Version classiqueVersion mobile

Aparelhos de elevar a água de rega

 | 
Jorge Dias
, 
Fernando Galhano

Prefácio

Texte intégral

1Este trabalho representa o resultado de vários anos de pesquisas de campo por todo o país. Estamos, porém, longe de imaginar que esgotamos o assunto. Embora Portugal seja pequeno, é tal a variedade das regiões naturais e áreas culturais que ninguém pode estar certo de não ter omitido qualquer aspecto importante.

2Além do aproveitamento dos materiais colhidos directamente por nós, e que fazem parte dos Arquivos do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, recorremos à literatura que pudemos obter sobre o assunto e às informações de alguns amigos e alunos. Infelizmente, a falta de bibliotecas da especialidade não nos permitiu desenvolver o capítulo das Relações Históricas, como era nosso desejo.

3Os sistemas de irrigação têm interessado inúmeros especialistas, que estudaram o problema sob o aspecto tecnológico, prático, geográfico, jurídico, histórico, linguístico, folclórico, etc., dado o seu enorme interesse cultural. De todos estes problemas atraiu-nos sobretudo o aspecto tecnológico, o menos estudado entre nós, focando também as suas raízes históricas, que, embora tão importantes, são ainda muito pouco conhecidas. Os aspectos jurídico e folclórico, que lhe andam associados, serão tratados mais tarde, se outros trabalhos prementes nos não impedirem de o fazer.

4Dentro da tecnologia prestamos atenção especial aos aparelhos de elevar a água de rega, embora não desprezássemos inteiramente outros processos de regar, onde não são utilizados aparelhos, visto a água ser conduzida de pontos mais altos, aproveitando somente a força da gravidade.

5Até hoje só se publicaram dois trabalhos importantes sobre aparelhos de elevar a água de rega em Portugal, ambos da autoria de investigadores alemães e escritos em alemão, o que os torna pouco acessíveis ao público português. Embora não abrangessem a enorme variedade de formas existentes no país, o que é bem compreensível em estrangeiros que não dispunham de tempo necessário para levar a cabo uma investigação exaustiva, não se podem subestimar os resultados a que chegaram, pois foram pioneiros entre nós e abriram-nos novas perspectivas. Queremos, por isso, prestar aqui a nossa homenagem a Fritz Krüger e a Wilhelm Giese, pela importante contribuição que deram a estes estudos em Portugal e no resto da Península. O primeiro, tendo percorrido o país há mais de 26 anos, pôde ainda encontrar na Veiga de Chaves, aparelhos hoje desaparecidos na região, o que ainda mais valoriza o seu trabalho.

6A grande massa de materiais colhidos por nós em todo o país, e o estudo da sua distribuição geográfica, levou-nos a nova ordenação e classificação dos vários aparelhos, não sendo aproveitáveis as classificações anteriores, que tinham por base materiais muito mais escassos.

  • 1 Em Espanha, Julio Caro Baroja, está presentemente a trabalhar no mesmo campo.

7Este trabalho, se bem que incompleto e imperfeito, preenche uma lacuna importante, pois fornece o primeiro estudo de conjunto, base indispensável para futuros estudos comparativos rigorosos. Esperemos que outras nações cumpram também este desideratum, pois infelizmente não éramos só nós que estávamos em dívida. Há, porém, esperança de que em breve isto venha a ser uma realidade1.

8Queremos também esclarecer que não foi nosso propósito localizar e descrever todas as noras, picotas, ou rodas de tirar água que encontrámos nas nossas andanças. Nem sequer o fizemos para grande parte dos materiais colhidos. Não julgue, portanto, o leitor desprevenido que vai encontrar aqui a bomba do seu quintal.

9Embora adeptos intransigentes de um método rigoroso e objectivo, não levamos tão longe o nosso apreço pela exactidão, que confundamos ciência com afã de coleccionador. O homem de ciência colige materiais na medida em que eles são indispensáveis para se construírem teorias ou tirarem ilacções, ou para permitir a compreensão da vida dos homens através dos séculos. O coleccionador colige pelo gosto de colocar lado a lado um número indefinido de peças; interessa-lhe o individual, o número e não a ideia, que a análise das peças pode sugerir. Não pretendemos com isto criticar o coleccionador, que, como tal, é extremamente útil, pois salva do desaparecimento preciosos objectos, em que se apoia o conhecimento do passado. Mas criticamos a pseudo-ciência, que se quer dar a ilusão de rigor e esconde, no amontoado de factos indiscriminados, a impotência dum espírito falho de capacidade de análise, abstracção, dedução lógica e imaginação criadora, indispensáveis a todo o labor científico, na verdadeira acepção da palavra. O que não quer dizer que apoiemos os diletantes do espírito, que escondem a preguiça mental e a falta de coragem, para o trabalho penoso e honrado, num estendal enganoso de brilhantes teorias sem base solidamente construída.

10Perdoem-nos, portanto, os enganos e omissões, mas no seu sentido lato, que é o único que interessa neste género de trabalhos, pois não nos falta humildade para reconhecer os erros, nem vontade para recomeçar e fazer melhor.

11Antes de terminar queremos exprimir aqui o nosso reconhecimento à Junta da Província do Douro Litoral, pela maneira como acolheu este nosso trabalho, prestando-se a publicá-lo sem a menor reserva.

12OS AUTORES

Notes

1 Em Espanha, Julio Caro Baroja, está presentemente a trabalhar no mesmo campo.

© Etnográfica Press, 1986

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search