinheiro furado, pelo interior do qual sobe o cadeado; a outra parte é formada pela roda dentada horizontal, presa a um pião, onde está encravado um cambão a que jungem o gado para mover o engenho.

Fig. 39 – Vila Nova de Gaia, Aguda. Engenho de buchas.

Fig. 39 – Vila Nova de Gaia, Aguda. Engenho de buchas.

741.a parte. Dentro do poço, e mergulhado na água até perto do fundo, está o cano de pinheiro, «a bomba», escorado durante o trajecto por paus lançados às paredes. A bomba é formada por várias peças encaixadas umas nas outras, entrando a ponta aguçada, emecha, dentro da extremidade alargada do outro cano, «embocadura». A peça do fundo, a que chamam bomba de baixo, está rasgada longitudinalmente nos últimos 0,50 m ou 0,60 m, em metade do diâmetro, de maneira a formar uma espécie de caleira, aventa ou aventão, que serve para guiar o cadeado com as buchas, à medida que, na subida, ele vai entrando na bomba (des. 27).

75O diâmetro interior do tubo não é igual em todo o seu comprimento. No fundo, e num percurso mais ou menos igual ao espaço de três buchas, ele é mais estreito uns 2 cm que no resto. Neste trajecto, as buchas passam ligeiramente apertadas contra as paredes, não deixando, assim, fugir a água. A esta parte mais estreita dão o nome de registo. Daí para cima vão as buchas já folgadas, para evitar esforço desnecessário aos animais. Esta bomba de baixo é, pois, uma peça fundamental. Daí para cima colocam-se tantas quantas forem necessárias para atingir a boca do poço, o que depende não só da profundidade deste, como do comprimento dos paus de pinheiro de que dispõem.

76O cadeado é formado por elos de ferro e tem a forma de um rosário com as buchas de madeira presas em intervalos iguais. As buchas têm umas cintas de cortiça para fazer melhor a vedação, e estão dispostas de 9 em 9 ou de 10 em 10 elos. A estes intervalos dão o nome de terno (Canidelo), ou rançada (Vilar de Andorinho). À operação de colocar a cortiça nas buchas chamam «solar ou afastar o engenho» (des. 28).

Fig. 40 – Vila Nova de Gaia, Aguda. Engenho de buchas.

Fig. 40 – Vila Nova de Gaia, Aguda. Engenho de buchas.

77O cadeado passa no alto pelo carreto, apoiando-se cada elo nos viradores de ferro, espaçados de maneira a que batam certo com cada elo que sobe.

78Este carreto é duplo. De um lado estão os viradores e do outro ficam os fusais ou afusais, onde engrenam os tornos da roda dentada. As rodas dos carretos são, em geral, de pinho e os afusais de oliveira. O veio do carreto move-se nos bancais, que com as traves formam o estrado, onde assenta a rela e, portanto, a roda.

792.a parte. A roda dentada horizontal é grande, e está armada à volta do eixo, ou mastro, ao qual está fixada pelas cruzes (Vilar de Andorinho) ou hastes (Canidelo) e pelas gáspeas. Estas são todas de madeira, ou de madeira e ferro alternadamente. A parte superior do eixo gira na castanha, presa a uma grande trave horizontal, apoiada em dois esteios, e na parte inferior tem um espigão que gira sobre a rela de pedra. Os dentes ou tornos da roda são sempre de oliveira.

80O cambão a que jungem o gado tem o nome de manjôrra ou jôrra.

Des. 27 – Vila Nova de Gaia. Bomba de um engenho de buchas.

Des. 27 – Vila Nova de Gaia. Bomba de um engenho de buchas.

ALGUMAS VARIANTES DE ENGENHOS DE BUCHAS

Ovar

81Na região de Válega, os engenhos costumam estar resguardados por uns curiosos cobertos, assentes em colunas, que se vêem profusamente espalhados pelos campos. Estes engenhos são uniformes, e sempre muito bem acabados. Os eixos, as travessas, ou as cruzetas e as cunhas da roda patenteiam mesmo o desejo de conseguir um efeito estético agradável, o que os diferencia dos engenhos de outros lugares (fig. 41).

Des. 28 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Pormenor do engenho de buchas.

Des. 28 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Pormenor do engenho de buchas.

82A chumaceira superior do eixo da roda está segura como em Gaia, numa grossa trave, que aqui fica apoiada nos poiais do coberto. As gáspeas são sempre de ferro, mesmo nos engenhos mais velhos, e as cruzetas são simples (des. 29 a 32).

83O processo de prender o cambão, onde jungem o gado, é diferente do de Gaia e parece ser usado apenas nesta região.

Fig. 41 – Ovar, Válega. Telheiro de engenho.

Fig. 41 – Ovar, Válega. Telheiro de engenho.

84A armação de traves de madeira que sustenta o engenho sobre o poço, a que em Gaia chamam estrado, está aqui limitado a duas traves, seguras pelos paus de travar.

85As rodas do carreto, que em Gaia são todas do mesmo diâmetro, aqui são diferentes. A roda dos passadores, virada para dentro do poço, é sempre mais pequena que as outras duas.

86A bomba, como os poços são mais baixos, tem geralmente só duas peças: a boca de baixo e o emendo. As buchas estão dispostas de cinco em cinco elos, e têm sempre cortiça e sola, pois dizem eles que a cortiça moleja sobre a sola, e que a vedação é mais perfeita.

Porto

87Já se não encontram rodas de madeira nos engenhos do concelho do Porto. Os carretos costumam ter os passadores virados para o lado exterior do poço. Dizem que assim torna mais fácil a sua colocação e reparação.

88Ao espaço entre duas buchas chamam cambota. As buchas são apenas encortiçadas (só raras vezes usam uma tira de pneu em substituição da cortiça). É costume encortiçar uma bucha sim, e outra não. Desta maneira o registo (espaço do tubo com menor diâmetro) tem o comprimento de duas cambotas e um pouco mais, de modo a haver sempre uma bucha encortiçada dentro dele.

89Como há aqui poços bastante fundos, a bomba tem, além do pé de baixo, um, dois ou três emendos.

Des. 29 – Ovar, Válega. Processo de prender o cambão onde jungem o gado.

Des. 29 – Ovar, Válega. Processo de prender o cambão onde jungem o gado.

Des. 30 – Ovar, Válega. Armação de traves que sustenta o engenho sobre o poço.

Des. 30 – Ovar, Válega. Armação de traves que sustenta o engenho sobre o poço.

Gondomar

90Em Gondomar ainda há muitos engenhos com rodas de madeira. À parte superior do eixo, que gira apoiado na trave, chamam cantadoura.

91Como no Porto, os viradores do carreto estão do lado de fora da roda, e são de madeira, com umas pequenas peças de ferro forjado colocadas por fora, os viradores de ferro (des. 33).

92Os engenhos desta região são bastante toscos, relativamente homogéneos e quase que inteiramente feitos de madeira.

Des. 31 – Ovar, Válega. As rodas do carreto são aqui de diâmetros diferentes.

Des. 31 – Ovar, Válega. As rodas do carreto são aqui de diâmetros diferentes.

Des. 32 – Ovar, Válega. Pormenores do engenho.

Des. 32 – Ovar, Válega. Pormenores do engenho.

93A nomenclatura diverge bastante da das outras regiões. A bomba é formada pela fábrica (bomba do fundo), as emendas e o carapuço de saída (a emenda de cima). Chamam emboque à ligação das várias peças da bomba. (Não usam os termos emechas e embocaduras como em Gaia). A roda tem o nome de carreleta e as gáspeas são os urrões. Às cruzes chamam pias e às cunhas fechas.

94Os poços são aqui muito fundos; alguns atingem 22 m, por isso é frequente os engenhos terem duas manjorras, pois uma única junta de bois não era suficiente para tirar água.

Des. 33 - Porto. 1

Des. 33 - Porto. 1

Cantadoura
2 – Vidaror de ferro

Matosinhos

95Por Pampelido, o eixo da roda gira numa chumaceira que o abraça a meia altura (figs. 42/44). Faltam as traves atravessadas sobre os engenhos, como é frequente noutras regiões. Este sistema volta a aparecer ao norte da Póvoa de Varzim. Em Iribo (Penafiel), vimos um engenho neste género.

96A trave parece dar muito mais segurança ao aparelho. Um bombeiro de Braga explicou-nos, pitorescamente, que um homem agarrado pela cabeça também fica muito mais seguro, do que agarrado pela cinta. Não sabemos qual dos sistemas é mais antigo. O certo é que, além destes casos que apontámos, pode dizer-se que não se encontram engenhos que não se apoiem à trave.

97Ainda dentro do concelho, na freguesia de Lavra, os engenhos já voltam a ter trave.

Fig. 42 – Matosinhos, Pampelido. Nora de buchas.

Fig. 42 – Matosinhos, Pampelido. Nora de buchas.

98Tanto numa freguesia como noutra, a parte do carreto com os passadores está geralmente do lado de fora do engenho. Na freguesia de Lavra também aparecem engenhos com dois cambões, não só porque os poços são fundos, como pela necessidade de poupar o gado turino, usado na região, e em geral menos robusto que o nacional, mas melhor produtor de leite.

Fig. 43 – Matosinhos, Lavra. Nora de buchas.

Fig. 43 – Matosinhos, Lavra. Nora de buchas.

Fig. 44 – Matosinhos, Lavra. Nora de buchas.

Fig. 44 – Matosinhos, Lavra. Nora de buchas.

Vila do Conde

99Em Labruje, os engenhos são semelhantes aos de Lavra (Matosinhos). Também são frequentes os dois cambões de que falámos atrás. Nesta região, uns 4 % dos engenhos já são movidos a motor, e as rodas de madeira parece serem mais raras.

Póvoa de Varzim

100O engenho desta região é semelhante aos de Pampelido (Matosinhos), com a chumaceira superior colocada a meio do eixo. Mas nestes, a parte do carreto com os passadores é virada para dentro. Além disso, a diferença de diâmetro das rodas do carreto é muito grande. De uma maneira geral, estes engenhos apresentam dimensões muito reduzidas. São os engenhos mais pequenos que conhecemos (fig. 45).

Braga

101São aqui raríssimas as rodas de madeira. O cadeado tem o nome curioso de rosário, pela analogia que apresenta com um rosário, devido às buchas enfiadas com intervalos iguais. Dizem, mesmo, um engenho de rosário.

Fig. 45 – Póvoa de Varzim, Navais. Nora de buchas.

Fig. 45 – Póvoa de Varzim, Navais. Nora de buchas.

ENGENHOS TRANSFORMADOS OU COM ADAPTAÇÕES NOVAS

102Por toda a parte, os engenhos de buchas vão sofrendo transformações, como consequência natural do desejo que o homem tem de aperfeiçoar e tirar melhor rendimento dos seus aparelhos tradicionais.

103A transformação mais frequente é a substituição da roda de madeira por uma roda de ferro, mais duradoira e resistente. A seguir vem a substituição do carreto de madeira por um de ferro. Um vizinho mais progressivo começa; o ferreiro, depois de fazer o primeiro, facilmente fabrica mais, e, a pouco e pouco, vai-se fazendo a substituição do material perecível por um mais duradoiro. Só a parte mais característica dos aparelhos, que, afinal, é a bomba e o cadeado de buchas, se vai mantendo sem modificações sensíveis.

104As rodas de ferro são de vários tipos. Aparecem algumas de ferro fundido, fabricadas em série nas oficinas de fundição. Mas as mais frequentes são de ferro forjado e mantêm exactamente a forma das suas antecessoras de pau (des. 34, 35).

  • 3 Em Rio Tinto, ao norte do Porto, há um poço de uns 14 m de profundidade, com um engenho de buchas a (...)

105Depois que começámos a trabalhar neste assunto já assistimos ao desaparecimento de inúmeros engenhos e noras ou à substituição por outros mais modernos, ou por motores. Em vários lugares, mas sobretudo pelo sul do concelho de Vila do Conde, a roda está a ser substituída pelo motor. Só se mantêm os carretos, ligados às rodas dentadas que desmultiplicam o movimento, e o tambor da correia. Dizem que este sistema de aproveitamento do engenho de buchas é mais económico que as próprias bombas centrífugas. Deve notar-se que a aplicação do motor aos engenhos de buchas se explica por razões de ordem económica. De facto, nesta região, a propriedade agrícola, que é explorada pelo proprietário, é relativamente grande e torna compensadora a aquisição de um motor, que pode ser utilizado para vários fins3.

Des. 34 – Vila Verde, Ponte do Bico. O ferro substituiu a madeira na roda e no carreto.

Des. 34 – Vila Verde, Ponte do Bico. O ferro substituiu a madeira na roda e no carreto.

Des. 35 – Engenho de ferro fundido.

Des. 35 – Engenho de ferro fundido.

106O número de voltas, que o carreto dá por minuto, passa assim de umas 15 para cerca de 20. Esta aceleração permite um rendimento muito maior do volume de água elevada. Não é conveniente ultrapassar as 20 voltas, porque há o perigo de rebentar o cadeado.

107Com esta aceleração as buchas escusam de ser tão justas, o que diminui a resistência sem perda de água, pois a que cai de uma bucha é logo arrastada pela seguinte.

108Além disto, o aparelho tem a vantagem de economizar gente, pois dispensa-se o pessoal que costuma andar com o gado.

109Nalguns sítios, só a bomba do fundo, que fica dentro da água, com a aventa e o registo, continua a ser de pinho; daí para cima, as emendas da bomba de pinheiro começam a ser substituídas por tubos de fibrocimento, que tem a vantagem de resistir melhor do que a madeira de pinho, que fora da água apodrece rapidamente.

110Conhecemos algumas bombas destas no Porto e na Maia, e disseram-nos que também já há quem as use em Barcelos. Uma vez reconhecida a vantagem de uma inovação, a sua difusão nestas regiões de fáceis contactos é hoje em dia muito rápida.

111Existem alguns casos raros de engenhos de buchas accionados pelo homem, à força de braço (Baltar, Pampelido, Matosinhos, Lavadores, Gaia). Porém, exigem um esforço violento. Um aparelho destes não é, positivamente, para ser movido a braço. Trataremos destes casos no capítulo em que falarmos dos aparelhos movidos pelo homem.

PROCESSOS DE PROTECÇÃO CONTRA O TEMPO

112Os engenhos, sobretudo os que são ainda feitos de madeira, são muito sensíveis ao tempo. Se não houver o cuidado de os proteger da chuva, apodrecem depressa e tornam-se dispendiosos pelas reparações constantes que exigem.

113Há vários processos de protecção: ou ficam abrigados por uma espécie de coberto, mais ou menos bem feito, ou a própria roda leva uma espécie de chapéu de colmo, de madeira, ou de chapa zincada.

114Os cobertos têm formas curiosas, que variam de região para região.

115Em Válega chamam-lhes telheiros, e a sua construção é muito homogénea. De planta redonda, compõem-se de dois pilares grossos, sobre os quais assenta a cumieira de um telhado de duas águas, e quatro pilares mais delgados, onde se apoiam as vigas dos beirais. Estes pilares são de lascas de xisto argamassadas (des. 36).

116Como dissemos, a construção dos telheiros é muito uniforme; só em casos raros, e por uma questão de economia, aparecem alguns pilares mais delgados, substituídos por esteios de granito.

117Mais para o interior, na direcção de Oliveira de Azeméis, nota-se uma transformação. Embora a forma seja sensivelmente a mesma, os pilares foram todos substituídos por esteios, o que lhes dá um aspecto diferente. Também se vêem alguns mais fechados, transformando-se alguns pilares em lanços de parede, sobre a qual assenta o telhado.

Des. 36 – Ovar. Telheiros.

Des. 36 – Ovar. Telheiros.

118Pela Aguda, ao norte de Espinho, também aparecem telheiros com os telhados apoiados em esteios. Praticamente são iguais aos de Válega; simplesmente o uso de esteios de granito é geral, visto ser um material muito empregado na região.

119Para o norte do Douro, por Lavra e Pampelido, no concelho de Matosinhos, as paredes dos cobertos são de granito, completamente fechadas, com excepção da porta virada para o sul, para fugir às nortadas, dominantes na região, e um pequeno postigo, ou fresta, no lado oposto. A planta destes cobertos não é redonda, mas elíptica (des. 37).

120Na povoação de Santa Comba (freguesia de Sobreira, concelho de Paredes), há um coberto circular, todo fechado, com excepção da porta e dois ou três postigos.

Des. 37 – Matosinhos, Lavra. Coberto de engenho.

Des. 37 – Matosinhos, Lavra. Coberto de engenho.

121Em Paranhos (Porto), houve um igual no lugar de Lamas. Não sabemos se outrora este tipo foi mais difundido. Hoje é bastante raro.

122Também na Póvoa de Varzim (Aguçadoura), encontrámos um redondo, construído de pedra; mas supomos não serem ali frequentes.

123Como dissemos, nalgumas regiões, em vez de coberto, resguarda-se o engenho, revestindo a roda dentada com certos materiais. Desta maneira ele fica com uma espécie de chapéu, que gira juntamente com a roda, protegendo não só esta, mas também o carreto e, às vezes, a bomba, quando as abas se prolongam para além da roda (figs. 32, 33 e 34).

124Este processo aparece em muitos lugares, onde ainda são frequentes as rodas de madeira.

125O colmo ainda é o material mais aplicado e, com certeza, foi também a cobertura mais antiga. A madeira aparece com alguma frequência, assim como a chapa zincada. Mas a substituição da roda de madeira pela roda de ferro torna desnecessários estes pitorescos chapéus.

CONSTRUÇÃO DOS ENGENHOS

126Os construtores dos engenhos de buchas são geralmente conhecidos por bombeiros. São eles, também, que fazem as bombas de rabicho ou de picota, frequentes na região, e as bombas de tear, de área mais reduzida, de que falaremos mais adiante no respectivo capítulo.

127O trabalho de construção e o de substituição ou reparação de uma bomba são quase sempre tratados de empreitada. O preço é feito segundo os palmos (a palmo) de bomba, que se tiverem de colocar.

128Em primeiro lugar escolhem um pinheiro são e muito direito, que furam logo que é deitado abaixo, às vezes na própria bouça, mas regra geral na oficina.

129Para o furar é preciso colocar o tronco em posição apropriada e muito firme. Para isso arrocham-no com cadeias de ferro ao cavalete e, diante dele, colocam a cruzeta, em que se vai apoiar o vergalhão, que segura e movimenta os trados e as alegras (figs. 46 a 48) (des. 38 a 40).

130O primeiro furo é feito com um trado fino, aplicado na caixa do vergalhão e seguro a esta, de maneira a laquear um pouco. Esta folga permite que o trado siga por si próprio o sabugo do pinheiro, e não ofenda as paredes laterais.

131O movimento de rotação é dado pelo cabo, passado pela asa do vergalhão. Para fazer rodar o cabo são necessários dois homens, enquanto que um terceiro, de costas viradas para o tronco, puxa o vergalhão para si. Os trados seguintes são semelhantes ao primeiro, mas não têm rosca na ponta.

Fig. 46 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. O tronco do pinheiro bem firme, para ser furado.

Fig. 46 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. O tronco do pinheiro bem firme, para ser furado.

Fig. 47 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Furando um tronco de pinheiro.

Fig. 47 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Furando um tronco de pinheiro.

132Depois de os trados terem aberto um buraco, onde caiba a alegra pequena, metem esta, e depois, a segunda e a terceira, etc., até terem levado o furo ao diâmetro necessário. Cada alegra abre furos cada vez mais largos, conforme o número de couros (anilhas de sola) que se metem entre ela e a concha ou prancheta. Esta peça, encostando-se à parede do furo, descentra a alegra, e obriga o corte a romper a madeira.

Des. 38 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Perfuração dos toros de pinheiro para a bomba.

Des. 38 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Perfuração dos toros de pinheiro para a bomba.

Fig. 48 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Tronco colocado na posição própria, vendo-se o vergalhão no primeiro plano.

Fig. 48 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Tronco colocado na posição própria, vendo-se o vergalhão no primeiro plano.

Des. 39 – Porto. Ferramenta de um «bombeiro».

Des. 39 – Porto. Ferramenta de um «bombeiro».

1 – Trado
2 – Alegra
3 – Cruzeta
4 – Vergalhão

133A prisão dos trados e alegras à caixa do vergalhão é feita por um parafuso de ferro. Há quem use um bocado de madeira verde, de pinheiro, com uma pequena cavilha de ferro, para poupar os buracos da caixa do vergalhão.

134O informador disse que os furos feitos só com trados, e limpos com alegras, não ficam tão perfeitos como quando se utilizam alegras de várias secções. Principalmente nos lugares onde há nós, os trados hesitam mais do que as alegras. Os furos levam-se assim até 0,22 m de diâmetro, mas podiam levar-se mais longe se fosse necessário.

Des. 40 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Alegra de um «bombeiro»

Des. 40 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Alegra de um «bombeiro»

135Em Gaia, um bombeiro de Canidelo fura com trados cada vez maiores, e a alegra é apenas usada para arredondar e pulir. Para este efeito usa uma alegra de forma diversa das anteriores.

136Este construtor emprega uma cruzeta diferente, para apoiar o vergalhão, a que chama tesoura. Esta é ligada e firmada ao tronco do pinheiro pela vara de tesoura, o que, segundo a sua opinião, é mais prático do que estar a fazê-lo com uma pedra, como outros fazem.

137As madeiras usadas na construção dos engenhos variam conforme a possibilidade da sua obtenção e o seu preço. A bomba, como dissemos, é sempre de pinheiro bravo. Outras madeiras não se prestam a ser perfuradas, porque não costumam ter um sabugo mole, em relação ao resto da madeira. Para a roda, o castanho é a melhor madeira, mas, como é cara, substituem-na por eucalipto ou austrália. Em Ovar chegam mesmo a empregar pinheiro. No eixo também se usam as mesmas madeiras, mas o pinheiro aparece com mais frequência. Os dentes da roda são sempre de oliveira e as buchas são de pinho.

QUADRO DOS NOMES PRINCIPAIS USADOS EM 7 LOCALIDADES

RAZÕES DO DESAPARECIMENTO DOS ENGENHOS

138Os engenhos de buchas, embora ainda muito usados em certas regiões, como em Válega e pelo distrito do Porto, estão, contudo, a desaparecer muito rapidamente. Ou são substituídos pelas noras metálicas de copos, ou, mais recentemente, pelos grupos de motor-bombas.

139A causa deste desaparecimento é bem nítida. Todos os lavradores com quem falámos apresentam as mesmas razões : para a mesma quantidade de água, o esforço do gado é maior, a conservação é cara e são muito frequentes as reparações.

140A roda de madeira, mais exposta ao tempo, dura muito pouco, razão por que está a ser cada vez mais substituída pela de ferro.

141As emendas da bomba, secas durante grande parte do ano, não vão além de 6 anos. Só a bomba de baixo, como está mergulhada na água, resiste de 30 a 40 anos.

142Se o processo de accionar o engenho por um motor se generalizar, e se os tubos de fibrocimento substituírem as emendas da bomba, que ficam fora de água, desaparecerão os seus dois maiores defeitos. Assim modificado, ainda pode ser que o velho engenho de buchas tenha vida duradoira; de contrário desaparecerá, como tanta coisa hoje em dia, vítima da concorrência de aparelhos economicamente mais vantajosos.

NORAS METÁLICAS MODERNAS DE EIXO CURTO

143As noras de ferro são hoje as que mais abundam no País e, com toda a certeza, representam formas de evolução das noras primitivas, com algumas das quais ainda conservam estreitas analogias.

144As principais variedades que se podem observar entre nós resultam das diversas formas da roda motora. A roda aguadeira não apresenta diferenças sensíveis, além dos dentes se apresentarem cravados num dos aros exteriores da roda, ou noutro aro menor, preso à roda. Esta disposição é a mais vulgar.

145De acordo com as diferentes formas que observámos no País, conseguimos estabelecer uma série de tipos, que estudaremos separadamente.

146Tipo A. Estas noras apresentam um carreto que parece inspirado nas noras de madeira de tipo A (eixo curto baixo). Estes carretos são geralmente delgados, isto é, de fuséis curtos, mas aparecem também alguns de proporções maiores. Em Beja, vimos uma nora com um carreto enorme, cujo diâmetro ultrapassava 1,50 m. Este tipo é sobretudo frequente no Algarve e no Alentejo, mas aparecem ainda alguns ao norte do Tejo. Vimo-los em Santarém e em Castelo Branco (figs. 49 a 52) (des. 41).

Fig. 49 – Loulé, Salir. Nora.

Fig. 49 – Loulé, Salir. Nora.

Fig. 50 – Beja, Baleizão.

Fig. 50 – Beja, Baleizão.

Fig. 51 – Moura, Vidigueira.

Fig. 51 – Moura, Vidigueira.

Fig. 52 – Santarém, Quinta da Ponte Seca. Nora.

Fig. 52 – Santarém, Quinta da Ponte Seca. Nora.

147Tipo B. Neste tipo a roda motora é semelhante às rodas de madeira dos engenhos de buchas. As dimensões são também sensivelmente iguais às dessas rodas de madeira. São sobretudo frequentes no noroeste do país (des. 42).

148Tipo C. Este tipo difere do anterior quase que apenas pelo tamanho da roda motora, que é muito mais pequena. Além disso, as gáspeas que formam o cone não partem tanto de cima e estão fixadas no eixo uns palmos abaixo da almanjarra. Algumas destas rodas são mesmo muito pequenas (Martingança).

149Este tipo está sobretudo espalhado entre o Vouga e o Mondego, junto da costa. Mas pode dizer-se que se encontra pelo litoral, desde o Douro até ao Tejo (des. 43).

150Tipo D. Este tipo é semelhante ao anterior, mas a roda aguadeira está reforçada com ferros dispostos em cone. É um tipo frequente pelo litoral para o sul do Douro e chega até Tomar (des. 44).

151Tipo E. Neste tipo a roda motora está reforçada também por baixo por umas varas de ferro que formam uma espécie de cone. É frequente entre a Figueira e Leiria (des. 45) (figs. 53 a 55).

152Tipo F. Neste tipo a roda motora está fixada apenas com hastes de ferro dispostas na parte inferior. O cone formado pelas varas de ferro chega, em certos casos, a ser tão aberto que estas se vão cravar no aro exterior da roda, o que lhes dá o aspecto da roda motora do tipo B invertida. Noutros casos o cone é mais fechado. Estas noras são as mais usadas entre Avança e Aveiro, mas são muito frequentes de Aveiro até Coimbra. Ainda se encontram algumas pela Figueira da Foz e Tomar (des. 46).

153Tipo G. As noras deste tipo são idênticas às do tipo anterior, mas a roda aguadeira apresenta também um cone de reforço como no tipo D. Esta nora aparece principalmente na região de Ovar a substituir os engenhos de buchas (des. 47).

154Tipo H. Estas noras têm uma roda aguadeira muito grande, munida de alcatruzes pequenos. Não as conhecemos senão em Alverca (des. 48).

NORAS COM RODAS DENTADAS FUNDIDAS

155Encontram-se mais ou menos por todo o País, mas há zonas por onde se espalharam modelos bastante uniformes, como por exemplo o modelo usado na Beira Baixa. São umas noras muito pequenas e baixas, espalhadas desde Foz-Coa e Castelo Rodrigo até ao Sabugal. Junto ao Sabugal já começam a ser maiores, se bem que iguais às que ficam mais para o norte (fig. 56).

156Ao longo do vale do Tejo, desde o Entroncamento até ao Ródão, são frequentes as rodas fundidas. Às vezes aparecem nesta última região rodas forjadas, mas tão grossas que à primeira vista chegam a parecer fundidas (Cartaxo, Cruz do Campo).

Fig. 53 – Penafiel, Casais Novos. Nora de funis.

Fig. 53 – Penafiel, Casais Novos. Nora de funis.

Fig. 54 – Leiria, Gândara. Engenho.

Fig. 54 – Leiria, Gândara. Engenho.

Fig. 55 – Loures, Ponte de Lousa. Nora de eixo alto.

Fig. 55 – Loures, Ponte de Lousa. Nora de eixo alto.

Fig. 56 – Figueiró dos Vinhos. Nora.

Fig. 56 – Figueiró dos Vinhos. Nora.

NORAS DE FERRO FUNDIDO

157No norte do País, principalmente nos arredores do Porto, aparecem umas noras todas de ferro fundido, com excepção dos cadeados e alcatruzes. Estas noras com armação e rodas fundidas espalharam-se sobretudo nos começos deste século, mas a sua vida foi curta, pois parece que já passaram de moda (fig. 57).

NORAS DE FUNIS

158Chamamos assim a umas noras de tipo especial, cujos alcatruzes não despejam para o habitual tabuleiro.

159A roda aguadeira é chapeada a folha zincada, formando gomos com escoamento lateral junto ao eixo. Os alcatruzes lançam a água nestes gomos e ela corre para a caleira sem as perdas habituais.

160Este sistema é relativamente raro, mas não tem área de difusão especial, encontrando-se em vários pontos do Pais muito afastados uns dos outros (fig. 58).

Fig. 57 – Porto. Nora.

Fig. 57 – Porto. Nora.

Fig. 58 – Tomar. Nora de funil.

Fig. 58 – Tomar. Nora de funil.

NORAS METÁLICAS MODERNAS DE EIXO COMPRIDO

161Nas noras modernas de eixo comprido, a transmissão do movimento tanto se faz por meio de rodas dentadas fundidas, como por meio de rodas forjadas com dentes cravados.

162Muitas destas noras mantêm parentesco estreito com os velhos modelos de rodas de madeira. As noras de eixo comprido baixo são pouco comuns, mas as de eixo alto são muitíssimo usadas no Pais, sobretudo no sul. Para o norte do Vouga são raríssimas, podendo mesmo dizer-se que só aparecem esporadicamente, a não ser em Trás-os-Montes, onde conhecemos vários casos. Em Mirandela, por exemplo, há uma série delas ao longo do rio.

163Onde elas são mais frequentes é no sul, sobretudo no Algarve. Aí, a intensa irrigação das hortas obriga, às vezes, a levar a água para longe dos poços, conduzindo-a por meio de belos aquedutos de pedra ou tijolo cuidadosamente caiados. A situação elevada dos campos a regar, ou a grande distância a que é necessário conduzir a água, obriga também, com frequência, a elevar a água a grande altura, o que se consegue por meio destas noras de ferro de eixo comprido alto (figs. 59 a 65).

Fig. 59 – Coimbra, S. João do Campo. Nora de eixo comprido.

Fig. 59 – Coimbra, S. João do Campo. Nora de eixo comprido.

Fig. 60 – Coimbra, S. João do Campo. Nora de eixo comprido.

Fig. 60 – Coimbra, S. João do Campo. Nora de eixo comprido.

Fig. 61 – Loures. Nora.

Fig. 61 – Loures. Nora.

Fig. 62 – Olhão.

Fig. 62 – Olhão.

164Há também casos de noras sem aquedutos, podendo a água ser conduzida por canais à superfície da terra, ou por caneiros subterrâneos, quando os talhões a irrigar ficam mais baixos do que a boca do poço. Em várias regiões do Algarve, em Faro, por exemplo, o termo nora tanto se emprega para designar o poço, como o engenho, ou as duas coisas em conjunto. É tamb.ém frequente encontrarem-se poços com duas e até três noras a tirar água para diferentes hortas. Nestes casos, tanto podem pertencer ao mesmo proprietário, como a vários, que têm direitos sobre a água do mesmo poço, ou que compraram o direito de utilização da água ao proprietário de um poço, durante determinado período de tempo.

165As noras com engrenagens forjadas, ou seguem o modelo dos carretos das noras algarvias tradicionais (nora de Loures), ou reproduzem, de certo modo, as entrosas dos aparelhos de eixo comprido alto, como as dos campos de Coimbra, Águeda e campos marginais do Baixo Vouga.

166Às vezes, as noras de eixo comprido alto atingem proporções verdadeiramente excepcionais, pela necessidade de elevar a água a grande altura. Estudámos duas noras destas, uma em Loures e outra em Elvas, pouco antes de chegar a Varche. Não nos foi possível medir a altura delas, mas pela fotografia da figura 61 já se faz uma ideia das suas dimensões. Nos dois casos, as rodas dentadas superiores estão suspensas de duas traves horizontais, apoiadas em enormes suportes de pedra. O resto da engrenagem é semelhante ao das suas congéneres mais pequenas. Só o número de alcatruzes é muitíssimo maior, como é fácil de prever. Estes casos são raros; na sua maioria as noras atingem poucos metros acima da boca do poço.

Fig. 63 – Olhão.

Fig. 63 – Olhão.

Fig. 64 – Faro.

Fig. 64 – Faro.

Fig. 65 – Porto de Mós. Nora alta.

Fig. 65 – Porto de Mós. Nora alta.

167Em muitas regiões do País, quando é necessário elevar um pouco a água e não querem empregar aparelhos diferentes dos tradicionais, é frequente construírem um parapeito circular elevado à volta do poço, sobre o qual montam a nora, e à volta do qual anda o animal. Este sistema não está relacionado a nenhum tipo especial de aparelho.

Notes

1 A nomenclatura da nora algarvia foi-nos amavelmente fornecida pelo Dr. José Formosinho, ilustre investigador local e director do Museu Regional de Lagos.

2 Fritz Krüger, Die Nordwestiberische Volkskultur, in «Wörter und Sachen», vol. X, Heidelbergue, 1927, p. 104.

3 Em Rio Tinto, ao norte do Porto, há um poço de uns 14 m de profundidade, com um engenho de buchas accionado por um motor eléctrico de 2 cavalos. Diz o proprietário que por este processo consegue tirar água com uma despesa de 1$20 por hora, que montaria a cerca de 3$00 se usasse um grupo motor-bomba.

Table des illustrations

Titre Fig. 14 – Faro, Marim. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Fig. 15 – Aljezur, Hortas da Carrapateira. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 16 – Faro, Marim. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 11 – Algarve. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 12 – Loures, Caneças. Nora.
Légende 1 – Eixo2 – Entrosga ou carreto3 – Roda de balanço4 – Almanjarra5 – Pilares6 – Balancim7 – Moente8 – Alcatruz
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Fig. 17 – Loures, Caneças. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Des. 13 – Leiria. Nora de eixo curto baixo. Em lugar dos moirões de pedra e cal tem prumos de madeira cravados no solo, e o carreto é diferente do das noras do Algarve.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Fig. 18 – Leiria, entre Monte Real e Monte Redondo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 19 – Leiria, Gândara.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 14 – Leiria. Ainda se empregam rodas e alcatruzes de madeira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 20 – Moncorvo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Fig. 21 – Soure, Casal das Rolas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 22 – Campos do Mondego. Nora de eixo comprido baixo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Des. 15 – Coimbra. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 23 – Esposende. Engenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Fig. 24 – Esposende, Marinhas. Engenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Des. 16 – Esposende. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).
Légende 1 – Aros2 – Braços3 – Vidores4 – Guilho ou veio5 – Copos6 – Masseira
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 17 – Esposende. Nora de eixo comprido baixo (pormenor).
Légende 1 – Entrosa2 – Dentes3 – Carrinho4 – Viradores ou Fuseis
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Fig. 25 – Algarve. Engenho de madeira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 26 – Olhão, Marim. Engenho de madeira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Fig. 27 – Tavira, Conceição. Engenho de madeira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Fig. 28 – Leiria, Gândara. Engenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Fig. 29 – Coimbra, S. Facundo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Fig. 30 – Coimbra, S. Facundo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 31 – Setúbal.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Des. 18 – Coimbra. Calabre.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 19 – Coimbra, S. João do Campo. Calabres (pormenores).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 20 – Leiria, Gândara. Calabre.
Légende 1 – Dobadoira2 – Alcatruzes, presos ao calabre3 – Roquete4 – Pião5 – Cabeçalho
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Des. 21 – Leiria, Gândara. Entrosas do calabre.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 22 – Leiria, Gândara. Calabre (pormenores).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Fig. 32 – Almada, da Torre para a Trafaria.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 33 – Valpaços, Ferradosa. Nora de sarilho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 34 – Valpaços, Ferradosa. Nora de copos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Fig. 35 – Valpaços, Ferradosa. Pormenor da nora de sarilho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Des. 23 – Tomar, Santa Cita. Nora de sarilho.
Légende 1 – Pião2 – Almanjarra3 – Ponte4 – Rela5 – Eixo6 – Roda de água, com calabre e alcatruzes
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 24 – Coimbra, S. João do Campo. Nora ou roda de tirar água.
Légende 1 – Pião2 – Entrosas3 – Dentes4 – Eixo5 – Tabuleiro6 – Ardiguais (?)7 – Raposa8 – Bancal9 – Barroco
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Fig. 36 – Coimbra, S. João do Campo. Entrosas da roda de tirar água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Fig. 37 – Coimbra. S. João do Campo. Roda de tirar água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Des. 25 – Coimbra. Roda das noras.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 38 – Soure, Casal das Rolas. Roda modernizada.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Des. 26 – Soure, Casal das Rolas. Roda modernizada.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 39 – Vila Nova de Gaia, Aguda. Engenho de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Fig. 40 – Vila Nova de Gaia, Aguda. Engenho de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 27 – Vila Nova de Gaia. Bomba de um engenho de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Des. 28 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Pormenor do engenho de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Fig. 41 – Ovar, Válega. Telheiro de engenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Des. 29 – Ovar, Válega. Processo de prender o cambão onde jungem o gado.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 30 – Ovar, Válega. Armação de traves que sustenta o engenho sobre o poço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Des. 31 – Ovar, Válega. As rodas do carreto são aqui de diâmetros diferentes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Des. 32 – Ovar, Válega. Pormenores do engenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Des. 33 - Porto. 1
Légende – Cantadoura2 – Vidaror de ferro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 42 – Matosinhos, Pampelido. Nora de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Fig. 43 – Matosinhos, Lavra. Nora de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 44 – Matosinhos, Lavra. Nora de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Fig. 45 – Póvoa de Varzim, Navais. Nora de buchas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-55.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Des. 34 – Vila Verde, Ponte do Bico. O ferro substituiu a madeira na roda e no carreto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-56.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 35 – Engenho de ferro fundido.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-57.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 36 – Ovar. Telheiros.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-58.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Des. 37 – Matosinhos, Lavra. Coberto de engenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-59.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Fig. 46 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. O tronco do pinheiro bem firme, para ser furado.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-60.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 47 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Furando um tronco de pinheiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-61.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Des. 38 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Perfuração dos toros de pinheiro para a bomba.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-62.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Fig. 48 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Tronco colocado na posição própria, vendo-se o vergalhão no primeiro plano.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-63.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre Des. 39 – Porto. Ferramenta de um «bombeiro».
Légende 1 – Trado2 – Alegra3 – Cruzeta4 – Vergalhão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-64.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 40 – Vila Nova de Gaia, Canidelo. Alegra de um «bombeiro»
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-65.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-66.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Fig. 49 – Loulé, Salir. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-67.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 50 – Beja, Baleizão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-68.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 51 – Moura, Vidigueira.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-69.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Fig. 52 – Santarém, Quinta da Ponte Seca. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-70.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Des. 41
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-71.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre Des. 42
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-72.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Des. 43
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-73.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre Des. 44
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-74.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre Des. 45
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-75.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre Des. 46
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-76.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre Des. 47
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-77.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre Des. 48
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-78.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Fig. 53 – Penafiel, Casais Novos. Nora de funis.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-79.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Fig. 54 – Leiria, Gândara. Engenho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-80.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 55 – Loures, Ponte de Lousa. Nora de eixo alto.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-81.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Fig. 56 – Figueiró dos Vinhos. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-82.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Fig. 57 – Porto. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-83.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Fig. 58 – Tomar. Nora de funil.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-84.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Fig. 59 – Coimbra, S. João do Campo. Nora de eixo comprido.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-85.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Fig. 60 – Coimbra, S. João do Campo. Nora de eixo comprido.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-86.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 61 – Loures. Nora.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-87.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 62 – Olhão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-88.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Fig. 63 – Olhão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-89.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Fig. 64 – Faro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-90.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 65 – Porto de Mós. Nora alta.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6163/img-91.jpg
Fichier image/jpeg, 78k

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search