Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte VIII. Protagonistas

Capítulo 32. António M. Mourinho (1917-1996) e o ressurgimento do folclore mirandês

Ana Cristina Brissos

Texte intégral

1António Maria Mourinho nasceu em Sendim, concelho de Miranda do Douro, a 14 de Fevereiro de 1917 e, desde muito cedo, se interessou pela história e cultura de Portugal. Leccionou História de Portugal no Seminário Maior de Bragança, onde havia concluído o curso teológico. Os anos de 1941 e de 1942 ficaram marcados por uma dupla missão: a prefeitura da disciplina inerente ao espaço interno do seminário e a nomeação de pároco da freguesia de Duas Igrejas, no concelho de Miranda do Douro (Brissos, no prelo).

2Conquistou, a seu tempo, honras e títulos. Falo de uma projecção individual que nunca poderá ser vista como o resultado de uma acção isolada ou única. Esta consciência está presente quando redige a sua biografia, intitulando-a Curriculum Vitae (Notas Culturais) (Mourinho 1995). Efectivamente, no seu percurso há a considerar o contributo pessoal de formação humanista e clerical que avulta na interacção social e cultural, no auxílio e com o auxílio da colectividade. Projecções que coexistem com a implementação do Estado Novo, fomentadas de acordo com a orientação da Junta Central das Casas do Povo, conferindo-lhe o total apoio na condução dos grupos folclóricos. A nível pessoal, é visível ainda a anulação das projecções de paternalismo religioso por opção própria, ao abdicar no final da sua vida dos laços vinculativos ao poder eclesial.

3Partindo do valor conotativo do papel social do erudito local, procura-se ir ao encontro de um dos percursos possíveis de António Mourinho. Irei focar a sua acção como mentor local, o seu modo de organizar e fomentar as iniciativas de feição etnográfica ou religiosas, a forma como submete o seu discurso e a sua acção à promoção de manifestações evocativas do passado. A. Mourinho faz parte de uma geração de eruditos locais que idealizaram a cultura como “objecto natural” ou “como repositório de tradições culturais arcaicas” (Castelo-Branco & Toscano 1988: 29), tentando ora o encontro ora a fuga a um certo “estereotipismo morfológico e expressivo” (Graça 1991: 62) da cultura local, neste caso, através do renascimento dos pauliteiros em Miranda do Douro, perfilhado pelas campanhas de folclore levadas a cabo pelo Estado Novo. A Junta Central das Casas do Povo, como entidade mediadora entre o estado e as populações rurais, procurava, dentro das casas do povo, pessoas “com inteligência e interesse de alma” (Chaves 1946: 11), a quem coubesse a missão de recolher o “genuíno” produto do folclore. “Essa pessoa é realmente o procurador da poesia, dos cantadores e cantadoras do povo da sua região (…) é assim o procurador do seu povo” (ibidem).

António Mourinho e a missão do folclore

4É como mediador do Estado Novo e, simultaneamente, como representante erudito do povo de Miranda do Douro que Mourinho se assume desde o início da sua actividade. Apresentou-se publicamente, pela primeira vez, como poeta mirandês, na sala “Portugal” da Sociedade de Geografia, a 14 de Novembro de 1942 (data da comemoração do Dia de Miranda do Douro).

5A sua estreia literária em 1942 ficou marcada com a apresentação pelos poemas Nossa Alma I Nossa Tierra e Las Siete Armanas. Estes poemas foram ainda apresentados, no mesmo ano, no II Congresso Trasmontano. A acção de António Mourinho em prol do folclore parecia articular-se com apresentações culturais e iniciativas de carácter popularizante. Aceita a participação em eventos sociais, designadamente sessões culturais comemorativas de carácter solene presididas pelo marechal O. Fragoso Carmona, então presidente da república, e onde a presença de ministros (como o do Interior, Joaquim Trigo de Negreiros, ambos de origem trasmontana) e de representantes culturais (como o presidente da direcção da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, Domingos Ferreira Deusdado) se tornava condição propícia a discursos encomiásticos e de pendor regionalista.

6Não foi possível encontrar na poética de António Mourinho (Mourinho 1961) quaisquer enredos artefactuais que pudessem servir de proposta intelectual ou até mesmo de ideal germinador da produção folclórica, tal como é possível encontrar em Pedro Homem de Melo, por exemplo (Vasconcelos 1997). Pode-se constatar que boa parte dos poemas em mirandês apresentam ao leitor a relação do trasmontano com o isolamento geográfico e a transmissão da imagem do “bom selvagem”, idealização esta de cunho bucólico nacionalista. A imagem descrita do campónio que regressa a casa proferida por ele, no Dia de Miranda do Douro (em Lisboa) na presença do chefe de estado, não se alcança cabalmente sem se dar a manifestação de folclore com as danças e os cantares dos “(…) pastores solitários e alegres do planalto árido e frio, cantando loas ou rimances medievais ou tocando flautas bíblicas ou gaitas de fole, atrás do rebanho” (Mourinho 1961: V-VI).

  • 1 A condição linguística em Terras de Miranda impõe à comunidade a convivência com duas línguas, o po (...)

7As exibições folclóricas de carácter revivalista, corroborando a perspectiva apontada por Handler (1984: 57), podem ser vistas como a imagem fragmentada de uma revivificação, um empreendimento de sucesso para gerar a continuidade de identidades. Não se pode dizer que a organização destes sistemas semióticos seja autorreguladora; neste caso, é fundamental a figura e acção de um dinamizador cultural que reacenda a memória do passado para a nova construção simbólica no presente. O erudito local, perante a população, encontra-se na posse dos modos de preservação “de como as coisas eram”, torna-se o regente da ingenuidade, da candura e da autenticidade, é o autor dos registos factuais, dos estudos, da instrução e, em última análise, da educação do povo (Mourinho 1956). A população age perante a memória viva do passado, começa a “(…) restaurar os Grupos comunitários de pauliteiros das suas aldeias e a ressuscitar as suas canções tradicionais e os seus bailados mistos, [a gente nova] foi ao fundo da [s] arcas buscar relíquias de trajos dos seus avós e vai seguir-nos o exemplo num movimento entusiástico que não vai deixar morrer o folclore mirandês” (Mourinho 1983a: 15). É a esta figura que cabe o poder de decidir e de orientar as festas, as comemorações, as saídas fora do concelho, os aspectos objectiváveis e visíveis da cultura em Terras de Miranda (planalto trasmontano). Nestas manifestações organizadas o líder proporciona a cada elemento do grupo a vivência da identidade rural e regional através de uma recordação vivida do antigo, a dança comunitária vivida nas festas dos santos padroeiros. Torna-se um líder na transposição do modelo funcional da dança do plano religioso para a dança como espectáculo. O seu modelo de referência ancora na seguinte afirmação: “(…) a dança como espectáculo, essa é que passou a ser a partir do século passado, em 1898, quando pela primeira vez os pauliteiros de Miranda saíram daqui eram de Constantim, e foram a… Lisboa, chamados pelo ministro das Colónias que era, nessa altura, o Luciano Cordeiro, director da Sociedade de Geografia.” (Entrevista de AMM, 29/03/88) Neste sentido, é o pároco da aldeia que incentiva a opinião popular a uma “missão” do folclore e à legitimação de um novo fim para as danças dos Pauliteiros de Miranda. Apela a uma representação pública que estava há muito guardada na memória dos locais: “(…) é e foi sempre uma dança religiosa, porque ela existiu sempre para as festas religiosas. Hoje é que se começam a tirar do seu fim próprio e legítimo para distrair populações distantes, como novidade folclórica e perante a nova missão do folclore e o movimento de restauração das tradições que em toda a parte se está levando a cabo (…)” (Mourinho 1957: 160). Pode falar-se de um movimento de restauração das tradições a nível europeu, fomentado por políticas culturais de cariz nacionalista como reforço das marcas de identidade do povo. Mas, por outro lado, não se deve ignorar a figura individual de um homem que assume o “poder” e a “vontade”, em prol de um constante reviver de tradições antigas como os rimances, as segadas, a malha do cereal, as danças dos pauliteiros e dos grupos mistos, bem como a defesa da língua mirandesa ao ponto de assumir o comando na criação de condições propícias para alcançar uma forma de reviver o passado: a manifestação do popular, a vivência do facto primitivo e antigo, inclusive a afirmação de uma língua própria.1

  • 2 A expressão regional era preferida por inúmeros eruditos, mas este aspecto parece não perturbar AMM (...)
  • 3 O grupo rompe com a imagem do isolacionismo e torna-se, a partir de 1948, aquando da ida a Angola p (...)

8Estas criações materializam-se quando Mourinho, em 1942, cria um grupo de danças misto com coros e outro de danças misto sem coros, para além de reorganizar um grupo de pauliteiros. O seu grupo de três secções nasce assim sob a designação de Grupo Folclórico de Duas Igrejas e Cércio, para fazer frente a um convite fora do concelho de Miranda e em defesa das tradições regionais.2 Neste contexto verifica-se que os aspectos geográficos e vivenciais da comunidade mirandesa se transportam, por via do seu líder, para o universo exterior no qual se representam simbolicamente através da exibição das suas danças e dos seus cantares, enquadrados no contexto da dança-espectáculo. Sob todos os aspectos Mourinho inicia com este grupo uma promoção e divulgação nacional (desde 1942) e internacional (a partir de 1948), conquistando os mais variados prémios e condecorações jamais alcançados por grupos folclóricos portugueses no antigo regime e após a Revolução de 25 de Abril.3

9A partir de 1945, data da comemoração do IV centenário da elevação de Miranda do Douro a cidade, Mourinho é apresentado, não só pela imprensa como pelos órgãos estatais e locais, como director do grupo. Para todos os efeitos, o Dia de Miranda do Douro organizado em 1942 pela Casa de Trás-os-Montes em Lisboa, não é considerado como verdadeiro marco da fundação dos grupos orientados por Mourinho, apesar da presença de três casais vestidos com trajes mirandeses, de se verificar o canto e a dança (as Giraboilas e outros repasseados), a dança dos pauliteiros de Miranda, e a presença dos chefes de estado, com uma assistência de 3000 pessoas. Efectivamente, em 1945, Mourinho organiza um cortejo etnográfico em Miranda do Douro, à escala do espaço urbano, e é aqui que se dá a conhecer perante o público como mentor do novo ideário do folclore. Este constitui a forma esteticizante de representação do “genuíno” tradicional e religioso e ainda da cultura “primitiva” e exótica condicionada pelo isolamento geográfico, um dos mais poderosos atributos da “autenticidade” da cultura mirandesa, conduzindo, inevitavelmente, à própria promoção social e turística da comunidade em causa.

  • 4 É a esta imagem, retratada segundo uma realidade mitificada, que alude Miguel Torga: “Homens de uma (...)

10O concelho de Miranda do Douro era visto pelo poder central como um exemplo da idealização do mundo rural luso: através do recolhimento sociocultural e geográfico, do aspecto semidialectal da sua língua, do cariz peculiar exótico que os pauliteiros transmitiam ao dançarem homens vestidos de saias. É elucidativo o depoimento de um colaborador do Mensário das Casas do Povo, quando a convite da FNAT, os pauliteiros chefiados por Mourinho se deslocam a Madrid e ganham o 1.° prémio de danças masculinas no II Concurso Internacional de Danzas y Canciones Populares, em 1949: “Também os mirandeses — grandes vitoriosos da secção de Danças Masculinas — habitam lá longe, nos confins de Portugal, entre montes protectores, como que numa ilha perdida num oceano de terras bravas. O seu isolamento foi a sua glória.” (M. T. 1949: 13) Afirma ainda António Mourinho: “Quanto aos Trajos, queremos ver nas saias e chapéus enfeitados, nos coletes e nos laços de linho, o fato do soldado greco-romano embora estilizado por muitos séculos de distância.” (Mourinho 1983: 9) Deste modo, segundo o próprio, os pauliteiros de Miranda dão a imagem de guerreiros romanos dançando “serenos e fortes”, tal como referiu o seu sobrinho: “(…) houve uma ocasião em que ele tinha lá uma malta de rapazes novos pauliteiros, dançavam na ponta do respeito, com uma serenidade e com uma… serenos e fortes, ao mesmo tempo. (…) Nessa altura o grupo estava maravilhoso.” (Entrevista de A. R. Mourinho, 01/10/99)4 Na prática, o chefe do grupo corrobora com a nova campanha em defesa das tradições locais, mostrando a todo o país o modelo de rancho regional.

11Encontramos outras formas de objectivação da cultura inerente ao Estado Novo que Mourinho promovia, através da sua colaboração regular no Mensário das Casas do Povo, em rubricas de etnografia e folclore, de teatro rural, de associativismo e de religião.

O mundo de António Mourinho

12A Junta Central das Casas do Povo enviava aos seus colaboradores oficiais o Mensário das Casas do Povo, boletim ou receituário político-cultural criado em 1946, que lisonjeava os grupos populares e aconselhava os promotores locais do renascimento cultural nacional. É novamente A. Mourinho que afirma: “Falta ao nosso povo a direcção com responsabilidade, em grandes temas” (Mourinho 1947: 9).

13Era visto pelos mirandeses como homem de cultura, personalidade com autoridade, de conhecimentos e com fé religiosa. O seu estatuto no seio da população, desde a sua chegada a Duas Igrejas como pároco local, tornava-o um chefe cooperante, cúmplice, acessível e preocupado com o bem-estar das populações, mas intransigente e plenipotenciário no que respeitava à conduta, à defesa dos valores morais e regionais.

14Supervisionava os acontecimentos culturais de terras de Miranda, ensaiando os grupos culturais na casa paroquial onde residia. Em Duas Igrejas não havia casa do povo, mas uma velha casa que servia de residência às professoras e que funcionou temporariamente como primeira morada do padre Mourinho, mas “(…) era como a casa que o povo fez, não era no sentido social, digamos, da Casa do Povo (…)” (Mourinho, A. R. 01/10/99). Em prol do ideal regionalista e profundamente moralizador, transferiu todo o ideário e funcionamento da casa do povo para a sua casa paroquial que, em 1943, se viu obrigado a restaurar, com o objectivo de promover o convívio da comunidade. Mandou assoalhar o salão, por forma a propiciar à comunidade um espaço de convívio, de actividade cultural, essencialmente baseado nas danças tradicionais. Deste modo, enquanto nas aldeias do centro e sul do país a implantação da casa do povo como espaço de lazer orientado retirava, muitas vezes, a população do salão paroquial, para a concentrar em manifestações populares “preventivas do amolecimento doentio e desnacionalizador” (Mourinho 1946: 11), em Duas Igrejas é por acção reforçadora do paternalismo religioso conduzido por Mourinho que se torna possível a cultura, o dinamismo, a criatividade, o educativo da massa (Andrade 1995: 43). Torna-se possível, deste modo, apontar os objectos físicos do acolhimento colectivo que presidiram à materialização da casa, sua e do povo: o soalho reconstruído, o fogareiro a lenha, os Petromax, os livros, as revistas, o dominó, as cartas, o bingo. Aqui se reuniam rapazes e raparigas para preparar as festas da aldeia, as missas cantadas, as representações teatrais, e ainda se realizavam os ensaios das danças dos pauliteiros e das danças mistas.

15Do interior do seu espaço habitacional iniciou-se a orientação da vida cultural de Duas Igrejas. Para o convite aos ensaios dos grupos masculinos e mistos começou por mandar tocar o bombo à porta da casa paroquial, mas depois, perante os queixumes dos mais idosos, o chamamento foi substituído pelo toque do sino, considerado pela população conservadora como sendo mais solene para o convite popular. De qualquer forma, Mourinho tentava canalizar a atenção da população em direcção a um púlpito ou a uma escola popular de “portuguesismo e cristianismo”. Foi assim que Mourinho se referiu à reconstituição do Mistério da Paixão, em Miranda, para o que se inspirou em Oberammergau. Em 1948, prepara o Auto da Paixão, em Duas Igrejas, na tentativa de recuperar a tradição do teatro popular que a própria igreja condenara devido ao desvirtuamento e profanação de determinados elementos representativos. Também ele está contra a falta de “autenticidade” do povo. A propósito do Auto de D. Inês de Castro que se exibiu na freguesia de Picote (a 8 de Junho de 1947), apercebe-se do carácter precário do “purismo” medieval quando observa os actores vestidos de soldados romanos empunhando moderníssimas espingardas. Na tentativa de “repor” a verdade manda construir em Duas Igrejas um palco com mais de 250 metros de comprimento, onde os cenários do Mistério da Paixão se sucedem. Tal empreendimento contou com o apoio do Secretariado Nacional da Informação. A nível local, a sua casa paroquial serviu para o ensaio dos cânticos apresentados para o grande simulacro. Introduz as solfas quaresmais e da paixão, constituídas por “toadas populares polifónicas” e “cantos arcaicos plangentes”, com a função, ora de interlúdio dos diferentes quadros da paixão, ora como fundo musical nos momentos mais culminantes da acção dramática (Mourinho 1951: 12-13).

16Através das manifestações etnográficas consideradas antigas, parece posicionar-se ao lado dos eruditos que desencadeiam localmente o sentimento pelas reminiscências do povo, construindo uma visão amargamente crítica do presente no que respeita a todas as práticas musicais urbanas. Estas evidenciam marcas de materialismo e de progresso, representando uma perda irremediável na noção de continuidade social e histórica.

17Esboça um modelo assente no exotismo rural: a dança ao toque do bombo, da caixa e da gaita de foles, a semelhança com o soldado romano; o afastamento/isolamento; a força do desempenho (dançadores serenos e fortes), a plena representatividade do povo (grupo masculino e grupos mistos). Esta postura era de oposição à difusão cada vez maior dos instrumentos musicais associados ao jazz, às marchas lisboetas, ao fado, etc.: “(…) no nosso povo, existe muito com que elevar a sua espiritualidade em plena rua, libertando-o dos dolentes tangos e discos moles que matam as almas e amolecem os corpos.” (Mourinho 1946: 11) Mourinho incitava a população a uma realidade em permanente construção e empenhamento, lutando por um movimento de folclore cujas raízes favorecessem a imagem da ruralidade, da expressividade e da autenticidade como espelho de um ego social ancestral firmado no presente. Consagra-se ao enquadramento de elementos espectaculares medievalizantes, entre os quais os autos da paixão, os lamentos contra os “espíritos maus” que separam os amantes, expressões de ausência e de ânsia ou de alegria, endechas da montanha e suspiros de primavera, tal como nos enumera num dos seus textos de reflexão para as casas do povo (Mourinho 1954: 6-7). Programa os ideais instrutivos do folclore local, unindo os seus esforços aos ideais das campanhas nacionais. A este processo de folclorização, ou melhor, ao seu mundo, refere-se-lhe utilizando o seguinte epigrama: “A minha casa é o meu mundo” (ibidem). Não encontramos, de facto, uma separação nem física nem ideológica entre a casa do povo e a Casa Paroquial de Duas Igrejas. Torna-se possível realçar esta noção através de um artigo (M. T. 1949: 12-13): são os pauliteiros de Miranda que ganham o concurso em Madrid, alcançando o triunfo da “autenticidade” com o 1.° prémio de danças masculinas. Neste momento, a imprensa proclama a vitória das casas do povo quando não havia casa do povo local mas onde o seu ideário havia sido levado à prática pelo líder cultural de Terras de Miranda. Os Pauliteiros de Miranda orientados pelo sacerdote são os primeiros representantes da ideologia ou, se quisermos, da demagogia artística fomentada pelas casas do povo em Portugal.

  • 5 Autor de uma fotografia do cortejo etnográfico de 10/07/1945 apresentada no Mensário das Casas do P (...)

18Mourinho proclamou a data de 1945 como marco de um renascimento cultural em Terras de Miranda. A imagem que tentava transmitir perante a Junta Central das Casas do Povo era a de uma intensa manifestação de ineditismo etnográfico, tal como refere: “Toda a gente tem visto e ouvido falar nos célebres pauliteiros, tem visto nos cortejos folclóricos nacionais, em Lisboa, capas de honra mirandesas, raparigas vestidas de preto, com enormes saias pregadas, de grande roda e peso, muito baixas, com uns casacos de rabicho e lenços na cabeça de garridas côres. Era isto o que se sabia do elemento mirandês./Este cortejo veio revelar muita coisa desconhecida e dar a conhecer a riqueza etnográfica de um futuro cortejo folclórico (…)” (Mourinho 1946: 10). A novidade etnográfica que desejava dar a conhecer participava desse carácter mitológico e ritualizante, também patente ao nível das representações dos ritos de passagem ou de iniciação no solstício de Inverno, elementos que se juntam à caracterização do ineditismo etnográfico local. O traço comum dos figurantes são as máscaras e adornos simbólicos, o chocalheiro do concelho de Mogadouro, os caretos da Festa dos Rapazes dos concelhos de Bragança e de Miranda do Douro ainda com o “carocho”, a “velha” e outros mascarados. Mas o “futuro cortejo folclórico” é aquele que pode ainda ser visto, nos dias de hoje, no Museu da Terra de Miranda, cuja fundação esteve a seu cargo, precisamente em 1 de Agosto de 1945, altura em que, com o apoio do conselheiro António Carlos Alves e Mário Simão,5 redige os estatutos da Associação Cultural “Ressurgimento Mirandês”. Esta associação é construída em defesa das tradições nacionais, juntando-se à campanha do museu etnográfico levada a cabo pela Junta Central das Casas do Povo. As palavras proferidas por António Carlos Alves no discurso de boas-vindas perante o ineditismo do cortejo etnográfico nas comemorações do IV centenário da elevação de Miranda do Douro a cidade voltam a repetir-se na introdução dos estatutos da associação cultural “Ressurgimento Mirandês”: “É esta a espiritualidade das comemorações. Cada ruína, cada pedra, contém alguma coisa desse espírito, alguma coisa da grandeza e da glória. (…) proclamemos bem alto aqui, perante os representantes do poder e dirigentes da nação, que essas ruínas simbolizam séculos de esforço, amor e sacrifícios e uma cultura espiritual, que se integram na alma nacional, e por isso devem ser restaurados.” (Estatutos 1945) Convém ainda referir que para Mourinho a noção de cultura espiritual possui o significado de tradicionalismo religioso. Utilizando a terminologia de Handler (1984: 57), podemos dizer que “o sentido de identidade” que AMM deseja conferir aos seus grupos participa de um compromisso ligado ao antigo contexto religioso, apresentado agora de uma nova forma (uma nova missão do folclore), que reside no contexto representativo da dança-espectáculo, dada em concursos e apresentações públicas. A ambiguidade perante o fenómeno de renascimento folclórico, onde tradicionalismo religioso e apresentação turística se misturam, reside na afirmação de antigos elementos do grupo: “Alguém chegou a intitular-nos de Rancho Evangelizador!” (Modas de Dúes Ëigreijas 1998).

  • 6 Requerimento a Sua Santidade, o Papa João Paulo II, a pedir a Graça das Obrigações Sacerdotais e o (...)

19A noção de folclore religioso entra no vocabulário dos representantes culturais (Fernandes 1950: 4 e 19). O movimento europeu de ressurgimento do folclore, em que AMM se insere coincide com a eleição do bispo Eugenio Pacelli para sumo pontífice de Roma, em 1939. Pio XII tornou-se um dos papas mais venerados do século. Proferiu um discurso sobre folclore em 19 de Julho de 1953 perante um grupo que participou no Congresso dos Estados Gerais do Folclore, em Nice. AMM é conhecedor deste discurso, no qual se apoia para fundamentar uma vivência persistente do folclore em Terras de Miranda (Fernandes 1953: 6-7).6

  • 7 Entrevista de Eleodora Ventura dada à autora, 30/09/1999.

20Na apresentação a concursos internacionais opta inúmeras vezes por um repertório de danças de cunho religioso, tais como Carmelita, Acto de Contrição, Las Palombas, nos exemplos apresentados no Concurso Internacional de Canções e Danças Populares de Madrid (1949), a convite da FNAT: “Os laços [género musical e coreográfico] que os pauliteiros levaram ao concurso são na maior parte de natureza religiosa.” (Mourinho 1949: 13). Se a filiação de uma prática espectacular do chamado folclore religioso agradava aos dirigentes culturais que recebiam o boletim oficial das casas do povo, o mesmo não se pode dizer da imagem que alguns locais faziam de Mourinho, considerando que os “grupos do padre” se exibiam em demasia. Se para os actores/dançadores geravam a noção de identidade pessoal e nacional através das representações dançadas, para outros locais a dança e o canto subvertiam o sentido espiritual e tradicional dos usos e costumes locais. O líder, neste caso, torna-se um gestor das manifestações, usos e costumes, nem sempre aceite por todos. Os ensaios eram praticados às escondidas dos olhares mais ortodoxos: “Não se podia dançar na Quaresma (…). Nós queríamos bailar, queríamos dançar, e então o rancho tinha uma chamada, não sei para onde, e era preciso fazer ensaios, era preciso dançar, era preciso ensaiar, e iam para o quarto do padre Mourinho a fazer o ensaio porque era mais fechado, fechavam-se as janelas… as raparigas e os homens descalçavam-se para dançar, para que não sentissem de fora (…). Naquele tempo era assim, as coisas eram muito… tinha que ser assim, era a tradição, não se cantava, não se dançava… era muito rígido. Ninguém transgredia… Acabava. Era um silêncio durante a Quaresma, não se ouvia nada, a não ser então nas noites de terças e sextas feiras lá se ouvia o Canto das Almas, à noite.”7

  • 8 Perante o 1.° prémio de danças masculinas no concurso de Madrid (1949) refere um redactor do Mensár (...)

21A imagem do passado, recriada no presente por Mourinho, torna-se, perante os olhares do povo na ocasião do espectáculo, na imagem de uma cultura jovial inovada. Esta imagem era apoiada pelo poder central como forma de construção de uma nova identidade nacional, mas nem sempre desejada pela vontade do povo mais idoso quando aquela se sobrepunha a outras manifestações populares parecendo anular a simbologia religiosa e a noção de encontro do país consigo mesmo.8

22O papel do obreiro do ressurgimento mirandês foi coordenar a diversidade de vontades populares nas manifestações de folclore local, exibindo uma imagem da vida rural, segundo um ideal pessoal de autenticidade trasmontana. Os modelos culturais institucionalizados pelos dirigentes das casas do povo, apresentavam a unificação da cultura, da música ou da dança. Na tentativa de transcender os modelos propostos, apresenta aos dirigentes do movimento folclórico português e europeu a originalidade etnográfica das Terras de Miranda. A sua intervenção foi fundamental na construção de uma imagem para o país, consentânea com a noção de continuidade cultural fomentada pelas instâncias governamentais.

Bibliographie

Discografia

Musica Tradicional: Terra de Miranda, 1987, Centro de Estudios de Folclore, Zamora.

Chants et Musiques du Concelho de Miranda do Douro (Trás-Os-Montes, Portugal): Mirandum, Mirandela, 1995, G. E. M. P. / La Talvera, Cordes-sur Ciel.

Modas de Dúes Ëigreijas: Miranda do Douro, 1998, Sons da Terra/ Galandum Galundaina, vol. 1, STMC 9802.

Cantigas da Segada: Caçarelhos — Vimioso, 1999, Sons da Terra, Vol. 3, STMC 9905.

Notes

1 A condição linguística em Terras de Miranda impõe à comunidade a convivência com duas línguas, o português e o mirandês: “Os dois idiomas convivem actualmente numa situação de diglossia, isto é, de desigualdade de utilização: o primeiro é utilizado em qualquer circunstância, o segundo tem um uso mais restrito, geralmente confinado à família e às relações entre vizinhos e aldeias.” (Manuela Barros Ferreira e Domingos Raposo (coords.), Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa, Miranda do Douro, Câmara Municipal de Miranda do Douro / Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, 1999, p. 9). É de salientar que os cantares que acompanham as danças mirandesas possuem letras exclusivamente em língua mirandesa, quer se trate dos grupos mistos quer dos grupos masculinos (Pauliteiros de Miranda).

2 A expressão regional era preferida por inúmeros eruditos, mas este aspecto parece não perturbar AMM. Curiosamente, havia quem expressasse alguma aversão pela palavra folclórico como, por exemplo, Armando Leça: “(…) grupos músico-regionais — fugimos ao mal aplicado termo: folclórico (…)” (1946: p. 8); ou Abel Viana: “(…) que um rancho com aspirações a regional e pretensões a folclórico proceda da mesma forma, isso merece firme interdição” (1953: 13), ou ainda Fernando Lopes Graça: “O garrido, o pitoresco, o folclórico (no sentido deturpado da palavra, já se vê, que é o sentido corrente entre nós)” (1991: 62).

3 O grupo rompe com a imagem do isolacionismo e torna-se, a partir de 1948, aquando da ida a Angola pelo período de três meses, um laureado internacional. A imprensa angolana intitula o grupo do padre Mourinho como a “Embaixada da Saudade”. “Esta aspiração a um entendimento dos povos encontra-se também na definição do Grupo: O Grupo Folclórico Mirandês de Duas Igrejas seja um Grupo de três Continentes: Europa, África e América (…)” (Mourinho 1983a).

4 É a esta imagem, retratada segundo uma realidade mitificada, que alude Miguel Torga: “Homens de uma só peça, inteiriços, altos e espadaúdos, que olham de frente e têm no rosto as mesmas rugas do chão. Castiços nos seus usos e costumes, cobrem-se com varinos, croças, capuchos e mais roupa de serrobeco ou de colmo, e as grandes ocasiões ostentam uma capa de honras, que nenhum rei!” (Torga 1941).

5 Autor de uma fotografia do cortejo etnográfico de 10/07/1945 apresentada no Mensário das Casas do Povo tendo ao centro o Padre António Mourinho rodeado por uma multidão de gente com trajes e adornos locais (Mourinho 1946: 11).

6 Requerimento a Sua Santidade, o Papa João Paulo II, a pedir a Graça das Obrigações Sacerdotais e o consequente Sacramento do Matrimónio do Padre António Maria Mourinho, 1992, p. 3 (documento particular, gentilmente cedido pela viúva, Maria de Lurdes Mourinho).

7 Entrevista de Eleodora Ventura dada à autora, 30/09/1999.

8 Perante o 1.° prémio de danças masculinas no concurso de Madrid (1949) refere um redactor do Mensário: “(…) os grupos portugueses (inteiramente constituídos por trabalhadores do campo e do mar) (…). Não se jogaram: deram-se (…). Portugal avançou um grande passo, em Madrid, ao encontro de si mesmo!” (M. T. 1949: 12).

Auteur

Licenciada em ciências musicais (UNL), desenvolve pesquisa sobre instrumentos musicais tradicionais. Participação em exposições sobre temas musicais. Autora de 15 entradas sobre personalidades e instituições na Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX (Círculo de Leitores, no prelo).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540