Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

II. Aparelhos movidos por agentes naturais

Texte intégral

1Neste grupo compreendemos os aparelhos que, como força motriz, utilizam agentes naturais: o vento e a água. Dos dois, o segundo é muito mais largamente utilizado, embora o primeiro também se encontre aplicado em algumas regiões do país.

MOINHOS DE ÁGUA

  • 1 São assim chamados em Aljezur.
  • 2 S. Teotónio, Mesa do Pinheiro, Odemira.
  • 3 Salreu e Estarreja.

2O vento costuma utilizar-se nos chamados moinhos de água1, pouco frequentes no país. A sua maior concentração encontra-se no Sul, na várzea de Aljezur. Vimos outro semelhante em Odemira2 e no Norte só os encontrámos no distrito de Aveiro3 (figs. 1 a 5).

3Os moinhos de água são formados por quatro barrotes que, colocados ao alto sobre a boca do poço, constituem uma armação em forma de tronco de pirâmide. Para dar solidez ao conjunto, há uma série de travessas horizontais pregadas aos quatro barrotes, as quais servem, ao mesmo tempo, de escada ao camponês, sempre que é preciso colocar ou arrear as velas, ou fazer qualquer reparação na engrenagem.

4O maquinismo é bastante simples. No cimo do tronco de pirâmide, há um suporte de madeira, sobre o qual assenta um veio em u, que se prolonga para um dos lados, servindo de eixo e de apoio aos quatro paus das velas, que se enfiam nuns orifícios previamente feitos. No centro do suporte existe um eixo vertical, a que o eixo em u imprime um movimento de vaivém. Este eixo está ligado a uma bomba, dentro do poço, que vai tirando água sempre que o vento faz girar a engrenagem (des. 1 e 2).

Fig. 1 – Aljezur. Moinho de água.

Fig. 1 – Aljezur. Moinho de água.

5As velas são semelhantes às dos moinhos de vento. São quatro velas de pano, triangulares, presas de um lado às varas dos panos e do outro esticadas por cordas – as escotas – que se prendem às varas, o que permite enfunarem e oferecerem maior resistência ao vento.

6Do lado oposto ao eixo das velas existe uma espécie de leme, preso à base do suporte, que obriga a girar todo o conjunto na direcção do vento. Em Mafra, um aparelho deste género apresentava um velame, em que as quatro velas triangulares de pano alternavam com outros tantos, quadrangulares, muito toscas de tábuas e chapa (fig. 3).

7O moinho de água de Salreu (Estarreja), em vez de velas de pano, como os do sul, tem uma série de penas de madeira, dispostas à volta do eixo horizontal, como as pétalas dum malmequer. Este tipo de asas de madeira era bastante usado nos moinhos de vento do litoral entre o Vouga e o Mondego.

8Estes aparelhos tiram menos água que as noras, mas têm a vantagem de ser muito mais económicos, porque o vento é energia que não custa dinheiro. Os camponeses constroem pequenos tanques junto dos poços, para assim aproveitarem a água que o moinho vai tirando lentamente, de dia e de noite, conforme a irregularidade dos ventos. Os moinhos de água são, em parte, construção local, mas o maquinismo e a bomba são produzidos industrialmente e adquiridos pelos camponeses.

9Relaciona-se com este moinho de água o chamado «engenho de vento americano», usado principaimente no litoral do norte do país e do Algarve, há já umas dezenas de anos, e inteiramente de construção industrial.

Fig. 2 – Aljezur. Moinho de água sem velas.

Fig. 2 – Aljezur. Moinho de água sem velas.

RODAS HIDRÁULICAS

10Nas rodas hidráulicas, a água, ao mesmo tempo que é elevada para irrigar os campos, serve de força motriz e faz girar a roda com os alcatruzes.

11Podemos dividir as rodas hidráulicas em quatro tipos: rodas com os alcatruzes presos ao aro de madeira, às penas, ou aos arcos, e rodas que são formadas por dois aros iguais.

12As rodas hidráulicas aparecem no norte do país, estão muito espalhadas no centro, e têm a sua máxima concentração nas Beiras. A roda hidráulica não pode ser utilizada em qualquer parte onde haja água, como sucede com a maior parte dos outros aparelhos, cuja força motriz é animal ou humana. Para que a roda funcione é indispensável que haja uma corrente de água suficientemente forte para fazer girar a roda e elevar a água. Só se pode, por isso, utilizar em rios baixos, onde a água corre durante o verão, época em que são mais necessárias as regas. Como nem todos os rios oferecem naturalmente estas condições, é costume guiar a água na direcção da roda por meio de um canal largo, que vai estreitando cada vez mais. Este canal tem o nome de sobre-calhão, e, no lugar mais estreito, onde está mergulhada a extremidade inferior das rodas, cujas penas lhe imprimem o movimento giratório, chama-se calhão.

Des. 1 – Aljezur. Moinhos de água (pormenor).

Des. 1 – Aljezur. Moinhos de água (pormenor).

13A robustez da construção e a sua maior ou menor simplicidade variam bastante de uns lugares para os outros.

Des. 2 – Aljezur. Bomba dos moinhos de água.

Des. 2 – Aljezur. Bomba dos moinhos de água.

Fig. 3 – Mafra, Barreiralva. Moinho de tirar água.

Fig. 3 – Mafra, Barreiralva. Moinho de tirar água.

Fig. 4 – Estarreja, Pardilhó. Moinho de tirar água.

Fig. 4 – Estarreja, Pardilhó. Moinho de tirar água.

TIPO A (Rodas com os alcatruzes ligados às penas)

14Pertence a este tipo a roda de Soure (fig. 6) (des. 3 e 4). Os beios do eixo giram em dois bancais que sustentam a roda sobre a água. Os bancais estão apoiados nas estacas e amparados pelas escoras. O eixo é atravessado pelos dois braços, que são apertados por cunhas de madeira chamadas palmetões. Os braços têm o comprimento do diâmetro da roda, ao contrário dos contra-braços que apenas tocam no eixo. Os braços e os contra-braços formam um conjunto de 8 raios travados pelas cruzetas e firmados pelas imbirras. Nas pontas dos braços e contra-braços está pregado um aro de madeira, a que chamam abadia, e ao qual se fixam as penas. Estas são travadas pelo cordão, tábua sensivelmente mais estreita que a abadia e que corre paralela a ela. Do lado oposto ao cordão há umas travessas pregadas às penas, que servem para aguentar os cabaços de folha, que elevam a água do rio e a lançam num tabuleiro, donde segue pelas calhas até aos regos abertos na terra.

Fig. 5 – Estarreja, Salreu. Moinho de tirar água.

Fig. 5 – Estarreja, Salreu. Moinho de tirar água.

15As penas e os cabaços não estão dispostos de maneira contínua, mas em grupos de 3 a 3, 4 a 4, ou mesmo de 5 a 5, conforme as dimensões da roda.

16Exceptuando as peças metálicas, beios e cabaços, tudo o mais é feito de pinho.

Fig. 6 – Soure. Roda hidráulica.

Fig. 6 – Soure. Roda hidráulica.

TIPO B (Rodas com os alcatruzes presos ao aro)

17As rodas deste tipo caracterizam-se por terem os alcatruzes presos ao aro. Nas rodas de Águeda não existe o cordão, que descrevemos relativamente às rodas de Soure, de forma que os alcatruzes não estão fixados às penas, mas à própria roda, por meio de tornos (fig. 7) (des. 5).

18As rodas do Caima, em Vale Maior (Albergaria-a-Velha), a que chamam canhotas, têm as penas iguais às rodas de Águeda e os alcatruzes, copos, estão também presos ao aro. Porém aqui ainda se usam copos de barro amarrados à roda com vimes torcidos (processo semelhante ao do Fundão).

Des. 3 – Soure. Roda.

Des. 3 – Soure. Roda.

1 – Calhas
2 – Tabuleiros
3 – Eixo
4 – Beios
5 – Bancais
6 – Estacas
7 – Escoras
8 – Abadia
9 – Braços (2)
10 – Contra-braços
11 – Imbirras
12 – Cruzetas
13 – Palmetões
14 – Calhão
15 – Sobre-calhão

19Nas rodas deste tipo, os copos despejam a água na masseira, correndo esta em seguida pelas caleiras. Quando é necessário elevar muito a água, as rodas são maiores e a masseira fica alta, de maneira que as caleiras podem conduzir a água de rega a campos distantes, mercê de um pequeno desnível (fig. 8).

20O processo de suspensão das rodas também não é sempre o mesmo e difere do das imbirras de que falámos atrás. Nas rodas que observámos em Águeda o laqueamento dos braços é evitado por meio de dois pares de barrotes paralelos a eles, e não com imbirras como nas rodas de Soure (des. 5).

21Exceptuando os veios do eixo, que são de ferro, estas rodas são todas de madeira e as do Caima são geralmente pintadas de preto. A roda aqui reproduzida (fig. 6) tem 5 m de diâmetro.

Des. 4 – Soure. Roda (particularidades).

Des. 4 – Soure. Roda (particularidades).

1 – Cabaços
2 – Penas
3 – Abadia
4 – Cordão

TIPO C (Os alcatruzes estão presos aos arcos da roda)

22As rodas deste tipo são mais sólidas e de construção mais complicada que as dos tipos anteriores. São frequentes nas margens do rio Nabão e existe uma mesmo no jardim da cidade de Tomar. A roda por nós estudada encontra-se em Santa Cita, Tomar (fig. 9).

23O eixo desta roda é atravessado por quatro braços fortes, que mantêm os 28 raios num plano perpendicular ao eixo, com a ajuda dos travessões dos raios e das grades. Toda esta armação é reforçada pelo quadro, formado por quatro travessões (des. 6).

Des. 5 – Águeda. Roda (pormenores).

Des. 5 – Águeda. Roda (pormenores).

24Na extremidade dos raios estão presas as penas, por meio de tornos de madeira. Cada pena é uma simples tábua. Pregados ao lado exterior das penas, correm três arcos a toda a volta da roda. Estes arcos são feitos de pinheiritos novos e delgados, serrados longitudinalmente. Os alcatruzes de barro ou de folha estão amarrados aos dois arcos exteriores (des. 7). A chumaceira, onde gira o eixo, está apoiada na mesa, e é apertada por calços de encontro às burras.

25Espetados na mesa estão os papagaios que sustentam o tabuleiro, onde cai a água, que segue pelo calheiro real e depois pelos calheiros que forem necessários até atingir o lugar da rega (des. 8).

26A água do rio é desviada para a roda e corre apertada no canal de tabuado.

Fig. 7 – Águeda. Roda hidráulica.

Fig. 7 – Águeda. Roda hidráulica.

27As burras e a mesa são de pinheiro manso e o eixo, de carvalho. O restante é feito de pinheiro bravo, pois o pinheiro manso, embora dure mais, torce com o calor. O ferro quase não entra na construção da roda.

28A roda é feita e armada nas oficinas de carpinteiros especializados. Depois é desarmada e as peças são devidamente marcadas e transportadas para o local onde a roda deve trabalhar. Aí erguem-se de novo e o aperto final é dado por cunhas de madeira.

29Uma roda bem feita dura entre vinte e trinta anos, e nos primeiros três anos não precisa, em geral, de reparação alguma.

Fig. 8 – Âgueda. Caldeiras de condução de água.

Fig. 8 – Âgueda. Caldeiras de condução de água.

TIPO D (Rodas com dois aros)

30As rodas que se encontram no Ave, a juzante de Santo Tirso e em certos ribeiros da bacia do Lima (fig. 10), com o nome de noras ou rodas de tirar água, são formadas por dois aros de madeira seguros ao eixo por dois braços e quatro contra-braços, travados pela cruzeta. Estes contra-braços apenas topam no eixo, e servem somente para aguentar o peso do aro com os canecos cheios de água. O aperto dos braços ao eixo é dado pelos fechos, contra-fechos e texêlos. O eixo é cingido por argolas de ferro, e tem nas extremidades os aguilhões que rodam sobre as chumaceiras de madeira. As penas estão colocadas entre os dois aros, e os canecos são pregados a um destes, sem compasso certo com as penas. A água cai dos canecos na caleira (des. 9 e 10).

Des. 6 – Tomar. Roda.

Des. 6 – Tomar. Roda.

1 – Arcos
2 – Alcatruzes
3 – Penas
4 – Tornos
5 – Braços
6 – Raios
7 – Travessões dos raios
8 – Grades
9 – Travessões do quadro

Fig. 9 – Tomar, Sta. Cita. Roda hidráulica.

Fig. 9 – Tomar, Sta. Cita. Roda hidráulica.

31Eixo, chumaceiras e cavilhas são de carvalho, sendo de pinho todas as restantes peças.

32Estas rodas têm grande semelhança de construção com as das azenhas, sendo feitas pelos mesmos carpinteiros. Rodas e azenhas estão muitas vezes juntas, e a água que corre pela mesma gola (canal) move os dois aparelhos.

Fig. 10 – Ponte de Lima. Roda de água.

Fig. 10 – Ponte de Lima. Roda de água.

Fig. 11 – Torres Novas. Rodas hidráulicas metálicas.

Fig. 11 – Torres Novas. Rodas hidráulicas metálicas.

Des. 7 – Tomar. Roda (pormenor).

Des. 7 – Tomar. Roda (pormenor).

1 – Chumaceira
2 – Calços
3 – Burras
4 – Mesa
5 – Papagaios
6 – Tabuleiros
7 – Calheiro real (2)
8 – Canal

33As rodas do Ave, têm vindo a desaparecer pouco a pouco, substituídas pelas bombas a motor. A sua duração é de cerca de 15 anos.

34Existem hoje rodas hidráulicas todas de ferro (Torres Novas, S. Pedro do Sul, Mirandela, etc.), que não representam novidade tecnológica (figs. 11 e 12). São apenas a substituição do material tradicional, a madeira, menos resistente, pelo ferro que, sendo pintado, pode aguentar-se anos e anos sem necessitar de reparações.

Des. 8 – Tomar. Roda (pormenores).

Des. 8 – Tomar. Roda (pormenores).

Fig. 12 – S. Pedro do Sul. Roda hidráulica de ferro.

Fig. 12 – S. Pedro do Sul. Roda hidráulica de ferro.

Des. 9 – Santo Tirso. Roda (pormenores).

Des. 9 – Santo Tirso. Roda (pormenores).

1 – Eixo
2 – Argolas
3 – Aguilhão
4 – Chumaceiras
5 – Braços (4)
6 – Contra-braços
7 – 4 fechos, 4 contra
-fechos, 8 teixêlos
8 – Cruzeta
9 – Aros
10 – Penas
11 – Canecos

Des. 10 – Santo Tirso. Roda.

Des. 10 – Santo Tirso. Roda.

OUTROS APARELHOS MOVIDOS A ÁGUA

  • 4 O nome diz pouco, pois usa-se no norte do País para indicar aparelhos diferentes. Em Forjães, Espos (...)

35Aparelhos de elevar a âgua de rega accionados pela água, além das rodas atrás descritas, são muito raros entre nós. Conhecemos apenas dois exemplos: um designado por estanca-rios 4que se encontra numa quinta próxima de Góis; o outro, em Adaúfe, no rio Cávado, no termo de Braga.

ENGENHO DE COPOS

36O engenho de copos de Adaúfe (Braga) está acoplado a uma azenha do rio Cávado. O eixo da roda da azenha é prolongado por um veio de ferro numa distância de cerca de 8 m, e é munido, na extremidade, de uma roda vertical também de ferro, de periferia ondulada (não propriamente dentada). Esta roda move um cadeado de ferro que vai fazer girar a roda de alcatruzes, situada uns 10 m acima. Ao cadeado estão, naturalmente, presos os alcatruzes (fig. 13).

Fig. 13 – Braga, Adaufe. Engenho de copos.

Fig. 13 – Braga, Adaufe. Engenho de copos.

ESTANCA-RIOS

37O estanca-rios de Góis funciona como um moinho de rodízio. A água é conduzida por uma levada de maneira a bater nas penas dum rodízio, imprimindo-lhe um movimento de rotação. No cimo do eixo do rodízio, bastante alto, está presa uma roda dentada horizontal, que engrena noutra roda dentada vertical, a qual faz rodar um tambor. Sobre este tambor está suspenso o cadeado de elos metálicos.

38Ao cadeado estão presos cubos, que descrevem um movimento circular, quando o tambor gira, e vão buscar a água a uma vala pouco profunda. Este sistema permite elevar a água a uma altura considerável acima do nível do solo, o que, naturalmente, facilita a sua distribuição por toda a propriedade.

  • 5 Os elementos aqui utilizados foram colhidos no trabalho de um aluno de Etnologia da Faculdade de Le (...)

39O estanca-rios de Góis está montado dentro de um edifício de pedra, semelhante a uma pequena torre, tendo em baixo uma abertura, como nos moinhos de rodízio5.

Notes

1 São assim chamados em Aljezur.

2 S. Teotónio, Mesa do Pinheiro, Odemira.

3 Salreu e Estarreja.

4 O nome diz pouco, pois usa-se no norte do País para indicar aparelhos diferentes. Em Forjães, Esposende, o estanca-rios é uma nora, movida por animais. Em Alquerubim, Albergaria-a-Velha, o estanca-rios é uma nora a trabalhar sobre a boca de um poço; quando está construída na margem de um rio, a roda com os alcatruzes é semelhante aos calabres dos campos do Mondego. Em S. Pedro do Sul o estanca-rios é também uma nora de alcatruzes.

5 Os elementos aqui utilizados foram colhidos no trabalho de um aluno de Etnologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Victor Manuel Mourisca Claro, que fez um estudo sobre a «irrigação em Góis» durante as férias do Natal de 1952-53.

Table des illustrations

Titre Fig. 1 – Aljezur. Moinho de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Fig. 2 – Aljezur. Moinho de água sem velas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Des. 1 – Aljezur. Moinhos de água (pormenor).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Des. 2 – Aljezur. Bomba dos moinhos de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0k
Titre Fig. 3 – Mafra, Barreiralva. Moinho de tirar água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Fig. 4 – Estarreja, Pardilhó. Moinho de tirar água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Fig. 5 – Estarreja, Salreu. Moinho de tirar água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre Fig. 6 – Soure. Roda hidráulica.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Des. 3 – Soure. Roda.
Légende 1 – Calhas2 – Tabuleiros3 – Eixo4 – Beios5 – Bancais6 – Estacas7 – Escoras8 – Abadia9 – Braços (2)10 – Contra-braços11 – Imbirras12 – Cruzetas13 – Palmetões14 – Calhão15 – Sobre-calhão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Des. 4 – Soure. Roda (particularidades).
Légende 1 – Cabaços2 – Penas3 – Abadia4 – Cordão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Des. 5 – Águeda. Roda (pormenores).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Fig. 7 – Águeda. Roda hidráulica.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Fig. 8 – Âgueda. Caldeiras de condução de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Des. 6 – Tomar. Roda.
Légende 1 – Arcos2 – Alcatruzes3 – Penas4 – Tornos5 – Braços6 – Raios7 – Travessões dos raios8 – Grades9 – Travessões do quadro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Fig. 9 – Tomar, Sta. Cita. Roda hidráulica.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Fig. 10 – Ponte de Lima. Roda de água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Fig. 11 – Torres Novas. Rodas hidráulicas metálicas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Des. 7 – Tomar. Roda (pormenor).
Légende 1 – Chumaceira2 – Calços3 – Burras4 – Mesa5 – Papagaios6 – Tabuleiros7 – Calheiro real (2)8 – Canal
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Des. 8 – Tomar. Roda (pormenores).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Fig. 12 – S. Pedro do Sul. Roda hidráulica de ferro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Des. 9 – Santo Tirso. Roda (pormenores).
Légende 1 – Eixo2 – Argolas3 – Aguilhão4 – Chumaceiras5 – Braços (4)6 – Contra-braços7 – 4 fechos, 4 contra-fechos, 8 teixêlos8 – Cruzeta9 – Aros10 – Penas11 – Canecos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Des. 10 – Santo Tirso. Roda.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 13 – Braga, Adaufe. Engenho de copos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6158/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 53k

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search