Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

I. Regadio sem aparelhos

Texte intégral

  • 1 Kaj Birket-Smith, Ob, cit., p. 77.

1Como dissemos na introdução, a rega nem sempre exige aparelhos de elevar a água e, é indubitável que as formas mais antigas de regadio foram deste tipo1.

2A sua simplicidade diminui bastante o interesse tecnológico, se bem que os resultados práticos obtidos pelo regadio sem aparelhos possam ser considerados muito importantes.

  • 2 Ver Jorge Dias, «Rio de Onor, comunitarismo agro-pastoril».

3O processo mais simples limita-se a aproveitar nascentes naturais, situadas em lugares mais altos do que os campos a irrigar. Se a água é pouco abundante, constroem uma espécie de presa ou poça, onde a água se vai acumulando até atingir um volume suficiente para regar. Então destapam a presa, e a água corre por regos previamente feitos, a fim de a conduzir, com um mínimo de perdas, aos campos onde vai ser utilizada. Estas poças são em geral cavadas na terra, tendo na frente um muro de pedra com um orifício tapado por um batoque de madeira e trapos, ou simplesmente uma pedra e terra. São também frequentes os tanques de granito cimentado que oferecem a vantagem de as perdas de água por infiltração serem menores. Os regos de água também costumam ser de terra e é frequente perder-se muita água por fendas abertas na terra e pela obstrução resultante das raízes de plantas próximas, ou pelas ervas daninhas. A limpeza e cuidados com os canais e regos de água está muitas vezes submetida a regras comunitárias rigorosas e de velhíssima tradição2.

4Este sistema estende-se por todo o norte de Portugal, sobretudo nas regiões cuja topografia se presta à sua prática e a água é abundante, ou seja, no Entre-Douro-e-Minho e nas regiões serranas de Trás-os-Montes e Beiras, onde há precipitações mais frequentes. É particularmente eficaz nas regiões graníticas e de intensa pluviosidade invernal, pois o granito da superfície, alterado pela erosão, funciona como uma esponja, e armazena grandes massas de água, que ficam retidas pelas camadas não alteradas da rocha que são impermeáveis.

5Como as nascentes naturais são insuficientes para as necessidades dos camponeses, é costume abrir minas nas encostas, até encontrar um veio de água que satisfaça as necessidades da rega. A permanente necessidade de procurar água deu origem a um curioso tipo de especialistas, chamados os vedores, que, guiados por uma faculdade especial, ou recorrendo a dotes de observação desenvolvidos por uma longa experiência, tomam ares divinatórios e são considerados pelo povo como homens dotados de poder sobrenatural.

6A água que corre das minas vai-se também represar de maneira igual à das nascentes naturais. Qualquer propriedade agrícola minhota tem sempre de uma a várias presas. Nas quintas grandes é uso canalizar a água das minas ou nascentes e conduzi-la até tanques de pedra construídos próximo das casas de habitação. Serve assim para regar e para usos domésticos. Às vezes, chega a ser canalizada para casa. Na Maia, por exemplo, as antigas casas de lavoura abastadas, tinham com frequência um aqueduto que conduzia a água de uma elevação de terreno, onde ela nascia, até à cozinha espaçosa, onde se erguia a ampla chaminé de granito. Ainda hoje se vêem na região tais aquedutos.

  • 3 Hermann Lautensach, Zur Geographie der künstlichen Bewässerung auf der Iberischen Halbinsel, Geogra (...)

7Embora este sistema seja extensivo a muitas regiões do norte, o Entre-Douro-e-Minho3 é indubitavelmente a província onde se encontra a sua maior concentração, a ponto de este tipo de regadio lhe conferir uma feição típica que ajuda a individualizá-la no conjunto das terras nortenhas.

  • 4 Ver Jorge Dias, Minho, Trás-os-Montes et Haut-Douro, Lisboa, 1949 (publicação do Congresso Internac (...)
  • 5 Hermann Lautensach, «Portugal», Ob. cit., II parte, 1937, p. 10.
  • 6 Fr. A. Palma de Vilhena, Monografia da freguesia rural de Paços de Sousa, in «Bolet. Direcção-Geral (...)

8A grande actividade humana nesta província é tal, que tudo se procura aproveitar, e as culturas sucedem-se umas às outras sem descanso4, mercê do uso cuidadoso de estrumes de curral e da irrigação abundante. Nesta região, as culturas regadas rendem em geral o dobro das culturas de sequeiro5, o que obriga a aproveitar toda a água possível. Para se fazer uma ideia das proporções do regadio no Minho, pode tomar-se como exemplo a freguesia de Paços de Sousa, onde 67 % do solo agricultado é ocupado por culturas de regadio6.

9Esta intensa actividade de irrigação das terras, desde tempos muito remotos, deu origem a um certo número de formas de direito consuetudinário, que regulam a fruição das águas, muitas das quais ainda hoje vigentes. Não nos propomos tratar aqui propriamente dos aspectos jurídicos do problema, mas faremos breve alusão a alguns deles ao tratarmos, mais adiante, de certos processos de regar, relacionados com este tipo de regadio.

10Além do que dissemos sobre a parte tecnológica deste sistema, compete-nos ainda descrever um processo automático de descarregar a água das presas, usado nalgumas regiões do Minho. É a aplicação do princípio do sifão, para evitar que a água trasborde e danifique as presas e as culturas durante a época em que não é necessário regar. Desta maneira ninguém precisa de se preocupar com as presas, pois elas enchem-se e esvaziam-se sem a intervenção do homem.

  • 7 Este sifão, que nalguns lugares tem o nome de engenho, vimo-lo em Celorico de Basto, Sta. Tecla e T (...)

11O processo é o seguinte: escolhem uma pedra de granito com a altura da presa e fazem-lhe dois buracos paralelos no sentido da altura. Depois abrem um entalhe na face superior da pedra, a ligar os bordos dos buracos e colocam-Ihe por cima outra pedra também com um entalhe semelhante, que se ajuste àquele, de maneira a estabelecer uma comunicação entre os dois buracos verticais. As duas pedras ligam-se com cimento e colocam-se na presa de maneira que um dos tubos fica dentro da água e o outro sobre o rego condutor. Quando a água sobe dentro da presa, o tubo vai-se enchendo também, até que, chegando ao buraco horizontal, forma sifão e a presa esvazia-se7.

  • 8 Ver Maria Luísa Carneiro Pinto, As Madrias, Ob. cit., p. 9.

12Em certos lugares este sifão pode ser feito de madeira, cavando os buracos num tronco que ofereça as condições necessárias8.

13Quando se quer evitar que o engenho funcione, abre-se o respiradouro, isto é, um pequeno orifício que conduz ao buraco horizontal, e que está normalmente obturado com um pequeno taco de madeira. A entrada de ar impede o funcionamento do sifão e a presa só se esvaziará quando alguém a vier abrir.

  • 9 Junta Autónoma das Obras de Hidráulica Agrícola.
  • 10 Ver Jorge Dias, Minho, Trás-os-Montes et Haut-Douro, publicação do Congresso Internacional de Geogr (...)
  • 11 A. de Amorim Girão, Geografia de Portugal, reproduz na Est. XLV, II, um Canal para distribuição das (...)
  • 12 A. de Amorim Girão, Ob. cit., reproduz na Est. LIV, em cima, um aspecto da construção e revestiment (...)

14Hoje em dia há obras de irrigação em grande, levadas a cabo por organismos do Estado9, como as da Veiga de Chaves10, as das «Campanhas» da Idanha11 e as do Vale do Sado12, onde são largamente usados canais de fibro-cimento e processos racionais de condução e distribuição da água, que não descrevemos por não terem interesse para o nosso caso.

  • 13 Nas Canárias existe também um curioso sistema de canais condutores da água de rega, ver Fernand Rau (...)

15Há porém curiosos sistemas de irrigação de excepcional magnitude, como o que se encontra na Ilha da Madeira, que, de certo modo, pode ser motivo de orgulho dos seus habitantes13.

16Este sistema permite fazer a rega de carência e a rega de abundância, de que falámos na introdução.

  • 14 Orlando Ribeiro, L’Île de Madère, Congresso Internacional de Geografia, Lisboa, 1949, p. 70.

17Segundo Orlando Ribeiro, a irrigação perfeita da Madeira cobre uma área de 9850 hectares, ou seja, 43 por cento da superfície cultivada e 13 por cento da superfície total. A irrigação imperfeita estende-se praticamente a toda a superfície agrícola14.

  • 15 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 71.
  • 16 Em Castelo Branco, Sarzedas, chamam levadas aos regos de rega.
  • 17 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 72.

18Na Madeira não se costumam fazer represas, pois as grandes massas montanhosas armazenam 200 milhões de metros cúbicos por ano, dos quais 70 milhões são aproveitados pela irrigação de Maio a Setembro15. A água vai brotando em diferentes pontos e é conduzida desde lugares muito altos por canais de pedra de uns 50 centímetros de profundidade e 70 de largo, a que dão o nome de levadas 16. Ao lado das levadas corre um pequeno caminho que serve para se fazerem vistorias e as necessárias reparações17.

  • 18 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 73.
  • 19 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 72.

19Os canais nascem em lugares altos da ilha e vão, com frequência, buscar a água à vertente norte, mais rica de precipitações, para o que é necessário cavar túneis através das montanhas18. O túnel mais longo mede 800 metros. Os canais principais vão-se ramificando em canais secundários, providos de pequenas comportas, para regular o volume de água a distribuir. O débito das levadas varia muito, chegando a atingir de 60 a 80 litros por segundo nos canais colectores. Esta massa de água vai-se subdividindo, descendo os débitos respectivos a uns 12 a 30 litros por segundo19.

20O conjunto total das levadas deve ascender a cerca de 200, perfazendo aproximadamente 1000 km de extensão. A mais comprida regula pelos 24 km.

  • 20 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 75.

21A utilização destas águas está sujeita a um sistema complexo, tradicional, que nem sempre satisfaz as necessidades de todos. De início as águas eram propriedade comum da população e os proprietários não tinham direitos sobre as águas das nascentes que se encontravam dentro das suas propriedades, nem podiam desviar águas, nem impedir a corrente das levadas 20. Mais tarde, reconheceu-se que este sistema se tornava de difícil execução.

  • 21 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 76.
  • 22 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 76.

22As principais levadas são do Estado, outras de particulares. O Estado tem a seu cargo a reparação e conservação das levadas e os cultivadores pagam-lhe a água de que necessitam. Mas há também levadas do povo, que se podem considerar uma espécie de propriedade comunitária, pois todos os camponeses são co-proprietários. Na realidade os direitos de aproveitamento comum resultam da herança transmitida de pais a filhos desde os primeiros construtores, os quais são chamados os heréus (herdeiros)21. Todos os trabalhos relativos à levada estão a cargo do juiz de levada, cujos serviços eram antigamente pagos em água. As atribuições do juiz de levada são várias e ele dispõe de grande autoridade. Cabe-lhe marcar os períodos em que se começa a regar ; em anos de escassez de água determina quais as culturas que devem ser beneficiadas, com sacrifício de outras, e entrega à justiça aqueles que não respeitam as regras tradicionais da irrigação22.

23Em si, o sistema usado na Madeira não oferece novidade tecnológica, pois é o velho princípio de aproveitar as nascentes naturais a níveis elevados e conduzir a água pela força da gravidade aos campos situados em níveis mais baixos. O que é invulgar é o arrojo e proporções do empreendimento.

24Às vezes a irrigação de desnível pode fazer-se aproveitando mananciais grandes, ribeiros ou mesmo rios. Para isso é frequente construirem-se açudes ou diques, que represam a água e obrigam a subir o seu nível de maneira a poder ser utilizada sem aparelhos especiais. A água é conduzida do mesmo modo, por regos ou canais, até aos lugares onde é aproveitada.

25As águas correntes são em geral propriedade de vários, ou de toda uma povoação, que as utilizam segundo regras de direito consuetudinário, que variam de região para região. Já vimos que na Madeira existe ainda uma organização que faz lembrar as tradições comunitárias de algumas aldeias do Norte de Portugal. O sistema de co-herdeiros é também frequente no norte, sobretudo na utilização de fornos e moinhos.

  • 23 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, pp. 55-64.

26O nome de juiz de levada também lembra o antigo juiz de Vilarinho da Furna, hoje chamado zelador 23. As suas atribuições são também idênticas às do zelador de Vilarinho e às dos mordomos de Rio de Onor, se bem que muito mais limitadas e com menos poderes directos, pois, enquanto na Madeira, quem infringe as regras do regadio é enviado aos tribunais, em Vilarinho ou em Rio de Onor é julgado pelo próprio povo, por intermédio dos seus órgãos especiais de justiça e as multas são recebidas por estes, para benefício da comunidade.

27Embora o carácter deste trabalho não permita o estudo pormenorizado de formas de direito consuetudinário relativas à fruição de águas comuns, não deixaremos de mencionar algumas, quando descrevermos diferentes processos de regar, aproveitando nascentes e regatos que são muitas vezes usufruídos por vários proprietários, ou por todos os proprietários dum lugar.

MANEIRAS DE REGAR E PROCESSOS DE DISTRIBUIR AS ÁGUAS

28São muitos e variados os processos de conduzir a água das presas até às plantas a regar, assim como são também numerosas as normas que regulamentam os direitos que cada um tem às águas de rega comuns a todos os vizinhos duma povoação, ou a alguns proprietários do lugar.

29Não pretendemos fazer a sua completa exposição, mas, simplesmente, dar uma série de exemplos que ilustrem o complicado problema da fruição das águas, que desde sempre tem sido causa de inúmeras questões e, o que é pior, de muitos homicídios ou cenas de sangue, que enlutam famílias e criam atmosferas de constante tensão psicológica, que só anos de chuvas abundantes conseguem diminuir.

  • 24 Alberto Vieira Braga, Curiosidades de Guimarães (A Irmandade da água), vol. X, Guimarães, 1946, p. (...)

30Uma das formas mais rudimentares da fruição de águas, muito usada no Minho, é a do – torna e torna 24– ou – torna-torna – sobretudo nas águas de lima. Esta água não está partida, e cada um tem direito a ela, sempre que a vá tornar para o seu prédio. Quem for mais assíduo em torná-la será o mais beneficiado.

  • 25 Informação do aluno de Geografia Humana, 1953, P.e Álvaro Gomes dos Santos, de Esposende.

31Às vezes, um vizinho vai, já de noite, desviar a água para o rego que leva para a sua terra. Mas, altas horas da noite, vem outro e torna-a para o seu. Os mais activos e ciosos da água escondem-se perto, à espreita, e mal o vizinho, que tornou a água, se vai deitar, eles saem do esconderijo e tornam-na de novo para as suas terras. É da praxe não tornar a água na presença de outro e quebrar essa tradição representa grave ofensa. Em anos secos dá-se na época das regas uma autêntica porfia e não faltam também sacholadas e sangue25.

32No inverno as águas são abundantes e todos podem limar os seus prados sem questões. A água de lima costuma estar distribuída por uma rede de pequeninos regos que derivam dum rego principal que, em geral, corre ao longo da margem mais elevada do lameiro, ou linhar. Como dissemos, aproveitando os desníveis, a água corre continuamente, formando uma espécie de película ténue que imbebe a terra permanentemente. Nas terras altas de montanha esta água protege também os prados contra os efeitos maléficos das geadas.

  • 26 Orlando Ribeiro, Ob. cit., pp. 112-119 e 175-179.

33No noroeste, sobretudo no Minho, província dos campos-prados, a água que lima os lameiros no inverno, rega os campos de milho no verão26.

34Além da rega de lima existe a rega que apenas se executa quando a cultura mostra sinais de falta de água. Conforme as culturas e as regiões, a água corre para cavachos, talhões ou regos onde as plantas se desenvolvem, desviada duns para os outros pela tapagem sucessiva feita com terra ou qualquer tapulho, ou é espalhada por toda a superfície. Está neste caso a rega do milho por todo o Noroeste: logo após a sementeira são abertos a arado regos que saem da regueira que traz a água da presa ou qualquer outra origem, e que são orientados segundo o ligeiro declive do terreno; formam-se assim uma espécie de longos talhões ou margens que se vão regando umas a seguir às outras. O homem, com a ajuda da enxada, vai fazendo correr a água sucessivamente por esses regos, e em cada um deles vai-a deixando entrar dentro do talhão em cortes que se seguem a distâncias regulares. A água espalha-se assim por toda a superfície, muita vez ajudada a espalhar-se e a penetrar na terra com a ajuda da enxada e dos próprios pés. Dá-se a este tipo de rega o nome genérico de rega pelo rego ou rega pelo pé.

  • 27 Informação de Maria Amélia Dimas de Lacerda, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Monte Rea (...)
  • 28 Informação de Ida Penin Marques, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Sesimbra.

35A rega deste tipo é com frequência designada desta maneira em várias regiões do país, mesmo bastante ao sul, e já nas margens do Tejo. Em Monte Real chama-se rega de rego ou de pé quando a água, seguindo as curvas de nível, corre por regos de pouca inclinação, os quais são alimentados por um canal que segue linhas de maior declive. É costume colocar-se uma mota de terra abaixo da intercessão das regueiras para facilitar a passagem da água. Quando a terra está saturada, a mota desfaz-se, e o excesso de água volta ao canal para se reunir a um outro de descarga, que a leva para fora dos campos27. Em Sesimbra, Alfarim, a água é conduzida pela regadeira, composta por várias valas, que levam a água aos canteiros que se querem regar. A rega pode ser feita por meio do cabaço ou a pé. Cada talhão é formado por vários alfobres ou alfôfos, que se vão enchendo de água. Logo que um tem água suficiente, o camponês desvia-a com a enxada para o seguinte. Esta rega de pé usa-se para feijões, pepinos, tomates, etc., pois, se estas plantas forem regadas com o cabaço, a água lançada com violência faz-lhes cair as flores. Couves, cenouras e batatas, podem ser regadas a cabaço28.

  • 29 Informação de Maria da Conceição Martins, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Sardoal, Alc (...)

36No Sardoal, Alcaravela, regam com água por seu pé. Fazem um açude, ou represa na ribeira, onde empoça a água. Quando esta está cheia, abrem a represa, e a água sai pelo orifício e segue por um rego, denominado levada, até ao fruto. Quando esta água tem de atravessar uma ribeira, transpõe-na em calhas de madeira, zinco ou cimento. A água das minas é também utilizada por este meio. Por altura das regas os lavradores entancam a terra, isto é, dispõem-na com as enxadas em forma de covas rectangulares ou quadradas, a que chamam tanques, e fazem um rego até cada um dos tanques. A água vem por seu pé e enche o tanque. Uma vez o tanque cheio, de maneira a ficarem bem irrigados os pés das plantas, desvia-se a água com a enxada para o tanque seguinte. Este sistema de rega não necessita de mais que uma pessoa. Ela própria vai abrir a represa e faz a rega29.

  • 30 Informação de Maria Antonieta Goulão, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Idanha-a-Nova.

37Em Idanha-a-Nova, Rosmaninhal, a água de rega segue também dos lugares mais elevados por regadeiras que, às vezes, apresentam a forma de espinha, pois do rego principal partem outros menores e destes outros ainda mais pequenos30.

  • 31 Informação de Maria Ângela Dias Soeiro, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Bragança.

38Em algumas terras existe o costume de abrir a conduta e deixar correr a água livremente pelo terreno a regar. Em Bragança chama-se a isto regar à manta 31.

39Em Miranda do Douro chamam regar com o regador quando usam o garibano (cabaço) e lançam a água sobre a terra plana e sem regos, como na rega à manta de Bragança. Isto faz-se, sobretudo, na cultura das nabiças.

  • 32 Informação de Maria Adília Moutinho, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, do Porto.

40A outra rega, mais vulgar, faz-se por meio de sulcos ou regos paralelos, equidistantes, que cortam os campos longitudinalmente. A água vem de valas principais e passa depois para os sulcos ou regos regando as plantas pelo pé. Chama-se a isto regadio de rego. A maneira de regar varia um pouco com as culturas. Na Maia, o milho rega-se, desde que se utiliza o semeador, fazendo passar a água pelos regos onde estão as plantas dispostas em fila. Os que não são cuidadosos regam então, deixando correr a água livremente pelo campo. É isto que se faz com as hortaliças. As cenouras já exigem um processo diferente; são dispostas em fiadas formando tornas ou talhões, que alternam com os regos por onde se lança a água32.

  • 33 Maria Luísa Carneiro Pinto, As Madrias, Ob. cit., p. 10.

41Nalgumas regiões muito inclinadas, quando se faz a rega, para evitar que a água arraste a pouca terra dos campos, é costume deitar palha trilhada sobre a terra, à volta das plantas a regar. Além de evitar o arraste da terra, a palha retém a água que penetra melhor no terreno. Isto usa-se em diferentes lugares no Norte (Serra de Montemuro, Penude e Magueja ; Serra da Lousã, Casal Novo; Baião, Santa Leocádia)33.

42Quando a água é de consortes ou é propriedade de todos os vizinhos dum lugar, existem muitos sistemas tradicionais de regular essa fruição. Além do sistema de torna-torna, de que já falámos, vamos descrever alguns ainda em uso.

43Enquanto os poços são em geral privativos das terras em que estão abertos, as outras águas (minas, córregos, ribeiros e rios) são em geral propriedade de muitos.

  • 34 Informação de José da Veiga Leitão, aluno de Geografia Humana, curso de 1953, de Sernancelhe.

44Às vezes, as águas pertencem a um número largo de pessoas durante um período do ano e a um número mais reduzido na época de maior secura. Em Sernancelhe, por exemplo, as águas de lima, utilizadas para limar lameiros durante o inverno e a primavera, só são cedidas para este fim desde a Senhora dos Remédios (Lamego, 16 de Setembro) até ao S. João (24 de Junho). Quando uma água é ali utilizada pela moagem e pela agricultura, a partir do S. João cabe de direito à lavoira, mas de facto só quando as culturas o exigem. No primeiro domingo de Junho, todos os interessados em determinada água reúnem a fim de marcarem o dia em que deverão proceder às reparações das presas e regos, que as enxurradas de inverno com frequência estragam ou destroem34.

  • 35 Informação do P.e Álvaro Gomes dos Santos, aluno de Geografia Humana, curso de 1953, de Esposende.

45Este costume de limpar e arranjar as poças encontra-se em muitos lugares, especialmente no Norte. Em Forjães, Esposende, por exemplo, chama-se a isto fazer as poças, o que costuma suceder no dia de Santo António (13 de Junho) ou no dia de S. João (24 de Junho), conforme se trata de milhos do cedo ou do tarde35.

46Uma das dificuldades nas repartições das águas comuns é a atribuição das cotas-partes de cada consorte. Nalguns lugares chama-se giro ao lapso de tempo (horas ou dias) em que cada consorte tem direito a regar.

  • 36 Informação do P.e Álvaro Gomes dos Santos, aluno de Geografia Humana, curso de 1953, de Esposende.

47Em Forjães, Esposende, como em muitos outros lugares, o giro não é igual para cada consorte, pois depende dos direitos tradicionais de alguns, ou dos terrenos a regar. Quando termina um giro, começa outro, e assim sucessivamente. De modo geral, os giros começam no dia de S. João e terminam no dia da Natividade da SS. Virgem (8 de Setembro)36.

48Em Oliveira de Azeméis (Maceira de Sarnes), a irrigação das terras altas é baseada num sistema tradicional de tipo comunitário muito antigo. No fim de Março procede-se ao costume de engirar a água. Para este efeito cada proprietário de terras beneficiadas por essa água, destaca uma ou mais pessoas, conforme as terras que possui, para fazer limpeza a uma levada, no extremo nascente da freguesia. Essa levada desvia parte da água do ribeiro, para a conduzir, dando grandes voltas através de campos e matos, até ao extremo poente.

49Cada giro é um período de 9 dias, e cada proprietário tem direito a um certo número de horas de rega, de dia ou de noite. Esta divisão está feita de tal modo que cada campo recebe a água do giro de 9 em 9 dias.

50Até há relativamente poucos anos, os lavradores cortavam a água de dia, regulando as horas pela sombra das suas enxadas, colocadas a prumo no campo. Porém, há cerca de três lustros, um relógio colocado na torre de uma capela, na parte alta da freguesia, determina as horas com mais exactidão.

51Não existe documento algum escrito de destrinça da água, mas todos sabem as horas que lhes pertencem, segundo uma distribuição já muito antiga, e que se transmite sem alteração de pais a filhos.

  • 37 Informação de Maria Leite Pereira de Cernache, aluna de Geografia Humana, Coimbra, 1953.

52As ribeiras ou lameiros são regados por ordem sucessiva, isto é, o primeiro a regar é o dono dos campos que marginam o ribeiro à entrada da freguesia, seguindo-se-lhe os imediatos. Quando chega ao último, volta a regar o primeiro. Isto, porém, é só do nascer ao pôr-do-Sol, pois de noite quem quer pode regar. Logo, os mais beneficiados são os proprietários das terras mais próximas da nascente do ribeiro37.

53Nas aldeias de forte estrutura comunitária, a distribuição equitativa das águas e o respeito dos vizinhos pela organização tradicional apresenta, por vezes, aspectos muito curiosos.

  • 38 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, p. 60.

54Em Vilarinho da Furna, o zelador, por altura das segadas, em geral no dia de S. João, toca o corno para reunir os vizinhos, e caminha, seguido por um representante de cada casa, até ao rio Homem, a fim de meter a água para as restevas. Meter a água é repartir as várias poças, que recebem água do rio, pelos vizinhos, em geral uma para cada cinco homens. No dia seguinte, a um sinal dado por ele, têm de começar todos o trabalho. Para as transgressões há multas estabelecidas38.

55Em Rio de Onor, Bragança, os costumes relacionados com a distribuição das águas e com a sua protecção é invulgarmente interessante.

56Nesta aldeia há a considerar dois tipos de água de rega : a dos pastos comunais, extensos prados ao longo do rio, e a da horta, onde as terras estão repartidas e são propriedade individual.

57Normalmente existe água suficiente para regar ao rego. Na faceira (horta junto da povoação) regam com a água de um pequeno afluente do rio. O direito a estas águas está rigidamente regulamentado. Chama-se dunha ao conjunto de vizinhos que têm o direito de regar no mesmo dia. Calcularam para cada dunha a mesma área de terreno a regar. Dentro de cada dunha os vizinhos entendem-se como lhes convém, mas, em geral, cada um tem as suas horas de rega. Quando todas as dunhas regaram, voltam de novo à primeira.

58Os costumes relativos à rega dos prados colectivos, os Coutos, são mais complicados.

59Os Coutos são o grande orgulho dos Rionorenses, visto ser a maior riqueza que possuem. Por isso, nada lhes merece tantos cuidados como eles. Sobretudo no verão, quando a produção do feno depende da irrigação regular e constante, a vigilância atinge foros de autêntica organização.

60Todos os dias, um dos membros dal conseio (do conselho) é obrigado a fazer uma inspecção minuciosa dos Coutos, percorrendo-os em toda a sua extensão (alguns quilómetros). A sua principal missão é verificar se as águas não se estão a perder em qualquer lugar, se os regos estão bem desimpedidos e se as águas não foram desviadas pelos vizinhos de Varge, cujo termo confina com o seu.

61Para se ter a certeza de que o vizinho de serviço foi até ao limite dos lameiros, o mordomo entrega-lhe um cambito, que ele leva na mão durante a inspecção, e tem de espetar no fim da última lameira, num lugar combinado, ou então de o dependurar numa determinada árvore, trazendo o cambito que no dia anterior lá deixou o seu colega.

62O cambito é um pau com um gancho na ponta. Os dois cambitos em uso são feitos de madeiras diferentes, em geral : um é de choupo e o outro de castanho. Se fossem da mesma madeira não era possível o mordomo ter a certeza de que o vizinho cumprira com o seu dever.

63Quando começa o período das regas, ou sempre que seja necessário, o conselho vai fazer as agueiras, isto é, limpar os regos das silvas e ervas daninhas que se desenvolveram e impedem o livre curso das águas.

64O trabalho é distribuído pelos mordomos, que calculam a olho as sortes que cabem a cada um. Um mordomo caminha ao longo dos regos e com a sadantcha marca no chão um sinal e diz – «Esta é a sorte de Fulano». E continua marcando zonas nos regos, mais ou menos do mesmo tamanho, até ter distribuído tarefas a todos os vizinhos. Na retaguarda vem o outro mordomo, que verifica a boa execução do trabalho, de maneira a não ficar nenhum troço do rego por limpar. Terminada uma sorteada, começa outra, e assim sucessivamente até ao fim da tarde. Quando regressam ao lugar, vão todos ao largo, onde reúne o conselho, e bebem uma pinga como recompensa pelo esforço dispendido.

65Quando é preciso mudar as águas dumas lameiras para outras, ou tapar presas, os mordomos mandam os homens da rodra. Chamam a isto fazer a rodra dal Couto.

  • 39 Jorge Dias, Rio de Onor, comunitarismo agro-pastoril.

66Durante o verão costumam mandar homens de rodra de dia e de noite para vigiar os movimentos dos vizinhos de Varge. Sobretudo de noite a vigilância tem de ser constante, pois, de contrário, os de Varge podem desviar as águas dos lameiros para os moinhos que possuem um pouco mais a jusante. Por isso, nas épocas de maior seca, os homens de rodra têm de dormir perto dos lugares mais sujeitos às maroteiras dos de Varge. Os incidentes não são frequentes, mas alguns assumiram proporções graves39.

67É curioso que não são só as aldeias, onde se mantém viva uma organização comunitária de velha tradição, que nos dão estes exemplos de regulamentação relativa às águas. Mesmo em regiões onde de há muito impera um regime de apropriação individualista do solo, se mantêm formas de direito consuetudinário muito interessantes. São particularmente curiosos os processos usados para delimitar os espaços de tempo atribuídos a cada proprietário, para regar, em épocas em que não havia relógios. Mesmo havendo-os, sucede manterem-se, às vezes, os mesmos métodos tradicionais. Vamos ainda descrever dois destes processos.

  • 40 Maria Luísa Carneiro Pinto, As Madrias, Ob. cit., p. 9.

68Em Sta. Leocádia de Baião, existem umas toscas e antiquíssimas obras de captação de água no leito dos ribeiros, chamadas madrias. «Esta água segue por regos até às presas e poças, onde se junta até à hora que marca aos consortes o direito de a irem guiar para os seus campos. Para esse feito, é o dia dividido em quartos: começa o primeiro quando pinta o sol no monte de Eiras, isto é, quando a primeira mancha doirada pelo sol nascente ilumina a crista da serra que a poente limita o horizonte; começa outro pela sesta, outro ao pôr-do-sol e só o restante tem hora marcada pelo relógio»40.

69É mais completo o sistema vigente ainda na freguesia de Macieira (Felgueiras) e que nos descreve Manuel Bragança. « Há aí uma água que tem a sua nascente no campo de Grusmão, situado no lugar do Ôro, freguesia de Pinheiro, a qual se denomina água da Levada de Borbela, ou da Maçorra. Esta água, desde o S. João (24 de Junho) até à Senhora da Lapa (15 de Agosto) tem a divisão que passamos a indicar.

70«Cada dia divide-se em seis partes, a saber : galo, sol-nado, chouzeiro, sesta, tarde e sol-posto; e cada parte constitui o período de tempo durante o qual cada interessado pode utilizar a água.

71«O galo começa à meia-noite e acaba ao apontar do sol no alto do Ladário (monte sobranceiro à vila da Lixa); o sol-nado tem início logo a seguir e dura até aos oito pés de sombra; o chouzeiro principia aos oito pés e termina aos três; a sesta vai dos três pés aos oito; segue-se a tarde, que termina ao pôr-do-sol ; o sol-posto é o período imediato, que finda à meia-noite».

72Para marcar os pés de sombra o camponês ptocede da seguinte maneira : – «depois de se descalçar e descobrir a cabeça, volta-se para o lado oposto ao sol e, marcando com a vista o ponto até onde chega a sombra, começa a medir os pés que separam aquele ponto do lugar onde se encontra. Como se disse, a medição é feita em pés e não em passos. E, assim, vai encostando o calcanhar de um pé ao dedo polegar do outro, até encontrar o limite da sombra previamente fixado. Se a sombra mede oito pés, estará findo o sol-nado e começará o chouzeiro. Esta operação tem de ser feita em terreno nivelado.

  • 41 Manuel Bragança, Como se divide uma água, in «Douro-Litoral», 2.a série, VII, Porto, 1947, pp. 11 e (...)

73«À meia-noite, não havendo nuvens, é determinada pelo aparecimento de uma estrela sobre o lugar de Aljão, da freguesia de Agilde, quando a mesma está uma vara de medir acima da linha do horizonte, isto nos meses de Junho e Julho, porque em Agosto é meia-noite, quando os sete-estrelos tiverem subido igual medida»41.

  • 42 Alberto Vieira Braga, Ob. cit., pp. 77-82.

74Estes poucos exemplos dão já uma ideia da variedade enorme de maneiras de regar e formas de direito consuetudinário que lhe andam associadas. Podiamos ainda falar da Irmandade da água e da água bugalheira, a que corre o suficiente para tocar um bugalho; a de alimento, o fio de água que se desvia para um depósito ou tanque, e se destina aos gastos da casa, e outros42. Mas seria sair dos nossos propósitos. Só num trabalho especial será possível reunir materiais suficientes e submetê-los a uma certa ordenação, mas não cabe no âmbito deste livro tratar o assunto com mais desenvolvimento.

BARRAGENS ALENTEJANAS MODERNAS

75Em nossos dias está-se a dar uma revolução importante na agricultura alentejana, com a intensificação do regadio.

76Durante muitos anos, a chamada irrigação do Alentejo foi várias vezes debatida por políticos e reformadores idealistas. Não temos bases para julgar da viabilidade de tal realização, mas a experiência tem-nos, pelo menos, demonstrado que os planos demasiado grandiosos se esgotam pelo esforço da própria concepção e raras vezes chegam a tornar-se um facto.

77A transformação que se está a operar no Alentejo, que de ano para ano vai conquistando mais hectares de terreno para culturas de regadio, deve-se à iniciativa de particulares, que pretendem valorizar as suas propriedades, aumentando-lhes o rendimento.

78Esta irrigação moderna assenta num princípio idêntico ao usado no norte, aproveitando a água das represas, e difere simplesmente no arrojo das construções, na adaptação do sistema a condições especiais de solo e de clima e no uso de máquinas e bombas para elevar a água.

79No norte, durante o verão, as presas alimentam-se com água de nascentes naturais, ou com águas de mina, que dia e noite vão correndo até as encherem. Isto é possível porque os solos graníticos de relevo movimentado armazenam naturalmente as águas de inverno e primavera, que se escoam aos poucos durante o estio. No Alentejo, nem o solo nem o relevo oferecem condições naturais para se fazer um regadio deste tipo. Mas, aproveitando terrenos que pela sua topografia possam servir para armazenar as águas pluviais do inverno, desde que se lhes feche, por meio de uma barragem, o escoamento natural, obtêm-se represas capazes de, em anos normais, regar durante o verão áreas de terreno consideráveis.

  • 43 Este sistema de aproveitamento das águas de inverno em represas feitas de terra batida, por meio de (...)

80As modificações operadas no terreno não são grandes; consistem apenas no levantamento de uma barragem de terra batida, no escavamento e alargamento da bacia natural (cuja terra serve para levantar a barragem) e no aplanamento dos campos de cultura irrigada. Isto consegue-se hoje com relativa facilidade, com o auxílio de máquinas potentes e adequadas43.

81Para se fazer uma ideia da magnitude de tais empresas, vamos dar aqui alguns números que falam só por si.

821) A barragem dos Grous (perto de Albornoa, ao sul de Beja), armazena cerca de 3,5 milhões de metros cúbicos de água para regar 200 ha de arroz. O aterro (isto é, a própria barragem) levou 80 000 m3 de terra e tem 14 m de altura total. A água é elevada por meio de bombas a 30 m de altura. O preço só da barragem orçou pelos 1200 contos, mas as despesas de adaptação dos terrenos ao regadio, a aquisição de equipamento e capital envolvido na exploração elevaram os gastos a uns 4000 contos.

832) A barragem do Barahona (próximo de S. Matias, norte de Beja) tem a capacidade aproximada de 1 milhão de metros cúbicos. A altura total é de 8 metros (7 metros de altura útil). Rega uns 50 ha de arroz. A água é elevada a uns 30 m e tem 2,5 km de conduta. Esta barragem, feita antes da última guerra, custou uns 500 contos com aterros, adaptação ao regadio, etc. (Para se comparar o seu custo com o das outras, será necessário multiplicar os 500 contos por 2.)

843) A barragem do Monte do Outeiro (perto de Canhestros, Ferreira do Alentejo) armazena uns 350 000 m3 para regar uns 40 ha. O aterro, com 8 metros de altura, levou 22 000 m3 de terra. Está em conclusão e deve custar, incluindo adaptação ao regadio, uns 550 contos. Esta barragem fica relativamente mais económica, porque os terrenos a irrigar ficam mais baixos e não é necessário elevar a água com bombas a motor. É uma barragem que rega de pé, como as represas do norte.

  • 44 Informações fornecidas pelo nosso companheiro de andanças e amigo, Mariano Feio, de Beja.

854) A maior barragem particular que conhecemos é a de Vale de Moura (ao sul de Évora), que armazena 6 milhões de metros cúbicos, com os quais se podem regar para cima de 200 ha de arroz44.

86Certa disparidade que se nota entre os volumes de água e áreas regadas resulta dos diferentes cultivos (arroz ou forragens, etc.) e na maior ou menor permeabilidade dos terrenos. Há cultivos que necessitam de mais água do que outros.

  • 45 Informação de José Fernandes Delgado Alves, aluno do curso de Geografia Humana, Coimbra, 1953, de B (...)

87Na região de Sta. Vitória, no distrito de Beja, existe uma represa pertencente à Herdade do Outeiro, uma das mais prósperas da região, que apresenta uma curiosa particularidade. Como havia vários caudais profundos e dispersos, o proprietário mandou abrir alguns poços, que ligou depois por galerias subterrâneas de maneira a juntar a água de todos os poços, que foi conduzida por um túnel a um ponto da propriedade de cota inferior, e que se prestava para a construção de uma represa, que irriga uma boa área de terreno45.

Notes

1 Kaj Birket-Smith, Ob, cit., p. 77.

2 Ver Jorge Dias, «Rio de Onor, comunitarismo agro-pastoril».

3 Hermann Lautensach, Zur Geographie der künstlichen Bewässerung auf der Iberischen Halbinsel, Geographischer Anzeiger, 1932, Est. 20 e 21; ver também Hermann Lautensach, Ob. cit., I parte, 1937, p. 10.

4 Ver Jorge Dias, Minho, Trás-os-Montes et Haut-Douro, Lisboa, 1949 (publicação do Congresso Internacional de Geografia), pp. 15-21.

5 Hermann Lautensach, «Portugal», Ob. cit., II parte, 1937, p. 10.

6 Fr. A. Palma de Vilhena, Monografia da freguesia rural de Paços de Sousa, in «Bolet. Direcção-Geral Agr. XI», 7, 1912, cit. por Lautensach, Ob. cit., p. 10.

7 Este sifão, que nalguns lugares tem o nome de engenho, vimo-lo em Celorico de Basto, Sta. Tecla e Terras de Bouro, mas existem em Baião e Fafe, onde são conhecidos como presas de engenho. Em Penafiel só se encontram em freguesias que confinam com o rio Tâmega. Aqui são conhecidas por presas de taco. Ver Maria Luísa Carneiro Pinto, As Madrias, in «Douro-Litoral», 2.a série, VII, Porto, 1947, pp. 9-10 e nota 1 da p. 10.

8 Ver Maria Luísa Carneiro Pinto, As Madrias, Ob. cit., p. 9.

9 Junta Autónoma das Obras de Hidráulica Agrícola.

10 Ver Jorge Dias, Minho, Trás-os-Montes et Haut-Douro, publicação do Congresso Internacional de Geografia, Lisboa, 1949, pp. 73-78.

11 A. de Amorim Girão, Geografia de Portugal, reproduz na Est. XLV, II, um Canal para distribuição das águas de rega nas «Campanhas» da Idanha.

12 A. de Amorim Girão, Ob. cit., reproduz na Est. LIV, em cima, um aspecto da construção e revestimento do canal da comporta do Vale do Sado.

13 Nas Canárias existe também um curioso sistema de canais condutores da água de rega, ver Fernand Rausser, Ein Bilderbericht über die Kanarischen Inseln, in «Atlantis», Zurique. Outubro, 1952, caderno 10, p. 428, fig. em baixo.

14 Orlando Ribeiro, L’Île de Madère, Congresso Internacional de Geografia, Lisboa, 1949, p. 70.

15 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 71.

16 Em Castelo Branco, Sarzedas, chamam levadas aos regos de rega.

17 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 72.

18 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 73.

19 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 72.

20 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 75.

21 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 76.

22 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 76.

23 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, pp. 55-64.

24 Alberto Vieira Braga, Curiosidades de Guimarães (A Irmandade da água), vol. X, Guimarães, 1946, p. 76.

25 Informação do aluno de Geografia Humana, 1953, P.e Álvaro Gomes dos Santos, de Esposende.

26 Orlando Ribeiro, Ob. cit., pp. 112-119 e 175-179.

27 Informação de Maria Amélia Dimas de Lacerda, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Monte Real.

28 Informação de Ida Penin Marques, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Sesimbra.

29 Informação de Maria da Conceição Martins, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Sardoal, Alcaravela.

30 Informação de Maria Antonieta Goulão, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Idanha-a-Nova.

31 Informação de Maria Ângela Dias Soeiro, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, de Bragança.

32 Informação de Maria Adília Moutinho, aluna de Geografia Humana, curso de 1953, do Porto.

33 Maria Luísa Carneiro Pinto, As Madrias, Ob. cit., p. 10.

34 Informação de José da Veiga Leitão, aluno de Geografia Humana, curso de 1953, de Sernancelhe.

35 Informação do P.e Álvaro Gomes dos Santos, aluno de Geografia Humana, curso de 1953, de Esposende.

36 Informação do P.e Álvaro Gomes dos Santos, aluno de Geografia Humana, curso de 1953, de Esposende.

37 Informação de Maria Leite Pereira de Cernache, aluna de Geografia Humana, Coimbra, 1953.

38 Jorge Dias, Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária, Porto, 1948, p. 60.

39 Jorge Dias, Rio de Onor, comunitarismo agro-pastoril.

40 Maria Luísa Carneiro Pinto, As Madrias, Ob. cit., p. 9.

41 Manuel Bragança, Como se divide uma água, in «Douro-Litoral», 2.a série, VII, Porto, 1947, pp. 11 e 12.

42 Alberto Vieira Braga, Ob. cit., pp. 77-82.

43 Este sistema de aproveitamento das águas de inverno em represas feitas de terra batida, por meio de grandes tractores e máquinas especiais, está-se a pôr em pràtica noutras regiões, cujas condições mesológicas são idênticas. Ver: Lily Abegg, Der Sudan – Das Werden einer Nation, in «Atlantis», Zurique, Setembro de 1952, caderno 9, p. 373, fig. em baixo.

44 Informações fornecidas pelo nosso companheiro de andanças e amigo, Mariano Feio, de Beja.

45 Informação de José Fernandes Delgado Alves, aluno do curso de Geografia Humana, Coimbra, 1953, de Beja.

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search