Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte VIII. Protagonistas

Capítulo 29. Carlos M. Santos (1893-1955)

Folclorizador num tempo madeirense

Jorge Freitas Branco

Texte intégral

Uma placa evocativa

1Em 1997, assinalando o centenário da luz eléctrica no Funchal, foi inaugurada uma estrutura museológica na desactivada Casa da Luz. O Museu da Electricidade proporciona ao público uma visão cronológica da implantação e da expansão desta fonte de energia no arquipélago. O visitante mais interessado acaba por adquirir prática na leitura das muitas placas metálicas de origem, que identificam a maquinaria instalada.

2Para o termo da visita está reservada uma surpresa. Antes de abandonar o edifício musealizado, podemo-nos aperceber da existência de uma singela placa evocativa, desta vez colocada numa parede. À primeira vista, não aparenta ter relação com um facto técnico ou com um feito energético. Nela se informa da realização, em 29 de Junho de 1850, duma I Feira organizada naquele mesmo local da cidade, então designado praça Académica. Exibiram-se os Hercúleos Filhos de São Martinho, apresentando o número A la Moda. A colocação desta placa deve-se a uma iniciativa do actual Grupo Folclórico da Boa Nova.

3Este pormenor certamente passa desapercebido à maioria das pessoas. Para os que nela se detenham, não deixa a mesma de suscitar alguma curiosidade. Descoberta a coincidência do local, haverá algo mais a ligar esse passado e o presente? A solução para este pequeno enigma é partir à cata de mais informação. A fonte disponível é o Elucidário Madeirense (Silva & Menezes 1921), que orienta e qualifica há gerações a memória social insular.

4Ficamos a saber que a I Feira do Funchal foi um certame comercial sem sequência. Organizado por iniciativa de um governador, a ela terão acudido, nos dias 29 e 30, cerca de 15.000 pessoas e, entre as instalações disponibilizadas para o efeito, havia um coreto e um palco.

(…) Por volta da tarde do dia 29, subiram ao tablado 13 camponeses da freguesia de São Martinho, vestidos com trajes peculiares do país, e dançaram primorosamente uma dança particular da Madeira, conhecida pela denominação de “A la moda”. (…)

5transcreve o Elucidário de um ofício do referido governador dirigido ao governo, em Lisboa (Silva & Menezes 1984-II: 13). A posteridade passa assim a saber que o coreto serviu para a actuação duma banda militar, enquanto o palco se destinou a outro tipo de exibições. Aplaca refere uma designação para o agrupamento, a que a fonte acabada de citar não alude.

6Há coincidência no espaço, mas não no tempo. No Museu da Electricidade perpetua-se memória, por meio da lembrança sugerida por instalações especializadas nos objectivos a que se destinam: a casa da luz e um palco ao lado de um coreto. Tanto a claridade artificial, como o folclore carecem de locais de produção adequados, porque têm a artificialidade como traço comum. No entanto, o alcance da exibição folclórica ocorrida em 1850 e a inauguração duma central eléctrica, em 1897, não se equivalem. A última significou a partida para uma continuidade, a primeira foi um acto avulso.

7Só um século mais tarde é que tais circunstâncias se conjugariam na Madeira. Um dos obreiros dessa tarefa, tendo em mente esse espírito de movimento a erguer, foi Carlos Santos. Assim mesmo, haverá um sentido, de imediato menos perceptível, mas susceptível de ser atribuído à placa evocativa: tanto a luz artificial, como os espectáculos de folclore são componentes que percorrem a modernidade.

Resenha biográfica

  • 1 Sobre este instrumento cordofone ver Oliveira (2000: 180).

8Carlos Santos ou Carlos M. Santos eram as formas como costumava assinar os escritos. O seu nome completo era Carlos Maria Platão dos Santos. Nasceu a 22 de Julho de 1893, na freguesia da Sé, em pleno centro do Funchal. Após ter terminado a escola industrial, inicia em 1908 a sua vida profissional na indústria dos bordados, onde desempenhou várias funções, entre as quais a de desenhador. Aprendeu a tocar braguinha1 e bandolim.

9Em 1913 funda um grupo de bandolinistas, no qual participam um seu irmão e alguns amigos. Para além de exibições por ocasião de festas no Funchal, deslocam-se a Machico e à ilha do Porto Santo, em 1924. Mantêm-se activos até cerca de 1927.

10Nesse ano recebe convite para assumir a direcção artística do 6 de Janeiro de 1915, transformando-o no Círculo Bandolinístico da Madeira. Com esta orquestra obtém prémios na especialidade, ao concorrer a um certame realizado no Teatro Municipal, em 2 de Fevereiro de 1929. A presidência do júri foi assegurada pelo maestro Francisco de Lacerda (1869-1934), temporariamente na ilha por razões de saúde (Câmara 1994: 7).

11Ainda na década de 1920, o agrupamento ganha fama local e exibe-se duas vezes nos Açores (logo em 1929 e depois em 1930). Com a morte de Alfredo Correia, bandolineiro reputado, e sem alternativa para o substituir, o Círculo entra em decadência.

  • 2 Da relação de amizade estabelecida com um pianista seu conterrâneo, Joaquim dos Santos Freitas (190 (...)

12Carlos M. Santos foi um autodidacta. Em paralelo à sua actividade de tocador, foi-se cada vez mais debruçando sobre aspectos do folclore madeirense.2

  • 3 Existem poucos testemunhos sobre a sua personalidade, as excepções salientam o seu individualismo ( (...)

13Aproveita a sua colaboração jornalística no Jornal da Madeira para ir redigindo textos com as observações e as reflexões resultantes das suas caminhadas solitárias pela ilha, que não viriam a ser publicados na imprensa.3 Datado de 1937, sai o livro Tocares e Cantares da Ilha. Estudo de Folclore da Madeira, em edição do autor, onde divulga os materiais entretanto compilados.

14O seu empenho na organização de grupos folclóricos parece ter tido início nesse ano de 1937, ao ser-lhe solicitada a colaboração na Festa da Vindima, a decorrer no Funchal. Encarrega-se da direcção artística de Os Folcloristas, um agrupamento com sede no sítio dos Louros, nos então arredores da cidade. Não irá perdurar a experiência. Com as dificuldades organizativas (a falta de raparigas) conjugam-se as consequências da deflagração da Segunda Guerra Mundial.

15Munido desta primeira experiência de representação folclórica, lança-se na criação de um agrupamento próprio, provavelmente conhecido como Grupo Carlos Santos. O recrutamento de dançarinas e cantoras permanece difícil, por isso associa-se ao Patronato de São Pedro, uma entidade caritativa religiosa, na esperança de solucionar o problema. Estreiam-se a 30 de Novembro de 1940, no Teatro Municipal, com um espectáculo da sua autoria, Visão Lírico-coreográfica da Ilha da Madeira, integrado nas Comemorações dos Centenários.

16Pouco depois vê publicado por um organismo oficial, a Delegação de Turismo da Madeira, Trovas e Bailados da Ilha. Estudo de Folclore da Madeira (1942), o seu segundo livro. É novamente compelido à mudança de instalações, passando para um pavilhão de exposições (Quinta Vigia). Continuam a actuar, sendo uma das exibições, realizada nos jardins do Hotel Savoy, destinada a um filme encomendado pelo ministério da Educação. Em 1945, por ocasião das Festas da Cidade, organiza mais espectáculos. A dificuldade em manter estável a participação feminina leva-o a dissolver o agrupamento, por volta de 1948.

17Em Março do ano seguinte é-lhe feito convite para tomar a direcção artística do Grupo da Casa do Povo da Camacha, estando em vista a preparação para o Concurso Internacional de Danças Populares, marcado para Junho de 1949, em Madrid. A ida ao estrangeiro saldou-se pela obtenção de um segundo lugar na modalidade de ranchos mistos e pela atribuição de uma faixa de honra pela originalidade. No regresso, o grupo da Camacha tem a oportunidade de se exibir em Lisboa (na Casa da Madeira e durante a visita oficial de Pierre de Gaulle, então presidente do município de Paris). Com eles vai, em 1951, a França (Biarritz) e novamente a Espanha (Saragoça).

18Três anos mais tarde, desliga-se dos camacheiros. Ensaia já outros ranchos: os das freguesias da Boaventura, da Ponta do Pargo e do Livramento. Com este último tenta uma organização independente, tendo-se exibido em 1952 durante a visita oficial do general Craveiro Lopes, então presidente da República. Com data desse ano, vê o seu terceiro livro O Traje Regional da Madeira Estudo, sair a público com a chancela da Junta Geral.

19A experiência com o grupo do Livramento não tem continuidade, uma vez mais pelos obstáculos encontrados no recrutamento feminino e pela ausência dum local apropriado para os ensaios. Em 1955, três ranchos que vinha orientando (Ponta do Pargo, Boaventura e Ponta do Sol) actuam em mais uma edição da já mencionada Festa da Vindima.

20Atingido por doença que o ia debilitando, veio a falecera6deOutubro de 1955, na cidade onde nascera.

Proposta interpretativa

  • 4 Utilizei as entradas referentes a Carlos M. Santos em Clode, 1994, e na Grande Enciclopédia Portugu (...)

21O trajecto biográfico elaborado resume os dados nem sempre coincidentes de várias fontes. Ficam por conhecer facetas de maior ou menor relevância.4

22Após educação escolar vocacionada para o exercício profissional, emprega-se numa casa de bordados funchalense. O papel destes estabelecimentos industriais era coordenar o trabalho de milhares de mulheres bordadeiras, espalhadas por todo o arquipélago, trabalhando por um sistema equivalente a empreitada, recebendo da respectiva casa de bordados o material necessário (o pano com o desenho e a linha). Feito o bordado, este era devolvido ao estabelecimento, lavado e engomado por operárias, calculado o preço e finalmente posto à venda. Empregados masculinos tratavam das tarefas administrativas e preenchiam a sala de desenho. Terá sido nestas esferas que Carlos M. Santos se inseriu e foi subindo de categoria. Da vertente profissional, pode-se reter como hipótese a possibilidade que terá tido de dispor de muitos contactos com as áreas rurais.

23Os trabalhos de embutidos constituem uma das suas distracções. Eram conhecidos na cidade, chegando a ser expostos (Vasconcelos 1993: 24-25). O desenho aprendido e treinado na escola e, depois, exercido no campo profissional, pode ter constituído motivo para esta dedicação. Colabora na imprensa diária, em moldes difíceis de avaliar.

24Domina dois instrumentos. Certamente que o envolvimento familiar lhe terá sido propício nessa aprendizagem, assim como o meio social urbano em que cresce. A braguinha indicia integração em meios populares. O bandolim aponta para uma convivência musical mais própria de sectores afastados dos referidos meios e orientada para vogas cosmopolitas — se quisermos uma cultura de massas emergente e avessa a fronteiras nacionais. Enquanto a primeira abrange um ambiente não letrado, onde imperava o repentismo (Gomes 1994, Silva & Menezes 1984-III: 87-88), na segunda a propagação da mensagem musical requer inserção numa cultura escrita.

  • 5 Manuel dos Passos Freitas (1872-1952) era um advogado que desde cedo se empenhou em criar e ser reg (...)

25A sua biografia está marcada por usos e contextos de música. Aos 20 anos de idade funda um grupo bandolinístico, passados cerca de 15 anos muda-se para outro, molda-o e rebaptiza-o. Até aí as actuações terão servido para animar bailes e festas de convívio, talvez disputando popularidade a outros congéneres, como o Septeto Passos Freitas.5 Ao reanimar o Círculo, entra em espectáculos com plateia mais abrangente, pois exibe-se na mais conceituada sala da cidade, o Teatro Municipal. Aqui, em 1929, na presença duma personalidade da vida musical nacional recebe, pela primeira vez, um reconhecimento que extravasa o seu meio social de origem. Vai a digressões fora do arquipélago. A caminhada rumo a um mais amplo reconhecimento como músico amador é interrompida com o falecimento dum colega, que não consegue substituir. Esmorece o Círculo ou o 6 de Janeiro, como as pessoas chamavam ao agrupamento (Xarabanda 1993), coincidindo isto com a passagem de uma moda musical. Tem mais de 40 anos e sente chegado o momento de abraçar uma vocação.

26O ano de 1937 parece ser uma charneira no reajustamento dos seus interesses. Até ao fim da vida irá conseguir publicar três livros, todos sobre aspectos do folclore madeirense. É-lhe proposta a direcção artística de um grupo folclórico, havendo uma exibição em perspectiva. Inicia uma caminhada em prol da criação e organização de ranchos folclóricos. Desta experiência retiram-se alguns dados conclusivos. Os agrupamentos que funda, orienta, reorganiza e conduz a espectáculos no Funchal, no continente e no estrangeiro traduzem uma situação de arranque do movimento folclórico. Surgem oportunidades de actuações solicitadas por instâncias oficiais para concursos, festejos públicos ou actos solenes. Pelo outro lado, apercebemo-nos da fragilidade da coesão interna: é difícil manter as raparigas e dispor de espaços para os ensaios. Este quase paradoxo é reflexo da própria essência do movimento musical e cénico emergente; o interesse vem de cima, a adesão dos desejados protagonistas populares é hesitante a pressão social sobre as jovens não lhes permite um empenhamento duradouro.

  • 6 Dos álbuns fotográficos de promoção turística editados no estrangeiro e feitos por estrangeiros, re (...)

27As oportunidades de ensaiar ranchos folclóricos surgem a partir de finais da década de 1930. No caso de Os Folcloristas há uma meta imediata, a que haverá que acrescentar como hipótese destinar-se o grupo a exibições para os passageiros dos barcos alemães em cruzeiros de turismo popular (Kraft durch Freude, KdF). Apesar do tempo de guerra entre outras nações, a experiência seguinte é coroada de êxito. Com um grupo próprio pretende inserir-se num âmbito à escala nacional. Exibe-se com repertório inédito e da sua autoria nos eventos nacionais comemorativos dos centenários. Nos anos do conflito mundial sai o segundo livro e faz uma actuação filmada.6 O Grupo Carlos Santos sobrevive até finais de 40, sucumbindo às dificuldades de recrutamento. Em finais da década aceita a direcção dum outro rancho já constituído, o da Camacha, com o qual obterá resultados compensadores. Entra em concursos internacionais e eventos nacionais. É o ingresso definitivo da Madeira no movimento folclórico nacional.

28Nos anos seguintes, o seu labor consiste em disseminar os conhecimentos acumulados por ranchos entretanto formados em freguesias rurais madeirenses.

29No aparecimento de ranchos folclóricos com carácter permanente convergem interesses de dois tipos: a promoção turística regional (no exterior) e a participação no emergente movimento folclórico nacional. Ambos os vectores criam oportunidades para actuações calendarizadas.

  • 7 Sobre a obrigação do uso de indumentária estabelecida como regional, por exemplo, para as floristas (...)

30Neste processo de folclorização inserida num movimento organizado, distinguem-se impulsos normalizadores. De um lado, posturas municipais no Funchal, regulamentando a indumentária a envergar na prestação de determinados serviços turísticos e a institucionalização dos festejos pelo São Silvestre.7 São medidas destinadas à criação duma imagem insular própria a ser consumida pelos forasteiros. Por outro, a dinâmica nacional interna da transposição de aspectos seleccionados da cultura popular para a fixação de um património folclórico destinado à inculcação de tradições e de arranjos estéticos diferentes (Branco 1999, 2001).

31Carlos Santos é o principal obreiro à escala regional da síntese performativa. Na sua vida sucedem-se duas fases: a de bandolinista e a de folclorizador. Na primeira integra-se musicalmente numa modernidade de inspiração cosmopolita e descobre o potencial gestual, musical e cénico a combinar num novo género, o arranjo folclórico autonomizado. Na fase posterior volta-se decididamente para esta tarefa, investigando os seus conteúdos melódicos, corporais e de traje, depurando e tornando-os aptos para nova funcionalidade.

  • 8 Trata-se da revolta de Fevereiro de 1931 (Brasão & Abreu 1994) e do levantamento ocorrido em Agosto (...)

32As suas publicações são a justificação escrita e ilustrada dessa funcionalidade. Com o movimento folclórico ganha força e legitimidade o desempenho folclórico, leia-se a fixação de composições etnográficas fabricadas com novas artes e manhas. Esta é a essência da acção de Carlos Santos na sua terra. Colocando o folclorizador no seu tempo e no seu espaço, há aspectos que se quedam sem resposta. Pertenceu a uma geração de madeirenses que, nos anos 1930, viveram dois movimentos de revolta contra medidas tomadas pelo governo em Lisboa e respeitantes à Madeira.8 Da sua posição em relação a eles nada transparece nos dados disponíveis. A não ser, talvez, que as duas primeiras obras referem nos seus títulos o termo ilha, enquanto a última aponta para uma componente de incidência regional.

Merecida homenagem póstuma ao nosso primeiro director, padre António Marvão. Com a sua grande humildade, o nosso director, Reverendo Padre Marvão, que a pedido do Senhor D. José, aceitou a missão de dirigir o nosso jornal, (…), continuando sempre como colaborador assíduo até à sua morte no passado dia 2 de Fevereiro. Porém, como só agora, após o seu chamamento por deus, para a Pátria Celeste, conseguimos uma sua fotografia, entendemos prestar-lhe esta modesta homenagem, publicando hoje, no dia do nosso 30.° aniversário a sua foto, que era a única dum seu passaporte e da qual mandámos fazer a reprodução para oferecer a seus irmãos residentes em Amareleja.(…)”
Jornal do Sul
(Beja), n.° 953, 2 de Junho de 1993

Notes

1 Sobre este instrumento cordofone ver Oliveira (2000: 180).

2 Da relação de amizade estabelecida com um pianista seu conterrâneo, Joaquim dos Santos Freitas (1908-1980), terá tirado proveito em termos de conhecimentos de história da música. Este dedicava-se ao ensino musical e a tocar nos ambientes turísticos funchalenses e a bordo dos navios que faziam escala no porto (Clode 1994: 206-207). Há referências a Carlos Santos dos músicos José Viana da Mota (1868-1948), Luís de Freitas Branco (1890-1955) e do etnógrafo colaborador do SPN Luís Chaves (1888-1975). Agradava-lhe saber o seu trabalho referido por individualidades reconhecidas a nível nacional.

3 Existem poucos testemunhos sobre a sua personalidade, as excepções salientam o seu individualismo (Fernandes 1993: 5).

4 Utilizei as entradas referentes a Carlos M. Santos em Clode, 1994, e na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira (volume XXVII), revelando-se mais informativo o material recolhido e publicado em Xarabanda (1993). Neste último caso, trata-se de uma entrevista feita ao filho do biografado, Rui Santos. Agradeço a Rui Camacho, da Associação Xarabanda, no Funchal, alguns pormenores facultados.

5 Manuel dos Passos Freitas (1872-1952) era um advogado que desde cedo se empenhou em criar e ser regente do Orfeão Madeirense. Para além desta formação de canto coral, era director do Septeto Passos Freitas, uma orquestra de palhetas (Silva & Menezes 1984-III: 53-54, Clode 1994: 357-358).

6 Dos álbuns fotográficos de promoção turística editados no estrangeiro e feitos por estrangeiros, retenho um de meados dos anos 50, em que aparecem fotografias dum rancho folclórico em plena exibição, tendo como pano de fundo o átrio da igreja de Santa Cruz. Poderá tratar-se do grupo da Camacha (Varvara 1955, fotos 65 e 66).

7 Sobre a obrigação do uso de indumentária estabelecida como regional, por exemplo, para as floristas e os boieiros, vejam-se referências mais completas em Branco (2001). Sobre a Comissão de Festas de Fim do Ano, ver Lacerda (1994: 15-17). Nesta comissão participaram, entre outros, o maestro Francisco de Lacerda e o então presidente do município funchalense, Gastão de Deus Figueira (1896-1957), que havia imposto o uso de traje típico na cidade.

8 Trata-se da revolta de Fevereiro de 1931 (Brasão & Abreu 1994) e do levantamento ocorrido em Agosto de 1936, que obrigaram o governo em Lisboa a enviar forças militares, a fim de controlar largos sectores da população amotinados. Os acontecimentos tiveram como pano de fundo, em 1931, um novo regime cerealífero — a Revolta do Pão — e, em 1936, a promulgação de dispositivos legais relativos aos lacticínios — a Revolta do Leite (alguns dados em Silva & Menezes 1984-II: 406).

Table des illustrations

Légende “Merecida homenagem póstuma ao nosso primeiro director, padre António Marvão. Com a sua grande humildade, o nosso director, Reverendo Padre Marvão, que a pedido do Senhor D. José, aceitou a missão de dirigir o nosso jornal, (…), continuando sempre como colaborador assíduo até à sua morte no passado dia 2 de Fevereiro. Porém, como só agora, após o seu chamamento por deus, para a Pátria Celeste, conseguimos uma sua fotografia, entendemos prestar-lhe esta modesta homenagem, publicando hoje, no dia do nosso 30.° aniversário a sua foto, que era a única dum seu passaporte e da qual mandámos fazer a reprodução para oferecer a seus irmãos residentes em Amareleja.(…)”Jornal do Sul (Beja), n.° 953, 2 de Junho de 1993
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/607/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 58k

Auteur

Doutor em etnologia (Universidade de Mainz), professor de antropologia no ISCTE, coordenador do DepANT. Domínios de pesquisa: folclorismo, cultura material, ritualidade secular. Publicações: Ao Encontro do Povo. I. A Missão (Celta Editora, 1992, em co-autoria), Ao Encontro do Povo. II. A Colecção (Celta Editora, 1993, co-autoria), Artes da Fala. Colóquio de Portel (Celta Editora, 1997, co-org.), “A fluidez dos limites: discurso etnográfico e movimento folclórico em Portugal” Etnografica Revista do Centro de Estudos de Antropologia Social, 3, 1: 23-48.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr