Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

Introdução

Texte intégral

  • 1 Kaj Birket-Smith, Geschichte der Kultur, Zurique 1946 (tradução alemã da edição dinamarquesa de 194 (...)

1A irrigação do solo é uma necessidade vital das regiões secas da Terra. Nalguns lugares o seu uso perde-se em tempos remotos. Não faltam testemunhos históricos e arqueológicos a atestar esta afirmação – numa maça de armas de pedra da I dinastia egípcia está representado um faraó a trabalhar numa canalização. Nesta mesma época foi aberto um canal de 600 km, desde Abidos até Fayum1. Porém, a construção de canais ou diques de rega remonta a tempos mais recuados.

  • 2 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 476.

2Parece que o Egipto recebeu das regiões asiáticas situadas ao norte da Mesopotâmia grande parte dos conhecimentos hidráulicos. Segundo Birket-Smith é de crer que tivessem sido a Síria setentrional e a região de colinas no sopé das montanhas da Arménia os primeiros lugares da Terra onde o homem aproveitou a água para regar artificialmente, a julgar pelas suas condições naturais, propícias ao desenvolvimento da técnica do regadio – clima seco e abundância de ribeiros de montanha2.

  • 3 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 476.

3A hipótese da origem mesopotâmica tem de se pôr de parte, visto ser uma região nascida das aluviões recentes do Tigre e do Eufrates que, com toda a probabilidade, é mais jovem do que a descoberta do regadio3.

  • 4 Dentre todos destaca-se o difusionista inglês Elliot Smith; ver deste autor: In the beginning; the (...)

4O Egipto, que durante muito tempo foi considerado falsamente, por alguns, como o berço de todas as formas da cultura4, tem contra si o facto de ser um vale fluvial longo e estreito, entre dois desertos, e colocado um pouco à margem das velhas civilizações. Isto torna pouco provável a ideia de prioridade, que lhe foi de princípio atribuída.

  • 5 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 77.
  • 6 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 173.

5O regadio primitivo consistia apenas em conduzir a água, aproveitando a força da gravidade, e só mais tarde surgem processos mais complicados. Em geral o espírito inventivo do homem está longe de ser rico como muitos supõem. As invenções e o aperfeiçoamento das descobertas iniciais são muito raros e devem-se sempre à capacidade inventiva de homens excepcionais. Nos tempos antigos só as velhas civilizações asiáticas souberam aproveitar a água para accionar moinhos, rodas hidráulicas e pisões5. O resto da humanidade manteve-se até épocas históricas avançadas sem se erguer acima de formas elementares de regadio, se bem que, por vezes, realizasse obras de proporções gigantescas. No Peru e no México, por exemplo, foram notáveis as obras levadas a cabo antes da descoberta do continente americano. Os Estados Unidos pouparam, em tempos recentes, a soma considerável de $ 20.000 aproveitando uma espécie de condução de águas de 4 a 5 km aberta pelos índios na rocha dura de uma elevação vulcânica6.

  • 7 Jean Brunhes, L’Irrigation dans la Péninsule Ibérique et dans l’Afrique du Nord, Paris 1902, p. 6.

6Esta luta pela água só a compreende quem lhe sente a falta. Como diz Jean-Brunhes: «L’eau est le produit le plus précieux, le plus essentiel, mais qui nous est en certaines zones du globe distribué si largement que nous n’avons aucun effort à faire pour en jouir; il se trouve souvent distribué sous la forme de pluie, c’est-à-dire sous la forme qui nous permet de l’utilizer directement, sans que nous ayons aucun travail à fournir»7.

7De facto, os que vivem nas regiões privilegiadas da Europa Média e Setentrional, onde chuvas frequentes e regularmente distribuídas mantêm a terra fresca e irrigada, não compreendem a luta sem tréguas, e por vezes trágica, do habitante das terras secas, por esse elemento precioso.

  • 8 Jean Brunhes, Ob. cit., pp. 10 e 11.

8Portugal está ainda, em parte, compreendido na zona seca da Terra. Se não fosse a grande superfície de evaporação do Mediterrâneo, que determina um tipo de clima e de vida vegetal e humana, de certo modo independentes, as influências desérticas do Sahara far-se-iam sentir até uma latitude muito mais elevada, e os desertos avançariam pela Europa, como sucede na Ásia8.

  • 9 Jean Brunhes, Ob. cit., pp. 24-28.
  • 10 Jean Brunhes, Ob. cit., pp. 28-30.

9Apesar da acção moderadora do Mediterrâneo, a Península Ibérica apresenta grandes zonas dominadas pela aridez. A sua situação especial entre dois mares, o Atlântico e o Mediterrâneo, dá origem a dois regimes climáticos muito diferentes. Embora os ventos desses dois mares tendam a convergir para o centro da Península, os que sopram do Atlântico são mais húmidos e dão lugar a precipitações incomparavelmente mais abundantes9. É evidente que o relevo determina, por sua vez, a maior ou menor percentagem da distribuição das precipitações na paisagem, sem contrariar o facto dominante, isto é, que a metade atlântica da Península recebe muito mais chuvas anuais do que a metade mediterrânea. Mas a diferença entre essas duas metades manifesta-se mais nos diversos regimes que as caracterizam do que na média anual das precipitações. Enquanto na zona atlântica as chuvas são mais regulares e contínuas, as da região mediterrânea são bruscas e torrenciais, e tanto mais torrenciais quanto menos frequentes10.

  • 11 Jean Brunhes, Ob. cit., lug. cit.

10Daqui resultou a divisão da Península em duas grandes zonas: Ibéria Seca e Ibéria Húmida 11.

  • 12 Orlando Ribeiro, Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra 1945, p. 61.

11Apesar de Portugal estar compreendido na chamada Ibéria Húmida, nem por isso deixam de se impor os problemas da irrigação, motivados pelas épocas de secura estival. De facto, durante o verão, reinam em quase toda a Península as condições climáticas do Mediterrâneo: temperatura elevada, luminosidade intensa, grande insolação, carência de chuvas. Pode dizer-se que, em Portugal, Julho e Agosto são meses sem chuva ou de escassos chuviscos12, incapazes de satisfazer as necessidades da agricultura.

  • 13 Hermann Lautensach, Portugal auf Grund eigner Reisen und der Leteratur, I Teil, Ergänzungsheft, N.° (...)

12Este facto não impede que, como diz Lautensach, muitos autores menos informados afirmem que Portugal dispensa a irrigação artificial13. Tal crença provém da divisão da Península feita por Brunhes, de que já falámos, a qual considera húmida a região situada a ocidente de uma linha que parte de Tarragona, passa por Leão e segue para o sul até Huelva.

  • 14 Estas não têm propriamente interesse etnográfico, mas referir-nos-emos a elas mais adiante.
  • 15 J. I. Teixeira de Meneses Pimentel: «Regiões pluviométricas do continente português», in Boletim do (...)
  • 16 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 113, Nota 1.

13Embora não existissem em Portugal (antes da campanha organizada pelo Governo nos últimos decénios)14 obras de irrigação imponentes como as do sudeste peninsular, impostas pela extrema secura da região, a área tradicionalmente irrigada em Portugal é muito grande. Segundo o cálculo aproximado de Teixeira de Meneses Pimentel, o nosso país deve ter uns 9000 kms2 de terras irrigadas, ou seja cerca de 10 % da sua área total15. Admitindo com Orlando Ribeiro que haja arbitrariedade e exagero nesta estimativa16, a superfície irrigada ainda assim será muito grande.

  • 17 É uma hipótese pouco provável, mas não é impossível uma aldeia comunitária aceitar inovações e incl (...)

14A irrigação portuguesa é principalmente de iniciativa particular, aproveita pequenas nascentes ou poços, e algumas vezes rios, para benefício da propriedade privada. Só nas aldeias em que se mantêm restos de velhas organizações comunitárias, existem curiosos sistemas de distribuição de águas comuns, que se podem porventura filiar em antigos costumes de regadio em propriedade colectiva, se é que o hábito de regular os assuntos do povo em comum não veio também, em tempos mais recentes, a estender-se ao aproveitamento da água de rega17.

  • 18 Abel Viana, «Notas históricas, arqueológicas e etnográficas do Baixo Alentejo, I – Serpa», in Arqui (...)
  • 19 Sobre as actuais barragens falaremos no capítulo I.

15A maior percentagem de terras irrigadas não se encontra nas regiões de maior secura. Pelo contrário, o regadio é mais intenso nas áreas de maiores precipitações, ou seja no noroeste do país, onde as condições naturais permitiam um aproveitamento individual não excessivamente custoso. Pelo contrário, onde a irrigação era difícil e dispendiosa, como no Alentejo, o homem teve de se submeter às condições naturais, embora no passado algumas tentativas tivessem sido feitas18, tentativas que em nossos dias se estão a renovar com apreciável êxito19.

16São muitos e variados os processos tradicionais de rega, usados em Portugal.

17No Norte, temos as chamadas águas de lima, usadas, sobretudo, para alimentar os prados naturais (lameiros), os prados semeados e os linhares. As águas de lima são principalmente usadas no inverno e estabelecem como que uma película de água que imbebe a terra permanentemente. Esta água não só serve para irrigar, como para evitar que as fortes geadas queimem a erva. No verão, só nas regiões serranas, onde abundam as águas correntes, se limam os lameiros. Na estação estival o sistema mais usado é o de rega pelo pé, aproveitando a água de ribeiros ou represas, que se conduz para os campos por pequenos regos ou canais. Dentro do próprio campo, o lavrador vai guiando a água com a enxada, abrindo e tapando sucessivamente os regos feitos previamente, de maneira que a água chega a todas as plantas.

  • 20 Estrabão, III, 3, 6.

18Também existe o sistema de regar sem abrir regos, deixando alastrar a água lentamente pelas superfícies das hortas aplanadas. Chama-se a isto regar à manta, em Bragança. Estes sistemas devem ser muito antigos entre nós, pois, segundo Estrabão, os lusitanos usavam uma espécie de cota de linho, para cujo cultivo se costuma limar a terra20.

19Quando não se podem aproveitar desníveis, existe toda uma série de curiosos aparelhos de elevar a água.

  • 21 Este argumento parece importante, se bem que na nota 18 aventássemos uma hipótese que o pode invali (...)

20As normas tradicionais, que regulam a distribuição e aproveitamento das águas de rega entre os vizinhos das aldeias comunitárias, parecem ser um argumento em favor da sua origem pré-romana21.

  • 22 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 113.
  • 23 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 173.

21A rega costuma dividir-se em dois tipos, chamados: rega de abundância e rega de carência. A primeira reforça a acção dos agentes naturais, e usa-se para estimular o nascimento dos fenos, processo usado também na Europa Média. A segunda é para regar hortas, campos e pomares durante o verão e representa uma vitória sobre a Natureza22. O primeiro sistema está espalhado na Europa até à Islândia. A irrigação artificial pratica-se, às vezes, também no norte da Europa, como por exemplo na zona seca do vale de Gudbrand, na Noruega, onde tem lugar intenso regadio23, mas as áreas de difusão deste segundo tipo são por excelência os países da bacia do Mediterrâneo e o Oriente.

22Embora o principal objectivo desta obra seja o estudo tecnológico dos aparelhos usados para elevar a água de rega, não deixaremos de mencionar outros sistemas de regadio usados no país, no capítulo que se segue.

  • 24 Já dissemos no prefácio que a classificação de Wilhelm Giese («Über portugiesische Brunnen» in Wört (...)

23Por uma questão de método, dividimos os aparelhos de elevar a água de rega em três grupos, segundo a força motriz utilizada para os accionar – o primeiro abrange os aparelhos movidos por agentes naturais: vento e água; o segundo, os aparelhos movidos por animais; o terceiro, os aparelhos movidos pelo homem. Depois da descrição mais ou menos pormenorizada dos diferentes aparelhos que encontrámos pelo país, ou na literatura da especialidade, procurámos ordená-los segundo um sistema tipológico, a fim de facilitar o trabalho aos estudiosos destes assuntos24.

24Embora já se mencionem os locais onde esses aparelhos foram observados, dedicámos um capítulo especial ao estudo da distribuição dos diferentes tipos pelas várias regiões do país. O método cartográfico tem indiscutíveis vantagens; melhor do que qualquer outro ajuda os estudos comparativos, assim como facilita a delimitação das diferentes áreas culturais.

25Os problemas de origens ou relações históricas entre os aparelhos portugueses e os de outras regiões do globo estudar-se-ão à parte, num capítulo especial, evitando confusões desnecessárias. Ao mesmo tempo o leitor não será obrigado a ler o que não deseja e poderá procurar em cada capítulo aquilo que lhe possa interessar.

Notes

1 Kaj Birket-Smith, Geschichte der Kultur, Zurique 1946 (tradução alemã da edição dinamarquesa de 1941-42), p. 172.

2 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 476.

3 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 476.

4 Dentre todos destaca-se o difusionista inglês Elliot Smith; ver deste autor: In the beginning; the Origin of Civilization.

5 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 77.

6 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 173.

7 Jean Brunhes, L’Irrigation dans la Péninsule Ibérique et dans l’Afrique du Nord, Paris 1902, p. 6.

8 Jean Brunhes, Ob. cit., pp. 10 e 11.

9 Jean Brunhes, Ob. cit., pp. 24-28.

10 Jean Brunhes, Ob. cit., pp. 28-30.

11 Jean Brunhes, Ob. cit., lug. cit.

12 Orlando Ribeiro, Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, Coimbra 1945, p. 61.

13 Hermann Lautensach, Portugal auf Grund eigner Reisen und der Leteratur, I Teil, Ergänzungsheft, N.° 213 «Petermanns Mitteilung» 1932, p. 127.

14 Estas não têm propriamente interesse etnográfico, mas referir-nos-emos a elas mais adiante.

15 J. I. Teixeira de Meneses Pimentel: «Regiões pluviométricas do continente português», in Boletim do Ministério da Agricultura, XII, 1915, N.° 6.

16 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 113, Nota 1.

17 É uma hipótese pouco provável, mas não é impossível uma aldeia comunitária aceitar inovações e incluí-las na sua organização rígida. Há vários exemplos disso em Rio de Onor.

18 Abel Viana, «Notas históricas, arqueológicas e etnográficas do Baixo Alentejo, I – Serpa», in Arquivo de Beja, Vol. VII, Beja, 1950, pp. 3-9.

19 Sobre as actuais barragens falaremos no capítulo I.

20 Estrabão, III, 3, 6.

21 Este argumento parece importante, se bem que na nota 18 aventássemos uma hipótese que o pode invalidar.

22 Orlando Ribeiro, Ob. cit., p. 113.

23 Kaj Birket-Smith, Ob. cit., p. 173.

24 Já dissemos no prefácio que a classificação de Wilhelm Giese («Über portugiesische Brunnen» in Wörter und Sachen, Vol. XI, 1928, pp. 62-73) não se pode aproveitar, pela massa de novos materiais de que hoje dispomos.

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search