Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

III. Jogos

29. Diversões de carácter periódico em Portugal1

Texte intégral

  • 1 O «Jeu de Toupiole- em Portugal. « Trabalhos de Antropologia e Etnologia», XV. 1-2. Porto. 1954. pá (...)
  • 2 Cfr. O jogo da péla na Póvoa da Atalaia. Aí falamos também em outro jogo da péla – a péla ao compri (...)

1Num outro capítulo, referimo-nos a um jogo da péla, ou da bola, que ocorre (ou ocorria até tempos muito recentes) na Póvoa de Atalaia e na Póvoa de Varzim, possuindo, em ambas estas localidades, a característica de ser uma diversão periódica, própria, no primeiro caso, da Quaresma, e, no segundo, do tempo que medeia entre o Sábado de Aleluia e a Quinta-Feira de Ascensão2. Analisaremos aqui outros jogos ou diversões que se praticam em várias localidades, próprios de épocas diferentes, mas sempre a mesma em relação a cada localidade, correspondentes a celebrações ou festividades cíclicas definidas.

O jogo da Cabacinha

  • 3 Fernando Falcão Machado. Nota sobre a cabaça em Portugal. «Revista Lusitana». 28. Lisboa, 1930. pág (...)

2Referido ao Norte em geral, Falcão Machado indica o «jogo da Cabacinha», «muito praticado nas aldeias, pelo Carnaval e aos domingos, como recreio. Um grupo de pessoas coloca-se em roda, distanciadas umas das outras, atirando entre si ou uma cabaça ou uma bilha de barro... É um jogo essencialmente de mulheres; e o uso da bilha de argila, motivado decerto por carência de cabaças, obriga-as a grande exercício de destreza, porque terá de pagar a bilha a que a deixar cair. O uso da cabaça, mais vulgar e decerto mais antigo neste jogo, é mais frequente do que o da bilha de barro, por motivos de ordem económica»3.

  • 4 Informação de Dorlinda Valente de Melo Cabral, aíuna da Faculdade de Letras de Coimbra.
  • 5 A. Gomes Pereira, Costumes e linguagem popular de Murça. «Revista Lusitana», 14, Lisboa, 1911, pág. (...)

3Nesta ordem de ideias, em Silgueiros. perto de Viseu, por exemplo, e igualmente no Carnaval, joga-se o «Pucarinho», em que se atira um púcaro de umas pessoas para as outras, até este cair e se partir4: em Freixo de Espada à Cinta, e também no Carnaval, joga-se o «Cântaro», como o «Pucarinho» de Silgueiros. mas em que. como na descrição de Falcão Machado, aquele que o deixa cair paga uma determinada penalidade. Do mesmo modo, e ainda mais uma vez na altura do Carnaval, vimos, nos arredores de Coimbra, perto da margem esquerda do Mondego, um grupo de raparigas que. ao lado da estrada, atiravam grandes potes de barro, já inutilizados, de umas para as outras, em visível feição de divertimento: não pudemos, nesse momento, averiguar do que se tratava exactamente, mas cremos sem dúvida legítimo interpretar esse jogo de Coimbra à luz dos outros exemplos que apontámos. Semelhantemente, em Murça, «em certo domingo da Quaresma, as pessoas vizinhas e conhecidas entram em casa umas das outras e trazem para a rua toda a louça de barro que encontram, e começam depois a jogar e a atirar com ela uns contra os outros, até a desfazerem em cacos. Por isso chamam a esse dia domingo da caqueira» 5.

  • 6 Bento da Cruz, Planalto de Gosto Frio, Lisboa (Círculo de Leitores), 1982.
  • 7 Nos anos em que se juntavam poucos cântaros de barro, arranjava-se um de folha, que fazia as vezes (...)

4Bento da Cruz, pelo seu lado, fala também nesta diversão, que se joga nas aldeias do planalto do Barroso pela Páscoa: «Entretanto, segundo os usos e costumes, rapazes e raparigas haviam dado uma volta pela aldeia e recolhido quantos púcaros velhos encontraram, para os jogarem de mão em mão, à roda, com grandes risadas e pequenas multas para aqueles que os deixassem cair e espatifar. »6 Enfim, em Quintanilha, na raia transmontana a leste de Bragança, joga-se no dia da Ascensão o jogo da «Cantarinha», em que, após um peditório de cântaros velhos que se transportam enfiados numa vara pela asa, as pessoas, dispostas em redor do amplo largo da povoação, os atiram igualmente de umas para as outras: quando um deles cai ao chão e se escaca, há grande risada e troça, e recomeça-se com outro, até se destruírem todos7. Vemos deste modo que o costume de escacar louça velha num dia certo e festivo do ano ocorre em Portugal com relativa frequência.

  • 8 Arnold van Gennep. Manuel de Folklore Franjais Coniemporain. Tome Premier. II. Paris. 1946. pág. 52 (...)
  • 9 Ihid., III. pág. 1110. Poderá esta prática comparar-se. pelo seu sentido primordial, com o costume (...)

5Em França, o quebrar voluntário de louça de barro constitui sempre uma prática com sentido mágico actual ou originário – às vezes, por falta de razões expressas, difícil de se concretizar e definir se profiláctico, multiplicador ou propiciatório, mas geralmente em relação com a ideia de felicidade (porte-honheur); e. naquelas condições, é também um jogo próprio de certas celebrações e ritos de passagem, nomeadamente casamentos8. Eis, para melhor ilustração, a descrição que, com o nome de Jeu de la Toupiole, próprio do dia de Carnaval, dele dá o Abe. Laborde. referido a Bidache. no Béam: «Durante todo o ano, as donas de casa puseram de lado os cântaros rachados ou amputados no seu gargalo ou asa. Quando chega o dia. homens e mulheres, em pequenos grupos, atiram uns aos outros, na praça pública, esses cântaros fora de uso, como se fossem bolas. A princípio, isso faz-se com perícia, mas depois, pouco a pouco, deixa-se propositadamente cair no chão os cântaros, que se estilhaçam em mil bocados, no meio de gargalhadas. Quando todos se escacaram, vão-se buscar os velhos potes rachados, ou esbotenados. Depois de tudo esmigalhado, deixam-se os cacos no sítio, o que a um estranho causaria a impressão que se estivera a espatifar a montra de um louceiro...»9

Os « bombos » de Fafe

6Há cerca de quarenta anos faziam-se em Fafe, num recinto que se prestasse para a festa – de preferência umas carvalheiras, e nomeadamente o local daquela vila chamado a Granja –, e na tarde do dia de Páscoa, baloiços festivos, a que se dava o nome de «bombos». Para tal, arranjava-se e preparava-se previamente um grande ramo de carvalho com dois braços iguais, e a resistência, dimensões e aspecto requeridos; e, aplicando-se-lhe no vértice um gancho de ferro, suspendia-se de um barrote atravessado ao alto entre duas carvalhas; solidamente pregada aos extremos desses braços, uma tábua fazia de assento. No gancho, em cima, colocava-se um ramalhete de flores, uma rosca de pão e uma garrafa de vinho «fino», que constituíam o prémio para quem viesse a merecê-lo.

7Os rapazes, à vez, em pé sobre o assento, punham o «bombo» em movimento com o mais forte impulso que podiam, a golpes de rins; e aquele que o levasse mais alto, era o herói do dia, e recebia as flores, a rosca e a garrafa. As raparigas menos afoitas e fortes, e também cada uma à vez, iam sempre sentadas; o impulso era dado por um rapaz que, em pé, acompanhava aquela que ocupava o baloiço, ou então por outros que, de fora, puxavam duas cordas presas ao assento, no sentido da oscilação, entre gritos de susto por parte delas, e grande brincadeira pela deles. Um rapaz nunca consentiria nem em se sentar nem que qualquer outro o ajudasse.

8Os «bombos», que depois daquele dia se mantinham, eram o grande divertimento da gente moça nas tardes de domingo da quadra primaveril, e pretexto para se organizarem verdadeiras festas, com luzida concorrência e animação, tendinhas de refrescos e limonada, música de harmónios, violas, pandeiretas e ferrinhos. rusgas, descantes e bailaricos.

  • 10 Alberto Vieira Braga. De Guimarães – Tradições e Usanças Populares. I. Esposende (Col. Silva Vieira (...)

9Esta diversão era conhecida também em Guimarães, com o nome de «jogo das redouças» ou «retoiças», próprio dos domingos de Páscoa e Pascoela, e do S. João10; e temos uma referência à sua existência em Barcelos. A sua área total de expansão entre nós, porém, não foi ainda determinada.

  • 11 James George Frazer. Le cycle du Rameau d’Or. vol. IV. Le Dieu qui meurt (trad. francesa de The Gol (...)

10Os baloiços periódicos encontram-se em muitos povos; eles já eram conhecidos no mundo greco-romano, tendo então lugar em cerimónias religiosas de fundo mítico, em relação com ideias de expiação e purificação de influências maléficas aéreas, e, consequentemente, como ritos promotores de fertilidade11. Nos nossos tempos, entre as populações cuja vida mental se regula por conceitos menos evoluídos, eles correspondem do mesmo modo, geralmente, a práticas religiosas ou mágicas, embora com fins diversos: uma vezes parecem ter em vista a expulsão de maus espíritos; outras, são utilizados como um veículo para a inspiração divina se manifestar; outras ainda, como um processo de assegurar caça e pesca abundantes, provocando a fecundidade animal e a fertilidade vegetal, etc.

  • 12 Arnold van Gennep. op. cit., III, pág. 1106.
  • 13 James George Frazer. op. cit.. págs. 248-249.
  • 14 Ibid., pág. 134. Cf. do mesmo autor : Le cycle du Rameau d’Or, vol. IX. Le Bouc Émissaire (trad. fr (...)

11Na Europa moderna, existem em alguns departamentos da Sabóia francesa os baloiços de rapazes e raparigas no dia de Carnaval, em cordas suspensas de árvores ou palheiros12; na Itália, havia-os na Calábria, no Natal, dentro das casas, por parte das raparigas, com intenção piedosa; na Espanha, em Cádis, havia-os na mesma data, que seguiam depois, até ao Carnaval, por rapazes e raparigas, e também dentro das casas; na Grécia, há-os em várias ocasiões – na terça-feira depois da Páscoa, com carácter aparente de rito solar; a meio da Quaresma, entre lamentações, etc. – conforme os lugares; na Estónia, havia-os na noite de S. João, enquanto ardiam as fogueiras, só de raparigas, acompanhados de cantigas13; na Letónia, os lavradores, entre a Páscoa e o S. João. baloiçavam-se o mais que podiam, durante as horas vagas, acreditando que, por um princípio evidente de magia imitativa e à semelhança do que sucedia em outros sítios, quanto mais e mais alto baloiçassem, melhor a semente germinaria e cresceria14, etc.

« Roubos » e « travessuras » festivos

12Em muitas terras portuguesas existe o costume de. em datas diversas, se «roubarem» certas alfaias, vasos de flores e outros objectos, que se levam para qualquer local especial da povoação, em regra o adro da igreja ou uma encruzilhada, onde, no dia seguinte, os donos respectivos os deverão procurar e trazer de novo para as suas casas.

  • 15 Em Guimarães, um lavrador queixou-se de que lhe haviam «roubado» um arado de ferro, que puseram no (...)

13Assim sucede, entre muitos outros, por exemplo, no distrito de Braga, na véspera de S. João, em Aboim da Nóbrega, no concelho de Vila Verde, e em Tecla, no de Celorico de Basto, onde os «roubos» consistem habitualmente em carros, arados, cancelos, vasos de flores das janelas, etc.; em Fafe, onde de preferência são «roubados» os sarilhos de tirar água, com o balde e a corda, os vasos de flores, e os «canhotos» de lenha, que, à porta das casas, aguardam o rachador, e que se atravessam nas quelhas e caminhos, impedindo a passagem; na região de Arouca, em Cortiços, no Barroso, e em Priscos, onde, além daquela data, o costume se verifica também na véspera de S. Pedro, sendo na primeira daquelas localidades os objectos atravessados nos caminhos, como no exemplo de Fafe, e na segunda levados para o adro da igreja, como no de Tecla e Aboim da Nóbrega, etc.15.

14Por outro lado, no concelho de Vinhais, a data escolhida é o dia de Todos os Santos; em Moimenta da Raia e Seixas, por exemplo, os rapazes, nessa ocasião, «roubam» igualmente grades, arados, carros, etc., que põem nos caminhos; e nesta última aldeia, além disso, tapam as fontes com paus, e, quando podem, levam os burros para longe do povoado, e deixam-nos aí ficar presos a qualquer árvore.

15É visível o carácter irreverente da costumeira, que muitas vezes é dirigida, por parte dos rapazes novos., contra casas onde há raparigas solteiras, ou pessoas desfrutáveis por temperamento ou aspecto, e que se apresenta como manifestação das liberdades licenciosas, possivelmente de fundo ou de origem mágico-ritual, próprias de certas épocas e celebrações, hoje permitidas à juventude, nas festividades que lhes correspondem.

  • 16 Van Gennep, ibid., III, págs. 1107-1108.

16Esta brincadeira, conhecida em várias partes pela designação de «Travessuras» ou «Roubalheiras» do S. João (ou do S. Pedro), ocorre também em França, em termos iguais aos que aqui vimos, em diversos lugares e datas, com o nome, próprio da região alpina, de Farse du Barri; no departamento do Mame, por exemplo, elas tinham lugar em Terça-Feira Gorda, e era o tambor que, no dia seguinte, avisava os donos de que chegara a hora de irem buscar o que lhes pertencia – carros, bancos, cancelos, ferramentas, etc., como entre nós–, e que os rapazes haviam amontoado na praça comunal durante a noite, enquanto ardiam as fogueiras do Carnaval16.

* * *

  • 17 Vide: James George Frazer, Le Cycle du Rameau d’Or, vol. IX, Le Bouc Émissaire (trad francesa de Th (...)

17As três diversões populares que apontamos, portanto, além de serem comuns a vários países, o que pode sugerir, a seu respeito, uma origem remota, apresentam-se, em todos eles, com o mesmo carácter de periodicidade. Segundo vários autores, a periodicidade de alguns jogos e diversões, e a sua afectação a determinadas celebrações festivas ou cíclicas, indigita-os, em certos casos, como reminiscências ou sobrevivências de práticas rituais ou mágicas17; tal é o caso, como vimos no exemplo da Letónia, dos baloiços que se praticavam entre a Páscoa e o S. João, que ajudavam à fertilidade: e, semelhantemente, o sentido expresso de porte-bonheur, em que aquela natureza perdura, que em França é atribuído ao escacar da louça no Carnaval.

  • 18 Não cabe aqui a crítica de tais teorias, de resto muito variadas, todas elas difíceis de provar e a (...)

18É assim possível que a ideia de conceder o prémio dos nossos «bombos» àquele que conseguiu levá-los mais alto, represente um princípio idêntico, posto ao serviço do instinto lúdico de competição; e pode-se admitir que o «jogo da Pucarinha» seja estudado em comparação com o jogo carnavalesco francês da Toupiole. Em todo o caso, entre nós. nos exemplos que até agora conhecemos, qualquer significado mágico ou augurai, a ter existido outrora – o que seria de presumir, de acordo com a hipótese de Frazer18 – perdeu-se totalmente. Para lá disso, porém, a sua própria periodicidade é sem dúvida, só por si. altamente significativa, e faz-nos supor que nos encontramos perante manifestações de natureza especial, que deverá ser tomada em linha de conta para a sua conveniente interpretação ; e esta hipótese é aqui apoiada pela consideração da sua presumível antiguidade.

Jogo do galo e da rosca

  • 19 Augusto C. Pires de Lima. Tradições Populares de Santo Tirso. « Revista Lusitana ». 18. Lisboa. 191 (...)

19Conhecemos entre nós – e igualmente em outros países europeus – mais duas diversões que têm lugar apenas no Carnaval, ou seja, que são, como o jogo «da Cantarinha» que acima descrevemos, de carácter periódico: o jogo «do galo» e o jogo «da rosca». No primeiro, numa versão de Santo Tirso. enterra-se um galo no chão com apenas a cabeça de fora; os concorrentes, colocados a um certo número de passos do animal e com os olhos vendados, procuram atingi-lo e decepá-lo brandindo uma espécie de espada; outras vezes, a grande distância, procuram acertar-lhe a tiro. Ultimamente, por consideração de valores menos desumanos, o galo é substituído no jogo por um objecto de pau. e aparece apenas no fim como prémio de vencedor19.

  • 20 Jorge Dias. Rio de Onor. Comunitarismo Agro-Pastoril. Porto. 1953. pag. 344.

20Em Rio de Onor pratica-se o mesmo jogo, sob a forma – e a designação – de «tiro ao galo». O vizinho que põe o galo em disputa dita as condições. Os caçadores apresentam-se todos com as suas armas, e pagam uma certa quantia por tiro que dão. As distâncias variam conforme os projécteis são uma simples carga de chumbo, zagalotes ou balas. O dono tem o cuidado de tomar a empresa o mais difícil que seja possível. Às vezes os tiros repetem-se demasiadamente. e então o dono pode aproximar mais o galo. Em geral este coloca-se de maneira que só a cabeça possa ser alvejada, pois quer-se evitar que o animal seja ferido inutilmente20.

  • 21 Cfr. do autor, neste volume. Manjares Cerimoniais do Entrudo em Portugal : e também A. van Gennep., (...)

21Como já noutro lugar vimos, e de acordo com Jorge Dias, o galo parece ter qualquer relação simbólica com o Entrudo. Além da sua associação a este ciclo que se manifesta no jogo do galo ou do tiro ao galo, vêmo-lo também em alguns casos figurar como prato cerimonial obrigatório da quadra: em Rio de Onor, a par com o butiélu de porco, come-se. no Carnaval, galo com arroz. E em Barranco do Velho, na serra algarvia a norte de S. Brás de Alportel. reserva-se para a data o melhor galo da criação, a que se dá o nome de «galo de Entrudo»; e o costume é tão rigoroso que a expressão passou a rifão, e quando se quer designar uma coisa que o dono nunca mais se decide a gastar, diz-se que a guarda para «galo do Entrudo»21.

22O jogo do galo, como diversão própria do Carnaval, existe também em França.

* * *

23O jogo da rosca, por seu turno, consiste em procurar atingir com grandes varapaus uma rosca de trigo ou de pão-de-ló que se colocara numa ramada, poste, ou outro lugar elevado, enquanto rapazes e raparigas dançam em tomo deste: quando um homem consegue tocar na rosca, ganha-a como prémio.

Notes

1 O «Jeu de Toupiole- em Portugal. « Trabalhos de Antropologia e Etnologia», XV. 1-2. Porto. 1954. págs. 110-111: e Os «Bombos» de Fafe e outras diversões de carácter periódico. «Trabalhos de Antropologia e Etnologia». XIII, Porto. 1952, págs. 265-270.

2 Cfr. O jogo da péla na Póvoa da Atalaia. Aí falamos também em outro jogo da péla – a péla ao comprido – de Idanha-a-Nova, totalmente diferente das pélas das duas Póvoas, mas que. como elas, é igualmente de carácter periódico, próprio do tempo que vai do Domingo de Páscoa ao Pentecostes.

3 Fernando Falcão Machado. Nota sobre a cabaça em Portugal. «Revista Lusitana». 28. Lisboa, 1930. págs. 282-283.

4 Informação de Dorlinda Valente de Melo Cabral, aíuna da Faculdade de Letras de Coimbra.

5 A. Gomes Pereira, Costumes e linguagem popular de Murça. «Revista Lusitana», 14, Lisboa, 1911, pág. 82. Não confundir este jogo com as «caqueiradas» do Entrudo, em que se atiram para dentro das casas todos os cacos de louças que se podem arranjar, e que se pratica em muitas partes.

6 Bento da Cruz, Planalto de Gosto Frio, Lisboa (Círculo de Leitores), 1982.

7 Nos anos em que se juntavam poucos cântaros de barro, arranjava-se um de folha, que fazia as vezes daqueles. Lopes Dias. Etnografia da Beira. I (2.a ed.), Lisboa. 1944, pág. 141, fala no jogo da panela, em Escalos de Baixo, próprio dos dias do Carnaval, em que as pessoas jogam uma panela ou uma cesta a arder; mas não o descreve, e não sabemos se é o mesmo que a «pucarinha» de que nos temos ocupado.

8 Arnold van Gennep. Manuel de Folklore Franjais Coniemporain. Tome Premier. II. Paris. 1946. pág. 521. e III. Paris. 1947. págs. 1110-1111.

9 Ihid., III. pág. 1110. Poderá esta prática comparar-se. pelo seu sentido primordial, com o costume iroqués. relatado por Frazer (Le Bouc Emissaire. pág. 1141). próprio das festas do Novo Ano. em que homens e mulheres, nas vésperas da cerimónia da expulsão dos maus espíritos, iam de tenda em tenda, como loucos, escacando e atirando ao chão tudo o que encontravam?

10 Alberto Vieira Braga. De Guimarães – Tradições e Usanças Populares. I. Esposende (Col. Silva Vieira). 1924, pág. 154.

11 James George Frazer. Le cycle du Rameau d’Or. vol. IV. Le Dieu qui meurt (trad. francesa de The Golden Bough. Paris. 1931, págs. 246-248.

12 Arnold van Gennep. op. cit., III, pág. 1106.

13 James George Frazer. op. cit.. págs. 248-249.

14 Ibid., pág. 134. Cf. do mesmo autor : Le cycle du Rameau d’Or, vol. IX. Le Bouc Émissaire (trad. francesa de The Golden Bough, Paris, 1926) acerca dos saltos que os lavradores davam em certas regiões de França. Alemanha e Áustria, na ocasião das sementeiras ou em certas datas festivas, e em especial no dia de Carnaval. com a mesma ideia e finalidade (págs. 214-215). e ainda os baloiços das raparigas nas cordas dos sinos, na festa da Ascensão, em Hildesheim (pág. 224).

15 Em Guimarães, um lavrador queixou-se de que lhe haviam «roubado» um arado de ferro, que puseram no adro, ao mesmo tempo que amarravam uma corda ao badalo do sino e a um cão, que o fez soar toda a noite.

16 Van Gennep, ibid., III, págs. 1107-1108.

17 Vide: James George Frazer, Le Cycle du Rameau d’Or, vol. IX, Le Bouc Émissaire (trad francesa de The Golden Bough}. Paris. 1926, págs. 157-165. em especial 164. Para este autor, porém, tal significado só se atinge plenamente quando a periodicidade se refere a jogos de luta ou disputa de objectos; mas a verdade é que a própria periodicidade é já. só por si. altamente significativa. Veja-se ainda a sugestão indicada atrás, nota 8. onde é manifesto o sentido de rito purificador de certas destruições periódicas de coisas, em determinados povos.

18 Não cabe aqui a crítica de tais teorias, de resto muito variadas, todas elas difíceis de provar e até insustentáveis em muitos dos seus detalhes, mas impossíveis de recusar desde que se aceitem apenas como hipóteses históricas gerais. Em qualquer caso, porém, deve ter-se em vista que os elementos sobreviventes, tais como nos aparecem, foram penetrados por um sem-número de factores conceptuais ulteriores, e representam o cruzamento, sobreposição, encadeamento, absorção ou sincretismo de motivações históricas, sociais, psicológicas e culturais que excluem soluções simplistas.

19 Augusto C. Pires de Lima. Tradições Populares de Santo Tirso. « Revista Lusitana ». 18. Lisboa. 1915. pág. 201

20 Jorge Dias. Rio de Onor. Comunitarismo Agro-Pastoril. Porto. 1953. pag. 344.

21 Cfr. do autor, neste volume. Manjares Cerimoniais do Entrudo em Portugal : e também A. van Gennep., op. e loc. cit.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search